Navigation – Plan du site

Avaliação do agravamento de inundações na bacia hidrográfica do Alto Iguaçu e afluentes do Alto Ribeira, Paraná

Évaluation de la progressivité des inondations dans le bassin de l'Alto Iguaçu et des affluents de l'Alto Ribeira, Paraná
Assessment of flood Control in Alto Iguaçu and affluents of Alto Ribeira watershed, Paraná
Junior Ruiz Garcia

Résumés

L’expansion du réseau urbain a été accompagnée par l'imperméabilisation des sols, contribuant à la fréquence accrue des inondations dans ces domaines. Toutefois, l’évaluation de ce phénomène n'a pas reçu l’attention voulue dans la gestion de l’espace urbain, en particulier parce qu’il n’y a pas d’informations suffisantes et appropriées. Ce travail vise à évaluer l’impact des changements dans l’utilisation et l’occupation des terres dans l’aggravation des inondations dans le bassin Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira, Paraná. Ce bassin a une population de 3 millions d’habitants, dont un important centre urbain au Brésil. Les changements proposés dans l’utilisation et l’occupation des terres à l’échelle du bassin respecterait l'échelle de développement durable de la rivière et de son potentiel agricole. La méthode utilisée a été d'estimer des indicateurs d'aggravation des inondations (IAI) pour le sous-bassin. Les résultats indiquent que le respect de l’échelle durable permettrait de réduire la probabilité d’inondation dans les sous-bassins du bassin et de ses Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira.

Haut de page

Texte intégral

Alto IguaçuAfficher l’image
Crédits : http://allevents.in/curitiba

1É consenso que a sociedade e todos os seres vivos dependem de ecossistemas relativamente saudáveis e do fluxo de bens e serviços providos pelos componentes do capital natural (Costanza et al., 1997 De Groot et al., 2002 e Alcamo et al., 2003). A origem dos benefícios proporcionados pelo sistema natural à sociedade está localizada nos processos ecossistêmicos ou nas funções ecossistêmicas, que contribuem para o provimento dos bens e serviços ecossistêmicos (Costanza et al., 1997, De Groot et al., 2002 e Alcamo et al., 2003). No entanto, a sociedade não tem considerado na devida medida em suas decisões de uso e ocupação do espaço natural que existem inúmeros riscos de irreversibilidades e de ruptura no fluxo de serviços ecossistêmicos. Cabe ressaltar que a irreversibilidade depende da resiliência dos ecossistemas, associada às ações da sociedade, portanto, se algum equívoco for cometido, não há como voltar atrás (Merico, 2002), as mudanças são irreversíveis.

2As funções ecossistêmicas são consideradas como a fonte dos benefícios que a sociedade “recebe gratuitamente” do ambiente natural na forma de bens e serviços ecossistêmicos (Costanza et al., 1997, De Groot et al., 2002, Alcamo et al., 2003, Andrade, 2008 e Daly e Farley, 2011). As funções são os resultados das complexas interações entre os componentes do ambiente natural, que por sua vez se traduzem nos serviços ecossistêmicos, mas somente quando estes trazem a implícita ideia de valor humano (Costanza et al., 1997, De Groot et al., 2002 e Daly e Farley, 2011). Para Daly e Farley (2011, p. 103), “We call an ecosystem function that has value to human beings an ecosystem service”. Ainda, segundo Daly e Farley (2011, p. 75), “Living species interact to create complex ecosystems, and these ecosystems generate ecosystems functions. When functions are of use to humans, we refer to them as ecosystem services. Many of these ecosystem services are essential to our survival”.

3Assim, os serviços ecossistêmicos representam os benefícios que a sociedade se apropria direta ou indiretamente do ambiente natural (Costanza et al., 1997). Para Alcamo et al. (2003), os serviços ecossistêmicos podem ser organizados em três grupos: i) funcionais, compostos pelos serviços de regulação, transporte, habitat, produção e informação (De Groot et al., 2002); ii) organizacionais, associados a determinadas espécies de seres vivos que regulam a entrada exógena de matéria ou que estejam relacionados à própria organização dos recursos bióticos (Norberg, 1999); iii) descritivos, recursos renováveis e não-renováveis, serviços de estrutura física, bióticos, biogeoquímicos, informação, social e cultural (Moberg e Folke, 1999).

