Navigation – Plan du site

Cotidiano, consumo e vida urbana em cidades médias brasileiras

Quotidien, consommation et vie urbaine dans les villes moyennes brésiliennes
Everyday life, consumption and urban life in middle-sized Brazilian cities
Eda Maria Góes

Résumés

En partant de l’hypothèse que la consommation est une clef de lecture à partir de laquelle les pratiques spatiales peuvent être appréhendées aujourd’hui, l’approche adoptée dans cet article est celle de la « Géographie de la vie quotidienne ». Celle-ci valorise le rôle de chaque citadin comme un sujet dans le processus de production de l’espace urbain et nous a mené à réaliser un ensemble de 89 entretiens avec des habitants de six villes moyennes brésiliennes (Marília, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São Carlos et São José do Rio Preto pour l’Etat de São Paulo, et Londrina dans l’Etat du Paraná). Comme fondement de cette analyse, les luttes menées dans le champ de la consommation et le rôle fondamental des espaces ont été mis en évidence, à partir du constat que la maison, ses équipements ainsi que le véhicule individuel ont structuré un système d’objets permanents et renouvelables qui assure l’autonomie et se traduit par la reproduction des inégalités sociales. La conclusion principale est que l’élargissement de l’accès au marché immobilier, automobile et de l’électroménager, réalisé au Brésil depuis les années 1990, mais surtout dans les années 2000, a rendu possible la diffusion de la représentation de la classe travailleuse, comme consommatrice et productrice de vie urbaine. Dans le même temps, la normalisation de la consommation, les pratiques individuelles de loisir et la localisation périphérique des habitats ont favorisé le contrôle social, notamment dans ces villes moyennes où les espaces publics, les syndicats, les manifestations politiques et même le bistrot du coin exercent toujours moins d’attraction.

Haut de page

Texte intégral

Mercado Xangri-la em LondrinaAfficher l’image
Crédits : ©Hervé Théry

1Neste artigo, o consumo é considerado como o meio a partir do qual as práticas espaciais podem ser apreendidas na atualidade. O ponto de vista que justifica tal opção está fortemente apoiado na ideia de Bourdin (2005), para quem o consumo mudou de intensidade e conteúdo, bem como de status, conformando o mundo e se associando à tendência de individualização da experiência e aos processos de diferenciação. Nesta linha de interpretação, autores, como Baudrillard (1991), consideram que vivemos numa “sociedade do consumo”, sem deixar de levar em conta os problemas decorrentes de tal constatação.

  • 1 Tamanhos populacionais das seis cidades médias: Marília - 207.737 hab., Presidente Prudente - 203.3 (...)

2A perspectiva da análise é a da “Geografia da vida cotidiana” que estuda a relação espaço-sociedade das situações de interação, referidas às pessoas situadas espaço-temporalmente em um contexto intersubjetivo a partir do qual dão sentido ao espaço e ao outro (Lindón, 2006, p.357). Além de dinâmicas, as práticas espaciais, inclusive as de consumo, comportam relações contraditórias entre reprodução e inovação, em frequente tensão. Mas tais relações só podem ser identificadas quando se valoriza o papel de cada citadino como sujeito no processo de produção do espaço urbano, o que nos levou a realização de um conjunto de 89 entrevistas com moradores de seis cidades médias brasileiras: Marília, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São Carlos e São José do Rio Preto, no Estado de São Paulo, e Londrina, no Estado do Paraná1 (Mapa 1).

Mapa 1. Estados de São Paulo e do Paraná. Localização das cidades pesquisadas

Mapa 1. Estados de São Paulo e do Paraná. Localização das cidades pesquisadas
  • 2 Nesse projeto, se define cidades médias como aquelas que desempenham papéis de intermediação no âmb (...)

3Realizadas no âmbito do Projeto Temático “Lógicas econômicas e práticas espaciais contemporâneas: cidades médias e consumo” (Fapesp, 2012 - 2017)2, as entrevistas versam sobre o consumo e seus espaços, em sentido amplo, desde a alimentação à habitação, passando pela aquisição dos serviços e as formas de pagamento. Levando em conta aspectos como idade, gênero, espaço de moradia, se inseridos no mundo do trabalho ou não, etc., foram propostos seis perfis de entrevistados com vistas a atingir uma diversidade de citadinos/consumidores, o que resultou num total de 13 a 18 entrevistas por cidade, realizadas de julho de 2012 a outubro de 2015.

4Tendo em vista a necessária articulação entre as dimensões metodológica e teórica na produção do conhecimento, consideramos que alguns pressupostos são fundamentais à discussão de temas como produção e consumo, crédito e dívida, uma vez que

Nas economias monetárias em geral e na sociedade capitalista em particular, a intersecção do domínio sobre o dinheiro, o tempo e o espaço forma um nexo substancial, de poder social que não podemos nos dar ao luxo de ignorar. [...] O capital é um processo, não uma coisa. É um processo de reprodução da vida social por meio da produção de mercadorias em que todas as pessoas do mundo capitalista avançado estão profundamente implicadas. [...] O processo mascara e fetichiza, alcança crescimento mediante a destruição criativa, cria novos desejos e necessidades, explora a capacidade do trabalho e do desejo humanos, transforma espaços e acelera ritmos de vida. (Harvey, 1989, p.207 e 307)

5Assim, ao falar sobre as práticas espaciais que empregam para lidar com desejos e necessidades, os citadinos articulam condições objetivas de reprodução de padrões de vida universais ao capitalismo, caracterizadas por processos de reorganização do tempo e do espaço, em histórias de vida marcadas por lutas diversas, muitas das quais travadas no próprio campo do consumo, que se torna fundamental para instaurar e comunicar diferenças (Bourdieu, 2008).

6Nesse campo, os espaços de consumo desempenham papel estratégico, mas a diversidade dessas lutas e a impossibilidade de abarca-las numa mesma chave explicativa implica no reconhecimento de que o consumo é categoria excessivamente ampla. Para compreender como se produz objetivamente espaço, a partir do consumo, ao menos três de seus diferentes papeis precisam ser levados em conta: 1. A possibilidade de integração proporcionada pelo mercado, com todas as diferenças socioespaciais decorrentes, materializadas, por exemplo, na compra da habitação de interesse social, atualmente denominada “habitação social de mercado” (Shimbo, 2012), 2. A integração simulada, por exemplo, pelos shopping centers, quando há satisfação apenas pela possiblidade de ver e ser visto nesses espaços de consumo, 3. A exclusão produzida material ou subjetivamente pelo mercado, quando muros e seguranças armados ou mecanismos mais sutis, porém, igualmente eficazes, enviam mensagens claras de que “isso não é para você”, em espaços residenciais fechados, shopping centers, lojas de luxo e agências bancárias personalizadas.

