Navegação – Mapa do site
Sinteses

A natureza do urbano

La nature de l’urbain
The nature of urban
Francisco Capuano Scarlato e Everaldo Batista da Costa

Resumos

Percepção, essência e existência são categorias da fenomenologia potenciais ao entendimento da natureza do urbano, na história. Com o objetivo de contribuir no debate teórico da essência e da natureza do urbano, este artigo traz, metodologicamente, três questões estruturadas: i) reconhece a pertinência da fenomenologia existencialista e do materialismo histórico na interpretação desta natureza; ii) discute a natureza do urbano pela objetividade e subjetividade que envolvem as cidades, na história; iii) trata o centro histórico das cidades como memória na totalidade urbana e síntese dialética da natureza do urbano. Assim, a sociedade urbana é assumida como uma condição espacial advinda do construir e do habitar históricos e existenciais, em nome da dominação e da liberdade, o que antecede a industrialização moderna.

Topo da página

Texto integral

Bonifacio, CórsegaVisualizar a imagem
Créditos : Hervé Théry 2016
  • 1 A estada na cidade de São Paulo, que facilitou a colaboração dos dois autores, foi financiada pelo (...)

1O tema deste artigo1: essência e natureza do urbano, inicialmente, pode sinalizar algo demasiado refletido nas ciências humanas, em especial, na Geografia. É razoável considerar que bons trabalhos foram escritos sobre a questão. Reapresentamos essa discussão com o pressuposto de que sempre haverá novas possibilidades de se tratar, criativamente, qualquer tema, em variâncias teóricas e de métodos.

2Não é nossa proposta fazer apanhado dos percursos teóricos e de métodos adotados em pesquisas científicas ou filosóficas, pela essência do urbano. Porém, é considerável que muitos trabalhos rigorosos fizeram avançar os estudos sobre as cidades e a natureza do urbano. Objetivamos caminhar em direção ao que merece reforço ou aprofundamento: problematizar a essência e a natureza do urbano, pelo diálogo teórico e de métodos, considerando a fenomenologia e o materialismo histórico e dialético.

3A contribuição do trabalho está na leitura fenomenológica e dialética de elementos geográficos e históricos que remetem à essência do urbano enquanto fenômeno espacial de dimensões existenciais. Metodologicamente, importa: i) compreender o conceito de essência, tão caro à fenomenologia; ii) valorizar a investigação histórica, para fugirmos da estreiteza das abordagens urbanas unifocais e unidirecionais que envolvem pensadores fenomenólogos e marxistas; iii) assumir a postura do diálogo de métodos, para aprofundarmos o significado da expressão natureza do urbano, ao repensarmos o fato cidade pela história e o próprio urbano - antecedente à industrialização moderna.

4Assumir o diálogo fenomenologia / materialismo histórico, pelo ângulo da Geografia Humanística, possibilitará vislumbrar a objetividade e a subjetividade do fenômeno urbano e do fato cidade. Carreras e Vilagrasa (1986) consideram que tanto as aproximações fenomenológicas como as marxistas tem em comum o envolvimento definitivo da história, rompendo a tendência conservadora e corporativista de subdisciplinas institucionalizadas; por outro lado, ultrapassam qualquer objetividade científica de corte positivista e favorece a conexão entre os valores sociais e a produção cultural, com o fim de permitir uma interpretação da história.

5Lyotard (1967), ao assumir o pensamento marxista e fenomenológico, afirma que a riqueza da fenomenologia [ou seu lado positivo] está no esforço que demanda para apeendermos o homem em si mesmo, sob esquemas objetivistas com que a ciência social não pode deixar de apreendê-lo; é sobre esta base, evidentemente, que se deve tomar a fenomenologia. Em síntese, a ciência social prende o homem a essa base objetivista e a fenomenologia tende a transcender essa objetividade.

6Entendemos que a fenomenologia também permite construir um discurso sobre a natureza urbana como produto histórico, quando a essência se faz e perfaz a materialidade histórica. Percepção, essência e existência são categorias da fenomenologia, as quais potencializam e auxiliam no alcance da concretude ou do significado histórico do urbano. Sabemos que é pela percepção que formamos nossa consciência do mundo e de sua diversidade, e o marxismo nos ensina que no ato do trabalho humano produzimos nossa consciência no/do mundo. Temos, por assim dizer, a consciência constituída na recíproca determinação ser-mundo que revela o existir, quando existir é ter consciência de estar no mundo. Hebert Marcuse (1968), [além de Merleau-Ponty, Martin Heidegger e Jean-Paul Sartre] auxilia justificar o diálogo de métodos proposto, pois assinala os limites do materialismo e da fenomenologia ao pensamento do mundo concreto. A citação ratifica a abordagem adotada no artigo:

Fenomenologia: indagação e acesso que se deixam deduzir dos próprios objetos; trazer os objetos plenamente à vista. Os objetos estão à disposição primeiramente na historicidade. Esta esfera da historicidade começa, enquanto situação histórica concreta, já no ponto de partida da pergunta em busca do objeto: ela abrange a peculiar pessoa do interrogante, a direção da sua pergunta e o modo do primeiro aparecer do objeto. Há uma metodologia científica que vê seu objeto, de ponta a ponta, abstraindo toda historicidade, basicamente a-histórico (ao modo da matemática e da física) e ela pode e deve fazê-lo, porque o modo ser mesmo do seu objeto não é a historicidade. Falho é, porém, este salto sobre a esfera da historicidade, em todas as ciências da existência humana, de modos desta existência e das suas apreendidas áreas significantes enquanto significações. Por isso, uma não colocação da atual historicidade na análise fenomenológica implica que a indagação não enfoque seu objeto plenamente. A fenomenologia não deve deter-se na demonstração da historicidade do seu objeto, para de novo tomá-lo na esfera da abstração. Ela precisa mantê-lo na mais extrema concreção. Isto é, introduzir a concreta situação histórica, sua concreta base material, na análise enquanto uma permanente indagação da historicidade do objeto. Assim, falta à fenomenologia da existência humana necessária plenitude e nitidez, se passar indiferente diante da base material da existência histórica. (Marcuse, 1968, p. 79-80)

7É no processo permanente de produção material e emocional da cidade, bem como na situação de indivíduos, de grupos e da própria sociedade, que se faz a essência do urbano, podendo ser revelada pela difícil interpretação das complexas dimensões e formas da existência humana espacializada. Devemos, sempre, pensar que essa essência são aquelas determinações que não são meras contingências. Portanto, queremos apreender quais são as determinações que definem a natureza do fenômeno urbano.

8O processo de produção das cidades, na história, relaciona-se à dialética entre as necessidades humanas, a culturalização da natureza e a divisão técnico-social do trabalho. A essencialidade do urbano não emerge de processos mágicos ou metafísicos, mas no interior da dialética do processo histórico. Por isso, a essencialidade do urbano não se encontra para além da aparência, mas está na própria percepção do urbano, quando essência e aparência se revelam como totalidade. A essência do urbano está nas intencionalidades e aderências ao território; o que se dá no transcurso da história e não é visto, maquinalmente, no aqui-agora. “As realidades percebidas são aparência. O que conta não é visível, não é audível, normalmente não é sentido. Os princípios que agem são ocultos. A mente descobre a verdade na operação intelectual do observado àquilo que o determina: o que realmente importa é imanente” (Claval, 2010, p. 59-60).

9Assim, no objetivo de contribuir com o debate teórico-metodológico sobre a natureza e a essência do fenômeno urbano, o artigo divide-se, metodologicamente, em três itens entrelaçados. O primeiro avalia o urbano e a cidade pela essência e aparência do fenômeno; será reforçada a pertinência dos ditos métodos no debate assumido. O segundo versa sobre a natureza do urbano através da objetividade e da subjetividade; reconstitui, pelas cidades, as noções heideggerianas de habitar, construir e resguardar como atinentes à essência do urbano, problematizando a tese lefebvriana da “urbanização completa da sociedade”. O item terceiro trata o centro histórico das cidades como memória na totalidade urbana, indicando-o como síntese dialética da natureza do urbano. O foco está no diálogo dos métodos fenomenológico e materialista histórico, para a problematização da essência do urbano, que se aproxima da liberdade perante o ato de construir, que é o pensar e o ser para enraizar-se espacialmente.

10O urbano e a cidade - aparência e essência do fenômeno

11Percepção significa estar consciente do mundo, ou seja, tomá-lo como ele é - conforme o sujeito que apreende. Perceber o mundo é o caminho pelo qual vivenciamos sua objetividade e sua subjetividade, no processo de construção da consciência do mesmo. Essa percepção e essa consciência não nos garantem apreender as coisas no mundo como verdades absolutas. Aquilo que melhor podemos afirmar sinaliza nossa intuição pela evidência das coisas do mundo. Quando essa intuição passa pelo crivo da consciência, chegamos à evidência do fato. Para a fenomenologia, a evidência que obtemos pela percepção permite-nos pisar em terreno firme, para consolidar qualquer pesquisa. Um estudo não pode nascer do vazio teórico, mas de algumas evidências denunciadas pela razão. “Se, depois de examinar o espaço, considerarmos as próprias coisas que o preenchem (...) verificaremos que a coisa é um sistema de qualidades oferecidas aos diferentes sentidos e reunidas por um ato de síntese intelectual” (Merleau-Ponty, 2004, p. 19, grifo nosso).

