Navigation – Plan du site
Rondônia, espaço de grandes transformações

Uso do sensoriamento remoto e geoprocessamento no mapeamento de subzonas geoambientais das terras do município de Cujubim (RO), como subsídio a avaliação da aptidão agrícola.

Utiliser la teledetection et des sig pour la cartographie géoenvironnementale des sous-zones de la commune de Cujubim (RO) comme aide à l'évaluation des aptitudes agricoles
Use of remote sensing and gis mapping in geoenvironmental mapping of subzones of Cujubim (RO)municipality as aid assessment of agricultural ability.
Siane Cristhina Pedroso Guimarães et Jairo Roberto Jiménez-Rueda

Résumés

Ce document a pour principal objectif de réaliser la cartographie des zones et sous-zones, compte tenu de leurs aspects physiques, dans la commune de Cujubim, afin de contribuer à l'évaluation de la pertinence de l'agriculture, en utilisant comme auxiliaires des techniques de télédétection et de l'outil SIG. À cette fin, ont été utilisés comme base des images satellitaires sous format papier et numérique, qui ont été stockées et analysées dans un système d'information géographique SPRING/INPE, ce qui a favorisé l'intégration des données obtenues au cours des travaux. Les aspects physiques étudiés ont fourni des informations qui ont permis une évaluation des indicateurs environnementaux qui aident à comprendre la région et ont permis d'établir les conditions éco-dynamiques qui sont actuellement en équilibre / déséquilibre. Cela permet également une meilleure indication ou des indications quant à l'occupation de la commune étudiée, en cherchant à minimiser et / ou restaurer l'environnement en termes de capacité de charge de la zone analysée. Ainsi, à partir des données géographiques de base (système de drainage, routes et altimétrie), ainsi que l'analyse et l'interprétation des images satellites, il est possible d'évaluer et d'interpréter la déformation tectonique de la région reflétées à la surface, comme les linéaments structuraux , traits ensemble, la lithologie et morphostructure avec les déformations structurelles de type haut / bas. Cela a permis une synthèse intégrée de la facilité d'utilisation et d'adaptation au degré de restriction ou d'aptitude des terres.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Cujubim (RO)
Haut de page

Texte intégral

CujubimAfficher l’image
Crédits : Google Earth

1Este artigo mostra a primeira etapa de um trabalho (o mapeamento inicial) que proporciona chegar a delimitação inicial de subzonas, mas visando em uma próxima etapa ao zoneamento geoambiental propriamente dito.

2Nas últimas décadas o estado de Rondônia destacou-se como uma das principais regiões de expansão da Amazônia Brasileira. Por volta de 1970, sofreu um intenso processo de ocupação de suas terras por colonos, oriundos principalmente, do nordeste e sul do país. Este intenso fluxo migratório, se deu devido às políticas públicas de incentivo a ocupação das terras da Amazônia por parte do Governo Federal e decorrente dos problemas sociais existentes no meio rural naquelas regiões.

3Com a ocupação desordenada ocorrida na Amazônia como um todo, o Governo Federal preocupou-se em racionalizar e ordenar a utilização dos recursos naturais. Assim, a partir da década de 1980, o Governo implanta o POLONOROESTE – Programa de Desenvolvimento da Região Noroeste do Brasil, o qual objetivou a maior integração nacional, através de projetos que visavam a pavimentação de rodovias e implantação de infraestrutura, que propiciariam o escoamento da produção, interiorizando e descentralizando os serviços públicos.

4Sob este cenário, o desmatamento cresce de forma acelerada em detrimento da floresta natural existente até então no espaço ‘rondoniano’. A discussão das causas e, consequências do desmatamento continuam sendo foco de muitos estudos, e sob a ótica da sustentabilidade em longo prazo o Governo Federal, financiado pelo Banco Mundial, cria o PLANAFLORO – Plano Agropecuário e Florestal de Rondônia, o qual visou o ordenamento dos recursos naturais. Deste modo, foi criada a Primeira Aproximação do Zoneamento Socioeconômico e Ecológico do estado de Rondônia, instituído em 14 de junho de 1988, através do Decreto Estadual n.º 3782.

5Posteriormente foi realizada a Segunda Aproximação do Zoneamento Socioeconômico e Ecológico, instituída pela Lei Complementar n.º 233 de 06 junho de 2000, surgindo com o objetivo de caracterizar e zonear o estado de Rondônia em unidades homogêneas, buscou-se com isso planejar a utilização de forma sustentável dos recursos naturais. Visou-se então, o uso adequado dos recursos naturais de forma que desenvolvimento econômico, social e uso racional dos recursos naturais andassem de mãos dadas. Adotam-se os princípios de sustentabilidade, encontrados nas bases conceituais do ecodesenvolvimento, que para Sachs (1986) é bem expressado como um projeto elaborado entre esferas governamentais e sociedade, cujo centro do desenvolvimento é a economia voltada para a sustentabilidade social e humana capaz de ser solidária com a biosfera.

