Navigation – Plan du site

Cidades médias, novos espaços produtivos e reestruturação do espaço urbano em Uberaba-MG

Villes moyennes, nouveaux espaces de production et restructuration de l'espace urbain à Uberaba-MG
Medium-sized cities, new productive spaces and restructuring of urban space in Uberaba-MG
Maria Terezinha Serafim Gomes

Résumés

Au cours des dernières années, les villes moyennes brésiliennes ont été considérées comme des pôles attractifs pour les flux de migration interne, et pour les nouveaux investissements des entreprises dans l'industrie, les commerces, les services et l'immobilier, a conduit à l`a émergence des nouveaux espaces productifs. Ces villes ont attiré de nouveaux projets destinés au marché de consommation, tels que les supermarchés, les centres commerciaux, des magasins franchisés, des concessionnaires automobiles, des hôtels et de nombreux établissements de service. L'attraction de nouvelles entreprises économiques a conduit dans de nombreux cas à une restructuration de l'espace urbain dans ces villes, à la production de nouvelles centralités urbaines. Elles sont configurées comme villes nouvelles s'appuyant sur une nouvelle dynamique économique de l'espace métropolitain, en assumant un rôle important dans le réseau urbain brésilien. Cet article vise à discuter de la place des villes moyennes et la création de nouveaux espaces productifs ainsi que la restructuration de l'espace urbain, en référence à la ville d'Uberaba, dans la région du Triangle de Minas Gerais

Haut de page

Texte intégral

Loja Em UberabaAfficher l’image
Crédits : GOMES, M. T. S, 2015

Este texto faz parte de algumas discussões resultantes da pesquisa “Dinâmica Econômica, Cidades Médias e Interações Espaciais”, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais – FAPEMIG (2011-2013)

  • 1 No Brasil, enquanto o IBGE utiliza o critério demográfico e considera como “cidades médias” aquelas (...)
  • 2 Ver Diniz (1993), Gomes (2007), Mourão (2002), Oliveira (2002).

1Nas últimas décadas, as cidades médias1 vêm configurando-se como “cidades emergentes”, “nós estratégicos”, “núcleos privilegiados”, “cidades ganhadoras”, “lugares de possibilidades”, ou, ainda, “novos espaços produtivos”, alavancando uma nova dinâmica econômica fora do espaço metropolitano, ou seja, no “Brasil não metropolitano” (Davidovich, 1992). Dessa forma, elas assumem novos papéis e conteúdo na rede urbana brasileira, alicerçados pela sua nova atuação na divisão territorial do trabalho. Estão localizadas principalmente nas regiões Sul e Sudeste do país. No contexto da desconcentração industrial e da reestruturação produtiva,2 os espaços produtivos extrapolam os limites do estado de São Paulo, fazendo surgir “novos espaços produtivos”, no sul de Minas Gerais, no norte do Rio de Janeiro, no norte do Paraná e no Triângulo Mineiro. Todavia, em muitos casos, enquanto ocorre o deslocamento do “chão de fábrica” para essas regiões e outras áreas do país, principalmente para as cidades médias, a gestão das empresas continua na metrópole, havendo, portanto, uma separação territorial da gestão e da produção, o que Lencioni (2003) denomina “cisão territorial”.

2O crescimento de infraestrutura de transporte, de energia e de comunicação no “Brasil não metropolitano” contribuiu para o processo de desconcentração econômica e industrial, pois permitiu que investimentos empresariais de diversos setores fossem direcionados para novas áreas ou regiões, especialmente as cidades médias. Assim, essas cidades têm se configurado como lugares alternativos para empreendimentos, pois em lugar das frequentes “deseconomias de aglomeração” das grandes metrópoles, possuem “economia de aglomeração” em novas áreas de atração e concentram “condições gerais de produção” para a instalação dos novos capitais produtivos, ou seja, equipamentos e serviços especializados, aeroportos, estradas para a circulação de mercadorias e pessoas, redes de fibras óticas, centros de pesquisas e universidades, entre outros.

3A mobilidade geográfica do capital produtivo ocorre, porém, de forma seletiva e desigual. Apenas alguns pontos do território brasileiro são escolhidos pelas empresas para a instalação de seus empreendimentos, ocorrendo, dessa forma, uma “seletividade espacial” (Correa, 1995). Como as regiões Sudeste e Sul do país concentram os sistemas técnicos e de informação, elas se tornam atrativas aos novos investimentos, particularmente suas cidades médias cujas redes de informação, transporte e comunicação possibilitam a articulação em diferentes escalas geográficas, atribuindo-lhes “um novo papel na organização do território e no desenvolvimento regional” (Gomes, 2007).

4Tais cidades médias vêm desempenhando novos papéis na rede urbana brasileira, alicerçados pela sua nova atuação na divisão territorial do trabalho. Elas têm se firmado como polos atrativos, tanto para fluxos migratórios internos, como para novos investimentos empresariais, seja dos setores industrial, comercial e de serviços, seja do setor imobiliário. Nesse sentido, elas têm recebido novos empreendimentos voltados ao mercado de consumo, como hipermercados, shopping centers, lojas de franquias, concessionárias de veículos, hotéis e diversos estabelecimentos de prestação de serviços. Desse processo decorre, em muitos casos, uma reestruturação do espaço urbano das cidades, com a produção de “novas centralidades urbanas”. Além do mais, em algumas cidades médias, observam-se investimentos públicos ligados à expansão da rede pública de ensino superior e técnico, com a implantação de institutos e universidades federais.

5A reestruturação do espaço urbano obedece aos interesses de vários agentes econômicos (industriais, fundiários, imobiliários e financeiros), que introduzem um novo conteúdo na lógica de produção do espaço urbano, conferindo-lhe novas formas e processos espaciais. As cidades, hoje, são cada vez mais descentralizadoras nas suas formas espaciais, no que respeita tanto a novos loteamentos e empreendimentos imobiliários residenciais, quanto a atividades industriais, comerciais e de serviços, que buscam se estabelecer em áreas fora do centro tradicional. Assim, cada vez mais “ descontínuas”, em lugar de uma unidade espacial do tecido urbano, o que se encontra é uma “ruptura da unidade territorial das cidades” (Sposito, 2010, p.126).

6Este texto tem como objetivo tecer algumas considerações acerca das cidades médias brasileiras e a formação de novos espaços produtivos, bem como das transformações socioespaciais com a reestruturação do espaço urbano, tendo como referência a cidade de Uberaba, na região do Triângulo Mineiro. Para sua elaboração foram realizadas uma revisão bibliográfica, em fontes secundárias, a partir da Relação de Informações Sociais - RAIS, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e da Fundação João Pinheiro, bem como pesquisa de campo e visitas à Prefeitura Municipal de Uberaba e ao Clube de Diretores Lojistas de Uberaba - CDL.

