Navigation – Plan du site
Dossiê "Brasil, potência em questão"

Mulheres brasileiras: relações de classe, de “raça” e de gênero no mundo do trabalho

Les femmes brésiliennes: rapports de classe, de «race» et de genre dans le monde du travail
Brazilian women: class, "race" and gender relations in the workplace
Helena Hirata

Résumés

L'article présente les convergences et différences principales entre la situation des femmes au Brésil et en France. Pour cette comparaison, il part de l'analyse de la division sexuelle du travail professionnel et domestique dans les deux pays, et du rapport entre vie familiale et vie professionnelle. Il compare également les différentes modalités de précarisation sociale et du travail qui ont des conséquences inégales sur les femmes brésiliennes et françaises.

Haut de page

Texte intégral

1Neste artigo sobre o trabalho das mulheres no Brasil dentro de uma perspectiva interseccional, isto é, levando em conta a interdependência das relaçoes de gênero, de classe e de raça enquanto relaçoes de poder, apresentamos as principais convergências e diferenças entre a situaçao das mulheres no Brasil e na França.

2A primeira convergência diz respeito à presença das mulheres no mercado de trabalho, que mantém sua participaçao a despeito da crise econômica mundial e apesar da recessao econômica brasileira.

3A segunda convergência diz respeito à bipolarizaçao do emprego feminino nos dois paises, com a estruturaçao de um polo minoritario constituido pelas executivas e profissionais de nivel universitario e um polo majoritário, constituído por mulheres em profissões tradicionalmente femininas nos setores da saúde, da educação, no emprego domestico, nos escritórios. Esses empregos sao majoritariamente no setor terciário (comercio e serviços) e indica a tendência crescente, nos dois países, da terciarizaçao do emprego.

4As diferenças entre os dois países, sao muitas, mas apresentaremos nesse artigo dois exemplos: primeiramente, os níveis de pobreza e as politicas publicas implantadas nos dois países, e em segundo lugar as politicas de emprego e as modalidades de proteção contra o desemprego, que diferem entre os dois países.

Divisão sexual do trabalho profissional e expansão do trabalho de cuidados

5Se as mulheres sempre trabalharam, como mostram as historiadoras do trabalho feminino, a porcentagem de mulheres trabalhadoras passou, no caso da França, de um terço a metade no conjunto da população ativa em um século (Maruani e Meron, 2012). No Brasil, considerando apenas a década passada, observa-se “um incremento de 24% na atividade feminina” (Oliveira Costa, 2013, p. 400).

6Portanto, uma convergência notável entre a França e o Brasil no que diz respeito à divisão do trabalho profissional, é que a despeito da crise econômica mundial e da austeridade, a despeito da recessão econômica no Brasil, as mulheres se mantém no mercado de trabalho e aumentam a sua participação. A taxa de atividade feminina na França atinge 66% (dados para 2012, segundo as Enquêtes Emploi do Instituto Nacional da Estatistica e dos Estudos Economicos, INSEE), no Brasil 63 % em 2010 (ILOSTAT, apud Araujo Guimaraes et al, 2014, p.25). Essas porcentagens que representam médias, ocultam diferenças muito grandes segundo o nível de escolaridade. Assim, em 2005, a taxa de atividade das mulheres sem instrução ou com menos de um ano de instrução era de 37%, enquanto que a taxa de atividade das mulheres com 15 anos ou mais de escolaridade era de 83% (Bruschini e al, 2008, p. 21).

7No plano da divisão sexual do trabalho profissional, há mudanças em países como Brasil e França em ao menos três pontos importantes: 1) A bipolarização do emprego feminino; 2) A mudança nos modos de "conciliação" entre vida familiar e vida profissional; 3) A divisão sexual do trabalho na empresa e nos locais de trabalho.

A bipolarização do emprego feminino

8A bipolarização é resultado, em parte, dos processos que ocorrem na esfera educacional. As mulheres são, atualmente, mais instruídas e diplomadas que os homens praticamente em todos os níveis de escolaridade e em todos os países, sendo este um ponto de convergência importante entre países do Sul e do Norte.

9Um pólo, minoritário, é formado por mulheres executivas, profissionais intelectuais de nível superior, relativamente bem remuneradas, em postos de responsabilidade e prestigio social (médicas, advogadas, juízas, arquitetas, engenheiras, jornalistas, professoras universitárias, pesquisadoras, publicitárias, etc.).

10Outro pólo, majoritário, é constituído por mulheres em setores tradicionalmente femininos, pouco valorizados socialmente e com salários relativamente baixos: empregadas domésticas e diaristas, categoria profissional a segunda mais numerosa no Brasil, apos o comércio (cf. Oliveira Teixeira, 2013, p. 49) perfazendo cerca de sete milhões segundo o Censo de 2010); setor público de saúde (auxiliares e técnicas de enfermagem); educação (professoras de pré-escola e ensino fundamental, sobretudo); prestação de serviços (escriturarias, secretarias) e comércio (caixas, vendedoras); profissionais do trabalho de cuidado (babas, cuidadoras).

