Navigation – Plan du site

Do peixe com farinha à macarronada com frango: uma analise das transformações na rede urbana no Alto Solimões pela perspectiva dos padrões alimentares.

Du poisson à la farine de manioc au poulet aux pâtes : une analyse des transformations dans le réseau urbain du Haut-Solimões dans la perspective des habitudes alimentaires.
From fish with flour to pasta with chicken : an analysis of the transformations in the urban network in the Upper Solimões by the prospect of eating patterns.
Tatiana Schor, Moisés Augusto Tavares-Pinto, Francisco Carlos da Costa Avelino et Marina Lelis Ribeiro

Résumés

Les changements et les continuités dans les habitudes alimentaires sont révélateurs de changements sociaux et environnementaux complexes. L'analyse de ces changements nous permet de comprendre divers processus comme l'urbanisation et ses effets sur l'organisation sociale et l'individu, en particulier en ce qui concerne les habitudes de santé et alimentaires. Les habitudes alimentaires au Brésil, sont quelque part entre les moyens d'obtenir des aliments "traditionnels" et un "régime de supermarché", qui varie d'une région à l'autre. Le thème de l'approvisionnement en Amazonie doit être examiné en comprenant la demande et l'offre de la nourriture dans les villes et les facteurs qui la forment. Se référant à la demande, nous avons un processus d'urbanisation en cours avec une composante financière forte explicité dans les différentes politiques de développement social qui transforment rapidement les habitudes alimentaires de la population. En ce qui concerne l'offre, la production rurale en Amazonie ne répond pas à la demande des villes. Le fait que l'accès à la plupart des villes de l'État Amazonas se fasse principalement par bateau implique un réseau d'approvisionnement complexe. Ce réseau est fortement défini par la saisonnalité des rivières. Cet article apporte de nouveaux éléments à la compréhension de la dynamique économique et alimentaire à la triple frontière Brésil-Pérou-Colombie, regardant comment se produisent les flux de nourriture et de la production locale et leur importance dans l'alimentation des villes de la région. Nous concluons que, dans un contexte de forte vulnérabilité hydrologique, comprendre les structures des réseaux urbains d'approvisionnement et la production locale est indispensable pour réfléchir à des méthodes de travail qui favorisent la souveraineté alimentaire dans une région de forte dépendance alimentaire vis-à-vis de l'extérieur de la région et de plus bas niveaux de développement social au Brésil. Les résultats présentés ne sont pas des conclusions, mais indiquent fortement la nécessité d'innover à la fois dans la recherche et dans les zones frontalières de la géographie urbaine-économique, et son interface avec la géographie de l'offre et de la santé.

Haut de page

Texte intégral

Porto de TabatingaAfficher l’image
Crédits : Herve Théry 2014
  • 1 Os resultados que embasam este artigo provêem das seguintes pesquisas: PRONEX/FAPEAM – NEPECAB - “C (...)

1Os tempos e os ritmos (Lefebvre, 1991) diferenciados e desiguais dos processos sociais se sobrepõem na amplidão da floresta Amazônica. A proximidade dos dois principais centros urbanos, Manaus e Belém, não implica necessariamente sua inserção no ritmo da globalização nem a sua distância ao ritmo local. As distâncias, física e social, estão desconectadas. Locais longínquos por meio de produtos oriundos da floresta, do trabalho extrativista, inserem-se em redes de proximidade, internacionais. Nesse contexto, a rede urbana se pluraliza sem perder a dinâmica, muitas vezes, relacionada diretamente aos rios e à floresta. O estudo multiescalar da rede urbana, que visa entender o cotidiano das cidades e os diversos fluxos (sociais, econômicos, culturais), é primordial para se compreender a dinâmica de transformação e permanência do espaço na maior floresta equatorial do mundo. Neste sentido, entender a dinâmica urbana e as cidades na Amazônia é compreender os mecanismos com os quais o global e o local interagem, incluindo e excluindo processos e pessoas do movimento contraditório que é a modernidade1.

2Na última década vem crescendo, em especial em países de língua anglo-saxônica, os estudos relacionados à Geografia da Comida (Shortridge, 2003; McEntee, 2009; Gatrell, 2011; Hubley, 2011; Slack et al. 2012;). Existe um crescente interesse em estudos de geografia histórica e cultural que relacionam processos de transformação de hábitos alimentares e modernização. Existe também estudos sobre processos de produção e distribuição global da comida e mais recentemente aspectos relacionados aos Food Deserts (Desertos de Comida) nos bairros pobres de cidades dos Estados Unidos (Whelan et al. 2002; McEntee et al. 2010; Hallett et al. 2011; Russell et al. 2011; Gordon et al. 2011; Donald, 2013), na Inglaterra (Coyle e Flowerdew, 2011), no Paraguai (Gartin, 2012) e na Africa do Sul (Bettersby, 2012). Apesar da crescente literatura sobre o tema existem poucos estudos que relacionam a questão alimentar à urbanização e a saúde, em especial relacionando a geografia econômica e urbana (Schor e Costa, 2013; Costa e Schor, 2013).

3As transformações e permanências nos padrões alimentares são indicativos de mudanças sociais e ambientais complexas. A passagem de uma dieta tradicional, fortemente baseada em produtos coletados, pescados, caçados, plantados ou mesmo adquiridos localmente para uma dieta de supermercado, isto é oriunda da agroindústria regional, nacional ou mesmo internacional é um interessante indicativo do processo de modernização. A análise dessas mudanças permite entender processos diversificados tais como a urbanização e seus reflexos na organização social e no individuo, em especial no tocante à saúde e aos hábitos alimentares, aqui compreendidos não somente com o que se come mas também como se come e se adquire os alimentos.

4Câmara Cascudo nos seus clássicos estudos sobre a cultura brasileira aborda o tema dos hábitos alimentares (influenciados pelos gostos e vontades) demonstrando que o quê se come e como se come são elementos fortemente incorporados na construção da identidade cultural, constituindo uma das mais fortes barreiras de resistência às mudanças (Cascudo, 2008 e 2011). As diferentes “comidas” e seus ingredientes regionalizam os países e as regiões, trazem consigo elementos dos ecossistemas incorporados na cultura local. Perder os ecossistemas, e por conseguinte os ingredientes essenciais para a comida regional é um forte indicador de como a modernização, sob a égide do capital, se insere nas tramas da cultura padronizando hábitos, gostos e formas de acesso aos alimentos.

5Didelon (2009) considera que a análise, em especial a cartográfica, das sociedades pela alimentação é ainda mais interessante em um contexto da mundialização. Apesar da crescente homogeinidade dos hábitos de consumo ainda é possível visualizar uma regionalização do mundo pelos alimentos, em especial quando se foca alimentos amplamente consumidos como os cereais, em especial o arroz, e a carne. A cartografia do consumo de cereais e carne fazem aparecer grandes regiões mundiais, mais homogêneas para os cereais e menos para as carnes.

6Na análise cartográfica realizada por Didelon (2009) o Brasil aparece como forte consumidor de carne bovina e de arroz. De fato, mesmo na Amazônia, a produção e o consumo de carne bovina e de arroz tem modificado os hábitos alimentares e transformado a floresta em enormes pastagens e em areas de plantação de arroz. Esta é uma realidade na escala nacional que impacta a região, porém na Amazônia Ocidental, em especial no Amazonas, tanto a carne bovina quanto o arroz não são os principais produtos encontrados na mesa dos ribeirinhos. Consome-se ainda muito peixe, pescado localmente, e frango industrializado oriundo da agroindustria do sul do país.

7No caso do Amazonas, em especial da triplice fronteira, a monetarização e urbanização dos lugares implica em uma transformação dos hábitos alimentares. O processo de modernização em curso transforma os ecossistemas e rapidamente a produção e obtenção de alimentos e por conseguinte os hábitos alimentares (Schor e Costa, 2013; Costa e Schor, 2013).

8Os hábitos alimentares no Brasil, encontram-se em algum lugar entre as formas de obtenção “tradicional” dos alimentos para uma “dieta do supermercado”, que varia de região para região. A diversificação dos modelos de alimentação no Brasil se relaciona significativamente com as diferenças dos processos de urbanização, nos ecossistemas, no acesso aos alimentos e nos hábitos alimentares. De fato, exceto a região amazônica e da área nordeste do sertão, não há grandes diferenças em termos de características agroecológicas, e assim, na produção agrícola por todo o território nacional. Isto implica que os principais alimentos, que proporcionam a maior parte da fonte de energia dietética, não tendem a ser muito diferente de uma região para outra tal como explicitado por Didelon (2009), exceto nas áreas mais remotas, anteriormente ditas, que apresentam dietas muito específicas, compostas quase exclusivamente do alimento tradicional local (Galeazzi, 2002). A Amazônia é sem dúvida uma área de interesse para o estudo das diferenças no acesso aos alimentos e como o rápido processo de modernização via redes de comunicação e comércio impactam nos hábitos alimentares, em especial nas pequenas e médias cidades.

