Navigation – Plan du site

A paisagem e o geossistema como possibilidade de leitura da expressão do espaço sócio-ambiental rural

Dias Janise et Santos Leonardo

Entrées d’index

Index de mots-clés :

paysage

Index by keywords :

Landscape

Index géographique :

Curitiba, Paraná
Haut de page

Texte intégral

1A Geografia como ciência de caráter eminentemente ambientalista permite no estudo da relação entre os homens e o meio natural a análise da expansão dos sítios urbanos e rurais, instalação de núcleos de colonização, implantação de sistemas produtivos tecnificados e suas inter-relações com os demais componentes do estrato geográfico.

2Desde o sucesso da Teoria Geral dos Sistemas, de Bertanlanffy, no início dos anos 1950 do século XX, a análise sistêmica extravasara todas as disciplinas. O trabalho de Jean Tricart (1965), com a sua classificação ecodinâmica dos meios ambientes, já assinala o aparecimento da teoria sistêmica na Geografia.

3Tricart (1977) define um sistema como um conjunto de fenômenos que se processam mediante fluxos de matéria e energia. Esses fluxos originam relações de dependência mútua entre os fenômenos. Surge daí uma entidade global nova, mas dinâmica. Para o autor, esse conceito permite adotar uma atitude dialética entre a necessidade da análise e a necessidade de uma visão de conjunto, capaz de ensejar uma atuação eficaz sobre esse meio ambiente. Através da análise de um sistema, reconhecem-se conceitualmente as suas partes interativas, o que torna possível captar a rede interativa sem ter de separá-las. “O conceito de sistema é, atualmente, o melhor instrumento lógico de que dispomos para estudar os problemas do meio ambiente” (Tricart, 1977).

4A polissemia da noção de paisagem apresenta a possibilidade de leitura da expressão da interação sistemas naturais-sociais através da abordagem sistêmica. Essa proposta desempenha um papel epistemológico, prático e de grande importância na análise da construção da paisagem.

5A evolução da “ciência da paisagem” no âmbito da Geografia conduziu a melhor definição do conceito a partir do questionamento da dicotomia entre paisagem humana e paisagem natural embora a visão da paisagem natural predominasse como elemento ideográfico e descritivo. As escolas alemãs e russas se desenvolveram em torno dessa discussão originalmente e interagiram posteriormente com a escola francesa que se desenvolvia paralelamente. Esta última trouxe várias contribuições a Geografia brasileira, fornecendo suporte teórico a metodologia. A discussão da noção de paisagem e sua evolução na Geografia e a sistematização do conceito de geossistema para compor o método de análise da paisagem foram a base, no Brasil, para os esforços de análises integradas na tentativa de articular o maior número possível de correlações dos diferentes atributos na estrutura de uma paisagem (Monteiro, 2001). O fato da análise integrada da paisagem considerar a dimensão natural e social dos sistemas paisagísticos possibilita avaliar como acontece a interação sociedade-ambiente nos diferentes espaços.

6Neste estudo apresentou-se o resultado da aplicação da análise integrada da paisagem por meio do método de análise geossístêmico, como contribuição da Geografia para o trabalho interdisciplinar da linha de pesquisa dos “Sistemas Sociais, Técnicos e Recursos Naturais de Áreas Rurais” do Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade Federal do Paraná (2002-2006). A pesquisa teve por objetivo de compreender os processos que conformam o espaço rural da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) e as diferenciações do quadro social-ambiental de seus municípios “rurais”. Neste contexto, a análise da paisagem teve como finalidade identificar os possíveis conflitos entre ambiente e sociedade.  

7A RMC é marcada pela heterogeneidade social, econômica e físico-natural. Os municípios de São José dos Pinhais, Mandirituba, e Tijucas do Sul apresentam dinâmicas diferenciadas no espaço rural quanto às políticas públicas; sistemas produtivos; condicionantes ambientais e história de ocupação. Sendo assim, definiu-se os três municípios como ilustrativos desse universo rural da RMC e seus limites administrativos como escala de desenvolvimento da pesquisa (Mapa 1).

Paisagem e geossistema

8Admitindo-se que a noção de paisagem seja uma interpretação social da interface da terra, mesmo que não-apreendida pela pesquisa científica, seria muito significativa a aproximação da noção de paisagem da noção de meio ambiente. O meio ambiente consiste no conjunto dos elementos externos que envolvem a sociedade e interagem com ela; a paisagem é, ao contrário, uma produção interna, nascida da sociedade e confere uma existência social àquilo que se encontra em contato com o envoltório externo, ou seja, a interface sociedade-natureza.

9Bertrand (1968) definiu a paisagem como uma entidade global, que possibilita a visão sistêmica numa combinação dinâmica e instável dos elementos físicos, biológicos e antrópicos (conjunto único e indissociável em perpétua evolução perpétua). O autor salienta que as escalas tempo-espaciais foram utilizadas como base geral de referência para todos os fenômenos geográficos e que todo estudo de um aspecto da paisagem se apóia num sistema de delimitação mais ou menos esquemático, formado por unidades homogêneas (em relação à escala considerada) e hierarquizadas, que se encaixam umas nas outras.

10Este artigo, intitulado Paysage e geographie physique globale, tornou-se um marco epistemológico da Geografia, inclusive no Brasil, Nele Bertrand explicita as relações entre paisagem e o geossistema. Naquele momento de discussões epistemológicas e eclosão de um paradigma geográfico, acontece a conferência de Estocolmo (1972), marco da “crise ambiental”, que vai permear todas as discussões políticas, econômicas, e científicas do final do século XX. Conseqüentemente, as noções e os conceitos recebem forte influência do debate ambientalista.

