Navigation – Plan du site

Editorial do número 27

Editorial number 27
Éditorial du numéro 27
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 27

Texte intégral

1Antes de apresentar este número 27, gostaríamos de anunciar aos leitores da Confins duas boas notícias: o apoio do CNRS e alteraração de sua frequência de publicação, de três para quatro vezes por ano.

O apoio do CNRS

2Por ofício do 10 de Abril de 2016, Patrice Bourdelais, Diretor do Instituto de Ciências Humanas e Sociais do Centro Nacional para a Pesquisa Científica-CNRS nos anunciou: “Tenho a honra de informar que, após análise do seu pedido, o Instituto de Ciências Humanas e Sociais decidiu apoiar a sua revista ”Confins“ para os anos de 2016 e 2017”. A decisão do CNRS de apoiar nossa revista é, para nós, uma grande satisfação, não só pelo (pequeno) apoio financeiro, mas sobretudo porque é um reconhecimento científico de primeira grandeza, que reforça aquele já dado, do lado brasileiro, pela CAPES.

3Esta decisão foi tomada com base no relatorio da seção 39 (Espaços, Territórios e Sociedades) da Comissão Nacional de Pesquisa, seção principal de referência para a avaliação, que declarou: “Esta revista contribui, sem dúvida, para a transferência de paradigmas geográficos entre estas duas culturas, permitindo um enriquecimento do trabalho dessas comunidades de geógrafos e contribuindo para a difusão da geografia francesa tanto na América do Sul como afora (a propagação da revista vai além destas duas áreas geográficas) [...] O conteúdo científico da revista é de muito bom nível [...] A revista Confins aparece como um jornal de referência para a comunidade de geógrafos de língua portuguesa e e geógrafos de língua francesa que trabalham sobre o Brasil. Dinâmica, tem uma dimensão internacional inegável e uma ampla distribuição. [...] Assim, tendo em vista a qualidade, a sua distribuição generalizada e a importância do seu papel na promoção e no enriquecemento do panorama científico da seção 39, esta seção dá uma opinião muito favorável ao apoio solicitado”.

4A seção 31 (Homens e ambientes: evolução, interações), seção secundária de referência, se preocupou por “não ver mais artigos de geografia física publicados nos últimos dois anos”, mas mesmo assim deu também seu parecer favorável. Esta observação será considerada (e já apelamos para potenciais autores) mesmo se a distinção entre a geografia física e humana parece irrelevante em muitos dos artigos da Revista, que combinam ambas as abordagens, tais como o de Marcelo Gonçalves e Mirian Vizintim, o “risco de inundação no estado do Paraná: análise de risco e vulnerabilidade” no dossiê sobre o Paraná neste numero.

5A seção 39 expressou também outra preocupação: “a seção observa que a questão da continuidade da editoria da revista deve ser discutida, tendo em vista a iminente aposentadoria de Hervé Théry”. A questão foi retomada na decisão do CNRS quando chama a atenção para que um mandado seja dado à posição diretor e/ou editor da revista (máximo de 5 anos, renovável uma vez). Sobre o primeiro ponto, podemos tranquilizar a seção 39, o efeito da aposentadoria de Hervé Théry no dia 1 de janeiro de 2016, do CNRS, foi, em primeiro lugar, atenuado pelo fato de ter obtido o estatuto de diretor de pesquisa emérito e, por outro lado, por deixá-lo com um pouco mais de tempo para dedicar à revista. Aceitamos o pedido do CNRS sobre o prazo de 5 anos para o mandato, indicado na correspondência do dia 10 de abril de 2016, o mesmo começando nesta data.

Mudança de ritmo

6Tomamos a decisão de incrementar o ritmo publicação da Confins, de três para quatro edições por ano. Essa alteração foi necessária por conta do sucesso da Revista, com o consequente aumento da demanda na submissão de mais e mais propostas de artigos, no momento 85 deles estão sob avaliação pelos comitês da revista. Em vez de três números, em datas fixadas, respectivamente, em março, julho e novembro, a revista passara para publicações em março, junho, setembro e dezembro. Esperamos assim manter o tempo mais curto possível entre a chegada dos manuscritos e a sua publicação, após revisão pelos pares e redação – na grande maioria dos casos – de uma segunda versão, tendo em conta as observações recebidas. Este período é de aproximadamente nove meses, na média, abaixo dos prazos da maioria das revistas científicas publicadas em papel, que pode atingir e exceder dois anos, o que é obviamente prejudicial para artigos com base em dados recentes.

