Navigation – Plan du site
Crónicas de campo

O pó colorido da estrada

La poussière colorée de la route
The colorful dust of the road
Messias Modesto Dos Passos

Texte intégral

Entre Vera e Feliz natalAfficher l’image
Crédits : Foto Hervé Théry 2009

1Nós geógrafos, notadamente aqueles que realizam viagens de estudos, somos, também, contadores de estórias, de causos... vividos no pó colorido da estrada.

2O trabalho científico, notadamente o de um geógrafo de campo, tem muito de subjetivo. A “viagem de estudos”, por mais que ela seja elaborada no aspecto de sua abordagem teórico-metodológica e cartográfica, se concretiza, também, pela espontaneidade, pelo improviso, pelos achados e pelo espírito de aventura que uma grande viagem nos proporciona.

3Por muito tempo eu afirmei, notadamente aos meus alunos, que “a geografia se faz, primeiramente, com os pés”. Hoje, apesar da relevância das viagens de estudos, considero esta afirmação um equívoco, pois, “a geografia se faz, primeiramente, com os conceitos, as teorias, os métodos, o rigor epistemológico... próprios da Geografia”.

4Nessa conversa (não digo: nesse artigo) farei o relato, ou melhor contarei três causos ocorridos durante a inesquecível viagem-de-estudos realizada no eixo das BRs-158/070 de Cuiabá/MT a São Felix do Araguaia/MT.

  • 1 As fotos que ilustram os causos não foram tiradas durante a viagem aqui evocada, mas durante uma vi (...)

5No intuito de contextualizar, no tempo e no espaço, esta viagem, falarei de duas situações motivadoras dessa realização: (a) o apoio da Universidade Pública e (b) o contexto de São Felix do Araguaia. E, em seguida, os causos!1

A Universidade Pública

6Vamos apresentar aqui algumas reflexões/avaliações da evolução das viagens de estudo no contexto da Universidade Pública e das Instituições de Fomento à Pesquisa, tomando como referência o tempo onde a Universidade Pública brasileira tinha condições de apoiar tais eventos e, o tempo atual, onde o pesquisador tem que buscar, nas Instituições de Fomento, os recursos imprescindíveis à realização de tais eventos.

7Eu chamo esse tempo, de tempo da “Nêga Brechó”, isto é, o tempo de uma velha perua Ford/Belina - Chapa GH 0800 - de quatro marchas, adaptada para rodar a álcool, uma vez que na versão original era movida a gasolina.

8Esse foi o tempo onde a Universidade Pública ainda tinha recursos para pagamento das despesas com combustível e eventual avaria mecânica do veículo. As despesas com diárias - hospedagem e alimentação - ficavam por conta dos nossos salários. A concessão do veículo e da verba para o combustível era muito criticada por alguns “colegas” do Departamento de Geografia e da Congregação que, viam nesses eventos, “viagens de turismo/geo-turismo”. Era triste recebermos adjetivos negativos de “colegas” que não liam os relatórios das nossas viagens de estudos, apesar desses serem encaminhados ao Departamento e à Congregação.

9No início da década de 1990 a Universidade deixou de dar esse tipo de apoio.

10Em 1993-94 realizei o Pós-Doutorado no Laboratoire Costel-Université Rennes 2 e me capacitei no tratamento de imagens satelitares.

Figura Aula ao ar livre em Rondonópolis

Figura  Aula ao ar livre em Rondonópolis

Foto: Hervé Théry 2009

11As viagens de estudos, resultaram em várias Dissertações de Mestrado, sob a minha orientação e, ainda, na minha Tese de Livre-Docência, intitulada: Teledetecção aplicado ao estudo da paisagem: Sudoeste do Estado do Mato Grosso-Brasil.

12A partir dessa realização (1996) eu ampliei o recorte das minhas viagens - antes estavam restritas ao Vale do Guaporé (Jauru), à Chapada dos Parecis, Vale do Araguaia/Nordeste do Mato Grosso, Centro-Médio do Mato Grosso e, finalmente, cheguei ao eixo da BR-163 Cuiabá/MT a Santarém/PA.

13A partir de 1994, passamos para o que eu chamo de Rent a Car, ou seja, onde as Instituições de Fomento (FAPESP e CNPq, notadamente), uma vez aprovado o projeto, concedem os recursos necessários à sua realização (aquisição de computadores, máquinas fotográficas, imagens de satélite, filmadoras, recursos para o custeio: diárias e, que ótimo: a Reserva Técnica). Graças a essa nova realidade, ampliou-se a nossa capacidade de pesquisa (incluindo as viagens de estudos e as orientações de Mestrado e de Doutorado). E, mais, após a finalização do Projeto os equipamentos são tombados e vão permitir a instalação de laboratórios no intramuro das universidades.

