Navigation – Plan du site

A cidade de São Paulo e seus rios: uma história repleta de paradoxos

La ville de São Paulo et ses rivières: une histoire pleine de paradoxes
The city of São Paulo and its rivers: a story full of paradoxes
Isabel Cristina Moroz-Caccia Gouveia

Résumés

Cet article est un bref historique de la relation entre la ville de São Paulo, ses rivières et ses ruisseaux. Nous pouvons décrire son histoire en quatre phases distinctes: de la fondation de la Ville de São Paulo dos Campos de Piratininga en 1554 jusqu’à la troisième partie du XIXe siècle; de la fin du XIXe siècle à 1930 (la métropole du café); la période allant de 1930 à 1950 (la métropole industrielle) et de 1950 et le démarrage du processus de conurbation qui a donné naissance à la région métropolitaine de São Paulo, jusqu’à aujourd’hui (la mégalopole). La recherche, basée sur l'histoire et l'iconographie, souligne l'importance de la richesse du réseau fluvial pour la fondation et l'établissement de la ville. Elle montre comment, au fil du temps et à mesure que la ville a grandi, ces ressources en eau ont été dégradées et ce sont désormais considérées comme des obstacles à la croissance urbaine, devenant des cibles des interventions et des transformations. Ces interventions ont provoqué la suppression des rivières dans le paysage urbain dans la ville de São Paulo.

Haut de page

Texte intégral

o Tietê hojeAfficher l’image
Crédits : Neli de Mello Théry 2016

1Atualmente (anos 2014-2015) o município de São Paulo e praticamente toda sua região metropolitana (Fig. 1) vivenciam uma séria crise no abastecimento de água. Entretanto, a observação de um mapa da rede hidrográfica do município (Fig. 2), revela um grande paradoxo: como uma cidade estabelecida inicialmente entre três volumosos rios – Rio Tietê, Rio Pinheiros e Rio Tamanduateí, pode sucumbir à falta de água? A resposta é óbvia: esses rios estão degradados e transformaram-se, ao longo do tempo, em canais de esgotamento sanitário. Mas, e o restante da rede hidrográfica? Onde estão todos os córregos, riachos e nascentes que se observa no mapa? O paradoxo se acentua ainda mais ao revisitarmos a história de formação da cidade: foi exatamente a riqueza da rede fluvial do Planalto Paulistano que induziu o estabelecimento e florescimento da Vila de São Paulo. Entretanto, a história da cidade – e de suas diversas administrações ao longo do tempo, e em especial nas últimas décadas -, explicitam o descaso e/ou a gestão temerária de seus recursos hídricos.

Figura 1 – Localização do município de São Paulo

Figura 1 – Localização do município de São Paulo

Organização do autor

Figura 2- Mapa hidrográfico do município de São Paulo

Figura 2- Mapa hidrográfico do município de São Paulo
  • 1 PMSP/SMVA/SEMPLA Atlas Ambiental do Município de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em http://a (...)

Fonte: Atlas Ambiental do Município de São Paulo, PMSP/SMVA/SEMPLA (2002)1

Da fundação de São Paulo dos Campos de Piratininga à Imperial Cidade de São Paulo

2A mancha urbana estabelecida pela cidade, desde sua fundação em 1554 até meados do século XIX, restringia-se a uma parte do interflúvio Anhangabaú-Tamanduateí, na bacia hidrográfica do Rio Tamanduateí, sub-bacia do Alto Tietê. A ocupação do território paulista está intimamente relacionada à presença do Rio Tamanduateí, antes mesmo da chegada dos colonizadores europeus. De acordo com Zagni (2004),

Para os índios estabelecidos nessa região, antes da chegada do colonizador europeu, o fenômeno das cheias regulares do rio, conformando regiões extensas de várzeas ao longo de seu curso, fazia com que um número grande de peixes encalhasse nas regiões que haviam sido inundadas quando as águas voltavam ao seu nível normal, morrendo e secando ao sol. A importância desse fenômeno natural para a sobrevivência das tribos, ao qual se seguia a atividade de coleta desses mesmos peixes, fez com que a designação dada pelos índios ao território fosse ‘Piratininga’, que do tupi traduz- se como ‘peixe seco’ e demonstra o quanto a sobrevivência dessas tribos estava ligada à ocorrência de suas várzeas. A própria designação Tamanduateí faz menção ao mesmo fenômeno, pois um grande número de tamanduás podia ser visto ao longo das margens abandonadas temporariamente pelas águas que retomavam seu nível normal, alimentando-se das formigas que se aglomeravam em torno dos peixes mortos. (p. 1-2)

3Além de fornecer alimentos, o rio Tamanduateí, constituía-se em importante via de conexão do litoral com o interior paulista. As trilhas indígenas eram associadas aos seus caminhos fluviais e mais tarde, os portugueses se serviram do leito navegável do rio. (Fig. 3)

4

Figura 3 - Mapa da Capitania de São Vicente e Adjacências - 1553-1597 com destaque para a trilha Tupiniquins entre São Vicente e São Paulo de Piratininga.

Figura 3 - Mapa da Capitania de São Vicente e Adjacências - 1553-1597 com destaque para a trilha Tupiniquins entre São Vicente e São Paulo de Piratininga.

Fonte: http://www.novomilenio.inf.br/​santos/​mapa17a.htm#1927. Acesso em 31/07/2015

5Se a disponibilidade de alimentos e acessos condicionou a fixação dos índios às margens do rio Tamanduateí, também para o estabelecimento e desenvolvimento da vila de São Paulo de “Piratininga”, o rio foi essencial. Assentada no topo de uma colina pouco elevada, o núcleo embrionário da cidade achava-se rodeado pelo Rio Tamanduateí e pelo Ribeirão Anhangabaú, e mais afastado, ao norte, estava o Rio Tietê. Naquela época, as inundações periódicas do rio Tamanduateí e do rio Tietê constituiam um aspecto muito positivo, pois transformavam a colina em verdadeira península, garantindo a segurança da vila durante os meses de verão. (PMSP/SMC/DPH, 2006, s.p.)

O rio, junto do córrego Anhangabaú, teve suma importância estratégica quando da chegada dos jesuítas no Planalto de Piratininga, uma vez que as relações conflituosas entre religiosos e tribos indígenas hostis podiam ser constatadas pela escolha primeiro da instalação da missão jesuíta em uma cota topográfica superior, o que possibilitava a observação da movimentação de tribos em evolução de um possível ataque, e desta forma a disposição do curso tanto do Tamanduateí como do Anhangabaú, cujo curso serpenteava o planalto, constituía um obstáculo natural de difícil transposição para tribos mobilizadas ao ataque, dando aos religiosos, assistidos por índios convertidos, tempo para se disporem defensivamente, no que eram auxiliados por um muro que cercava a missão, dando-lhe o aspecto de fortificação militar. (ZAGNI, 2004, p.2).

