Navigation – Plan du site

A situação residencial da Nova Classe Média na metrópole do Rio de Janeiro: uma contribuição ao debate

La situation résidentielle la nouvelle classe moyenne dans la métropole de Rio de Janeiro : une contribution au débat
Housing situation of the new middle class in the metropolis of Rio de Janeiro: a contribution to the debate
Michael Chetry

Résumés

Au Brésil, comme dans d'autres pays en développement (Chine, Inde, Russie), l'émergence d'une « nouvelle classe moyenne », conséquence de la croissance économique et des améliorations du marché du travail, est devenue un thème central du débat public au cours des dernières années. Initiée par les économistes qui se basent sur le revenu pour identifier les classes sociales, cette thèse est fortement critiquée par les défenseurs d’une perspective sociologique, pour qui la correspondance entre les niveaux de vie et la position sociale des individus n’est pas établie. Dans le cadre de cet article, nous nous concentrerons sur la dimension spatiale de la nouvelle classe moyenne et tenterons d’apporter une contribution á la compréhension de ce phénomène d'un point de vue géographique. Ainsi, à travers le cas de la métropole de Rio de Janeiro, cet article cherche à montrer que, d'un point de vue spatial tout du moins, le caractère « moyen » de la nouvelle classe moyenne doit être relativisé puisqu’elle semble être plus proche des catégories populaires que ce soit en termes de localisation dans l’espace métropolitain ou de conditions de logement.

Haut de page

Texte intégral

1No Brasil, como em outros países em desenvolvimento (China, Índia Rússia), o surgimento de uma "Nova Classe Média" tornou-se um tema central do debate público nos últimos anos, como resultado do crescimento econômico e das melhorias no mercado de trabalho. Impulsionada por economistas que utilizam a renda na identificação das "classes", essa tese é fortemente criticada, particularmente pelos defensores de uma perspectiva sociológica, para quem a correspondência entre o nível de vida e a posição social dos indivíduos não é estabelecida.

2A fim de contribuir ao debate, este artigo propõe uma mudança de perspectiva e leva em consideração a dimensão espacial desse fenômeno analisando as relações da nova classe média com o espaço urbano na metrópole do Rio de Janeiro. Como mostraram numerosos estudos, o territorio desempenha um papel importante na formação e reprodução dos grupos sociais, em particular no caso da classe média (Bidou 1984; Authier, 2002; Oberti e Preteceille, 2004; Charmes, 2005).

3Em primeiro lugar, procuraremos sintetizar os principais elementos do debate sobre a nova classe média brasileira. Veremos que o debate se insere na discussão clássica em torno da definição das classes sociais já presente há algumas décadas em diversos países. Em segundo lugar, com base na análise empírica a partir dos dados do Censo 2010, buscaremos argumentar, no caso da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, pela maior proximidade da chamada “nova classe média” com as camadas de baixa renda, seja em termos de localização ou de condições na vida urbana. Em outras palavras, essa proximidade com categorias populares relativiza, em termos espaciais pelo menos, o caráter “médio” da nova classe média tal como afirmado pelos economistas.

O debate sobre a nova classe média brasileira: uma questão de abordagem

A nova classe média brasileira: expressão das melhorias econômicas recentes

4Durante a última década a sociedade brasileira passou por profundas mudanças, seja do ponto de vista da redução das desigualdades de renda, da diminuição da pobreza ou do crescimento do emprego e da formalidade no mercado de trabalho (Scalon & Salata, 2012). Essas mudanças trouxeram melhorias significativas para grande parte da população e principalmente às camadas populares. De acordo com Barros et al. (2010), as desigualdades de renda vêm caindo continuadamente desde 2001, alcançando os menores valores das últimas três décadas; e nos últimos anos a renda dos mais pobres cresceu de forma substantiva, acarretando um declínio dos níveis de pobreza (indo de 38,6% da população em 2001, para 28,0% em 2007) e miséria (indo de 17,4% da população em 2001, para 10,2% em 2007). Esse quadro favorável vai sustentar a ideia do desenvolvimento de uma nova classe média no Brasil, que até teria se tornado um país de classe média.