Figura O ônibus da viagem de 2009

Figura  O ônibus da viagem de 2009

Foto: Hervé Théry 2009

São Felix do Araguaia

14Ao final da década de 80 e início da década de 90, do século passado, São Felix do Araguaia estava em plena evidência, por duas razões, notadamente: (a) os conflitos pela posse da terra e (b) o honroso trabalho da Prelazia de São Felix... sob a coordenação de Dom Pedro Casaldáliga.

15A região de São Felix do Araguaia (Luciara, Santa Terezinha, Porto Alegre do Norte...), assim como a Amazônia Legal e muitas outras terras da América Latina, eram considerados (e ainda são consideradas) como “territórios de conquista”, sob o impacto da “marcha do capital para o campo”, ao qual, o modelo de desenvolvimento adotado pelo Brasil, dá lugar a um complexo conjunto de conflitos socioambientais.

16Da entrevista com Dom Pedro Casaldáliga, na Prelazia de São Felix do Araguaia, obtemos as informações a seguir. No entanto, antes de relatarmos essa conversa, nunca é demais lembrar a nossa euforia, alegria, vitória por termos, finalmente chegado à São Felix e, notadamente, por termos sentados (41 alunos e eu) num salão e ouvirmos - não somente ouvir, mas também tocar, olhar, admirar Dom Pedro...

17Até 1930, a região de São Felix do Araguaia era terra indígena, terra dos índios Tapirapé, Karaja-Javae, Kaiapós, Xavantes...

18Entre 1930 e 1960, chegam os posseiros, vindos do estado do Pará e da Região Nordeste do País, que atravessavam o rio Araguaia, em busca de pastagens para o gado e de terras para roças (culturas) de subsistência. Era o clã familiar, gente humilde, buscando uma vida melhor.

19Embora tenham ocorrido conflitos entre os posseiros e os índios, prevaleceu a acomodação, a “convivência”.

Figura Queimada no anoitecer perto de Feliz Natal

Figura  Queimada no anoitecer perto de Feliz Natal

Foto: Hervé Théry 2009

20Esta terra, como muita terra do interior do Brasil e da América Latina, era considerada terra de ninguém, espaços vazios, a serem ocupados, produzidos, valorizados. Na verdade, ela estava ocupada por índios e posseiros.

21A partir dos anos sessenta, do século passado, o governo federal adotou uma política de incentivos fiscais regionais, tentando ampliar a capitalização destas áreas, através de deduções do Imposto de Renda das pessoas jurídicas, visando a aplicação em projetos de interesse para o desenvolvimento econômico regional. Tal diretriz vai provocar mudanças evidentes na estrutura fundiária, visto que estes recursos foram aplicados em projetos “agropecuários”.

22De um total de 549 projetos que receberam incentivos fiscais entre os anos de 1965 a 1977, na área da SUDAM, 335, mais da metade do total foram os projetos agropecuários. Na realidade, a iniciativa privada do Sul e do Sudeste do Brasil foi chamada para intervir nestas regiões e aí aplicar recursos próprios e aqueles deduzidos do Imposto de Renda.

23As consequências foram, muitas vezes, funestas por várias razões. Nem sempre a eficácia desses empreendimentos produziu os frutos esperados visto que a devastação de milhares de hectares de floresta só trouxe benefícios à concentração da propriedade nas mãos desses poucos novos capitalistas. Como estes projetos foram localizados em áreas onde já existiam famílias e mais famílias de posseiros que aí sobreviviam do seu trabalho, o resultado foi o conflito. Tal situação permitiu que a prática de grilagem fosse feita de forma ostensiva.

24Na realidade é a transição daquilo que Souza Martins (1983) chama de frente de expansão em frente pioneira. Na frente de expansão o personagem característico é o posseiro. Nela reina o trabalho familiar e o excedente, eventualmente produzido, torna-se mercadoria. Na frente pioneira o personagem dominante é o proprietário capitalista. É aí o domínio do capital e da mercadoria para o circuito comercial (Passos e Martins, 1989).

25O posseiro geralmente é um migrante que se deslocou de outras áreas de onde foi expulso por várias razões. Sabemos que a derrubada da mata nestas frentes exige mão de obra numerosa, porém, quando as pastagens estão formadas passa a haver um excesso de mão de obra e o trabalhador é expulso. Este vai tornar-se posseiro deslocando assim a frente de expansão um pouco mais.

