Navigation – Plan du site
Paraná: olhares sobre as regionalizações

Paraná: olhares sobre as regionalizações

Paraná: regards sur ses régionalisations
Paraná: looking at regionalizations
Omar Neto Fernandes Barros

Entrées d’index

Index géographique :

Paraná
Haut de page

Notes de la rédaction

Veja a seguir a nota " Artigos sobre o Paraná publicados na revista "

Texte intégral

1Um dos três Estados do Sul do Brasil, considerado, portanto em uma das regiões ricas do país. Apresenta Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,749, mas, possuí grandes disparidades. Curitiba, sua capital, tem um IDH de 0,823 enquanto Doutor Ulysses, o município em pior situação apresenta IDH de 0,546. Na zona central do Estado possui ainda IDHs próximos às regiões mais pobres do pais como parte do Nordeste e o Norte do Estado de Minas Gerais. O Estado do Paraná representa também um microcosmo do Brasil, como bem pode ser apreciado por alguns dos aspectos apresentados no artigo de introdução ao Dossiê Paraná intitulado “O Paraná No Brasil: uma contextualização em 13 imagens (e meia)”.

2Impulsionados por questões como reveladas pelos dados acima e por uma proposição apresentada durante a ministração da disciplina “Avaliações dos Territórios” no Departamento de Geografia da USP, ao Professor Hervé Théry foi proposto o desenvolvimento de um Atlas do Paraná. Imediatamente concordou com a proposição tendo em vista sua vasta produção e conhecimento na elaboração de Atlas. Entendeu, entretanto, que tal tarefa só teria sentindo se houvesse a participação de pesquisadores residentes no Estado do Paraná. Desse modo a equipe inicialmente formada por ele, buscou congregar professores-pesquisadores com experiência na elaboração de Atlas, análises regionais, conhecimento do território paranaense e expertise em tecnologia de informação. Ao longo das primeiras reuniões percebeu-se da dificuldade financeira de iniciar um projeto deste nível, com a participação de professores-pesquisadores de diferentes instituições. Logo surgiu a ideia de iniciar o projeto com a publicação de um Dossiê sobre o Paraná na revista Confins. O grupo que deu início aos estudos, teve a grata satisfação de receber colaboradores ao longo do processo; o que resultou na apresentação de seis artigos.

3A cartografia temática foi utilizada como instrumental para analisar as disparidades e dinâmicas (demográficas, econômicas, culturais) do Paraná, entretanto, foi dada total liberdade aos autores na elaboração cartográfica de seus temas, assim como, nas abordagens conceituais da Geografia. Os mapas foram realizados usando softwares de tratamento estatístico e de cartografia gratuitos ou de baixo custo para estudantes e professores, Philcarto (http: //philcarto.free.fr/), Cartes et Données (http:// www.articque.com/geocampus/), QGIS que é um Sistema de Informação Geográfica (SIG) amigável, livre licenciado sob a GNU-General Public License e, ArcGIS que é distribuído pela ESRI - Environmental Systems Research Institute (http://www.img.com.br/​). Para a arte final utilizou-se do Adobe Illustrator da Adobe Systems Incorporated e Paint (Paintbrush) do sistema operacional Windows da Microsoft.

4O encadeamento dos artigos embora tenha buscado uma apresentação lógica, não apresenta nenhuma preferência temática e/ou importância deliberada por parte dos autores ou, da Confins.

5É com base no cenário complexo estabelecido entre território e sociedade que o espaço paranaense é pensado neste dossiê, ao longo do qual são apresentados desafios e oportunidades à Geografia contemporânea do Estado do Paraná, ao abordar nos estudos de caso que se seguem: dinâmicas e disparidades sobre formação territorial do Estado; convivência campo-cidade; tensões entre preservação ambiental e uso do solo; relações entre agricultura familiar, agronegócio e trabalho; análise das recentes e pujantes cidades médias fundamentais à articulação regional.

6A partir dos estudos dos casos discutidos neste dossiê, a Geografia é apresentada como ciência que integra dimensões humanas e físicas de forma imbricada, não havendo separação entre uma ou outra abordagem, uma vez que se compreende a Ciência Geográfica enquanto campo epistemológico e metodológico produzido na interface entre ambas. 

71. No artigo introdutório de Hervé Théry (CNRS e Universidade de São Paulo), André Nagy (Sociólogo e pesquisador independente) e Raimundo Nonato Junior (Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO, hoje docente na UFRN em Natal), que abre o dossiê, o Estado do Paraná é apresentado no contexto brasileiro, analisando as disparidades e dinâmicas demográficas, econômicas, culturais que marcam o território em diversas áreas e contribuem fortemente na construção das identidades locais, regionais e nacional.