12Tais fundamentos auxiliam na problematização da essência do urbano. A percepção da cidade ocorre no ato da busca de suas evidências; o conceito cidade é pura abstração, se absolutamente apartado dos elementos que dão corpo ao fato cidade. Por isso, cabe, sempre, determinar quais as evidências que a observação nos oferece, para cartografar o fenômeno percebido como sendo, então, cidade na história. Dos elementos perceptíveis em um primeiro nível, temos: o aglomerado de edificações e equipamentos que formam a massa contínua de construções com diferentes gabaritos; as vias de circulação e de energia. A percepção em um segundo nível identifica a multiplicidade de funções definidoras da cidade: residencial, industrial, financeira, serviço, comercial, religiosa, administrativa, segurança etc. Estas funções das cidades podem ser distribuídas de forma dispersa ou concentradas pelo espaço; ainda, em zonas especializadas para cada função. Quanto à densidade demográfica ou o povoamento, as posições teóricas são divergentes, na sua definição. O mais relevante é que esta população tenha uma aderência com o território e esteja ligada, em sua maioria, a atividades não-agrícolas. As funções residenciais são percebidas predominantes, dispersas ou ligadas a outras funções. Um terceiro nível de percepção da cidade é aquele capaz de aproximar à essência do urbano, ou seja, captar no fato espacial cidade sínteses do movimento histórico da sociedade. Os níveis de percepção espacial sugeridos variam segundo o sujeito e o lugar de observação; mas, os níveis espaciais têm, desde sempre e independente ou mesmo antes de percebidos, conexões pregressas. Merleau-Ponty (2011) entende que não há nível espacial solto ou em parte alguma, pois, para ser determinado no espaço, precisa de um nível anterior a qualquer considerado primeiro nível.

13Se as transformações espaciais das cidades acontecem desde o paleolítico, pós- Revolução Agrícola (Palen, 1975), as percepções de primeiro e de segundo níveis, advindas da imediata e rápida observação, trazem, hoje, elementos atinentes a qualquer cidade do mundo atual, pois reproduzem características semelhantes. Gradativamente, no artigo, traremos os elementos mais gerais, que nos aproximam da realidade apresentada pela cidade e da natureza do urbano. Estas características revelam-se como continuidades e variações espaciais citadinas, que se complexificam no quadro processual da divisão técnica e social do trabalho, na realização do urbano como segunda natureza.

14Este anúncio introdutório de características citadinas não define a natureza urbana, mas as cidades já surgem com a natureza urbana. Todavia, cidade e urbano despontam como uma totalidade, no mesmo momento histórico?

15Dentre os mais destacados teóricos que buscaram o significado da cidade e do urbano, elencamos Henri Lefebvre, compromissado com o materialismo histórico e dialético. “Reservamos o termo sociedade urbana à sociedade que nasce da industrialização. Essas palavras designam, portanto, a sociedade constituída por esse processo que domina e absorve a produção agrícola” (Lefebvre, 1999, p. 15). Vamos problematizar, no decorrer do artigo, esta colocação e, ainda mais, o significado do termo urbano, para tentar aproximar de sua essência. Com a afirmação absoluta de H. Lefebvre, minimiza-se o significado econômico-cultural de grandes cidades como Roma, Atenas, Alexandria, Babilônia, Florença, Gênova etc., enquanto centros originários da natureza urbana.

16Entendemos como expressivo acontecimento histórico a divisão técnica e social do trabalho, a qual conduziu à separação territorial entre atividades do campo e espaço da cidade. Tal separação faz aglomerar uma população que, na cidade, passa a viver de atividades dominadas pelo poder econômico, político e religioso. Essa nova sociedade buscou sua estabilidade através de novas regras, normas e leis. Mas, tanto os poderes político e econômico quanto o religioso tiveram que criar representações simbólicas, de forma que essa nova sociedade passou a viver um novo imaginário, ao experienciar aquelas representações. Segundo Bourdieu (1989), os sistemas de representações simbólicas são instrumentos de conhecimento e de comunicação; só podem escrever um poder estruturante porque são estruturados. Considera o autor que o poder simbólico é um poder de construção da realidade que tende a estabelecer uma ordem gnoseológica que torna possível a concordância entre as inteligências. Logo, os poderes na cidade criam representações e fomentam imaginários, ao longo da história, para conduzir o que se deseja, tanto pelo modo de vida quanto pela morfologia do aglomerado urbano.

17As novas práticas sociais casadas com as atividades políticas, econômicas e o poder da moeda, para troca de mercadorias, cria na cidade aquilo que Durkheim (2000) chamou conformismo lógico [padrão de ações aceitas pela repetição, que leva a uma falsa homogeneidade do espaço, para a concordância de inteligências]. Enquadra-se a cultura urbana ou a nova sociedade urbana, aquela que, gradualmente, se distancia do trabalho do campo, mas necessita dele para sobreviver.

18Um novo imaginário espacial de aglomeração está na raiz daquele conformismo lógico, em favor de uma nova sociedade, com formas originais de solidariedades e de conflitos. Deste imaginário é que vem a força do Direito Romano e da filosofia grega. Mais do que produzir a força destas instituições no mundo Antigo, esta nova sociedade urbana constituiu belezas materiais em suas cidades. Apesar de, em muitos casos, termos somente sobrevivências arqueológicas de artes esculturais e arquitetônicas, as mesmas impressionaram o olhar e o espírito da antiga e da nova sociedade industrial. Logo, a natureza do urbano não escapa a esse ciclo indagatório de percepção da matéria histórica: hoje, o sujeito que percebe o mundo ou exerce seu primeiro poder sobre ele toma-o como execução de um pacto mais antigo, concluído entre o próprio sujeito e o mundo em geral, de forma que sua história seja a sequência de uma história anterior, que utiliza resultados adquiridos; a existência do sujeito é retomada da tradição do próprio sujeito (Merleau-Ponty, 2011).

19Mais do que construir espaços de vivências e de trabalho, as cidades antigas e outras como Florença, no Renascimento, inauguravam espaços de mediação para realização das trocas e dos usos, mas também guardavam o sentido do habitar como enraizamento. Constituíram-se com estas cidades, desde a Antiguidade Clássica e Renascentista, mais do que materialidade, mas, sobretudo, estética e filosofia urbanas.

20Na feitura da objetividade e da subjetividade da produção das cidades, desde a Antiguidade, deu-se a natureza urbana. Do processo de separação do campo e da cidade, o que muito antecede a industrialização moderna, advém a sociedade urbana, cujas relações geraram e promoveram a essência do urbano, manifesta em sua objetividade e subjetividade. A objetividade e subjetividade que envolvem o urbano são objetos do item seguinte.

  • 2 Milton Santo esclarece que as relações entre espaço e formação social forjam um espaço particular e (...)

21O materialismo histórico é um método capaz de explicar a produção das formações socioespaciais2e, com elas, as cidades. Sabemos que esta produção é carregada das condições materiais da existência humana localizada. Porém as condições desta materialidade não são suficientes para explicar esta existência. O ser humano tem emoções, percepções que lhe permitem a construção de representações simbólicas garantidoras da busca do outro; caso contrário, teríamos um mundo de plena solidão. A existência humana seria um termo ou sentimento do absurdo da vida. Se, de um lado, é isto, por outro lado, é abertura de um sentimento de liberdade e de oportunidades; ao mesmo tempo, pode ser um mergulhar no niilismo, sem compromisso com o mundo objetivo. Logo, a cidade e o urbano, reciprocamente, têm a natureza vinculada a conexões econômicas pré-capitalistas reticuladas, morfologicamente, e a emoções subjetivas objetivadas, estrutural, imaginária e filosoficamente. A essência e a aparência do urbano operam, reciprocamente, pelas necessidades e pelos desejos do habitar histórico e emocional, ante a situação espacial e existencial do homem no mundo. Conforme Heidegger (2002, p. 129),

Habitar, ser trazido à paz de um abrigo, diz: permanecer pacificado na liberdade de um pertencimento, resguardar cada coisa em sua essência. O traço fundamental do habitar é esse resguardo. O resguardo perpassa o habitar em toda a sua amplitude. Mostra-se, tão logo nos dispomos a pensar que ser homem consiste em habitar, no sentido de um de-morar-se dos mortais sobre essa terra.

22A fenomenologia indica várias saídas para nossa condição existencial. Entendemos que este método possibilita [pela percepção do mundo e problematização do ser] aceitar o que J. P. Sartre denominou absurdo da vida [nascer para morrer] ou, então, buscar, pelo sujeito e pela ação social ou mesmo pela filosofia da práxis um comprometimento com os movimentos históricos de engajamento com as mudanças estruturais e estruturadas. Poderíamos, simplesmente, ser o seguinte: alienarmo-nos ou assumirmo-nos como seres históricos, que constroem o mundo para conexões perenes ou temporárias. O sentido de construção aqui assumido é salutar para a discussão posta da essência e da aparência do fenômeno urbano. A ideia construção é circunstancial, indica circunstância da ação - modo, lugar e tempo particulares. Para Heidegger (2001), podemos saber a experiência de como é a construção quando pensamos a essência de cada coisa que a construção - entendida como produzir essencial e existencial - exige para sua consecução.

