Navigation – Plan du site

A dimensão territorial da inovação e sustentabilidade no território de cachaça e dos derivados da cana – Litoral Norte do Rio Grande do Sul

La dimension territoriale de l'innovation et le développement durable dans le territoire de la cachaça et des derivés de la canne à sucre – Litoral Nord du Rio Grande do Sul
The territorial dimension of innovation and sustainability in the territory of cachaça and sugarcane’s derivatives – Rio Grande do Sul Northern coast
Shana Sabbado Flores

Résumés

Cet article vise à analyser le territoire de la "Cachaça et dérivés de la canne à sucre", à Santo Antônio da Patrulha (RS), en observant des facteurs qui contribuent à des processus d'innovation et de durabilité sur le territoire. La ville se distingue par un profil différencié dans l'une des régions les plus pauvres de l'Etat, avec le PIB par habitant presque deux fois la moyenne du Littoral Nord. L'insertion de la canne à sucre dans l'état a eu lieu au XVIIIe siècle, de façon tardive par rapport au reste du pays, une spécificité du RS est la structuration en petites exploitations visant à la production artisanale de dérivés de la canne à sucre pour répondre au marché intérieur. Au XIXe siècle, la région est reconnue comme productrice de sucre, dans une perspective industrielle. Après des crises successives, le territoire récupère des caractéristiques et des traditions locales qui donnent origine, dans les années 80, à des usines de pâtisserie à base du sucre noir et de mélasse, et plus tard, les “alambiques” (distilleries) dans les années 90. Ainsi, en réinventant et en utilisant des ressources et des traditions locales le secteur a assuré sa continuité. Le processus d'innovation de base territoriale a été efficace jusqu’à aujourd’hui pour assurer la durabilité du territoire. Aujourd'hui, le système productif est un réseau institutionnalisé, reconnu et soutenu par les politiques publiques de l'État brésilien. Les processus d'innovation de base territoriale se produisent au sein des entreprises, mais aussi dans leur organisation et dans leurs relations avec le territoire. Les facteurs locaux liés aux produits et processus confèrent des caractéristiques spécifiques aux produits, ainsi que la culture entre les institutions et que les produits de ce terroir eux-mêmes, agissent également dans le but de renforcer l'identité locale. Ce sont des points de stabilité qui permettent des relectures et de l'innovation, amenant des propositions pour mieux utiliser les ressources territoriales et assurer ainsi sa durabilité au sens élargi.

Haut de page

Entrées d’index

Index by keywords :

territory, innovation, sustainability

Índice de palavras-chaves :

território, inovação, sustentabilidade
Haut de page

Texte intégral

CachaçasAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry

1Observar fenômenos a partir da dimensão territorial permite um olhar integrado sob diversos aspectos, que vão de características edafoclimáticas a fatores históricos, econômicos, culturais e identitários. Nesse sentido, a evidência de recursos específicos em um determinado território, potencializando sua diferenciação e competitividade (Benko & Pecqueur, 2001), ou ainda como instrumento de análise e política territorial (Dematteis, 2008), vem ganhando espaço na forma de estudos e proposições teóricas e/ou metodológicas.

2Ao mesmo tempo, a convicção da importância da escala territorial para abordar sustentabilidade, para Theys (2010), surge por razões objetivas, econômicas e pragmáticas, sobretudo em setores nos quais a dimensão territorial é relevante, como agricultura e turismo (Zuindeau, 2010). O território pode atuar como fonte de recursos para diferenciação e aumento da competitividade e/ou na proposição de projetos de desenvolvimento, associando dimensões e como escala de intervenção e ação. De qualquer forma, é necessário partir de uma compreensão dos territórios e territorialidades (Flores & Medeiros, 2013).

3Nesse sentido, o presente trabalho se debruça sobre as transformações ocorridas no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, uma das regiões mais pobres do estado, mas que tem em Santo Antônio da Patrulha um perfil diferenciado. Ao contrário da economia do litoral, baseada em turismo, principalmente em época de veraneio, o território da cachaça e derivados da cana evoca diferentes recursos do território. Não se trata de uma realidade estanque, mas de um território que passou por transformações ao longo de sucessivas crises envolvendo a produção de cana de açúcar na região. Assim, se reinventando e utilizando os recursos e tradições locais o setor garantiu a sua sobrevivência evidenciada atualmente em duas realidades distintas: os alambiques e as fábricas de doces. Em outras palavras, o processo de inovação com base territorial foi definitivo para garantir a sustentabilidade do território até o presente momento.

4 A pesquisa vislumbrou analisar esse processo e as transformações ocorridas nesse território, evidenciando os fatores que contribuíram para sua formação, ao mesmo tempo que as perspectivas e desafios para continuidade, dentro de uma perspectiva de análise territorial que priorizou a compreensão dos atores e relações estabelecidas, na produção de territorialidades, constituindo o território. A pesquisa foi estruturada em dois momentos principais uma primeira fase exploratória, seguindo de uma etapa exploratório-descritiva, buscando desenvolver a proposta metodológica de Cunha e Cunha (2005) para os arranjos turísticos. Como pode ser visto no quadro abaixo (Quadro 1), a fase exploratória aliou pesquisa bibliográfica e trabalho de campo na região. A parte de campo contou com escala abrangente, indo de contatos com instituições de apoio a visitas aos pontos de venda dos produtos, assim como infraestrutura turística e participação na FENACAN (Feira Nacional da Cana-de-açúcar, Rapadura, Sonho e Arroz). Especial atenção foi dada para o arranjo institucional, com entrevistas aos sindicatos pertinentes (em Santo Antônio da Patrulha e Osório), Prefeitura Municipal, Emater, entre outros. Também foi feita entrevista com historiador que trabalha na região. Tudo isso possibilitou uma melhor compreensão do território, seus atores e as relações estabelecidas.