11Como consequência política dessa polarização, tem-se uma exacerbação das desigualdades sociais e antagonismos, tanto entre mulheres e homens, quanto entre as próprias mulheres.

A mudança nos modos de "conciliação" entre vida familiar e vida profissional.

12A mudança nos modos de conciliação entre vida familiar e vida profissional é um tema de grande atualidade social e cientifica, porque, ainda hoje, mesmo na França, como veremos mais adiante, cerca de 70% do trabalho doméstico é realizado pelas mulheres. O modelo da delegação é tendencialmente o que esta se tornando hegemônico, e indica claramente uma convergência entre França e Brasil. Nesse modelo, a mulher delega a outras mulheres o cuidado com a casa, família e crianças. Por exemplo: mulheres executivas e com postos de responsabilidade só podem trabalhar se outras mulheres, desprovidas de recursos e necessitando trabalhar para sustentar a família, assegurarem essa tarefas. O primeiro grupo de mulheres nao pode existir sem o outro. A família é uma outra fonte de auxilio às mulheres que estão no mercado de trabalho: avos, irmãs, tias, vizinhas, sao um recurso importante sobretudo no Brasil, mas o apoio das avos, por exemplo, na França, é um fator significativo para a manutenção das mulheres com filhos pequenos no trabalho profissional.

Fabricação de bonés em Caicó (Rio Grande do Norte)

Fabricação de bonés em Caicó (Rio Grande do Norte)

Hervé Théry 2015

A divisão sexual do emprego e da atividade profissional

13Aumento das taxas de atividade femininas, mas persistencia das desigualdades, tanto entre sexos, quanto entre raças e entre classes, na medida em que partimos do ponto de vista segundo o qual as relações sociais de gênero, de raça e de classe são interdependentes e indissociaveis. Postulamos tanto a interdependência desses conceitos enquanto categorias de analise quanto a indissociabilidade dessas categorias na pratica dos movimentos sociais.

  • 1 Na França, 50% das mulheres estão concentradas em 12 familias profissionais (principalmente nos set (...)

14Um indicio de desigualdade esta na segregação horizontal e vertical: as mulheres não tem acesso às mesmas profissões que os homens, estão limitadas a um numero restrito de atividades, tanto na França quanto no Brasil1 e tem poucas perspectivas de promoção (o fenômeno do « glass ceiling », o teto de vidro) e a « polarização do emprego feminino », supracitada. A segregação dos empregos e das atividades em todo o mundo, é o que Danièle Kergoat chama o « principio da separação » (distinção entre trabalho masculino e feminino).

  • 2 O emprego formal aumenta relativamente ao emprego informal mas o funcionamento do mercado do trabal (...)

15Se as taxas de atividade aumentam, os empregos criados são vulneraveis e precarios, com o desenvolvimento do trabalho informal no Sul. No Brasil, observa-se um aumento dessa informalidade no periodo recente, segundo algumas pesquisas (Cardoso, 2013); diminuiçào, segundo outras (Leite e Salas, 2014); aumento do trabalho formal com caracteristicas de trabalho informal, segundo terceiros (Salama, 2014)2 . E sobretudo, coexistência da “expansão do mercado formal de trabalho” (Carneiro Araujo, Lombardi, 2013: p.473) com o informal absorvendo mais mulheres do que homens, mais negros do que brancos (idem, ib. 2013).

16O desemprego feminino é maior do que o masculino na maioria dos paises industrializados, e as mulheres são majoritarias no desemprego oculto pelo desalento.

17Outra similitude entre a situação das mulheres ao nivel internacional: elas tem sempre salarios inferiores aos dos homens. Os salarios femininos são inferiores aos salarios masculinos, e ha desigualdade salarial entre homens negros e brancos, mulheres negras e brancas (cf. infra, cap.2) .

18Enfim, as analises que contemplam a América Latina (Abramo, Valenzuela, 2013: p. 184 e seg.) indicam também desigualdades de gênero similares em todas as dimensões apresentadas acima: segregação profissional, informalidade dos laços empregaticios, salarios, precariedade, posições de poder, repartição do trabalho doméstico.

A desigualdade paradoxal na divisão do trabalho profissional

19Uma constatação é feita sistematicamente hoje a partir das pesquisas empiricas em ciencias sociais : a posição das mulheres e dos homens na hierarquia social, em termos de repartição do trabalho doméstico, de hierarquia profissional ou de representação politica não é a mesma nas sociedades contemporâneas. O paradoxo dessa desigualdade, segundo a qual a divisão sexual do trabalho é sempre estruturada segundo um principio hierarquico: o trabalho masculino tem sempre um valor superior ao trabalho feminino (Kergoat, 2004), persiste a despeito do fato de que as mulheres tem niveis de educação superiores aos dos homens em quase todos os niveis de escolaridade e em praticamente todos os paises industrializados.

20Por exemplo, na França, segundo os dados para 2012 da Pesquisa Emprego do INSEE, 87% de mulheres e 82% de homens, na faixa etaria de 20-24 anos, possuem diplomas do ensino superior, do 2° grau e equivalentes. Inversamente, entre os que não completaram os estudos e não obtiveram diplomas do 2° grau, ha mais homens (18%) do que mulheres (13%), segundo a mesma Pesquisa Emprego do INSEE. Na maioria das vezes, os desempenhos escolares das meninas são superiores aos dos meninos em escala mundial (Baudelot, Establet, 2013).