11A análise sistêmica na Geografia nasceu do esforço de teorização sobre o meio natural, o mais simples e global, com suas estruturas e seus mecanismos, mais ou menos modificados pelas ações humanas, mas independentes do fenômeno direto e não-controlado da percepção. Para Bertrand e Beroutchachvili (1978), essa construção só é possível a partir da mensuração.

12Assim, o ponto de partida seria o conceito de geossistema ou “sistema geográfico”, ou, ainda, “sistema territorial natural”. O conceito de geossistema surgiu na escola russa de um esforço de teorização sobre o meio natural, suas estruturas e seus mecanismos tal como existem na natureza. O termo geossistema foi utilizado em 1963 por Sotchava (1977) para descrever a esfera físico-geográfica, que apresentava características de um sistema, com base no fato de que as “geosferas” terrestres estariam interrelacionadas por fluxos de matéria e energia.

13Segundo o autor, os geossistemas são sistemas territoriais naturais, que se distinguem no envoltório geográfico, em diversas ordens dimensionais, generalizadamente nas dimensões regional e topológica. São constituídos de componentes naturais intercondicionados e inter-relacionados em sua distribuição e se desenvolvem no tempo, como parte do todo. Sotchava (1977) esclarece nesse sentido que, embora os geossistemas sejam fenômenos naturais, todos os fatores econômicos e sociais que influenciam sua estrutura são levados em consideração durante o estudo e a análise (no caso da escola russa são feitas descrições verbais ou mensurações e cálculos matemáticos).

14O geossistema é o resultado da combinação de fatores geológicos, climáticos, geomorfológicos, hidrológicos e pedológicos associados a certo(s) tipo(s) de exploração biológica. Tal associação expressa a relação entre o potencial ecológico e a exploração biológica e o modo como esses variam no espaço e no tempo, conferindo uma dinâmica ao geossistema. Por sua dinâmica interna, o geossistema não apresenta necessariamente homogeneidade evidente. Na maior parte do tempo, ele é formado de paisagens diferentes, que representam os diversos estágios de sua evolução.

15Com base nessa construção, Bertrand (1972, p. 8-9) propôs um sistema de classificação da paisagem, que comportaria seis níveis tempo-espaciais divididos em unidades superiores (zona, domínio e região) e unidades inferiores (geossistema, geofácies e o geotopo), como se pode ver no Quadro 1.

16Sob a influência das escolas russa e alemã, Bertrand (1968) propõe uma definição de geossistema e incorpora ao conceito original do “complexo territorial natural” a dimensão da ação antrópica. Nessa perspectiva, o geossistema é, para Bertrand, uma categoria espacial, de componentes relativamente homogêneos, cuja estrutura e dinâmica resultam da interação entre o potencial ecológico: processos geológicos, climatológicos, geomorfológicos e pedológicos (a mesma evolução); a exploração biológica: o potencial biótico (da flora e da fauna naturais) e a ação antrópica: sistemas de exploração socioeconômicos. Redefinido nas discussões teórico-metodológicas, o geossistema aproxima-se do conceito de paisagem como paisagem global, na qual se evidencia a preocupação com a interação natureza-sociedade. Na análise geossistêmica, o geossistema é uma categoria de sistemas territoriais regido por leis naturais, modificados ou não pelas ações antrópicas.

Mapa 1 Mapa de localização da área de estudo

Mapa 1 Mapa de localização da área de estudo

Quadro 1 Proposta de classificação da paisagem em níveis tempo-espaciais e a relação de grandeza das unidades de paisagem

Quadro 1 Proposta de classificação da paisagem em níveis tempo-espaciais e a relação de grandeza das unidades de paisagem

FONTE: Adaptado de Bertrand (1968).
As correspondências entre as unidades são muito aproximadas e dadas somente a título de exemplo:
(1) Conforme Cailleux, Tricart e Viers.
(2) Conforme Sorre, M .
(3) Conforme Brunet.

17A homogeneidade do geossistema se dá no âmbito das relações e dos processos, enquanto a exclusão de delimitações simplórias da paisagem ocorre no âmbito da aparência. O fenômeno antrópico imprime nas paisagens o resultado de sucessivas combinações de sociedades sobre o espaço e a relação estabelecida entre ambos. Está situado entre a quarta e a quinta grandeza tempo-espacial da classificação de Bertrand (1968). O autor o considera uma unidade dimensional compreendida entre alguns quilômetros ou centenas de quilômetros quadrados. Segundo o autor, nessa escala, situa-se a maior parte dos fenômenos de interferência entre os elementos da paisagem e da evolução das combinações dialéticas, conformando uma boa base para os estudos da organização do espaço porque é compatível com a escala humana.

18Por essas características o geossistema é considerado um complexo essencialmente dinâmico mesmo num espaço-tempo muito breve, por exemplo, histórico. O autor afirma que, devido a essa dinâmica interna, o geossistema não apresenta necessariamente uma forte homogeneidade fisionômica. Na maior parte do tempo, ele é formado de paisagens diferentes que representam os diversos estágios da evolução do geossistema.

19Em 1978 em outro artigo Bertrand difere a “paisagem” do “geossistema” e do “ecossistema” distinguindo os dois últimos como produções naturalistas “mais ou menos” com aspectos sociais (impactos antrópicos), e a paisagem como uma análise social, que incorpora o natural finalizado, ou seja, a base natural já trabalhada pela ação das sociedades nas suas diversas maneiras. O “geossistema” e o “ecossistema” são conceitos (concretos) quantificáveis fundados sobre medidas e estabelecimento de balanços energéticos. São conceitos espaciais (chorologiques) enquanto a paisagem é um processo, produto do tempo e, mais precisamente, da história social.