Quadro 1 – Etapas coleta de dados

Quadro 1 – Etapas coleta de dados

Fonte: Elaborado pela autora

5Desse modo, a partir de uma breve contextualização teórica no que concerne as dimensões territoriais de inovação e sustentabilidade, será proposta essa viagem Litoral Norte Gaúcho para explorar esse território que inovou em suas tradições e segue buscando perspectivas de sustentabilidade.

Considerações sobre inovação, sustentabilidade e território

6Antes de ser um conceito dado, o debate acerca do território se dá em torno de um sistema aberto e dinâmico, continuamente interagindo e recebendo influências, que pode ser abordado em esferas indo do micro ao macro (Abramovay, 2003). O território pode ser entendido como resultado de uma combinação de fatores diversos. Ao mesmo tempo em que se constitui a partir dos atores sociais, é definido e delimitado pelas relações de poder, estabelecidas entre Estado, organizações e indivíduo. Assim, a ação de pessoas e grupos, no exercício do poder, e as suas interações, nas esferas política, econômica, social e cultural, conduzem a sistemas de malhas, nós e redes, que configuram o território (Raffestin, 1993). Em outra análise, o território pode ser compreendido como resultado de um processo de territorialização, pautado nas territorialidades ali inscritas (Saquet, 2006). Tais territorialidades estão fortemente ligadas ao lugar, apesar de possuírem continuidades e descontinuidades no tempo e no espaço. Dão identidade ao mesmo tempo em que são influenciadas por condições históricas e geográficas do lugar (Saquet, 2009). Nesse sentido, as relações econômicas, políticas e culturais, em um âmbito interno ou em sua relação com o exterior, apropriam e ordenam o território (Saquet, 2006).

7Pensar sustentabilidade a partir da abordagem territorial é uma perspectiva que vem crescendo e se justifica, seja pela sua objetividade, ou por proporcionar uma escala factível de intervenção (Theys, 2010). Dentro do princípio de que, mesmo nas discussões globais, como no tema mudança climática, por exemplo, é fácil perceber que tanto a origem como a repercussão de tais fenômenos estão nas dinâmicas locais, logo, no território. Na mesma linha, qualquer proposta de intervenção deve levar em conta o contexto e suas especificidades, se adaptando assim aos territórios. Além disso, Theys (2010) ainda sublinha que não podem ser ignoradas as condições de ação uma vez que intervenções em nível local são de mais fácil planejamento, execução, acompanhamento que ações globais, dessa forma, com maior potencial de sucesso e resultados.

8Ao mesmo tempo, o debate da sustentabilidade envolve compreender as relações entre cultura, natureza e história, ou seja, como a sociedade produz e estrutura seu território estabelecendo relações sinérgicas ou não com o seu ambiente (Magnaghi, 2000, 2005). O que leva a um entendimento de que a chamada “crise ambiental” está na relação homem-natureza, ou seja, no território (Magnaghi, 2005). Por outro lado, cada estágio de mudanças de estado, de técnica e, por consequência, de territorialidade afetou a produção territorial e gerou sua crise, de modo que os problemas a serem enfrentados se tornaram mais diversos e complexos (Raffestin, 2009). Em síntese, “[...] é a territorialidade do homem a responsável pela crise do ambiente” (Raffestin, 2009, p. 26). Nessa linha de pensamento, a sustentabilidade passa necessariamente pelo estabelecimento de territorialidades (Leff, 2009), a partir de relações virtuosas entre as dimensões ambiental, social, econômica, política e territorial (Magnaghi, 2000), fornecendo capacidade para o sistema de se regenerar, ou de um território de se reterritorializar.

9Passando para questões econômicas, Theys (2010) destaca a discussão envolvendo competitividade territorial, atratividade e imagem. Nesse sentido, a concentração de comunidades de empresas especializadas em determinados segmentos, baseada em recursos específicos de um determinado território, contribuindo simultaneamente para diferenciação e competitividade, vem sendo abordadas na perspectiva de “economias de proximidade”, sob forma de Distritos Industriais, Arranjos Produtivos Locais (APLs) e clusters (Bagnasco, 1996; Becattini, 2004; Courlet, 1993; Pecqueur, 2000). Outra proposta são os Sistemas Locais Territoriais, ou SLOTs (Dematteis, 2008), trazendo instrumentos de políticas territoriais a partir da análise das potencialidades e territorialidades existentes.

10De uma maneira geral, como ponto de convergência nas abordagens estudadas estão três dimensões principais (Fauré & Hasenclever, 2007): (1) endogeneidade, ou a existência de um potencial de recursos locais (materiais e/ou imateriais), que podem ser mais ou melhor explorados e valorizados; (2) territorialidade, evidenciada na interação homem-espaço, onde atores constroem um espaço de atuação que torna as relações mais densas e produtivas, diferenciando o local; e (3) instituições, que corresponde ao conjunto de relações fundadas em valores, crenças e organizações, também referido como “capital social” (redes, normas, confiança, cultura).

11Considerando que a definição e caracterização dos territórios não se dão a partir dos fatores dos quais dispõe, mas pela forma como se organizam (Abramovay, 2003), mais uma vez, são as territorialidades ou relações homem-ambiente a chave para produção de valor agregado territorial. As questões envolvendo especificidades territoriais são importantes em diversos setores, como por exemplo na agricultura e no turismo (Zuindeau, 2010). Nestes segmentos fortemente atrelados à dimensão territorial as características locais tem potencial de criar valor e uma diferenciação durável, na medida em que tais especificidades são reconhecidas por por públicos externos. Todavia, a perspectiva de geração de valor territorial está diretamente relacionada à capacidade de organização desses recursos pelos atores e instituições, elaborando processos originais a partir dos recursos, ou seja, uma inovação com base territorial (Benko e Pecqueur, 2001).