21Entretanto, a despeito do melhor desempenho escolar das mulheres em relação aos homens em quase todos os países industrializados, a situação de inferioridade das mulheres no mercado de trabalho permanece.

22- Na França, as mulheres continuam a ter varios pontos de diferença (quase 9 pontos) em relação aos homens nas taxas de atividade (66,6 % para as primeiras, 75,3% para os ultimos em 2012, para a faixa de idade de 15 a 64 anos) mesmo se esse diferencial diminuiu progressivamente com o tempo (30% en 1975, 14% en 2000) (dados do INSEE, Enquêtes Emploi).

23- a taxa de desemprego feminina é, em 2012, ligeiramente mais elevada (10%) que a taxa de desemprego masculina (9,7%), mas esse diferencial foi mais importante em todos os anos passados, chegando a ser de 4% (em 1980 e em 1990) e de 3% (em 2000).

24- elas são majoritarias no trabalho de tempo parcial e no sub-emprego : se os homens são mais presentes que as mulheres entre os aprendizes e no trabalho temporario, as mulheres são majoritarias nos contratos de duração determinada ( 6,5% dos homens e 10,6% das mulheres no conjunto dos ocupados) e em situação de sub-emprego (5,3% das mulheres e 2,8% dos homens no total dos ocupados, em 2012 (INSEE, enquêtes Emploi)

25- 30% das mulheres ativas ocupadas tem trabalhos em tempo parcial, com um salario parcial. Houve um aumento considerável do emprego de tempo parcial na França, pois em 1980 a porcentagem de mulheres ativas ocupadas nessa modalidade de emprego era de 18%. Elas constituem a maioria dos « working poor ». Esse tempo parcial das mulheres contribui decisivamente à flexibilidade do trabalho, o que mostra como a flexibilidade é sexuada.

26- quanto aos salarios, segundo o INSEE, a desigualdade de salarios entre mulheres e homens não tem variado nas ultimas décadas, o diferencial de salarios permanecendo em torno dos 25% (Silvera, 2014). Esse diferencial diminui no setor publico e varia segundo as categorias socio-profissionais. Assim, o diferencial mais significativo se observa enter os executivos, e o menor na categoria de empregados. En 1950 o diferencial de salarios era, como no Japão hoje, de 50% mas ele se estabilizou em torno de 25% desde a metade do seculo passado.

Coopérative locale à Xapuri, préparation et conditionnement des noix du Brésil.

Coopérative locale à Xapuri, préparation et conditionnement des noix du Brésil.

Photo Hervé Théry, 2011

27Ha muitas explicações para esse diferencial. Primeiramente, o tipo de empregos (o setor de atividade, o tipo de contrato de trabalho, etc.) ; a construção social das mulheres como sendo tecnicamente incompetentes: os meninos aprendem muito pequenos como consertar um carro, as meninas são chamadas para ajudar na cozinha (num congresso feminista não-mixto em Istambul, em 2010, havia 300 mulheres, mas apenas um homem, que foi chamado para o trabalho de técnico para gravar o video). « Big boys, big toys », diz uma expressão em inglês, e Paola Tabet (1998) mostra como se confia às mulheres pequenos instrumentos de trabalho, e aos homens equipamentos de grande porte. As diferenças de diploma ou de experiência profissional existem mas elas não explicam a totalidade do diferencial de salarios, esse famoso « residuo » que so se explica pelas relações sociais de sexo, essas relações contraditorias, antagônicas entre os sexos em torno de um “enjeu”: o trabalho (profissional e domestico) e sua repartição (Kergoat, 2000)

  • 3 Lembramos que segundo o censo de 2010, a população total do Brasil é de 190 milhoes de habitantes e (...)
  • 4 Para dados mais recentes sobre os diferenciais de salario em relaçao a raça, cf. Carneiro Araujo e (...)

28No Brasil, o diferencial de salarios esta hoje em torno de 30% (Oliveira Costa, 2013), apos um longo periodo em que esteve em torno de 35%. A situação, considerando não apenas sexo, mas também raça, mostra as desigualdades e os diferenciais de salario no Brasil3. A partir dos dados da PNAD 1989 e 1999, Nadya Araujo Guimarães mostra que, considerando sexo e raça, vê-se os homens brancos com os mais altos salários; em seguida, os homens negros e as mulheres brancas; e, por ultimo, as mulheres negras com salários significativamente inferiores (Guimarães, 2002, p.13)4; também mostra, a partir dos dados da PED (SEADE/DIEESE) de 1994 e 2001, que ha peso maior das mulheres negras em relação às brancas no desemprego e nas formas precarias de ocupação (Guimarães, 2008). Um estudo recente confirma s sobre diferenciais de salarios no Brasil considerando mulheres e homens, brancos e negros (Carneiro Araujo, Lombardi, 2013).

