Navigation – Plan du site

O reerguimento da Rússia, os EUA/OTAN e a crise da Ucrânia: a Geopolítica da nova Ordem Mundial

Le retour de la Russie, les États-Unis / OTAN et la crise en Ukraine: géopolitique du Nouvel Ordre Mondial
The new uplifting of Russia, the US / NATO and the crisis in Ukraine: the Geopolitics of the New World Order
Wanderley Messias da Costa

Résumés

Ce texte examine des aspects importants de la scène internationale en ce début de 21e siècle du point de vue géopolitique, mettant en évidence le processus de retour de la Russie comme grande puissance. L'approche combine la géographie régionale, la géopolitique, l'histoire et la théorie des relations internationales et cherche à se concentrer sur l'analyse des aspects pertinents de l'histoire russe, de la période tsariste, via le socialisme de l'URSS, la déclin d'après 1991, le retour à partir de 2000 et la stratégie de pouvoir politique régional et mondial actuelle, qui sont mis en évidence dans sa rivalité avec les États-Unis / OTAN et le conflit avec l'Ukraine. En plus de l'analyse de ce parcours, il cherche à comprendre le mode d'action particulier des grandes puissances dans leur lutte constante pour maintenir et agrandir des aspects de leur puissance mondiale, surtout dans les deux dernières décennies. Il souligne dans le même temps la renaissance remarquable du point de vue géopolitique et sa capacité à démêler le réseau complexe des relations internationales de la politique dans le contexte de la transition actuelle d'un ordre de monde à l'autre, préalablement désigné comme tripolaire.

Haut de page

Texte intégral

O KremlinAfficher l’image
Crédits : http://voyage.gentside.com

1O renascimento da geopolítica clássica como inspiradora de estratégias nacionais, rivalidades e conflitos envolvendo, sobretudo, as grandes potências com impactos em praticamente todas as regiões e povos do mundo é um dos aspectos destacáveis da transição em curso em direção a uma nova ordem nas relações internacionais.

2A restauração da Rússia como grande potência com projeção regional e mundial e os rumos dominantes da sua estratégia de poder e de influência na política internacional, como o formidável reaparelhamento das forças armadas, a recente reaproximação com a China, a calculada movimentação que visa contrastar a hegemonia dos EUA/OTAN e a ousada e ostensiva intervenção política e militar na atual crise da Ucrânia, são processos e eventos emblemáticos das aceleradas mudanças do mundo deste início do século 21 e que nos inspiram a examiná-los pondo em relevo as concepções da antiga e sempre renovada geopolítica.

3Neles se expressam elementos e padrões de comportamento característicos das antigas, emergentes ou restauradas grandes potências quando protagonistas de disputas em torno dos seus valores e interesses nacionais assentados nos seus respectivos territórios e áreas de domínio, controle ou influência. Expressam, ao mesmo tempo, a complexidade das eras de transição de uma ordem mundial para outra e neste caso da bipolaridade para a multipolaridade ou polaridades ainda indefinidas. Trata-se de eventos envolvendo fricções, tensões, crises e conflitos impulsionados pela competição de largo espectro por hegemonia e pelos movimentos por afirmação política, emancipação, autonomia e soberania de estados, nações, nacionalidades e comunidades políticas em países, territórios, fronteiras, regiões e províncias, que têm se desenvolvido em praticamente todas as escalas e fímbrias do espaço político mundial.

4Na crise da Ucrânia, regional stricto sensu, mas de alcance global pela força com que projeta externamente seus impactos, veio à superfície o modo particular de conceber e por no terreno a política internacional que vigorou durante séculos e que teve seu apogeu no período de predomínio dos impérios (a Era dos Impérios de Hobsbawm), em que os antagonismos e as guerras expressaram a face violenta da luta pelo poder. Ademais, embates políticos e confrontos militares em que territórios e regiões são objeto e fonte do poder dos estados e ocupam, portanto, o centro das estratégias nacionais dos antagonistas.

5Em outros termos, e ainda que isso desperte sentimentos de perplexidade (e mesmo de repúdio) em parte da comunidade dos estudiosos e da opinião pública internacional, a crise em tela expõe a retomada do secular caminho trilhado pelas grandes potências para manter ou aumentar suas reservas de poder, pondo em movimento a diplomacia e a máquina de guerra para fazer valer seus interesses nacionais nas disputas de todas as escalas, isto é, nas suas relações de vizinhança e alhures tendo como objetivos o domínio, o controle ou a influência e, no limite, a conquista e a anexação de territórios.

  • 1 Fukuyama, F., The End of History and the Last Man, Free Press, New York, 1992 e Rosenau, J., Govern (...)

6Na transição em curso para uma nova Ordem Mundial a emergência de novos polos de poder e o notável engajamento da comunidade internacional em torno da paz e a cooperação tem moldado um ambiente internacional que favorece o otimismo dos liberais e construtivistas da teoria das relações internacionais do início dos anos 1990 - ou do imediato Pós-Guerra Fria -, como Francis Fukuyama e James Rosenau1. Daí o crescimento da condenação e do repúdio à modalidade de política fundada na pura disputa pelo poder que caracterizou período remoto da história e que estaria segundo eles em declínio e em vias de ser superado por novos valores e meios de resolução de conflitos. Tratar-se-ia, portanto, de esforço coletivo na construção de arranjos institucionais e de mecanismos que assegurassem o relacionamento entre os Estados pautado pelo multilateralismo e por um conjunto previamente acordado de normas consuetudinárias e, cada vez mais, formalmente jurídicas, inscritas no Direito Internacional.

7No contra fluxo dessa corrente em prol da paz e a cooperação, entretanto, os eventos de setembro de 2001 e especialmente aqueles desta segunda década do século 21, com a ampliação e o agravamento dos conflitos em todas as escalas são um claro sintoma da tendência geral de deterioração do ambiente político internacional, que tem sido marcado cada vez mais pela incerteza, a insegurança e os riscos globais. A rigor, os antecedentes dessa deterioração encontram-se no imediato pós Guerra Fria com a invasão do Iraque pela coalizão militar organizada sob os auspícios da ONU e liderada pelos EUA. Seguiram-se diversos eventos como a crise dos Bálcãs no contexto do desmantelamento da Iugoslávia com enfrentamentos armados entre grupos nacionais da Sérvia, Croácia, Bósnia-Herzegovina e Kosovo e a posterior intervenção militar dos EUA/OTAN, além dos diversos conflitos no Chifre da África e na África subsaariana, incluindo práticas de genocídio como os de Ruanda e Burundi. Também os primeiros sinais do profundo antagonismo envolvendo as potências ocidentais (e especialmente os EUA) e o movimento islâmico radical com seus inúmeros episódios de violência, tais como os atentados terroristas ao World Trade Center em Nova York (1993) e às embaixadas norte-americanas do Quênia e do Iêmen (1998).

8Ocorre, contudo, que nos processos de transição de um período histórico para outro, o novo tende a manifestar-se enredado ao velho, isto é, as típicas modalidades de conflitos e violência da ordem global, como os atentados terroristas e a atuação das milícias (a guerra irracional de que fala John Keegan) têm convivido ou compartilhado a arena da política e da guerra com os eventos característicos da antiga ordem e os seus clássicos antagonismos e rivalidades entre Estados-Nações e, particularmente, as Grandes Potências em suas disputas por influência e poder travadas nas escalas dos países, das regiões e do mundo.

9Daí porque as crises da Geórgia, em 2008, e em especial esta em curso da Ucrânia, nas quais estão diretamente envolvidos os EUA, a OTAN e a Rússia nos remete ao universo da velha geopolítica do início do século 20 e às concepções de Halford Mackinder – o mais importante dos pais fundadores da geopolítica - com a sua formidável ideia-síntese de que o espaço político (mais propriamente o espaço geopolítico) mundial é imensa arena em que grandes e médias potências se fortalecem e se contrastam em termos de poder político e militar, agrupam-se e reagrupam-se em alianças de todo tipo e, não raro, confrontam-se continuamente para disputar o poder mundial.

  • 2 Um exame exaustivo do que aqui é denominado de geopolítica clássica ou tradicional, encontra-se em (...)

10Em suma, a predominância de concepção e estratégia que tem raízes na geografia, isto é, nos territórios e suas fronteiras, regiões e lugares e, principalmente, suas populações, infraestruturas, redes de circulação, recursos naturais e outras virtualidades do tipo que integram e podem contribuir para fortalecer o poder do Estado expresso no âmbito interno e na sua projeção externa2.

11Tudo indica, portanto, que a particularidade histórica do atual quadro político mundial é o choque e, por vezes, o amálgama entre essas duas tendências dominantes que atuam ora nas bordas, ora no centro da espessa trama na qual se movimenta a política entre as nações e demais atores da cena internacional. De um lado, a abrangente globalização que vai muito além da economia e que se desenvolve junto (ou imbricado) à tendência de descentralização do poder político - um sistema cada vez mais policêntrico – e ao revigoramento do direito internacional e das instituições multilaterais em prol da solução pacífica para os conflitos.

  • 3 As diversas intersecções da Geografia Política com as principais escolas de pensamento da Teoria da (...)

12De outro, e esta é a perspectiva aqui enfatizada desde o início, a recorrência de um padrão clássico e bastante familiar aos geopolíticos e realistas da Teoria das Relações Internacionais que têm se mantido firmes na concepção geral de que a política internacional move-se essencialmente pela atuação dos estados nacionais e, sobretudo, das grandes potências, na defesa dos seus interesses e no aumento das suas reservas de poder, um padrão geral que explicita um sistema político em permanente busca pelo equilíbrio de poder3.

Em direção à Ordem Mundial Tripolar

13É nesse quadro de jogo de espelhos entre o velho e o novo que se inscreve o processo em curso da restauração da posição de grande potência da Rússia. No esforço de recuperação do tempo (e do espaço) perdido, sua política estratégica atual de natureza essencialmente geopolítica impulsiona movimentos na direção de dois objetivos principais. Na frente ocidental, contrastar e conter duramente os EUA/OTAN em suas políticas de expansão/contenção em direção ao leste e, no limite, manter ou reconquistar para a sua órbita de influência direta a Ucrânia, as três ex-Repúblicas Soviéticas do Báltico (Lituânia, Letônia e Estônia), a Moldávia, parte do Cáucaso (Geórgia e Armênia) e o Ártico com suas cobiçadas jazidas de petróleo e gás e as novas rotas interoceânicas.