9Com o objetivo de compreender o processo de urbanização da Amazônia Brasileira e suas consequências o Núcleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amazônia Brasileira (NEPECAB) iniciou em 2006 um conjunto de estudos sobre a rede urbana na Amazônia Brasileira focando a rede que se estabelece ao longo dos Rios Solimões e Amazonas no estado do Amazonas (Marinho e Schor, 2009 e 2012; Moraes e Schor, 2011; Schor e Costa, 2011; Schor e Oliveira, 2011; Schor, 2013; Schor et al. 2014). Estes estudos apontaram para uma interessante configuração de rede urbana na região, muito mais complexa que originalmente pensado tanto por Corrêa (1987) quanto pelo IBGE (2007). Pode-se dizer que existem diversas redes urbanas que se configuram de acordo com qual fluxo se está analisando, por exemplo, se considerarmos a rede urbana que está subjacente ao comércio de bagres (peixes lisos) os fluxos seguem em direção contrária da rede dendrítica concebida por Corrêa (1987), saindo do Médio Solimões para a tríplice fronteira no Alto Solimões (Moraes e Schor, 2010 a/b/c; Moraes, 2012).

10Buscou-se também inovar nos procedimentos metodológicos do estudo de rede urbana (Schor e Oliveira, 2011; Schor et al. 2014) visando incluir elementos e variáveis não tradicionais no estudo do urbano, tais como elementos da biodiversidade e hábitos alimentares. Dentro desta perspectiva, de análise da rede urbana de forma multiescalar que implica em analisar ao mesmo tempo variáveis intraurbanas e de rede urbana, organizou-se um conjunto de pesquisas que visavam compreender a rede urbana pela perspectiva dos hábitos alimentares, que inclui a questão das estruturas de mercado, abastecimento e produção rural. Para tal, se construiu a análise por micro-rede urbana, uma centrada em Tabatinga no Alto Solimões que inclui os municípios de Benjamin Constant e Atalaia do Norte, outra em Tefé, incluindo os municípios de Alvarães e Uarini, outra no Baixo Amazonas centrado em Parintins e Itacoatiara.

Figura 1: Localização das micro-redes urbanas estudadas.

Figura 1: Localização das micro-redes urbanas estudadas.

Org: Tony Sena, 2015

11Com estas micro-redes urbanas como recorte geográfico, estruturou-se um conjunto de pesquisas que visou analisar os hábitos alimentares, o acesso a comida, a estrutura de abastecimento e produção rural do município. Utilizando um formulário de hábitos alimentares recordatório 24hs e partindo da base espacial do IBGE, os setores censitários, selecionou-se áreas nas cidades para se realizar as entrevistas. Estas áreas foram selecionadas de acordo com o “tipo de banheiro” e “tipo de fossa” conforme metodologia desenvolvida por Marinho e Schor (2009) para se espacializar as desigualdades socioespaciais nas cidades médias do Amazonas.

12Considerando as duas micro-redes urbanas do Alto e Médio Solimões, foram realizadas pesquisas em duas épocas do ano – durante a cheia (maio) e a seca (setembro). Realizamos também pesquisas nas entre-estações – janeiro (enchente) e junho (vazante). Buscou-se com esta divisão captar as diferenças sazonais e seus impactos no acesso a alimentos. Os resultados obtidos foram muito interessantes. Primeiro mostraram uma significativa diferença entre as duas micro-redes urbanas. A do Médio Solimões, centrada em Tefé, é fortemente dependente do abastecimento oriundo, por via fluvial, de Manaus, enquanto que a do Alto Solimões, devido a complexa dinâmica da triplice fronteira Brasil-Peru-Colombia, tem-se o estabelecimento de diversos formatos de abastecimento que variam de produto para produto e que conformam uma rede urbana específica.

Figura 2: Localização das cidades analisadas.

Figura 2: Localização das cidades analisadas.

Org: Moisés Tavares-Pinto e Thiago Marinho, 2015

13Este artigo irá tratar dos principais resultados obtidos no estudo da micro-rede urbana do Alto Solimões visando responder as questões: Qual o formato de rede urbana que surge a partir da análise dos hábitos alimentares? Como este formato de rede urbana re-define o entendimento sobre a triplice fronteira Brasil-Peru-Colombia?

Alimentação e dinâmica espacial

14Estudar a alimentação e suas transformações no processo de modernização da sociedade é um subsídio fundamental para compreender a dinâmica espacial pois “poucas dimensões da vida humana são mais profundamente conectadas com a sobrevivência básica e, ao mesmo tempo, com elementos social e simbolicamente construídos, do que a alimentação” (Murrieta, 2001, p. 2). Com o rápido processo de urbanização e monetização da economia, por meio da universalização das aposentadorias e das diversas bolsas de desenvolvimento social pautadas no programa Fome Zero, percebe-se, nos últimos 10 anos no Brasil e em especial no Amazonas, uma transformação nos hábitos alimentares (Nardoto et al. 2011; Cabral, 2013; Schor e Costa, 2013). O que se observa hoje no Brasil é que o consumo dos alimentos frescos produzidos localmente terem diminuído significativamente na dieta. Apesar do Brasil ser considerado um dos celeiros do mundo, o consumo de produtos frescos, não industrializados, vem diminuindo gradativamente, sendo substituído por outros alimentos menos saudáveis pobres em fibras e ricos em gorduras, predominantemente saturadas (Schor e Costa, 2013). Produtos industrializados, mais fáceis de comer e em muitos casos mais baratos, entram em competição com a produção local de alimento, modificando gradativamente os hábitos alimentares e culturais das regiões.

15Na última década a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2004 e 2009 observou significativas disparidades nas prevalências de Insegurança Alimentar (IA) grave. As regiões Norte e Nordeste tiveram as maiores prevalências de IA atingindo 54% e 46% em 2004 e 40% e 46% em 2009 dos domicílios, respectivamente (Brasil, 2010). Já nas regiões Sudeste (23%) e Sul (18,7%), essas proporções ficaram abaixo de um quarto dos domicílios (Brasil, 2010c). Neste mesmo período, com o objetivo de diminuir essas desigualdades, o governo federal investiu em programas de Transferência Condicionada de Renda (TCR) prioritariamente para essa parcela da população e nessas regiões. Esses programas fazem parte de políticas de proteção social e combate à pobreza e são destinados às famílias que, em geral, enfrentam situações de diversas vulnerabilidades, sendo o Programa Bolsa Família (PBF) o maior programa de transferência de renda e foi formulado para integrar e unificar os programas de “Fome Zero”; “Bolsa Escola”, “Auxílio Gás” e o “Cartão Alimentação” (Brasil, 2004b). Apesar de os programas TCR gerarem controvérsias com relação à forma pela qual as famílias utilizam os recursos, há evidências de que os auxílios transferidos são utilizados prioritariamente para a aquisição de alimentos (Santos, 2012; Pinzani e Rego, 2014).

16No Amazonas, a monotonia alimentar foi recorrente em todas as cidades pesquisadas. Encontrou-se o frango industrializado com o principal fonte de proteína para a população “melhor de vida”, isto é moradoras de domicílios com banheiros internos e fossa séptica, não beneficiarias do PBF, enquanto que nas áreas de mais baixa renda a principal fonte de proteína foi a calabresa (consumida com pão) e o ovo (consumido com farinha na forma de farofa). Raros foram os casos de consumo de vegetais, e quando acontece na forma de “vinagrete”, uma mistura de tomate, cebola, cheiro verde picados e misturados com sal e vinagre. A farinha continua sendo uma importante fonte calórica e o macarrão entra em cena, em muitos casos misturados, o que significa um aumento no consumo de carboidratos. O que mais se modificou nos hábitos alimentares nas cidades analisadas foi o café-da-manhã. Produtos tradicionais deixam de compor a mesa e a padronização e monotonia prevalece com um cardápio de café (bem doce) e pão com margarina (Schor e Costa, 2013; Costa e Schor, 2013).

