Navigation – Plan du site

Realização social da natureza pelo turismo na Chapada dos Veadeiros

Réalisation sociale de la nature par le tourisme dans la Chapada dos Veadeiros
Social achievement of nature tourism in the Chapada dos Veadeiros
Everaldo Batista da Costa, Maria Geralda de Almeida, Rafael Fabrício de Oliveira et Rúbia de Paula Rúbio

Résumés

Situé dans l'État de Goiás, au Brésil, le parc national Chapada dos Veadeiros se distingue, par ses paysages, dans sa double composante physiographique et culturelle. Cette singularité, forgée socialement, attire chaque année des milliers de touristes en quête de ces aménités consacrées. L'attractivité de ce bastion parmi les mieux conservés du cerrado brésilien connaît un nouveau souffle depuis son inscription sur la liste du patrimoine mondial de l’UNESCO. Le tourisme, en tant qu’activité productive moderne, est devenu l'une des principales sources de revenus pour les différents groupes qui vivent dans la Chapada. Grâce à un travail du terrain et de collecte de données brutes, des recherches documentaires et bibliographiques, cet article présente un aperçu complet et actuel de la logique du tourisme et de ses principales dynamiques socio-spatiales qui contribuent à promouvoir le parc national de la Chapada dos Veadeiros, qui intègre le municipe de Alto Paraíso de Goiás et le village de São Jorge.

Haut de page

Entrées d’index

Index by keywords :

heritagization, culture, nature

Index géographique :

Chapada dos Veadeiros
Haut de page

Texte intégral

Artesanato em São JorgeAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry

Este artigo resulta do desenvolvimento do projeto de Pesquisa Região da Biosfera Goyaz - cultura e turismo: oportunidades de conhecimentos e propostas de estruturação de novos produtos turísticos, roteiro Chapadas e Cavernas, financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de Goiás, FAPEG.

1São várias as atitudes dos homens face à natureza, resultantes de diversas concepções de mundo projetadas sobre ela: selvagem, sublime, pura, divina, objeto de conhecimento, útil, recurso etc. Conforme Serje (1999, p. 11), o nosso olhar obtuso pouco alcança que “[...] não existe Natureza no singular. As naturezas são tantas quanto os grupos sociais”. Distintas concepções são manifestadas, com variações, nas relações entre a sociedade e as coisas ditas naturais. Embora o entendimento sobre o natural tenha se ampliado, permanece em comum que ele é realidade alheia à intervenção social, produto único e exclusivo das leis da seleção natural, com a exclusão de sua dimensão histórico-simbólica. Visualiza-se a natureza como negação da vida de existências múltiplas, da cultura, das práticas sociais.

2Porém, atualmente, delineia-se uma vigorosa contracorrente impulsionada pela “descoberta” valorativa do natural. A natureza se reinventa, contemporaneamente, pelo seu valor de recurso, principalmente econômico, espetacular, exibida pelo turismo, no segmento de contato com o não artificial. O turismo visa ao consumo das coisas naturais que, depois de dessacralizadas, objetivadas e manipuladas pela sociedade capitalista, reencantam-se com valores antológicos (Almeida, 2008). O discurso da conservação das espécies e dos atrativos turísticos naturais faz emergir outras leituras sobre a natureza, novos olhares valorativos.

3Cabe ressaltar que, enquanto a própria cultura favorece a atribuição de significado subjetivo ao turismo (como prática social), a economia ressignifica os aspectos cultural e natural em favor do seu sentido mercantil. Assim, a cultura contém e faz compreender os valores atribuídos à natureza, quando ela própria é entendida como o que tem sentido e dá sentido ao mundo (Berque, 1986). São os valores culturais que qualificam e inventam o objeto turístico; valores que, longe de uma imanência, não surgem dos próprios objetos ou das práticas. Aquilo que é tratado por bem cultural ou natural não tem em si valor ou identidade, mas significados que os grupos sociais lhes impõem. O objeto turístico, em si, não existe, é uma invenção para e pelo turismo (Almeida, 1998, 2006, 2008).

4Lugares e territórios turísticos também são invenções. Conforme Dewailly e Flament (1993), o lugar só adquire valor turístico quando responde à demanda existente ou latente, ao se fundir com aspirações, gostos e mitos de uma época. O desejo de experienciar, de sentir e de conhecer, suscitado pelas imagens que o turismo cria e pela propaganda que lhe dá corpo, faz com que a sociedade procure, freneticamente, a fantasia, o simulacro, o exotismo, a nostalgia, o novo. A natureza é a que mais se presta a atender os apelos do imaginário criado pelo e para o citadino que, por excelência, é o turista. Aparecem como estímulos: os recursos naturais para diversas práticas desportivas; a contemplação e a naturofilia enquanto disposição afetiva contemporânea em relação à natureza. Para Béteille, (2000) ela alimenta os mitos dos ecoturistas, as preocupações dos ecologistas e dos ambientalistas; as fantasias daqueles que idealizam a natureza como sagrada e, paradoxalmente, os interesses daqueles que a transformam em pura mercadoria.

5Nessa época de mudanças e fortalecimento da economia de produção-consumo vinculada ao lazer, o turismo ecológico (turismo verde, ecoturismo ou turismo natural) torna-se segmento promissor de uma das atividades mais dinâmicas da economia mundial. Isso ocorre graças à intensa vaga de naturofilia, isto é, ao desejo e sentimento de amor e aproximação da natureza por parte dos citadinos (Almeida, 2008).

6Logo, este artigo tem por objetivo compreender a realização social da natureza pelo turismo na Chapada dos Veadeiros, Brasil. Para tanto, são desenvolvidas três abordagens correlatas: i) o entendimento da patrimonialização da natureza como revaloração da vida social e da cultura na Chapada; ii) a caracterização do turismo e dos turistas na localidade, frente à disposição afetiva contemporânea ligada à ideia de natureza (disposição que transforma a estrutura social do lugar); iii) a apreensão de nuanças do imaginário místico catalizador do turismo e produtor do território. A abordagem do caso exigiu levantamento de bibliografia e fontes documentais, além da constituição de dados primários como: depoimentos orais, mapas, imagens e informações espaciais locais relativas ao turismo.

Cultura e natureza ante a patrimonialização da vida

  • 1 Cabe breve nota sobre o quadro físico inerente à Chapada dos Veadeiros. A região central do Brasil (...)
  • 2 Costa (2015, p 35) categoria patrimonialização global como sendo “o brusco movimento universal de e (...)

7O debate sobre um dos principais atrativos turísticos de natureza do Centro-Oeste brasileiro, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros1, exige uma abordagem que justifique o diferencial reflexivo e contribua para a elucidação das atuais intervenções sobre o referido território. No contexto da massificação turística global ou da busca frenética por lugares do tempo livre (e do novo trabalho), fazem-se potenciais atrativos os lugares de balneário e da idílica “natureza natural”, que envolvem ilhas, praias, cachoeiras, parques etc. O pensar e o agir sobre tais atrativos, sugere o entendimento da relação entre a patrimonialização dos lugares2 e o lugar da cultura e da natureza face à turistificação, pois enquanto atrativo, a natureza natural torna-se novo saber e acontecer em transformação e de distinção social.

8A patrimonialização da natureza natural supõe a emergência da cultura do estético que a alinha à natureza social. Essa cultura traduz-se em consumo visual e representa empoderamento (às avessas) massivo da e na natureza natural, cuja consciência ou imaginários são reproduzidos no contexto do discurso de fuga das novas angústias ou tormentos urbanos. Nos processos da transformação da natureza natural em atrativo turístico, a valorização estética assume papel crucial (Almirón, 2008). A natureza natural ativada como recurso patrimonial entra na esfera de um consumo gradual, que se diferencia em intensidade e em exposição de produtos, em relação às ações transformativas industriais tradicionais de grande porte e impacto imediato, as quais resultam no mundo tecnificado de objetos. Ao fazer-se paisagem de uso e consumo coletivo, a natureza natural constitui-se em atributo pela vida de grupos seletos, hibridiza vida natural orgânica e relações culturais mediadas pelas artes da renda e do lucro via encantamento concretizado in loco.

9A ideia não é cair em um reducionismo culturalista ou em um determinismo naturalizante. Para o primeiro, não se pode absolutamente falar de uma dialética entre natureza e cultura, já que a natureza é de qualquer modo cultural (Eagleton, 2005); a natureza não é entendida aqui como reduzida à cultura, nem a cultura determinada pela natureza, o que se pretende é indicar a compreensão do objeto no âmbito de significações, comunicações e explorações novas e diversas. A compreensão da natureza aparece, simultaneamente, nos seguintes vieses: ideativo-subjetivo / material humanos, de sobrevivência social / de perpetuação de espécies orgânicas, de reprodução e valorização da vida / de encerramento da vida humana e animal. A natureza natural confunde-se com a natureza cultural, pois, interdependentemente, ambas são categorizadas para justificar as ações pela permanência e poder social, perpetuação da vida, em sentido largo, sobre a Terra.

