Navigation – Plan du site
Crónicas de campo

História de um pioneiro brasileiro

Histoire d'un pionnier brésilien
History of a Brazilian pioneer
Messias Lopes de Mello

Entrées d’index

Index géographique :

Amazônia, Tocantins, Goiás
Haut de page

Texte intégral

Messias Lopes de MelloAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry

©Hervé Théry 2004

Introdução

1Este texto foi escrito em 1999 e 2000 visando traçar os caminhos de um pioneiro, um dos objetos duma pesquisa de doutorado. A tese tratava das políticas públicas territoriais na Amazônia brasileira e dos conflitos entre conservação e desenvolvimento, e o autor considerou adequado – e o júri concordou com ele – de dar voz a um dos anônimos afetados por estas políticas, a um desses pioneiros sem os quais estas políticas não teriam razão de ser.

2Pois é o desejo irreprimível, por parte desses pioneiros, de se deslocar para essas terras desconhecidas que permitiu desenvolve-las, construir estradas e cidades, mas também - nós não podemos escondê-lo – levou uma degradação significativa das suas florestas e rios. Messias Lopes de Mello (1926-2015) era um desses pioneiros, ele participou da frente pioneira ao longo da estrada Belém-Brasília, logo após a construção da nova capital. Ele sofreu as consequências do golpe militar de 1964, testemunhou a repressão da guerrilha do Araguaia. Ele ganhou uma terra na Transamazônica (mas teve que abrir uma trilha na mata para alcançá-la). O Plano Real 1994 permitiu-lhe retirar-se com honra da aventura amazônica e retornar para o sul, onde completou uma carreira exemplar.

3Para contribuir a pesquisa, Messias contou a sua vida em um caderno escolar emprestado de um de seu neto. Outra neta transcreveu o texto em seu computador, seu genro desenhou o mapa que retraça as suas andanças. Escrever este texto deve ter sido um grande esforço para ele, que só estudou quatro anos, mas o resultado, claro e preciso, é informativo e comovente. A palavra está com ele

Messias conta a sua historia

4“Eu Messias de Mello, conhecedor primitivo de partes da Belém-Brasília, relato que, mais ou menos pelos anos de 1957, parti de Olímpia, interior de São Paulo, com o meu amigo Sr. Elizeu Denadai com destino ao Buriti Alegre de Goiás para comprar bois, região de grande pecuária. De lá resolvemos conhecer Goiânia, pernoitamos no Hotel Itajubá, na praça Araguaia, lá conversamos com fazendeiros e nos informaram que em Planaltina de Goiás, encontrava-se bois com preços bons. Partimos para lá, e quando chegamos, localizamos um fazendeiro, dizendo que havia uma boiada na sua fazenda no vale do Rio Paraná. Falamos em negociar os valores da boiada e que preço nos agradaria, foi quando o fazendeiro nos disse que o sistema da região era baseado nas seguintes formas: eu adiantaria parte do pagamento, ele pegaria os bois e, depois de 20 dias, eu poderia voltar para aparta-los. Isto acontecia porque era sertão e não havia cerca naquela época. Criava-se no aberto ninguém tinha fazendas fechadas. Conhecia-se seu animal pela marca. Então, diante dessas propostas desistimos do negócio.

Figura 1 O percurso de Messias Lopes de Mello

Figura 1 O percurso de Messias Lopes de Mello

5Voltamos para Goiânia. Descobrimos que a área de Ceres era uma região com pastos fechados, e encontraríamos bois de boa qualidade. Fomos a Ceres, informados para falar com Sr. Mariano Rodriguez, fazendeiro no povoado de Castrinópolis. Encontramos os bois, mas eram novos demais e procurávamos por uma boiada mais velha. Então ele nos encaminhou para o Sr. Uilton Monteiro da Rocha, proprietário da Fazenda Matão, em Porangatú, na estrada Belém-Brasília. Quando chegamos na fazenda, fomos bem recebidos e debatemos o assunto, mas o fazendeiro tinha acabado de vender uma boiada e nos disse que dentro de 20 a 30 dias teria outra para nos mostrar.

No Norte de Goiás

6Segundo mais informações, seguimos para Porto Nacional, Miracema do Norte e Cristalândia. Eram as pequenas cidades existente naquela época.