  • 4 Esse notável movimento de aproximação entre os dois gigantes da Ásia após o início dos anos 1990 é (...)

14Na sua projeção para o Leste, esse ativismo russo se expressa, sobretudo, por um acentuado esforço de aproximação com a China, país com o qual tem história marcada pela alternância entre períodos de cooperação (como o fundamental apoio russo à revolução chinesa entre 1946 e 1949) e rivalidades, neste caso envolvendo graves disputas fronteiriças nos anos 1960. Esse longo ciclo de relações envolveu diversos tratados (o primeiro é de 1689) e na sua etapa atual, claramente tendendo à convergência entre os dois países, consolidou-se com o acordo de demarcação de fronteiras em 1991 que estabeleceu a partilha dos territórios em contenda e com o Tratado de 2004 que estabeleceu as fronteiras comuns, a sua desmilitarização e os direitos de circulação e comércio4.

15Na sua estratégia na frente ocidental, a Rússia projeta manter ou retomar sua presença combinando diplomacia, dissuasão e ação militar em suas antigas áreas de influência, isto é, a Europa Oriental e o Báltico e, ao sul, o Cáucaso no qual utilizou a força militar com a invasão da Geórgia em 2008 seguida da incorporação de facto das suas províncias da Ossétia do Sul e Abkházia. Dentre esses movimentos recentes, entretanto, o que melhor ilustra a determinação do país de seguir o caminho traçado para retomar sua posição de grande potência - e o que mais tem despertado a atenção da comunidade internacional - é a sua sistemática ingerência na política interna da Ucrânia e nesse caso em explícita confrontação com o Ocidente, a cooptação e o apoio militar aos insurgentes de ascendência russa das províncias orientais do país e, finalmente, a integração (do seu ponto de vista) ou a anexação (do ponto de vista ocidental) da Criméia, em março de 2014.

16É preciso considerar, entretanto, que além da retomada da proeminência da Rússia, o olhar sobre a geopolítica do século XXI deve deter-se no exame da rápida ascensão da China à posição de grande potência, país que tem a segunda maior economia e que é o líder das exportações do mundo e que nos últimos anos tem intensificado seu ativismo diplomático na escala global. Além do mais, é notória sua disposição para arranjos de cooperação comercial e econômica em geral e preferencialmente no seu Entorno Regional, que têm se ampliado rapidamente com o comércio, os investimentos diretos e a influência política em mais de uma dezena de países da África e da América Latina nos últimos anos.

17Na Ásia de Sudeste e na Ásia-Pacífico essa ofensiva tem assumido natureza mais claramente político-estratégica ou geopolítica de tipo clássico, isto é, a face agressiva de grande potência que recorre à dissuasão militar ou ao uso da força, se necessário, na defesa do que considera seus legítimos interesses nacionais.

  • 5 A disputa por essas ilhas ocorre no contexto da retomada de antigas e profundas rivalidades entre a (...)

18Essa modalidade de expressão de poder da grande potência é observável tanto nos seus antigos contenciosos, como são os casos do Tibete (sua colônia de fato) e Taiwan (país a que ainda denomina de “Província Rebelde”), como nas suas mais recentes reivindicações territoriais no espaço marítimo, a exemplo das disputas que mantém com o vizinho Japão em torno das Ilhas Senkaku5 e com o Vietnã, Filipinas, Malásia, Taiwan e Brunei tendo como alvo o Arquipélago de Spratly no Mar da China Meridional, no contexto da complexa definição das respectivas Zonas Econômicas Exclusivas e os decorrentes direitos de exploração das comprovadas jazidas de petróleo e gás da região.

19Observando esse quadro ainda que em seus traços mais relevantes, tudo indica que é do outro lado do mundo e no imenso Bloco Euroasiático que será disputada a grande contenda genuinamente geopolítica de escala global nas próximas décadas. Na frente oriental desse bloco, a China será capaz de romper o cerco (o “colar de pérolas”) que expressa plenamente a vigência do poder marítimo que lhe é imposto pelos EUA e seus aliados ocidentais e asiáticos? Na frente ocidental, a Rússia será capaz, com suas antigas e renovadas reservas de poder, capaz de romper as linhas da poderosa contenção que lhe é imposta pela ação coordenada dos Estados Unidos e seus aliados europeus agrupados na OTAN?

  • 6 Essa política de fortalecimento dos laços do país com a China e de ampliação da sua ação diplomátic (...)

20O quadro na escala do mundo sugere, também, que nessa reconfiguração geopolítica em curso o processo de maior expressão e com poder de influência nas próximas décadas são os vigorosos movimentos de aproximação entre a Rússia e a China, que tem se processado primeiro pela criação de um ambiente propício à convivência pacífica para em seguida desdobrar-se em direção a uma aliança abrangente ou mais propriamente estratégica das duas grandes potências. Como visto, solucionados seus antigos contenciosos no início dos anos noventa, o processo de aproximação avançou em abrangência e profundidade com a criação da Organização para a Cooperação de Xangai em 2013 (integrada pela China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão e Uzbequistão), um mecanismo de concertação de conteúdo marcadamente econômico, mas que também abrange compromissos de natureza político-estratégica e especificamente militar6.

  • 7 Esse atual estágio de relacionamento entre os dois países também se expressa no plano simbólico, co (...)

21Esse ativismo marcado pelas relações de cooperação entre os dois países na atualidade também se expressa na celebração de novos arranjos comerciais bilaterais, sendo o mais vistoso deles, o recentemente firmado Acordo Energético envolvendo o fornecimento à China de 38 bilhões de metros cúbicos de gás por ano ao longo de trinta anos7.

  • 8 Além do novo Tratado de Cooperação Militar com o Japão, assinado em de 2014, os EUA também renovara (...)

22Caso venha a consolidar-se a formidável - e poucos anos atrás improvável - aliança entre as duas grandes potências euroasiáticas, que além de países-baleia, contam com vantagens comparativas e competitivas derivadas dos seus territórios, recursos naturais, populações, infraestrutura, poder econômico e força militar, o mundo assistirá pela primeira vez à formação de um imenso e poderoso Bloco Eurasiano capaz de confrontar, nos anos que seguem, o até então incontrastável poder político e militar da aliança liderada pelos EUA, formado pela OTAN (no Ocidente) e ancorado nos acordos bilaterais de segurança com seus mais tradicionais aliados da Ásia e do Pacífico, casos do Japão, Coréia do Sul, Singapura e Austrália8.

23Em suma, é a vigência da antiga e agora revigorada rivalidade entre o Poder Terrestre e o Poder Marítimo neste início do século XXI, cuja natureza é sistêmica e de larga escala e está moldando a nova Ordem Mundial na qual a repartição do poder político e militar entre as grandes potências a configura cada vez mais como Tripolar.

Formação territorial da Rússia e sua projeção geopolítica

24Um aspecto notável da história da Rússia é o amálgama da sua evolução social, econômica, política e cultural com a particular configuração e formação do território nacional e o modo como isso se desdobra interna e externamente na geopolítica. Em outros termos, a longa trajetória da sua constituição enquanto Estado-Nação moderna - contrastando com as dos seus congêneres europeus – é marcada por um complexo quadro de processos superpostos e interconectados, no qual a construção e a consolidação do Estado praticamente se confunde com a expansão e a configuração do seu território. Por isso, e neste caso abstraindo suas respectivas particularidades históricas, certamente que a Prússia, mas também a Rússia, são os arquétipos do que podemos aqui denominar de Estado Territorial ratzeliano.

25Nesse sentido, isto é, o da proeminência da dimensão geopolítica na sua formação nacional, a história russa assemelha-se menos a seus congêneres europeus ocidentais e mais à trajetória típica dos chamados Países Baleia, casos dos EUA, Brasil, Índia e China. Neles podemos identificar o que seria uma espécie de imperativo territorial que tende a moldar sua formação histórica como um todo, processo este que se expressa notadamente por expansões territoriais sucessivas a partir de um núcleo inicial e no mais das vezes marcadas por apropriações, conquistas, domínios, ocupações e a posterior consolidação das fronteiras nacionais.

26Essa modalidade histórico-geográfica de evolução nacional-territorial é particularmente notável, pois ela expressa a vigência de uma forma especificamente imperial que tende a sobrepor-se aos demais traços das trajetórias desses países e isso se expõe cabalmente no caso russo. É justamente esse imperativo territorial que o geopolítico russo Alexandr Dugin, um dos teóricos da atual restauração do poder do país, destaca na sua formação histórica:

  • 9 Dugin, Aleksandr. A Geopolítica da Rússia Contemporânea, Versila, São Paulo, 2014, p. 3

“A partir do século XV os russos emergem no panorama da história mundial como uma “civilização da Terra” e todas as linhas de força geopolítica fundamentais da sua política externa passam desde esta altura a estar sujeitas a um único objetivo: a integração do Heartland, o fortalecimento da sua influência na zona do Nordeste da Eurásia, a afirmação da sua identidade perante seu adversário mais agressivo....o mundo anglo-saxônico, a Civilização do Mar”9

  • 10 Martin, J., From Kiev to Moscow: the beginnings to 1450, in Freize, G. L. (ed.), Russia, a History, (...)

27O processo de formação nacional-territorial russo tem seu ponto de partida na segunda metade do século XV, sob o comando do Imperador Ivan III, quando este põe fim ao domínio do Império Mongol, na região que passa a ter Moscou como sua capital esta se constitui no núcleo original para a posterior expansão do seu ecúmeno geopolítico10.

