Navigation – Plan du site
Dossiê São Francisco

Rios nossos que estão no sertão! São Francisco e Parnaíba

Gercinair Silvério Gandara

Résumés

La région nord-est du Brésil a une hydrographie limitée. La majorité des rivières de cette région sont classés comme temporaires, sauf les rivières du Maranhão, qui sont principalement pérennes, et ont une grande extension territoriale. Presque toujours elles ont leur propre bassin-versant. L'ensemble de ces bassins forme le Bassin du Nord-Est. Dans les États de Piauí et de Bahia les conditions naturelles et géographiques de la rivière São Francisco et Parnaíba ont eu une importance particulière dans la composition de l'espace et dans la formation de son histoire. Les richesses environnementales des deux vallées et rivières sont abondantes. Dans les deux bassins les problèmes fondamentaux ont été l'occupation territoriale sur les bases de la civilisation moderne. Le cours de ces rivières sont devenus des condensateurs de population et des « avenues » de peuplement intérieur, des de chemins liquides! Historiquement les seuls tracés des deux rivières ne signifierait rien, mais du contenu environnemental et humain de l'eau jaillissent des histoires, c'est pourquoi nous avons choisi de confronter, par une analyse comparative, ces deux bassins fluviaux. Les débats ici engagé sur ces rivières sont des (re)productions de la réalité lues dans leurs propres paysages, car ils ne pourraient pas être envisagés sans tenir compte de leur paysage géographique, de la nature et aussi de leurs eaux, par conséquent du climats et du temps. Cette comparaison était, est et sera parfaitement possible!

Haut de page

Texte intégral

Barco no rio São Francisco entre Juazeiro e PetrolinaAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2014

... o rio, rio abaixo, rio afora, rio adentro – o rio”. (João Guimarães Rosa,1962)

1Nos Vales São Franciscano e Parnaibano diante dos espetáculos das águas, das matas e das gentes estive como uma ledora. Lá o tempo está contido no espaço e o espaço é tempo acumulado. Contam histórias!

2Rios Parnaíba e São Francisco... duas torrentes que se nos oferecem em profusão no mundo das suas águas tranquilas e/ou traiçoeiras. Tive-as sob os olhos, senti-as nas mãos despertando alegrias e sentindo o gosto doce daquelas águas ora barrentas ora límpidas. Resta-me aqui tão somente a tarefa de apresentar suas semelhanças e/ou diferenças. Destarte parece fácil a tarefa que nos resta. Parece que posso, depois da experiência apaixonada, mostrar, com mil exemplos, a linda quimera daquelas águas. Ledo engano! Os cursos se alongam, os relevos gesticulam e assumem posturas. Com a imagem materializada, no mais profundo de mim mesma começa para a análise dificuldades e paradoxos sem fim. Estou verdadeiramente diante de um problema, um sonho, um devaneio. Contudo tratando-se das águas profundas, coloridas e fugidias vamos deixar a sua própria fluidez reclamar a sua história em toda sua profundidade e intimidade. Devo aqui redobrar a atenção para descobrir enfim a prospecção das doces águas nordestinas. Eis-me entre os rios Parnaíba e São Francisco!

  • 1 Os resultados aqui apresentados são frutos dos trabalhos de pesquisa e estudos no Pós-doutoramento (...)

3A finalidade deste texto1 é, por certo, a compensação dos esforços de uma vontade que racionaliza suas façanhas, bem desperta, animada, consciente, que se quer compreender a natureza ao tomar parte por meio de suas imagens. Trata-se daquelas imagens dadas do/pelo trabalho da própria natureza. Nas trilhas de Marcos Lobato Martins (2007) entendo que no plano metodológico a história ambiental possui sim características específicas dignas de nota. Para ele as análises da história ambiental focalizam regiões com alguma homogeneidade ou identidade natural. Também requer o diálogo com quase todas as ciências naturais e coloca a exigência para determinados tipos de estudos de considerar a escala geológica de tempo. Por fim explica que em História Ambiental “... a crônica das relações entre os homens e a natureza é lida na própria paisagem: nas águas e nas barrancas dos rios, nas cicatrizes que cortam a superfície da terra, nas trilhas e clareiras que interrompem o verde da floresta”. (MARTINS: 2007, P.23) Assim sendo o historiador ambiental descreve um processo ecológico que, por vezes, mudou-se para atender as demandas e necessidades humanas, uma vez que a inter-relação dos seres humanos e o ambiente natural sofre mudanças contínuas. Penso, portanto que as descrições do ambiente e suas mudanças fazem a história ambiental tão necessária como a ciência ecológica para explicar a situação atual da humanidade e da natureza. Penso, ainda, que os historiadores ambientais reconhecem que a natureza não existe em razão dos humanos. Ela tem sua própria trajetória. O debate que quero encetar sobre estes rios serão (re)produções da realidade lidas nas suas próprias paisagens. Afinal estes rios não podem ser pensados sem que se leve em conta sua paisagem geográfica, a natureza e também suas águas, consequentemente o clima e o tempo. Mas já que estou limitando o nosso assunto digo que, na vasta bibliografia sobre o rio São Francisco, considerarei da geografia dos rios os elementos comparáveis dialogando, sobretudo, com as do rio Parnaíba. Esta comparação é perfeitamente possível.

4Ciro Flamarion Cardoso (1979, p.412) em “O Método Comparativo na Historia” concordou com Witold Kula (1973) quanto à necessidade de se usar a comparação e lembra que é impossível a introdução de novos elementos em um terreno qualquer do conhecimento sem compará-los com outros já conhecidos,“esta comparação, embora, às vezes não explicita, é absolutamente necessária”. Enfatiza, ainda, a importância em se usar tal método “... as construções de modelos históricas não podem ser feitas sem recorrer-se ao método comparativo”. Mas é Marc Bloch (1930, p.31-39) quem, inicialmente, nos fornece as formas de utilizarmos o método comparativo, diz ele “na comparação cumpre, ao mesmo tempo, localizar as diferenças e buscar os fatores que as determinam, e fixar as regularidades manifestadas entre dois ou mais processos observados”. Já Silvio Zavala (1968, p.88-89) formulou alguns conceitos práticos como “estabelecer quadros comparativos que incluam os temas ou assuntos paralelos; partir da base da existência de diversidades a comparar; devem haver elementos intermediários gerais ou de possível aproximação para que o paralelo produza um resultado apreciável”. Detiene (2000) entende que se deve comparar os diferentes, mesmo aquilo que se pensa ser incomparável no tempo e no espaço. É preciso não ter medo de vasculhar a história ou de comparar diferenças históricas. É preciso experimentar. Como diz Marcel Detiene (2000, p. 15) “Impossible de construire des comparables sans expérimenter”. Vamos experimentar para responder às coordenadas almejadas.

5Faz-se importante frisar que me deparei com alguns estudos comparados do rio São Francisco e outros grandes rios. Por exemplo, o estudioso Inglês Richard Burton em Explorations of the Highlands of the Brazil (1869) comparou o rio são Francisco ao Mississipi, contudo achou que ele se assemelhava mais ao Niger, na África. Lysia Maria Cavalcante Bernardes, assistente do Conselho Nacional de Geografia, fez um estudo especial de Geografia comparada do Niger e o São Francisco. Os alemães Spix e Martius compararam-no ao Reno, na Europa. O botânico Saint Hilaire em “Viagem às nascentes do rio São Francisco e pela Província de Goyaz” quando estava em Capão do Cleto e viu o rio São Francisco e sua largura pela primeira vez, lembrou-lhe o Loire em Orleans descrevendo seu curso como ‘lento e majestoso’. Do Rio Parnaíba, talvez por não forem grandes os números de estudos sobre este rio, nada encontramos. Se os há são em número insuficiente. Assim o assunto representa-se quase inédito na história do Brasil, razão pela qual não nos restringiremos enfocá-lo sob um único prisma.

6Historicamente somente os traçados de ambos os rios nada significaria, mas o conteúdo ambiental e humano de suas águas jorram histórias. Eles significam muito mais do que acidentes geográficos traçados nos mapas. Os rios não são simples suporte físico. É paisagem. Lugar onde as pessoas se abrem aos mistérios da natureza, ao patrimônio simbólico. A categoria rio representa mesmo um sistema, indicador da situação espacial, concebido com base nas relações entre natureza e pessoas. Eles têm história. O historiador Lucien Febvre ao ler o Reno disse “os rios também têm história”. (FEBVRE: 2000, p.09). Como ele ousei dizer que o rio Parnaíba também tem história (2010, p.19). Capistrano de Abreu (200, p.34) afirmou que “o São Francisco é um rio de grande importância histórica”. Assim ao compararmos as principais características gerais dos rios Parnaíba e São Francisco por certo encontraremos traços similares e/ou distintos. Aqui serão os próprios aspectos dos corpos fluviais, Parnaíba e São Francisco, que nos conduzirá e propiciará uma identificação contínua das suas bacias, dos vales, e de ambos os rios em suas configurações históricas e em seus ambiente-geográficos. Entendemos como Braudel, que o melhor documento sobre o passado de um rio é ele próprio, portanto “não podemos ignorar sua geograficidade, nem mesmo sua construção no documento histórico”. (Braudel: 1983, p.21). Antes de tudo posso afirmar que morfologicamente os dois rios apresentam certo numero de características comuns que tornam interessante sua comparação.

Redescobrindo os rios São Francisco e Parnaiba

“... este rio é um colosso...!” (Humberto Guimarães, 2005)

7Magris em sua obra “Danúbio” relembrou e explicou que Sigmund Von Birken (1684) procurava os nomes verdadeiros das coisas e partia em viagem para observar diretamente a nascente do Danúbio, “sobre a qual tantos tinham escrito, mas tão poucos tinham se dado ao trabalho de ir ver. [...] queria verificar se o nome do rio poderia ser realmente reconduzido ao rumor, ao fragor das suas nascentes como sustentavam algumas etimologias”. (MAGRIS: 1992, p.34). Já a historiadora Vanessa M. Brasil (1999, p.19) acredita que o nome do rio se torna uma origem, mais forte ainda, anuncia o destino desse personagem histórico e enumeram sentidos. Ela deixou fluir os nomes, sentidos e os valores nos apresentando uma infinidade de nomes dados ao rio São Francisco desde seu nome indígena Opará, Rio dos Currais, Rio-Mar, São Francisco, Chicão, até o carinhoso “Velho Chico”. Quanto ao nome “São Francisco” Donald Pierson (Tomo I, 1972, p.32 ) nos explica que o nome “provém do fato de ter o descobridor português João da Nova chegado à foz deste rio a quatro (4) de outubro, dia consagrado à memória de São Francisco de Borja”.

  • 2 Sobre a toponímica do rio São Francisco ver BRASIL, Vanessa M. “MARGENS e Veredas do São Francisco: (...)

8Quanto ao rio Parnaíba detectou-se uma infinidade toponímica com grafias dessemelhantes e significados diversos. Como foi sucedendo vindas e idas ao longo dos tempos por povos de várias proveniências, cada um foi dando nome ao rio. E alguns lhe foram ficando. Deste modo lhes chamaram: Ponaré; Punaré; Pará do Piaguí; Pará dos Tapuias; Paraó; Paraguá Assu; Rio Grande dos Tapuias/Tapuyas; Pará; Paraguaçu; Paraoassu; Paravassu; Paruaçu; Parauaçu; Ototói; Totói; Paraguas; Paragues; Des Paragues; Fam Quel Coous. Rio Grande; Abiunham; Canárias; Rio das Garças; Parana-Iba; Parana-ahyba; Parnaíba; Parnahyba e finalmente Parnaíba. O nome Parnahyba, na explicação dos dicionaristas, é da língua tupi-guarani, significando Paraná rio caudaloso e ayba (ruim, imprestável). Para Saint Hilaire, esse nome vem da palavra guarani Pararaíba que quer dizer, rio que se lança em pequeno mar, mas segundo José d’Alencastro, o nome Parnaíba se compõe de Paraná (grande), Í (água) e Ba (que corre), ou seja: água grande que corre. Outros lhes prestam o significado “rio mar” ou “rio grande”, lhe atribuindo origem tupi, de parna-aíba, com paraná (rio) e aíba (mar). Parnaíba é, para nós, o ‘aportuguesamento’ da original designação guarani “pararaíba” ou da tupi “parna-aíba”... Para uns Parnaíba é nome de cidade brasileira, ou melhor, da vila paulista, Santana do Parnaíba, onde nasceu Domingos Jorge Velho, que por sua vez, a homenageou dando ao rio o seu nome. Isso não é talvez difícil de aceitar, contudo, não há dúvidas, que as terras brasileiras foram indígenas por muitos séculos com os nomes que puseram aos objetos, às terras e aos rios. Mas, para nós, onde a formação da palavra ‘Parnaíba’ parece reveladora é decerto aquela em que significara água grande que corre. 2 De fato, concordo com Brasil (1999), o nome se torna uma origem, guarda significados, enumeram sentidos e anuncia o destino do personagem histórico.

Nossos Contornos... a bacia e o vale

  • 3 Para compreensão do clima, vegetação, relevo e hidrografia do rio São Francisco seguirei as computa (...)
  • 4 Segundo Zarur (1946, p.1) “as cabeceiras do rio São Francisco drenam aproximadamente 41% de Minas G (...)
  • 5 Conforme Rachel Caldas Lins (1978, p.13), a Bacia hidrográfica do Parnaíba tem cerca de 342.988 km² (...)