10Eagleton (2005) lembra que, para Marx, o trabalho é uma forma de intercurso com a natureza que produz culturas; para Nietzsche, a luta pela dominação da natureza envolve uma soberania potencialmente catastrófica sobre nós mesmos; para Freud, a ocupação necessária de cuidar e alimentar (sem a qual morreríamos) implanta as sementes de um desejo voraz para o qual nenhum corpo e nenhum objeto jamais proverão satisfação adequada. É possível dizer que cultura e natureza formam, imbricadamente, expressão de uma vida ativa, refletidas que estão nas formas de trabalho, na vontade de poder e na busca corrente da satisfação individual e coletiva expressa por meio da produção-consumo e das nuanças sociais micro do cotidiano.

11Natureza e cultura são assumidas como conceitos históricos e vinculados aos cinco sentidos humanos, promotores que são da vida de relações. Essa noção de natureza extrapola o de natureza natural, mas indica a reprodução de modos de vida no sistema de produção como um todo, esboça um “domínio de intencionalidade cultural” (Sahlins, 2003, p. 135). Nesse aspecto, a análise do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros traz a ideia de cultura e natureza imbricadas, pois apesar de catalisadas na atividade produtiva do turismo (via patrimonialização iniciada no século XX), essa relação decorre da vida histórica territorial reproduzida por diferentes grupos. Evidencia-se um fazer contraditório onde “valores de uso – esses desejos e prazeres que emergem da sociedade – sucumbem aos meios objetivos de sua realização” (Sahlins, 2003, p. 136).

12Nesse contexto recíproco de reprodução da vida cultural histórica por meio da natureza, lugares são ressignificados. Organismos internacionais reconhecem o lugar da natureza no seio da cultura material e imaterial sociais quando, por exemplo, uma avaliação dos ecossistemas terrestres da América Latina - realizada pela WWF (World Wide Funde for Nature) e Banco Mundial - afirma a área do cerrado brasileiro, por sua biodiversidade e potencialidades, como d’ importance mondiale (Unesco, 2001, p. 125). Contudo, há de se enaltecer a relevância da área para os grupos sociais locais. Em resposta ao dossiê brasileiro que solicitou a inclusão do Parque Nacional Chapada dos Veadeiros na Lista do Patrimônio Mundial, no ano de 2001, o relatório avaliativo da Unesco revelava que “o parque dispõe de infraestrutura suficiente para as atividades de gestão, com postos de entrada, centro para visitantes, alojamentos para grupos de pesquisa, postos de vigilância nas principais atrações turísticas”, indicava ainda que, apesar da inexistência de residentes na área do parque, “oito comunidades vizinhas participam ativamente de sua gestão” (Unesco, 2001, p. 128, tradução nossa). Antes mesmo da consagração do parque como patrimônio da humanidade, identificavam-se ameaças pelo número elevado de incêndios, exploração mineral, colheita de flores, caça e turismo não controlado, o que revela interação heterogênea de agentes e atores, em um viés relacional cultural tradicional e contemporâneo. Tais ameaças eram controladas pelos próprios grupos locais, conscientizados da importância potencial de seu ambiente de vida cotidiana.

13A colheita comercial de flores fazia-se a principal fonte de renda na região, no início do século XXI, mas foram feitos esforços consideráveis para desviar esta atividade para áreas fora do Parque, com aplicação de práticas de manejo sustentável. Contudo, a ameaça principal é o aumento considerável do número de visitantes (em especial, de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo), que buscam os atrativos que ocupam 2% da área do parque (corredeiras, cachoeiras, lagoas e cânions). A patrimonialização da Chapada dos Veadeiros ganhou força pelo imaginário difundido sobre uma natureza terapêutica e o potencial de um turismo espiritual, no qual a experiência de meditação proporcionada naquele ambiente favorece a renovação física e emocional.

14A Unesco considerou atributos de ordem da natureza e da natureza humana, imbricadamente para justificar a chancela de Patrimônio Mundial ao parque. Tratou-o como exemplo notável de processos ecológicos e biológicos em curso, com desenvolvimento de ecossistemas e comunidades de plantas e animais terrestres singulares; enalteceu sua importância para a conservação in situ da biodiversidade dos habitats, incluindo espécies ameaçadas de valor excepcional para a ciência e a conservação das espécies (Unesco, 2001a, p. 55-54, tradução nossa).

15O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é ecossistema potencial ao desenvolvimento científico e conservação da vida terrestre. Lugar de refúgio de espécies em período de mudanças climáticas e concentrador da maior parcela dos representantes faunísticos e florísticos do bioma cerrado, esse território singulariza-se no discurso e na prática social incidentes (Figura 1).

Figura 1 - O exótico cerrado de altitude no Vale da Lua - Chapada dos Veadeiros, Brasil.

Figura 1 - O exótico cerrado de altitude no Vale da Lua - Chapada dos Veadeiros, Brasil.

Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2014.

16Os itens a seguir trazem uma dimensão da sociedade que se realiza na apropriação da natureza, forjando sua natureza humana produtivo-consumista. Será verificado como a cultura do estético metamorfoseia a paisagem natural em paisagem cultural em prol do discurso de benefícios coletivos, com respaldo na patrimonialização da vida que, neste caso, é a singularização da natureza e das resultantes socioculturais e espaciais oriundas deste processo.

Nuanças do turismo na Chapada dos Veadeiros e especificidades em Alto Paraíso.

17Na Mesorregião Chapada dos Veadeiros, Alto Paraíso de Goiás, São Jorge e Cavalcante constituem territórios praticamente integrantes do Parque Nacional homônimo e, simultaneamente, subsidiam e resultam do desenvolvimento das atividades turísticas locais. O relativo isolamento do território (ocupado por comunidades indígenas e tradicionais até a primeira metade do século XX) é alterado com as construções da capital federal Brasília, da BR-010 que corta a sede municipal de Alto Paraíso, além da BR-153 (Belém-Brasília). Em Alto Paraíso, uma primeira fase de transformações decorre do extrativismo mineral, que estimulou a chegada à região de levas de garimpeiros em busca de pedras preciosas e promoveu o crescimento do distrito São Jorge. Numa segunda fase, a criação do Parque Nacional, a patrimonialização da área e a proibição das atividades extrativistas redefinem a produção do espaço grandemente condicionado pelo turismo característico de uma terceira fase. Permaneceram atividades agropecuárias em todos esses momentos de redefinição de usos e apropriações do território recortado no Mapa 1.

18O mapa espacializa e qualifica os atrativos encontrados. O acesso ao Parque é realizado de forma gratuita, a sudoeste, na entrada do distrito de São Jorge (atrativos em vermelho), pagando a companhia do condutor nos atrativos do Parque. Identificou-se a cobrança pelos atrativos fora do Parque, de acesso restrito ou que dependem da passagem por áreas privadas. A cachoeira dos cristais (atrativo nº. 30) é exemplar. Houve aumento do número de visitações dada a melhoria da nova rede de infraestruturas e ofertas hoteleiras de Alto Paraíso e São Jorge, além da concentração espacial dos produtos turísticos entre os dois núcleos urbanos. Também estão sobrepostas antigas atividades produtivas do território associadas à agricultura e concentradas no rebordo sudeste e nordeste do município de Alto Paraíso, de importante incremento às diversas iniciativas comerciais e de serviços locais. Tais áreas podem ser observadas nos polígonos retangulares do mapa (terras agricultadas), sobretudo em áreas de médias a baixas vertentes. Isso evidencia o papel que a atividade primária ainda desperta na Chapada dos Veadeiros, a relativizar o papel do turismo e de funções econômicas urbanas.

Figura 2 Mapa da Chapada do Veadeiros

Figura 2 Mapa da Chapada do Veadeiros

19Com a expansão do turismo, a economia local é incrementada, inclusive, no viés da produção agropecuária, de materiais de construção, de mão-de-obra civil e de infraestruturas (das quais o asfaltamento da via que liga Alto Paraíso ao distrito de São Jorge é favorecedora de impactos ambientais e paisagísticos, além de ampliar fluxos cada vez maiores ao Parque). Cabe referência à produção espacial identificada em Alto Paraíso, de forma mais concentrada na Avenida Ari Ribeiro Valadão Filho, cuja paisagem é marcada por complexo rol de serviços e comércios voltados ao turismo. Ainda que mais distante da entrada do Parque, Alto Paraíso é onde se congregam os serviços financeiros e de abastecimento, a restar ao distrito de São Jorge parte das pousadas, hotéis, bares, restaurantes e incipiente comércio alimentado pela conexão nodal com a sede do município, Alto Paraíso (Figura 2).