Transformações e reestruturação do espaço urbano de Uberaba a partir de novos agentes econômicos

7O município de Uberaba está localizado na região do Triângulo Mineiro e conta com aproximadamente 318.813 habitantes (IBGE, 2014). Possui uma posição geográfica estratégica, entre rodovias que dão acesso ao estado de São Paulo, ao restante do estado de Minas Gerais e também a Goiânia e Brasília (Figura 1).

Figura 1 - Uberaba-MG: localização do município e da sede - 2013

Fonte: Base cartográfica IBGE. Org. Luiz Gustavo Leonel dos Reis, 2013

8Na década de 1960 e especialmente durante os anos 1970, a região do Triângulo Mineiro vivenciou um processo de modernização da agricultura, com a adoção de novas técnicas de produção, elevando a produtividade e o uso intensivo da terra. As áreas antes ocupadas pelo cerrado e pela pecuária passaram a ser de uso agrícola, e a região tornou-se grande produtora de grãos (soja, milho e feijão, principalmente). Mais recentemente, essas áreas passaram a ser utilizadas também para o cultivo da cana-de-açúcar e a instalação de usinas sucroalcooleiras.

9O desenvolvimento de atividades agropecuárias, a nova agroindústria e as modernas atividades industrial, comercial e de serviços alteraram a dinâmica de cidades médias da região do Triângulo Mineiro, principalmente Uberlândia e Uberaba. Nesse contexto, a partir da década de 1970 e com o avanço do processo de modernização do campo, começam a se instalar na cidade de Uberaba algumas indústrias de insumos agrícolas, mormente do ramo de fertilizantes. É também nesse período que se observa um aumento da população urbana de Uberaba, conforme pode ser observado na Tabela 1.

Tabela 1 - Uberaba-MG: evolução populacional - 1970-2014

Anos

População urbana

População rural

População total

1970

108.259

16.231

124.490

1980

182.519

16.684

199.203

1991

200.705

11.119

211.824

2000

244.171

7.880

252.051

2010

289.376

6.612

295.988

2014

-

-

318.813*

Fonte: IBGE (Recenseamentos Decenais e Contagem da População de 1996) e Censo 2000. *estimativa

10Conforme já mencionado, atualmente, os espaços produtivos extrapolam os limites do estado de São Paulo, fazendo surgir “novos espaços produtivos” no sul de Minas Gerais, norte do Rio de Janeiro e norte do Paraná. O Triângulo Mineiro também pode ser considerado um “novo espaço produtivo”, com a instalação de grandes grupos econômicos do setor industrial e comercial, principalmente ligados à agroindústria. Uberaba tem sido uma das cidades médias atrativas para os novos investimentos, conforme demonstram o crescimento de suas atividades econômicas e a transformação do espaço urbano, sobretudo nos últimos dez anos. A partir dos anos 1990, como se comprova no Gráfico 1 (RAIS/MTE-1985-2010), o crescimento da participação dos estabelecimentos por setores de atividades econômicas foi significativo.

11

Gráfico 1

Gráfico 1

Fonte: RAIS, MTE, 1985,1990,1995,2000,2005 e 2010. Org. GOMES, M.T. S.

12Os setores de comércio e serviços tiveram o melhor desempenho em relação ao número de estabelecimentos, mas o crescimento da indústria, com a entrada de capital externo à cidade, também chama atenção, passando de 567 unidades, em 1990, para 660 e 819, em 2000 e 2010, respectivamente.

13Quanto à participação de trabalhadores por setores de atividades econômicas houve um aumento do número de empregados no comércio e no setor de serviços, principalmente entre os anos 2000 e 2010, devido à instalação de redes de hipermercados (Walmart) e à ampliação da oferta de serviços, principalmente educacionais e de saúde, com a criação de duas instituições públicas de ensino superior (Universidade Federal do Triângulo Mineiro e Instituto Federal do Triângulo Mineiro), além de outras particulares.

Gráfico 2

Gráfico 2

Fonte: RAIS, MTE, 1985,1990,1995,2000,2005 e 2010. Org. GOMES, M.T.S

14No que tange ao setor da construção civil, observou-se um aumento considerável no número de empregos entre 2005 e 2010, devido à ampliação do programa habitacional para classes populares, “Minha Casa, Minha Vida”, lançado pelo governo federal em 2009, na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), bem como à implantação de novos empreendimentos residenciais para classe de maior poder aquisitivo, os loteamentos fechados e condomínios verticais.

15Já o setor agropecuário, não obstante sua importância para a economia uberabense, teve um decréscimo no número de trabalhadores entre 2005 e 2010. Essa redução deve-se à incorporação da mecanização e à modernização das atividades agropecuárias, que reduzem a demanda por força de trabalho no processo de produção agrícola, do plantio à colheita.

16Os dados da Tabela 2 revelam que, entre os anos de 1999 e 2010, o PIB de Uberaba cresceu mais três vezes, acompanhando o desempenho do PIB mineiro.

Tabela 2 - Uberaba-MG: Produto Interno Bruto (PIB) - 1999-2010 (em reais)

Município

1999

2002

2005

2008

2010 (1)

Minas Gerais (total do estado)

89.789.782

127.781.907

192.639.256

282.520.745

351.380.905

Uberaba (município)

2.024.849

3.017.848

4.105.596

6.212.441

7.155.214

Fonte: Fundação João Pinheiro, 2012

Os dados revelam que o município de Uberaba, na Região do Triângulo Mineiro, vem passando, nos últimos anos, por uma nova dinâmica econômica, observada com o crescimento da participação dos setores das atividades econômicas (indústria, comércio e serviços) na composição do Produto Interno Bruto – PIB, efeito, principalmente, do processo de desconcentração econômica e industrial do estado de São Paulo, que favoreceu os estados vizinhos com a atração de novos investimentos empresariais.

  • 3 Sobre os agentes produtores do espaço urbano, consultar Correa (1989).

17De modo geral, as cidades médias brasileiras têm atraído a instalação de modernas formas de consumo, como shoppings centers, hipermercados, lojas de departamentos e concessionárias, bem como de novas plantas industriais, tornando-se lugares estratégicos para a reprodução do capital, ocorrendo, assim, uma reestruturação do espaço urbano. Em Uberaba, onde as “condições gerais de produção” têm atraído novos investimentos para a cidade, agentes produtores do espaço urbano, proprietários dos meios de produção, proprietários fundiários, promotores imobiliários e o próprio Estado3 vêm contribuindo para a expansão do tecido urbano e suas descontinuidades.