  • 3 Segundo Governo Lula (2007 – 2010).
  • 4 Neri presidiu o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) de 09/2012 a 05/2014.

7Um segundo pressuposto diz respeito às mudanças no consumo que vem sendo experimentadas no Brasil, desde a década de 1990, mas principalmente nos anos 2000, diretamente relacionadas ao crescimento da renda e do emprego e decorrentes de dois processos concomitantes: de um lado, expansão da renda interna, via políticas distributivas e aumento dos gastos públicos, de outro, ampliação e reordenamento de fluxos de capitais em busca de novos mercados. Nesse contexto, desde 2003, um conjunto de medidas adotadas em nível federal pelo primeiro Governo Lula (2003 - 2006), adquiriu maior visibilidade a partir de 20093, quando o economista Marcelo Neri4 anunciou o surgimento de uma “nova classe média” (Neri, 2011) com grande reverberação na mídia e no marketing.

  • 5 Jessé Souza é sociólogo e assumiu a presidência do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) (...)

8Quem seriam os novos citadinos que agora possuem significativo acesso à renda e, portanto, não podem mais ser classificados como “ralé”? Seriam eles uma nova classe? Segundo Souza5 (2012, p.19), este impasse “acontece porque as categorias e os conceitos que todos nós nos acostumamos a usar, para pensar um mundo que se transforma tão rapidamente, não o explicam mais”. Para esse sociólogo (idem, p.47), se trata de “nova classe trabalhadora”, “batalhadores”, uma vez que o seu acesso à renda foi conquistado à custa de um extraordinário esforço, com o qual lograram adaptar-se às condições do novo capitalismo flexível e financeiro, e assim adquiriram um meio de transporte individual e ao menos uma “habitação social de mercado” (Shimbo, 2012), que passaram a equipar com todos os eletrodomésticos e demais equipamentos disponíveis no mercado, conforme registramos através de entrevistas, como as seguintes:

[Quais foram os bens de maior valor comprados nos últimos cinco anos?]

  • 6 Os nomes dos entrevistados são fictícios.
  • 7 Data da realização da entrevista.

Compramos televisão 42 e 32 polegadas, dois smartphones, notebook. [Tudo nos últimos cinco anos?] Sim, mais geladeira... tem três anos, fogão tem dois anos. [Carro?] Carro eu comprei em trinta e seis [meses]. (Maurício6, carpinteiro, Londrina, 13/06/20147)

... celular, Tablet, geladeira, TV, moto e um terreno. (Adolfo, porteiro, Ribeirão Preto, 17/06/2014)

... notebook, TV, moto, carro, armários, sofá, fogão e freezer. (Eva, auxiliar de serviço, São José do Rio Preto, 26/02/2014)

... reformei minha casa, comprei geladeira, cômoda e sapateira. (Laura, faxineira, Presidente Prudente, 12/04/2014)

... um carro novo para o marido e outro para o filho. Também teve TV e geladeira. (Mercedes, empregada doméstica, São Carlos, 21/02/2013)

  • 8 O habitus é “entendido como um sistema de disposições duráveis e transponíveis que, integrando toda (...)

9Levando em conta os pressupostos acima mencionados e a atenção dada pelos próprios entrevistados à casa, incluindo-se sua aquisição e dos seus equipamentos internos, e ao veículo próprio, incluindo-se a primeira aquisição ou troca por modelo mais recente, esse artigo tem como objetivo principal, discutir esses aspectos, atentando para a ressemantização que pode ser lida nas referências feitas a cada um deles. Duas hipóteses principais são discutidas: 1. a casa e o veículo individual estruturam um permanente e renovável sistema de objetos, que não se apresenta mais como decorrente do trabalho e das relações de produção, assumindo autonomia e atuando na reprodução das desigualdades sociais que, simultaneamente, são encobertas (ou minimizadas) pelo habitus8 consumidor, 2. via ampliação do acesso ao mercado imobiliário, de eletrodomésticos e de veículos, essa “nova classe trabalhadora” passa a ser representada como consumidora e produtora de vida urbana.

O habitus consumidor

10O entendimento de que o consumo é um campo em disputa pode ser estendido para além dos consumidores e empresários, incorporando o próprio conhecimento produzido, mais ou menos criticamente, sobre esse tema. Assim, entre as interpretações extremas, de um lado, que identificam um consumidor livre para escolher num mercado cuja ampliação e diversificação parecem infinitas, produzidas com base no pensamento liberal, e, de outro, as associações diretas entre consumo e alienação, que adquiriram diferentes matizes no âmbito da Escola de Frankfurt, as 89 entrevistas que realizamos, assim como as observações de campo nas seis cidades médias pesquisadas, têm nos confrontado com sujeitos concretos que partilham um habitus consumidor, pautado no imbricamento, muitas vezes contraditório, entre necessidades e desejos, manipulação e liberdade, impulso e planejamento, e, sobretudo, integração e controle social.

  • 9 De acordo com Lazaratto (2013, p.13), “a dívida é uma relação econômica indissociável da produção d (...)

11Tal habitus envolve o encobrimento das desigualdades sociais e da divisão social do trabalho, com poderosa e crescente capacidade de naturalização das mesmas. Contraditoriamente, o habitus consumidor é estruturado pela divisão entre classes sociais, embora se manifeste nas múltiplas clivagens e diferenciações sociais, o que se evidencia não apenas nos limites econômicos da capacidade de consumo e de acesso ao crédito de cada citadino, mas também nos limites espaciais das suas práticas e das estratégias empregadas para superá-los, assim como na influência da “moral do trabalho” e da “moral da dívida”9, no âmbito das quais elas se realizam.

Foto 1 Supermercado em Londrina

Foto 1 Supermercado em Londrina

©Hervé Théry

12Dentre os temas que foram alvos de atenção durante a realização das entrevistas, estão os espaços de residência e os meios de deslocamento pela cidade. Mas as práticas de consumo descritas ampliaram a importância da casa e, sobretudo, da aquisição de seus equipamentos internos, assim como de um meio de transporte individual, seja ele carro ou moto. Os sujeitos entrevistados confirmaram, assim, por um lado, o acerto da perspectiva da “Geografia da vida cotidiana” e a relevância dos sentidos que são construídos e reconstruídos cotidianamente e, por outro, nos aproximaram de contextos concretos em que o habitus consumidor articula necessidades e desejos, produzindo “inovações reguladas” (Alonso, 2006, p.193), conforme evidenciam as entrevistas analisadas mais detidamente nesse artigo, nos tópicos seguintes.