4Todavia, a degradação dos ecossistemas levada a cabo pela sociedade ao longo do século XX pode ser caracterizada pela tendência ascendente e estreita relação com a escala biofísica da atividade econômica, que tem demandado quantidades crescentes de recursos naturais, seja como fonte de insumos seja como fonte para a absorção de resíduos dos processos econômicos (McNeill, 2001, Mueller, 2007 e Sachs, 2008). Considera-se que o impacto das atividades antrópicas em qualquer um dos componentes do ecossistema resulta, invariavelmente, em alterações no relativo equilíbrio dinâmico de outros componentes e do próprio sistema socioeconômico, o que tem resultado na perda de importantes serviços ecossistêmicos (Hassan, Sholes e Ash, 2005) tais como o controle de inundações, particularmente em áreas densamente urbanizadas (Ojima e Marandola Jr., 2013).

5A expansão da rede urbana tem sido acompanhada pela impermeabilização do solo, contribuindo para o aumento da ocorrência de inundações nestas áreas, ou seja, contribuindo para a perda do serviço ecossistêmico conhecido como controle de inundações (Ojima e Marandola Jr., 2013). Todavia, a avaliação deste fenômeno não tem recebido a devida atenção na gestão do espaço urbano, em particular porque não existe informação suficiente e adequada. Assim, este trabalho tem por objetivo avaliar o impacto da mudança no uso e ocupação das terras no agravamento de inundações na Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira, Paraná, Brasil. Essa área abriga uma população de 3 milhões de pessoas, com densidade demográfica da ordem de 509 hab./km², além de ser um importante centro urbanizado no Brasil (IBGE, 2010).

6O trabalho está organizado em duas seções, além desta introdução e das considerações finais. Na primeira são apresentados alguns aspectos metodológicos. Na seguinte são discutidos os principais resultados.

Aspectos metodológicos

Área de estudo

  • 1 Toda análise empreendida neste trabalho é realizada no âmbito dos municípios que possuem território (...)

7A área de estudo é a Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira, localizada na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), no Paraná, Brasil, com 6.036 km² (Mapa)1

Mapa 1– Localização da bacia hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira

Mapa 1– Localização da bacia hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira

Fonte: Elaborado pelo autor com base em Instituto das Águas do Paraná (Águas Paraná, 2010).

8O uso e ocupação das terras na bacia hidrográfica podem ser caracterizados pela forte e intensa intervenção humana e econômica, em especial pela presença de um importante componente urbano-industrial, concentrado nas cidades de Curitiba, Araucária e São José dos Pinhais (IBGE, 2010). Em 2010, a população dessa região era de 3,07 milhões de habitantes, densidade demográfica de 509 hab./km², quase 10 vezes maior que a registrada no Paraná, 52,2 hab./km² (IBGE, 2010). A taxa de urbanização média era de 94% (2,89 milhões de pessoas), população rural de apenas 184 mil pessoas (IBGE, 2010).

9Em função da elevada densidade e do grau de urbanização, a maioria dos serviços ecossistêmicos providos localmente devem ter seus fluxos interrompidos, em especial o serviço controle de inundações. Considere ainda que a região registra um volume significativo de precipitações ao longo de um ano. Os volumes médios mensais de precipitações foram estimados a partir dos registros das estações de monitoramento pluviométrico entre fevereiro de 1889 e dezembro de 2010 (ANA, 2011). O volume médio mensal de precipitações registrado entre os meses de setembro e março é de 140 mm, entre abril e agosto é de 80 mm (ANA, 2011). Entretanto, a maior intensidade de precipitações ocorre entre os meses de dezembro e fevereiro, registrando volumes superiores à 160 mm/mês, mas em janeiro podem alcançar valores maiores que 180 mm/mês (ANA, 2011). As isoietas das médias anuais das precipitações mostram que os maiores volumes alcançaram 2.600 mm (Serra do Mar e próximo ao litoral do Paraná), os menores entre 1.500 e 1.700 mm na região das bacias (ANA, 2011). Desse modo, a impermeabilização resultante da urbanização da bacia hidrográfica pode intensificar a ocorrência de inundações em função da perda do serviço ecossistêmico de controle de inundações.

