Navigation – Plan du site

Controvérsias geográficas: epistemologia e política

José William Vesentini

Résumés

On dit en general que l’histoire de la géographie est dépourvue de controversies théoriques. Cependant elles ont existé et ont été importantes pour la construction du savoir géographique. Cet essai reprend trois controverses significatives sur/de la géographie. La première est la polémique entre déterminisme et possibilisme. La deuxième comprend le célèbre débat entre les neopositivistes et les neokantiens au sujet du “exceptionalisme” ou la specificité de la géographie autant que science. Et la troisième est le débat entre Mackinder et Kropotkin sur ce qui est – ou dévait être – la géographie. Il ne s’agit pas de problèmes dépassés. Dans un certain sens les thèmes abordés s’entrecroisent et restent actuels. Plus encore, ce sont des thèmes que, pour plusieurs raisons, continuent à faire partie des grandes questions épistemologiques et politiques de la géographie.

Haut de page

Texte intégral

“O passado traz consigo um índice misterioso, que o impele à redenção. Pois não somos tocados por um sopro do ar que foi respirado antes? Não existem, nas vozes que escutamos, ecos de vozes que emudeceram? Não têm as mulheres que cortejamos irmãs que elas não chegaram a conhecer? Se assim é, existe um encontro secreto, marcado entre as gerações precedentes e a nossa.(...) Articular historicamente o passado não significa conhecê-lo ‘como ele de fato foi’. Significa apropriar-se de uma reminiscência, tal como ela relampeja no momento de um perigo. A história é objeto de uma construção cujo lugar não é o tempo homogêneo e vazio, mas um tempo saturado de ‘agoras’.”  (Walter Benjamin)

1A história das ciências é plena de conflitos, polêmicas, alternativas que se contrapuseram num determinado momento. Talvez seja exatamente este o âmago do desenrolar de um saber: os contextos de indeterminação, de caminhos ou alternativas plurais que se enfrentam e suscitam um andar, menos ou mais acelerado, neste ou naquele sentido. O avanço do conhecimento, em especial o científico, não se faz tão somente com a descoberta de novos aspectos da realidade, de novos fenômenos ou de encadeamentos entre os mesmos, enfim de novos achados sobre o(s) objeto(s) estudado – ou mesmo da (re)construção dos objetos ou da invenção de novos. Ele também ocorre em oposição a modelos ou esquemas de pensamento dominantes e/ou tradicionais, no confronto com as idéias estabelecidas e constantemente reproduzidas. Esse processo é recorrente no desenvolvimento das ciências e existe desde os primórdios da chamada revolução científica.

2Basta lembrarmos que os primeiros cientistas na moderna acepção do termo – Copérnico, Leonardo da Vinci, Giordano Bruno e principalmente Galileu Galilei – travaram uma dura batalha contra os procedimentos cognitivos tidos como legítimos na sua época, procurando afirmar a racionalidade – a observação e a análise dos fenômenos, a indução e a dedução, as inferências com base no raciocínio lógico – contra a autoridade das escritas consideradas sagradas ou inquestionáveis. Um eminente físico chegou inclusive a afirmar que: “Na história da ciência, descobertas e idéias novas sempre suscitaram debates na comunidade científica, com publicações polêmicas a criticar as novas idéias, mas tais críticas freqüentemente servem de ajuda ao desenvolvimento do novo pensamento” (Heisenberg, 1995:15)

3Em contrapartida, a história da geografia é demasiado indigente em controvérsias, afirma-se com freqüência. Um conhecido geógrafo francês asseverou que existe uma quase total ausência de discussões teóricas na ou sobre a geografia, que seriam substituídas pelas intrigas de caráter pessoal:

“O sistema universitário não impediu as polêmicas em outras disciplinas. Em geografia, conflitos entre pessoas sim, mas nada de problemas (ou quase nada...). A indolência dos geógrafos com relação aos problemas teóricos, indolência que se estabeleceu entre certas pessoas com alergia às vezes brutal, é acompanhada por uma preocupação em evitar toda e qualquer polêmica que possa desembocar num problema teórico.” (Lacoste, 1988:106)

4Apesar disso, ocorreram sim algumas importantes polêmicas teóricas na geografia, embora em geral elas sejam reiteradamente omitidas ou denegadas – ou então distorcidas –, inclusive nas melhores obras sobre a história do pensamento geográfico. Nestas, via de regra se despende um enorme esforço na ênfase à filiação teórico-metodológica de tal ou qual autor ou escola de pensamento – se positivista, historicista, fenomenológico, dialético, etc. –, construindo assim uma totalidade homogênea, e com isso os conflitos e as tensões que poderiam implodir essa imagem de processos aparentemente unívocos são excluídos ou ignorados. Reconhecemos a importância desse tipo de análise, que valoriza o contexto e as grandes “correntes de pensamento”, procurando nelas encaixar a produção geográfica deste ou daquele autor. Mas só isso não basta, principalmente porque esse tipo de enfoque, mesmo que eventualmente de forma não intencional, denega o que há de mais importante no avanço do conhecimento científico: o pluralismo e o diálogo entre correntes de pensamento diferenciadas. Falta o “agora” a que se refere Walter Benjamim, isto é, o momento do relampejar no qual várias alternativas eram possíveis e uma delas acabou predominando.

5Iremos aqui retomar e reavaliar três controvérsias significativas na história da geografia, sendo que uma delas, justamente a de maior divulgação, foi na realidade um qüiproquó, um falso debate, no qual somente um dos dois lados divulgou a sua versão e estereotipou o (pseudo-) opositor: a querela entre o determinismo alemão e o possibilismo francês. As outras duas foram de fato discussões entre oponentes que se reconheceram como tal, na qual cada um dos lados assumiu e defendeu o seu ponto de vista: a contenda de Mackinder versus Kropotkin a respeito do que é (ou deveria ser) a geografia; e o célebre debate entre os neopositivistas e os neokantianos sobre o “excepcionalismo” ou a especificidade da geografia enquanto saber científico: se ela está voltada, no essencial, para a construção de teorias gerais ou leis nomotéticas, ou, pelo contrário, se ela se ocupa no fundamental em realizar estudos monográficos, numa compreensão idiográfica sobre cada lugar ou região particular da superfície terrestre.  

6Essas três querelas, como procuraremos demonstrar, não são águas passadas, isto é, problemas já resolvidos ou superados. Num certo sentido os tópicos que elas abordam se entrecruzam e permanecem atuais; mais ainda, são temas fundamentais e que por diversas perspectivas continuam a fazer parte das grandes questões epistemológicas e políticas da geografia.

7A distinção entre determinismo e possibilismo, cabe recordar, foi iniciada a partir de um reproche francês à obra do iniciador – ou melhor, sistematizador – da geografia política moderna, Friedrich Ratzel. Essa distinção – ou melhor, essa construção teórica – avançou a partir do advento e da expansão da geopolítica e as suas pretensas vinculações com a geografia política ratzeliana. A obra do geógrafo alemão que provocou essa reação francesa foi o livro Politische Geographie, editado em 1897. Nesse trabalho, Ratzel num certo sentido redefiniu ou reestruturou o estudo geográfico da política. Mesmo não tendo sido pioneiro no uso do rótulo “geografia política”, Ratzel sistematizou uma certa leitura da política – que muito deve ao realismo de Maquiavel – na sua dimensão espacial ou territorial e, ao mesmo tempo, reformulou a maneira pela qual a ciência geográfica abordava o fenômeno político. Como observou com propriedade um geógrafo suíço, Ratzel propôs um estudo nomotético da geografia política (Raffestin, 1993:12), algo bem diferente dos escritos monográficos e idiográficos de Vidal de La Blache e discípulos sobre as regiões francesas; e nessa empreitada ele procurou estabelecer nexos causais entre o poder político e o espaço, ou melhor, o território. Essa obra de Ratzel suscitou uma forte reação francesa, que pouco a pouco construiu um inimigo teórico,  a “escola geográfica determinista germânica”, que teria em Ratzel  o seu mentor.  

  • 1  Este sucinto texto de Ratzel foi extraído de um capítulo do livro Anthropogeographie, de 1882 (por (...)

8Tanto o sociólogo Émile Durkheim (1898-9: 550-58) quanto o historiador-geógrafo Paul Vidal De La Blache (1898: 97-111)., entre 1898 e 1899 – isto é, imediatamente após a publicação do referido livro de Ratzel e também de uma tradução para o francês de uma espécie de resumo deste (Ratzel, 1888: 1-14)1– , teceram ácidas críticas às ideias ratzelianas  da vinculação necessária entre o “solo” (espaço físico, ou melhor, território) e o Estado, em especial a dependência deste em relação àquele e o crescimento estatal sendo identificado com a expansão territorial. Eles assinalaram um exagero e um dogmatismo nas vinculações lógicas operadas por Ratzel, enxergando nelas um determinismo estreito. Mas foi o historiador Lucien Febvre – um ex-aluno e amigo de Vidal , na sua monumental obra  La Terre et l’evolution humaine, editada em 1922, quem criou de forma mais acabada e sistematizada a idéia da existência de duas escolas  geográficas alternativas, uma "determinista" e simbolizada por Ratzel, e a outra "possibilista” e capitaneada por La Blache.  

  • 2  Hegel, 1982. Cf. especialmente o capítulo “La conexion de la natureza o los fundamentos geográfico (...)
  • 3  Entre os sociólogos mencionados por Febvre que criticaram veementemente a geografia humana – e não (...)

9No ano da edição desse livro de Febvre os dois principais protagonistas dessa trama já tinham deixado o mundo dos vivos: Ratzel viveu de 1844 a 1904 e Vidal de La Blache de 1845 a 1918. Ratzel, portanto, nunca chegou a responder – talvez nem mesmo a ler – as críticas francesas a respeito de sua obra. Febvre, é bom esclarecer, tinha como escopo principal o relançamento das bases de uma “introdução geográfica à história” (este é o subtítulo do seu livro, algo que lembra muito a célebre  introdução especial de Hegel2) , numa perspectiva na qual a geografia – o espaço, a “terra” – seria uma espécie de pré-condição, embora simples e em geral, salvo raras exceções, sem grande importância, a partir das quais vão se desenrolar os processos históricos, estes sim ricos e complexos.  Taxando a geografia humana como uma “ciência nova” e “auxiliar da história”, Febvre elabora o seu trabalho com vistas a equacionar ou estabelecer três desígnios: prescrever a geografia como uma disciplina modesta (e subordinada à história); defendê-la das então recentes críticas de vários sociólogos franceses (especialmente Durkheim e o grupo ao seu redor, cuja grande expressão era o periódico L’Année sociologique ) , que encaravam a geografia humana como “imperialista” por invadir o campo de estudos da sociologia e  pretender explicar tudo pelas condições geográficas3; e por fim retomar a antiga discussão – que pode ser encontrada em inúmeros pensadores clássicos, desde Hipócrates até Hegel, passando por Montesquieu – a respeito da influência das condições geográficas (especialmente o clima) sobre a história da humanidade. Neste último item, Febvre assume uma postura ambiciosa semelhante à de Hegel, com a diferença que este valorizava a filosofia (só o filósofo capta a lógica da História, apenas ele poderia teorizar com propriedade; o historiador seria exclusivamente um cronista que relata os fatos) e logicamente que Febvre enaltece a história e os historiadores (eles é que poderiam teorizar de forma científica sobre as relações entre os processos histórico-sociais e o meio ambiente; o geógrafo seria tão somente um descrevedor de paisagens, um auxiliar que realiza estudos monográficos sem nenhuma pretensão de teorizar ou “invadir o terreno da história”).

10Frente a isso, fica evidente a preferência de Febvre pelo tipo de geografia humana praticada por Vidal – os estudos monográficos, nos quais há pouca ou quase nenhuma teorização de natureza geral –, assim como a sua clara aversão pela tentativa ratzeliana de construir teorias e “leis” gerais a respeito das inter-relações entre o Estado, a sociedade e o espaço geográfico. A proposito do primeiro, Febvre reproduziu com concordância a seguinte afirmativa:

“Vidal de La Blache disse que a defesa contra o espírito de generalização prematura é realizar estudos analíticos, monografias nas quais as relações entre as condições geográficas e os fatos sociais sejam considerados in loco, em um campo bem escolhido e delimitado” (Febvre, 1925: 489).

11Mas em relação ao geógrafo alemão, ele é impiedoso:

“Ratzel, dominado pelo seu aproach [parti pris] de antropogeógrafo e por suas  preocupações de origem mais política do que científica, que em certos momentos fazem a sua mais recente e menos fecunda obra, Politische Geographie, parecer uma espécie de manual do imperialismo alemão” (Idem: 57).  E no último capítulo do livro ele esclarece que: “Que não nos pergunte, pois, por que contraditoriamente defendemos a geografia humana contra as críticas da morfologia social [a sociologia de Durkheim e discípulos], ou, mais exatamente, reivindicamos para ela o direito de uma existência livre e independente(...) e agora dedicamos todo um esforço na sua crítica. Nossas críticas se dirigem não contra a geografia humana em geral e sim contra uma concepção viciada e pueril de seu papel e de seus meios. (...) Nunca cansaremos de repetir que a geografia não tem por objeto investigar as ‘influências’ da Natureza sobre o Homem, como se diz, ou do Solo sobre a História.  Essas palavras com maiúsculas não tem nada a ver com um estudo sério. E ‘influência’ não é uma  palavra científica e sim astrológica. Que ela fique, pois, de uma vez para sempre, com os astrólogos e outros charlatães” (Idem: 477-79).