Figura 3 - Peculiaridades do turismo alternativo em Alto Paraíso

Figura 3 - Peculiaridades do turismo alternativo em Alto Paraíso

Iguarias culinárias, áreas hippies para acampamento e comércio de pedras e produtos místicos na rua Ari Ribeiro Valadão Filho e adjacências.

Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2013.

  • 3 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
  • 4 “Na busca de informação mais rigorosa na contagem da população urbana brasileira, o Ministério das (...)

20O turismo é atividade capitalista e cultural do pós-guerra, de generalização do fenômeno urbano e massificação da indústria do lazer. Para Nogué (1989), ele é um conjunto complexo de relações e fenômenos, a partir do deslocamento das pessoas em busca de ócio (e negócios). Os lugares-destinos devem se diferenciar paisagisticamente, com peculiaridades atrativas vinculadas. Caso de Alto Paraíso, lugar de fuga das grandes cidades e de toda a negatividade causada pela lógica da efemeridade e dos dramas socioespaciais que as mesmas apresentam. No Brasil, estudo do IBGE3 indica que mais de 80% de sua população vive em cidades, povoados ou núcleos de adensamento com características tipicamente urbanas4. Isso faz com que, no contexto de precariedade e incompletude do fenômeno urbano presentes nos países pobres e de economia emergente, consolide-se uma segregação potencializadora da permeabilidade da violência nos redutos mais protegidos. Porém, em todo o planeta, o papel do individualismo e da competição, em detrimento do coletivo e da solidariedade, conduz a uma obsessão com a segurança e o medo da cidade (Bauman, 2009). No plano psicológico e da cultura, ocorre a perda de referências tradicionais urbanas, onde “(...) os problemas mais graves da vida moderna derivam da reivindicação do indivíduo para preservar a autonomia e a individualidade de sua existência, em face das esmagadoras forças sociais, da herança histórica, da cultura externa, e da técnica de vida” (Simmel, 1997, p. 11). Na escala metropolitana, tais questões são mais graves, ao ponto de o indivíduo produzir barreiras psicossociais que inibem sua percepção das positividades cotidianas inerentes à grande cidade, que envolve o que resta de sua natureza e culturas urbanas. Acrescentam-se ainda os problemas de ordem ambiental, induzidos pela ação antrópica acelerada pelo capital, sem incorrer ao erro da exteriorização do ser humano e das suas raízes com a natureza. Tais problemas justificam e impulsionam o desejo por uma fuga esporádica de levas de pessoas das maiores cidades brasileiras, em nome de tradições e da naturofília, para o interior do país supostamente de natureza menos transformada, caso da Chapada dos Veadeiros (Figura 3).

Figura 4: Feira do Produtor Rural de Alto Paraíso de Goiás.

Figura 4: Feira do Produtor Rural de Alto Paraíso de Goiás.

O antigo mercado rural foi apropriado pelos hippies e pequenos comerciantes de produtos místicos, turísticos e alimentos, sob a influência do Parque Nacional Chapada dos Veadeiros.

Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2013.

21A turbulência citadina torna áreas naturais, como a Chapada dos Veadeiros, refúgios dos males urbanos. As imaginações sobre uma “natureza natural” reconforta uma perspectiva de renovação ligada ao descanso e ao lazer. No imaginário da população local oriunda de antigos ciclos de garimpo, o meio ambiente e a posição estratégica de Alto Paraíso e São Jorge, no redor do Parque Nacional e próximo à capital federal, favorecem a consolidação do turismo e das atuais atividades produtivas. Para novos moradores e turistas o papel místico e de isolamento, de segurança e a natureza singularizam o lugar. Porém, a busca pela natureza se estabelece, paradoxalmente, ante a exigência da satisfação de serviços e de um modo de agir tipicamente associados ao sistema urbano cosmopolita do qual o turista alardeia querer se afastar.

  • 5 Funcionário público ligado ao Turismo de Alto Paraíso revelou pretensões de inseri-la no rol de pac (...)

22Um dos maiores desafios ao turismo na Chapada dos Veadeiros refere-se aos custos e dificuldades de acesso e deslocamento para visitação ao Parque. Grande parte dos turistas são oriundos da região Sudeste, o que implica em uma viagem cara: deslocamento aéreo até Brasília e necessidade do uso de carros ou jipes para se chegar até São Jorge e seus principais pontos atrativos. Contudo, com a redefinição econômica do país, nos últimos anos, a popularização do transporte aéreo civil, a expansão dos aeroportos e rodovias, as promoções de operadoras aéreas, agências de turismo e de locadoras de automóveis favorecem frequentes e intensos fluxos à localidade. Ainda que alguns comerciantes locais entrevistados reclamem do baixo movimento de turistas, informações da Secretaria de Turismo mostram que, na última década, multiplicaram-se hotéis, pousadas, campings e em toda região, além do aumento gradativo do número de lojas, restaurantes, cafés, bares e estabelecimentos comerciais diversos.5 Proprietários no entorno do Parque utilizam o potencial de suas terras ao turismo, cobrando pela entrada e visitação ao cerrado; eles munem a área de infraestrutura de acessibilidade e sinalização, caso da Cachoeira dos Cristais e Vale da Lua.

23Tanto o turismo quanto a chegada de novos moradores levam à produção de atividades e atrativos no entorno das duas principais aglomerações urbanas locais (Alto Paraíso e São Jorge): presença de restaurantes, telefones, postos de combustíveis, bancos, bases de policiamento, hotéis, bares, boates etc.. A negação do urbano por meio do mito da natureza intocada (Diegues, 2001) não se efetiva na prática, cujas ações, anseios e comportamentos continuam próximos aos da cidade. Isso faz concentrar atrativos e objetos turísticos em dois pontos específicos: o primeiro corresponde à área patrimonializada, na parte sul do Parque Nacional, próximo ao distrito de São Jorge; o segundo localiza-se fora do polígono inscrito na lista do Patrimônio Mundial da Unesco, próximo à sede municipal de Alto Paraíso. Por isso, a principal entrada no Parque ocorre ao sul do município, no distrito de São Jorge.

24Contraditoriamente, a expansão do turismo e as redefinições territoriais provocadas por uma nova estrutura político-econômica colocam em xeque o modo de vida tipicamente rural de povoados tradicionais, cuja temporalidade é digerida pela lógica da cidade, de maneira que a identificação in loco do kalunga, do garimpeiro, comerciante tradicional, se torna cada vez mais difícil. O “isolamento” de outrora, de um parque pouco acessível e distante das grandes cidades, é invertido pelo seu encadeamento na rede turística nacional e internacional. Efetivam-se alguns elementos característicos do turismo de massa associados à indústria cultural, o que provoca metamorfose no sistema que envolve a relação estrutural e dialética sociedade-natureza (Figura 4).

Figura 05: Economia de aglomeração e turismo: bens e serviços concentrados na Avenida Ari Ribeiro Valadão Filho – Alto Paraíso.

Figura 05: Economia de aglomeração e turismo: bens e serviços concentrados na Avenida Ari Ribeiro Valadão Filho – Alto Paraíso.

Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo, 2013.

  • 6 Visitors will come to an area in small numbers initially, restricted by lack of access, facilities (...)

25Junto ao acréscimo de visitantes e ganhos econômicos locais mais expressivos, dada a cobrança de acesso aos bens naturais e à dinamização da prestação de serviços variados, aparecem os problemas do impacto ambiental e da vulgarização exteriorizada da natureza. A médio e longo prazo, pode ocorrer o declínio do atrativo turístico, contrariamente à ideia de que essa atividade produtiva seja mecanismo de proteção e promoção da cultura e da natureza patrimonializadas. No caso da Chapada dos Veadeiros, identifica-se um momento de gradativa expansão de visitações ou de desenvolvimento do turismo , com oscilações maiores em períodos específicos, cujo público é mais relacionado ao ecoturismo e turismo de aventura. As comunidades locais corroboram para esse quadro pela diversidade étnica ali consolidada e pela qualidade de serviços mais específicos: alimentação vegana, especiarias de ervas, comércio de cristais, terapias esotéricas, cultos sagrados e profanos, meditações, feiras, serviços educativos, banhos etc. Aquela natureza reificada é preponderante frente ao potencial cultural da comunidade, dado o modo de vida particular que ainda preserva reminiscências de tradições em fase de hibridização. Nesse contexto, Alto Paraíso mantém atmosfera propícia a um modelo de desenvolvimento calcado em interesses coletivos, nas horizontalidades sociais e atividades de baixo impacto, preservação e promoção do patrimônio. Esse ambiente pode ser favorecido com pesquisas prospectivas, parcerias comunitárias, oficinas e educação patrimonial, mais estímulo a produtos artísticos locais e atividades culturais-naturais. Esses esforços, podem propiciar um turismo mais contínuo, efetivo e consciente no lugar6, como entende Butler (1980).