6O potencial de navegação do rio Tamanduateí também teve importância fundamental para o estabelecimento das relações comerciais na vila de São Paulo. Produtos vindos de fazendas mais distantes ou mesmo do litoral, eram transportados em pequenas embarcações, e depois descarregados em um porto situado logo abaixo da ladeira - a Ladeira Porto Geral, que desce próxima ao mosteiro São Bento.

7Vários viajantes estrangeiros expressaram em suas obras, encantamento com os rios e ribeirões paulistanos (Figura 4). Dentre eles, o botânico francês Saint-Hilaire. Sobre o rio Tamanduateí ele afirmou que “serpenteando através das pastagens úmidas, [dava] mais encanto à paisagem. ” (PMSP/SMC/DPH, 2006, s.p.)

Figura 4 - Entrada de São Paulo pelo caminho do Rio de Janeiro. Aquarela de Jean-Baptiste Debret, 1827.

Figura 4 - Entrada de São Paulo pelo caminho do Rio de Janeiro. Aquarela de Jean-Baptiste Debret, 1827.

Fonte: PMSP/SMC/DPH (2006)

8O rio e sua várzea constituíam pontos de encontro e lazer, como local para banhos, principalmente nos dias de calor, quando então “bandos e bandos de indivíduos de ambos os sexos, iam banhar-se no Tamanduateí e nas lagoas por ele formadas no seu extravasamento”, conforme relatou o historiador Taunay (2004).

9Se os cursos d’água desempenharam um papel fundamental para o desenvolvimento da cidade fornecendo alimentos, facilitando a circulação de mercadorias e proporcionado recreação; ao mesmo tempo, eles também tinham a função de encaminhar para longe a sujeira (lixo e esgoto) produzida pelos moradores. Infelizmente, esta função prevaleceu (e prevalece até hoje), o que culminou em consequências desastrosas.

  • 2 Sampaio, T. São Paulo no tempo de Anchieta, Escola Tipográfica Salesiana, São Paulo, 1897, pág. 34.

10De acordo com Teodoro Sampaio2 apud Bruno (1991a), nos primeiros tempos de ocupação dos campos de Piratininga a água era “abundante e salutífera”.

11Taunay (2004) observou que “a primeira água de que se abasteceram os paulistanos foi a de duas fontes, brotando no recanto da Vila. Corria uma para o Tamanduateí e nascia outra ‘detrás das casas de Joannes Annes’”. (p.116). Ainda segundo Taunay, numa concessão de terras datada de 1599 faz-se alusão ao “ribeiro de aguada da Vila”, “o que evidencia a utilização de um ribeirão para o abastecimento de São Paulo, provavelmente por meio de algum aqueduto tosco, ou quiçá simples rego aberto no solo que levava o líquido às bicas e fontes ...” (p.117)

12Bruno (1991a), aponta que a partir de meados do século XVIII foram feitos os primeiros condutos de derivação de água na cidade.

Quem primeiro pôs em prática esse sistema de adução – escreveu Afonso A. de Freitas – foram os frades franciscanos. Em 1744 o claustro e também a “cerca” do seu convento já contavam com fornecimento de água potável canalizada, até com sobras que os frades pensavam em encaminhar para o uso da população, fora do estabelecimento. [...] Ainda em meados do século dezoito também se puxou água para o recolhimento da Luz. O canal começava perto do tanque Reúno, formado por nascentes e águas do riacho Saracura, afluente do Anhangabaú; descia beirando o caminho do Piques (rua da Consolação), a rua do Paredão (Xavier de Toledo), a chácara do cadete Santos, o campo do Zunega (largo do Paissandu) e daí corria para o recolhimento. A maior parte dos moradores continuava, no entanto se abastecendo de algumas fontes naturais – onde se edificaram pequenas bicas – ou diretamente no Tamanduateí e no Anhangabaú. (p. 283-284)

13A partir disso, iniciou-se o abastecimento de água canalizada, com chafarizes públicos, além das bicas e fontes. Dentre as bicas que abasteciam a cidade, destacam-se a Bica do Moringuinho, próxima à atual Rua Jaceguai, e a Bica do Acu, nascente que existiu no cruzamento da Rua Brigadeiro Tobias com a Rua Santa Efigênia. (AMARAL, 1980, p.17).

O Riacho do Anhangabaú tinha à sua margem direita, próximo ao centro, algumas nascentes muito conhecidas na cidade. Uma delas, a Bica do Moringuinho, situava-se aproximadamente onde hoje está o Largo da Pólvora. A Rua Jaceguai teve origem num caminho que conduzia a essa bica cruzando o vale. Outra nascente bem conhecida ficava no local onde hoje está a Praça Carlos Gomes. Era a Bica de Baixo. (TOLEDO, 2004, p.102)

14Também nessa época, foram criados vários tanques pela cidade. (Fig.5) Destacam-se o Tanque de Santa Teresa e o Tanque Municipal, formados pelas nascentes do Ribeirão Anhangabaú; o Tanque do Arouche, na confluência do Largo do Arouche com a Rua Rego Freitas, formado pelas águas de nascentes situadas nas vertentes do Espigão Central (Rua da Consolação); o Tanque do Zuniga, no local onde hoje se encontra o Largo do Paissandú, formado pelas águas do Ribeirão Iacuba; e, o Tanque do Reúno ou Bexiga, nas nascentes do Ribeirão Saracura, “cujo muro de represamento ficava onde hoje está o Viaduto Martinho Prado.” (TOLEDO, 2004, p. 49).

Figura 5 – Mappa da Imperial Cidade de São Paulo para serviços geodésicos e hidráulicos (Carlos Rath,1855).

Figura 5 – Mappa da Imperial Cidade de São Paulo para serviços geodésicos e hidráulicos (Carlos Rath,1855).

Observam-se os represamentos para a formação de tanques utilizados para o abastecimento público.

Fonte: http://www.urbano.ifch.unicamp.br/​files/​4ddc11eaef8cd.jpg Acesso em 31/07/2015.

15Mas no século XVIII, a qualidade das águas já estava comprometida. Sobre esse período, Bruno (1991a) afirma que as águas utilizadas pela maioria dos moradores eram bastante impuras, conforme se verifica nas observações abaixo transcritas:

Sabe-se que em 1773 estava danificada a bica do Acu, e a Câmara tomava medidas de limpeza e conserto do rego, a fim de que fossem escoadas águas e tijucos, sabendo-se que por detrás dessa fonte tinha morrido um cavalo. [...] Ela continuou porém recebendo ciscos e estercos, através da umidade dos quintais de alguns moradores de suas vizinhanças. Cheirava mal as suas águas e tinham sabor horrendo, dizia uma ata da Câmara. Não eram melhores porém as águas do Tamanduateí e do Anhangabaú, em que se servia a “maior parte dos povos”, escrevia-se no ano de 1787. Ainda que fossem correntes – registrava-se nas atas – não deixavam de envolver imundícies provindas da lavagem de roupas. (p. 284)

16A respeito da qualidade das águas dos chafarizes que abasteciam a cidade, no século XVIII, Bruno (1991a) destaca que

Sua água não valia nada, pois vinha do Tanque Reúno e em seu percurso atravessava um rego descoberto, parte do qual passava por um arrabalde sujo chamado rua do Rego, cujo ar era empesteado – dizia Bueno – e cujo chão era juncado de caveiras de boi, de sabugos de chifres, de ossos e outros resíduos imundos, porque os seus moradores eram quitandeiros de miudezas do matadouro. Ao pequeno chafariz existente a um lado do largo do Acu, dentro de uma cavidade a que se descia por alguns degraus, referiu-se também Vieira Bueno em suas evocações dessa época.