6O município de Cujubim, localizado no centro-norte do estado de Rondônia, vem passando por grande impacto ambiental, social e econômico, causados principalmente pela intervenção antrópica na zona rural, que continua intensa, principalmente nas áreas de colonização do INCRA, este fato também ocorre em todo o interior do estado. O resultado do processo de ocupação implantado foi à exploração de madeiras e o desmatamento de forma irracional, a prática das queimadas para fins de cultivo ou manejo de pastagens, provocando a destruição da fauna e seus habitats naturais, levando a formação de capoeira, a degradação dos solos, além da caça e da pesca predatória e as invasões de Unidades de Conservação (Floresta Nacional do Jamari e Reservas em Bloco Cujubim) e ainda o descumprimento das diretrizes do Zoneamento estadual, o empobrecimento da população do município e por fim, em muitos casos, a migração para novas fronteiras.

7Tais fatos, aliados a necessidade de um manejo do solo mais orientado que levem ao cultivo adequado, tornam imperativa a execução de um mapeamento geoambiental ao nível de maior detalhe, quando se refere ao estado e com as características de um semidetalhe para o município, que venham permitir a compatibilização das informações básicas sobre os recursos naturais, bem como a criação de um banco de dados do município, que possam dispor ao mesmo tempo do conhecimento mais detalhado do seu espaço territorial.

8Destarte a presente pesquisa fundamenta-se em virtude da necessidade das terras amazônicas de um maior conhecimento da sua potencialidade, bem como a necessidade de um melhor encaminhamento das atividades a níveis locais.

9O Município de Cujubim foi criado pela Lei Complementar nº 568 de 22 de agosto de 1994, com uma Área Geográfica: 48371,9177 ha, e foi desmembrado das áreas territoriais dos municípios de Rio Crespo e Jamari (IBGE, 2000)

10Encontra-se localizado no centro norte do Estado de Rondônia, entre os paralelos 08º 43’ e 09º 31’ latitude sul e os meridianos 62º 19’ e 63º 05’ longitude oeste, confrontando ao Norte, com o município de Porto Velho; Ao Sul, com o município de Rio Crespo; Ao Leste: com o município Machadinho D` Oeste; e ao Oeste, com o município de Jamari e Alto Paraíso. (Mapa 1)

11A Rodovia BR-364 e a Linha C-100 são as principais vias de acesso, apesar da existência de outras estradas vicinais, conhecidas como ‘linhas’, que permitem o acesso interno e a outros municípios, tais como Machadinho, Rio Crespo e Jamari.

Procedimento metodológico

12Para alcançar o objetivo da pesquisa foi fundamental discriminar e caracterizar as principais zonas e subzonas geoambientais obtidas com a análise integrada de zonas fotogeológicas de atributos espaciais de produtos de Sensoriamento Remoto Orbital, como as propriedades fundamentais do meio físico, principalmente, litológicas, litotípicas, para definir e/ou estabelecer as zonas geoambientais (ZGA) e adicionalmente as morfotectonicas para diferenciar dentro de cada ZGA a subzona geoambiental (SZGA).

13Com intuito de adquirir maior segurança nos resultados obtidos, buscou-se alternativa para conferir a veracidade dos mesmos. Desta forma, os elementos do relevo, por meio do uso de imagens de satélite foram analisados juntamente com os traços de juntas, o mapa de lineamentos estruturais, e a frequência de lineamentos (diagrama de roseta).

14A sistemática utilizada para o mapeamento inicial foi a do Zoneamento Geoambiental, que segundo Jiménez-Rueda (1991) permite a avaliação dos indicadores ambientais, para estabelecer e conhecer os condicionantes ecodinâmicos que estão em equilíbrio/desequilíbrio atual, facilitando assim a diagnose e prognóstico de sua ocupação/uso e minimização e/ou recuperação em função da capacidade de suporte de cada ambiente.

15Aquisição de Dados Cartográficos

16Após a definição da proposta, buscou-se imediatamente localizar os dados cartográficos existentes que pudessem auxiliar nesta pesquisa. Foram encontradas para a região do Município de Cujubim oito cartas da Diretoria do Serviço Geográfico – DSG em escala 1:100 000, mapas de geologia, hidrografia, solos, vegetação, geomorfologia e altimetria.

17As Cartas Planialtimétricas utilizadas foram da Diretoria do Serviço Geográfico e do Exército, folhas (SC. SC.20-X-A-IV, SC.20-X-A-V, SC.20-V-D-III, SC.20-X-C-I, SC.20-X-C-II, SC.20-V-D-VI, SC.20-X-C-IV, SC.20-X-C-V); os mapas de Geologia foram da CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, 1999), e do Governo do Estado de Rondônia (Plano Agropecuário e Florestal de Rondônia – PLANAFLORO, 1997); e o Mapa de Solo, Geomorfologia e Vegetação foram do Governo do Estado (Plano Agropecuário e Florestal de Rondônia – PLANAFLORO, 1997).

18Aquisição de Dados de Sensoriamento Remoto

19Os dados de Sensoriamento Remoto foram adquiridos em sua maioria na Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental de Rondônia - SEDAM, o que facilitou muito o acesso aos dados, uma vez que todos os dados necessários/preexistentes estarem no Banco de Dados desta Secretaria.

20Foram utilizadas imagens LANDSAT TM5, escala 1:100 000, ano 1999. As Imagens de Satélite deram suporte para a confecção de todos os mapas e cartas, uma vez a ferramenta (âncora) a ser utilizada para o desenvolvimento da pesquisa.