13Embora o uso das entrevistas como fonte de pesquisa não tenha qualquer pretensão quantitativa, os números apresentados nos quadros 1 a 3 são representativos da importância assumida pela casa própria e, sobretudo, pela aquisição de um de seus equipamentos internos, a TV, assim como pelo carro ou moto, ao longo da pesquisa.

Quadro 1. Casa própria

Casa

própria

Adquiriram casa própria há mais de cinco anos

Adquiriram casa própria nos últimos cinco anos

Possuem casa própria fora da cidade de residência

“Não tem a escritura, embora pague os impostos”

“Cedida pelo pai”

89

entrevistados

60

11

4*

1

1

* Três não se localizam na cidade média em que trabalham, mas sim em pequenas cidades próximas. Uma delas localiza-se em Osasco, onde a entrevistada residia antes da mudança para Marília (imóvel a venda).

Quadro 2. Reforma da casa e aquisição de TV nos últimos 5 anos

Entrevistados

por cidade

Reformaram a casa

Compraram TV

Uma

Mais de uma

Londrina

(17 entrevistados)

5

6

1

Marília

(16 entrevistados)

1

4

0

Presidente Prudente

(14 entrevistados)

3

3

0

Ribeirão Preto

(13 entrevistados)

3

4

2

São José do Rio Preto

(15 entrevistados)

5

3

1

São Carlos

(14 entrevistados)

3

11

1

Quadro 3. Veículo próprio adquiridos nos últimos 5 anos

Veículos

Compra (ou troca) de um carro

Compra (ou troca) de dois carros

Compra (ou troca) de três carros

Compra (ou troca) de uma moto

Compra (ou troca) de carro e moto

Compra (ou troca) de dois carros e uma moto

Total

89

entrevistados

25**

6

1

7

2

1

42

** Dois deles foram ganhos dos pais das entrevistadas.

Os batalhadores e suas estratégias para ampliação do acesso ao consumo e a vida urbana

14Foi como batalhadores que Iago, Júlio e Melissa nos descreveram suas práticas espacializadas de morar, trabalhar e fazer compras em Ribeirão Preto, constituindo “redes articuladas de práticas” (Lindón, 2005, p.2), que demonstram como conquistaram a casa própria e passaram a equipá-la com todos os eletrodomésticos e demais equipamentos disponíveis no mercado, a custa de muito esforço, individual e familiar. No caso dos dois primeiros, a compra do carro também foi descrita.

  • 10 Entrevista realizada em 14/02/2014. Iago tinha então 41 anos.

15Iago10 é casado e tem três filhos, residindo com a família no Jardim Salgado Filho, periferia norte de Ribeirão Preto, numa casa própria, adquirida há mais de 10 anos (Quadro 1). Com renda informada de três mil reais, auferida como recepcionista de uma escola particular localizada na zona sul da cidade, bem longe do seu local de residência, listou um número impressionante de aquisições nos últimos cinco anos: carro (Quadro 3) marca Toyota (“importado”), três TVs de tela plana (Quadro 2), uma geladeira e um fogão “de boa marca”, três guarda-roupas e duas camas “para o resto da vida”. Todos comprados mediante empréstimos feitos nos bancos Itaú e Santander, com prazo de um ano, para os eletrodomésticos e no caso do carro, de cinco anos, que “paga sempre, sai de um, começa outro”, evidenciando a nova subjetividade, com base na qual as relações entre consumo e dívida são cotidianamente alimentadas (Lazaratto, 2013) e a eficácia dos bancos em produzir um “devedor ideal”, que jamais paga integralmente sua dívidas, uma vez que elas foram por eles transformadas em fonte constante de lucros (Bauman, 2010, p.30-1).

  • 11 Ao menos do ponto de vista das elites, ou segmentos “AA”, conforme a classificação de Iago.

16Embora tenha informado que compromete cerca de 60% de sua renda com as parcelas desses empréstimos, observando que “se não for assim, você não compra”, tais possibilidades aquisitivas só adquiriram sentido quando mencionou que tem outra atividade profissional, ainda que informal. Trabalha nos finais de semana fazendo churrasco e refeições para um público que caracterizou como “AA” e que podem ser os pais das crianças e jovens que estudam na escola onde tem seu emprego regular. Ou seja, os investimentos nos estudos dos três filhos e a ampliação das possiblidades de consumo da sua família estão diretamente relacionados aos seus esforços profissionais e as redes de contatos que cria e mantém, que envolvem trabalho durante sete dias da semana, em atividades diferentes, com férias a cada dois anos, e a habilidade de transformar os contatos proporcionados pelo trabalho regular, porém pouco qualificado11 e mal remunerado, em capital social e capital econômico.

17Foi em boa parte com base nesse capital social que descreveu as práticas espaciais dos filhos na zona sul e os planos de mudança de toda a família para essa área da cidade, num discurso que mescla rara capacidade de libertação do espaço periférico de moradia e das suas desvantagens na zona norte da cidade, com a reprodução dos preconceitos e estigmas próprios das classes sociais com quem convive cotidianamente. Desse modo, justifica os planos de mudança, mesmo que isso implique em pagar aluguel, “por motivos de segurança e estabilidade também, que é bem melhor aqui na zona sul”, corroborados por inúmeras referências ao aumento da insegurança em Ribeirão Preto, com base nas quais explica inclusive sua preferência pelas compras em shopping center.

18Nesse aspecto, dos planos de mudança, mesmo que impliquem em pagar aluguel, essa entrevista é uma exceção no conjunto das 89 realizadas, uma vez que nas demais, quando planos de mudança foram mencionados, eles sempre demarcaram diferenças entre pais e filhos, ou seja, integravam planos ou desejos de jovens que se diferenciavam de seus pais. Caracteriza-se assim uma polifonia, no sentido atribuído por Lindon (2005, p.5), uma vez que, além de uma heterogeneidade entre os entrevistados, as entrevistas comportam tanto o muito instituído, como o emergente, que ainda não assumiu uma forma clara, podendo inclusive não chegar a se efetivar, nesse caso, já que se trata de um discurso pautado em “planos”.