Escala Sustentável

10A presença de florestas nativas ou mesmo da cobertura vegetal nativa pode ser considerada como o principal componente estrutural de um ecossistema natural – pelo menos é o mais visível –, ainda pode ser um importante indicador do estado geral ou da qualidade dos ecossistemas lato sensu. A cobertura florestal é responsável por uma série de serviços ecossistêmicos essenciais para a manutenção de outros componentes ecológicos e do próprio sistema socioeconômico (Garcia, 2012). A importância relativa da cobertura vegetal e o tipo de serviços que provê varia em função de sua localização e de outras características do ambiente.

11Os ecossistemas operam em uma condição de relativo equilíbrio (termo) dinâmico, em que a constante interação direta e indireta entre seus componentes garante a estabilidade dinâmica do sistema, influenciando no limiar de resiliência dos ecossistemas (Mueller, 2007). Por conseguinte, o principal objetivo da gestão ambiental deveria ser a manutenção dessa estabilidade diante da presença marcante e crescente de atividades humanas (Garcia, 2012). Neste sentido, a questão central da gestão ambiental deveria ser: qual deve ser o tamanho mínimo dos ecossistemas intactos ou “saudáveis” para manter a sua relativa estabilidade dinâmica? Em outras palavras, qual deveria ser o grau máximo de intervenção humana no ambiente natural ou mesmo em uma bacia hidrográfica? Ou seja, qual a escala sustentável?

12A avaliação realizada neste estudo considera duas situações de uso e ocupação das terras na bacia hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira: i) situação 1 – uso e ocupação das terras em 2001/02; ii) situação 2 – baseia-se em um cenário construído a partir do uso e ocupação das terras em 2001/02 que simula a recuperação e conservação da mata ciliar dos principais rios, nascentes e reservatórios de abastecimento público de água, além da adequação do uso e ocupação das terras de acordo com a aptidão agrícola da bacia hidrográfica. A aptidão agrícola, segundo Lepsch et al. (1991), pode ser definida como a capacidade de uso da terra representada pela sua adaptabilidade segundo diversos usos possíveis, mas sem perder suas características originais, tais como fertilidade e capacidade de resiliência em decorrência da presença dos fatores de desgaste e empobrecimento.

13A construção da situação 2 foi realizada com auxílio do ArcGis 9.3. A partir do mapa hidrológico (rios e reservatórios) da bacia hidrográfica, construído a partir de imagens de satélite com resolução de 30 metros por pixel, com auxílio da ferramenta Buffer do ArcGis 9.3 foram estimadas as áreas que deveriam ter mata ciliar. A partir da elaboração de um buffer de 30 metros para as margens dos principais rios e reservatórios e de um buffer com raio de 50 metros para as nascentes conforme o Novo Código Florestal Brasileiro (Brasil, 2012). A legislação vigente determina que rios com menos de 10 metros de largura devem ter uma faixa de pelo menos 30 metros de vegetação (Mata Ciliar) em cada margem, e para as nascentes a mata ciliar deverá ser um círculo com raio de 50 metros (Brasil, 2012). Como não está disponível a largura dos rios das bacias hidrográficas optou-se por adotar o limite inferior. Além disso, o mapa de uso e ocupação das terras entre 2001/02 foi construído a partir de imagens com 30 metros por pixel, portanto, permite esse tipo de avaliação. Em seguida, com auxílio da ferramenta Clip do ArcGis 9.3, foi possível recortar as áreas de uso e ocupação das terras em 2001/02 na bacia hidrográfica, permitindo identificar as áreas de mata ciliar que estavam ocupadas com outro uso.

14Cabe destacar que, de acordo com Lepsch et al. (1991), as terras classificadas como inaptas ao uso agropecuário, incluindo o reflorestamento comercial (plantações de Pinus e Eucaliptos, por exemplo), são apropriadas apenas para conservação da flora e fauna silvestre, recreação ou armazenamento de água. Deste modo, o ideal seria promover o reordenamento do uso e ocupação das terras para que o sistema produtivo respeite a aptidão agrícola do solo, isto é, respeite sua capacidade de suporte. Essa informação pode ser utilizada para representar a “escala aceitável ou sustentável” do sistema agropecuário e silvícola na bacia hidrográfica. Consideram-se as áreas rurais e periféricas da bacia hidrográfica porque são estas que têm recebido o fluxo hídrico das precipitações em áreas urbanas pelos sistemas de drenagem urbana. A agua da chuva não evaporada deve ir para algum lugar, neste caso, para as áreas periféricas da bacia, já que a área urbana perdeu sua capacidade de absorção da água, o controle de inundação. Contudo, um importante desafio da gestão ambiental tem sido identificar e mensurar os benefícios associados à melhoria dos ecossistemas, já que o respeito a capacidade de suporte dos ecossistemas implica em um custo de oportunidade.

