Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

BR-319: Os quarenta anos de uma rodovia na Amazônia

BR-319: Les quarante ans d'une route en Amazonie
BR-319: The forty years of a highway in the Amazon
Thiago Oliveira Neto et Ricardo José Batista Nogueira

Entrées d’index

Index de mots-clés :

autoroute, Amazonie, la géopolitique.

Index by keywords :

highway, Amazon, geopolitics.

Index géographique :

Amazônia

Índice de palavras-chaves :

rodovia, Amazônia, geopolítica.
Haut de page

Texte intégral

1A ligação rodoviária entre as cidades de Manaus e Porto Velho foi construída durante o regime militar. Naquele momento, buscava-se integrar o território nacional e povoar a Amazônia, numa perspectiva geopolítica clássica, que consistia em: integração e segurança nacional das fronteiras, além de promoção do desenvolvimento econômico.

2As obras de construção do eixo rodoviário (Figura 1/2) ocorreram entre junho de 1968 e início de 1976, ano da inauguração (27/03/1976). Os jornais da época apontavam a estrada Manaus-Porto Velho como uma das mais difíceis obras de engenharia de estradas do Brasil, pois, além de exigir a construção de 300 quilômetros sobre aterros, a rodovia foi a única da Amazônia inteiramente asfaltada após a construção (OLIVEIRA NETO, 2014).

Figura 1: Construção da rodovia BR-319, em 1972

Figura 1: Construção da rodovia BR-319, em 1972

Fonte: Revista Manchete, 1973, pp. 67-68.

Figura 2. Construção da rodovia BR-319 entre 1971-1976

Figura 2. Construção da rodovia BR-319 entre 1971-1976

a e b) lonas colocadas no leito da rodovia para proteger o solo, recém terraplanado, das chuvas. Fonte: Disponível em: <https://www.youtube.com/​watch?v=6P2eqk_ha2I><http://www.andradegutierrez.com/​QuemSomos>.

c) terraplanagem concluída na década de 70. Fonte: vídeo Brasil Hoje n.° 4, 1971;

d) veículo especial (Teracruzer MM1) utilizado para transpor áreas enlameadas. Fonte: Disponível em: <ttp://www.grandesconstrucoes.com.br/br/PDFS/GC_44.pdf>

e) trecho pavimentado da rodovia em 1971 (Fonte: vídeo Brasil Hoje n.° 4, 1971);

f) placa da inauguração da rodovia: “Nesta data, o presidente Ernesto Geisel visitou a rodovia Manaus-Porto Velho, em tráfego experimental, prosseguindo o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem no esforço do aprimoramento de suas características técnicas. Manaus, 27 de março de 1976”.

3A rodovia BR-319 exerceu papel fundamental na integração territorial após 1973, ano que começou a oferecer trafegabilidade, marcada pela realização da primeira viagem de ônibus. Desde então, um fluxo contínuo e constante de veículos passou a existir entre as cidades e vilas, ao longo do traçado rodoviário, composto pelas linhas de ônibus que interligavam a capital da Zona Franca às rodoviárias de São Paulo, Porto Alegre, Brasília, Cuiabá e Porto Velho. Nesse sentido ainda, não se pode deixar de fazer referência ao transporte de carga, já que, apesar da navegabilidade dos rios Amazonas e Madeira, uma parcela significativa do transporte de produtos alimentícios e de componentes para o Polo Industrial e Área de Livre Comércio de Manaus ocorria pelo modal rodoviário até o início da década de 90.

4A partir de 1981, diversos fatores contribuíram para tornar a rodovia numa via intrafegável (Figura 3). Oliveira Neto (2014) faz uma análise dessa situação, destacando cinco principais fatores de interferência, diretamente associados à secção do fluxo entre as capitais regionais, como: excesso de peso dos veículos; crise econômica no final da década de 70, limitando investimentos em infraestrutura e corroborando com a ausência de manutenção; elevados índices pluviométricos; aterros da rodovia, quando da construção, realizados, possivelmente, com a presença de matéria orgânica (raízes, galhos, troncos de árvores); retirada de trechos do pavimento por uma construtora.

Figura 3. Rodovia BR-319 na década de 80

Figura 3. Rodovia BR-319 na década de 80

: a) retirada do pavimento pela construtora Queiroz Galvão; b) últimas viagens de ônibus pela rodovia; c) intercalações de partes com pavimento e outros sem; d) com a retirada do pavimento e os buracos existentes, poucos veículos continuaram passando pela rodovia; e) o fluxo de caminhões assim, como o de ônibus, foi suspenso em decorrência das más condições de trafegabilidade.

Fonte: Disponível em: <http://redeglobo.globo.com/redeamazonica/amazonas/noticia/2015/09/bom-dia-amazonia-moradores-falam-de-beneficios-e-dificuldades-da-br-319.html>; Acesso em: 30 de dez. de 2015. Disponível em: <https://www.youtube.com/​watch?v=VmiOGhZaun8> Acesso em: 30 de dez. de 2015.