  • 7 Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

26A abertura do lugar a um plano externo dado pelo turismo pode possibilitar que o capital descaracterize, rapidamente, os modos de trabalho e de vida, a causar desestruturação cultural, problemas ambientais e uma paisagem distante do que espera o próprio visitante (Almeida, 2004). A autora ainda lembra o caso de São Jorge, onde no início dos anos 2000 as atividades turísticas eram geridas pelo IBAMA7 em parceria com condutores turísticos, moradores locais organizados conhecedores da cultura, das trilhas e atrativos do Parque. Decorrido mais de uma década, a realidade altera-se, a entrada no Parque Nacional é gratuita e liberada, independentemente de um condutor. O relato de moradores de Alto Paraíso sugere uma estratégia de abandono e marginalização do morador local, em razão de visitas concentradas nas propriedades privadas. Indicam a existência de articulações não muito claras de privatização do Parque. Questão também identificada por Silva (2004), que observou a inquietação dos moradores quanto à possível terceirização do Parque, bem como a iniciativa dos mesmos em tomar para si a responsabilidade de sua administração, enquanto protagonista de sua preservação.

27Feita essa avaliação mais geral das nuanças do turismo na Chapada dos Veadeiros, via Alto Paraíso, cabe entender, ainda, sua lógica essencial no distrito de São Jorge, a ser caracterizado pelo perfil do turismo, dos turistas e dos diferentes grupos que se envolvem nessa prática socioeconômica.

São Jorge da Chapada dos Veadeiros: fazer místico da natureza

28Cabe reflexão sobre o perfil do turista que frequenta a Chapada dos Veadeiros, enquanto ator social catalisador da relação cultura-natureza. Merece destaque a noção de viagem defendida por James Clifford (1989). Viajar, para ele é construir-se e construir, mover-se, como se faz na construção teórica que deve provocar a mudança, o deslocamento. Teorizar, nesse sentido, é percurso do viajar, quando se constitui em ato de aproximar para conhecer, alçar novo conteúdo, traçar trajetórias através de contatos.

29Viagem (além do vínculo com o lazer) é artifício da vida prático-teórica e contribui para ampliar a importância de se investigar o turismo enquanto atividade socioeconômica. Favorece também reconhecer o turista como aquele que adentra e que fomenta, primordialmente, a construção de redes. Mas, não somente o turista seria aquele que viaja, nem tampouco aquele que viaja pode ser chamado de turista. Concebe-se como viajante o próprio ser em situação, que na construção de si mesmo e do mundo, movimenta-se. Características da demanda, distinções formais e de conteúdo do atrativo e o poder da imagem difundida sobre o mesmo são variáveis preponderantes do turismo que se consagra em um dado lugar, bem como do turista que o frequenta. Junto à distinção emoldurada pela possibilidade do deslocamento, enaltece-se o uso turístico do que é transformado em recurso patrimonial, caso da natureza na Chapada dos Veadeiros.

30Nesse contexto, o turista da Chapada dos Veadeiros revela-se plural: oriundo de distintos continentes e variadas tribos. Os residentes das grandes cidades buscam a localidade enquanto refúgio, numa espécie de retomada da natureza, mas com a idealização, ao mesmo tempo, da presença dos equipamentos urbanos característicos da vida moderna fluída. Os bancos, as pousadas com serviços especializados de copeiros e camareiros, o restaurante com comida diversa e cafés da manhã fartos e “típicos”, a acessibilidade para que os carros cheguem o mais próximo e rápido dos locais de visitação ou a reprodução concreta e imagética de equipamentos de lazer e informação encontrados nas maiores cidades são demandas da boa parte dos turistas que buscam a natureza (que deve ser, ao máximo, humanizada).

31Ao mesmo tempo, esta categoria de viajante em fuga e ávido pelo reencontro, em férias, feriados ou finais de semana, cujo trânsito é facilitado pela proximidade em relação à Brasília e à Goiânia, congrega distintas faces dos que buscam a Chapada, sobretudo Alto Paraíso e seu distrito São Jorge. Na sede de Alto Paraíso, há dois exemplos emblemáticos de equipamentos destinados ao turista advindo da grande cidade e que busca serviços considerados de luxo, numa localidade que se reproduz pelo discurso da simplicidade, de uma vida natural-ruralizada e bucólica, elementos estes que singularizam a localidade. Tratam-se de dois hotéis que oferecem a comodidade da grande cidade em meio ao que chamam natureza; um deles pertence à rede internacional Camelot de pousadas e hotéis, que se vende pelo ecoturismo e oferta de serviços e infraestrutura variada, como um heliponto. Outra hospedagem chamada Tapindaré é vendida como spa e ratifica a fuga e a apropriação dos benefícios revigorantes associados à uma natureza idealizada, concreta e tipológica do consumo.

32Há formas de equipamentos turísticos ou serviços que atendem ao perfil de visitante de menor renda, que se divulgam pelo discurso do maior contato com a natureza da Chapada, tais como: áreas de camping, aluguel de quartos e hostels. Tem relevo, em São Jorge e Alto Paraíso, a oferta de comida vegetariana e vegana, serviços de massoterapia, casas de óleos, pomadas e demais remédios à base de ervas locais, lojas de cristais de quartzo para renovação do corpo e do espírito. O misticismo que envolve o turismo em São Jorge é catalisado por esses cristais representativos da indissociabilidade que se faz entre natureza e cultura, na medida em que relaciona energia, transcendência e apropriação material do cristal. A característica dos serviços e produtos ofertados revela o perfil daqueles que buscam a Chapada dos Veadeiros como refúgio, local de encontros e anunciados reencontro com a natureza.

33Em São Jorge, além dos turistas, conformam o lugar várias pessoas que chegaram à Chapada por meio da rede de turismo e decidiram ali reconstruir suas vidas devotadas à natureza mesmo como mercadores desta. Simbolismos mesclam-se às características físicas deste distrito, composto de poucas ruas não pavimentadas, que se esburacam com as chuvas e refletem o avesso da modernidade da circulação veloz nas grandes cidades. Na inquirição, em campo, a um violeiro que tocava na venda mais antiga deste distrito (a qual pertence ao velho morador advindo do tempo em que o garimpo era permitido e seu estabelecimento abastecia em alimentos o local), o mesmo afirma que São Jorge é agora o seu lugar, pois saiu de São Paulo em busca de tranquilidade. No distrito, a religiosidade católica se faz presente através da capela São Jorge (Figura 05).

Figura 06: Vila de São Jorge.

Figura 06: Vila de São Jorge.

[1] Lanchonete, carretilha-loja de venda de utensílios em geral e residência; [2] Capela d São Jorge; [3] Exemplo local de casa retangular, com telhado inteiriço em amianto.

Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2013.

34A indagação sobre o turista que busca a Chapada dos Veadeiros, com base em Alto Paraíso e seu distrito São Jorge, visa a indicar os grupos sociais a quem a natureza patrimonializada ou institucionalizada interessa. Neste sentido, há categorias locais que definem o perfil do visitante e de moradores. Na distinção dos moradores, destaca-se o que se chama nativos, geralmente se referindo aos povos conhecidos como Kalunga, originários de quilombos formados na Chapada. Esta denominação carrega significações que remetem à colonialidade e são grupos que ainda buscam o reconhecimento social do direito à fixação, expressão cultural e posse efetiva da terra. Essa ideia de colonialidade advém da percepção de como outros dois grupos (que serão referenciados) consideraram ou não os Kalunga e aqueles moradores tradicionais como nativos. O ser-nativo expressa, paradoxalmente, ora um direito imanente a terras e à natureza, ora aqueles que foram superados em quantidade e técnicas pelos que vieram posteriormente e que criaram a noção mesma de ser nativo, noção arraigada à colonialidade de formas de poder e exploração.

35Constatou-se, também, que há aqueles denominados chegantes, que vieram com o garimpo, ou seja, início do século XX, em um momento de organização urbana de cidade e vila e, por isso, são os moradores mais antigos das áreas centrais da sede de Alto Paraíso e do distrito de São Jorge. Estes se colocam enquanto chegantes, fazendo menção aos grupos que já existiam, os Kalunga.

36Cabe salientar que, entre aqueles que se designa aqui enquanto nativos e chegantes, despontam tensões, pois há uma terceira categoria de moradores agrupados a partir da década de 1980 e que trabalham especialmente com o turismo, na oferta de pousadas, hotéis, comércios e restaurantes, que se consideram também enquanto chegantes. Este terceiro grupo - os empresários locais – constitui os chegantes na alegação que os chegantes do garimpo são os nativos locais, o que faz com que os Kalunga se percam enquanto grupo expresso pela categoria nativo. Percebe-se um processo de designação em subalternidade, a depender do grupo que se considera em diálogos, quando entrevistas a empresários locais apontam a mão de obra Kalunga a mais barata.