18As transformações na dinâmica econômica podem ser atribuídas, em primeiro lugar, à instalação de novas indústrias ligadas ao setor agropecuário, entre outras, Vale Fertilizantes (antiga Fosfértil), Bunge (adquirida pela Yara Fertilizantes), Dagranja (adquirida pelo grupo Marfrig), Sipcam, Stoppani do Brasil, Agronelli Insumos Agrícolas, Fertigran, Fertipar, Yara Brasil Fertilizantes, Ouro Fino, Heringer Fertilizantes, Mosaic, FMC Química do Brasil, Neelam América Química, Ubyfol, ADM do Brasil, todas localizadas no Distrito Industrial III, às margens do Rio Grande, na divisa do estado de Minas Gerais com o de São Paulo, a 20 km do centro da cidade. Nesse distrito há uma concentração de empresas de fertilizantes dada a proximidade da principal matéria-prima, a rocha fosfáltica, encontrada em Araxá. Além dessas indústrias, instalou-se no Distrito Industrial II, a Black & Decker, com sede em Baltimore, nos Estados Unidos (em 2010 após a fusão com a Stanley, torna-se Stanley Black & Decker), vinda da região metropolitana de São Paulo, em decorrência do processo de desconcentração industrial. Conforme pode-se visualizar na Figura 2, Uberaba conta com três distritos industriais criados nos anos 1970, além de um em fase de implantação. Os Distritos II e III estão conectados com o ramal da Ferrovia Centro-Atlântica, antiga Ferrovia Mogiana. O Distrito II conta com a Estação Aduaneira do Interior (EADI), chamado de porto seco, atuando na movimentação e armazenagem de mercadorias.

19

Figura 2 - Uberaba-MG: localização dos distritos industriais – 2014

Figura 2 - Uberaba-MG: localização dos distritos industriais – 2014

Fonte: Prefeitura Municipal de Uberaba.Org. Luiz Gustavo Leonel dos Reis, 2014

O processo de urbanização, nos últimos anos, tem produzido “novas formas e processos espaciais” nas cidades brasileiras, não somente nas metrópoles e grandes cidades, mas também nas cidades médias. Estas vêm passando por várias transformações e produzindo “novas centralidades urbanas”, devido à multiplicação de áreas com concentração de comércios e serviços, onde se instalam grupos econômicos ligados a redes atacadistas e também varejistas, principalmente hipermercados, serviços alimentares de fast food, lojas de franquias, de departamentos, de eletrodomésticos e de materiais de construção, concessionárias de motos e automóveis, bem como seguradoras e agências de bancos internacionais, entre outros serviços. Trata-se de um processo que vem se intensificando nas últimas décadas e que redefine o tecido urbano das cidades, com a multiplicação de áreas centrais, reproduzindo uma lógica de produção do espaço urbano antes observada apenas nas grandes cidades e metrópoles. Nesse sentido, Sposito (2001, p.238) salienta que:

“As áreas centrais estão se multiplicando e a observação dessa tendência pode ser reconhecida como resultado de uma lógica que passou a orientar a constante dinâmica de reestruturaçãodas cidades brasileiras. A multiplicação de áreas de concentração de atividades comerciais e de serviços revela-se através de nova espacialização urbana, permitindo-nos identificar o conceito de centro prevalentemente à dimensão espacial da realidade. Em outras palavras, o reconhecimento da multiplicação de áreas centrais de diferentes importâncias e papéis funcionais pode se dar através da observação da localização das atividades comerciais e de serviços”.

  • 4 Montessoro (1998), Whitacker (2003) e Silva (2006), entre outros.
  • 5 No estado de São Paulo, em várias cidades médias, os primeiros shoppings centers e redes de hiperme (...)

20Nas cidades médias brasileiras, o crescimento populacional levou à expansão territorial urbana, o que promoveu uma reconfiguração de seu arranjo interno, a partir do aparecimento das “novas centralidades urbanas”, da descentralização de atividades de comércios e serviços, da instalação de shopping centers e hipermercados, enfim, novas formas de consumo. Conforme mostram alguns autores que estudam a temática4, esse movimento teve início no começo da década de 1990 nas cidades médias, onde passaram a ser vistas dinâmicas antes observadas apenas nas metrópoles, como resultado das novas lógicas locacionais dos agentes econômicos, sobretudo de capitais externos. Todavia, em Uberaba, tal processo é mais recente, tendo ocorrido sobretudo a partir de meados dos anos 20005, não obstante a instalação de dois pequenos shoppings (Shopping Urbano Salomão e Shopping Elvira) nos anos 1980, e do Shopping Manhattan, construído na área central da cidade nos anos 1990. Os três, porém, caracterizados como galerias, perderam o caráter de shopping center e atuam com lojas de prestação de serviços, a partir da inauguração do Shopping Uberaba, em 1999, cuja instalação alterou a estrutura do espaço intraurbano, produzindo novas centralidades. Segundo Sposito (1991,p.1), a estrutura seria o “mosaico-resultado do processo de alocação/realocação das atividades econômicas e das funções residencial e de lazer nas cidades”.

21Os shoppings, os hipermercados e os supermercados atuam no processo de reestruturação do espaço urbano, influenciando na dinâmica de novos investimentos dos setores de comércio, serviços e imobiliário, como pode-se observar em Uberaba nas áreas próximas ao Shopping Uberaba, o qual passou a exercer nova centralidade urbana. Os shoppings, em geral, destacam-se como produtores de novas centralidades, na medida em que a concentração de um conjunto de estabelecimentos voltados ao comércio e aos serviços numa determinada localização reúne, em outro lócus, as mesmas qualidades de concentração que se encontram no centro, associadas, porém, a um novo modelo de acessibilidade, já que os shoppings são alocados próximos a vias expressas e conjugam grandes áreas de estacionamento (Sposito, 1991, p. 48).

22Em Uberaba, os eixos de circulação se caracterizam por uma concentração cada vez maior de estabelecimentos comerciais e de serviços, configurando uma área de desdobramento do centro da cidade. Nesses eixos, encontram-se várias galerias comerciais conjugadas a condomínios verticais, shopping centers, hipermercados e atacadistas, agências bancárias, drogarias e áreas de lazer. Incluem-se nessa categoria as avenidas Leopoldino de Oliveira, Guilherme Ferreira, Santos Dumont e Santa Beatriz da Silva, conforme pode ser visualizado na Figura 3 (Reis, 2014).

Figura 3 - Uberaba-MG: as principais vias de circulação - 2012

Figura 3 - Uberaba-MG: as principais vias de circulação - 2012
  • 6 A Havan surgiu em Brusque-SC, em 1986, e nos anos 1990, iniciou a expansão dos negócios, abrindo fi (...)