23O esforço de digressões, no diálogo entre a cidade e o urbano, pela busca da natureza do urbano e sua essência, significa assumir que o lugar de tal natureza antecede o momento consolidador da industrialização moderna. A sociedade urbana incorpora seus dramas existenciais antes daquele momento, pelo sentido do habitar e do construir [que não são técnicas de construção, mas, modo de ser e de existir espaciais]. Esse drama existencial emerge com o distanciamento estabelecido da sociedade e a natureza, esta primeira que faz o novo mundo urbano de relações complexas: onde se desenvolvem conflitos de classe, lutas pelo poder político e econômico, produzem símbolos e imaginários. No interior destas estruturas, onde consolidam o subsolo da sociedade, está a essência definidora da natureza urbana. Questionamos, então: quando essa essência se anuncia (mais do que se define)? Desde o momento que campo e cidade se separaram e o primeiro submeteu-se ao poder da segunda; fazem-se novos lugares gradualmente estabelecidos; ainda, desde que o conflito campo-cidade e os conflitos internos nas e das cidades cresceram (com a divisão social, territorial e técnica do trabalho) e passaram a se submeter aos Estados autoritários (instituindo forças de poder, controle e segurança), na Antiguidade Arcaica.

  • 3 O meio ou período natural representa a história da sociedade até fins do século XVIII [substituído (...)

24A cidade, enquanto símbolo do poder político, econômico, militar e religioso, gerou a complexidade dos conflitos; a sociedade passa a vivenciar, cada vez mais, a angústia da existência na vida urbana. A essência do urbano carrega esta angústia vivida no ser urbano, que muito antecede o modo de produção capitalista, promotor de tecnologias modernas de circulação e de comunicação estimulantes da aproximação-distanciamento dos indivíduos. Tecnologias como novos entes entre as pessoas, que impessoalizam as relações, na história e em distinta gravidade. É um equívoco de análise afirmar que a vida no campo, ao longo da história humana, não incorporou essas transformações. Ao que Milton Santos definiu por meio ou período natural3 - toda história técnica antecedente à Revolução Industrial -, preferimos chamar meio técnico-primário, ou seja, aquele que não violenta, intrinsicamente, a natureza, mas que já conduzia, em mais lenta progressão, à individualização dos sujeitos, nas cidades e no campo.

25A existência na e da vida urbana perfaz um mundo de oportunidades e frustrações. As realizações das pessoas são decididas como em um jogo de cartas marcadas. A sensação de que as oportunidades se abrem para todos é uma ilusão. Nesse jogo, os vencedores não são os mais aptos, mas os que têm origem nas classes dominantes. A cidade, na concentração de poderes e locus primário da transformação técnica, cria o imaginário de ser a Grande Meca da redenção humana. No pensamento existencialista, a condição existencial do sujeito lhe oferece liberdade para: construir-se historicamente ou viver em sua alienação. Nesta natureza complexa do urbano, desponta a possibilidade do seu engajamento histórico. Na angústia da existência, surgida do absurdo da vida - nascer para morrer - e intensificada pela exclusão das oportunidades que a vida urbana pode oferecer, e com o desafio da construção, o engajamento do ser histórico produz a essência da vida urbana. A construção e o habitar [no sentido heideggeriano de cultivar, crescer e edificar pela existência e o ser] são ressignificados, na medida em que os sujeitos históricos reconhecem a importância da luta pela superação das contradições inerentes ao urbano e à nova sociedade. No âmbito de uma fenomenologia existencialista, a essência da vida urbana objetiva e subjetiva carrega a angústia da existência.

26A divisão técnica e social do trabalho, por uma via, deu sentido complexo ao urbano, por outra, ampliou o potencial de alienação ante a possibilidade de engajamento histórico pela luta social. O urbano guarda a dialética sujeito natural / sujeito histórico social; representa, pela cidade, as necessidades básicas do sujeito histórico social - comer, vestir, habitar, e o desejo grandioso da conquista. A sociedade urbana - movida pelo trabalho e pelo construir, mesmo antes da indústria - tem no homem urbano aquele dilema existencial sartreano: ele está condenado a ser livre; mas, esta condenação demanda estar sempre à frente das opções existenciais - alienar-se ou engajar-se, quando o destino do sujeito é viver o seu ser. Isso denota uma subjetividade no nível social lançada em uma subjetividade urbana. “Tudo o que um indivíduo faz, todos os seus projetos, todo os seus atos, tudo o que ele suporta também, só reflete, só encarna a própria sociedade” (Sartre, 2015, p. 100).

  • 4 Marcel Mauss ([1925], 2003) fez importante trabalho sobre reciprocidade, intercâmbio e origem antro (...)

27Vivenciar a nova vida urbana complexa, criadora em sua essencialidade, é viver aquela liberdade sartreana do engajamento ou da alienação, cuja realidade é reforçada na cidade. Vivemos em cidades densamente povoadas e com desafios relacionais impostos pelas novas tecnologias. Talvez, a maior contradição que a atual vida urbana nos apresenta é de que estar próximos não significa estar juntos. O novo homem urbano opera com o sistema e não com o seu próximo, o que faz perverter aquele sentido antigo do habitar aglomerado e mais solidariamente. Esta contradição é representativa no urbano do capitalismo industrial e semiótico, mas já operava, em germe, em seu período técnico-primário ou no urbano clássico e medieval, quando o sistema operante incluía a dádiva maussiana4 - o dar, o receber e o retribuir.

28A essência do urbano, que define sua natureza, é apreendida em um mundo de representações materiais e simbólicas, da economia à religião enquanto realizações da vida aglomerada; essência tomada em um mundo no qual o imaginário individual e coletivo sempre garantiu, no meio dos conflitos, também a coesão da sociedade e a coerção dos aparelhos repressivos. A complexidade social, que se constitui na diversidade de relações advindas das técnicas e das tecnologias, perfaz a dialética aproximação-distanciamento dos sujeitos enquanto natureza do urbano, na história.

29A cidade e o urbano ou a aparência e a essência do fenômeno constituem um todo dialético fundado no ser social construtivo, habitacional e emocional. A essência do urbano guarda a singularidade contraditória do fenômeno aqui tratado pela síntese dos métodos dialético e fenomenológico, buscando a historicidade da existência e as experiências emocionais. A essência do urbano guarda a essência do sujeito histórico social, pois, “a análise da essência e da existência permite dizer que a essência do homem é a sua existência. Isto é, o homem só pode preencher sua essência se apreender e elaborar plenamente sua existência” (Marcuse, 1968, p. 89). Tudo isso se dá no plano espacial e habitacional, pelo permanecer, pela preservação e pelo resguardo ativo das coisas materiais e emocionais do mundo, por mais que o resguardar demande transformar.

Salvando a terra, acolhendo o céu, aguardando os deuses, conduzindo os mortais, é assim que acontece propriamente um habitar (...) Como os mortais trazem à plenitude o habitar no sentido desse resguardar? Os mortais jamais o conseguiriam se habitar fosse tão-só uma de-mora sobre a terra, sob o céu, diante dos deuses, com os mortais. Habitar é bem mais um demorar-se junto às coisas. Enquanto resguardo, o habitar preserva a quadratura naquilo junto a que os mortais se demoram: as coisas (Heidegger, 2001, p. 131).

30A seguir, sobre a ideia de que tanto a existência quanto a essência são dados históricos que se manifestam na aparência da cidade, nos deteremos sobre a objetividade e a subjetividade constitutivas da natureza do urbano. O que possibilitará problematizar a tese lefebvriana da “urbanização completa da sociedade” e reforçar o “construir”, o “habitar” e o “resguardar” heideggerianos como constituintes da essência do urbano.

31A natureza do urbano: objetividade e subjetividade

32Inicialmente, cabe fundamentar, com J. P. Sartre as noções de objetividade e de subjetividade. Sartre (2015, p. 99) diz que subjetividade é interiorização e retotalização: “vive-se; a subjetividade é viver o seu ser, vive-se o que se é, e o que se é em uma sociedade, pois não conhecemos outro estado do homem. Ele é precisamente um ser social que vive a sociedade inteira do seu ponto de vista”. Importante já reconhecer com Sartre que a subjetividade é tomada na práxis, ou na relação prática e afetiva com as pessoas e coisas que nos cercam, onde a subjetividade é um momento indispensável da passagem à objetivação. “A passagem do ser material, sob sua forma real, mas ainda não objetiva, à realidade objetiva, social, com todas as contradições que ela vai implicar nesse momento, supõe o momento subjetivo, tanto no grupo como no indivíduo” (Sartre, 2015, p. 133). A natureza do urbano envolve essa retotalização social constituinte da objetividade e da subjetividade, que também são históricas.