  • 12 Entrevista realizada em 17/06/2014. O entrevistado tinha então 51 anos.
  • 13 Localizado na zona leste de Ribeirão Preto, o Novo Shopping é considerado o mais popular, dentre os (...)

19Júlio12 é casado e tem uma filha, residindo com a família no Parque São Sebastião, periferia leste de Ribeirão Preto, numa casa própria construída há mais de 25 anos. Com renda informada de cinco mil reais, Júlio trabalha como “segurança autônomo” no Jardim Sumaré, área antes residencial que vem sendo ocupada predominantemente por pequenas empresas, numa das quais trabalhou anteriormente, tendo então feito a opção por tornar-se “seu próprio patrão”. Para ele, isso significa “vantagens”, como a possiblidade de comprar um carro para a filha, uma moto que usa para trabalhar, freezer, notebook e home theater (nos últimos anos), todos já pagos, além de três celulares, sendo que para filha foi comprado “o último modelo da Sansung que custou uns 2.500 reais” e é a única compra recente cujas parcelas ainda estão sendo pagas. Mas significa também trabalhar sete dias por semana, conforme nos disse, “moro mais aqui [rua do Jardim Sumaré] do que lá, vou lá só para dormir”. Mesmo assim, comentou “não troco ali por nada” e descreveu visitas ao Novo Shopping13 e à Igreja aos sábados e domingos à noite, únicos períodos em que não trabalha e quando considera necessário “tirar a mulher do fogão”, conforme acrescentou rindo.

20Além da explicitação dos esforços e flexibilidade necessários para tais conquistas, que incluem pagamento de universidade particular para a filha e de assistência médica para as duas, o discurso de Júlio organiza-se orgulhosamente em torno das conquistas que incluem, além do que já foi mencionado, acesso a crédito no Banco Itaú, do qual “já é cliente há mais de 15 anos” e ao “Cartão Ouro” do Magazine Luíza, que significa ser “um cliente muito especial” e confirma o alcance do processo de “creditização na economia” que está em curso nas cidades brasileiras (Catelan, 2015, p.467). Cuidados como pesquisar antes de comprar, “sem ficar refém de uma loja”, “fazer os cálculos”, “não passar do nosso limite” e “manter sempre uma reserva, mesmo que seja pequena”, também foram aspectos destacados. Mas os resultados do tratamento especial dado à única filha materializam-se na insatisfação dela em relação ao espaço de residência e no seu desejo de mudança, que caracteriza diferença em relação aos pais, conforme antes mencionado, especialmente nos modos de subjetivação das relações com a cidade.

21Para os objetivos desse artigo, importa questionar sobre o sentido dos equipamentos adquiridos, especialmente o home theater, para alguém que trabalha sete dias por semana e que não descreveu práticas de lazer restritas à casa. Pela sua importância, essa questão será retomada em tópico específico.

Foto 2 Compras parceladas

Foto 2 Compras parceladas

©Hervé Théry

  • 14 Entrevista realizada em 17/06/2014. Melissa tinha então 28 anos
  • 15 Apartamento adquirido pela mãe, que também trabalha, com financiamento em 25 anos, da Caixa Econômi (...)

22Melissa é solteira, mas tinha casamento marcado para breve quando a entrevistamos14, residindo com a mãe no Jardim José Sampaio Júnior, periferia norte de Ribeirão Preto, num apartamento adquirido há 15 anos15. Com renda informada de cinco mil reais, Melissa trabalha como supervisora de pesquisa numa pequena empresa localizada no Jardim Sumaré, tem formação (graduação e mestrado) em Economia, e descreveu um cotidiano adaptado aos planos para o casamento, que incluiu corte de gastos com lazer, sobretudo.

23Graças a essas medidas e depois de muitas pesquisas de mercado, em 2010, ela e o noivo compraram um terreno no Jardim Ouro Branco, área nova e em processo de valorização, e construíram sua casa “bem devargazinho”. Quando a entrevistamos, em julho de 2014, a casa estava quase pronta. Sua atenção voltava-se então para a preparação da cerimônia de casamento, especialmente para a compra do tecido e adereços do vestido de noiva, cuja pesquisa descreveu detalhadamente, assim como havia feito em relação à compra do terreno em 2010, observando várias vezes que “eu sou muito economista mesmo”, porque “é um absurdo eu pagar o preço que não é aquilo”. Como resultado dessas pesquisas, optou por um terreno em área nova, em processo de valorização, e por compras no centro da cidade, demonstrando que qualquer margem de manobra passa a ser aproveitada pelos batalhadores.

24Frente a esse caso, conforme sugerido pela própria entrevistada, discutimos a possiblidade de haver um habitus de economista, que pauta seu consumo, incluindo a escolha dos seus espaços e as formas de pagamento, mas que, sem dúvida, só adquire legibilidade se for relacionado a outras dimensões da vida social: ter experiência de classe trabalhadora e, como tal, ser moradora de área periférica, inclusive, deslocando-se em Ribeirão Preto por meio de transporte público.

  • 16 O uso de entrevistas com citadinos de classe média e alta, como procedimento metodológico de pesqui (...)

25Levando-se em conta essa matização necessária entre capital cultural, social e econômico, outras entrevistas feitas com comerciantes, bancários e seus familiares revelaram semelhanças, ainda que diferenças decorrentes do pertencimento a segmentos de classes sociais diferentes e da sua espacialização nas cidades médias, sejam notáveis, como se observa no caso de Aline, moradora de Londrina, que não trabalha fora e é casada com um bancário. Embora tenha informado uma renda entre 8 e 9 mil reais16, recebeu-nos para entrevista em seu apartamento amplo, com quatro dormitórios, localizado no Campo Belo, área pericentral.

  • 17 Com localização semelhante ao anterior, o novo apartamento é maior, segundo a entrevistada, e foi c (...)

