Navigation – Plan du site
Paraná: olhares sobre as regionalizações

A cartografia do fenômeno urbano e econômico no Paraná: uma leitura com auxílio da semiótica

La cartographie du phénomène urbain au Paraná: une lecture à partir de la sémiotique
Cartography of urban phenomenon in Paraná: a reading with aid of semeiotics
Ricardo Rodrigues Monteiro

Résumés

Ce document présente un récit du phénomène urbain au Paraná de 1872 à 2010 à partir de la cartographie et de la sémiotique de Peirce. Nous avons utilisé les données historiques de l'IBGE (Institut Brésilien de Géographie et Statistique) pour illustrer onze moments qui montrent les grandes dynamiques de la population: répartition de l'occupation, croissance de la population, augmentation de la densité dans les zones urbaines et diminution de la population dans approximativement la moitié des communes. Ont été élaborées six cartes du recensement de 1960 à 2010 pour étudier les changements quantitatifs de la population enregistrée comme urbaine et rurale.

Il a été ajouté aussi des cartes faites avec les données du REGIC 2007 (Réseau d'Influence des Villes), du PIB, du nombre de personnes occupées dans les principaux secteurs de l'économie, de la variation de la population de 1991 à 2010, des mésoregions de l'IBGE, du démembrement des communes, de l'analphabétisme, du taux de dépendance, du coefficient de Gini, de la pauvreté, entre autres, pour faciliter l'analyse du phénomène urbain. Il a été experimenté cinq fonds de cartes, y compris quatre cartogrammes (Population 2010, PIB 2012, anticartogramme et d'équivalence visuelle) pour présenter les signes cartographiques plus évolués, ou des signes représentant leurs territoires avec une plus grande conformité à la réalité. La sémiotique de Peirce a été présentée d'une manière introductive En tout, ont été élaborées 37 cartes qui révèlent des aspects importants pour l'étude des phénomènes associés au phénomène urbain

Haut de page

Texte intégral

1A representação gráfica a partir da análise dos fenômenos geográficos foi bastante trabalhada por Fonseca (2004, p.225), a qual destacou que muitos fenômenos são mal representados no mapa. O lógico e filósofo estadunidense Charles Sanders Peirce (1839-1914) rebatizou em sua obra a fenomenologia com o nome de faneroscopia. O fâneron, em sua concepção, é a totalidade presente numa mente qualquer num dado instante qualquer (Romanini, 2006, p.127). A natureza da cartografia é representacional, e assim congrega os três elementos da tríade semiótica: signo, objeto e interpretante (S-O-I). A representação tem o poder de criar fatos reais. Enquanto signo, a cartografia é incompleta em representar o espaço geográfico. A natureza de incompletude do signo o lança em processo contínuo de evolução, sempre procurando aperfeiçoar a forma como representa seu objeto. Enquanto efeito prático, a cartografia modifica a concretude do mundo real através dos efeitos retóricos da representação. A semiose, ou ação do signo, tem como finalidade a produção de hábitos que servirão como princípios-guia às ações futuras. Fonseca e Oliva (2013, p.40) estão certos em afirmar que os mapas não apenas criam visões de mundo mas também criam mundos. Se a cartografia representa ou não seu objeto em conformidade com a realidade é uma questão para a lógica formal, a qual avalia a verdade ou falsidade nas representações.

  • 1 http://philcarto.free.fr/;
  • 2 http://www.articque.com/solutions/cartes-et-donnees/;

2Neste trabalho utilizamos software livre de cartografia (Philcarto1) e para editor de texto e planilha eletrônica (LibreOffice) e software livre ou com versão acessível a estudantes (Cartes & Données2).

Semiótica e Cartografia

3A análise dos dados não pode ser realizada sem antes uma compreensão semiótica do valor lógico dos termos empregados na comunicação, principalmente os conceitos: população, urbano e Paraná, em um contexto espaciotemporal e para cada conjunto de pessoas que compartilham hábitos de interpretação mais ou menos próximos. A esse conjunto de pessoas Peirce denomina Comunidade de Interpretantes. Comunidade, no sentido de que comungam, compartilham hábitos em relação à interpretação de determinados termos lógicos. Evidentemente, o termo lógico “Paraná”, em 2015, não tem o mesmo valor do termo de 1872. E mesmo em relação ao mesmo período, várias distinções de interpretações poderão ser registradas em localidades diferentes e até na mesma localidade. Há aproximações de interpretação, em cada comunidade, mas não há uniformidade em todas as formas possíveis de interpretação.

4O termo lógico populacão é igualmente intrigante. O registro histórico de 1872, por exemplo, classificava a população em total, livre e escrava. Entretanto, não se sabe bem ao certo (ou se sabe) até que ponto os índios, os mamelucos, os caiçaras, os andarilhos e outros viventes, eram contemplados nos recenseamentos. Os dados de 1872 representam um interior despovoado - apenas 29.265 habitantes no interior do PR, em Castro e Guarapuava. Em que medida essa representação é coerente com a realidade? Até que ponto essa proposição é verdadeira ou falsa? São questões que devem ser tratadas no campo formal da semiótica, um outro nome que Peirce deu à sua lógica.

5Também em relação aos desmembramentos de municípios, a análise deve ser realizada com bastante cuidado, evidentemente pela “migração” dos dados, de um recipiente ao outro, assim como no caso da mudança de categoria de “rural” para “urbano”, ou vice-versa. A cartografia deve considerar essas mudanças. Para Peirce, o universo é um contínuo de coisas interconectadas. Uma ocorrência hic et nunc (aqui e agora) é uma ruptura no contínuo espaçotemporal. A partir de uma coleção de ocorrências é possível abstrair os princípios operatórios da natureza que atuam nos fenômenos, em suas manifestações singulares. De uma certa forma, urbano e rural são nomes (termos lógicos) que criamos - por convenção - para aplicar a coisas que consideramos reais. São generalizações (terceiridade) a partir de ocorrências singulares (segundidade). Explicaremos essas classificações peircianas no decorrer desse trabalho. Por hora, e considerando a incompletude de qualquer signo, convém perguntar: até que ponto o signo cartográfico representa o seu objeto com correspondência à realidade? Essa é uma questão semiótica e cartográfica, para a qual tentaremos pontuar alguns assuntos introdutórios nesse trabalho, e aprofundá-los no trabalho seguinte.

6Em relação ao termo lógico “urbano”, a questão é ainda mais complexa, pois envolve o critério empregado na classificação. Com efeito, em relação aos dados disponíveis, nominar um recorte de espaço como urbano é dizer que essa é a classificação lhe atribuída pela autoridade (lei de perímetro urbano, zoneamento, IBGE). Os alertas que fazemos são para aclarar que, ao longo desse trabalho, tanto os dados populacionais quanto os urbanos, atribuídos ao recorte espaçotemporal denominado Paraná, serão representados por meio da cartografia conforme a classificação oficial do IBGE.

