Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Enchente na fronteira oeste do Rio Grande do Sul em dezembro de 2015 : subsídios para uma agenda de pesquisa aplicada

Inondations à la frontière ouest de Rio Grande do Sul en décembre 2015 : éléments pour un programme de recherche appliquée
Flood on the western border of Rio Grande do Sul in December 2015: subsidies for an applied research agenda
Sidnei Luís Bohn Gass

Entrées d’index

Index géographique :

Itaqui, Uruguaiana, São Borja

Índice de palavras-chaves :

Enchentes, Imagens de satélite, Rio Uruguai, Rio Ibicuí
Haut de page

Texte intégral

Enchente em Uruguaiana, Rio Grande do SulAfficher l’image
Crédits : http://noticias.uol.com.br

1A fronteira oeste do estado do Rio Grande do Sul está inserida na bacia hidrográfica do rio Uruguai, a qual possui área de aproximadamente 384.000 km², dos quais 176.000 km² localizam-se no Brasil sendo que deste, 130.000 km² em território gaúcho (LEMOS, (2006), como pode ser observado na figura 1.

Figura 1 – Localização da área analisada

Figura 1 – Localização da área analisada

Fonte: elaboração do autor, 2015.

2Em função das características de relevo plano e suavemente ondulado da região e da localização dos centros urbanos às margens do rio Uruguai, as enchentes tem sido fator de preocupação há décadas. Vários estudos e levantamentos realizados desde a década de 1980 (GONÇALVES 1983, SAUERESSIG 2013, SILVA 2014 e OGASSAWARA 2015) têm demonstrado que é urgente a necessidade do estabelecimento de planos de ação que busquem minimizar os efeitos negativos das enchentes sobre a população e suas atividades. Tais planos devem prever a realocação de grupos populacionais, investimentos em infraestrutura, apoio técnico e financeiro aos agricultores, entre outras ações. Contudo, há uma etapa que antecede a elaboração dos planos, que é a estruturação de um diagnóstico que represente o real efeito sobre a região.

3Tomando por base a área identificada no mapa 1, a qual abrange as cidades de São Borja, Itaqui e Uruguaiana, além de parte da área rural dos mesmos municípios, um grande número de habitantes ribeirinhos é afetado com as enchentes. Por sua vez, o setor agrícola, que pode ser identificado como carro chefe da economia regional, é também bastante atingido, trazendo reflexos que são sentidos não apenas pela população local, mas também pelos mercados consumidores dos produtos cultivados na região, em especial, o arroz. Cabe ressaltar que, em função da sua localização dentro da bacia, a região mencionada é atingida por enchentes que acumulam as precipitações de uma área significativa, fator que é determinante nas dimensões dos eventos que ocorrem na região.

4O ano de 2015 tem se mostrado atípico em função do fenômeno climático ENOS (El Niño Oscilação Sul) que, de acordo com dados do CPTEC/INPE (2015), está associado às anomalias positivas da temperatura da superfície dos mares na região do Pacífico Equatorial. Os dados disponibilizados no dia 15 de dezembro de 2015 mostraram uma anomalia positiva de 4ºC. Este fenômeno representa um aumento do vapor de água que resulta numa quantidade maior de precipitações no sul do Brasil. Na fronteira oeste, de acordo com dados da Defesa Civil, o nível do rio Uruguai chegou a 11,14 m acima de seu nível normal em Itaqui e a 10,77 m em Uruguaiana, no dia 27 de dezembro de 2015. Estes dados estão próximos as marcas das maiores enchentes já registradas na região.

5Com o intuito de demonstrar as enchentes provocadas pelo grande acumulo de chuvas na região, foram tratadas duas imagens do sensor LISS III a bordo do satélite Resourcesat-2. O mencionado sensor registra imagens com 24 metros de resolução espacial e resolução radiométrica de 10 bits. Sua resolução espectral opera na faixa do visível (canais verde e vermelho) e infravermelho próximo e médio (EMBRAPA 2013). O quadro 1 detalha as características das bandas captadas pelo sensor.

Quadro 1 – Características das bandas do sensor LISS III a bordo do satélite Resourcesat-2

Banda espectral

Número da banda

Resolução espectral

Verde

2

0.52-0.59 µm

Vermelho

3

0.62-0.68 µm

Infravermelho próximo

4

0.77-0.86 µm

Infravermelho médio

5

1.55-1.70 µm

Fonte: adaptado de EMBRAPA (2013),

6As cenas utilizadas foram registradas pelo satélite em 11 de setembro de 2015 e 16 de dezembro de 2015. Após a aquisição das imagens através do catálogo do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, as mesmas foram processadas com o uso do software de código aberto QGIS 2.12.2-Lyon. Na figura 2 são apresentadas as composições coloridas 543 em RGB, a partir das quais é possível identificar, em tons de azul, as áreas com água, em tons de verde as áreas com vegetação e em tons de magenta (quadriculadas) as áreas urbanizadas.

7Comparando as figuras 2A e 2B, verifica-se um substancial aumento no tamanho da lâmina de água (em tons de azul). Este aumento pode ser observado ao longo do rio Uruguai e de seus afluentes, nas barragens que servem para irrigar as lavouras de arroz, bem como nas próprias lavouras que estavam preparadas para receber o plantio do arroz e acabaram por se transformar em reservatórios em função do nivelamento e fechamento para retenção da água do processo de irrigação. Nos detalhes apresentados nas imagens 2C e 2D é possível verificar a dinâmica imposta pela enchente na foz do rio Ibicui e no entorno da área urbana de Itaqui.

