Navigation – Plan du site
Rondônia, espaço de grandes transformações

Rondônia, espaço de grandes transformações

Rondônia, espace de grandes transformations
Rondônia, land of great transformations
Ricardo Gilson da Costa Silva

Texte intégral

1Desde 1970 quando iniciou o processo de colonização agrícola, o espaço geográfico de Rondônia experimenta a transição do extrativismo vegetal para a agropecuária como processo motor de uso do território. Os resultados dessa trajetória podem ser visualizados do problema fundiário aos impactos ambientais contemporâneos que configuram sua geografia. Reunimos neste número um dossiê especial sobre Rondônia, composto por sete artigos e duas resenhas, que esperamos oferecer ao público temas relevantes, todavia insuficientes, para a leitura dos processos transformadores deste espaço regional.

2Inicia-se com o artigo “Política de regularização fundiária em Rondônia: limitações do Programa Terra Legal e expectativas socioterritoriais”, de Alyson Ribeiro, Ricardo Gilson Silva e Josefa Lisboa Santos. Analisam os autores uma das principais políticas públicas do Governo Federal, cujo objetivo visa resolver o problema da segurança jurídica das terras federais na Amazônia, que atinge cerca de 150 mil propriedades, em geral, da agricultura camponesa. Concluem que a execução do programa no período de 2009 a 2014, tanto na Amazônia como em Rondônia, foram aquém das metas iniciais do governo, o que demonstra certa fragilidade institucional desta política, indicando que a insegurança jurídica das propriedades rurais dos produtores familiares tende a adiar a resolução do caos fundiário como problema estruturante, especialmente no espaço agrário de Rondônia.

3Por sua vez, a pecuária constitui fator determinante que dinamiza a geografia regional, avançando para áreas consideradas como “santuário ecológico”, perspectiva apresentada no texto “Novo cenário no Vale do Guaporé: uma leitura geográfica sobre os impulsos econômicos da pecuária e sua influência na paisagem”, de Josélia Fontenele Batista, Ana Maria Muratori e Maranei Rohers Penha. A região do Vale do Guaporé localiza-se na fronteira com a Bolívia, com acesso através da rodovia BR-429, tornando-se frente de expansão em direção às áreas protegidas. A dinâmica territorial é impulsionada tanto pelo Governo Estadual quanto por pecuaristas que migram (de Rondônia e do centro-sul do país) em busca de novas terras, fazendo avançar a fronteira agrícola, com seus respectivos impactos na paisagem.

4Se a pecuária impacta a paisagem rural, transformando o uso da terra, a população ribeirinha amazônica chamou a atenção dos pesquisadores Steven Rainey e Maura Araújo Rainey com o artigo “Perspectivas ribeirinha sobre os impactos da construção de usinas hidrelétricas no rio Madeira em Rondônia”. Trata-se da análise dos impactos da hidrelétrica de Santo Antônio na comunidade Vila São Sebastião, localizada na margem esquerda do rio Madeira, em frente ao centro comercial de Porto Velho. Segundo os autores, os moradores notaram as mudanças nos ambientes fluvial e de várzea com a construção da barragem, impactando o modo de vida ribeirinho, que articula a pesca como prática social e produtiva, assim como, a real perspectiva de sua desterritorialização em função dos impactos ambientais causados pela hidrelétrica, considerando o intenso processo de terras caídas do rio Madeira.

5O artigo “A pluviosidade na Amazônia meridional: variabilidade e teleconexões extra-regionais”, de Rafael Rodrigues da Franca e Francisco de Assis Mendonça, analisa o fenômeno climatológico com abordagem sobre a precipitação na Amazônia Meridional, no período de 1981/2011. As conclusões apontam a dinâmica do clima dessa região amazônica, destacando que a sazonalidade pluvial é uma característica marcante, dado que o volume pluviométrico anual se acentua no decorrer de um único trimestre (dezembro-janeiro-fevereiro), e as teleconexões extra-regionais da pluviosidade são influenciadas por características vigentes na região tropical do Oceano Atlântico, de onde provém importante parcela da umidade presente na região.

6A ocupação de novas áreas em Rondônia certamente incide em impactos ambientais, sobretudo nos cursos hídricos, em que o processo erosivo relacionado com desmatamento tem potencial elevado para a transformação da natureza. O estudo “Análise do índice de erosividade da bacia do rio Mutum-Paraná / RO”, de Michel Watanabe, Fabiano Antonio de Oliveira, Dorisvalder Dias Nunes e Tatiane Emilio Checchia, indica que a referida bacia, localizada em sua maior parte no município de Porto Velho, apresenta taxa de erosividade forte, ponderando os elevados índices pluviométricos somados ao processo de dinamização agropecuária e mudança na cobertura vegetal, o que tende a comprometer a qualidades dos recursos hídricos da bacia. Cabe registrar que a área em estudo sofre pressões dos madeireiros, pecuaristas e grileiros de terras, fazendo avançar a fronteira agropecuária em Rondônia.

