Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

A seringueira agora é paulista

L'hévéa pousse maintenant à São Paulo
Rubber tree grows now in São Paulo
René Somain et Martine Droulers

Entrées d’index

Index géographique :

São Paulo, Amazônia
Haut de page

Texte intégral

Seringueiras no Estado de São PauloAfficher l’image
Crédits : ©Hervé Théry 2006

1Embora seja uma planta de origem amazônica, a parte do Brasil onde hoje mais crescem mais seringueiras não e mais a Amazônia, mas um conjunto formado pelo noroeste do Estado de São Paulo, o oeste do Triângulo Mineiro e o nordeste do Mato Grosso do Sul, região que alia ótimas condições climáticas, alta densidade demográfica e um grande mercado consumidor. Esta inversão que parece desafiar a noção de “vocação natural” tem causas agronômicas e econômicas.

Distribuição da produção

2Hoje, o Estado de São Paulo é o maior produtor nacional de borracha natural. De acordo com os dados da Produção agrícola municipal (PAM) publicados pelo IBGE, em 2014, para uma produção nacional de borracha de 320.649 toneladas, São Paulo contribuiu com 185.274 toneladas, ou seja, 58%, seguido pelos Estados da Bahia, com 48.482 t (15%), de Mato Grosso com 28.857 t, (9%), Minas Gerais com 22.916 t (7%), Goiás com 15.066 t (5%), e Espírito Santo com 11.458t t (4%).

Figura 1 Produção de borracha em 2014

Figura 1 Produção de borracha em 2014

Fonte: IBGE, Produção agrícola municipal (PAM)

3São Paulo é também o Estado que mais expandiu o plantio da seringueira, em 2014 eram 61.522 mil hectares destinados à cultura, um aumento de 116% em relação à área registrada em 2000 e 16 vezes a área de 1990. O avanço dos seringais no Estado se dá basicamente sobre as áreas de laranja e de pastagens degradadas. É uma boa alternativa porque, se o preço for bom, a borracha é muito rentável, de acordo com um produtor1: “A borracha é muito rentável. Um hectare gera, em média, 3 mil reais de lucro por ano. Por esse motivo, ela ajuda inclusive a segurar a expansão da cana”. A desvantagem, entretanto, é o tempo que a árvore leva para começar a produzir, cerca de seis anos. “Esse aspecto assusta um pouco os produtores que querem ingressar no segmento, mas quem apostou na cultura está muito satisfeito”.

Figura 2 Evolução da produção de borracha por Estado 1990-2014

Figura 2 Evolução da produção de borracha por Estado 1990-2014

Fonte: IBGE, Produção agrícola municipal (PAM)

Figura 3 Evolução da produção de borracha por microrregião 1990-2014

Figura 3 Evolução da produção de borracha por microrregião 1990-2014

Fonte: IBGE, Produção agrícola municipal (PAM)

História da seringueira em São Paulo

  • 2 Martinez, A. A. "Borracha: São Paulo é o maior produtor nacional", 2006, Hypertexto, http://www.inf (...)

4O crescimento da produção de borracha, graças à criação de plantações de seringueiras, é bem lembrado por Ângelo Artur Martinez, que participou dele e cujo artigo seguiremos para conta-la2.

  • 3 Introdução e Cultura da Seringueira no Estado de São Paulo, Luiz Procópio de A. Ferraz

5“A introdução da cultura da seringueira no Estado de São Paulo foi feita em 1917, depois de uma tentativa fracassada em 1915, pelo Cel. José Procópio de Araújo Ferraz, na Fazenda Santa Sofia, município de Gavião Peixoto (Araraquara) com sementes enviadas pelo Mal. Cândido Mariano da Silva Rondon, que ele colheu das seringueiras das serras do Jarú, no atual Estado de Rondônia3. Esta introdução deu origem à formação de algumas plantações no Estado e a grande maioria dos “cavalos” sobre os quais foram enxertados os clones distribuídos pelo Serviço de Expansão da Cultura da Seringueira.

6- Em 1941/42 o Instituto Agronômico de Campinas, IAC, deu início aos trabalhos de pesquisas com seringueira no Estado, efetuando o plantio de pequenos lotes nas Estações Experimentais de Campinas, Pindorama e Ribeirão Preto.

7- A partir de 1951, quando foi necessário importar borracha estrangeira para atender a demanda do nosso mercado interno, algumas indústrias de artefatos de borracha, tendo em vista as perspectivas futuras de novas importações de borracha, se unirem no sentido de colaborar com a pesquisa no estudo do aumento da produção de borracha no Estado, a preço baixo e mais próximo do Centro de Pesquisa.