23Em Uberaba, assiste-se à entrada de novos agentes econômicos, instalados principalmente nos eixos de circulação das avenidas e às margens de rodovias, entre eles: hotéis (Ibis), construído nas proximidades do Shopping Uberaba; hipermercados (Walmart e Carrefour - o último fechou em agosto de 2011), localizados na Avenida Santa Beatriz da Silva; lojas de departamentos (Havan6, Americanas, Riachuelo, Renner, C&A), a primeira instalada no entroncamento da BR-050 com a MG-427 (Figura 4), e as demais, no Shopping Uberaba; lojas de franquias, (M. Martan, Yogoberry, Vivenda do Camarão, Subway, Brookfield, Kalunga, Empório Naka, Samsung, Burger King, entre outras), presentes também no Shopping Uberaba, na Avenida Santa Beatriz da Silva; atacadistas (Makro e Mart Minas), instalados na BR-050 e Avenida Santos Dumont, respectivamente. Em abril de 2015, foi inaugurado o Praça Uberaba Shopping Center (Grupo 5 R), na Avenida Leopoldino de Oliveira (Figura 5), com lojas de departamentos C&A, Renner, Riachuelo, Lojas Americanas, supermercado Empório Bahamas, Mercado 153, cinema Kinoplex, entre outras e o Uberaba Power Center (Grupo Andrade Gutierrez e Grupo BNC Corporate, lançado em 2012), será implantado às margens da rodovia BR-050, que liga São Paulo a Brasília. Além disso, observa-se uma concentração de concessionárias de automóveis (Chevrolet, Honda, Mitsubishi, Renault, Volkswagen, Suzuki, Chery, Citroën, Ford, Nissan, Peugeot, Fiat, Hyundai, Toyota e Kia), localizadas nas principais avenidas.

Figura 4 - Loja Havan, localizada no entroncamento das rodovias BR-050 e MG-427- 2015

Figura 4 - Loja Havan, localizada no entroncamento das rodovias BR-050 e MG-427- 2015

Fonte: GOMES, M. T. S., maio de 2015.

Figura 5 – Praça Uberaba Shopping Center, na Avenida Leopoldino de Oliveira, 2015

Figura 5 – Praça Uberaba Shopping Center, na Avenida Leopoldino de Oliveira, 2015

Fonte: Matushima, M.K. ,agosto de 2015.

24Na Avenida Santa Beatriz da Silva, praticamente desocupada na década de 1990, foi construído em 1999, fora da área central, o Shopping Uberaba, um dos principais centros de compras e lazer de toda a região do Triângulo Mineiro, nas adjacências do qual se ergueu posteriormente o Hipermercado Walmart (2008),conforme destacou Reis (2014). A instalação dessas plataformas comerciais tem atraído novos investimentos para aquela área da cidade, produzindo uma “nova centralidade urbana”. Essa avenida passou a exercer um alto grau de centralidade naquela região, com a instalação de concessionárias de veículos e de unidades de redes de serviços, como a lavanderia 5àsec, e lojas de móveis, como a Casa Verde. Além do comércio e serviços, ampliou-se também a construção de edifícios residenciais de alto padrão (Figuras 6 e 7).

Figura 6 - Hipermercado Walmart, Avenida Santa Beatriz da Silva - 2014

Figura 6 - Hipermercado Walmart, Avenida Santa Beatriz da Silva - 2014

Fonte: REIS, L. G. L. dos, 2014.

Figura 7 - Edifício residencial de alto padrão, na Av. Santa Beatriz da Silva - 2015

Figura 7 - Edifício residencial de alto padrão, na Av. Santa Beatriz da Silva - 2015

Fonte: GOMES, M. T. S, 2015

  • 7 Sede em Uberlândia. Conta atualmente com 14 lojas, sendo 4 em Uberaba.

25Juntamente com as grandes redes de supermercados internacionais e nacionais, Uberaba recebeu também investimentos de redes regionais, como a Super Maxi7, com quatro unidades instaladas em bairros da cidade (Estados Unidos, Boa Vista, Fabrício e Abadia), reforçando a ideia de descentralização do comércio.

26A exemplo do que ocorre em Uberaba, as cidades médias favorecidas pelas condições gerais de produção, pelas “economias de aglomeração”, tornaram-se “lugares privilegiados” aos investidores interessados em ampliar as oportunidades de negócios. As novas formas de comércio/serviços nelas presentes atendem às necessidades de concentração e reprodução do capital, pois, ao mesmo tempo em que ocorre a descentralização das atividades econômicas, mudam o padrão de consumo e o estilo de vida das pessoas e, consequentemente, também o padrão espacial das cidades.

  • 8 Sobre subcentros, consultar Pereira (2001).

27Nesse contexto, resultante das ações de diferentes agentes econômicos, o processo de produção e reprodução do espaço urbano em Uberaba ocorre com o direcionamento de investimentos para algumas áreas da cidade, em detrimento de outras, produzindo, assim, novas espacialidades urbanas ligadas às atividades de comércio e serviços. A centralidade urbana é, portanto, redefinida e observa-se igualmente, a partir do crescimento urbano, o surgimento de núcleos secundários, sobretudo na década de 1980. Como exemplo, destaca-se a formação do Subcentro8do Abadia, no qual há uma expressiva centralidade urbana, com a instalação de 52% dos estabelecimentos de comércios e serviços nos últimos dez anos, conforme demonstrou Reis (2012). O eixo formado pelas ruas Prudente de Morais e Saldanha Marinho firma-se como local de maior concentração de atividades terciárias, o que gera uma sinergia para a atração de novos estabelecimentos para essa área (Figura 8). Observa-se a presença de lojas de franquias, como o Boticário, a Havaianas, a Oi, redes como a Rede Mais Farma, a Ótica Diniz, a Eletrozema, agências bancárias do Banco do Brasil e Itaú e agência dos Correios. (Figuras 9 e 10)

Figura 8 - Rua Prudente de Morais, Bairro Abadia: Principal Subcentro de Uberaba - 2012

Figura 8 - Rua Prudente de Morais, Bairro Abadia: Principal Subcentro de Uberaba - 2012

Fonte: REIS, L. G. L dos, 2012

Figura 9 - Lojas de franquias: Boticário, Havaianas Oi e rede Mais Farma, na Rua Prudente de Morais - 2012

Figura 9 - Lojas de franquias: Boticário, Havaianas Oi e rede Mais Farma, na Rua Prudente de Morais - 2012

Fonte: REIS, L. G. L. dos, 2012

Figura 10 - Presença de agências do Banco do Brasil e Itaú, Rua Prudente de Morais – 2012

Figura 10 - Presença de agências do Banco do Brasil e Itaú, Rua Prudente de Morais – 2012

Fonte: REIS, L. G. L. dos, 2012

28Além das transformações no Bairro Abadia, observam-se mudanças em outros bairros da cidade de Uberaba, com a descentralização espacial de comércios e serviços e o prolongamento do centro, fazendo surgir novas áreas periféricas, como é o caso do Bairro Santa Marta, ao qual foi atribuído um novo conteúdo. Antes tido como de classe menos favorecida, o bairro passou a receber equipamentos da administração pública, como o Centro Administrativo da gestão municipal, o Fórum da Comarca de Uberaba e as sedes da Ordem dos Advogados de Uberaba e do Ministério Público (Costa, 2014). Acrescenta-se ainda o Parque do Paço, uma área de lazer que a gestão municipal dotou de infraestrutura, atraindo assim novos investimentos.