Qual fundo de mapa utilizar?

7Fonseca e Oliva (2013, p.62-64) apontam, de maneira pragmaticista, que o “modelo de mapa que herdamos está enrijecido e naturalizado, na contramão da própria realidade que nos cerca; [...] o principal aspecto desse enrijecimento é o chamado fundo de mapa, que na condição de bastidor de um mapa tem seu papel comunicativo pouco notado”. Entretanto, como advertem os autores, o fundo de mapa não é algo neutro, pois possui imensa força de retórica.

Uma abordagem semiótica sobre o fundo de mapa

8Um aprofundamento maior da análise semiótica da cartografia já está em fase de finalização e será publicado em seguida à publicação deste trabalho. Por hora, é necessário apresentar alguns conceitos basilares sobre a questão. Para Peirce, o signo é algo (um meio) que se desenvolve em outro signo, o qual pode ser mais evoluído, e portanto - no caso da cartografia - em melhores condições de representar o espaço geográfico.

  • 3 Utilizaremos nesse trabalho o termo pragmaticismo, nome que Peirce escolheu para rebatizar o pragma (...)

9O campo pragmaticista3 e semiótico de Peirce permite lançar luz sobre o espaço geográfico a partir da análise dos fenômenos, os quais podem ser explicados conforme três categorias universais que ele nominou: Primeiridade (o universo das qualidades, dos sentimentos, do acaso, da indeterminação, presentidade, frescor, imediaticidade), Segundidade (o universo da reação, da força bruta, da existência, do conflito, do hic et nunc - aqui e agora) e Terceiridade (o universo da mediação, do contínuo, da inteligência e do propósito, da generalidade e representação) (Romanini, 2006, p.29; Santaella, 1995, p.18).

10Por essa concepção, a semiótica peirciana é subdividida em várias tricotomias. O signo é uma relação de três correlatos. No primeiro, o signo pode ser monádico (quali-signo), um objeto ou evento singular (sin-signo) ou um tipo de lei governando suas réplicas (legi-signo). No segundo correlato, que considera a relação do signo com seu objeto, os signos podem ser ícones, índices ou símbolos. No terceiro correlato os signos podem ser remas (termos lógicos), dici-signos (proposições) ou argumentos (silogismo ou inferência) (Romanini, 2006, p.44).

  • 4 Peirce uriliza o termo degenerado não em tom depreciativo, mas para indicar um grau de geração ante (...)

11Uma das mais conhecidas (ou mal-entendidas) categoria é bastante útil para a análise da cartografia, pois trata da relação entre o signo e o objeto (S-O): ícone (primeiridade), índice (segundidade) ou símbolo (terceiridade). Em síntese, o ícone evoca a ideia de seu objeto por ter algo em si que lhe é semelhante: forma, cor, tamanho, timbre, som, cheiro, etc. O índice o faz por ter com o objeto uma relação de existência material e concreta, ou contiguidade (conexão) espacial. Peirce ainda cassifica uma outra espécie de índice, de um grau menor (degenerado4), ou não genuíno, o qual indica o objeto por referência, tal como o dedo apontando, o caminhar cambaleante (índice de marinheiro), a direção do vento pela biruta ou os pronomes. O símbolo, por sua vez, possuindo constituição triádica, evoca o objeto por força de uma convenção, norma, regra ou lei social.

  • 5 Na semiótica peirciana, tanto signo, objeto ou interpretante são de natureza sígnica;
  • 6 Conforme convenção internacional para a citação de Peirce - CP - Collected Papers of Charles Sander (...)

12Para Peirce, a categoria da Segundidade é o modo de ser enquanto existência real aqui e agora (hic et nunc), conflito, onde cada ser age e constitui laços em relação aos demais, e vice-versa, ou seja, os seres reagem e relacionam-se entre si. Isso é possível por meio de signos indiciais genuínos (índices) tais como a onda mecânica das nossas falas, as ondas eletromagnéticas das luzes refletidas por nossos corpos, nossos odores e os odores das pedras, da terra, dos demais seres, o tato e o paladar. Essas são representações provenientes de signos que veiculam informação emanada – diretamente ou refeletida - dos próprios objetos5. Para Peirce, “qualquer coisa que chama atenção é um índice” (CP 2.2856). Sem os índices genuínos extraterrestres, nem a cartografia, a topografia e a geodésia seriam possíveis. É a existências dos outros que nos permite localizar-nos em relação ao universo. É urgente lembrar que não foi a cartografia que tornou possível as navegações. Foi justamente o contrário. Não só as navegações, mas os deslocamentos humanos em geral tornaram possível a coleta de índices genuínos em várias partes do globo terrestre, e consequentemente as generalizações representacionais presentes nas nossas cosmogonias. O mundo, como o conhecemos, é o somatório de hábitos de construções representacionais.

Legi-signo Cartográfico

13É essencial entender o legi-signo para abordar o fundo de mapa. Na definição de Peirce, o legi-signo é um signo que é uma lei, regra ou convenção, mas não necessariamente um produto da mente humana. Pode ser um conceito na mente de um ser humano, mas também um hábito que regula comportamentos convencionais de muitas espécies vivas (Romanini, 2006, p.99). O que o faz agir como tal é sua tendencialidade, isto é, o legi-signo tende a gerar o mesmo interpretante ou interpretantes semanticamente correlatos. Isto porque a natureza da lei é de funcionar como mediação pela qual ocorrências particulares se conformarão à generalização imposta pela lei. O poder da lei é o de governar particulares (Santaella, 1995, p.138).

14Nas projeções cartográficas, em geral, pode-se considerar que os particulares são objetos que ocupam lugar no espaço, em geral, superfícies de terras emersas e territórios representadas por meio de polígonos. Destarte, os aspectos de cada polígono serão imposto pela projeção cartográfica - o legi-signo. A Projeção cartográfica define os aspectos essenciais para a leitura do mapa, em especial os aspectos topológicos das figuras: tamanho, direção, inclinação e posição em relação ao mapa ou posição e rotação em relação às demais figuras. A sintaxe dos elementos permite várias proposições cartográficas.

  • 7 A Quincuncial Projection of the Sphere; C. S. Peirce; American Journal of Mathematics Vol. 2, No. 4 (...)