12Nesse sentido, a “théorie des sites” coloca em evidência a subjetividade dos atores sociais, em um contexto no qual a identidade pode impulsionar as mudanças, na medida em que “o local como sistema de crenças e culturas assegura uma estabilidade dinamizante no caos e ordem social”i (Hakmi & Zaoual, 2008, p. 51). Aqui a identidade é compreendida tanto em nível de território, mas também no contexto institucional. Acima de tudo, é importante compreender que o território é um espaço cultural de identificação e pertencimento, logo, espaço de identidade (Medeiros, 2009), permitindo ligar passado e futuro.

13As identidades estão diretamente relacionadas à ideia de herança entre as gerações, presente no conceito de desenvolvimento sustentável, retomando a noção de patrimônio Nieddu e Vivien (2010) destacam que este é constituído por “recursos comuns que contribuem para a unidade das organizações” (p. 134) e deve ser preservado para a coordenação dos atores locais ao longo do tempo, garantindo a continuidade. Assim, o patrimônio pode se constituir como uma ferramenta de análise econômica, numa abordagem substantiva e enquanto relação social (Nieddu & Vivien, 2010), na medida em que o patrimônio se qualifica como recurso específico, que diferencia e caracteriza o território, contribuindo diretamente para a geração de valor e competitividade territorial. O esquema abaixo (Figura 1) propõe uma representação dessas ideias até aqui discutidas, relacionando sustentabilidade e inovação a partir do território.

14

Figura 1 – Sustentabilidade e inovação na abordagem territorial

Figura 1 – Sustentabilidade e inovação na abordagem territorial

Fonte: Adaptado de Flores e Medeiros (2013)

15Uma outra maneira de compreender esse processo é observar ligação de produtos com o território, que está evidenciada na noção de terroir. Esse conceito é “lugar comum” para os vinhos, mas também pode ser utilizado para outros produtos agropecuários. O terroir é um misto de fatores naturais e humanos de um determinado local, incluindo aspectos intangíveis, que concedem características distintivas aos produtos ali originados (Tonietto, 2007), condições que não podem ser reproduzidas e nem transferidas. Em outra análise, Denardin e Sulzbach propõe o termo “produtos com identidade territorial” para designar as situações que conseguem aliar características que representam o território e um arranjo institucional, permitindo explorar as especificidades locais, físicas e/ou subjetivas, e transformá-las em produtos e serviços que representem essa identidade territorial (Denardin e Sulzbach, 2010). Nesse sentido, as Indicações Geográficas (IGs)ii são uma maneira oficial de reconhecer e preservar esse tipo de produto. Todas essas abordagens evidenciam a inovação com base no território que pode contribuir para sua sustentabilidade, na medida em que preserva as identidades e contribui para a articulação de atores locais na gestão desses recursos (Flores & Medeiros, 2013).

16Em uma escala mais micro, no âmbito organizacional, a inovação necessariamente é um processo de descontinuidade, podendo se apresentar como radical, com inserção de produto, processo ou forma de organização nova, ou incremental, quando tratam de melhorias. Os casos clássicos de inovação são: novas combinações pela introdução de um novo produto; novo método de produção; a abertura de um novo mercado; a conquista de uma nova fonte de matéria prima; o estabelecimento de uma nova organização (Schumpeter, 1982).

17De qualquer forma, sustentabilidade é um caminho que requer o repensar de nossos marcos teóricos e metodológicos para avançarmos em propostas (Leff, 2006). Nesse sentido, a inovação se torna parte, meio e condição para um processo dinâmico vislumbrando o equilíbrio dos territórios e sua sustentabilidade.

Percursos do território da cachaça e derivados da cana

18O território da cachaça e derivados da cana no Litoral Norte Gaúcho está concentrado em Santo Antônio da Patrulha (Mapa 1), um dos quatros primeiros municípios do Rio Grande do Sul. Com colonização predominantemente açoriana, ocupa uma área de 1050 km² nos biomas Mata Atlântica e Pampa (FEE, 2013). O município integra a região metropolitana de Porto Alegre, sua população atual é de cerca de 40 mil habitantes, com PIB per capta quase duas vezes superior à média do Litoral Norte (FEE, 2013; SEBRAE, 2009).

Mapa 1 – Município de Santo Antônio da Patrulha, Rio Grande do Sul

Mapa 1 – Município de Santo Antônio da Patrulha, Rio Grande do Sul

19Com relação à formação do território, é interessante observar a partir da cultura da cana no litoral gaúcho se formaram dois arranjos com organização distinta: os alambiques, com a produção de cachaça, e as fábricas de doces, os derivados da cana. O chamado arranjo produtivo da “Cachaça e Derivados da Cana” se trata de uma rede institucionalizada, reconhecida e apoiada por políticas públicas do estado, conforme destaca estudo da REDESIST em um grupo de 33 arranjos apontados (Tatsch et al., 2009). Na verdade, tal produção pode ser encontrada em outros municípios na região, contudo, devido à concentração atual, a opção foi de centralizar o estudo em Santo Antônio de Patrulha.

20A inserção da cana de açúcar no Rio Grande do Sul se deu de forma tardia quando comparada ao resto do país. Barroso (2007) relata que, enquanto a economia canavieira estava presente no Brasil desde o primeiro século da colonização portuguesa, foi efetivamente introduzida no RS apenas no século XVIII, quando o estado foi incorporado ao território brasileiro. A responsabilidade pelo início dos cultivos é conferida à colonização açoriana, com as primeiras mudas vindo diretamente da Ilha da Madeira (como ocorrido também nos principais estados produtores, a saber, Pernambuco e São Paulo). A autora ainda destaca que a primeira usina da região é atribuída a uma área nas margens da Lagoa da Pinguela (município de Osório), propriedade de um madeirense (Barroso, 2007).