12O contexto histórico da época é imprescindível para explicamos o surgimento, a expansão e a popularização dessa construção teórica. Em primeiro lugar, cabe lembrar da secular rivalidade franco-alemã (ou prussiana) no crepúsculo do século XIX, com a derrota francesa em 1871, fato ainda dolorosamente nítido na consciência de Vidal e de Durkheim, que o vivenciaram.  Em segundo lugar, a Primeira Guerra Mundial,  que mais uma vez colocou a França e a Alemanha em lados opostos. E, em seguida, a ascensão do nazismo e a criação e notável difusão da “geopolítica alemã” dos anos 1920, 30 e 40, em especial ao redor da  Zeitschrift für Geopolitik ,editada pelo general Karl Haushofer, que contou com a colaboração de inúmeros geógrafos (embora também historiadores, cientistas políticos, militares, juristas, etc), os quais por diversas vezes e de diferentes maneiras, reproduziram ou se apropriaram de determinadas idéias ratzelianas, forneceram mais lenha para a fogueira das críticas à escola determinista germânica e a sua natureza “mais político-ideológica do que científica”.

13O clima de rivalidade, de disputa de poder entre França e Alemanha, além do fato de que os colaboradores daquele periódico freqüentemente repercutiam as ideias nazistas de uma “raça ariana superior” e do “destino manifesto” da Alemanha em se tornar uma grande potência mundial, foram elementos determinantes no desenrolar dessa construção segundo a qual existiria uma escola geográfica determinista e que ela teria gerado a geopolítica de Haushofer e seus colaboradores. Até mesmo um importante geógrafo alemão da época, Leo Waibel, que fugiu de seu país devido ao regime nazista e se exilou nos Estados Unidos (embora tenha vivido alguns anos no Brasil), no afã de desancar aquela geopolítica germânica bastante identificada com o totalitarismo, acabou meio apressadamente rotulando-a como um "produto da escola geográfica determinista" e bastante diferente de uma outra abordagem geográfica mais aberta e liberal, que a seu ver não seria tanto simbolizada por Vidal de La Blache e sim pelo seu mestre Alfred Hettner  (Waibel, 1961: 613-7).

14A partir daí, e em especial com o desfecho da Segunda Guerra Mundial, essa identificação do determinismo com a geopolítica e desta última com os regimes totalitários acabou por predominar durante algumas décadas, sendo repetida, embora com algumas nuanças, por importantes geógrafos como Jean Gottman, Camille Vallaux, Pierre George e inúmeros outros autores, inclusive não geógrafos (historiadores, cientistas políticos, sociólogos), tanto na França como em outros países – principalmente latinos – como o Brasil, a Espanha, o México, a Argentina, etc.

15Sem dúvida que aquela geopolítica alemã dos anos 1920, 30 e 40 de uma maneira geral foi racista e dogmática, além de manifestar uma clara simpatia pelo nazi-facismo. E também é inegável que podemos encontrar facilmente nas obras de Ratzel, notadamente naquele mencionado livro de 1897 e também na obra anterior Antropogeografia,  uma série de  afirmações que exageram a importância do tamanho do ório para o poderio de um Estado-nação, as quais, mesmo tendo um fundo de verdade, inflam demais o peso do espaço físico para o advento e o desenvolvimento da civilização e em particular do Estado moderno, visto por Ratzel como o coroamento do processo civilizatório. Mas esse rótulo “determinismo” seria de fato apropriado para Ratzel e, mais ainda, para toda a tradição geográfica alemã do final do século XIX e da primeira metade do século XX?  Afinal de contas, o que significa determinismo do ponto de vista epistemológico?

16Claude Raffestin reproduz e concorda com a afirmativa de René Thom, que prefaciou a célebre obra de Laplace “Ensaio filosófico sobre a probabilidade” , segundo a qual “A ciênciaé determinista” na medida em que busca uma ordem, uma regularidade, um encadeamento entre os fenômenos, uma forma mesmo que complexa de causalidade, sem a qual o conhecimento científico não seria possível (Raffestin, in Bergevin, 1992: IX).

  • 4  Cf. Hawding (1988: 87). Cabe ainda lembrar da famosa frase de Einstein: “Deus não joga dados”, pel (...)
  • 5 Cf. Bervegin, 1992 : 15, que reproduz a esse respeito urna frase de Ludwig Wittgenstein: "O mundo é (...)

17Quando lemos algum físico teórico importante Einstein, por exemplo, ou Max Plank, Hawding ou até mesmo Heisemberg logo constatamos que eles aceitam tranqüilamente o que denominam “princípio do determinismo”, segundo o qual as coisas e os fenômenos são encadeados ou se influenciam mutuamente, que existem causas mesmo que por vezes probabilísticas e efeitos, razões e conseqüências. É evidente que o determinismo absoluto de Laplace, segundo o qual seria possível conhecer tudo, inclusive o passado e o futuro, desde que se dispusesse de todas as informações pertinentes, de toda a rede das forças e das causas que agem no universo, é algo no mínimo duvidoso. Mas o princípio do determinismo ou causalidade continua a ser aceito pelas ciências naturais e, em grande parte, apesar de certas nuanças, até mesmo pelas ciências humanas. Nas ciências naturais ele foi abalado pelas relações de incerteza que existem na microfísica, ou o princípio da indeterminação de Heisemberg, mas continua a ser uma espécie de norte ou axioma básico4. E nas ciências humanas e sociais esse princípio determinista sempre foi amenizado pela questão do livre arbítrio humano, da natureza original dos seres humanos, que podem criar coisas novas e decidir entre alternativas possíveis sem se submeterem a leis férreas e inquebrantáveis. Mas amenizado não quer dizer anulado e mesmo no estudo do social-histórico existe a preocupação com a busca das “determinações” de um acontecimento ou de um processo, ou seja, aquele conjunto de fatores que o originaram e/ou que o explicam. Dessa forma, a discussão mais pertinente aqui não é sobre o “princípio da determinação” em si,  pois sem ele a ciência, tal como a conhecemos hoje e desde Galileu Galilei, não seria possível, mas sim sobre o caráter ou a substância dessas determinações ou relações causais. Alguns cientistas e filósofos os chamados “realistas” pensam que elas seriam inerentes ao real, ao mundo, às coisas e fenômenos. Outros – os “idealistas” – , afirmam que no final das contas elas, essas determinações, seriam um produto da nossa lógica ou da nossa linguagem, mas que, mesmo assim, seriam imprescindíveis para se conhecer e agir no mundo5.  

18O que se criticou muito em Ratzel e também, ou principalmente, em autores que se proclamavam como seus discípulos, como a geógrafa norte-americana Ellen Semple foi um determinismo exagerado e estreito, que não buscava explicações complexas e sim uma causa única e unilateral, que via apenas a importância do meio físico para a sociedade e não valorizava a criação humana em si, a tecnologia e  a (re)produção da natureza. Mas a critica a esse determinismo estreito ou visão unilateral, como preferimos  considerou toda a busca de determinações espaciais como equivocada,  algo absurdo e sem sentido do ponto de vista científico. E a contraposição a isso, o chamado possibilismo,  pouco acrescentou a uma antiga discussão filosófica e científica sobre a originalidade do ser humano, sobre o livre arbítrio e a sua liberdade de criar e fazer coisas novas.

19Desde no mínimo Maquiavel, o criador da idéia moderna de política (e da relativa autonomia do político em relação ao divino, aos fenômenos físicos, à economia etc), por sinal um autor importante para a obra de Ratzel, que essa questão a respeito do que o ser humano cria e o que determina a sua ação já vinha avançando bastante. “Julgo feliz aquele que sabe combinar as suas ações com o sentido [ou  "as determinações"] do seu tempo”, afirmou Maquiavel em OPríncipe, acrescentando ainda que em parte os acontecimentos (políticos) decorrem de circunstâncias externas e em parte do livre arbítrio do(s) sujeito(s) que age(m) (Maquiavel: 103).

20Ora, seria justamente esta a questão que permitiria a Vidal de La Blache ou a Lucien Febvre se contraporem ao raciocínio causalístico unívoco que  detectaram em Ratzel, complexizando as “causas” ou motivos das ações ou dos processos políticos tal como a “evolução dos Estados”, um dos temas prediletos de Ratzel e incluindo aí o livre arbítrio dos seres humanos, a tensão entre a lógica (as determinações) e a política ou o acaso (as indeterminações, a produção do novo).  Mas ao invés de trilhar esse caminho – algo que exigiria um maior esforço intelectual, além de uma aceitação parcial da abordagem ratzeliana –, eles preferiram a cômoda atitude de rotular o geógrafo germânico como “determinista”,  ignorando a importância do princípio do determinismo para a ciência moderna, e contrapor a isso  uma inopiosa perspectiva “possibilista”.

21Tão somente repetir que as condições geográficas oferecem "possibilidades", e que o Homem as aproveita desta ou daquela maneira, não produz nenhum avanço no conhecimento científico e tampouco nessa clássica problemática filosófica sobre o maior ou menor peso das determinações (que não são apenas naturais, diga-se de passagem)  frente à indeterminação ou o livre arbítrio do ser humano. Um geógrafo inglês, numa obra recente, chegou a afirmar que “A crítica exarcebada ao ‘determinismo geográfico’ obnubilou ou obscureceu a análise das influências do ambiente sobre o social” (Unwin,1992: 262). E um professor de história econômica na Universidade de Harvard, que nos anos 1990 publicou um importante livro sobre as causas da  riqueza e da pobreza das nações, comentou que a geografia produziu um escasso material sobre as possíveis influências da localização, do meio físico, etc, no desenvolvimento de determinados países (Inglaterra, Estados Unidos, Alemanha...) em contraponto ao pouco desenvolvimento de outros (as nações africanas, por exemplo), provavelmente devido à forte (auto-) repressão que sofreu (ou se impôs) a  partir  dos  exageros “deterministas” de autores como Ellen Semple, que por sinal também foi professora nessa mesma universidade norte-americana, que depois dela ou devido a ela fechou o seu curso de geografia (Landes, 1998: 1-16).

22Enfim, acreditamos que essa oposição entre uma geografia determinista e outra possibilista é e sempre foi algo sem sentido do ponto de vista epistemológico (embora, como já vimos, tenha tido um forte sentido para os seus protagonistas sob o aspecto da ideologia nacionalista e até mesmo da defesa de interesses corporativistas), que mais atrapalhou do que ajudou no desenvolvimento da ciência geográfica. Mas a problemática real que perpassa toda essa querela – aquela do livre arbítrio humano versus as determinações ou o contexto (ambiental e social) – ainda continua em pé, ela  prossegue sem ter incorporado grandes avanços. Num certo sentido ela retornou ou reapareceu naquela controvérsia ocorrida nos Estados Unidos nos anos 1950, na qual Fred Shaefer se opôs a Richard Hartshorne e a grande questão em debate era sobre que forma de conhecimento a geografia é, se idiográfica ou nomotética.

23Esse debate entre Shaefer e outros contra Hartshorne passou para a história da geografia como a questão do “excepcionalismo”, numa clara demonstração de que os vencedores deixam a sua marca ou o seu rótulo na memória coletiva. Essa qualificação na verdade foi uma forma de simplificar e estereotipar o pensamento de Hartshorne, o grande nome da geografia norte-americana desde o final dos anos 1930 até inícios da década de 1960 e que nessa querela foi identificado com o status quo, como um conservador que não admitia a renovação quantitativa e cientificista na sua disciplina. Só que a questão é mais complexa e no fundo ela envolve duas aporias: a natureza da geografia como ciência (se idiográfica ou nomotética) e a utilidade da geografia, a possibilidade de se construir um saber geográfico essencialmente pragmático e preditivo.  