8- Em princípios de 1956, a comissão de técnicos da Secretaria da Agricultura, criada em 23/12/55, para estudar as possibilidades do cultivo da Seringueira no Estado, apresenta um relatório final, no qual era traçado um programa de heveicultura em São Paulo. Em 20/11/1956 foi criado o Serviço de Expansão da Seringueira que, no ano seguinte, deu início ao programa de instalação de viveiros de mudas, através de contratos assinados com particulares cooperados, que, nesse primeiro ano, produziram pouco mais de 300.000 mudas enxertadas.

9- Em 1956, o Fundo de Fomento à Cultura da Seringueira firmou um acordo com o Escritório Técnico de Agricultura dos Estados Unidos. A partir desta época, o Serviço de Expansão da Seringueira pôde contar com a introdução de clones orientais, do Sudeste Asiático, enviados pelo Projeto ETA-50 ao Instituto Agronômico de Campinas, para a formação dos “jardins de clones” e enxertia dos “cavalos” dos viveiros de mudas dos cooperados. Durante os trabalhos desenvolvidos com a expansão da seringueira em São Paulo, os principais problemas encontrados foram o baixo pegamento das mudas distribuídas e o surto imprevisto da doença “mal Sul-americano das folhas”, causada pelo fungo Mycrocyclus ulei, no início de 1960.

10- Em meados dos anos 60, quando os seringais instalados com mudas distribuídas para plantio em 1959 começavam a apresentar um número razoável de árvores em condições de serem sangradas para a extração do seu látex começou um programa de treinamento das primeiras equipes de sangradores. Agora tinha chegado a hora da verdade, da cobrança: “Se a Secretaria da Agricultura mandou nós plantarmos seringueira, gostaríamos de saber se é viável a sua exploração comercial” perguntavam os agricultores. Geralmente, tratava-se de pequenos plantadores, com 600 a 1.500 árvores que, isoladamente, não tinham condições de encontrar no mercado todos os materiais necessários para a sangria, coleta e beneficiamento do látex.

11- Em meados de1967 foi implementado um programa de instalação de dez Centros-Piloto de Sangria e Preparo do Látex, que permitiu a compra de materiais que foram repassados, a preço de custo, para os primeiros heveicultores paulista das regiões agrícola de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Vale do Paraíba, Vale do Ribeira e Bauru. Desde então foi possível se fazer um controle diário do rendimento de látex e de borracha seca produzidos por árvore, da mão-de-obra utilizada e da evolução das sangrias durante o ano agrícola, com início no mês de setembro, até o seu termino, com suspensão das sangrias, no mês de julho.

12As primeiras borrachas produzidas foram prontamente absorvidas na própria região pelas indústrias de recauchutagem de pneus. Logo a seguir, com a entrada no mercado da Xetal (látex ao contrário), uma indústria de pequeno porte de São Roque, especializada na fabricação de artigos cirúrgicos e balões, a venda de borracha passou a ser feita na forma de látex puro conservado com amônia. O caminhão da Xetal passava pelas fazendas do interior do Estado, desde São Roque, perto da Capital, até Jales, descarregando os seus tambores de 200 litros vazios e carregando aqueles já cheios de látex puro, com mais de 70% de água.

13Desde então, tendo em vista os resultados econômicos obtidos nesses Centros-Piloto, os agricultores paulistas resolveram investir na seringueira por conta própria, como uma nova e promissora opção agrícola, muitas vezes em substituição de lavouras decadentes.  De acordo com a Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha, Apabor, até 2020, é previsto um plano ambicioso de ampliação da área plantada no Estado para 250 mil hectares – inteiramente custeado pela iniciativa privada, visando reduzir o nosso déficit entre a produção e o consumo de pelas nossas indústrias manufatureiras de borracha”.

Figura 4 Plantação de seringueiras no oeste do Estado de São Paulo

Figura 4 Plantação de seringueiras no oeste do Estado de São Paulo

©Hervé Théry 2006

A seringueira

14Embora seja uma planta de origem amazônica, o plantio de seringueiras em escala comercial é muito mais produtivo quando implantado em regiões que apresentam um período seco anual definido4. Para a saúde da planta é muito importante que não chova durante o período de refolha anual, que ocorre em agosto e setembro. Além disso, do ponto de vista operacional, seringais devem ser implantados próximos a cidades para haver disponibilidade de mão-de-obra para sua exploração. Do ponto de vista econômico, quanto mais próximo o seringal estiver ao mercado consumidor, maiores serão as vantagens competitivas no momento da venda da produção.