21Nesse sentido, além de momentos diferentes, a cultura canavieira no RS traz algumas especificidades quando comparada ao resto do país. Enquanto no Brasil o modelo de produção foi baseado em grande propriedade e monocultura para exportação, a produção gaúcha está estruturada em minifúndios, voltados à produção artesanal de derivados da cana para atender ao mercado interno – palavras-chave que serão a tônica do desenvolvimento da cana na região e a base do atual território. Ainda hoje esta realidade se faz presente, com a produção brasileira voltada, principalmente, para os mercados do açúcar e etanol.

22Assim, na primeira metade dos 1700, o Ciclo do Tropeirismo teve papel determinante na implantação dos primeiros engenhos no Litoral Norte Gaúcho, principalmente no município de Santo Antônio da Patrulha (ver Tabela 1). O fluxo dos tropeiros cortava a região da Capitania de Rio Grande de São Pedro (atual Rio Grande do Sul) e fomentou um segmento de mercado específico na região.

Tabela 1 – Número de engenhos sem Santo Antônio da Patrulha em 1860

Engenhos

Distrito Sede

Distrito Miraguaia

De destilar aguardente

50

9

De fabricar melado

7

-

De fabricar rapaduras

8

17

Fonte: elaborado por Barroso (2007), a partir de “Correspondência dirigida ao Presidente da Província do Rio Grande do Sul em 16 set. 1861. CACMSAP, 1861. AHRS”

23Os tropeiros levavam mercadorias entre o norte da Argentina e/ou Colônia de Sacramento no Uruguai e o centro do Brasil, como pode ser visto no mapa abaixo (Mapa 2). Cabe destacar que o ciclo dos tropeiros teve papel relevante na colonização do país criando rotas de transporte alternativa ao litoral e é considerado um dos principais responsáveis pela colonização do interior do RS, bem como por uma integração da região com o restante do país via continente (Silveira, 2005).

24

Mapa 2 – Trecho da Rota dos Tropeiros, com destaque para Santo Antônio da Patrulha

Mapa 2 – Trecho da Rota dos Tropeiros, com destaque para Santo Antônio da Patrulha

25Com relação ao Litoral Norte, especificamente a região de Santo Antônio da Patrulha, se configurou como ponto de parada para fiscalização e descanso desses tropeiros. Inclusive, a origem da expressão “patrulha” no nome do município se deve às patrulhas ali instaladas pela Coroa para fiscalizar e cobrar impostos, principalmente dos rebanhos que seguiam para Sorocaba e Minas Gerais. Tudo isso contribuiu para a expansão do comércio dos derivados da cana, como destaca Barroso:

“O trânsito dos tropeiros, pelos caminhos da Praia, de Souza Faria (via Morro dos Conventos/SC), e do Sertão (via Santo Antônio da Patrulha e Campos de Cima da Serra/RS) proporcionou um mercado amplamente favorável à produção de açúcar mascavo, rapadura e aguardente, sobretudo.” (BARROSO, 2007, p.54-55)

26Cabe destacar que essa característica de ponto de parada para repouso entre viagens segue presente nos dias atuais, como observado por atores locais. A região conta com restaurantes e lancherias ao longo das principais rodovias, que ligam o Litoral Norte às demais regiões do RS, que atuam como ponto de venda para os tradicionais produtos da região, com especial destaque para os doces à base de cana de açúcar e amendoim, além do clássico “café com sonho”.

27Já no século XIX, ao mesmo tempo que ocorre o reconhecimento estadual de região canavieira, podem ser vistas discussões sobre o papel do RS na economia da cana, assim como sua viabilidade, sobretudo levando em conta a concentração de produtores e políticas públicas destinados ao Nordeste do país. Assim, como uma resposta de especialização regional, se fortalece a produção local voltada ao açúcar mascavo, destinado principalmente às fábricas de vinhos e bebidas na Serra Gaúcha (Barroso, 2007). Nesse período o volume de produção destinado ao açúcar mascavo passa a superar o da cachaça. Esse mercado promissor persiste até 1957, quando o Instituto do Açúcar e do Álcool lança portaria proibindo o uso do “açúcar amarelo” na fabricação de bebidas, o que coloca novamente a região e o setor em dificuldades.

28Como resposta à crise, é formada a Cooperativa Canavieira de Santo Antônio da Patrulha, com intuito de centralizar a produção e buscar alternativas de comercialização aos produtores da região. Assim, surgem às bases para a discussão de um projeto para produção de açúcar refinado, que dá origem à AGASA (Açúcar Gaúcho S.A.), sociedade de economia mista com participação majoritária do Banrisul, seguida por produtores da região, inaugurada em 1965 que centralizou a recepção da cana produzida na região (Barroso, 2007). Nesse período o RS contava com 5000 famílias produtoras de cana de açúcar. A produção de açúcar destinada ao fornecimento para a usina se deu por mais de 30 anos, até a falência e fechamento desta, em 1990. Nessa perspectiva, após a falência do projeto do açúcar industrializado, a região se volta novamente à uma economia artesanal, potencializando alambiques e fábricas de doces derivados da cana.

29Dessa forma, a produção da cachaça artesanal entrou em evidência, por ser considerado como o produto final mais viável economicamente. Surgiram mais de 100 alambiques na região litorânea, com foco em um produto simples e de baixo custo. Em sua maioria, tais alambiques, buscaram competitividade no mercado através da produção de uma cachaça com preços baixos, acompanhado de qualidade inferior. Outros alambiques optaram por posicionamento de produtos premium, com alta qualidade e preços, assumindo elevados custos de fabricação.

30Com passar dos anos, a produção foi caindo, provocando o fechamento de muitos dos alambiques e uma situação em que boa parte da produção local de cana de açúcar acabar sendo vendida para alimentação de gado. Conforme dados apresentados pela Emater, a atual área cultivada de cana de açúcar equivale a 10% do que era plantado no auge da cultura. Com relação à realidade brasileira, para se ter uma ideia de grandezas, a produção atual dos alambiques do Litoral Norte representa cerca 5% do volume, quando comparado ao estado de Minas Gerais, tradicional produtor.