28Esta trajetória de expansão territorial ganha intensidade, sobretudo, nos reinados de Pedro o Grande (1682-1725) e Catarina a Grande (1761-1796) e é caracterizada por diversos elementos de singularidade que a diferenciam ainda mais das demais experiências imperiais (ou imperialistas) da Europa. O primeiro e mais importante é que desde o início tratou-se da formação de um Estado nacional transicional e ambivalente, pois posicionado territorialmente na imensa e estratégica região entre a Europa e a Ásia.

  • 11 Essa expansão em direção ao Oeste ocorreu ao longo dos séculos XVIII e XIX e foi o resultado de vit (...)

29No período que vai de meados do século XVII ao final do século XIX o Estado russo expandiu continuamente suas fronteiras, primeiro em direção ao Oeste até o litoral do Mar Báltico, um movimento que se fez à custa de conflitos com a Polônia e a Suécia11. Em seguida, e principalmente ao longo do século XIX, expandiu-as em direção ao Sul e ao Leste, alcançando primeiro a Ásia Central e, em seguida, os confins da Eurásia já na borda do Oceano Pacífico e, nesse estágio, teve que confrontar-se inicialmente com a Mongólia e posteriormente com a China e o Japão.

30A segunda característica peculiar desse processo é que ainda que se refiram de modo geral à forma dominante de expansão dos impérios, há distinções de uma perspectiva propriamente geopolítica que devem ser enfatizadas. Enquanto os mais poderosos impérios europeus – casos de Inglaterra e França – focaram a sua expansão territorial nos séculos dezoito e dezenove fazendo uso do que Alfred Mahan denominaria mais tarde de Poder Marítimo, estendendo seus domínios na África, Ásia e na América, a Rússia o fez a partir de experiência baseada essencialmente no Poder Continental ou Terrestre, na acepção de Halford Mackinder.

  • 12 Entre o final do século XV e o final do século XVI a Rússia esteve envolvida em mais da metade dess (...)

31O terceiro aspecto destacável no processo de consolidação desse imenso império decorre justamente da sua particular posição nessa enorme massa terrestre entre a Europa e a Ásia. Até meados do século XVIII, quando seus governantes ainda definiam como principal horizonte estratégico a expansão e consolidação dos seus domínios sobre os territórios europeus, a Rússia assemelhava-se nos seus traços gerais às demais experiências históricas do período no continente, inclusive porque nessa trajetória teve que enfrentar a resistência de outras potências que com ela disputavam as mesmas áreas de influência12.

  • 13 Cf. Alexander, J., The Petrine Era and After, in Freize, G.L. (ed.), op. cit.

32Desde então, o percurso histórico do país tendeu a expressar essa sua natureza transicional e ambivalente que o induz a adotar uma recorrente estratégia tipicamente pendular nos processos de expansão imperial. Em sua faceta ocidental, o país assumia plenamente sua condição de potência europeia, quando fixava seu olhar na direção do Ocidente e dele incorporava não só a cultura, o modo de vida e até os sistemas burocráticos de gestão pública, como também os projetos de hegemonia – ou coloniais - no continente e fora dele13.

33Esse processo de europeização que iniciara no século XVI com Ivan, o Terrível, teve notável impulso sob o comando de Pedro, o Grande, no século seguinte, e de Catarina, a Grande, a partir do início do século XVIII. Essa trajetória em direção ao Oeste deu-se, sobretudo, durante o reinado de Pedro I, autoproclamado Czar (em alusão aos imperadores romanos) e que foi de fato o criador do que seria conhecido como o Império Czarista russo. Primeiro, com a criação de São Petersburgo no Golfo da Finlândia, para a qual é transferida a Capital do país, viabilizando assim sua estratégia de criar uma “porta para a Europa” pela qual pudesse intensificar suas interações com seus vizinhos ocidentais. Segundo, com as guerras de expansão e as vitórias sobre o Império Turco-Otomano e a Suécia e as anexações da Lituânia, Estônia e Letônia no Báltico. Conquistas significativas que moldaram a Rússia Moderna e a definiram como império europeu de fato.

  • 14 Cf. Bassin, M., Geographies of Imperial Identity, in Lieven, D. (ed.), The Cambridge History of Rus (...)

34Essa tendência tem continuidade durante o reinado de Catarina II, que além da conquista da Criméia e a consolidação dos territórios do Báltico e do Cáucaso, mantém o ímpeto colonizador de Pedro I com a extensão dos seus domínios para a Sibéria e o Ártico e para além dos Urais em direção à Ásia Central e o Extremo Oriente. Nesse percurso, e comportando-se neste aspecto específico à semelhança dos impérios coloniais da França e da Inglaterra e, em certa medida, da Prússia, o Império Russo atribuiu-se papel “civilizador” no processo de incorporação seguido de abrangente política de russificação dos territórios e dos “povos bárbaros” da Ásia (os “não europeus”), definindo-os de fato como os seus “territórios coloniais”14.

35Por outro lado, a faceta oriental da sua natureza ambivalente impulsionou-o na direção dos territórios meridionais tendo como rumo, primeiro, o Grande Cáucaso, onde contrastará ali o tradicional domínio do Império Turco-Otomano e, em seguida, o leste e o norte com o Volga-Urais, a Sibéria e o Ártico. Em seu avanço em direção à Ásia Central e Meridional e mais especificamente quando atinge o Afeganistão, confronta ali o domínio e a influência do Império Britânico nas fronteiras ocidentais dos territórios da Índia colonial que então incluíam o atual Paquistão. Na progressão rumo ao Leste, alcança o Extremo-Oriente e o Pacífico, definindo assim os confins do seu ecúmeno político-territorial e consolidando formidável expansão territorial simbolizada pela instalação da cidade litorânea de Vladivostok em 1860, centro portuário comercial e base da sua frota naval do Pacífico. Finalmente, na passagem do Século XIX para o XX, confrontar-se-á nessa região com o Japão - a potência marítima emergente da Ásia do Pacífico - com o qual entrará em guerra em 1905 na disputa pelas ilhas Sakalina e da qual sairá derrotado e perderá não apenas o arquipélago como também Vladivostok, territórios que só serão retomados em 1945, com o fim da Segunda Guerra e a derrota japonesa.

36No final do século XIX o Império formava um poderoso Estado continental dominando imensa massa terrestre com mais de 10 mil km de extensão no sentido Leste-Oeste, cuja coluna vertebral mais emblemática é a formidável ferrovia Transiberiana, concluída em 1901 e que interliga de fato o Báltico ao Pacífico (e posteriormente a China). Define-se assim a configuração geopolítica fundamental da grande potência que emergirá da Revolução Soviética de 1917 e que representará cabalmente uma nova modalidade de poder mundial, isto é, a conjunção de um sistema político de novíssimo tipo e ultracentralizado – o estado socialista - com o poder terrestre na sua mais eloquente expressão.

Figura 2 – A Rússia e a Ferrovia Transiberiana

Fonte:  http://transsiberian.info/​

37Encerrada a Guerra Civil com a vitória dos bolcheviques, em 1922 é constituída a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, integrada pela Federação Russa e mais de uma dezena de províncias que se tornarão repúblicas socialistas soviéticas, num total de 14 (após as anexações da Lituânia, Estônia e Letônia em 1940 no contexto do acordo Ribbentrop-Molotov) e um total de sessenta nacionalidades oficialmente reconhecidas. Formou-se com isso um imenso território com 22 milhões Km² desde o Báltico, passando pelo Cáucaso, a Ásia Central e a Sibéria, até os confins da Ásia do Pacífico. É nesse período que a Antiga Rússia, agora U.R.S.S., atinge o ápice do seu processo de consolidação política e geopolítica e, sob o comando de Lênin e depois de Stalin, o ultracentralizado Estado Soviético persegue a todo custo o pleno uso das forças de coesão nacional-territorial mediante a implantação de abrangentes redes de controle, vigilância e gestão no imenso território multiétnico e multi-regional sob seu domínio.

38Ao mesmo tempo, Moscou promove um vigoroso processo de russificação em todos os seus domínios com as suas dezenas de povos, retomando de forma ampliada processo similar posto em prática durante o reinado de Catarina, a Grande. Além disso, e apesar de ter sido formalmente assegurada pela Constituição de 1936, a autonomia das repúblicas soviéticas e demais “regiões autônomas” da Federação Russa não era efetiva. Afinal, a natureza essencial da centralização imposta pelo regime instalado em Moscou não se resume à sua dimensão política ou seu correspondente sistema de gestão, mas estende-se para as outras esferas relevantes da vida social, como a cultura em geral, a exemplo da imposição da língua russa como idioma oficial, a proibição do exercício religioso e a propagação maciça dos valores e práticas definidos pelo partido único.

  • 15 Cf. George, P., Geografia da U.R.S.S., Difel, São Paulo, 1970

39Além disso, e mediante os conhecidos Planos Quinquenais, a URSS procura a todo o custo superar seu atraso em relação ao Ocidente capitalista, notadamente no que se refere à precariedade da sua agricultura e às insuficiências nos estágios mais avançados da estrutura industrial, além do fato de que esse esforço de superação era claramente impulsionado pelo seu objetivo estratégico mais importante, isto é, de tornar-se rapidamente uma Superpotência capaz de rivalizar com as potências ocidentais e destacadamente os EUA. O período da acelerada modernização foi deflagrado pelos dois primeiros planos (1927-1936) que priorizaram o transporte ferroviário e a construção de grandes hidroelétricas na Sibéria Oriental, a expansão da agricultura mecanizada na Ucrânia (40 milhões de hectares de solos cultiváveis), nos Urais e na Sibéria Oriental e o desenvolvimento da indústria de bens de produção (siderurgia, metalurgia, química e petroquímica) e de máquinas e equipamentos em geral15.

40Especialmente no caso do forte impulso à industrialização, o processo foi beneficiado pelas descobertas de enormes reservas de petróleo e gás, além de importantes jazidas de carvão e de minérios como o ferro, manganês, alumínio, níquel e urânio, bastante concentrados nos Urais (a mais importante região industrial do país durante a Segunda Guerra), mas também distribuídos pela Sibéria Oriental, Cazaquistão e Azerbaijão.

  • 16 Cf. Shvedov, V. e Gras, C., Extrême-Orient russe, une incessante (re)conquête économique, op. Cit.