Indicador de Agravamento de Inundações - IAI

15A expansão da rede urbana acompanhada pela impermeabilização do solo tem contribuído para o aumento da ocorrência de inundações em regiões com elevado grau de urbanização (Ojima e Marandola Jr., 2013), e mesmo nas regiões periféricas das áreas urbanas. Isso tem ocorrido em função da principal característica da urbanização: substituição da cobertura florestal ou vegetação nativa ou mesmo de áreas agrícolas por áreas construídas, onde predomina a impermeabilização do solo, por conseguinte, da bacia hidrográfica, reduzindo a provisão do serviço ecossistêmico de controle de cheias ou inundações (Águas Paraná, 2007).

16Na tentativa de avaliar o risco de ocorrência de inundações na RMC, o Águas Paraná (2007) apresentou o Indicador de Agravamento de Inundações (IAI). Esse indicador é calculado como sendo a variação da precipitação efetiva resultante da impermeabilização da bacia hidrográfica em relação a uma situação de referência sem ocupação urbana. A metodologia adotada para quantificar o Volume Efetivo Precipitado (VEP) – proxy do escoamento superficial – foi desenvolvida pelo Soil Conservation Service (SCS) dos EUA. O Modelo CN foi desenvolvido pelo Serviço de Conservação do Solo (Soil Conservation Service – SCS) do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (United States Department of Agriculture – USDA) em 1954 (Sartori, 2004). A metodologia usada neste trabalho foi aplicada originalmente no Plano de Drenagem (2002) da RMC (Águas Paraná, 2007). O VEP é calculado com base na seguinte equação:

17Onde:

18VEP representa o volume efetivo precipitado (mm);

19VP é o volume precipitado (mm);

20CN é o Curve Number, variável que encerra em si todos os fatores produtores do deflúvio. O CN refere-se a uma curva média de infiltração que possibilita a separação da parte da precipitação que se constituirá em escoamento superficial.

21A situação de referência corresponde a uma precipitação com duração de 120 minutos, período de retorno de 25 anos e CN (Curve Number) médio de 60, que equivale à cobertura típica das áreas rurais, sem adensamento urbano, resultando em uma precipitação efetiva de 16,83 mm (Águas Paraná, 2007). É preciso destacar que os valores de CN são tabelados em função da combinação do grupo hidrológico do solo e do tipo de cobertura e manejo, ambos relacionados a uma condição de umidade antecedente verificada na bacia (Sartori, 2004).

22O VP adotado para a estimativa do IAI na bacia hidrográfica foi 96,32 mm, que corresponde a uma chuva com duração de 120 minutos e período de retorno de 25 anos (Águas Paraná, 2007). Os CN’s das sub-bacias da área de estudo foram determinados a partir da média ponderada entre o CN de cada uso da terra pela sua respectiva área (Tabela).

Tabela 1– CN’s das Categorias de Uso da Terra da Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes de Alto Ribeira

Tabela 1– CN’s das Categorias de Uso da Terra da Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes de Alto Ribeira

Fonte: Águas Paraná, 2007, p. 88.

23A etapa seguinte compreende a integração dos CN’s médios (Tabela) ao mapa de uso e cobertura das terras 2001/02. Para captar o efeito da recuperação da área florestal (incluso da mata ciliar) no IAI o modelo também foi aplicado ao cenário proposto, representado pela situação 2 que corresponde à conversão das áreas agropecuárias e silvícolas que não respeitam a aptidão agrícola do solo em florestas e ocupam as áreas que deveriam ser compostas por matas ciliares. Por fim, o IAI foi calculado para ambas as situações por sub-bacia. A seguir são apresentados os principais resultados.

Resultados e discussão

Identificação da “escala sustentável” da bacia hidrográfica

24A simulação indica que 26,2 mil hectares precisariam ser recuperados com mata ciliar (Tabela ).