33Dificilmente, mesmo com a arqueologia, precisaremos, na flecha do tempo histórico, o recorte exato do surgimento da cidade e do urbano. O melhor que podemos afirmar é que, no período neolítico - entre 9.000-4.000 a.c -, começaram a surgir formas mais complexas de vida aglomerada, superando a aldeia (Mumford, 2008). A união da cultura paleolítica com a neolítica permitiu o surgimento de uma vida material e espiritual mais complexa. Caçadores, lenhadores, camponeses, mineiros, por um lado; por outro [sendo funções mais sofisticadas], os barqueiros, o mercador, os sacerdotes e os engenheiros põem-se em convívio de funções.

A cidade surgiu como um emergente definido na comunidade paleoneolítica (...) Na evolução emergente, a introdução de um novo fator não faz apenas aumentar a massa existente, mas produz uma transformação geral, uma nova configuração, que altera suas propriedades (...) Assim também ocorre com o salto a partir da cultura de aldeia. Os antigos componentes da aldeia foram transportados ao novo plano e incorporados na nova unidade urbana (...) recompostos num padrão mais complexo e instável que o da aldeia (...) A composição humana da nova unidade tornou-se igualmente mais complexa; além do caçador, do camponês e do pastor, outros tipos primitivos introduziram-se na cidade e emprestaram sua contribuição à sua existência (...), cada qual levando consigo os instrumentos, habilidades e hábitos de vida formados sob outras pressões (...) Partindo dessa complexidade, criou a cidade uma unidade superior. (Mumford, 2008, p. 33-34)

34No contexto de diversificação da vida material, cria-se uma forte aderência com os novos lugares, por força do segmento religioso e dos aparelhos de segurança, os quais tiveram protagonismo na coerção e estabilidade social, já na Antiguidade. Antes mesmo da expansão para fora de seus grandes muros, as cidades viveram um processo de implosão de seu poder. Reis e sacerdotes exerciam esta força centralizadora. Paralelamente, as grandes muralhas que circundavam as antigas cidades representavam, também, símbolo de coesão identitária daqueles que pertenciam ao espaço das cidades, apesar de concentrar população em condições sociais muito desiguais: trabalhadores livres e escravizados. A muralha era símbolo congregador potencial dos conflitos das classes sociais, ao favorecer a vigilância e o controle sobre a força de trabalho; era um limite para o exercício de poderes (Figura 1).

Figura 1 – Babilônia, cidade antiga da Mesopotâmia

Figura 1 – Babilônia, cidade antiga da Mesopotâmia

Capital de vastos impérios antecedentes à Cristo. Murada desde suas primeiras dinastias, apresentava monumentos, trama viária, tecido residencial, zonas definidas.

Fonte – https://www.youtube.com/​watch?v=I1Hbht4iNQg. Reconstituição da Babilônia feita pelo Royal Ontario Museum & British Museum.

35A força de expansão extra-muralha dos aglomerados, com objetivos de conquistas territoriais, residia neste fortalecimento de sua coesão interna: a centralização dos dois poderes [religioso e político] não garantia só a coesão e a segurança física dos mesmos, mas a possibilidade de paz, sem a qual o comércio não floresceria. Necessário retomar o que já foi dito: a delimitação entre o campo e a cidade criou uma população que consumia o que o campo produzia; isso nos leva a crer que a produtividade no campo aumentou a adaptação de novas culturas, principalmente dos grãos e as lavouras irrigadas, que favoreciam o crescimento das cidades. O aumento dos excedentes no campo era armazenado e apropriado nas cidades, pela aristocracia governamental ou política e religiosa. Templos, palácios e celeiros são testemunhos arqueológicos mantidos em antigas cidades. São construções que simbolizam o poder destes dois grupos das classes dominantes das cidades antigas. Os celeiros eram, quase sempre, controlados pelos sacerdotes e achados juntos aos templos; as técnicas de armazenamento dos alimentos garantiam a propriedade da cidade, a dinamização do comércio e o novo lugar da aristocracia. O surgimento da cidade não anulou o campo, pelo contrário, estimulou o surgimento de novas aldeias para atender a demanda de consumo da própria cidade. Como destaca Mumford (2008, p. 34, grifos nossos),

A cidade efetuou uma mobilização de potencial humano, um domínio sobre os transportes entre lugares distantes, uma intensificação da comunicação por longas distâncias no espaço e no tempo, uma explosão de inventividade, a par de um desenvolvimento em grande escala da engenharia civil, e, o que não é menos importante, promoveu uma nova e tremenda elevação da produtividade agrícola (...) O próprio incentivo de ocupações não-agrícolas acentuou a necessidade de alimentos e provavelmente causou a multiplicação de aldeias e a entrega de mais terras ao cultivo. Dentro da cidade, muito pouco da antiga ordem foi eliminado no princípio: a própria agricultura, na Suméria, continuou sendo praticada em grande escala por aqueles que viviam permanentemente dentro das novas cidades muradas.

36Cidade que simboliza o auge das cidades antigas é Atenas. Teve sua magnitude na arte, na arquitetura, na escultura e na filosofia. Projetou para o mundo grego o florescimento das cidades-estados, representando mais que uma forma de organização política: simbolizou a unidade dos habitantes pela unidade religiosa e social descendente do mesmo Deus. Cidadania e culto unificava a população, inclusive para defesa da cidade. Na sociedade ateniense, como em toda Grécia Antiga, mulheres, crianças, escravos e estrangeiros não eram considerados cidadãos. Aristóteles entendeu que o número de habitantes para uma cidade-estado deveria ser suficientemente grande [mas, que não promovesse profundas transformações], para garantir a defesa e assegurar que todos os cidadãos se conhecessem (Palen, 1975).

37A ideia da cidadania na Grécia leva-nos a pensar, também, na importância que os espaços livres representavam para uma parcela de pessoas nas cidades. A Ágora era espaço de atos políticos e do mercado (Figura 2). A importância da função religiosa se expressava nos cuidados com as áreas externas aos templos, diferentemente de outras áreas da cidade. Essa materialidade denota uma morfologia dada por nova consciência artística, filosófica e sensível, mas que, paradoxalmente, representa um novo tipo de aglomerado dominado por um novo tipo de homem, que se perpetuará na história - colonizador e imperialista. O aumento populacional impôs dificuldades à democracia urbana emergente, na Atenas do século V; crescem as contradições entre a profissão política, a política militar e a necessidade econômica; na busca de suprimento alimentar para seu povo, Atenas tornou-se exploradora imperialista e, com isso, desfez toda a comunidade (Mumford, 2008). Nesse ponto, vale retomar o preceito materialista de que cada geração fundou-se, na sua reprodução, em predecessoras; forças de produção e modos de produção refazem-se em circunstâncias totalmente novas (Marcuse, 1968); sendo a história modificação em cada momento, a natureza do urbano segue essa objetividade histórica em transformação de sentidos. O domínio de novos territórios e povos por meio da guerra é um dos muitos sentidos resguardados pela cidade na história.

Figura 2 – Atenas antiga [ressaltadas a Ágora e a Acrópole]

Figura 2 – Atenas antiga [ressaltadas a Ágora e a Acrópole]

Fonte: http://classicaunirio.blogspot.com.br/​2013/​06/​aula-6-atenas.html

38A força cultural das cidades gregas pode ser avaliada na grandiosidade de outra cidade da antiguidade clássica: Roma. A Grécia alimentou o imaginário na produção da cidade de Roma; sua arquitetura e esculturas mostram o empenho em recriar a plasticidade das cidades gregas, especialmente de Atenas. Durante o governo do Imperador Cláudio (41 a 54 d.c), foi realizado recenseamento no qual Roma administrava um império com vinte milhões de pessoas, somadas mulheres e filhos, os escravos, aos cidadãos romanos (Palen, 1975). Tal número nos permite pensar no poder centralizador e a complexidade administrativa da cidade; são famosos os esgotos e aquedutos que a serviam. O amadurecimento do direito romano parece ter raiz no gigantismo de sua população e no valor das terras conquistadas, na organização do Império. As duas cidades referenciadas (Atenas e Roma), com uma vida objetiva e subjetiva intramuros, denotam a origem do urbano na Antiguidade Arcaica (cidades da Mesopotâmia e do Egito) e na Antiguidade Clássica. A cidade, assim, deve ser tomada de ponta a ponta enquanto objeto histórico, crescido em determinada situação histórica, com formas e determinações de existência em conexões e mediações (Marcuse, 1968). A sociedade urbana não se faz em um passe de mágica.

39A escravidão como forma de trabalho humano foi responsável pelo crescimento das cidades e dos impérios na Antiguidade, até o surgimento do feudalismo com a servidão. Às vezes, fica difícil pensarmos como a relação dominação-subordinação de um homem sobre o outro tenha sido o fundamento do percurso histórico da Antiguidade Arcaica à Clássica. É bom retomar que não apenas a coerção física garantiu a estabilidade da sociedade, diante do trabalho compulsório. Mais que a violência física sobre o escravo – pelo trabalho –, constituiu-se o imaginário coletivo, que transcendeu séculos, de uma ordem natural escravocrata. O fluxo objetivo e subjetivo dessa submissão, para ser rompido, demandou forças contraditórias no regime de trabalho e do processo de acumulação, nas cidades, no interior da vida urbana, locus das grandes rupturas.