15Há infinitas maneiras de se representar o globo terrestre, mas cada uma tem sua carga de intencionalidade, mesmo as que são consideradas “neutras”. Peirce denomina essa intenção representativa de interpretante intencional. Por exemplo, na Projeção UTM, o mapa fabricado resolve uma série de questões práticas, mas também constrói um mundo bastante conveniente para a Europa, que aparece no centro e com tamanho bem maior do que realmente é. A projeção de Peters diminui as distorções nas zonas próximas aos polos, e o resultado é uma Europa mais modesta e periférica. A projeção Quincuncial de Peirce7 (1879) e a Dymaxion de Buckmister Fuller, com efeito, subvertem a ordem cartográfica preestabelecida e proporcionam estranhamento salutar, pois permitem a representação sem descontinuidade da interconexão dos fluxos do Pacífico. Nenhuma delas é um signo perfeito. Todas constituem narrativas retóricas representativas com o poder de criar fatos reais, mas a experiência que elas proporcionam permite que o signo cartográfico evolua.

Anamorfoses

16Além das diferentes projeções cartográficas, outra transformação espacial do fundo do mapa são as anamorfoses, as quais representam os polígonos (de)formados ou (re)formados a partir de um valor territorial que ser quer destacar. O mapa pode ser considerado um modelo icônico [ícone] e representacional, ao mesmo tempo em que um modelo conceitual [símbolo], próximo da essência do mundo real (Board, 1967 e 1983, apud Cauvin, 1995; grifos nossos). Transformar significa ir além da forma. A natureza geométrica do fenômeno é um dos princípios essenciais da escolha do sistema de projeção. As projeções cartográficas são anamorfoses. A imagem cartográfica tem poder comunicativo, ou peso visual, especialmente decorrente do tamanho das superfícies do mapa (Cauvin, 1995, p.273;275).

17No modo convencional de representação cartográfica, o fundo de mapa é um signo que procura representar os objetos espaciais do território por semelhança (ícone), referência espacial (índice) ou convenção (símbolo). Por exemplo, em um polígono que representa um município, as coordenadas geográficas de cada aresta são índices (não genuínos) dos objetos espaciais reais no território, e o próprio polígono (ainda que deformado em razão da projeção) é um ícone do território, ou seja, é semelhante ao que veria um obervador à altitude adequada, tal como viram os astronautas em missões.

18Na anamorfose, entretanto, essa correlação espacial com os objetos físicos é alterada (sacrificada); as arestas dos polígonos movimentam-se e, portanto, perdem suas georreferências, na medida em que os polígonos transformam-se (deformam-se, reformam-se) para projetar (pôr em tela) outros aspectos do território. Enquanto na representação convencional (de um recorte regional!) o tamanho dos polígonos é proporcional às áreas, na anamorfose é proporcional à quantidade que se quer destacar: população total, PIB, produção agropecuária, etc.

19Certamente, a matriz do planisfério de Mercator e muito derivados reproduzem a lógica do peso visual da superfície territorial. Isso não significa dizer que uma forma de representação é preferível à outra. Ao contrário, ambas representações são complementares e, em conjunto, podem produzir signos mais desenvolvidos, ou seja, signos que representem cada vez melhor seus objetos dinâmicos. Entretanto, há que se reconhecer que a anamorfose gera tensão e exige esforço, pois propõe mudança nos hábitos e costumes, tanto de leitores quanto de produtores-leitores de mapas. Não raras vezes ela subverte a terceiridade cartográfica preestabelecida, abalando as crenças, gerando irritação e, destarte, provocando posições reacionárias.

20Porém, tanto a mudança nas projeções quanto as anamorfoses produzem alterações no legi-signo cartográfico, permitindo novas cognições e fomentando o debate e as discussões na busca da verdade. Por mais que Atlas, por força de interesses ou hábitos, fabrique mundos deformados, a luz do entendimento enfim será projetada sobre as mentes e os signos cartográficos evoluirão, inevitavelmente, procurando representar, cada vez melhor, os territórios.

Os Fundos de Mapa Experimentados

21Neste trabalho experimentou-se cinco fundos de mapas que proporcionaram diferentes e complementares maneiras de representação dos dados (Fig. 1). O primeiro deles (1) é o fundo de mapa usual, essencialmente euclidiano, pois confere o peso visual dos objetos conforme a quantidade de área (superfície) dos municípios. Entretanto, no mundo contemporâneo em que vivemos, a distância já não exerce mais a força de antigamente, quando a transferência de informação ocorria consoante à transferência de matéria e os caminhos eram percorridos à custa dos ventos ou da tração animal. Atualmente, a percepção do espaçotempo foi alterada pela implantação da rede satelital de telesinais e pela evolução dos meios de transportes.

22No fundo em anamorfose (2) representou-se o tamanho dos polígonos de forma equivalente, com praticamente o mesmo peso visual; mas a relevância das aglomerações urbanas que exercem as maiores atrações gravitacionais ficou despercebida entre os dados, embora essa técnica tenha permitido a aparição de municípios geralmente invisibilizados nos mapas usuais. Por outro lado, o caráter demográfico é mais relevante. Apesar das disparidades, há várias correlações positivas entre a população de uma cidade e as oportunidades que ela oferece tanto em relação em emprego, educação, saúde e cultura, em geral.

23Por essa razão, escolhemos representar os dados mais significativos sobre o fundo em anamorfose com a população 2010 (5) e, em um caso especial, utilizamos uma anamorfose com os dados do PIB 2012 (4). Finalmente, mas não de somenos importância, experimentamos uma anamorfose com peso visual correspondente ao inverso da quantidade populacional 2010 (3 – anticartograma), o qual ilustra os maiores municípios, agora como filamentos, pelos quais circulam os maiores fluxos territoriais, e ocorrem em grande concentração na RMC e nos locais de passagem de Santa Catarina a São Paulo via BRs 101 (continuação) e 116, as quais passam por Curitiba.

Figura 1 - Os cinco fundos de mapa experimentados

Figura 1 - Os cinco fundos de mapa experimentados

Fonte dados: IBGE; Cartografia: Monteiro 2016

O fenômeno populacional no Paraná - 1872-2010

  • 8 Não encontramos dados para 1911 e 1933 no arquivo do site do IBGE;

24Comecemos com uma pergunta: como o Paraná de 1872, um dos três estados menos populosos da Federação, com apenas 1,28% do total, passou a figurar entre os sete maiores e responder por 5,54% da população brasileira de 2010? Os dados disponíveis no IBGE permitem a análise de pelo menos onze8 momentos históricos, desde 1872, quando a economia do Estado era centrada no extrativismo vegetal e no cultivo da erva mate. Nessa época, a população de 126.722 habitantes aumentava com a imigração europeia, vindo ultrapassar, depois de quase 150 anos, dez milhões e meio de pessoas. O termo lógico “crescer” é bastante empregado nas narrativas (principalmente econômicas). A principal ideia de crescer é a de aumento de quantidade. Mas a categoria da segundidade de Peirce nos mostra que existência é reação; cada ser age sobre os demais, que reagem, ou seja, segundidade é ação e reação; força bruta; colisão, entrechoque.

