Navigation – Plan du site
Paraná: olhares sobre as regionalizações

O Paraná no Brasil: uma contextualização em treze imagens (e meia)

Le Paraná et le Brésil: une contextualisation en treize imagas (et demie)
Paraná an Brazil: a contextualization in thirteen images (and half)
Hervé Théry, André Nagy et Raimundo Nonato Junior

Résumés

Le document situe l'État de Paraná dans le contexte brésilien, en utilisant la cartographie thématique pour analyser les différences et les dynamiques qui marquent le territoire dans plusieurs domaines. Des cartes de recherche, à condition qu'elles suivent les préceptes de la sémiologie graphique, servent également à communiquer les résultats de manière visuellement expressive. Ces cartes inédites ont été choisies pour présenter l'État dans divers contextes, démographique, économique et social, où il apparaît tantôt homogène et se détachant nettement du reste du pays, tantôt marqué de contrastes internes qui font ressembler une partie de son territoire à d'autres régions du Brésil.

Haut de page

Entrées d’index

Index by keywords :

Context, situation, Brazil, thematic mapping

Index géographique :

Paraná, Brasil

Índice de palavras-chaves :

Contexto, situação, Brasil, cartografia temática
Haut de page

Texte intégral

Turistas em Foz do Iguaçu (Paraná)Afficher l’image
Crédits : ©Hervé Théry

1O objeto deste artigo é de situar o Estado do Paraná, no sentido pleno da palavra, no contexto brasileiro, usando a cartografia temática, um excelente instrumental para analisar as disparidades e dinâmicas (demográficas, econômicas, culturais) que marcam o território em várias áreas e contribuem fortemente na construção das identidades locais e regionais. Mapas oriundos da pesquisa, desde que sigam os preceitos da semiologia gráfica, servem também, ulteriormente, para comunicar os resultados de forma visualmente expressiva.

  • 1 Théry, Hervé e Mello, Neli Aparecida de, Atlas do Brasil, Disparidades e dinâmicas do território, E (...)

2O conjunto de imagens que segue representa a situação do Paraná no Brasil, para mostrá-lo claramente no contexto nacional, o Estado é rodeado, nos mapas, por uma borda de cor contrastante. Tirados da futura terceira edição do Atlas do Brasil1, estes mapas inéditos foram escolhidos para apresentar o Estado em vários contextos, demográficos, econômicos e sociais, onde ele ora aparece homogêneo e se destaca claramente do resto do país, ora apresenta contrastes internos que assemelham parte do seu território a outras regiões brasileiras. São seguidos de comentários voluntariamente breves, já que se supõe que sejam autoexplicativos. A escolha dos conteúdos que compõem os mapas pretende introduzir, de forma contextual e panorâmica, debates acerca de questões centrais que situam o Estado do Paraná frente à dinâmica do território brasileiro: economia, demografia, uso do solo, agricultura, cidades, equipamentos culturais, zonas de influência, condições de vida e índices de desenvolvimento. Algumas das temáticas voltam a ser abordadas, com exemplos empíricos, em estudos de casos apresentados ao longo do dossiê, como preservação ambiental, trabalho e renda, formação territorial, questões urbanas e cidades.

3Os mapas foram realizados (pelo menos na sua fase inicial, a arte final sendo sempre realizada no Adobe Illustrator) usando softwares de tratamento estatístico e de cartografia gratuitos ou de baixo custo para estudantes e professores, Philcarto (http://philcarto.free.fr/​) e Cartes et Données (http://www.articque.com/​geocampus/​).

Figura População em 2010

Figura  População em 2010

4Neste mapa onde está desenhado, para município brasileiro, um círculo de superfície proporcional à sua população no censo demográfico de 2010 (localizado na sede municipal), o Paraná é vizinho, porém distinto, da principal concentração de população do país, o conjunto urbano contido no triângulo São Paulo – Rio de Janeiro – Belo Horizonte. No interior do Estado aparecem duas principais concentrações de população, uma costeira em torno de Curitiba e outra no norte. Outro fator destacável trata da marcação populacional no interior do Estado por meio das cidades-polo. No centro Guarapuava; no norte-nordeste e norte-noroeste, respectivamente, as zonas metropolitanas de Londrina e Maringá, recentemente criadas, revelam-se como segundo ponto de fluxo demográfico; no extremo oeste Foz do Iguaçu; enquanto o corredor oeste-noroeste aponta uma sequência de cidades médias em crescimento como Cascavel, Toledo e Umuarama. Desta forma, apesar da grande concentração populacional no leste do estado (Grande Curitiba e Litoral) a população paranaense se destaca pela existência de expressivo número de cidades médias no interior do Estado, fato que regionaliza a polarização demográfica em diferentes setores, não havendo espaços de grandes “vazios demográficos”, segundo se pode observar no mapa em outros estados brasileiros.