40Tomemos como núcleo daquelas contradições, o que ocorreu nas cidades do período de formação do capitalismo comercial. O artesão medieval, gradativamente, foi se proletarizando. O novo capitalista, agora, se apropriou de suas ferramentas e de sua força de trabalho, comprando-a no mercado como qualquer outra mercadoria. A única propriedade que restou para o trabalhador foi sua força de trabalho, posta em circulação no mercado. Trabalhador que passa a ser livre, para vender sua mercadoria geradora de novas mercadorias [menos interessa o corpo do escravo, mas sua força de trabalho].

41Para que muralhar? O espaço para troca de mercadorias deve também ser livre: este é o grande dilema do sistema - excedente privado, trabalho socializado. Assim, as cidades capitalistas organizaram não somente espaços urbanizados. Segurança interna para a paz comercial e segurança pelas estradas para satelitizar as cidades em torno das grandes cidades mercantis. Pontes, portos e encruzilhadas das grandes rotas de transportes foram nascedouros de grandes cidades (Figura 3).

Figura 3 – Vista aérea de Bruges, cidade belga da região de Flandres.

Figura 3 – Vista aérea de Bruges, cidade belga da região de Flandres.

Suas primeiras fortificações são do século I a.c; é muralhada no medievo, quando entra no circuito comercial flamengo e assume relações, também de comércio, com o Mediterrâneo.

Fonte: http://www.anselmus.be/​fr/​accueil/​#fr/​hotel

42De acordo com Mumford (2008), essa nova vida urbana, tanto no mercado quanto nos escritórios da burocracia comercial, tinha o tempo cronometrado pelo relógio. Pela primeira vez, as praças apresentam seus relógios controlando o cotidiano social. Se, nas cidades antigas e medievais, os muros fortaleciam a coesão e a unidade das cidades, nas cidades mercantis, serão os Impérios e, na sequência, o Estado nacional, os aparelhos de repressão ou contenção dos valores relativos à ordem pública. A muralha é suplantada por um imaginário coletivo de coesão pela mercadoria, tudo criado, unificado e instituído no cerne do poder estatal [travestido, na modernidade, pelo nacional]: a língua, a moeda, as diferentes formas de representações simbólicas para o controle e a coerção. A centralidade do fisco e o domínio dos mercados são funções estratégicas no capitalismo mercantil. No lugar das muralhas, a fiscalização passa às fronteiras, agora severamente vigiadas e cartografadas. Mais adiante, para substituir a muralha, as cidades modernas assumem a vigilância panóptica, na qual o poder e o controle são exercidos sem que consigamos identificar, imediatamente, seus executores (Foucault, 1987). A queda da muralha e o controle técnico do tempo para o trabalho são ainda a muralha e o tempo livre, pois a produção das ideias, das representações, da consciência, estão imediatamente implicadas na atividade material e na relação objetiva dos homens, na história (Marcuse, 1968). O que se toma por natureza e sentido do urbano apreende-se pelo fato cidade em sua objetivação e subjetivação, prenha de contradições, nessa sociedade do controle.

43A Revolução Industrial foi o novo que veio para redefinir o antigo território estatal moderno e as cidades. Cidades como Londres, Bugres, Antuérpia e outras estimularam a derrubada das restrições que pudessem impedir o comércio. Porém, a grande mudança que ocorreu na economia e o espaço das cidades foi o surgimento da energia a vapor. As indústrias surgiam da pequena casa do artesão, agora ordenadas nos aglomerados urbanos. Os espaços das cidades eram concorridos pelas grandes fábricas e pelos bairros. Os trabalhadores disputavam palmo a palmo moradias em insalubres cortiços.

44A partir do século XIX, as cidades cresceram como tentáculos, auxiliadas pelo novo transporte ferroviário, tecnologias, ambição pelos lucros cada vez mais crescentes, novas indústrias da cadeia tecnológica na produção de bens de consumo duráveis. A indústria e o grande mercado fizeram proliferar um espaço contínuo de cidades, originando os embriões de grandes metrópoles do mundo contemporâneo (Mumford, 2008).

45Este sucinto panorama que conforma objetivação-subjetivação das cidades e o urbano, na história, reforça nossa tese sobre a essência e a natureza do urbano. Por essência entendemos determinações e não contingências do fenômeno; é o elemento básico ou primário do ser de uma coisa, a natureza da coisa ou aquilo sem o qual ela não poderia ser o que é e tomada pela existência histórica (Blackburn, 1997; Marcuse, 1968). O surgimento da cidade como a negação-afirmação dialética do campo guarda a essência do urbano, que atravessa a história. Na relação com o meio, a sociedade que se constitui o faz pelo construir e habitar heideggeriano, ou seja, pelo resguardo da existência essencial, pois o é pela existência histórica material e imaterial do fato aglomerado. “As coisas construídas com autenticidade marcam a essência dando moradia a essa essência (...) A essência do construir é deixar-habitar” (Heidegger, 2001, p. 138).

46Assim, cidade e urbano, essência e aparência, objetividade e subjetividade são termos indissociáveis e historicamente determinados. Desde as cidades antigas até as cidades industriais, mesmo com as grandes transformações sociais, físicas e imaginárias ocorridas na história do domínio da terra - que faz o território -, houve um notório elo para a continuidade que denota a essência do urbano: o permanente processo de divisão técnica e social do trabalho, favorecedor do aumento da complexidade das interações sociais dentro das formações socioespaciais. Mudanças técnicas sempre significaram mudanças nas configurações da vida objetiva e subjetiva da cidade e do urbano.

47Caíram as muralhas, ergueram-se múltiplas fronteiras. A indissociabilidade da cidade e do urbano, movida pelas técnicas, possibilita questionar a tese lefebvriana absoluta de que a urbanização completa da sociedade advém da industrialização. “Denominaremos ‘sociedade urbana’ a sociedade que resulta da urbanização completa, hoje virtual, amanhã real” (Lefebvre, 2009, p. 15). A “urbanização completa da sociedade” é um devir; portanto, podemos considerar esta tese dialética ou profética? Para Lefebvre (2009), ao se designar urbanização ou sociedade urbana para qualquer cidade, incorre-se em grande confusão, pois, colocam-se entre parênteses as relações de produção e comparam-se sociedades urbanas que nada tem de comparáveis. É válida a afirmação de que “sociedades urbanas distintas nada tem de comparáveis”? Como prever uma “urbanização completa da sociedade”? Somente na sociedade industrial se tem o domínio e absorção da produção agrícola? Se “essa sociedade urbana só pode ser concebida ao final de um processo no curso do qual explodem as antigas formas urbanas, herdadas de transformações descontínuas” (Lefebvre, 2009, p. 15), onde situa, nessa análise, a dialética da história?

48Existir não é uma posição etérea, o fundamento da existência é o mundo real também feito de abstrações, imaginários, representações simbólicas: garantidores da coesão social. Aceitamos que o materialismo histórico é o fundamento da produção da sociedade, mas não parte da indústria moderna a sociedade urbana ou a natureza do urbano. Sendo também o mundo das representações, da cultura, do habitar e do construir, que já existiam nas cidades gregas, medievais, renascentistas, o urbano é devir objetivo, subjetivo, emocional e, sobretudo, histórico. A cultura urbana se institucionalizava através da objetivação de coisas como bibliotecas, arquitetura, arte, templos e palácios, com intencionalidade do saber para o poder político e econômico geracionais, além de realizarem condutas de comportamento nesse complexo mundo de interações. Bens guardiões da essência do urbano, que define e dá sustentação à existência e ao ser urbanos. “A plenitude da essência é o edificar lugares mediante a articulação de seus espaços. Somente sendo capazes de habitar é que podemos construir, resguardar” (Heidegger, 2011, p. 139).

49A muralha garantia a hegemonia política e o pensamento hegemônico no interior de uma adversidade localizada; dava coesão interna a diferenças espacializadas. A muralha ajudava a fortalecer identidade e pertencimento, como o centro histórico: símbolo objetivo que guarda a memória do habitar e da construção sociais, na totalidade da diversidade urbana. O edificado resguarda insistências e intencionalidades de congregar o terreno e o divino, a matéria e a ideia, o aprisionamento, a liberdade e o controle, como amálgama, nas coisas. Dessa tese, partimos para o pensamento do centro histórico na qualidade de memória na totalidade urbana e síntese da natureza do urbano, pois realiza permanente diálogo com a cidade que se reproduz ao largo da história.

50O centro histórico das cidades: memória na totalidade urbana

51O centro histórico é a síntese da antiga cidade, núcleo resistente que guarda novos sentidos de muralha e de fronteira. O mesmo sugere que o Estado de controle, nas cidades, não morreu e, na sequência histórica do capitalismo, as significações heideggerianas do construir e do habitar - enquanto resguardo - seguem dando sentido ao urbano.