  • 5 Hevea brasiliensis (Seringueira), Giovana Beatriz Theodoro Marto, supervisão e orientação do Prof. (...)

15A seringueira5, pertencente ao gênero Hevea, da família Euphorbiaceae, que possui a Hevea brasiliensis como a espécie mais importante do gênero. É uma planta característica da floresta Amazônica, onde cresce nas margens de rios e em lugares inundáveis da mata de terra firme, em solos argilosos e férteis, mas trata-se de uma planta rústica, perene, adaptável a grande parte do território nacional, sendo uma espécie arbórea de rápido crescimento. Inicia aos 4 anos a produção de sementes e aos 6-7 anos a produção de látex (borracha). Para produção, o regime pluviométrico anual favorável varia entre 1300 a 3.000 mm, deve-se evitar o plantio em locais com temperatura média anual abaixo de 20 graus centígrados e umidade excessiva por proporcionarem condições ideais à incidência de doenças que limitam a cultura. A seringueira é planta exigente em propriedades físicas do solo, requerendo solos profundos, porosos, bem drenados, de textura argilosa e com boa retenção de umidade. As condições físico-hídricas são de extrema importância, considerando que a planta necessita retirar do solo uma grande quantidade de água para suportar uma produção de látex que chega a conter 68% de água.

Figura 5 Plantaçaão de seringueiras em Barro Alto (Goiás)

Figura 5 Plantaçaão de seringueiras em Barro Alto (Goiás)

©Hervé Théry 2016

16Entre as doenças que ocorrem na espécie, o “mal-das-folhas” é uma das mais conhecidas. É causada pelo fungo Microcylus ulei, e é o principal fator limitante à expansão da heiveicultura no Brasil, principalmente na região Norte do país. O dano maior é a queda prematura de folhas, podendo levar as plantas à morte.

17A produtividade média de borracha seca gira em torno de 1.000 kg/ha ao ano. A produtividade paulista está em torno de 1.300kg/ha/ano. Algumas regiões do Estado de São Paulo, que empregam alta tecnologia, podem chegar a 1.500kg/ ha/ano, superiores às médias da Tailândia (1.100kg/ ha/ano), da Indonésia (750kg/ha/ano) e da Malásia (1.000kg/ha/ano).

Panorama mundial

18O Brasil poderia ser o maior produtor de borracha do mundo mas ele importa 70% das suas necessidades, apesar de ser o berço desta árvore a sua participação na produção global não passa de 2%.  Com 95%, a Ásia detém praticamente o monopólio, a África produzindo o restante. De toda borracha importada pelo Brasil, aproximadamente, 50% são originários do continente asiático, a balança comercial dos produtos florestais (apesar de positiva, com o saldo de US$ 7,4 bilhões em 2014), sofre grande impacto da importação da borracha natural, correspondendo a 24%, em média (2006-2014), da importação de todos os produtos florestais.

Tabela 1 . Os principais produtores mundiais de borracha

Produção

Área

Rendimento

(Toneladas)

(Ha)

(T/ha)

Tailândia

3.863.000

2.420.800

1,60

Indonésia

3.107.544

3.555.800

0,87

Vietnam

949.100

548.095

1,73

Índia

900.000

442.000

2,04

China

864.806

685.900

1,26

Malásia

826.421

1.057.271

0,78

Costa de Marfim

289.563

135.000

2,14

Brasil

185.725

139.998

1,33

Myanmar

148.000

204.000

0,73

Nigéria

143.500

345.000

0,42

Sri Lanka

130.421

136.243

0,96

Filipinas

111.204

184.960

0,60

Guatemala

105.300

76.000

1,39

Libéria

63.000

76.000

0,83

Camarões

56.000

55.000

1,02

FAOSTAT 2016

19O déficit entre o que é produzido e consumido pelo país vem da Tailândia, Indonésia e Malásia. Uma ironia para o país que dispõe do maior volume de terras do mundo apto para o cultivo da borracha (cerca de 15 milhões de hectares). Ainda assim, as projeções mostram que em 2020 o consumo brasileiro será de 570 mil toneladas, ao passo que a produção deve se situar em 360 mil toneladas.