20Monteiro (1974 apud Monteiro,2001 p.39) define paisagem no nível de resolução para a análise da “paisagem” e sob o enfoque da organização sistêmica, como um sistema aberto, uma unidade de análise geográfica global, “geo sistema”. Para o autor, trata-se de uma entidade espacial delimitada segundo um nível de resolução do geógrafo (pesquisador) a partir dos objetivos centrais da análise, de qualquer modo sempre resultante da integração dinâmica, portanto instável, dos elementos de suporte e cobertura (físicos, biológicos e antrópicos), expressa em partes delimitáveis infinitamente, mas individualizadas através das relações entre elas, que organizam um todo complexo (sistema), verdadeiro conjunto solidário e único em perpétua evolução.

21Monteiro (2001) afirma que o debate em torno do conceito “geossistema” no Brasil está ainda em andamento. Ele afirma que o tratamento geossistêmico visa a integração das variáveis “naturais” e “antrópicas” (etapa análise), fundindo “recursos”, “usos” e “problemas” configurados (etapa integração) em “unidades homogêneas” assumindo papel primordial na estrutura espacial (etapa síntese) que conduz ao esclarecimento do estado real da qualidade do ambiente (etapa aplicação) do diagnóstico (p. 81). Por isso, ao aplicá-lo metodologicamente, chama as unidades espaciais: geossistemas, unidades de paisagem ou, ainda, unidades morfofuncionais. Segundo ele, representam uma análise tempo-espacial integrada das inter-relações sociedade-ambiente na construção da paisagem.  

... a paisagem é vista de um modo bem mais dinâmico porquanto não ignora as relações, seus feed-backs e interações, de modo a configurar um verdadeiro “sistema” onde as áreas pertinentes a ela estão muito além das formas e aparências assumidas pelos elementos, sendo capazes, até mesmo de provocar importantes reações em áreas distantes. Isso decorre do fato: o homem é considerado na paisagem como qualquer outro elemento ou fator constituinte do sistema paisagem (geossistema) por que ele desempenha aqui um papel realmente ativo (Monteiro, 2001, p. 97).

  • 1  Como: Monteiro, Martinelli, Pedrotti, Ferreira, Lopez e Lopez.

22Os pesquisadores1 chamam atenção para questões de ordem metodológica. Consideram básica a determinação da escala tempo-espacial no estudo da paisagem para a construção da abordagem geossistêmica, condição já apresentada por Bertrand (1968).

23Monteiro ressalta a importância da ação dos elementos e do jogo de fatores em diferentes escalas. Como é o caso da ação humana que ocorre das escalas inferiores para as superiores, e a definição do geossistema nas escalas intermediárias.

24Reforçando a necessidade de coerência entre a problemática da pesquisa e a base metodológica, Monteiro afirma: “A hipótese de trabalho visa esclarecer sobre o ‘núcleo’ (área de interesse) e seu ambiente na montagem de um sistema aberto, dinâmico, intercambiante com o seu entorno” (2001, p. 89).

25Dada a notabilidade em considerar a escala no estudo da paisagem e na sua compartimentalização em unidades, o autor descreve a relevância da etapa de sobreposição dos mapas básicos como uma visão no plano horizontal daquilo que se revela verticalmente no transecto – enfatiza articulação dos fatos socioeconômicos – a antropização do geossistema, pela compreensão daquilo que substância concretamente na paisagem (geossistema) como os usos (agrícolas) edificações (urbano, industrial, tecnológica) e derivações importantes no sítio (represas, aterros, grandes desmatamentos, etc., etc.). Se estas são coisas que se concretizam no sistema há forças poderosas de dinamização processual que entram na causalidade socioeconômica (fluxos de capitais, de inovações, etc). (Monteiro, 2001, p. 89).

26Este instrumento de análise integrada possibilita o estudo da dinâmica da paisagem dentro de um espaço geográfico, dos processos específicos de relação sociedade meio-ambiente. Como por exemplo no rural metropolitano

Por que o rural e porque metropolitano?

27A definição do espaço rural como objeto de estudo fundamentou-se na sua representação, em uma escala sócio-espacial, das relações estreitas, diretas e perceptíveis entre sociedade e natureza. Neste espaço os sistemas sociais e naturais se interagem numa dinâmica de preservação e mudança incorporando os resultados e as novas dinâmicas à sua lógica. O efeito de cada componente do sistema “natural” (as variações climáticas, as diferentes formas de relevo, da rede hidrográfica, de tipos de solo, de formações vegetais) e dos diferentes sistemas produtivos é diferenciado, resultando na complexidade e heterogeneidade ambiental, ao mesmo tempo, nas especificidades desse sistema rural. Essa característica e a capacidade de diversificação das diferentes ruralidades colocam o rural no cerne da discussão ambiental.

28As representações do espaço rural como espaço físico (ocupação do território e seus símbolos) — lugar onde se vive (particularidades do modo de vida e identidade) e, ao mesmo tempo lugar, de onde se vê e se vive o mundo (a inserção do homem rural nas esferas da sociedade) — pressupõem a compreensão dos seus contornos e de suas especificidade (Wanderley, 2000). São “relações de interconhecimento”(Henri Mendras, 1976 apud Wanderley, 2000, p. 88).