24Fred Shaefer iniciou essa controvérsia com o seu famoso artigo no qual cognominou de “excepcionalismo” a abordagem corológica na geografia, então defendida entre outros por Hartshorne (mas que num certo sentido também era a de Vidal de La Blache e, sem dúvida alguma, o de Hettner), no qual o objetivo desta ciência seria não o de estabelecer leis gerais e sim conhecer casos (regiões, lugares) particulares (Shaefer, 1953: 226-49).  Retomemos um importante trecho desse autor:

“O pai do excepcionalismo é Immanuel Kant. Mesmo sendo considerado como um dos grandes filósofos do século XVIII, Kant foi um geógrafo medíocre quando comparado aos seus contemporâneos ou mesmo a Bernardo Varenius, que morreu mais de um século e meio antes dele. Kant produziu a sua asserção excepcionalista não somente para a geografia, mas também para a história. Segundo ele, a história e a geografia encontram-se numa posição excepcional, diferente das chamadas ciências sistemáticas(...) Ritter usou essas idéias, assim como Hettner e finalmente Hartshorne(...) O que os cientistas fazem é(...) aplicar em cada situação concreta todas as leis que envolvem as variáveis que eles consideram como relevantes. As regras pelas quais essas leis são combinadas, o que é livremente chamado interações das variáveis, estão elas mesmas entre as regularidades que a ciência tenta descobrir. Não há nenhum desafio, como imagina Hartshorne, para o cientista social produzir uma lei singular que poderia explicar a complexidade da situação do porto de Nova Iorque. Uma descrição dessa situação é única no óbvio senso que nunca haverá uma região ou localidade exatamente como Nova Iorque com todos os serviços que fornece para o seu entorno. Nunca haverá uma lei para um caso assim. Pois, que importância teria uma lei que levasse em conta somente um caso? Mas, por outro lado, a geografia urbana atualmente conhece alguns princípios sistemáticos, os quais, aplicados ao porto de Nova Iorque, podem explica, não tudo mas alguma coisa,  sobre a estrutura e as funções dessa realidade. Esse é o ponto. Ou devemos desistir de explicar porque nós não podemos explicar todas as coisas? Nesse ponto a geografia encontra-se na mesma situação das outras ciências sociais. Ou devemos rejeitar a sociologia porque a predição sobre o resultado das eleições não é ainda tão confiável como alguns gostariam, ou porque não podemos assegurar com certeza se em cinco anos a Argentina terá uma ditadura ou uma democracia?(...) Qualquer um que rejeite ométodo científico em qualquer área da natureza, rejeita por princípio a possibilidade de predição. Em outras palavras, rejeita o que é normalmente conhecido como determinismo científico. A atitude intelectual por trás dessa atitude na maioria dos casos é alguma versão da doutrina metafísica do livre arbítrio. (...) Se determinismo é entendido como a existência generalizada de leis na natureza, sem nenhuma ‘exceção’, então essa é a base comum de toda a ciência moderna(...) O que podemos inferir disso tudo sobre o futuro da geografia? Parece-me que desde que os geógrafos cultivem os aspectos sistemáticos da sua disciplina, a geografia é uma ciência como outra qualquer. Todas as formas de leis que distinguimos contêm fatores espaciais(...) [Mas] eu não sou otimista no caso da geografia rejeitar a busca de leis, exaltando os aspectos regionais e graças a isso limitar-se a uma mera descrição. Neste caso, os geógrafos sistemáticos deverão se encaminhar para e finalmente até se integrar nas ciências sistemáticas.” (Shaefer:1953: 246-9; os grifos são nossos).

  • 6  O autor submeteu o texto, antes da publicação, à leitura e sugestões do filósofo (e seu amigo) Gul (...)
  • 7  Cf. Adorno, T., Popper, K. e Outros, 1973).
  • 8  “Há um critério para se determinar o caráter ou status científico de uma teoria? (...)Afirmo que o (...)

25O que salta à vista nesse texto, onde se critica uma tradição geográfica que vai de Kant até Hartshorne, passando por Hettner, Vidal de La Blache, Leo Waibel e outros, é a defesa absoluta do princípio do determinismo “sem nenhuma exceção” (sic!), chegando-se ao absurdo de considerar o livre arbítrio humano como uma mera “doutrina metafísica”. Existe aí uma influência explícita de Karl Popper6, que naquele momento (Popper sofisticou o seu ponto de vista mais tarde, após os debates com a Escola de Frankfurt nos anos 19607), encarava a física como o modelo por excelência a ser seguido por qualquer disciplina que almejasse o status de ciência. Não existiriam diversidades no real, e portanto tampouco nas ciências, nas quais deveria haver um “método” unitário, um paradigma único de busca de leis ou princípios lógico-matemáticos, de preferência construídos de forma dedutivista – a indução e a ênfase no empírico em si eram menosprezados. Admitia-se que a ciência nunca conheceria tudo ou a “essência” das coisas – tal como na imagem kantiana do navegante que se orienta pela estrela Polar sem nunca a alcançar –, mas acumularia gradativamente um rol de conhecimentos (ou melhor, de leis e teorias) que permitiriam uma previsão cada vez mais apurada dos fatos, advindo daí uma forte recusa em analisar os casos particulares ou únicos, que só teriam algum sentido se incorporados num esquema ou numa teoria classificatórios. As teorias ou “leis” nomotéticas, destarte, deveriam necessariamente desembocar numa forma de previsão e qualquer conhecimento que não atendesse a esse requisito seria não-científico8.

26Todavia, fica aqui uma dúvida: e se alguma região ou aspecto do real não atender a essa exigência, se em determinado campo do conhecimento não for possível construir leis dedutivistas ou tentar prever que tal fato poderá ou não ocorrer?

27A resposta a isso é simples: quanto um conhecimento, tal como a geografia tradicional, não corresponder a esse paradigma, não puder construir leis dedutivistas ou preditivas, então ele não é científico, tal como afirmou Shaefer. Por sinal, foi exatamente esse o “julgamento” que Popper fez em relação à psicanálise e a todo estudo do inconsciente humano, para mencionarmos apenas um exemplo (Popper, 1967: 44-6).

  • 9 Podemos substituir a indagação ‘A geografia é uma ciência?’, pela pergunta muito mais útil: ‘Que es (...)

28Também podemos encontrar nesse texto uma desvirtuação dos “oponentes”, começando por Kant e terminando com Hartshorne, sendo este o principal alvo das críticas. Ignora-se, provavelmente de forma deliberada, que esses autores jamais advogaram um “excepcionalismo” puro e simples (isto é, um caráter único, completamente diferente de todo o restante, como se esse restante – isto é, a ciência – fosse homogêneo) para a geografia ou a história, mas sim uma ênfase na complexidade e na diversidade do real e, portanto, das ciências. Basta recordarmos aqui um texto de Hartshorne, no qual ele afirma que mais útil do que inquirir “se a geografia é uma ciência” seria refletir sobre “que tipo de ciência é a geografia”, numa evidente percepção de que a realidade não é a mesma em todas as suas manifestações e, dessa forma, existiriam ciências (no plural) e não “a” ciência9.

29O que na realidade Kant asseverou, por sinal de forma bastante razoável, foi que existem diversas formas de conhecimento, do artístico ao filosófico, do científico (que pode ser mais ou menos nomotético ou idiográfico e nunca exclusivamente uma coisa ou outra) ao senso comum, etc, e eles não são estanques ou sequer hierarquizados. E nem Kant e tampouco Hartshorne afiançaram que a geografia seria uma saber totalmente idiográfico; eles apenas admitiram que a realidade estudada pela geografia e principalmente pela história tem muito de particular ou de irrepetível (não recorrente) e, dessa forma, cabe utilizar, embora não de maneira única ou exclusiva, uma abordagem idiográfica. Mas existe no texto de Schaefer uma aversão pela monografia, por qualquer estudo aprofundado sobre uma realidade específica nas suas determinações (e indeterminações) particulares: isso é visto como uma mera “descrição” (e não uma explicação), numa total desvalorização não apenas da geografia regional, mas também da biologia, embora de forma inconsciente na medida em que o seu inspirador, Popper, nunca estudou seriamente outras ciências naturais além da física e em particular as teorias de Einstein. De maneira até mesmo hilária, no final do seu afamado texto Shaefer ameaça abandonar à sua própria sorte a geografia regional – ou a perspectiva geográfica que “exalta os aspectos regionais” –, caso ela não mude radicalmente, e se juntar de vez ao time dos cientistas sistemáticos (ele pensava em especial na economia, vista pelos neopositivistas como a ciência social mais próxima do seu arquétipo de cientificidade).

30Uma questão essencial nesse debate é sobre a existência de uma ciência no singular – com um “método” universal – ou de diversas ciências no plural. Ou, sob um outro ponto de vista complementar, sobre a existência de uma só realidade, com “leis” universais e invariáveis, ou realidades que possuem especificidades com lógicas relativamente diferentes. Na sua resposta ao texto de Schaefer, Hartshorne colocou muito bem o problema:

“O fato de a geografia constituir um dos campos do conhecimento em que uma soma relativamente grande de esforços é empregada no estudo de casos individuais, e não na tentativa de elaborar leis científicas, tem preocupado os críticos, em nosso meio, há mais de meio século(...) Não há dúvida que todos nós podemos concordar com Hettner, que a ciência não há de permitir que o conceito do livre arbítrio a impeça de procurar determinar as causas das ações humanas ao máximo de sua capacidade como ciência(...) [Todavia] afirmar que a ciência refutou a possibilidade de um certo grau de livre arbítrio, ou que se pode esperar que ela venha refutar essa possibilidade, seria pretender saber o que não podemos conhecer. [Muitos] aferram-se ao determinismo científico como um artigo de fé filosófica que deve ser defendido na qualidade de alicerce do qual depende a estrutura da ciência. Qualquer sugestão de dúvida, a menor presunção de que existe a possibilidade do livre arbítrio, deveria, por conseguinte, ser atacada com veemência e escárnio como sendo anticientífica(...) A nossa conclusão é a seguinte: quer pelo fato de que um certo grau de livre arbítrio é uma realidade, quer pela circunstância de que jamais poderemos conhecer de maneira completa os fatores e processos que determinam as decisões humanas individuais, sempre há de permanecer uma área oculta em qualquer estudo no campo das ciência sociais, que não poderá ser explicado por leis científicas. Em resumo, como afirma Allix, ‘o único determinismo verdadeiro é o estatístico’. Mas em muitos aspectos da ciência importa conhecer determinados casos individuais. As mais fidedignas estatísticas de mortalidade não serão capazes de dar uma resposta à secular pergunta de quem indaga: ‘quanto tempo de vida eu ainda terei?’(...) Asseverar, como fazem alguns, que a formulação de leis científicas constitui o propósito final da ciência, é confundir os meios com o fim. O propósito da ciência é compreender o universo ou a realidade, com o maior grau de fidedignidade possível. Embora os cientistas do século XIX confiantemente esperassem que todo o conhecimento da realidade seria em breve organizado segundo leis gerais, nenhum domínio logrou reduzir todos os seus resultados a esses termos, e não podemos hoje prever que isso jamais seja possível(...) A geografia busca descrever e classificar fenômenos, estabelecer, sempre que possível, princípios lógicos ou leis gerais, alcançar o máximo de compreensão sobre as inter-relações entre esses fenômenos e organizar esses resultados em sistemas ordenados.” (Hartshorne, 1967: 222-6).

31Apesar da visão a nosso ver limitada que Hartshorne tinha da geografia – como uma ciência corológica, que estuda as diferentes áreas ou regiões da superfície terrestre (perspectiva que também encerra um elemento de verdade, embora não dê conta de toda a produção geográfica passada, presente ou em devir) –, temos que concordar com ele que a função primordial da ciência não é estabelecer “leis” gerais e sim conhecer a realidade. Determinadas “leis” ou princípios lógicos até podem ter – e têm efetivamente – o seu lugar, dependendo da realidade estudada. Mas elas são instrumentos do conhecimento, em contextos nos quais isso é possível, e não o seu objetivo primordial. A realidade ou o “mundo” no sentido geral, enfim tudo o que existe e/ou que pode ser conhecido, é complexo e multifacetado e nada nos garante que um método adequado para uma área do conhecimento também o seja para outra diferente.

32Um dos principais dogmas do positivismo, em todas as suas vertentes (inclusive em determinados meios “dialéticos” ou marxistas), é a crença de que existe um único método válido para todos os aspectos da realidade, para todo o conhecimento científico. A ciência atual caminha numa direção oposta a essa, numa aceitação da pluralidade – de métodos e de procedimentos, de formas de conhecimento ou de explicações – do real, conforme atesta um importante filósofo:

“Se o método, no sentido profundo do termo, pudesse ser unificado por toda a parte, a diversidade de regiões [do real, do conhecimento] se reduziria a uma diversidade simplesmente aparente(...) Uma tal unificação mais ou menos direta dos métodos parece fora de questão hoje, talvez para sempre. Não é nem mesmo possível considerá-la dentro do domínio antropológico [isto é, nas ciências humanas].” (Castoriadis, 1987: 214).

33Nessa mesma perspectiva, um conhecido especialista em filosofia da ciência argumentou que existem ciências, no plural, e não apenas uma ciência (Granger, 1994).

34No entanto, a despeito da flagrante debilidade do ponto de vista de Schaefer e demais neopositivistas, que no fundo advogavam uma geografia pragmática e voltada para o planejamento (não podemos esquecer que vivíamos então na época áurea do capitalismo keynesiano), o fato é que esse viés tornou-se vencedor naquele momento e logrou uma profunda repercussão no desenrolar da geografia, em especial na anglo-saxônica. A partir daí a abordagem regional na geografia sofreu um enorme declínio, da mesma forma que as tentativas de integrar o natural com o social. A geografia norte-americana, dos anos 1960 em diante, procurou imitar o exemplo das ciências sociais e em especial o da economia, tornando-se numa espécie de prima pobre da “economia espacial”. O discurso sobre o espaço como categoria abstrata substituiu as análises dos fenômenos na sua dimensão espacial.

35Mencionando um exemplo bastante significativo, David Harvey, provavelmente o nome mais conhecido da escola geográfica anglo-saxônica desde os anos 1970, mesmo tendo nas suas palavras operado um deslocamento de uma abordagem “liberal” até uma “marxista” (Harvey, 1980: 7), nunca deixou de lado uma percepção de ciência com uma forte influência do artigo de Schaefer. A sua concepção de pesquisa, inclusive após ter optado pelo marxismo, continua sendo a de aplicar “o” método científico, no singular (só que agora usando menos a matemática, como uma linguagem unificadora, e mais o materialismo histórico, com a mesma função), sem nunca aprofundar as determinações concretas de qualquer situação específica – isto é, sem nunca encarar um processo, um lugar ou uma obra (um edifício, por exemplo) em sua singularidade mesmo que contextualizada – e sempre tentando elaborar “leis” ou conceitos gerais que dêem conta de tudo num mesmo esquema. O seu entendimento, expresso numa obra clássica de 1969, com ligeiras alterações, continua a nortear a sua produção em temas como a justiça social ou a condição pós-moderna:

  • 10  Também Raffestin (1993: 23-4) vai por um caminho semelhante, afirmando que o grande problema de Ra (...)

