Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

O sistema elétrico brasileiro

Le système électrique brésilien
The Brazilian electrical system
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry

Texte intégral

1A produção e a circulação de energia elétrica articulam regiões produtoras (cuja localização depende dos recursos naturais e dos equipamentos construídos para usá-los) com as regiões consumidoras (aquelas onde a concentração da população e da atividade econômica cria uma forte demanda). A matriz energética brasileira é essencialmente baseada na hidroeletricidade e o potencial hidrografico ainda pouco explorado encontra-se na região norte do pais, provocando a o distanciamento entre as fontes de produção e de consumo. O mapa abaixo mostra a inadequação destas duas geografias, obrigando a construção de linhas de transporte, as quais estão entre as mais longas e potentes no mundo.

Figura 1 O sistema elétrico brasileiro

Figura 1 O sistema elétrico brasileiro

Fonte: Atlas do Brasil, Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello-Théry

O potencial hidroelétrico

2O Brasil dispõe de um enorme potencial hidrelétrico, estimado de acordo com fontes a 100, 150 000 ou 250 000 MW, que é apenas parcialmente utilizável no estado atual da tecnologia (cerca de 160 000 MW, ao que parece). As bacias hidrográficas ainda representam a realidade energética e também uma unidade de gestão. O rio Paraná se destaca como o mais importante na produção hidrelétrica brasileira, cujo potencial é muito grande, e um esforço consideravél já foi feito para aproveitá-lo por causa de sua localização, próxima dos centros de consumo. As empresas de geração de energia de Minas e São Paulo realizaram grandes obras, como os complexos Rio Grande (3.400 MW) e Urubupungá (4.600 MW ), os quais depois da construção da barragem de Itaipú, passaram para o segundo lugar.

3A potência instalada faz de Itaipú a primeira usina hidroelétrica do mundo, posicionando-se na frente de Guri, na Venezuela (10.200 MW), do Grand Coulee, nos Estados Unidos (6.500 MW) e Sayanbo Shushenskaya, na Rússia (6.400 MW). Somente a barragem de Três Gargantas, na China, tem uma potência instalada superior (18.200 MW), porém sua produção é limitada pelas irregularidades do fluxo do rio Yangtze, provocando uma média de 80,7 TWh para seus quatro melhores anos contra 92,2 para Itaipú.

4Em 2015 a barragem produziu 89,2 TWh (mais do que a de Três Gargantas), fornecendo ao Brasil 17 % e ao Paraguai mais de 75 % da energia elétrica consumida. Em face a esse colosso, as outras centrais hidrelétricas parecem pequenas. Contudo, algumas passam do milhão de MW, como Xingó, no rio São Francisco (3.000 MW) ou Tucuruí, no rio Araguaia (4.240 MW).

Outras fontes de energia elétrica

5As centrais térmicas pesam pouco no total, quer sejam situadas sobre recursos valorizados, como o carvão do Sul, quer sejam experimentais, como a central nuclear de Angra dos Reis quer, ainda, sejam próximas dos lugares de consumo, em regiões insuficientemente servidas pelas redes hidroelétricas. Ainda existe um grande número delas em pequenas cidades de regiões onde as redes nacionais não chegam. Cerca da metade do território brasileiro está nessa difícil situação e só pode contar com a produção local de energia para cobrir suas necessidades. Na maioria dos casos, essa provém de um gerador diesel, enquanto cidades mais importantes têm uma central térmica ou, em casos excepcionais, uma central hidráulica, construída para atender suas necessidades (Balbina para Manaus ou Cachoeira do Samuel para Porto Velho e região central de Rondônia).

Figura 2 Geração de energia elétrica no Brasil de acordo com o site da Aneel

Figura 2 Geração de energia elétrica no Brasil de acordo com o site da Aneel

Fonte: http://sigel.aneel.gov.br/​sigel.html

6A busca de novas fontes de energia renováves poderiam oferecer alternativas. Muitas das condições necessárias para a produção de energia solar e eólica existem no país, embora ainda não ocorram políticas explícitas de apoio às mesmas. Neste caso, a região destaque no contexto brasileiro é o Nordeste por apresentar os níveis mais elevados de horas de ensolação por ano e da velocidade do vento.

7Estas condições facilitaram a instalação de parques eólicos em, pelo menos, cinco Estados nordestinos, concentrando-se no litoral, principalmente, do Rio Grande do Norte e do Ceará, e também na Paraíba, Pernambuco e Piauí. Alguns destes parques foram construídos acompanhando o traçado do rio São Francisco. Além do Nordeste, o extremo sul do país – Rio Grande do Sul e Santa Catarina - também se destaca na instalação de parques eólicos.

O problema, o transporte

8No total, o potencial hidrelétrico e seu aproveitamento permitiram que o Brasil cobrisse amplamente suas necessidades de eletricidade e elevasse a sua capacidade instalada de 5.000 MW em 1960 para 11.000 em 1970 e 89.193 em 2014, e aumentasse o consumo de eletricidade per capita de 415 kW / h em 1970 para 2.370 em 2010 (2.750 no Sudeste). Porém, os limites começam a aparecer: centros consumidores são cada vez mais distante (Itaipú está distante quase 1000 quilômetros de São Paulo) e possíveis soluções técnicas (linhas de alta tensão e transferências de longa distância, lagos comunicantes) estão nos limites do conhecimento atual e são extremamente caras.