  • 9 A malha dos municípios de 1920 continha um erro nominal: o município "Entre Rios" do PR estava com (...)

25De forma geral, o aumento da quantidade de humanos está provocando diminuição e aumento nas quantidades de outras coisas. Com efeito, outras espécies diminuem; dejetos e poluição aumentam. Humanos consomem o que está ao redor, inclusive outros humanos. Humanos consomem e consomem-se. O aumento da quantidade populacional, visto de forma isolada, informa apenas que a quantidade atual é maior que a anterior. A inclusão de outras quantidades (PIB, área, renda, educação) proporciona maior amplitude à análise. Nesse sentido, a representação dos dados populacionais foi realizada conforme as malhas municipais9 disponíveis no IBGE, respeitando os desmembramentos ocorridos, os quais merecem destaque.

Desmembramentos

26A quantidade de municípios no PR passou de 16 em 1872 para 399 em 2010. O período de maiores desmembramentos foi de 1940 a 1970, quando quase sextuplicou: de 49 para 288 municípios (Gráfico 1). O período de 1991 a 2000 foi o mais recente registrado onde houve criação de municípios (de 323 para 399).

Gráfico 1 - Número de municípios no Paraná - 1872-2010

Gráfico 1 - Número de municípios no Paraná - 1872-2010

Fonte: IBGE; Edição: Monteiro, 2016.

27A partir da análise dos dados, realizamos um recorte dos desmembramentos dos municípios em três momentos e com os símbolos proporcionais da variação populacional 1991-2010, ilustrados no Mapa 2. É notória a correlação positiva entre perda populacional e municípios mais recentes (pós 1980). Igualmente o mapa revela que os municípios da Região Metropolitana de Curitiba - RMC - já estavam praticamente consolidados até 1940, assim como os das mesorregiões norte-pioneira, centro-oriental e sudeste. Na sequência, (1950-1970) consolidaram-se com maior ênfase os municípios do norte-central e noroeste. Já na mesorregião centro-sul e mesorregiões vizinhas, as ocorrências são mais heterogêneas, apresentando as três classes, enquanto as porções entre Maringá e Foz do Iguaçu destacam-se pela ocorrência das duas classes de municípios criados pós 1940.

Mapa 2 - Desmembramentos por períodos e variação demográfica 1991-2010

Mapa 2 - Desmembramentos por períodos e variação demográfica 1991-2010

Fonte dados: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016

Evolução histórica da população

28Em 1872 vê-se claramente uma população majoritariamente distribuída nas proximidades do litoral, e um sertão “despovoado” (Fig. 1). Em 1900 a população cadastrada no interior começa a aumentar e desponta a população de Curitiba, com 49.755 pessoas e 15% da população total do Estado, porcentagem que praticamente irá manter em 2010 (16,7%). Os registros de 1920 representam a afirmação de Curitiba (78.986 hab) e a constituição de duas centralidades no interior: Guarapuava (41.444 habitantes) e Tibagi (35.628 habitantes). Em 1940 Guarapuava (96.235 habitantes) mantém seu destaque nas cidades do interior, mas Londrina (75.296 habitantes) desponta como a segunda força. Nesse período (1920-1940) o fenômeno demográfico começa a ficar intenso: a população de Curitiba praticamente dobra, alcançando 140.656 habitantes em 1940. De 1920 a 1970, período dos maiores desmembramentos, observa-se o espalhamento da população, ao mesmo tempo em que o crescimento (decorrência das migrações e das altas taxas de natalidade). Desse período em diante o fenômeno populacional irá mudar – boa parte da população dos municípios criados irá migrar às principais aglomerações urbanas.

Figura 1 - População nos municípios do PR - 1872 – 2010

Figura 1 - População nos municípios do PR - 1872 – 2010

Fonte: IBGE – Dados Históricos; Cartografia: Monteiro, 2016.

29Em 1950 observa-se um aumento da concentração populacional no norte do estado e nas proximidades da divisa com São Paulo, fenômeno que irá se intensificar na década seguinte e se espalhar pelos municípios próximos à fronteira com o Mato Grosso do Sul e Paraguai. Muitos desmembramentos ocorrem; Mandaguari (101.657 habitantes) e Apucarana (88.977 habitantes - desmembrada de Londrina) despontam como as maiores cidades no interior, seguidas por Londrina e Guarapuava. Os 11 registros históricos permitem representar - como um filme contínuo - as migrações e o crescimento vegetativo de 138 anos, em três momentos distintos, onde se observa algumas generalizações: i) o espalhamento da ocupação; ii) o aumento populacional nos municípios criados; e iii) a diminuição populacional nas cidades pequenas e a concentração da população nas aglomerações urbanas.

Disparidades populacionais

  • 10 Grafia conforme mapa de obras e viação de 1908, disponível na seção de mapas históricos do site do (...)

30Procuraremos demonstrar as disparidades populacionais no Estado do Paraná conforme o método aplicado por Théry e de Mello-Théry (2014) no Atlas do Brasil. A explosão demográfica do Paraná as mais das vezes torna invisível - por ofuscamento - as significativas perdas populacionais que vem ocorrendo nos 223 municípios que apresentaram variação populacional negativa nas últimas décadas. As maiores variações principiaram no fim do século XIX, principalmente com a chegada dos imigrantes europeus, ao mesmo tempo em que as estradas carroçáveis foram ampliadas e as primeiras estradas de ferro implantadas, melhorando as conexões do litoral à Curitiba e depois rumo ao interior da então Província do Paraná aos Estados de Mato Grosso, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catharina, e às Repúblicas Argentina e do Paraguay10.

31Em relação à variação populacional, houve explosão demográfica no período de 1940 a 1970, com incremento médio populacional de 5,61% por ano. O destaque foi a década de 1950, quando a população mais que dobrou, passando de 2.106.425 habitantes para 4.277.763 habitantes em 1960 (crescimento médio de 7,34 por ano). Entretanto, esse fenômeno populacional é predominantemente urbano. A explosão da população urbana ocorreu com mais intensidade de 1940 a 1980, passando de 302.263 a 4.472.506 habitantes, com crescimento médio de 6,97 % por ano e atingindo crescimento médio de surpreendentes 9,72% por ano na década de 1950.

32Em relação à dinâmica dos 5 municípios com maior população em 2010, o destaque de Curitiba é incontestável (Gráfico 2). Enquanto Londrina, Maringá, Ponta Grossa e Cascavel apresentam curvas de crescimento muito próximas (apesar da distinção de Londrina após 1960), Curitiba decola a partir de 1950, registrando impressionante média de crescimento de 6,14% por ano entre 1950 e 1980, e vindo atingir 1.751.907 habitantes em 2010.