Figura 6 Plantação em Khai Si, Mueang Bueng Kan District, Tailândia

Figura 6 Plantação em Khai Si, Mueang Bueng Kan District, Tailândia

20Fonte: http://www.panoramio.com/​photo/​46293693, 18° 22' 32.91" N 103° 30' 3.82" E

Economia da borracha

  • 6 Indicadores econômicos da produção de borracha natural no Brasil, Camila Soares Braga, Silvicultura (...)

21A borracha natural, importante commodity agrícola, é considerada produto estratégico para a economia global6. Ela é essencial para a manufatura de artefatos usados na indústria pneumática e automotora, aviões e tratores agrícolas, além de utilizada na fabricação de pisos industriais, luvas e materiais cirúrgicos. A indústria pneumática consome 75% da produção mundial de borracha natural, a crescente demanda mundial por borracha natural e a diversidade da aplicação na indústria conferem o elevado grau de importância econômica da heveicultura. Ademais, a seringueira é ume ótima alternativa para a produção rural, por se tratar de uma atividade agrícola que, exceto pelo treinamento do sangrador, é de fácil condução. O setor que emprega uma pessoa por quatro hectares plantados e é responsável pela geração de 80 mil postos de trabalho no país. A safra da seringueira é de 10 meses e, mantidas as técnicas adequadas de manejo do plantio, produzirá látex por mais de 30 anos. Sua madeira também pode ser aproveitada, gerando renda para renovação do seringal.

22Isso indica sua importância para a segurança e qualidade de vida das pessoas, além do aspecto ambiental, ao contribuir para o cumprimento das metas brasileiras de redução de emissão de carbono, estipuladas por acordos internacionais. Em 2005, o Governo Federal incluiu na Política de Garantia de Preços Mínimos – PGPM a borracha natural para os produtores rurais e cooperativas. O preço mínimo é estabelecido para o coágulo, com 53% de DRC (dry rubber content), que representa o conteúdo de borracha seca. Quando o preço de mercado do produto está abaixo do valor de referência, o Governo Federal concede subvenção econômica denominada Prêmio Equalizador Pago ao Produtor – PEPRO.

23No entanto, a queda de preços do produto, observada nos últimos dois anos, tem forçado produtores a suspenderem a sangria das árvores, pois os sangradores, para compensarem a redução no lucro, exigiam mais de 55% da produção. Nas regiões mais afetadas, muitos heveicultores estão desestimulados a permanecer na atividade, suspendendo a sangria das árvores, ou como relatado por produtores do estado do Mato Grosso, substituindo a seringueira por outras culturas agrícolas mais rentáveis. A queda no preço da borracha natural é consequência da redução do consumo pelos principais países consumidores. A grande oferta mundial do produto e as altas produtividades dos países asiáticos e de alguns países africanos também têm contribuído para esse cenário. Com a redução do preço de mercado do coágulo, os sangradores estão exigindo reajuste no percentual de parceria com os produtores.

24Seria necessário estabelecer uma política de fomento e incentivos fiscais à produção nacional para a heveicultura se tornar competitiva com os principais produtores mundiais. Um aumento substancial não prejudicaria a indústria automobilística, o impacto sendo pequeno no preço final de um automóvel, o custo da borracha no valor de venda de um carro popular é aproximadamente 0,5%. Essas medidas em conjunto contribuiriam para, além da melhoria da remuneração do produtor, a fixação do homem no campo, gerando empregos e desenvolvimento rural, redução da dependência externa pelo produto e o impacto negativo na balança comercial brasileira.

Ameaças e soluções

25Fora os problemas de preço, o principal fator que ameaça as plantações paulistas (e mais geralmente brasileiras) de seringueiras continua sendo o o “mal-das-folhas” causada pelo Microcylus ulei. Pode ter, porém, esperanças deste lado.

  • 7 Franceses tentam acabar com praga que mata seringueiras no Brasil, Nathalie Brafman. Tradução: Jean (...)

26Há mais de quinze anos, os pesquisadores da firma francesa Michelin, em parceria com os seus colegas do Centro de Cooperação Internacional em Pesquisas para o Desenvolvimento (Cirad) vêm tentando desvendar o mistério do Microcyclus ulei7.  Em Igrapiúna, a plantação baiana do grupo francês não foi poupada pela praga, diferentemente daquela situada no Mato Grosso, uma região de clima mais seco.