5Essa tese, defendida em particular pelo economista Marcelo Neri (2008), releva uma leitura da realidade social segundo a qual o aumento da renda e, portanto, do poder de consumo dos indivíduos, reduz as diferenças entre as classes sociais. No seu estudo, Neri divide a sociedade brasileira em quatro classes de renda (AB, C, D e E). A Classe E inclui os indivíduos com renda mensal domiciliar de até 768 reais (limite correspondente à linha de miséria); a Classe D incorpora aqueles entre 768 e 1.064 reais (mediana da distribuição); a Classe C, chamada de nova classe média pelo autor, engloba aqueles que têm renda entre 1.064 e 4.591 reais (nono decil da distribuição); por fim, a Classe AB, que pode ser assimilada à elite, agrupa aqueles com renda de no mínimo 4.591 reais (Scalon & Salata, 2012). Em outras palavras a Classe C é compreendida entre os 50% mais pobres e os 10% mais ricos e, portanto, é uma classe média no sentido estatístico, como reconhece o próprio Neri.

6De acordo com o estudo, entre os anos de 2002 e 2008 a participação da Classe C na população brasileira passou de 44,2% para 51,9% resultando, portanto, em um aumento de 17,0%. No mesmo período as Classes D e E, que representavam 42,8% da população em 2002, caíram para 32,6% em 2008. Para o autor, a expansão do grupo de renda média e a redução das faixas de menor renda (D e E) são reveladoras de uma mobilidade social significativa. E como a Classe C passara a englobar mais da metade da população, o Brasil poderia então ser considerado um país de classe média.

Aumento da renda e mobilidade social

  • 1 Nos últimos anos reportagens de televisão e artigos da imprensa foram se multiplicando sobre a Clas (...)

7Essa tese da nova Classe Média brasileira ganhou uma grande ressonância nos meios políticos e midiáticos, embora seja fortemente criticada no mundo acadêmico1. Essas críticas dizem respeito ao critério utilizado por Neri (2008) para definir a “classe média”, ou seja, somente a renda. Muitos autores argumentam que considerando outras características sociais como ocupação (Sobrinho, 2011; Salata & Scalon, 2012), o capital cultural (Souza, 2010) e a identificação dos indivíduos à sua posição social (Salata, 2013), o contingente de pessoas designado como classe C por Neri não pode ser considerado "classe média".

8De acordo com Pochmann (2012), por exemplo, que orienta sua análise sobre o mercado de trabalho, as mudanças recentes na sociedade brasileira não levam de maneira nenhuma ao surgimento de uma nova classe média, mas ao contrário, ao fortalecimento das classes populares assentadas no trabalho. Segundo o autor, os empregos criados nos últimos anos e ocupados pela nova classe média foram em grande maioria no setor de serviços, sendo caracterizados por sua instabilidade e precariedade. De fato, esta classe continua a coexistir com as desigualdades sociais (em termos de renda e educação) de tal forma que a distância social em relação a outros grupos continua sendo importante.

9Por sua vez, Jesse Souza (2010) que, em uma perspectiva próxima a de Bourdieu privilegia uma análise das classes sociais a partir de seu estilo de vida e suas práticas, afirma que o aumento da renda (e do consumo) das camadas populares não diminui as desigualdades resultantes da precariedade das formas de socialização no quadro em que se inscrevem suas práticas cotidianas. Portanto, para este autor, os membros da nova classe média não possuem certos atributos da classe média e estão na realidade mais próximos de uma nova classe trabalhadora, que ele define como “uma classe integrada no sistema econômico como produtora de bens e serviços valorizados ou como consumidora de bens duráveis ​​e de serviços que eram antigamente o privilégio das classes médias e altas” (Souza, 2010, p. 26).