“Os geógrafos tiveram grandes dificuldades para libertar-se dessa forma particular de explicação [o método idiográfico].(...) A tese kantiana supõe também que o espaço pode ser examinado, e os conceitos espaciais desenvolvidos, independentemente do seu conteúdo. O que é lamentável é que essa afirmação de um espaço absoluto não tenha sido explicitamente discutida e reconhecida como uma das proposições básicas da tese kantiana(...) Podemos concluir que a geografia é escassa em teorias e muito rica em fatos. Podemos afirmar que as leis [científicas] podem ser estabelecidas tanto na geografia física quanto na humana(...) O complicado e multivariado sistema que os geógrafos tentam analisar (sem as vantagens do método experimental) é difícil de manejar. A teoria, em última instância, requer o uso da linguagem matemática, pois somente se pode manejar a complexidade de interações de forma consistente usando semelhante linguagem. A análise dos dados requer um computador rápido e métodos estatísticos adequados, e a verificação das hipóteses também requer métodos. A incapacidade dos geógrafos em desenvolver teorias reflete em parte um lento crescimento dos métodos matemáticos apropriados para tratar os problemas geográficos. Os deterministas realizaram toscos intentos de explicação sistemática, porém nos anos 1920 caíram em desgraça”(Harvey, 1969: 64-8).10

  • 11  “Na mecânica quântica as relações de incerteza impõem um limite máximo definido na precisão com qu (...)

36Percebe-se nessa fala uma recusa em distinguir a realidade natural da social e uma total desconsideração pela questão do livre arbítrio do ser humano, além do fato – muito estranho para quem apregoa estar considerando não mais o “espaço absoluto” de Newton e de Kant, mas sim o “espaço relativo” de Einstein – de ignorar completamente a problemática da indeterminação de certos processos (inclusive físicos, tal como enuncia o “princípio da indeterminação” de Heisenberg11, que mesmo a contragosto Einstein referendou).

  • 12  Cf. Harvey, 1992. Nessa importante obra, talvez o livro (acadêmico) de geografia com maior difusão (...)
  • 13  Não desconhecemos que William Bunge (1982: 521-30), seguindo a trilha de Schaefer, estabeleceu uma (...)

37Até mesmo nos seus trabalhos mais recentes, por sinal de excelente qualidade, prevalece um esquematismo lógico-formal que denega as contradições inerentes e as indeterminações do(s) objeto(s) estudado(s), nos quais a “justiça social” é subsumida a uma problemática de “produção e distribuição” (ignorando assim as contradições históricas e principalmente as lutas sociais que determinam a sua realidade específica em tal ou qual contexto), e a “dualidade” entre modernidade e condição pós-moderna é vista como reflexos da produção fordista (estandardizada, baseada na economia de escala, etc.) e da produção flexível (economia de escopo, descentralização e diversidade, etc.)12. Enfim, a tentativa de superação da abordagem idiográfica, a exorcização do original ou do singular13, resultou, em grande medida, numa análise depauperada, que generaliza em demasia e – malgrado a sua prolixidade – perde completamente as especificidades de cada situação ou processo.

  • 14  “Como escreveu Norbert Wiener, ‘o sucesso da física matemática tornou o homem das ciências sociais (...)

38Convém esclarecer que não se está aqui defendendo os méritos da “abordagem idiográfica” contra os “nomotéticos” e muito menos assumindo aquele discutível e limitado ponto de vista – que veio de Kant, passou por Hettner e talvez tenha se encerrado com Hartshorne – segundo o qual a geografia estuda as “diferenciações de áreas” na superfície terrestre. O que se procura demonstrar é que a crítica – necessária – da geografia como um saber essencialmente idiográfico, no final das contas, foi superficial em demasia e perdeu algo importante no seu percurso. Ela não consistiu afinal numa verdadeira crítica – na qual deve existir uma superação com subsunção ou incorporação do que foi criticado como parte de uma síntese superior – e sim numa mera rejeição. Em função de um modismo – ou comodismo – epistemológico14, denegou-se a contradição inerente ao social-histórico, a indeterminação do fenômeno social e político enquanto relação de forças, o papel do contingente ou do acaso e a relação problemática entre sujeito e objeto no estudo do social:

“Impossível falar da História no singular(...) Devemos nos interrogar sobre asformas da história: sobre a distinção entre uma história regida por um princípio de conservação ou de repetição e de uma história que por princípio abre lugar para o novo(...) O que é, pois interrogar? Em um sentido é fazer o enterro do seu saber. Em um outro sentido, aprender graças a esse enterro. Ou ainda: renunciar à idéia de que haveria nas coisas mesmas(...) um sentido inteiramente positivo ou uma determinação em si prometida ao conhecimento, como se isso que analisamos não se tivesse já formado sob o efeito de um deciframento de sentido, em resposta a um questionamento da história, da sociedade(...) como se o ‘objeto’ não devesse nada a nossa própria interrogação, o movimento do pensamento que nos faz ir até ele e às condições sociais e históricas nos quais se exerce.” (Lefort, 1979: 15-7).

39Retomar esse debate, afinal, significa repensar a coexistência necessária, mesmo que problemática, entre as abordagens idiográfica e nomotética na geografia. Mais ainda, significa colocar a relação de complementaridade entre objeto e sujeito, a identificação e tensão, ao mesmo tempo, entre o investigador e a realidade a ser estudada: as inter-relações entre ambiente geográfico e o social-histórico, ou mais especificamente, pensando-se em Ratzel,  a política na sua dimensão espacial. Enfim, deve-se examinar o fenômeno político, base do social-histórico, como conflito e indeterminação, incorporando a questão da coexistência entre a necessidade (lógica ou determinação) e a contingência (abertura para o novo, singularidade ou originalidade). A nosso ver, estes são os elementos basilares a serem incorporados na análise geográfica, em especial a geográfico-política, mesmo sem deixar de lado a superação do idiográfico puro e simples e a necessidade de construir categorias, conceitos ou princípios lógicos, que devem ser abertos e provisórios e nunca sobrepostos de forma dedutiva a qualquer realidade estudada, que sempre encerra as suas determinações específicas.

  • 15  Cf. Bunge (1982), onde há várias referências à “conhecida ideologia anti-comunista de Hartshorne”, (...)
  • 16  É evidente que essas mudanças no sistema escolar norte-americano não se explicam apenas, nem princ (...)

40Cabe ainda recordar a dimensão política dessa controvérsia sobre o “excepcionalismo”. Tratava-se não apenas de definir o estatuto epistemológico da geografia como ciência, mas fundamentalmente qual seria a sua utilidade prática. Foi fácil estereotipar Hartshorne como conservador e adepto do tradicionalismo na geografia e na sociedade. Como se sabe, ele foi oficial do exército norte-americano durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhou como estrategista no Pentágono, ajudou a redefinir os limites da Alemanha e de Berlim redivididas no pós-guerra e, durante a sua vida acadêmica e de pesquisas, elaborou vários trabalhos de geografia política ou geopolítica (este rótulo, evidentemente, não era usado) a respeito de fronteiras, territórios e o papel estratégico dos Estados Unidos no mundo. Ademais, como assinalaram vários de seus críticos15, ele era anti-comunista e defensor radical do sistema político e do way of life europeu-ocidental e principalmente norte-americano. Schaefer, por outro lado, era simpatizante do partido comunista (ele próprio afirmava, e vários outros repetiram, que a CIA o vigiava ou perseguia, uma informação nunca comprovada) e infelizmente morreu jovem, antes mesmo da publicação do célebre artigo (por sinal a sua única contribuição conhecida para a geografia), fatos que provavelmente tiveram um grande peso na forte identificação, no clima de simpatia que se criou entre a sua figura e os então jovens geógrafos norte-americanos ou britânicos “rebeldes”, que propugnavam uma completa renovação na tradição geográfica. Contudo, paradoxalmente, o jovem geógrafo marxista e socialista fazia uso das idéias do neopositivista Popper como seus alicerces teóricos, propugnando um modelo da física (ou mais modestamente da economia keynesiana) como o ideal para a renovação geográfica, para a construção de uma geografia preditiva que fosse útil nos planejamentos (urbanístico, regional, territorial enfim). Esse entendimento shaeferiano, vitorioso no transcorrer das circunstâncias – afinal, ele foi uma espécie de bandeira ou ícone para a chamada “revolução quantitativa” dos anos 1960 e 1970 – produziu no final das contas uma ciência geográfica pragmática, voltada para a preparação de “técnicos” e completamente apartada do ensino, da educação, atividade que desde meados do século XIX sempre tinha sido a sua principal raison d’être. Os cientistas sociais, a partir daí, tomaram conta do ensino das humanidades – história, geografia e sociologia – no sistema escolar norte-americano, tendo ocorrido uma multiplicação de cursos superiores de ciências sociais e, de maneira complementar, uma retração dos cursos de geografia , com fechamentos de vários departamentos e cursos nas universidades16.

41Foram as circunstâncias, afinal – em especial o avançar do fordismo e do seu modelo de escola técnica ou profissionalizante, dos planejamentos que envolviam a reorganização do espaço e, provavelmente, até mesmo a aspiração de grande parte dos novos geógrafos em exercer atividades com melhor remuneração e maior status social (pelo menos na época) que a de professor nas escolas fundamentais e médias –, e não a maior ou menor veracidade ou fundamentação das idéias deste ou daquele oponente, que decidiram a perspectiva vitoriosa nessa contenda. Mas não deixa de ser irônico o fato de que o lado tido como de “esquerda”, ou supostamente rebelde frente ao status quo, era anti-pluralista (pois admitia apenas um único método científico e, mais ainda, aceitava tão somente o modelo dedutivista e preditivista de ciência) e acabou por gerar um instrumento extremamente útil, pelo menos naquele momento, para o sistema capitalista no seu centro principal, para a multiplicação dos planejamentos típicos da economia keynesiana ou intervencionista da época, que ocorreram especialmente nos Estados Unidos. Em contraposição, o lado tido como conservador e direitista era defensor da democracia e do pluralismo e, mesmo não recusando uma função pragmática para a geografia, enfatizava o seu caráter humanístico.  Sinal dos tempos. Relendo os textos daquela controvérsia nos dias de hoje, após a crise do marxismo e a derrocada do socialismo real, após uma revalorização da democracia (que não é mais vista como burguesa) e principalmente do pluralismo, temos a impressão que os sinais foram invertidos. Em todo o caso, não é esta a nossa preocupação fundamental aqui e agora. Ademais, essa controvérsia sobre a função social da geografia já havia sido iniciada anteriormente, num outro contexto, no Reino Unido do final do século XIX.

42O debate entre Mackinder e Kropotkin ocorreu nas seções da então poderosíssima Royal Geographical Society (RGS) de Londres, na penúltima década do século XIX. Ambos proferiram falas, em seções dessa sociedade, a respeito do que é e do que deveria ser a geografia, e posteriormente as publicaram em revistas especializadas (Kropotkin, 1885; e MacKinder: 1887). Existe aí uma discórdia, ou uma sensível diferença de perspectiva, que prossegue talvez até com maior intensidade nos dias atuais: se a geografia deve ser útil para o sistema, para o “comércio” como dizia Mackinder  (isto é, os interesses imperialistas britânicos da época), ou se ela deve servir basicamente aos ideais humanísticos de combate aos preconceitos, de crítica ao imperialismo, às injustiças e desigualdades, tal como advogava Kropotkin.

43Este último abriu o debate com os seus comentários sobre “o que a geografia deve ser”, que na realidade constituíam uma proposta de reforma profunda na educação geográfica, no ensino da geografia. Levando em conta aquele período de colonização européia e particularmente britânica na Ásia e na África, e o fato que a RGS congregava não apenas geógrafos, mas principalmente uma boa parte da elite econômica e social da época interessada nos negócios do ultramar (negociantes, industriais, membros da família real, diplomatas), kropotkin proferiu a seguinte fala:

“Assistimos hoje o despertar de um interesse pela geografia que lembra o que ocorreu com a geração anterior, durante a primeira metade no nosso século(...) Não se deve estranhar, portanto, que os livros de viagens e os de descrição geográfica em geral estejam se tornando no tipo mais popular de leitura. Era também natural que esse renascimento do interesse pela geografia dirigisse a atenção do público sobre a escola. Foram realizados inquéritos e descobriu-se, com estupor, que conseguimos fazer com que esta ciência – a mais atrativa e sugestiva para pessoas de todas as idades – resultou nas escolas num dos assuntos mais áridos e carentes de significado(...) A discussão recentemente iniciada pela [Real] Sociedade Geográfica, o Informe antes mencionado pela sua Comissão Específica na sua exposição, foram em geral acolhidos com simpatia por parte da imprensa. Nosso século mercantilizado parece ter entendido melhor a necessidade de uma reforma quando se colocou em evidência os chamados interesses ‘práticos’ da colonização e da guerra. [A geografia escolar] pode constituir um poderoso instrumento tanto para o desenvolvimento geral do pensamento como para familiarizar o estudante com o verdadeiro método de raciocínio científico(...) A geografia deve cumprir também um serviço muito mais importante. Deve nos ensinar, desde a mais tenra infância, que todos somos irmãos, qualquer que seja a nossa nacionalidade. Nestes tempos de guerras, de ufanismos nacionais, de ódios e rivalidades entre as nações, habilmente alimentados por gente que persegue seus próprios e egoísticos interesses, pessoais ou de classe, a geografia deve ser – na medida em que a escola deve fazer alguma coisa para contrabalançar as influências hostis – um meio para anular esses ódios ou estereótipos e construir outros sentimentos mais dignos e humanos. Deve mostrar que cada nacionalidade contribui com sua própria e indispensá­vel pedra para o desenvolvimento geral da humanidade, e que somente pequenas frações de cada nação estão interessadas em manter os ódios e rivalidades nacionais.(...) Assim, o ensino da Geografia deve perseguir três objetivos principais: despertar nas crianças a afeição pela ciência na­tural em seu conjunto; ensinar-lhes que todos os homens são irmãos, quaisquer que sejam as suas nacionalidades; e deve ensinar-lhes a respeitar as chamadas ‘raças inferiores’. Desde que se admita isso, a reforma da educação geográfica  éimensa: consiste nada menos que na completa renovação da totalidade do sistema de ensino de nossas escolas.” (Kropotkin, 1885: 240-3).