31Hoje, oficialmente, existem na região de Santo Antônio da Patrulha apenas três alambiques, apesar de pesquisa de campo localizarem alambiques informais e produção para consumo próprio. As três empresas situadas na cidade são: Alambique Santo Antônio (Cachaça Fonte Imperial), Cachaça Guarda Velha e Gotas da Moenda. Todos são pequenas empresas que, apesar das dificuldades encontradas ao decorrer do tempo, continuam a inovar e matem a tradição de produzir a bebida típica brasileira, que já está inserida uma tradição familiar e cultural do território.

32A produção de doces em escala industrial iniciou também na década de 1960, com a indústria Da Colônia, mas sua expansão e consolidação ocorre a partir a partir da década de 1980. Ao contrário dos alambiques, a produção de doces se expandiu e é uma das principais responsáveis pela geração de empregos na região, representando 20% do PIB do município. Segundo dados da Prefeitura Municipal, os doces produzidos em Santo Antônio estão presentes em cerca de 20 mil pontos de venda em todo o país.

33Uma iniciativa do poder público para atrelar o turismo ao território foi a “Rota da Caçhaça e da Rapadura”, instituída em 2003 em uma parceria entre a Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal da Cultura, Turismo e Esportes, o SEBRAE (dentro do Programa Regional de Turismo Organizado, PRESTO) e empresas locais. A Rota iniciou com 9 alambiques e 4 indústrias de doces. Um dos destaques é o Parque da Guarda, um complexo de lazer e turismo com 42ha de área e boa infraestrutura, abrigando o Museu da Cachaça e visita ao alambique Guarda Velha, além de restaurantes e área de recreação com parques e piscina. Ao mesmo tempo, o alambique Fonte Imperial mostra a produção artesanal de cachaça e relatos sobre antecedentes históricos e a própria estruturação do setor da cachaça no estado.

34O atual contexto indica uma retração no número de empresas. Contudo, isso não significa necessariamente pressupor que o setor como um todo está em declínio. Pode ser observado um processo de seleção no sentido da persistência de empresas que focam produtos a qualidade, aliada a produtos diferenciados, explorando potencialidades do território.

Arranjo institucional e atores locais

35Como mencionado anteriormente, a cultura da cana de açúcar deu origem ao território de cachaça e derivados da cana, organizados hoje em dois arranjos distintos. Desse modo aqui serão apresentados os principais atores locais em dois momentos, primeiro o arranjo institucional e depois as unidades de transformação.

36Já no arranjo institucional, a distinção entre os dois segmentos aparece. Para os alambiques, a governança do segmento conta com instituições específicas, tais como: IBRAC (Instituto Brasileiro da Cachaça), nível federal, congrega associados de todo o segmento produtivo, bastante atuante na regulamentação do setor e em ações de reconhecimento da cachaça como produto nacional; APRODECANA (Associação dos Produtores de Cana-de-Açúcar e Seus Derivados no Estado do Rio Grande do Sul); Alambiques Gaúchos, projeto/associação que reúne produtores de cachaça artesanal de alta qualidade.

37Para o segmento dos doces, os agentes citados são os sindicatos, FIERGS (Federação da Indústria do estado do Rio Grande do Sul), mas principalmente o governo como um todo. Foi possível observar que o segmento trabalha de forma mais isolada, quando comparado aos alambiques, não possuindo associações ou fóruns que sirvam como palco de discussão das questões locais ou representação do setor. O poder público municipal é o maior ponto de intersecção para o território, é reconhecido por ambos, além de atuar com a proposição de programas em conjunto como a Rota da Cachaça e da Rapadura e a própria FENACAN.

38Com relação a programas específicos para o segmento, a maior parte disse nunca ter participado. Das 3 empresa que participam ou já participaram, dois são alambiques, que contam com ações do grupo dos Alambiques Gaúchos, além de programas do SEBRAE. Entre as empresas de doces, apenas uma afirmou ter participado de ações da FIERGS. Nesse ponto é possível observar uma lacuna nas políticas públicas, considerando que é um arranjo produtivo reconhecido e, a priori, apoiado.

39Quando questionadas sobre políticas públicas que poderiam contribuir para o aumento da eficiência competitiva, as empresas são unânimes em indicar os incentivos fiscais e melhora na infraestrutura de conhecimentos, o que envolve programas de qualificação e acesso à informação. Também aparecem como demanda a melhora da infraestrutura física, educação formal e linhas especiais de crédito.

40As empresas que compõem o território investigado são familiares e de pequeno porte. Todas empresas visitadas estão na categoria das PMEs (micro, pequenas ou médias empresas), mostrando uma relativa pulverização da produção dentro do território, uma vez que não ocorre a presença de uma empresa com uma participação de mercado ou produção muito superior às outras.

41Além de PMEs, as empresas se auto-intitulam como “familiares”, pouco mais da metade já conta com processos de sucessão dentro da família. Das 9 empresas visitadas, 5 já superaram a primeira geração, sendo que em 1 caso a terceira geração da família já está no comando da empresa. O componente familiar indica a concentração dos investimentos no setor por parte de pessoas com algum vínculo com a região, em detrimento de investidores externos, ou por agentes que acabariam escolhendo se instalar no local levando em consideração prioritariamente a viabilidade econômico-financeira do empreendimento.

42Apesar da tradição da região, os alambiques presentes hoje tem constituição recente, início das operações nos anos 2000; todos estão na 1a geração, com os fundadores na gestão das empresas. Conforme relatos dos atores institucionais entrevistados, por volta de 1995 os produtores locais buscaram qualificação através de visitas de benchmarking ao estado de Minas Gerais, de onde trouxeram, por exemplo, o modelo da “Rota da Cachaça”. Como visto anteriormente, a produção está em retração, mesmo as atuais empresas trabalham principalmente com a venda de seus estoques e não estão em plena produção.