41Durante os anos 1930 Moscou também prioriza o povoamento do Extremo-Oriente, isto é, a Sibéria Oriental e as regiões do rio Amour e da borda do Pacífico, cuja imensidão contrastava com o fraco povoamento e o baixo nível de desenvolvimento. Até o início dos anos 1940 essas regiões receberam um contingente com cerca de dois milhões de imigrantes livres atraídos pelos programas de atração do governo (salários diferenciados e benefícios), 500.000 militares e cerca de 300.000 prisioneiros16.

42Esse esforço modernizante foi crucial para enfrentar e derrotar a invasão alemã na Segunda Guerra, ainda que essa vitória tenha sido obtida à custa de estimados 20 milhões de mortos, entre civis e militares, a quase destruição da agricultura e de muitas das suas cidades e de pesados danos à sua infraestrutura em geral. A heroica resistência e a contraofensiva das forças armadas soviéticas à invasão nazista a partir de meados de 1944 e a sua entrada triunfal em Berlim em maio de 1945, inaugura um novo ciclo de consolidação e expansão do poder do país. Daí porque antes mesmo do final da guerra, na Conferência de Yalta (fevereiro de 1945), Stalin explicitou enfaticamente suas exigências nas partilhas da Europa centro-oriental e do Báltico.

43Cristalizada a derrota alemã, a partilha entre os vencedores foi formalizada na Conferência de Potsdam (julho de 1945), pela qual ficou acordado que ficaria na órbita da U.R.S.S. o domínio (ou a influência direta) de praticamente todos os países da Europa de Leste – desde a porção oriental da Alemanha - e dos Bálcãs, nos quais incentivou e apoiou a implantação de estados socialistas alinhados com Moscou. Ademais, estendeu na região sua abrangente rede de controle especificamente militar através do Pacto de Varsóvia.

44Enfim, no alvorecer dos anos 1960 o país já mostrava (e propagandeava) ao mundo os sinais eloquentes da sua ascensão à posição de superpotência econômica e militar. Conquistara terreno em setores estratégicos, tais como a implantação de sistema universalizado de educação de base e universitário e centros de pesquisas avançadas, a estruturação de um parque industrial de ponta (em especial o complexo tecnológico-militar), o domínio de tecnologias sofisticadas como a aeroespacial e a nuclear, pesados investimentos na capacitação das forças armadas para que tivessem condições operacionais de atuação em todo o mundo e, sobretudo, tornou-se capaz de assegurar o desenvolvimento, a produção e a posse de imenso arsenal de armas nucleares com seu indiscutível poder de dissuasão.

45Sob todos os pontos de vista, portanto, uma potência mundial com capacidade suficiente para contrastar o poder dos EUA e de consolidar uma nova ordem mundial então marcada pela bipolaridade e o permanente clima de tensões e de riscos associados à Guerra Fria.

46Ressalte-se, entretanto, que as tensões e riscos de escala mundial alimentados por essa acelerada trajetória soviética à posição de superpotência não se limitaram, no período, ao seu antagonismo com os EUA, seu principal rival como é notório. No final dos anos sessenta também se acentuaram suas rivalidades com a China, a outra grande potência socialista em ascensão e sua vizinha asiática com a qual compartilha mais de 4.000 km de fronteiras.

47Como visto, na sua expansão em direção ao Pacífico na segunda metade do século XIX, a Rússia afetara interesses e reivindicações do Japão e da China nesses territórios do Extremo-Oriente e a URSS atuou fortemente na sua ocupação civil e militar após os anos 1930. No contencioso sino-soviético em tela, a área-pivô das disputas abrange o sudeste da região do Rio Amour, próxima a Vladivostok (a base da frota naval soviética do Pacífico) e da tríplice fronteira China-URSS-Coréia do Norte.

48Fracassadas as tentativas de saída diplomática para o conflito, as duas grandes potências decidem utilizar a força militar e deslocam para as regiões fronteiriças comuns suas respectivas tropas (por volta de 800.00 combatentes russos e 600.000 chineses) e no auge das tensões, em 1969, chegaram a enfrentar-se por diversas ocasiões envolvendo baixas de cada lado. É certo, entretanto, que não se trataram ali de combates abertos ou generalizados envolvendo o grosso das tropas, inclusive porque ambas as partes sabiam que um agravamento radical nessas circunstâncias poderia, no limite, desembocar na tragédia da guerra total e do confronto nuclear. O nível das tensões só foi reduzido após o encontro dos chanceleres dos dois países em Pequim, ainda que as divergências perdurassem até 1991 (ano da derrocada soviética), com a assinatura do tratado bilateral sobre as fronteiras.

  • 17 Kissinger, H., Sobre a China, Objetiva, São Paulo, 2011

49Henry Kissinger, Secretário de Estado norte-americano e artífice (ao lado de Chu En Lai, seu contraparte chinês) da surpreendente reaproximação dos EUA com a China celebrada no acordo diplomático de 1972, em seu livro sobre o tema17, considera que o agravamento desse quadro de disputas e tensões sino-soviéticas foi fator decisivo para impulsionar os dirigentes chineses na direção desse acordo com a superpotência ocidental, o arquirrival da União Soviética.

50Em suma, são eventos relevantes porque estão imbricados no complexo processo de conformação do quadro histórico e geopolítico de grande significado para o mundo contemporâneo (as raízes da Ordem Tripolar a que aludimos no início?) e que se expressou em escalas e desdobramentos diversos que vão desde disputas e escaramuças fronteiriças até o antagonismo visceral e o realinhamento entre grandes potências até então rivais. Também relevantes, porque neles as três grandes potências movimentaram-se sempre tendo em vista a conquista de vantagens estratégicas de longo curso, isto é, seus respectivos projetos de futuro no mundo.

O colapso da União Soviética, declínio e reerguimento da Rússia

51Após três décadas de modernização acelerada e com notáveis progressos materiais em praticamente todas as esferas da economia e da sociedade (infraestrutura, educação, ciência e tecnologia, indústria pesada, metal-mecânica e militar e o avançado complexo aeroespacial), tem início a partir dos anos oitenta um acentuado ciclo de declínio do país. As fragilidades do modelo econômico soviético (exclusivamente estatal, planejado e centralizado) foram expostas e suas consequências no rebaixamento dos padrões gerais de desenvolvimento e de bem-estar social da população tornaram-se visíveis, especialmente quando confrontados àqueles alcançados pelos seus rivais capitalistas e industrializados do Ocidente, especialmente os Estados Unidos, Alemanha (ocidental), França e Inglaterra e, no Extremo-Oriente, o Japão.

52No final dos anos oitenta revelava-se cabalmente para o mundo - e especialmente para o Ocidente - o grave quadro de crise estrutural da economia soviética, cujas maiores mazelas eram a ineficiência do setor agrícola com a consequente escassez de alimentos, a baixa produtividade da indústria em geral, as pesadíssimas despesas em Segurança & Defesa, o acanhado setor exportador e, sobretudo, a ausência de segmentos industriais competitivos na área dos bens de consumo duráveis e não duráveis que fossem capazes de atender à imensa demanda do mercado nacional (140 milhões de habitantes apenas na Rússia).

  • 18 Cf. Costa, W. M., Geografia Política e Geopolítica: discursos sobre o território e o poder (Temas e (...)

53À profunda crise econômica somou-se um curto e intenso ciclo de crise política que desaguou no colapso do governo e do regime após as frustradas tentativas de reformas de inspiração liberalizante na economia e na política sob a liderança de Gorbachev (Glasnost e Perestroika)18. Tem início assim o acelerado movimento de desmoronamento dos pilares do socialismo soviético com a queda do muro de Berlim em 1989 e dos governos socialistas dos países que gravitavam na sua órbita de influência, culminando em 1991 com a dissolução da União Soviética. A antiga Rússia perde desse modo o controle e a influência não apenas nos países das suas regiões circunvizinhas (as ex-Repúblicas Socialistas tornam-se independentes), bem como de toda a Europa Centro-Oriental e dos Balcãs, processo no qual foi emblemática a absorção da Alemanha Oriental pela Alemanha Federal.

  • 19 O potencial de conflitos entre a Rússia e seus vizinhos do Cáucaso e da Ásia Central logo após o co (...)

54A década que se seguiu ao colapso foi de difícil transição e marcada por profunda crise da economia que além dos problemas estruturais apontados, também foi impactada pelo encolhimento do país que envolveu os processos de independência de 13 repúblicas e respectivos territórios que somavam cerca de cinco milhões de Km². Os impactos econômicos foram amplos e variados e abrangeram, por exemplo, as ricas jazidas minerais e petrolíferas do Azerbaijão, Cazaquistão e Turcomenistão e as extensas e férteis terras agrícolas da Ucrânia. Seu status quo político-estratégico também foi duramente afetado, pois seu sistema de Segurança & Defesa foi mutilado, já que diversos dos seus dispositivos militares (incluindo arsenais nucleares e bases de lançamento de mísseis) restaram espalhados nos territórios das novas repúblicas independentes, com as quais teve de encetar negociações, caso a caso19.

55A criação da CEI – Comunidade de Estados Independentes no final de 1991, integrada pela maioria dos países formadores da ex-URSS (as três repúblicas bálticas não aceitaram participar), foi uma tentativa de Moscou de minorar os impactos econômicos e preservar parte da influência política perdida no seu antigo espaço de domínio. Mas naquele contexto de atabalhoada transição seu fôlego era curto, e a força dos movimentos centrífugos estimulados pelos seus rivais ocidentais nas jovens nações no oeste e no leste das suas fronteiras minou drasticamente a eficácia dessa organização.

56Foi uma conjuntura de crônica turbulência política, essencialmente porque se tratava de implantar um sistema de governo assentado em pressupostos jurídicos e políticos e institucionais radicalmente distintos do anterior. Em outros termos, o desafio de transitar de um regime centralizador e autoritário para um liberal-democrático e que fosse capaz, ao mesmo tempo, de impulsionar a mudança do antigo sistema socialista para uma economia de mercado, isto é, capitalista. Após dois séculos e meio, estava em curso mais uma tentativa de ocidentalização ou europeização da velha Rússia que impactaria não apenas o universo da cultura e da burocracia como ocorreu durante sua afirmação como potência imperial, mas agora em um sentido mais abrangente e profundo, isto é, ideológico e político.