29-Desigualdades entre homens e mulheres em relação à aposentadoria : um diferencial bastante significativo em virtude da discontinuidde da vida profissional das mulheres e das modalidades de emprego, sobretudo em virtudo do emprego em tempo parcial. O montante médio da aposentadoria global era de 822 € para as mulheres e de 1 455 € para os homens em 2003, segundo o INSEE (DREES, 2001). Esse diferencial tende a se reduzir, segundo Christiane Marty, uma especialista da questão, « em virtude da maior participação das mulheres no mercado de trabalho, de sua qualificação crescente que se traduz por um aumento do salario medio (malgrado as desigualdades salariais entre homens e mulheres) e em virtude do tempo de carreira mais longo; elas são, assim, mais numerosas, ao longo dos anos, a obter a duração de tempo de trabalho exigida para uma aposentadoria integral » (Marty, 2013). Entretanto, o diferencial persiste : « entre as pessoas que se aposentaram em 2004, as mulheres tinham 20 trimestres a menos de trabalho que os homens, isto é, 5 anos a menos ; esse diferencial é de 11 trimestres para os que se aposentaram em 2008. O diferencial também se reduz quanto ao montante das pensões: para o conjunto das pessoas aposentadas em 2011 a pensão média de direito das mulhers representa apenas 58% da dos homens. Mas quando se considera apenas os novos aposentados (e aposentadas) de 2011, esse ratio é de 10 pontos mais alto, e vale 68%. Bastante longe, ainda, da igualdade” (Marty, idem).

30- Em termos de condições de trabalho, as mulheres continuam a ser alocadas, no trabalho industrial, aos postos de trabalho em linhas de montagem com trabalhos repetitivos, monotonos, sem responsabilidades, enquanto que os homens são mais favorecidos pelo trabalho em equipe, a requalificação e postos de trabalho que requerem criatividade e autonomia (Gollac, Volkoff, 2007). Ela são também mais vulneraveis e expostas à agressividade e à violencia dos clientes nas profissões do terciario, como mostram as analises realizadas por Jennifer Bué (2005) a partir das pesquisas SUMER realizadas na França por médicos do trabalho voluntarios nas empresas.

A divisão sexual do trabalho de cuidado

  • 5 A pesquisa Teoria e pratica do cuidado. Comparação Brasil, França, Japão, foi realizada em 2010 e 2 (...)

31O trabalho do care (cuidado) é exemplar das desigualdades imbricadas de gênero, de classe e de raça, pois as cuidadoras são majoritariamente mulheres, pobres, negras, muitas vezes imigrantes (migração interna ou externa). Por ser “um conjunto de praticas materiais e psicologicas que consiste em trazer respostas concretas às necessidades dos outros” (Molinier et al : 2009, p.17). O trabalho de cuidado foi exercido por muito tempo por mulheres, no interior do espaço doméstico, na esfera dita “privada”, de forma gratuita e realizado por amor, junto aos idosos, crianças, doentes, deficientes fisicos e mentais. O desenvolvimento das profissões relacionadas ao cuidado, a mercantilização e a externalização desse trabalho foi consequência de um lado, do envelhecimento da população e, de outro lado, da inserção em massa das mulheres no mercado de trabalho tanto na França como no Brasil. Com a mercantilização, o trabalho feminino de cuidado, gratuito e invisivel, torna-se visivel e é enfim considerado como um trabalho (com seus corolarios: formação profissional, salario, promoção, carreira, etc). E pode mesmo se tornar um trabalho de homem, como no Japão, nas instituições de longa permaneência para idosos onde, segundo nossa pesquisa de campo5 cerca de 30 a 35% dos “care workers” são homens.

32Tanto no Brasil quanto na França o trabalho de cuidado é pouco valorizado, com salarios relativamente baixos, e com pouco reconhecimento social. Essa igualdade nas condições profissionais a despeito da desigualdade nos perfis e nas trajetorias desses trabalhadores parece encontrar sua explicação no coração mesmo de sua atividade de cuidado, realizado tradicionalmente e gratuitamente, na esfera domestica e familiar, pelas mulheres.

Divisão sexual do trabalho, precarização social e precarização do trabalho

33O trabalho precário, sem proteção social e sem direitos, diz respeito a 30% das mulheres ocupadas, contra 8% dos homens ocupados (Lombardi, 2010). O exemplo paradigmático do trabalho precario é o emprego domestico, sobretudo o emprego de diarista, majoritamente exercido sem vinculo empregatício, sem proteção social e sem direitos. 17% das mulheres brasileiras ocupadas sao empregadas domesticas. Outro exemplo é o trabalho de cuidado. As cuidadoras domiciliares de pessoas idosas sao frequentemente no Brasil, mas também na França (região parisiense): mulheres, pobres, imigrantes, majoritariamente negras ou pardas. O polo dos beneficiários de cuidados é constituído por aqueles que tem o poder e os meios para ser objeto de cuidado, sem ter a necessidade de serem sujeitos do cuidado.

A precarização conjugada ao feminino

34O trabalho precário é majoritariamente feminino. Aqui também, como nos outros aspectos referidos anteriormente, é necessário estabelecer relação entre desigualdade no mercado de trabalho e desigualdade na família e na esfera doméstica (relação de trabalho, de poder, de saber, relações de dominação).