Jorrava água por um cano embutido na boca de uma carranca de pedra. Derivava-se esse líquido de uma lagoa natural (sic) existente no centro do vizinho largo do Zunega – lagoa rodeada de ervaçal e em que se lavava roupa. (p. 288-289)

17Freitas (1978) faz as seguintes observações quanto à higiene pública e particularmente, quanto à qualidade das águas, no final do século XIX:

Quanto à higiene pública, se já era nascida, estaria ainda na primeira infância. Para provar a justeza desta asserção basta dizer que o Anhangabaú, despenhando-se do Tanque Municipal, atravessava o Matadouro Público, encravado nas baixadas do Humaitá, recebendo aí todo o sangue das rezes abatidas de modo que os moradores do Piques, do Acu e da rua da Consolação, por onde fazia curso aquele ribeiro, assistiam diretamente, das duas horas da tarde em diante, ao deslizar de um verdadeiro riacho de sangue. (p. 30-31)

18Além do comprometimento da qualidade das águas que, certamente, implicou na redução de oferta para o consumo, observa-se também, a partir do século XVIII, um franco declínio na disponibilidade de água na cidade. Considerando-se que nos três primeiros séculos, a cidade apresentou um lento crescimento populacional, tal escassez de água poderia estar mais relacionada às mudanças físicas processadas em função do uso e ocupação da área - sobretudo o desmatamento, que implicaram em modificações no próprio ciclo hidrológico, do que ao aumento da demanda no abastecimento.

19Diversos documentos relatam a escassez de água na cidade durante os períodos de estiagem. Pode-se supor então, que a capacidade de infiltração da superfície, durante os períodos chuvosos, já não garantia a perenidade das nascentes e cursos d’água durante o ano todo, condicionando as vazões ao regime sazonal das precipitações.

Mas a própria insuficiência de água para as necessidades dos moradores era um problema que não podia se resolver de forma satisfatória. Em 1834 falava-se mais uma vez na falta de água que se notava nos chafarizes. Em meados do século, a mesma coisa. Em 1852, o próprio relatório do presidente da província assinalava que se tornava cada dia mais sensível na cidade a escassez de água potável e que o encanamento contratado por Afonso Milliet não só não abastecia a Cidade Nova e os arrabaldes paulistanos, como não se podia nem mesmo remediar a situação do abastecimento na zona central. (BRUNO, 1991b. p.654)

20Freitas (1978) afirma que “o abastecimento de água à Paulicéia, por sua natureza deficiente, tornava-se precário sempre que a Providência Divina descuidava-se de fornecer o óxido vital em forma de copiosas chuvas. ” (p.29)

21Se a presença dos rios garantia a segurança da vila nos primeiros tempos e a sobrevivência da cidade, no final do século XVIII passam a limitar a circulação e a expansão da ocupação.

22No início do século XIX, já existiam algumas pontes sobre o Rio Tamanduateí, Ribeirão Anhangabaú e Rio Tietê (Ponte Grande de Sant’Anna, por exemplo). Também nessa época já haviam sido executados alguns aterros em áreas de várzea, tais como o Aterrado de Sant’Anna, na várzea do Tietê, e o Aterrado do Brás, sobre a várzea do Tamanduateí. No entanto, em virtude das chuvas e inundações, a manutenção e reconstrução de tais obras eram necessidades constantes.

  • 3 MORSE, Richard “De Comunidade à Metrópole: Biografia de São Paulo”, 1954.

23Pesquisas documentais apontam que, no início do século XIX, as frequentes inundações das várzeas passaram a ser consideradas um problema para o Poder Público, especialmente na Várzea do Carmo. De acordo com Richard Morse3,

No ano de 1822, por exemplo, o governo provisório expressava sua preocupação com relação ao alagamento do Tamanduateí, já que esse fenômeno impedia os costumeiros passeios dados pela população na Várzea do Carmo. Nesse documento, surge uma curiosa reclamação dos moradores da região:

[...] todos padecem grandíssimos encommodos no tempo das águas por ficar o caminho intransitável, [...] esta [várzea] tem ficado sempre no miserável estado de terem nella morrido animais empantanados á vista da cidade [...] (Registro Geral, de 11.04.1822). (MORSE, 1954 apud PMSP/SMC/DPH, 2006, s.p.)

24Na mesma obra, encontram-se ainda registros que demonstram que a planície e o curso do Rio Tamanduateí já haviam sofrido intervenções e essas só contribuíram para o agravamento da situação.

No ano seguinte, encontramos um ofício do governo da Província dirigido ao Senado da Câmara, abordando as conseqüências decorrentes de intervenções recentes no curso do Tamanduateí. O governo alertava para a urgente necessidade de seu encanamento, em virtude dos problemas e doenças que o rio vinha causando à população: A soberba elevação dos homens pretendendo superar as Altas Ideias do Supremo Autor da Natureza, a repetir nesta cidade a scena da Torre de Babel, pela qual projectaram os Gigantes combater o Céu, propuzeram-se a inverter o natural despenho do rio Tamanduatehy [...] são notorias as sensiveis consequencias em prejuizo publico da população [...] cujas aguas estagnadas annualmente produzem halitos pestiferos de hervas curtidas, e corpos corruptos, cujos effluvios communicados aos habitantes pela athmosphera motivam as frequentes epidemias que opprimem a humanidade, com indizivel estrago, especialmente de crianças, que resistem menos, às tosses convulsivas, sesões e erysipelas e mais enfermidades extranhas no paiz. (Registro Geral, de 04.09.1823). (MORSE, 1954 apud PMSP/SMC/DPH, 2006, s.p.)

25Em Martins (2003) também se encontra uma representação feita, em 1824, por proprietários da Rua do Carmo, dirigida ao presidente da província, relatando problemas na Várzea do Carmo, em função de intervenções realizadas e, ao mesmo tempo, propondo a realização de outras intervenções:

[...] O alvo do dito rio foi inteiramente entulhado pelas águas e imundícias das enxurradas da chuva, e ficou de sorte que é impraticável o seu desentulho, pois arrasta uma obra difícil pelas longas voltas desde o seu desaguadouro no Rio Tietê até a ponte chamada do Fonseca; ao mesmo tempo que com um simples canal que obliquamente se dirija da parte da Ponte do Rio Tietê ao lugar dos Lázaros, e deste em linha reta a esta cidade, se faz a dita obra tão necessária, sem dependência de Engenheiros e Hidráulicos; pois assaz de sobejo que haja um único homem que assiduamente aplique os trabalhadores para a abreviatura do dito canal. (p. 94-95)

26A sugestão apresentada no documento acima foi posta em prática em 1849. O trecho final do rio Tamanduateí foi modificado, desde a ladeira do Carmo até sua foz, que foi deslocada de nordeste para noroeste.