43Por outro lado, as indústrias de doces foram constituídas na década de 80 e estão na 2a geração, o que caracteriza pelo menos um processo sucessório na gestão da empresa. Inclusive, uma das empresas visitadas foi fundada na década de 60 e está na 3a geração. Relatos dos atores locais indicam que a implantação desse segmento foi inspirada nas indústrias de rapadura no Nordeste do país, com adaptações para a realidade local. Tais indústrias estão em expansão e são as grandes responsáveis pela geração de emprego no território. Juntas, as empresas de doces entrevistadas geram cerca de 380 empregos diretos.

Processos de inovação e sustentabilidade no território

44Como visto anteriormente, cada território possui características próprias que o diferenciam, a partir dos fatores ali inscritos, aliado à forma pela qual se organizam. Tais fatores locais ou especificidades podem estar atreladas a processos, produtos e serviços, conferindo uma vantagem que não pode ser transferida. Em uma relação de diálogo, a cultura entre as instituições, bem como os produtos desse terroir, também atuam de modo à reforçar a identidade local. São pontos de estabilidade que permitem releituras e a inovação, trazendo propostas para melhor utilizar os recursos territoriais e garantir, assim, sua sustentabilidade em escopo amplo (social, ambiental, econômica, política e territorial).

45Nesse sentido, em um primeiro momento buscou-se observar quais são esses recursos e diferenciais que o território da cachaça e derivados da cana trazem para os produtos e na organização dos atores. As principais matérias primas utilizadas são a cana de açúcar (no caso dos alambiques), o açúcar mascavo e o melado (para as fábricas de doces), todas adquiridas na região. Quando questionadas sobre as vantagens da região o principal fator destacado é a qualidade dos produtos; é interessante notar que o atributo de qualidade supera outras vantagens que poderiam advir da proximidade, como rapidez na entrega e os custos de transporte. São destacados também a garantia de fornecimento e a tradição ou reputação dos produtores locais. Se nota, igualmente, que o preço não é o principal diferencial dos produtos da região, que se tornam competitivos, principalmente, por atributos de qualidade.

46Sobre os diferenciais locais, os entrevistados divergiram bastante com relação às vantagens de se localizarem na região. Os principais pontos destacados foram a proximidade com os insumos de produção e o turismo associado ao produto. Aqui se observa que os critérios salientados estão relacionados a ambas pontas da cadeia, à montante na recepção de matérias primas e à jusante, na medida em que o turismo é visto como oportunidade para divulgar e comercializar os produtos.

47Tais características fizeram parte da formação do território e ainda estão presentes; apesar das transformações ocorridas, Santo Antônio conservou sua tradição de ponto de parada e os empreendedores locais aproveitam essa peculiaridade para seus negócios, apresentando produtos regionais, identificados com o território. É claro que, principalmente nas fábricas de doce, a comercialização não está mais restrita a esse fluxo, as empresas expandiram seus mercados e hoje os produtos alcançam escala nacional. Além dos tradicionais pontos de venda, os produtos também estão na grande distribuição. Por outro lado, as empresas de doces entrevistadas afirmaram ter a perspectiva de investir em turismo, fortalecendo a atuação no território.

48Além disso, os entrevistados identificam outras características típicas de estar em um arranjo produtivo com base territorial como vantagens, entre elas a proximidade com os produtores e outras empresas do segmento. Em menor escala, percebem programas governamentais para o território, sobretudo através do SEBRAE, e presença de instituições de ensino e pesquisa. Nesse ponto, cabe ressaltar a presença no município de um campus da Universidade Federal de Rio Grande (FURG), com cursos na área de engenharia industrial e do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), em Osório, município vizinho, com cursos técnicos e tecnológicos na área de gestão, informática, turismo e alimentos. Além disso, está em curso a instalação de um campus da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) no litoral. Esses investimentos em alternativas de educação para a região são recentes e tem toda a perspectiva de contribuir diretamente com o desenvolvimento desse território.

49No que concerne ao processo de inovação intraorganizacional, as empresas foram questionadas sobre suas ações a partir do ano 2000. Mesmo considerando a constituição recente dos alambiques, é possível observar uma série de novas práticas, que englobam aspectos técnicos, de marketing, comercialização e gestão como um todo. A maior parte das empresas afirmou ter introduzido novas técnicas, acompanhado de novos equipamentos e desenvolvimento de produtos. Na inovação de produtos nos alambiques, um exemplo interessante são os licores a base de cachaça e frutas. Ao mesmo tempo, os rótulos e embalagens também foram alterados. Inclusive, um dos alambiques entrevistados (Fonte Imperial) teve seu rótulo premiado em um concurso nacional.

50Apesar de uma maior concentração das inovações na área de produtos e processos produtivos, também foram encontradas inovações em processos de gestão, como a adoção de sistemas de informação e programas de qualidade – este último bastante motivado por exigências legais nas fábricas de doces. Ações na esfera ambiental ainda são bastante tímidas, e foram constatadas em apenas um dos alambiques.

51Um dos pontos de convergência nas diversas abordagens sobre inovação é a questão da troca de informações entre os agentes e stakeholders (partes interessadas). Nesse sentido, as empresas demonstraram bastante interação, 8 delas afirmam trocar informações com algum agente, os principais citados são fornecedores e clientes. A cooperação com empresas do mesmo setor aparece logo atrás, bastante presente na região e em menor escala em outros estados e mesmo no exterior (nesse caso, as duas empresas que afirmaram realizar troca de informações são do segmento de doces).

