Navigation – Plan du site
Resenhas

Os arquitetos de um mundo melhor: o falanstério da península do Saí, Santa Catarina (1841-1844)

Les architectes d'un monde meilleur : le phalanstère de la péninsule du Saí, Santa Catarina (1841-1844)
The architects of a better world: the phalanx of the Saí peninsula, Santa Catarina (1841-1844)
Rubenilson Brazão Teixeira
Référence(s) :

VIDAL, Laurent. Ils ont rêvé d’un autre monde. Paris : Flammarion, 2014.

Texte intégral

118 de dezembro de 1841. Um grupo de artesãos e operários franceses, após uma viagem cansativa de travessia do Atlântico, caminhou pelas ruas empoeiradas sob o sol escaldante da então capital do Brasil, o Rio de Janeiro, em direção ao palácio imperial para uma audiência com o jovem imperador, D. Pedro II, então com apenas 15 anos. Quem eram esses visitantes do palácio? O que desejavam eles obter do imperador?

2O discurso feito na ocasião pelo líder desse estranho grupo de 113 pessoas, homens, mulheres e crianças, foi reproduzido no Jornal do Commercio de 21 de dezembro de 1841. O artigo, com o qual Laurent Vidal se deparou por acaso, o intrigou por mais de 20 anos, antes que ele resolvesse se aventurar no mistério dessa visita, registrada nesse “fragmento de história em estado bruto”, sem “começo nem fim”, como ele afirma, esforço que resultou em seu mais novo livro, “Ils ont rêvé d’un autre monde” (eles sonharam com outro mundo), publicado pela Flammarion, em 2014, ainda não traduzido para o português.

3O livro conta a aventura épica de artesãos e operários franceses, que em seis expedições diferentes, entre fins de 1841 e início de 1844, abandonaram o seu país natal e se aventuraram em direção ao sul do Brasil à procura da construção de um novo modo de ser e viver em sociedade. Artesãos de seu destino, enfrentaram o Atlântico e abraçaram o novo mundo – tanto no sentido literal quanto simbólico. Propunham uma sociedade alternativa como contraponto e crítica à sociedade industrial decadente e injusta que então se forjava na Europa. A comunidade que eles pretendiam fundar seria a prefiguração de um mundo melhor, o da harmonia, último estágio do processo evolutivo da sociedade, segundo o pensamento de Charles Fourier (1772-1837), seu guia espiritual e ideológico, um digno representante do chamado socialismo utópico que marcou particularmente a Europa entre fins do século XVIII e primeira metade do século XIX. Os visitantes do palácio imperial vieram fundar um falanstério – como Fourier batizou as comunidades por ele idealizadas - e o local escolhido para a realização dessa utopia foi a península do Saí, litoral norte de Santa Catarina, perto da então vila de São Francisco do Sul.

4A análise desse livro permite várias leituras, pois são muitos os caminhos e desdobramentos possíveis. Contudo, vou me valer dos três indícios que o próprio autor, Laurent Vidal, detectou no discurso feito para o imperador e que serviu de pontapé inicial de sua investigação, assim como de guia para a estruturação do seu livro.

5O primeiro indício se revela no “apelo das palavras”. O discurso está impregnado de expressões que indicam um ideal de sociedade: “promessas”, “prodígios”, “felicidade”, “o mundo do porvir”, “destinos imensos e misteriosos”, “idade de ouro”, os quais associam indubitavelmente esses peregrinos aos ideais fourieristas. De fato, ao longo de todo o livro, Laurent Vidal discorre sobre os muitos eventos e desdobramentos relacionados a essa aventura sob a ótica desses ideais, presentes desde a fase de preparação, ainda em solo francês – a exemplo da descrição do percurso de vida dos principais ideólogos da causa fourierista, dos banquetes, das festas, das reuniões preparatórias, das publicações nos órgãos de imprensa propagadores da causa, na organização e na partida dos construtores desse novo mundo - até a fase de implantação da colônia em solo catarinense. Os ideais de Fourier, em alguns casos reinterpretados, acompanharam alguns obstinados e irredutíveis, que insistem nesse sonho contra todas as expectativas em contrário. O primeiro indício remete, portanto, ao campo da utopia.