44Sem dúvida que essa proposta de Kropotkin era inaceitável para o status quo britânico, mais interessado não tanto no ensino e sim na geografia enquanto conhecimento e mapeamento dos territórios – com os seus recursos naturais e os seus povos, potenciais trabalhadores e/ou mercado consumidor – a serem colonizados. Além disso, a sua concepção de irmandade de toda a humanidade, a sua defesa das chamadas “raças inferiores” (um conceito freqüente na época, mas que Kropotkin usava com reticências), era algo que se chocava contra a principal justificativa do colonialismo: a civilização dessas “raças” ou povos bárbaros, a missão civilizatória européia (isto é, o “fardo do homem branco”), que deveria levar o progresso e a verdadeira cultura até essas sociedades arcaicas e que no fundo estariam sendo beneficiadas pelo domínio colonial. Kropotkin é irônico a esse respeito:

“Quando um político francês proclamava recentemente que a missão dos europeus é civilizar essas raças – ou seja, com as baionetas e as matanças [genocídios] – não fazia mais do que elevar à categoria de teoria esses mesmos fatos que os europeus estão praticando diariamente. E não poderia ser de outra maneira, pois desde a mais tenra infância inculca-se o desprezo pelos “selvagens”, ensina-se a considerar determinados hábitos e costumes dos “pagãos”como se fossem verdadeiros crimes, a tratar as “raças inferiores”, como são chamadas, como se fossem um verdadeiro câncer que somente deve ser tolerado enquanto o dinheiro ainda não penetrou.  Até agora os europeus têm ‘civilizado os selvagens’ com whisky, tabaco e seqüestros; os têm inocula­do com seus vícios; os têm escravizado. Porém, é chegado o momento em que nos devemos considerar obrigados a oferecer-lhes algo melhor – isto é, o conhecimento das forças da natureza, a ciência moderna, a forma de utilizar o conhecimento científico para construir um mundo melhor.” (Kropotkin, 1885: 244)

  • 17  Cf. Marx (1974: 47-8 e 103-4). Esse autor, neste e em outros textos onde analisa o colonialismo br (...)

45Kropotkin, como se percebe, era um entusiasta da ciência moderna, tanto que pensava que ela seria a melhor dádiva que o europeu poderia fornecer aos africanos ou asiáticos em geral. Neste ponto, aliás, ele não diferia muito da imensa maioria dos grandes pensadores do século XIX , tais como, dentre outros, Humboldt, Darwin, Marx ou Comte. Só que Kropotkin, ao contrário destes, inclusive os considerados de “esquerda” ou extremamente críticos frente ao sistema, como por exemplo Karl Marx, não aceitava a idéia de que o colonialismo europeu na África e na Ásia seria “progressista” no sentido de acelerar a história – isto é, o desenvolvimento das forças produtivas, do capitalismo e, conseqüentemente, do posterior socialismo – nessas regiões do globo17.

46Kropotkin viveu exilado em Londres durante cerca de 30 anos, pois havia fugido de um presídio na Rússia, e na RGS, ele provavelmente era apenas tolerado, ou talvez visto com um misto de benevolência e curiosidade: afinal ele era originário de uma aristocrática família russa – a Casa Real de Rurik, que governara a Rússia antes dos Romanov –, além de ter sido secretário da Imperial Sociedade Geográfica Russa antes de sua prisão por incentivar e participar de revoltas camponesas. O fato de ser um utopista, paradoxalmente, deve até ter contribuído para com essa complacência, pois boa parte da elite econômica e social também gosta de divagar sobre um mundo perfeito, sobre as lamentáveis injustiças e desigualdades, principalmente quando a temática é abstrata e não representa uma ameaça concreta aos seus interesses materiais. Mas criticar o colonialismo, a “missão civilizatória européia”, e propor aquele tipo de reforma no ensino – voltada para combater os preconceitos, inclusive aqueles baseados na ideologia nacionalista, enfatizar a cooperação e a irmandade entre todos os povos e “raças” – também já era demais. Não era esse o caminho que a maior parte dos membros dessa Sociedade Geográfica desejava, muito embora fosse desagradável ou pouco refinado contestar esse ideário diretamente, ou seja, sustentar a idéia de “raças superiores” e a necessidade de brutalidade e matanças para “civilizar os povos bárbaros”. Aqui entra a compreensão de Mackinder, que segundo a leitura de Short (1988: 97-8), representou uma alternativa – que se tornou vitoriosa – frente às propostas geográficas de Kropotkin.

47Mackinder, ao contrário de Kropotkin, não era um adepto do ensino universal, acessível a todos e igual para as diferentes classes sociais. Ele via a educação geográfica como algo indispensável para as “classes educadas”, para a elite; mas, por outro lado, ela seria dispensável e até contraproducente para o treinamento da “classe proletária apenas meio educada” (apud Short, 1988: 97). No final da sua mencionada fala na Real Sociedade Geográfica, ele conclui que:

“Acredito que com estas propostas que esbocei [isto é, a concepção de geografia que ele havia apresentado], pode-se elaborar uma geografia que satisfaça tanto as demandas práticas do homem de Estado e do comerciante como as demandas teóricas do historiador e do cientista, além das demandas do professor. Sua amplitude e complexidade inerentes devem ser invocadas como o seu mérito principal(...) Para o homem prático, tanto para se obter uma posição no Estado como para acumular uma fortuna, ela pode constituir uma fonte insubstituível de informações; para o estudante, uma base estimuladora(...); para o professor ela pode constituir um instrumento para o desenvolvimento dos poderes do intelecto, exceto sem dúvida para esta velha classe de mestres que medem o valor disciplinar de um tema pela repugnância que ele inspira nos alunos. Tudo isso, afirmamos, em função da unidade do tema [união do aspecto teórico com o prático na geografia]. A alternativa seria dividir o científico e o prático. E resultado desse divisão seria a ruína de ambos.” (MacKinder, 1887: 160).

48Apesar de a concepção de Sir Mackinder ter logrado uma indiscutível vitória no transcorrer dos acontecimentos – ele se tornou, pouco a pouco, no grande nome da geografia britânica no final do século XIX e inícios do XX –, não podemos esquecer, como observou com propriedade Kearns (2004: 340), que existia um clima de diálogo e cordialidade entre os dois protagonistas, que inúmeras vezes participaram juntos de reuniões ou de comissões de estudos da RGS. Além disso, entre os membros da RGS existia uma divisão – ou uma dúvida – quanto a apoiar ou não o imperialismo (Mackinder era um defensor fervoroso do império britânico; e Kropotkin um crítico de qualquer forma de dominação internacional), sendo que essa sociedade geográfica tinha fama de liberal devido a uma série de atitudes ousadas para a época, tais como, por exemplo, solicitar insistentemente ao governo britânico para que pressionasse a França com vistas à libertação do geógrafo-anarquista Elisée Reclus, preso por ser uma das lideranças da Comuna de Paris de 1871; e quando de sua soltura, a RGS o convidou para proferir em Londres uma série de palestras sobre o valor do ensino da geografia (Kearns, 2004: 339).

49Mackinder e Kropotkin concordavam, embora cada um à sua maneira, num ponto que é fundamental para se entender os seus pontos de vista: que a teoria da evolução de Darwin deveria suscitar um profundo impacto na geografia (Idem: 241). Algo perfeitamente normal para a época, pois Darwin foi tido como o grande “modelo” de cientista no século XIX (após algumas décadas nas quais brilhou a figura de Humboldt, por sinal a grande fonte de inspiração para o naturalista britânico), assim como Newton o havia sido para o século XVIII.  O próprio Marx, como se sabe, apregoava com vanglória que a sua obra representaria, para o domínio do social, o mesmo que a de Darwin para o domínio da natureza.

50Mas Kropotkin e Mackinder tinham leituras bem diferentes a respeito da teoria da evolução, que naquele momento era identificada com Darwin, sem dúvida, mas também com Lamarck e Huxley, autores freqüentemente mencionados (às vezes com concordância, às vezes com reproches) pelos dois geógrafos. Mackinder enfatizava a luta pela sobrevivência, a competição entre as espécies e os indivíduos. Kropotkin, por outro lado, valorizava muito mais a ajuda mútua, o cooperativismo entre espécies e indivíduos. É evidente que o “reino animal” era visto mais como uma espécie de metáfora, ou melhor, fonte de inspiração ou de “legitimação” do social. O que cada autor visava, no final das contas, era o entendimento da ordem do mundo, do espaço geográfico mundial, com vistas a pensar não apenas o presente, mas principalmente o futuro. Mackinder, como um pensador político realista, entendia a ordem internacional como uma espécie de “lei da selva”, na qual o poderio militar e as guerras seriam não apenas inevitáveis, como até mesmo uma condição indispensável para a existência de um sistema internacional com o exercício da hegemonia por uma grande potência mundial. A sua leitura direcionava-se para a manutenção e o fortalecimento do império britânico e acabou lhe conduzindo às teorias da heartland e da world island, enfim às condições geográficas que permitiriam a hegemonia no espaço mundial. Kropotkin, em contrapartida, sendo um utopista e portanto idealista, apesar de reconhecer a importância histórica das lutas e das guerras, advogava que a cooperação e a ajuda mútua – entre os indivíduos, os povos, as nações, as culturas – seria um vetor tão ou mais importante que o conflito. Seu objetivo não era o de pensar as determinações espaciais para o exercício da hegemonia mundial por parte de um Estado, mas sim as condições para a paz permanente com a cooperação entre todos os povos e nações.

51Dessa forma, Mackinder entendia a evolução – tanto natural como histórica – como o resultado de conflitos, de lutas e guerras, principalmente entre os Estados, o sujeito que privilegiava. Já Kropotkin encarava a evolução – também natural e histórica – como uma progressiva cooperação ou ajuda mútua entre os sujeitos, mas não tanto o Estado, instituição que exorcizava, mas sim os indivíduos, classes, povos e culturas (MacKinder, 1904; e Kropotkin, 1902).  Não há qualquer dúvida que, grosso modo, a história deu razão a Mackinder, pois os acontecimentos subseqüentes – as duas guerras mundiais, a perda de hegemonia mundial por parte do império britânico e a notável ascensão dos nacionalismos, que atropelaram até mesmo a chamada “luta de classes” – estiveram muito mais próximos do seu ponto de vista. Embora não totalmente, pois sabemos que em parte os esquemas mackinderianos foram desmentidos pelos fatos (cf. Aron, 1986: 264-271). Mesmo que estes, como sói acontecer, adequaram-se muito mais de acordo com a visão realista que segundo a perspectiva utópica. Mas isso não significa que as idéias kropotkinianas tiveram pouca ou nenhuma valia. O geógrafo russo representou uma alternativa idealista, algo do tipo “um outro mundo é possível”, pelo menos em tese, só que ele se encontra bastante distante da realidade com as suas determinações essenciais.  As suas idéias, entretanto, de início solitárias, se expandiram enormemente no transcorrer do século XX com a crescente consciência de que o colonialismo é inaceitável, que a democracia e os direitos humanos são valores universais, que não existem “raças superiores e inferiores”, que o ensino deve ser universal e acessível a todos, além de não admitir qualquer diferenciação de qualidade da educação de acordo com a classe social dos indivíduos.

52Pensando agora no significado conjunto de todas as três polêmicas analisadas, acreditamos que sejam pertinentes as seguintes interrogações. Elas produziram algum avanço – seja epistemológico, seja político ou mesmo gnosiológico – na ciência geográfica?  Essas temáticas estão já superadas ou continuam vivas? Se elas continuam vivas, sob que formas se manifestam atualmente e qual é a sua importância?

53A nosso ver, as principais questões que perpassaram essas três controvérsias são: as inter-relações entre o social e o seu meio ambiente; a natureza idiográfica ou nomotética da geografia; e o papel social desta disciplina, o para queela serve ou deveria servir. Não há a menor dúvida que estas questões continuam vivas e atuais. Em variadas e diferentes circunstâncias, sob diversas formas ou roupagens, elas continuam sendo freqüentemente retomadas ou rediscutidas. Elas ainda fazem parte dos grandes dilemas epistemológicos e/ou políticos da ciência geográfica, sendo ao mesmo tempo heranças do passado e desafios para o futuro.