7Resolvemos ir para Cristalândia, a 400 quilômetros de Porangatú e 800 de Anápolis. A estrada Belém-Brasília estava em partes encascalhada e em outras somente desmatada e raspada, não havia desvios. Chegando em Cristalândia, tomamos conhecimento com fazendeiros. Lá conhecemos Celso Maranhão e Antenor Aguiar, ambos fazendeiros e comerciantes. Em Cristalândia, no ano de 1958, as transações comerciais eram muito difíceis pois não havia estradas e tudo era transportado através de cargueiros, levados para o rio Tocantins e de lá seguia para Belém, de balsa. Quando se aproximava de algum tipo de corredeira, era preciso tirar as mercadorias e transportá-las por me.io de cargueiros. Havia outra alternativa também, por meio de avião, que passava uma vez por semana, indo de Belém a Goiânia, e vice-versa, passando, na época, por Marabá, Imperatriz, Tocantinópolis, Carolina, Filadélfia, Pedro Afonso, Araguacema (margem do rio Araguaia) e Miracema do Norte. A margem direita do rio Tocantins era habitada por índios.

Figura 2 O percurso de Messias Lopes de Mello, Sudeste e Centro-Oeste

Figura 2 O percurso de Messias Lopes de Mello, Sudeste e Centro-Oeste

8Voltando para Goiânia vimos 35 bois do fazendeiro Benedito Almeida e acabamos comprando. Naquele tempo, não havia banco, então tivemos que voltar para Olímpia para buscar o dinheiro. E todo o dinheiro era levado em espécie. Dentro de 40 dias comprei 750 bois.

9No mesmo ano (1958), formamos uma comitiva para transportar a boiada. Na comitiva tinha 4 cargueiros para levar todos os materiais como panelas e comida, rolos de arame para fazer um curral para, todos os dias a tarde, na hora da parada, prender os bois. Pregava-se o arame de uma árvore a outra, em círculo, e no outro dia soltava a boiada e fazia a contagem. Não havia estradas, só trilhas e precisávamos arrancar o arame das árvores e enrolar as duas bolas e púnhamos em cima do cargueiro. Assim, foram os 47 dias de viagem até o pontal do Rio Água Fria com o Javaé, que era um dos braços do Araguaia. Jantar e almoço eram feitos nas margens dos córregos e pousadas debaixo de árvores. Neste percurso, passamos apenas por quatro casas, margeando o Rio Araguaia.

10Eu voltei da Fazenda Agua Fria, perto do rio Javaé, que naquela época pertencia a um Senhor, Brigadeiro Clóvis Classi, que não conhecia, e aluguei um caminhão da fazenda para nos levar em Porangatú e. trazer 100 sacos de sal até a fazenda, distância de 200 Km. Desta fazenda até onde estava a boiada para engordar tinha mais 20 Km e não havia estradas, tudo era transportado pelos cargueiros da comitiva até o local

Figura 3 Caminhão boiadeiro e estrada nos anos 1970

Figura 3 Caminhão boiadeiro e estrada nos anos 1970

©Hervé Théry 2007 e http://www.clasf.com.br/​q/​caminhao-mb-toco-boiadeiro/​

11A jornada estava completando 4 meses e, para viajar de Porangatú à Olímpia, eu e os peões esperamos pelo caminhão do Sr. Elizeu, que estava em Cristalândia, voltar para Olímpia. Neste período de engorda da boiada, eu e o Elizeu ficamos levando mercadorias de Olímpia para Cristalândia. Vendíamos os produtos, comprávamos porcos magros e púnhamos no caminhão e levávamos para Rio Verde, Bom Jesus, Itumbiara, Quirinópolis e depois vendíamos para engordar, pois aquelas regiões estavam em plena agricultura de milho para formação das fazendas. Naquele tempo, não havia meios de industrialização do milho e tudo era aproveitado para tratar dos porcos. Neste tipo de comércio houve muito prejuízo tanto no comércio de porcos como no de mercadorias.

12Depois da boiada ter ficado 87 dias, ela foi vendida para um senhor de Belém, Sr. Pedro Gomes. Este, levou a boiada de volta para Cristalândia, abateu-a e transportou de avião para Belém. O negócio foi a prazo e. o comprador não honrou o combinado, e levamos um ano para receber o que havíamos negociado, sem nenhuma atualização, ou reajuste, ou seja, levamos prejuízo novamente. Até recebermos o dinheiro da boiada, fizemos comércio de mercadorias e porcos, assim, completou um ano.