17A insegurança alimentar diminui pois não se caracteriza mais a fome e baixo consumo de proteínas ou carboidratos, porém a mal-nutrição prevalece. Além dos aspectos relacionados a saúde e cultura que ficam em xeque. O aumento do consumo de carboidratos e produtos industrializados com altos teores de sódio e a diminuição na variedade da alimentação com a padronização do frango industrializado, ovos e embutidos como principal fonte de proteína piora a saúde da população e restringe os aspectos culturais transmitidos pelos hábitos alimentares.

Segurança ou Soberania Alimentar na Amazônia?

18Os primeiros estudos sistemáticos sobre problemas alimentares ocorreram no inicio da década de 1930, principalmente envolvendo a necessidade do aumento da produção de alimentos em diversos países e a existência de excedentes agrícolas invendáveis. O paradoxo, escassez e abundância, dá origem a abertura de uma comissão diante da Sociedade das Nações para estudar as relações entre agricultura, nutrição, e economia (Chonchol, 2005). O conceito de segurança alimentar, entretanto, tem origem no pós-segunda guerra mundial: o tema da segurança alimentar é inserida como componente estratégico da segurança nacional e como elemento primordial para se analisar os impactos de guerras.

19No Brasil, a instituição do salário mínimo em 1938 e os estudos pioneiros de Josué de Castro que culminaram no livro Geografia da Fome publicado em 1946 foram marcos na garantia de recursos mínimos para alimentação e no combate à fome no país (Nascimento e Andrade, 2010). Entretanto, a discussão sobre Segurança Alimentar ganhou forma apenas da década de 1990, objetivando o suprimento de necessidades alimentares e autossuficiência nacional na produção e o reconhecimento de carências nutricionais (Hirai & Anjos, 2007) mas foi em 2006 que ganhou status de uma diretriz governamental pela Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006 que cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN.

20Devido à sua amplitude, as ações voltadas a Segurança Alimentar dão margem a diversas interpretações, desde barreiras à importações, fins eleitoreiros, interesses particulares para promover a destruição do meio ambiente ou mesmo a destruição dos hábitos culturais de um povo (Belik,2003). Como contraponto as ações de Segurança Alimentar surge o conceito de Soberania Alimentar, não apenas limitando-se a garantir comida para a população, independente de onde e como é produzida. O reflexo das políticas em torno desta temática levaram a uma discussão sobre como a insegurança alimentar não é resolvida pelo acesso a carboidratos e proteínas mas que deve-se considerar um aspecto mais amplo do acesso a alimentos. Neste sentido, o plano Camponês do Movimento dos Pequenos Agricultores do Brasil (Plano Camponês – MPA, 2012), em conformidade com outros planos camponeses da América Latina, cria e define a noção de soberania alimentar. Para eles soberania alimentar,

“quer dizer produção e comercialização da comida local, vinculada à cultura e ao modo de vida do povo. Quer dizer também diversificação, afinal, para ter soberania alimentar é preciso produzir de tudo um pouco. Não podemos ficar dependentes dos grandes mercados para nos alimentarmos. Mas não basta apenas produzir, essa produção deve ser limpa, sem veneno, buscando o equilíbrio ambiental.” (Plano Camponês – MPA, 2012:p.20-21)

21Esta noção de soberania alimentar é bem mais condizente com a realidade encontrada nas duas micro-regiões estudadas. Nelas a questão de segurança alimentar, de certa forma, está resolvida, porém a de soberania não. Um bom exemplo são os hábitos alimentares relacionados ao acesso a proteína.

O Acesso as Proteínas no Amazonas

22No Amazonas o mercado de proteínas animal, remonta ao último quarto do século XVIII, quando estabeleceu-se os Pesqueiros Reais para atender às necessidades de carne das vilas da capitania de São José do Rio Negro e também para exportação. Inaugurou-se o comércio de peixes salgados e tartarugas no Amazonas, ao mesmo tempo que incentivava a importação de carne bovina das fazendas ao norte, no que hoje é o estado de Roraima, no intuito de introduzir um substituto à proteína silvestre que sofria com o desperdício, calcula-se que 75% dos quelônios capturados eram perdidos (Rebelo e Pezzuti, 2000). As dificuldades de se obter carne bovina do rio Branco, principalmente devido à falta de capital e navegação, impediram o seu pleno aproveitamento até 1856, quando batelões começaram a realizar o transporte com mais frequência entre Manaus e Caracaraí. Da mesma maneira ocorreu no baixo Amazonas, Óbidos e Santarém, lançando mão de navios a vapor da companhia de comércio e Navegação do Amazonas, ao frente de 4$000 por boi em pé, aproximadamente o mesmo valor que se pagava na época por um paneiro de farinha em Manaus (Loureiro, 2007) entram com força no mercado de Manaus.

23Na Amazônia, o período colonial desestruturou todas as formas tradicionais inclusive a de obtenção de alimentos. Com a consolidação de pequenos núcleos de povoamento e vilas a questão do abastecimento tornou-se chave, principalmente considerando que o trabalho mais "valioso" no período era o de extração das "drogas do sertão”. A dialética da colonização (Bosi, 1992) também transparece na forma com a qual se re-estruturou a cultura alimentar na Amazônia. Parte significativa dos hábitos alimentares indígenas foi assimilada pelas populações europeias, primeiramente devido à incompatibilidade das culturas agrícolas europeias em solos tropicais e o reconhecimento da facilidade e importância de determinados produtos para a sobrevivência em um ecossistema tão diferente do Europeu.

24A adoção de novos hábitos alimentares a exemplo da mandioca, frutos exóticos e fazendo surgir um apreço por determinadas proteínas, a exemplo do peixe-boi (Trichechus inunguis) e seus subprodutos como a manteiga de peixe-boi, a Mixira (peixe-boi cozido e guardado na própria gordura) e o peixe-boi seco, além da tartaruga da Amazônia (Podocnemis expansa)/iaça (Podocnemis sextuberculata), pirarucu fresco ou salgado e seco (Arapaima gigas), tambaqui (Colossoma macropomum) entre outros que, destacavam-se nas feiras e na pauta de exportações do estado. Entre 1850 e 1880 as exportações do pirarucu chegaram a cifra de quase mais de 1200 toneladas, a manteiga de tartaruga a mais de 6 mil potes e a Mixira de Peixe-Boi a 1719 potes (Loureiro, 2007). A partir deste momento, estas fontes de proteína animal estavam inseridas em uma economia de mercado, com novas técnicas e ferramentas, a produtividade, estava agora livre portanto, de seus limitadores sociais e naturais que mantinham o equilíbrio ecossistêmico na economia amazônica. A incorporação destas proteínas oriundas do extrativismo no mercado internacional fez com que rapidamente houvesse uma diminuição nos estoques destes recursos naturais, efeito sentido até hoje.

25A transição dos hábitos alimentares das populações na Amazônia que observamos hoje no caso da proteína, remontam ao inicio da colonização portuguesa onde, por meio do deslocamento forçado, mudaram as relações dos indígenas com o meio ambiente, incluindo seu sistema alimentar, com a diminuição do consumo de carne de caça aumento do pescado e a introdução da carne bovina (Goulard, 2012). Atualmente a caça possui posição secundária em termos quantitativos de consumo na Amazônia, onde a pesca prevalece como importante fonte de proteína, diferentemente do que ocorre nas selvas da África (Van Vliet e Nasi, 2008; Nasi et. al. 2011).

26Nesse sentido, Gragson (1992) defende que a manutenção da prática do consumo de pescado está inserida como uma estratégia de sobrevivência de baixo risco para estas sociedades em comparação a caça. O principal argumento que sustenta a tese é o das altas taxas anuais de regeneração e de eficiência trófica das populações de peixes predados. Além da enorme variedade de pesca sem valor comercial, beneficiando o seu estoque. Mesmo assim o consumo de carne de caça, ainda se mantêm vigoroso em diversas regiões na Amazônia, apesar da entrada de substitutos desta fonte de proteína no mercado. O consumo de carne de caça nas cidades do Amazonas e na triplice fronteira está relacionada com elementos simbólicos e culturais muito mais do que com acesso a proteínas (Pascual, 2013). Determinadas festas tem como cardápio produtos de caça específica, para um batizado uma tartarugada, sexta-feira santa pirarucu salgado e seco. O ato de "sair para caçar" também é importante principalmente quando se considera a caçada da paca e da anta. Para que este consumo simbólico aconteça existe um mercado informal e ilegal de caça nas cidades, pois nem todos os habitantes urbanos saem para caçar.