Tabela 2 – Uso e Ocupação das terras na Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira: 2001/02

Tabela 2 – Uso e Ocupação das terras na Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira: 2001/02

25Fonte: Elaborado pelo autor com auxílio do ArcGis 9.3 e com base em ITCG (2011).

26Além da recuperação da mata ciliar, a gestão ambiental deve considerar a escala de suporte dos ecossistemas ou a escala sustentável de uso e ocupação das terras da bacia hidrográfica. A escala de uso dos ecossistemas representaria a dimensão biofísica do subsistema socioeconômico (Tosto, 2010, Daly e Farley, 2011 e Garcia, 2012) em relação ao sistema natural. A partir desse pressuposto, é preciso incorporar na análise a área agropecuária (inclusive com uso silvícola) que não respeita a aptidão agrícola do solo, no limite, sua capacidade de suporte. A estimativa da área sobreutilizada pela atividade agropecuária foi realizada com base no uso e ocupação das terras 2001/02 e na aptidão agrícola (ITCG, 2011). De acordo com Tosto (2010, p. 191), as áreas sobreutilizadas são “aquelas em que o uso está acima da capacidade de sustentação do solo, portanto, degradando-o”. No Brasil, a avaliação do potencial das terras é realizada basicamente a partir de dois sistemas: aptidão agrícola das terras e de capacidade de uso (Tosto, 2010). Neste trabalho optou-se pela utilização do sistema de aptidão agrícolas das terras por conta da disponibilidade de dados para a bacia hidrográfica analisada. A partir da sobreposição do mapa de aptidão agrícola construído para o Paraná pelo ITCG e do mapa de uso e ocupação das terras 2001/2002 foi possível estimar que na bacia hidrográfica aproximadamente 239,3 mil hectares, de um total de 476 mil hectares com uso agropecuário e silvícola, estavam em áreas consideradas inaptas, ou seja, ocorre a sobreutilização dessas terras (Tabela ).

Indicador de Agravamento de Inundações (IAI) por Sub-bacia da Bacia Hidrográfica

27Os resultados são apresentados no mapa 3. Com base na equação 1, nos dados da tabela 1, no mapa de uso e ocupação das terras e no volume precipitado (96,32 mm) foi calculado com o auxílio do Microsoft Excel o VEP e sua variação em relação ao VEP de referência para cada sub-bacia da área de estudo, que corresponde ao IAI. Por fim, os resultados do IAI foram integrados ao mapa de sub-bacias da região (ITCG, 2011) e classificados de acordo com a proposta apresentada pelo Águas Paraná (2007). Os dados do mapa 3 correspondem ao resultado da variação da VEP estimada para cada sub-bacia em relação ao VEP de referência calculado a partir de um CN médio de 60, correspondente à cobertura florestal, que resultaria em um VEP de 16,83 mm, ou seja, o IAI. Em síntese, os resultados do modelo apresentados no mapa 3 mostram o grau de variação do VEP estimado em relação ao VEP de referência.

Mapa 2 – Indicador de Agravamento de Inundações (IAI) por Sub-bacia da Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira

Mapa 2 – Indicador de Agravamento de Inundações (IAI) por Sub-bacia da Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira

Fonte: Preparado pelo autor com base em Águas Paraná (2007) e ITCG (2011).

Nota: A interpretação dos resultados foi baseada em Águas Paraná (2007).

28Os resultados da situação 1 mostram que praticamente em toda a bacia hidrográfica poderiam ocorrer inundações, já que os VEP estimados estão acima do VEP de referência. A possibilidade da ocorrência de inundações é maior nas áreas mais impermeabilizadas, especialmente nas cidades de Curitiba e São José dos Pinhais. Vale destacar que o estudo de Lohman (2013) indica que há um aumento da ocorrência de inundações na cidade de Curitiba. O interessante é que mesmo em áreas com baixa urbanização, a possibilidade de ocorrência de inundações se mantém elevada (Mapa ), situação que pode estar associada parcialmente pela sobreutilização do solo, reduzindo sua capacidade de infiltração, e pela relação entre as sub-bacias a partir da rede de drenagem urbana construída em Curitiba e nas áreas altamente urbanizadas. Assim, a água precipitada em sub-bacias com elevado grau de impermeabilização, tais como as sub-bacias da cidade de Curitiba e de São José dos Pinhais, tem sido direcionada para a periferia a partir da rede de drenagem urbana.