26Seu discurso organizou-se com base na combinação entre a descrição da aquisição recente do apartamento17 e de uma “nova cozinha”, além da troca frequente do carro, “sem endividamento, dentro do cronograma”, por um lado e, de outro, a valorização da capacidade de traçar metas e de consumir produtos mais baratos, quando necessário, conforme segue:

a gente é assim, se precisa apertar o cinto: “olha, nós queremos tal coisa”, por exemplo, eu queria um apartamento maior, aí eu aperto o cinto. “Ah, vamos comer uma pizza?”, não. Eu vou buscar aquela pizza que é mais barata em determinado lugar. Dou uma incrementada e tal. Então é assim, se eu quiser alguma coisa, eu traço minha meta, eu não sei quanto tempo, mas eu vou conseguir. Então às vezes a gente, lógico, quando a coisa está mais estabilizada, você até gasta um pouquinho mais. “Ah, vamos lá em determinado lugar”, mas se precisar arrochar, a gente arrocha sim, sem problemas. (Aline, dona de casa, Londrina, 27/02/2014)

27Ainda que envolva algumas incoerências, inclusive decorrentes das informações que preferiu omitir, a entrevista com Aline não apenas tem elementos que a aproximam em alguns aspectos de Melissa e de outras entrevistas feitas com comerciantes, bancários e seus familiares, e de seu habitus de economista, como é rica em evidências da capacidade de encobrimento que o discurso sobre o consumo realiza, em especial, em relação às diferentes condições disponíveis a cada segmento de classe social. Como representante de um segmento da classe média de cidades como Londrina, Aline reside e consome em espaços que pouco se diferenciam da elite, em função dos preços mais baixos dos imóveis, dos custos mais baixos dos serviços e até mesmo das distâncias metricamente menores entre os diferentes espaços urbanos, se comparados às metrópoles, portanto, é significativo que sua disposição para “apertar o cinto” não inclua a possiblidade de alterar a espacialização das suas práticas de consumo e a mudança de residência tenha ocorrido na mesma área pericentral, para um apartamento maior.

28Mas nem todos os nossos entrevistados residentes em áreas periféricas demonstraram a capacidade de ampliação do consumo e de integração à vida urbana de Júlio, Iago e Melissa. As limitações diversas que caracterizam as trajetórias dos trabalhadores pobres tornam-se mais evidentes quando são contrastadas com trajetórias de segmentos de classe média e elite, conforme descritas por Aline, por exemplo.

Quando a casa “não tem escritura”

  • 18 Entrevista realizada em 15/01/2013.
  • 19 Segundo espaço residencial fechado da Encalso implantado em Presidente Prudente, o Parque Residenci (...)
  • 20 Álvares Machado localiza-se há 13 Km de Presidente Prudente. O município possui 24.568 habitantes ( (...)

29Roberto18 é jardineiro e tem 53 anos. Casado, mora com a esposa, empregada doméstica no Parque Residencial Damha19, um filho e um neto, no Jardim Panorama, numa área que, embora integre a periferia de Presidente Prudente, formalmente, pertence a Álvares Machado20, município vizinho. Informando que a renda familiar é de um salário mínimo, Roberto descreveu um dos cotidianos mais limitados, do ponto de vista das práticas de consumo, que apreendemos com as 89 entrevistas realizadas. Mesmo assim, quando perguntamos sobre as últimas compras grandes da família, listou um sofá, uma geladeira e dois jogos de armários de cozinha, um para sua casa e outro de presente para uma amiga que se casou.

30Tal como ocorreu quando entrevistamos pedreiros, a aquisição da moto foi muito valorizada em função da necessidade de mobilidade constante, decorrente dessas atividades profissionais. Mas Roberto comentou que antes tinham duas, uma dele e outra do filho, e “agora só uma”, o que assinalou uma das várias evidências de que, para ele e sua família, as possiblidades de consumo pouco ou nada tinham melhorado. Isso tem relação com a mudança do campo para a periferia urbana e a perda de emprego anterior, que resultou na dependência em relação aos “bicos” que faz como jardineiro.

31Segundo afirmou, aquilo que calça e veste costuma ser “ganhado”, mas sua esposa compra roupas e calçados em lojas populares do centro de Presidente Prudente, nas quais tem crediário, argumentando que “onde trabalha, não pode andar mal vestida”. Também é ela quem compra remédios para a família e material escolar para o neto, o que ameniza a representação de alguma desnecessidade em relação aos seus gastos, elaborada por Roberto. Além disso, afirmou que o lazer familiar é dedicado “a lavar roupa”.

32Em relação ao local de moradia, embora não pague aluguel, problemas variados, que não apareceram em outras entrevistas (Quadro 1), foram mencionados - “não ter a escritura, embora pague os impostos”, residir em “meio terreno” e disputar com o vizinho a propriedade de um corredor – o que gera “vontade de mudar, mas...”.

33Como exemplo da ralé, expressão empregada por Souza (2012, p.25) para denunciar a situação daqueles que não conseguiram adaptar-se às condições impostas pelo novo capitalismo flexível e financeiro, Roberto é um dos poucos entrevistados que não consideram que a vida melhorou nos últimos anos, embora, ainda assim, a libertação em relação à dependência a do patrão, que tinha quando morava no campo, seja valorizada.

Foto 3 Casa antigo e prédio moderno em Presidente Prudente

Foto 3 Casa antigo e prédio moderno em Presidente Prudente

©Hervé Théry

  • 21 Entrevista realizada em 17/02/2014. O entrevistado tinha então 23 anos.

34A referência à perda de emprego apareceu em outras duas entrevistas, uma realizada em São José do Rio Preto, com Maurício21, um jovem formado em Engenharia Civil, que mora com os pais, e mencionou “a queda no padrão de vida da família” atribuída à perda do emprego do pai. Isso levou a família a vender a casa em que moravam, na Avenida Mansur Daúd, área pericentral, e comprar uma menor, no Residencial Cidade Jardim, bairro popular situado na zona sul, além da Rodovia 153. Maurício falou do seu desejo de vir a residir em um “condomínio fechado”, como ocorreu em outras entrevistas, especialmente com jovens. Como já foi mencionado nos demais casos, tal desejo não seria partilhado pelos pais, em função dos vínculos que teriam estabelecido nos espaços atuais de residência, mas, no caso de Maurício, houve explicitação das razões de seu pai, que se particularizam por pautar-se na crítica em relação ao controle sobre as visitas, próprio desses novos habitats, que considera “ridículo”.

  • 22 Entrevista realizada em 16/01/2014.

35Dois outros casos em que se caracterizou a queda no padrão de vida se deveram a mudanças de outra natureza. Foi o divórcio de Fabrícia22, moradora de São Carlos, que impactou na renda e nas condições de vida da família, especialmente no que se refere ao acesso ao consumo, uma vez que continuam a residir na mesma casa, na Vila Boa Vista, área periférica já bastante consolidada e com a qual está satisfeita, assim como suas duas filhas. Mas tem dificuldade para investir na manutenção dessa casa.

  • 23 Entrevista realizada em 16/06/2014.