29A modernização da agricultura contribuiu para redefinir à relação campo-cidade. As transformações resultantes dos processos sociais (urbanização, industrialização e  modernização da agricultura) não se manifestaram pela uniformização da sociedade provocando o fim das singularidades dos espaços rurais ou grupos sociais; pelo contrário, possibilitou maior diversidade no meio rural (Wanderley, 2000). A manifestação da crise socioambiental no rural pôde ser percebida na insustentabilidade tanto socioeconômica quanto ecológica do modelo homogenizador (a ineficiência energética do modelo de agricultura, a fragilidade da exploração intensiva da terra e sua dependência de insumos externos).

30Essa mudança na dinâmica social do rural desencadeou o processo de “renascimento rural” (Mendras, 1984 apud Wanderley, 2000), sublinhando uma “extraordinária vitalidade reencontrada das localidades rurais”. Uma das características essenciais do rural, a função de parte integrante do “patrimônio ambiental”, a ser preservado de usos “predatórios” veio contribuir na sua capacidade de mudar. A relação específica dos habitantes do campo com a natureza, através de seu trabalho e do seu habitat que Mathieu e Jollivet (1989 apud Wanderley, 2000, p. 88) chamam-na “natureza rural”, as representações do espaço natural e construído, que são objeto de múltiplas atividades e usos humanos, tornando-a menos natural possível, precisamente porque é rural. As práticas agrícolas poluidoras e predatórias “conduziram a reintroduzção da noção de natureza no espaço rural” (Mathieu, 1990 apud Wanderley, 2000, p. 100).

31A problemática do meio ambiente “não é mais apenas a natureza, suporte da atividade agrícola, mas uma natureza pluridimensional, onde os elementos água, ar, terra retomam importância, tanto quanto a noção de ecossistema” (Wanderley, 2000). A dimensão “ambientalista” na complexidade das relações sociais do rural dá a possibilidade de mudanças estimuladas por uma base natural dinâmica e heterogênea.

32Atualmente o rural brasileiro, reconstruído por formas alternativas de organização social e gestão de recursos naturais, tornou-se um espaço de ação de múltiplos atores sociais, com projetos sociais e modelos gestão que não se reduzem aos padrões homogeneizadores da modernidade e com um diferencial: as questões ambientais passam crescentemente a fazer parte dos embates desse rural.

O rural metropolitano de Curitiba

33A RMC possuí a maior área rural entre as regiões metropolitanas brasileiras e apresenta modos singulares de expressão do rural e possibilita a observação desses processos. A heterogeneidade sociocultural que compõe a RMC se estabelece sobre uma base natural também marcada pela diversidade físico-natural (geológica, climática, geomorfológica, pedológica e biológica). O processo histórico social de ocupação da área rural da RMC, que é caracterizado por uma diversidade étnica e conseqüência dos diferentes ciclos econômicos, iniciou-se a partir do século XVII. No século XIX, esse processo foi fortemente marcado pelo incentivo á imigração européia resultante de fortes mudanças políticas na sociedade brasileira, como a escassez de mão-de-obra escrava decorrente das políticas sociais da época. Observam-se na dinâmica processual do rural metropolitano políticas de planejamento regional as quais à medida que a metrópole avança sobre o rural dos municípios vizinhos vêem-se resolvidos os problemas de infraestrutura metropolitana e transfere-se, em geral, os impactos sofridos para região que, em sua maioria, é de produção agrícola do município limítrofe. São problemas que evidenciam a estreita relação existente entre o meio rural e urbano e as necessidades de estudos e planejamento para obter soluções que considerem a importância sócioambiental desta relação.

34A RMC abrange vinte e seis municípios e se situa entre os paralelos 24º24’00” e 26º08’00” de latitude Sul e os meridianos 48º31’00” e 50º14’00” de longitude Oeste de Greenwich. Situa-se na Região Sul do Brasil, a Leste do Estado do Paraná, no primeiro planalto Paranaense. Possui uma área de 15,5 mil quilômetros quadrados e uma população de 2,7 milhões de habitantes, distribuída em 26 municípios. Segundo dados do Censo Demográfico de 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 91,2% da população da RMC é urbana, e 8,8% rural; no entanto, em alguns municípios, o percentual de população rural supera os 80% da população total.

35Os três municipios considerados ilustrativos dessas dinâmicas na presente pesquisa são:

36O Município de Mandirituba localizado na latitude 25º46’44’’ Sul e longitude 49º19’30’’ W-GR com altitude média de 840m e a àrea total de 379,179 km², à uma distância de 45 km de Curitiba. O Município de São José dos Pinhais localizado na latitude 25º32’06’’ Sul e longitude 49º12’20’’ W-GR com altitude média de 950m e a àrea total de 945,717 km², tendo como limite sudeste de Curitiba. O Município de Tijucas do Sul localizado na latitude 25º55’40’’ Sul e longitude 49º11’56’’ W-GR com altitude média de 905m e àrea total de: 672,197 km², distante 62 km de Curitiba. A área de estudo, correspondente a estes três municípios, totalizam 1.997,093 km².

37Esse quadro configura uma heterogeneidadede formas de uso, ocupação e dinâmicas socioeconômicas metropolitanas. Esse cenário se contextualiza no rural brasileiro e estimulou diferentes questões de investigação sobre a heterogeneidade socioambiental do rural metropolitano.