29Singer (1982), ao tratar do Estado e do uso capitalista do solo, chama atenção para a atuação do poder público e a transformação na paisagem urbana, com a consequente valorização do solo urbano:

“O Estado, como responsável pelo provimento de boa parte dos serviços urbanos, essenciais tanto às empresas como aos moradores, desempenha importante papel na determinação das demandas pelo uso de cada área específica do solo urbano e, portanto, do seu preço. Sempre que o poder público dota uma zona qualquer da cidade de um serviço público, água encanada, escola pública ou linha de ônibus, por exemplo, ele desvia para esta zona demandas de empresas e moradores que anteriormente, devido à falta do serviço em questão, davam preferência a outras localizações. Estas novas demandas, deve-se supor, estão preparadas a pagar pelo uso do solo, em termo de compra ou aluguel, um preço maior do que as demandas que se dirigiam à mesma zona quando esta ainda não dispunha do serviço. Daí a valorização do solo nesta zona, em relação às demais”. (Singer,1982, p. 34)

30A produção do espaço urbano ocorre a partir de lógicas e estratégias de diferentes agentes sociais, inclusive o Estado. As ações dos incorporadores imobiliários, em muitos casos, geram a “especulação imobiliária”, pois os investimentos são direcionados para algumas áreas da cidade. O Estado, na maioria das vezes, contribui para a “especulação imobiliária”, ao dotar de infraestrutura essas áreas atrativas para os promotores imobiliários. Dessa forma, favorece a elevação do preço da terra urbana, como tem ocorrido em Uberaba, onde o caso do Bairro Santa Marta é o mais emblemático.

31Com a infraestrutura disponibilizada, o setor imobiliário visualizou a oportunidade de implantação de novos empreendimentos imobiliários no Bairro Santa Marta, o que valorizou o solo urbano naquela área da cidade. Nesse sentido, “[...] as transformações no preço do solo acarretado pela ação do Estado são aproveitadas pelos especuladores, quando estes têm possibilidade de antecipar os lugares em que as diversas redes de serviços urbanos serão expandidas” (Singer, 1982, p. 34).

32O Bairro Santa Marta, localizado na unidade de planejamento Mercês (Figura 11), vem passando por alterações na sua paisagem, ou seja, no uso e ocupação do solo urbano, resultantes da atuação do poder público e do mercado imobiliário. A implantação de órgãos públicos no bairro mostra a presença do Estado na produção do espaço urbano, pois tal medida contribui para a valorização dessa área da cidade, à qual se voltam, posteriormente, investimentos do setor privado, induzindo a expansão urbana com a abertura de ruas e a instalação de loteamentos fechados de alto padrão, entre eles: José Humberto Rodrigues da Cunha, Champagnat, Bella Vista e Lauro Fontoura.

33A implantação de loteamentos fechados de alto padrão implica a mudança do padrão residencial e, consequentemente, da classe social de moradores do bairro, tendo como resultado um processo de segregação urbana produzida pelo aumento preço do solo urbano, levando a “expulsão” de antigos moradores. Nesse sentido, como consequência, “a elevação do preço dos imóveis resultantes pode deslocar os moradores mais antigos e pobres, que vendem suas casas, quando proprietários, ou simplesmente saem, quando inquilinos, de modo que o novo serviço vai servir aos novos moradores e não aos que supostamente deveriam beneficiar” (Singer, 1982, p. 34).

  • 9 O Grupo Cyrela, Empresa Cyrela Brasil Realty, atua na área de empreendimentos imobiliários e está p (...)

34Os indicadores de crescimento da cidade têm atraído vários investimentos nos setores da construção civil e imobiliário, que se materializam através do lançamento de novos empreendimentos por construtoras de capitais locais (RCG, Fênix, Hindy, entre outras) e também nacionais, a exemplo dos condomínios Cyrela Landscape Uberaba, do grupo Cyrela9 (São Paulo), Damha, do grupo Encalso Damha (São Paulo), MRV (Belo Horizonte), Estâncias dos Ipês, do grupo ITV (Uberlândia) (Figura 11). A implantação de loteamentos fechados para atender a demanda de classe alta com empreendimentos de alto padrão vem promovendo transformações socioespaciais na cidade de Uberaba, com a incorporação de novos espaços urbanos pelo capital imobiliário. Observa-se, assim, nos últimos anos, um “boom imobiliário”, resultado do grande número de investimentos em áreas próximas ao centro tradicional e também em áreas periféricas. Com o lançamento desses empreendimentos, há uma transformação significativa da paisagem urbana, contribuindo para a reestruturação do espaço urbano.

Figura 11 – Uberaba: unidades de planejamento e principais loteamentos fechados - 2013

Figura 11 – Uberaba: unidades de planejamento e principais loteamentos fechados - 2013

Fonte: Prefeitura Municipal de Uberaba, 2013. Org. Karine Amaral

35O crescimento do mercado imobiliário em Uberaba pode ser observado pelos dados referentes ao Imposto Sobre a Transmissão de Bens Imóveis - ITBI no período entre 2005 e 2010. Segundo informações da Prefeitura Municipal (2013), a cidade é a 6ª maior do estado em arrecadação desse imposto, cuja valor cresceu, em média, 29,72% ao ano (Gráfico 3).

Gráfico 3 - Uberaba: Crescimento de ITBI (em reais) -2005-2010

Gráfico 3 - Uberaba: Crescimento de ITBI (em reais) -2005-2010

*Houve impacto na arrecadação nos anos de 2009 e 2010, em virtude de isenção concedida a mais de 3.500 unidades do Programa “Minha Casa, Minha Vida” destinadas a famílias de baixa renda.

Fonte: PMU, 2010.

  • 10 A COHAGRA foi criada em 1987. Trata-se de uma sociedade de economia mista, tento como maior acionis (...)

36Nos últimos anos, mais de 109 mil imóveis foram construídos, e 27.000 lotes, urbanizados. Além da presença de grandes construtoras locais e nacionais e da construção de condomínios fechados de alto padrão e de classe média, como já mencionado, a Companhia Habitacional do Vale do Rio Grande - COHAGRA10 – atua na administração de construção de moradias para o segmento de baixa renda (Abrão, Amaral e Gomes, 2013). Somam-se mais de 5.000 residências concluídas em bairros populares no período 2005 a 2012, principalmente do Programa Minha Casa Minha Vida, conforme pode-se visualizar na tabela 3 e mais 5.000 residências em andamento. Segundo a Prefeitura Municipal, Uberaba foi a primeira cidade do estado de Minas Gerais a assinar contrato com o governo federal referente ao Programa “Minha Casa, Minha Vida”.

  • 11 RCG, Construtora Rodrigues da Cunha Guaritá, foi criada em 1984 e atua no mercado imobiliário como (...)

37A implantação do Programa, em 2009, passou a oferecer financiamento a famílias de baixa renda para a aquisição de moradias nas áreas urbanas. A facilidade de créditos imobiliários, com juros baixos, contribuiu para o crescimento da compra de imóveis. Muitos incorporadores e construtoras começaram a atuar no mercado, como prestadoras de serviços para a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. A RCG11 é uma das principais incorporadoras a atuar na cidade para a construção de moradias do Programa.

