Navigation – Plan du site
Dossiê São Francisco

Geohistória das cidades e rios (Brasil, Estados Unidos)

Laurent Vidal et Gercinair Silvério Gandara

Texte intégral

O Rio São Francisco entre Juazeiro e PetrolinaAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2014

1gercinair.gandara@ueg.br

2A interação entre os rios e as cidades constituí um campo de pesquisa já antigo. Tanto na área da geografia quanto da história, os primeiros estudos foram mais especificamente voltados para os rios e cidades de fronteiras como de integração territorial, mas também para as cidades fluviais de baldeação entre transportes (marítimo e fluvial, terrestre). Ao decorrer do século XX, outras temáticas e outras disciplinas vieram completar estas primeiras abordagens. A escala do espaço vivido foi por exemplo amplamente privilegiada por geógrafos e antropólogos experimentada, percebida e vivida, a cidade fluvial foi abordada como um território específico de intercâmbios sociais, culturais e econômicos. Mais tarde, a história ambiental convidou a ler a história humana na sua interação com a paisagem fluvial e a pensar o papel e o lugar da natureza na vida humana na beira dos rios. Hoje, saberes diversos (políticos, econômicos, ecológicos, ambientais, filosóficos, literários, poéticos…) são mobilizados para entender a complexidade destas articulações produtoras de um imaginário que serve de pano de fundo para todas as políticas públicas.

3Ao elegermos questões representadas pelas relações dos rios com as cidades (ou das cidades com os rios), expressamos a importância crescente que esta abordagem vem assumindo nos meios acadêmicos, notadamente sob a ótica da geografia e da história ambientais.

  • 1 Essencialmente interdisciplinar, o « IV° Seminário Itinerante Franco-Brasileiro Rios e Cidades na H (...)
  • 2 Uma das justificativas e motivações da escolha do rio São Francisco para realização desta quarta ve (...)

4Esse dossiê resulta de um seminário organizado ao longo do rio São Francisco em maio de 2014, entre as cidades de Remanso, Pilão Arcado, Juazeiro, Petrolina e Pedro Afonso1. Sua forma itinerante recupera a tradição das excursões geográficas, trazida no Brasil pelos geógrafos franceses nos anos 1930, quando, inspirados pela geografia antropológica de Vidal de La Blache, levavam estudantes e colegas em trabalhos de campo para coletar dados sobre os gêneros de vida, as paisagens… O nosso seminário itinerante se deu por objetivo a observação in situ da vinculação do rio São Francisco com uma paisagem de terra para fazer germinar cidades (ou desaparecer outras), e seu papel na gênese e estruturação de uma rede urbana. Essa itinerância permitiu também de dialogar com os habitantes para entender a especificidade das sociedades urbano-fluviais aonde se articulam uma cultura e uma economia que entrelaçam água e terra – entre barragens e transposição das águas2.

5Juntando disciplinas variadas (história, geografia, economia…) os textos, aqui apresentados, resultam de trabalhos de campo ou/e de estudos arquivísticos, como da própria observação da paisagem do rio São Francisco durante o seminário itinerante.

6Foi sob um céu ensolarado que, dos reflexos das águas do rio São Francisco, Fernandina Maria Neiva Santos Fonseca sentiu-se despertada por uma emoção profunda e poetizou “Rio São Francisco: de águas que sobem”. Como explica Bachelard “certas formas nascidas das águas têm mais atrativos, mais insistência, mais consistência” (2002, p.22): por isso, abrir o dossiê com este poema, permite lembrar que a geografia é também uma poética do mundo.

7Margarida Valla (“O Diálogo entre o Urbanismo Português e os Rios como Identidade Territorial Brasileira”) e Rubenilson Brazão Teixeira (“O rio Potengi e a cidade de Natal em cinco tempos históricas”) oferecem, na longa duração, articulando um olhar sintético e um estudo de caso, uma reflexão sobre a articulação que o urbanismo português teceu com os rios, suas fozes e suas curvas (quando cumprem um papel de fronteira no interior - Valla), e a maneira como estas conexões iniciais marcam, na longa duração, as práticas de melhoramentos urbanos (Teixeira).

