Navigation – Plan du site
Resenhas

Pensando o mundo como um geógrafo, sessenta anos de reflexão

Penser le monde en géographe, soixante ans de réflexion
Thinking of the world as a geographer, sixty years of reflection
Catherine Didier-Fèvre
Référence(s) :

Penser le monde en géographe, soixante ans de réflexion, Paul Claval, préface d'Isabelle Lefort, collection Géographie et cultures, L'Harmattan, Paris, 2015, ISBN : 978-2-343-07046-9

Notes de la rédaction

Um dos geógrafos franceses mais citados no mundo e, mais conhecido e reconhecido no Brasil, faz uma releitura de seus sessenta anos de trabalho em vários campos da geografia contemporânea. Esta resenha foi publicada primeiramente em francês no site Les Clionautes, http://clio-cr.clionautes.org/penser-le-monde-en-geographe-soixante-ans-de-reflexion.html

Texte intégral

1Ao reler criticamente sua obra, Paul Claval fornece uma visão abrangente da evolução da disciplina. Esta reflexão é ainda mais valiosa já que sua carreira não pode ser facilmente resumida. Ele renovou geografia contemporânea e nenhuma área parece ter-lhe escapado, tendo colocado em prática o princípio da "caça furtiva na vizinhança" (« braconnage mitoyen », p. 8), um termo usado por Isabelle Lefort no prefácio. Foi para fazer compreender o caminho que seguiu que ele iniciou este trabalho. Foi também uma maneira de mostrar que não foi em vão, apesar do fato de ter explorado campos muito diferentes ter prejudicado sua visibilidade acadêmica.

  • 1 Concurso de recrutamento de professores.

2"Minha ambição era entender como o mundo era organizado, a paisagem ordenada, atividades distribuídas, os homens instalados sobre a superfície da terra; era reconstruir as dinâmicas da natureza e da sociedade, iluminar os problemas que surgiam. Para isto necessitava-se ferramentas eficazes e implicava que a geografia geral e a em particular geografia humana se tornassem mais eficientes" (p. 11). Insatisfeito com a geografia ("uma coleção de capítulos mal conectados", p. 11) que haviam lhe ensinado, depois de ter obtido a agrégation1 ele partiu, graças ao seu bom domínio do Inglês, para uma reestruturação da geografia com base na literatura anglo-saxónica.

Repensar a geografia para torná-la operacional

3Esta tem sido a máxima de Paul Claval. Como não suportava ver economistas, não sabendo nada do ordenamento territorial, levar vantagem nos programas de pesquisa financiados pela DATAR, ele considerou essencial saber o que se fazia na economia, e para isso começou a ler tudo o que era feito neste campo e Paul Claval relata em detalhe as suas leituras e em que elas contribuiram para o seu pensamento. Foi um processo longo pois doze anos foram necessários para desenvolver os Éléments de géographie économique, de 1976.

4Foi via história da geografia que ele se aproximou da geografia humana e entendeu o que precisava para permitir que ele se renovasse. "A nova geografia diferia da geografia clássica pela atenção que dava à circulação. O espaço era, para ela, obstáculo ao transporte e à comunicação, portanto distância, com seus aspectos positivos (...) e seus aspectos negativos" (p. 48). Os orçamentos tempo/espaço ("Les budgets temps/espace"), as agendas e os papéis deveriam permitir modernizar o "gênero de vida" nos Principes de géographie sociale, 1973. É a partir daí que ele ficou interessado nas dimensões políticas da vida social, o que o levou a refletir sobre a geografia política.

5Em meio às inúmeras palestras e conferências que ele frequentou (incluindo as da UGI, para perceber o que estava acontecendo em outros lugares), Paul Claval ainda encontrava tempo para passeiar com sua esposa Françoise, também geógrafa, na região de Besancon e na Suíça. na escala da cidade e da paisagem circundante que eu via o mundo mudar " (p. 87). Esta observação o leva a pensar sobre a La logique des villes, 1981, com base nos trabalhos de Christaller e da Escola de Chicago, e para atender a uma demanda de sua esposa: "julho de 1978: você pode escrever neste verão o manual sobre a cidade do qual você tanto fala? Vou usar em minhas aulas ". Aceitei" (p. 98).

6Paul Claval conclui assim a primeira fase de sua carreira: "Uma nova estruturação da geografia econômica foi proposta e os princípios constantes da geografia social definidos; a geografia humana tornou-se mais rigorosa, um novo ângulo de ataque para a geografia política havia sido implementado, a lógica das cidades analisadas e a abordagem regional modernizada" (p. 125). Ele podia então passar para a segunda fase do seu trabalho.

A abordagem cultural

7Mais uma vez, os Estados Unidos desempenharam um papel central na evolução de Paul Claval. Ele estava interessado na obra de Kevin Lynch e nos mapas mentais. Os trabalhos de Yi-Fu Tuan sobre topofilia e representações o fizeram perceber que uma mudança de perspectiva estava acontecendo, no contexto de uma rejeição da análise espacial muito teórica. A evocação desta "crise da geografia" (particularmente acentuada na França) é propícia para lembrar seus desentendimentos com Roger Brunet na revista L’espace géographique.

8Ele teve plenamente este "papel de transmissor" (p. 233), no âmbito dos "dois tsunamis que perturbaram a geografia desde o final da década de 1950, a nova geografia e a virada cultural" (p. 234), uma expressão que ele foi o primeiro a usar, em 1985. A geografia cultural resume essas mudanças, focando em campos variados "viver, mais que produzir" (p. 240). Hoje ainda, Paul Claval crê não ter explorado todos os prós e contras desta abordagem: "É por esta razão que eu estou escrevendo a segunda parte deste trabalho no presente, enquanto a primeira era o passado! "(p. 135). O restante ainda deve ser escrito!

Haut de page

Notes

1 Concurso de recrutamento de professores.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Catherine Didier-Fèvre, « Pensando o mundo como um geógrafo, sessenta anos de reflexão », Confins [En ligne], 26 | 2016, mis en ligne le 02 mars 2016, consulté le 28 août 2016. URL : http://confins.revues.org/10805

Haut de page

Auteur

Catherine Didier-Fèvre

Professeur de CPGE littéraires au Lycée Sainte-Marie, Lyon, catherine.didier-fevre@wanadoo.fr

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org