Tabela 3 - Uberaba-MG: Programas e projetos de construção de moradias populares -2005-2012

Local

Quantidade

Antônia Cândida

258 Casas

Francisco Angotti

211 Casas

Morada Du Park

270 Casas

Residencial 2000

1.178 Casas

Estrela da Vitória

34 Casas

Complexo Vila Paulista

32 Casas

João Bichuetti

176 Apartamentos 

Jardim Brasília

31 Casas

Ponte Alta

72 Casas

Capelinha do Barreiro

20 Casas

Bairro da Baixa

20 Casas

Residencial Presidente Tancredo Neves - Módulos I, II e III

322 Casas

Jardim Copacabana Usuario2015-08-19T21:57:00U*(PMCMV)

500 Casas

Pacaembu II *(PMCMV)

299 Casas

Parque dos Girassóis I - Módulo A *(PMCMV)

246 Casas

Parque dos Girassóis I - Módulo B *(PMCMV)

180 Casas

Residencial Presidente Tancredo Neves - Módulo IV

146 Casas

Loteamento das Gameleiras - 1ª etapa

25 Casas

Morumbi II *(PMCMV)

265 Casas

Jardim Alvorada *(PMCMV)

331 Casas

Loteamento das Gameleiras - 2ª etapa

52 Casas

Parque dos Girassóis II

500 Casas

Loteamento das Gameleiras - 3ª etapa

46 Casas

Loteamento das Gameleiras - 4ª etapa

18 Casas

Residencial Presidente Tancredo Neves - Módulo V

124 Casas

Total 

5.356

Fonte: Prefeitura Municipal de Uberaba *Programa Minha Casa Minha Vida – PMCMV. Disponível em: http://www.uberaba.mg.gov.br/​portal/​conteudo,260. Acesso em: 18 jul. 2015.

38Outra mudança observada no espaço urbano de Uberaba é decorrente da transformação da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro - FMTM em Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, ocorrida em 2005. (Figura 12) A localização da universidade estimulou a construção de vários prédios nas adjacências (Figura 13), o que tem produzido alterações no espaço intraurbano, implicando a especulação imobiliária no Bairro Abadia. Ou seja, está ocorrendo um redesenho do espaço urbano e do arranjo espacial, com a atuação do setor imobiliário em áreas antigas.

Figura 12 - Centro Educacional - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, localizada no Bairro Abadia - 2015

Figura 12 - Centro Educacional - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, localizada no Bairro Abadia - 2015

Fonte: GOMES, M.T.S, Pesquisa de campo, julho de 2015

Figura 13 - Construção de três edifícios pela construtora Hindy, nas proximidades da UFTM, Rua Frei Paulino, no Bairro Abadia - 2015

Figura 13 - Construção de três edifícios pela construtora Hindy, nas proximidades da UFTM, Rua Frei Paulino, no Bairro Abadia - 2015

Fonte: Pesquisa de campo, julho de 2015

39Em áreas antigas do Bairro Abadia, os proprietários começaram a alugar seus imóveis para estudantes vindos para a UFTM, a partir de 2005. Muitas casas foram transformadas em repúblicas de estudantes. Essa área passou a ser de interesse para os promotores imobiliários, que transformaram a paisagem urbana do bairro com a construção de vários edifícios, conforme podemos observar nas proximidades da UFTM. A tal “valorização especulativa” no Bairro Abadia tem feito que os preços do solo urbano e de imóveis aumentem cada vez mais. As casas são demolidas para dar lugar a prédios residenciais ou comerciais e de serviços (Figuras 14, 15 e 16).

Figura 14 - Novas construções no Bairro Abadia, nas proximidades da UFTM - 2015

Figura 14 - Novas construções no Bairro Abadia, nas proximidades da UFTM - 2015

Fonte: GOMES, M.T. S, julho de 2015

Figura 15 - Rua José de Alencar, no Bairro Abadia: moradias antigas dão lugar às novas construções, 2015

Figura 15 - Rua José de Alencar, no Bairro Abadia: moradias antigas dão lugar às novas construções, 2015

Fonte: GOMES, M.T. S, julho de 2015

40A cidade de Uberaba vem passando por um ritmo intenso de transformações no espaço urbano, seja pela configuração de áreas de novas centralidades, com a descentralização do comércio e serviços, seja pela construção de moradias de alto padrão e também populares, principalmente com o Programa “Minha Casa, Minha Vida”, assim como em áreas antigas, a exemplo do bairro Abadia, nas proximidades da UFTM. Dessa forma, a paisagem urbana é transformada, ocorrendo uma reestruturação do espaço urbano, com novos processos e formas espaciais.

41A produção e reprodução do espaço urbano em Uberaba é corolário de ações de diferentes agentes sociais com interesses e estratégias diferenciados, o que tem produzido novas espacialidades, direcionando investimentos para algumas áreas da cidade, conforme abordamos neste artigo. Em suma, a cidade vem passando por transformações socioespaciais e por mudanças também em sua dinâmica econômica, expressas pelo crescimento do PIB nos últimos anos, que passou de 2.024.849 milhões, em 1999, para 7.155.214 milhões, em 2010. Os dados demonstram que o município e a cidade acompanham a tendência de crescimento das cidades médias. Nesse sentido, Uberaba, pela capacidade de atração a novos investimentos em diversos setores de atividade econômica, é considerada um novo espaço produtivo.

Considerações finais

42As cidades médias tornaram-se cada vez mais “lugares atrativos”, pois as “deseconomias de aglomeração” nas metrópoles favoreceram o deslocamento de investimentos em direção às cidades dotadas de infraestruturas capazes de recebê-los. Elas vêm se configurando como “cidades emergentes”, ou “novos espaços produtivos”, assumindo um novo papel na rede urbana brasileira.

43A entrada de novos agentes econômicos nas cidades médias tem produzido novas espacialidades urbanas ligadas às atividades de comércio e serviços. Esse movimento ocorre, a princípio, como corolário da saturação dos grandes centros urbanos, mas, principalmente, do crescimento econômico do próprio interior do país, que promoveu a expansão urbana das cidades médias, vistas pelo capital como “novas fronteiras” de investimentos para sua reprodução.

44Atualmente, a cidade de Uberaba vem passando por profundas transformações socioeconômicas e espaciais. A entrada de investimentos ligados aos setores da indústria, comércio, e prestação de serviços tem produzido “novas centralidades urbanas”, inserindo-a nos “novos espaços produtivos” na rede urbana brasileira e contribuindo para sua polarização regional. A cidade torna-se atrativa não só aos investimentos, mas também às pessoas, que buscam em Uberaba novas oportunidades de trabalho.

Haut de page

Bibliographie

Abrão, W. O.; Amaral, K. F.; Gomes, M. T. S. « A (re) produção do espaço urbano e “boom imobiliário” na cidade de Uberaba/MG(Brasil)». In: XIV Encuentro de Geógrafos de America Latina (XIV EGAL), Lima, 2013. Anais ...,Lima:Egal,2013, v. 1.