8Com o intuito de facilitar a interpretação das imagens, foi aplicado sobre as mesmas o NDWI (Normalized Difference Water Index), ou seja, Índice de Água por Diferença Normalizada. Este índice foi criado para realçar os corpos de água e eliminar a influência do solo na vegetação (FRANÇA, et al. 2012) e é calculado através da seguinte equação:

9NDWI = (green – nir) / (green + nir)

10onde: green é a banda espectral do verde e nir é a banda espectral do infravermelho próximo.

11Aplicando a equação do NDWI sobre as imagens, obteve-se o resultado expresso pela figura 3. Nesta figura os elementos estão representados numa matiz de cores que vai do vermelho, passando pelo branco, até chegar ao azul. Os tons mais avermelhados significam maior ausência de água e os tons mais azulados representam a maior concentração de água. Assim, comparando as figuras 3A e 3B, verifica-se de forma bastante clara as áreas mais atingidas pela enchente.

12Com a possibilidade de identificar as áreas mais afetadas pela enchente é possível estabelecer critérios, através de trabalhos mais aprofundados, de como e quando as ações e intervenções devam ser iniciadas para que seja possível minimizar os efeitos sobre a população. Fica assim uma agenda de pesquisa a ser realizada na região em questão, complementando os estudos e trabalhos técnicos já realizados, com o intuito de prover a região com um diagnóstico referente às enchentes. Ressalta-se que as técnicas de sensoriamento remoto são um caminho que pode trazer resultados de grande importância para a temática em questão, uma vez que estão disponíveis de forma gratuita imagens de satélite desde a década de 1970. Além deste fator, há softwares disponíveis no mercado que são de baixo custo ou até mesmo de acesso gratuito que podem ser utilizados para o desenvolvimento dos processamentos.

Figura 2 – Composições coloridas 543 em RGB das imagens do instrumento LISS III a bordo do satélite Resourcesat-2

Figura 2 – Composições coloridas 543 em RGB das imagens do instrumento LISS III a bordo do satélite Resourcesat-2

Fonte: INPE, elaborada pelo autor.

Figura 3 – NDWI das imagens do instrumento LISS III a bordo do satélite Resourcesat-2

Fonte: INPE, elaborada pelo autor

13Texto recebido 31-12-2015, aceito dia 1-1-2016

Haut de page

Bibliographie

CPTEC/INPE. Temperatura da superfície do mar. Cachoeira Paulista: CPTEC/INPE, 2015. Disponível em http://clima1.cptec.inpe.br/. Acesso em 29 dez. 2015.

EMBRAPA MONITORAMENTO POR SATÉLITE. Satélites de Monitoramento. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2013. Disponível em: http://www.sat.cnpm.embrapa.br. Acesso em: 29 dez. 2015

FRANÇA, A. F. de; TAVARES-JÚNIOR, J. R.; MOREIRA-FILHO, J. C. C. Índices NDVI, NDWI e NDBI como ferramentas ao mapeamento temático do entorno da lagoa Olho D’Água, em Jaboatão dos Guararapes – PE. In: IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologia da Geoinformação. Anais... Recife – PE, 06 a 09 de maio de 2012, p. 001-009.

GONÇALVES, A. de J. G. Enchente de julho de 1983. Itaqui, RS: Edição do autor, 1983.

LEMOS, C. A. Hidrelétricas na bacia do rio Uruguai. Guia para ONGs e movimentos sociais. Porto Alegre, março 2006. Disponível em: <www.natbrasil.org.br/>. Acesso em 15 fev. 2015.

OGASSAWARA, J. F. Análise morfométrica dos afluentes principais da bacia hidrográfica do rio Uruguai e sua influência nas enchentes na cidade de Itaqui – RS. Trabalho de conclusão de curso. Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia. Universidade Federal do Pampa. Itaqui, RS, 2015.

SAUERESSIG, S. R. Zoneamento das áreas de risco a inundação da área urbana de Itaqui-RS. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria. Centro de Ciências Naturais e Exatas. Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências. Santa Maria, RS, 2013.

SILVA, D. M. da. Áreas de Preservação Permanente e áreas de inundação: estudo de caso na área urbana de Itaqui, RS, Brasil. Trabalho de conclusão de curso. Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia. Universidade Federal do Pampa. Itaqui, RS, 2014.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Localização da área analisada
Crédits Fonte: elaboração do autor, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10638/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Titre Figura 2 – Composições coloridas 543 em RGB das imagens do instrumento LISS III a bordo do satélite Resourcesat-2
Crédits Fonte: INPE, elaborada pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10638/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10638/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 888k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sidnei Luís Bohn Gass, « Enchente na fronteira oeste do Rio Grande do Sul em dezembro de 2015 : subsídios para uma agenda de pesquisa aplicada », Confins [En ligne], 25 | 2015, mis en ligne le 02 janvier 2016, consulté le 28 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/10638 ; DOI : 10.4000/confins.10638

Haut de page

Auteur

Sidnei Luís Bohn Gass

Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA - Campus Itaqui – RS, Coord. Substituto do curso de Engenharia de Agrimensura, sidneibohngass@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org