27Desafiando todas as previsões, as plantações da Ásia não foram atingidas por esta epidemia. É uma sorte grande porque neste continente, 30 milhões de habitantes vivem desta cultura. Acima de tudo, a maior parte da sua produção, numa proporção de 85%, é garantida por pequenas unidades mantidas por famílias. Mas, cedo ou tarde, as doenças sempre acabam atravessando os oceanos, as montanhas e os desertos. “Portanto, é apenas uma questão de tempo”, afirma Gérard Bockiau, o diretor da plantação de Igrapiúna e na opinião de Carlos Mattos, o responsável da pesquisa e do desenvolvimento das plantações da Michelin na Bahia, “a questão não é mais descobrir se a praga atingirá a Ásia, mas sim, antes, quando ela se manifestará nesta região do mundo”.

28“Por muito tempo, nós acreditamos que seria possível apostar no desenvolvimento de uma planta totalmente resistente ao champignon. Mas estávamos equivocados”, explica Gérard Bockiau. Os pesquisadores percorriam então a floresta amazônica, traziam de volta seringueiras saudáveis, e então efetuavam enxertos em mudas jovens. Sem sucesso. O fungo acabava operando uma mutação e contaminava a seringueira enxertada. “Atualmente, nós estamos trabalhando numa planta capaz de coabitar com o Microcyclus ulei, sem que este represente um perigo para a sua integridade e a sua produção”, e eles desenvolveram uma árvore que, apesar de infectada, ainda assim produz látex.

29Desde 1993, 650 mil polinizações foram realizadas com o objetivo de obter variedades tão resistentes quanto possível (320 clones estão em fase de experimento). Mais de 300 variedades novas foram estudadas e objetos de experiências em pequena escala. Destas, treze foram então selecionadas, e três, muito resistentes, foram selecionadas para serem replantadas, em grande escala. Resta saber de que maneira essas novas seringueiras irão se comportar, no longo prazo e em grandes plantações a céu aberto. As árvores clonadas apresentam outra vantagem. Elas passam a produzir látex a partir de seis anos, ao passo que uma seringueira “normal” só pode ser “sangrada” depois de dez anos.

30Seria paradoxal se um dia – como é de se esperar – o fungo ataca as plantações asiáticas, cujas competição eliminou o Brasil do mercado mundial no início do século XX, seja deste país que venha a salvação no início do século XXI. E enquanto o Brasil sempre se queixou de que os Ingleses lhes tenham "roubado" a borracha, que sejam outros antigos imperialistas, os Franceses, que venham ajudá-los a superar o problema nascido de um aspecto negativo da biodiversidade amazônica, onde parasitas também são numerosos.

Haut de page

Bibliographie

APABOR - ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE PRODUTORES E BENEFICIADORES DE BORRACHA. Referência Apabor, http://www.apabor.org.br/. Acesso em: 27/10/2006

CUNHA,T.J.F.; BLANCANEAUX,P.; BRAZ,C.F.; SANTANA,C.C.A.F.; PINHEIRO,G.N.C.P; BEZERA,L.E.M. “Influência da diferenciação pedológica no desenvolvimento da seringueira no município de Oratórios, MG”, Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.35, p.145-155, 2000.

FERREIRA, A.J.L; ACHOUR, N.; SACCO, S.R.; FAVORETTO, J. R.; FERRARI, M.C. “Estudo de Viabilidade para Implantação de Seringal em Propriedade no Estado do Tocantins”, Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.6.2014,  http://fatecitapetininga.edu.br/perspectiva/pdf/artigo06_1.pdf>.

FRANSCISCO,V.L.F.S.; BUENO,C.R.F.; BAPTISTELLA,C.S.L. “A cultura da seringueira no Estado de São Paulo”, Informações Econômicas, SP, v.34, n.9, set. 2004.

GAMEIRO, Augusto Hauber. Análise das importações de borracha indica setores passíveis de investimentos, http://www.cepea.esalq.usp.br/comunicacao/Cepea_ import_borracha.pdf>.

GONÇALVES,P.S. “Recomendação de clones de seringueira para o Estado de São Paulo”, Ciclo de palestras sobre a heveicultura paulista, 1., 1998, Barretos, Secretaria de Agricultura e Abastecimento/Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha, 1999. p. 115-140.

GONÇALVES,P.S.; MARTINS,A.L.M; FURTADO,E.L.; SAMBUGARO,R.; OTTATI,E.L.; ORTOLANI,A.A.; JÚNIOR,G.G. “Desempenho de clones de seringueira de origem amazônica no planalto do Estado de São Paulo”, Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 36, n. 12, p. 1469-1477, dez. 2001.