9Nos estados do Piauí e da Bahia3 as condições naturais e geográficas tiveram especial significado na composição do seu espaço e, consequentemente, na formação de sua história. A bacia do Rio São Francisco é a terceira bacia hidrográfica do Brasil e a única totalmente brasileira. Estende-se pelas regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe são as regiões brasileiras perpassadas pelo rio São Francisco.4 A bacia do Parnaíba é a quarta maior bacia hidrográfica brasileira e a única totalmente nordestina. Nela contém-se por inteiro a macrorregião Nordeste do Brasil. Está contida parte de três estados brasileiros, Piauí, Maranhão e Ceará sendo que o território do Estado do Piauí fica quase totalmente incluído no vale da bacia do Parnaíba.5

  • 6 hoje encontra-se o complexo hidrelétrico de Paulo Afonso (BA).

10A bacia do São Francisco foi tradicionalmente dividida em quatro regiões distintas, Alto, Médio, Submédio e Baixo São Francisco. Alto São Francisco – das nascentes até a cidade de Pirapora (MG). Os estudiosos que assim o dividem compreendem como Médio São Francisco o trecho desde Pirapora- MG até a cidade de Remanso-BA e Submédio São Francisco de Remanso-BA até Paulo Afonso-BA. O curso Submédio São Francisco de Remanso (BA) até a cachoeira Paulo Afonso.6 O curso Baixo São Francisco se estende de Paulo Afonso (BA) até a foz, entre Sergipe e Alagoas. Essa composição mantém-se nitidamente aceita por uma gama de estudiosos, técnicos, autores dentre outros. Há outros poucos, em sua maioria alguns geógrafos, que o divide em três trechos Alto, Médio e Baixo São Francisco. Particularmente reconheço o rio São Francisco como um rio de múltiplas finalidades e infinitas paisagens. Assim sendo e considerando o uso da navegação a vapor parece-nos justificável a divisão em quatro seções do rio, contudo por submédio entendo que nada mais é do que o início do trecho Baixo São Francisco. O submédio São Francisco seria o trecho das corredeiras que se torna pronunciado abaixo de juazeiro-Petrolina “com uma queda fraca, porém brusca no nível do rio na cachoeira de Itaparica e outra mais forte culminando na Cachoeira de Paulo Afonso”. (PIERSON: Tomo I 1972, p.37) Hoje o submédio está praticamente barrado pelo lago de Sobradinho.

11A bacia do rio Parnaíba em todo seu curso foi dividido em Baixo, Médio e Alto Parnaíba. Odilon Nunes (1972) nos informa que esta divisão até hoje conservada foi a de César de Meneses de 1804. Por Alto Parnaíba de suas nascentes nos municípios de Barreiras-PI, e Alto Parnaíba-MA à Foz do Gurguéia no município de Jerumenha. O Médio Parnaíba fica na fronteira dos municípios de Jerumenha e Floriano. Estende-se da confluência da foz do Gurguéia à foz do Poti município de Teresina. O curso da bacia do Baixo Parnaíba estende-se da foz do Poti à foz do Parnaíba município Ilha Grande no Atlântico.

  • 7 Ver GANDARA, Gercinair Silvério. Rio Paranaíba... Cidades-Beira. Teresina: UFPI, 2010.
  • 8 Esta denominação “marinheiros d’água doce” foi dada por Assis Brasil em “Beira Rio, beira vida” (19 (...)

12Quanto às divisões das bacias apresentam dissimilaridades. Há consenso na divisão do rio São Francisco em quatro trechos. Já a composição do rio Parnaíba em três bacias não há consenso. De fato não há acordo geral, nem meio de como identificá-las no próprio rio. Para a divisão suas dimensões, sua paisagem, suas águas, seus encantos etc., são descritos e apresentados por estudiosos, viajantes, poetas, romancistas etc., de diversas maneiras. Uns apresentam-nas geograficamente, preocupados com suas extensões, com as cidades de onde começam e/ou as de onde encerram cada curso, com os obstáculos que compõe cada trecho por todo seu leito. Outros utilizam como marco os afluentes e/ou estabelecem secções com base na navegação. Contudo há outras como as de Fernando Teixeira Reis Souza que estabeleceu, “o alto do Parnaíba vai das cabeceiras até a cidade de Santa Filomena; desta até a barra do Gurguéia é o médio curso e daí até a foz alonga-se o baixo curso”. (SOUZA: 1971, p.23). Há ainda a divisão de Edson Barbosa (1978) que o dividiu em Alto Parnaíba ou parte superior, das nascentes até a barragem da Boa Esperança e Baixo Parnaíba ou parte inferior, desta barragem à foz. Têm-se, ainda, aquela apresentada por Renato Castelo Branco que procurou fazer uma divisão da bacia em secções com base na navegação. “O Alto Parnaíba seria das nascentes até Santa Filomena (153 km inavegáveis), o Médio Parnaíba, desta cidade a Amarante (navegável) e o Baixo, de Amarante à foz, que chamou de civilizado”. (CASTELO BRANCO: 1970, p.26). E por fim há aquela que propus buscando transcender todas as situações já decantadas dando à dimensionada geometria do espaço-rio Parnaíba a daqueles que lhes foram íntimos, os das “gentes do rio”.7 Nosso ponto de partida foi o das atividades que demarcam o espaço-rio ou ajudam a construí-lo. Atribuímos o conteúdo da navegação, as embarcações e seus calados, as atividades do comércio e o conteúdo humano que os conduziam. Nesta composição o rio Parnaíba ficou subdividido em quatro espaços, o “Espaço d’águas encachoeiradas”,“Espaço d’águas dos balseiros e/ou d’águas vermelhas”, Espaço dos marinheiros do rio e/ou d’águas doces”8 e “Espaço dos marinheiros do mar e/ou d’águas salgadas”. Em verdade, se traduziu numa composição conforme seus aspectos físico-geográficos em relação à profundidade de suas águas, as embarcações que deslizaram em seu dorso e os calados apropriados a cada trecho.

  • 9 Sobre a importância destes valores ver GALVÃO, Marilia Velloso. Regiões bioclimáticas do Brasil. R. (...)

13A vegetação, o clima e o relevo são fatores que determina o comportamento da rede hidrográfica de uma região. Porquanto esses valores são responsáveis pelo volume de água, pelo período de cheias e vazantes e pela possibilidade de navegação.9 Para Lins (1978), “os rios, coletores e vetores de água atuam ora como dessecadores ora como umidificadores dos solos, transmitindo-lhes maior ou menor capacidade de suporte da cobertura vegetal”. Crê-se que desse complexo de ações resulta a flora dos vales do Parnaíba e do São Francisco, pois nestes vales ricos e bonançosos se encontra uma vegetação paisagística muito expressiva. Para compreender o clima, vegetação, o relevo e a hidrografia do vale do rio São Francisco segui as computações de Lucas Lopes que bem apresentou em seu Plano das Obras de Recuperação Econômica do São Francisco para o Ministério de Viação e Obras Públicas.

14Do ponto de vista climático os rios São Francisco e Parnaíba apresentam semelhanças devidas essencialmente ao regime e à quantidade de precipitações. Ambos os rios atravessam em seu alto curso uma zona de precipitação abundante sendo o regime tipicamente tropical. “De fato o São Francisco tem um regime fluvial marcado de características tropicais nítidas” (LOPES, 1955, p.174) As duas bacias revelam no trecho médio certa disparidade. No vale do Médio e Sub-médio São Francisco ocorre secas periódicas. Calamidades que não se fazem sentir no mesmo trecho do rio Parnaíba. O rio São Francisco nasce em região de clima úmido. Penetra numa região cuja aridez vai se acentuando gradativamente. A estação seca aumenta progressivamente em detrimento do período chuvoso. Depois de percorrer uma região onde o período seco se acentua penetra em uma área de precipitações abundantes que aumentam progressivamente à medida que aproxima do litoral. O baixo-médio possui uma pluviosidade média suficientemente alta concentrada num certo período do verão. Periodicamente sofre diminuição brusca na precipitação com consequências calamitosas pela seca rigorosa. “De fato, o médio São Francisco, especialmente o baixo-médio, se assim podemos dizer, no trecho entre Juazeiro, Cabrobó e Jatinã situa-se em uma zona de transição de regime pluviométrico”. (Lopes 1955, p.152)

15Estreitamente ligada ao clima à vegetação das duas bacias apresentam certo número de caracteres comuns que merecem uma comparação mais aprofundada para que se faça ressaltar suas diferenças. Ambos os rios em seu alto curso possuem uma vegetação perfeitamente adaptada a regiões de chuvas abundantes no verão e estiagem severa e prolongada no inverno. Ao longo do Vale do Parnaíba encontram-se pequenos arbustos tendo maior concentração no Baixo e Médio Parnaíba. Sua paisagem vegetal é composta por palmeiras em que se destacam os cocais, principalmente espécies como carnaúba, babaçu, buriti e tucum. Estas espécies da floresta decidual podem ser encontradas, no cerrado local, na mata do Parnaíba, nos vales úmidos e nas áreas alagadiças. A região do Alto São Francisco é ocupada por campos cerrados, desenvolvendo-se às margens dos cursos d’água, florestas galerias. Mata Atlântica na região da Serra da Canastra. O Cerrado entre o sudoeste de Minas Gerais e norte da Bahia. Ao penetrarem este rio na zona mais árida passa à caatinga. Modifica o revestimento florestal com uma caatinga alta e densa a princípio para depois se tornar raquítica com maior número de cactáceas e outras plantas xerófilas. Conforme Lucas Lopes,

o rio São Francisco percorre em seu alto curso, “uma região de savanas sub-florestais com florestas galerias típico de vegetação adaptado a região de chuvas abundantes no verão e estiagem severa no inverno”. [...] O Alto São Francisco é ocupado por cerradões formando florestas galerias às margens do curso d’água. [...] Ao penetrar na zona mais árida modifica o revestimento florestal passando à caatinga “a princípio alta e densa, depois pobre e mais raquítica com maior número de cactáceas e outras plantas sub-xerófitas” (LOPES: 1955, p.153)

16O engenheiro Manoel do Bonfim Dias Ribeiro (2007) ao fazer uma análise do nordeste brasileiro nos fornece informações e peculiaridade desse tipo de vegetação. Ele definiu o xerofitismo como “o ajustamento fitológico do mundo vegetal às imposições do meio através de longos períodos seculares de baixa pluviosidade”. Explica ainda que “o conjunto vegetativo das espécies foi evoluindo numa série gradativa de alterações. Até atingir o clímax da organização xerófila.[...] é uma vegetação baixa, retorcida, unida, espinhenta e agressiva.” Da caatinga diz ser, sobretudo “caducifólia, como produção natural às reservas de água nas suas entranhas para vencer os grandes períodos de estio”. Enfatiza que estas plantas da caatinga ensinam “ao homem o segredo de viver na zona seca, pois aprendem a sobreviver em equilíbrio ecológico com o seu meio ambiente”.

17Na bacia do rio Parnaíba ocorre quase todos os tipos de vegetação do Brasil Tropical. Inicialmente atravessa uma região abundante em brejos e ribeirões até a Foz do Gurguéia. Por todo seu vale a paisagem apresenta a riqueza biológica da floresta úmida tropical. As florestas pluviais revestem uma boa parte da bacia. Estas florestas ora com carnaúba, ora com babaçu, ora mistas ornam todo o curso principal do rio Parnaíba e dos seus afluentes de maior porte. Próximas à cidade de Teresina e mais ao norte são povoadas pelo babaçu. Ao norte de Teresina, à sombra das matas sem babaçu cresce o jaborandi. As florestas de carnaúba avançam com o rio Parnaíba até o mar. Estas recebem o nome de “matas” e onde não revestem toda área, predominam manchas com tendência a cerrado ou a caatinga que se intercalam na paisagem. Os cerrados e cerradões se apresentam na maior parte da bacia do Parnaíba. Catanduvas ou “carrascos” nas chapadas da faixa menos úmida da bacia. Os cerradões ocupam largas áreas entre Floriano e Amarante, entre Regeneração e Várzea Grande e mesmo no Maranhão, entre Barão de Grajaú, Balsas e Carolina. Nas áreas de cerradão encontra-se o bacuri e o pequizeiro. As formações pioneiras de restinga, mangue e aluvial campestre, na zona litorânea. As caatingas ocorrem inicialmente na bacia do Parnaíba, numa faixa, ao pé da vertente do Ibiapaba, a qual progride para o sul acompanhando aquela linha de relevo. Por meio do boqueirão do Poti, se descaracterizam um pouco, entram em contato com as terras do alto curso desse rio e seus afluentes, já no Ceará, retornam sua fisionomia e composição peculiares. Para Freyre (1907, p.LIII), “a bacia deste rio é quasi exclusivamente occupada por uma grande formação de grés...”. Três tipos de paisagens que dominam o vale do Parnaíba nos são informadas por Rachel Caldas Lins.

As altas chapadas, bem representadas pelo Ibiapaba, com altitudes que se aproximam dos 900 metros, no seu rebordo oriental. As chapadas de baixos níveis, predominantes no Piauí centro sul, e as depressões interplanalticas ou intermontanas escavadas nessas chapadas ou resultantes do desnudamento do escudo cristalino. [...] Um quarto tipo de paisagem poderiam, ainda ser reconhecido, embora não predominante por suas limitadas dimensões qual seja, o da planície litorânea. (LINS: 1978, p.124).