26A região de São Felix do Araguaia, no início dos anos sessenta, era uma região sem infraestrutura municipal e estadual - era território de conquista -, sem estradas, comunicações, luz etc. Essa carência contribuiu, também, para camuflar os conflitos pela posse da terra. Às vezes, chegavam, num mesmo dia, cerca de 2 mil peões nordestinos, que eram despejados em São Felix do Araguaia, com todos os problemas de saúde, prostituição etc. e eram encaminhados para efetuarem os desmatamentos das grandes glebas para a instalação dos projetos agropecuários.

27Com 3 a 4 mil peões, os “empresários urbanos”, agora vestidos de “empresários rurais” - os grandes latifundiários - acabam com a mata e expulsam os índios e posseiros, na base da violência total. “No cemitérios velho de São Felix do Araguaia foram enterrados muitos dos peões assassinados pelos latifundiários. Muitas vezes eram 100-200 peões mortos e enterrados sem caixões” (CASALDÁLIGA: entrevista em 09/09/1990, Prelazia de São Felix do Araguaia).

28Muitas tribos indígenas foram chutadas para ao Parque Nacional do Xingou ou para as áreas de cerrado.

29A partir de 1980, inicia-se a fase das Colonizadoras e a criação de novos municípios.

Figura Entrevista num talhão de algodão na Chapada dos Guimarães

Figura  Entrevista num talhão de algodão na Chapada dos Guimarães

Foto: Hervé Théry 2009

30É quando os sulistas chegam para ocupar os cerrados no nordeste do Mato Grosso, com o plantio de arroz, soja, milho e pastagem. As colonizadoras vendem terras aos pequenos proprietários sulistas que se tornam médios e grandes proprietários e fundam os núcleos urbanos de Água Boa, Canarana, Porto Alegre do Norte, Nova Xavantina etc.

31Os sulistas trazem uma cultura diferente, uma agricultura mecanizada e criam certos atritos com os índios e os nordestinos.

32A partir dessas duas realidades: (a) a Universidade Pública e (b) São Felix do Araguaia..., vou me ater aos três causos (eu ia dizendo: acontecimentos) que ocorreram ao longo da viagem que realizamos, com 41 alunos, num ônibus da UNESP..., motivados sobretudo para ouvir Dom Pedro Casaldáliga, arcebispo da Prelazia de São Felix do Araguaia.

Primavera do Leste... a chegada dos gaúchos

33Primavera do Leste, está localizada no km 150 da BR-070. Era distrito de Poxoréo até 13 de maio de 1986, quando foi elevado à categoria de Município.

34No itinerário da viagem de estudos que realizamos com 41 alunos do curso de Geografia da UNESP, campus de Presidente Prudente... chegamos em Primavera do Leste por volta das 11:00 horas. Primavera era um canteiro de obras: construção de prédios públicos - Prefeitura, Fórum, Banco Brasil -.

35Paramos no único posto-restaurante da nascente cidade. Ao consultarmos sobre a possibilidade de almoçarmos ali mesmo..., o proprietário respondeu: “não é possível atender vocês..., eu estou sobrecarregado e sem estoque de comida, pois tenho que cumprir o contrato que firmei para atender os trabalhadores que estão a todo vapor construindo os prédios... é muita gente!”

- Sim, mas nós estamos indo à São Felix do Araguaia..., a estrada de terra está muito ruim... e, se não comermos aqui... onde comer?

- Se vocês me derem 3 a 4 horas... eu posso providenciar um almoço simples...

- E o que fazer aqui, durante esse tempo de espera?

- Vocês podem ir até uma fazenda, que está a 4 km daqui: lá os gaúchos estão comemorando com música, danças e churrasco... a Farroupilha!

Figura Churrasco oferecido por um fazendeiro gaúcho

Figura  Churrasco oferecido por um fazendeiro gaúcho

Foto: Cecilia Bastos/Jornal da USP 2009

36Quando chegamos à fazenda, a festa estava animada: costela de chão, muita comida, dança, cerveja e, notadamente uma recepção muito camarada dos gaúchos.

37Metade dos alunos sequer desceram do ônibus. Outros recusaram os espetos de carne..., alegando que tinham encomendado o almoço em Primavera de Leste.

38Eu, devido ao meu sotaque nordestino, fui convidado para cantar algumas músicas do Luiz Gonzaga. Me vestiram de gaúcho, gravaram algumas imagens - a TV Bandeirantes estava presente. Como sempre a timidez me impediu de atender os pedidos insistentes...; também, recusei os espetos de carne..., alegando que tínhamos encomendado um almoço em Primavera...