52A troca de informações estaria em um primeiro nível de cooperação. Assim, as empresas foram questionadas sobre outras formas de cooperação com os atores do território, para ações e objetivos específicos. Aqui os resultados não são tão positivos, mostrando um bom espaço para desenvolvimento. As principais ações são com os clientes, seguidas pelos fornecedores. Chama a atenção a ausência de cooperação com instituições de ensino, o que poderia contribuir decisivamente para melhoria nos processos das empresas; todavia, como salientado, a instalação de instituições de ensino técnico e superior ainda é recente e projetos começam a ser desenvolvidos. Os órgãos públicos e sindicatos também tem uma atuação tímida na percepção das empresas.

53É interessante observar que o principal ponto que vem fazendo os agentes cooperarem é a busca pela Indicação Geográfica (IG), ainda insipiente. Cabe destacar que se trata de um processo longo, que necessita uma importante participação dos atores locais. O turismo pode se tornar um vetor de cooperação, através de ações como a “Rota da Cachaça e da Rapadura”.

54De um modo geral, é possível perceber que se trata de um território que praticou e pratica inovação, aproveitando suas tradições, reputação e recursos, sobretudo, imateriais. Ocorre a chamada inovação com base territorial e processo foi diretamente responsável pela manutenção dos atores do território. É possível perceber também que foram observados modelos de outras regiões do Brasil, mas sua aplicação no território de deu a partir de uma releitura dessas práticas a partir das potencialidades locais, o que só reforça a identidade do território.

55Por mais que as relações não estejam necessariamente institucionalizadas (com relação às fábricas de doces, ou reunindo atores dos doces e alambiques), é possível observar um discurso comum nas empresas, operações semelhantes e que conhecimento da realidade da região e dos outros atores. Então, mesmo que, a princípio possa parecer que as empresas estão atuando de forma isolada, tais fatos indicam relações informais e uma cultura local estabelecida, ou seja, capital social.

56Outra questão relevante do ponto de vista territorial é o fortalecimento das marcas locais, com vinculação direta ao território (nos rótulos e ações de comunicação); inclusive, 3 das empresas de doces possuem ponto de venda com marca própria nas rodovias da região. Aqui se saliente um perfil diferente do litoral gaúcho, que tem economia voltada predominantemente para o turismo de veraneio, com impactos sociais e ambientais relevantes, não necessariamente convertidos em melhoria na qualidade de vida da população. É fato que o litoral está buscando alternativas e, talvez, observar com mais cuidado esse processo do território da cachaça e derivados da cana possa indicar caminhos.

57Compreendendo sustentabilidade como o desenvolvimento de relações virtuosas com o ambiente e a capacidade de reterritorialização, pode ser observado que as inovações praticadas foram determinantes para assegurar a sustentabilidade do território até então. Do ponto de vista social, ocorre a geração de empregos e melhoria na qualidade de vida da população. Aliado a isso, o impacto econômico é bastante positivo, levando em conta que se mantém sem subsídios diretos, está pulverizado em várias empresas, além de fomentar outros setores. A questão ambiental passa ao lado, mas é preciso salientar que o impacto das atividades é reduzido quando comparado a outros projetos no Litoral Norte. Do ponto de vista político, faltam associações e fóruns de representação institucionalizados, o que não impede o estabelecimento de relações informais, como visto até aqui.

Considerações finais

58A abordagem territorial permite a compreensão dos fenômenos e propostas de ação “a partir” do local e não “para” o local, respeitando suas características peculiares e em consonância com a diversidade natural e cultural. Assim, entender a formação do território e o percurso dos atores passa a ser fator chave para visualizar o arranjo institucional e suas perspectivas. Todavia, o simples uso desta abordagem em projetos não responde necessariamente a questões do tipo: por que alguns territórios se desenvolvem e outros não? Ou ainda, como utilizar exemplos de sucesso para proposição de projetos em outras regiões?

59Nesse ponto, a questão é que os recursos territoriais, materiais e imateriais, são únicos e intransferíveis, pela sua origem e forma como se relacionam entre si e com o território. Os mesmos recursos em outro ambiente tomarão outra forma e se torna difícil prever com certeza quais serão as reações advindas. Então, vale a pena observar outros casos? Algumas propostas metodológicas, como a REDESIST no Brasil, trabalham no sentido de obter protocolos comuns para investigar arranjos produtivos e poder efetuar comparações. São trabalhos bastante interessantes, mas não se pode ignorar que, em geral, ao ganhar em extensão a tendência é que se perca em aprofundamento, exatamente o momento no qual se pode fazer a leitura das relações informais, tão importantes na constituição do território.

60Contudo e felizmente, as pesquisas vem avançando e algumas lições podem ser tiradas. No território investigado, uma delas é a constante busca de equilíbrio através do movimento, ou seja, a prática de inovação. Nesse sentido, a busca pela sustentabilidade, na abordagem territorial, parra a ser um constante diálogo entre natureza, atores sociais e território, em um sistema que se adapta ao meio, ao mesmo tempo em que nele intervém. Assim, a inovação passa a ser meio e condição para a busca a manutenção do território, mas não uma inovação baseada em modelos prontos e exógenos, mas sim aquela que permite a releitura da identidade local, permitindo sua valorização e reinvenção.

Haut de page

Bibliographie

ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária, v. 28 n. 1, p1-4. 1998.

ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

BAGNASCO, A. Le Developpement diffus: le modèle Italien. In: SACHS, I. (Ed.). . Quelles Villes, Pour Quel Developpement? Paris/Fr: PUF, 1996. p. 191–213.

BARROSO, V. L. M. Canaviais , engenhos e açúcar no Rio Grande do Sul , Brasil. v. 41, p. 53–82, 2007.

BECATTINI, G. Industrial districts: a new approach to industrial change. Cheltenham (UK): Edward Elgar Publishing, 2004.

BENKO, G.; PECQUEUR, B. Os recursos de territórios e os territórios de recursos. Geosul, v. 16, n. 32, p. 31–50, 2001.