HEVEA BRASIL, http://www.heveabrasil.com/?page=noticias. asp&newsid=0002

IAC - INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS. Programa Seringueira. 31/8/2004, http://www.iac.sp.gov.br/centros/centro_cafe/seringueira/programa seringuiera.htm. Acesso em: 24/10/2006

IAPAR - INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ. O Cultivo da Seringueira (Hevea spp.). Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. 22/11/2004, http://www.iapar.br/zip_pdf/cultsering.pdf. Acesso em: 24/10/2006

INSTITUTO AGRONÔMICO, http://www.iac.sp.gov.br/areasdepesquisa/ seringueira/usos.php

INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA,  http://www.iea.sp.gov.br/out/index.php

MARQUES,J.R. “Seringueira”, Transcrito do Jornal CEPLAC Notícias – 12/2000, http://www.ceplac.gov.br/radar/seringueira.htm.

MATSUNAGA, M. et al., “Metodologia de custo utilizada pelo IEA” Agricultura em São Paulo, São Paulo, v. 23, t. 1, p.123-139, 1976.

NETO, P.G.; GUGLIELMETTI, L.C. Heveicultura, a cultura da seringueira. 1ª edição. São José do Rio Preto: Graf sa, 2012. 344p.

VALE, S.M.L.R. Curso de administração rural para instrutores do SENAR, Universidade Federal de Viçosa, 2000.

Haut de page

Notes

1 Revista Globo Rural, Reportagens / edição 296 – junho 2010, http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,ERT149193-18283,00.html

2 Martinez, A. A. "Borracha: São Paulo é o maior produtor nacional", 2006, Hypertexto, http://www.infobibos.com/artigos/borracha/index.htm. Ângelo Artur Martinez, como funcionário da Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo, foi um dos responsáveis pelo projeto de implantação e consolidação da exploração comercial da cultura da Seringueira.

3 Introdução e Cultura da Seringueira no Estado de São Paulo, Luiz Procópio de A. Ferraz

4 Qual a melhor região para se plantar seringueiras no Brasil? http://www.heveatec.com.br/?pergunta=curabitur-ultricies-eros-ac-risus-vestibulum-ultricies

5 Hevea brasiliensis (Seringueira), Giovana Beatriz Theodoro Marto, supervisão e orientação do Prof. Luiz Ernesto George Barrichelo e do Eng. Paulo Henrique Müller, http://www.ipef.br/identificacao/hevea.brasiliensis.asp

6 Indicadores econômicos da produção de borracha natural no Brasil, Camila Soares Braga, Silvicultura e Agrossilvicultura, http://www.canaldoprodutor.com.br/comunicacao/artigos/artigo-tecnico-indicadores-economicos-da-producao-de-borracha-natural-no-brasil

7 Franceses tentam acabar com praga que mata seringueiras no Brasil, Nathalie Brafman. Tradução: Jean-Yves de Neufville, http://gvces.com.br/le-monde-franceses-tentam-acabar-com-praga-que-mata-seringueiras-no-brasil?locale=pt-br

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Produção de borracha em 2014
Crédits Fonte: IBGE, Produção agrícola municipal (PAM)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10906/img-1.png
Fichier image/png, 328k
Titre Figura 2 Evolução da produção de borracha por Estado 1990-2014
Crédits Fonte: IBGE, Produção agrícola municipal (PAM)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10906/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura 3 Evolução da produção de borracha por microrregião 1990-2014
Crédits Fonte: IBGE, Produção agrícola municipal (PAM)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10906/img-3.png
Fichier image/png, 141k
Titre Figura 4 Plantação de seringueiras no oeste do Estado de São Paulo
Crédits ©Hervé Théry 2006
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10906/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 1000k
Titre Figura 5 Plantaçaão de seringueiras em Barro Alto (Goiás)
Crédits ©Hervé Théry 2016
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10906/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 3,9M
Titre Figura 6 Plantação em Khai Si, Mueang Bueng Kan District, Tailândia
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10906/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 300k
Titre Figura 7 Economia da borracha
Crédits Fonte: http://revistagloborural.globo.com/​Revista/​Common/​0,,ERT149193-18283,00.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10906/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 55k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

René Somain et Martine Droulers, « A seringueira agora é paulista », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 18 juillet 2016, consulté le 20 février 2017. URL : http://confins.revues.org/10906 ; DOI : 10.4000/confins.10906

Haut de page

Auteurs

René Somain

Geógrafo, rene.somain@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Martine Droulers

CNRS-Université Sorbonne Nouvelle Paris 3, martine.droulers@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org