13Depois que recebemos o dinheiro, eu e Elizeu repartimos e, com a minha parte, comprei uma fazendinha lá em Ceres, do Sr. Lauriano Severino Botelho, mais ou menos no ano de 1959. Ali, fui trabalhar com Rubens Marcondes, ele era um amigo, e me deu dinheiro para comprar 200 bois. Em 1963, na minha fazenda em Ceres, o Sr. Tunico Pinheiro me propôs urna sociedade de 450 bois, para repartir o lucro. Então, aluguei uma fazenda na margem do Rio Ouro, em Porangatú por um ano, para pôr os bois do Sr. Tunico.

14Depois que fizemos o negócio, passado um ano, entrou a revolução, foi deposto o Sr. Presidente João Goulart e com a gestão do Exército, o preço do boi gordo caiu, na época a arroba era 31.000 cruzeiros, baixou ou para 18.000 cruzeiros. Resultado: ninguém queria vender bois com este preço.

15O Governo criou entidades compostas de 1 tenente e 4 soldados, que iam nas fazendas e avisavam aos fazendeiros que no dia seguinte os caminhões viriam pegar bois para o abate. Primeiramente os tenentes iam à Casa da Lavoura, ou no Posto Fiscal e informavam quantas cabeças de gados os fazendeiros possuíam. Consequentemente requisitavam uma parte ao preço de 18.000 cruzeiros, com 30 dias de prazo e levavam. Na época, o Sr. Nego de Mello, nosso primo, proprietário da Fazenda Santa Amélia em Auriflama, interior de São Paulo, tinha comprado 400 bois para engorda. A inspeção do exército foi à Fazenda e requisitou 250 bois, e abateu-os em Araçatuba no Frigorífico Tumaia. Essa requisição durou mais ou menos 2 anos e meio. E os negócios, ou melhor, o preço do gado, em geral, teve uma grande desvalorização. Como eu estava com os bois do Rubens Marcondes e os do Tunico Pinheiro em sociedade para repartir o lucro, em um ano os bois engordaram e a única solução era vende-los e acertar com a sociedade. Foi quando vendi os bois. Fizemos o acerto e apuramos o custo.

16A desvalorização do dinheiro prejudicou e eu acabei ficando com várias despesas relacionadas ao pasto, sal, vacinas, remédios, peões. Isso me obrigou a vender a fazenda de Ceres para arcar com as dívidas. Isto aconteceu em 1968.

17Depois de colocar a vida em dia, comprei a Fazenda Santa Rosa, em Paraíso do Norte, Goiás, com 500 hectares. Lá trabalhei por dois anos, com capital do Sr. Rubens Marcondes. Naquela época eu também possuía um caminhão de boiadeiro, com o qual eu sustentava minha casa, fazendo fretes.

Na Amazônia

18No ano de 1976 eu vendi 120 bezerros ao Sr. Florentino Garcia, em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, mas neste ano eu já estava morando em Altamira, Pará. A Transamazônica estava recém construída, tinha a cada 100 metros um acampamento com máquinas para dar assistência na estrada. Muitas vezes, uma ponte caia e havia vários atoleiros, que atrasavam a viagem entre Altamira e Araguarina, por 10 dias. Era um trecho de 800 Km passando por São Domingos e São Geraldo do Pará, por uma estrada muito ruim, que o Exército abriu, por dentro das matas, passando perto da Serra da Andorinha. Esta estrada foi feita na época da revolução para prender os subversivos, que se escondiam na Serra e havia outros que também se escondiam em vilarejos nas margens do Tocantins.

Figura 4 O percurso de Messias Lopes de Mello na Amazônia

Figura 4 O percurso de Messias Lopes de Mello na Amazônia

19O Exército vistoriava estradas, cidades e fazendas até que prenderam todos os cabeças. Foram presos e mortos. Naquela época o Exército apertou em todos os Estados, muito no Pará, Mato Grosso, Goiás. Eu viajava muito com meu caminhão, e era revistado, na cabine, por baixo da carroceria, todos os documentos, para depois ser liberado.

20Quando fui, pela primeira vez, a Altamira, fui até a Usina de Açúcar (90 Km de Altamira no sentido Santarém). Gostei das terras e fui pedir informações no INCRA da cidade. Lá me informaram que eu precisaria fazer um cadastro, um exame de saúde, e não podia possuir outras terras e teria que morar nas terras que adquirisse. Teria que fazer, também, uma entrevista, com agrônomos, para testar o conhecimento de exploração de terras, na agricultura e pecuária. Então, fui aprovado e fomos localizar o lote, pois já eram cortados.