29No entanto, ao simular a adequação do manejo do solo, em termos de uso e ocupação das terras, com base na aptidão agrícola e apenas na recuperação das matas ciliares, a possibilidade de ocorrência de inundações poderia ser alterada de maneira significativa nas sub-bacias da área de estudo (situação 2) (Mapa ). Se na situação 1 os resultados indicavam alta e muito alta possibilidade de ocorrência de inundações, a recuperação e manutenção da cobertura vegetal nativa reduziria a possibilidade de inundações para baixa e moderada. Embora ainda permaneça a alta possibilidade de inundações nas áreas com elevado grau de impermeabilização mesmo na situação 2. A melhoria da qualidade ambiental nas áreas periféricas poderia contribuir para o aumento da infiltração do escoamento da água precipitada naquelas áreas impermeabilizadas, ou seja, as áreas periféricas poderiam aumentar o provimento do serviço ecossistêmico de controle de inundações. É possível afirmar que as regiões urbanizadas estariam “importando” da periferia o serviço controle de inundações a partir das redes de drenagem urbana.

30Dessa maneira, as informações aportadas neste estudo poderiam contribuir para a instituição de esquemas de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA’s) (Engel, Pagiola e Wunder, 2008 e Santos e Vivan, 2012), uma vez que a população das áreas periféricas estaria provendo serviços ambientais, tais como a manutenção de áreas com cobertura vegetal e permeáveis, para as áreas altamente urbanizadas. É preciso destacar que esse provimento implica em um custo de oportunidade para as áreas periféricas, já que haveria uma redução das áreas disponíveis para geração de produto e renda econômica e mesmo para ocupação urbana, em detrimento da redução da possibilidade de ocorrência de inundações nas áreas mais urbanizadas da bacia hidrográfica. Portanto, as áreas beneficiadas com o aumento ou mesmo a manutenção do serviço ecossistêmico controle de inundações poderiam financiar a adequação do uso e ocupação das terras nas áreas periféricas, e compensar a possível perda de receita econômica em função da substituição de áreas ocupadas por atividades econômicas por áreas com vegetação natural.

31Por fim, de acordo com Mendonça et al. (2013), a região metropolitana de Curitiba tem sofrido recorrentemente com inundações. Os autores destacam que desde a instalação da cidade de Curitiba, a população já enfrentava o problema do excesso de água. Neste sentido, a expansão da ocupação urbana apenas acentuou uma característica já existente e natural da região. Assim, a sociedade deveria ter incorporado em suas decisões de uso e ocupação das terras a dimensão ecológica, o que poderia ter amenizado os custos da perda do serviço natural de controle de inundações com o aumento das áreas impermeabilizadas.

Conclusões

32A degradação dos ecossistemas ao longo do século XX pode ser caracterizada pela tendência ascendente e por sua estreita relação com a escala biofísica da atividade econômica, ou seja, o tamanho do sistema econômico, que tem demandado quantidades crescentes de recursos naturais, seja como fonte de insumos, seja como fonte para a absorção de resíduos. Neste aspecto, o que antes era considerado um bem ou serviço provido gratuitamente pelo sistema natural – bem ou serviço ecossistêmico –, por exemplo, água limpa, controle de inundações e fertilidade do solo, no período recente está associado a custos crescentes. Cabe destacar ainda que a perda de importantes serviços ecossistêmicos tem afetado negativamente o grau de bem-estar da sociedade e elevado o custo do crescimento econômico, em particular nas áreas urbanas.

33A evolução do sistema econômico foi acompanhada por uma significativa mudança no uso e ocupação das terras, representada principalmente pela transição de uma sociedade rural para uma cada mais urbanizada. Contudo, a evolução da urbanização implica na conversão de áreas “naturais” por áreas “impermeabilizadas” (calçadas, estradas e residências, por exemplo), resultando na perda quase que total de importantes serviços ecossistêmicos, tais como a capacidade de infiltração da água da chuva no solo, o que tem levado ao aumento da ocorrência de inundações como tem ocorrido na região de Curitiba. O resultado prático dessa nova dinâmica tem sido o aumento das perdas sociais e econômicas nestas áreas. Situação que pode ser agravada com a advento das mudanças climáticas que para a região sul do Brasil aumento do volume pluviométrico (PMBC – Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, 2014). Desse modo, o desenvolvimento de avaliações sobre a dinâmica ecossistêmica em áreas urbanas pode fornecer subsídios mais adequados para a formulação de políticas ambientais e gestão das terras e urbana, além de promover a adequação do uso e ocupação do espaço urbano.