10Assim, para muitos autores, sociólogos em maioria, não se trata de negar que milhares de membros das classes trabalhadoras têm visto os seus padrões de vida melhorar, mas isso não significa que eles engrossam uma ampla classe média. Desse ponto de vista, a nova classe média seria menos um fato sociológico que uma estratégia de marketing político (Bartelt, 2013), até mesmo uma simples chamada para a reorientação das políticas públicas em uma perspectiva mercantil, ou seja, no fortalecimento dos serviços privados de saúde, de educação e de previdência, entre outros (Pochmann, 2012). Finalmente, além do debate em torno da definição dessa classe, coloca-se a questão da sua construção como uma categoria social: criada nos meios científicos, ela assume uma grande importância política e social ao participar da fabricação de um novo imaginário coletivo, aquele de uma sociedade mais justa e igualitária.

11Considerando que a abordagem espacial poderia contribuir a esse debate, buscaremos na próxima seção identificar e caracterizar os locais de residência da nova classe média na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, em comparação às outras categorias de renda.

A distribuição espacial da nova classe média na metrópole do Rio de Janeiro

  • 2 As classes de renda são definidas a partir da renda total mensal domiciliar atualizada em 2010 com (...)

12Os resultados apresentados são oriundos da exploração dos dados do Censo Demográfico 2010 do IBGE. Retomaremos o recorte da estrutura social de acordo com as faixas de renda (AB, C, D e E) nas quais a tese da nova classe média é baseada2. A análise será orientada pelas seguintes questões: quais são seus espaços de residência? Com que outros grupos de renda ela vive nesses espaços? E quais são as características urbanas dos seus locais de residência?

As categorias de renda na RMRJ

13Segundo os dados apresentados na Tabela 1, abaixo, com um pouco menos de 1,5 milhões de unidades domiciliares, a Classe C representa quase a metade dos domicílios da RMRJ (49,3%), uma participação três pontos maior em relação à média nacional (46,2%). Quanto às classes de rendas situadas nos extremos, podemos observar que a proporção de domicílios de Classe AB é também superior ao conjunto do Brasil (13,6% contra 9,8%), ao contrário daquela dos de Classe E, que fica bem abaixo da média nacional (25,4% contra 31,8%). Sobre os domicílios de Classe D, a porcentagem é quase equivalente na RMRJ e no conjunto do Brasil (11,7% contra 12,2%). De forma geral, a RMRJ se distingue do Brasil por uma representação maior da nova classe média (Classe C) e das camadas superiores (Classe AB), em detrimento das categorias populares.

14Analisando a distribuição espacial das camadas de renda no território da RMRJ, podemos verificar que na periferia os domicílios das Classes D e E são claramente mais numerosos (de 4 e 8 pontos, respectivamente) em relação ao núcleo. As famílias de Classe AB, por sua vez, residem principalmente no município do Rio de Janeiro, onde representam quase 20% do total de domicílios, contra apenas 7% na periferia. Esses resultados corroboram à ideia de uma estrutura socioespacial dual presente na metrópole, que opõe o centro (onde há concentração da camada AB) à periferia (onde há concentração das camadas E e D).

Tabela 1 - Domicílios segundo as classes de renda na RMRJ e no Brasil em 2010

Classe de Renda

RMRJ

Brasil

Núcleo

Periferia

Total

N

%

N

%

N

%

N

%

Classe AB

309 101

19,3

100 528

7,2

409 629

13,6

4 489 135

9,8

Classe C

791 276

49,3

691 739

49,2

1 483 015

49,3

21 097 483

46,2

Classe D

159 596

10,0

192 522

13,7

352 118

11,7

5 554 155

12,2

Classe E

344 051

21,4

420 906

29,9

764 958

25,4

14 515 360

31,8

Total

1 604 025

100,0

1 405 695

100,0

3 009 720

100,0

45 656 132

100,0

Fonte: Censo demográfico IBGE 2010

15A fim de analisar de maneira mais detalhada a segmentação dessas camadas no território da RMRJ, trabalhamos, em primeiro lugar, com o índice de segregação, que mede a distribuição dos diferentes grupos de renda no conjunto do espaço metropolitano.