Figura 3 Distribuição da energia elétrica no Brasil

Figura 3 Distribuição da energia elétrica no Brasil

Fonte: http://sigel.aneel.gov.br/​sigel.html

9No momento, o feixe de linhas de alta tensão que ligam Itaipú a São Paulo é o eixo principal das redes elétricas brasileiras. Interconectado com o complexo de barragens dos rios Paraná e Tietê, ele assegura à região Sudeste uma boa cobertura e, a maior parte do tempo, uma alimentação suficiente, apesar do crescimento constante da procura.

10No entanto, este complexo não foi suficiente para evitar o racionamento na crise de 2001 (apelidado de "apagão"), especialmente no centro e sudeste do pais, enquanto que a região Sul, graças às suas chuvas em maiores quantidades, não foi afetada. O Nordeste é menos dotado, em conseqüência das secas que afetam a maior parte do seu território, mas é cortado pelo rio São Francisco, alimentado a montante pela “caixa d’água” de Minas Gerais, o que permite não somente uma potente irrigação, mas também uma geração de energia quase suficiente para cobrir as demandas regionais. A construção de uma série de usinas hidroelétricas e de barragens reguladoras valorizou esse potencial, mas o seus limites já foram atingidos e, para o futuro, será imprescindivel recorrer a outras fontes e transferências.

11Linhas de alta tensão têm sido construídas a partir da usina amazônica de Tucuruí, o que permite melhorar a distribuição da rede nordestina. Ao mesmo tempo, outra linha de alta tensão tem sido “puxada” na direção da Transamazônica, o que permitiu estender para o oeste a rede interconectada, simétrica à que avança, ano após ano, para o norte do Mato Grosso.

12Assim sendo, o grande desafio a enfrentar é a valorização dos potenciais do eixo do Araguaia-Tocantins, seguido grosso modo pelo traçado da estrada Belém-Brasília. Foi para satisfazer as necessidades do Nordeste e, sobretudo, as infinitamente maiores do Sudeste, que foi empreendida a construção de uma série de barragens e linhas de transmissão no eixo Araguaia-Tocantins.

13Utilizando os recursos desses rios e os de seus afluentes, esse eixo alimenta linhas que vão para o leste (direto para Salvador), e irão sem dúvida, em médio prazo para o oeste, para suprir as demandas das regiões pioneiras do sudeste do Pará e nordeste do Mato Grosso. Porém, as principais linhas de alta e muito alta tensão vão para o sul, constituindo uma rota norte-sul que articula as principais regiões do país, a coluna vertebral da interconexão do País, ligando as principais regiões produtoras e consumidoras entre si, e, mais ainda, com a grande fronteira energética de imensos recursos, por enquanto subutilizados, da bacia amazônica.

14Sua valorização econômica começou com a construção das barragens de Santo Antônio e Jirau, no Madeira e de Belo Monte - muito contestada e cujas obras foram interrompidas várias vezes - no Xingu. A usina hidrelétrica de Santo Antônio terá, quando completa, uma capacidade máxima de 3.500 mil MW, para um investimento de aproximadamente R$ 20 bilhões. Foram inauguradas em janeiro de 2016 as turbinas 36 e 37, com isso faltarão 13 para completar os 50 geradores previstos. Prevê-se que até novembro deste ano as turbinas restantes entrem em funcionamento. 

Figura 4 Canteiro de obras da usina Santo Antônio

Figura 4 Canteiro de obras da usina Santo Antônio

Hervé Théry, 2011

Figura 5 Operarios no canteiro de obras da usina Santo Antônio

Figura 5 Operarios no canteiro de obras da usina Santo Antônio

Hervé Théry, 2011

15A barragem de Jirau, a terceira maior do Brasil, está sendo construído a uma centena de quilômetros de Porto Velho, capital do Rondônia. Em maio de 2008, o grupo francês GDF Suez, na cabeça de um consórcio, ganhou a concorrência publica para construir e operar a usina hidrelétrica com capacidade de 3.450 MW, capaz de fornecer eletricidade para 10 milhões de pessoas. Por outro lado, a controvérsia a respeito dos impactos socioambientais e econômicos da expansão do sistema eletrico brasileiro é imensa, e, obviamente é complementar aos aspectos aqui demonstrados. Sera objeto de outro tipo de analise, posterior.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 O sistema elétrico brasileiro
Crédits Fonte: Atlas do Brasil, Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello-Théry
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10797/img-1.png
Fichier image/png, 267k
Titre Figura 2 Geração de energia elétrica no Brasil de acordo com o site da Aneel
Crédits Fonte: http://sigel.aneel.gov.br/​sigel.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10797/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Titre Figura 3 Distribuição da energia elétrica no Brasil
Crédits Fonte: http://sigel.aneel.gov.br/​sigel.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10797/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Figura 4 Canteiro de obras da usina Santo Antônio
Crédits Hervé Théry, 2011
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10797/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 4,0M
Titre Figura 5 Operarios no canteiro de obras da usina Santo Antônio
Crédits Hervé Théry, 2011
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10797/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 4,9M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « O sistema elétrico brasileiro », Confins [En ligne], 26 | 2016, mis en ligne le 02 mars 2016, consulté le 29 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/10797 ; DOI : 10.4000/confins.10797

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Directeur de recherche émérite au CNRS, professor de pos-graduação na USP, hthery@aol.com

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Universidade de São Paulo, namello@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org