27É neste contexto que se considera importante substituir o conceito de segurança alimentar para o de soberania alimentar quando se analisa a transição e permanência dos hábitos alimentares na Amazônia. Entende-se que a proibição a caça não protege os animais, pelo contrário implica em um mercado ilegal difícil de se monitorar e legislar (Tavares-Pinto, 2015). Deve-se sim implementar políticas públicas voltadas ao manejo dos recursos naturais fontes de proteína tal qual se faz em algumas regiões com relação às tartarugas e pirarucu. A permanência dos produtos oriundos da floresta na mesa do amazônida é de suma importância não só para a variedade e saúde mas também para conservação dos recursos naturais.

A fronteira da agroindústria no Amazonas: o caso do frango "congelado"

28A produção e o extrativismo local ainda representam uma parte importante dos alimentos in natura que são consumidos na região amazônica, no entanto a concentração das pessoas nos centros urbanos, como na Tríplice Fronteira, Brasil-Peru-Colômbia, faz com que surjam novas opções alimentares com diferentes cores e sabores – mesmo que artificiais – os quais são oferecidos nas prateleiras dos supermercados. A facilidade de consumir também passa a ser determinante na hora da escolha do que comer, já não se faz necessário plantar, nem caçar e nem mesmo entender a origem do alimento que será consumido, basta ter dinheiro, que em muitos casos é suprido pelas aposentadorias, Bolsa Família, Bolsa Verde e no estado do Amazonas, Bolsa Floresta.

29Na Amazônia, em especial na Amazônia Ocidental, devido à localização geográfica e acessibilidade, esta realidade se reproduz de forma específica. Se por um lado a sociedade e a natureza ainda interagem, refletindo uma dinâmica local própria, por outro lado o acesso a bens industrializados principalmente alimentícios encurta a distância e as diferenças regionais homogenizando os hábitos alimentares.

30A periodização da rede urbana Amazônica proposta por Lobato Corrêa (1987) deixa claro que a mesma deve ser analisada considerando-se a inserção da região em um contexto externo a ela, seja nacional, internacional ou ambos. As economias sub-regionais ao vincular-se nos diversos processos históricos a outras regiões do Brasil, implicam em um desmantelamento da tradicional organização produtiva. No norte, com o ciclo da Borracha verificou-se uma diminuição drástica dos fluxos intra-regionais. Várias mercadorias que eram produzidas localmente são substituídas por outras vindas de regiões distantes implicando em liquidação de uma série de atividades produtivas voltadas para o mercado local, inclusive atividades relacionadas à produção de alimentos, que se tornaram economicamente inviabilizadas pela escassa capacidade de competir de forma eficiente com as mercadorias importadas, beneficiando assim, o segmento produtivo extra-regional e repercutindo negativamente sobre a pequena produção rural. É notório a questão nutricional dos seringueiros, que proibidos de plantar, consumiam produtos enlatados, sofrendo com isso de muitos males, em especial o Beri-Beri.

31Atualmente grande parte dos alimentos ainda é importado de outras regiões do Brasil. O exemplo mais gritante deste processo é o aumento da comercialização do frango industrializado (processado e congelado), da salsicha e da calabresa.

32A agroindústria de frango de corte figura entre um dos setores mais importantes do agronegócio brasileiro. Esse fato decorre especialmente da importância que a carne de frango assumiu na composição da cesta de consumo da população ao longo dos últimos 70 anos. Desde o seu surgimento, na região de Mogi das Cruzes nos anos 40, a avicultura brasileira obteve um crescimento vertiginoso, a ponto de assumir posição de destaque no cenário internacional (Pinotti, 2005), atualmente sendo o terceiro principal produtor mundial, conforme apresenta o gráfico a seguir:

33Figura 3: Comparativo da produção mundial de carne de frango

34Fonte: UBABEF, (2013)

35De acordo com Pereira et al. (2007) a produção do frango em ritmo industrial se inicia no Brasil após a Segunda Guerra Mundial, sendo os estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais os maiores produtores até os anos 60. Segundo Silva (2002), o Brasil é o país que produz frango mais barato do mundo, provavelmente por causa das matérias-primas disponíveis, principalmente milho e soja, e apesar de ocupar o terceiro lugar na produção mundial, figura desde o ano de 2004 como o principal exportador, estando à frente de EUA e China, grandes mercados consumidores.

Figura 4: Comparativo de exportações de carne de frango.

Figura 4: Comparativo de exportações de carne de frango.

Fonte: UBABEF, (2013)

36Na Amazônia as atividades de avicultura desde a segunda metade do século XX estavam restritas a avicultura tradicional, com a criação das chamadas “galinhas caipiras”, com a função de autoconsumo na produção de carne e ovos. Conforme Figueiredo (2001), a produção de frangos caipiras é tida como uma atividade produtiva que se caracteriza basicamente por ser desenvolvida em pequenas propriedades rurais de forma a complementar a outras atividades agropecuárias, sendo assim, a cultura do frango de quintal ou caipira, se faz muito presente nas cidades da Amazônia que estão afastadas dos grandes centros urbanos, atendendo uma demanda disposta a pagar um preço diferenciado no produto que tem como extremo um substituto industrializado e de preço mais acessível (Loureiro, 2012).

37Assim sendo o choque entre um alimento tido como tradicional, a galinha “caipira”, ocorre paralelamente à consolidação do Brasil como potência agroindustrial e um dos maiores produtores de frango industrializado do mundo, rompendo barreiras e alcançando inclusive solos amazônicos. Os impactos dessa mudança alimentar gradual acontecem não somente por questões econômicas, mas também sociais e culturais atreladas a uma fortificação da cultura urbana nesses habitantes, abdicando dos alimentos regionais conforme atesta a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) do ano 2008-2009 no qual ressalta que no Estado do Amazonas houve uma queda de quase 50% do consumo de peixe fresco e da farinha de mandioca.

38Devido a importância do consumo, o frango industrializado aparece como produto componente de uma proposta de cesta básica voltada para a realidade do Amazonas, numa atualização da Comissão de Desenvolvimento do Estado do Amazonas – CODEAMA (Silva, 2000). Moraes e Schor (2010a; 2010b) recuperam esta proposta de ceta básica e criam a Cesta Básica Regionalizada- CBR. A CBR foi dividida entre produtos industrializados e beneficiados (arroz, feijão, açúcar, óleo de soja, farinha de mandioca, sal, leite em pó, café em pó, macarrão, vinagre, margarina, coloral, ovos de galinha, pimenta do reino, frango congelado e pão) e produtos in natura (tomate, banana, limão, peixe e carne), (Moraes e Schor, 2010a; 2010b). Com a CBR em mãos coletou-se o preço dos produtos nos supermercados, mercados e nos locais de desembarque pesqueiro. Padronizou-se as medidas e se calculou o custo de vida nas cidades ao longo do rio Solimões-AM em dois períodos distintos seguindo o regime hidrológico de seca e cheia (Moraes e Schor, 2010a, 2010b, 2010c).

  • 2 Utilizamos o termo “congelado” pois no processo de transporte o frango industrializado que deveria (...)

39Os resultados mostram uma tendência clara com relação a variação dos preços e cotas dos rios em especial com os produtos in natura (Moraes e Schor 2010a; 2010b). A princípio se esperava que os preços fossem sensíveis ao custo de transporte e por isso aumentariam no período de seca quando as distâncias aumentam, porém, observou-se o contrário para a região do Solimões e isso se dá em grande parte devido a entrada dos produtos da várzea. As várzeas do Solimões são extremamente férteis e produtivas, o que leva a alguns autores chamarem de “nosso Nilo” (Fausto, 2000). Os custos de transporte são diluídos ao longo do ano, pois os produtos industrializados podem ser estocados, a não ser o frango “congelado”2.

40É interessante analisar o formato da rede urbana na região do Alto e Médio Solimões levando em consideração a questão da sazonalidade dos rios e o abastecimento de um produto tão importante para a alimentação na região, que é o frango industrializado oriundo na sua totalidade de outros estados da federação, e como este abastecimento re-organiza a rede urbana internacional na tríplice fronteira.

Figura 5 : Venda de Frango da agroindústria Brasileira e da produção local colombiana, em Tabatinga.

Figura 5 : Venda de Frango da agroindústria Brasileira e da produção local colombiana, em Tabatinga.

Fonte: Carlos Avelino, junho 2014.

41A avicultura industrial (postura/corte) no Amazonas concentra-se principalmente na região metropolitana de Manaus. O Amazonas não é auto-suficiente em termos de produção de ovos e frangos. No que tange ao universo da produção agropecuária estadual, apenas a produção de ovos é suficiente, o que aumenta o grau de importância dessa atividade para o Estado, cuja produção é direcionada ao mercado da capital e de outros municípios.