21Mapa Básico

22De posse das Cartas da Diretoria do Serviço Geográfico – DSG, escala 1:100 000 foi elaborado e digitalizado o mapa da base cartográfica (Mapa 2). Este contém dados referentes ao limite, estradas e hidrografia do Município de Cujubim.

23Após o término da interpretação visual, no software SPRING, versão 4.0 do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, foi realizada uma segunda interpretação de conferência em imagem digital.

apud

24As estradas foram extraídas da Imagem de Satélite LANDSAT TM5 231/66-67, escala 1:100 000 composição colorida RGB (red, green, blue), bandas 3,4,5. Considerando os fatores interpretativos de textura, cor e forma, foi realizada a interpretação. Foram delimitadas todas as estradas de acesso ao município, bem como, todas as linhas fundiárias (estradas rurais abertas quando foram realizados os assentamentos rurais, hoje, de responsabilidade da prefeitura).

25Mapa Lineamentos Estruturais

26O mapa lineamentos estruturais foi elaborado a partir da análise e interpretação da drenagem local onde foram delimitados os traços de fratura sentido leste/oeste, sudoeste/nordeste, noroeste/sudeste e norte/sul.

27Para Hobbs et al. (1981) apud Santos (1999), lineações são qualquer estrutura linear penetrativa numa amostra de rocha. Os lineamentos estruturais se apresentam como uma descontinuidade, uma discordância da rocha.

28Os lineamentos estruturais evidenciam as áreas de alívio tectônico rúptil provocada na maioria das vezes, por um processo cataclástico, indicando o maior ou menor ocorrência de cisalhamentos (RODRIGUES, 2000).

29Frequência de Lineamentos Estruturais (Diagrama de Roseta)

30O cálculo da frequência de Lineamentos Estruturais foi possível via a análise da rede de drenagem. Os traços de lineamentos estruturais foram calculados através do software AutoCad, pelo aplicativo denominado “Roseta” em intervalos pré-estabelecidos de 15º e 15º, gerando um diagrama de frequência denominado “Diagrama de Roseta” (RODRIGUES, 2000).

31Os valores obtidos no diagrama (contagem automática) foram confirmados via contagem manual de todos os lineamentos, sendo gerado uma tabela contendo a frequência de lineamento e seus respectivos valores percentuais.

32Mapa de Traços de Juntas

33O mapa de traços de juntas foi resultado da interpretação das imagens de satélite TM/LANDSAT. Foram interpretadas todas as lineações de rios e igarapés de 1ª e 2ª ordem que apresentam cumprimento pré-definido de 3 (três) a 5 (cinco) mm. A identificação destas juntas permite identificar o sentido da drenagem e, consequentemente, a ruptibilidade da região (RODRIGUES, 2000).

34Mapa Morfoestrutural

35A interpretação morfoestrutural é baseada na análise de informações básicas de elementos de drenagem e relevo e suas relações espaciais, onde as morfoestruturas como podem ser evidenciadas em Jiménez-Rueda et alii (1993), surgem como feições anômalas dentro da tendência regional. O princípio da análise baseia-se na premissa de que muitas estruturas podem ser refletidas em superfície, e esse reflexo é passível de identificação com produtos de sensoriamento remoto.

36Assim, o Mapa Morfoestrutural a partir de uma análise da drenagem, permitiu a interpretação, delimitação, a dedução das linhas de forma e das principais anomalias ou deformações tectônicas manifestas em regiões arrasadas, o que proporcionou a melhor definição de estruturas positivas ou negativas, ou seja, dos altos e baixos estruturais (JIMÉNEZ-RUEDA & MATTOS, 1992).

37Salienta-se que delimitações dos altos e baixos estruturais permitirão, posteriormente, associações, que ajudarão estabelecer os melhores usos do solo e ocupações do território, como também, o cuidado a ser tomado nas regiões em que o terreno não seja condizente para a implantação de diferentes culturas.

38Mapa de Litotipo

39Na fase de aquisição de dados foram selecionados dois mapas geológicos, sendo o primeiro do CPRM (1999) e o segundo do Governo de Rondônia (1997), haja vista, os dois mapas apresentarem unidades geológicas diferenciadas.

40A integração dos mapas em conjunto com os trabalhos de campo realizado no decorrer deste processo de pesquisa permitiu a elaboração do mapa de Zonas Geoambientais, as quais são definidas em função dos limites litológicos já comprovados e identificados na campanha de campo.

41Jiménez-Rueda et alii (1993) estabeleceram Zonas Geoambientais como “regiões delimitadas por rupturas de declive geralmente associadas a limites geológicos e, eventualmente a limites erosivos. Estando sempre associadas a unidades Geológicas e/ou unidades litotípicas predominantes”. A aplicação desta metodologia pode ser observada em trabalhos realizados por Ohara, T. (1995) e Melo, et alii (2000).

42Este mapa de Zonas Geoambientais foi estabelecido a partir do mapa litotipo, procurando manter a organização cronoestratigráfica, para que a identificação e a localização das referidas zonas geoambientais pudessem ocorrer.

43As zonas geoambientais (ZGA) foram instituídas com relação aos limites correspondentes com as unidades geológicas, delimitações estas, que correspondem a características homogêneas da constituição mineralógica, textura, cor, dureza ou resistência das rochas e/ou materiais sedimentares presentes na área. Entretanto, para definir estas ZGA, foi necessário trabalho de campo para a complementação destas informações.