18A vegetação variando em função da umidade maior ou menor apresenta certa semelhança nas duas bacias exceto no trecho inferior uma vez que o Baixo São Francisco penetra uma zona de cerrados e agrestes enquanto o Parnaíba penetra numa floresta equatorial superúmida e densa. As Florestas de palmeirais como carnaúba buriti e babaçu ornam o vale do rio Parnaíba e boa parte do Médio São Francisco. Em verdade seus vales possuem uma rica flora, em plantas medicinais e em palmáceas. As riquezas de origem vegetal em ambos os vales são representadas pelas palmáceas, carnaúba, buriti, maniçoba, babaçu dente outros. É importante lembrar que essas riquezas são espontâneas, nativas, geradas da região. Plantas pertencentes a própria historiografia das regiões. Renato Castelo Branco enfatiza que, “nos bilhões de palmeirais existentes no vale parnaibano pode estar um dos principais fatores de redenção econômica da região”. (CASTELO BANCO: 1970, p.122).

19Da planta buriti tudo se aproveitavam em ambos os vales. O talo é matéria-prima para as construções, que são cobertas com as folhas do buriti. A polpa é comestível e dá um doce delicioso. Da palha se fazem chapéus, cintos, calçados, esteiras, balaios e inúmeros aparatos de cozinha e montaria. As balsas para o comércio, os brinquedos das crianças e até o caixão para os mortos: tudo de buriti. A Carnaúba constituiu uma palmeira do mais amplo aproveitamento tendo sua cera aplicações de toda ordem. Extraía a cera da carnaúba. Primeiro se fazia o corte da palha que eram enfeixadas e posteriormente batidas para retirar o pó. Da fusão do pó obtido nas suas palhas se fazia a cera de carnaúba que foi largamente comercializada. De seus troncos faziam/fazem estacas dos currais, as vigas e esteios de suas casas. “E seu tronco é madeira de marcenaria de primeira ordem”. (CASTELO BRANCO: 1970, p.129). Da palha faziam/fazem a cobertura dos tetos e divisões interiores. Dela faziam/fazem esteiras, chapéus, velas, corda e uma infinidade de outros artigos. Para salientar a importância da carnaúba na economia piauiense, basta dizer, que em 1940, a exportação de sua cera ocupou o sexto lugar nas estatísticas nacionais. A carnaúba constituiu-se num dos esteios da vida econômica do estado do Piauí e da região baiana sanfranciscana. Historicamente desempenhou/desempenha um importante papel no fabrico de utensílios e nas técnicas construtivas em ambas as regiões e vales.

20Quanto ao babaçu, não é apenas o óleo vegetal por si suficiente para determinar a criação de uma imensa fonte de riqueza. Esta palmeira devidamente industrializada poderia produzir, ainda, outros derivados da mais vital importância. Vale enfatizar que ela também foi um dos esteios da vida econômica do estado do Piauí. Historicamente, seu óleo vegetal desempenhou/desempenha um importante papel, mas, também foi/é importante no fabrico de uma serie de artigos da maior utilidade. Ela proporciona, ao mesmo tempo, uma serie de artigos da maior utilidade e de aplicação infinita. Renato Castelo Branco (1970) explica que

“do epicarpo proporciona fibras de grande resistência, para a fabricação de escovas, tapetes e cordas. O mesocarpo encerra grande quantidade de amido e tanino, alem de uma fécula abundante, de que se fazem bebidas semelhantes ao chocolate. E o endocarpo pode ser empregado como sucedâneo do marfim vegetal, nas aplicações em que se usa o osso, como botões e artigos isolantes”. (CASTELO BRANCO: 1970, p.123-124).

21Os documentos nos mostraram que foi por volta de 1897 que se descobriu a maniçoba para a produção da borracha. Para o estado do Piauí a produção da borracha de maniçoba configurou como uma das principais fontes de receita do início do século XX. A maniçoba também foi reveladora dos caminhos do Vale do São Francisco. A produção industrial, em larga escala, da borracha derivada de Maniçoba ocorreu com a I Guerra Mundial. Pessoas da tradição local na região do médio São Francisco nos explicou o processo de extração da borracha de maniçoba. Dela extraia-se o leite e após engrossá-lo, enrolava formando bolas. Essas eram negociadas, por peso, com fazendeiros e comerciantes. Estes eram considerados atravessadores que passavam aos barqueiros, negociantes, e por fim, aos exportadores. Como foi em Pilão Arcado e em todo vale era comum a disputa entre fazendeiros por áreas de maniçobais que resultavam em guerrilhas na região.

22Além dessas palmáceas o vale do São Francisco é representado também pelas fibras de malva e caroá, resina de jatobá e tropucá, frutas do cajueiro, do umbuzeiro, o mel produzido pelas abelhas nas flores silvestres, lenha e madeiras para construção como pau d’arco, peroba e outros. Vale ressaltar de que todos os produtos de importância comercial como a extração da cera da carnaúba e do látex das borrachas silvestres maniçoba e mangabeira eram atividades fortemente controladas pelos fazendeiros/coronéis no Vale do São Francisco. Tanto que se atribui a muitas das disputas verificadas no Vale do São Francisco como motivado pelo controle das áreas de incidências desses produtos comerciais.

23As extrações e coleta dos produtos vegetais no vale São Francisco ficou conhecidas como “catado”. A área de incidência da palmácea Carnaúba, segundo Rêgo “limita-se o habitat da carnaubeira às vazantes e veredas da bacia média até a altura da Lapa”. (1945, p. 225). Na área dos municípios de Pilão Arcado, Sento Sé e Remanso os carnaubais nativos se concentravam em grande proporção. Ali os carnaubais eram tidos como símbolo da terra. Exemplificou com o Cel. Franklin Lins que fazia o “Catado” era o detentor de importantes carnaubais em Pilão Arcado. Já a folha de Caroá dos terrenos arenosos se podia colher durante todo o ano em quantidades diárias consideráveis. Dele cortava-se a planta e com a fibra teciam os fios para trançagem da rede para a pesca artesanal. Originalmente utilizadas pelos indígenas na feitura de redes de pesca. Por volta de 1917, por ocasião da alta do preço do algodão o caroá começou a ser beneficiado para exportação. Segundo Ribeiro (2007, p. 126-127) ‘não se conhece a existência de caroá em nenhuma outra parte da terra. Só aqui nesta região do Brasil e no Kew Gardens, o grande jardim Botânico da Inglaterra, cultivado como amostragem... [...] Estas Bromeliácea está presente nas caatingas do Vale do São Francisco, vale do Vaza-Barris e sul do Piauí...”. De fato o Caroá está lá tanto quanto o Umbuzeiro desafiando as intempéries permanecendo vivos no subsolo para rebrotar.

  • 10 Sobre os grupos indígenas no Vale do São Francisco ver PIERSON, Donald (Tomo I 1972, p.223-234)

24Se condições de meio e de posição geográfica não sugeriram a exploração de terras do São Francisco pelo açúcar ou pelo extrativismo inicial estavam elas destinadas a ocupação e movimentação humana quando as primeiras boiadas marcou a presença humana na vastidão dos sertões traçando caminhos e formando currais. Preconizou-se que a penetração da bacia do São Francisco iria se processar, do Norte, ao longo das trilhas que conduziam a gadaria. Em verdade o impulso expansionista realizava-se na penetração do gado, vadeando rios, criando núcleos de povoamento à margem dos caudais até atingir as barrancas do rio São Francisco que em pouco seria o “rio dos currais” e daí para as hinterlândias do Piauí e quiçá de outros estados brasileiros. Lucas Lopes ao analisar os “ciclos” de expansão econômica brasileiro e o Vale do São Francisco diz que a “o ciclo de pau brasil, atingiu, de leve, a bacia do São Francisco, em seu lance final de acesso ao Oceano. [...] também no ciclo de açúcar a bacia do são Francisco mal seria tocada”. (LOPES: 1955, p.38). O “ciclo do criatório” marcaria a legenda da ocupação territorial de características inconfundíveis. “Tanto quanto as caças as minas ele iria determinar uma expansão territorial vastíssima, uma diluição de gentes que mal se distinguiam nos gânglios de povoamento que se formavam em torno dos currais”. ( LOPES:1955, p.39) Para Josildete Gomes “a criação de gado foi a retaguarda econômica da produção açucareira, mais tarde, por si só, tornou-se uma fonte de economia brasileira”. (GOMES, 1952, p. 223). Furtado nos explica que “a atividade pecuária se desenvolveu, fundamentalmente, para satisfazer a demanda de carne, de animais de tração e carga, criada tanto por empresas agromercantis quanto pela exportação mineira”. (FURTADO: 1959, p.67). De uma forma ou de outra as trilhas da pecuária se estendiam formando povoações e currais ao longo do curso do rio São Francisco e de outros afluentes e confluentes. Para Victor Leonardi (1996) “a chamada civilização do couro só surgiu e se implantou no sertão depois de ter expulsada a indiada10, como diz a historiografia regional”. Explica que “não foi só o trabalho do vaqueiro que criou aquela prosperidade setecentista: as fazendas e os currais se assentaram em terras invadidas pela força. O trabalho gerou riquezas, mas as armas também, sem elas não teria havido terra para pecuária na região”. (LEONARDI: 1996, p.47-49). Para Wilson Lins (1952) a sociedade do Vale do São Francisco era de vaqueiros considerados por ele como “pastores-guerreiros”. Numa fazenda de criar o vaqueiro é a figura de maior importância para José Honório Macedo (1952) que diz representar “o braço trabalhador e a ocupação humana da terra”. E explica ser o vaqueiro o único a percorrer a terra e a “devassar- lhe a intimidade nos pontos os mais recônditos [...] conhece todos os caminhos, malhadouros, águas, brejos, lagoas, serras e acidentes do terreno”. Ali nos sertões todos eram vaqueiros.

  • 11 Ver GORENDER, Jacob. O Escravismo Colonial. São Paulo: Ática, 1978.

25Histórica e geograficamente, o Piauí apresentou-se com duas regiões distintas, a zona do sul e a do norte do estado, com sua administração e governo no centro da Colônia. A situação geográfica das duas regiões apresentou diferenças importantes sob o ponto de vista do desenvolvimento da Capitania e formação das cidades. Conforme a historiografia tradicional piauiense foi pelo sul que entraram os primeiros povoadores (criadores). Isso se deu segundo Miranda (1938), porque “todas as transações desde os tempos coloniais das zonas interiores sul do Estado do Piauí ter sido feita com a Bahia”. (MIRANDA: 1938, p.75). Já a região mais próxima do litoral que recebia influência da navegação marítima era o “caminho que percorriam aqueles que transitavam do Ceará para o Maranhão e vice-versa”. (FRANCO: 1961, p.66). Segundo Jacob Gorender (1978), no começo do século XVIII, por proibição régia, a criação de gado só era permitida à distância de 10 léguas a partir da costa marítima. A esta altura, as fazendas criatórias já se achavam adentradas pelo sertão baiano até o interior do Piauí e Maranhão. Eram chapadas distantes do mar, onde se localizavam os primeiros currais, aproveitando as várzeas dos rios. Contudo, diferente de outros territórios nordestinos, a colonização no Piauí teria sido feita do interior para o litoral.11

26O devassamento e o povoamento da Capitania São José se fizeram no roteiro dos rios, no interesse da criação do gado e da pequena lavoura de subsistência. Inicialmente se deram através dos rios, Piauí, Canindé e Parnaíba e mais tarde do Poti ao Longá, ao mesmo tempo em que do Gurguéia e outros rios, todos afluentes do rio Parnaíba que juntos formam o vale parnaibano. Suas terras serviram desde o início às fazendas de gado bovino, que logo se multiplicaram, tornando-se instrumento de povoamento e cristalizando sua vida sócio-econômica nesta atividade. Conforme Branco, “pela extrema mobilidade dos boiadeiros, cedo todo o território piauiense estava conhecido e pontilhado de fazendas e currais, que seriam o núcleo de futuros povoados, vilas e cidades”. (BRANCO: 1970, p.74). Enfim por quase dois séculos a vida no Piauí foi desenvolvida em virtude da fundação das fazendas de gado, origem das primeiras freguesias e assinalando a presença dos primeiros arraiais. Mas a facilidade de comunicação do litoral da antiga Capitania com seus portos marítimos naturais fizeram com que esta região prosperasse mais cedo, desenvolvendo atividades econômicas de relevo. José Patrício Franco (1963, p.66-67) ao mencionar as duas regiões consideradas do Piauí, a do sul e a do Norte (próxima ao litoral) diz, “a situação geográfica e ecológica das duas regiões, se não criavam disparidades, estabelecem diferenças importantes sob o ponto de vista de progresso e desenvolvimento...”. Diz ainda, “que a civilização piauiense veio primitivamente do interior para o litoral...”. Conforme Odilon Nunes (1974, p.136), “perduravam no Piauí as mesmas trilhas que no período colonial ligavam entre si as fazendas, as mesmas veredas abertas pelos vaqueiros e boiadeiros na labuta cotidiana”. E continuavam pelo mesmo processo a multiplicarem-se caminhos, “rasgados ao tropel das boiadas, e ao trote das cavalgadas. Os poderes públicos pouco contribuíram para a expansão e manutenção dessas vias de comunicações interiores”. Para Mendes

A criação de gado nos sertões piauienses... teve êxito apenas como instrumento de ocupação do território. Como atividade produtora, foi um fator determinante para a formação de um sistema econômico frágil e incapaz de fazer germinar outras atividades produtivas. [...] A pecuária extensiva, tal como se implantou no Piauí, resultou em uma economia primitiva, tradicional e passiva dentro do sistema econômico em formação no Brasil, do qual cada vez mais se distanciava. [...] A pecuária extensiva, contrastando com a fertilidade dos vales úmidos não aproveitados para agricultura, não poderia oferecer perspectivas de progresso para a então Capitania (MENDES: 1995, p 60-67)

  • 12 Ver GANDARA, Gercinair Silvério. Rio Parnaíba... Cidades-Beira (1850-1950). Teresina, UFPI, 2010.