Geossistema e unidades de paisagem: analisando a paisagem rural da RMC

38Com o intuito de analisar a interação dos sistemas naturais com os sistemas sociais enfatizando a expressão dos processos naturais quando dessa interação, adotou-se a metodologia físico-espacial da análise da paisagem mediante sua compartimentalização em unidades (geossistemas, unidades morfofuncionais ou unidades homogêneas), segundo Monteiro (2001) e Fávero (2001) conforme roteiro metodológico apresentado na FIG. 4.

39A metodologia foi construída em quatro etapas:

  1. Levantamento bibliográfico sobre o referencial teórico: teoria dos sistemas (Bertalanffy, 1920), noção de paisagem, conceito de geossistema (Bertrand, 1968) e unidade de paisagem (MONTEIRO, 2001).

  2. Inventário de informações pertinentes ao estudo e aos objetivos (arquivos, bibliografia, dados institucionais e dados levantados em visitas de reconhecimento e informações de informantes qualificados).

  3. Diagnóstico espacializado, com base no inventário dos elementos (da base natural e sistemas de produção agrícola) constituintes da paisagem; compartimentalização da(s) unidade(s) de paisagem que compõem a área administrativa dos municípios de São José dos Pinhais, Mandirituba e Tijucas do Sul, com base no uso e na exploração agrícola dos solos.

  4. Identificação das fragilidades, dos conflitos, dos sistemas antrópicos e dos sistemas naturais em cada unidade.

401) Construção do referencial teórico:

41Com a finalidade de aprofundar o conhecimento sobre a evolução da noção de paisagem e as bases teóricas, que conduziram a elaboração do seu conceito e o estreitamento com o conceito de geossistema, realizou-se um levantamento bibliográfico do acervo nacional e internacional, com um foco especial na produção científica da Geografia francesa. A apropriação teórico-conceitual direcionou a definição das bases metodológicas.

42A identificação da questão de pesquisa com a escola francesa e o histórico da evolução teórica da Geografia brasileira conduziram ao reconhecimento do conceito de “paisagem” e de “geossistema” de Bertrand (1972) como o referencial teórico e metodológico que ofereceria melhor suporte à pesquisa. Na abordagem conceitual e metodológica, adotou-se o conceito de geossistema como unidade de paisagem, da proposta apresentada por Monteiro (2001).

432) Inventário de informações

44Os limites administrativos dos três municípios foram assumidos como o limite regional gerando a contextualização espacial para a utilização da metodologia de análise e compartimentalização das unidades de paisagem com base em Monteiro (2001, p. 85). A “continuidade” do espaço físico e os objetivos da pesquisa facilitaram o aspecto metodológico. A área adotada para a análise corresponde a 1.997.093 km².

45Com o objetivo de compreender a dinâmica processual, procedeu-se à investigação dos seguintes elementos:

  • Geologia: dinâmica geológica da área.

  • Clima: regime climático.

  •  Aspectos do relevo: hipsometria, declividade, principais linhas orográficas.

  • Hidrografia: densidade hidrográfica.

  • Tipos de solos.

  • Fisionomia da vegetação: vegetação original.

  • Classes de uso atual do solo (floresta nativa; reflorestamento; pastagem natural e cultivada; cultura agrícola; área urbana, corpos hídricos).

  • Elementos do âmbito social, cultural e econômico:

  • Histórico da ocupação e caracterização socioeconômica dos municípios.

  • Elementos e aspectos da produção agrícola.

  • Políticas específicas para o setor.

  • Políticas ambientais.

  • Usos e problemas com os potenciais naturais.

  • Levantamento bibliográfico e cartográfico.

  • Levantamento de dados institucionais.

  •  Contatos pessoais com informantes institucionais (prefeituras, EMATER) e de organizações da sociedade civil (sindicatos, associações, ONGs), com informações não-registradas, com os agricultores de várias comunidades rurais.

  • Visitas de campo durante as quais se procedeu à observação in situ dos aspectos da paisagem, à verificação das informações obtidas e ao registro das informações.

Figura 1 Roteiro metodológico

Figura 1 Roteiro metodológico
  • Elaboração de mapa-base: mapa-base da área de estudo com as informações de referência no território: principais curvas de nível, rios, principais estradas, caminhos, vilas, povoados, entre outros elementos (Fonte: cartas topográficas IBGE, 1998).

  • Análise e interpretação de fotos aéreas e/ou imagens de satélite a fim de checar, complementar e corrigir as informações necessárias para a elaboração dos mapas, assinalando aspectos do meio físico e social que saltam à percepção.

  • Organização e elaboração de mapa de localização (escala 1:50.000): O mapa de localização dos municípios e das comunidades rurais estudadas foi elaborado com base nas cartas e nas imagens de satélite.

  • Construção dos mapas dos elementos do meio físico (mapas temáticos) na escala 1:50.000: geológico, de declividade, hipsométrico, de clima, isoietas, de solos, de vegetação original (elaborados por Luiz Gilberto Bertotti, jul. 2005) e dos mapas de uso e ocupação dos solos (elaborados por Joel Queiroga).

  • Elaboração do mapa-síntese com proposta de unidades de paisagem. A construção dos mapas temáticos e os demais dados inventariados serviram de base para o mapa-proposta de compartimentalização da paisagem. Operou-se a sobreposição dos mapas temáticos no intuito de realizar uma análise conjunta dos atributos e uma percepção orientada da paisagem e de todos os dados mapeados.

  • Descrição e caracterização das unidades de paisagem. A metodologia utilizada permitiu a definição de sete unidades de paisagem. Assim, realizou-se a descrição e caracterização de cada uma. As características, que atribuem padrão homogêneo de vocação para uso antrópico, manifestaram susceptibilidade (fragilidade) a modificações dos processos naturais, além de problemas advindos do uso atual e das restrições legais, segundo orientações de Monteiro (2001, p. 89).