16Os resultados mostram que a Classe AB é a mais concentrada espacialmente (índice de 0.509), seguida pelas categorias de renda inferiores, respectivamente a Classe E (índice de 0.225) e a Classe D (índice de 0.168). Finalmente, a Classe C apresenta o menor índice de segregação (0.133), sendo então a menos concentrada espacialmente. Essa conclusão é semelhante à situação relatada na literatura em relação às outras metrópoles, como Paris, por exemplo, onde as categorias localizadas nas extremidades da estrutura social são as mais segregadas (Preteceille, 2006). No entanto, cabe destacar a intensidade da segregação da Classe AB, pois o seu nível de concentração espacial é o dobro do da Classe E. Os baixos valores para a Classe C, e também para a Classe D, mostram que estas categorias são mais dispersas no espaço metropolitano.

17Outro dado interessante, a fim de complementarmos nossa análise, é o índice de dissimilaridade que mede a distância espacial entre cada categoria de renda. Através dele percebemos que a RMRJ é estruturada principalmente em torno da oposição entre a Classe AB de um lado, e as Classes D e E do outro. Com efeito, a Classe AB apresenta um índice mais elevado que todas as outras categorias, enquanto as Classes D e E estão unidas por um baixo índice de dissimilaridade (0.086). Observa-se, acima de tudo, que a Classe C está localizada em uma posição muito próxima a estas últimas, pois seu índice de dissimilaridade com a Classe AB alcança 0.466, enquanto ele é apenas de 0.155 em relação à Classe D e de 0.185 à Classe E. Isso significa que na RMRJ a nova classe média se encontra espacialmente mais próxima das categorias populares do que das camadas superiores (AB).

Tabela 2 - Índice de dissimilaridade entre as classes de renda em 2010

Classe AB

Classe C

Classe D

Classe E

Classe AB

-

0,466

0,572

0,585

Classe C

-

0,155

0,185

Classe D

-

0,086

Classe E

-

Fonte: Censo demográfico IBGE 2010

18Essas análises trazem primeiras informações sobre a localização da nova classe média na região metropolitana. No entanto, os resultados são apenas tendências gerais que podem suceder em situações muito diferentes quando realizamos uma verificação em escala ampliada. Por isso, é necessário analisar de maneira mais abrangente a distribuição espacial dos domicílios da nova classe média na RMRJ.

Localização e composição social dos espaços de residência da nova classe média

19A figura 1 apresenta a localização geográfica das diferentes classes de renda na Região Metropolitana do Rio de Janeiro em 2010. Como se poderia esperar, enquanto observamos uma forte concentração espacial das outras camadas, principalmente da Classe AB, os domicílios de Classe C estão presentes de forma mais homogênea em todo o território metropolitano. Assim, das 338 áreas de ponderação que compõem a RMRJ, os domicílios de Classe C são majoritários em 171 delas, ou seja, um pouco mais da metade; e representam entre 40% e 50% dos domicílios em outras 120 áreas de ponderação. No total são então 291 áreas de ponderação sobre 338 nas quais a proporção da Classe C é superior a 40%.

20No município do Rio de Janeiro a Classe C predomina na região central (Centro, Santa Teresa) - onde ela alcança mais de 60% dos domicílios -, no subúrbio (Madureira, Penha, Ramos, Inhaúma, Irajá, Méier) e na Zona Oeste da cidade (Jacarepaguá, Bangu, Campo Grande). Na periferia da RMRJ os domicílios da Classe C têm uma representação superior nos municípios da periferia próxima: São Gonçalo e uma parte de Maricá, na frente Leste; Nilópolis, São João de Meriti e Mesquita, na frente Norte; e Mangaratiba e Itaguaí, na frente Oeste. Note-se também uma predominância em algumas partes dos municípios da periferia mais distante (Queimados, Magé, Itaboraí, Itaguaí), que correspondem geralmente às áreas centrais desses municípios.

21A respeito da localização da Classe C em relação às outras classes de renda, a comparação dos mapas mostra que ela é sistematicamente sub-representada nos espaços da Classe AB e, a contrário, é fortemente presente em vários espaços nos quais a proporção dos domicílios de Classe D e E é significativa, em particular na Zona Oeste e nos municípios da periferia. Esse resultado corrobora nossa análise anterior sobre a proximidade espacial da nova classe média às camadas de baixa renda.