8A cidade estudada por Craig E. Colten (“Reshaping the Riparian: Human Mobility and Fixed Infrastructure”) oferece um contraponto aos dois primeiros estudos. O autor apresenta o caso de uma cidade nascida numa curva do rio Mississippi, Nova Orleans, implementada pelos colonizadores franceses no século XVIII. Tranformando-se em metrópole ao longo do século XIX, a natureza anti-urbana do sítio de sua construção se torna cada vez mais problemático para a permanência de uma sociedade urbana. O autor examina o uso de diques para compensar o risco de inundações, e mostra como essa infra-estrutura fixa tem contribuído para a especificidade da dinâmica populacional da cidade.

9Dialogando com algumas destas problemáticas, André Munhoz de Argollo Ferrão em “Gestão Integrada de Bacias Hidrográficas: paisagem cultural e parques fluviais como instrumentos de desenvolvimento regional” sugere associar a ideia de Parques Fluviais e da paisagem cultural como instrumentos de desenvolvimento regional no âmbito dos programas de gestão integrada das bacias hidrográficas. Para ele as intervenções humanas conferem personalidade e características próprias a determinadas regiões. Dessa interação resultam paisagens culturais de relevante valor patrimonial que marcam o trabalho do homem sobre o território.

10Os outros artigos são mais voltados para o caso do rio São Francisco. Laurent Vidal (“O São Francisco, um rio de muitas esperas”) procura mostrar como a espera (tanto entendida como esperança ou como pausa nos deslocamentos) permite contar de outra maneira a história do rio São Francisco, e dos principais núcleos humanos que surgiram nas suas beiras. Num estudo de história comparada Gercinair Silvério Gandara (“Rios nossos que estão no sertão! São Francisco e Parnaíba”), considerando a paisagem geográfica dos rios, tenta ler as articulações destes rios com as cidades beiras em formação, interrogando tanto a gênese das paisagens quanto a ação das águas e dos homens, consequentemente o clima e o tempo. Por sua parte, Zanoni Neves (“Lúcio Cardoso, Maleita e Pirapora: Historicidade e cultura popular na obra de Lúcio Cardoso”) interpreta o romance Maleita e os traços regionalistas que o caracterizam, ligados à região de Pirapora.

Haut de page

Notes

1 Essencialmente interdisciplinar, o « IV° Seminário Itinerante Franco-Brasileiro Rios e Cidades na História do Brasil » incluiu diversas áreas de conhecimento tais como: História, Geografia, Antropologia, Sociologia, Educação, Ecologia, Literatura, Arquitetura e Urbanismo, por meio de laboratórios, centros, grupos de pesquisa, instituições, programas de ensino e pesquisa do Brasil, da França, de Portugal e dos Estados Unidos. Foi vinculado às universidades organizadoras (Universidade Estadual de Goiás, Universidade Federal de Goiás, Université de La Rochelle, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sertão Pernambucano representadas pelos membros da Comissão Organizadora professores/pesquisadores Drª Gercinair Silvério Gandara, Dr. Laurent Vidal, Ms Edivânia Granja da S. Oliveira e aos centros de Pesquisa LHEMA - Laboratório de História e Estudos Multidisciplinares em Ambientais e CRHIA - Centre de Recherches en Histoire Internationale et Atlantique.

2 Uma das justificativas e motivações da escolha do rio São Francisco para realização desta quarta versão se deu por ser objeto de estudo do pós-doutoramento da Profa. Dra. Gercinair Silvério Gandara por meio do projeto “Rios e Cidades-Beiras... Uma Análise Comparada (Remanso e Pilão Arcado/BA... Floriano e Parnaíba/PI – Século XIX – XX)” no Programa Nacional de Pós-Doutorado/CAPES coordenado pelo Prof. Dr. Eugênio Rezende de Carvalho na Universidade Federal de Goiás.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Laurent Vidal et Gercinair Silvério Gandara, « Geohistória das cidades e rios (Brasil, Estados Unidos) », Confins [En ligne], 23 | 2015, mis en ligne le 04 mars 2015, consulté le 21 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/10068

Haut de page

Auteurs

Laurent Vidal

Universidade de La Rochelle (França) - CRHIA

Articles du même auteur

Gercinair Silvério Gandara

Docente da Universidade Estadual de Goiás

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org