Navigation – Plan du site

Produção de base ecológica : reconexão da produção e consumo no Litoral Norte do Rio Grande do Sul

Production fondée sur l'écologie : reconnexion de la production et de la consommation sur le littoral septentrional du Rio Grande do Sul
Ecologically based production : reconnection of production and consumption in the North Coast of Rio Grande do Sul
Daniela Garcez Wives, João Armando Dessimon Machado, Marlise Amália Reinehr Dal Forno, Luciano Silva Figueiredo et Gabriela Coelho-de-Souza

Résumés

Cet article analyse les relations entre la production et la consommation, à travers l'émergence de réseaux alimentaires alternatifs dans le sud du Brésil, plus spécifiquement dans le littoral septentrional du Rio Grande do Sul. Ceux réseaux sont fondés sur des aliments qui tirent leur valeur de leur origine spatiale. Dans ce contexte, une étude qualitative a été réalisée entre février et août 2007, portant sur un échantillon de 32 répondants. L'analyse effectué a révélé que des aliments alternatifs peuvent exprimer davantage que les aliments biologiques (même ceux qui sont propres, faits à la main), ils ont la capacité d'illustrer une défense de l'autonomie locale et un retour aux principes fondamentaux de la qualité. Cette qualité s'articule autour de valoriser les connaissances locales à travers la production et la consommation. Ainsi, cet article offre des éléments de réflexion pour comprendre comme les acteurs sociaux, les producteurs et les consommateurs sont immergés dans la construction sociale des marchés fondés sur leurs connaissances locales sur la qualité, la proximité et la confiance mutuelle.

Haut de page

Texte intégral

1O sistema de produção de base ecológica no Litoral Norte do Rio Grande do Sul está representado pelo cultivo da banana, o qual se configura como uma das produções de maior expressão comercial dessa região. O cultivo da banana ocupa a porção atlântico sul da Floresta Atlântica, e, nessa região, cerca de 500 agricultores dedicam-se atualmente à produção ecológica de banana usando os sistemas agroflorestais (SAF).

2A bananicultura praticada na Microrregião do Litoral Norte apresenta dois grupos de sistemas de produção e cultivo diferenciados, baseados em perspectivas agrícolas distintas, um utilizando preceitos convencionais e outro de cunho ecológico. O primeiro sistema, de acordo com Vivan (2000), é tecnicamente complexo, e o incremento da produtividade está fortemente ligado à utilização da energia de combustíveis fósseis. Assim, apresenta-se biologicamente homogêneo e, em relação ao seu arranjo, demasiadamente simplificado. Como ele está fundamentado num distanciamento do ecossistema original, o seu equilíbrio depende de um conhecimento complexo e específico, além de insumos externos, forte intervenção e controle humano. Além disso, está necessariamente ligado a mercados convencionais, os quais são geralmente associados a cadeias globais de commodities, dirigidas por empresas transnacionais livres de ligações com as localidades. O segundo sistema é biologicamente diversificado e estruturalmente complexo. Entretanto, é tecnicamente simples e o seu manejo assenta-se muito no saber fazer do agricultores, com baixo índice de externalidades, fundamentado no desenvolvimento livre dos processos funcionais ocorrentes na vegetação natural e na preservação da biodiversidade.

  • 1 Ver Wives (2008).

3A mudança do modelo convencional para sistema ecológico vem alterando a dinâmica dessa região, visto que muitos agricultores não estavam atingindo os elementos mínimos para garantir sua reprodução social e garantir sua permanência na terra1. Tais fragilidades podem ser explicadas por dificuldade de escala, custo de produção, dificuldade de acesso ao crédito, legislação ambiental e dificuldade de comercialização da produção.

4Dessa forma, tal alteração vem proporcionando uma reorganização total do modelo produtivo e de organização social dessas comunidades de pequenos agricultores, com propriedades que em geral têm áreas totais não superiores a dez hectares. Os sistemas de base ecológica representaram uma alteração profunda no sistema social ao qual estavam inseridos, os quais acabaram se organizando e se associando. Através de suas práticas, formas de representações socioambientais, técnicas, exploração dos recursos, organização e gestão dos territórios, estimularam uma nova forma de relação dos agricultores com os recursos naturais e com os mercados.

5Por exemplo, um dos grandes entraves, ou problemas, da produção dessa região estava constituído por meio da relação dos agricultores com os mercados. Posto que esses operavam em cadeias longas, as quais eram estabelecidas por meio de atravessadores. E os atravessadores é que estabeleciam os preços pagos e encaminhavam a produção para grandes centros de distribuição.