Resultados

44Mapeamento dos Litotipos

45As legendas do litotipos existentes na área estão descritas abaixo e representados no Mapa 3.

46Normalmente a sua espessura varia de 5 a 15 metros, possivelmente corresponde a um evento geomórfico influenciado por neotectonica do Plestoceno/Holoceno, abrangendo toda a região e assentado sobre diversos substratos (granitos, migmatitos, gnaiss, metasedimentos, lateritas, plintitos, em vezes alguns outros solos do Pleistoceno).

47No Holoceno estes depósitos voltam a ser reativados tectonicamente, gerando novamente, sedimentos colúvios-aluvionares que podem ou não recobrir os sedimentos do Pleistoceno/Holoceno, diferenciando somente em que nele encontra-se na sua massa uma dominância de concreções inferiores a 0,5 mm e poucos seixos de quartzo leitoso dispersos nela.

48Estes dois tipos de materiais são classificados neste trabalho como sedimentos oxidios, pela proveniência da erosão dos solos mais profundamente evoluídos caso dos latossolos, os quais chegam a máxima concentração de óxidos.

49Qat - Depósitos Sedimentares Holoceno Subatual, constituídos por sedimentos em Planícies Aluvionares bem arenoso correspondentes a diques marginais ou praiões, como também, argiloso ou siltoso característico de amplas várzeas, algumas delas frequentemente inundavam, apresentando cores amareladas dominantes associados a matéria orgânica. Outros mais avermelhados devido a remobilização ou afogamento dos sedimentos do Qph ou do Holoceno recente.

50TQi – Caracterizados por coberturas constituídas por sedimentos policiclícos que caracteriza ambientes de laterização, latossolização, argilização e sedimentação fluvial, colúvio – aluvionais (gravitacionais), que podem ou não aflorar. Apresenta textura argilosa, argilo – cascalhenta, média e arenosa.

51TQsa – Caracterizados pelos morros tabuliformes originados de uma tectônica moderna e uma erosão subatual/recente como taludes verticalizados. Estas feições de relevo podem ter resíduos de lateritas e plintitas, o que determina a sua sustentabilidade no sistema, em vezes recobertas por areias ou cascalhos concrecionários e/ou matéria orgânica.

52Nyg – Caracterizados pelos Granitos Jovens de Rondônia, que por sua vez apresentam biotita, piroxênio-anfibólios e feldspato calcoalcalino.

53Msc – São materiais anfibolíticos, biotiticos, quartzitícos, monzogranitos, monzolitos e sienogranito, constituídos por minerais primários facilmente alteráveis alguns deles.

54Msp – Representados por arenitos, filitos, cherts arenitos, hematitos, quartzitos, anfibólio-biotita, monzogranitos e rochas básicas, os quais escassamente apresentam-se como materiais dos solos aflorantes e sim como material de origem que sofreram latossolização/laterização e plintificação intensa, mais que foram truncados sucessivamente durante vários ciclos geomórfico/natureza tectônica cenozóica, que deixaram tão somente um ou outro elemento de vestígio destas ações ecodinâmicas. Entretanto, algumas vezes mostram-se volumes de alteração intempérica (VAI) ou horizontes diagnósticos residuais e também truncados durante o sub-manto (Pleistoceno/Holoceno) soterrados pelos sedimentos de muitos óxidos geomórficos posteriores.

55MPgr – Representados pelos Granitos Rapakive Jovens de Rondônia e são constituídos por quartzo, sienitos, biotita, alcalinofeldspato.

56Mac – São constituídos por anfibólios-biotitas, sienogranitos, biotita, sienogranitobiotita, monzogranitos, quartzo-biotita.

57PMj - Caracterizado por um notável aleitamento tectônico dos litotipos, em condições metamórficas de alto/médio grau, envolvendo ortognaisses graníticos, granodiorídicos, tonalíticos, gnaisses bandados, gnaisse paraderivados (biotita-gnaisse, kinzigitos (kiz) e calcissilicatadas)

58PMjm – Constituído por ortognaisse bandados graníticos, granodiorídico e dioritos.

59Mapeamento de Lineamentos Estruturais

60Os lineamentos estruturais possibilitam identificar o sentido e frequência das falhas e juntas, como também, permite a visualização da situação geral do meio físico da área (Mapa 4).

61As áreas que apresentam muito cruzamento de falhas são via de regra regiões que necessitam maiores cuidados, pois o encontro de duas ou mais fraturas proporcionam uma forte (tensão) na terra, bem como pode levar ao aumento no grau de fraturamento.

62Observa-se neste mapa o sentido de maior frequência dos lineamentos de drenagem (NW-SE), proporcionando a visualização geral do meio físico e o grau de fraturamento e deformação da rocha.

63O Diagrama de Roseta demonstra a frequência dos lineamentos estruturais de 15º em 15º, bem como o cumprimento acumulado dos mesmos.

64Mapeamento de Traços de Juntas

65O mapa de traços de juntas é delimitado a partir da interpretação de imagem de satélite dos igarapés de primeira e segunda ordem e com tamanho pré-definido de 3 a 5mm, conforme Mapa 5.