37Há, portanto, três agrupamentos de moradores, que seriam os Kalunga, os chegantes-do-garimpo e os empresários e empreendedores locais que oscilam entre nativos e chegantes-do-turismo. Os chegantes-do-garimpo denominam os Kalunga nativos. Os chegantes-do-turismo tem os do garimpo como nativos, reconhecendo os Kalunga como mão de obra ao turismo emergente. Kalunga nativos aparecem como categoria social paradoxal quando o direito-a-terra e à natureza esvai-se no ser-dominado, em nova rede de relações e tensões.

  • 8 Todas as entrevistas realizadas em campos nos meses de outubro e novembro de 2014 estão armazenadas (...)

38Nesse sentido, em entrevista com empresária local, a qual trabalha na hotelaria e restaurante, nos últimos dez anos percebe-se que os Kalunga seriam aqueles chamados à cidade para a execução de serviços e atividades braçais, de base e pouco remunerados, na função de cozinheiros, arrumadeiras, lavadeiras, e serviços em geral. Para a entrevistada, “os Kalunga são a melhor mão de obra adotada, por falta de outra local especializada”8. Segundo a entrevistada, não são oferecidos cursos técnicos e de aperfeiçoamentos em determinada tipologia de equipamento turístico, para que estas pessoas não se tornem uma mão de obra cara e requisitada no mercado. Ao se transferir gradual, informal e precariamente as técnicas necessárias à manutenção dos equipamentos turísticos, favorece-se a precarização da vida cotidiana do trabalhador no turismo.

39Em suma, três são as categorias de moradores que convivem na Chapada dos Veadeiros e se integram, progressivamente, à rede de turismo: nativos, chegantes-do-garimpo, chegantes-do-turismo.

40Em relação aos turistas, os perfis são variados. Se se escolhe, por exemplo, o tempo de estadia nos locais como eixo de análise, depara-se com aqueles que não hospedam em pousadas, mas buscam versões de pouso e lazer ligados à “natureza natural”, por meio do camping. Muitos destes são originários de cidades circunvizinhas e, predominantemente, do Distrito Federal. Realizam viagens em feriados e finais de semana, traduzindo-se num perfil de turista que não necessariamente está em busca do novo, da novidade, construindo uma espécie de fluxo rotineiro Brasília-Chapada. Destes oriundos de cidades próximas, há aqueles orientados pela já debatida ideia de fuga das grandes cidades, da rotina do trabalho, do trânsito, e das mazelas urbanas; são turistas que buscam melhor conforto mesmo diante da natureza.

41Há também aqueles que possuem residência no local, mas que não são categorizados nem como turistas esporádicos, nem como moradores; visitam, predominantemente, áreas de Alto Paraíso, São Jorge e Cavalcante onde sítios e fazendas são comuns, consubstanciando os turistas de segunda residência. As três categorias de turistas apresentados (o de menor renda e em contato direto com a natureza, o de maior renda e que espera o conforto frente à natureza e o que possui propriedade na Chapada) buscam descanso, lazer e atividades como rappel, trekking, escaladas, rift. Abundam iniciativas administrativas e de mercado dessa categoria para inserir a Chapada dos Veadeiros na rede de turismo nacional e internacional, por meio de agenciamento de viagens.

  • 9 “A dimensão Economia do Índice de Desempenho dos Municípios (IDM-Economia) é calculada por meio de (...)

42A oferta turística possibilita a maior fração da renda auferida na Chapada dos Veadeiros, já que o setor de Serviços ultrapassa em valor financeiro a Agropecuária, Mineração e o Extrativismo, como demonstra a variável Economia do Índice de Desempenho dos Municípios de Goiás (IDM)9, expressa pela Tabela 01 para os municípios indicados. O setor Serviços, que envolve o turismo é uma das seis variáveis que compõe o IDM de Goiás, acompanhado pelas variáveis Educação, Saúde, Infraestrutura, Segurança e Trabalho. A Tabela 01 assinala o desempenho dos municípios para os anos de 2010 e 2012, os únicos realizados até o momento. Cada variável é expressa em valores que vão de 0 a 10 e traduzem aqueles municípios mais próximos de 0 como de piores desempenhos na variável analisada. A variável Recursos Próprios representa o que foi recolhido por via autônoma, em relação à receita geral de repasse ao município. Os anos 2010 e 2012, para Alto Paraíso, incorporando São Jorge, expressam tendência da redução do setor Industrial (inclui o extrativismo mineral) e o aumento progressivo do setor de Serviços, com melhor desempenho em relação ao setor Agropecuário, bem como um aumento do Produto Interno Bruno (PIB) per capita.

Tabela 01: IDM (SEGPLAN/IMB) de Goiás. Recorte para os municípios Alto Paraíso de Goiás, Cavalcante, Colinas do Sul, Teresina de Goiás, Goiânia, Caldas Novas e Pirenópolis.

Município

Ano

IDM

ECONOMIA

Setor agropecuário

Setor industrial

Setor de serviços

PIB per capita

Evolução do PIB

Recursos próprios

Alto Paraíso de Goiás

2010

4,00

3,32

3,89

4,62

1,70

4,09

6,40

2012

4,76

3,64

3,77

4,74

1,98

6,32

8,14

Cavalcante – GO

2010

5,27

3,40

9,39

5,75

9,51

3,12

0,45

2012

6,34

3

9,31

5,18

9,39

9,72

1,46

Colinas do Sul – GO

2010

1,62

0,65

1,66

1,98

1,17

2,11

2,15

2012

1,77

0,81

1,5

1,98

1,09

5,06

0,16

Teresina de Goiás

2010

1,14

0,28

0,61

0,69

0,32

4,53

0,40

2012

0,89

0,2

0,69

0,61

0,24

3,36

0,24

Goiânia – GO

2010

8,33

6,52

10

10

8,46

5,06

9,92

2012

8,54

6,23

10

10

8,38

6,68

9,96

Caldas Novas – GO

2010

7,69

7,73

9,43

9,51

5,71

4,29

9,43

2012

8,1

7,45

9,47

9,51

6,32

6,07

9,76

Pirenópolis – GO

2010

4,87

7,33

6,52

7,65

1,54

0,69

5,51

2012

6,41

6,84

8,02

7,69

3,85

7,89

4,17

Fontes: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos – Segplan/IMB (2010/2012). Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás – TCM.

  • 10 A inclusão dos diferentes municípios na tabela justifica-se para uma contextualização econômica mun (...)

43Dentre os municípios indicados na Tabela 01, pertencem à Chapada dos Veadeiros: Alto Paraíso de Goiás, Cavalcante, Colinas do Sul e Teresina de Goiás (Mapa 01)10. Todos os municípios apresentaram melhora no índice Economia, no interregno indicado, com exceção para Teresina de Goiás, o qual também foi o único com redução do PIB. Cabe destacar que o índice Economia de Cavalcante é superior ao de Alto Paraíso, justificado pela indústria. Os municípios de Teresina e Colinas do Sul apresentam sensíveis oscilações nos setores Industrial, Agropecuário e Serviços. Chama atenção o desempenho nos setores Industrial e Serviços do município de Goiânia (escore 10 - dez), o que sugere parâmetro à análise comparativa entre os municípios. Nesse sentido, destaca-se Caldas Novas (sudeste goiano), pelo desempenho considerável nos setores Indústria e Serviços, justificado pelo polo turístico de águas termais e o desenvolvimento de seu distrito industrial. Já Pirenópolis, cidade colonial portuguesa localizada no centro goiano, retrata melhora significativa de seu IDM Economia, especialmente pela dinâmica do turismo cultural e do ecoturismo. Assim, fica claro o potencial e a efetividade dos serviços regionais, atendendo ou não ao turismo.

44A projeção nacional e internacional da Chapada dos Veadeiros, bem como a facilidade de deslocamento criada com a equipagem territorial do Centro-Oeste, nos últimos cinquenta anos, no viés de um desenvolvimentismo calcado em bens de transporte e de energia e catalisado pela patrimonialização e institucionalização de paisagens, são os dois principais motivos do turismo que se tem hoje no Parque. Ainda, não pode ser esquecido o anseio científico advindo das versões geomorfológicas, biológicas e sociais da localidade, que atraem arqueólogos, antropólogos, geógrafos, geomorfólogos, ecólogos, biólogos, dentre outros pesquisadores e profissionais.

45. Os cuidados com este patrimônio natural da humanidade, tal qual a ausência de asfalto no interior de São Jorge (a despeito da ameaça de sua chegada) ou o ar bucólico que se perpetua no modo de vida do aglomerado, contrasta com o moderno acompanhado pelo turista: com a própria aura de misticismo mesclam-se os interesses modernos dos visitantes. Este descompasso rítmico, temporal e espacial em relação às grandes cidades, somado à natureza preservada, alimenta e torna forte a reprodução dos discursos sobre uma cultura singular, bem como ganha relevo as representações sociais que tornam a Chapada dos Veadeiros um lugar natural místico.