Andrade, T. A., Serra, R. V. (org.). «Cidades Médias Brasileiras». Rio de Janeiro:IPEA, 2001.

Amorim Filho. O. B. «Origens, evolução e perspectivas dos estudos sobre as cidades médias ». In: Sposito. M. E. B.(Org.) Cidades Médias espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007, pp.69-87.

_______. «Cidades médias e organização do espaço no Brasil». Revista Geografia e Ensino. Belo Horizonte: Departamento de Geografia - IGC/UFMG, v.2, n.5, pp. 5-35, 1984.

_______.; Serra, R. V. «Evolução e perspectivas do papel das cidades médias no planejamento urbano e regional». In: Andrade, T. A.; Serra, R. V. (Org.). Cidades Médias Brasileiras. Rio de Janeiro: IPEA, 2001. pp.1-34.

Castello Branco, M. L. G. «Algumas considerações sobre a identificação de cidades médias» In: Sposito, M. E. B. Cidades médias, espaços em transição. São Paulo. Expressão popular, 2007, pp.89-111.

Corrêa, R. L. «Construindo o conceito da cidade média». In: Sposito, M. E. B. Cidades médias, espaços em transição. São Paulo. Expressão popular, 2007, pp.23-33.

________. «O espaço urbano». São Paulo: Editora Ática S.A., 94 p, 1989.

Costa, A. D. «A Dinâmica do espaço urbano no bairro Santa Marta em Uberaba-MG. Uberaba, 2014. Trabalho de conclusão do curso, Universidade Federal de Triângulo Mineiro.

Davidovich, F. «Brasil metropolitano e Brasil urbano não-metropolitano - algumas questões». Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano 53, n.2, p.127-133,abr./jun.1991.

Diniz, C. C. «Desenvolvimento Poligonal no Brasil: Nem Desconcentração, Nem contínua Polarização». Nova Economia. Belo Horizonte. v.3. n.1, p.35-64, 1993.

Gomes, M. T. S.; Matushima, M. K.; Chagas, N. J. Relatório de Pesquisa: «Dinâmica econômica, cidades médias e interações espaciais »FAPEMIG. Uberaba, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, p.79, 2013.

Gomes, M. T. S. «O processo de reestruturação produtiva em cidades médias do Oeste Paulista: Araçatuba, Birigui, Marília, Presidente Prudente e São José do Rio Preto». São Paulo. 2007. Tese (Doutorado em Geografia Humana) Faculdade de Filosofia, Letras, Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Lencioni, S. «Condições gerais de produção: um conceito a ser recuperado para a compreensão das desigualdades de desenvolvimento regional». In: IX Colóquio Internacional de Geocrítica. Los problemas del mundo actual: soluciones y alternativas desde la geografía y las ciencias sociales. Porto Alegre. UFRGS, 2007. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/9porto/lencioni.htm . Acesso em: 10 maio 2013.

______. «Cisão territorial da indústria e integração regional no Estado de São Paulo». In: Gonçalves, M. L; Brandão, C. A.; Galvão, A. C. F. (org.) Regiões e cidade, cidades nas regiões: o desafio urbano-regional. São Paulo: Ed. Unesp / ANPUR,2003, pp.465-476.

________. «Reestruturação urbano-industrial: centralização do capital e desconcentração da metrópole de São Paulo». São Paulo. 1991. Tese (Doutorado em Geografia Humana). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Lojas Havan. http://www.lojashavan.com.br/perfil. Acesso em: 03 de ago. 2015.

Montessoro, C. C. L. «Shopping centers e reestruturação urbana em Presidente Prudente». Presidentes Prudente, 1999. Dissertação (Mestrado em Geografia). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

Mourão, P. F. C. «Reestruturação produtiva da indústria e desenvolvimento regional: a Região de Marília». São Paulo. 2002. Tese (Doutorado em Geografia Humana). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo.

Negri, B. «Concentração e desconcentração industrial em São Paulo (1880-1990)». Campinas: Editora Unicamp,1996.

Oliveira, F. J. G. «Reestruturação Produtiva e regionalização da economia no território fluminense». São Paulo, 2003. Tese (Doutorado em Geografia). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Pereira, S. R. «Subcentros e condições de vida no Jardim Bongiovani e Conjunto Habitacional Ana Jacinta». Presidente Prudente, 2001.Dissertação (Mestrado em Geografia). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Prefeitura Municipal de Uberaba. Disponível em: http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/conteudo,260. Acesso em: 18 jul. 2015.

_______________________. «Uberaba em dados ». Uberaba, 2010. Disponível em: <http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/conteudo,232,>. Acesso em 30 mar. 2013.

Reis, L. G. L. «Novas centralidades urbanas em cidades médias: uma análise sobre o bairro Abadia em Uberaba-MG». Uberaba, 2014. Trabalho de conclusão do curso, Universidade Federal de Triângulo Mineiro.

_____. « Centralidade urbana: uma análise do Bairro Abadia em Uberaba-MG». Uberaba, 2012. Relatório Final de Pesquisa de Iniciação Científica. Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Santos, M. e Silveira, M. L. «Brasil: território e sociedade no início do século XXI». Rio de Janeiro: Record, 2001.473 p

Silva, M. B. da. «A dinâmica do comércio de autosserviço no varejo alimentar e a expansão das lojas de vizinhança na cidade de Uberaba (MG)». Uberlândia, 2011. Dissertação (Mestrado em Geografia), Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia.

Silva, W. R. da. «Para além das cidades. Centralidade e estruturação urbana. Londrina e Maringá». Presidente Prudente, 2006. Tese (Doutorado em Geografia). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

Singer, P. «O Uso do Solo Urbano na Economia Capitalista». In: Maricato, E. (org). A Produção Capitalista da Casa (e da Cidade) no Brasil Industrial. São Paulo: Alfa-Omega, 1982, pp. 21-36.

Soares, B. R. «As novas espacialidades urbanas das cidades médias para o século XXI». In: Oliveira, M,P; Coelho,M.C; Corrêa, A. (Org.). O Brasil, a América Latina e o Mundo: espacialidades contemporâneas. Rio de Janeiro: Lamparina/FAPERJ/ANPEGE, 2008, pp. 153-164.

______. « Repensando as cidades médias brasileiras no contexto da globalização». Revista Formação, Presidente Prudente, n.6, p.55-63,1999Sposito, E. S.; Sposito, M. E.. B.; Sobarzo, O. (orgs.). «Cidades Médias: produção do espaço urbano e regional». São Paulo: Expressão Popular, 376 p, 2006.

______. «Multi(Poli)Centralidade Urbana». In: Sposito, E. S.; Sant'Anna Neto, J. L. (Org.). Uma Geografia em movimento. São Paulo: Expressão Popular, 2010, pp. 199-228.