  • 6 Os dados sobre o emprego no período entre 2002 e 2005 nos três paises mencionados procedem de dados (...)

35A pesquisa comparativa por nos realizada com um campo quantitativo e um campo qualitativo (Kase, Sugita (ed), 2006) no Brasil, na França e no Japão, realizada entre 2002 e 2005, mostrou que o trabalho precário e os trabalhadores pobres (“working poor”, em inglês) assim como o desemprego, aumentaram nos três países6. Alguns resultados dessa pesquisa mostram que: as mulheres são mais atingidas pela precariedade que os homens; as mulheres são majoritárias na categoria do “desemprego oculto pelo desalento” (categoria de pesquisa PED da SEADE/DIEESE); a precariedade do trabalho (ou precarização salarial) e a precarização familiar são indissociáveis e devem ser analisadas conjuntamente; a intensificação do trabalho é uma das consequencias da precarização e da flexibilidade do emprego, mesmo se ela também tem causas relacionadas com o processo de trabalho propriamente dito e as novas formas de organização do trabalho num sentido estrito.

Precarizaçao e politicas publicas: diferenças entre Brasil e França

36Pudemos constatar pelas nossas pesquisas qualitativas que apesar das convergências e similaridades entre as modalidades de divisão sexual do trabalho na França e no Brasil, as politicas publicas introduzem diferenças societais fundamentais. Aqui mencionamos duas delas: o caso do desemprego e a maneira de fazer face à precariedade e à pobreza.
Quanto ao desemprego, na França o seguro desemprego torna possível a procura de uma atividade a longo prazo e permite ao demandante de se manter em situação de desemprego aberto: “
estou no meu plano de prospecção e me mantenho nele” (Céline, in Demazière e al, 2013, p. 102). No caso do Brasil o contraste é grande: ao contrario do desemprego aberto, nos confrontamos a uma situação de hiperatividade. As mulheres que perdem o seu emprego tem uma grande multiplicidade de trabalhos (bicos como confecção de alimentos, passar roupa, costurar, fazer a unha, cuidar de criança pequena, etc etc) e nao estão à procura de um emprego: “« Eu faço um pouco de tudo para ganhar a vida. Eu tenho que ir me virando de um jeito ou de outro » (Astrud, id.ibid. p.131)

37Quanto às alternativas em termos de politicas publicas para fazer face à precariedade e à pobreza, uma grande diferença consiste no programa “Bolsa Familia” no Brasil que não tem equivalente na França, assim como os níveis e as grandezas de pobreza nao sao comparáveis. Essa politica publica endereçada aos grupos mais pobres, e em particular às mulheres consideradas mais responsáveis (os homens podendo gastar “bebendo” ou “guardar o dinheiro para eles”) e encarregadas da saúde e da escolarização das crianças (vacinas e escolarizaçao, condições impostas em contrapartida para a manutenção da bolsa família, que atinge em 2015 14 milhoes de famílias, 45 milhoes de indivíduos). As analises de Bila Sorj (2009) mostram a “ideologia familialista” e de “gênero” (Sorj, 2009, p. 163) dessa politica e o “impacto negativo do programa sobre o trabalho das mulheres” (id.ibid. p. 167, para um outro ponto de vista sobre o programa, cf. Domingues Leão Rego e Pinzani, 2013).

A divisão sexual do trabalho doméstico

38Se indicamos desigualdades gritantes no que diz respeito ao trabalho profissional (cf. 1), ainda piores parcem ser as desigualdades no âmbito do trabalho domestico : o que é atribuido a um e a outro sexo é um fator imediato de desigualdade e de discriminaçao (um exemplo entre outros: levar um prato para uma festa se somos mulher, levar uma bebida – muito mais simples - se somos homem).

39Ocorreram mudanças na repartição do trabalho domestico e de cuidado entre homens e mulheres na esfera domestica nos últimos vinte anos, mas elas parecem muito mais lentas do que no trabalho profissional. E dificil intervir nessa repartição do trabalho doméstico entre homens e mulheres por diversas razões. Em primeiro lugar, trata-se da esfera dita “privada”. Em segundo lugar, o pêso da ideologia patriarcal, da cultura machista (cultura enquanto cristalização das relações sociais), dos estereotipos e dos modelos (por exemplo : o modelo maternal e o desejo – inconsciente ? de reproduzir, de re-experimentar essa relação de interdependência ou de dependência mãe-filho : « minha mãe fazia bolo para o lanche » ; « minha mãe estava em casa e abria a porta quando chegava da escola » ; ou « você, você nunca esta em casa » ; « você não faz bolo como a minha mãe » ; « você chega em casa muitas vezes depois de mim » : toda uma série de reprovações mudas...)

