Navigation – Plan du site
Resenhas

A nova vida do velho centro nas cidades portuguesas e brasileiras

La nouvelle vie de l'ancien centre des villes portugaises et brésiliennes
The new life of the old center of Portuguese and Brazilian cities
Confins
Référence(s) :

José Alberto Rio Fernandes, Maria Encarnação Beltrão Sposito (orgs.): A nova vida do velho centro nas cidades portuguesas e brasileiras. Universidade do Porto-CEGOT, Oporto, 2013 ISBN: 978-989-8648-01-3

Notes de la rédaction

Na apresentação da revista Confins no seu site (https://confins.revues.org/5815), se pode ler que “prioridade é dada aos artigos comparativos e os artigos de brasileiros sobre a Europa”. O livro de José Alberto Rio Fernandes e Maria Encarnação Beltrão Sposito se encaixa perfeitamente nesta perspectiva e reproduzimos abaixo a sua introdução.

Texte intégral

1“Há sempre pelo menos duas formas de se poder ver a cidade, porventura opostas ou complementa- res. Os locais, as culturas e os anseios por detrás de quem vê a cidade, promovem modos diversos de as considerar que enriquecem a sua compreensão.

2Por isso, aqui se reúnem vários olhares. Olhares que juntam os dois lados do Atlântico, num falar português, mas onde se cruzam várias culturas e se distinguem significativas diferenças, não apenas por uma leitura portuguesa e europeia, ou brasileira e latino-americana, mas por desiguais percursos de cada autor, diversas inserções teóricas e formas várias de abordagem à dinâmica recente do centro de uma dada cidade.

3Naturalmente que, além do olhar ser diferente, é diferente também o objeto que se olha. Neste livro, são tratadas cidades de dimensão desigual, situadas em contextos regionais diferentes, as quais podendo refletir aproximações marcadas pelo processo de internacionalização (da economia, da arquitetura e até do urbanismo) que tenderão à homogeneização, todavia refletem de forma absolutamente singular a articulação que estabelecem com outras cidades e entre a “sua” região e o mundo, o modo como expressam a mais ou menos longa história de uma sociedade urbana, feita de dinâmicas diversas, associadas não apenas a diferentes ritmos de transformação, mas também à desigual forma como se revestiu a ação dos agentes de transformação e o modo como se articularam na promoção dos seus interesses.

4Os olhares incidem sobre um lugar particular da cidade, o qual refletirá de uma forma muito especial suas tensões: o seu “centro”.

5Há uma literatura considerável, especialmente dos anos de 1980 e 1990, sobre a perda da importância dos centros únicos – ou principais – das cidades, face às dinâmicas de reestruturação espacial. Temos uma reflexão acumulada de qualidade, que versa sobre o aparecimento de novos centros comerciais e de serviços, a constituição de novas centralidades ou mesmo sua “diluição”, a perda de prestígio social e político dos centros agora apelidados de “tradicionais”, a alteração das condições de acessibilidade e de mobilidade, a variabilidade dos comportamentos de compra e a segmentação dos consumidores segundo condições socioeconô/ómicas.

6Lugar de convergência de pessoas, ideias, bens e serviços, o centro é, com maior ou menor expressão (que isso varia no tempo e de caso para caso) lugar de encontro, de referência, de concentração de ele- mentos diversos que melhor caracterizam o urbano. Em muitas situações, este centro, sobretudo quando visto como “o centro”, está em crise. Noutras, por razões diversas, associadas por exemplo à dimensão da cidade ou à ação urbanística, foi capaz de demonstrar notável resiliência e nunca deixou de ser “centro principal”; noutros ainda transfigurou-se, envelhecendo e especializando-se na oferta para uma população sobretudo rural e/ou de menor poder de compra, por vezes “alindado” para passeio de turistas.

7A proposta deste livro é a de voltarmos nossa perspectiva analítica para o “velho centro”, na com- preensão de percursos recentes, desiguais, mas quase sempre marcados por alterações significativas, no que se pode configurar como (mais) uma “nova vida” de uma área essencial à cidade. Desejamos, portanto, oferecer aos leitores com este livro, uma leitura das dinâmicas recentes que se reconfiguram em múltiplas formas, recompondo os centros, redefinindo seus conteúdos e alterando o seu papel nas estruturas urbanas agora muito mais complexas.