46Com base na metodologia geossistêmica de Bertrand (1972), considerou-se que a paisagem seria a exteriorização morfológica do momentum dos processos interativos que compõem o meio ambiente, independentemente dos limites entre as diversas feições e sua natureza.

47As discussões para a definição das unidades foram os atributos que podem  sugerir uma configuração espacial dos elementos do geossistema. Conduzida pela integração, uma unidade de paisagem ocupa um determinado espaço e dura um certo tempo, governado por um dos elementos que assumiu essa liderança de força condutora em uma determinada situação de instabilidade. A existência da unidade é condicionada pelo funcionamento de seus constituintes (Monteiro, 2001, p. 85).

48De acordo com essas reflexões e após a observação dos mapas e das interações dos elementos da paisagem, elegeram-se como atributo orientador para definição dos limites das unidades a exploração agrícola, o tipo de solo e seus usos na integração com as demais variáveis. Para isso enfim, tratou-se de pesquisar as descontinuidades objetivas da paisagem privilegiando as combinações e as relações entre os elementos (Bertrand, 1972).

49Diante disso, desenvolveu-se a compartimentalização da área de estudo em unidades de paisagem e contemplou-se a interação de fatores como: a litologia, a estrutura (geológica), o clima, o relevo (declividade e hipsometria), a hidrografia, o solo, a cobertura vegetal e o uso e ocupação do solo, nesta ordem. Interagindo de forma variada, esses elementos geram modelados específicos para cada combinação e representando o aspecto visível da paisagem.

A paisagem rural de Mandirituba, São José dos Pinhais e Tijucas do Sul

50Após a apropriação dos elementos que compõem a paisagem regional dos três municípios e que permitiu seu reconhecimento e sua caracterização, usaram-se os mapas dos elementos do meio físico, o mapa de classes de uso do solo construídos conforme as recomendações metodológicas de Bertrand (1968), Monteiro (2001) e Fávero (2001). Além disso, procedeu-se à elaboração do mapa-síntese com as propostas das unidades de paisagem para a região que compreende os municípios de São José dos Pinhais, Mandirituba e Tijucas do Sul.

51Para tanto consideraram-se também os dados e as informações que não permitiram sua apresentação através de mapas. Como o histórico da ocupação, os dados demográficos, os aspectos socioeconômicos, os dados levantados em entrevistas com representantes institucionais, as descrições dos elementos naturais não-espacializadas.

52Através do produto cartográfico, procurou-se identificar as unidades homogêneas que expressavam a integração enfatizaram-se, porém, o uso e a ocupação do solo compondo um mosaico de arranjos espaciais singulares das ações da sociedade.

53Nessa pesquisa, a escala de 1:50.000 mostrou-se adequada para a análise da paisagem regional. É importante frisar que os limites não são rígidos e privilegiam a interdependência das regiões e as dinâmicas socioambientais.

54Os resultados foram subdivididos em dois itens: o primeiro, apresenta os mapas base, dos elementos elementos formadores da paisagem e de unidades de paisagem identificadas, e ainda o quadro de descrição dos principais atributos; o segundo subítem identifica e caracteríza as áreas de possíveis conflitos entre sociedade e natureza nas unidades de paisagem definidas.

Mapa 2. Mapa base da área total dos municípios de Mandirituba, São José dos Pinhais e Tijucas do Sul

Mapa 2. Mapa base da área total dos municípios de Mandirituba, São José dos Pinhais e Tijucas do Sul

Figura 2 Mapas geológico, de clima e de hipsometria

Figura 2 Mapas geológico, de clima e de hipsometria

Figura 3 Mapas de declividade, de bacias hidrográficas e de solos

Figura 3 Mapas de declividade, de bacias hidrográficas e de solos

Figura 4 Mapas de vegetação, uso e ocupação e mapa de unidades de paisagem

Figura 4 Mapas de vegetação, uso e ocupação e mapa de unidades de paisagem

Quadro 2 Quadro de descrição dos elementos formadores da paisagem para cada unidade de paisagem

Quadro 2 Quadro de descrição dos elementos formadores da paisagem para cada unidade de paisagem

55Os sistemas formados pelas dinâmicas naturais do Primeiro Planalto, onde se assentam os municípios que compõem a RMC, impõem certamente alguns condicionantes oriundos mesmo de seus próprios limites e fragilidades que restringem e direcionam alguns usos e ocupações. Exemplos poderiam ser citados na região estudada dos três municípios. As regiões de cumeeiras das serras, seja na Serra do Mar, seja nas regiões da serra Negra ao sul de Tijucas, seja na área central de Mandirituba, condicionam a exploração por reflorestamento, tendo em vista desenvolvimento de Neossolos e áreas de declive acentuado superiores a 45%. As áreas de várzea, que apresentam relevo mais plano, como na bacia do alto Iguaçu, favorecendo o desenvolvimento de Organossolos, solos ácidos, mas ricos em nutrientes, têm sido aproveitadas para a exploração agropecuária. As áreas de média vertente e declives entre 12 e 30%, em geral com desenvolvimento dos Latossolos, também têm sido aproveitadas para agricultura.