27Em fins do período colonial os governantes piauienses volveram o olhar para a região beira-rio Parnaíba, demonstrando profundo desejo em transferir a capital para um local que melhor servisse à Colônia no escoamento de suas riquezas e nos contatos com as colônias vizinhas. O mais significativo deslocamento da gestão do poder das elites agrárias do centro para o norte da província do Piauí foi propiciado pela navegação fluvial e consolidado pelo propósito que orientou a mudança da capital de Oeiras no centro da Província para a Vila do Poti localizada à beira-rio Parnaíba. Já a capital instalada à beira-rio Parnaíba, teve como consequência, destacar e/ou provocar o papel que passou a ter, a partir de meados do século dezenove, o centro-norte da província, principalmente, no que diz respeito à ocupação de seu espaço e o surgimento das cidades-beira-rio Parnaíba. Assim com a mudança da capital de Oeiras para Teresina (1852), aumentou consideravelmente a população beiradeira do rio Parnaíba. Essa ocorrência manifestou-se mais intensamente com a navegação a vapor. Nessas circunstâncias surgiram no vale as cidades-beira rio Parnaíba. Às margens desse rio surgiram vários povoados que mais tarde seriam vilas, cidades, empórios comerciais.12 Numa palavra, nestes vales, terra e água juntos fecundaram a presença humana. De fato, nestes rios terra e água tecem todo um universo de valores paisagístico, econômico, cultural.

Rio dos Currais... São Francisco... Rio das Garças... Parnaíba.... Nossos Rios

“o meu rio! [...] este comandante de gaiola, Pedro Manduca, é o meu avô. Foi por intermédio do seu testemunho, e depois de suas lembranças, que conheci o rio e aprendi a respeitá-lo. (Vanessa Brasil, 1999)

  • 13 Para se conhecer sucintamente a paisagem física e humana do grande vale e a história deste rio tend (...)

28O rio São Francisco, Opará e/ou tão somente Velho Chico nasce na Serra da Canastra no estado de Minas Gerais aproximadamente 1200 metros de altitude. Atravessa o Estado da Bahia, fazendo a divisa ao norte com Pernambuco, bem como, constituindo a divisa natural dos estados de Sergipe e Alagoas. Por fim, desagua no Oceando Atlântico. Atravessa regiões com condições naturais das mais diversas. Ele apresentou/apresenta dois estirões navegáveis, o médio, com cerca de 1.371 km de extensão, entre Pirapora (MG) e Juazeiro(BA)/ Petrolina(PE) e o baixo com 208 km, entre Piranhas(AL) e a foz, no Oceano Atlântico. 13

  • 14 Abriga hoje pelo menos cinco hidrelétricas no seu curso.

29Quanto a todo seu curso pelas computações de Halfeld e a descrição de Rego (1945, p.24) vimos que o aspecto mais característico do São Francisco é a ligeira variação de altitude em grande parte do seu curso. Logo abaixo da cachoeira Casca d’Anta, embora haja certo decréscimo nesse primeiro declive, o rio vai descendo decididamente por certa distância e continua descer visivelmente durante cerca de 1000 quilômetros até logo abaixo das corredeiras de Pirapora. Aí o leito se aplaina tornando-se quase nivelado, com inclinação pouco perceptível. Aplaina-se de tal modo que o rio corre suavemente por cerca de 1300 quilômetros descendo apenas 90 metros em toda essa distância. Abaixo das corredeiras de Sobradinho a proporção da descida começa gradualmente aumentar e o rio depois de passar por numerosas corredeiras abaixo de Coripós, precipita-se afinal na Cachoeira de Paulo Afonso, hoje coberta pela Hidrelétrica do mesmo nome. 14 De Juazeiro até logo abaixo da cachoeira de Itaparica, isto é numa distância de 400 quilômetros cai 102 metros atingindo o nível de 270 metros acima do mar. Começa então acelerar a sua marcha na direção Este, descendo do Planalto Central para o mar. Aí criava a cachoeira de Itaparica e a de Paulo Afonso. Depois volta novamente a correr lento e preguiçoso até o mar. Logo depois na cidade de Piranhas o rio depois de um percurso de 1880 quilômetros desde Pirapora corre a apenas 20 metros acima do nível do mar. Há mais ou menos 110 quilômetros abaixo fica só ligeiramente acima do nível do mar e em Penedo corre virtualmente ao nível do mar. O São Francisco é um mundo...” como bem disse Wilson Lins (1983).

  • 15 Seus afluentes da margem direita são Pará, Paraopeba, das Velhas, Jequitaí, Verde grande, Rãs, Para (...)

30Ele nasce com águas cristalinas no âmago de Minas Gerais. Surge ali das entranhas da Serra da Canastra no município de São Roque de Minas. Logo adiante se precipita na cachoeira de Casca D’Anta, e daí corre agitado pelas florestas do planalto onde serpeando vai avolumando-se com os mananciais afluentes que recebe.15 Ao longo do seu percurso ziguezagueando entre os rochedos agiganta-se para formado se tornar um rio caudaloso deixando a terra mineira. Majestosamente adentra e atravessa o território baiano fazendo sua divisa ao norte com Pernambuco, bem como constituindo a divisa natural dos estados de Sergipe e Alagoas, e, por fim, deságua no Oceano Atlântico. De inicio começa pulando nos grotões de sua nascente. “Embaralhando imagens nas primeiras investidas de águas mais abertas. Pelo contorno das margens, as árvores mais resistentes estendem os galhos sobre os barrancos” (LOPES: 1978, p.5). O rio São Francisco escorrega manso e manhosamente. Caminho d’água que periga nos seus remansos, ipueiras e cachoeiras. João Ribeiro (História do Brasil s/d, p.137) afirmou “excluído o mar, caminho de todas as civilizações, o grande caminho da civilização brasileira é o rio São Francisco”. Uma das características geográfica do rio São Francisco era/é a formação de remansos que consiste de um ponto de menor profundidade, estreito e com calmaria. Muitos desses lugares de remansos tiveram função portuária que serviu como entreposto ligando as margens físicas do rio e suas regiões. Além dos remansos o rio São Francisco formava/forma muitas ilhas de grande extensão que eram/são todas aproveitadas para a agricultura. Este rio foi aproveitado do peixe à navegação até onde seu leito livre de pedras e de coroas em que pudesse as quilhas rasgar-lhe as entranhas. “Homens e bichos vivem exclusivamente dele. Nasce-se, vive-se, e morre-se na dependência de suas águas”. (PARDAL: 1981, p.44). Em sua imensidão suas águas mudam de cor segundo a estação do ano. Águas que se bebem. Águas barrentas que saciou a sede de grandes boiadas razão da denominação de “rio dos currais”. O Rio São Francisco é mesmo um longo caminho d’água.

  • 16 E explica: “trata-se de uma escarpa da encosta boreal dessa chapada a 709 metros de altitude. Suas (...)

31O rio Parnaíba nasce nos contrafortes da Chapada das Mangabeiras, fronteira do Piauí com Tocantins, numa altitude de 709 metros e assinala o começo da divisa entre o Piauí e o Maranhão, divisa essa, inteiramente constituída pelo rio. O rio Parnaíba divide em toda sua extensão os estados do Piauí e Maranhão. O curso do rio Parnaíba é quase sempre sinuoso, com trechos retilíneos curtos e relativamente raros. Antes de penetrar no Oceano Atlântico, no norte de Piauí com o Maranhão, forma um amplo e recortado delta, com três braços do rio na saída do mar. O engenheiro Dodt coligiu e descreveu o rio e sua paisagem, embora justificando as dificuldades. “... Na minha viagem, examinando o rio e colligindo os dados necessários para a organização da planta, [...] terras incultas... onde se devia romper dias por chapadas ermas, cobertas de uma matta rasteira e fechada denominada ali carrasco...”. O seu relatório foi dividido em três partes, sendo a primeira composta por cinco subitens que tratou exclusivamente do curso do rio Parnaíba, desde as supostas cabeceiras até as barras do rio da bifurcação com o Santa Rosa até o Oceano Atlântico. Segundo as suas descrições o rio Parnaíba começa como um “regato pequeno de águas cristalynas e correm com muita velocidade sobre um leito pedregoso, procurando seu caminho em mil voltas caprichosas”. E mais, “o volume d’agua, que elle conduz, augmenta, porém, rapidamente, brotando em toda a parte do fundo e dos lados do leito”. (DODT: 1871, p.04). Conforme Bastos “o rio Parnaíba nasce de três olhos d’água, ao pé da chapada das Mangabeiras, que divide as águas do Parnaíba das do São Francisco e Tocantins, na confluência com os estados Tocantins, Bahia, Maranhão e Piauí”. (BASTOS: 1994 p.422). Nasce com o nome de Água Quente. Ao confluir com Uruçui-Vermelho toma o nome de Parnaíba16. Da nascente o rio Parnaíba corre velozmente num leito pedregoso e muito sinuoso que se faz encachoeirado a meio caminho de Santa Filomena. Corre velozmente, descrevendo numerosas voltas. Se no curso inicial as águas forçavam estreitas passagens em meio a rochas agudas, mergulhando em sucessivas cachoeiras, segue por um médio curso sinuoso em meio ao cerrado e aos babuçais, agora abandona o leito antigo, avança sobre as margens vulnerabilizadas pela ausência da vegetação e alarga os seus espaços. Ao se aproximar do mar, ou melhor, ao encontrar o vértice do delta o rio Parnaíba forma um labirinto de água doce e salgada e continua sua marcha até se lançar no oceano Atlântico.

32Em todo seu percurso apresenta paisagem física de grande beleza. Desde suas nascentes é profundo e se não é navegável em toda sua extensão é sem consequências maiores, por causa das inúmeras cachoeiras do seu curso superior (espaço d’águas encachoeiradas) e aos bancos de areia do médio e inferior (espaço dos marinheiros do rio e/ou d’águas doce). Seu curso descreve curvas suaves, às vezes sinuosidades, quase meandros. As retas descritas pelo rio são poucas e quando há, são curtas. Conforme Bastos (1994, p. 423), “em certos trechos dá a impressão de procurar mudar de curso, recuperando adiante a direção. Os trajetos em linha reta são curtos e relativamente raros. É tipicamente de planalto, formando numerosas corredeiras”. Suas margens são predominantemente verdes, com abundante vegetação, formando verdadeira mata. Morros e serras, próximas ou distantes das margens, de desenhos caprichosos e soberbos, vão perderem-se na mata verde e compõem um quadro natural deslumbrante. Na estação das chuvas, ao receber grande volume de água dos seus vários afluentes, torna-se caudaloso, rápido, violento, de águas barrentas. Desce destruindo, derrubando ribanceiras, inundando e invadindo as terras baixas. Estas águas, no verão, dão impressão de vasta lâmina de espelho, deslizando sobre seu leito, manso e sereno, formando praias e mantendo a vida, bem como a sobrevivência das populações ribeirinhas, pela presença dadivosa e vivificante da água. A paisagem pitoresca das margens varia de matas tropicais, restingas até dunas, manguezais e praias. Além de uma vegetação exuberante repleta de cajueiros e florestas de manguezais possui praias semisselvagens, igarapés salgados, dunas e lagoas de águas doces e cristalinas formadas pelas chuvas. Têm sua beleza complementada por outros habitantes e outras vozes. Dessas vozes nos dão noticias os viajantes Spix e Martius quando recordam “Araras azuis... que moram nas copas dessas palmeiras, voavam guinchando por cima de nós, e o grande Anu... soltava frequentemente o seu chiado gaguejante...”. (SPIX E MARTIUS: 1976, p.17).

Pelos Roncos do Alto São Francisco e Alto Parnaíba

33O Alto São Francisco tem início na Serra da Canastra-MG a 1280 metros acima do nível do mar. O rio nasce com águas claras e cintilantes que caem formando várias cascatas. É caracterizado por suas águas rápidas, frias e oxigenadas. Aí estão as numerosas corredeiras e pequenas cachoeiras. Nesse trecho segundo Pierson (Tomo I, 1972, p.36) “somente foram navegáveis com dificuldades e por distâncias comparativamente curtas”. A mais conhecida cascata por ser a maior é a Casca d’Anta. O seu ronco pode ser ouvido à distância considerável como observou Saint-Hilaire depois de embrenhar-se pela densa vegetação e de repente chegar diante delas. “A maior cascata precipitando suas águas a 203 metros de altura em uma bacia semicircular de rocha, aí se juntando às de numerosas outras cascatas e correndo entre seixos rolados e densas florestas para formar a cabeceira do São Francisco”. Confessou dizendo “este espetáculo nos arrancou... um grito de admiração”. (Saint Hilaire: 1937, 172-173). Tem seu alto curso bastante uniforme excluindo o trecho montanhoso formado por rochas onde tem suas cabeceiras se desenvolve sobre terrenos nos quais a erosão fluvial modelou. No dizer de Morais Rego (1945) planícies de fraco relevo, com elevações isoladas, imediatas às margens na parte superior. Os rápidos e a cachoeira de Pirapora significam para o São Francisco um nível de base que comanda a erosão de toda a bacia superior. Transposta a cachoeira de Pirapora o rio tem um curso muito regular e um declive suave.

  • 17 Baseando nos traçados do Mapa do Cel. Renato Pereira (1920), nos estudos de Dodt (1871) e de João G (...)