57A reviravolta na configuração geopolítica do poder mundial decorrente do colapso do Pacto de Varsóvia e do drástico encolhimento da influência russa teve como contrapartida principal o fortalecimento estratégico-militar dos EUA e seus aliados ocidentais que se consubstanciou no revigoramento da OTAN, cuja estratégia principal passou a ser o alargamento do seu espaço de atuação direta e indireta até as últimas fronteiras dos antigos territórios da ex-União Soviética. E essa expansão ocidental sobre as regiões e países lindeiras da Rússia não se restringiu ao campo especificamente estratégico-militar, como é sabido.

58Com sua institucionalização em 1994, a União Europeia inicia vigoroso processo de expansão no Continente, passando de 15 Estados-membros em 1990 para 25 em 2004 (total de 28 em 2013), durante o qual integrou praticamente todos os antigos países socialistas do Leste Europeu, com destaque para as três repúblicas do Báltico (Lituânia, Letônia e Estônia) que faziam parte da URSS. Além disso, a expansão do seu raio de ação ainda se faz mediante acordos e bilaterais com os países da região, como os Tratados de Livre-Comércio celebrados com a Ucrânia, a Geórgia e a Moldávia em meados de 2014, ou o ultrassensível pacote de ajuda financeira à Ucrânia no início da sua turbulenta crise com a Rússia.

  • 20 A OTAN foi criada em 1950 e reformulada em 1999. Neste ano ingressam nela a República Tcheca, Hungr (...)

59Da sua parte, a OTAN deu curso à sua estratégia de alargamento a partir de 1999 no qual também incorporou a maior parte dos países do Leste Europeu e, portanto, da órbita do antigo Pacto de Varsóvia20. Sob esse aspecto, os casos que melhor ilustram o grave e potencial quadro de fricções que se estabeleceria nas relações dos EUA/OTAN com a nova Rússia com a consequente deterioração das condições de segurança europeia, foram a incorporação das mencionadas três repúblicas Bálticas, os ostensivos convites à Geórgia e à Ucrânia para ingressarem na organização e a decisão de instalar uma base de lançamento de antimísseis na Polônia. Além disso, os EUA/OTAN estenderam essa estratégia de contenção ou confinamento do país para suas antigas repúblicas e províncias situadas em direção ao sul, no Cáucaso e ao sudeste, na Ásia Central. Utilizando-se da tradicional influência da Turquia nas duas regiões e, sobretudo, após a invasão do Afeganistão pelos EUA/OTAN em 2001, abriu-se caminho para a aproximação com Azerbaijão, Turcomenistão e Uzbequistão, países com os quais foram estabelecidos acordos visando à exploração conjunta de petróleo e gás das ricas jazidas da região do Mar Cáspio, ao lado da construção de oleodutos e gasodutos atravessando o território turco (e não o russo) e, a partir daí, seu fornecimento à Europa ocidental e aos EUA.

60Em síntese, são movimentos combinados e de largo espectro inspirados pela indisfarçável estratégia ocidental de fincar seus marcos nos confins do Leste Europeu e nas circunvizinhanças da Ásia Central e assim conter e confinar o máximo possível o atual e potencial poder de influência russa nos limites do seu território, isto é, a Federação Russa stricto senso.

Figura 2 – Expansão da OTAN

Figura 2 – Expansão da OTAN

Master, J. (ed.), Council on Foreign Relations, february 27, 2015.

61Período amargo para a história do país, pois ao lado desse encolhimento generalizado, sobreveio também a ameaça associada aos riscos de fragmentação do território nacional e de graves turbulências nas suas relações de vizinhança. Sob esse aspecto, dentre todas as regiões da Federação Russa e do seu entorno regional, o Cáucaso – ou o Grande Cáucaso – estratégica região situada entre o Mar Negro e o Mar Cáspio (com suas ricas jazidas de petróleo e gás) e que abrange quatro ex-Repúblicas Soviéticas (Rússia, Geórgia, Azerbaijão e Armênia), é certamente aquela que mais expressou e ainda expressa as consequências dos duros impactos do colapso da União Soviética seguido por pelo menos uma década de acentuado declínio econômico e político russo. Tais são os casos dos movimentos separatistas-independentistas no seu próprio território como os da Tchetchênia (o mais importante) e do Daguestão, os atritos e choques frontais com a Geórgia envolvendo o separatismo pró-Rússia das províncias de Abkházia e Ossétia do Sul, os conflitos fronteiriços entre o Azerbaijão e a Armênia em torno de Nagorno-Karabakh e a mobilização de dispositivo militar para a defesa desta face à potencial ou real ameaça da Turquia, aliada dos EUA, membro da OTAN e seu arqui-inimigo.

62Se a década de 1990 foi o período crítico dessa trajetória de crise e declínio da Rússia pós-soviética, o início do novo século (e milênio) marca simbolicamente o ponto de inflexão em direção à restauração do seu antigo poder de player global, um ganho de posição que se deveu, sobretudo, à brusca mudança de rumos na política interna com a chegada de Vladimir Putin ao poder em 2000. Líder carismático forjado nos quadros de dirigentes do regime soviético ele tornou-se Primeiro-Ministro no governo de Boris Yeltsin e adquiriu notoriedade quando coordenou a invasão militar da Chechênia, reprimiu duramente ali o movimento separatista de inspiração islâmica e “pacificou” a província submetendo-a ao rígido controle de Moscou. Eleito presidente no ano seguinte, inicia seu longo período à frente do poder russo em sucessivos governos - alternando-se com Dmitri Medvedev nas posições de Presidente e de Primeiro-Ministro - que seus críticos internos e externos qualificam de centralizadores e autoritários e durante os quais o Kremlin posiciona no topo das prioridades nacionais o esforço de reconstrução do país e a restauração do seu status de grande potência.

  • 21 Kolossov, V., Les Représentations de l’Eurasie en Russie, in Foucher, M. (Dirécteur), Asies Nouvell (...)

63Como bem assinalado pelo prestigiado geógrafo russo Vladimir Kolossov, a ascensão de Putin e seu engajamento em prol dessa inflexão da trajetória do país, também estimulou o movimento liderado por grupo de geógrafos e políticos nacionalistas, antiliberais e antiocidentais que se tornariam os epígonos da doutrina geopolítica clássica do período imperial – e revivida na URSS dos anos 1920 e 1930 - que identificam a potência da Grande Rússia dos Czares e Soviética com a sua natureza essencialmente territorial-continental e euroasiática e, nas dimensões da ideologia e da política, estatista, centralizadora e autoritária. Para ele, após o colapso da União Soviética esse movimento centrou-se no objetivo de resgatar o papel - ou o destino - do país como fator de “estabilidade da Eurásia”, retomando assim sua posição de um dos polos do “sistema geopolítico global”, concepção que expressa, ao mesmo tempo, “uma ideologia, uma corrente de pensamento e um movimento político”21.

  • 22 Filler, A., L’Identité Nationale Russe: anatomie d’une représentation, in Hérodote, op. cit.

64Essa inflexão nos rumos do país também é examinada criticamente por André Filler que destaca, sobretudo, a restauração do fervor nacionalista em torno do novo líder (especialmente na mídia) e a defesa de uma espécie de destino manifesto da nação russa, assentado na sua “vocação milenarista” e na condição de “herdeira da URSS”, rumo à retomada da sua posição como “polo de gravitação mundial”, enfim, os ingredientes mais importantes da “doutrina” de Putin, explicitada por ele em seu discurso de Munique, em 200722

  • 23 Cf. Itoh, S, Russia Looks East: Energy Markets and Geopolitics in Northeast Asia, CSIS - Center of (...)

65Sob a liderança de Putin o país empreende grande esforço de reconstrução econômica, no qual foi beneficiado pela elevação dos preços do petróleo e gás e das commodities em geral. No caso do gás, especialmente, o país ocupa a posição de maior fornecedor da Europa e este é escoado em uma densa rede de pipelines desde os campos da Sibéria e o governo de Moscou sabe que a forte dependência europeia desse combustível é fator crucial em conjunturas de crise como o atual. Na direção do Leste, os recentes acordos celebrados com a China envolvendo o fornecimento de grande volume de petróleo e gás em gigantescos pipelines (em fase de construção) têm despertado a atenção do Ocidente pelo seu forte conteúdo geopolítico23.

  • 24 Segundo o relatório anual do SIPRI – Stockholm International Peace Research Institute, de 2014, a R (...)

66O país também tem elevada competividade na produção de material bélico de todos os tipos e níveis tecnológicos (é o segundo maior exportador do mundo) e esse seu estratégico e lucrativo setor tem sido impulsionado não apenas pelas vultosas aquisições recentes do governo na sua estratégia de reaparelhamento das forças armadas, como também pelo reaquecimento do mercado internacional desse segmento desde setembro de 200124.

67Da perspectiva geopolítica, entretanto, o mais relevante nessa empreitada é a retomada do crucial objetivo estratégico nacional que é o de conter por todos os meios - e se necessário confrontar militarmente - os avanços dos EUA/OTAN e seus aliados ocidentais e orientais na direção das suas tradicionais áreas de influência geopolítica, isto é, seu Entorno Regional Estratégico, especialmente nas fronteiras das ex-Repúblicas Soviéticas do Báltico, do Cáucaso e da Ucrânia e a intensa mobilização diplomática e militar que visa dissuadir os EUA/OTAN do seu projeto de instalar mísseis balísticos de interceptação na Polônia.

  • 25 Cf. Foucher. M., Obsessão por Fronteiras, op. cit.