Quadro 1: Plantel e produção de aves no triênio.

Discriminação

2011

2012

2013

Nº aves

Produção

Nº aves

Produção

Nº aves

Produção

Avicultura industrial

4.249.070

3.012 t carne

3.330.940

2.372 t carne

2.265.880

1.658 t carne

2.374.122 cx ovos

1.884.096 cx ovos

1.261.799 cx ovos

Avicultura caipira

1.648.803

2.937 t carne

943.611

1.678 t carne

1.222.022

2.426 t carne

364.581 cx ovos

261.083 cx ovos

366.607 cx ovos

Total

5.897.873

-

4.274.551

-

3.487.902

-

Fonte: IDAM, 2013

42O frango industrializado e a salsicha de origem brasileira são encontrados nos mercados das vilas e pequenas cidades de toda a Amazônia, inclusive a peruana. A origem destes produtos na sua totalidade vem da agroindústria do Sul do Brasil, que viajando de caminhão e depois de barco impacta os hábitos alimentares no interior do Amazonas.

43Abastecimento e produção rural local no Alto Solimões, Amazonas.

44Tabatinga é um município que assim como muitos da região amazônica depende da extração de recursos naturais. Nesta região, o rural é uma floresta em que o poder público ocupa largas faixas de terra, permitindo o acesso relativamente livre aos produtos extraídos da terra ou do rio, dependendo se fazem ou não parte do Sistema Estadual de Unidades de Conservação, Terras Indígenas ou Unidades de Conservação Federais. De acordo com Nogueira,

“Nelas certamente não predominará como classe social o proprietário fundiário rentista, que noutras regiões do país consegue interferir nos rumos da política local. (...) Afinal, ser proprietário de terras na Amazônia nunca significou ter poder. Numa região em que a mobilidade predomina sobre a fixação, é mais importante ser comerciante do que ser proprietário.” (Nogueira, 2008; p. 175-176).

45A grande quantidade de terras livres na Amazônia associada a uma tradição de exploração dos recursos florestais e pesqueiros, permitiu e de certa forma ainda permite que seus habitantes pudessem viver livres de uma relação de trabalho tipicamente capitalista. Mas, a necessidade de relação com o mercado de produtos urbanos-industriais insere-os no mundo da troca, onde o comércio captura o excedente de seu trabalho extrativo (Nogueira, 2008).

46Concordamos com Nogueira (2008) que nesta região o proprietário fundiário rentista não influencia na política tanto quanto em outras regiões do Brasil, mas a luta pelo título da Terra é complexa para a região estudada, principalmente na região de fronteira, local onde existem muitas terras devolutas. Os agricultores ribeirinhos lutam para regularizar a situação das propriedades da zona rural, situação que geraria maior segurança para a família. Além da segurança que o título da terra dá também viabiliza o acesso ao crédito, que faz com que as populações locais, inclusive as que vivem nas unidades de conservação do estado, quererem a regularização fundiária. A questão fundiária no Amazonas é a base dos conflitos que se intensificam com os processos de criação de unidades de conservação, planos de manejo e acesso a recursos naturais.

47Constatou-se que em 2011 existia em Tabatinga em média 600 agricultores, sendo 8 comunidades em terra firme e 28 em área de várzea. Constatou-se que a região de Tabatinga possui 2 assentamentos pelo INCRA, o PDS Rio Takana e o PA Urumutun. Segundo dados do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas - IDAM, esses dois assentamentos abarcam todas as comunidades que estão na área rural do Município de Tabatinga (Ribeiro, 2012).

48Existe também uma importante produção agrícola nas Terras Indígenas do lado brasileiro, sendo inclusive inaugurado uma feira Ticuna em Tabatinga no início de 2013. A agricultura indígena é responsável por parte significativa da entrada de produtos frescos nos mercados da região, por isso, apesar das diferenças deve ser pensada como uma pequena produção rural.

Figura 6: Feira Provisória dos Ticunas, Tabatinga-AM.

Figura 6: Feira Provisória dos Ticunas, Tabatinga-AM.

Fonte: Hervé Thery, 2014.

49A pequena produção rural é de difícil equacionamento. Técnicas agrícolas rudimentares, índice de produtividade desprezíveis, descapitalização, carências de infraestrutura e de apoio do Poder Público, mercados especulativos e preços não remunerativos, são desafios que enfrenta esse segmento sócio-produtivo. Apesar disso reconhece-se que a produção de alimentos básicos na Região depende, fundamentalmente, desta produção.

Figura 7: Produção regional de frango Benjamin Constant-AM.

Figura 7: Produção regional de frango Benjamin Constant-AM.

Fonte: Carlos Avelino, junho 2014.

50A evidente contradição entre os dois argumentos se explica porque existem duas síndromes em torno da polêmica importância econômica da pequena produção rural: a síndrome da subsistência, pelo fato de não ser financeiramente satisfatória a venda não é prioridade e sim o abastecimento da família; e a síndrome da "aversão ao risco", onde estima-se que a pequena produção rural não tome créditos, nem adote novas tecnologias por temerem endividar-se, tornando-se avessos à mudança.

51Podemos analisar que o argumento acima descreve que o agricultor é avesso à mudanças, o que não condiz muito com a realidade de uma parcela da população que está lutando para sobreviver em meio aos gigantes da produção agrícola. E, quanto ao medo de endividar-se interpretamos como precaução, uma vez que o sistema de crédito e seus infinitos juros se mostram perversos principalmente quando o empréstimo é feito para o pequeno e médio agricultor no interior da Amazônia onde o sistema financeiro creditício é dominado por poucos bancos e por Financeiras que privilegiam empréstimos para quem tem renda fixa comprovada (aposentado, pensionistas, funcionários públicos).

52Os produtores de Atalaia do Norte, Benjamin Constant, São Paulo de Olivença e Tabatinga, cidades localizadas na região do Alto Solimões, se caracterizam por praticarem a agricultura familiar, a pesca e a criação de animais de pequeno porte. Essa produção sustenta o consumo familiar, mas também apresenta uma importante participação no abastecimento regional (Sales et al; 2008). A pecuária nesta região é vista tradicionalmente muito mais como investimento e poupança do que propriamente uma atividade agrícola.

53A pecuária vem ganhando espaço dentro do sistema de produção familiar na várzea e em outras regiões da Amazônia Brasileira. No entanto, não são utilizadas técnicas de melhoramento do gado, separação dos animais por categorias, castração ou descorna. A cobertura das fêmeas ocorre de forma natural, pois os produtores não utilizam a inseminação artificial. A ausência de tecnologias pecuaristas demonstra que, de forma geral, os produtores carecem de informações técnicas avançadas a respeito de pecuária bovina. Os motivos que levam as famílias cada vez mais a optarem pela pecuária, se dá pela liquidez e pela garantia de preço dos produtos e subprodutos, sendo o principal motivo a possibilidade de uma poupança além de contarem com uma flexibilidade para vender em qualquer época do ano, pois sempre há demanda (Sales et al; 2008).

54O gado de corte que abastece o Alto Solimões vem de duas fontes distintas. Um percentual importante deste gado vem de Santarém ou Parintins, viajando por via fluvial levando em média 10 dias para chegarem. Este gado, ao ir subindo o rio Solimões abastece as cidades da região, principalmente Tabatinga e Letícia/Colômbia. É comum observar as embarcações de gado chegarem de madrugada ao porto de Tabatinga de onde vão para abatedouros irregulares, pois o Matadouro Municipal está com as obras paralisadas. Destes abatedouros a distribuição da carne segue por caminhões refrigerados abastecendo de noite os açougues em Tabatinga e Letícia. Na região da tríplice fronteira, apesar de uma população superior a 120 mil habitantes quando somadas as populações das cidades de Tabatinga, Benjamin Constant, Atalaia do Norte no Brasil e Letícia e Puerto Nariño na Colômbia e Caballococha no Peru, inexiste qualquer infraestrutura de Matadouros que sigam os padrões exigidos pela Anvisa ou MAPA.

55A outra fonte de carne bovina vem do lado peruano onde algumas comunidades agrícolas estão produzindo gado tanto na região de Palo Alto – Loreto quanto nas comunidades do Vale do Javari, lado Peruano. Este gado abastece Atalaia do Norte, Benjamin Constant e Caballococha. O lado peruano da fronteira também produz suínos e caprinos que tem uma importância no suprimento destas fontes de proteína no lado brasileiro.