34No trecho Alto o rio Parnaíba corre em leito apertado de pedras, varando serras e gargantas. Sua primeira cachoeira é denominada do Vao seguida por outra na embocadura do riacho das Tabocas considerada a maior que existe no Parnaíba. De Santa Filomena a Uruçuí o rio Parnaíba é, de fato, muito encachoeirado, nem bem se acaba de passar uma corredeira, já se ouve o ronco da outra. Como diz João Gabriel Baptista, “apresenta-se, frequentemente encaixado, em gargantas apertadas. Forma uma série de cachoeiras que atrapalham a navegação”. (BAPTISTA: 1981, p.156). Parafraseando Bastos (1994), depois da Foz do Lontra até a do Parnaibinha forma o Parnaíba, dezessete cachoeiras17, algumas citadas por Dodt, além da cachoeira do Tiririca. Esse trecho é aquele o qual denominei “espaço d’águas encachoeiradas”. Ainda no trecho Alto do Parnaíba, mas de Santa Filomena a Uruçuí era considerado navegável com ressalvas, por embarcações de calado máximo de 0,70m, não obstante, ainda, às dificuldades provenientes das corredeiras e estiagens. Desde muito cedo e mesmo após navegação a vapor utilizou-se nesse trecho predominantemente as embarcações tradicionais como as balsas e, mais tarde, foi navegado por rebocadores construídos para esse fim, portanto de baixo calado. A esse trecho do curso Alto denominei como “espaço d’águas dos balseiros e/ou d’águas vermelhas”.

Mapeando os Médios Parnaíba e São Francisco

“Mas, o rio ainda impera”. ( Paulo Pardal, 1981)

35A foz do Gurguéia marca o inicio do que se convencionou chamar Médio Parnaíba. Fica na fronteira dos municípios de Jerumenha e Floriano. Ao receber as águas do Gurguéia tem sua largura média aumentada. Distingue-se do Alto por duas razões, não recebe mais nenhum afluente maranhense de importância e as cachoeiras são menos frequentes. Conforme Bastos (1994, p. 423).), “...o Médio Parnaíba começa na embocadura do rio balsas junto à barragem da Boa Esperança, em Guadalupe, com largura de 100 m, ampliada para 200m ao receber o Gurguéia e atinge a foz do Poti com 350 m. Em Teresina, entretanto, atinge a largura de 374m”. Nesse trecho deixa de receber afluentes maranhenses e tem poucas cachoeiras. “É a parte mais seca do rio, em compensação a mais povoada. [...] Começa a tomar forma que irá definir o Baixo Parnaíba”. (BAPTISTA: 1981, p.164). Vegetação predominante: carnaúba e babaçu.

36O trecho do rio Parnaíba que se estende do município de Urucuí ao de Parnaíba denominei “espaço dos marinheiros do rio e/ou d’águas doce”. Aqui além de todo o trecho considerado Médio Parnaíba se incorporou neste espaço o trecho que vai do município de Uruçuí ao de Jerumenha. Lembro que nas divisões outrora apresentadas compunha o Alto Parnaíba. De Teresina ao Oceano compunha o Baixo Parnaíba. Neste curso a dinâmica e o cenário do rio muda abruptamente. Define um novo leito. As curvas antes sinuosas tornam mais amplas e o leito faz-se neste percurso crescentemente largo. Se no curso inicial as águas forçavam estreitas passagens em meio a rochas agudas, mergulhando em sucessivas cachoeiras, seguindo-se por um médio curso sinuoso em meio ao cerrado e aos babuçais, agora abandona o leito antigo, avança sobre as margens vulnerabilizadas pela ausência da vegetação e alarga os seus espaços. “O leito do rio tem 374m em Teresina e tende aumentar para jusante até atingir 500 a 600 m” segundo Baptista (1981, p.46). Nesse trecho após as enchentes e logo que as águas começam a baixar descobrem-se frequentes coroas de areia e são raras as ilhas fluviais. “... começam a predominar as coroas, oriundas do alargamento do rio. As cachoeiras desaparecem, com exceção de alguns baixios. As ilhas, em face de espraiamento, tornaram-se mais numerosas, assim como as lagoas ribeirinhas”. Em relação a largura do rio, Dotd (1871) diz que, “o rio tem em toda esta secção uma largura media de 240m; em alguns lugares, porém, espraia-se elle em tal forma que a largura fica dobrada, a profundidade é muito variável..., e a velocidade é, termo médio 1m por segundo”. Já a vegetação predominante nesse trecho do Parnaíba é de espécies de porte mediano, especialmente capim agreste e maniçoba. “Em leito arenoso avança até Poções, onde atinge o vértice do Delta”. (BASTOS: 1994, p.423).

37Este trecho está representado por longos e suaves meandros ou, contrariamente, por curvas acentuadamente fechadas, conforme se observa nas proximidades de Floriano. Aí ocorre a presença destacada ora da vegetação do Cerrado, ora da Floresta de Babaçu e desemboca alguns dos mais destacados afluentes do rio Parnaíba. O rio Gurguéia, “cujas águas saturadas de óxido de ferro em suspensão tornam vermelhas as águas do Parnaíba” afirma Moraes (2000 p.15-16). Esta região detinha uma riquíssima fauna alada e silvestre, comuns nos relatos dos viajantes, técnico, engenheiros e de estudiosos diversos.

  • 18 Em meus estudos de pós-doutoramento objetivei uma análise comparada entre o médio rio Parnaíba com (...)
  • 19 Hoje cobertas pelo Lago de Sobradinho formado pela Hidrelétrica.
  • 20 Fernando da Matta Machado em Navegação do rio São Francisco, rio de Janeiro: Toopbooks, 2002 dialog (...)

38Por toda sua complexidade e pelas condições humanas e ambientais oferecidas pelos cenários dos trechos médios dos rios São Francisco e Parnaíba mais precisamente na região baiana em que se inserem as cidades de Pilão Arcado e Remanso provocam essa parada. O curso médio do São Francisco18 é o de um rio com menor velocidade e sujeito a grandes cheias. Apresenta um perfil de rio equilíbrio estabilizado no horizonte de Sobradinho e atingindo as corredeiras de Pirapora. começa logo abaixo das corredeiras de Pirapora, após a junção com o tributário Rio das Velhas passando alguns quilômetros abaixo passando pelas corredeiras de Sobradinho19 até as cidades-beira Juazeiro e Petrolina. Este é um trecho longo do rio onde a inclinação é quase imperceptível, a correnteza suave e de fácil navegação no tempo das cheias. “Em outros tempos carecia de se evitar as corredeiras e as partes traiçoeiras de Sobradinho” disse Pierson (1972 Tomo I). Neste trecho a maior parte do rio fica entre barrancas baixas, arenosas e que cedem com facilidade, em uma planície inundável de 15 a 20 quilômetros de largura. Halfeld (1860) denominou esse trecho de “rio limpo” exceto a seção das cachoeiras de Sobradinho ou de Santana20. Segundo LOPES:(1955) nesse trecho compreendido entre Pirapora a cinquenta km e jusante de Remanso “com cerca de 100 km ... encontram-se alguns ‘portões’ constituídos por travessões rochosos que exigem balizamentos e pequenos trabalhos de derrocamento, com o fim de alargar e tornar mais segura a passagem do canal”. De um ponto “a 50 Km de Remanso até Juazeiro o rio deve ser considerado como de fundo resistente para fins de melhoramento. O obstáculo mais importante é a corredeira de Sobradinho...”. (LOPES: 1955, p.302). O trecho médio foi considerado para fins de melhoramento pela engenharia como um rio de fundo móvel exigindo pequenas drenagens onde as coroas de areia estrangulam o canal. Os trechos médios e submédios da bacia sanfranciscana é a maior parte navegável do seu curso “caracterizadas por sua topografia suave e pela presença de aluviões”. (Lopes: 1955, p.148). Parafraseando Lopes (1955) A ideia de tornar o rio São Francisco um rio navegável por embarcações de maior calado, de ordem de 1,50 m que são o mais apropriado economicamente para um trafego intenso não permitiu vislumbrar soluções nos trechos de fundo móvel as dragagens constantes, pois seriam excessivamente caras. Isso porque o próprio rio é um grande carregador de matéria solida alterando em cada enchente a posição e o volume das coroas e bancos de areia. Os chamados portões e travessões pelos técnicos não poderiam ser derrocados para maiores profundidade, pois alterariam o perfil do rio uma vez que agem como barragens submersas formando remansos de maior profundidade por longas extensões. (LOPES: 1955, p.147-162).

39Na área do trecho médio em torno da cidade de Remanso as barrancas são bastante baixas. Ali quem governa é o rio. Personagem dominante. Sempre que o rio vaza entre as asperezas do seu barranco pinta cenários. Correndo por esta planície o rio segue um curso irregular deslocando-se daqui para ali de tempos em tempos com as enchentes anuais removendo barrancas arenosas, abrindo caminho em novos lugares e deixando atrás de si uma rede de leitos abandonados, ilhas, bancos de areia e lagoas. “A parte mais calma desse trecho Médio é aquele espaço que fica entre Januária e a cidade de Remanso, a cerca de oitocentos e sessenta (860) quilômetros abaixo...”. (PIERSON: Tomo I, 1972, p. 38). Nesse espaço-rio sob o nível do leito há uma faixa de sedimentos formada pelo próprio rio que os geógrafos deram o nome de “serie de vazantes”, como nos informou Luis Flores de Moraes Rego (1945). O rio São Francisco atua aí continuamente cavando extensamente as barrancas nas faces dos meandros depositando no seu próprio leito coroas de areia. Ele vaza. Na vazante o rio São Francisco marca o chão de suas margens quando soberbo espalha, no momento exato do seu transbordamento, alargando seu império com as aberturas irregulares da sedimentação.

40Descrevendo o rio légua a légua Halfed anotara os efeitos dos transbordamentos que tudo destroem na sua paisagem. Spix e Martius registraram suas observações pessimistas sobre as enchentes ao lado do otimismo com que encaram os benefícios do rio. Descreve Boris Brajnikov “o rio na enchente invade a planície aluvial por grandes extensões e com certa violência, de maneira que a água penetrando nos campos irrigados... carrega o solo fracamente constituído, as sementes e a colheita”. Destarte, toda vida agrícola do São Francisco sofria as limitações provenientes das cheias. Na maior parte de seu curso enormes áreas planas de aluviões permaneciam sem culturas porque essas seriam destruídas pelas enchentes irregulares e imprevisíveis. Lucas Lopes complementa os efeitos dos transbordamentos asseverando a imprescindibilidade do controle das enchentes para o desenvolvimento agrícola nas margens do rio. Diz ser fácil de verificar que não menos essencial para estabilização da vida urbana o progresso industrial das cidades ribeirinhas.

O rio sofre os efeitos de suas épocas de pletora com o desmoronamento das barrancas de sua caixa fluvial. A amplitude das enchentes torna precários todos os trabalhos que se projetam de fixação das margens. O entulhamento do alvéolo fluvial se processa com a formação de ‘coroas’ e ‘baixios’ que tornam deficientes as condições de navegabilidade. (LOPES 1955, p,177)

41Sabe-se que estas cheias eram ocasionadas muitas vezes pela presença das chuvas nas cabeceiras que irrompiam no sertão, em pleno estio. Um verdadeiro espetáculo em que se via o rio transbordar invadindo/inundando a caatinga seca. Como dizem os beiradeiros de Remanso e de Pilão Arcado era assim, léguas e léguas de terras sepultadas pelas águas, ilhando os rebanhos e muitos se afogando. Conforme Pierson (Tomo I, 1972, p.51) nas enchentes do rio “muito gado morreu afogado e em muitas cidades ribeirinhas os habitantes tiveram de usar canoas para se locomoverem”. Contudo, num estudo sobre o Médio Rio São Francisco, mais precisamente, sobre o trecho dos municípios e cidades de Remanso e Pilão Arcado, que são ligadas/relacionadas/aconchegadas às águas daquelas paragens não poderíamos ignorar as agruras da vida no vale do médio São Francisco, que como afirmou Lins (1983, p.36). “ nivelou seus habitantes com poucas diferencas entre os descendentes dos sesmeiros portugueses”. É assim que o rio São Francisco espalhando o seu lençol pelas terras tornando-as lamacentas oferece-se por inteiro. Vale enfatizar que o rio baixa muito rapidamente deixando as margens e as ilhas cobertas de lodo, fazendo-as da maior fertilidade ao longo das baixadas inundáveis. Isso levou à agricultura conhecida como “lavoura dos lameiros”, principalmente nas ilhas defronte a Remanso. Segundo Donald Pierson (Tomo I , 1972, p.51) para muitas pessoas que vivem ao longo do rio a enchente do rio São Francisco é ocasião mais de “prazer do que de temor ou apreensão de perda”. Ela aumenta não só as possibilidades de colheitas para os que vivem da lavoura nas margens ou nas ilhas do rio, mas também de um “maior suprimento de peixes para os que vivem da pesca ou fazem dela um complemento do seu meio de vida”.