68O governo passou também a dispensar atenção especial ao grupo de províncias e regiões de países integrantes da antiga União Soviética, nas quais ainda vivem aproximadamente 25 milhões de russos25 (cerca de metade disso nos países da Ásia Central) e, em alguns casos, essas “minorias” estariam enfrentando hostilidades e constrangimentos da parte das populações e dos governos. Em determinados casos, como a Criméia e as províncias orientais da Ucrânia ou as rebeladas províncias da Geórgia, esses conflitos constituem importante fator de desestabilização dos governos locais, tendendo a desdobrar-se em movimentos separatistas de maior envergadura que, segundo dirigentes dos países que as abrigam e boa parte dos analistas ocidentais, seriam sistematicamente estimulados e apoiados por Moscou.

Figura 2 – O Grande Cáucaso e suas nacionalidades

Figura 2 – O Grande Cáucaso e suas nacionalidades

Fonte: John O’Loughin – University of Colorado at Boulder, 2007

69Como assinalado anteriormente, o Grande Cáucaso é a região hot point para a Rússia nessas duas décadas de declínio sucedido pela restauração da grande potência. A região é caraterizada pelo seu notável mosaico de nacionalidades e pela predominância do islamismo que inspira e impulsiona seus diversos movimentos autonomistas ou separatistas, sendo o da Tchetchênia o mais conhecido e explosivo deles, mas que envolve também Daguestão, Ossétia do Norte, Karatchaievo, Ingúchia na Rússia e a Ossétia do Sul e a Abkházia na Geórgia. Ali também se encontram três novas repúblicas de grande importância estratégica na reconfiguração geopolítica regional em curso – Geórgia, Armênia e Azerbaijão - que se tornaram independentes com o fim da URSS e desde logo passaram a ser sistematicamente assediadas pelos EUA e seus aliados europeus, envolvendo ajuda econômica e militar bem como negociações visando à implantação de rede de pipelines para o escoamento de petróleo e gás do Mar Cáspio ao Mar Negro e ao Mediterrâneo e o ingresso da Geórgia na OTAN, a exemplo da Ucrânia.

70Os movimentos separatistas no Cáucaso do Norte intensificaram-se, sobretudo, durante o período da profunda crise russa iniciado em 1991 e é notório que o da Tchetchênia foi o mais importante deles. Na guerra deflagrada em 1994 os rebeldes declararam a independência da república e em 1996 expulsaram as tropas russas de seu território e essa vitória estimulou diversos movimentos similares nas repúblicas e províncias vizinhas e, com isso, tornara-se claro que pairava sobre o país a grave ameaça da fragmentação generalizada nessa região. Após a série de violentos atentados dos rebeldes contra diversos alvos militares e civis em Moscou e outras localidades em 1999, o governo russo rearticula-se e suas tropas desencadeiam violenta e abrangente ofensiva militar para retomar o controle da república, incluindo o prolongado cerco à capital, Grozny, com a derrota final das tropas rebeldes em maio de 2000. Como diversos observadores internacionais comentaram na época, uma operação militar que deve ser caracterizada como massacre de fato, dado o elevado saldo de vítimas entre os combatentes rebeldes e a população civil.

71O segundo e mais importante dos conflitos na região foi a guerra da Geórgia, em 2008, envolvendo as províncias separatistas da Ossétia do Sul e Abkházia e a invasão do país por tropas russas em agosto desse ano. Essas duas províncias iniciaram seus movimentos em 1991, logo após a o colapso da URSS e a independência da Geórgia, marcados por diversos confrontos armados entre tropas rebeldes e do governo central. No início de agosto de 2008 os separatistas da Ossétia do Sul deflagram violenta ofensiva militar contra tropas e civis georgianos da província e em escala menor o mesmo ocorre na Abkhazia e, desde logo, ambos os movimentos contam com o estímulo e o apoio da vizinha Rússia. Em 7 de agosto as tropas georgianas invadem a Ossétia do Sul e no dia seguinte tem início a intervenção militar russa com forças terrestres e aéreas ao país a pretexto de defender o direito dos rebeldes da província à sua independência e de assegurar a paz na região. Ao mesmo tempo, a marinha russa promove o desembarque de tropas na Abkházia, no litoral do Mar Negro, em apoio aos rebeldes locais e assume seu controle.

72Derrotada militarmente, a Geórgia perde suas duas províncias e pouco pode fazer além de protestos formais e das manifestações de condenação da União Europeia e dos EUA/OTAN à invasão do seu território pelas tropas russas. Na sequência dos acordos celebrados entre os dois países em meados de agosto, as duas províncias proclamam suas respectivas independências e a partir daí, além de contar com a proteção de tropas militares in loco, passam a integrar de fato a órbita política e econômica da Federação Russa.

O conflito com a Ucrânia e os EUA/OTAN e a anexação da Criméia

73Deste o colapso da União Soviética e o fim da Guerra Fria a Ucrânia, pelo seu significado histórico e posição peculiar na antiga e nova configuração geopolítica, tornou-se alvo prioritário ou território pivô nesse novo ambiente de fricções entre a OTAN expandida em direção ao leste e a movimentação da Rússia nos últimos anos para restaurar seu poder na região. A singularidade histórica da Ucrânia para os russos é indiscutível, já que estes consideram seu território como parte do hard core do nascimento e da evolução da Rússia moderna desde o século XIII. Além disso, é conhecida a importância do país pela sua destacada produção agrícola e o desenvolvimento industrial, sobretudo na sua porção oriental (as áreas fronteiriças com a Rússia), ao lado da sua posição estratégica para o escoamento do gás da Sibéria em direção à Europa Ocidental pela rede de pipelines que atravessam o país.

74Essa sua posição de área pivô também se expressou no imediato pós Guerra Fria, por ocasião da implementação dos acordos com os EUA visando à desnuclearização da Europa de Leste, já que o país concentrava importante arsenal nuclear no âmbito do antigo Pacto de Varsóvia. Esse jogo de influências EUA/Rússia também teve impactos diretos na política interna do país, pressionando seus governos especialmente nas questões internacionais e polarizando-o fortemente na ação dos partidos e do parlamento e nas preferências eleitorais da população.

75O presidente Viktor Yanukovich, eleito em 2010, era claramente aliado de Moscou e por isso enfrentava forte oposição interna e hostilidades externas da parte dos governos ocidentais. O auge da crise política foi em novembro de 2013 quando o presidente se recusou a assinar um acordo com a União Europeia envolvendo pacote de ajuda financeira em torno de US$ 15 bilhões, preferindo firmar acordo semelhante com a Rússia que incluiu substancial redução no preço do gás importado. Essa decisão deflagrou forte oposição no parlamento e uma onda de protestos da população que culminaram em violentas manifestações que tomaram as ruas e praças de Kiev. Após semanas de confrontos em que o governo mobilizou tropas e forças paramilitares para reprimir a multidão, finalmente o presidente acaba sendo destituído pelo parlamento em 23 de fevereiro de 2014.

76Como consequência do que qualifica de Golpe de Estado, Moscou estimulou seus aliados ucranianos, especialmente os do sul e do leste do país onde vivem por volta de sete milhões de russófonos, para que deflagrem forte movimento de contestação ao novo governo. Ainda em fevereiro o governo russo fez aprovar no Parlamento lei específica que o autorizou a adotar medidas destinadas a dar proteção aos “cidadãos russos” da Ucrânia, incluindo eventual intervenção militar. O conflito se agravou com a mobilização de milhares de manifestantes combatentes organizados em brigadas paramilitares fortemente armadas e apoiadas pela Rússia. Nessa escalada dos conflitos o primeiro episódio de destaque é a derrubada do prefeito de Sebastopol, na Criméia e em seguida a tomada da capital da província, Simferopol, cuja população é majoritariamente pró-Rússia.

77O rumo dos acontecimentos indicava que estava em curso um forte movimento separatista visando na prática proclamar a independência da Criméia, para posteriormente integrá-la à Rússia. Em 27 de fevereiro, grupos paramilitares ocupam a presidência e o parlamento da província, hasteando em ambos os edifícios a bandeira russa, escolheram seu novo “primeiro ministro” e decidiram pela convocação de um referendo “nacional” sobre o futuro político da região tornada independente.

78Do ponto de vista do Ocidente, tratava-se pura e simplesmente de processo de anexação de parte do território ucraniano pela potência vizinha, um flagrante atentado à integridade territorial e à soberania ucraniana e grave violação do direito internacional. O novo governo ucraniano e seus aliados europeus apelaram ao Conselho de Segurança da ONU para denunciar a ofensiva russa e de seus grupos rebeldes aliados. Ao mesmo tempo, a Rússia promove forte mobilização das suas tropas terrestres ao longo das fronteiras com o país e há inúmeras denúncias da parte ucraniana acusando as forças armadas rivais de promoverem, além do fornecimento de armamentos, a sistemática incursão de grupos militares ao seu território.

  • 26 Entre os argumentos dos separatistas pró-Rússia da Criméia que proclamaram a sua independência é qu (...)

79Como previsto, em 10 de março o novo parlamento da Criméia aprovou a declaração da independência da província e a sua integração à Federação Russa. No dia 16 desse mês, foi realizado um referendo junto à população da província, no qual 96,8% dos votos foram favoráveis à independência e à adesão à Rússia26. Ainda nesse mês o parlamento russo formalizou mediante lei específica a integração formal da Criméia. Novamente no terreno do simbólico, o marketing político do governo de Vladimir Putin soube explorar ao máximo o fato de que há exatos 250 anos o Império Russo sob o comando de Catarina, a Grande, havia conquistado a Criméia na sua expansão em direção ao Oeste. Ademais, a reconquista representa um troféu para a velha/nova geopolítica russa, pois lhe assegura agora o controle absoluto da sua estratégica base naval de Sebastopol que lhe franquia passagem para as “águas quentes” do Mar Negro e através de Dardanelos e do Estreito de Bósforo, para o Mediterrâneo.

Figura 4 – As Províncias Russófonas da Ucrânia

Figura 4 – As Províncias Russófonas da Ucrânia

Wikimedia Commons, 2015

80Da sua parte, os EUA e a União Europeia decidiram adotar uma série de retaliações sob a forma de sanções econômicas e políticas à Rússia, tais como a sua expulsão do G8, a proibição da entrada em seus países para diversos dirigentes russos e a retenção de ativos financeiros depositados nas suas redes bancárias.