O número 27

7O número 27 abre com três artigos que tratam, integralmente ou em parte, da França, o primeiro dos quais será, sem dúvida, muito exótico para seus leitores brasileiros “As concentrações de inverno: uma prática turística original dos motociclistas europeus em busca de frio e neve”, de Jean Scol, mostrando – com uma real empatia para seu assunto – que se trata de um verdadeiro objeto geográfico. O segundo artigo atende a uma das condições anunciadas na apresentação da revista, “prioridade é dada aos artigos comparativos e os artigos de brasileiros sobre a Europa”: é o que fazem Tadeu Alencar Arrais em “Nas trilhas de Paris, David Harvey e a capital da modernidade” e Sidnei Luís Bohn Gass, Roberto Verdum, Jeannine Corbonnois e François Laurent em “Áreas de preservação permanente (APPs) no Brasil e na França: um comparativo”.

8Outra comparação, entre Brasil e Argentina desta vez, é o cerne do artigo de Mauricio Polidoro, Natalia Czytajlo e Marta Casares “Carências e vulnerabilidades em metrópoles periféricas: análise comparativa entre Curitiba, Brasil e San Miguel de Tucumán, Argentina”. O tema da água aproxima “A cidade de São Paulo e seus rios: uma história repleta de paradoxos”, de Isabel Cristina Moroz Caccia-Gouveia, “Nenhuma bacia é apenas uma bacia!” de Gisela Pires do Rio. Finalmente, dois artigos aborda duas questões sensíveis da atualidade brasileira, a questão agrária para Eduardo Girardi Paulon no “Mato Grosso: expressão agúda da questão agrária brasileira”, e a segregação residencial para Michael Chetry em “A situação residencial da Nova Classe Média na metrópole do Rio de Janeiro: uma contribuição ao debate”.

9O dossiêParaná: olhares sobre as regionalizações”, coordenado por Omar Barros Neto Fernandes, discute a situação do Estado sob vários ângulos convergentes. Primeiro uma visão geral, com “O Paraná no Brasil: uma contextualização em treze imagens (e meia)” , de Hervé Théry, André Nagy e Raimundo Nonato Júnior e “Desigualdades regionais do crescimento industrial do Estado do Paraná”, de Claudio Roberto Bragueto e Luís Enrique da Silva. Em seguida, as cidades e a política com “A cartografia do fenômeno urbano e econômico no Paraná: uma leitura com auxílio da semiótica”, de Ricardo Rodrigues Monteiro e “Eleições para o senado no Paraná: período 1994-2014” de Omar Fernandes Barros Neto. Finalmente, é abordada a relação entre natureza e sociedade – como solicitado pela seção 31 – com os “Unidades de Conservação - territórios dos povos e comunidades tradicionais no Paraná: uma abordagem cartográfica ao estudo dos conflitos de uso no território” de Marquiana F . Gomes Vilas Boas, Raimundo Nonato Júnior e Emerson Souza Gomes e “Risco de alagamentos no Estado do Paraná: análise da periculosidade e da vulnerabilidade”, de Marcelo Gonçalves e Mirian Vizintim.

10Entre as “imagens comentadas”, a primeira é dedicada, às vésperas dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro a “Um aplicativo para mapear os tiroteios no Rio de Janeiro” e a segunda a um universo muito mais calmo com o texto de Sílvia Helena Zanirato “Viver (d)o mar. Narrativa visual da pesca tradicional em São Miguel do Gostoso – RN”. Finalmente a terceira é um aparente paradoxo “A seringueira agora é paulista”, por René Somain e Martine Droulers.

11Resenhas de Leandro de Bruno Santos, “O Estado empreendedor: desmascarando o mito do setor público vs. setor privado” e Marion Daugeard “Os serviços ecossistêmicos: uma noção a mais?”, seguidos de apresentações de livros ou revistas concluem o número: “Atlas problemático de uma cidade vulnerável, Lima”,“França e a Escola Brasileira de Geografia em inglês”, “A revista Brasil/s, revista francesa e em francês sobre o Brasil” e “ O esporte. Uma geografia globalizada”.

12Boa leitura a todos,

13Hervé Théry, Neli Aparecida de Mello-Théry

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 27 », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 27 juillet 2016, consulté le 30 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/11013

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org