42O uso dos espaços de cultivo obedecia ao ciclo natural das águas. Num curto espaço chuvoso, chamado “tempo das águas” os beiradeiros se volviam para as caatingas. “Estas recebem vegetação peculiar e estão situadas entre as planícies, áreas de vazantes e os planaltos e as serras, de outro” (RÊGO, 1945, p.37). Nas caatinga cobre as regiões em que se verifica o fenômeno das secas. No vale sanfranciscano o beiradeiro pratica a agricultura de sequeiro, ou seja, a agricultura dependente das chuvas. É naquele espaço que ele criava o pequeno rebanho, “compreendendo o gado bovino e as “miunças” constituídos por caprinos, ovinos, suínos e galináceos de várias espécies. quando as chuvas caíam trazia felicidades aos beiradeiros sanfraciscanos. A chamada “chuva do caju e/ou chuva de imbu e/ou chuva de caboeiro” ocorre geralmente em setembro. Quando chegam as chuvas hibernais no final do ano, os rios correm e se precipitam em “avalanches” nos caminhos do mar. E aí de repente a caatinga toma a cor das esmeraldas. A vegetação se torna luxuriante, o mundo vegetal se transforma em trilhas sinuosas da mataria verdejante formando um anfiteatro natural. É a vida que retorna na caatinga.Vale dizer que algumas faixas da catinga se prestavam a agricultura. Nela tem a vazante que é a parte da caatinga mais próxima da margem do rio além da vereda e do brejo. Os brejos em terras longe das margens do rio formam verdadeiros oásis verdes dentro da sequidão da caatinga. Os habitantes mais próximos das vazantes são conhecidos como beiradeiros, os do brejo, brejeiros e os da caatinga, catingueiros. As terras das vazantes são boas para agricultura, mas o beiradeiro produz em pequena quantidade. O remansense Dário Ribeiro Alves nos explicou que rio São Francisco quando enche transborda do seu leito alagando muitas e muitas léguas de cada margem. Essas léguas inundadas que depois que o rio vaza, ou seja, volta a dimensão do seu leito ficam molhadas, constituindo as vazantes e complementou “nelas dá de tudo, plantava mandioca, abobora, cebola, pimentões, tomates...”. Dário Ribeiro Alves, 12/07/2013). Ocorre que plantar nas vazantes era uma incógnita, pois nunca se sabia quando ia ter inundações.

43Assim quando o rio São Francisco vazava inaugurava-se um novo ciclo de cultivo. Os beiradeiros se acorriam aos lameiros. O cultivo nos lameiros na concepção do beiradeiro era tranquilo, pois o rio além de propiciar a terra molhada e fértil era um companheiro de trabalho à medida que ajudava no plantio e na colheita. Tanto nos lameiros como nas caatingas cultivavam árvores frutíferas como manga, pinha, araçá, banana, jenipapo, laranja, etc. que complementava as inúmeras espécies nativas. As frutas mais apreciadas e acessíveis eram as espécies da vazante típica da região que se podia colher cestos e mais cestos de crioli, oiti, mairi, ticum,dentre outras. Conforme a literatura local e os nossos depoentes as roças das vazantes produziam o essencial para a alimentação de cada fazenda.. Vale enfatizar que muitas cidades daquela região além de Remanso e Pilão Arcado dependiam da produção dos lameiros durante os períodos de estiagem. Pescava-se no rio São Francisco durante as cheias e nas lagoas durante a seca. Dependendo da piscosidade das lagoas, a prática pesqueira poderia se estender fins do terceiro trimestre do ano quando os beiradeiros se voltavam, obrigatoriamente, para o preparo das áreas de sequeiro à espera das primeiras chuvas que ensejavam o plantio da caatinga. Há, de fato, simbiose entre o beiradeiro e o rio São Francisco que reage seja na seca ou nas grandes cheias neste “caminho de milhares de destinos”. ( LOPES; 1978, p.15) Como diz LOPES ( 1978 ) “O rio é o dono da vida. [..] Senhor de todos os destinos”.

Mesmo bruto comanda a economia. É o denominador comum de todas as operações: rio vezes rio igual a vida. Fora do rio só nos resta a terra calcinada, desabrochando no cômputo combusto das caatingas mortas. No chão o sol faísca no alastrado de xerém-de-pedras, que de tanto passarem no crizol dos anos, tornaram-se redondas e ovais. Do verde, só o mandacaru de espeques aguçados. A vida vem do rio. (LOPES: 1978, p.53)

44Quanto aos ventos do Médio rio São Francisco relatou Richard Burton (1869, vol.II, p.347) que “descendo o São Francisco em maio encontraram um forte vento a soprar na área Xique-Xique, Remanso-Sento Sé, durante o dia e durante a noite, levantando ondas na superfície da água e carregando areia das coroas do rio”. Ele diz que “ ... à noite, no mês de outubro, tremeram de frio perto de Remanso”. Ocorre que esses ventos, durante o dia eram muito quentes, mas à noite aliados à umidade do ar no rio e nas suas proximidades esfriava. O sol e o rio São Francisco definiu/define a riqueza e a pobreza naqueles rincões baiano, pois com a falta de chuva e o sol abrasador morriam os pastos e as plantações, mas o rio socorria atenuando os horrores da seca e do clima hostil. Daí ser um rio deveras abençoado como diz Ivo Chagas (2014, p.15) “ rio de todos brasis com nome de santo e mar porque santo e mar também sou, semeando milagres”.

45Ali, entre abril e maio as chuvas se despedem, a folhagem fana, os pastos secam, as sombras desaparecem, as aguadas se evaporam, o solo estorrica, o sol lança seus raios no horizonte... é a seca, característica profundamente associada ao Nordeste brasileiro e muito presente no Médio do Vale do São Francisco, particularmente flagelando a população de Remanso e Pião Arcado ao longo do tempo. Como bem disse Teodoro Sampaio “o São Francisco, como um oásis no deserto, através dos sertões adustos da Bahia ao Ceará, de Pernambuco ao Piauí é na verdade, a terra da promissão e o refúgio daqueles povos assolados pela seca prolongada e periódica” (SAMPAIO, 2002, p. 65). De fato, em relação às enchentes nunca se sabia quando seria cheia grande ou inundações. No rio São Francisco as maiores enchentes do século XX foram as de 1906, 1926 e a de 1945. Diz Lins (1983, p.36) que “as inudações se bem que espaçadas deixam marcas indeléveis na terra e no homem”. Ali os lavradores sofriam sob o flagelo das águas barrentas. Não obstante, a água deste rio está presente em temas de recuperação e “progresso” que se ensaiaram com visão local ou regional. Luca Lopes em seu Plano de Obras de Recuperação Econômica do São Francisco (1955) profetizou sobre as enchentes,

é possível que algum dia se torne o São Francisco um ‘Vale das Maravilhas’, para a atividade humana, mas, é certo, não o será enquanto estiver sujeito aos catastróficos transbordamentos periódicos das enchentes e às estiagens que reduzem o caudal a um nível incompatível com uma grande navegação fluvial. Somente depois de um ‘domínio das águas’ será possível estabilizar-se a ocupação econômica da calha fluvial e desenvolver-se a produção, o comércio e a vida social. (LOPES, 1955, p.166)

46Parafraseando Wilson Lins (1983) dos currais do centro as boiadas desciam para ribeira dadivosa, o catingueiro vinha matar a sua sede e a sede das vacas no barranco, mas não havia segurança, pois na beira do rio fervilhava de cobras venenosas e jacarés daninhos ao gado que ficavam, ainda a mercê das cheias e das inundações. O rio dava e tirava, fertilizando o solo com suas águas, mas também afogando o gado, derrubando casas e currais, com a ferocidade das inundações calamitosas. Por tudo isso o vaqueiro só trazia seu rebanho para beira-rio nas épocas das grandes secas. Diz Lins que,

quando estala o estio, na inclemente tirania do sol vaqueiros e rebanhos fogem da caatinga larga para a estreita faixa de terra da ribeira buscando o refrigério das águas abençoadas do rio. Mas eis que a estiagem passa e chegam as chuvas. Então flagelo não é menor. Os aguaceiros que caem nas cabeceiras do rio fazem o lençol das águas engrossar, subindo os barrancos, invadidndo as caatingas dominador e feroz. Diante o espetáculo impressionante das cheias este versos de casto Alves exrimem bem a realidade. “Do são francisco a soberana vaga. Leguas e Leguas triunfante alaga!’” (LINS, 1983, p.36)

A seca da região deste trecho do São Francisco é um tema bastante discutido na historiografia. São descritas e apresentadas por estudiosos de diversas áreas do conhecimento, viajantes poetas, romancistas, trovadores, cordelistas etc., de diversas maneiras Petrônio Braz em “Serrano de Pilão Arcado - A Saga de Antônio Dó” (s/d, p.37) retrata bem como se previa o tempo das secas. Na fazenda Salitre, em Pilão Arcado, eram quatro horas do alvorecer de um dia de março de 1878. O vento, como núncio da natureza, soprava com rajadas fortes vergando as árvores. Sem ter dormido um só instante, Benedito chamou pela mulher:

— Bastiana!

— O que é criatura? – perguntou ela sonolenta.

— Vosmecê prest’assunto. O vento tá soprando forte toda noite, já faz dia.

É seca brava, mais pior que a seca do ano passado.

Sebastiana informou:

— É a carta-da-seca. O vento alimpa o tempo; é castigo de Deus”.

[...] [...] [...]

O sibilar do vento, soprando de sul para norte, trazia, agora, a certeza de outra grande seca. Naquele ano nem Anamburucu, o mais velho dos orixás das águas, faria chover no Nordeste

Flanando Pelos Trechos Baixos dos rios São Francisco e Parnaíba

  • 21 Esta cachoeira foi coberta pelas águas da hidroelétrica.

47O trecho do Baixo São Francisco compreende a porção navegável de Piranhas até o Mar onde o rio recupera sua largura, a inclinação novamente é quase imperceptível e a correnteza suave. Esse trecho inferior do rio São Francisco se constitui numa região a parte separada do vale do Médio composto por cachoeiras e rápidos. Depois da Barra do rio Grande o solo e torna mais arenoso e um cordão de dunas acompanha sua margem esquerda entre Barra e Petrolina. A partir de Santana do Sobradinho tem a presença de corredeiras que depois de Juazeiro tornam-se mais frequentes. Daí em diante penetrava a região das quedas e cachoeiras que se entendia até a cachoeira Paulo Afonso21 a 250 km do litoral. O leito do rio é desde então mais definido, estreitando-se ou alargando-se, antes ou depois de cada estrangulamento. O curso baixo, por ser trecho de planície, é mais lento e encontra-se sob influência marinha. As planícies marginais do rio São Francisco em parte atingidas pelas cheias não se pode comparar por sua extensão com o Delta do Parnaíba embora apresentem em escala muito menor ilhas, canais e lagoas. A presença das dunas revela a importância da ação dos ventos aliadas as condições de aridez que se acentuam para o norte.

48Saciar as sedes e garantir a unidade nacional foi/é mesmo o destino do rio São Francisco. O exemplo dos bravos que, “descendo o rio nas costas das canoas improvisadas ou subindo-o no coice das boiadas lentas, na aurora da Colônia conquistaram o vale...” (Lins:1983, p.26). O rio dos “Currais”, Opará, São Francisco, Velho Chico ou como queira na sua diversidade toponímica foi a base para a exploração e as relações dos/nos sertões. Foi rota fluvial de ligação de diversas regiões do Brasil. Em torno dele várias rotas de comércio foram abertas ligando missões, fazendas, vilas e cidades das regiões centrais de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Bahia, Pernambuco, Maranhão e Piauí entre si e com as cidades do litoral.

49O curso do Baixo Parnaíba estende-se da foz do Poti à foz do Parnaíba (município Ilha Grande) no Atlântico. Este trecho tem 389 km. No baixo curso são frequentes “os bancos de areia, ou eles se agregam às margens ou permanecem isolados, constituindo-se em ilhas que se mantém durante certo período”. (BAPTISTA: 1981, p.166). O trecho do rio Parnaíba que se estende do município de Urucuí ao de Parnaíba denominei de “espaço dos marinheiros do rio e/ou d’águas doce”. Ressalto que o trecho do município de Uruçuí ao de Jerumenha, nas divisões outrora apresentadas compunha o Alto Parnaíba, e de Teresina ao Oceano compunham o Baixo Parnaíba. Mas por suas características navegáveis, de 0,70 a 1,00m de calado de Uruçuí até Floriano e daí à cidade de Parnaíba 1,50m calado, foram por nós incluídos no mesmo espaço-rio. Este espaço-rio foi por quase cem anos navegado por rebocadores a vapor puxando chatas de ferro ou barcaças de madeiras fazendo o comércio, levando e trazendo mercadorias e gentes. Ao mirarmos o curso do rio Parnaíba, a partir do município da cidade do mesmo nome, ao qual denominamos “espaço dos marinheiros do mar e/ou d’águas salgadas” notamos profundas alterações. O rio Parnaíba com toda sua peculiaridade paisagística, após percorrer seus 1485 quilômetros separando os Estados do Piauí e do Maranhão, deságua no Oceano Atlântico. Antes, porém, de entrar no mar, divide-se nos três braços, separados por inúmeras ilhas, formando o acidente geográfico conhecido como “delta”. Sua área total é estimada em 2700 Km² quadrados distribuída de forma retangular. As dunas, formadas nessa região chegam a atingir 40 metros de altura. São mais ou menos 83 ilhas com dunas e praias imensas, cercadas por igarapés que se distribui entre os caminhos. Em verdade, antes de desembocar no oceano Atlântico, no norte do Piauí com o Maranhão, o rio Parnaíba forma um amplo e recortado delta que termina por meio de cinco grandes bocas que são de este para leste, Tutóia, Carrapato, também chamada Melancieiras, Caju, Canárias e Igaraçu. Este trecho apresentou condições de navegabilidade contínua por embarcações de calado máximo de 1,50m. As bocas do delta ficam no Maranhão, com exceção do Igaraçu que é piauiense e a das Canárias que separa os dois estados. As suas principais saídas para o mar são uma para a Barra do Carrapato e outra para Baía de Tutóia. O rio Parnaíba continua sua marcha até se lançar no oceano Atlântico. Denominei “espaço dos marinheiros do mar e/ou d’águas salgadas” todo o trecho do município da cidade de Parnaíba, depois de formar as barras e o delta até sua entrega às águas salgadas do mar.