BRASIL. Lei No 9.279, de 14 de maio de 1996BrasíliaSenado Federal, , 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9279.htm>

COURLET, C. Novas dinâmicas de desenvolvimento e sistemas industriais localizados (SIL). In: Sistemas industriais localizados. Porto Alegre: FEE, 1993. p. 9–48.

DEMATTEIS, G. Sistema Local Territorial (SLOT): um instrumento para representar, ler e transformar o território. In: ALVES, A. F.; CARRIJO, B. R.; CANDIOTTO, L., Z. P. (Eds.). . Desenvolvimento territorial e agroecologia. São Paulo: Expressão Popular, 2008. p. 33–46.

DENARDIN, V. .; SULZBACH, M. T. Produtos com identidade territorial: o caso da farinha de mandioca no litoral paranaense. In: SAQUET, M. A.; SANTOS, R. A. DOS. (Eds.). . Geografia agrária, território e desenvolvimento. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 219–236.

FAURÉ, Y.-A.; HASENCLEVER, L. [ORG. . Caleidoscópio do desenvolvimento local no Brasil: diversidade das abordagens e experiências. Rio de Janeiro: E-papers, 2007.

FEE (FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA). Resumo Estatístico RS. Disponível em: <http://www.fee.tche.br/sitefee/pt/content/resumo/pg_municipios.php>.

FLORES, S. S.; MEDEIROS, R. M. V. A dimensão territorial da sustentabilidade. In:

SAQUET, M. A. (Ed.). . Estudos territoriais na ciência geográfica. São Paulo: Outras Expressões, 2013. p. 129–144.

HAKMI, L.; ZAOUAL, H. La dimension territoriale de l’innovation. In: ZAOUAL, H. (Ed.). . Développement durable des territoires: économie sociale, environnement et innovations. Paris, France: L’Harmattan, 2008. p. 31–60.

INPI (INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL - BRASIL). Resolução INPI No 75, de 28 de novembro de 2000, 2009. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-esquerdo/indicacao/legislacao/resolucao-inpi-075-de-28-de-novembro-de-2000>

___. Instrução Normativa INPI No 25, de 21 de agosto de 2013, 2013. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/images/docs/instrucao_normativa_25_indicacoes_geograficas[2].pdf>. Acesso em: 20 abr. 2015

LEFF, E. Racionalidade ambiental. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

___. Ecologia, capital e cultura: a territorialização da racionalidade ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MAGNAGHI, A. Le projet local. Sprimont: Pierre Mardaga, 2000.

___. The urban village : a charter for democracy and local self-sustainable development. New York: Zed Books, 2005.

MEDEIROS, R. M. V. Território, espaço de identidade. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. (Eds.). . Territórios e territorialidades: teoria, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 217–228.

NIEDDU, M.; VIVIEN, F. D. Patrimoine, territoire, développement durable. In: ZUINDEAU, B. (Ed.). . Développement durable et territoire. Lille, France: Presse Universitaires Septentrion, 2010. p. 143–154.

PAIXÃO CÔRTES, J. C. No Danças Birivas do Tropeirismo Gaúcho. Porto Alegre: CORAG, 2000.

PECQUEUR, B. Le développement local. 2ème editi ed.Paris, France: Syros, 2000.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

___. A produção das estruturas territoriais e sua representação. In: SAQUET, M. A.;

SPOSITO, E. (Eds.). . Territórios e territorialidades: teoria, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 17–36.

SAQUET, M. A. Campo-território: considerações teórico-metodológicas. Campo-território: Revista de Geografia Agrária, v. 1, n. 1, p. 60–81, 2006.

___. Por uma abordagem territorial. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Eds.). . Territórios e territorialidades: teoria, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 73–94.

SCHUMPETER, J. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1982.

SEBRAE (SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS). No Ambiente empresarial das micro e pequenas empresas gaúchas: litoral. Porto Alegre: SEBRAE, 2009.

SILVEIRA, E. B. Tropeiros: quem eram e o que faziam? Disponível em: <http://abrasoffaong.blogspot.fr/2011/06/tropeiros-da-vacaria.html>.

TATSCH, A. L. et al. Os arranjos produtivos locais no Rio Grande do Sul: mapeameto, metodologia de identificação e critérios de seleção para políticas de apoio. Rio de Janeiro: REDESIST / UERJ, 2009.

THEYS, J. Préface. In: ZUINDEAU, B. (Ed.). . Développement durable et territoire. Lille, France: Presse Universitaires Septentrion, 2010. p. 9–12.

TONIETTO, J. Afinal, o que é terroir? Bom Vivant, v. 8, n. 98, p. 8, 2007.

WIPO (WORLD INTERNATIONAL PROPERTY ORGANISATION). The definition of geographical indications. Disponível em: <http://www.wipo.int/geo_indications/en/>.

ZUINDEAU, B. [ORG. . Développement durable et territoire. Lille, France: Presse Universitaires Septentrion, 2010.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Quadro 1 – Etapas coleta de dados
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10401/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Figura 1 – Sustentabilidade e inovação na abordagem territorial
Crédits Fonte: Adaptado de Flores e Medeiros (2013)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10401/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Mapa 1 – Município de Santo Antônio da Patrulha, Rio Grande do Sul
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10401/img-3.png
Fichier image/png, 802k
Titre Mapa 2 – Trecho da Rota dos Tropeiros, com destaque para Santo Antônio da Patrulha
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10401/img-4.png
Fichier image/png, 106k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Shana Sabbado Flores, « A dimensão territorial da inovação e sustentabilidade no território de cachaça e dos derivados da cana – Litoral Norte do Rio Grande do Sul », Confins [En ligne], 25 | 2015, mis en ligne le 05 novembre 2015, consulté le 30 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/10401 ; DOI : 10.4000/confins.10401

Haut de page

Auteur

Shana Sabbado Flores

Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS – Porto Alegre) e Université de Bourgogne (UB – Dijon). Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Restinga, Porto Alegre, shana.flores@restinga.ifrs.edu.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org