81. Na sequência desses conflitos e certamente encorajados pelos seus companheiros da Criméia, outros grupos pró-Rússia deflagraram fortes movimentos separatistas nas províncias orientais da Ucrânia, notadamente em Donetsk e Lugansk, nas quais os rebelados também já as declararam “independentes” em referendos realizados em maio e em seguida proclamaram as respectivas “repúblicas”. Segundo o governo ucraniano e o comando da OTAN, esses combatentes receberiam não apenas armamento de todo tipo e apoio logístico, como também apoio ostensivo da Rússia com tropas e equipamentos pesados posicionadas nas fronteiras, isto é, um quadro próximo a uma intervenção militar estrangeira de fato.

  • 27 Observe-se que o enclave (a rigor um exclave) russo de Kaliningrado Oblast que sedia sua frota nava (...)

82O agravamento do conflito nessas províncias orientais envolvendo intensos combates entre tropas ucranianas e milícias separatistas, e o aumento da movimentação das tropas russas na fronteira passou a envolver, de fato, o risco de conflito militar de grandes proporções, visto que os EUA e a OTAN também decidiram movimentar-se militarmente, deslocando tropas e aviação de caça para a fronteira ocidental da Ucrânia e reforçando seus dispositivos em países vizinhos, como a Turquia, Romênia, Polônia e Repúblicas Bálticas27.

83O episódio mais destacado desses conflitos entre combatentes separatistas das províncias orientais e tropas ucranianas foi a trágica derrubada do avião da Malaysian Airlines, com 298 passageiros, próximo à fronteira entre os dois países. Segundo a maioria dos observadores ocidentais essa aeronave teria sido alvo do disparo por combatentes separatistas de sofisticado míssil terra-ar de fabricação russa. Esse evento provocou grande comoção e repúdio na opinião pública internacional pela perda de vidas de civis inocentes. Com isso, os EUA e a União Europeia recrudesceram a ofensiva visando o agravamento das retaliações à Rússia sob a forma de sanções adicionais e a adoção de medidas efetivas visando o apoio político e financeiro ao novo governo pró-Ocidente da Ucrânia. A intensa movimentação diplomática em torno de uma saída pacífica para o conflito contribuiu para que o governo aceitasse sentar-se à mesa de negociações com os EUA/União Européia e a Ucrânia que resultaram na assinatura de Acordo de Cessar-Fogo em 05 de setembro de 2014.

84Pelo rumo das negociações em curso, tudo indica que neste momento encontram-se congeladas as posições da Ucrânia com relação à sua integridade territorial formal após a perda da Criméia, ainda que seu governo tenha pela frente o duríssimo desafio de assegurar o máximo de coesão territorial-nacional face à inescapável providência de ceder parcelas consideráveis de poder para suas províncias separatistas que clamam por independência e que demonstraram cabalmente sua disposição de empregar a luta armada para atingir seus objetivos.

85Por outro lado, Moscou e seus aliados dessas províncias orientais sabem que as condições da conjuntura atual não lhes são hoje tão favoráveis como em meados de 2014, no auge do movimento, quando detinham a vantagem da iniciativa e de fato infligiram seguidas derrotas políticas e militares às forças nacionais ucranianas. A reorganização da sua política interna (incluindo a nova eleição presidencial), a intensificação da ofensiva militar no combate às milícias rebeldes e o decisivo apoio dos aliados ocidentais permitiu-lhe recuperar parcela importante da capacidade de atuação e de protagonismo nas iniciativas e negociações visando a superação da crise.

86Tudo indica que à medida que ganha força a mobilização diplomática e a pressão da comunidade internacional por uma solução negociada para o conflito, a tendência é que os combates sejam drasticamente reduzidos. Essa tendência atual de arrefecimento do conflito é ilustrada pelos acordos de cessar fogo e as negociações de paz (com o aval de Moscou) entre o governo ucraniano e os rebeldes separatistas no início de setembro de 2014, que prevê, dentre outros pontos, anistia aos combatentes e troca de prisioneiros. Outras iniciativas concretas importantes na direção de um acordo duradouro foram a aprovação nesse mesmo mês pelo parlamento ucraniano de projeto de lei do Executivo e da Emenda à Constituição do país em agosto de 2015 que estabelecem regime especial de autonomia jurídico-política para as províncias orientais de “maiorias russas”.

87Finalmente, e malgrado não dispormos ainda de avaliações e estudos circunstanciados a respeito, pode-se preliminarmente concluir que da perspectiva dos EUA e seus aliados europeus foi obtida vitória política (e geopolítica) significativa para sua estratégia de largo espectro. Afinal, mantiveram a Ucrânia na órbita ocidental e, ao mesmo tempo, com o pacote de sansões em vigor, promovem o isolamento diplomático de Moscou em fóruns internacionais relevantes, quadro desfavorável que é agravado pela grave crise econômica do país decorrente da acentuada queda das cotações dos preços do petróleo e do gás.

88Da parte da Rússia, em contrapartida, o congelamento do atual quadro lhe é francamente favorável do ponto de vista da sua particular estratégia inspirada na ancestral geopolítica do poder terrestre. Afinal, e ainda que seja compelida a renunciar por ora às províncias orientais da Ucrânia, pode comemorar a conquista (ou a reconquista) da estratégica Criméia e, de sobra, dá a clara demonstração ao Ocidente (como em 2008 na Geórgia), de que não está disposta a baixar a guarda na defesa dos seus interesses nas áreas de influência que considera seu tradicional Entorno Regional Estratégico.

Considerações finais

89A política internacional tem sido examinada atualmente pelas perspectivas de uma miríade de antigas, novas e novíssimas disciplinas, abordagens e mesmo pontos de vista, disponíveis em inumeráveis publicações acadêmicas de especialistas e da mídia em geral. A geopolítica é um dos mais antigos desses campos de estudos e claramente, no caso brasileiro, ela não é atualmente uma área de pesquisa que desperta grande interesse da comunidade que se dedica a esses temas, sobretudo, no que diz respeito ao meio acadêmico institucionalizado, tendência observável especialmente na geografia, o berço da geografia política e da geopolítica.

90Daí nossa firme disposição de retomar no presente estudo o esforço que se faz necessário para realçar o modo particular da geopolítica de examinar a política internacional, mediante um particular viés conceitual e analítico que procura iluminar uma ou mais das suas faces – neste caso, as relações entre o território e o poder - do nosso poliédrico e complexo objeto de estudo e que por vezes não são sobrelevadas pelos estudiosos da área.

91A escolha do tema da restauração da Rússia como grande potência e a sua intensa movimentação na cena internacional atual foi proposital, pois ele nos permite explorar desde as questões de maior abrangência e significado para os rumos dominantes da política mundial – a escala da ordem global -, como as estratégias e padrões de atuação de um ator de primeira grandeza vis-a-vis seus principais antagonistas, até o exame de eventos e de suas repercussões em outras escalas, isto é, nacionais, regionais e locais.

92Finalmente, esse ensaio também contribui para reforçar a posição geral que temos procurado defender no meio acadêmico e fora dele, fundada basicamente na convicção de que não existe política internacional sem geopolítica e, especialmente, geopolítica sem geografia.

Haut de page

Bibliographie

Alexander, J., The Petrine Era and After, in Freize, G.L. (ed.), Russia, a History, Oxford University Press, N. York, 1997.

Banuazizi, A. e Weiner, M., (ed.), The New Geopolitics of Central Asia and its Borderlands. Indiana University Press, Indianapolis, 1994.

Bassin, M., Geographies of Imperial Identity, in Lieven, D. (ed.), The Cambridge History of Russia, Vol. II (Imperial Russia, 1689-1917), Cambridge university Press, N. York, 2006.

Bin, Y., China-Russia Relations: “Western Civil War Déjà-Vu?”, in Comparative Connections, A Triannual E-Journal on East Asian Bilateral Relations, May, 2014.

Cohen, S. B., Geopolitics of the World System. Roman & Littlefield Publishers, Boston, 2003.

Costa, W. M., Geografia Política e Geopolítica: discursos sobre o território e o poder. Hucitec-Edusp, São Paulo, 1994.

Costa, W. M., Projeção do Brasil no Atlântico Sul: geopolítica e estratégia, in Revista Confins, Nº 22, 2014.

Dugin, A., A Geopolítica da Rússia Contemporânea, Versila, São Paulo, 2014, p. 3.

Filler, A., l’Identité Nationale Russe : anatomie d’une représentation, in Revue Hérodote, (Dossier “Russie”), nº 138, 3º Trimestre, 2010.

Foucher, M., Obsessão Por Fronteiras. Radical Livros, São Paulo, 2009.

Fukuyama, F., The End of History and the Last Man. Free Press, New York, 1992.

George, P., Geografia da U.R.S.S., Difel, São Paulo, 1970.

Itoh, S., Russia Looks East: Energy Markets and Geopolitics in Northeast Asia. CSIS - Center of Strategic and International Studies, Washington, 2011.

Kissinger, H., Sobre a China, Objetiva, São Paulo, 2011

Kolmann, N. S., Muscovite Russia: 1450-1598, in Freize, G. L. (ed.), Russia, a History, Oxford University Press, N. York, 1997.

Kolossov, V., Les Représentations de l’Eurasie en Russie, in Foucher, M. (Directeur), Asies Nouvelles, Belin, Paris, 2002.

Martin, J., From Kiev to Moscow: the beginnings to 1450, in Freize, G. L. (ed.), Russia, a History, Oxford University Press, N. York, 1997.

Mukaiyama, Y., Deciphering China’s Assertiveness in Cross-Border Incidents: Lessons for the Japanese Police. CSIS (Japan Chair Platform), September, 10-2012.

Rosenau, J., Governance without Government: Order and Change in World Politics. (Cambridge Studies in International Relations), Paperback, New York, 1992.

Shvedov, V. e Gras, C., Extrême-Orient russe, une incessante (re)conquête économique, in, Revue Hérodote, (Dossier “Russie”), nº 138, 3º trimestre, 2010.