52Sergi Rígol considera que a partir do centro da cidade organiza-se todo o resto do espaço urbano, e do qual partem as imagens que projetam a cidade, ou seja, servem à atração de pessoas e capitais, notoriamente, do exterior. “O centro das cidades é, sobretudo, o palimpsesto que define a cidade completa, já que a superposição de tempos cronológicos e históricos é maior que em todos os lugares da mesma cidade” (Rígol, 2010, p. 12).

53Reconhecemos a força teórica desta tese de Rígol. Mas, é preciso ponderar a ideia de que o centro das cidades define a cidade completa. Para nós, o centro histórico tem uma densidade e uma representação histórica e simbólica potente, ao ponto de se estender a outros espaços urbanos produzidos no crescimento da cidade. As relações político-econômicas sociais que perfazem os novos espaços constroem identidades, mas, sem romper com os nexos do núcleo fundador [de essência muito densa], pois a cidade se faz, também, na relação entre espaços. Leonardo Benevolo avalia a mudança da cidade antiga e medieval para moderna, na Europa, e considera que não existe mais o organismo das mesmas: permanecem algumas construções e ambientes isolados, em um novo organismo quase contínuo, do centro para a periferia.

Estes episódios de construção ocupam muitas vezes um lugar de honra, pois os monumentos servem de fundo panorâmico para as ruas modernas, as torres das igrejas dominam ainda o perfil da cidade, em concorrência com os arranha-céus; a arte da construção moderna circunstante conserva os entulhos e os acabamentos tradicionais a fim de “afinar” com a presença das construções antigas; os monumentos mais importantes são restaurados e mantidos como novos, a preço de enormes despesas. (Benevolo, 2006, p. 67-68)

  • 5 Costa (2015) apresenta uma proposta metodológica de análise dialética entre centros históricos e pe (...)

54Portanto, pensar a cidade em sua totalidade e como uma totalidade não é o mesmo que estabelecer uma tábula rasa, considerar que todos os espaços são iguais ou independentes. Cada porção de espaço guarda especificidades no interior dessa totalidade dinâmica. Não são fragmentos isolados, são fragmentos que interagem no movimento histórico da formação social na qual a cidade está inserida, criando rupturas e nexos de aproximação entre esses espaços. Totalidade que possui vasos comunicantes, fluxos multidirecionais, forçosamente, criadores de processos interacionais entre espaços. O cuidado teórico está em não pensar que todas as partes da cidade são dependentes do centro, material, simbólica e diretamente, ou que este guarda todos os sentidos e contradições da cidade, mesmo sendo o centro marco simbólico de referência inicial do núcleo fundador.5

55Para Benevolo (2006, p. 69), cidades como Paris e Milão cresceram de forma intensa, na modernidade, de maneira que o núcleo medieval foi quase totalmente arrasado, mantendo-se elementos estruturais, que ainda influenciam com eficácia o corpo bem maior da cidade contemporânea; “basta pensar na distinção entre a cité, a ville e a université na estrutura de Paris”; o centro histórico dessas cidades constitui um “organismo unitário e bem diferente da coroa dos bairros periféricos; nesses locais, habita e trabalha uma população com uma relação entre vida e ambiente, ainda comparável com aquela própria da cidade antiga, e uma história que se liga em descontinuidade às vicissitudes do passado”. Costumes e heranças sociais vêm do passado e são testemunhos vivos que não se restringem à arquitetura e aos documentos, uma vez que o habitar heideggeriano remete a um construir pelo qual apreendemos a essência do urbano vinculada ao existir espacialmente.

56Se os novos espaços têm nexos com o centro histórico, o mesmo também se retroalimenta desses novos espaços, criando um movimento de produção e reprodução de identidades, de memórias e de espacialidades recíprocas, cujos limites são difíceis precisar. Ao perguntarmos para um morador de um bairro qualquer de São Paulo qual é sua cidade, ele pode fazer, imaginariamente, uma conexão entre o próprio bairro e a cidade, na construção de uma totalidade. No seu imaginário, podem estar impressas representações que ficam no limiar da consciência e a cidade, as quais podem chamar o centro que guarda os monumentos, as instituições localizadas nesse núcleo fundador da cidade ou que se expressa como totalidade da cidade. O imaginário pode guardar o centro e a totalidade da cidade, caso o morador transcenda e não anule o seu espaço de morada, pois tem uma representação simbólica mais ampla. Quer dizer, fenomenológica e dialeticamente, a cidade está sentada no sujeito em situação espacial histórica. E o espaço “não é nem um objeto, nem um ato de ligação do sujeito, não se pode nem observá-lo, já que ele é suposto em toda observação, nem vê-lo sair de uma operação constituinte, já que lhe é essencial ser já constituído, e é assim que magicamente ele pode dar à paisagem as suas determinações, sem nunca aparecer ele mesmo” (Merleau-Ponty, 2006, p. 342-343).

57O centro histórico como marco fundador de uma cidade é também a referência simbólica que guarda em si a essencialidade da natureza urbana. Dificilmente encontraremos em outro lugar, que se expandiu a partir do mesmo, a força das representações simbólicas expressas por suas instituições políticas, civis e religiosas. Vale lembrar o centro de Roma e o Fórum Romano, símbolos não somente de uma cidade, mas de um Império. O significado do centro histórico, na modernidade, está mesmo na sua capacidade de transtemporalidade ligada à essência urbana. Não são representações secundárias da cidade contemporânea, mas “paladinos de um ambiente heterogêneo, mais antigo por origem e ao mesmo tempo mais moderno por vocação e virtualidades de desenvolvimento” (Benevolo, 2006, p. 71). Mas, o esforço contemporâneo pela preservação do centro histórico revela seu valor genético global, que remete à cidade do passado e à cidade do presente: em ambas, a essência do urbano reside no construir e no habitar, para o resguardo e a confirmação perene de um existir que é, sobretudo, espacial.

58Nem sempre as cidades trazem centros históricos ou antigos, como Barcelona, São Paulo, Salvador, Cidade do México, Ouro Preto ou mesmo como o do exemplo romano. O caso de Brasília, capital nacional, é singular. Permite-nos pensar em uma cidade planejada e em uma prótese inaugurada, quando o Brasil todo passou a comemorar, a partir de 21 de abril de 1960, um símbolo global da modernidade e do modernismo. Ao pensar e percorrer Brasília, perguntamo-nos: onde estão seu centro de fundação, as antigas residências e as classes sociais que as ergueram, suas igrejas, equipamentos e instituições públicas e civis? Brasília surge como uma cidade vazia, ela própria ávida por ocupação. Posteriormente, sentimos falta de um núcleo fundador, de um mínimo de herança arqueológica que testemunhe seus primeiros povoadores. A cidade eclodiu, materialmente e como ideário político, no interior do domínio florestal do Cerrado (Figura 4).

Figura 4 – Marco Zero de Brasília, em meio ao Cerrado. Cruzamento do que viriam a ser o Eixo Rodoviário e o Eixo Monumental do Plano Piloto de Brasília.

Figura 4 – Marco Zero de Brasília, em meio ao Cerrado. Cruzamento do que viriam a ser o Eixo Rodoviário e o Eixo Monumental do Plano Piloto de Brasília.

Fonte: Arquivo Público do Distrito Federal / Mário Fontenelle /Augusto Areal

59A cidade construída em cinco anos mobilizou pessoas e materiais de várias regiões do país. A força de trabalho edificante da cidade, após a inauguração, não poderia permanecer, sendo remetida às regiões de origem e, após sérias lutas pela fixação, depositadas em áreas de fazendas desapropriadas; o que deu origem a núcleos urbanos distantes da prótese construída - caso de Candangolândia, Ceilândia, Taguatinga, Gama e outras. Perguntar a um morador de Brasília o que é ou onde está o seu centro histórico é inócuo. Porém, Brasília traz, significativamente, o sentido de conquista e de domínio inerente à existência e à natureza urbana, na história. Foi projetada e construída para o controle político e econômico do território brasileiro. Costa e Peluso (2016, p. 32) consideram a respeito desta capital, que,

Planejar, implementar e alojar as classes destinadas ao Plano Piloto projetado por Lúcio Costa implicava na negação de um Brasil cuja urbanização seguia as vias da negligência a totalidades territoriais. Recusavam-se as ‘multidões’ que ‘invadiam’ o espaço-modelo e nele pretendiam se alojar. Tais multidões, porém, almejavam moradia como forma de se tornarem sujeitos inseridos neste ‘novo mundo urbano’; testemunho disso foi a fragmentação territorial da cidade unitária para abrigar a classe trabalhadora, que deveria regressar às suas terras de origem.

  • 6 Colina localizada entre o Vale do Anhangabaú e o Vale do Tamanduateí. A denominação Triângulo Histó (...)