22Além disso, a análise do quociente de localização permite sintetizar as observações feitas a partir dos mapas e traz também informações adicionais a respeito da convivência das diferentes classes de renda na RMRJ (Figura 2).

23Assim, podemos identificar áreas onde a Classe C é relativamente pouco presente. De um lado são os espaços típicos das camadas superiores, que se caracterizam tanto pela sua exclusividade (fortes excedentes de domicílios de Classe AB e déficit de domicílios das outras classes) quanto pela sua concentração e contiguidade geográficas: as áreas litorâneas (Botafogo, Lagoa, Copacabana, Barra da Tijuca) e da Zona Norte (Tijuca, Vila Isabel) do Rio de Janeiro, assim como o município de Niterói. Do outro lado são espaços fortemente dominados pelas categorias populares, ou seja, as Classes D e E. Na cidade do Rio de Janeiro são exclusivamente as áreas de favelas: Rocinha, Complexo do Alemão e Jacarezinho. Na periferia, esse tipo corresponde aos municípios de Seropédica, Japeri e Tanguá e à maior parte dos territórios de Nova Iguaçu, Belford Roxo, Magé e Itaboraí.

24Porém, isso não quer dizer que não existam territórios onde as diferentes classes coexistem. Assim, encontramos espaços nos quais ambas, as Classe AB e C, estão representadas, ou seja, onde a nova classe média convive com as categorias superiores. Estes estão localizados na cidade do Rio de Janeiro, geralmente na continuidade com os espaços das camadas superiores identificados acima: o Centro, Santa Teresa e Jacarepaguá, aos quais se juntam Irajá e a Ilha do Governador. Encontramos também áreas nas quais a nova classe média compartilha o espaço com as categorias de baixa renda, localizados principalmente na periferia: eles correspondem ao conjunto dos municípios de Mangaratiba, Itaguaí, Paracambi, Mesquita, Queimados, Duque de Caxias, São João de Meriti e Guapimirim. No município do Rio de Janeiro, estes tipos correspondem à Zona Portuária, aos bairros da Zona Oeste (Bangu, Santa Cruz e Guaratiba), bem como às áreas de favelas (Complexo da Maré, Vigário Geral, Cidade de Deus).

25Por fim, seria possível identificar áreas que poderiam ser qualificadas como típicas da nova classe média, uma vez que nestas apenas a Classe C sobressai, em detrimento dos outros grupos de renda. Elas correspondem às regiões do subúrbio (Ramos, Penha, Madureira, Inhaúma) e da Zona Oeste do Rio de Janeiro (Campo Grande e Realengo) e a alguns setores da periferia próxima (Nova Iguaçu, Nilópolis, São Gonçalo e Maricá). Resumidamente, o principal resultado que gostaríamos de destacar aqui é o seguinte: como pode ser verificado nos mapas acima, a Classe C se distribui de maneira bastante dispersa no território, contando com uma presença substantiva em quase todas as áreas, com exceção daquelas onde há uma clara concentração da Classe AB. Na verdade, a distribuição espacial desta última se destaca das demais, seguindo um padrão completamente distinto das outras camadas, com clara tendência de concentração nos bairros da orla marítima (Leblon, Copacabana, Ipanema, Lagoa, Barra da Tijuca etc.) do município do Rio de Janeiro, e baixa concentração no subúrbio e periferias. Nesse sentido, em termos espaciais, a nova classe média ocupa uma posição muito mais próxima das camadas populares (D e E), como pode ser claramente visualizado nos mapas acima.

As condições de vida urbana

  • 3 O IBEU é um índice sintético, desenvolvido pelo Observatório das Metrópoles, que mede a qualidade d (...)

26Se por um lado já sabemos como a Classe C se distribui espacialmente pelo território da RMRJ, por outro ainda não trouxemos informações a respeito das características (em termos de qualidade dos serviços, infraestrutura etc.) dos locais onde ela se concentra. Para tanto, faremos uso do chamado Índice de Bem-Estar Urbano (Ribeiro & Ribeiro, 2013)3. A tabela seguinte apresenta o nível de Bem-Estar Urbano por classes de renda em 2010.

