Navigation – Plan du site
Resenhas

França e a Escola Brasileira de Geografia em inglês

La France et l'École brésilienne de géographie en anglais
France and the Brazilian School of Geography in English
Confins
Référence(s) :

José Borzacchiello da Silva, French-Brazilian Geography - The Influence of French Geography in Brazil, Springer Briefs in Latin American Studies, ISBN 978-3-319-31022-0 e 978 3-319-31023-7 (eBook), DOI 10.1007/978-3-319-31023-7

Texte intégral

1O livro de José Borzacchiello da Silva, França e a Escola Brasileira de Geografia, (Fortaleza, Edições UFC, 2012, 232 p.) tinha sido resenhado na Confins por Maria Geralda de Almeida, (Confins n°17, 2013, http://confins.revues.org/​8297).

2Na ocasião do lançamento da sua tradução em inglês achamos útil publicar o sumário da obra na sua versão inglesa, indicar o link do e-book e repetir o prefácio da edição brasileira.

3Link de acesso ao e-book: http://link.springer.com/​book/​10.1007%2F978-3-319-31023-7

Sumário da edição em inglês

Sumário da edição em inglês

Prefácio

4O Brasil foi em 1998 o país convidado de honra na Feira do Livro de Paris, e uma das mesas redondas organizadas nesta ocasião pelo Syndicat National de l'Édition – na qual eu tive a honra de participar – era intitulada "peripécias amorosas do relacionamento entre a França e o Brasil". Parece que este título se aplicaria igualmente bem ao presente livro de José Borzacchiello da Silva sobre a relação entre a geografia francesa e a brasileira, como evidenciado pelas palavras que ele usa para se referir às fases desse relacionamento: "aproximações", "distanciamentos", "exclusividades", "rupturas". Há de fato muito carinho e até mesmo muita paixão - às vezes desapontada – nesta longa história de casal, que teve inevitavelmente altos e baixos.

5José Borzacchiello da Silva discute essas fases em detalhe, oferecendo uma periodização inédita, onde a fundação da USP, em 1934, e o Congresso da UGI, em 1956 no Rio de Janeiro, são momentos-chave, voltando às origens distantes e indo até a época na qual ele fez uma ampla pesquisa de pós-doutorado na França sobre este assunto. Ele tinha então (em 1992-1993) analisado os 104 volumes do Bulletin Intergéo, publicado desde 1966 pelo CNRS (Conselho Nacional de Pesquisa Científica), e a produção de teses francesas sobre o Brasil e de brasileiros na França. Ele fornece, portanto, uma quantidade de dados de primeira mão que dão a sua obra uma densidade notável e reforçam significativamente as análises, relevantes e sutis, que ele faz ao interpretá-los.

6O objetivo dele é claro: "Estudar a formação de uma geografia nacional advinda das relações estabelecidas entre a França e o Brasil permitia apreender o nível de envolvimento de geógrafos dos dois países, identificando momentos diferenciados de acordo com suas conjunturas". A maneira de fazê-lo é claramente enunciada:

7"- enumerar os geógrafos daquele país que trabalharam sobre o Brasil ou que influenciaram a geografia brasileira, através da orientação de teses, edição de livros, textos ou outra atividade;

8- verificar em termos analíticos os momentos de pico dessas influencias;

9- relacionar aspectos da história de vida desses profissionais com o tipo de influencia exercida na geografia brasileira;

10- mapear no espaço brasileiro as áreas que foram mais estudadas e quais foram os centros que estabeleceram maior intercâmbio geográfico com universidades francesas;

11- localizar na França, quais as cidades/universidades que mais influenciaram a geografia brasileira;

12- situar na França que cidades/universidades receberam maior quantidade de pesquisadores brasileiros na área de Geografia;

13- listar as principais linhas de pesquisas brasileiras que guardam ligação estreita com a França;

14- identificar a partir dos títulos das pesquisas realizadas por franceses no Brasil o nível de inovação quanta ao enfoque teórico-conceitual e metodológico;

15- verificar em que medida ocorre a inserção e assimilação dessas inovações em termos de Brasil".