6O segundo indício é o da “arquitetura do mundo”. Segundo Laurent Vidal, “’esses filhos da velha Europa’ são arquitetos, no sentido simbólico, isto é, seus gestos e maneira de ser traduzem a singularidade de sua relação com o mundo, o seu desejo de inventar um novo”. De fato, a aventura expressa, por parte de seus principais protagonistas, e dos muitos doutrinados e ganhos à causa, o desejo ardente de construção desse novo mundo. O livro discorre longamente sobre os vai-e-vem, as tentativas, os acordos, os dilemas, as lutas intestinas e as dificuldades encontradas na grande tarefa de transformação da “terra prometida” no mundo sonhado, o da falange – representada idealmente por um edifício enorme, de arquitetura monumental caracteristicamente clássica, muito distante do que eles conseguiram realmente realizar. Esse segundo indício remete, portanto, à invenção de um território.

7O terceiro e último indício, presente no discurso diante do imperador, foi o da imigração europeia ao novo mundo. Nesse sentido, o livro trata do deslocamento de grupos de pessoas, famílias inteiras cujos chefes eram operários das mais variadas formações (carpinteiros, ferreiros, caldeireiros, maquinistas, agricultores, lenhadores, etc.), e até médicos e arquitetos, que gozavam de maior prestígio social. Fugindo da opressão em que se encontrava a classe trabalhadora no velho mundo, eles apostaram na possibilidade de reinventar essa nova sociedade em solo sul-americano. O livro transmite assim a noção de “corpos em movimento” no espaço, e não somente no tempo, a sua estrutura em quatro partes fornecendo a sensação do antes, do durante e do depois da travessia do Atlântico. Nisso reside o seu terceiro indício: o da história atlântica ou em torno do Atlântico.

8Esses três indícios guiaram toda obra, e numa resenha não há espaço para uma discussão aprofundada sobre as possibilidades de discussão que eles oferecem ao leitor. Contudo, gostaria de destacar alguns pontos que fazem a grande relevância do trabalho.

9O primeiro aspecto diz respeito ao método. Laurent Vidal procurou entender a aventura da comunidade de franceses no Saí (foram na verdade duas colônias, a do Palmital e a do Saí, resultantes justamente das querelas internas dos seus principais protagonistas desde a Europa) não apenas como um historiador-pesquisador, mas como um verdadeiro detetive, um Sherlock Holmes interessado nem tanto em descobrir culpados e inocentes, mas em traçar o itinerário dos protagonistas do episódio. Como tal, ele contrapôs informações fragmentadas nas mais diversas fontes e arquivos no Brasil e na França, cruzou itinerários pessoais e os acompanhou mesmo após o término da aventura. Também não se descuidou de analisar vários trabalhos acadêmicos e pesquisas por autores brasileiros sobre a mesma aventura. Surpreende-nos a sua perspicácia na atenção aos mínimos detalhes de um dado coletado, de uma data aparentemente sem importância para costurar sua narrativa, encontrar conexões, fazer especulações. Nada parece escapar ao seu olhar atento. Foi necessário, como ele mesmo diz, seguir as “luzes fugidias dos vagalumes” para concatenar itinerários diversos, sempre impregnados de reticências, a fim de conferir algum sentido estruturado aos acontecimentos.

10O segundo aspecto digno de nota está na exposição cristalina que o autor faz da ambiência cultural, ideológica, histórica e política da primeira metade do século XIX, tanto do lado de lá quanto do lado de cá do Atlântico, pano de fundo necessário para a correta compreensão do evento estudado. Discorre, por exemplo, sobre as querelas políticas entre os adeptos ou ex-adeptos de Saint-Simon e os de Fourier, as clivagens ou facções ideológicas dentro dos próprios movimentos em solo europeu e de como elas interferiram no processo de implantação das duas colônias no Brasil. Outras fontes de inspiração, não menos utópicas porque vistas como uma promessa messiânica de salvação da humanidade, a exemplo da homeopatia, são também analisadas. Interessante é destacar, ainda, a readaptação e insistência do pensamento utópico mesmo após o final da experiência. Também é possível entrever a situação da classe trabalhadora na França, oprimida e reprimida pelo establishment político, motivação maior para a busca de outro mundo possível em outro lugar.