66Mapeamento Morfoestrutural

67Os produtos resultantes da interpretação destes dados permitiram a delimitação de unidades estruturalmente anômalas com altos e baixos estruturais, que ajudaram a definir as zonas e consequentemente as subzonas na região, bem como, estabelecer o melhor uso e ocupação do território, o cuidado a ser tomado nas regiões em que o terreno não seja adequado ao manejo de culturas.

68Observa-se, no mapa morfoestrutural (Mapa 6), que os altos e baixos estruturais encontrados no município de Cujubim são cortados por lineamentos de fraturas truncados, ocasionados pela presença de falhas acentuadas, localizadas principalmente ao centro-oeste do município.

69Subzonas Geoambientais

70O mapa de subzona geoambientais é resultante da integração de todas as variáveis analisadas até o presente. Estas subzonas serão caracterizadas de acordo com sua tipologia vegetal, seus litotipos, lineamentos e morfoestrutura. (Mapa 7)

71Na interação dos dados, obtivemos 12 (doze) subzonas geoambientais, as quais foram descritas abaixo:

72Subzona Geoambiental Serra da Curica – (SZGASC)

73Localiza-se ao extremo oeste do município de Cujubim, apresentando-se caracterizada pela presença dos seguintes litotipos: TQi, TQsa, e Nyg. Cobertos por vegetação do tipo Floresta Ombrófila Aberta Submontana (em maior quantidade), Floresta Ombrófila Aberta e Terras Baixas.

74Esta SZGASC esta inserida num Alto Estrutural e Alto Topográfico (+A), o que determina o comportamento de uma fragilidade elevada quando da remoção da cobertura vegetal, promovendo assim, uma aceleração na erosão.

75Os morros tabuliformes apresentam direções predominantes noroeste e leste-oeste desrupta, conformando aparentemente, uma sequência de morros isolados devido a uma forte influência de fraturamentos em duas direções predominantes NW e EW intercruzando-se e gerando assim, esta feição de relevo. Recomenda-se tanto nos morros e serras presentes nesta subzona o uso direcionado a áreas de conservação.

76Subzona Geoambiental Rio Curica – (SZGARC)

77Esta região abrange a porção leste, norte e noroeste do município e comporta os seguintes litotipos: Qat, TQi, TQsa.

78A vegetação encontrada nesta subzona comporte três tipologias, sendo ao norte observada a Floresta Ombrófila Aberta de Terras Baixas, ao sul o Contato Savana/Floresta Ombrófila e no restante da subzona a Floresta Ombrófila Aberta Submontana.

79A subzona está localizada em um Baixo Estrutural/Baixo Topográfico (-B), com dissecação moderada e densidade de lineamento variando do baixo ao moderado e a densidade intersecção de lineamento variando de alta (oeste e leste) e reduzindo ao norte e centro-norte. Observa-se um tensor agindo sentido NW-SE, tornando a área muito frágil para determinados usos, sendo os casos dos aterros sanitários, uso indiscriminado de fertilizantes e agrotóxico. Pode ser recomendado para fornecer H2O quando não se encontra tão fraturado como este, entretanto, para abastecimento localizado podem encontrar-se quantidades favoráveis para o desenvolvimento deste tipo de agricultura de meio capital e técnica. Os A2412 encontram-se, em uma transição de Baixo – Alto Estrutural em um Baixo Topográfico, tendo áreas mais suaves e consequentemente com maior capacidade de suporte para inúmeras culturas.

80Ao leste, encontram-se em um Alto Estrutural/Baixo Topográfico (+B), com fraturas no sentido NW e alta densidade de intersecção de lineamentos, o que compromete a área, apesar de se encontrar em um Alto Estrutural. São áreas mais arrasadas com glebas largas, contudo devido aos problemas de erosão não é recomendado o uso para cultivares, recomendando-se a manutenção da floresta. A noroeste, esta sobre um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A), com grau de dissecação variando de alto a moderado, o que sugere cuidados, uma vez que podem apresentar problemas erosivos. Os tensores presentes na área não são excessivamente fortes e as glebas existentes são largas, permitindo assim, o uso de culturas. Apresentam fraturas preferenciais NW. São caracterizados pelo lineamento de fraturas intercruzados o que determinou a formação de morros isolados e uma dissecação generalizada.

81Subzona Geoambiental Serra do Juruá – (SZGASJ)

82Localiza-se no extremo nordeste do Município de Cujubim e encontra-se constituídos pelos litotipos denominados TQsa, Msp e, PMjm.

83Nesta subzona encontra-se a Floresta Ombrófila Aberta Submontana em quase toda a subzona e, a Floresta Ombrófila Aberta de Terras Baixas em apenas uma pequena porção ao norte.

84Estas paisagens encontram-se inseridas em um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A) muito fraturada; a leste desta área, caracterizada por várias direções de fraturas intercruzadas definindo com isso sistemas abertos; ao sul é ligeiramente dissecado; na porção nordeste, apresenta outra área com sistema de fratura menos frequente e na parte central uma área também, ligeiramente dissecada e aparentemente abatida, o que determinou uma tectônica forte, deixando morros do tipo tabuliformes com as mesmas características já descritas.

85Subzona Geoambiental Igarapé do Repartimento – (SZGAIR)

86Esta subzona concentra-se na região central do município, sendo caracterizada pelos litotipos PMjm, Qat, Msp, e PMj.