54Examinemos, sucintamente, a velha polêmica sobre as relações ou influências recíprocas entre o social e o natural. A rigor, é melhor se falar não tanto em natural e sim em ambiental ou mais propriamente em espacial. Quando Ratzel se referia à importância do “solo” para o Estado, ele não apontava somente para os aspectos naturais do território, tal como entenderam os seus críticos. O próprio conceito de território, assim como a sua conquista e/ou formação – como Ratzel sabia muito bem –, já é uma realidade histórico-social e nunca uma obra da natureza. E o geógrafo germânico, ao realçar a importância do “solo” ou do território como uma pré-condição básica para a existência do Estado, não se referia tanto à natureza original – o clima, o relevo, as riquezas minerais, a disponibilidade de água ou a fertilidade natural dos solos –, mas principalmente aos elementos que são – e, reiteramos, ele tinha pleno conhecimento disso – eminentemente históricos: a localização (não apenas absoluta e sim relativa), o formato, o tamanho e as fronteiras do território. E tudo isso sem se esquecer do poderio econômico (Ratzel enfatizava principalmente o “comercial”) e militar. Ora, esses mencionados elementos somente são inteligíveis ou plenamente dimensionáveis se analisados de uma forma relacional, o que significa dizer que eles só têm algum significado político em contraposição a esses mesmos elementos nos demais Estados, algo que varia muito de acordo com o lugar e o momento, com a tecnologia disponível – principalmente para as relações comerciais e a guerra, pensando-se, como Ratzel o fazia, em termos de relações de força –, como partes afinal de um contexto histórico e espacial bem maior, internacional ou até mesmo planetário.

55Num trecho do seu livro onde examina as “potências mundiais”, Ratzel esclarece que:

“Depende do espaço dado em cada época para se saber o quanto os Estados devem crescer a fim de se tornarem ‘potências mundiais’, ou seja, terem como associados todo o mundo conhecido e nele exercerem a sua influência(...) Uma potência assim grande e assim extensa no sentido de estar diretamente presente em todos os países e em todos os mares, atualmente, só pode ser o império britânico. Uma imensa massa territorial como a da Rússia por si só não faz uma potência mundial, algo que necessitaria também de uma extensão suplementar sobre o Atlântico e sobre o Pacífico, pois que somente os oceanos lhe abriria a rota e lhe permitiria extender o seu poder sobre os Estados do hemisfério ocidental e do hemisfério austral. Daí portanto que a Rússia somente poderá ser uma potência mundial na medida em que abrir uma rota até o oceano Índico, o que lhe permitiria um contato direto até o Atlântico e sobre o Pacífico.” (Ratzel, 1988 : 279)

56A questão, assim, é a importância ou o significado do espacial para o político (ou o social) e não a influência da “natureza”, algo difícil de ser identificado com precisão quando pensamos no território de um Estado, quando consideramos uma sociedade na sua dimensão espacial ou geográfica, pois praticamente todos os elementos que com freqüência são tidos como naturais – os traços físicos do território: as riquezas minerais, as águas, as formas de relevo ou os solos – em geral são reapropriados ou muitas vezes reconstruídos pela ação humana e no fundo só têm algum sentido quando vistos de forma histórica e relacional. E mesmo se quisermos pensar apenas na “natureza em si”, o elemento fundamental nos dias de hoje para se entender o comportamento humano, pelo menos em parte, não seria mais o clima, tal como especulavam os teóricos do século XVIII e de grande parte do século XIX, mas principalmente a herança genética. Mas este já é um tema que pouco tem a ver com a pesquisa e a reflexão geográficas.  

  • 18  Estamos pensando aqui nas observações de Husserl, Heidegger e vários outros existencialistas ou fe (...)

57É certo que Ratzel em diversos momentos exagerou a importância do tamanho do território – e também de certos traços naturais favoráveis (principalmente o clima e a localização) desse “solo” – para o poderio estatal. Mas acreditamos que isso é absolutamente natural em qualquer autor, de qualquer área do saber, que procura construir ou desenvolver um objeto – no caso de Ratzel, a importância da geografia ou do espaço geográfico para a vida política. Normalmente, existe uma tendência de supervalorização do objeto que se estuda ou da perspectiva que se adota para analisar esse objeto. Não é exatamente isso que fazem praticamente todos os estudos biográficos? Não é isso que faz hoje a chamada sociobiologia? Não é isso que fazem os físicos teóricos e os astrônomos em geral, quando falam sobre tempo e espaço como se fossem tão somente realidades físicas do universo?18 Não foi exatamente isso que fez Freud quando tentou entender a guerra apenas pelo viés do milenar comportamento agressivo dos seres humanos? E esse exagero na importância do seu tema de estudos não é o que observamos hoje em alguns geneticistas, que afirmam que todo o comportamento dos indivíduos é pré-determinado pelo seu genoma?

58Qualquer reducionismo deve ser criticado – e a crítica, cabe insistir, é um dos instrumentos fundamentais para o avanço do conhecimento científico. Nenhum autor, nenhum cientista, seja do passado, do presente ou do futuro, está acima das críticas, isto é, possui uma obra absolutamente irreprochável. Mas criticar não significa desqualificar o oponente, tal como fez Lucien Febvre em relação a Ratzel.  Significa contribuir para o avanço do saber, corrigindo determinados aspectos de um discurso, ajudando a lapidar uma determinada temática. A crítica científica em geral não invalida o trabalho criticado; ela mostra os seus limites, apontando fatos ou processos que ele não leva em consideração ou não consegue explicar. Dessa forma, se por um lado as generalizações ratzelianas foram em  grande parte simplistas, exagerando a importância do “solo” para o Estado, por outro lado ele teve a coragem de inaugurar – ou de se aventurar em – um campo do saber que é importante e que pouco avançou; e que talvez tenha ficado relativamente estagnado exatamente porque os críticos em geral se limitaram a denegar essa tentativa, numa atitude proibitiva ou repressora, ao invés de procurarem expandir as pesquisas e as reflexões sobre a temática. Já mencionamos que o resultado disso foi catastrófico para a geografia, que se viu impossibilitada de – ou se recusou a – pensar inúmeros temas fundamentais para se entender a diversidade sócio-econômica no espaço mundial (ou às vezes até regional ou nacional).  

59Quanto à natureza idiográfica ou nomotética da ciência geográfica, pensamos que é melhor abandonar a separação dicotômica entre esses dois tipos de saberes, como se eles fossem opostos e completamente diferentes entre si. Ou como se apenas as “leis” ou teorias nomotéticas merecessem o adjetivo científico. Acreditamos que todo ou quase todo conhecimento científico – ou toda “região” ou aspecto do real, que a ciência busca compreender – possui elementos originais ou únicos e ao mesmo tempo a possibilidade de se construir “leis” ou teorias de validade universal. É lógico que dependendo do campo de estudos existe uma maior preeminência de uma dessas duas vertentes. Usando uma imagem gráfica, podemos visualizar uma linha, um continuum que vai da ciência mais nomotética até a mais idiográfica. Deixando-se de lado as lógicas e as matemáticas, isto é, as ciências formais, e pensando-se apenas nas ciências empíricas, ou melhor, que estudam o mundo empírico, teríamos próxima daquele primeiro pólo a física, considerada como a ciência que melhor simboliza o modelo de um saber nomotético. E no pólo oposto ou do outro lado dessa linha – não exatamente no pólo e sim nas suas vizinhanças – teríamos a história, a ciência mais próxima do modelo idiográfico. Mas nem a física nem a história estariam exatamente nos dois pólos, ou seja, nenhuma delas é totalmente nomotética e tampouco cem por cento idiográfica. Em posições intermediárias teríamos as inúmeras outras ciências: apenas para mencionar alguns exemplos, a química estaria mais próxima da física, a geologia e a biologia aproximadamente no meio dessa linha ou continuum; e a geografia um pouco além delas, mais para o lado da história, porém, mais distante que esta do pólo idiográfico. É um modelo simples e trivial, sem dúvida, mas que nos ajuda a compreender a complexidade e variedade das ciências que buscam perscrutar a realidade (ou realidades?) em todos os seus aspectos.

60Não há, portanto, nenhuma a necessidade de dogmas apriorísticos e imutáveis, tais como a idéia de um único “método científico”, seja ele positivo ou dialético, ou a crença na cientificidade como atributo tão somente do saber nomotético. Se determinados aspectos do real são únicos e irrepetíveis (por exemplo: um acontecimento ou processo histórico, uma região geográfica, uma espécie biológica ou mesmo um indivíduo), por que não conhecê-los cientificamente? E, a bem da verdade, existe sim a presença – e uma presença marcante, extremamente importante para a compreensão dos objetos de estudos – do único e irrepetível na geografia, principalmente (embora não só) na geografia regional e na humana, com especial destaque para a geografia política. Exemplificando: a conceituação e a classificação das fronteiras é algo necessário numa perspectiva científica e é um tema eminentemente geográfico-político. Mas nenhum conceito ou teoria vai dar conta das especificidades, da concretitude – no sentido de concreto como “síntese de múltiplas determinações” – de uma fronteira específica (por exemplo, entre o Brasil e a Argentina). Logo, o idiográfico (os casos particulares, únicos e irrepetíveis) e o nomotético (as leis ou teorias de validade geral) se complementam e, ao contrário da física ou da química, a geografia não pode deixar de lado a especificidade dos casos que estuda, pois se ficasse apenas nas fórmulas, nas classificações ou nas teorias gerais, produziria estudos medíocres e que quase nada explicariam sobre os objetos concretos com as suas determinações (o contexto espaço-temporal, em suma) e indeterminações (a criação ou produção do novo, a presença de um vivido específico ou original) particulares ou específicas.

  • 19  Lembramos aqui que “simples” não deve ser entendido como o oposto de “complexo”, como é usual no s (...)

61Não precisamos lembrar com detalhes o fracasso da geografia quantitativa (e, mais ainda, da história quantitativa), que nunca conseguiu produzir nada de novo do ponto de vista de explicações sobre realidade, sobre o espaço geográfico ou o tempo histórico. Os próprios expoentes dessa tradição na geografia – tais como David Harvey, William Bunge e vários outros –, já no final dos anos 1960 denunciavam esse fato e propunham um novo paradigma mais qualitativo e crítico. Isso não significa que se aboliu o uso da matemática, dos computadores e da estatística na geografia. Longe disso. Apenas que a realidade estudada pela geografia (ou, mais ainda, pela história) não se presta a fórmulas simples, tais como as da física, por exemplo (falamos aqui em simples e não em simplistas19, pois é fora de dúvida que elas funcionam muito bem na compreensão e até na previsão dos fenômenos físicos). Essa realidade geográfico-política, feliz ou infelizmente, sempre demanda explicações longas e complexas, e que nunca esgotam completamente o tema estudado.

62Como é amplamente conhecido, a geografia política é a modalidade da ciência geográfica mais próxima da história, é um dos flancos privilegiados onde elas se imbricam ou se sobrepõem parcialmente. Logo, a problemática do irrepetível, dos processos únicos e originais, da tensão entre necessidade (determinação) e contingência (indeterminação) é algo essencial na reflexão geográfico-política. Mas isso não quer dizer que ela seja uma forma de conhecimento essencialmente idiográfica, mas sim que esta abordagem também tem um lugar, mesmo sem desconsiderar a elaboração de teorias ou conceitos gerais. E não se deve confundir, como fizeram Schaefer e vários outros, o idiográfico com o descritivo, pois nem todo estudo de um caso único é descritivo e, em contrapartida, também pode existir a descrição do objeto estudado numa teoria nomotética. Sem dúvida que a geografia política anterior a Ratzel era idiográfica e descritiva, mas não é necessário que esses dois atributos coexistam; ademais, cabe lembrar que a descrição continua a desempenhar um papel importante em determinadas áreas do conhecimento científico, inclusive em algumas ciências naturais hoje consideradas como paradigmáticas ou avançadas (em vários campos da biologia, por exemplo).

63A geografia política, assim sendo, deve levar em conta e refinar constantemente os conceitos nomotéticos: de fronteiras, território e territorialidade, poder ou poderes, Estado (e as suas diversas formas históricas e geográficas), cidade-capital, média ou grande potência mundial, ordem internacional, etc. Só que nunca podemos ignorar o estudo específico, que nunca consiste somente na “aplicação” de conceitos ou teorias gerais (apenas os trabalhos medíocres fazem isso), de tal Estado concreto na sua formação territorial, desta ou daquela fronteira ou cidade-capital, de tal ou qual ordem geopolítica internacional, etc., com todas as suas determinações (e indeterminações) características. Enfim, esperamos ter deixado claro o nosso ponto de vista, no qual a geografia – em especial a geografia política – é simultaneamente um saber nomotético e idiográfico (sem necessariamente ser descritivo) e onde os estudos de caso contribuem para enriquecer os conceitos que nunca são ou estão completamente acabados.

  • 20  Basta lembrarmos da revista Antipode, cujo primeiro número tem um editorial que afirma que os geóg (...)