Figura Densidade demográfica em 2010

Figura  Densidade demográfica em 2010

5Neste mapa, o Paraná compartilha com os Estados de Santa Catarina (e parcialmente do Rio Grande do Sul) a especificidade de ter uma presença humana relativamente forte até a fronteira ocidental, quando no resto do país as densidades demográficas baixam fortemente a poucos quilômetros do litoral. No entanto, aparece uma zona de menor densidade populacional no centro do estado que reaparecerá frequentemente nos mapas seguintes. Estas áreas de menor densidade em algumas zonas centrais têm justificativa tanto em fatores físicos como humanos da geografia local. Trata-se de território que ocupa o topo do terceiro planalto paranaense, em regiões cujas altitudes passam dos mil metros em diversos trechos. Desta forma, tal região oferece maiores adversidades à instalação de núcleos urbanos, bem como possui muitas áreas de preservação em razão de sua condição natural situada em escarpa de clima subúmido e elevações progressivas em zonas dominadas pelas florestas de araucárias cuja vegetação é predominantemente densa, com áreas de cobertura vegetal primária e zonas de remanescentes florestais. São os fatores humanos, todavia, que melhor explicam tal condição, pois se trata de território historicamente constituído por atividades rurais extensivas, havendo menor concentração de população em decorrência de pequenos centros urbanos, a exceção da sede do Município de Guarapuava, única marca de forte concentração populacional visualizada no centro do mapa em densidade superior a 40 hab/km². Nos mapas que se seguem também será possível analisar as condições atípicas desta região central paranaense quanto a fatores socioeconômicos e de desenvolvimento. É possível ainda observar no mapa que o Paraná é o Estado de densidade mais contígua dentre aqueles da região sul do Brasil, sendo possível observar áreas de baixa densidade mais extensas no sudoeste do Rio Grande e nas regiões serranas do sudeste catarinense.

Figura Migrantes em 2010

Figura  Migrantes em 2010

6Tomando como critério a proporção dos habitantes de cada município nascidos fora dos seus limites, destaca-se obviamente o “arco de desmatamento”, de Rondônia até o Maranhão, onde as frentes pioneiras avançam na Amazônia (assim como os Estados de Roraima e Amapá, pelas mesmas razões), mas vê-se que o Norte do Paraná ainda tem na sua população a marca das frentes pioneiras de outrora, do tempo que a marcha do café trazia para eles migrantes nascidos em outras regiões. No caso do oeste paranaense, os altos índices de pessoas nascidas fora do município de domicílio também remete a alguns fatores da dinâmica regional. Um primeiro a destacar é a condição fronteiriça com o Paraguai e Argentina, fato que amplia o fluxo de pessoas e mercadorias na região tornando-a um polo de circulação. Sobre o norte paranaense, deve-se considerar a forte polarização exercida pelo interior de São Paulo, resultante da formação terrorial historicamente imbricada entre aquelas regiões, da proximidade geográfica e das relações de parentesco e trabalho ainda expressivas na atualidade entre os dois estados.

Figura Setores do PIB

Figura  Setores do PIB

7Neste mapa que divide o PIB em três setores a partir de um diagrama triangular que situa suas respectivas participações no total, o Paraná (embora o seu peso total seja pequeno) distingue-se pelo fato de que suas microrregiões são classificadas nos três setores. A capital e seus arredores são principalmente industriais, o centro do Estado e parte do norte têm uma dominante agropastoral, enquanto as cidades secundárias dependem principalmente dos serviços. Diante deste cenário podem ser destacadas três zonas de predominância agropecuária: o norte pioneiro, o centro-sul e o oeste. Apesar da predominância não apresentar grande amplitude no desvio comparativo aos demais setores, ela é representativa em termos territoriais, pois cobre vastos espaços que comportam diferentes iniciativas agropastorís como: largas zonas de agricultura mecanizada voltadas ao agronegócio (sobretudo no oeste), cooperativas de grande porte lideradas por colônias agrícolas de origem européia (como no caso da Colônia Entre Rios, em Guarapuava) e, ainda, forte presença de agricultura familiar ou de pequenos produtores, sobretudo nas imediações centrais e meridionais do Estado.