Gráfico 2 - Variação da população total nos cinco maiores municípios do Paraná (1940-2010)

Gráfico 2 - Variação da população total nos cinco maiores municípios do Paraná (1940-2010)

Fonte: IBGE – Censos 1940-2010; Edição: Monteiro, 2016.

33As curvas de crescimento da população total e urbana entre 1940 e 2010 (Gráfico 3) reforçam a representação do fenômeno demográfico. Em 1940 a população urbana (302.263 habitantes) era de apenas 24,4% do total, e em 2010 correspondia a 85,3%.

Gráfico 3 - Variação da População Total e Urbana no Paraná - 1940-2010

Gráfico 3 - Variação da População Total e Urbana no Paraná - 1940-2010

Fonte: IBGE; Edição: Monteiro, 2016.

34Da mesma forma, o Gráfico 4 representa com clareza o ponto de inflexão da população rural, que atingiu seu ápice em 1970 e, desde então, vem voltando a valores próximos ao de 1940.

Gráfico 4 - Gráficos variação populacional urbana e rural 1940-2010

Gráfico 4 - Gráficos variação populacional urbana e rural 1940-2010

Fonte: IBGE – Censos 1940-2010; Edição: Monteiro, 2016.

O fenômeno urbano

35A década de 1950 foi o período onde houve a maior variação de população urbana no Paraná, passando de 525.244 habitantes em 1950 para 1.327.982 habitantes em 1960, com taxa de variação geométrica média - vale repetir! - de surpreendentes 9,72% por ano No Censo 1950, apenas quatro municípios tinham taxa de urbanização superior a 50%: Curitiba e Ponta Grossa (80,5%), Porto Amazonas (75%) e Paranaguá (66,5%). No Censo 1960 há pouca alteração - mais quatro municípios são acrescentados à lista anterior: Antonina (72%), Londrina (57%), Arapongas (56%) e União da Vitória (55%). Já no Censo 1970, o número de municípios predominantemente urbanos salta para vinte e cinco, e o fenômeno ganha força. Foi também no decorrer da década de 1970 que o Paraná atingiu taxa de urbanização média predominantemente urbana, passando de 36,1% em 1970 para 58,6% em 1980, quando então havia 96 municípios predominantemente urbanos. Entretanto, os aglomerados urbanos preferenciais de concentração populacional mudarão muito pouco até 2010. Os mapas da Figura 2 ilustram bem essa passagem.

Figura 2 - População urbana e rural 1950-2010

Figura 2 - População urbana e rural 1950-2010

Fonte: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016.

36Mas há que se advertir que os dados populacionais de 2010 praticamente tornam invisível a população rural. Em contraposição, o Mapa 3 ilustra, sobre as mesorregiões e com símbolos proporcionais da população total, os 77 municípios onde a população predominante é rural, com destaque para Piraquara, na RMC, com 93.207 habitantes em 2010, dos quais 50,93% vivendo em áreas cadastradas como rurais. Na sequência vêm Prudentópolis, Reserva, Ortigueira e Mandirituba, todos com população entre 20.000 habitantes e 50.000 habitantes. Em relação às mesorregiões, é notório a ocorrência desse fenômeno praticamente em quatro porções do Estado: RMC, sudoeste, sudeste e regiões centrais, ao ponto em que praticamente inexiste na porção norte.

Mapa 3 - População total dos 77 municípios predominantemente rurais em 2010

Mapa 3 - População total dos 77 municípios predominantemente rurais em 2010

Fonte: IBGE – Censo 2010; Cartografia: Monteiro, 2016.

Hierarquia urbana

37Para a representação da hierarquia urbana utilizou-se essencialmente os dados populacionais de 2010, quando somente quatro cidades superavam 300.000 habitantes e apenas uma um milhão. Considerou-se cidades médias aquelas com população entre 100.000 habitantes e 300.000 habitantes, classe à qual ocorreram quatorze cidades, mesmo número da classe seguinte – de 50.000 habitantes a 100.000 habitantes. Os dados revelam concentração: a maioria da população do Paraná (50,25%) vivia em apenas 19 cidades, dezoito das quais com população superior a 100.000 habitantes, e uma delas com 96.733 habitantes.

38O Mapa 4 ilustra várias disparidades. Destaca-se o eixo Curitiba - Ponta Grossa - Londrina - Maringá - como o de ocorrência das maiores cidades. Entretanto, mais de 3/4 das cidades paranaenses (312) não atingem sequer 20.000 habitantes, e 203 ficam abaixo de 10.000 habitantes. Se considerarmos as quatorze cidades médias com população entre 100.000 e 300.00 habitantes, veremos que metade delas se situam na órbita próxima de Curitiba, incluindo Paranaguá no Litoral. Apenas duas estão entre Londrina e Maringá (Apucarana e Arapongas), enquanto as demais cinco situam-se no oeste (Foz do Iguaçu, Cascavel, Umuarama e Toledo) ou na mesorregião de Guarapuava (centro-sul).

39Já em relação à distribuição dos quatorze municípios com população entre 50.000 e 100.000 habitantes, metade fica na órbita próxima do par Londrina-Maringá; quatro ficam ao sul de Guarapuava; dois entre Curitiba e Londrina e apenas dois nas proximidades de Curitiba. As regiões centrais entre Londrina, Maringá, Cascavel e Guarapuava apresentam, mais uma vez, maior heterogeneidade: uma melhor distribuição de municípios das cinco primeiras classes. O norte-pioneiro, com 46 municípios, é a única mesorregião que não apresenta nenhuma cidade com população acima de 50.000 habitantes, enquanto na mesorregião metropolitana de Curitiba, 10 dos dos 37 municípios têm mais de 80.000 habitantes, e mais da metade mais de 20.000 habitantes.

Mapa 4 - Hierarquia populacional 2010

Mapa 4 - Hierarquia populacional 2010

Fonte: Censo IBGE 2010; Cartografia: Monteiro, 2016.

Rede de Influência das Cidades - REGIC

  • 11 Realizado com Cartes et Données, licenciado para estudante;

40A publicação do IBGE - REGIC 2007 apresenta um conjunto de dados que permite a representação das principais interconexões urbanas por área de influência. O IBGE utiliza vários critérios para compor a classificação. O Mapa 511 representa com destaque cinco municípios: a Metrópole Curitiba, três Capitais Regionais Nível B (Londrina, Maringá e Cascavel) e uma Capital Regional Nível C - Ponta Grossa. Na sequência aparecem, por ordem populacional, os Centros Sub-regionais de Nível A: Foz do Iguaçu, Guarapuava, Apucarana, Toledo, Umuarama, Campo Mourão, Paranavaí, Francisco Beltrão e Pato Branco. Como se observa, nem todos os centros sub-regionais realizam interconexões diretas com a capital, enquanto Londrina e Maringá atraem boa parte dos municípios do norte, e Cascavel realiza forte influência no oeste, inclusive sobre Foz do Iguaçu, Toledo e Francisco Beltrão.