56Machado (2013) analisa a importância das comunidades de agricultores da Associação Evangélica da Missão Israelita do Novo Pacto Universal (AEMINPU) na produção de alimentos e abastecimentos das cidades fronteiriças. Os agricultores, conhecidos localmente como Israelitas, migram do altiplano peruano para a planície amazônica dentro de uma política de ocupação das fronteiras, que no Peru chamou-se “Fronteiras Vivas”. Como agricultores iniciam um processo de colonização e assentamento fortemente voltados à produção de alimentos para subsistência e comercialização do excedente. Como grupo forte organizou um partido político (Frente Popular Agrícola Fia Del Peru - Frepap) que além de concorrer a presidência da republica com candidato próprio, teve dois mandatos na prefeitura de Caballococha e controla a região da fronteira.

57A importância da comercialização do excedente dos agricultores Israelitas pode ser visto nos mercados das cidades da tríplice fronteira em especial com a produção de arroz e feijão de várzea além das verduras e frutas regionais. São também eles que estão com um importante rebanho de gado em especial nas vilas de Palo Alto e Pebas. Os agricultores israelitas abastecem os mercados locais e levam para suas comunidades produtos industrializados, inclusive o frango de origem da agroindústria brasileira.

Figura 8: Agricultor Israelita carregando sua canoa com Frango Industrializado no porto de Tabatinga, Amazonas

Figura 8: Agricultor Israelita carregando sua canoa com Frango Industrializado no porto de Tabatinga, Amazonas

Brasil.Fonte: Carlos Avelino, junho 2014.

58As redes de comercialização de produtos na tríplice fronteira envolvem aspectos culturais e ambientais. Casamentos bi-nacionais permitem o livre transito e a constituição de complexas redes de abastecimento que merecem ser melhor descritos. No lado brasileiro os vendedores são peruanos, e embora já morem no Brasil, mantém contato direto com os produtores de seu país, e através do rio fazem o abastecimento dos alimentos para Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte e demais cidades e vilas do Alto Solimões (Souza, 2014).

59É interessante considerar o fluxo de mercadorias e pessoas na região fronteiriça. Devido à deficiência na fiscalização e à flexibilização gerada por acordos entre os países sul americanos o comércio de mercadorias via Peru/Brasil e vice-versa, acontece normalmente, seja, através dos meios legais ou por meio do contrabando. Resulta que muitas vezes não sabemos qual a real procedência dos produtos que na maioria das vezes não possuem identificação do fabricante ou do produtor, como é o caso dos produtos hortifrutigranjeiros que, misturam-se aos produtos brasileiros na feira e nos estabelecimentos comerciais.

Figura 9: Venda de frango local (esquerda) e da agroindustria brasileira (direta) no mercado de San Pablo de Loreto, Peru.

Figura 9: Venda de frango local (esquerda) e da agroindustria brasileira (direta) no mercado de San Pablo de Loreto, Peru.

Fonte: Acervo Nepecab, set. 2014.

60Deve-se considerar a analise do abastecimento na Amazônia como uma questão que compreende a demanda e a oferta de alimentos nas cidades e quais fatores as configuram. Referente às demandas, temos um processo de urbanização em curso com um forte componente financeiro explicitado nas diversas políticas de desenvolvimento social que transformam rapidamente os hábitos alimentares da população, principalmente a brasileira.

61No tocante a oferta, tem-se o fato de que a produção rural no Amazonas não atende a demanda das cidades, mesmo que classificadas como pequenas. Não se tem no Amazonas uma agroindústria que produza os itens que compõe a cesta básica brasileira ou regionalizada tornando o Amazonas fortemente dependente da produção externa, tanto nacional quanto internacional, peruana. Esta dependência e o fato de que o acesso à grande maioria das cidades no estado se dá principalmente por via fluvial implica em uma complexa rede de abastecimento. Esta rede é fortemente definida pela sazonalidade das cheias e vazantes dos rios que por sua vez implicam em diferentes distâncias para o mesmo lugar.

62Considerações Finais

63Os tempos e os ritmos na Amazônia brasileira cerzem um tecido urbano desigual e diferenciado. A análise do sistema de abastecimento, dos hábitos alimentares e da produção local conjugado com uma prospecção da rede urbana por meio da articulação do abastecimento local permite outros olhares e novos entendimentos sobre a dinâmica da microrregião do Alto Solimões na triplice fronteira Brasil-Peru-Colombia.

Figura 10: A farinha, o peixe e o frango “congelado”

Figura 10: A farinha, o peixe e o frango “congelado”

Fonte: acervo Nepecab.

64Analisar a geografia da fronteira pela geografia da alimentação e do abastecimento permite compreender a complexa dinâmica urbana, as relações cidade-campo em um contexto de soberania alimentar em uma realidade pautada pela vulnerabilidade hidrológica, cheias e secas extremas, que impacta a região do Alto Solimões tanto em termos de acesso quanto de produção. A rede urbana estabelecida a partir da análise destas variaveis indica o forte aspecto transnacional no qual se estabelece uma rede urbana Pan-Amazônica, com alimentos oriundos dos três país. O Brasil participa com os produtos oriundos da agroindústria da região Sul (frango e calabresa) e de outras regiões (oleo de soja, açúcar, café), o Peru com produção rural local (produtos frescos) e de outras regiões (cebola roxa, milho, batata) e alguns produtos específicos como o chocolate e o café, da Colombia.

65Pelos fluxos de alimentos pode-se estabelecer uma rede urbana intensa que vai de San Pablo de Loreto, Peru, até as cidades fronteiriças de Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte. O Comércio peruano, não só de alimentos, é importante em toda a região do Alto Solimões, podendo ser encontrado da franteira até os municípios de São Paulo de Olivença, Santo Antonio do Içá, Tonantins e Jutaí. Nestes municípios mais distantes encontra-se menos produtos frescos oriundos da agricultura peruana e mais produtos chineses que entram pelos portos peruanos.

66Existe um produto alimentício que é simbolico, pois sua prescença é constante e forte, que é a cebola roxa. A cebola roxa é um ingrediente importante na culinária peruana e é praticamente o único tipo de cebola encontrada na microregião do Alto Solimões, todas oriundas da costa peruana e comercializadas por peruanos que estabelecem densas redes de transporte e comércio.

67Neste artigo trouxemos elementos inovadores para a compreensão da dinâmica econômica na tríplice fronteira Brasil-Peru-Colômbia, olhando como se dá os fluxos de alimentos e de produção local e a importância destes no abastecimento das cidades na região. Concluímos que no contexto de forte vulnerabilidade hidrológica, com impactos crescentes de uma nova dinâmica do sistema hidrológico amazônico, compreender as estruturas das redes urbanas de abastecimento e de produção local é imprescindível para se pensar em formas de atuação que incentivem a soberania alimentar em uma região com forte dependência de alimentos produzidos fora da região e os mais baixos índices de desenvolvimento social do Brasil. Não são conclusivas os resultados apresentados, mas indicam fortemente a necessidade de se inovar tanto na pesquisa na fronteira quanto nas áreas de geografia urbana-econômica, e sua interface com a geografia do abastecimento e da saúde.

Haut de page

Bibliographie

AGUIAR, D. G. ; SAMPAIO, F. P. R. ; FILIZOLA, N. P. ; SCHOR, TATIANA . Cesta básica regionalizada e variabilidade hidrológica: o caso das cidades de Manacapuru (AM) e Óbidos (PA). In: Tatiana Schor. (Org.). Dinâmica Urbana na Amazônia. 1ed.Manaus: Valer, 2014, v. 1, p. 151-165.

Battersby, Jane. Beyond the food desert: finding ways to speak about urban food security in South Africa. Geografiska Annaler: Series B, Human Geography 94(2), 2012. p. 141-159.

Belik, Walter. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no brasil. Saúde e Sociedade, v.12, n.1, p.12-20, jan-jun 2003.

Bosi, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1 ed., 1992.

Brasil, Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11346.htm>. Acesso em: 10 jan. 2014.

Brasil a. IBGE. Pesquisa de Orçamentos familiares 2008-2009: Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2010, 130p.

Cabral, Marcela J.; Vieira, Karlla A.; Sawaya, Ana L.; Toledo, Telma M. M. Perfil socioeconômico, nutricional e de ingestão alimentar de beneficiários do programa bolsa família. Estudos Avançados, v. 27, n. 78, p. 71-87, 2013.

Cascudo, Câmara. Antologia da alimentação no Brasil. 2.ed. São Paulo: Global, 2008.

Cascudo, Câmara. História da alimentação no Brasil. 4 ed. São paulo: Global, 2011.