87A tipologia vegetal correspondente a esta subzona geoambiental é denominada de Floresta Ombrófila Aberta de Terras Baixas (norte), Floresta Ombrófila Aberta Submontana (sul) e, Contato Savana/Floresta Ombrófila (centro-leste). Salienta-se ainda, que já existem áreas ocupadas e com presente desmatamento na porção sul e oeste desta subzona, com crescimento potencial ao norte.

88Ao sul esta subzona encontra-se sobre um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A), de moderada densidade de lineamentos a NW – SE e, baixa a moderada densidade de intersecção; no centro desta região encontram-se uma transição de Alto para Baixo Estrutural truncado por lineamentos de fraturas sentido SW – NE/ Baixo Topográfico; a oeste apresenta-se sobre um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A) com lineamentos estruturais em três direções, o que sugere a existência de um sistema aberto, exigindo critérios para o uso; ao norte esta subzona localiza-se sobre um Alto Estrutural/Baixo Topográfico (+B), com um tensor a noroeste.

89Esta subzona como um todo se apresenta sobre duas grandes fraturas sentido NW - SE, bem evidenciadas em todas as etapas dos trabalhos. Apresentam amplas glebas que permitem o trabalho mecanizado nas áreas mais suaves, contudo, devido os vários truncamentos existentes ao longo de toda esta área, devem ser adotados critérios de uso que assegurem manutenção da capacidade de suporte desta.

90Subzona Geoambiental Rio Juruá – (SZGARJ)

91Encontra-se localizada ao leste do Município de Cujubim e compreende os litotipos PMjm e Qat, (Mapa 7):

92A vegetação ao norte apresenta-se do tipo Savana/Floresta Ombrófila Aberta e, no restante da subzona a Floresta Ombrófila Aberta Submontana.

93Estas paisagens encontram-se inseridas num Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A), muito fraturado; a leste desta área, caracterizada por várias direções de fraturas intercruzadas definindo com isso sistemas abertos; ao sul é ligeiramente dissecado; na porção nordeste apresenta outra área com sistema de fratura menos frequente com lineamentos apenas no sentido NW-SE, e na parte central uma área ligeiramente dissecada e aparentemente abatida, o que determinou uma tectônica forte, deixando morros do tipo tabuliformes com as mesmas características já descritas.

94Subzona Geoambiental Serra Grande – (SZGASG)

95Esta subzona localiza-se a leste do Município de Cujubim, caracterizada por litotipos Qat, Msp e o PMj.

96Apresentam Floresta Ombrófila Aberta de Terras Baixa e Floresta Ombrófila Aberta Submontana.

97Estas paisagens encontram-se inseridas num Alto Estrutural comprimido/Alto Topográfico (+A), muito fraturado e, no restante desta subzona encontra-se assentada sobre um Baixo Estrutural/Alto Topográfico (-A) caracterizado por várias direções de fraturas intercruzadas definindo com isso sistemas abertos. Apresenta um tensor que atravessa toda a subzona no sentido NS, necessitando, apesar da densidade de lineamento moderado, cuidado com o uso aplicado.

98As áreas situadas dentro do baixo estrutural são muito susceptíveis a erosão e podem comprometer, ao serem usadas, não só a estabilidade, erodibilidade como também as águas, superficiais e profundas.

99Subzona Geoambiental Rio Preto – (SZGARP)

100Encontra-se espalhada por grande parte do Município de Cujubim, ocupando uma porção a sudeste, sul e centro-oeste, conforme pode ser constatado na Figura 7.

101Os litotipos denominados de Pmj, Msc, Nyg e, o MPgr. Na SZGARP encontram-se as Florestas Ombrófila Aberta Submontana ocupando quase a totalidade desta e, as margens do Rio Preto as Florestas Ombrófila Aberta de Terras Baixas. Nesta região o desmatamento está em estágio avançado, principalmente ao sul e centro-oeste nas proximidades da sede municipal.

102Esta subzona esta dominada no sudeste, por um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A), ligeiramente fraturado com lineamento de fraturas preferencialmente a NE-SW, e glebas amplas e densidade de intersecção de lineamento de forte a moderado que se estende até a região central; ao norte a subzona encontra-se definida sobre um estreito Alto Estrutural truncado/Alto Topográfico (+A) caracterizado por lineamentos de falhas no sentido leste-oeste; ao norte encontra-se sobre um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A), com moderada densidade de fraturas e alta densidade de intersecção de lineamentos estruturais.

103Subzona Geoambiental Igarapé União – (SZGAIU)

104Localiza-se a sudeste da área estudada e apresenta os litotipos MPgr e Msc. Encontra-se com Floresta Ombrófila Aberta Submontana em quase a totalidade a subzona, encontrando-se uma pequena mancha na parte central de Floresta Ombrófila Densa. O desmatamento é acentuado a noroeste da área, nas proximidades da sede do município, assim como, em menor quantidade na região centro-leste da subzona.

105Na região sul esta sobre um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A), e ao norte por um Baixo Estrutural/Baixo Topográfico (-B). Apresenta-se densidade de lineamentos de moderada a alta e, densidade de intersecção alta, caracterizada por lineamentos predominantes N-S e SW-NE. É uma região com alto grau de dissecação e glebas amplas que giram em torno de 500 X 2000.