Mapa 5 - Anamorfose com rede de influência das cidades 2007

Mapa 5 - Anamorfose com rede de influência das cidades 2007

Fonte: IBGE - REGIC 2007; Cartografia: Monteiro, 2016.

Mesorregiões do IBGE

41A mesorregião norte-central possui a maior quantidade de municípios (79), seguida pelo Noroeste (61) e Oeste (50). Somente a mesorregião metropolitana de Curitiba, com 37 municípios , congregava em 2010 3.493.742 habitantes (1/3 do total do Paraná), valor que somado ao da norte-central (2.037.183 habitantes) resulta em 53% da população do estado. O Mapa 6 ilustra essa disparidade.

42Por outro lado, a mesorregião centro-ocidental apresenta os piores índices tanto em população total (334.125 habitantes) quanto em perda populacional. Campo Mourão parece uma ilha cercada por dezenas de municípios que estão perdendo população. Em termos de homogeneidade, a Metropolitana de Curitiba é a que mais apresenta municípios com crescimento populacional, seguida por centro-oriental e Sudeste, ambas vizinhas à primeira. A mesorregião norte-central apresenta bastante heterogeneidade. Há ocorrências de vários municípios com perda populacional tanto na porção sul quanto norte, enquanto as áreas mais próximas à Londrina e Maringá apresentam crescimento populacional significativo (Mapa 7).

Mapa 6 - População 2010 e mesorregiões

Mapa 6 - População 2010 e mesorregiões

Fonte: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016.

434.4 Crescimento e perda populacional

  • 12 Desmembrado de Pitanga, com primeiro registro populacional no Censo 1991;
  • 13 Desmembrado de Matelândia, com primeiro registro populacional no Censo 1991;

44Os dados indicam processo de migração - tanto da área rural quanto das cidades pequenas - em direção às cidades de maior aglomeração urbana (Mapa 7). Praticamente metade dos municípios (188) perderam população entre 1991 e 2010. Os casos mais emblemáticos são Nova Tebas12, cuja população decaiu de 17.587 em 1991 para 7.398 habitantes em 2010, e Diamante do Oeste13, que perdeu praticamente metade da população entre 1991-2000, embora tenha registrado um pequeno crescimento populacional no decênio subsequente. Grande parte dos municípios que perderam população localizam-se entre Cascavel, Londrina-Maringá e Guarapuava.

45Entretanto, apesar do significativo aumento populacional nas aglomerações urbanas, as maiores taxas de crescimento geométrico ocorreram principalmente nas cidades vizinhas de Curitiba e em duas cidades ao redor de Maringá e Ponta Grossa, o que demonstra claramente que o crescimento ao redor dos maiores aglomerados foi maior nas últimas duas décadas (Mapa 7). O destaque fica com Pontal do Paraná, disparadamente o município com maior crescimento populacional no período, com espantosa taxa de crescimento médio de 7,2 % por ano, passando de 5.577 habitantes em 1991 para 20.920 em 2010; ou seja, quadruplicou-se, superando inclusive a marca registrada por Curitiba no período de 1940-1980. Na sequência aparecem Fazenda Rio Grande, Piraquara e Matinhos, todos os quatro da RMC, e dois dos quais do litoral.

Mapa 7 – Mesorregiões e variação populacional 1991-2010

Mapa 7 – Mesorregiões e variação populacional 1991-2010

Fonte: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016.

PIB Municipal

46Consoante à extrema desigualdade de renda brasileira, os dados do PIB municipal (IBGE 2012) revelam concentração ainda maior. Se a maioria da população do Paraná vivia em 19 cidades em 2010, a maioria do PIB do Estado estava em apenas sete municípios em 2012, quatro dos quais na RMC (Curitiba, São José dos Pinhais, Araucária e Paranaguá) e em Londrina, Maringá e Foz do Iguaçu. Somente a capital respondia por 23,11% do total do PIB do estado. Praticamente não houve alteração na ordem dos 20 maiores PIBs municipais desde 2000. A anamorfose do PIB 2012 é um signo cartográfico que permite representar seu objeto de maneira mais evoluída, expondo outros aspectos da realidade, tais como a concentração nos aglomerados urbanos, em especial a RMC (Mapa 8). O estranhamento é inevitável, até porquê o peso visual da Região Metropolitana é ainda maior que na anamorfose da população 2010.

Mapa 8 - Anamorfose com dados do PIB dos municípios 2012

Mapa 8 - Anamorfose com dados do PIB dos municípios 2012

Fonte dos dados: IBGE (Sidra; Órgão Estatística Estadual); Cartografia: Monteiro, 2016.

Setores Econômicos

47Na análise dos ocupados formais nos principais setores da economia verificou-se que a porcentagem nas atividades de comércio e serviços é maior nas aglomerações urbanas, enquanto os municípios menores, sobretudo da região central do estado, possuem ocupação predominantemente agropecuária (Mapas 9 e 10). As maiores porcentagens da atividade na indústria de transformação ocorrem principalmente nas proximidades de Maringá e Londrina, onde grande quantidade de municípios apresentam mais de 20% dos ocupados nesse setor - números maiores que na RMC.

Mapa 9 - Porcentagem dos ocupados em 2010 nos principais setores da economia

Mapa 9 - Porcentagem dos ocupados em 2010 nos principais setores da economia

Fonte dos dados: Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.

  • 14 Elaborado com Philcarto.

48O Mapa 1014 ilustra 5 classes discretizadas a partir da relação do dado de cada município em relação à média de cada tema. A classe 5 representa principalmente os municípios no entorno das principais aglomerações urbanas, os quais apresentam ocupados no setor agropecuário bem abaixo da média, enquanto nos demais setores os dados são acima da média, mas não tanto como os da classe 4. A principal diferença entre essas duas é que essa última apresentou dados de ocupados na indústria de transformação abaixo da média.

Mapa 10 - Trabalho formalizado conforme os principais setores da economia

Mapa 10 - Trabalho formalizado conforme os principais setores da economia

Fonte dos dados: Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.