36Em sentido semelhante, mas com razões de natureza diferente, Saulo23, jovem morador de Ribeirão Preto, contou-nos que seus pais venderam a casa em que residiam em Araçatuba para possibilitar que ele cursasse Medicina numa faculdade particular de Ribeirão Preto, onde passaram a residir em apartamento alugado no bairro Santa Cruz, em área pericentral. A ocorrência de outros problemas familiares contribuiu para que as condições de vida tenham piorado, embora o irmão mais velho de Saulo já tenha se formado em Medicina na mesma faculdade e seu pai tenha adquirido recentemente um carro novo. Mais uma vez, o desejo de vir a morar num “condomínio fechado” foi explicitado pelo entrevistado, nesse caso, com base na percepção de que a insegurança vem aumentando em Ribeirão Preto.

37Mas a perda de emprego nem sempre foi descrita pelo seu impacto negativo nas condições de acesso ao consumo, conforme se evidencia na segunda entrevista em que foi mencionada. No caso de Diogo e Maria, moradores do Conjunto Habitacional Ana Jacinta, periferia sudoeste de Presidente Prudente, a superação em relação a tal perda norteou o discurso de Diogo. Valorizando a mudança para essa cidade, assim nos contou:

quando eu sai do banco, eu tive uma queda na renda de em torno de 70%, 80% e a gente tem um padrão de vida e quer manter e vai... , foi... e aí teve que mudar o hábito, e aí quando nós voltamos para cá, nós fomos nos ajustando e aí, o salário aumentou novamente. (Diogo e Maria, funcionário público e faxineira, Presidente Prudente, 17/08/2012)

38Além de exemplo evidente da “produção do homem endividado” e dos controles produzidos pela “moral da dívida” que se combinam à “moral do trabalho” (Lazaratto, 2013), Diogo e Maria descreveram um conjunto de estratégias cotidianamente empregadas que tem como referência a casa própria e o espaço em que se localiza. A casa já foi reformada uma vez, no entanto, “a meta nossa agora é daqui para o final do ano, ou meados do outro, a gente vai reformar o banheiro, trocar a cama, o piso...” Sobre o Conjunto Habitacional Ana Jacinta, comentaram

ali nós temos uma comodidade igual eu falei para você, nesse raio, a gente tem uma comodidade muito grande, que muitas vezes, dependendo do lugar que você for, você fala “é, mas perto do centro é melhor”, só que para você comprar um pão, você vai ter que andar um quilômetro e meio, ou dois, ou ter que pegar um carro, sair, rodar, então a gente não acha viável.[...] Em torno da minha residência assim em um raio de... em torno de 200 metros, eu tenho dois açougues, têm dois mercados com açougue dentro, tem a padaria, tem o depósito de gás, tem quatro farmácias... duas quitandas, um pet shop. [...] Tem sorveteria, tem casa lotérica é tudo pertinho ali, eu moro bem no centrinho. (Diogo e Maria, funcionário público e faxineira, Presidente Prudente, 17/08/2012)

  • 24 O Conjunto Habitacional Ana Jacinta tem origem no âmbito do processo de expansão territorial descon (...)

39A descrição caracteriza tanto o Conjunto Habitacional Ana Jacinta24 como sub-centro, quanto a distância em relação ao centro da cidade, que foi contabilizada em litros de gasolina, em outra parte da entrevista. Mas não é um caso típico de limitação a esse espaço periférico, justamente porque a família possui um carro, já paga o consórcio do novo, e Diogo pormenorizou as inúmeras pesquisas de preço que faz, em diferentes estabelecimentos comerciais, localizados em distintos espaços urbanos, dando exemplo de preços de produtos de todos os tipos, antes de fazer suas compras, dedicando atenção especial às “ofertas”. Tal pormenorização evidencia a permanência de uma prática espacial própria das classes trabalhadores, que lhe confere particularidade, uma vez que a importância da busca por ofertas não foi mencionada pelos citadinos de segmentos de classe média e elite.

40Com renda informada de quatro mil reais, o casal explicitou a prioridade que a família confere à alimentação e à necessidade permanente de fazer economia, o que não inviabiliza a aquisição de todos os tipos de eletrodomésticos, além de computador com acesso a internet, dos quais, a geladeira e a “TV de LCD de 42 polegadas” foram comprados recentemente (Quadro 2), o que significa que possuem TV a cabo com um aparelho em cada quarto da casa. Mas, quando perguntamos sobre lazer, responderam que “aqui a gente fica fechado, não tem muito conhecido”, relacionando diretamente lazer com sociabilidade.

41Mais uma vez, importa questionar os sentidos adquiridos por essa casa bem equipada a custa de muita economia, trabalho e planejamento, tema que será retomado mais detidamente no tópico seguinte, uma vez que foi elemento comum à grande parte das 89 entrevistas realizadas nas seis cidades médias pesquisadas.

Os novos aparelhos de TV e seus sentidos

  • 25 Entrevista realizada em 8/08/2012. Eduarda tinha então 43 anos e informou uma renda mensal de oito (...)

42“A TV de led, e junto com a TV veio o móvel, depois mudou o sofá...” Assim nos respondeu Eduarda25, moradora da Vila Cristina, área pericentral de Presidente Prudente, quando perguntamos sobre compras grandes feitas nos últimos cinco anos. Em poucas palavras, a “obsolescência planejada” (Alonso, 2006, p.52), a atuação do marketing na promoção da indistinção entre necessidade e desejo e as amplas possibilidades de consumo disponibilizadas a segmentos das classes médias, especialmente às residentes em cidades médias, são explicitadas.

43Quando essas respostas são consideradas no conjunto das entrevistas, conforme apresentado no Quadro 2, além da importância mantida pela TV, que fez com que tenhamos registrado descrições de residências com dois moradores e quatro TVs ou de quatro moradores e sete TVs, todos eles substituídos recentemente por novos modelos, com detalhamento de referências à LCD, led, número de polegadas, entradas específicas para Netflix... , não deixando qualquer dúvida tanto sobre a eficácia da referida “obsolescência planejada” (Alonso, 2006, p.52), quanto sobre os efeitos e alcance da ampliação do acesso ao consumo e ao crédito, nas cidades médias brasileiras.

44Quando se trata das residências das classes trabalhadoras, predominantemente localizadas em áreas periféricas, sejam elas “novas periferias”, sejam aquelas já consolidadas, por vezes transformadas em sub-centros, como é o caso do Conjunto Habitacional Ana Jacinta, em Presidente Prudente, os equipamentos de TV desempenham importantes papeis, dos quais destacamos dois. Primeiro, de conectar, ainda que virtualmente, cada uma dessas casas e cada uma dessas famílias, individualmente, à cidade, ao Brasil e ao mundo, favorecendo a desconexão em relação ao entorno imediato, com enfraquecimento das relações de vizinhança.