56O clima subtropical úmido, com temperaturas amenas e pluviosidade anual razoável, também favorece o desenvolvimento de culturas temporárias durante todo o ano. Essas observações foram obtidas a despeito do uso tecnológico, freqüente e crescente na região. A retirada da cobertura vegetal, seja florestal, seja de campo, tem intensificado processos da morfodinâmica natural (erosivos, pedogenéticos) e, devido à maior exposição dos solos aos “intempéris” climáticos locais, requer cada vez mais o uso de tecnologias. Certamente a pressão da legislação ambiental vem favorecendo o crescimento das manchas de cobertura florestal e vegetação nativa nas áreas de preservação permanente: cumeeiras de morros, nascentes e áreas de várzea, apesar do conflito gerado com as atividades extrativistas e agropecuárias.

57Considerando os elementos do âmbito da sociedade que compõem a paisagem regional dos três municípios, pode-se destacar:

58Apesar de não contribuir diretamente com a definição das unidades de paisagem, esses elementos serviram ao propósito metodológico, auxiliando na compreensão do perfil socioeconômico dos municípios e no esclarecimento das razões que constituíram a vocação agrícola dessa região. Essas esboçadas no histórico de ocupação, caracterizado principalmente pela presença de propriedades de exploração agrícola familiar, com características bem peculiares, que se diferenciam nos três municípios com expressiva vocação para o extrativismo e a agropecuária.

59Os dados demográficos revelam a população rural e as políticas municipais presentes nessas no rural. Os dados de produção e participação no PIB municipal demonstram o peso do setor agrícola na renda de cada município. Contudo, verifica-se um contraste na aplicação dos recursos para o setor nos três municípios.

60Ainda nessa perspectiva, foi possível observar a relação de cada um dos municípios com a metrópole, que impõe sua lógica de forma diferenciada. Por exemplo, São José é favorecido pelas políticas metropolitanas de urbanização pela proximidade com Curitiba, mas o rural, ainda que muito próximo do núcleo urbano, carece de políticas e recursos específicos para suas necessidades. Mandirituba luta para manter uma política agrícola municipal, sustentada pelo fornecimento de produtos agrícolas à metrópole, da qual recebe muito pouco ou quase nada em políticas e recursos para o setor. Tijucas do Sul jaz esquecida como parte da região metropolitana e não recebe nenhum incentivo à produção agrícola, carecendo de recursos também para os demais setores: educação, saúde, saneamento, etc. Cada um dos municípios desenvolveu estratégias próprias.

61Interessante verificar que a conjunção dos elementos naturais e dos elementos do âmbito da sociedade conduz à diversificação das estratégias de produção, que se caracterizam pelas pequenas propriedades de exploração familiar, permitindo-lhes flexibilidades, mudanças, desenvolvendo novas formas, como o turismo rural e ecológico, em suma, permitindo que este rural agrícola familiar e metropolitano sobreviva. Mais importante, toda essa conformação de caráter singular pode ser observado na paisagem.

Quadro 3 Quadro síntese dos conflitos sociedade-ambiente identificados por unidades de paisagem

A análise integrada paisagem: uma forma de leitura do espaço rural metropolitano

62O diagnóstico obtido com este estudo da paisagem veio compor o objetivo proposto no esforço de reconhecer diversas dinâmicas socioambientais do rural metropolitano, por meio da identificação das fragilidades e potencialidades em cada unidade. Aliada às dinâmicas identificadas, refletiram-se as relações singulares dos sistemas naturais da região com as políticas para o setor agrícola e as políticas ambientais admitindo-se que estejam também sobre a influência de um complexo contexto sócio-ambiental. Optou-se, na etapa seguinte do estudo, por aumentar a escala de estudo e aprofundar a pesquisa sobre as relações e as interações dos sistemas naturais com os sistemas agrícolas da exploração familiar, tendo em vista a observação de uma relação mais “direta” desses grupos com o meio natural, desenvolvendo formas de gestão específicas, realizando mudanças e novas conformações para sua própria sobrevivência. A condução metodológica adotada, a análise da paisagem na escala dos geossistemas (municípios) propiciou alcançar o objetivo proposto.

63Os aspectos propostos possibilitaram a caracterização da expressão agrícola e a análise associada ao conjunto de suas cartas permitiu um conhecimento básico da distribuição da estrutura fundiária, da gestão do território e dos potenciais naturais pelas diferentes esferas. As transformações expressas na paisagem, sob a forma de um novo gerenciamento de relações entre o homem e o solo, como o esforço de renovação e de adaptação ativa às mudanças técnicas, econômicas e sociais puderam ser observadas. A análise geográfica pôde revelar o modo como as estruturas elaboradas sobre o substrato natural se deformam, se adaptam ou se destroem sobre essa base.

64Observa-se que os sistemas naturais respondem a esses estímulos na medida em que aparecem as insuficiências da exploração agrícola, proporcionando a constatação efetiva de que uma gestão que se expressa plenamente na paisagem pode ser corretamente compreendida por meio dos instrumentos aqui utilizados.

Haut de page

Bibliographie

Bertalanffy L. V., Teoria geral dos sistemas.Disponível em:

<www.bertalanffy.org>;

<http://www.professorcezar.adm.br/Textos/AbordagemSistemicaAdm.pdf> Acesso em: 18 jun. 2005.

Bertrand G., « La “science du paysage”, une “science diagonale” » In: Revuegéographique des Pyrénées et sud-ouest, v. 43, fasc. 2, p. 127-133, Toulouse, 1972(a).

Bertrand G., Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. In: Cadernos de ciências da terra. São Paulo, v. 13, p. 1-27 (1972b).

Bertrand G., Paysage entre nature et societé. In: Revue géographique des Pyrénées et du sud-ouest, Toulouse: Presses Universitaires Le Mirail-, v. 49, fascicule 2. (avril 1978).