7Os professores Siane Guimarães e Jairo Jiménez-Rueda, com o texto “Uso do sensoriamento remoto e geoprocessamento no mapeamento de subzonas geoambientais das terras do município de Cujubim – RO”, usam os recursos metodológicos oferecidos pelas novas geotecnologias para estudar as condições físicas das terras do município, visando contribuir para com a avaliação da aptidão agrícola e indicar, a partir da cartografia, áreas de maior dissecação, o que permitiu estabelecer zonas de maior fragilidade. O mapeamento de subzonas se mostrou eficiente como parte do processo de planejamento de uso da terra, permitindo analisar características naturais do meio ambiente, tendo como ponto de partida da análise de sua estrutura (base de sustentação para o equilíbrio de qualquer atividade), tornando o estudo adequado e consistente aos fins propostos.

8Ainda sobre os impactos ambientais, certamente a pecuária se tornou o fator de maior incidência na degradação dos solos amazônicos. O artigo “Velocidade de infiltração em área pastagem degradada e floresta natural no município de Porto Velho – Rondônia”, de Eliomar Pereira da Silva Filho, analisa especialmente o processo de infiltração em solos utilizados por pastagens (no período de 20 anos) e áreas de florestas naturais. Considerou para análise da infiltração em pastagem os efeitos associados à compactação promovida pelo pisoteio do gado, em contraposição aos resultados obtidos em área de floresta. Os valores de infiltração mostraram-se de 3 a 4 vezes mais rápidos na floresta em relação aos índices na pastagem. Pode-se imaginar tal problema para Rondônia, considerando que a pecuária se tornou a principal mercadoria da economia rural, ampliando sua presença em todos os municípios.

9Finalmente, duas resenhas compõem este dossiê. A primeira, elaborada por Luís Augusto Pereira Lima e Amanda Michalski com o tema síntese “Porto Velho, expressões de uma cidade centenária”, refere-se às duas coletâneas recentemente publicadas pela Editora da Universidade Federal de Rondônia e Temática Editora, com os títulos Porto Velho, urbanização e desafios para uma cidade centenária e Porto Velho, cultura, natureza e território, organizado pelo professor Ricardo Gilson da Costa Silva. Trata-se da sistematização dos debates, palestras e colaborações de pesquisadores de diversas instituições de pesquisa que participaram do evento organizado pelo Departamento de Geografia e Programa de Pós-Graduação em Geografia em 2014, ano do centenário da cidade e também da grande enchente histórica do rio Madeira. Os textos que compõem os respectivos livros abordam temáticas que permeia a perspectiva Amazônica e os meandros da formação territorial de Porto Velho, urbanização, grandes projetos, logística, migração internacional, cultura, dinâmicas do rio Madeira e gestão do território comparecem como eixos centrais dos dois livros, que ajuda o leitor a ler a cidade de Porto Velho.

10Por fim, apresenta-se a resenha do livro “Rondônia, mutações de um território federal na Amazônia brasileira”, escrito por Tiago Santos, Carlos Alberto Ricarte e Francilene Conceição. Trata-se da publicação em português da tese de doutorado do professor Hervé Théry, defendida em 1976 na Université de Paris 1 (Panthéon-Sorbonne), que estudou o avanço da frente pioneira em Rondônia. Deve-se destacar o trabalho de campo realizado em 1974, sobretudo porque nesse período havia poucos estudos empíricos, escassos dados e informações sistematizadas do então Território Federal. Por sua vez, permite ao leitor conhecer os registros detalhados dos colonos e suas ocupações, assim como a dinâmica territorial no momento em que quase tudo estava para se fazer e constituir como processo de organização do espaço regional. O livro também possibilita ao leitor a compreender o método da escola francesa de geografia, a relevância dos trabalhos empíricos e as técnicas de registros para análise da paisagem, do espaço e do lugar. Foi em Rondônia que há quatro décadas o professor Théry começou a estudar a Amazônia e o Brasil.

11Boa leitura!

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ricardo Gilson da Costa Silva, « Rondônia, espaço de grandes transformações », Confins [En ligne], 29 | 2016, mis en ligne le 14 décembre 2016, consulté le 24 août 2017. URL : http://confins.revues.org/11538 ; DOI : 10.4000/confins.11538

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org