6Cabe destacar inicialmente que, mesmo nos mercados convencionais de produtos agrícolas, há um espaço significativo a ser ocupado pela agricultura familiar cujo desempenho, entretanto, vai depender fundamentalmente de sua capacidade de organização local e pressão sobre as instituições públicas e privadas para mudar a matriz de sua inserção social (ABROMOVAY,1998).

7Como argumenta Abromovay (1998), por mais importante que seja a produção a preços baixos de alimentos considerados básicos, torna-se cada vez mais significativa a demanda por gêneros diferenciados, os quais, como salienta Winter (2003b), pode-se chamar de "mercados de qualidade". Os agricultores e suas organizações cada vez mais precisam saber qual é o seu cliente, em que espaço ou nicho de mercado vão inserir seus produtos, e a que demanda da sociedade serão capazes de responder.

8Analisando o debate da nova Geografia Econômica concernente às conexões entre a produção e o consumo a partir dos alimentos naturalmente imersos e sua estreita relação com as redes alimentares alternativas (as quais estão fundadas em alimentos que têm seu valor significado por meio da origem espacial), é pertinente perceber como os atores sociais, tanto produtores quanto consumidores, estão imersos na construção social dos mercados. Assim consistindo esses mercados, reconectados, nos seus conhecimentos “espaciais”, na qualidade, história, proximidade e confiança.

9O consumo, por sua vez, está ligado à importância do espaço e da cultura nos estudos da Geografia Econômica, e, de acordo com Marsden (2003), isso teve algum impacto positivo sobre os estudos do agro-food. As correntes mudanças no mercado de commodities agrícolas abriram espaço para um mercado segmentado, de produtos alternativos. Esses espaços passam pela necessidade de religação, ou novas conexões entre a produção e o consumo.

10A reconexão, entre a produção e o consumo, tem demandado uma considerável atenção, visto as tentativas de agricultores e consumidores em desafiar o global complexo agro-food. E isso tem ocorrido por meio da criação de sistemas alternativos de fornecimento de alimentos.

11Os produtos com a designação do local (embeddeness-imersos) como argumentam Morgan et al. (2006) e Morris e Kirvan (2010), são importantes para a manutenção da estabilidade dos meios de vida de muitos produtores, além de mostrarem-se economicamente competitivos, mas principalmente por tornarem visíveis e estáveis as categorias da “cultura'', o que faz as questões de significado e significação na compra de alimentos tornarem-se importantes. Assim, o alimento resignifica o local, mas também é resignificado por ele.

12Uma função essencial do consumo é a sua capacidade de fazer sentido. Esse "fazer sentido" ocorre nas relações sociais. Assim, a literatura tem concentrado-se no embeddeness (enraizamento) dos componentes sociais da ação econômica. Particularmente, como demonstram Murdoch et al. (2000) e Hinrichs (2000), a inserção em redes como meio de atividade econômica é um passo analítico necessário nos estudos do localismo. Como Murdoch et al. (2000) e Winter (2003b) indicam, a noção de embeddedness tem uma longa linhagem com Granovetter (1985). Esse autor enfatiza a importância do papel das relações sociais na geração da confiança necessária para as transações econômicas ocorrerem: quanto maior a confiança menor os custos de transação.

13Dessa forma, este artigo busca apresentar as implicações da inserção dos agricultores ligados aos sistemas de produção de base ecológica no Litoral Norte do Rio Grande do Sul em mercados de proximidade e principalmente como esse processo implicou em uma reconexão entre produção e consumo.

Métodos Utilizados

14A área delimitada para realizar este estudo, o Litoral Norte do estado do Rio Grande do Sul, localiza-se na Microrregião de Osório. Foram selecionados cinco municípios devido à sua representatividade no cultivo da banana: Torres, Mampituba, Dom Pedro de Alcântara, Morrinhos do Sul e Três Cachoeiras. Também foram entrevistados consumidores em cinco feiras de cunho ecológico nas cidades de Porto Alegre, Capão da Canoa, Torres e Caxias do Sul.

Figura 1 Localização da área de estudo

Figura 1 Localização da área de estudo

15Assim, no decorrer do período de pesquisa de campo, entre os meses de fevereiro até agosto de 2007, em diversas visitas à região e às feiras, foram feitas 32 entrevistas, gerando uma amostra de 17 agricultores e 13 consumidores distribuídos em cinco feiras localizadas: duas na cidade de Porto Alegre, uma em Capão da Canoa, uma em Torres e uma em Caxias do Sul. Além disso, dois consumidores foram entrevistados diretamente nas propriedades de agricultores no momento em visitavam-nas para fazer suas compras semanais.