Tabela 3: IBEU segundo as classes de renda em 2010

IBEU≤0,5

(ruim)

0,5<IBEU≤0,8

(intermediário)

0,8<IBEU

(bom)

IBEU médio

Classe E

5,2%

82,9%

11,9%

0,67

Classe D

4,7%

83,1%

12,2%

0,68

Classe C

3,1%

75,3%

21,6%

0,71

Classe AB

0,6%

38,9%

60,5%

0,82

Fonte: Censo demográfico IBGE 2010

27No seu conjunto os locais de residência dos domicílios de Classe C, com um valor médio de 0.71, apresentam um índice de bem-estar urbano muito próximo das Classes D e E e significativamente inferior aquele da Classe AB (0.82). Esta última é também a única com um bom nível de bem-estar urbano, quando todos os outros estão no nível intermediário, refletindo o monopólio dos melhores recursos urbanos pelas classes superiores. Esse é um traço marcante da segregação residencial no Rio de Janeiro (como em outras metrópoles brasileiras) e que Vetter e Massena (1981) explicaram através do mecanismo de causação circular: as camadas superiores conseguem, graça à maior capacidade política, atrair os investimentos públicos em infraestrutura e equipamentos coletivos aumentando a distribuição desigual das condições de vida no interior das metrópoles e valorizando ainda mais seus locais de residência, restringindo seu acesso pelas camadas inferiores.

28No final, em termos de condições de vida urbana, também os domicílios da nova classe média não ocupam uma posição média, sendo mais próximos das classes populares. No entanto, há uma proporção significativa dos domicílios da Classe C (21,6%) em áreas que apresentam um alto nível de bem-estar urbano, revelando a diversidade das características urbanas dos seus lugares de residência.

Considerações finais

29No debate atual em torno da tese da nova classe média, opondo a perspectiva sociológica - mais estrutural - e a perspectiva econômica, mais focada nos rendimentos, a abordagem espacial proposta aqui traz uma contribuição valiosa.

30Na região metropolitana do Rio de Janeiro vimos que, tanto do ponto de vista da localização quanto das características urbanas do seu local de residência, os domicílios da Classe C são globalmente mais próximos aos das Classes D e E, por oposição aos domicílios da Classe AB, que se concentram nos bairros mais valorizados da metrópole. Em termos espaciais, pelo menos, essa proximidade com categorias populares relativiza, assim, o caráter “médio” da nova classe média tal como o afirmam os economistas.

31Além disso, embora a Classe C seja distribuída de forma bastante homogênea em todo o espaço metropolitano, é possível identificar lugares típicos desta camada como o subúrbio do Rio de Janeiro, parte da Zona Oeste e do Centro, assim como algumas áreas dos municípios limítrofes.

32Contudo, dentro dos espaços da Classe C observa-se também uma grande diversidade urbana e social, o que poderia prefigurar o grande intervalo de renda ao qual corresponde esta categoria: em alguns deles ela convive com as classes superiores e se beneficia de um bom acesso aos recursos urbanos, enquanto em outros ela coexiste com as categorias populares e enfrenta condições urbanas bastante precárias.

33Assim, se tomarmos a dimensão espacial como elemento importante para a conformação dos limites definidores das classes sociais (entendidas aqui de maneira mais ampla), podemos afirmar que aquela camada que vem sendo identificada como nova classe média, apesar de estatisticamente intermediária, encontra-se numa posição mais próxima das classes populares (camadas E e D de renda).

34Apesar do interesse desses resultados, a análise apresentada aqui é exploratória e necessita então de vários aprofundamentos. Assim, retomando as orientações de Preteceille (2006), é necessário ainda determinar se a proximidade da nova classe média com os grupos de renda inferior é o resultado lógico do seu peso numérico ou do mercado imobiliário que a força a conviver com as categorias populares. Podemos também nos perguntar em que medida essa proximidade está relacionada ao desejo de não se distanciar das classes populares (Ibidem.). Nesse sentido, somente a realização de uma pesquisa de campo poderia trazer elementos para respostas e permitir ultrapassar os limites de uma abordagem estritamente quantitativa.