16O livro aborda a maioria destas perguntas, mas ressaltamos aqui que uma das principais conclusões do trabalho é que a relação entre geógrafos franceses e brasileiros tornou-se menos assimétrica. No início, e durante décadas, "a relação estabelecida entre os profissionais dos dois países não era marcada pela simetria, ao contrário, a tradição acadêmica francesa associada a longo período de aplicação de teorias e métodos em sua ação expansionista, garantia um caráter universal, até estão desconhecido pela geografia feita no Brasil". Como resultado, "aqui os franceses fazem suas pesquisas e no passado muito contribuíram para que se fizesse a leitura geográfica do país, vislumbrando um projeto nacional a partir da ótica deles. Na França, o brasileiro enquanto profissional situava-se, predominantemente, na condição de aprendiz da fundamentação teórica e metodológica norteadora daquela escola geográfica com suas diversas correntes".

17Com o passar do tempo, porém, o Brasil mudou muito, e com ele a relação entre os geógrafos brasileiros e franceses, que tem um pouco arrefecido: "A geografia, sintonizada com a experiência que o Brasil atravessava com crescimento econômico e grandes obras de infraestrutura, exerceu destacado papel naquele momento. Buscou nos métodos quantitativos, as fórmulas possíveis de oferecer explicações espaciais e resultados esperados. Viveu naquele momento situação de ruptura parcial com a geografia francesa de corte mais clássico, pautada no ideário do arranjo e organização espacial. Esta pratica dominante de parcela da geografia oficial, atendia aos interesses do governo militar e da elite burocrática que se instalara no país. Por outro lado, as esquerdas, com apoio da Igreja e de outras instituições não oficiais buscam referencias teóricas capazes de sustentar suas utopias de realidade e propostas partidárias".

18José Borzacchiello da Silva nota, no entanto, um caso que cruza essas fases diversas sem perda de influência, o de Pierre George: "Dentre os vários que aqui estiveram Pierre George merece destaque pois exerceu enorme influência na geografia brasileira. Tornou-se referencia bibliográfica quase que obrigatória nos cursos de Geografia. Nas discussões que enfocam a relação da geografia francesa com a brasileira, Pierre George pode ser classificado como exemplo de uma situação de permanência [...] Independente de opções teórico-metodo1ógicas, o ilustre professor permanecia como inalterado, numa posição tranquila, editando seus livros em português pela DIFEL - Difusão Europeia do Livro, de São Paulo, sob os auspícios da Presses Universitaires de France, de Paris e pela Editora Fundo de Cultura, do Rio de Janeiro. Mantinha um público cativo. A estabilidade alcançada por Pierre George não indica de forma alguma que as relações acadêmicas seguiam o curso regular com os franceses".

19Note-se aqui como José Borzacchiello da Silva é capaz de ligar de maneira convincente desenvolvimento econômico, situações políticas e o seu impacto tanto na geografia brasileira como na sua relação com a geografia francesa. O mesmo se aplica para o período seguinte, aquele no qual a redução progressiva da pressão política ligada ao fim do regime militar permitiu que os geógrafos brasileiros mudassem profundamente o rumo de suas pesquisas, recorrendo com entusiasmo às análises marxistas, que lhes eram previamente proibidas:

20"A geografia pós-78, através de parte significativa da categoria dos geógrafos [...] encontra, na escassa literatura de fundamento marxista, elementos para a reorganização da ciência. O movimento denominado Fortaleza 1978 foi um divisor de opiniões e posturas no modo de conceber, ensinar e aplicar a geografia no país [...]. O Pós-78 significou um rearranjo no mapa da produção geográfica do país, inseriu novos personagens em cena, sacralizou uns, demonizou outros".

21Lamentamos apenas que José Borzacchiello da Silva não tenha prolongado a sua análise até os dias atuais, gostaríamos de saber como ele vê a evolução de hoje, 34 anos após a "virada de mesa" de Fortaleza e vinte anos após a sua pesquisa. Talvez poderia ser o objeto de uma nova pesquisa de ambos lados do Atlântico ...

22Mas tal como ele está este livro já é fascinante (mesmo para quem não é, como eu sou, um dos atores nessa relação franco-brasileira), e um dos seus aspectos mais interessantes e mais originais, é que José Borzacchiello da Silva, durante a sua estadia de pós-doutorado, entrevistou vários geógrafos franceses que desempenharam um papel na colaboração a entre as duas escolas de geografia, sempre seguindo o mesmo questionário, com algumas adaptações para "apreender ao máximo as contribuições capazes de responder às indagações que norteavam a pesquisa". Ele transcreveu no livro as respostas dos entrevistados e às vezes as suas próprias reações – muitas vezes entusiasmadas – às respostas, e os diálogos adicionais que surgiram quando ele, sempre educadamente mas com firmeza, obrigava os seus interlocutores a completar as respostas.