16Partindo-se de um viés qualitativo, foi elaborado um roteiro de pesquisa e um diário de campo. O roteiro foi organizado a partir de um trabalho de caráter exploratório, que consiste, de acordo com Santos (2000), em um levantamento de características conhecidas, componentes de um fato, fenômeno ou problema. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica na busca de uma melhor compreensão das categorias teóricas propostas: reconexão entre a produção e o consumo e mercados embeddedness (imersos) voltados às redes alimentares alternativas.

Conexão da produção e consumo nas redes alternativas de alimentos

17A conexão da produção e consumo passa, de certa forma, pela afirmação de um sistema alternativo de alimentação (SONNINO e MARSDEN 2006; MURDOCH et al. 2000). Assim, esses autores afirmam que a produção e a comercialização, nesta visão, não se baseiam exclusivamente na relação de mercadorias e maximização do lucro, mas, sobretudo, na incorporação do social, ambiental, equidade e problemas de saúde na produção e consumo de alimentos. Essas proposições, como argumenta Kirwan (2004), por vezes designam ao sistema agro-food um meio de produzir uma mudança no "modo de conectividade", geralmente através de alimentos que passam a reconectar o social, contexto cultural e ambiental de sua produção. A distinção dos produtos locais, neste contexto, pode delinear o que é alternativo e diferenciado, nomeadamente, em relação ao convencional ou mainstream. As noções qualidade são redefinidas, conforme especificidade local; os produtos naturais são percebidos como distintos para designar alimentos que têm qualidade "superior" a dos alimentos ditos homogêneos (BANKS e MARSDEN 2000; MARSDEN, BANKS e BRISTOW, 2000; MURDOCH e MIELE, 1999).

18O estabelecimento de sistemas ditos alternativos de provisão de alimento, que caem fora do modelo convencional de agricultura, estão estabelecidos, como argumentam Sonnino e Marsden (2006), na concepção de um circuito curto de comercialização (face-to-face). As cadeias alternativas estão fundadas no desenvolvimento de novas relações entre os produtores e consumidores. Nesse sentido, uma característica chave das novas redes alimentares é dada pela identificação de origem (local), mas também pelas relações de confiança estabelecidas entre os produtores e consumidores. Essas relações, na maioria das vezes, são definidas pelo sentido de “lugar”, como pertencimento e identidade, assim desenhando uma nova imagem da propriedade ou região, tanto para consumidores como para produtores. Com isso, o local passa a ser uma fonte de qualidade definida pela confiança mútua.

19Com a emergência dessas redes alimentares alternativas, Murdoch e Miele (1999) apontam para o fato de que o setor contemporâneo de alimentos está bifurcando de forma crescente em duas zonas principais de produção: uma padronizada e outra localizada. A padronizada é especializada em processos de produção respondendo a padrões econômicos de eficiência e competitividade. A localizada pode ser considerada especializada e complexa, com processos de produção alternativos visando a qualidade.

20No Mercado de alimentos, de acordo com Murdoch et al. (2000), Marsden e Smith (2005), a "conversão para a qualidade” tem sido construída em torno de preocupações dos consumidores sobre a saúde, a segurança alimentar, consequências ambientais da agricultura industrializada e globalizada. Tais preocupações são vistas como os principais fatores de motivação em um movimento que visa o consumo longe dos produtos homogeneizados da indústria agro-food global, tendo a qualidade como emergindo do “local” e do “natural” (MURDOCH et al., 2000). Dessa maneira, a comercialização se estabelece a partir das qualidades ambientais, nutricionais ou de saúde e também pela distinção de sua origem (local).

21Como argumentam Murdoch e Miele (1999), os alimentos que carregam traços claros de clean e green do ambiente no qual são produzidos tornam-se objetos de consumo cobiçados para seus adeptos, tanto por serem produtos diferenciados quanto pela proximidade com a natureza, estando assoados aos saberes e aos costumes imersos do local.

22Nesse sentido, Morris e Kirvan (2010) debatem como os sentidos dados às imagens espaciais dão significado ao consumo e podem ser explorados pelos produtores como estratégias que geram diferenciados tipos de valor. Por exemplo, indicativos de “vastas imagens geográficas” que procuram conjeturar uma imagem na cabeça das pessoas do tipo de ambiente no qual o alimento foi produzido são muitas vezes referências fundamentais. Similarmente, Morris e Kirvan (2010) apontam para o cenário escocês “fantástico”, um ambiente no qual “o cara preta escocês”, um dos mais antigos tipos de ovelhas escocesas, leva uma vida natural e saudável, pois essa é uma importante estratégia dos produtores desse local. Assim sendo, tais imagens geográficas podem fazer parte de um elemento das estratégias promocionais dos produtores, pois elas estão diretamente relacionadas às formas de conhecimento geográfico que são espacialmente e temporariamente especificadas na produção e pelos consumidores. Dessa forma, Murdoch e Miele (1999) explicam que a emergência de redes alimentares alternativas passa pela natureza variada dos critérios de qualidade, do local e de conhecimentos que surgem nesse processo.