40A atribuição do trabalho doméstico às mulheres permaneceu intacto em todas as regiões do mundo com diferenças de grau na sua realização, dos modelos tradicionais aos modelos de delegação. A delegação às empregadas domésticas e diaristas é muito mais importante no Brasil do que na França, pois se ha cerca de 1 350 000 mulheres trabalhando nos serviços domésticos e de cuidados na França (INSEE, Enquête Emploi, 2005), no Brasil, segundo o recenseamento da população de 2010, ha 7 000 000 de pessoas no emprego doméstico, das quais cerca de 5% do sexo masculino

Empregada doméstica

Empregada doméstica

Foto Bruna Provazi

41As pesquisas “Uso do tempo” (“Emploi du temps” na França) são muito importantes para analisar a divisão sexual do trabalho doméstico entre homens e mulheres no interior do casal.
Segundo a pesquisa Emploi du Temps (Uso do Tempo) de 1999 na França, as mulheres realizavam 4h36 por dia de trabalho doméstico e os homens 2h13. Se eles participavam principalmente da jardinagem e dos pequenos consertos e trabalhos na casa (« bricolage ») e das compras (42, 7%) ou dos jogos educativos com as crianças (35%), a porcentagem dos homens que participam dos trabalhos de limpeza do banheiro ou dos trabalhos doméstios repetitivos: lavar roupa, passar roupa, limpar a casa, etc. é bem menor (Brosse, 1999)

42Dados mais recentes da pesquisa Uso do Tempo de 2010 na França indicam que essa divisão bastante desigual do trabalho domestico e do trabalho de cuidado entre homens e mulheres permanece . Assim, a pesquisa Emploi du Temps de 2010 montrou que ha uma leve diminuição no tempo consagrado pelas mulheres ao trabalho doméstico, mas isso é mais o resultado de uma diminuição do tempo consagrado pelas mulheres ao trabalho doméstico do que de um aumento do tempo consagrado ao trabalho doméstico pelos homens. A pesquisa Emploi du Temps de 1999 tinha mostrado que cerca de 80% das tarefas domésticas eram realizadas pelas mulheres (Brosse, 1999). Em 2010, a situação não mudou: as mulheres continuam a assegurar quase 80% das tarefas domésticas (SeDF, 2014: p.40). Assim, as desigualdades na repartição do trabalho doméstico são tão gritantes ou mais do que as que se pode observar no espaço do trabalho profissional.

43A pesquisa Emploi du temps de 2010 mostra também que 1/3 do tempo consagrado ao conjunto das tarefas domésticas é de cuidado das crianças. As mães consagram às crianças em média duas vezes mais tempo do que os pais, mas mais tempo ainda a partir de 3 filhos, ou quando ha a presença de uma criança de menos de 3 anos no domicilio (Roy, 2012; cf. também Champagne, Pailhé, Solaz, 2014).

44As pesquisas sobre o “Uso do Tempo” (PNAD/IBGE) no Brasil mostra situação similar. As mulheres brasileiras gastam 26,6 horas de sua semana com tarefas domésticas, os homens 10,5 horas. Juntando os períodos de trabalho remunerados e domésticos, as mulheres brasileiras trabalham mais de 57 horas por semana, enquanto os homens somam pouco mais de 50 (cf. Monteiro de Queiroz e al, 2012; cf. também Agostinho e Gama Cavalcanti, 2012).

45Esses dados sobre a divisão do trabalho doméstico devem ser analisados conjuntamente com outros dados de tipo mais qualitativo. E importante refletir sobre os afetos, que estão na base da reprodução da servidão doméstica. Diz-se que realizamos o trabalho doméstico e de cuidado às crianças, ao marido, ao companheiro e às pessoas dependentes da familia “por amor” e isso num mundo regido pela heteronormatividade. Podemos nos perguntar como é que os homens mostram o seu amor, dada a divisão assimétrica do trabalho doméstico e de cuidados, e dado que o papel de provedor unico do sexo masculino deixou de ser dominante nos arranjos familiares, inclusive no Brasil (Bilac, 2014) E também util, para essa reflexão, estudar as reconfigurações da divisão sexual do trabalho doméstico nos casais homossexuais (Decoutures, 2010, p. 180 et suivantes).

Conclusão

46Como superar essas desigualdades e romper com a desigual divisão sexual do trabalho existente nas sociedades contemporâneas? A minha hipotese é de que não podemos mudar a divisão sexual do trabalho profissional sem mudar a divisão sexual do trabalho domestico e a divisão sexual do poder e do saber na sociedade.

47Superar as desigualdades pelas politicas publicas e pela ação dos movimentos feministas, são duas vias possíveis, seguidas por um certo numero de sociedades industrializadas. A idéia de que a desigualdade é uma injustiça e que existe um aspecto ético a ressaltar na marcha em direção à igualdade entre homens e mulheres é comum às duas modalidades de ação.

48Neste artigo apresentamos algumas mudanças ocorridas no período recente nas relações entre homens e mulheres no Brasil e na França, mas também o que permanece e perdura no panorama das desigualdades sociais entre os sexos. Dada a situação sempre presente de um amplo leque de desigualdades de sexo, de classe e de raça, não poderíamos deixar de concluir sem propor a reflexão sobre as condições para uma nova divisão sexual do trabalho, menos desigual, mais equitativa, entre mulheres e homens, tanto no mercado de trabalho, quanto nas esferas do saber e do poder.