27Sobre a retificação do baixo curso do Rio Tamanduateí e mudança da sua foz, em 1849, encontra-se no Dicionário de História de São Paulo (Amaral, 1980), no verbete referente ao rio Tamanduateí, as seguintes informações:

[...] Cortaram-se-lhe diversas curvas nas baixadas de São Bento, para a formação da atual Rua 25 de Março, desviando-lhe o curso no trecho em que, da confluência do Anhangabaú, dirigia-se para nordeste, através da várzea do Pari, até contornar o morro desse nome, para alcançar o Tietê. O canal aberto em direção noroeste cortou a Avenida Tiradentes, ao tempo aterrado de Santana, estabelecendo ali a Ponte Pequena e demandando, em linha reta, à corrente do Tietê. (p.449)

28Moroz-Caccia Gouveia (2010) reconstituiu, a partir de pesquisas bibliográficas, cartográficas e iconográficas, o traçado original do Rio Tamanduateí. A autora destaca ainda a supressão do Morro dos Lázaros e de parte do Morro do Carmo, utilizados como fonte de materiais para a execução de aterros na várzea. (Fig. 6)

Figura 6 – Fragmento do Mapa da Geomorfologia Pré-urbana da Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí

Figura 6 – Fragmento do Mapa da Geomorfologia Pré-urbana da Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí

Fonte: Moroz-Caccia Gouveia (2010)

A Metrópole do café

29Em meados do século XIX, em decorrência da expansão da economia cafeeira, a cidade de São Paulo passa a assumir maior importância na economia do país e a área urbanizada começa a se expandir. “Entre 1870-80, a Capital Paulista expandiu-se de forma crescente e ininterrupta, tanto que, segundo Euripedes Simões de Paula, se pode falar numa segunda fundação de São Paulo”. (EMPLASA, 2001, p.50)

30Um marco fundamental para o início desse processo de desenvolvimento e destaque da cidade de São Paulo, tanto no cenário econômico quanto político do país, foi a construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí – a São Paulo Railway, em 1867, que teve como eixo condutor o vale do rio Tamanduateí, mais uma vez indicando o melhor trajeto de ligação do planalto ao litoral. Em função de sua posição estratégica, entre as lavouras de café do oeste paulista e o porto de Santos, a cidade de São Paulo passou a beneficiar-se das riquezas da economia cafeeira.

31A cidade de São Paulo se expande, em função da presença da ferrovia, para além-Tamanduateí (bairros do Brás, Moóca, Pari e Belezinho); além-Anhangabaú (bairros de Campos Elíseos, Santa Cecília e Consolação); e, em direção ao rio Tietê, também condicionados pela presença da ferrovia, desenvolvem-se os bairros do Bom Retiro e da Luz. Ao mesmo tempo, a expansão também se verifica nas porções superiores do interflúvio Anhangabaú-Tamanduateí (bairros como a Liberdade, Bela Vista e Glória).

  • 4 Considerando ainda que, em 1890 a freguesia de São Bernardo foi elevada à categoria de município, o (...)

32A busca por novos espaços a serem ocupados pela cidade é fruto do crescimento demográfico que se verificava. Enquanto a população da cidade, entre os anos de 1765 a 1872, num período de 107 anos, cresceu apenas 50,3%; no período de 1872 a 1890 (18 anos) seu crescimento foi da ordem de 106,9% e, de 1890 a 1900, a população cresceu 269,3%, em apenas uma década.4 (MOROZ-CACCIA GOUVEIA, 2010). Esse aumento explica-se pelo estabelecimento da elite rural cafeeira na cidade, a partir da inauguração da ferrovia, mas, sobretudo, pela entrada maciça de imigrantes no país.

33As riquezas acumuladas com a cafeicultura contribuíram para imprimir inúmeras transformações na fisionomia da cidade de São Paulo e, consequentemente, no cotidiano de seus moradores. Uma série de melhoramentos tornaram-se necessários, em função do crescimento da cidade e da população. Nos bairros novos começam a surgir os palacetes e mansões, projetados por arquitetos como Ramos de Azevedo e Victor Dubugrás. Em 1895, uma lei autoriza o calçamento geral da cidade, a paralelepípedo e a macadame. Também por essa época, é inaugurada a iluminação pública por meio de gás e a primeira linha de bondes a tração animal.

34Enquanto o centro da cidade se torna alvo de reformas e regulações urbanísticas ao ser apropriado pelas novas elites dominantes, a cidade se expande à oeste, além Anhangabaú, ocupando outras regiões colinosas, onde surgem bairros aristocráticos como Campos Elíseos (1879), Higienópolis (1890), e o grande símbolo da elite cafeeira – a Avenida Paulista (1891). Inaugurada em 1891, foi projetada de acordo com o modelo das avenidas europeias, toda arborizada e inicialmente pavimentada com pedregulho branco. (Fig. 7)

Figura 7 – Planta da capital do estado de São Paulo (Jules Martin – 1890)

Figura 7 – Planta da capital do estado de São Paulo (Jules Martin – 1890)

Fonte: http://www.arquiamigos.org.br/​info/​info20/​i-1890.htm. Acesso em 31/07/2015

  • 5 Projetado pelo paisagista francês Paul Villon e inaugurado em 1892

35A influência europeia contribuiu também para a criação de áreas verdes. No loteamento implantado na Avenida Paulista, por exemplo, foi destinado um quarteirão para a criação do Parque Villon5 – atualmente Parque Tenente Siqueira Campos ou ainda, Parque Trianon. (PORTO, 1991)

36Datam desse período ainda criação dos dois primeiros parques públicos da cidade, vinculados à proteção dos mananciais.