23Entretanto, é importante destacar que alguns autores como Harvey (1996) chamam a atenção para os perigos da defesa do localismo no contexto do debate do agro-food, apontando que o conhecimento do artesanal, em muitos casos, é insuficiente para compreender, de forma mais ampla, os processos sócio-ecológicos que ocorrem em diferentes escalas e que não podem ser diretamente experimentados somente com ênfase no local. Para Harvey (1996), “essa ênfase contemporânea no local, ao mesmo tempo em que reforça a certos tipos de sensibilidades, apaga totalmente os outros”. Apontando outra fragilidade do localismo, Murdoch et al. (2000) salientam que a inserção do local pode servir para ampliar o potencial da apropriação dos benefícios econômicos associados com a inserção da produção e práticas de consumo por atores dominantes nas redes "convencionais" do agro-food, como grandes corporações.

24O conceito de embeddedness ganha elementos espaciais, com estudos realizados pela Geografia Econômica na medida em que muitos autores buscam entender como as relações sociais de consumo e produção são baseadas em relações de confiança entre produtores e consumidores, fato que estaria emergindo do local.

25O conceito de embeddedness, como entendem Sonnino e Marsden (2006), Murdoch, Banks e Kirwan (2000), parte da corrente da local-food. Assim, esses autores argumentam que tal conceito pode ser uma importante forma de aprofundar as investigações das relações entre local e alimento, salientando que essa noção é amplamente usada para enfatizar o componente social da ação econômica. Nos estudos de local-food, embeddedness tem demonstrado ser um conceito eficaz para enfatizar a maior defesa do caráter social das redes alimentares alternativas, pois, como afirma Polanyi (1980), os mercados são socialmente construídos. Tal conceito é, então, importante para explicar como se dá a relação entre o local e o alimento e como isso pode estar implicado na dinâmica de um determinado espaço.

26De acordo com Penker (2006) e Sonnino e Marsden (2006), o conceito de embeddedness pode se tornar um conceito explanatório útil, como reforça Winter (2003a: 25), “Mas, em verdade, todas as relações de mercado são socialmente imersas em uma variedade de maneiras contrastantes (...)”, assim argumentando que, nos estudos de agro-food, também se faz necessário avaliar suas implicações fora do domínio social. Portanto, o conceito de embeddedness passa a assumir um significado mais amplo no contexto da produção de alimentos, pois inclui também as dimensões econômicas, ambientais, culturais e políticas no que diz respeito aos sistemas de produção de alimentos.

27Nos estudos realizados por Murdoch et al. (2000), a noção de embeddedness foi utilizada para descrever o inter-relacionamento entre natureza, proveniência e qualidade que diferencia produtos locais de alimentos e commodities globalizados. Mais recentemente, Kirwan (2004, p. 397) afirma que “(…) a utilização das noções de embeddedness tem tido uma crescente e pertinente utilização (…)”. Hinrichs (2003) enfatiza que o conceito tem engendrado uma forte e consistente noção de trabalho, evidenciando as tentativas para se esclarecer os atributos da utilização de embeddedness como referência para promover alteração; valorização potencialidades do “local”, “localidade”; e bem como sua apropriação comercial. Assim conduzindo a uma reconexão entre a produção e o consumo, pois, por meio da ressignificação “local”, pode-se perceber uma articulação antagônica e eficaz contra as forças da concorrência global. Além disso, muitas vezes evidencia-se essas regiões, que tradicionalmente têm sido consideradas como marginais e que nunca foram totalmente modernizadas, como sendo as regiões que começam a mostrar as condições mais propícias para o desenvolvimento de redes alternativas alimentares e novas formas de captação de valor. Isso em muito se dá por novas formas de articulação e reconexão da produção com o consumo, seja por meio de feiras livres e ou venda direta na propriedade.

Litoral Norte: construção de mercados baseados nos valores do local

28Como afirmam Sonnino e Marsden (2006), a abordagem do localismo apresenta uma relação espacial que está atrelada à perspectiva alternativa de produção de alimentos. Quanto às relações de produção, enfatiza a qualidade e estratégias para agregar valor à produção. Em relação à comercialização, pauta-se na importância do conhecimento do lugar ou da origem dos produtos, opera comercializando “face-to-face” baseando-se em relações de confiança e eminentemente em cadeias curtas.