106Subzona Geoambiental Igarapé Valparaiso – (SZGAIVP)

107Subzona localizada no centro sul do Município de Cujubim, englobando a sede municipal. Apresenta os litotipos PMj, e MPgr.

108A vegetação encontrada nesta subzona é Floresta Ombrófila Aberta Submontana, que vem sofrendo intenso processo de desmatamento, sendo assim, esta área caracterizada como a subzona mais antropizada de todo o Município de Cujubim.

109Esta área esta inserida num Baixo Estrutural/Alto Topográfico (-A), com lineamentos de fratura predominantes no sentido SW-NE, com truncamento ocasionado pela presença de falhas acentuadas, ao norte. As glebas são amplas com intensidade de lineamentos variando de baixo a moderada, e densidade de intersecção de baixa a moderada, o que determina a disponibilidade para uso, especialmente para a prospecção do local apropriado para instalação do lixo. Já para a prospecção do H2O se faz necessário estudos mais detalhados, como local apropriado para o desenvolvimento urbano e industrial seria a mais indicada.

110Subzona Geoambiental Igarapé das Nações – (SZGAIG)

111A Subzona Geoambiental Igarapé das Nações encontra-se localizada na porção sudoeste da área pesquisada, envolvida pelos litotipos Nyg, PMjm e, Mac.

112As zonas de vida são caracterizadas pela Floresta Ombrófila Aberta Submontana (As), com presença de desmatamento no extremo sul do município, caracterizados por pequenas e grandes fazendas.

113Situadas num Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A), com lineamento de fraturas orientadas no sentido NW-SE, apresentando glebas com extensões largas. O leste da área apresenta alta intensidade de intersecção, o que sugere a presença de fortes tensores nesta porção; no restante da subzona a densidade de lineamento de fraturas é moderada o que favorece a ocupação.

114Subzona Geoambiental Igarapé Verde – (SZGAIV)

115Localiza-se ao oeste do Município de Cujubim, e compreende os litotipos de nominados Nyg, e o PMj. Apresentam Floresta Ombrófila Aberta Submontana (As), com desmatamento presente ao longo das linhas fundiárias.

116Encontra-se sobre um Alto Estrutural/Alto Topográfico (+A) e Baixo Estrutural/Alto Topográfico com alternância de truncamentos originários dos grandes falhamentos que se orientam no sentido E-W e SW-NE. Salienta-se, ainda, a grande densidade de lineamentos e de intersecção, o que determina um enorme grau de dissecação em toda área. No contexto geomorfotectonico esta região e a mais crítica do município.

117Localizada ao extremo oeste do município, próximo a BR 364, compreende os litotipos Nyg , e PMjm. Nesta subzona estão presentes Floresta Ombrófila Aberta Submontana (As), predominante em quase toda a subzona e, a Floresta Ombrófila Aberta de Terras Baixas ao longo dos igarapés como resultado do desmatamento em quase toda sua extensão.

118Presentes num Alto Estrutural/Baixo Topográfico (+B), contendo baixa a moderada densidade de intersecção e baixa densidade de lineamentos estruturais. O lençol freático é alto, influenciado pelo Lago de Samuel (UHE), o que o deixa quase superficial e/ou totalmente alagado durante períodos prolongados de tempo. Os perigos de erosão se tornam mais eminentes, por tal razão recomenda-se a manutenção da cobertura natural. Entretanto, apesar de todos os cuidados o processo erosivo é inevitável, tornando-se assim, muito arriscado a retirada da vegetação natural.

Considerações finais

119O ambiente em que vivemos é mutável e desde os primórdios nos deparamos com novas mudanças inerentes à vida, mudanças estas marcadas no tempo por pesquisas herdadas de pesquisadores do passado e que a exemplo deles deixaremos para o futuro.

120Assim, saber um pouco mais sobre o meio em que vivemos é uma necessidade constante do homem, daí a necessidade de novos estudos, de um planejamento que norteiem o uso deste meio.

121O uso de metodologias que visem o conhecimento estrutural da paisagem já existe, e vem se aprimorando cada vez mais. Usa-las em prol do meio, para que o espaço vivido possa ser melhor desfrutado, e que, atividades fundamentais a perpetuação da espécie tornem-se difundidas como algo comum, como é o caso da produção agrícola, sejam realizados de forma rápida, direcionada e com menor custo, é requisito fundamental para a manutenção do equilíbrio ambiental.

122O uso das ferramentas propostas possibilitou a obtenção de dados que permitiram analisar e interpretar as principais deformações tectônicas e suas respectivas estruturas do tipo alto/baixo estrutural.

123Os mapas de Lineamentos Estruturais adquiridos através da análise da rede de drenagem e interpretação de produtos de Sensoriamento Remoto permitiram à identificação dos principais tensores e as principais direções de fratura (NWSE), sendo esta direção a de maior deformação tectônica do Município.

124O mapa de Traços de Juntas possibilitou a identificação das áreas de maior dissecação dentro do Município de Cujubim, e principalmente permitiu estabelecer zonas de maior fragilidade para obra de engenharia, principalmente.

125O Mapeamento de subzonas proporcionou chegar aos objetivos reais da pesquisa. Mostrou-se eficiente como parte do processo de planejamento de uso da terra, permitindo analisar características naturais do meio ambiente, tendo como ponto de partida da análise de sua estrutura (base de sustentação para o equilíbrio de qualquer atividade), tornando o estudo muito mais consistente e confiável, e com resultados positivos.