______ (org.). «Cidades Médias: espaços em transição». São Paulo: Expressão Popular, 2007.632 p

_________. «O chão em pedaços: urbanização, economia e cidades no estado de São Paulo ». Presidente Prudente, 2004. Tese (Livre docência). Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade Estadual Paulista.

_________. «As cidades médias e os contextos econômicos contemporâneos». In: Sposito, M. E. B. (org.) Urbanização e cidades: Perspectivas geográficas. Presidente Prudente: UNESP,2001.

Whitacker, A. M. «Reestruturação urbana e centralidade em São José do Rio Preto - SP». Presidente Prudente, 2003. Tese (Doutorado em Geografia). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.

Haut de page

Notes

1 No Brasil, enquanto o IBGE utiliza o critério demográfico e considera como “cidades médias” aquelas que possuem entre 100 e 500 mil habitantes, outros pesquisadores têm como elemento de classificação os papéis desempenhados por essas cidades, entre eles, Sposito (1999,2001, 2004, 2007, 2009 e 2010), Soares (1999 e 2008), Amorim Filho (1984), Amorim e Serra (2001), Correa (2007).

2 Ver Diniz (1993), Gomes (2007), Mourão (2002), Oliveira (2002).

3 Sobre os agentes produtores do espaço urbano, consultar Correa (1989).

4 Montessoro (1998), Whitacker (2003) e Silva (2006), entre outros.

5 No estado de São Paulo, em várias cidades médias, os primeiros shoppings centers e redes de hipermercados foram instalados no início dos anos 1990, por exemplo, em Presidente Prudente e São José do Rio Preto.

6 A Havan surgiu em Brusque-SC, em 1986, e nos anos 1990, iniciou a expansão dos negócios, abrindo filiais em outros estados da Região Sul; nos anos 2000, sobretudo a partir de 2012, expandiu-se para o interior do estado de São Paulo, particularmente nas cidades médias. Atualmente, conta com lojas nos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Minas Gerais, Bahia, Pará e Rondônia, somando, no total, 86 lojas, em 2014. A meta da Havan é encerrar 2015 com mais de 100 lojas e 20 mil empregos gerados. Fonte: http://www.lojashavan.com.br/perfil. Acesso em: 03 de agosto 2015.

7 Sede em Uberlândia. Conta atualmente com 14 lojas, sendo 4 em Uberaba.

8 Sobre subcentros, consultar Pereira (2001).

9 O Grupo Cyrela, Empresa Cyrela Brasil Realty, atua na área de empreendimentos imobiliários e está presente em 16 estados brasileiros, e em outros países, como Argentina, Paraguai e Uruguai. Em 14 de fevereiro de 2011, comprou um terreno da família Diamantino para a implantação de um loteamento fechado em Uberaba, no Bairro Boa Vista.

10 A COHAGRA foi criada em 1987. Trata-se de uma sociedade de economia mista, tento como maior acionista a Prefeitura Municipal de Uberaba.

11 RCG, Construtora Rodrigues da Cunha Guaritá, foi criada em 1984 e atua no mercado imobiliário como uma das principais incorporadoras e construtoras de Uberaba.

Haut de page

Table des illustrations

Crédits Fonte: Base cartográfica IBGE. Org. Luiz Gustavo Leonel dos Reis, 2013
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Gráfico 1
Crédits Fonte: RAIS, MTE, 1985,1990,1995,2000,2005 e 2010. Org. GOMES, M.T. S.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-2.png
Fichier image/png, 38k
Titre Gráfico 2
Crédits Fonte: RAIS, MTE, 1985,1990,1995,2000,2005 e 2010. Org. GOMES, M.T.S
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-3.png
Fichier image/png, 36k
Titre Figura 2 - Uberaba-MG: localização dos distritos industriais – 2014
Crédits Fonte: Prefeitura Municipal de Uberaba.Org. Luiz Gustavo Leonel dos Reis, 2014
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-4.png
Fichier image/png, 205k
Titre Figura 3 - Uberaba-MG: as principais vias de circulação - 2012
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Figura 4 - Loja Havan, localizada no entroncamento das rodovias BR-050 e MG-427- 2015
Crédits Fonte: GOMES, M. T. S., maio de 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 5 – Praça Uberaba Shopping Center, na Avenida Leopoldino de Oliveira, 2015
Crédits Fonte: Matushima, M.K. ,agosto de 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Figura 6 - Hipermercado Walmart, Avenida Santa Beatriz da Silva - 2014
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre Figura 7 - Edifício residencial de alto padrão, na Av. Santa Beatriz da Silva - 2015
Crédits Fonte: GOMES, M. T. S, 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Figura 8 - Rua Prudente de Morais, Bairro Abadia: Principal Subcentro de Uberaba - 2012
Crédits Fonte: REIS, L. G. L dos, 2012
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 9 - Lojas de franquias: Boticário, Havaianas Oi e rede Mais Farma, na Rua Prudente de Morais - 2012
Crédits Fonte: REIS, L. G. L. dos, 2012
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Figura 10 - Presença de agências do Banco do Brasil e Itaú, Rua Prudente de Morais – 2012
Crédits Fonte: REIS, L. G. L. dos, 2012
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Figura 11 – Uberaba: unidades de planejamento e principais loteamentos fechados - 2013
Crédits Fonte: Prefeitura Municipal de Uberaba, 2013. Org. Karine Amaral
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Gráfico 3 - Uberaba: Crescimento de ITBI (em reais) -2005-2010
Légende *Houve impacto na arrecadação nos anos de 2009 e 2010, em virtude de isenção concedida a mais de 3.500 unidades do Programa “Minha Casa, Minha Vida” destinadas a famílias de baixa renda.
Crédits Fonte: PMU, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-14.png
Fichier image/png, 40k
Titre Figura 12 - Centro Educacional - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, localizada no Bairro Abadia - 2015
Crédits Fonte: GOMES, M.T.S, Pesquisa de campo, julho de 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Figura 13 - Construção de três edifícios pela construtora Hindy, nas proximidades da UFTM, Rua Frei Paulino, no Bairro Abadia - 2015
Crédits Fonte: Pesquisa de campo, julho de 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Figura 14 - Novas construções no Bairro Abadia, nas proximidades da UFTM - 2015
Crédits Fonte: GOMES, M.T. S, julho de 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Figura 15 - Rua José de Alencar, no Bairro Abadia: moradias antigas dão lugar às novas construções, 2015
Crédits Fonte: GOMES, M.T. S, julho de 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10407/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 46k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Terezinha Serafim Gomes, « Cidades médias, novos espaços produtivos e reestruturação do espaço urbano em Uberaba-MG », Confins [En ligne], 25 | 2015, mis en ligne le 05 novembre 2015, consulté le 24 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/10407 ; DOI : 10.4000/confins.10407

Haut de page

Auteur

Maria Terezinha Serafim Gomes

Departamento de Geografia, Universidade Estadual Paulista - UNESP, serafimgomes@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org