Haut de page

Bibliographie

Abramo, Lais, Valenzuela, Maria Elena (2013) Genre et marché du travail en Amérique Latine, in Maruani, Margaret (dir) Travail et genre dans le monde. L’état des savoirs, Paris : la Découverte, p. 182-193.

Agostinho, Cintia, Gama Cavalcanti, Lara (2012) Pesquisa Piloto de Uso do Tempo 2009. Primeiros Resultados, in 12° Forum do Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares, RJ, 14/12/2012.

Araujo Guimaraes, Nadya, Marschner Alves de Brito, Murillo, Sangali Barone, Leonardo (2014) Mercantilizaçao no feminino : a visibilidade do trabalho das mulheres no Brasil através dos censos, in Travail, care et politiques sociales. Débat Brésil-France, Document de travail du Mage n° 18, Paris, décembre 2014.

Baudelot, Christian, Establet, Roger (2013) Ecoles : égalité et inégalités à l’échelle du monde, in Maruani, Margaret (2013) (dir) Travail et genre dans le monde. L’état des savoirs, Paris : la Découverte, p. 119-129.

Brosse, Cécile (1999) La répartition du travail domestique entre conjoints reste très largement spécialisée et inégale », in France, portrait social, Paris : INSEE.

Bruschini, Cristina, Martinez Ricoldi, Arlene, Miglioranza Mercado, Cristiano (2008) in Maruani, Margaret, Lombardi, Maria Rosa, Hirata, Helena (orgs.) (2008) Trabalho e Gênero, França – Europa – América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas.

Cardoso, Adalberto (2013) Ensaios de sociologia do mercado de trabalho brasileiro. RJ: Ed. FGV.

Carneiro Araujo, Angela Maria, Lombardi, Maria Rosa (2013) Trabalho informal, gênero e raça no Brasil do inicio do século XXI, in Cadernos de Pesquisa, FCC, v. 43, n° 149.

Champagne, Clara, Pailhé, Ariane, Solaz, Anne (2014) 25 ans de participation des hommes et des femmes au travail domestique : quels facteurs d’évolutions ? Document de travail 304, février 2014, INED.

Demazière, Didier, Araujo Guimaraes, Nadya, Hirata, Helena, Sugita, Kurumi (2013) Être chômeur à Paris, Sao Paulo, Tokyo, Paris : Presses de Sciences Po.

Doria Bilac, Elisabete (2014) Trabalho e Família: articulações possíveis, in Tempo Social, 1/2014 (no prelo).

Descoutures, Virginie (2010) Les mères lesbiennes, Paris : PUF/Le Monde, Coll. Partage du savoir.

Guimarães, Nadya Araujo (2002) “Os desafios da equüidade: reestruturação e desigualdades de gênero e raça no Brasil”, in Cadernos Pagu, n°. 17-18, pp. 237-266.

Guimarães, Nadya Araujo, Alves de Britto, Murillo Marschner (2008), “Genre, race et trajectoires professionnelles: y a-t-il de la ségrégation dans les parcours? Une comparaison São Paulo et -Paris”. in: M. Maruani, H. Hirata, M.R. Lombardi (orgs.) Marché du Travail et genre. Regards croisés. France Europe -Amérique Latine. Paris: La Découverte, pp. 46-60. (Em português, Oliveira Costa e al (orgs.). Mercado de Trabalho e Gênero. Comparações internacionais. Rio de Janeiro, ed. FGV, 2008, pp. 69-87).

Hirata, H. (2011) Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França, Japão, in Caderno CRH, v. 24, n. spe 01, p. 15-22.

Hirata, H., Guimarães, N.A. (orgs.) (2012a) Cuidado e cuidadoras. As varias faces do trabalho do care, São Paulo, Atlas.

INSEE (2013) – France, portrait social, éd. 2013, novembre, Paris : INSEE.

Kase, Kazutoshi, Sugita, Kurumi (ed.) (2006) The Unemployed and Unemployment in an International Perspective. Comparative Studies of Japan, France and Brazil, coll. ISS Research Series, n° 19, Tokyo, Institut of Social Sciences, University of Tokyo.

Kergoat, Danièle (2000) Division sexuelle du travail et rapports sociaux de sexe, in Hirata, H., Laborie, F., Le Doaré, H., Senotier, D. (coord) Dictionnaire critique du féminisme (2ème éd 2004), Paris : PUF, p. 35-44 (em português : Dicionario Critico do Feminismo, SP : EDUNESP, 2009, p. 67-75.

Kergoat, Danièle (2005) Penser la différence des sexes : rapports sociaux et division du travail entre les sexes, in Maruani, M (dir) Femmes, genre et sociétés, Paris, La Découverte, coll. L’état des savoirs, p. 94-101.

Leite, Marcia, Salas, Carlos (2014) Trabalho e desenvolvimento no Brasil. Desafios e desigualdades, in Tempo Social, 2/2014.

Lombardi, Maria Rosa (2010) A persistência das desigualdades de gênero no mercado de trabalho, in Costa, Albertina e al (orgs.) Divisão sexual do trabalho, Estado e crise do capitalismo, Recife: SOS Corpo, p.33-56.