46Há quem tenha conhecido a localidade pelo turismo e se tornou morador devido à mística local, como é o caso da entrevistada que saiu do interior de Santo Antônio do Salto, distrito de Ouro Preto-MG, para vender artesanatos e vegetais orgânicos na sede de Alto Paraíso-GO; sobrevive da venda de colares com quartzo, velas em forma piramidal e demais adereços com signos indicadores de energização. Outros tomam a viagem à Vila de São Jorge como oportunidade de autoconhecimento, encontro consigo, encontro com o outro, o transcendental, o sagrado, por meio da natureza, o que perfaz a viagem (Figura 06).

Figura 07: Artesanatos energizados e alimentos orgânicos são peculiaridades nas redes de comercialização turística da Chapada dos Veadeiros.

Figura 07: Artesanatos energizados e alimentos orgânicos são peculiaridades nas redes de comercialização turística da Chapada dos Veadeiros.

[1] Galpão de comercialização artesanal; [2] artesanato Mensageiro dos Ventos feitos em quartzo; [3] Imagem que alude à mística de seres e poderes extraterrestres.

Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo, 2013.

47A natureza é revelada como ponto de interpretações, atrações, representações e transcendências. Em sua forma complexa ou de hibridez entendida no seio da própria cultura, a natureza dá substancialidade à Vila de São Jorge; é expressão das tensões existentes nas formas de apropriá-la, porque se distingue pela maneira como é concebida. O discurso da Chapada enquanto Patrimônio da Humanidade constrói versões de apropriação ligadas tanto à ideia de preservação, quanto àquelas outras relacionadas ao investimento promotor da atividade turística. No contexto de sua turistificação, a Vila de São Jorge ainda se faz local onde a noite não significa uma obscuridade, a qual obriga o fechamento de portas e de janelas, o que incita a todos o recolhimento, numa espécie de “magia de noturnidade” (Almeida, 2013, p. 422). A Vila que pouco dorme, paradoxalmente, revela práticas que constituem um modo de vida mais ligado à natureza, mais orgânico e nem por isso deixa de ser mais pulsante. As ervas, os chás, os cristais promovem o encontro que se deseja conseguir por meio do turismo.

48São Jorge não se encerra em si mesma. Para a existência da Vila, há aqueles que a lógica local, aparentemente, nega. A simplicidade é sustentada por um capital seletivo que compra e que nutre a alto preço esta mesma simplicidade. A vida artesanal é sustentada pelo turista que vê o artesanato não como vida ou mesmo a energia que se deseja, mas como algo passível de ser reconhecido e consumido por sua singularidade; compra-se o discurso da arte turística feita mística. O turismo se estabelece de forma múltipla na perspectiva dos turistas e única na dimensão do lugar, pois a construção do espaço da Vila de São Jorge da Chapada dos Veadeiros carrega em si tensões de discursos, de apropriações e de usos que resvalam sobre a cênica turística de uma “natureza natural” idealizada como irreplicável.

Considerações Finais

49O turismo destaca-se como prática socioeconômica que reproduz lugares com o discurso da originalidade cultural e a intocabilidade da natureza. Com raras exceções, praticado na natureza, o turismo é revelador de apropriações acompanhadas de modificações de ecossistemas e culturas, de forma a se autoprejudicar, paradoxalmente.

50Nesse quadro, a união com o natural é um pretexto e não um objetivo. A suposta magia da comunhão com a natureza realiza uma série de operações simbólicas que visa a não perder de vista a identidade social também almejada. No caso da Chapada dos Veadeiros-GO, toda uma hierarquia social é ratificada por trás do eufemismo “imagem idílica de Alto Paraíso”. No caso de São Jorge, os “nativos” chegam a participar como condutores, informantes, subalternos dos proprietários das pousadas ou proprietários de áreas de camping, pequenos restaurantes e pousadas de categorias inferiores. A comunicação com a população tradicional reestabelece-se por meio da lógica da dádiva, do material e a do reconhecimento, em troca de informações sem as quais a dita comunhão com a natureza seria impraticável.

51A magia do turismo logra ocultar a violência simbólica inscrita na relação assimétrica dos interlocutores sociais. Natureza e turismo realizam uma aliança notável para promover o chamado turismo ecológico, turismo verde, turismo em meio rural ou ecoturismo. A naturofilia, em suma, obscurece como a natureza torna-se mais um recurso entre tantos outros que o Cerrado possui.

  • 11 No caso da Chapada dos Veadeiros, a construção de vinte e duas Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH (...)

52É possível “turistificar” sem destruir as especificidades ambientais-culturais consideradas como bens patrimoniais turísticos? No mundo capitalista regido pela lógica da construção destrutiva do patrimônio, os casos reveladores de valorização do lugar por meio da maior participação comunitária, na definição do tipo e do planejamento do turismo desejável, devem ser registrados. Devem ser registrados os procedimentos de parceria entre atores públicos, privados e associativos na busca de estratégias que conciliem conservação e turismo.11

53Por fim, o turismo é uma prática socioecômica extremamente ambígua; concomitantemente, guarda um enorme potencial de desenvolvimento econômico acompanhado de degradação do ambiente. Híbrido também no sentido de ser produtor e consumidor de ambiente. No contexto atual de valorização dos aspectos econômicos do turismo brasileiro (especialmente na Chapada dos Veadeiros), os planejadores e empreendedores têm negligenciado estudos de elementos fundamentais para políticas de turismo menos impactantes, isto é, desconsideram aspectos capazes de relacionar a natureza, a cultura e as dimensões psicossociais dos locais receptores. Esses aspectos são de primeira ordem para a conservação natural-cultural dos Cerrados da Chapada dos Veadeiros-GO.

54Falta uma assimilação concreta da natureza, dialeticamente ligada à cultura, que permita a relação mais compassada entre territórios do patrimônio natural e cultural com os maiores polos emissores turísticos. Isso pode criar possibilidades de desenvolvimento que partam das diretrizes locais e de articulação política mais democrática, ora pelas possibilidades de preservação do bioma cerrado, ora pelo potencial educativo de alterar, pelo agora patrimônio institucionalizado, as relações com o fazer cultural e a natureza ressignificada.

Haut de page

Bibliographie

AB'SABER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 2. ed. São Paulo: Atelie Editorial (Nova), 2003.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Cultura – invenção e construção do objeto turístico. :Espaço Aberto 3 - Turismo e formação profissional. Fortaleza:AGB/FUNCAP, 1998, p. 17-33.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Desenvolvimento turístico ou desenvolvimento local? Algumas Reflexões. Anais do ENTBL – Planejamento para o desenvolvimento local. Curitiba. Curitiba, 2004.

ALMEIDA, Maria Geralda de. A produção do ser e do lugar turístico. In: SILVA, J.B.; LIMA, L.C.; ELIAS, D. (Orgs.). Panorama da Geografia brasileira 1. São Paulo: Annablume, 2006, p. 99-122.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Ambiguidades e contradições no discurso de naturofilia. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 18, p. 77-86, jul./dez. 2008. Editora UFPR

ALMEIDA, Maria Geralda de. Cultura, paisagens e patrimônio cultural: reflexões desde o Brasil Central. Espaço & Geografia, Vol.16, No 2 (2013), 417:440.

ALMIRÓN, Anália. Turismo, naturaliza y sociedade en la Patagonia argentina. El destino turístico Los Glaciares. In: BERTONCELLO, R. (org.). Turismo y geografia. Lugares y patrimônio natural-cultural de la Argentina. Buenos Aires: CICCUS, 2008, p. 63-90.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidadeRio de Janeiro: Zahar, 2005.

BERQUE, Augustin . Le sauvage et l’artifice: les Japonais devant la nature. Paris: Gallimard, 1986.

BÉTEILLE, Roger. Le tourisme vert. (Collection Que sais-je?). Paris: PUF, 2000.

BUTLER, R. W. The concept of a tourist area cycle of evolution: implications for management of resources. Canadian Geographer, XXIV, 1, 1980.

CET, Centro de Excelência em Turismo - UNB. Sistema de Cadastramento dos Recursos e da Oferta Turística:

CLIFFORD, James. Notes on travel and theory. Inscriptions, v. 5, p. 177-178, 1989.

COSTA, Everaldo B. Cidades da patrimonialização global. São Paulo: Humanitas-USP/Fapesp, 2015.

DEWAILLY, Jean-Michel; FLAMENT, Emile. Géographie du tourisme et des loisirs. Paris: Sedes, 1993

DIEGUES, Antônio C. O mito moderno da natureza intocada3. ed. São Paulo: Hucitec, 2001.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Trad. Sandra C. Branco. São Paulo: EdUNESP, 2005.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades: Alto Paraíso de Goiás (GO). Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/...goias|alto-paraiso-de-goias>. Acesso em novembro de 2013.

