Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Viver (d)o mar. Narrativa visual da pesca tradicional em São Miguel do Gostoso – RN.

Vivre (de) la mer. Récit visuel de la pêche traditionnelle à São Miguel do Gostoso - RN.
Living (in) the sea visual narrative of traditional fisheries in São Miguel do Gostoso. - RN.
Sílvia Helena Zanirato

Résumés

Dans cet essai visuel est montrée l'activité d'une communauté de pêche traditionnelle à São Miguel do Gostoso, Rio Grande do Norte. Sont présentés en corrélation texte, des photographies recueillies sur le terrain qui sont disposés dans un récit visuel, dans le but de comprendre et d'expliquer le processus de travail des pêcheurs dans sa relation avec la mer.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

São Miguel do Gostoso

Índice de palavras-chaves :

Pesca de arrasto, comunidade tradicional, saberes.
Haut de page

Texte intégral

Na esquina do BrasilAfficher l’image
Crédits : ©Hervé Théry 2009

1Na “esquina do Brasil”, ou como gostam de dizer os nativos “onde o vento faz a curva”, aí está São Miguel do Gostoso. Pequeno município costeiro a pouco mais de cem quilômetros ao norte de Natal, no estado do Rio Grande do Norte. Gostoso, como é mais conhecido, tem praias de águas mornas e cristalinas, de onde se veem os recifes de corais e as dunas fixas. Até o final da década de 1980, era “exclusivamente uma vila de pescadores, caracterizada pelo seu modo de vida simples e baseada no manuseio quase exclusivo do ecossistema local” (ALMEIDA FILHO e MILLER, 2013, p. 5), mas não tardou a ser descoberta pelo turismo.

Imagem 1: Rua principal em São Miguel do Gostoso

Imagem 1: Rua principal em São Miguel do Gostoso

Fonte: Prefeitura Municipal São Miguel do Gostoso, 2016

  • 1 . São Miguel do Gostoso é o terceiro destino turístico mais visitado do Rio Grande do Norte (TAVEIR (...)

2O pequeno núcleo urbano recortado na imagem guarda aspectos de um Gostoso que dia a dia é transformado em um atrativo pelo empreendimento turístico. Hoje, com cerca de nove mil habitantes, o município se volta para o turismo de sol e praia, principal atividade a gerar renda1, seja por empregos diretos ou indiretos.

3O turismo está a transformar a cultura local, seguindo a tendência considerada por Françoise Choay de “excluir dele as populações locais ou não privilegiadas e, com elas, suas atividades tradicionais e modestamente cotidianas” (CHOAY, 2001, p.226).

4A pesca tradicional, iniciada há mais de 130 anos na região, é uma prática cultural que insiste em continuar presente em Gostoso e que desperta o olhar da pesquisadora, que procura documentar em imagens fixas a atividade pesqueira e explorar o potencial comunicativo da fotografia na expectativa de produzir um texto onde se correlacionem o textual e imagético. A preocupação é a de entender para recontar, no curto espaço de convívio na localidade, um ritual de pesca de arrasto, praticado pelos pescadores do local e que está em vias de desaparecer em concorrência com as atividades geradas pelo turismo.

5A fotografia é um recorte de nosso meio espacial; que não se limita ao campo visual que vemos, mas que encerra uma experiência que transcende o imediato, para colocar-se no campo da imaginação (ZANIRATO, 2005). Ciente disso, as imagens são entremeadas por textos escritos, com vistas a criar uma narrativa visual “amarrada por uma sequência de montagem” (GODOLPHIM, 1995). Isso não significa que se tome a imagem como mera ilustração do texto, nem que esse explique a imagem, mas sim que “ambos se complementam, concorrem para propiciar uma reflexão sobre os temas em questão” (GODOLPHIM, 1995, p. 169).

6O pescador tradicional aqui considerado é aquele que vive quase exclusivamente da pesca, trabalha sozinho ou conta com mão de obra familiar, não remunerada. Sua atividade depende dos ventos, das marés e dos recursos capturados que lhes dão o alimento do dia a dia. Seu espaço de atuação é a costa, pois a embarcação e a aparelhagem que emprega são limitadas (DIEGUES, 1973).

7Esse tipo de pescador não se define como alguém que vive da pescaria, mas sim alguém que domina, plenamente, “o controle de como pescar e do que pescar, em suma, o controle da arte de pesca” (DIEGUES, 1983, p. 193). Sem isso, não se faz pescador.