Figura Uso do solo nos estabelecimentos agrícolas

Figura  Uso do solo nos estabelecimentos agrícolas

8Ao analisar os percentuais relativos da pecuária, da agricultura e da mata no uso do sole dentro dos estabelecimentos agropecuários, pode-se, a partir de um diagrama triangular, dividir as microrregiões em três classes, dominadas respectivamente por cada uma das três atividades. O Paraná compartilha com os outros dois estados do Sul – mas de uma maneira mais equilibrada – uma divisão entre os três tipos: perto da costa a mata continua a prevalecer, no norte é a pecuária, mas o fato mais impressionante é a importância das terras ocupadas pela agricultura, enquanto no resto do país este uso é minoritario. Desta forma, ao possuir mais de um terço do solo com uso prioritário para agricultura, o Estado do Paraná pode ser visualizado no mapa enquanto Unidade Federativa com maior proporcionalidade de território destinado a este fim. Destaca-se também a distribuição territorial da presença agrícola, intensa no sudoeste e ramificada em dois corredores, o primeiro no sentido sudoeste-sudeste (chegando aos campos gerais) e outro do oeste ao centro-norte nas regiões de maior contato com o interior do Estado de São Paulo.

Figura Mão de obra agrícola

Figura  Mão de obra agrícola

9Uma das maneiras mais eficazes de distinguir a agricultura familiar da agricultura empresarial é de considerar a força de trabalho usada: a primeira é baseada principalmente no trabalho familiar, enquanto a segunda contrata trabalhadores assalariados. Deste ponto de vista, o Paraná está claramente dividido entre uma parte sul onde domina o trabalho familiar e uma parte norte que utiliza trabalho contratado, como no principal território do agronegócio que se estende ao norte de suas fronteiras, até o Mato Grosso. Vale salientar que a predominância da característica familiar na agricultura das zonas meridionais e ocidentais não está unicamente ligadas a ideia da pequena agricultura realizada no domínio de uma única família, mas está principalmente associada a lógica das “colônias agrícolas” nas quais a maior parte dos integrantes partilham das mesmas origens étnicas e genealógicas. Assim, os laços de parentesco podem se revelar intensos mesmo nos casos de grandes coooperativas agrícolas nas quais trabalhem centenas de indivíduos.

Figura Área de influência das cidades

Figura  Área de influência das cidades

10A pesquisa Regic (região de influência das cidades), realizada pelo IBGE em 2007, ajudou a determinar as áreas de influência das principais cidades brasileiras, bem diferentes do que eram na pesquisa anterior em 1993. No caso do Paraná, a área de influência de Curitiba corresponde praticamente às fronteiras do Estado, muito rigorosamente ao norte, onde ela colide com a de São Paulo, enquanto que no sul atinge uma parte de Santa Catarina, em rivalidade com a influência de Porto Alegre. A influência de Curitiba sobre o Estado se legitima, sobretudo, pela centralidade administrativa e pela concentração industrial, conforme apontado anteriormente, além de não encontrar rivalidade interna, sendo a única cidade com mais de um milhão de habitantes no estado.

Figura Equipamentos culturais

Figura  Equipamentos culturais

11Calculando a densidade de equipamentos culturais por quilômetro quadrado ou por 10.000 pessoas obtem-se resultados bastante diferenciados, no caso do Brasil em geral e no Paraná em particular. A densidade por quilómetro quadrado favorece as cidades, que reúnem um grande número de equipamentos em uma área limitada. No entanto, o cálculo pelo número de pessoas que podem beneficiar dessas instalações revela características inesperadas, e um dos casos mais notáveis em todo o país é precisamente a dos estados do Sul e de São Paulo. O norte do Paraná continua o oeste do Estado de São Paulo, enquanto sua porção sudoeste segue o norte do Rio Grande do Sul e o oeste de Santa Catarina: um e outro têm uma densidade de equipamentos notadamente alta em comparação com a sua população. Assim, a geografia dos equipamentos culturais revela uma realidade que contrasta dados populacionais com perfís sociais, fator que pode ser observado de maneira ainda mais intensa no mapa a seguir sobre os telespectadores potenciais ao grupo midiático dominante no Brasil.