Haut de page

Bibliographie

Authier J.Y. (org.) Du domicile à la ville : vivre en quartier ancien. Paris, Anthropos, 2001.

Barros R., Carvalho M., Franco S., Mendonça R. Determinantes da Queda na Desigualdade de Renda no Brasil. IPEA, Texto para discussão nº 1460, 2010.

Bartelt D. D. (org.) A “Nova Classe Média” no Brasil como Conceito e Projeto Político. Rio de Janeiro, Fundação Heinrich Böll, 2013.

Bidou C. Les aventuriers du quotidien : essai sur les nouvelles classes moyennes. Paris, Presses Universitaires de France, 1984.

Charmes E. La Vie périurbaine face à la menace des gated communities. Paris, L’Harmattan, 2005.

Neri M. A Nova Classe Média. O lado brilhante da base da pirâmide. Rio de Janeiro, Saraiva, 2008.

Oberti M., Preteceille E. « Les classes moyennes et la ségrégation urbaine ». Education et sociétés, n.14, p. 135-153, 2004.

Pochmann M. Nova classe média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. Rio de Janeiro, Boitempo, 2012.

Preteceille E. « La ségrégation sociale a-t-elle augmenté ? La métropole parisienne entre polarisation et mixité ». Sociétés contemporaines, n.62, p. 69-93, 2006.

Ribeiro L.C. e Ribeiro M. Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU). Rio de Janeiro, Letra Capital /Observatório das Metrópoles, 2013.

Souza J. Os batalhadores brasileiros. Nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte, UFMG, 2010.

Salata A. “Quem é Classe Média no Brasil? Um Estudo Sobre Identidades de Classe”. In: XVI Congresso Brasileiro de Sociologia, Salvador de Bahia, 2013.

Scalon C., Salata A. “Uma Nova Classe Média no Brasil da Última Década? O debate a partir da perspectiva sociológica”. Revista Sociedade e Estado, v.27, n.2, p.387-407, 2012.

Sobrinhdo G.F.X. (2011) ““Classe C” e sua alardeada ascensão: nova? Classe? Média?”. Índice Econômico, Porto Alegre, v.38, n.4, p.57-80, 2011.

Vetter D. e Massena, R. “Quem se apropria dos benefícios líquidos dos investimentos do Estado em infra-estrutura? Uma teoria da causação circular”. In: Machado L. (Org.) Solo urbano: tópicos sobre o uso da terra. Rio de Janeiro, Zahar, 1981.

Haut de page

Notes

1 Nos últimos anos reportagens de televisão e artigos da imprensa foram se multiplicando sobre a Classe C, focando em particular no aumento do poder de compra desse grupo, lhe permitindo hoje ter acesso a bens de consumo que eram até então exclusividade das categorias mais abastadas. Em 2012, ela foi apresentada como protagonista da novela "Avenida Brasil", grande sucesso no chamado horário nobre da Globo, contribuindo para sua midiatização. Quanto a Marcelo Neri, o fundador da tese da nova classe média, ele é hoje diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fundação pública vinculada à Presidência da República para a formulação de políticas públicas e programas de desenvolvimento.

2 As classes de renda são definidas a partir da renda total mensal domiciliar atualizada em 2010 com base no índice de preços no consumidor: Classe E (R$ 0- R$ 839), Classe D (R$ 840- R$ 1.162), Classe C (R$ 1163-R$ 5.017), Classe AB (mais de R$ 5.018).

3 O IBEU é um índice sintético, desenvolvido pelo Observatório das Metrópoles, que mede a qualidade de vida nas cidades brasileiras de acordo com cinco dimensões: a mobilidade, as condições ambientais, as condições habitacionais, o acesso a serviços coletivos e o nível de infraestrutura.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Michael Chetry, « A situação residencial da Nova Classe Média na metrópole do Rio de Janeiro: uma contribuição ao debate », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 16 juillet 2016, consulté le 21 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/10870 ; DOI : 10.4000/confins.10870

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org