29Nesta abordagem do localismo, os mercados estão baseados em especificidades e nos valores que advém do local. De tal modo passam a ser percebidos como construções imersas (embeddedness) em relações socioculturais particulares e que fazem da ligação com a localidade, a tradição, a história, a paisagem e sistemas de produção os seus maiores ganhos nas relações de troca. Assim, pode-se dizer que, nesta abordagem, mercados imersos são aqueles em que as relações de troca estão, de certo modo, instituídas por relações sociais construídas pelas interações que ocorrem no espaço social local, ou seja, emergem da concepção do lugar. De tal modo que em tais redes sociais que se estabelecem na localidade, na região se constituem os mercados imersos na significação do lugar pelos agricultores e pelos consumidores.

30A reconexão conceitual da produção e comercialização, no caso do Litoral Norte do RS, deve-se muito à realidade empírica e, em particular, às circunstâncias duras de mercado ao qual se confrontaram os agricultores nos últimos anos.

31As relações de mercado estabelecidas em cadeias longas da comercialização da banana no Litoral Norte, nas quais há a presença do atravessador que depois vende para grandes centros de distribuição, torna-se chave pelo fato desse atravessador ser o responsável por determinar a classificação da qualidade do produto adquirido (banana) e consequentemente o seu preço. Para tentar atender as exigências desse modo de comercialização convencional, pautados nessas cadeias longas, a produção deve estar fundamentada, preferencialmente e em grande medida, em uma produção que busca escala e que deveria ser altamente modernizada. Porém, o que se evidencia são produtores que deixam de produzir para o autoconsumo e concentram toda a sua força produtiva na monocultura, a qual está totalmente depende de insumos externos, ou seja, essencialmente vinculada a modelos estruturais de produção tradicionais. No entanto, em muitos casos, potencializa ainda mais a dificuldade que os agricultores têm de operar nesse sistema convencional, visto que não atingem as articulações essenciais para atuar nesse modelo produtivo de escala no que diz respeito a quantidade de área, financiamentos, acesso a mercados, infraestrutura etc. Produzem poucas quantidades e muitas vezes fora do “padrão exigido”, ficando assim dependentes dos atravessadores, os quais, em alguns casos, demoram até noventa dias para efetuar os pagamentos.

32No entanto, na Microrregião do Litoral Norte, a singularidade da agricultura ecológica vem se configurando na resposta de agricultores ao modelo convencional de produção e às cadeias longas de comercialização. Destacam-se como pioneiros os agricultores vinculados à cultura da banana, em grande parte ligados ao Centro Ecológico Ipê-Serra – Litoral Norte – Assessoria e Formação em Agricultura Ecológica (CE), localizado, desde 1991, no município de Dom Pedro de Alcântara. Em média, essas famílias estão na região mais de 80 anos em propriedades que passaram de seus avós.

Figura 3 Produção de bananas no Rio Grande do Sul

Figura 3 Produção de bananas no Rio Grande do Sul

33O que se observou foi uma alteração da produção, proporcionando uma reorganização do modelo convencional para um modelo pautado em conhecimentos locais e na comercialização direta em feiras locais e regionais. Tal alteração se deu através de em consorcio com a banana, produtos tradicionais do consumo diário local de forma natural sem o uso de insumos químicos. Os quais eram inicialmente voltados para o consumo de suas próprias famílias, mas, depois, passaram a ser amplamente incorporados às feiras, em grande parte pela demanda dos consumidores. Esses produtos são variados, podendo-se destacar olerícolas e algumas frutas como, por exemplo, laranja, limão, goiaba, e até pães, cucas, doces, e ovos. Sendo este último um caso emblemático, como demonstra a narrativa do Sr. Valdemir Silva (2007): “quando chego na banca da dona Ângela me lembro, na hora, de banana com gosto de banana e do ovo da colônia, do bolo amarelinho da minha vó. Ai que saudade, aquilo que era ovo. Sei que não tô comendo ovo criado a antibióticos” (informação verbal).

34Chama-se a atenção para a importância de considerar, no contexto da narrativa acima, a palavra “colônia” que deixa transparecer a forma do espaço do local, constituindo-se em uma nova e distinta categoria de conhecimentos geo-históricos, que incorpora estórias sobre lugares específicos, pessoas, cultivos, animais e natureza. Bem como uma forma de contingência local e social, como um espaço para reorganizar as possibilidades, como meios de tentativas de combater as forças vigentes no mercado convencional. O local torna-se potencialmente um espaço social, um lugar para compartilhar alguma forma de desconexão, para a montagem de recursos, como o conhecimento, a natureza, a confiança e o valor imerso naturalmente nessas relações de troca.

35Percebeu-se uma forte tendência desses produtores em operar com cadeias diretas de abastecimento, o que se pode definir ou nomear de cadeias curtas locais, esquemas onde o produto não tem atravessadores, mas o alimento vai direto da produção para o consumo. Para esses agricultores que operam vinculados a uma base ecológica de produção, cabe argumentar que não somente os próprios alimentos representaram diferentes convenções de qualidade, mas também o modo da organização social das cadeias de abastecimento é totalmente reorganizado.