5A partir de meados da década de 90, aconteceram várias tentativas fracassadas de reabertura ao tráfego por meio de programas de investimento em infraestrutura, tais como os planos plurianuais - PPA: Brasil em Ação (1996-1999); Avança Brasil (2000-2003); Plano Brasil de Todos (2004-2007); Programa de Aceleração do Crescimento - PAC 1 (2007-2010) e PAC 2 (2011-2014). Contudo, somente nos últimos programas governamentais, ações concretas, voltadas para a conclusão das obras, foram realizadas.

6Atualmente, porém, o problema para reativação do fluxo no modal não se permeia pela falta de recurso, mas pelos entraves e empecilhos criados por instituições do próprio Estado e/ou por aquelas não governamentais, inviabilizando a integração territorial, como o caso da BR-319, para a qual foram solicitados e reprovados vários relatórios de impacto ambiental, impedindo o avanço das obras de reconstrução.

7Desse modo, quatro décadas depois da inauguração oficial da rodovia BR-319, moradores das cidades, de Manaus, Manicoré, Castanho, Humaitá e Porto Velho, ainda enfrentam transtornos para realizar o deslocamento de uma cidade a outra, conectada pela rodovia, apesar da realização de manutenção parcial, proporcionando o fluxo de veículos, como os ônibus que voltaram a realizar as viagens entre a capital do Amazonas e as demais cidades do sul do estado, após duas décadas de interrupção.

  • 1 O período de chuvas ou forte atividade convectiva na região Amazônica é compreendido entre Novembro (...)

8As imagens da figura 3 são de 2015 e não da década de 70, quando a conquista da Amazônia estava na ordem do dia. Percebe-se que as condições de trafegabilidade ainda não são as melhores, colocando em risco não apenas a vida daqueles que circulam pela região, como também a manutenção da rede de fibra óptica e o fluxo contínuo de veículos. Durante o período de maior precipitação (novembro-março)1, as viagens se tornam uma verdadeira aventura para aqueles que dependem deste objeto geográfico para realizar deslocamentos, seja para visitar parentes e amigos, comprar equipamentos, vender produtos e escoar a produção, ou na necessidade de ir ao hospital da capital.

Figura 3. Alguns acidentes ao longo da rodovia, entre os meses de outubro de 2015 e janeiro de 2016.

Figura 3. Alguns acidentes ao longo da rodovia, entre os meses de outubro de 2015 e janeiro de 2016.

Fonte: BR-319 Queremos o Brasil 2015-2016.

9A circulação em um território só é possível com a existência de uma base física, capaz de propiciar o fluxo de mercadorias e pessoas. O fluxo de pessoas e sua respectiva mobilidade é uma “necessidade da vida dos indivíduos e das coletividades” (CLAVAL, 2007, p. 21). “De um lado, as rodovias assumem um papel estratégico, pois favorecem o fluxo de tropas no interior, por outro lado, estes objetos geográficos propiciam o fluxo de pessoas e de cargas geradas, localmente, para o litoral e os centros consumidores” (NETO; NOGUEIRA, 2015, p. 182), ou seja, a rodovia acaba se constituindo numa base para a existência de diversas redes e fluxos vitais para as pessoas que habitam nas proximidades do eixo rodoviário.

10Sem a retomada das obras, travadas em decorrência do embate institucional entre órgãos ambientais – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais - IBAMA e Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas - IPAAM e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes-DNIT, a população das cidades interligadas com a BR-319 se mobiliza para realizar, constantemente, manutenção em pontes de madeira e retirada de obstáculos (atoleiros, árvores caídas no leito da estrada). A operação Beija Flor foi uma dessas ações realizada, em janeiro de 2016, pela população. Isso demonstra, que, numa dada porção territorial da Amazônia, grupos sociais realizam mobilizações em prol da conclusão da manutenção e pavimentação do único acesso rodoviário, ligando Manaus ao sistema viário nacional.

Haut de page

Bibliographie

BECKER, Bertha K. Geopolítica da Amazônia: A nova fronteira de recursos. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

BECKER, Bertha K. Geopolítica da Amazônia. Estudos Avançados, v.19, n.53, 2005, pp. 71-86.

BRASIL. Plano Amazônia Sustentável: diretrizes para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Brasileira. Brasília: MMA, 2008.

CLAVAL, Paul. A geografia cultural. Trad. Luís Fugazzola Pimenta e Margareth de Castro A. Pimenta. Florianópolis: Editora da USFC, 2007.

CONDE, Carlos Alberto dos Reis. Estrada Parque, uma Estratégia Sustentável. PÓS, v. 16, n. 25, São Paulo, 2009, pp. 152-165.

COSTA. Wanderley Messias da. Geografia política e geopolítica. 2. ed. EDUSP: São Paulo, 2013.