SIPRI – Stockholm International Peace Research Institute. Annual Report, 2014.

Haut de page

Notes

1 Fukuyama, F., The End of History and the Last Man, Free Press, New York, 1992 e Rosenau, J., Governance without Government: Order and Change in World Politics (Cambridge Studies in International Relations), Paperback, New York, 1992.

2 Um exame exaustivo do que aqui é denominado de geopolítica clássica ou tradicional, encontra-se em Costa, W. M., Geografia Política e Geopolítica: discursos sobre o território e o poder, Hucitec-Edusp, São Paulo, 1992.

3 As diversas intersecções da Geografia Política com as principais escolas de pensamento da Teoria das Relações Internacionais e, especialmente, com as obras mais destacadas dos pais fundadores do realismo político são abordadas por Costa, W. M., Território e Política em Tempos de Mudanças Globais, Tese de Livre-Docência, FFLCH-USP, São Paulo, 2005.

4 Esse notável movimento de aproximação entre os dois gigantes da Ásia após o início dos anos 1990 é destacado por Foucher, M., Obsessão Por Fronteiras, Radical Livros, São Paulo, 2009. Uma das consequências dessas novas relações de cooperação entre a Rússia e a China é a abertura das fronteiras nessas regiões comuns do Extremo-Oriente russo, incluindo a livre circulação de mercadorias e pessoas e a criação de distritos especiais de comércio e de produção industrial conjunta. Matérias da mídia de Moscou tem mencionado que devido ao acelerado crescimento da economia do país vizinho nos últimos anos, estaria ocorrendo uma “invasão chinesa” envolvendo levas de imigrantes e de mercadorias na região. Cf. Shvedov, V. e Gras, C., Extrême-Orient russe, une incessante (re)conquête économique, in Doissier “Russie”, Revue Hérodote Nº 138, 3º trimestre, 2010.

5 A disputa por essas ilhas ocorre no contexto da retomada de antigas e profundas rivalidades entre as duas potências asiáticas que remontam às invasões japonesas nos anos trinta e na Segunda Guerra. O recrudescimento dessas rivalidades tem justificado movimentos recentes de fortalecimento da aliança entre os EUA e o Japão (novo Tratado de Cooperação Militar foi firmado neste ano) e um expressivo programa de investimentos na ampliação e modernização do seu arsenal de guerra, tendo como focos a força naval e a aviação de caça. Ver a respeito Mukaiyama, Y., Deciphering China’s Assertiveness in Cross-Border Incidents: Lessons for the Japanese Police, CSIS (Japan Chair Platform), September, 10-2012.

6 Essa política de fortalecimento dos laços do país com a China e de ampliação da sua ação diplomática com a Ásia e países emergentes de outros continentes também inspirou a criação dos BRICS, em 2009, envolvendo, além dos dois países, a Índia e o Brasil e (a partir de 2011) a África do Sul. Na reunião de cúpula de 2014, no Brasil, os cinco países decidiram criar um organismo financeiro multilateral – o Novo Banco de Desenvolvimento – voltado para investimentos em projetos de interesse nacional de países em desenvolvimento.

7 Esse atual estágio de relacionamento entre os dois países também se expressa no plano simbólico, como nas recentes demonstrações públicas dos seus dois dirigentes nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi na Rússia, ou no inusitado evento após os Jogos, quando as marinhas dos dois países promoveram a primeira manobra naval conjunta e justamente em águas do Mediterrâneo. Sobre esse novo clima de relações, ver Bin, Y., China-Russia Relations: “Western Civil War” Dèja-Vu?”, in Comparative Connections, A Triannual E-Journal on East Asian Bilateral Relations, May, 2014.

8 Além do novo Tratado de Cooperação Militar com o Japão, assinado em de 2014, os EUA também renovaram recentemente suas alianças militares com Austrália, Singapura e Filipinas.

9 Dugin, Aleksandr. A Geopolítica da Rússia Contemporânea, Versila, São Paulo, 2014, p. 3

10 Martin, J., From Kiev to Moscow: the beginnings to 1450, in Freize, G. L. (ed.), Russia, a History, Oxford University Press, N. York, 1997

11 Essa expansão em direção ao Oeste ocorreu ao longo dos séculos XVIII e XIX e foi o resultado de vitórias nas guerras travadas com a Suécia e a Polônia. Em 1721 formaliza as anexações da Estônia e da Lituânia e em 1809 da Finlândia. Cf. Cohen, S. B., Geopolitics of the World System, Roman & Littlefield Publishers, Boston, 2003

12 Entre o final do século XV e o final do século XVI a Rússia esteve envolvida em mais da metade desse período em conflitos armados no Front Ocidental (ou europeu), nos quais teve que enfrentar a resistência a esses avanços por parte da Suécia, da Polônia e da atual Lituânia. Cf. Kolmann, N. S., Muscovite Russia: 1450-1598, in Freize, G. L. (ed), op. cit.

13 Cf. Alexander, J., The Petrine Era and After, in Freize, G.L. (ed.), op. cit.

14 Cf. Bassin, M., Geographies of Imperial Identity, in Lieven, D. (ed.), The Cambridge History of Russia, Vol II (Imperial Russia, 1689-1917), Cambridge university Press, N. York, 2006.

15 Cf. George, P., Geografia da U.R.S.S., Difel, São Paulo, 1970

16 Cf. Shvedov, V. e Gras, C., Extrême-Orient russe, une incessante (re)conquête économique, op. Cit.

17 Kissinger, H., Sobre a China, Objetiva, São Paulo, 2011

18 Cf. Costa, W. M., Geografia Política e Geopolítica: discursos sobre o território e o poder (Temas e Problemas Contemporâneos), op. cit.

19 O potencial de conflitos entre a Rússia e seus vizinhos do Cáucaso e da Ásia Central logo após o colapso da URSS, é tratado por Banuazizi, A. e Weiner, M., (ed.), The New Geopolitics of Central Asia and its Borderlands. Indiana University Press, Indianapolis, 1994.

20 A OTAN foi criada em 1950 e reformulada em 1999. Neste ano ingressam nela a República Tcheca, Hungria, Estônia, Romênia, Eslováquia, Bulgária e Eslovênia. Em 2009, Croácia e Albânia e mantém tratados de cooperação com Geórgia, Azerbaijão, Cazaquistão e Moldávia. Esse renovado ambiente de fricções entre os EUA/Otan e a Rússia na Europa tem contribuído para aumentar o sentimento de frustação e de apreensão dos analistas e da população em geral que julgavam ter superado o quadro de permanente ameaça do período da Guerra Fria. Ver a respeito o Dossier que a Revista Hérodote preparou sobre o tema (“Vers Une Nouvelle Europe de L’Est?”), n° 128, 1° trimestre 2008.

21 Kolossov, V., Les Représentations de l’Eurasie en Russie, in Foucher, M. (Dirécteur), Asies Nouvelles, Belin, Paris, p. 357. Para Kolossov, o mais destacado dos líderes desse movimento é o geógrafo e geopolítico Alekandr Dugin, que além de ter publicado obra importante nessa área - (Fundamentos da Geopolítica: o futuro geopolítico da Rússia, 1997), lançou a Revista de Geopolítica “Elementy”

22 Filler, A., L’Identité Nationale Russe: anatomie d’une représentation, in Hérodote, op. cit.

23 Cf. Itoh, S, Russia Looks East: Energy Markets and Geopolitics in Northeast Asia, CSIS - Center of Strategic and International Studies, Washington, 2011

24 Segundo o relatório anual do SIPRI – Stockholm International Peace Research Institute, de 2014, a Rússia elevou substancialmente seus gastos militares a partir de 1999 e aprovou um ambicioso programa de investimentos na modernização das forças armadas para o período 2011-2020. Além disso, tem incrementado sua produção de equipamento militar e atualmente exporta material bélico para um total de 52 países, dentre os quais se destacam China, Índia e Argélia e, na América Latina, a Venezuela. Do total exportado, 28% são constituídos por material de combate naval, aí incluída a venda de um Porta-Aviões para a Índia

25 Cf. Foucher. M., Obsessão por Fronteiras, op. cit.

26 Entre os argumentos dos separatistas pró-Rússia da Criméia que proclamaram a sua independência é que, na verdade, essa província conquistara o status de autonomia desde as suas origens. De fato, a província, então um território independente habitado pelos tártaros, havia sido integrada pelo Império Russo em 1783, por Catarina II. Foi sob o governo de Joseph Stálin que perdeu a autonomia que gozava dentro da Federação Russa (soviética), processo esse que foi acompanhado pela deportação da maioria de sua antiga população de tártaros e a migração maciça de russos para lá, de fato uma estratégia de russificação da província.

27 Observe-se que o enclave (a rigor um exclave) russo de Kaliningrado Oblast que sedia sua frota naval do Báltico e o 11º Exército é uma ponta de lança das forças armadas do país estrategicamente posicionada entre a Polônia e a Lituânia.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – O Império Czarista Russo
Crédits http://www.maquetland.com/​v2/​images_articles2/​images/​5_1689_1900.gif
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10551/img-1.png
Fichier image/png, 75k
Titre Figura 2 – Expansão da OTAN
Crédits Master, J. (ed.), Council on Foreign Relations, february 27, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10551/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Titre Figura 2 – O Grande Cáucaso e suas nacionalidades
Crédits Fonte: John O’Loughin – University of Colorado at Boulder, 2007
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10551/img-3.png
Fichier image/png, 840k
Titre Figura 4 – As Províncias Russófonas da Ucrânia
Crédits Wikimedia Commons, 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10551/img-4.png
Fichier image/png, 130k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Wanderley Messias da Costa, « O reerguimento da Rússia, os EUA/OTAN e a crise da Ucrânia: a Geopolítica da nova Ordem Mundial  », Confins [En ligne], 25 | 2015, mis en ligne le 09 novembre 2015, consulté le 30 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/10551 ; DOI : 10.4000/confins.10551

Haut de page

Auteur

Wanderley Messias da Costa

Professor Titular do Departamento de Geografia da USP e especialista em Geografia Política e Relações Internacionais, wander@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org