50O personificado rio Parnaíba, cheio de sol e/ou chuvas, têm o brilho imóvel de um grande espelho, voltado para o infinito. Abandonando seu leito de pedras. Correndo em vale arenoso mostrou-nos uma dinâmica de rio em formação, que se alargando, criando obstáculos a si próprios, rompendo barreiras para definir novos limites e novo leito vai atingir o vértice do delta e, continua sua trajetória até se entregar num grande abraço às águas salgadas do mar. O encontro do rio Parnaíba com o Oceano Atlântico, como já dissemos é uma das surpreendentes paisagens do conjunto. O delta do Parnaíba é mesmo um paraíso colossal entre o Piauí e o Maranhão. É o final feliz da trajetória das águas parnaibanas.

As Impressões da Jornada nos/dos Caminhos D’Água

51Em todo o seu percurso o rio Parnaíba é um espelho d’água que banha o Piauí e o Maranhão. Ele tem águas claras ao nascer, águas sanguíneas/vermelhas no curso alto, águas barrentas nas cheias. É rio de confluência de gentes. É utilitário. É estrada líquida fluída. Possui um traço final realmente repousado e errante, sem nunca, formar os meandros de outro curso d’água chega ao mar. O rio São Francisco, de uma forma ou de outra imperava. Das secas castigantes às enchentes e vazantes que determinava a fertilidade e para além da sua piscosidade era/é via de comunicação garantindo as idas e vindas das gentes com suas embarcações de maior ou menor porte fazendo a função social e econômica de uma estrada líquida proeminente.

52Comparando os dois rios resulta uma série de semelhanças no tocante à vegetação e ao clima como nos traços principais do relevo e da hidrografia. Sendo estes os traços essenciais da paisagem do ponto de vista físico que influem em ambos os rios na caracterização das regiões e sub-regiões em que subdividem a bacia. Para Burke (2002, p.40) “é apenas graças a comparação que conseguimos ver o que não está lá, em outras palavras, entender a importância de uma ausência específica”.

  • 22 Ressalto que ao tratar das distâncias ao longo do rio São Francisco seguirei as computações de Half (...)
  • 23 Vale ressaltar que encontramos em várias fontes oficiais, relatórios, estudo extensões diferentes q (...)

Logo que se pensa em compará-los se destaca imediatamente a diferença da extensão dos cursos22 sendo que o rio São Francisco de sua nascente até a foz tem 3.161 quilômetros segundo Donald Pierson (1972).23. Eis que de todos os sistemas fluviais do Brasil o rio São Francisco é o terceiro em extensão depois do Amazonas e do Paraná. Já entre o Amazonas, ao norte e o Prata ao sul é o maior que se lança ao Atlântico O rio Parnaíba, por sua vez é o quarto em extensão seguindo a direção geral Sul-Norte ,com todas as curvas, conta com 1485 km aproximadamente.

O rio São Francisco foi definido como o maior dos rios genuinamente brasileiros, denominado rio da Unidade Nacional por servir, desde os tempos coloniais como elemento de ligação entre o Sul e o Nordeste do País. Foi Euclides da Cunha quem o chamou de “rio da unidade nacional” profetizando seu destino. Ele foi/é considerado um rio “genuinamente de integração nacional”. O rio Parnaíba foi/é considerado um rio “genuinamente nordestino” e denominado “rio de integração comercial com vocação internacional” por Gandara (2010, p.115). Renato Castelo Branco (1970) lhe dá o significado de unidade quando fala dele como “um traço de união entre o Nordeste e o Norte”. Diz que ele marca, há um tempo, “o encontro de duas naturezas e duas civilizações”. E explica:

De um lado, as florestas opulentas da Amazônia, de que o Maranhão é um apêndice geográfico; do outro o deserto estiolado do Nordeste. Assim a seca extrema e a exuberância extrema aí fazem fronteiras. Onde termina a seca começa a Amazônia. [...] O Parnaíba desempenha, assim, em face dessas naturezas e civilizações dispares, o mesmo papel unificador que coube ao São Francisco, na ligação do grande todo do Norte ao grande todo do Sul. (BRANCO: 1970, p.19-20). Grifos nossos

53A atribuição de “rio genuinamente nordestino” é dada tanto por órgãos oficiais como por políticos e estudiosos. Entre eles: Elias Sales/ Lílian dos Anjos/ Sileli Rocha no artigo intitulado « Velho monge » pede socorro! (O maior rio genuinamente nordestino morrerá em alguns anos, se nada for feito) em que dizem, “O rio Parnaíba é o maior rio genuinamente nordestino...”. Também por Biágio de Oliveira Mendes Júnior e Arlan Mendes Mesquita, no Relatório, “Perfil Econômico do Piauí”, Banco do Nordeste/ Fortaleza (2002) em que enfatizam, “o Rio Parnaíba, maior rio genuinamente nordestino...”.24 Também por Murilo Ferreira de Rezende no artigo intituladoTransportes Agora: O rio Parnaíba e o Ministério dos Transportes”. “Nascendo na chapada das Mangabeiras, na divisa do Piauí com Tocantins, o rio Parnaíba é genuinamente nordestino...”.25

54Em linhas gerais as duas bacias apresentam certos caracteres comuns. Uma das características essenciais é o fato de serem ambos os rios de planalto com boa parte do seu curso em terras elevadas. Ambos têm um regime fluvial marcado de características tropicais nítidas. Nascem em regiões de clima quente com águas cristalinas. Ambos são rios confinantes, rios fronteiros com a função natural de demarcação. Nos mapas, plantas e cartas confeccionados a pedido dos governos ambos os rios estiveram e continuam sendo representados como limite, como separação, enfim, como divisor de espaço e povos. O São Francisco faz a divisa natural dos estados de Sergipe e Alagoas, e o Parnaíba em todo seu curso faz a divisa dos estados Piauí e Maranhão. Avé-Lallemant ao viajar pelas províncias cortadas pelo rio São Francisco o via unindo e dividindo.

O rio São Francisco, desde o ponto onde, naquela sua queda, sai das províncias da Bahia e Pernambuco, até desaguar no mar, corre por entre terras de duas pequenas províncias, que por muito pequenas que pareçam no mapa do imenso Império, têm, contudo, grande importância agrícola e comercial, e nas quais todos os viajantes tocam com prazer. São as províncias de Alagoas e Sergipe. O São Francisco é navegável entre elas duas...” (AVÉ-LALLEMANT: 1980, p. 304)

55Nos relatos de viagens, feita pelo Brasil nos anos de 1817 a 1820, Spix e Martius enfatiza “... o Rio Parnaíba, o mais importante curso de água entre o Rio São Francisco e o Tocantins, e que, no seu extenso percurso, forma a fronteira entre as províncias do Piauí e Maranhão...”. (SPIX E MARTIUS: 1976, p.229). Já o geógrafo francês Elisée Réclus dá-lhe o sentido de divisor e afirma, “o rio Parnahyba que separa os dois estados, Maranhão e Piauhy...”. (RÉCLUS: 1900, p.168). De fato estes rios que dividem em regiões, unem gentes e comércio, criam-se cantos comuns, forma-se todo um viver às suas beiras.

  • 26 Nos cursos médios destes rios é que surgiram/ressurgiram as cidades objetos de nossas pesquisas e a (...)

56No alto curso ambos os rios são encachoeirados. Os rápidos e as cachoeiras significa um nível de base que comanda a erosão de toda a bacia superior destes rios. Vencidos os obstáculos do alto curso, ambos os rios atravessam um primeiro trecho em que seu curso é ladeado por barrancas elevadas, mas, depois se espraiam em vasta planície formada pelos sedimentos argilosos por eles depositados. São planícies de fraco relevo, com elevações isoladas, imediatas às margens na parte superior. Eles percorrem na parte inferior do seu curso médio uma zona árida que no caso do São Francisco se acentua. Os dois rios tem a maior parte de seu curso em terras alta sendo sua maior extensão navegável na parte média das bacias, caracterizada em ambos os casos, por sua topografia suave e pela presença de aluviões. Nesses trechos de seus cursos tem a presença de corredeiras e rápidos mais frequentes. O leito do rio é desde então mais definido, estreitando-se ou alargando-se, antes ou depois de cada estrangulamento. Os rios nesses trechos têm um curso muito regular e um declive suave. No vale do Médio se diferem, pois o rio São Francisco penetra em uma região cuja aridez se vai acentuando. Ocorrem secas periódicas. Gradativamente, mudando então de direção o São Francisco volta a penetrar em zona de chuvas abundantes. Mas ainda no médio as características principais apresentam traços distintos. A aridez aumenta para jusante e a vegetação progressivamente se modifica no rio São Francisco para Caatinga enquanto no Parnaíba há uma densa vegetação. Ambos possuem florestas de palmeirais. Nas regiões dos percursos Médios26 de ambos os rios como bem disse Victor Leonardi (1996, p.50) “morte e crescimento econômico, muitas vezes efêmero, foram irmãos siameses desde o inicio da nossa história. Povoamento e despovoamento também”.

57No baixo as diferenças se acentuam. No baixo curso o São Francisco atravessa uma zona de cerrados e agrestes enquanto o rio Parnaíba no seu baixo curso penetra numa floresta equatorial superúmida e densa. As precipitações nesse trecho são mais abundantes que a montante, contudo ainda não são suficientes para fazer viver uma floresta exuberante. Possuem aí, ambos os rios um vale seco refletindo aridez aparecendo nas margens sedimentos arenosos e dunas. Ambos os rios são navegáveis até o Oceano. Eles possuem diferenças importantes em relação as suas embocaduras. A do São Francisco é mais simples do que a do Parnaíba. Nele há apenas um canal secundário separando do continente a ilha do Arambipe constituída pelas aluviões trazidas pelo rio. Já o Parnaíba na sua embocadura apresenta um delta típico de cinco bocas. Eis então uma diferença importante entre o rio São Francisco e o Parnaíba em seu baixo curso, ou seja, os tipos de embocadura.

58As riquezas ambientais de ambos os vales e rios são muitas. Possuíam ambos os vales, dentro do recorte da nossa pesquisa (1850-1950), uma população pouco numerosa, rarefeita em amplas áreas, com adensamentos incipientes em alguns pontos. Em numerosos pontos de ambos os rios os planos de desenvolvimento regional são semelhantes. Era necessário atingir a bacia com meios modernos de transporte. Introduzir técnicas de exploração da terra e de organização social. Em ambas as bacias os problemas fundamentais eram de ocupação territorial em bases de civilização moderna. No fundo das suas calhas hidrográficas se tornariam condensadores de gentes e “avenidas” interiores de povoamento. Caminhos líquidos!

59A paisagem das margens do rio São Francisco e do rio Parnaíba foi/são descritas por mim a partir do contraste do rio, sua vida em movimento, sua riqueza insondável, a caatinga e os núcleos de povoação em formação. Estas paisagens foram muito representadas por relatos de viajantes, a exemplo de Gardner, Halfeld, Spix e Martius dentre outros e quase não destoa entre eles. As narrativas dos viajantes e os relatos dos técnicos estão repletos de anotações sobre a rica diversidade da fauna e da flora, sobre a exuberância da paisagem e sobre a generosidade do ambiente nestas paragens. Naquele tempo dos técnicos e engenheiros a natureza, o meio e o ambiente foram aliados do desenvolvimento econômico, que se pretendia à época, a exemplo dos melhoramentos dos rios para navegação a vapor. Hoje a paisagem e o cenário são outros. Quem nos descreveu/descreve estes percursos e as paisagens são as imagens e os sons das histórias lidas e contadas noutro contexto. Por exemplo, a existência do trecho Médio São Francisco submerso no Lago de Sobradinho repousa na estável corrente de palavras, imagens e escritos que o encerra, os quais fluíram no tempo que encerramos à sua leitura. Com o tempo poderei sondar mais fundo e descobrir mais detalhes, associar e combinar imagens emprestando-lhes palavras para contar o que vi, mas enfatizo, em si mesmo, os rios São Francisco e Parnaíba existem no espaço que ocupam independente dos olhos que os contemplem.

Haut de page

Bibliographie

ABREU, Capistrano de Abreu. Capítulos da História Colonial (1500-1800) São Paulo: Pubfolha, 2000.

AVÉ-LALLEMANT, Robert Christian Bertold. Viagens pelas províncias da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe – 1859, Belo Horizonte, Ed. Itatiaia, 1980.

BAPTISTA, João Gabriel. Geografia Física do Piauí. As Águas (Rio Parnaíba) 2ª. ed.Teresina: COMEPI, 1981.

BASTOS, Cláudio de Albuquerque. Dicionário Histórico e Geográfico do Piauí. Terezina: Fundação Monsenhor Chaves, 1994.

BASTOS, Humberto. ABC dos Transportes. Coleção Mauá. Ministério da Viação e Obras Públicas, Serviço de Documentação, 1955.

BLOCH, Marc, « Comparaison ». Bulletin du centre internacional de synthèse, n.9, jun. Paris.

BRAJNIKOV, Boris. “Alguns aspectos geológicos e geográficos do rio São Francisco”, Anuário Fluiviométrico no 6 Divisão de Águas – Rio de Janeiro, 1945

BRANCO, Edson Gayoso Castelo. O Parnaíba: contribuição a história de sua navegação. Recife: UFP, 1978

BRASIL, Assis. Beira Rio, Beira Vida. In Tetralogia Piauiense. Rio de Janeiro: Nórdica; Brasília: INL, 1979.

BRASIL, Vanessa M. MARGENS e Veredas do São Francisco: as vozes do rio. Rio de janeiro/UFRJ: 1999.

BRAUDEL, Fernand. O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico no Época de Filipe II. Vol. I e II. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

BURKE, Peter. História e teoria social. São Paulo: Unesp, 2002.

BURTON, Richard. Viagem de canoa de Sabará ao Oceano Atlântico, Belo Horizonte, Ed. Itatiaia, 1977

CARDOSO, Ciro Flamarion e BRIGNOLI, Héctor Pérez. “A História Social”. In Os Métodos da História. Trad. João Maia. Rio de Janeiro; Graal, 1979.