60O caso de Brasília é singular. Quase todas as grandes capitais da zona litorânea do Brasil tem os marcos de seu núcleo fundador colonial, que permitem referenciar a memória histórica destas cidades. São Paulo é exemplar; mesmo com o crescimento arrasador de seu espaço edificado, ainda possui construções simbólicas do núcleo urbano de fundação. Nessa capital, além das edificações, sobrevive o antigo plano viário do período colonial. No processo de produção do espaço do chamado Triângulo Histórico6, núcleo original de São Paulo, apesar da desconstrução e da reconstrução das edificações, essa espacialidade continua sendo, simbolicamente, a referência do centro da cidade para os atuais habitantes. Pessoas mais antigas, ainda hoje, quando se remetem à zona do Triângulo Histórico, designam-na como o centro da cidade. O espraiamento metropolitano e o surgimento de novas centralidades não dissolveu o sentido memorial e das representações simbólicas deste centro. Na dimensão fenomenológica heideggeriana, tais espaços, percorridos diariamente, são coisas construídas relacional e intencionalmente, fazendo-se base para pensarmos a relação sociedade-espaço. Scarlato (2010, p. 269) considera que,

O processo de expansão desordenada da região metropolitana de São Paulo, gerando uma intensa fragmentação do seu espaço, mais do que dispersar fluxos e relações de solidariedade acabou criando uma cidade amnésica. O Centro Antigo, mesmo esvaziado da importância que já possuiu, continua resistindo como um importante conjunto arquitetônico e urbanístico, marco simbólico da vida de São Paulo; mais do que isso, ele ainda é o lugar de grande vitalidade.

61Estão em relação diferentes espaços, em uma dialética que favorece o pensamento do processo totalizante espaço-sociedade, espaço-cidade-urbano. Logo, reconhecemos o centro histórico como espaço denso de significados, irradiador e receptor da essência do urbano, conforme relações surgidas da urbanização espraiada, inteirando e integrando os diversos espaços por meio de processos totalizantes geracionais da cidade.

62O centro antigo de São Paulo compreende a nova espacialidade formada pelo centro histórico e seu prolongamento para oeste, além Vale do Anhangabaú (Figura 5). Este centro, até a década de 1960, guardou em si uma intensa vida econômica, cultural e a maior concentração financeira do país; detinha grandes e luxuosas salas de cinema e o imponente Teatro Municipal. O centro antigo era local de encontro da população de quase todos os bairros da cidade; procuravam-no para lazer e serviços, haja vista que a cidade de São Paulo, naquela época, não havia perdido sua natureza de cidade monocêntrica. A importância dessa centralidade pode ser observada pelo seu plano viário atual. Suas grandes avenidas, com exceção das perimetrais Pinheiros e Tietê, cortam ou tangenciam este centro, ligando os locais mais distantes do entorno da cidade; herança de um sistema viário na forma radial concêntrica, que outrora criou grandes problemas de congestionamento nesta área central.

Figura 5 – Centro Antigo de São Paulo, Vale do Anhangabaú.

Figura 5 – Centro Antigo de São Paulo, Vale do Anhangabaú.

Fonte:
www.sampahistorica.wordpress.com

63No cerne das representações simbólicas, que vão além das funções exercidas por este centro, é dever de justiça dizer que, por mais fortes que sejam os argumentos que colocam a paisagem da Avenida Paulista como símbolo e identidade da cidade de São Paulo, este não poderá suplantar a paisagem do Vale do Anhangabaú: referência histórica e memorial. Perfaz espaço construído em suaves colinas, onde se destacam dois grandes símbolos para a cidade: o Teatro Municipal e o Viaduto do Chá, referências espaciais da memória urbana paulistana (Figura 5). A paisagem revela que nestas suaves colinas perfila uma muralha de edifícios contornando aquele que foi um dia o córrego do Anhangabaú, hoje canalizado. Morfologia e edificações dão ao lugar um cenário de monumentalidade inigualável no espaço da cidade. Mesmo com a derrubada de antigos palacetes que deixaram aparecer a influência da arquitetura europeia, hoje substituídos por edifícios modernos, a paisagem produzida esboça um elo de continuidade entre os diferentes momentos pelos quais passou a cidade. Os elementos passados, que resistem na paisagem de São Paulo, asseguram não somente o direito primário da população se sentir em sua cidade, estando em qualquer bairro paulistano, mas ajudam a reforçar a tese heideggeriana de que o habitar e o construir são resguardo de coisas para o existir em devir.

64Isso nos permite compreender o potencial deste segmento urbano para interação com a cidade em sua totalização espacial. No movimento da história, suas continuidades e rupturas não são abstrações que apagam os fatos ocorridos, as coisas ficam registradas em documentos e na matéria edificada. Podemos mesmo dizer que a cidade é um livro de pedras que deixa suas narrativas impressas no que se faz patrimônio, como o plano do espaço construído que, apesar de alterado, tem registro de sua antiguidade. O palimpsesto fica para ser desvendado na reconstrução de sua história. Como sugere Agnes Heller, os fatos históricos não são suprimidos nos processos de rupturas e continuidades do processo edificante social, pois, em determinado momento, estruturas que foram enunciadas submergem, para aí continuarem uma visão não essencial, e outras se elevam passando da não essencialidade à significatividade. O desaparecimento ou a ascensão de tais fatos devem ser entendidos como alterações internas da vida de relações; esferas heterogêneas - como a produção, a estrutura política, a ciência, a arte, a arquitetura - uma vez surgidas e constituídas no curso da história, tem a capacidade de jamais perecerem (Heller, 1985).

65Os centros históricos - com suas estruturas fundacionais enunciadas no surgimento das cidades - perduram objetiva e subjetivamente; retém estratégias e sentidos tradicionais, apesar do crescimento da cidade. Dizer que este centro está morto é ignorar a tese de que os sentidos referentes à origem das cidades não perecem: impossível negar a continuidade relativa da objetividade e da subjetividade urbanas - revelam-nos os centros históricos como memória na totalidade urbana histórica.

66Nessa altura, cabe o questionamento: por que, nas últimas décadas, precisamos um movimento mundial por projetos de intervenção para conservação e preservação de centros históricos? Pela real qualidade de vida urbana ou pelo turismo? Benevolo (2006) diz que a conservação de centros históricos levanta um problema circunscrito, cultural e estético, precisando fazer valer o interesse para o testemunho histórico e para a forma artística, a par e muitas vezes contra os interesses produtivos; estes que se tornaram independentes dos primeiros. Essas intervenções ocorrem, no caso brasileiro, pelos interesses de empreendedores capitalistas reconhecedores do potencial de acumulação a partir destes setores urbanos eleitos. Associado a esta estratégia, não podemos deixar de pensar que, nos últimos anos, o turismo [especialmente, o de eventos] tem interesse de afastar a imagem de uma cidade que desvaloriza sua história. O capitalismo quer, de forma demagógica e com o discurso de revitalizar estes espaços, proteger o patrimônio urbano para uma coletividade. Se os centros históricos tivessem mesmo mortos, este capitalismo - que já destruiu muitos patrimônios - teria interesse em ressuscitá-los? Assim, cabe crer na utopia benevoliana de que os centros não nos interessam porque são belos ou históricos, mas porque indicam uma possível transformação futura de toda a cidade em que vivemos, com respeito aos valores essenciais urbanos e do urbano feitos na história.

67O centro histórico passa de uma essencialidade para uma significatividade, como uma estrutura enunciada do passado que se eleva. Ele conecta pessoas e lugares, aproxima gerações de cidades. Na dispersão dos espaços ou na esquizofrenia da existência citadina, o centro histórico é o guardião da essência urbana, se tomado como facilitador da identidade inerente à relação material e imaterial históricas dos lugares com o próprio centro tradicional da cidade. Vale, por fim, deixar duas problemáticas conclusivas desta reflexão: é possível a dimensão existencial cidadania sem o reconhecimento do sentido pleno de habitar e de construir heideggerianos, os quais sintetizam o resguardo de valores para a dignidade da vida espacial e percorrem o tempo do mundo pelo sujeito histórico? A objetividade e a subjetividade inerentes aos centros e a todo sítio históricos não reforçariam a tese de que a sociedade urbana antecede a industrialização moderna, uma vez que a subjetividade tem uma relação direta com o objeto na história?

68O centro histórico - enquanto memória na totalidade urbana - remete ao desígnio de todas as coisas do mundo, que devem ser resguardadas no dimensionamento daquilo que, singularmente, dá sentido ao urbano: a busca da proteção e da liberdade, na ação do construir. A natureza do urbano, por assim dizer, envolve a ideia heideggeriana de libertar para a paz de um abrigo, ela é objetiva-emocional. O materialismo histórico, no entanto, revela as contradições e a essência do urbano, em sua facticidade produtiva processual; algumas dessas contradições foram aqui avaliadas.

69Considerações Finais

70A essência e a aparência são dimensões da existência, por isso, perfazem o construir e o habitar enquanto resguardar daquilo que é o núcleo da vida das relações espaciais: a liberdade de escolher como ser e como estar no mundo, por dois vieses - o da produção e o da emoção. Por isso, cidade e urbano, respectivamente, fato e fenômeno, são sínteses objetivas-subjetivas do construir e incorporam, em essência, a quadratura heideggeriana: terra e céu, os divinos e os mortais, pertencentes um ao outro numa unidade originária.