45O segundo papel decorre da presença em casa, dos mesmos equipamentos de TV, com as mesmas inovações tecnológicas, por vezes, do mesmo do home teather, como foi mencionada tanto por Júlio, que é “patrão de si mesmo”, informou renda de cinco mil reais e mora no Parque São Sebastião, na periferia de Ribeirão Preto, quanto por Oscar, que se aposentou como gerente de banco, informou renda de 25 mil reais e mora no Parque dos Pássaros, área valorizada de São José do Rio Preto.

46Nesse sentido, a TV (e o home teather) e a casa, atuam na estruturação de um permanente e renovável sistema de objetos que reproduz desigualdades sociais, uma vez que Júlio e Oscar continuam a morar e trabalhar em condições muito diferentes, obtendo rendas desiguais. Mas partilham o habitus consumidor, simbolizado num objeto comum, o home teather presente nas casas de Júlio e Oscar, e da TV, no caso de tantos outros citadinos, que simboliza tanto a integração no mercado de bens que já foram exclusivos, quanto a integração à vida urbana, não como trabalhadores desqualificados, que precisam trabalhar sete dias por semana, mas como consumidores e produtores de vida urbana. Assim, caracteriza-se uma “inovação regulada” (Afonso, 2006, p.193), na qual os espaços urbanos atuam como elemento de permanência no âmbito de processos de segregação.

  • 26 Entrevista realizada em 12/12/2013.
  • 27 Coincidentemente, essa também foi a única entrevista em que se mencionou o endividamento em seu asp (...)

47No que se refere à casa, a ressemantização que pode ser lida nas referências feitas a ela e aos equipamentos adquiridos especialmente para equipa-la, com destaque para os aparelhos de TV, é vivenciada diferencialmente pelos membros da família. Tais diferenças são especialmente evidentes entre pais e filhos, expressando-se em planos/desejos diferentes em relação ao atual espaço de residência. Os “condomínios fechados” simbolizam o ideal de muitos jovens entrevistados nas seis cidades médias da pesquisa, sejam eles moradores de áreas periféricas carentes ou pericentrais e valorizadas. Tal construção subjetiva na qual o status está diretamente relacionado a esses novos habitats e o marketing tem influência evidente, foi pouco partilhada pelos entrevistados mais velhos, por vezes, no seio da mesma família. Mas há exceções entre os jovens, como foi o caso de Cesar26, 27 anos, morador da Vila Barros, uma das áreas favelizadas de Marília, a qual ele se referiu como “comunidade”. Cesar informou renda de três mil reais, tinha voltado a morar com os pais e um irmão recentemente e, além de trabalhar como vigilante numa autarquia municipal, estuda numa universidade pública. Quando perguntamos se pretendiam mudar, respondeu que seus pais, que “moram na comunidade há 27 anos” não pretendiam e ele só mudaria se fosse para ficar mais próximo dos espaços de estudo e trabalho27.

Considerações finais

48As respostas obtidas nas 89 entrevistas, sejam as mais frequentes, sejam as exceções, reafirmam as intrínsecas relações entre a casa e a cidade e, portanto, a importância das diferenças geracionais na ressemantização, tanto de uma, como de outra, para a qual contribuem conjuntamente a experiência como consumidor e o marketing, os estudos (ou a ausência deles), o trabalho (ou ausência dele) e a moral que lhe é própria e, inclusive, o acesso ao crédito e a “moral do homem endividado” (Lazaratto, 2015), todos eles articulados em redes de práticas espacializadas que atuam na reprodução de padrões de vida universais ao capitalismo.

49Constata-se, por um lado, a adequação dos perfis empregados na escolha dos entrevistados, com destaque para o espaço de residência e a idade, e, por outro, a polifonia que caracteriza o conjunto das entrevistas, pela presença, tanto do muito instituído, quanto do emergente, que ainda não assumiu uma forma clara (Lindón, 2005, p.5), ambos relevantes para a compreensão dos processos de produção do espaço urbano que estão em curso atualmente.

50A casa, seus equipamentos e o veículo individual estruturam um permanente e renovável sistema de objetos, que não se apresenta mais como decorrente do trabalho e das relações de produção, assumindo autonomia e atuando na reprodução desigualdades sociais que, simultaneamente, são encobertas (ou minimizadas) pelo habitus consumidor.

51A ampliação do acesso ao mercado imobiliário, de eletrodomésticos e de veículos, amplamente comprovada pelas entrevistas com moradores de Marília, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São Carlos, São José do Rio Preto e Londrina, possibilitou a difusão da representação da classe trabalhadora, como consumidora e produtora de vida urbana, ao mesmo tempo em que a normalização do consumo, as práticas individuais de lazer e a localização periférica das residências favorecem o controle social, especialmente nessas cidades médias nas quais espaços públicos, sindicatos, manifestações políticas e mesmo o “botequim da esquina” exercem cada vez menos atração.

52Frente aos consumidores concretos que entrevistamos, que mesclam manipulação e liberdade, impulso e reflexão, concluímos com Alonso (2006, p.80) que

53Uma sociedade sem consumo é impossível, mas uma sociedade centrada só no consumo mercantil corre o perigo de converter-se em simulacro, de degradar e desgastar suas formas de solidariedade até converter-se em um simples agregado de egoísmos excludentes.

ALONSO, L. E. La era del consumo. Madrid: Siglo XXI, 2006.

BOURDIN, A. La métropole des individus. Éditions de l’Aube. Paris, 2005.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Ed. 70,1991 [1970].

BOURDIEU, P. A distinção. Crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, Porto Alegre: Zouk, 2008.

____________. Esboço de uma teoria prática: precedido de três estudos de etnologia kabila. Oeiras: Celta, 2012 [1972].

CATELAN, M. “Vida a crédito nas cidades médias/intermediárias brasileiras: efeitos do Programa Habitacional Minha Casa, Minha Vida”. In: BELLET, C., MELAZZO, E., SPOSITO, M. E. B., LLOP, J. M. (eds.). Urbanização, produção e consumo em cidades médias/intermédias. Presidente Prudente: Unesp, Lleida: Ed. da Universidad de Lleida, 2015, pp. 441 – 470.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1989.