Castro, Josué de. Geografia da fome. 6ª ed. Rio de janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2006.

Costa, Ellen Anjos da; Schor, Tatiana. Redes urbanas, abastecimento e o café da manhã de idosas na cidade de Tefé, Amazonas: elementos para a análise da geografia da alimentação no Brasil.Hygeia,N.9(17):52-73,dez/2013. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/viewfile/22382/13622> acesso em15 fev. 2014

Chonchol, Jacques. A soberania alimentar. Estudos Avançados vol.19 no.55 São Paulo sept./Dec.2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-40142005000300003 acesso em 16 out. 2013.

Coyle, Lindsay; Flowerdew, Robin. Food deserts in Dundee. Scottish Geographical Journal, v. 127, n. 1, march 2011. p. 1-16.

Corrêa, Roberto Lobato. Estudos sobre a rede urbana. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 336 p. 1987.

Didelon, Clarisse. Cartes des goûts, cartes du monde. CONFINS (em ligne), http://confins.revues.org/5863, 6/2009. acessado junho 2015.

Donald, Betsy. Food retail and access after the crash: rethinking the food desert problem. Journal of Economic Geography, v. 13, 2013. p. 231-237.

Figueiredo, R. M. DVA: guia prático para evitar DVA. Doenças veiculadas por alimentos e recomendações para manipulação segura dos alimentos. São Paulo: Vida & Consciência, v. 2. 2001

Franchini, A.; Campos, A.C. Indicadores de competitividade da carne de frango brasileira e o comércio internacional. Revista Eletrônica de Economia, v. 2, p. 1, 2003.

Food and agriculture organization of the United Nations. Declaração de Roma sobre a segurança alimentar mundial e plano de ação da cimeira mundial da alimentação. Roma, 1996. Disponível em: <http://www.fao.org/docrep/003/w3613p/w3613p00.HTM> acesso em: 17 de fev. 2014.

Galeazzi, M; Marchesich, R.; Siano, R. Nutrition country profile of Brazil. Rome: FAO. 2002.

Gartin, Meredith. Food deserts and nutritional risk in Paraguay. American Journal of Human Biology, 21, 2012. p. 296-301.

Gatrell, Jay D.; Reid, Neil; Ross, Paula. Local food systems, deserts, and maps: the spatial dynamics and policy implications of food geography. Applied Geography 31, 2011. p. 1195-1196.

Gragson, Ted. Fishing the waters of Amazonia: native subsistence economies in a tropical rain forest. American Anthropologist New Series, vol. 94, no. 2 (jun., 1992), pp. 428-440. Disponível em:<http://www.jstor.org/stable/680469> acesso em 10 fev 2014.

Gordon, Cynthia; Purciel-Hill, Marnie; Ghai, Nirupa R.; Kaufman, Leslie; Graham, Regina; Van Wye, Gretchen. Measuring food deserts in New York city's low-income neighborhoods. Health and Place, 17, 2011. p. 696-700.

Goulard. Jean Pierre. El medio-amazonas a finales del siglo XVIII: un espacio insumiso. In: Espacios Urbanos y Sociedades Transfronterizas en la Amazonia. Carlos Gilberto Zárate Botía (org.). Leticia - Amazonas - Colombia: Universidad Nacional de Colombia Sede Amazonia. Instituto Amazónico de Investigaciones IMANI, 2012.

Hallett I.V.; Lucius F.; McDermott, Dave. Quantifying the extent and cost of food deserts in Lawrence, Kansas, USA. Applied Geography, v. 31, n. 4, p. 1210-1215, 2011.

Hirai, Wanda Griep; Anjos, Flávio Sacco dos. Estado e segurança alimentar: alcances e limitações de políticas públicas no Brasil. Textos & Contextos:Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 335-353, 2007.

Hubley, Teresa A. Assessing the proximity of healthy food options and food deserts in a rural area in Maine. Applied Geography. Volume 31, Issue 4, october 2011, pages 1224–1231. Disponível em:http://dx.doi.org/10.1016/j.apgeog.2010.09.004.

Lefebvre, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991[1968].

Loureiro, Antonio José Souto. O Amazonas na época imperial. Manaus: Valer, 2. Edição. 2007. 328p.

Machado, Bruno Caldas. A presença dos agricultores israelitas do Novo Pacto Universal na região Peruana de Loreto . REVISTA GEONORTE, Edição Especial 3, V.7, N.1, p.965-979, 2013.

Marinho, Thiago; Schor, Tatiana. Segregação socioespacial, dinâmica populacional e rede urbana na cidade de parintins/am. Geografares – Revista do Departamento de Geografia da UFES, n. 07, vol. 06, p. 77-92, 2009.

Marinho, Thiago; Schor, Tatiana. Nos interflúvios do rural e do urbano na Amazônia: o caso de Codajás-Amazonas, Brasil. Acta Geográfica (ufrr), v. 6, p. 69-81, 2012.

McEntee, J.C. Re-localization of rural food systems: a key ingredient in the creation of sustainable communities?. Presented at the Association of American Geographers Annual Meeting. Las Vegas, nv. 22–27 March 2009.

McEntee, Jesse; Agyeman, Julian. Towards the development of a GIS method for identifying rural food deserts: geographic access in Vermont, USA. Applied Geography, v. 30, n. 1, p. 165-176, 2010.

Moraes, André; Schor, Tatiana. Mercados, tabernas e feiras: custo de vida nas cidades na calha do rio Solimões. Fortaleza: Mercator, v. 9, n. 19, p. 101 a 115, 2010a.

Moraes, A; Schor, T; Alves-Gomes, J. A. O mercado de bagres e a configuração da rede urbana no alto e médio Solimões, Amazonas, Brasil. Presidente Prudente:Caderno Prudentino de Geografia, v. 1, p. 93-110, 2010b.

Moraes, André; Schor, T; Alves-Gomes, J. A.. Relações de trabalho e transporte na pesca de bagres no rio Solimões-AM. Belem: Novos Cadernos NAEA, v. 13, p. 155-170, 2010c.

Moraes, A.; Schor, T. As redes urbanas na Amazônia: a cidade como o começo e o fim. Costa Rica: Revista Geográfica de América Central, v. 2, Edição Especial, pp.1-16, 2011.

Moraes, André. Peixes, redes e cidades: aspectos socioambientais da pesca comercial de bagres no médio e alto Solimões – AM. Manaus: Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia, Universidade Federal do Amazonas, 2012 [dissertação de mestrado]

Movimento dos Pequenos Agricultores. Plano Camponês da agricultura Camponesa para toda Sociedade. Coletivo de Formação do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) do Espírito Santo, 2012. Disponível em:www.mpabrasil.org.br/download/file/fid/7378, acesso em 02/05/2014.

Murrieta, Rui. Dialética do sabor: alimentação, ecologia e vida cotidiana em comunidades ribeirinhas da ilha de Ituqui, baixo amazonas, Pará. São Paulo: Revista de Antropologia, v. 44,n. 2, 2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0034-77012001000200002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 10 abril 2014. http://dx.doi.org/10.1590/s0034-77012001000200002.

Nardoto, G; Murrieta, R; Prates, L.E.G; Adams, C; Garavello, M.E.P; Schor, T; Moraes, A.; Rinaldi, F.D; Gragnani, J.G; Moura, E. A.; Duarte-Neto, P .J.; Martinelli, Luis A. Frozen chicken for wild fish: nutritional transition in the Brazilian Amazon region determined by carbon and nitrogen stable isotope ratios in fingernails. American Journal of Human Biology, v. 23, p. 642-650, 2011.

Nascimento, Amália L.; Andrade, Sonia L. S. de. Segurança alimentar e nutricional: pressupostos para uma nova cidadania?. São Paulo: Ciência e Cultura, v. 62, n. 4, oct. 2010 . Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0009-67252010000400012&lng=en&nrm=iso>. Acesso: 17 oct.2013.

Nasi, R.; Taber, A.; Van Vliet, N. Empty forests, empty stomachs? Bushmeat and livelihoods in the Congo and Amazon basins. International Forestry Review, vol. 13(3), 2011 p.355-368.

Nogueira, Ricardo J.B. As redes geográficas na fronteira da amazônia. Acta Geográfica, v. 2, n. 3, p. 41-57, 2010.

Pascual. Blanca Yague. Haciendo comestible la ciudad: los indigenas urbanos de Letícia y sus redes desde la soberania alimentar. Maestria en Estudios Amazonico, Universidad Nacional de Colombia, Sede Amazonia, Letícia, 2013.