34Os resultados da avaliação da adequação do uso e ocupação das terras nas bacias hidrográficas do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira, de acordo com sua capacidade de uso agrícola e a recuperação das matas ciliares, mostrou pode haver uma redução significativa na probabilidade da ocorrência de inundações na Região Metropolitana de Curitiba. Essas informações podem subsidiar, por exemplo, a formulação de programas de pagamentos por serviços ambientais (PSA’s) em áreas urbanas, indicando uma potencial fonte de financiamento para a gestão de bacias hidrográficas urbanizadas, e, deste modo, promover a recuperação e a manutenção dos ecossistemas.

Haut de page

Bibliographie

Alcamo, J. et al. (2003)2. Ecosystems and human well-being: a framework for assessment. Disponível em: <http://www.maweb.org/documents/>. Acesso em: 06/06/2015.

Andrade, D. C. Economia do Meio Ambiente: Aspectos Teóricos e Metodológicos nas Visões Neoclássica e da Economia Ecológica. Leituras de Economia Política (IE/Unicamp). v. 14, p. 1 – 31, ago/dez 2008.

Brasil. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Disponível em: <http://goo.gl/CLGRKb>. Acesso em: 10/07/2014.

Costanza, R., D’arge, R., De Groot, R., Farber, S., Grasso, M., Hannon, B., Limburg, K., Naeem, S., O’neil, R. V., Paruelo, J. e Raskin, R. R., Sutton, P., Van den Belt, M. The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature, vol. 387, maio/1997.

Daly, H. e Farley, J. Ecological Economics: Principles and Applications. 2ª edition, Island Press, Washington, 2011.

De Groot, R. S., Wilson, M. A. e Boumans, R. M. J. A typology for the classification, description and valuation of ecosystem functions, goods and services. Ecological Economics, Special Issue: The Dynamics and Value of Ecosystem Services: Integrating Economic and Ecological Perspectives, nº 41, 2002, p. 393-408.

Engel, S., Pagiola, S. e Wunder, S. Designing payments for environmental services in theory and practice: an overview of the issues. Ecological Economics, 65, 2008, pp. 663-674.

Garcia, J. R. (2012). Valoração, cobrança pelo uso da água e a gestão das bacias hidrográficas do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira: uma abordagem econômico-ecológica. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente), Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2010). Censo Demográfico – 2010: Resultados Preliminares. Disponível em: <www.ibge.gov.br>. Acesso em: 15/06/2015.

Instituto das Águas do ParanáÁguas Paraná (2007). Plano da Bacia do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira – Relatório de Diagnóstico. Disponível em: <http://www.recursoshidricos.pr.gov.br>. Acesso em: 15/06/2015.

Instituto das Águas do ParanáÁguas Paraná (2010). Base Cartográfica – Atlas de Recursos Hídricos do Estado do Paraná. Arquivos digitais fornecidos pela Coordenadora ATIG, Jaqueline Dorneles de Souza, do Instituto das Águas do Paraná por e-mail em 18 de novembro de 2010.

Instituto de Terras Cartografia e Geociências – ITCG. Produtos cartográficos. Disponível em: <www.itcg.pr.gov.br>. Acesso em: 23/07/2011.

Lepsch, I. F., Bellinazzi Jr. R., Bertolini, D. e Espíndola, C. R. Manual para levantamento utilitário do meio físico e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. 4ª aproximação. Campinas: SBCS, 1991, 175p.

Lohman, M. (2013). Análise dos alagamentos no município de Curitiba entre os anos de 2005 a 2010. Ciência Geográfica, Bauru, v. XVII, nº 1, jan./dez. 2013.

Mcneill, J. R. (2001). Something new under the sun: an environmental history of the twentieth-century world. The Global Century Series. New York: W. W. Norton & Company; Reprint edition (April 17, 2001), 2001.

