Navigation – Plan du site

Editorial do número 30

Editorial of issue 30
Éditorial du numéro 30
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Cet article est une traduction de :
Editorial du numéro 30

Texte intégral

1A novidade desta edição é a criação de uma rubrica “Sínteses” para textos mais ambiciosos do que os artigos habituais, que façam um balanço de questões cruciais da geografia atual. Neste caso, dois artigos analisam, respectivamente, a “natureza do urbano” (Francisco Capuano Scarlato e Everaldo Batista da Costa) e as frentes pioneiras “de frontier até pós-frontier” (Martin Coy, Michael Klinger e Gerd Kohlhepp), duas questões centrais para a compreensão da dinâmica pioneira do território brasileiro.

2A ambição - e a qualidade - desses textos nos levou a criar esta nova secção que permite ultrapassar o limite de 50 000 caracteres (limite além do qual os textos são devolvidos aos seus autores). Porém, esclarecemos que será a exceção, apenas o caráter sintético do texto justificará o enquadramento nesta categoria.

3Esperamos que esta inovação contribua para manter o crescimento da revista, que se confirmou durante todo o ano de 2016, conforme mostra o Gráfico 1.

Gráfico 1 Evolução do número de páginas vistas de 2007 até 2016

Gráfico 1 Evolução do número de páginas vistas de 2007 até 2016

4A distribuição dos leitores da Confins ao redor do mundo também continua a evoluir positivamente, muito além dos dois países a priori interessados em uma revista franco-brasileira, de acordo com o Mapa 1.

Figura 1Páginas vistas em 2016, número absoluto e por milhão de habitantes

Figura 1Páginas vistas em 2016, número absoluto e por milhão de habitantes

5O crescimento mais notável ocorre no número de páginas lidas na Alemanha, Estados Unidos e, mais recentemente, China, que juntos representaram 18% do total de 2016, depois do Brasil (48%) e da França (13%). Parece ser provável que os centros de investigação “brasilianistas” desses países já incluíram a nossa revista em suas fontes de informação e que professores universitários nestes países recomendem-na aos seus alunos. Esperamos continuar a atender suas demandas nesta edição e nas seguintes.

6Gráfico 2 Os principais países

7Este número 30 inclui, além dos dois textos da nova rubrica, textos que podemos agrupar em quatro blocos. O primeiro é formado por artigos sobre os países “estrangeiros” (ou seja, nem França nem Brasil), China, Tunísia e Portugal: “ Xangai e Guangzhou são os dois aglomerados urbanos mais populosos do mundo” (François Moriconi-Ebrard e Joan Perez), “Desafios da Tunísia oriental: um território desenvolvido e um ambiente a proteger” (Walid Chouari e Mongi Belarem) e “E Belém? A questão da apropriação do patrimônio numa freguesia de Lisboa” (Rafael H. Teixeira-da-Silva). O primeiro fornece informações que provavelmente surpreenderão a maioria dos nossos leitores, já que mostra, com dados precisos, que as cidades de Xangai e Guangzhou são as mais povoadas no mundo de hoje, com respetivamente perto de 80 e 48 milhões de habitantes.

8O terceiro artigo, cujo título inclui “Belém” faz a transição para o segundo grupo, artigos sobre a Amazônia, embora, na verdade, evoque a torre portuguesa e não a cidade amazônica. Quatro artigos abordam esta região, à qual a revista presta muita atenção desde a sua fundação: “Considerações sobre a federalização e a gestão compartilhada do território na Amazônia brasileira” (Gilberto de Miranda Rocha e Sabrina Fortes e Silva Gonçalves), “A ocupação do espaço pela dendeicultura e seus efeitos na produção agrícola familiar na Amazônia Oriental” (Edfranklin Moreira da Silva e Lívia Navegantes-Alves), “ Sistemas agrícolas e sistema de indicadores: avaliação do impacto das alterações climáticas sobre a segurança alimentar numa bacia de inundação da Amazônia” (Marie Flore Doyen, Anne Elisabeth Laques, Helen Gurgel e Lucas Garcia) e “O uso do geoprocessamento na espacialização e avaliação das Áreas de Preservação Permanente: Cidade de Porto Velho-RO” (Helen Rose Oliveira da Silva, Siane Cristhina Pedroso Guimarães e Liliana Borges de Oliveira).

9Os dois últimos textos criam uma nova transição para o próximo grupo, de artigos que são baseados no uso de indicadores desenvolvidos pelos autores e / ou na geomática para construir novos conhecimentos em diferentes campos: ensino superior, emissões de gases de efeito estufa e pesquisas geossistêmicas: “Indicadores ambientais de sustentabilidade para uma instituição federal de ensino superior” (Andréia Castro de Paula Nunes, Leci Martins Menezes Reis e Robson Garcia da Silva), “As emissões de gases com efeito estufa do turismo dos brasileiros” (Jean Paul Ceron e Ghislain Dubois) e “Geografia e ambiente: trajetórias e tendências das pesquisas geossistêmicas no Estado de São Paulo” (Carlos Eduardo das Neves e Gilnei Machado).

10Como o último artigo tem como recorte o Estado de São Paulo, ele por sua vez constitui uma terceira transição para o último grupo, que incide sobre a formação cultural e histórica das partes do sul do Brasil. O primeiro, “A relação entre caipiras e o processo de urbanização na música sertaneja entre as décadas de 1920 e 1980” (Jóyce Oliveira Leitão), pode surpreender quem não tem familiaridade com a geografia cultural mas, esperamos que sua leitura permita convencê-los das ligações entre cultura e urbanização caipira nestas décadas. Da mesma forma, o artigo “O Mapa do Território Nacional de Misiones (1881) na conjuntura da disputa territorial entre Argentina e Brasil” de Cristina de Moraes, mostra muito claramente que qualquer mapa é, acima de tudo, uma construção cultural.

11Outras seções recorrentes da revista contribuem para a diversidade de abordagens. Messias Modesto dos Passos evoca em “A poeira colorida da estrada” os prazeres e as dificuldades do trabalho de campo com alunos na Amazônia. As “imagens comentadas”, bem na lógica franco-brasileira, tratam de “ O mapa do metrô de Paris revisitado” (Gustave Fulgence) e dos “Ensinamentos das eleições municipais de 2016” (André Rodrigues Nagy e René Somain).

12Finalmente, as resenhas também abordam áreas geográficas e temáticas variadas com os livros Território e Circulação: a dinâmica contraditória da globalização, de Mónica Arroyo e Rita de Cássia Ariza da Cruz (Carolina Todesco), Modernização Territorial e Redes Técnicas em Goiás, de Denis Castilho (Dallys Dantas), La métropolisation en question, de Cynthia Ghorra-Gobin e Le Brésil, terre de possibles, de Dominique Vidal.

13Boa leitura a todos,

14Hervé Théry, Neli Aparecida de Mello-Théry

Haut de page

Table des illustrations

Titre Gráfico 1 Evolução do número de páginas vistas de 2007 até 2016
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11663/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 192k
Titre Figura 1Páginas vistas em 2016, número absoluto e por milhão de habitantes
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11663/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 580k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11663/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 305k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 30 », Confins [En ligne], 30 | 2017, mis en ligne le 24 février 2017, consulté le 26 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/11663

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org