  • 2 A OPAC Litoral Norte atualmente já está constituída e certificou mais de 11 agricultores. OPAC, OPA (...)

36Sendo assim, Marsden (2003) ressalta que a produção e as cadeias de abastecimento são mais variáveis e dependentes do contexto onde o valor é aprendido. Uma produção focando alimentos alternativos, ou seja, a produção com um resgate do conhecimento local se apresenta como reversão do processo dos últimos anos de intensificação e especialização, e externalização do sistema de produção. Ela acaba criando novos mercados e com novos preços, não apenas para a banana, produto mais tradicional desse espaço, mas para o local em si. Toda a sua produção naturalmente imersa engendra traços dos conhecimentos dos produtores e consumidores do que é “artesanal e limpo”. Ela também acaba criando espaços de interação de troca de saberes tanto ligados a produção como de qualidade dos produtos e de seu significado para os consumidores. Os agricultores se articularam em associações, em cooperativas tanto de comercialização como de beneficamente e criaram e se integraram em espaços como, por exemplo, a Rede Ecovida. E estão criando um organismo participativo de avalição da conformidade OPAC Litoral Norte2. Na Rede Ecovida os agricultores estão ligados a um núcleo denominado de litoral solidário, que integra mais de 300 famílias associadas.

37Ambas, OPAC Litoral Norte e Rede Ecovida, são instrumentos de certificação participativa. Tal processo de certificação é composto por agricultores familiares, técnicos, consumidores, associações, cooperativas de produção e comercialização, grupos informais de consumidores e produtores, pequenas agroindústrias e atestam os valores tanto de qualidade, como do conhecimento local imerso naturalmente nesses alimentos.

Figura 3. Imagens da construção social dos mercados

Figura 3. Imagens da construção social dos mercados

Fonte: Elaborado pela autora com base em pesquisa de campo.

38As imagens apresentadas na Figura 1 ilustram momentos de encontros dos agricultores em campo demonstrando espaços construídos de troca de saberes e de construção de uma identidade que está sendo resinificada pelo valor do lugar, do local, e do seu trabalho materializado por meio da produção de alimentos e não mais de um produto agrícola. Assim, o que se observa no Litoral Norte é o desenvolvimento de tipos alternativos de redes alimentares, que estão se configurando por meio de uma da imersão desses alimentos na concepção do local, criando novas microgeografias, pautadas na tradição e nos distintos tipos de conhecimentos e saberes. Logo, o "valor" desse patrimônio, seja natural, histórico, cultural, social ou da produção imersa no local, pode permitir comparativa vantagem comercial no processo de troca.

39Marsden (2003) enfatiza que a relação entre produção e consumo, de um lado, e sustentabilidade ambiental, saúde humana e desenvolvimento, por outro, tornam-se mais evidentes com produtores, vendedores e consumidores aparentemente conscientes de valores tanto de qualidade como do conhecimento local imerso naturalmente no próprio alimento.

40A estratégia dos agricultores do Litoral Norte ligados ao sistema alternativo passou pela necessidade de desenvolver uma compreensão do mercado em mutação. E, sendo assim, tomar medidas para fazer acessar tais oportunidades identificadas. Existiram dois fatos fundamentais nessa religação: a mudança dos padrões de consumo e a produção de alimentos orgânicos. Esses alimentos constituíram-se por meio dos conhecimentos geográficos, aproveitados por técnicas mais ligadas às potencialidades das paisagens, por meio dos SAF, bem como por meio da significação da origem que traz consigo a imagem da tradição da história. Ambos utilizados pelos produtores na promoção de seus produtos.

41Um ponto que cabe destacar é que esse conhecimento tem sido apreendido pelos consumidores quando eles trazem a tona o seu próprio sistema de informação para interpretar o significado dos produtos naturalmente imersos de um determinado local. Assim, a reconexão da produção e do consumo, no Litoral Norte, está envolvendo uma variedade de motivações, vindas dos consumidores e produtores, a qual está dando origem a uma gama de possibilidades ligadas à designação do local.

Considerações finais

42Este artigo teve por objetivo evidenciar as conexões entre a produção e o consumo a partir da emergência das redes alimentares alternativas, as quais são instituídas na concepção de alimentos que têm seu valor denotado por meio de sua origem espacial.