Bertrand G.,Paysage et géographie physique globale: esquisse méthodologique.Revue géographique des Pyrénées et sud-ouest,v. 39, fasc. 3, p. 249-272, 3 fig., 2 pol. Phot.h.t. 1968.

Bertrand G.; Beroutchachvili, N., Le géosystéme ou système territorial naturel (1978). Une géograpnie traversière: l’environment à travers territoires et temporalités. Paris: Éditions l’Arguments, 2002. p. 57-66.

Brunet R.; Roger A. (Dir.), Analyse des paysages et semiologie. La théorie du paysage em France. Paris: Éditions Champ Vallon, 1995.

Coordenação da Região Metropolitana deCuritiba (Comec), Plano de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Curitiba (PDI) 2001: documento-síntese para discussão. Curitiba, 2001.

Comissão mundial sobre o meio ambiente e desenvolvimento (CMMAD), Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

Dias J.B., A dimensão dos sistemas naturais na (re) produção dos sistemas agrícolas da agricultura familiar: análise da paisagem de três comunidades rurais na região metropolitana de Curitiba (em São José dos Pinhais, Mandirituba e Tijucas do Sul). Tese de doutorado. Programa de dourado em Meio ambiente e Desenvolvimento da UFPR. Curitiba PR Março 2006, 357p.

Dias J. B.; Santos L. J., Aspectos geomorfológicos e o diagnóstico socioambiental do meio rural da Região Metropolitana de Curitiba. SINAGEO, 5, Santa Maria, RS, 2004. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2004.

Dias J. B.; SantosL. J et.al., O estudo da paisagem rural na análise das interações sociedade-natureza: sublinhando conflitos ambientais no uso da terra de três municípios da região metropolitana de Curitiba. XI Simpósio de Geografia física Aplicada. Anais. São Paulo, SP, 2005. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2005.

Fávero O. A., Do berço da siderurgia brasileira à conservação de recursos naturais - um estudo da paisagem da floresta nacional de Ipanema (Iperó, SP). (Dissertação - Mestrado em Geografia) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia da USP, 2001.

Ferreira A.; Brandenburg, A., Agricultura e políticas socioambientais rurais. In: Congresso Latino-Americano de Sociologia Rural (ALASRU), 6, Porto Alegre, 2002.

Monteiro C. A., Geossistema: a história de uma procura, São Paulo. Contexto, 2001.

Rougerie G.; Beroutchachvili, N., L’émergence du sens paysager. In: Géosystèmes et paysages: Bilan et méthodes. Paris: Armand Colin, 1991.

Sotchava V. B., O estudo de geossistemas. Instituto de Geografia. Universidade de São Paulo. São Paulo: Ed. Lunar, 1977.

Tricart J. Ecodinâmica., Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Superintendência de Recursos Naturais e Meio ambiente. Diretoria Técnica. Rio de Janeiro, 1977, p. 97. Original publicado em 1965, na França.

Tricart J., Écogéographie des espace ruraux: contribution méthodologique au Progrmme Internacional Géosphère-Biosphère. Paris: Nathan, 1994, p. 187.

Wanderley M. N. B., A ruralidade no Brasil Moderno: por um pacto social pelo desenvolvimento rural. In:Giarraca, N. (Comp.) Uma nueva ruralidad em América Latina? Buenos Aires, CLACSO, ASDI, 2001, p. 31-44.

Wanderley M. N. B., A valorização da Agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil. In:Cadernos de Desenvolvimento e Meio Ambiente a Reconstrução da Ruralidade a a Relação Sociedade/Natureza, UFPR, Curitiba, 2000.

Haut de page

Notes

1  Como: Monteiro, Martinelli, Pedrotti, Ferreira, Lopez e Lopez.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 Mapa de localização da área de estudo
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Quadro 1 Proposta de classificação da paisagem em níveis tempo-espaciais e a relação de grandeza das unidades de paisagem
Légende FONTE: Adaptado de Bertrand (1968).As correspondências entre as unidades são muito aproximadas e dadas somente a título de exemplo:(1) Conforme Cailleux, Tricart e Viers.(2) Conforme Sorre, M .(3) Conforme Brunet.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-2.png
Fichier image/png, 8,4k
Titre Figura 1 Roteiro metodológico
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-3.png
Fichier image/png, 33k
Titre Mapa 2. Mapa base da área total dos municípios de Mandirituba, São José dos Pinhais e Tijucas do Sul
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 388k
Titre Figura 2 Mapas geológico, de clima e de hipsometria
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Figura 3 Mapas de declividade, de bacias hidrográficas e de solos
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Figura 4 Mapas de vegetação, uso e ocupação e mapa de unidades de paisagem
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Quadro 2 Quadro de descrição dos elementos formadores da paisagem para cada unidade de paisagem
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10/img-8.png
Fichier image/png, 388k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Dias Janise et Santos Leonardo, « A paisagem e o geossistema como possibilidade de leitura da expressão do espaço sócio-ambiental rural », Confins [En ligne], 1 | 2007, mis en ligne le 22 mai 2007, consulté le 20 octobre 2014. URL : http://confins.revues.org/10 ; DOI : 10.4000/confins.10

Haut de page

Auteurs

Dias Janise

Bolsista pós-doutorado júnior pelo Cnpq do departamento de Geografia do Instituto de Geociências IGC-UFMG, janisebruno@yahoo.com.br

Santos Leonardo

Professor Adjunto do Departamento de Geografia da UFPR, santos@ufpr.br

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org