39Quando retornamos ao posto-restaurante: então, o almoço está pronto?

- Que almoço... eu mandei vocês para um churrasco gaúcho: vocês não comeram lá?

- Não...

40Por volta das 17:00 horas, já na poeirenta e esburacada BR-070, chegamos às margens de um córrego... onde o atrativo maior era um enorme cajueiro: cheio de frutos!

41Foi um almoço tardio... e inesquecível!

Aqui tudo é difícil, nada é impossível

42O segundo causo (ou acontecimento?) se deu quando, no pó colorido da BR-158/070, quase chegando à cidade de Canarana avistamos um grande outdoor, onde se lia: “Aqui tudo é difícil..., nada é impossível”.

43Pedi para o motorista estacionar o ônibus de modo a que eu fizesse uma boa fotografia. Comigo desceram 5 ou 6 alunos... Fotografamos! E, quando dávamos meia volta para o retorno ao ônibus... avistamos uma casa de madeira, a cerca de 40 metros de onde estávamos.

44Vamos até a casa... quem sabe a gente faz uma boa entrevista!

Figura Entrevista com o dono da fazenda Santa Maria da Amazônia

Figura  Entrevista com o dono da fazenda Santa Maria da Amazônia

Foto: Hervé Théry 2009

45Na porta da frente dessa casa: batemos palmas, chamamos pelo tradicional modo de chamar: “oi de casa”... “oi de casa”... repetidas vezes... e nada de alguém responder.

46No entanto, ouvíamos o som de um rádio...

47Já que ninguém responde: vamos entrar!

48Casa pequena: sala-cozinha num único cômodo; dois quartos... e, sobre a mesa o rádio ligado... e ninguém no interior da casa.

49Abrimos a geladeira e nos deparamos com duas cervejas: geladas... e nós com a goela empoeirada...

50Vamos beber! Quando abrimos a segunda garrafa... o proprietário chegou!!!

51Desculpe-nos companheiro: nós chegamos, chamamos, chamamos... e, ao ouvir o rádio... resolvemos entrar... e beber as suas únicas garrafas de cerveja!

52Ele, abriu a face, num longo, largo e amistoso sorriso: Pra onde vocês estão indo?

53Vamos dormir em Canarana...

54E de pronto, ele exclamou: “eu vou com vocês... e faço questão de pagar duas caixas de cervejas!!!”.

55E... fizemos a vontade dele... e ele a nossa!

Dormir no Quartel..., Por que não?

56As nossas viagens-de-estudos que, naqueles tempos chamávamos de “Excursões”, eram viabilizadas, em grande parte, pelo apoio de algumas Prefeituras Municipais e de outras instituições públicas e privadas.

Figura Professores explicam a formação de um morro testemunho

Figura  Professores explicam a formação de um morro testemunho

Foto: Hervé Théry 2009

57Na viagem de ida à São Felix do Araguaia pernoitamos no ótimo quartel do exército brasileiro, em Barra do Garças (ou Aragarças?). Chegamos com o Ofício que nos concedia o direito ao pernoite... e pernoitamos: ótimos chuveiros, excelente café... soldados atenciosos (até porque as alunas eram muito bonitas).

58No dia seguinte, após o café da manhã e toda atenção que recebemos... seguimos no pó colorido da BR-070.

59Foi uma viagem muito boa, que proporcionou aos alunos e alunas o contato com este desconhecido território do Vale do Araguaia...

  • 2 O mesmo problema ocorreu na viagem de 2009: entre Alta Floresta e Cotriguaçu e de novo antes de che (...)

60Chegamos em São Felix com a caixa de marcha do ônibus avariada: não era possível engatar a 3a. e 4a. marchas2: o motorista, com muita paciência... conduziu por cerca de 670 km até chegarmos à Barra do Garças...

Figura Ponte entre Alta Floresta e Cotriguaçu

Figura  Ponte entre Alta Floresta e Cotriguaçu

Foto: Hervé Théry 2009

61Fomos direto à Oficina... e depois de uma negociação para o conserto da caixa de marcha (inclusive com um telefonema à UNESP..., solicitando autorização para o pagamento do conserto do ônibus) ... nos deparamos com o problema: “onde dormir”.

62Éramos 41 alunos e eu de professor... e um problemão: Onde dormir?

63A oficina nos disponibilizou um jeep Toyota e fomos ao quartel: eu e mais cinco alunos.