Pereira, C. M. M. de A; Melo, Mário R; Santos, M. H. O agronegócio do frango de corte: um estudo de caso sob a ótica da economia dos custos de transação. São Paulo: Informações Econômicas, v. 37, n. 1, jan. 2007.

Pinotti, Raquel N. Análise comparativa dos mecanismos de governança das redes agroindustriais avícolas da macrorregião de Ribeirão Preto–SP e de Santa Catarina. São Carlos: UFSCAR, 2005

Pinzani, Alessandro; Rego, Walquiria Domingues Leão. Vozes do Bolsa Família. Autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Editora UNESP, 2014.

Rebelo, George; Pezzuti, Juarez. Percepções sobre o consumo de quelônios na amazônia: sustentabilidade e alternativas ao manejo atual. Campinas: Ambiente e. Sociedade, ,n. 6-7,june2000 . Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/s1414-753x2000000100005.>. Accessado em: 15 fev. 2014.

Ribeiro, Marina L. Produtos in natura enquanto pressuposto de análise para segurança Alimentar em Tabatinga e Tefé - AM. Relatório final de iniciação científica – Departamento de Geografia. XXI Congresso de Iniciação Científica. Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2012.

Russell, Scott E.; Heidkamp, C. Patrick. ‘Food desertification’: the loss of a major supermarket in New Haven, Connecticut. Applied Geography, v. 31, n. 4, p. 1197-1209, 2011.

Sales, J. P., Noda, S., Mendonça, M. A.; Branco, F. M. C. A pecuária no sistema de produção familiar na microrregião do alto Solimões, Amazonas. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 3, n. 1, 2008.

Santos, Francisco Pinto dos. Mantendo a floresta em pé? Uma análise do Programa Bolsa Floresta como modelo de pagamento por serviços ambientais na RDS Uacari. Manaus:UFAM, Dissertação de Mestrado (Sociedade e Cultura na Amazônia).

Sawaya, A. Lydia; Filgueiras, Andrea. “Abra a felicidade”? Implicações para o vício alimentar. São Paulo: Estudos Avançados 27 (78), 2013.

Schor, Tatiana. As cidades invisíveis na Amazônia Brasileira. Mercator, v. 12, n. 28, p.67-84, mai/ago. 2013.

Schor, Tatiana; Camilo, E. A. Cadê o mingau de banana que estava aqui? Transformações dos hábitos alimentares no Amazonas.. In: José Aldemir de Oliveira. (org.). Espaço, saúde e ambiente na Amazônia: ensaios de geografia da saúde. São Paulo: Outras Expressões, v. 1, 1ed. p. 109-125, 2013.

Schor, Tatiana; Costa, Danielle. P. Rede urbana na amazônia dos grandes rios: uma tipologia para as cidades na calha do rio Solimões - AM. In: Elson Manoel Pereira; Leila Christina Duarte Dias. (org.). As cidades e a urbanização no Brasil: passado, presente e futuro. Florianópolis: Insular, 1ed. v. 1, p. 129-146, 2011.

Schor, Tatiana; Oliveira, José A. Reflexões metodológicas sobre o estudo da rede urbana no amazonas e perspectivas para a análise das cidades na amazônia brasileira. Acta Geográfica, Numero Especial, p. 15-30, 2011.

Schor, Tatiana; Marinho, Rogério; Costa, Danielle Pereira da; Oliveira, José Aldemir de. Cities, Rivers and Urban network in the Brazilian Amazon. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities Research Medium, Ituiutaba, v. 5, n. 1, p. 258-276, jan./jun. 2014.

Silva, F. W. R. As variações dos índices de preço e cesta básica na cidade de Manaus, no período de 1994 a 1999. Faculdade de Estudos Sociais, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 79f, 2000.(Trabalho de Conclusão de Curso)

Silva, José C.T. A cadeia produtiva da avicultura: produção, comércio e consumo. Disponível em: < http://www.sna.agr.br/agribusiness/wp-content/uploads/4c_josecarlosteixeira.pdf >. Acesso em: 04 abr. 2013.

Shortridge, Barbara G.A. Food geography of the great plains. Geographical Review 93(4):507-529. JSTOR,<http://www.jstor.org/stable/30033940>, acessado em 19 jan. 2014.

Slack, Tim; Myers, Candice A. Understanding the geography in food stamp program participation: does space and place matter? Social Science Research, 41, 2012. p. 263-275.

Souza, Alex Sandro Nascimento de. A cidade na fronteira: Expansão do comércio peruano em Benjamin Constant no Amazonas – Brasil. Manaus: UFAM, Dissertação de Mestrado (Geografia) 2014.

Tavares-Pinto, Moises Augusto. A caça e a pesca na beira de Tabatinga: um estudo do mercado de recursos naturais na tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru. Manaus: UFAM, Dissertação de Mestrado (Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia), 2015.

Whelan, Amanda; Wrigley, Neil; Warm, Daniel; Cannings, Elizabeth. Life in a'food desert'. Urban studies, v. 39, n. 11, p. 2083-2100, 2002.

Winklerprins, antoinette mga; de souza, perpetuo s. Surviving the city: urban home gardens and the economy of affection in the brazilian amazon. Journal of latin american geography, v. 4, n. 1, p. 107-126, 2005.

Van Vliet, Nathalie; Nasi, Robert. Hunting for livelihood in northeast gabon: patterns, evolution, and sustainability. Ecology & society, v. 13, n. 2, 2008.

Haut de page

Notes

1 Os resultados que embasam este artigo provêem das seguintes pesquisas: PRONEX/FAPEAM – NEPECAB - “Cidades Amazônicas: dinâmicas espaciais, rede urbana local e regional”, e “Do peixe com farinha a macarronada com frango: uma análise das transformações na rede urbana no Médio e Alto Solimões.- CNPq/Universal, PROCESSO NUMERO:475311/2010-8. A pesquisa foi produzida no âmbito do Nucleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amazônia Brasileira (NEPECAB). Agradecemos as fontes financiadoras sem as quais o trabalho de campo na região seria impossível.

2 Utilizamos o termo “congelado” pois no processo de transporte o frango industrializado que deveria vir congelado sofre um processo de congela-descongela-congela e em muitos estabelecimentos comerciais é vendido descongelado.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Localização das micro-redes urbanas estudadas.
Crédits Org: Tony Sena, 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 2: Localização das cidades analisadas.
Crédits Org: Moisés Tavares-Pinto e Thiago Marinho, 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Figura 4: Comparativo de exportações de carne de frango.
Crédits Fonte: UBABEF, (2013)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Figura 5 : Venda de Frango da agroindústria Brasileira e da produção local colombiana, em Tabatinga.
Crédits Fonte: Carlos Avelino, junho 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 6: Feira Provisória dos Ticunas, Tabatinga-AM.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 6,0M
Crédits Fonte: Hervé Thery, 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 7,8M
Titre Figura 7: Produção regional de frango Benjamin Constant-AM.
Crédits Fonte: Carlos Avelino, junho 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 10,0M
Titre Figura 8: Agricultor Israelita carregando sua canoa com Frango Industrializado no porto de Tabatinga, Amazonas
Crédits Brasil.Fonte: Carlos Avelino, junho 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Figura 9: Venda de frango local (esquerda) e da agroindustria brasileira (direta) no mercado de San Pablo de Loreto, Peru.
Crédits Fonte: Acervo Nepecab, set. 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Figura 10: A farinha, o peixe e o frango “congelado”
Crédits Fonte: acervo Nepecab.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10254/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 3,5M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Tatiana Schor, Moisés Augusto Tavares-Pinto, Francisco Carlos da Costa Avelino et Marina Lelis Ribeiro, « Do peixe com farinha à macarronada com frango: uma analise das transformações na rede urbana no Alto Solimões pela perspectiva dos padrões alimentares. », Confins [En ligne], 24 | 2015, mis en ligne le 21 juillet 2015, consulté le 26 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/10254 ; DOI : 10.4000/confins.10254

Haut de page

Auteurs

Tatiana Schor

Professora Doutora Associada – Departamento de Geografia Universidade Federal do Amazonas – Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amazônia Brasileira; tschor@ufam.edu.br

Articles du même auteur

Moisés Augusto Tavares-Pinto

Economista, Mestre do Programa de Pós-graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia, Universidade Federal do Amazonas, Pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amazônia Brasileira

Francisco Carlos da Costa Avelino

Pesquisador Júnior do Núcleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amazônia Brasileira

Marina Lelis Ribeiro

Geografa.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org