Figura 5 Messias Lopes de Mello e o seu gado

Figura 5 Messias Lopes de Mello e o seu gado

©Hervé Théry 2004

21Na margem da rodovia, os lotes eram de 100 hectares com casa, estes já estavam todos ocupados. De 2 km e meio até 16 km os lotes eram 500 hectares, ou 100 alqueires, cortados também, mas não tinha estrada e nem moradores, eram só matas. Eu olhei em vários pontos. A cada 50 Km havia uma pessoa encarregada (pelo INCRA) com o mapa dos lotes todos numerados. A demarcação foi feita com marcas de cimento a cada 100 metros encontrava-se um marco com o número do lote, até o final dos 16 Km. Então o mais perto que achei foi o Km 27, sentido Altamira -Marabá, que localizava-se a direita da Transamazônica e seguia até o último lote, lá estava o marco de cimento G12; LT23. Depois destes eram terras da União.

22Voltei ao INCRA me apossei por cartas de assentamentos agrários. Isto foi em agosto de 1976, época em que tirei as terras. Continuei com a vida normal, comprando gado gordo e levando para Belém, vendia e comprava bezerros e levava-os para Altamira. Levei 10 peões para me ajudar, emprestei a eles 50 hectares para derrubarem; as derrubadas terminaram no fim de julho do mesmo ano. Fomos abrir a estrada.

23Voltei para Olímpia onde comprei 1.500 quilos de semente de capim para formar pasto. Chegando na estrada do lote, descarreguei e aluguei 4 cavalos arriados com selas e fui transportar a semente. Levava 5 sacos de semente cada animal. Dormia na beira da rodovia. Foram 10 dias de carregamento, quando acabamos de jogar as sementes nas queimadas, acertei com os peões e voltei para Goiás, quando completou 60 dias que havíamos jogado a semente, fui à Altamira novamente, como havia chovido bastante, o capim já estava grande.

Figura 6 Pecuária na Amazônia nos anos 1970

Figura 6 Pecuária na Amazônia nos anos 1970

©Hervé Théry 1974

24A Transamazônica foi uma estrada construída no governo do presidente Médici, saindo do Estado de Alagoas rumo ao porto Itamarati, no rio Madeira, para fazer a ligação com a estrada que vinha de Cuiabá a Porto Velho e Manaus. Porto Itamarati está na divisa do estado do Pará com o Amazonas. Esta estrada cortou o país de norte para oeste. O Governo a fez com a intenção de colonizá-la, de construir casas para as famílias e assentá-las, e de dar escola e financiamento para famílias sobreviverem. No primeiro ano, foram construídas agrovilas para servir de pontos de apoio para as famílias novas que chegassem e para as que estavam assentadas. Agrovilas eram para ser pequenas cidades com armazéns, médicos e farmácias. Construíram também barracões, para armazenar produtos agrícolas dos colonos como o arroz, feijão, café, cacau e outras variedades. Estes produtos o Banco do Brasil comprava, e também o Governo mandou levar vacas de raça leiteira e vendeu a cada família una vaca. Isto era feito por intermédio do Banco do Brasil, porém mais de 80% das famílias abandonaram e foram embora para as cidades ou voltaram para sua terra natal. Pois a vida lá era dura. Não havia rádio, pois não havia sintonia com nenhuma estação. Não havia lazer se não fosse ir à casa do vizinho.

25Quando eu passava com meu caminhão carregando gado, levando para Altamira as pessoas escutavam o ronco do motor, as famílias corriam para a beira da estrada, esbarravam a mão e gritavam em um gesto de saudades de sua terra natal e parentes que ficaram para trás. Naquela época não existia ônibus também, não havia telefone, nem em Altamira, nem em Marabá. Só havia rádio amador, e mesmo assim quando conseguia. Completar ligações, era uma raridade, e quase impossível conseguir mais de uma vez. O posto ficava o dia inteiro lotado de gente a espera de ligações, as quais também eram raras. Estas ligações iam para Belém e, de lá, ligava o rádio com o telefone. E aí, diante dessa vida difícil foram poucas famílias que ficaram. Estas, atualmente, estão bem financeiramente, mas a pretensão do presidente era de colonizá-las e não conseguiu.