O atualmente designado parque das Fontes do Ipiranga, criado em 1893 e consolidado entre 1895 e 1917, visava à preservação das nascentes e mananciais do Rio Ipiranga, para abastecimento da zona leste da cidade, assim como para a construção de adutoras, sendo a utilização dos mananciais interrompida em 1928. Já o da Cantareira, vinculado à preservação dos reservatórios da Serra da Cantareira, foi desapropriado em 1896. Ambos se configuram, na cidade de São Paulo, como duas extensas áreas com vegetação para a preservação das águas que, a exemplo da floresta da Tijuca no Rio de Janeiro, foram cercadas posteriormente pela urbanização periférica, a qual ficou descontrolada a partir do século XX. (KAHTOUNI, 2004, p. 63)

37 Em 1877, foi constituída a Companhia Cantareira, sendo que dez anos depois cerca de 5 mil edifícios já eram servidos de água. Até então o abastecimento de água da cidade era feito através da captação nas nascentes do Ribeirão Anhangabaú, cujas águas eram aduzidas para a caixa d’água da Rua Cruz Preta (atual Rua Quintino Bocaiúva), e para os chafarizes do Largo da Misericórdia, do Pelourinho (atual Largo 7 de Setembro), de São Gonçalo (atual praça Dr. João Mendes), de São Francisco e de São Bento. Os chafarizes do Campo da Luz e do Piques derivavam-se do encanamento geral das águas do tanque do Bexiga. Observa-se que as “aguadas”, no século XIX, já haviam sido substituídas por tubos, embora esses fossem feitos de papelão e revestidos de betume, sendo posteriormente também introduzido o uso de galerias subterrâneas. (FREITAS, 1978; EMPLASA, 2001). Segundo Freitas (1978),

  • 6 Atuais ruas Carlos Gomes e Rodrigo Silva.
  • 7 Praça da Liberdade

Todos esses chafarizes e mais a Bica de Baixo – localizada entre as ruas de Baixo e do Meio6, aduzidas do extremo do Largo da Forca7 - através de galeria subterrânea – e as bicas do Gaio, dos Ingleses e Moringuinho forneciam à população da capital cerca de 336.000 litros ou, empregando a tecnologia da época, 20.000 medidas de água; as restantes 80.000 que faltavam para completar o abastecimento em 24 horas, pelos entendidos calculado em 100.000 medidas, eram retiradas de cisternas abertas ao longo das margens do rio Tamanduateí e do córrego Lavapés e vendidas em pipas ambulantes ao preço de quarenta réis o barril. (p. 29)

38 De acordo com EMPLASA (2001), com a constituição da Companhia Cantareira, em 1882, alguns chafarizes passaram a receber as águas captadas do ribeirão Pedra Grande, na Serra da Cantareira. A partir daí os chafarizes públicos começaram a ser demolidos pela municipalidade, como forma de “incentivar” a adesão da população aos serviços domiciliares, oferecidos pela Companhia Cantareira. Em 1899, a caixa da água da Rua Cruz Preta foi demolida, e um novo reservatório foi construído na Consolação, com capacidade para 19 milhões de litros.

39 Segundo Sabesp (2003), em 1890, São Paulo contava com 70 mil habitantes e o abastecimento com apenas duas adutoras, Ipiranga e Cantareira. A primeira fornecia 3 mil litros por dia de uma represa na Água Funda, servindo as zonas de além-Tamanduateí. A segunda provinha da Serra da Cantareira, fornecendo a mesma quantidade por dia ao reservatório da Consolação, que abastecia o centro da cidade. Em 1893, foi inaugurada a adutora do Guaraú, que também fornecia água para o reservatório da Consolação. Em fins de 1894, o suprimento local de água à cidade era de 27 mil litros por dia, mas a população tinha saltado para 160 mil habitantes. Em 1898, além do aproveitamento dos mananciais da Serra da Cantareira e do Tanque Velho, no Ipiranga, iniciou-se também a captação de águas do Tietê, na altura do Belenzinho, recalcadas para a zona baixa do Brás, depois de passadas por galeria filtrante.

40 À medida que a cidade de São Paulo começa a se expandir, avançando sobre áreas de topografia irregular, cuja ocupação demandava obras dispendiosas como viadutos; as áreas de várzeas, apesar de periodicamente encharcadas, passaram a atrair a atenção, tornando-se uma opção lucrativa à especulação imobiliária. Através de um discurso de “saneamento” e combate às enchentes, a cidade foi criando novos terrenos através do aterro de várzeas e retificações dos rios.

  • 8 Segundo ZMITROWICZ (1986), a navegação no rio Tamanduateí foi suspensa em 1854, em virtude de inter (...)

41Era preciso criar nova utilidade para as áreas desocupadas das várzeas, afinal a cidade tinha ferrovia e, portanto, não necessitava mais de seus rios como vias de circulação8. A tecnologia permitia trazer água para o abastecimento de mananciais mais distantes e mais limpos. Naquele momento essas áreas eram vistas como focos de doenças ou, como fonte futura de lucros.

Relatos que remontam às primeiras décadas do século XIX revelam que a várzea do Carmo era então considerada um problema de higiene, uma doença a ser debelada, um grande estorvo sanitário. O rio Tamanduateí deveria ser canalizado evitando- se assim os incômodos do seu regime de cheias e a presença dos dejetos nele lançados (MORSE, 1954). Essa relação entre a cidade e seus rios revela o entendimento da relação urbano-meio ambiente que desde então se estabeleceu. (QUEIROZ & SOMEKH, 2003 p.115)

42 Segundo Zmitrowicz (1986), com o desenvolvimento do Brás e adjacências, as áreas inundáveis ao longo do Tamanduateí, “encravadas no meio de áreas urbanizadas”, começaram a despertar interesse, em função da proximidade com o centro de São Paulo. No entanto, a ocupação dessas áreas era dificultada pela ocorrência de enchentes, e também devido à poluição do curso d’água pelo lançamento de detritos in natura. Em 1892, foi nomeada uma Comissão de Saneamento para organizar e implementar projetos de retificações nos rios Tamanduateí e Tietê. Em 1894, o governo do Estado decretou ‘de utilidade pública’, uma faixa de 60 metros para a canalização do rio Tamanduateí desde o Ipiranga até sua foz. Retomaram-se as obras de retificação do Rio Tamanduateí, as quais, junto com a estrada de ferro, passam a atrair muitas indústrias para a região. As áreas aterradas da planície de inundação foram conferidas a industriais, que por muitas décadas se aproveitaram da água e da ferrovia para desenvolver seus negócios particulares. (Fig.8)

Figura 8 - Retificação do Rio Tamanduateí em 1914

Figura 8 - Retificação do Rio Tamanduateí em 1914

Autor: sem referência. Fonte: http://saudadesampa.nafoto.net/​photo20070201230707.html Acesso em 31/07/2015

43Em 1893, iniciaram-se também as obras de saneamento do Ribeirão Anhangabaú, através da retificação do canal e canalização subterrânea do rio (tamponamento) e de trechos dos córregos Saracura e Bexiga o que, em 1906, possibilitou a implantação da Rua do Anhangabaú e também do parque do Vale do Anhangabaú. O discurso higienista, numa época em que a cidade sofria com as epidemias, foi um grande aliado da especulação imobiliária. “A higiene como ‘apanágio do progresso e vitalidade de um povo’ parecia rimar perfeitamente com o desejo de transformar a cidade em capital favorável aos interesses dessa crescente especulação.” (SANT’ANNA, 2004, p. 198). Ainda segundo Sant’Anna (2007),

A primeira parte do Anhangabaú a ser colocada dentro de uma galeria foi aquela da região do largo do Piques, entre a rua Asdrúbal do Nascimento e a ladeira do Piques (trecho inicial da atual Nove de Julho). [...] E não demoraria muito, também, para que vários abaixo-assinados de moradores das imediações desse córrego pedissem providências para combater o mau estado do que restava do tão mal afamado rio, o que demonstra a persistência do antigo problema da insalubridade de suas águas. Em 1882, foi feito um orçamento para cobrir o Anhangabaú com tijolos, desde a ladeira Santo Amaro até a Ponte do Piques.