64Por fim permanece a questão da finalidade prática da geografia, da sua utilidade para a sociedade. Que os conhecimentos geográficos têm serventia para o Estado, para a guerra, para organizar um território, para mapear e utilizar os recursos naturais (ou até controlar a população e as atividades econômicas), isso tudo é algo sabido e propalado desde no mínimo o grego Erastótenes, que afinal foi quem engendrou a palavra geografia. Sabemos que o geógrafo romano Estrabão, que viveu no século I a.C., já detalhava a importância da geografia para um caçador, para um general, para um agricultor. Qualquer conhecimento sobre a realidade, no final das contas, é um instrumento de poder, isto é, pode servir para se agir sobre essa realidade. Mas o problema que surgiu nos debates entre Kropotkin e Mackinder, e que continua a ser reproduzido em inúmeros congressos ou encontros de geógrafos e em várias publicações20, é o para que e para quem serve ou deveria servir os conhecimentos geográficos. Se eles servem apenas para o exercício do poder ou se também poderiam ser usados como contra-poder, se são úteis apenas para o Estado ou para o sistema ou se, pelo contrário, são aproveitáveis para as rebeliões, para as classes populares no sentido de contribuírem para uma maior justiça social e menores desigualdades econômicas.

  • 21  A peça teatral O caso Oppenheimer, de Heinar Kipphaardt, evidencia muito bem as dúvidas e os dilem (...)

65No fundamental, esta é uma questão – ou um dilema – que oscila entre a necessidade e a ética, ou, numa perspectiva individualista, é a tentativa de conciliar o imperativo de sobrevivência lato sensu numa sociedade específica com os princípios ou valores morais nos quais se acredita. Esta questão acompanha os intelectuais e os cientistas em geral – e não apenas os geógrafos – desde o advento do pensamento racional, ou talvez até antes disso. Provavelmente o caso mais exemplar a esse respeito, pelo menos no século XX, tenha sido o dilema dos cientistas, especialmente físicos, com a construção da primeira bomba atômica no laboratório de Los Alamos, Novo México21. Eles se engajaram nessa dura tarefa porque acreditavam estar ajudando a derrotar o totalitarismo, mas ao mesmo tempo tinham consciência de que abriam uma caixa de Pandora, um poderoso instrumento de destruição de obras e vidas humanas. Um outro exemplo célebre é o do filósofo Martin Heidegger, que ao contrário de inúmeros contemporâneos (como a sua discípula Hannah Arendt, o geógrafo Leo Waibel ou o mais famoso de todos os que abandonaram a Alemanha devido ao nazismo, Albert Einstein), ficou na Alemanha no transcorrer dos anos 1930, foi nomeado reitor da universidade de Freiburg e, de acordo com inúmeras evidências, teria aderido entusiasticamente ao regime nacional-socialista (Farias, 1988). Este último exemplo é meridiano: o nazismo representa praticamente tudo o que há de anti-ético, de distorção dos princípios humanistas, democráticos, religiosos e até mesmo socialistas. Fica fácil, dessa forma, condenar aqueles pensadores que trabalharam em prol desse regime e, em contrapartida, elogiar os que se recusaram a fazê-lo. Mas essa facilidade é apenas aparente, ela se aplica somente a determinados atos políticos do filósofo alemão e não às suas idéias, às suas contribuições teóricas, que no final das contas são tidas como a grande obra do existencialismo e da fenomenologia do século XX e, de forma explícita e incontestável, influenciaram importantes autores liberais (como Hannah Arendt) e até mesmo radicais (como Jean Paul Sartre).

  • 22  É amplamente conhecido o fato de que Weber concebia uma “ética da responsabilidade”, baseada princ (...)

66Qualquer teoria que de fato procure explicar (ou construir) algum objeto segundo os cânones científicos (algo que não tem nada a ver com um “método” único e excludente), qualquer pesquisa científica realizada de forma séria e honesta, sempre tem um valor que independe da opção ideológica do investigador. É por isso que os dois grandes nomes das ciências sociais da segunda metade do século XIX até meados do século XX foram Marx e Weber, dois personagens com opções éticas e ideologias bastante distintas22, mas que produziram importantes obras que já foram utilizadas – por autores com diferentes concepções – na economia, na sociologia, na ciência política, na história e mesmo na geografia. A própria Escola de Frankfurt, ou Teoria Crítica, que segundo alguns seria fundamental para alicerçar a geografia crítica (Unwin, 1982: 262), fez amplo uso de idéias de Marx, de Weber, de Freud e até de Heidegger. Essa natureza perscrutadora das idéias científicas – que nada mais são que tentativas de explicar ou compreender algum aspecto do real – permite que elas sejam utilizadas de diferentes maneiras e por diversos sujeitos, independentemente de seus princípios éticos ou de seus posicionamentos políticos.

67É por isso que tanto Kropotkin como Mackinder, apesar de suas sensíveis diferenças quanto a princípios e posicionamentos sobre o colonialismo europeu e as desigualdades sociais e internacionais, ou sobre o papel da geografia na sociedade, produziram ambos obras clássicas e de alta relevância científica. As idéias pedagógicas de Kropotkin parecem ter sido escritas hoje tal a sua atualidade: quase que todas as reformas educacionais do final do século XX e desta primeira década do século XXI, normalmente com base num importante documento produzido sub o patrocínio da Unesco (Cf. Delors, 1996), reafirmam que o principal objetivo da atividade educativa é combater todas as formas de preconceitos ou estereótipos, aprendendo a conviver ou viver junto com os outros. Mas também Mackinder não é um “cachorro morto”; suas teorias geopolíticas, segundo alguns (Cf. Mello, 1994), ainda continuam válidas e imprescindíveis para uma boa compreensão do mundo pós-guerra fria.

68Entretanto, a imensa maioria dos intelectuais e cientistas em geral, geógrafos incluídos, não produz teorias ou idéias novas, mas tão somente reproduz desta ou daquela forma as que existem.  O problema da utilidade do conhecimento, neste caso, não se refere tanto à natureza das idéias ou das teorias científicas e sim às atividades que cada um exerce. E a realidade cotidiana desses profissionais da ciência é prosaica, com opções bem menos evidentes que aquelas de Oppenheimer ou de Heidegger, que no fundo são casos extremos ou exemplos paradigmáticos. Quase ninguém dispõe de uma escolha tão cristalina como a de ajudar ou não a fabricação de uma bomba atômica, de trabalhar ou não em proveito do regime nazista ou então de poder optar por exercer a sua profissão de forma a estar, de forma inequívoca, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. A quase totalidade dos intelectuais e cientistas – sejam filósofos, matemáticos, físicos, sociólogos, historiadores ou geógrafos –, a bem da verdade, possui limitadas opções de escolha sobre o que fazer, que tipo de atividade exercer levando-se em conta os seus princípios éticos. O que predomina é a necessidade material aliada às oportunidades, e estas dependem das circunstâncias. Existem diversas atividades comumente exercidas por esses profissionais: a educação elementar e média, a universidade, as consultorias, as pesquisas de opinião e de mercado, os planejamentos, as análises ambientais, eventualmente alguma assessoria para ONG’s ou movimentos sociais, etc. Mas ninguém pode asseverar a priori qual dessas atividades ou ramos de atuação seria melhor do ponto de vista dos princípios de não reproduzir o sistema e contribuir para minimizar as injustiças e as desigualdades sociais. Todos podem meramente reproduzir o status quo como também podem contribuir para alterá-lo; e essa alteração tanto pode ser boa como ruim, tanto pode reduzir como ampliar as injustiças e desigualdades.

69Existe uma idéia bastante popular segundo a qual o trabalho num movimento social ou numa ONG seria uma garantia do uso “politicamente correto” do conhecimento científico. Isso é uma ilusão. Apesar de importantíssimas para a vida democrática, as ONG’s em geral são norteadas por princípios, que defendem com unhas e dentes (mesmo que pesquisas científicas mostrem sua inadequação ou inoperância). Isso sem falar que no mínimo desde algumas décadas a criação de ONG’s virou um bom negócio e uma boa parte delas está preocupada tão somente com a sua expansão a qualquer custo, com as verbas que pleiteiam junto aos governos ou às instituições internacionais, com as contribuições dos simpatizantes, e em geral a sua principal atuação é na mídia com vistas a se promoverem, a ficarem em evidência, o que lhes permite conseguir mais verbas ou mais contribuições voluntárias. Nesses termos, via de regra – existem exceções – elas apenas manipulam o conhecimento científico com vistas aos seus objetivos. Quanto aos movimentos sociais, apesar de em média serem indiscutivelmente mais sérios ou legítimos que as ONG’s, também podem eventualmente batalhar por causas corporativistas, que se chocam com os interesses maiores da sociedade; como também podem ser – algo, infelizmente, não muito raro no Brasil – instrumentalizados por lideranças que visam os seus interesses (ou valores) pessoais, que com freqüência são espúrios, ora dogmáticos ora meramente arrivistas, ou ambos. Ademais, nada garante que um intelectual que trabalhe numa ONG séria ou num movimento social legítimo (essas seriedade e legitimidade, é bom deixar claro, nunca são eternas ou constantes e sempre variam de acordo com as circunstâncias) vá de fato produzir algo de relevância ou de valor científico. Não é incomum que ele tão somente reproduza, com outras palavras, com uma roupagem mais ou menos acadêmica, o discurso das lideranças – ou de certas lideranças –, que nem sempre corresponde aos anseios dos participantes comuns (e muito menos aos da sociedade em geral). Esse viés, normalmente, é resultado de um excesso de engajamento com uma correlata ausência de distanciamento crítico, ou melhor, uma forte e ingênua identificação desse empreendimento com determinados sonhos ou desejos pessoais, fato que gera uma recusa inconsciente de enxergar as suas tensões e contradições. É o deslumbramento estorvando o rigor da análise.

70Isso explica porque raramente encontramos uma produção científica de qualidade, a respeito de processos vistos como inovadores ou revolucionários, por parte de intelectuais que estavam neles engajados. Quase toda contribuição teórica importante de autores coetâneos a esses processos, que de fato compreenderam os seus diferentes aspectos e muitas vezes até anteciparam o seu devir, foi produzida por pessoas que estavam à margem deles, ou que mesmo participando conseguiram manter a sua autonomia intelectual. Basta lembrar que as duas mais importantes análises coevas da revolução russa de 1917 não foram engendradas por simpatizantes que vivenciaram e participaram ativamente dos acontecimentos, mas sim por dois pensadores críticos e que não deixaram o redemoinho das paixões anular o seu discernimento: Kropotkin e Rosa Luxemburgo (Luxemburg, 1918; e Kropotkin, 1920). Ambos eram entusiastas defensores de uma futura sociedade socialista e igualitária, ambos viam com regozijo os sovietes ou movimentos espontâneos de camponeses, operários e soldados. Mas nenhum deles permitiu que seus desejos – tampouco a amizade com alguns protagonistas – obscurecessem a sua percepção e consciência crítica. Eles acertaram em cheio nas suas apreciações sobre o significado essencial dos acontecimentos, enxergando com clareza que, ao contrário do discurso de personagens mitificados (como Lênin ou Trotsky), a realidade nua e crua é que se iniciava em outubro de 1917 a implantação de um regime burocratizado e repressor das mais elementares liberdades democráticas, em suma a emergência da primeira experiência totalitária do século XX.

71Fica a lição: nenhum tipo de atividade, por si só, garante o uso “politicamente correto” dos conhecimentos científicos e/ou geográficos. Tudo depende do contexto e da forma específica de atuação. E o engajamento, que por princípio é algo louvável, não deve nunca obstaculizar o imprescindível distanciamento crítico, pois sem ele não há uma produção de conhecimento científico de qualidade a respeito do social-histórico. Esse debate ou desafio a respeito do por que e para que serve ou deveria servir a geografia, enfim, continua atual e não resolvido porquanto não é um problema apenas teórico e sim práxico no sentido de ação humana com suas determinações e indeterminações. Ou seja, essa não é uma problemática que pode ser teorizada de uma forma nomotética ou universal. É uma questão que se repõe constantemente, ontem, hoje e sempre, embora com diferentes roupagens. Ela envolve circunstâncias, formas de luta e estratégias, além de princípios, que não são eternos e imutáveis, mas que, pelo contrário, conhecem nuanças ou às vezes se metamorfoseiam na medida em que o discurso científico é uma forma de poder e as relações de poder são complexas, dinâmicas e instáveis, são relações sociais e históricas plenas de tensões e conflitos.  

Haut de page

Bibliographie

Des DOI sont automatiquement ajoutés aux références par Bilbo, l'outil d'annotation bibliographique d'OpenEdition.
Les utilisateurs des institutions qui sont abonnées à un des programmes freemium d'OpenEdition peuvent télécharger les références bibliographiques pour lequelles Bilbo a trouvé un DOI.
Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Adorno T., Popper K. e Outros, La disputa del positivismo em la sociologia alemana, México, Ediciones Grijalbo, 1973.

Aron Raymond, Paz e Guerra entre as Nações, Brasília, Editora da UNB, 1986.

Bervegin Jean, Déterminisme et Géographie, Les Presses de l'université Lavai, 1992.

Bunge W., “Perspectivas de la geografía teorica”, in J.G. Mendoza, J.M. Jiménez e N.O. Cantero, El pensamiento geográfico, Madrid, Alianza, 1982, p.521-30.

Castoriadis, C., As encruzilhadas do labirinto, 1, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

Delors J. (Org.), Educação, um tesouro a descobrir, Brasília, MEC/Unesco/Cortez, 1996.

Durkheim Émile, Morphologie sociale, I. Les migrations humaines, In L’Année sociologique, 1898-9, p.550-58.

Farias Victor, Heidegger e o nazismo, São Paulo, Paz e Terra, 1988.

Febvre L., La Tierra y la evolución humana. Introducción geográfica a la historia,Barcelona, Editorial Cervantes, 1925.