64Já era final de tarde-começo de noite, ou seja, “o horário onde todos os gatos são pardos”.

65Estacionei o jeep e fui à sentinela: “por favor, eu gostaria de conversar com o Chefe do Quartel”.

- O Chefe não está?

- E onde ele está?

- Ele viajou para Goiânia...

- E quem ficou respondendo pelo expediente?

Nesse horário todos já foram embora... não tem ninguém do setor administrativo...

- Não é possível: deve haver alguém responsável pelo Expediente...

- É, mas não tem...

66Diante da minha insistência (eu ia dizendo: impertinência) ... a sentinela resolveu chamar “o sargento”.

67Era um homem alto, gordo... eu diria: um militar relaxado, que cuidava mal do físico.

68E começamos - eu e ele - a “negociar”: eu explicando o improviso motivado pela quebra do ônibus e pela impossibilidade de pagarmos hotel para todos... E, como já dormimos no Quartel na ida... por que não dormir na volta?

69Não tem como... o senhor não solicitou autorização...

70Sim, eu não solicitei autorização... porque como já disse se trata de uma situação de emergência, de uma necessidade grande...

71Quando: o “não temos outro local para dormir... temos que dormir aqui no Quartel” versus “vocês não podem dormir no Quartel... porque vocês não solicitaram autorização”... já estava virando “briga-de-galo”...

72Eu parei de insistir, olhei dentro dos olhos do sargento... e com voz firme (eu ia dizendo: decidida) ... quase gritei: Nós vamos invadir o seu Quartel!!!!

73O sargento abriu o sorriso, passou a mão na cabeça e disse (quase gritou): Podem dormir no Quartel!!!!

Haut de page

Bibliographie

Referências

CASTRO, A. B.; SOUZA, F. E. Pires de A economia brasileira em marcha forçada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

MARTINS, J. S. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1983.

MONTEIRO, C. A. de Figueiredo A questão ambiental no Brasil (1960-1980). São Paulo: USP, 1981.

PASSOS, M. M. dos; MARTINS, O. B. Vale do Guaporé: conflitos pelo espaço. Presidente Prudente: Caderno Prudentino de Geografia, n. 11, v. 12; p. 53-60.

______________ A exploração da Floresta Amazônica. IN: Encontro Nacional de Estudos Sobre o Meio Ambiente. Florianópolis: Anais , p. 81-93, 1989.

STERNBERG, H. O. Frentes Pioneiras Contemporâneas na Amazônia Brasileira: alguns aspectos ecológicos. São Paulo: Espaço e Conjuntura, n. 6, 1981.

Haut de page

Notes

1 As fotos que ilustram os causos não foram tiradas durante a viagem aqui evocada, mas durante uma viagem realizada em 2009, no âmbito do Ano da França no Brasil, por um grupo de 46 alunos e professores franceses e brasileiros, entre os quais professores franceses que tinham participado da primeira viagem (ao todo foram mais de 8 000 quilômetros percorridos em 24 dias). Achamos, porém, que as duas viagens tinham entre sim nítidas e simpáticas ressonâncias.

2 O mesmo problema ocorreu na viagem de 2009: entre Alta Floresta e Cotriguaçu e de novo antes de chegar a Cuiabá os motoristas não podiam passar da 2ª marcha.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 872k
Titre Figura Aula ao ar livre em Rondonópolis
Crédits Foto: Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,1M
Titre Figura O ônibus da viagem de 2009
Crédits Foto: Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 904k
Titre Figura Queimada no anoitecer perto de Feliz Natal
Crédits Foto: Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 1,8M
Titre Figura Entrevista num talhão de algodão na Chapada dos Guimarães
Crédits Foto: Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 1,9M
Titre Figura Churrasco oferecido por um fazendeiro gaúcho
Crédits Foto: Cecilia Bastos/Jornal da USP 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
Titre Figura Entrevista com o dono da fazenda Santa Maria da Amazônia
Crédits Foto: Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
Titre Figura Professores explicam a formação de um morro testemunho
Crédits Foto: Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 2,1M
Titre Figura Ponte entre Alta Floresta e Cotriguaçu
Crédits Foto: Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11656/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 1,8M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Messias Modesto Dos Passos, « O pó colorido da estrada », Confins [En ligne], 30 | 2017, mis en ligne le 17 février 2017, consulté le 21 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/11656 ; DOI : 10.4000/confins.11656

Haut de page

Auteur

Messias Modesto Dos Passos

Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP, Presidente Prudente, mmpassos86@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org