43No caso do Litoral Norte observou-se que, nos estudos do local-food, algumas questões têm provocado interesse particular, quais sejam, a noção de qualidade e a concepção de imersão, as quais são vistas como os fatores centrais para fomentar a motivação do movimento que aponta para longe dos produtos homogeneizados da indústria agro-food global. Porém, é fundamental ressaltar que muito ainda está a ser construído em torno das noções de qualidade nos sistemas alternativos, com ênfase regional e local.

44O estudo possibilitou uma visão mais aprofundada em torno da noção de embeddedness, e propiciou verificar que essa noção exige análise crítica e que as implicações derivadas, das relações entre qualidade e imersão local, podem ser exploradas avaliando a essência dos padrões de compras e organização dos mercados.

45Pode-se apreender que o uso de referências da história, tradição e designações geográficas reforçam as qualidades da área na qual a unidade de produção está localizada. No caso analisado (produtores do Litoral Norte), o uso dessas alusões pode estar diretamente relacionado à instituição do conhecimento localmente referenciado, possibilitando a geração de um espaço de conexão entre o consumidor e o produtor. Isso está se materializando nas feiras, tornando possível perceber que essa reconexão entre o consumo e a produção é construída por meio dos discursos relativos ao cuidado (alimento limpo, bem estar) e ao ambiente, mas, sobretudo pela confiança entre produtor e consumidor, e pela imagem que ambos têm do local.

46Esta análise revelou que alimentos locais, produzidos no Litoral Norte nos sistemas de base ecológica, expõem muito mais do que o orgânico (limpo, artesanal), ilustram um processo que está se desenvolvendo em defesa da autonomia local, e uma volta à base de qualidade em torno da produção e dos conhecimentos imersos no local. Tal falto é muito explorado na literatura da nova Geografia Econômica, entretanto para uma realidade muito distinta da brasileira e focada em modelo de consumo e produção europeia. A riqueza deste estudo assenta-se em demostrar a busca dos agricultores do Litoral Norte em se conectarem aos mercados de proximidade em cadeias curtas de comercialização, recorrendo para tanto ao alimento e a construção de redes sociais imersas no “local”. Assim, o produtor e o consumidor podem estabelecer uma relação que abrange diferentes formas de agricultura e de saberes.

47Finalizando, é pertinente destacar que as redes alternativas que se estabelecem em cadeias curtas locais também estão diversificando os seus circuitos. Para tanto, algumas estratégias estão operando em circuitos mais longos e atuando por meio de mecanismos justos de comercialização. Chama-se a atenção, então, para o fato de que a própria localidade e todas as relações, sejam de produção ou sociais, devem necessariamente ser observadas considerando a sobreposição de vários elementos, estando esses em diferentes escalas espaciais.

48Provavelmente pode-se dizer que há uma forte tendência em ver os agricultores como vítimas infelizes dos mercados globalizados, mas, seja como for, esta globalização propiciou um movimento de reorganização dos mercados, o que consequentemente gerou um espaço para reconexões. Porém, por ironia, essas reconexões tendem a mostrar-se como sinônimos da realização gritante de fraqueza do mercado global agro-food.

Haut de page

Bibliographie

ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária, v. 28 n. 1, p1-4. 1998.

BANKS, J.; MARSDEN, T. Integrating agro-environment policy, farming systems and rural development: Tir Cymen in Wales. Sociologia Ruralis. v. 40, n. 4. p. 466-480. 2000.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, n. 1, p. 481-510. 1985.

HARVEY, D. Justice, nature, and the geography of difference. Oxford, UK: Blackwell Publishers LTD. 1996. 484 p.

HENDRICKSON, M; HEFFERNAN, W., Opening spaces through relocalization: locating potential resistance in weaknesses of the global food system. Sociologia Ruralis. v. 42, n. 4, p. 347-369. 2002.

HINRICHS, C. C. Embeddedness and local food system: notes on two types of direct agricultural market. Journal of Rural Studies, v. 16, n. 3, p. 295-303. 2000.

HINRICHS, C. C. The practice and politics of food system localization. Journal of Rural Studies, v.19, n.1, p. 33-45. 2003.

KIRWAN, J. Alternative strategies in the UK agro-food system: interrogating the alterity of farmers’ markets. Sociologia Ruralis, v. 44, n. 4, p. 512-528. 2004.

MARSDEN, T. The Condition of rural Sustentability. Assen, The Netherlands: Royal Van Gorcum, 2003.

MARSDEN, T.; BANKS, J.; BRISTOW, G. Food supply chain approaches: exploring their role in rural development. Sociologia Ruralis, v. 40, n. 4, p. 424-438. 2000.

MARSDEN, T; SMITH, E. Ecological entrepreneurship: sustainable development in local communities trough quality food production and local branding. Geoforum. v. 36, p. 440-451. 2005.