8Sua atividade é considerada um saber tradicional, passado de pai para filho pela oralidade e pelas práticas do cotidiano e um dos “tesouros da humanidade” (UNESCO, 1989). Seus conhecimentos são considerados em risco de desaparecimento, em função de novas técnicas que acompanham o ritmo da modernização. A proteção desse saber se faz na expectativa de que as comunidades portadoras da tradição possam continuar transmitindo-as às novas gerações.

9As atividades aqui contempladas faze parte da cultura tradicional e popular, ou seja, do “conjunto de criações que emanam de uma comunidade cultural, fundadas sobre a tradição, expressas por um grupo ou por indivíduos” e que importa ser identificada e registrada (UNESCO, 1989).

10Ao escolher a correlação texto imagem para apresentar essa cultura busca-se a divulgação de aspectos desse ritual e a investir na salvaguarda da manifestação da diversidade cultural.

O ritual da pesca

11Na praia de Tourinhos, uma das mais bonitas e menos ocupadas pelo turismo em São Miguel do Gostoso, a comunidade de pescadores ainda consegue manter um ritmo de trabalho regulado pelo tempo natural. Os movimentos do nascer e por do sol, o voar dos pássaros, a distribuição das nuvens, a direção e força dos ventos indicam os momentos de sair mar afora e de recolher a embarcação.

12Logo pela manhã, com jangadas e paquetes movidos a remo, os pescadores saem para pescar. A embarcação é simples, feita de tábua; a técnica é a de rede de arrasto, apoiada em “conhecimentos náuticos e pesqueiros ancestrais sobre a profundidade do mar e sobre rotas para encontrar pontos de pesca e retornar à praia” (WELINGTON e RAMALHO, 2015, p130). A equipe é pequena, o “Mestre” – chefe da tripulação, conhecedor da embarcação e da localização de cardumes, o “Meeiro” – ajudante do mestre, que recolhe a rede e separa os pescados; e o “Piloto” – quem conduz a embarcação até o ponto indicado pelo “Mestre”.

Imagem 2. O preparo para a pesca

Imagem 2. O preparo para a pesca

13Mestre, meeiro e piloto ajeitam a rede e os apetrechos na jangada. Crianças ocupam a ponta da embarcação.

14A tela da rede é feita com fios de nylon, mede cerca de 40 metros de cumprimento por 3 de largura e tem duas longas cordas atadas às extremidades. Pequenos cilindros de chumbo se distribuem pelas bordas da rede para permitir que a mesma afunde, cilindros em isopor são presos às bordas para fazer parte da rede boiar ao ser lançada ao mar.

15Terminada a acomodação da rede na canoa, as crianças, que até então acompanharam o trabalho, se afastam para a praia. É chegada a hora de partir para a água.

Imagem 3. A saída para o mar

Imagem 3. A saída para o mar

Fonte: acervo da autora, 2011.

16A jangada é colocada na água, o Mestre fica em pé, na ponta da embarcação, direcionando a remada e orientando o piloto para a hora da soltura da rede na água. Uma das pontas da rede fica na praia, para ser segura pelo meeiro ou outro pescador.

17A embarcação se desloca e a rede é lançada. A jangada é manobrada até que a rede faça uma meia circunferência para cercar o cardume. O movimento leva a rede a se fechar em forma de um U, de modo a encurralar os peixes e forçá-los a entrar no cerco. Terminada a abertura, a embarcação inicia o retorno à margem.

18O pescador que ficou em terra, mantém o cabo seguro durante todo o tempo em que a jangada está na água.

Imagem 4. Pescador segura um dos cabos

Imagem 4. Pescador segura um dos cabos

19Outra ponta do cabo seguiu na jangada. Para garantir a forma semicircular, a jangada atraca metros distante do ponto de saída. O cerco está feito e pode começar o arrastão, sempre orientando pelo Mestre.

Imagem 5. Início da puxada da rede

Imagem 5. Início da puxada da rede

20Quatro a cinco homens puxam cada extremidade da rede. Outros pescadores que aguardam sua vez de sair ao mar, se juntam na puxada.

Imagem 6. Mais pescadores se juntam à puxada

Imagem 6. Mais pescadores se juntam à puxada

Fonte: acervo da autora, 2011.

21As crianças que estiveram à espera na praia entram no arrasto.

Imagem 7. A rede é trazida à praia

Imagem 7. A rede é trazida à praia

22O pescado é separado das algas e outros compostos. Os peixes capturados são: pescada, bagre, sarda, peixe-voador, coró, serra, tibiro, agulha-preta. O produto da pesca é separado em caixas, conforme o tamanho e o valor do pescado. O Mestre e o Meeiro examinam os peixes capturados e orientam a distribuição.