Figura Telespectadores potenciais

Figura  Telespectadores potenciais

12O faturamento da Rede Globo, grupo televisivo de maior presença no território nacional, é obtido através da venda de espaço publicitário e anunciantes podem saber o número de potenciais clientes eles podem esperar atingir consultando um “Atlas de cobertura” (disponível online), que permite conhecer em detalhe a cobertura geográfica de cada uma das estações locais Globo, o número de domicílios com TV, o número de potenciais espectadores e o índice de potencial de consumo. Com estes valores, é possível produzir um mapa da percentagem de espectadores potenciais na população (fonte IBGE). Deste ponto de vista, com exceção de alguns municípios do norte do Estado e ao redor da capital, o Paraná é uma área de baixo potencial dentro do bloco, particularmente valioso para a Globo, do Sul-Sudeste. Alguns fatores importantes devem ser considerados para esta cartografia atípica do potencial midiático, em comparação aos Estados vizinhos. Um primeiro deles refere-se ao vazio observado no centro do Estado do Paraná que reflete uma das regiões de mais baixo poder econômico do sul do Brasil. Um outro aspecto a considerar é o potencial de consumo desta população, estimado em quase 50% inferior à média da Região Sul em geral (IBGE, 2010). Além disto, percebe-se que os territórios equivalentes aos corredores agrícolas apresentados na figura 5 também refletem áreas de baixo potencial ao alcance midiático na figura 9, pois são espaços majoritariamente rurais de ocupação esparsa em vilarejos agrícolas e cidades predominantemente de pequeno porte. Há ainda de se considerar que nestas zonas de prevalência rural, de habitantes originários de imigração, a população não se sinta representada no produto oferecido pela emissora dominante, fato que levaria ao uso de outras mídias de origem local e regional. Para além das mídias, as diferenças entre o Paraná e o restante do país ficam ainda mais evidenciadas quando expostas questões de ordem sociocultural.

Figura Bolsa família

Figura  Bolsa família

13Ao analisar a distribuição dos beneficiários do Programa Bolsa Família e a sua evolução entre 2007 e 2011, podemos construir uma tipologia que distingue o caso das grandes cidades, das regiões menos desenvolvidas e das regiões mais desenvolvidas (onde o número de beneficiários aumentou, ou não). No caso do Paraná, a única grande cidade é Curitiba, a área central aparece mais uma vez como menos desenvolvida do que o resto do Estado, enquanto o norte e as áreas vizinhas da fronteira sul são mais desenvolvidas, mas passam por um aumento do número de beneficiários. É interessante observar que o aumento de beneficiários do bolsa família no Paraná é preponderante nas regiões de atividade agrícola, sobretudo, a zona setentrional, aquela que havia sido apontada na figura 6 pelo destaque na mão de obra exercida majoritariamente por trabalhadores assalariados. Assim, a crescente aderência ao bolsa família entre os anos de 2007 a 2011 aponta para uma população trabalhadora sujeita a baixos salários e ao desemprego sazonal (IBGE, 2010), e segue a tendência de outras regiões agrícolas de perfil similar no Sul e Sudeste, como o oeste dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais. Tal fenômeno também atesta a convivência do bolsa família com outros processos de renda das famílias, desfazendo o estereótipo de que as ajudas assistenciais estariam presentes apenas em regiões onde não haveria empregalibidade. Neste sentido, o mapa da presença do bolsa família no território nacional marca a existência de populações em perfil de extrema pobreza mesmo em regiões nas quais os indicadores econômicos são mais favoráveis que a média nacional, como no caso do Paraná.

Figura Equipamento dos domicílios

Figura  Equipamento dos domicílios

14Uma maneira de medir o nível de riqueza das regiões é de observar os equipamentos das casas, investigado pelo censo demográfico IBGE de 2010. Quatro equipamentos (geladeira, máquina de lavar roupa, carro e computador conectado à Internet), mostram a mesma distribuição, com diferentes graus de concentração, mas outros dois, rádio e motocicleta, revelam outra, muito diferente. O Paraná está no grupo das regiões melhor equipadas, com exceção de sua região central, que é mais parecida com as regiões pioneiras do Centro-Oeste, notadamente pelo uso das motocicletas. Esta região centro-setentrional do Paraná constitui o maior território com problemas de desenvolvimento no sul do Brasil, percebendo-se no mapa a presença de algumas zonas similares menos expressivas no noroeste gaúcho e no vale do Ribeira, porção meridional do Estado de São Paulo. Outra região, ao norte de Curitiba, está na divisa com São Paulo, onde a média é inferior em equipamentos, porém acima dela para motocicletas.