MORGAN, K.; MARSDEN, T.; MURDOCH, J. Place, power, provenance in the food chain. Oxford, UK: Oxford Geographical. 2006.

MORRIS, C.; KIRVAN, J. Food commodities, geographical knowledges and the reconnection of production and consumption: The case of naturally embedded food products. Geoforum. v. 41, p. 131-146. 2010.

MURDOCH, J.; MARSDEN, T.; BANKS, J. Quality, Nature and Embeddedness: some theoretical considerations in context of the food sector. Economic Geography, v. 76, n. 2, p. 107-125. 2000.

MURDOCH, J.; MIELE, M. ‘Back to nature’: changing ‘worlds o production’ in the food sector. Sociologia Ruralis, v. 39, n. 4, p. 465-483. 1999.

PENKER, M. Mapping and measuring the ecological embeddedness of food supply chains. Geoforum, v. 37, p.368-379. 2006.

POLANYI, K. A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1980.

SANTOS, A. R. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 3ª ed., Rio de Janeiro: DP e A Editora, .2000 144 p.

SILVA, VALDEMIR. Entrevista XVI: pesquisa de Campo em Feira Ecológica. [dez, 2007]. Entrevistador: Daniela Garcez Wives. Porto Alegre, 2007.

SONNINO, R.; MARSDEN, T. Beyond the divide: rethinking relationships between alternative and conventional food Networks in Europe. Journal of Economic Geography, v. 6, n. 1, p. 181-199. 2006.

Vivan, J. L. Saber ecológico e sistemas agroflorestais: um estudo de caso na floresta atlântica do litoral norte do RS, Brasil. 2000. 98 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) – Curso de Pós-graduação em Agroecossistemas, UFSC, Florianópolis, 2000.

WINTER, M. Embeddedness, the new food economy and defensive localismo. Journal of Rural Studies, v. 19, n. 1, p. 23-32. 2003a.

WINTER, M. Geographies of food: agro-food geographies – making reconnections. Human Geography, v. 27, n. 4, p. 505-513. 2003b.

WIVES, D. G. Funcionamento e performance dos sistemas de produção da banana na Microrregião do Litoral Norte do Rio Grande do Sul. 2008. 164f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008

Haut de page

Notes

1 Ver Wives (2008).

2 A OPAC Litoral Norte atualmente já está constituída e certificou mais de 11 agricultores. OPAC, OPAC Litoral Norte. Disponível em:< http://opaclitoralnorters.blogspot.com.br/>. Acesso em 29 de mar. 2015.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Localização da área de estudo
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10236/img-1.png
Fichier image/png, 326k
Titre Figura 3 Produção de bananas no Rio Grande do Sul
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10236/img-2.png
Fichier image/png, 153k
Titre Figura 3. Imagens da construção social dos mercados
Crédits Fonte: Elaborado pela autora com base em pesquisa de campo.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10236/img-3.png
Fichier image/png, 581k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Daniela Garcez Wives, João Armando Dessimon Machado, Marlise Amália Reinehr Dal Forno, Luciano Silva Figueiredo et Gabriela Coelho-de-Souza, « Produção de base ecológica : reconexão da produção e consumo no Litoral Norte do Rio Grande do Sul », Confins [En ligne], 24 | 2015, mis en ligne le 22 juillet 2015, consulté le 26 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/10236 ; DOI : 10.4000/confins.10236

Haut de page

Auteurs

Daniela Garcez Wives

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Geógrafa, mestre e doutora em Desenvolvimento Rural pelo Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande Sul. Atualmete é Pós-Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural – UFRGS/PGDR, garcezd@gmail.com

João Armando Dessimon Machado

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Médico Veterinário, mestre em Economia Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutor em Economia Agroalimentar, Universidade de Córdoba/Espanha, atualmente é professor do Programa de Pós graduação em Desenvolvimento Rural – UFRGS/PGDR, joao.dessimon@ufrgs.br

Marlise Amália Reinehr Dal Forno

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Geógrafa, mestre e doutora em geografia pela Universidade Federal do Rio Grande Sul. Atualmente é professora adjunta do curso de Desenvolvimento Regional da UFRGS, e professora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural - UFRGS/PGDR, marlise.forno@ufrgs.br

Articles du même auteur

Luciano Silva Figueiredo

Universidade Estadual do Piauí, Biólogo, mestre em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco, doutor em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, professor adjunto da Universidade Estadual do Piauí, lucfigueiredd@uol.com.br

Gabriela Coelho-de-Souza

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Bióloga, mestre e doutora em etnobotânica pela Universidade Federal do Rio Grande Sul, atualmente é professora adjunta do Depto de Economia da UFRGS, vice coordenadora e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural - UFRGS/PGDR, gabrielacoelhodesouza@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org