LAZARATTO, M. La fábrica del hombre endeudado. Buenos Aires: Amarrortu, 2013.

LINDON, A. El mito de la casa propia y las formas de habitar. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y ciencias sociales. Universidad de Barcelona. Vol. IX, núm. 194 (20), 1 de agosto de 2005.

__________ . “Geografias da vida cotidiana”. In: LINDÓN, A., HIERNAUX, D. (orgs.). Tratado de Geografia Humana. Barcelona: Antrophos, 2006, pp.356- 400.

___________ . La casa búnker y la desconstrucción de la ciudad. Revista LimiaR. Estudios Sociales y humanísticos. Chiapas – México. Ano 4, vol. IV, n. 2, dez. 2006.

NERI, M. A nova classe média. São Paulo: Saraiva. São Paulo, 2011.

SHIMBO, L. Z. Habitação social, habitação de mercado: a confluência entre Estado, empresas construtoras e capital financeiro. Belo Horizonte: Editora c/ arte, 2012.

SILVA, R. B. Segregação e/ou integração: O “Programa de Desfavelamento e Loteamentos Urbanizados” em Presidente Prudente. Monografia (Bacharelado em Geografia). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2005.

SOUZA, J. de. Os batalhadores brasileiros. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012.

SPOSITO, M. E. B. Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular. São Paulo, 2007.

Haut de page

Notes

1 Tamanhos populacionais das seis cidades médias: Marília - 207.737 hab., Presidente Prudente - 203.370 hab., São Carlos - 213.070 hab., São José do Rio Preto - 383.558 hab., Ribeirão Preto - 603.401 hab., SP, e Londrina - 493.457 hab., PR (Fonte: IBGE [2010]).

2 Nesse projeto, se define cidades médias como aquelas que desempenham papéis de intermediação no âmbito das redes urbanas das quais são constitutivas (Sposito, 2007), distinguindo-se, portanto, das cidades de porte médio, definidas com base no tamanho populacional, embora esse aspecto não seja desconsiderado.

3 Segundo Governo Lula (2007 – 2010).

4 Neri presidiu o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) de 09/2012 a 05/2014.

5 Jessé Souza é sociólogo e assumiu a presidência do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em 05/2015.

6 Os nomes dos entrevistados são fictícios.

7 Data da realização da entrevista.

8 O habitus é “entendido como um sistema de disposições duráveis e transponíveis que, integrando todas as experiências passadas, funciona em cada momento como matriz de percepções, apreciações, ações e possibilita o cumprimento de tarefas infinitamente diferenciadas graças à transferência analógica de esquemas”, adquiridos em uma prática anterior (Bourdieu, 2012, p.261). Trata-se de noção mediadora que leva em conta a capacidade criadora dos sujeitos sociais e as condições historicamente situadas de sua produção.

9 De acordo com Lazaratto (2013, p.13), “a dívida é uma relação econômica indissociável da produção do sujeito devedor e de sua ´moral`. [...] O conceito contemporâneo de ´economia` abarca a produção econômica e produção da subjetividade”, além disso, “a dívida produz uma ´moral` própria, diferente e complementar a do ´trabalho` (p.37).

10 Entrevista realizada em 14/02/2014. Iago tinha então 41 anos.

11 Ao menos do ponto de vista das elites, ou segmentos “AA”, conforme a classificação de Iago.

12 Entrevista realizada em 17/06/2014. O entrevistado tinha então 51 anos.

13 Localizado na zona leste de Ribeirão Preto, o Novo Shopping é considerado o mais popular, dentre os quatro existentes nessa cidade.

14 Entrevista realizada em 17/06/2014. Melissa tinha então 28 anos

15 Apartamento adquirido pela mãe, que também trabalha, com financiamento em 25 anos, da Caixa Econômica Federal.

16 O uso de entrevistas com citadinos de classe média e alta, como procedimento metodológico de pesquisa, tem revelado que a informação sobre a renda, prevista no perfil inicial de cada entrevistado, pode gerar algum constrangimento e tende a ser fornecida abaixo do valor real.

17 Com localização semelhante ao anterior, o novo apartamento é maior, segundo a entrevistada, e foi comprado sem implicar em endividamento.

18 Entrevista realizada em 15/01/2013.

19 Segundo espaço residencial fechado da Encalso implantado em Presidente Prudente, o Parque Residencial Damha foi lançado em 1999, com 59 lotes (438 m2 em média) num área de 632.620 m2, localizada na porção sul da cidade.

20 Álvares Machado localiza-se há 13 Km de Presidente Prudente. O município possui 24.568 habitantes (IBGE, 2010).

21 Entrevista realizada em 17/02/2014. O entrevistado tinha então 23 anos.

22 Entrevista realizada em 16/01/2014.

23 Entrevista realizada em 16/06/2014.

24 O Conjunto Habitacional Ana Jacinta tem origem no âmbito do processo de expansão territorial descontínua do espaço urbano de Presidente Prudente, ocorrido na década de 1990, com todos os desdobramentos típicos. Aprovado em 1992, foi entregue em 1993, com um total de 2.604 unidades habitacionais, com lotes padrão de 135 m2 e unidades com área de 29,53 m2 (Silva, 2005).

25 Entrevista realizada em 8/08/2012. Eduarda tinha então 43 anos e informou uma renda mensal de oito mil reais, como professora universitária.

26 Entrevista realizada em 12/12/2013.

27 Coincidentemente, essa também foi a única entrevista em que se mencionou o endividamento em seu aspecto negativo: “hoje, se eu não estiver enganado, o crediário está negativo”, referindo-se a compra de uma geladeira nas Casas Bahia, feita pela mãe.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1. Estados de São Paulo e do Paraná. Localização das cidades pesquisadas
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11128/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre Foto 1 Supermercado em Londrina
Crédits ©Hervé Théry
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11128/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 652k
Titre Foto 2 Compras parceladas
Crédits ©Hervé Théry
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11128/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Foto 3 Casa antigo e prédio moderno em Presidente Prudente
Crédits ©Hervé Théry
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11128/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 360k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Eda Maria Góes, « Cotidiano, consumo e vida urbana em cidades médias brasileiras », Confins [En ligne], 28 | 2016, mis en ligne le 01 octobre 2016, consulté le 23 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/11128 ; DOI : 10.4000/confins.11128

Haut de page

Auteur

Eda Maria Góes

Docente do Departamento de Geografia da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Presidente Prudente, edagoes@fct.unesp.br.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org