71Chegar à essência mesma do urbano requer olhar a cidade no trânsito da humanidade, pelo ato produtivo e pelos sentidos emocionais, que a objetivam e a subjetivam, na história. O materialismo histórico e a fenomenologia existencialista, aqui sustentados com Hebert Marcuse, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty e Jean-Paul Sartre (com suas variantes) possibilitam apreender a cidade e o urbano enquanto objetivações-subjetividades carregadas da primitiva historicidade da existência. A cidade e o urbano procedentes do passado tem modificado seu sentido, para novamente se fazerem passado, ou seja, o antigo gestando o novo para a existência citadina vindoura: é o próprio ato do construir e do habitar, do resguardar e do emocionar, do conquistar e do dominar, enquanto essências do urbano. O centro histórico como memória na totalidade urbana guarda essa essência e a existência vindoura, que dá significado à cidade enquanto uma totalidade histórica.

72Se considerarmos que essa essência define a natureza do urbano, a tese lefebvriana da sociedade urbana e da urbanização completa da sociedade - enquanto definições feitas por meio de uma transdução (reflexão sobre o objeto possível) - pode ser questionada, pois tem como ponto de partida a modernidade industrial. Henri Lefebvre teve o cuidado de mencionar o processo histórico que produz a cidade o urbano. Tratou da cidade política, da cidade comercial, da cidade industrial e da zona crítica, que envolve a implosão-explosão (concentração urbana, êxodo rural, extensão do tecido urbano, subordinação completa do agrário ao urbano). Para o autor, a cidade industrial precede e anuncia essa zona crítica; o urbano define-se não como realidade acabada ou de maneira recuada no tempo, mas como horizonte e virtualidade iluminadora; argumenta que o urbano é o possível.

73Este trabalho apresenta argumentos introdutórios para avançarmos sobre a tese de que a sociedade urbana do presente e do futuro [H. Lefebvre] já o é desde o seu surgimento na história, pela sua essência e natureza, frente à indissociabilidade da cidade e do urbano. Antecipa-se à passagem do rural ao industrial e do industrial ao urbano, uma vez que ela (a sociedade urbana) é uma condição espacial advinda da necessidade e do desejo históricos de construir e de habitar, em nome da dominação e da liberdade. O produtivo-material-objetivo, bem como o emocional-espiritual-subjetivo, dialética e fenomenologicamente, são mobilizações condicionantes jamais ausentes da vida espacial.

74Referências

Topo da página

Bibliografia

BENEVOLO, B. A cidade e o arquiteto. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BLACKBURN, S. Dicionário Oxford de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Diefel, 1989.

CLAVAL, P. Terra dos homens: a Geografia. São Paulo: Contexto, 2010.

CARRERAS, C; VILAGRASA, J. La Geografía Histórica. In: BALLESTEROS, A. G. (org.). Teoría y práctica de la Geografía. Madrid: Alhambra Universidad, 1986, 361-372.

COSTA, E; PELUSO, M. Imaginário urbano e situação territorial vulnerável na Capital do Brasil. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. [En línea]. Barcelona, 2016, Vol. XXI, nº 1.151. <http://www.ub.edu/geocrit/b3w-1151.pdf>

COSTA, E. Cidades da patrimonialização global. São Paulo: Humanitas-USP/FAPESP, 2015.

DURKHEIM, E. Las formas elementales de la vida religiosa. México: Colofón, 2000.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

HEIDEGGER, H. Construir, habitar, pensar. In: Ensaios e conferências. Trad. Emmanuel Leão, Gilvan Fogel, Márcia Schuback. Petrópolis: Vozes, 2001, p. 111-124.

HELLER, A. O cotiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Trad. Sérgio Martins. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999.

LYOTARD, J. A fenomenologia. São Paulo: Saber Atual, 1967.

MARCUSE, H. Materialismo histórico e existência. Trad. Vamireh Chacon. 2ª ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1968.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva - forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Marcel Mauss: sociologia e antropologia (Título original: Sociologie et anthropologie). (Tradução: Paulo Neves). São Paulo: Cosac Naify, (1925) 2003.

MERLEAU-PONTY, M. Conversas, 1948. Organização e notas de Stéphanie Ménasé; tradução Fabio Landa, Eva Landa; revisão da tradução Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 4ª Ed. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MUMFORD, L. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. Trad. Neil R. da Silva. 5ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

PALEN, J. O mundo urbano. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1975.

RIGOL, S. La cuestión del centro, el centro en cuestión. Barcelona: Milenio, 2010.

SANTOS, M. De la totalidad al lugar. Barcelona: OiKos-tau, 1996.

SARTRE, J. O que é a subjetividade? Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

SCARLATO, F. Busca do centro, reencontro com a cidade. In: CARLOS, A; OLIVEIRA, A. Geografias de São Paulo. São Paulo: Contexto, 2010, p. 247-270.

Topo da página

Notas

1 A estada na cidade de São Paulo, que facilitou a colaboração dos dois autores, foi financiada pelo CNPq. no âmbito de um pós-doutorado realizado junto ao Programa de Integração da América Latina da USP [2016-2017]

2 Milton Santo esclarece que as relações entre espaço e formação social forjam um espaço particular e não um espaço geral, da mesma forma que os modos de produção. Os modos de produção escrevem a Historia no tempo, as formações sociais, no espaço. “Cada forma geográfica é representativa de um modo de produção ou de um de seus momentos. A história dos modos de produção é também, e sobre este aspecto preciso, a história da sucessão das formas criadas a seu serviço” (Santos, 1996, p. 23).

3 O meio ou período natural representa a história da sociedade até fins do século XVIII [substituído pelo meio técnico, do século XVIII até a 2ª Guerra Mundial, com a mecanização do território e, posteriormente, pelo meio técnico-científico-informacional, até os dias atuais] (Santos, 1996).

4 Marcel Mauss ([1925], 2003) fez importante trabalho sobre reciprocidade, intercâmbio e origem antropológica do contrato. Estudou formas antigas de contratos em sociedades arcaicas como a de Polinésia, da Melanésia e do Noroeste Americano. Seu argumento é que as trocas arcaicas se davam em sistemas de prestações e contraprestações sucessivas – dar, receber, retribuir –, as quais reforçavam as alianças e laços sociais entre os diversos grupos.

5 Costa (2015) apresenta uma proposta metodológica de análise dialética entre centros históricos e periferias urbanas, no que se identificam variáveis da valorização e da valoração tanto dos centros históricos quanto dos bairros que se expandem a partir do mesmo; relação de recíproca determinação. Materialidades econômicas urbanas e subjetividades existenciais somam-se no rol de variáveis que conectam (ou apartam) centros históricos, bairros de entorno e aqueles mais distantes a esses centros. Espacialidades antigas e novas são reforçadas ou construídas, nessa interação determinante de objetividades e subjetividades.

6 Colina localizada entre o Vale do Anhangabaú e o Vale do Tamanduateí. A denominação Triângulo Histórico deve-se à espacialidade constituída onde se desenvolveu o primeiro núcleo urbano de São Paulo. É delimitado pelas ruas Direita, 15 de Novembro e Boa Vista, cujas extremidades próximas desse triângulo localizam-se as igrejas: de São Bento, de São Francisco e de São José de Anchieta (Pátio do Colégio).

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1 – Babilônia, cidade antiga da Mesopotâmia
Legenda Capital de vastos impérios antecedentes à Cristo. Murada desde suas primeiras dinastias, apresentava monumentos, trama viária, tecido residencial, zonas definidas.
Créditos Fonte – https://www.youtube.com/​watch?v=I1Hbht4iNQg. Reconstituição da Babilônia feita pelo Royal Ontario Museum & British Museum.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11676/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 112k
Título Figura 2 – Atenas antiga [ressaltadas a Ágora e a Acrópole]
Créditos Fonte: http://classicaunirio.blogspot.com.br/​2013/​06/​aula-6-atenas.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11676/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 788k
Título Figura 3 – Vista aérea de Bruges, cidade belga da região de Flandres.
Legenda Suas primeiras fortificações são do século I a.c; é muralhada no medievo, quando entra no circuito comercial flamengo e assume relações, também de comércio, com o Mediterrâneo.
Créditos Fonte: http://www.anselmus.be/​fr/​accueil/​#fr/​hotel
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11676/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 464k
Título Figura 4 – Marco Zero de Brasília, em meio ao Cerrado. Cruzamento do que viriam a ser o Eixo Rodoviário e o Eixo Monumental do Plano Piloto de Brasília.
Créditos Fonte: Arquivo Público do Distrito Federal / Mário Fontenelle /Augusto Areal
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11676/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 48k
Título Figura 5 – Centro Antigo de São Paulo, Vale do Anhangabaú.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11676/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 219k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Francisco Capuano Scarlato e Everaldo Batista da Costa, « A natureza do urbano », Confins [Online], 30 | 2017, posto online no dia 20 Fevereiro 2017, consultado o 17 Agosto 2017. URL : http://confins.revues.org/11676 ; DOI : 10.4000/confins.11676

Topo da página

Autores

Francisco Capuano Scarlato

Professor doutor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo – FFLCH-DG-USP, fscarlato@usp.br

Everaldo Batista da Costa

Professor doutor do Departamento de Geografia da Universidade de Brasília – IH-GEA-UnB, everaldocosta@unb.br

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org