82. O artigo seguinte de Ricardo R. Monteiro da Universidade Federal do Paraná – Campus Litoral (UFPR), “A Cartografia Do Fenômeno Urbano No Paraná: Uma leitura Com Auxílio Da Semiótica enfoca o fenômeno urbano através da semiótica peirceana. Apresenta especial atenção ao fato que o chamado fundo de mapa não é algo neutro, pois possui enorme força de retórica. Desse modo, o autor adotou cinco fundos de mapas, incluindo quatro anamorfoses - representam os polígonos (de)formados ou (re)formados a partir de um valor territorial que ser quer destacar. Utilizando dados históricos e dos censos do IBGE as principais dinâmicas populacionais: espalhamento da ocupação, crescimento populacional, adensamento nas aglomerações urbanas e esvaziamento dos municípios foram abordadas. Dados de outras fontes, como REGIC, PIB, setores da economia, coeficiente de Gini dentre outros, foram acrescentados para ampliar a análise do fenômeno urbano.

93. Cláudio Roberto Bragueto e Luís Enrique da Silva, da Universidade Estadual de Londrina (UEL) atentam para as questões das desigualdades da industrialização do território paranaense no artigo Desigualdades Regionais Do Crescimento Industrial Do Estado do Paraná”. Utilizando-se as fontes base de dados do Ministério do Trabalho e Emprego (RAIS – Relação Anual de Informações Sociais) e coleta de dados estatísticos junto ao Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – IPARDES, as características territoriais, as distinções e disparidades industriais ao nível regional foram analisadas no período de 1990 a 2013. Conclui-se que as condições gerais de produção estabelecidas historicamente, a atratividade para o capital e a política de atração de investimentos do governo estadual, resultaram num desenvolvimento industrial polarizado entre as regiões paranaenses.

104. O tema eleições para o Senado foi abordado por Omar Neto Fernandes Barros (Professor Aposentado da Universidade Estadual de Londrina) e André Rodrigues Nagy (Sociólogo e Pesquisador Independente) no artigo Eleições Para O Senado No Paraná: Período 1994 – 2014. Utilizando-se da cartografia enquanto técnica de mapeamento e representação dos resultados eleitorais, mas também enquanto recurso de interpretação, pode-se compreender a produção dos espaços político-eleitorais entre 1994 e 2014 e, propor prognósticos para 2018. Uma regionalização preferencial dos votos em alguns candidatos foi revelada pelos principais resultados, assim como, a pouca variabilidade de candidatos no período estudado. Elementos de regionalizações como tipologia dos municípios do IBGE, Geografia do trabalho, auxiliaram nas interpretações dos principais resultados geoeleitorais.

115. A forte presença no Paraná de povos e comunidades tradicionais, com suas relações com o ambiente, território e cultura, colabora significativamente para a manutenção de Unidades de Conservação. No artigo Unidades de Conservação - territórios dos povos e comunidades tradicionais no Paraná: uma abordagem cartográfica ao estudo dos conflitos de uso no território, Marquiana de F. Vilas Boas Gomes, Raimundo Nonato Junior e Emerson Souza Gomes do Colégio Estadual Padre Chagas de Guarapuava, têm como objetivo estudar os possíveis conflitos de uso do solo, utilizando-se de cartografia da sobreposição das Unidades de Conservação e os territórios ocupados por esses povos e comunidades tradicionais. A exemplo de outros movimentos, demonstram que a Rede Puxirão dos Povos e Comunidades Tradicionais tem desenvolvido ações fundamentais nas conquistas de direitos dos povos, dentre eles aqueles relacionados à permanência destes nas Unidades de Conservação mas, conflitos entre atores locais e políticos sobre um mesmo território, manifestam os diferentes interesses na sociedade paranaense e, estabelece um embate entre o preservacionismo e a etnoconservação.

126. No artigo Risco De Alagamentos No Estado do Paraná: Análise Da Periculosidade E Vulnerabilidade”, Marcelo Gonçalves e Mirian Vizintim Fernandes Barros, ambos da Universidade Estadual de Londrina (UEL); seguindo um modelo conceitual de risco estudam os desastres naturais do tipo alagamentos no Paraná. Periculosidade e Vulnerabilidade, assim como indicadores e índices, foram conceitos chaves no estabelecimento do estudo. Para o mapeamento, visando a obtenção de um índice de risco síntese de desastres naturais aos alagamentos, um sistema de informações geográficas com banco de dados geográficos baseado em datasets foi desenvolvido no ArcGIS. Dados do SISDC (Sistema Eletrônico da Defesa Civil do Estado do Paraná) e do IBGE sobre infraestrutura, capital social, trabalho e renda foram essenciais para a metodologia adotada. Reforçando a definição de que os alagamentos são mais comuns em áreas com baixa declividade, urbanizadas e com incidência de chuvas intensas, os autores demonstram que alguns municípios das regiões metropolitanas de Curitiba, Londrina e Maringá, além de Foz do Iguaçu são especialmente atingidos por esse fenômeno. Nos dez anos de estudo (2003-2013), de um total de 3.363 ocorrências de desastres naturais no Estado do Paraná, 171 foram por alagamentos, afetando 115.000 pessoas.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Omar Neto Fernandes Barros, « Paraná: olhares sobre as regionalizações », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 28 juillet 2016, consulté le 26 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/10896

Haut de page

Auteur

Omar Neto Fernandes Barros

Universidade Estadual de Londrina, onbarros@uel.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org