Figura Índice de desenvolvimento

Figura  Índice de desenvolvimento

15O mapa construído a partir do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), calculado na escala municipal para 2010, mostra a predominância do Centro-Sul, mas revela também uma forte dinâmica regional de algumas regiões que têm experimentado progressos significativos, enquanto outras estagnaram. Entre os avanços, o mais notável é o do Centro-Oeste, especialmente de Mato Grosso, onde a chegada de colonos do Sul aumentou significativamente o IDH dos municípios onde se instalaram. Eles têm agora índices mais elevados do que na região central do Paraná que constitui, com o sudoeste de São Paulo e o sul do Rio Grande do Sul, a menos desenvolvida de todas as regiões do Sul-Sudeste. No tocante ao desenvolvimento do Paraná, este mapa elucida também que os maiores índices concentram-se nas regiões que apresentamos na figura 4 como focos de atividade industrial (região metropolitana de Curitiba e litoral) e por atividades agrícolas voltadas ao agronegócio nas porções oeste e noroeste, marcadas também pela desiguldade social, uma vez que o mapa anterior apresentou o aumento de adesão do bolsa família em tais regiões. A existência de algumas "ilhas" de desenvolvimento no meio de regiões menos desenvolvidas marca com precisão as cidades médias que exercem papel de polarização regional: além das regiões metropolitanas de Maringá e Londrina, Ponta Grossa, nos campos gerais, Guarapuava, no centro-sul, Pato Branco, no sudoeste.

16Figura Motores do desenvolvimento

17Os motores do desenvolvimento local podem ser de vários tipos. Pode ser a indústria e os serviços modernos ou a agricultura de exportação e o agronegócio. Mas ao lado destes grandes setores, outras atividades, menos massivas, podem ser a mola mestra do crescimento de áreas menores: mineração, fruticultura irrigada, turismo litorâneo ou interiorano. Deste ponto de vista, o Paraná é bem-dotado porque se beneficia da presença de quase todos esses motores: indústria e serviços modernos em torno de Curitiba, agroindústria no norte, agricultura familiar no sudoeste e turismo com o grande polo de Foz de Iguaçu. Esta diversidade de atuação econômica sobre o território paranaense reflete um dos Estados com maior nível de PIB por habitante do país, apesar das grandes discrepâncias regionais internas.

18A partir destas reflexões podemos perceber que as regiões do Estado podem ter aspectos que associam suas características socioecômicas fortemente, exemplo são os mapas 2, 3, 5, 6, 8, 11 e 12. Distinguindo o centro-leste do Paraná de outras regiões do Estado. Seja quanto à sua densidade demográfica, percentagem de migrantes, presença significativa do uso do solo em agropecuária, presença significativa de agricultura familiar, disponibilidade de equipamentos culturais por habitante, maior média de equipamentos residenciais e IDH mais desenvolvidos, tanto para municípios pequenos, quanto para os maiores do Estado, tais como Londrina, Maringá e Campo Mourão.

Haut de page

Notes

1 Théry, Hervé e Mello, Neli Aparecida de, Atlas do Brasil, Disparidades e dinâmicas do território, Edições da Universidade de São Paulo EDUSP, São Paulo 2005, 312 páginas. Reimpressão 2008.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura População em 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-1.png
Fichier image/png, 291k
Titre Figura Densidade demográfica em 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-2.png
Fichier image/png, 278k
Titre Figura Migrantes em 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-3.png
Fichier image/png, 332k
Titre Figura Setores do PIB
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-4.png
Fichier image/png, 219k
Titre Figura Uso do solo nos estabelecimentos agrícolas
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-5.png
Fichier image/png, 222k
Titre Figura Mão de obra agrícola
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-6.png
Fichier image/png, 201k
Titre Figura Área de influência das cidades
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-7.png
Fichier image/png, 279k
Titre Figura Equipamentos culturais
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-8.png
Fichier image/png, 462k
Titre Figura Telespectadores potenciais
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-9.png
Fichier image/png, 324k
Titre Figura Bolsa família
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-10.png
Fichier image/png, 309k
Titre Figura Equipamento dos domicílios
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-11.png
Fichier image/png, 185k
Titre Figura Índice de desenvolvimento
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-12.png
Fichier image/png, 319k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10818/img-13.png
Fichier image/png, 253k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, André Nagy et Raimundo Nonato Junior, « O Paraná no Brasil: uma contextualização em treze imagens (e meia) », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 29 juillet 2016, consulté le 29 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/10818 ; DOI : 10.4000/confins.10818

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

CNRS-Creda, Professor visitante na Universidade de Sao Paulo (USP), hthery@aol.com

Articles du même auteur

André Nagy

Sociólogo, aronagy@gmail.com

Articles du même auteur

Raimundo Nonato Junior

Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal, nonatorjr@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org