26Fui para Brasília e arrumei dinheiro com o José Jacinto para comprar gado e pôr no pasto. Acertado o negócio, fui comprar mais 100 vacas lá no Dueré, que é uma região do rio Araguaia, e arrumei 5 caminhões e as levei para Altamira. Já estavam gordas e as vendi para o Senhor Osvaldo Passarelli, em Altamira, e acertei com o José Jacinto entregando capital e lucro, pois ele tinha outro plano de negócio.

27Os pastos ficaram parados. Voltei para Goiás novamente e fui procurar vender minha fazenda de Paraíso do Norte para aplicar o dinheiro nas terras de Altamira. Consegui vendê-la, mais ou menos no ano de 1982. Em Goiás, as terras eram baratas, então não me deu muito dinheiro. Quando vendi a fazenda fui embora para Altamira, para continuar abrindo a estrada, pois só havia o que eu tinha feito anteriormente, e ainda só se passava a cavalo. Continuamos a abrir, com um trator de esteira. Desmatamos, fizemos três pontes e nivelamos a estrada para que carros pudessem passar. Feito isto deixei Altamira e a fazenda, que passou a chamar "fazenda abandonada", nome este por falta de assistência, e aí voltei para a Belém-Brasília, onde eu mantinha meus negócios, comprando bois e levando para Belém. Não havia as cidades de Ribeira, Araguaína, Nova Olinda, Nova Colinas, Alvorada e Figueirópolis, naquela época. Porangatu nesta época era uma cidade bem pequenininha, pois antes da existência da Belém-Brasília o transporte era feito por cargueiros e cavalos. Também tinha Ceres, que era colônia agrícola, depois Anápolis e Goiânia. Os anos foram passando e o progresso chegando, e o DNER foi melhorando a estrada Belém- Brasília, fazendo pontes e asfalto.

28Novamente fui para Altamira, comprava bezerros em Goiás e levava de volta para Altamira e vendia. Mas, na Transamazônica, quando chovia, não tinha quem andasse, pois escorregava demais. De Altamira levei gado várias vezes para Santarém (de Altamira a Santarém eram 460 Km de estrada de terra), também levei gado para Itaituba, do outro lado do Tapajós, na Transamazônica.

29O progresso veio devagar, com os madeireiros, com grandes serrarias, com a construção da usina hidrelétrica do Tucuruí, agora com asfalto do Marabá ao Repartimento, são 185 Km. De Marabá, no rumo de Altamira já estava pronto. Do rio Araguaia ao Marabá são 250 Km, é um ramal que saiu fora da Transamazônica. Hoje a Eletronorte está construindo uma Usina Elétrica em Altamira, o asfalto segue para Altamira. Do Repartimento à Altamira são 320 Km. De Altamira a Itaituba, na beira do Tapajós, são 470 Km. Segundo o relato do Dr. Osias, neste trecho foram criados vários povoados, onde alguns cresceram, assim como a cidade de Ruronópolis, Uruará, Medicilândia, Brasil Novo (sede do INCRA). Neste trecho há bastante moradores, explorando cacau, pimenta do reino, café e pecuária.

30Uma vez, fui levar gado gordo no garimpo do Oripuri. Ia até um povoado, na Santarém-Cuiabá, por nome Moraes de Almeida. Deixava a Santarém-Cuiabá, entrava 200 Km até o Rio Oripurizão. A estrada acabava ali, daí o transporte era feito de barco. Foi uma viagem muito difícil, havia muitos atoleiros, onde quase não havia moradores, não tinha jeito de soltar o gado para descansar, quando soltava era preciso encostar o caminhão em um barranco na beira da estrada e fazer uma cerca de madeira para podermos embarca-los. Até sairmos do garimpo foram 12 dias A distância, de Altamira a Oripuri, era 1050 Km de estradas de terra, sem acostamentos e pontes de madeira todas quebradas. Chegando lá foi preciso esperar 8 dias para matar o gado, porque haviam outros na frente.