[...] Para alívio de uns e preocupação de outros, o Anhangabaú acabou sendo coberto, dando lugar a inúmeras disputas pelo terreno que o escondeu no subterrâneo, graças à canalização. A cobertura do Anhangabaú fortaleceu a polêmica sobre os usos futuros do terreno recém-coberto, tornando visível a força de interesses privados na conquista das terras. Na verdade, desde o começo daquela década, “cobrir” rios era uma solicitação recorrente de alguns moradores importantes de São Paulo. Os rios cobertos tornavam-se propriedades particulares ou ruas.... (p.143-144)

A metrópole industrial e suas avenidas

44Se a ferrovia transformou a cidade, o rodoviarismo a transfigurou. Segundo EMPLASA (2001), “Aos bondes juntaram-se os automóveis que, de apenas quatro unidades trafegando no começo do século XX, atingiram cerca de 13 mil veículos em 1925. ” (p.53)

45Durante a administração Pires do Rio (1926-1930) algumas decisões tomadas foram determinantes para a qualidade ambiental futura da cidade de São Paulo e de seu entorno, representando de alguma forma um caminho sem volta, quando se fez uma opção de urbanização rodoviarista. (QUEIROZ & SOMEKH, 2003). Nesse período, iniciou-se a implantação do “Plano das Avenidas” proposto pelo engenheiro Prestes Maia, fortemente marcado por um enfoque viário-modernizador, com a proposição de um sistema viário amplo, capaz de abrigar o automóvel e o ônibus em detrimento do transporte sobre trilhos.

46Segundo Queiroz & Somekh (2003), nesse momento

[...] fica clara uma opção com rebatimentos na qualidade ambiental da cidade, com a ocupação dos fundos de vale para implantação de vias expressas, comprometendo a drenagem urbana e a negação do sistema de transportes sobre trilhos em favor de um transporte de superfície altamente poluidor. ” (p.17)

47O Plano de Avenidas, segundo Rolnik (2003) se opunha a qualquer obstáculo físico para o crescimento da cidade. Assim, atendia aos interesses do mercado imobiliário e da indústria automobilística.

A associação entre construção de avenidas e canalização dos rios e córregos completa o novo modelo de circulação: os rios se confinam em canais ou galerias subterrâneas, sobre seus antigos leitos se implantam avenidas de fundo de vale. A avenida do Estado (sobre o Tamanduateí), as marginais (ao lado do Tietê e Pinheiros) e a Aricanduva (junto ao córrego do mesmo nome) são exemplos dessa estratégia. É durante a gestão do prefeito Prestes Maia que esse conceito começa a ser implantado: são obras suas a construção da avenida 9 de Julho sobre o córrego canalizado do Saracura, a avenida Itororó (futura 23 de Maio) sobre o córrego do mesmo nome e a retificação do Tietê, encurtando-o em 20 quilômetros e destinando suas margens para a construção da marginal e para a ocupação urbana de sua várzea. (p. 33-34)

48Tal plano, cujo objetivo era minimizar o problema de tráfego no centro da cidade, consistia na implantação de três avenidas, delineadas num sistema de “Y”: a avenida Anhangabaú Inferior (hoje, Av. Prestes Maia) e as avenidas Nove de Julho e a Itororó (atual 23 de Maio). Observa-se que este sistema de “Y”, nada mais é do que o traçado natural do ribeirão Anhangabaú e seus principais afluentes: os córregos Saracura e Itororó, ou Bexiga.

49Inaugura-se então, a prática generalizada de canalizações e confinamento (tamponamento) de cursos d’água para darem lugar às avenidas de fundos de vale. Essa prática rapidamente revelou-se como um fator de agravamento dos problemas de inundações na cidade. Segundo Porto (1992) e Jorge (2006), entre as décadas de 1930 e 1940, o largo do Riachuelo e a baixada do Piques, durante as chuvas mais fortes, ficavam completamente inundados pelas águas que desciam rapidamente das ladeiras ao redor. Na verdade, tal área corresponde exatamente à confluência dos cursos dos ribeirões Itororó (ou Bexiga), Saracura e Anhangabaú - que haviam sido canalizados sob as avenidas hoje conhecidas como Nove de Julho, Vinte e Três de Maio e Prestes Maia - e onde, originalmente, havia uma pequena planície fluvial. Ou seja, as águas continuavam seguindo exatamente seu percurso original. No entanto, agora elas escoam integralmente (sem infiltração) e velozmente, sobre as superfícies impermeabilizadas das avenidas e ruas e através das galerias subterrâneas, convergindo para o nível de base local e, ao invés de espraiarem-se em uma planície, acumulam-se numa superfície urbanizada, interrompendo o transito de veículos e pedestres e danificando os estabelecimentos locais.

50Segundo Moroz-Caccia Gouveia (2010), no período de 1930 a 1959, somente na bacia hidrográfica do Rio Tamanduateí, 29,8 Km da rede fluvial foi tamponada para dar lugar a avenidas de fundos de vales.

A Megalópole

51Na década de 1970, enquanto o centro financeiro se deslocava para o espigão central de São Paulo e os bairros nobres avançavam sobre as vertentes e planície fluvial do Rio Pinheiros, já retificado; a periferia espraiava-se cada vez mais rumo leste, além-Tamanduateí; rumo sul, em direção às represas, e sudeste, na região do ABCD paulista.

52Nas áreas periféricas, muitas vezes a ocupação se deu de forma irregular. Rolnik (2003) aponta a existência de um “pacto territorial”, que caracteriza um estilo de gestão ou ainda, uma cultura política, baseada na “ideologia da outorga”. A clandestinidade transforma-se em extralegalidade, “dependente da intermediação do Estado – no caso, da municipalidade – para ser reconhecida e assim, ganhar o estatuto legal”, necessário para ser contemplada pelo atendimento público.

A velha ordem não se transforma para incorporar outras formas de ocupação do espaço: na verdade, apenas tolera – seletivamente – exceções à regra que, ao serem reconhecidas, são “contempladas” com o direito de receber investimentos públicos em infra-estrutura e serviços urbanos. As maiorias clandestinas entram, assim, na cena da política urbana devedoras de um favor de quem as julgou admissíveis. (p.36)

  • 9 Entrevista concedida à Nina Ghellere Guimarães. Ponto (revista eletrônica), 1998. Disponível em: <xww.ponto.org/3/entrevistas.html>. </xww> (...)