Análise Multitemática

49Nesse tópico elaboramos alguns mapas com temas variados para a representação combinada (via análise de cluster, disponível no software Philcarto) de outros aspectos da realidade, incluindo renda per capita, taxa de variação geométrica da população, como forma de procurar detectar algumas generalidades no território, ou seja, um exercício de abstração a partir da singularidade dos fenômenos. Na análise combinada da renda per capita e taxa de variação geométrica da população no período 1991-2010 (Mapa 11) optou-se por discretização (repartição em grupos) em quatro classes que apresentam os dados de cada município em relação às médias do Estado. No quesito ganho populacional, destacam-se - com valores bem acima da média - os municípios da classe 4, situados principalmente ao redor da metrópole Curitiba e em ocorrências no entorno de Maringá, Cascavel, Foz do Iguaçu e Guarapuava. Em relação à renda per capita, esses municípios apresentaram valores um pouco acima da média. Em oposição, os municípios da classe 3 apresentaram perdas populacionais significativas e renda per capita bem abaixo da média. Esses municípios estão concentrados principalmente na porção noroeste de Guarapuava, mas igualmente ocorrem em direção à divisa com Mato Grosso do Sul ou no norte pioneiro, no Vale do Ribeira e em algumas porções no norte e no sul.

50Já os municípios da classe 1 apresentaram valores próximos da média, embora ligeiramente acima desta. Os da classe 2, constituídos principalmente pelos mais populosos e alguns em seu entorno, apresentaram os valores de renda per capita muito acima da média, embora o crescimento populacional, apesar de significativo, não tenha sido tão expressivo quanto os da classe 4.

Mapa 11 – Classes de variação demográfica 1991-2010 e renda per capita 2010

Mapa 11 – Classes de variação demográfica 1991-2010 e renda per capita 2010

Fonte: IBGE; Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.

51No Mapa 12 é possível visualizar com maior detalhamento onde a variação populacional positiva ou negativa está ocorrendo com maior intensidade. A Região Metropolitana de Curitiba, especificamente no entono da Capital, incluindo o litoral, apresenta as maiores taxas de crescimento populacional, enquanto principalmente o miolo entre Londrina, Maringá, Cascavel e Guarapuava e alguns municípios mais ao norte e ao sul amargam as piores taxas negativas.

Mapa 12 - Taxa de Variação Geométrica da População Pop 1991-2010

Mapa 12 - Taxa de Variação Geométrica da População Pop 1991-2010

Fonte: IBGE – Censos 1991 e 2010; Cartografia: Monteiro, 2016.

52Na sequência, a cartografia revela uma série de dados multitemáticos que serão úteis para a análise do fenômeno urbano no Paraná. O Mapa 13 realiza uma classificação a partir dos dados singulares de estatísticas oficiais tanto do Censo 2010 quanto de indicadores econômicos. Em termos semióticos, é mais uma vez um exercício de abstração das ocorrências singulares dos fenômenos (segundidade) em direção à generalidade (terceiridade). O resultado é uma distribuição dos municípios em cinco classes conforme: razão de dependência, taxa de envelhecimento, analfabetismo, pessoas com curso superior, coeficiente de Gini, porcentagens de extremamente pobres e de pobres, taxa de formalização dos ocupados e IDHM.

53Como resultado, as maiores aglomerações urbanas (Classe 4 - 41 municípios) apresentam os maiores índices de pessoas com curso superior, formalização dos ocupados e IDHM. Da mesma forma, é nesses municípios onde ocorre os menores índices de analfabetismo e razão de dependência. No outro extremo, os 48 municípios da classe 2, a grande maioria ao redor de Guarapuava, apresentaram os piores índices de IDHM (razão de dependência, porcentagens de pobres e extremamente pobres, coeficiente de Gini e taxa de formalização dos ocupados). Isso aponta a necessidade de medidas emergenciais principalmente por parte dos Governos Federal, Estadual e Municipais.

54Quanto aos 147 municípios da classe 3, os quais ocorrem principalmente ao redor de Londrina e Maringá e no oeste e norte pioneiro, é onde o coeficiente de Gini apresentou os melhores índices, apontando para uma melhor distribuição de renda. Em relação aos demais indicadores positivos, essa classe está ligeiramente acima da média, mas bem abaixo da classe 4. Já os 61 municípios da classe 1 apresentaram as menores taxas de envelhecimento, ligeiramente melhor que os da classe 4. Os municípios da classe 5, por sua vez, estão um pouco melhores que os da classe 2, embora as taxas de analfabetismo sejam muito próximas. A classe 5 apresenta as maiores taxas de envelhecimento, e os indicadores de pobreza e desigualdade de renda estão próximos da média, enquanto na classe 2 estão em situação extrema.

Mapa 13 – Classificação multitemática: razão dep., tx envelhecimento, analfabetismo, formação superior, pobreza, distribuição renda, formalização ocupados e IDHM

Mapa 13 – Classificação multitemática: razão dep., tx envelhecimento, analfabetismo, formação superior, pobreza, distribuição renda, formalização ocupados e IDHM

Fonte: IBGE; Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.

55O Mapa 14 reitera com destaque algumas questões abordadas. A renda per capita é maior nas maiores aglomerações urbanas e reduzida principalmente nos municípios ao redor de Guarapuava, onde também a razão de dependência é maior, assim como no centro oriental e Vale do Ribeira. A taxa de envelhecimento é maior no norte do estado e menor principalmente nos municípios do entorno de Curitiba. A distribuição de renda é melhor no norte, ao redor de Maringá e Londrina, e ao redor da capital estadual.

Mapa 14 – Taxa envelhecimento, razão de dependência,

renda per capita e renda apropriada pelos 80% mais pobres

renda per capita e renda apropriada pelos 80% mais pobres

Fonte: IBGE; Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.

Considerações finais

56Os mapas apresentados revelam um Estado com grandes disparidades, acometido por uma explosão demográfica e uma urbanização concentrada em poucos aglomerados, enquanto quase a metade dos municípios perde população. A concentração do PIB é ainda maior, o eixo Curitiba – Ponta Grossa – Londrina – Maringá apresentou-se como a porção geográfica onde a urbanização é mais expressiva, enquanto a porção central do estado apresentou índices preocupantes em relação à perda populacional, analfabetismo, pobreza, formalização dos ocupados, razão de dependência, entre outros. Isso requer ações emergenciais e contínuas dos Governos Federal, Estadual e Municipais.

57Temos a certeza de que essas disparidades reproduzem-se também em recortes espaciais menores, no interior das cidades e das regiões, para os quais pretendemos realizar trabalhos futuros, em especial sobre o litoral do Paraná, e sua inserção no espaço metropolitano de Curitiba. As técnicas de representação cartográfica empregadas nesse trabalho permitiram ilustrar vários aspectos da realidade através de signos complementares. O uso das anamorfoses com dados da população total 2010 ou PIB 2012 e ainda o anticartograma (anamorfose com inverso da população) ampliou as possibilidades de representação, conferindo à imagem peso visual correspondente aos fenômenos de relevância urbana.

58Futuras representações em nível regional e metropolitano são necessárias, bem como aprofundamentos nas questões históricas, econômicas e sociais do espaço geográfico. A semiótica peirciana demonstrou ser promissora tanto para a análise dos métodos cartográficos quanto para o estudo dos fenômenos geográficos, razão pela qual será ampliada nos trabalhos seguintes.