MARICATO, Ermínia. “O Ministério das Cidades e a Política Nacional de Desenvolvimento Urbano”. In: Boletim Políticas Sociais – Acompanhamento e Análise. IPEA, 12 fev 2006. PLANEJAMENTO, Ministério do. Apresentação PAC 2007-2011. Ministério do Planejamento, Brasília, 2007. Disponível em: < https://www.ipea.gov.br/agencia/...ministerio12.pdf> Consulta em fev. de 2014.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. Promotoria de Justiça na Comarca de Cavalcante/GO. Brasília, 1º de junho de 2009. Disponível em: <http://www.mp.go.gov.br/portalweb/hp/9/docs/acp_quilombolas_pa.pdf>. Consulta em jun. de 2015.

NASCIMENTO, Jorge Luiz; BRAGA, Ivan C. Atlas da fauna brasileira ameaçada de extinção em unidades de conservação federais. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2011.

NOGUE, Joan. Paisaje y turismo. Estúdios turísticos, nº. 103: 35-45: Gobierno de España, 1989.

SAHLINS, Marshall D. Cultura e razão prática. Trad. Sérgio Tadeu de Niemayer Lamarão. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SERJE, M. R. La concepción naturalista de la naturaleza:un desafio al ambientalismo. In: Revista de Antropologia y Arqueologia. Universidad de los Andes, v. 11, n. 1-2, p. 5-70, 1999.

SILVA, Clarinda A. Paisagem e paisagens do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros: o olhar “de dentro” e “dos de fora”. Anais do ENTBL – Planejamento para o desenvolvimento local. Curitiba. Curitiba, 2004.

SIMMEL, George. A metrópole e a vida do espírito. In: FORTUNA, C. (org.). Cidade, cultura e globalização: ensaios de sociologia. São Paulo: Celta Editora, 1997.

UNESCO. Cerrado Protected Areas: Chapada dos Veadeiros and Emas National Parks < http://whc.unesco.org/en/list/1035 >. Consulta em fev. de 2014.

UNESCO. Candidature au Patrimoine Mondial - Évaluation technique UICN - Aires Protegees du Cerrado: Parc National Chapada dos Veadeiros et Parc National Emas (Bresil). Paris, Siège de l‟UNESCO, 2001. < http://whc.unesco.org/fr/list/1035/documents/>. Consulta em jul. 2014.

UNESCO. Information sur les Listes Indicatives et Examen des Propositions d'inscription de biens culturels et naturels sur la Liste du Patrimoine Mondial en Peril et sur la Liste du Patrimoine Mondial – (Comite du Patrimoine Mondial, Vingt-cinquième session). Paris, Siège de l‟UNESCO, 2001a. < http://whc.unesco.org/fr/list/1035/documents/>. Consulta em jul. 2014.

Haut de page

Notes

1 Cabe breve nota sobre o quadro físico inerente à Chapada dos Veadeiros. A região central do Brasil é marcada por terrenos antigos, datados do pré-cambriano, porém com formas relativamente novas, sobretudo por ordem de fatores exógenos e de processos orogênicos decorrentes do soerguimento da cadeia andina do período geológico terrestre datado entre o terciário e quaternário. Esta configuração permite, na atualidade, uma sistemática entre fatores bióticos e abióticos singulares, revelados pela riqueza e complexidade paisagísticas, despertadas pela presença de uma geomorfologia de chapadas, com vales bem encaixados, hidrografia perene, linhas de quedas gerando grandes e volumosas cachoeiras, além da presença de inúmeros grãos de quartzo, de cristais, granitos, entre outras rochas e minerais que atraem visitantes não apenas com interesses pela natureza cênica, mas por razões místicas, religiosas e medicinais. Integra a área de altitudes mais elevadas do planalto central brasileiro, sendo importante à preservação por possuír redutos de biodiversidade e muitos mananciais do bioma cerrado. Uma das justificativas de inscrição deste bem natural como Patrimônio Mundial pela Unesco foi seu papel fundamental de manutenção da biodiversidade local. Devido à sua localização e variação de altitude, a área agiu como um importante refúgio de diversas espécies; contem amostras de todos os habitats que caracterizam a região ecológica do Cerrado, um dos mais antigos ecossistemas tropicais da Terra. Ela ainda guarda mais de 60% ​​de todas as espécies florais e aproximadamente 80% de todas as espécies de vertebrados descritos para o bioma. O sítio oferece suporte a muitos mamíferos raros e espécies de aves, que não ocorrem em outros lugares (Unesco, 2014). Como se observa, as “exceções paisagísticas” – para usar termo de Aziz Nacib Ab’Saber -, redundam em singularidades, que no estado de elevada preservação, devido às condições naturais, permitem ao local revelar uma das imagens amostrais mais exuberantes de todo o cerrado brasileiro, tornando-se bem de interesse mundial. Este fato incluiu o Parque Nacional e seu entorno à chancela de Patrimônio da Humanidade, constituindo, conforme o Atlas da Fauna Brasileira (ICMBio), uma das Unidades de Conservação Federal mais relevantes no que se refere a diversidade de espécies ameaçadas de extinção no Brasil (Nascimento; Braga, 2011).

2 Costa (2015, p 35) categoria patrimonialização global como sendo “o brusco movimento universal de espetacularização e banalização pela cenarização progressiva dos lugares promovido pela dialética Estado-mercado sobre a base das técnicas, da ciência e da informação; em síntese, é um processo de ressignificaão dos lugares da cultura e da natureza em escala planetária”.

3 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

4 “Na busca de informação mais rigorosa na contagem da população urbana brasileira, o Ministério das Cidades solicitou ao IBGE medição mais detalhada. Essa medição revelou que 79,9% da população brasileira reside em “área urbanizada de vila ou cidade” independentemente de estar localizada em zona rural ou urbana assim classificada pelos municípios. Ver anexo dos Cadernos do Ministério das Cidades, vol. 1, Governo Federal, 2004.” (Maricato, 2006).

5 Funcionário público ligado ao Turismo de Alto Paraíso revelou pretensões de inseri-la no rol de pacotes de viagens em escala nacional, que já se verifica em três grandes agências online (Hotel Urbano, EcoViagens da UOL, TripAdvisor). O aumento na oferta de equipamentos turísticos foi confirmado a partir da comparação dos dados coletados pelo Sistema de Cadastramento de Recursos e Ofertas Turísticas (CET/UnB, 2012) que contabiliza cerca de 40 formas de hospedagem (entre pousadas, camping e hotéis) e os dados obtidos no trabalho de campo (2013) que revela um aumento para 47 formas de hospedagem num intervalo de 1 (um) ano de coletas de dados. Contudo, alguns comerciantes locais reclamam haver poucos picos anuais de movimento de turistas, principalmente no que concerne àqueles que se hospedam e usufruem de todos serviços (da hospedagem à alimentação, farmácias, bancos, etc.).

6 Visitors will come to an area in small numbers initially, restricted by lack of access, facilities, and local knowledge. With marketing, information, dissemination, and further facility provision, the area’s popularity will grow rapidly.” (Butler, 1980, p.06).

7 Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

8 Todas as entrevistas realizadas em campos nos meses de outubro e novembro de 2014 estão armazenadas na forma de áudio e/ou de anotações em Caderneta de Campo; parte delas está diluída em informações empíricas do trabalho..

9 “A dimensão Economia do Índice de Desempenho dos Municípios (IDM-Economia) é calculada por meio de média aritmética simples dos scores padronizados de 0 a 10 das seguintes variáveis: Valor adicionado (renda gerada) do setor agropecuário; Valor Adicionado do setor industrial; Valor Adicionado do setor de serviços; PIB per capita - soma dos bens e serviços finais produzidos no município dividida pelo número de habitantes; Evolução do PIB nos dois anos anteriores - medida de avaliação do crescimento da economia; e Percentual dos recursos próprios do município na composição da receita total - medida de independência financeira/tributária do município.” (SEGPLAN/IMB, 2012). Disponível em: http://www.seplan.go.gov.br/sepin/perfilweb/idm_bde.asp. Acesso em: 05 de janeiro de 2015.

10 A inclusão dos diferentes municípios na tabela justifica-se para uma contextualização econômica municipal de Goiás.

11 No caso da Chapada dos Veadeiros, a construção de vinte e duas Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) pelo grupo Rialma/S.A, ao longo do Rio Tocantizinho, caracteriza a venda de energia por um ente privado para uso industrial local. Essa ação tem sido freada pelas próprias gestões municipais, moradores e ambientalistas, dada a ameaça aos recursos humanos e naturais e, logo, às atividades turísticas. A construção das usinas “não levou em consideração os aspectos culturais e sociais da área a ser inundada”, além de ser inadequada frente às mudanças territoriais que ameaçam as “diferentes formas de viver e de ser, de saberes e fazeres Kalunga” (MPGO, 2009, p. 7). A atividade turística sobressai ao discurso da recarga energética à expansão industrial, já que há o avanço do cultivo de soja na franja sul da Chapada, como é o caso da construção, por exemplo, da Hidrelétrica Mirador-GO, que abrange Alto Paraíso e é pertencente às obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-Governo Federal).