11Quanto ao Brasil, se evidencia a questão da imigração europeia, um dos aspectos mais marcantes da sua história naquele século. O desejo de europeização, caro a nossas elites, se revela na compreensão de que esses trabalhadores franceses relativamente especializados poderiam, num país de mão de obra escrava, contribuir para o esforço de industrialização, a ponto de o governo imperial ter subsidiado financeiramente a experiência. As elites brasileiras e algumas autoridades estrangeiras pareciam indiferentes, ignorantes ou mesmo céticas quanto aos bons fundamentos das teorias fourieristas que animavam os seus protagonistas. Afinal, esse era antes de tudo um debate europeu. As elites estavam pragmaticamente interessadas, contudo, no potencial que a vinda de imigrantes franceses – como de várias outras nacionalidades, aliás, - representava para a europeização do Brasil, particularmente como motor do desenvolvimento da agricultura e principalmente da indústria.

12O terceiro aspecto, não menos importante, remete ao estilo da redação do autor. A obra inteira é marcada por profundo lirismo e poesia. O texto é pontuado por referências poéticas, alusões filosóficas, reflexões sobre a natureza humana e suas contradições, ou pelo uso de alegorias, a exemplo dos hinos e músicas cantadas pelos falansterianos. Os títulos, a começar pelos das quatro partes em que o livro se estrutura: “os visitantes do palácio”, “arqueologia de uma esperança”, “homens vieram” e “as feridas da utopia”, assim como no interior de cada parte, são muito reveladores desse caráter romântico e poético da obra: “os que esperam”, “do lugar ao espírito do lugar”, “os soldados da harmonia”, “os Sísifos modernos”, “o vaguear dos vagalumes”, etc. As reflexões conclusivas no final de cada uma das quatro partes, quase intimistas e escritas na primeira pessoa do singular, como também ao longo do texto, terminam por convidar o leitor a dialogar com o autor. Enfim, o lirismo do livro, aliado ao tom de inquérito investigativo, contribui para que a obra ultrapasse o status de uma pesquisa acadêmico-científica, o que já seria muito, e alcance o patamar de um romance histórico, uma saga como gênero de narrativa de deliciosa leitura. Embora outras leituras possíveis possam ser destacadas, como disse, creio que esses três são suficientes para fundamentar a convicção de que se trata de uma obra ímpar.

13Ao final da experiência, as duas colônias do Saí haviam atraído para o Brasil pouco mais de 580 franceses, ainda que nem todos chegassem ao destino final, instalando-se muitos deles no Rio de Janeiro. Ambas fracassaram em seus objetivos. Nesse sentido, é forçoso lembrar os pontos de contato que podem ser estabelecidos com outra utopia francesa também fracassada no Brasil, ocorrida em meados do século XVI. A fundação de uma França Antártica, no local onde poucos anos depois seria fundada a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, a mesma que cerca de três séculos depois acolheria muitos dos desiludidos do Saí, mereceria, por sua natureza igualmente utópica, ainda que de outro matiz, uma discussão e aproximação comparativa com o caso catarinense.

14Falanges ou comunidades societárias inspiradas pelos ideais de Charles Fourier foram ensaiadas em outras partes do mundo, como bem mostra o autor. A essas se acrescentam outras tentativas semelhantes, levadas a cabo a partir do pensamento e ideais de outros socialistas utópicos, como Robert Owen, Etienne Cabet e Jean-Baptiste Godin. Esses visionários e seus seguidores foram além da simples convicção de que outro mundo era possível, pois adentraram corajosamente no campo da sua concretização. Para eles, “a felicidade mora ao lado e quem não é tolo pode ver”, como diz a bela letra, também utópica, da música O Sal da Terra, de Beto Guedes. Aliás, por mais infantil e ingênua que possam parecer suas ideias, criticadas, por isso mesmo, por Marx e Engels, pelo menos ninguém pode acusá-los de serem fatalistas, indiferentes, passivos diante do destino. Os franceses que vieram fundar as colônias do Saí certamente não o eram.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10375/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 147k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rubenilson Brazão Teixeira, « Os arquitetos de um mundo melhor: o falanstério da península do Saí, Santa Catarina (1841-1844) », Confins [En ligne], 24 | 2015, mis en ligne le 24 juillet 2015, consulté le 26 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/10375

Haut de page

Auteur

Rubenilson Brazão Teixeira

Professor do Departamento de Arquitetura e do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGAU) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), rubenilson.teixeira@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org