Imagem 8. O separo do pescado

Imagem 8. O separo do pescado

23Retirado tudo da malha, é chegada a hora de dividir a coleta. Em geral 50% ou mais fica com o dono da embarcação, não só por ser o proprietário mas também porque arca com as despesas que porventura a jangada venha a ter (ALMEIDA FILHO e MILLER, 2013). O que sobra é dividido entre os trabalhadores daquele turno.

24Uma parte fica para a comemoração da pesca, ali mesmo, na praia. Os pescadores se reúnem em uma barraca ao redor de uma fogueira e assam o pescado e comem e bebem e contam causos sobre o mar, os desafios enfrentados, o peixe perdido, a proteção divina. Os laços de pertencimento se reforçam nesse ritual.

Imagem 9. A comemoração diária

Imagem 9. A comemoração diária

25Ao final, retornam para suas casas. A fogueira mal apagada deixa os troncos ainda queimando até se consumirem e parecem dizer à fotógrafa que emoldura aspectos do cotidiano dos pescadores: não tem problema, amanhã a rotina se repete.

Haut de page

Bibliographie

ALMEIDA FILHO, Paulo G. de e MILLER, Francisca de S. “Agora nós vamos invadir sua praia”: uma etnografia do turismo em São Miguel do Gostoso/RNIV Reunião Equatorial de Antropologia e XIII Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste. 04 a 07 de Agosto de 2013, Fortaleza-CE.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade/Ed.Unesp, 2001.

DIEGUES, Antonio C. Pesca e marginalização no litoral paulista (dissertação de mestrado). NUPAUB/CEMAR. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1973.

DIEGUES, Antonio C. 1983. Pescadores, Camponeses e Trabalhadores do Mar. São Paulo. Ed. Ática, 287 p.

GODOLPHIM, Nuno. A fotografia como recurso narrativo: problemas sobre a apropriação da imagem enquanto mensagem antropológica. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 161-185, jul./set. 1995.

SÃO MIGUEL DO GOSTOSO. Prefeitura Municipal. Disponível em http://prefeituradogostoso.blogspot.com.br/. Acesso em 15 de março de 2016.

TAVEIRA. Marcelo da S. A turistificação de São Miguel do Gostoso: a internacionalização da “cidade dos ventos. TURyDES, Vol 8, Nº 19 (diciembre / dezembro 2015).

UNESCO. Recomendação sobre a Salvaguarda da Cultura e Tradição Popular. Paris, 1989, Disponível em

WELLINGTON, Cristiano e RAMALHO, Noberto. Jangadas e jangadeiros: presença histórica de uma cultura marítima. In Winifred Knox, Aline Trigueiro(orgs.). Saberes, narrativas e conflitos na pesca artesanal. - Vitória: EDUFES, 2015. 229 p.

ZANIRATO, Silvia H. A fotografia de imprensa: Modos de ler. In: Pelegrini, Sandra de C. A; Zanirato, Silvia H. (Org.). As dimensões da imagem: abordagens teóricas e metodológicas. Maringá: Eduem, 2005.

Haut de page

Notes

1 . São Miguel do Gostoso é o terceiro destino turístico mais visitado do Rio Grande do Norte (TAVEIRA, 2015).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Imagem 1: Rua principal em São Miguel do Gostoso
Crédits Fonte: Prefeitura Municipal São Miguel do Gostoso, 2016
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Imagem 2. O preparo para a pesca
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 336k
Titre Imagem 3. A saída para o mar
Crédits Fonte: acervo da autora, 2011.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
Titre Imagem 4. Pescador segura um dos cabos
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 708k
Titre Imagem 5. Início da puxada da rede
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 692k
Titre Imagem 6. Mais pescadores se juntam à puxada
Crédits Fonte: acervo da autora, 2011.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 724k
Titre Imagem 7. A rede é trazida à praia
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 512k
Titre Imagem 8. O separo do pescado
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 524k
Titre Imagem 9. A comemoração diária
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10908/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 700k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sílvia Helena Zanirato, « Viver (d)o mar. Narrativa visual da pesca tradicional em São Miguel do Gostoso – RN.  », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 18 juillet 2016, consulté le 19 février 2017. URL : http://confins.revues.org/10908 ; DOI : 10.4000/confins.10908

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org