Referência Bibliográfica

AB'SABER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 2. ed. São Paulo: Atelie Editorial (Nova), 2003.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Cultura – invenção e construção do objeto turístico. :Espaço Aberto 3 - Turismo e formação profissional. Fortaleza:AGB/FUNCAP, 1998, p. 17-33.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Desenvolvimento turístico ou desenvolvimento local? Algumas Reflexões. Anais do ENTBL – Planejamento para o desenvolvimento local. Curitiba. Curitiba, 2004.

ALMEIDA, Maria Geralda de. A produção do ser e do lugar turístico. In: SILVA, J.B.; LIMA, L.C.; ELIAS, D. (Orgs.). Panorama da Geografia brasileira 1. São Paulo: Annablume, 2006, p. 99-122.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Ambiguidades e contradições no discurso de naturofilia. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 18, p. 77-86, jul./dez. 2008. Editora UFPR

ALMEIDA, Maria Geralda de. Cultura, paisagens e patrimônio cultural: reflexões desde o Brasil Central. Espaço & Geografia, Vol.16, No 2 (2013), 417:440.

ALMIRÓN, Anália. Turismo, naturaliza y sociedade en la Patagonia argentina. El destino turístico Los Glaciares. In: BERTONCELLO, R. (org.). Turismo y geografia. Lugares y patrimônio natural-cultural de la Argentina. Buenos Aires: CICCUS, 2008, p. 63-90.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BERQUE, Augustin . Le sauvage et l’artifice: les Japonais devant la nature. Paris: Gallimard, 1986.

BÉTEILLE, Roger. Le tourisme vert. (Collection Que sais-je?). Paris: PUF, 2000.

BUTLER, R. W. The concept of a tourist area cycle of evolution: implications for management of resources. Canadian Geographer, XXIV, 1, 1980.

CET, Centro de Excelência em Turismo - UNB. Sistema de Cadastramento dos Recursos e da Oferta Turística: Levantamento de Alto Paraíso de Goiás. Brasília, 2005.

CLIFFORD, James. Notes on travel and theory. Inscriptions, v. 5, p. 177-178, 1989.

COSTA, Everaldo B. Cidades da patrimonialização global. São Paulo: Humanitas-USP/Fapesp, 2015.

DEWAILLY, Jean-Michel; FLAMENT, Emile. Géographie du tourisme et des loisirs. Paris: Sedes, 1993

DIEGUES, Antônio C. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2001.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Trad. Sandra C. Branco. São Paulo: EdUNESP, 2005.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades: Alto Paraíso de Goiás (GO). Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/...goias|alto-paraiso-de-goias>. Acesso em novembro de 2013.

MARICATO, Ermínia. “O Ministério das Cidades e a Política Nacional de Desenvolvimento Urbano”. In: Boletim Políticas Sociais – Acompanhamento e Análise. IPEA, 12 fev 2006. PLANEJAMENTO, Ministério do. Apresentação PAC 2007-2011. Ministério do Planejamento, Brasília, 2007. Disponível em: < https://www.ipea.gov.br/agencia/...ministerio12.pdf> Consulta em fev. de 2014.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. Promotoria de Justiça na Comarca de Cavalcante/GO. Brasília, 1º de junho de 2009.

Disponível em: <http://www.mp.go.gov.br/portalweb/hp/9/docs/acp_quilombolas_pa.pdf>. Consulta em jun. de 2015.

NASCIMENTO, Jorge Luiz; BRAGA, Ivan C. Atlas da fauna brasileira ameaçada de extinção em unidades de conservação federais. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2011.

NOGUE, Joan. Paisaje y turismo. Estúdios turísticos, nº. 103: 35-45: Gobierno de España, 1989.

SAHLINS, Marshall D. Cultura e razão prática. Trad. Sérgio Tadeu de Niemayer Lamarão. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SERJE, M. R. La concepción naturalista de la naturaleza:un desafio al ambientalismo. In: Revista de Antropologia y Arqueologia. Universidad de los Andes, v. 11, n. 1-2, p. 5-70, 1999.

SILVA, Clarinda A. Paisagem e paisagens do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros: o olhar “de dentro” e “dos de fora”. Anais do ENTBL – Planejamento para o desenvolvimento local. Curitiba. Curitiba, 2004.

SIMMEL, George. A metrópole e a vida do espírito. In: FORTUNA, C. (org.). Cidade, cultura e globalização: ensaios de sociologia. São Paulo: Celta Editora, 1997.

UNESCO. Cerrado Protected Areas: Chapada dos Veadeiros and Emas National Parks < http://whc.unesco.org/en/list/1035 >. Consulta em fev. de 2014.

UNESCO. Candidature au Patrimoine Mondial - Évaluation technique UICN - Aires Protegees du Cerrado: Parc National Chapada dos Veadeiros et Parc National Emas (Bresil). Paris, Siège de l‟UNESCO, 2001. < http://whc.unesco.org/fr/list/1035/documents/>. Consulta em jul. 2014.

UNESCO. Information sur les Listes Indicatives et Examen des Propositions d'inscription de biens culturels et naturels sur la Liste du Patrimoine Mondial en Peril et sur la Liste du Patrimoine Mondial – (Comite du Patrimoine Mondial, Vingt-cinquième session). Paris, Siège de l‟UNESCO, 2001a. < http://whc.unesco.org/fr/list/1035/documents/>. Consulta em jul. 2014.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - O exótico cerrado de altitude no Vale da Lua - Chapada dos Veadeiros, Brasil.
Crédits Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10474/img-1.png
Fichier image/png, 594k
Titre Figura 2 Mapa da Chapada do Veadeiros
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10474/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Figura 3 - Peculiaridades do turismo alternativo em Alto Paraíso
Légende Iguarias culinárias, áreas hippies para acampamento e comércio de pedras e produtos místicos na rua Ari Ribeiro Valadão Filho e adjacências.
Crédits Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2013.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10474/img-3.png
Fichier image/png, 449k
Titre Figura 4: Feira do Produtor Rural de Alto Paraíso de Goiás.
Légende O antigo mercado rural foi apropriado pelos hippies e pequenos comerciantes de produtos místicos, turísticos e alimentos, sob a influência do Parque Nacional Chapada dos Veadeiros.
Crédits Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2013.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10474/img-4.png
Fichier image/png, 499k
Titre Figura 05: Economia de aglomeração e turismo: bens e serviços concentrados na Avenida Ari Ribeiro Valadão Filho – Alto Paraíso.
Crédits Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo, 2013.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10474/img-5.png
Fichier image/png, 276k
Titre Figura 06: Vila de São Jorge.
Légende [1] Lanchonete, carretilha-loja de venda de utensílios em geral e residência; [2] Capela d São Jorge; [3] Exemplo local de casa retangular, com telhado inteiriço em amianto.
Crédits Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo - 2013.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10474/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Figura 07: Artesanatos energizados e alimentos orgânicos são peculiaridades nas redes de comercialização turística da Chapada dos Veadeiros.
Légende [1] Galpão de comercialização artesanal; [2] artesanato Mensageiro dos Ventos feitos em quartzo; [3] Imagem que alude à mística de seres e poderes extraterrestres.
Crédits Fonte: Arquivo dos autores, trabalho de campo, 2013.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10474/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 73k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Everaldo Batista da Costa, Maria Geralda de Almeida, Rafael Fabrício de Oliveira et Rúbia de Paula Rúbio, « Realização social da natureza pelo turismo na Chapada dos Veadeiros », Confins [En ligne], 25 | 2015, mis en ligne le 08 novembre 2015, consulté le 23 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/10474 ; DOI : 10.4000/confins.10474

Haut de page

Auteurs

Everaldo Batista da Costa

Professor doutor do Departamento de Geografia da Universidade de Brasília (UnB, everaldocosta@unb.br

Articles du même auteur

Maria Geralda de Almeida

Professora Titular do Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás (UFG, mgdealmeida@gmail.com

Articles du même auteur

Rafael Fabrício de Oliveira

Professor Assistente do Instituto Federal de São Paulo (IF-SP). Doutorando em Geografia pela UnB, rafabricio@gmail.com

Rúbia de Paula Rúbio

Pesquisadora do Grupo de Estudos Cidades e Patrimonialização (GECIPA-UnB). Mestre em Geografia pela UnB, georubiarubio@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org