53Dentre as infraestruturas e serviços urbanos reivindicados pela população, além do fornecimento de energia elétrica e do abastecimento de água, o asfalto (introduzido na pavimentação urbana, a partir da década de 60) e a canalização de córregos, são vistos como essenciais à civilidade e agregam valor à propriedade, além de renderem, aos políticos, muitos votos nas eleições. Sobre a canalização de cursos d’água, a lógica predominante para os moradores era (e continua sendo) a do afastamento, uma vez que o lançamento de dejetos é feito diretamente neles. Não há interesse em saber qual o destino final dos dejetos e, portanto, coleta e tratamento de esgotos geralmente não são considerados serviços essenciais. Basta canalizar o córrego, esconder as “imundícies”, eliminar os odores e afastar ratos e mosquitos. Já para o poder público, a prática de canalizações, sobretudo a partir da década de 70, associava-se diretamente à abertura de novas avenidas de fundo de vale. Segundo Grostein (1998) 9, a política nacional de saneamento propôs linhas específicas de financiamento para as metrópoles enfrentarem a questão do saneamento básico na cidade. A grande meta era prover as grandes metrópoles com água encanada, com drenagem urbana e com rede de esgoto. A facilidade de acesso a financiamento para a área de saneamento fez com que a municipalidade, no caso de São Paulo, utilizasse como estratégia para a abertura de vias sempre associá-las às obras de saneamento. Assim, avenidas de fundos de vale foram sendo abertas de modo assistemático, sem nenhum plano de conjunto, e sem nenhuma diferenciação em termos de projeto, ou de solução de projeto, ou de reflexão em torno do que significa abrir vias metropolitanas, as diferentes possibilidades de projeto que isso traz, ou ainda as diferentes possibilidades de ocupação de fundo de vale.

54Para se ter uma noção de como a prática de retificações e tamponamentos de cursos d’agua se generalizou, Moroz-Caccia Gouveia (2010) aponta que, na bacia hidrográfica do Rio Tamanduateí, entre as décadas de 1950 e 2000, dos 662,5 Km da rede hidrográfica original, cerca de 176,9 Km de cursos d’água foram tamponados e 65,5 Km foram retificados.

Figura 9 – Intervenções na rede fluvial da Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí, até 2010.

Figura 9 – Intervenções na rede fluvial da Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí, até 2010.

Fonte: Moroz-Caccia Gouveia (2010)

Conclusões

55Através desse breve histórico da relação da cidade com seus cursos d’água, observa-se que quando esses já se encontravam comprometidos pelos despejos de lixo e lançamento de esgotos, passaram a ser vistos como obstáculos e transtornos. As inundações periódicas das várzeas, antes admiradas como um espetáculo da natureza, transformaram-se em focos de doenças. A impressão de segurança quando águas cercavam a colina, transforma-se em sensação de isolamento. Os homens deixaram de admirar a beleza dos meandros serpenteando, livres pelas várzeas. Resolveram endireitar os cursos fluviais e conquistar suas terras. Foi preciso, então, disciplinar as águas que divagavam pelas planícies, para que os rios corressem mais rápido e carregassem para longe as imundícies.

56Esse paradigma de “escoar a água o mais rápido possível” norteou por muito tempo, e ainda norteia os projetos técnicos de drenagem urbana, na maioria das cidades brasileiras e a adoção dessa prática encontrou respaldo na lógica de apropriação do espaço pela especulação imobiliária, na opção pelo transporte rodoviário urbano, e no clientelismo.

57Enquanto em outros países esse princípio passou a ser abandonado a partir da década de 70, nos países mais pobres, na mesma época, essa prática se tornou amplamente difundida. Vários países como Estados Unidos, Canadá, Japão, Alemanha e França, por exemplo, têm buscado soluções mais sustentáveis e desenvolvido “melhores práticas” de drenagem urbana. Essas soluções vão desde obras de pequeno porte, até outras de maiores extensões, que visam a renaturalização de sistemas fluviais e o restabelecimento do ciclo hidrológico natural.

  • 10 O projeto de autoria do engenheiro Sadalla Domingos, apresentado pela Secretaria Municipal do Verde (...)

58A Prefeitura do Município de São Paulo apresentou em 2005, como alternativa à instalação de “piscinões”, um projeto de renaturalização de rios e córregos10. O projeto previa a reabertura do Córrego do Itororó, num trecho de 3 Km, no canteiro central da Avenida 23 de Maio, através de pequenos reservatórios com seixos e quedas de água, e tratamento paisagístico. Tais reservatórios, durante as chuvas, conteriam a velocidade dos fluxos, minimizando as inundações no Vale do Anhangabaú. Comtemplava ainda intervenções na bacia do Ribeirão Anhangabaú (Ribeirão Saracura, Ribeirão Saracura- Mirim) e Rio Ipiranga. O projeto incluía ainda o saneamento da bacia, com 100% de coleta de esgoto e controle do lixo. Essas primeiras renaturalizações não seriam implantadas em áreas densamente ocupadas e, portanto, não implicariam em desapropriações. Teriam também um custo inferior à implantação de piscinões. (FOLGATO, 2006)

59O projeto foi alvo de uma série de questionamentos e críticas, e, até o momento, não há indícios de que venha a ser implantado. Mas caso um dia venha a ser, será um outro grande paradoxo: iniciar a renaturalização dos rios e córregos paulistanos pelo Ribeirão Anhangabaú e seus afluentes, coincidentemente, os primeiros a serem sacrificados em nome da urbanização.

Haut de page

Bibliographie

Amaral, A. B. do Dicionário de História de São Paulo. Coleção Paulística vol. XIX, São Paulo, 1980, 481p.

Bruno, E. S. História e Tradições da Cidade de São Paulo, Arraial dos Sertanistas (1554-1828), vol I. 4ª ed. Ed. Hucitec, São Paulo, 1991a.[1ª edição 1953], 437p.

Bruno, E. S. História e Tradições da Cidade de São Paulo, Burgo de Estudantes (1828-1872), vol II. 4ª ed. Ed. Hucitec, São Paulo, 1991b.[1ª edição 1953], 454p.

Bruno, E. S. História e Tradições da Cidade de São Paulo, Metrópole do Café (1828-1918), São Paulo de Agora (1919-1954) vol III. 4ª ed. Ed. Hucitec, São Paulo, 1991c. [1ªedição 1954], 652p.

Coy, M. A interação rio-cidade e a revitalização urbana: experiências europeias e perspectivas para a América Latina, Confins [Online], 18, 2013, disponível em <http://confins.revues.org/8384> acessado em 05 Agosto 2015.

EMPLASA - ESTADO DE SÃO PAULO/SNM/ Memória urbana: a grande São Paulo até 1940, São Paulo, 2001.

Folgato, M. Reabertura de córregos que correm sob grandes avenidas é alternativa à construção de piscinões. O Estado de São Paulo, 17 de abril de 2006, Cad. Metrópole: 23 de Maio terá córrego de novo, São Paulo, 2006.

Freitas, A. A. de Tradições e Reminiscências Paulistanas. Col. Paulística vol IX, Estado de São Paulo, 1978. [ 1ª edição 1921], 229p.

Jorge, J. Tietê: o rio que a cidade perdeu. São Paulo, 1890 – 1940, Ed. Alameda, São Paulo, 2006, 229p.