CASTELO BRANCO, Renato. O Piauí: a terra, o homem, o meio. São Paulo: Quatro Artes, 1970

CASTELO BRANCO, Renato. O Rio Mágico. São Paulo: EDICON, 1987.

CHAGAS, Ivo. Eu sou o Rio São Francisco. Montes Claros: Unimontes, 2014.

DERBY, Orville. Reconhecimento geológico do valle do São Francisco e caracteres geraes da bacia do São Francisco, 1876.

DETIENNE, Marcel. Comparer l’incomparable. FRANCE: SEUIL, 2000.

DODT, Gustavo Luiz Guilherme. - Acerca da Exploração do Rio Parnaíba por Ordem da Província do Piauhy pelo Engenheiro em comissão do ministério da agricultura, commercio e obras publicas . Relatório e 22.04.1871

DOMINGUES, Heloisa M. Bertol. “Viagens científicas: descobrimento e colonização no Brasil no século XIX”. In: Ciência, civilização e império nos trópicos. Rio de Janeiro: Access, 2001. p. 55-75.

FEBVRE, Lucien. O Reno: história, mitos e realidades. Trad. Eliana Aguiar . Rio de Janeiro: Civ. Brasileira, 2000.

FRANCO, José Patrício. O Município no Piauí. 1761-1961. Teresina: Fundação de Teresina, 1968.

FREYRE, Antonio. Limites entre os Estados do Piauhy e do Maranhão. Teresina: Typografia da “Pátria”, 1907.

FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura, 1959..

GALVÃO, Marilia Velloso. “Regiões bioclimáticas do Brasi”l. R. Brás. De Geogr. Rio de Janeiro, 29(1): 3-36, jan./mar, 1967.

GANDARA, Gercinair Silvério, Rio Parnaíba.. Cidades Beira. (1850-1950) Teresina,:UFPI,2010

GARDNER, George. Viagem ao interior do Brasil. São Paulo: USP, 1975

GOMES, Josildete. “Povoamento da Chapada Diamantina”. In: Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. 1952. Bahia, vol.77, p. 221-238.

GORENDER, Jacob. O Escravismo Colonial. São Paulo: Ática, 1978.

GUIMARÃES, Humberto. Nas Pegadas do Rio. 2ª ed. Teresina: Academia Piauiense de Letras, 2001

HALFELD, H.G. Explorando o rio de São Francisco, 1854.

HALFELD, Henrique Guilherme Fernando. Atlas e Relatório do Rio São Francisco. Rio de Janeiro. Lithographia Imperial Eduardo Bensburg, 1860.

HILAIRE, Saint. Viagem às nascentes do rio São Francisco e pela Província de Goyaz. Tomo I. São Paulo: Ed. Nacional, 1937

LEONARDI, Victor Paes de Barros. Entre Árvores e Esquecimentos: História social nos sertões do Brasil. Brasília: Paralelo 15 Editores, 1996.

LINS, Rachel Caldas. Bacia do Parnaíba: aspectos fisiográficos. (Série Estudos e Pesquisas). Recife: UNPS , 1978.

LINS, Rachel Caldas. Rios e Trópico. Recife: Seminário de Tropicologia da UFPE, 1973.

LINS, Wilson de Albuquerque. O médio São Francisco. Uma sociedade de pastores guerreiros. 3ª ed., São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1983. (Coleção Brasiliana). 1 ed. Bahia: edições Oxumaré, 1952

LINS, Wilson. Remanso da Valentia. São Paulo: Martins, 1967.

LOPES, Accioly. Remeiros e Romeiros do São Francisco. Rio de Janeiro: Ed. Cátedra, 1978

LOPES, Lucas. Plano de obras de Recuperação Econômica do São Francisco. Análise cultural e técnica de suas diretrizes. O Vale do São Francisco. Secretaria de Viação e Obras Públicas. Serviço de Documentação. Coleção Mauá. Ministério 1955

MACEDO, José Norberto. Fazendas de Gado no Vale do São Francisco. Documentário da Vida Rural no 3 Brasil, Ministério da Agricultura Serviço de Informação Agrícola, 1952

MACHADO, Fernando da Matta Navegação do rio São Francisco, Rio de Janeiro: Toopbooks, 2002.

MAGRIS, Claudio. Danúbio. Trad. Elena GreGrechi e Jussara de F. M. Ribeiro. Rio de janeiro: Rocco, 1992.

MARTINS, Marcos Lobato. História e Meio Ambiente. São Paulo: Annablume; Fac. Pedro Leopoldo, 2007.

MENDES, Felipe. “Formação Econômica”. In PIAUÍ: Formação. Desenvolvimento. Perspectivas. R. N. Monteiro de Santana. (Org). Teresina: Halley, 1995.

MILNOR, Roberts. Exame sobre o rio São Francisco, desde o mar até cachoeira de Pirapora, Rio de Janeiro, Typographia nacional, 1880.

MIRANDA, Agenor Augusto de. Estudos Piauienses. São Paulo: Cia Ed. Nacional, 1938

MORAES, Adolfo Martins de. Rio Parnaíba, um rio em busca de norte. Carta CEPRO. Teresina v. 18, n. 11 nov. 1974, p.07-35.

NUNES, Odilon. Devassamento e Conquista do Piauí. Teresina: Comepi, 1972

NUNES, Odilon. Pesquisas para a História do Piauí. Vol. IV Vol 4 Gov. Estado do Piauí. Dec. nº 1416, 1974.

PARDAL, Paulo. Carrancas do são Francisco. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação Geral da Marinha, 1981

PIERSON, Donald. O homem no vale do São Francisco. Rio de Janeiro: Ministério do Interior/Superintendência do Vale do São Francisco Tomos I, II e III, 1972.

RECLUS, Elisée. Estados Unidos do Brasil, Geographia, Ethnographia, Estatistica. Rio de Janeiro: H Garnier, 1900 (ed. Francesa, 1983).

RÊGO, Luiz Flores de Moraes. O Vale do São Francisco. São Paulo: Editora Renascença, 1945

RIBEIRO, Manoel do Bonfim Dias. Semiárido – Potencialidade: Rio São Francisco – transposição, revitalização. Brasilia: Ed Qualidade, 2007

ROBERTS, W. Milnor. Relatório da Comissão Hidráulica sobre o exame do Rio S. Francisco desde o mar até a cachoeira de Pirapora. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1880.

SAINT-HILAIRE, Augusto de. Viagem às nascentes do rio São Francisco, Belo Horizonte, Ed. Itatiaia, São Paulo, Edusp, 1975

SAMPAIO, Teodoro. O rio São Francisco e a Chapada Diamantina. Organização José Carlos Barreto de Santana,São Paulo: Companhia das Letras, 2002

SOUZA, Bandeira. O rio de São Francisco, Rio de Janeiro, Typographia Alba, 1925.

SOUZA, Fernando Teixeira Reis de. A navegação do rio Parnaíba, /s.1/, SUNAMAN, 1971.

SPIX, Von & MARTIUS, Von. Viagem pelo Brasil, 1817-1820. Vol. II. São Paulo: Imprensa. Nacional. 1976

ZABUR, Jorge. A bacia do médio São Francisco (uma análise regional). Rio de Janeiro: IBGE, 1947

ZAVALA, Silvio. Teoria de la historia. 2ª ed.Madrid: Ed. Tecnos, 1968.

Haut de page

Notes

1 Os resultados aqui apresentados são frutos dos trabalhos de pesquisa e estudos no Pós-doutoramento no Programa Nacional de Pós-Doutorado-CAPES pela Universidade Federal de Goiás 2009-2014. Coordenado pelo prof. Dr. Eugênio Rezende de Carvalho. Com apoio CAPES.

2 Sobre a toponímica do rio São Francisco ver BRASIL, Vanessa M. “MARGENS e Veredas do São Francisco: as vozes do rio. Rio de janeiro/UFRJ: 1999, p.19. Tese de Doutorado e sobre a toponímica do rio Parnaíba ver Gandara, Gercinair S.. Rio Parnaíba, Cidades-Beira (1850-1950) Teresina, UFPI, 2010.

3 Para compreensão do clima, vegetação, relevo e hidrografia do rio São Francisco seguirei as computações de Lucas Lopes. Ele bem apresentou em seu Plano das Obras de Recuperação Econômica do São Francisco para o Ministério de Viação e Obras Públicas um estudo especial de geografia comparada realizado por Lysia Maria Cavalcante Bernardes assistente do Conselho Nacional de Geografia

4 Segundo Zarur (1946, p.1) “as cabeceiras do rio São Francisco drenam aproximadamente 41% de Minas Gerais [...] mais ou menos a metade (50,2 por cento) do estado da Bahia, aproximadamente três quartos (70,7 por cento) do Estado de Pernambuco a metade (50,2) de Alagoas e mais de um quarto (29,6 por cento) de Sergipe”.

5 Conforme Rachel Caldas Lins (1978, p.13), a Bacia hidrográfica do Parnaíba tem cerca de 342.988 km², dos quais 249.374 km² são piauienses, 70.000km² são maranhense, 21.000km² são cearense e 2.614km² é da área “litigiosa” entre Piauí e Ceará. O território do Estado do Piauí está quase inteiramente dentro da bacia (99,28%), da qual representam 77,87%”.

6 hoje encontra-se o complexo hidrelétrico de Paulo Afonso (BA).

7 Ver GANDARA, Gercinair Silvério. Rio Paranaíba... Cidades-Beira. Teresina: UFPI, 2010.

8 Esta denominação “marinheiros d’água doce” foi dada por Assis Brasil em “Beira Rio, beira vida” (1979, p.22 e 117), mas não faz referência ao espaço do rio ou aos calados das embarcações e, sim aos embarcadiços.

9 Sobre a importância destes valores ver GALVÃO, Marilia Velloso. Regiões bioclimáticas do Brasil. R. Brás. De Geogr. Rio de Janeiro, 29(1): 3-36, jan./mar, 1967.

10 Sobre os grupos indígenas no Vale do São Francisco ver PIERSON, Donald (Tomo I 1972, p.223-234)

11 Ver GORENDER, Jacob. O Escravismo Colonial. São Paulo: Ática, 1978.

12 Ver GANDARA, Gercinair Silvério. Rio Parnaíba... Cidades-Beira (1850-1950). Teresina, UFPI, 2010.

13 Para se conhecer sucintamente a paisagem física e humana do grande vale e a história deste rio tendo como guia o sentimento mais profundo de quem dele foi barqueiro, canoeiro, pescador, vapozeiro dentre outras atividades dando lhe voz recomenda-se a leitura de CHAGAS, Ivo. Eu sou o Rio São Francisco. Montes Claros: Unimontes, 2014.

14 Abriga hoje pelo menos cinco hidrelétricas no seu curso.

15 Seus afluentes da margem direita são Pará, Paraopeba, das Velhas, Jequitaí, Verde grande, Rãs, Paramirim, Santo Onofre, Verde Pequeno, Jacará, Salitre. Da margem esquerda, Indaiá, Borrachudos, Abaeté, Paracatu, Urucuia, Carinhanha, Corrente, Grande e Preto.

16 E explica: “trata-se de uma escarpa da encosta boreal dessa chapada a 709 metros de altitude. Suas cabeceiras se acham a 10º 15’ 09” de latitude e 45º 56’ 54”de longitude.

17 Baseando nos traçados do Mapa do Cel. Renato Pereira (1920), nos estudos de Dodt (1871) e de João Gabriel Baptista (2000) apontaremos as cachoeiras do alto Parnaíba. São elas, de montante para Juzante: Várzea da Cruz, Taboca, Mundé, Água Boa, Caitetu antes da confluência do Uruçui Vermelho, Vau, Pomba, Panela, Caracol, Quebra Corda, Quebra Canela, Lundi, Tucum, Bezerra, Vaca, Bode e Três Irmãos.

18 Em meus estudos de pós-doutoramento objetivei uma análise comparada entre o médio rio Parnaíba com a cidade e uma pequena lasca do Médio São Francisco junto na região onde estão edificadas as cidades de Pilão Arcado e Remanso neste espaço-rio.

19 Hoje cobertas pelo Lago de Sobradinho formado pela Hidrelétrica.

20 Fernando da Matta Machado em Navegação do rio São Francisco, rio de Janeiro: Toopbooks, 2002 dialoga com diversos relatórios e documentos e nos apresenta o imperativo histórico da navegação do/no rio São Francisco.

21 Esta cachoeira foi coberta pelas águas da hidroelétrica.

22 Ressalto que ao tratar das distâncias ao longo do rio São Francisco seguirei as computações de Halfeld.

23 Vale ressaltar que encontramos em várias fontes oficiais, relatórios, estudo extensões diferentes que variam entre a mais ou menos 2.660 a 3268 km. Optamos em seguir os dados de Donald Pierson. O homem no Vale do São Francisco, Tomo I, p.34.

24 http://www.bancodonordeste.com.br/content/.

25 Ministério dos Transportes. www.transportes.gov.br.

26 Nos cursos médios destes rios é que surgiram/ressurgiram as cidades objetos de nossas pesquisas e análise do pós-doutoramento. São elas Floriano, Pilão Arcado e Remanso.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Gercinair Silvério Gandara, « Rios nossos que estão no sertão! São Francisco e Parnaíba  », Confins [En ligne], 23 | 2015, mis en ligne le 09 mars 2015, consulté le 25 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/10150 ; DOI : 10.4000/confins.10150

Haut de page

Auteur

Gercinair Silvério Gandara

Docente da Universidade Estadual de Goiás gercinair.gandara@ueg.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org