FERREIRA, Sávio J, Filgueiras; LUIZÃO, Flávio J; DALLAROSA, Ricardo L. Godinho. Precipitação interna e interceptação da chuva em floresta de terra firme submetida à extração seletiva de madeira na Amazônia Central. Acta Amazônica, v. 35, n°. 1, pp. 55-62, 2005.

MELLO, Neli Aparecida de; THÉRY, Hervé. A armadura do espaço Amazônico: eixos e zoneamentos. ALCEU, v. 1, n. 1, 2001, pp. 181-214.

MELLO, Neli Aparecida de. Território e gestão ambiental na Amazônia. Terras públicas e os dilemas do Estado. São Paulo: Annablume, 2011.

MANCHETE, Rio de Janeiro: Bloch, Edição Especial: Amazônia, fev. 1973.

MIYAMOTO, Shiguenoli. A questão Ambiental e as Relações Internacionais. Inf. Legisl. Brasília, v. 28, n. 112, 1991, pp. 107-132.

MIYAMOTO, Shiguenoli. Geopolítica e Poder no Brasil. São Paulo: Papirus, 1995.

OLIVEIRA NETO, Thiago; NOGUEIRA, Ricardo Jose Batista. Geopolítica e rodovias na Amazônia: um debate necessário. Revista de Geopolítica, v. 6, n° 2, 2015, pp. 166-186.

OLIVEIRA NETO, Thiago. A geopolítica rodoviária na Amazônia: BR-319. Revista de Geopolítica, v. 5, n° 2, 2014a, pp. 109-128.

OLIVEIRA NETO, Thiago. A Integração Rodoviária da Amazônia: Um estudo sobre a BR-319. In: Seminário Nacional de Planejamento e Desenvolvimento, 2014, Florianópolis. Anais do 2SNPD. Florianópolis: UDESC, 2014b. v 1, pp. 504-525

OLIVEIRA NETO, Thiago; NOGUEIRA, Ricardo Jose Batista. Geopolítica Rodoviária na Amazônia. In: I Congresso Brasileiro de Geografia Política, Geopolítica e Gestão do Território, 2014, Rio de Janeiro. I Congresso Brasileiro de Geografia Política, Geopolítica e Gestão do Território. Porto Alegre: Letral, 2014c. pp. 229-240.

NOGUEIRA, Ricardo Jose Batista. Amazonas: A divisão da monstruosidade geográfica. Manaus: EDUA, 2007.

Haut de page

Notes

1 O período de chuvas ou forte atividade convectiva na região Amazônica é compreendido entre Novembro e Março, sendo que no período de seca (sem grande atividade convectiva) é entre os meses de maio e setembro (FERREIRA, et al, 2005, p. 56).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Construção da rodovia BR-319, em 1972
Crédits Fonte: Revista Manchete, 1973, pp. 67-68.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11270/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 2. Construção da rodovia BR-319 entre 1971-1976
Légende a e b) lonas colocadas no leito da rodovia para proteger o solo, recém terraplanado, das chuvas. Fonte: Disponível em: <https://www.youtube.com/​watch?v=6P2eqk_ha2I><http://www.andradegutierrez.com/​QuemSomos>.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11270/img-2.png
Fichier image/png, 792k
Titre Figura 3. Rodovia BR-319 na década de 80
Légende : a) retirada do pavimento pela construtora Queiroz Galvão; b) últimas viagens de ônibus pela rodovia; c) intercalações de partes com pavimento e outros sem; d) com a retirada do pavimento e os buracos existentes, poucos veículos continuaram passando pela rodovia; e) o fluxo de caminhões assim, como o de ônibus, foi suspenso em decorrência das más condições de trafegabilidade.
Crédits Fonte: Disponível em: <http://redeglobo.globo.com/redeamazonica/amazonas/noticia/2015/09/bom-dia-amazonia-moradores-falam-de-beneficios-e-dificuldades-da-br-319.html>; Acesso em: 30 de dez. de 2015. Disponível em: <https://www.youtube.com/​watch?v=VmiOGhZaun8> Acesso em: 30 de dez. de 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11270/img-3.png
Fichier image/png, 741k
Titre Figura 3. Alguns acidentes ao longo da rodovia, entre os meses de outubro de 2015 e janeiro de 2016.
Crédits Fonte: BR-319 Queremos o Brasil 2015-2016.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11270/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Thiago Oliveira Neto et Ricardo José Batista Nogueira, « BR-319: Os quarenta anos de uma rodovia na Amazônia », Confins [En ligne], 28 | 2016, mis en ligne le 01 octobre 2016, consulté le 25 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/11270 ; DOI : 10.4000/confins.11270

Haut de page

Auteurs

Thiago Oliveira Neto

Universidade Federal do Amazonas – UFAM, thiagoton91@live.com

Ricardo José Batista Nogueira

Universidade Federal do Amazonas – UFAM, nogueiraricardo@uol.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org