Mendonça, F., Deschamps, M. e Lima, M. d. v. de. Capítulo 6: A cidade e as mudanças globais: (intensificação?) Riscos e vulnerabilidades socioambientais na RMC - Região Metropolitana de Curitiba/PR. In: Ojima, R. e Marandola Jr., E. (orgs.). Mudanças climáticas e as cidades: novos e antigos debates na busca da sustentabilidade urbana e social. São Paulo: Blucher, pp. 129-162, 2013.

Merico, L. F. K. Introdução à Economia Ecológica. 2ª edição, edifurb, Blumenau, Santa Catarina, 2002.

Hassan, R., Sholes, R. e Ash, N. (eds.). Ecosystems and human well-being: current state and trends, findings of condition and trends working group. Volume I, MEA – Millennium Ecosystem Assessment, Washington, DC, 2005.

Moberg, F. e Folke, C. Ecological goods and services of coral reef ecosystems. Ecological Economics, nº 29, 1999, p. 215-233.

Mueller, C. C. Os economistas e as relações entre o sistema econômico e o meio ambiente. Editora UNB/Finatec. Brasília, 2007.

Norberg, J. Linking nature’s services to ecosystems: some general ecological concepts. Ecological Economics, nº 29, 1999, p. 183-202.

Ojima, R. e Marandola Jr., E. (orgs.). Mudanças climáticas e as cidades: novos e antigos debates na busca da sustentabilidade urbana e social. São Paulo: Blucher, 2013.

PBMC – Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Impactos, vulnerabilidades e adaptação às mudanças climáticas. Contribuição do Grupo de Trabalho 2 do PBMC ao Primeiro Relatório da Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas [Assad, E. D., Magalhães, A. R. (eds.)]. COPPE. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2014.

Sachs, J. (2008). A riqueza de todos: a construção de uma economia sustentável em um planeta superpovoado, poluído e pobre. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

Santos, R. F., Vivan, J. L. Pagamento por serviços ecossistêmicos em perspectiva comparada: recomendações para tomada de decisão. Brasília-DF, Projeto de Apoio aos Diálogos Setoriais EU-Brasil, 2012.

Sartori, A. Avaliação da classificação hidrológica do solo para a determinação do excesso de chuva do método do Serviço de Conservação do Solo dos Estados Unidos. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, Campinas, São Paulo, 2004.

Tosto, S. G. (2010). Sustentabilidade e valoração de serviços ecossistêmicos no espaço rural do município de Araras, SP. Tese (Doutoramento em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente), Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, 2010. Disponível em: <www.bibliotecadigital.unicamp.br>. Acesso em: 29/06/2011.

Haut de page

Notes

1 Toda análise empreendida neste trabalho é realizada no âmbito dos municípios que possuem territórios na área da Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira, porém não são consideradas as áreas e outros dados referentes ao município de Palmeira. Mesmo que este município tenha parte do território inserido na área da bacia hidrográfica, sua sede urbana está fora do limite espacial das bacias hidrográficas, ademais, o percentual de seu território é igual ou inferior a 10%.

2 Ao todo são 51 autores.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1– Localização da bacia hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira
Crédits Fonte: Elaborado pelo autor com base em Instituto das Águas do Paraná (Águas Paraná, 2010).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11025/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11025/img-2.png
Fichier image/png, 4,4k
Titre Tabela 1– CN’s das Categorias de Uso da Terra da Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes de Alto Ribeira
Crédits Fonte: Águas Paraná, 2007, p. 88.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11025/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Tabela 2 – Uso e Ocupação das terras na Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira: 2001/02
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11025/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Mapa 2 – Indicador de Agravamento de Inundações (IAI) por Sub-bacia da Bacia Hidrográfica do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira
Crédits Fonte: Preparado pelo autor com base em Águas Paraná (2007) e ITCG (2011).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11025/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Junior Ruiz Garcia, « Avaliação do agravamento de inundações na bacia hidrográfica do Alto Iguaçu e afluentes do Alto Ribeira, Paraná », Confins [En ligne], 28 | 2016, mis en ligne le 22 septembre 2016, consulté le 22 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/11025 ; DOI : 10.4000/confins.11025

Haut de page

Auteur

Junior Ruiz Garcia

Professor do Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná, jrgarcia1989@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org