Marty, Christiane (2013) Femmes et retraites. Un besoin de rupture. In : http://www.fondation-copernic.org/spip.php?article953

Maruani, Margaret, Meron, Monique (2012) Un siècle de travail des femmes en France 1901-2011, Paris : La Découverte.

Maruani, Margaret, Lombardi, Maria Rosa, Hirata, Helena (orgs.) (2008) Trabalho e Gênero, França – Europa – América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas.

Ministère des Droits des Femmes (2012) 2012. Chiffre-clés. L’égalité entre les femmes et les hommes, Paris, Ministère des Droits des Femmes.

Molinier, Pascale, Laugier, Sandra, Paperman, Patricia (2009) Qu’est-ce que le care ? Souci des autres, sensibilité, responsabilité, Paris : Payot & Rivages, Petite Bibliothèque Payot.

Monteiro de Queiroz, Cristina, Simões Pinheiro, Luana, Oliveira Fontoura, Natália, Mazzini Marcondes, Mariana, Godinho Delgado, Maria do Carmo (2012) Cuidado e desigualdades de gênero: uma análise do uso do tempo no Brasil, comunicação ao 34° Congresso do IATUR, Matsue, 22-24/08/2012.

Oliveira Costa, Albertina (2013) Apresentação, Tema em destaque: “Trabalho e gênero”, Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, vol. 43, n. 149, maio-agosto.

Oliveira Teixeira, Marilane (2013) O trabalho domestico remunerado no Brasil, in Dari Krein, José, Cardoso Jr, José Celso, Barros Biavaschi, Magda, Teixeira, Marilane O. (orgs.), Regulaçao do trabalho e instituiçoes publicas, vol. 2, SP : Ed. Fundaçao Perseu Abramo.

Roy, Donald (2006) Un sociologue à l’usine. Paris : La Découverte, Coll. Classiques. Grands Repères.

Roy, Delphine (2012) Le travail domestique, 60 milliards d’heures en 2010, INSEE Première, n° 1423, novembre.

Salama, Pierre (2015) Heurs et malheurs de la financiarisation au Brésil, In Economie Appliquée, tome LXVIII, n° 1, p. 89-102.

Sedf (Serviço dos Direitos das Mulheres e da igualdade entre as mulheres e os homens) (2014) Chiffres-Clés – Edition 2014.

Silvera, Rachel (2014) Un quart en moins. Des femmes se battent pour en finir avec les inégalités de salaires. Paris : La Découverte.

Sorj, Bila (2009) Les politiques publiques au Brésil et l’articulation entre travail et famille. Une comparaison interrégionale, in Cahiers du Genre, n° 46.

Haut de page

Notes

1 Na França, 50% das mulheres estão concentradas em 12 familias profissionais (principalmente nos setores de saúde, trabalho social e cuidados) enquanto que 50% dos homens se concentram em 20 familias profissionais (SeDF, 2014) .

2 O emprego formal aumenta relativamente ao emprego informal mas o funcionamento do mercado do trabalho se liberalizando, o emprego formal adquire caracteristicas do emprego informal (cf. Salama, 2015, p. 100).

3 Lembramos que segundo o censo de 2010, a população total do Brasil é de 190 milhoes de habitantes e mais de 50% sao negros ou pardos.

4 Para dados mais recentes sobre os diferenciais de salario em relaçao a raça, cf. Carneiro Araujo e Lombardi, 2013.

5 A pesquisa Teoria e pratica do cuidado. Comparação Brasil, França, Japão, foi realizada em 2010 e 2011. Contamos com a participação, no campo brasileiro, de Myrian Matsuo, pesquisadora da FUNDACENTRO-Ministério do Trabalho, SP e, no campo francês, de Efthymia Makridou, doutoranda em sociologia do laboratorio CRESPPA-GTM-Universidade de Paris 8.

6 Os dados sobre o emprego no período entre 2002 e 2005 nos três paises mencionados procedem de dados de pesquisa propria ; outros dados de outras fontes podem contradizer esses resultados sobre o Brasil. Cf. por exemplo, Leite e Salas, 2014.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fabricação de bonés em Caicó (Rio Grande do Norte)
Crédits Hervé Théry 2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10754/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 4,8M
Titre Coopérative locale à Xapuri, préparation et conditionnement des noix du Brésil.
Crédits Photo Hervé Théry, 2011
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10754/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 3,9M
Titre Empregada doméstica
Crédits Foto Bruna Provazi
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10754/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 117k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Helena Hirata, « Mulheres brasileiras: relações de classe, de “raça” e de gênero no mundo do trabalho », Confins [En ligne], 26 | 2016, mis en ligne le 22 février 2016, consulté le 22 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/10754 ; DOI : 10.4000/confins.10754

Haut de page

Auteur

Helena Hirata

Diretora de pesquisa emérita no Centro Nacional de Pesquisa Cientifica (CNRS), França e professora visitante internacional no Departamento de Sociologia da Universidade de Sao Paulo, helena.hirata@cnrs.fr

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org