Hardwick S.W. e Holtgrieve D.G., Geography for Educators. Standards, themes and concepts, New Jersey, Prentice Hall, 1996.

Hartshorne Richard, Questões sobre a natureza da geografia, Rio de Janeiro, IPGH, 1969.

Harvey D., Explanation in Geography, Londres, Edward Arnold, 1969.

Harvey D., A justiça social e a cidade, São Paulo, Hucitec, 1980.

Harvey D., A condição pós-moderna, São Paulo, Loyola, 1992.

Hawding S.W., Uma breve história do tempo, Rio de Janeiro, Rocco, 1988,

Hegel G.W.F., Lecciones sobre la filosofia de la historia universal, Madrid, Alianza Editorial, 1982.

Heisenberg Werner, Física & Filosofia, Brasília, Editora da UNB, 1995.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Kearns Gerry, “The political pivot of geography”, In The Geographical Journal, vol.170, n.4, December 2004, pp.337-46.
DOI : 10.1111/j.0016-7398.2004.00135.x

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Kropotkin P., “What Geography Ought to Be”, In The Nineteenth Century, XXI, 1885, pp.238-258.
DOI : 10.1111/j.1467-8330.1978.tb00111.x

Kropotkin P., Mutual Aid, a factor of evolution, London, Freedom Press, 1902.

Kropotkin P., “Cartas a Lênin (1920)”, In Zemliak, M. (Org.) Kropotkin, Obras. Barcelona Editorial Anagrama, 1977, pp.270-294.

Lacoste Yves, A Geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra, Campinas, Papirus, 1988.

Landes P., Riqueza e a pobreza das nações, Rio de janeiro, Editora Campus, 1998.

Lefort C., As formas da História, São Paulo, Brasiliense, 1979.

Luxemburg R., A Revolução Russa, Lisboa, Ulmeiro, 1975 (original de 1918).

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Mackinder H.J., “On the scope and methods of Geography”, In Proceedings of the Royal Geographical Society, n.9, 1887, pp.141-60.
DOI : 10.2307/1801248

Mackinder H.J., “The geographical pivot of history”, In The Geographical Journal, London, 1904, n.23, pp.421-37.

Maquiavel,O Príncipe, São Paulo, Abril Cultural, 1979, col. Os Pensadores.

Marx K., “O domínio britânico na Índia”, In Marx, K. e Engels, F., Sobre o colonialismo, Vol.I, Lisboa, Estampa, 1974.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Mello Leonel Itaissu A., “A geopolítica do poder terrestre revisitada”, In Lua Nova, São Paulo, Cedec, 1994, n.34, pp.55-69.
DOI : 10.1590/S0102-64451994000300005

Morin E. (Org.), A religação dos saberes, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2002.

Popper Karl, El desarrollo del conocimiento científico, Buenos Aires, Paidos, 1967.

Raffestin C., Por uma geografia do poder, São Paulo, Ática, 1993.

Raffestin C., “Préface”, In J. Bergevin, Déterminisme et Géographie, Les Presses de l'université Lavai, 1992, pp.I-XII.

Ratzel F., Géographie Politique, Paris, Éditions Régionales Européennes, 1988.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Shaefer F.K., “Exceptionalism in geography: a methodological examination”, In Annals of the Association of American Geographers, n.43, 1953, pp.226-49.
DOI : 10.2307/2560876

Short John R., New world, new geographies, New York, Syracuse University Press, 1988.

Unwin Tim, The place of Geography, London, Longman Group, 1992.

Vidal de la Blache Paul, « La Géographie Politique d’après les écrits de M. Fr. Ratzel » In Annales de géographie, ano VII,  n.32, 1898, pp.97-111.

Waibel L., “Deterministo geográfico e geopolítica”, In Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, IBGE, 1961, n.164, p.613-7.

Weber Max, “A política como vocação”, In Ciência e Política, duas vocações, São Paulo, Cultrix, 1998.

Haut de page

Notes

1  Este sucinto texto de Ratzel foi extraído de um capítulo do livro Anthropogeographie, de 1882 (portanto, anterior ao Politische Geographie  de 1897). Ele fornece uma espécie de resumo antecipado, embora empobrecido, da obra de Ratzel sobre a abordagem geográfica da política. Como observou en passant Jean Bervegin (1992: 4-5), parece que todas as citações de Durkheim e de Vidal coincidem com esta tradução, mesmo quando eles citam a edição original, em alemão, desta obra seminal de Ratzel.

2  Hegel, 1982. Cf. especialmente o capítulo “La conexion de la natureza o los fundamentos geográficos de la historia universal”, pp.161-99. É interessante que Febvre em momento nenhum cita Hegel, apesar dos inúmeros pontos de contato entre a sua obra e a do filósofo alemão. Será que isso se deveu a uma certa ojeriza pela tradição germânica, em especial a que engrandece o Estado, ou pelo fato de Hegel desprezar os historiadores e a sua história, preferindo uma filosofia da História com H maiúsculo, algo transcendental e teleológico?

3  Entre os sociólogos mencionados por Febvre que criticaram veementemente a geografia humana – e não apenas a de Ratzel, o alvo principal, mas também obras de Jean Brunhes, Camille Vallaux, Albert Demangeon e outros – encontram-se principalmente F. Simiand, M.  Mauss e M. Halbwachs, além do próprio Durkheim. Cf. Febvre, 1925: 25-35.   

4  Cf. Hawding (1988: 87). Cabe ainda lembrar da famosa frase de Einstein: “Deus não joga dados”, pela qual o eminente físico reafirmava a validade do determinismo, mesmo com a introdução do princípio de indeterminação na física quântica.

5 Cf. Bervegin, 1992 : 15, que reproduz a esse respeito urna frase de Ludwig Wittgenstein: "O mundo é constituído de fatos no espaço lógico".

6  O autor submeteu o texto, antes da publicação, à leitura e sugestões do filósofo (e seu amigo) Gultav Bergmann, um discípulo (e ex-aluno) de Karl Popper.

7  Cf. Adorno, T., Popper, K. e Outros, 1973).

8  “Há um critério para se determinar o caráter ou status científico de uma teoria? (...)Afirmo que o critério para se estabelecer o status científico de uma teoria é a sua refutabilidade ou a sua testabilidade. Uma teoria que não é testável não é científica. Toda ‘boa’ teoria científica implica numa proibição: proibição de que ocorram certas coisas.” (Popper, 1967: 43-7).

9 Podemos substituir a indagação ‘A geografia é uma ciência?’, pela pergunta muito mais útil: ‘Que espécie de ciência é a geografia?’ A geografia é um campo cuja matéria inclui a maior complexidade de fenômenos, e, ao mesmo tempo, preocupa-se, mais do que a maioria das demais ciências, com o estudo de casos individuais – dos inumeráveis lugares do mundo e do próprio caso ímpar do [nosso] mundo. Por essa razão, a geografia é menos capaz do que muitas outras ciências de elaborar e empregar leis científicas. Mas, não obstante isso, a exemplo de outros domínios científicos, ela preocupa-se em elaborar leis na medida do possível.” (Hartshorne, 1969: 228-9). Esta obra de Hartshorne, originalmente publicada em 1959, foi uma resposta a determinadas críticas – principalmente as de Shaefer e seguidores – feitas ao seu monumental trabalho de 1939, The Nature of Geography.

10  Também Raffestin (1993: 23-4) vai por um caminho semelhante, afirmando que o grande problema de Ratzel na sua tentativa de superar a abordagem idiográfica e estabeler “leis” era a fragilidade dos métodos estatísticos da sua época.

11  “Na mecânica quântica as relações de incerteza impõem um limite máximo definido na precisão com que posição e momento linear, ou tempo e energia, podem ser medidos simultaneamente. Como uma separação infinitesimalmemente estreita significa uma imprecisão infinita com respeito às posições no espaço-tempo, os momentos lineares ou as energias ficam completamente indeterminadas.” (Heisenberg, 1995: 123).

12  Cf. Harvey, 1992. Nessa importante obra, talvez o livro (acadêmico) de geografia com maior difusão internacional nos últimos 20 anos, o autor consegue discorrer sobre temas variados – a renovação urbana de Baltimore, a problemática da habitação popular em Los Angeles, o prédio da IBM em Nova Iorque ou o filme Blade Runner – sem nunca mencionar os seus contextos específicos, as contradições e os grupos ou projetos alternativos que se entrecruzaram, etc., mas apenas catalogando-os como “modernos” ou “pós-modernos”. Também não existe nenhum mapa, nenhuma localização no espaço concreto desses fenômenos estudados, mas tão somente considerações abstratas sobre “o significado de espaço e tempo” neste ou naquele filme, na pós-modernidade, etc.

13  Não desconhecemos que William Bunge (1982: 521-30), seguindo a trilha de Schaefer, estabeleceu uma esdrúxula diferenciação entre o único ou original e o singular, sendo queeste último, a ser levado em consideração pela ciência geográfica, seria tão somente um caso específico e sempre enquadrável numa teoria geral, ao passo que aquele primeiro seria algo desprezável pela ciência, um mal-entendido da geografia tradicional. Mas essa perspectiva nos parece facciosa e somente aceitável pelo pressuposto de que existiria um só tipo de conhecimento, o nomotético.

14  “Como escreveu Norbert Wiener, ‘o sucesso da física matemática tornou o homem das ciências sociais ciumento da sua potência, sem que ele compreenda verdadeiramente as atitudes intelectuais que contribuíram para isso. Exatamente como tribos primitivas adotam modas ocidentais de roupa cosmopolita e de parlamentarismo a partir de um vago sentimento de que essas vestimentas ridículas e esses ritos mágicos os levarão diretamente ao nível da cultura e da técnica modernas, assim também os cientistas sociais forjaram-se o hábito de vestir de modo ridículo as suas idéias, a bem dizer imprecisas, da linguagem do cálculo infinitesimal’. A razão desse fracasso é clara: são escassos os aspectos dos fenômenos sociais que satisfazem às condições da teoria matemática.” (Castoriadis, 1987: 215).

15  Cf. Bunge (1982), onde há várias referências à “conhecida ideologia anti-comunista de Hartshorne”, por sinal um ex-professor de Bungue.

16  É evidente que essas mudanças no sistema escolar norte-americano não se explicam apenas, nem principalmente, pela vitória da perspectiva neopositivista na geografia. Elas também envolveram a disciplina história e têm outras determinações, que neste texto não iremos explicitar. Em todo o caso, até inícios dos anos 1990 eram os departamentos universitários de ciências sociais, e nunca os de geografia ou de história, que preparavam os professores de história, sociologia e geografia, disciplinas que eram lecionadas juntas nos ensinos fundamental e médio. Para se ter uma idéia dessas mudanças, principalmente com a retomada da formação dos professores pelos cursos de geografia nos anos 1990, quando a abordagem neopositivista está em crise (além de ter ocorrido uma revalorização da escola e do ensino da geografia a partir da globalização e da terceira revolução industrial), com a reabertura de alguns departamentos em universidade, veja-se o importante relato de Hardwick e Holtgrieve (1996).

17  Cf. Marx (1974: 47-8 e 103-4). Esse autor, neste e em outros textos onde analisa o colonialismo britânico ou a tomada de terras “dos preguiçosos mexicanos” pelos norte-americanos, chega a menosprezar as matanças e a brutalidade com o argumento de que isso tudo seria secundário, seria tão somente o preço a pagar para se acelerar o “sentido da História”.

18  Estamos pensando aqui nas observações de Husserl, Heidegger e vários outros existencialistas ou fenomenológicos, segundo as quais o tempo e o espaço cotidianos do ser humano não são aqueles da física, seja ela newtoniana ou relativística.

19  Lembramos aqui que “simples” não deve ser entendido como o oposto de “complexo”, como é usual no senso comum. Epistemologicamente, o contrário de complexo é simplista e o oposto de simples é complicado. Por sinal, inúmeras explicações complexas – como as teorias da relatividade, de Einstein – no fundo são extremamente claras e simples. Veja-se, a esse respeito, as observações de Ardoino, Jacques, in Morin (2002: 548-58).

20  Basta lembrarmos da revista Antipode, cujo primeiro número tem um editorial que afirma que os geógrafos deveriam construir uma “geografia radical” para estudar e denunciar as injustiças e as desigualdades. Ou ainda de Yves Lacoste e a sua revista Hérodote, que afirmam que existem “outras geopolíticas” (além daquela do Estado, de Haushofer e Mackinder) e no fundo propõem a elaboração de uma “geopolítica dos dominados”.

21  A peça teatral O caso Oppenheimer, de Heinar Kipphaardt, evidencia muito bem as dúvidas e os dilemas dos cientistas participantes do Projeto Manhattan, de 1945, do qual resultou a primeira bomba atômica da história.

22  É amplamente conhecido o fato de que Weber concebia uma “ética da responsabilidade”, baseada principalmente em Maquiavel, ao passo que Marx, pelo menos na teoria, era um adepto da “ética da convicção” ou de “princípios”. Cf. Weber, 1998: 55-124.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

José William Vesentini, « Controvérsias geográficas: epistemologia e política », Confins [En ligne], 2 | 2008, mis en ligne le 04 janvier 2008, consulté le 30 juillet 2014. URL : http://confins.revues.org/1162 ; DOI : 10.4000/confins.1162

Haut de page

Auteur

José William Vesentini

Professor Livre Docente do Departamento de Geografia da FFLCH-USP

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org