Haut de page

Bibliographie

ALMEIDA, F.F.M.; HASUI, Y.; NEVES, B.B.B.; FUCK, R.A. “Províncias Estruturais Brasileiras”. In Atas do VII Simpósio de Geologia do Nordeste. Campina Grande, 1977. p., 391.

CPRM. “Mapa Geológico do Estado de Rondônia”. In CPRM: Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. SCANDOLA, J.E. & RIZZOTTO, G.J. (Coords.) Porto Velho, 1999.

CPRM. “Relatório de Geologia do Estado de Rondônia”. In CPRM: Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. SCANDOLARA, Jaime (coord). Porto Velho, 2000. (no prelo).

CPRM. “Relatório de Geomorfologia: Região de Alta Floresta D’Oeste e Alto Alegre do Parecis”. In PGAI: Projeto de Gestão Ambiental Integrada. SEDAM (coord.), Porto Velho, 2000.

EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. “Mapa de Levantamento de Reconhecimento de Média Intensidade dos Solos do Estado de Rondônia”. Escala 1:500.000. Porto Velho,1982.

IBGE. “Base de Informações Municipais”. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2ª edição. CD – ROM. 2000.

IBGE. “Contagem Rápida da População”. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1996.

INCRA. “Doze Anos de Colonização em Rondônia”. Coordenadoria Especial do Estado de Rondônia - CEER, 1986. (No prelo).

JIMÉNEZ-RUEDA, J.R. “Zoneamento Geoambiental como Metodologia para Avaliação dos Indicadores Ambientais (mimeografada)”. Rio Claro: UNESP, 1991.

__________. “Caracterização das Coberturas de Alteração Intempéricas e suas Múltiplas Aplicações na Região Centro-Oeste do Estado de São Paulo”. In Relatório FAPESP, 1993.

JIMÉNEZ-RUEDA, J.R. e MATTOS, J.T. de. “Monitoreo de Las Actividades Antropicas para La Evolucion de La Capacidad de Suporte del Medio Fisico: diagnostico Pronostico. II Simposio Latinoamericano de Riesgo Geologico Urbano”. Colombia: Volume1, 1992, p. 181-192.

JIMÉNEZ-RUEDA, J.R., NUNES, ELIAS e MATTOS, J.T. de. “Caracterização Fisiográfica e Morfoestrutural da Folha São José de Mipibu – RN”. São Paulo: UNESP, 1993. p., 481-491.

MELO, L.A.; GUIMARÃES, S.C.P.; JIMÉNEZ-RUEDA, J.; FERNANDES, L.C.; LONGO, A. “Diagnóstico Zero do Município de Cujubim. IXSimpósio Latinoamericano de Percepcion Remota”. In Argentina: Misiones Programas y Resumees, s/d. p., 161.

OHARA, T. “Zoneamento Geoabiental da Região do Alto-Médio Paraíba do Sul (SP) com Sensoriamento Remoto”. Rio Claro: UNESP, 1995. (Tese de Doutorado) Universidade Estadual São Paulo.

PLANAFLORO. “Diagnóstico Sócio-econômico-ecológico do Estado de Rondônia e Assistência Técnica para Formulação da Segunda Aproximação do Zoneamento Sócio-econômico-ecológico: VEGETAÇÃO”. In Plano Agropecuário e Florestal do Estado de Rondônia, Volume 1, 1997.

RODRIGUES, R.M. Estudo e Caracterização do Meio Físico da Bacia do Rio Camboriú/SC, Visando Zoneamento Geoambiental. Rio Claro, 2000. Tese de Doutorado (Universidade Estadual de São Paulo - IGCE).

SACHS, I. “Ecodesenvolvimento: Crescer sem Destruir”. São Paulo: Vértice, 1986.

SANTOS, M. Serra da Mantiqueira e Planalto do Alto Rio Grande: A Bacia Terciária de Aiuruoca e Evolução Morfotectônica. Rio Claro, 1999. Tese de Doutorado (Universidade Estadual de São Paulo - IGCE).

VILLOTA, H. “Geomorfologia Aplicada a Levantamientos Edafologicos y Zonificacion Fisica de Las Tierras. Geomorfologia de Zonas Montañosas, Colina das y Onduladas”. In Instituto Geográfico Augustin Codazzi. Subdirecion de Docencia e Investigacion. Bogotá,1991.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Siane Cristhina Pedroso Guimarães et Jairo Roberto Jiménez-Rueda, « Uso do sensoriamento remoto e geoprocessamento no mapeamento de subzonas geoambientais das terras do município de Cujubim (RO), como subsídio a avaliação da aptidão agrícola. », Confins [En ligne], 29 | 2016, mis en ligne le 15 décembre 2016, consulté le 30 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/11594 ; DOI : 10.4000/confins.11594

Haut de page

Auteurs

Siane Cristhina Pedroso Guimarães

Departamento de Geografia da Universidade Federal de Rondônia – UFRO, sianecpg@gmail.com

Articles du même auteur

Jairo Roberto Jiménez-Rueda

Departamento de GeoCiências Universidade Estadual Paulista – UNESP, jairorjr@rc.unesp.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org