8Tratamos de realidades urbanas muito ligadas pela história, a portuguesa e a brasileira, mas, tam- bém, muito diversas entre si, por múltiplas razões, que estão analisadas em algumas passagens deste livro. Escolher as cidades a serem abordadas nos dois países foi, então, um desafio que nós enfrentamos considerando com ênfase dois pontos: reunir artigos sobre várias cidades que ocupassem posições diferentes em seus respectivos sistemas urbanos, de modo a oferecer uma amostra que fosse, de algum modo, significativa do conjunto, sem jamais poder representá-lo completamente, e garantir algum grau de comparabilidade entre as duas formações sociais, razão pela qual se buscou, em ambos os casos, tratar de suas grandes metrópoles, mas também enfocar cidades que desempenham papeis importantes de articulação em suas redes urbanas e de comando regional.

9O livro está organizado em três capítulos. O primeiro conta apenas com três textos e é mais geral, pois trata de descrever processos, analisar dinâmicas e levantar tendências, tomando-se como referência o quadro teórico e o conjunto do país, de modo a contextualizar a leitura dos outros textos. O segundo contém 5 textos, os quais têm como objeto áreas urbanas de grande importância, pelas suas histórias, mas também por suas participações atuais na divisão interurbana do trabalho, as quais se inserem em (e comandam) regiões metropolitanas. Sendo certo que, tal como nas demais cidades, a dimensão entre as duas grandes metrópoles portuguesas (Lisboa e Porto) seja muito diferente das brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador), sobretudo se avaliadas em número de residentes (o que não significará tanto quanto alguns pensam…), a verdade é que desempenham papéis não muito diferentes, pelo menos a nível nacional, pelo que se optou por reuní-las e ordená-las por ordem alfabética. O terceiro capítulo – e o mais volumoso – aborda cidades médias de ambos os países em textos que procuram tratar, de forma diversa, as dimensões essenciais que entendem os autores marcar a diversidade das dinâmicas do “velho centro”, quando tratamos dos espaços urbanos menos complexas e com menor número de papéis, ainda que não sejam pequenos: Aveiro, Braga, Campina Grande, Évora, Leiria, Londrina, Marabá, Passo Fundo e São José do Rio Preto.

10Como se vê, um livro, como tantas outras coisas, é resultado de um conjunto de escolhas. Entre as que fizemos, uma das mais importantes, foi a relativa aos autores. Convidamos pesquisadores que vêm se debruçando sobre a análise do urbano, vêm oferecendo contribuições de qualidade sobre os processos espaciais que tocam nossas cidades, com especial destaque para seus centros, razão pela qual, como organizadores dessa obra, só temos agradecimentos pelas contribuições que oferecem. Sem eles, o livro permaneceria um projeto. Com eles, temos base para um debate, para um diálogo com outras leituras disponíveis ou que vierem a público nos próximos anos.

11Por fim, registamos o que em grande parte explica a origem desta coletânea – a relação construída entre nós, seus organizadores. Conhecemo-nos no começo dos anos 2000, no Simpósio Internacional sobre o Comércio e o Consumo na Cidade, realizado em São Paulo; mantivemos diálogo profissional, nos anos que se seguiram, com a realização de atividades académicas na Universidade do Porto, em Portugal, e na Universidade Estadual Paulista, no Brasil; trocamos ideias sobre textos publicados; fomos apresenta- dos um aos parceiros de pesquisa do outro; fizemos trabalhos de campo em ambos os países; almoçamos, jantamos, batemos papo sobre a vida e, de certo modo, tudo isso é parte do caminho percorrido para que essa publicação fosse feita. De algum modo, mesmo que como pequena contribuição, ela representa uma aproximação entre a Geografia Portuguesa e a Geografia Brasileira, tanto quanto oferecem ao leitor um material, que convidamos à leitura e à crítica”.

12Porto e Presidente Prudente, Outono Português e Primavera Brasileira de 2012

13José Alberto Rio Fernandes Maria Encarnação Beltrão Sposito

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « A nova vida do velho centro nas cidades portuguesas e brasileiras », Confins [En ligne], 25 | 2015, mis en ligne le 14 novembre 2015, consulté le 29 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/10603

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org