Figura 7 Pimenta do reino

Figura 7 Pimenta do reino

©Hervé Théry 2007

31De volta à Altamira, fui para a fazenda e resolvi plantar pimenta do reino, vendi o caminhão para fazer dinheiro e comprei as mudas. Fui tirar madeira para fincar, aos pés da plantação de pimenta, para poderem subir, porque eram tipos de trepadeiras. Plantei 4 000 pés, levou três anos para produzir. Os preços foram abaixando e os produtores abandonaram as lavouras. Mas eu insisti com a minha plantação. Foram dois anos sem nenhum resultado. Fiz um financiamento no banco da Amazônia, em Altamira, para comprar 100 vacas, fazer currais, assentar uma balança para pesar os bois. O financiamento tinha sete anos para terminar, pagando no banco. O contrato, com o Banco, previa que a TR era reajustada em 85%. Quando assinei o contrato, a TR estava 21%; em um ano e meio ela subiu para 63%. Consequentemente, a dívida com o banco triplicou, e o gado também subiu, mas todos que fizeram este tipo de negócio se atrapalharam. Quando o Presidente Fernando Henrique mudou a moeda, a arroba do boi gordo subiu, em Altamira. de 15,00 para 35,00. Eu tinha 188 rezes do Banco, todas gordas, fui ao Banco, pedi o saldo devedor e o gado dava para pagar a minha dívida. Fiz o acerto.

Figura 8 Estrada e ponte na Amazônia

Figura 8 Estrada e ponte na Amazônia

©Hervé Théry 2004

32Hoje existem muitos financiamentos pelo Banco do Brasil e Banco da Amazônia. Com isso a cidade de Altamira cresceu muito, mas, as condições de escoamento dos produtos é ainda difícil, é feito mais por água, saindo para Belém, e de lá segue por asfalto para o sul, sendo centro consumidor Anápolis e Goiânia. Agora, de Itaituba a Jacareacanga, na margem esquerda do rio Tapajós, são 400 Km e de Jacareacanga ao porto do Itamarati são 600 Km. Nesta extensão, que completa 1 000 Km, entre Itaituba a Itamarati, correu ônibus da Empresa Transbrasiliana por muito tempo. Depois, foram caindo pontes e cortando aterros até que acabou o trânsito e este trecho hoje esta intransitável.

33Alguns moradores que moravam entre Itaituba e Jacareacanga mudaram-se. Entre Jacareacanga e Itamarati não tinha mais ninguém. Só havia mato no local, e até hoje ê ainda uma zona clandestina de madeira muito grande. Porto Itamarati está no rio Madeira.

34A Transamazônica, hoje, é movimentada de Itaituba para Altamira e Santarém. E de Altamira a Marabá, o progresso ê maior, mas na pecuária, madeiras não existem mais; a agricultura é pequena.

35Assim foram as partes da Transamazônica que conheci entre Riachão, Carolina e Estreito, no Estado do Maranhão; passa uma ponte do rio Tocantins, na Belém­ Brasília, e na margem esquerda, do rio Tocantins até o rio Araguaia, na cidade de Araguantina. Este trecho completa 120 Km e acabou devido aos índios. Os movimentos que os protegiam foram crescendo, e eles queimaram duas pontes e impediram o trânsito de funcionar.

36Atualmente já existem frigoríficos em Tacuã, Xinguara e estão construindo um em Marabá. Para controlar a devastação na Amazônia não é fácil, porque tem muita gente vivendo por lá. E com o asfalto até Altamira o progresso será maior. E assim, ficou na lembrança as dificuldades do passado, e na mente a esperança de um dia voltar para lá”.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 O percurso de Messias Lopes de Mello
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-1.png
Fichier image/png, 172k
Titre Figura 2 O percurso de Messias Lopes de Mello, Sudeste e Centro-Oeste
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-2.png
Fichier image/png, 84k
Titre Figura 3 Caminhão boiadeiro e estrada nos anos 1970
Crédits ©Hervé Théry 2007 e http://www.clasf.com.br/​q/​caminhao-mb-toco-boiadeiro/​
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 852k
Titre Figura 4 O percurso de Messias Lopes de Mello na Amazônia
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-4.png
Fichier image/png, 110k
Titre Figura 5 Messias Lopes de Mello e o seu gado
Crédits ©Hervé Théry 2004
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Figura 6 Pecuária na Amazônia nos anos 1970
Crédits ©Hervé Théry 1974
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Figura 7 Pimenta do reino
Crédits ©Hervé Théry 2007
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 2,3M
Titre Figura 8 Estrada e ponte na Amazônia
Crédits ©Hervé Théry 2004
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10388/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 3,0M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Messias Lopes de Mello, « História de um pioneiro brasileiro », Confins [En ligne], 24 | 2015, mis en ligne le 23 septembre 2015, consulté le 20 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/10388 ; DOI : 10.4000/confins.10388

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org