23Apenas uma destas entrevistas é decepcionante, a de Jacques Lévy, que admite que "para ser honesto, devo dizer que a geografia brasileira que eu conheço é aquela que gravita em torno de Milton Santos" e de fato a participação dele à colaboração franco-brasileira foi mínima (com apenas duas breves visitas no Brasil). Uma das entrevistas obteve um resultado inesperado, mostrando que Yves Lacoste "não tinha ideia da importância dele no Brasil, sobretudo, a partir de seu livro, A geografia serve...", livro que foi tão influente na evolução da geografia brasileira, primeiro na forma de uma edição pirata (sob o regime militar), e em seguida abertamente, após o retorno da democracia.

A capa da edição brasileira

A capa da edição brasileira

24Com Paul Claval, cuja cooperação com o Brasil foi – e ainda é – importante, se impõe uma conclusão, que se torna mais forte ainda considerando que a sua participação ocorreu um pouco tarde no período, quando a geografia brasileira já estava bem consolidada: "A relação que tive com colegas brasileiros foi sempre para mim interessante e tenho a impressão de estar num terreno onde falo para iguais".

25Michel Rochefort chega a uma conclusão similar: " houve uma renovação da geografia francesa e há uma bela fase da geografia brasileira e elas são capazes de se aproximarem, mas, agora são relações adultas. Mas o mais notável é que essa análise vem depois de ele ter acompanhado uma mudança significativa, que ele observou desde a década de 1950 (no momento da entrevista, ele tinha passado 27 temporadas no Brasil): "Houve a fase infantil quando o Brasil se formou pelos mestres franceses; houve a fase da adolescência quando a geografia brasileira rejeitou os pais e, enfim, agora, tem relações adultas quando se discute, se troca, mas não há qualquer supremacia de uma sobre a outra".

26Michel Rochefort faz porém uma leve crítica aos colegas brasileiros, que ainda não se atreviam no momento da entrevista – e ainda é verdade hoje em grande parte – a ir além dos limites de seu país para estudar países vizinhos ou mais distantes, o que os impediu de tirar pleno partido da cooperação com os geógrafos franceses, que uma longa história preparou a analisar sem complexos os países estrangeiros, e a fazer comparações entre eles: "o Brasil se fechou na geografia brasileira [quando as] abordagens que os franceses podem fazer é uma abordagem de comparação".

27No total, José Borzacchiello da Silva faz uma avaliação diferenciada da influência francesa na geografia brasileira: " dentre os estrangeiros, não resta a melhor duvida que, no Brasil, os franceses ocuparam e ocupam papel destacado" [...] "durou mais de meio século o mito em torno da qualidade da geografia francesa. Não importa saber se ele foi sido elaborado dentro ou fora das fronteiras daquele país. Os professores franceses, especialmente os orientadores de tese e coordenadores de laboratórios foram convidados para vir ao Brasil ministrar cursos, proferir palestras, acompanhar trabalhos de campo ou assessorar grupos de pesquisa ou equipes ministeriais. Apesar do mito e, de uma sensível reação da geografia francesa face a geografia germânica, ainda é duvidoso saber se hoje ela ainda estaria habilitada a manter-se em posição confortável como o foi nos anos anteriores".

28José Borzacchiello da Silva deixa a porta aberta para futuras discussões, com um claro sentido de otimismo, e uma atitude proativa, " As relações entre os dois países devem ser reforçadas, propiciando a troca recíproca". Mas esse otimismo, e esta vontade de ver se confirmar uma relação mais simétrica, se fundamentam numa confiança – justificada – na maturidade da geografia brasileira, que deverá permitir-lhe agora de olhar para além das suas fronteiras: "cabe à geografia brasileira importante papel na explicação da realidade do país, da América Latina e por que não, do mundo". Ambição louvável, os geógrafos franceses serão felizes e orgulhosos de acompanhar.

29Hervé Théry

30Directeur de recherches au CNRS

31Professor convidado na USP

Haut de page

Table des illustrations

Titre Sumário da edição em inglês
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10990/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre A capa da edição brasileira
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/10990/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « França e a Escola Brasileira de Geografia em inglês », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 20 juillet 2016, consulté le 26 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/10990

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org