Haut de page

Bibliographie

Board. , C. “Maps as models”. In: Models in Geography. R. J. Chorley e P. Haggett. 1967.

_________. “The development of concepts of cartographic communication with special reference to the role of professor Ratajski”. 1983

Cauvin, C. “Transformações cartográficas espaciais e anamorfose”. In: DIAS. M. H. (coord.). Os mapas em Portugal: da tradição aos novos rumos da cartografia. Lisboa, 1995.

Fonseca, F. P.; OLIVA, J. Cartografia. São Paulo: Melhoramentos, 2013. (Como eu ensino).

Fonseca, F. P. A inflexibilidade do espaço cartográfico, uma questão para a Geografia: análise das discussões sobre o papel da Cartografia. São Paulo, Tese (Doutorado em Geografia), FFLCH-USP, 2004. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-09082010-130954/pt-br.php> Acessado em jan 2014.

Romanini, A. V. A contribuição de Peirce para a teoria da comunicação. 2012. Disponível em: <http://disciplinas.stoa.usp.br/course/view.php?id=5537> Acesso em: 20Mar2015.

________. “Semiótica Minuta”: Especulações aobre a Gramática dos Signos e da Comunicação a partir da Obra de Charles S. Peirce. 2006. Tese (Doutorado em Jornalismo) - ECA USP, São Paulo, 2006. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27142/tde-30042009-130918/>. Acesso em: 2015-04-23.

Santaella, L. A teoria geral dos signos: semiose e autogeração. São Paulo: Editora Ática, 1995.

Théry, H.; de Mello-Théry, N. A. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do território. 2.ed. 3. reimpressão. São paulo, EDUSP, 2014.

Haut de page

Notes

1 http://philcarto.free.fr/;

2 http://www.articque.com/solutions/cartes-et-donnees/;

3 Utilizaremos nesse trabalho o termo pragmaticismo, nome que Peirce escolheu para rebatizar o pragmatismo;

4 Peirce uriliza o termo degenerado não em tom depreciativo, mas para indicar um grau de geração anterior; p.ex.: a segundidade é uma degeneração da terceiridade, enquanto a primeiridade é uma degeneração da segundidade, em um grau, e da terceiridade, em dois graus;

5 Na semiótica peirciana, tanto signo, objeto ou interpretante são de natureza sígnica;

6 Conforme convenção internacional para a citação de Peirce - CP - Collected Papers of Charles Sanders Peirce, o número à esquerda do ponto refere-se ao volume, e os à direita, ao parágrafo;

7 A Quincuncial Projection of the Sphere; C. S. Peirce; American Journal of Mathematics Vol. 2, No. 4 (Dec., 1879), pp. 394-396; disponível em:< http://www.jstor.org/stable/2369491?seq=1#page_scan_tab_contents>;

8 Não encontramos dados para 1911 e 1933 no arquivo do site do IBGE;

9 A malha dos municípios de 1920 continha um erro nominal: o município "Entre Rios" do PR estava com o código do "Entre Rios" do CE, e vice-versa; a correção foi feita no aplicativo QGis Lyon 2.12; a observação foi comunicada à Diretoria de Geociências do IBGE;

10 Grafia conforme mapa de obras e viação de 1908, disponível na seção de mapas históricos do site do ITCG;

11 Realizado com Cartes et Données, licenciado para estudante;

12 Desmembrado de Pitanga, com primeiro registro populacional no Censo 1991;

13 Desmembrado de Matelândia, com primeiro registro populacional no Censo 1991;

14 Elaborado com Philcarto.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Os cinco fundos de mapa experimentados
Crédits Fonte dados: IBGE; Cartografia: Monteiro 2016
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 772k
Titre Gráfico 1 - Número de municípios no Paraná - 1872-2010
Crédits Fonte: IBGE; Edição: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Mapa 2 - Desmembramentos por períodos e variação demográfica 1991-2010
Crédits Fonte dados: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 472k
Titre Figura 1 - População nos municípios do PR - 1872 – 2010
Crédits Fonte: IBGE – Dados Históricos; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 612k
Titre Gráfico 2 - Variação da população total nos cinco maiores municípios do Paraná (1940-2010)
Crédits Fonte: IBGE – Censos 1940-2010; Edição: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Titre Gráfico 3 - Variação da População Total e Urbana no Paraná - 1940-2010
Crédits Fonte: IBGE; Edição: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre Gráfico 4 - Gráficos variação populacional urbana e rural 1940-2010
Crédits Fonte: IBGE – Censos 1940-2010; Edição: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Figura 2 - População urbana e rural 1950-2010
Crédits Fonte: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 624k
Titre Mapa 3 - População total dos 77 municípios predominantemente rurais em 2010
Crédits Fonte: IBGE – Censo 2010; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
Titre Mapa 4 - Hierarquia populacional 2010
Crédits Fonte: Censo IBGE 2010; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 520k
Titre Mapa 5 - Anamorfose com rede de influência das cidades 2007
Crédits Fonte: IBGE - REGIC 2007; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 604k
Titre Mapa 6 - População 2010 e mesorregiões
Crédits Fonte: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 536k
Titre Mapa 7 – Mesorregiões e variação populacional 1991-2010
Crédits Fonte: IBGE; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 520k
Titre Mapa 8 - Anamorfose com dados do PIB dos municípios 2012
Crédits Fonte dos dados: IBGE (Sidra; Órgão Estatística Estadual); Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 1012k
Titre Mapa 9 - Porcentagem dos ocupados em 2010 nos principais setores da economia
Crédits Fonte dos dados: Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Mapa 10 - Trabalho formalizado conforme os principais setores da economia
Crédits Fonte dos dados: Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 456k
Titre Mapa 11 – Classes de variação demográfica 1991-2010 e renda per capita 2010
Crédits Fonte: IBGE; Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 428k
Titre Mapa 12 - Taxa de Variação Geométrica da População Pop 1991-2010
Crédits Fonte: IBGE – Censos 1991 e 2010; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 732k
Titre Mapa 13 – Classificação multitemática: razão dep., tx envelhecimento, analfabetismo, formação superior, pobreza, distribuição renda, formalização ocupados e IDHM
Crédits Fonte: IBGE; Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 460k
Titre renda per capita e renda apropriada pelos 80% mais pobres
Crédits Fonte: IBGE; Atlas PNUD 2013; Cartografia: Monteiro, 2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10966/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 472k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ricardo Rodrigues Monteiro, « A cartografia do fenômeno urbano e econômico no Paraná: uma leitura com auxílio da semiótica », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 28 juillet 2016, consulté le 26 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/10966 ; DOI : 10.4000/confins.10966

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org