Kahtouni, S. Cidade das águas. São Carlos, Rima, 2004, 159p.

Martins, A. E. São Paulo antigo 1554-1910. Paz e Terra, São Paulo, 2003, [1ª ed. 1911], 548p

Moroz-Caccia Gouveia, I. C. Da originalidade do sítio urbano de São Paulo às formas antrópicas: aplicação da abordagem da Geomorfologia Antropogênica na Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí, na Região Metropolitana de São Paulo. Tese de Doutorado (Dep. de Geografia, FFLCH, Univ. de São Paulo), São Paulo, 2010, 363p.

Morse, R. De comunidade a metrópole: biografia de São Paulo, Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, São Paulo, 1954, 335 p.

PMSP/SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA/DPH Informativo do Arquivo Histórico Municipal Washington Luís - Número 5 - março-abril, 2006. Disponível em <http://www.arquiamigos.org.br/info/info05/index.html >. Acessado em novembro de 2009.

Porto, A. R. História Urbanística da Cidade de São Paulo (1554 a 1988). Ed. Carthago & Forte, São Paulo, 1992.

Queiroz, M. H. L. de & Somekh, N. A cidade comprometida: a questão ambiental e os planos de São Paulo, Cad. de Pós-Graduação em Arquit. e Urb., Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2003, v. 3, n. 1,p. 113-124.

Rolnik, R. São Paulo. Publifolha, São Paulo, 2003, 83 p.

SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Sabesp: 30 anos de saúde. DBA Artes Gráficas, São Paulo, 2003, 151 p.

Sant’Anna, D. B. Cidade das águas: usos de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901), Ed. Senac, São Paulo, 2007, 317p.

Taunay, A. de E. São Paulo nos primeiros anos: ensaios de reconstituição social; São Paulo no século XVI; história da vila piratiningana. Col. São Paulo, Ed Paz e Terra, 2004 [1ª ed. 1920/1921], 456p.

Toledo, B. L. A São Paulo de Militão Augusto de Azevedo por Benedito Lima de Toledo: visita guiada à sala dedicada ao fotógrafo na exposição São Paulo, 450 anos – A imagem e a memória da cidade no acervo do IMS. São Paulo: Inst. Moreira Salles, São Paulo, 2004.

Zagni, R. M. Uma Análise Iconográfica de São Paulo “Várzea do Carmo, c. 1862” Lab. De Estudos sobre a Intolerância – FFLCH/USP. São Paulo, 2004. 5p. in <http://www.rumoatolerancia.fflch.usp.br/files/active/0/Uma_analise_iconografica_de_Sao_Paulo.pdf>. Acessado em dezembro de 2008.

Zmitrowicz, W. As obras públicas de Engenharia e sua função na estruturação da cidade de São Paulo. Bol. Tec. 05/86 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Dep. de Eng. de Construção Civil), São Paulo, 1986, 29p.

Haut de page

Notes

1 PMSP/SMVA/SEMPLA Atlas Ambiental do Município de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em< http://atlasambiental.prefeitura.sp.gov.br>Acessado setembro em 2009

2 Sampaio, T. São Paulo no tempo de Anchieta, Escola Tipográfica Salesiana, São Paulo, 1897, pág. 34.

3 MORSE, Richard “De Comunidade à Metrópole: Biografia de São Paulo”, 1954.

4 Considerando ainda que, em 1890 a freguesia de São Bernardo foi elevada à categoria de município, o aumento populacional da cidade de São Paulo, é ainda mais significativo, uma vez que os dados contabilizados a partir de então não incorporam mais a população residente na extensa área que correspondia a São Bernardo.

5 Projetado pelo paisagista francês Paul Villon e inaugurado em 1892

6 Atuais ruas Carlos Gomes e Rodrigo Silva.

7 Praça da Liberdade

8 Segundo ZMITROWICZ (1986), a navegação no rio Tamanduateí foi suspensa em 1854, em virtude de intervenções que estavam sendo feitas (retificação e drenagem)

9 Entrevista concedida à Nina Ghellere Guimarães. Ponto (revista eletrônica), 1998. Disponível em: <xww.ponto.org/3/entrevistas.html>. Acessado em fevereiro de 2010.

10 O projeto de autoria do engenheiro Sadalla Domingos, apresentado pela Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Localização do município de São Paulo
Crédits Organização do autor
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-1.png
Fichier image/png, 36k
Titre Figura 2- Mapa hidrográfico do município de São Paulo
Crédits Fonte: Atlas Ambiental do Município de São Paulo, PMSP/SMVA/SEMPLA (2002)1
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-2.png
Fichier image/png, 293k
Titre Figura 3 - Mapa da Capitania de São Vicente e Adjacências - 1553-1597 com destaque para a trilha Tupiniquins entre São Vicente e São Paulo de Piratininga.
Crédits Fonte: http://www.novomilenio.inf.br/​santos/​mapa17a.htm#1927. Acesso em 31/07/2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-3.png
Fichier image/png, 1,4M
Titre Figura 4 - Entrada de São Paulo pelo caminho do Rio de Janeiro. Aquarela de Jean-Baptiste Debret, 1827.
Crédits Fonte: PMSP/SMC/DPH (2006)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-4.png
Fichier image/png, 241k
Titre Figura 5 – Mappa da Imperial Cidade de São Paulo para serviços geodésicos e hidráulicos (Carlos Rath,1855).
Légende Observam-se os represamentos para a formação de tanques utilizados para o abastecimento público.
Crédits Fonte: http://www.urbano.ifch.unicamp.br/​files/​4ddc11eaef8cd.jpg Acesso em 31/07/2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-5.png
Fichier image/png, 1,9M
Titre Figura 6 – Fragmento do Mapa da Geomorfologia Pré-urbana da Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí
Crédits Fonte: Moroz-Caccia Gouveia (2010)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-6.png
Fichier image/png, 338k
Titre Figura 7 – Planta da capital do estado de São Paulo (Jules Martin – 1890)
Crédits Fonte: http://www.arquiamigos.org.br/​info/​info20/​i-1890.htm. Acesso em 31/07/2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-7.png
Fichier image/png, 550k
Titre Figura 8 - Retificação do Rio Tamanduateí em 1914
Crédits Autor: sem referência. Fonte: http://saudadesampa.nafoto.net/​photo20070201230707.html Acesso em 31/07/2015
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-8.png
Fichier image/png, 757k
Titre Figura 9 – Intervenções na rede fluvial da Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí, até 2010.
Crédits Fonte: Moroz-Caccia Gouveia (2010)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10884/img-9.png
Fichier image/png, 53k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Isabel Cristina Moroz-Caccia Gouveia, « A cidade de São Paulo e seus rios: uma história repleta de paradoxos », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 16 juillet 2016, consulté le 20 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/10884 ; DOI : 10.4000/confins.10884

Haut de page

Auteur

Isabel Cristina Moroz-Caccia Gouveia

Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho – UNESP, ic.moroz@uol.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org