Navegação – Mapa do site

E Belém? A questão da apropriação do patrimônio numa freguesia de Lisboa.

Et Belém? La question de l'appropriation du patrimoine dans une paroisse de Lisbonne.
What about Belém? The question of appropriation of heritage in a parish of Lisbon.
Rafael H. Teixeira-da-Silva

Resumos

Independente de ser celebrado ou repudiado, o passado é onipresente. Enquanto os traços pessoais imbuídos nestes elementos vão sucumbindo ao tempo, os aspectos coletivos dos mesmos mantêm-se infindáveis. O que já foi um passado diletante apresenta-se, atualmente, como uma interminável e implacável cruzada pelo patrimônio, fato que tem consequências imediatas na apropriação do território urbano. Somada à tendência pela adoção de uma abordagem padronizada sobre o patrimônio – patrimonialização – encontra-se neste entrelaçar, o tema do presente artigo. O desenvolvimento desta problemática realiza-se mediante um caso de estudo - a freguesia de Santa Maria de Belém (Lisboa), dotada de um importante conjunto arquitetônico. Nesse sentido, foi realizada uma investigação de cariz etnográfico, com recurso a métodos de pesquisa qualitativos. Através da pesquisa realizada foi possível apreender os espaços mais significativos na vida de bairro dos entrevistados, que buscam manter os seus costumes e práticas tradicionais, ao mesmo tempo que novos hábitos e vivências são criados pelos processos de patrimonialização e turistificação do lugar.

Topo da página

Texto integral

  • 1 Aloísio Magalhães foi designer, pintor, cenógrafo, dentre muitas outras atribuições que o caracteri (...)

1E Triunfo? A insólita pergunta proferida por Aloísio Magalhães1 sobre uma desconhecida cidadezinha do sertão pernambucano, ecoou no ar refrigerado de uma sala de reuniões. Pouco habituado na época com a escala de valores financeiros, e perplexo com a abordagem adotada numa reunião relativa ao metrô de São Paulo, Aloísio Magalhães declamou-se laudatoriamente sobre os tortuosos caminhos até a chegada na cidade, passando pela tentativa de absorver Triunfo e apreender o processo harmonioso entre ecologia e necessidades técnicas, que ali se encontravam.

2Ao contrário de Triunfo, Belém é uma localidade célebre e prestigiada pelo seu patrimônio. Nesse sentido, o presente trabalho foi construído com o intuito de debater e aprofundar as questões que concernem a relação da população residente em Belém-Lisboa, com o patrimônio localizado na freguesia. A investigação é resultado de uma dissertação de mestrado realizada no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT), unidade orgânica da Universidade de Lisboa.

3De modo geral, o patrimônio pode ser compreendido como o uso contemporâneo do passado, construído e definido pelas circunstancias atuais (GRAHAM et al. 2000). Tamanha amplitude de definição estaria relacionada com a falta de um consenso a respeito das finalidades do patrimônio, o que acaba por influenciar diretamente em sua apropriação. Dentre os principais propósitos referidos ao mesmo, evidencia-se a propensão ao saber e ao prazer (CHOAY, 2006), o conhecimento das realidades passadas e valorização de seus aspectos históricos e estéticos (CAPEL, 2014), e o aprendizado com o passado como lição para o futuro (SOJA, 1996). Há também menções que colocam o patrimônio à serviço do entretenimento e da educação (GILES E MIDDLETON, 1999), sob a incumbência de seu papel na “missão patriótica” e na educação cívica (BRITO HENRIQUES, 2003) e, ainda, servindo como recurso para que os indivíduos não somente aprendam, mas também se transformem (LOWENTHAL, 1998).

4Nesse sentido, a pesquisa foi baseada em uma metodologia qualitativa, que permite um conjunto de vantagens, no que concerne à compreensão aprofundada sobre os hábitos e a vida cotidiana dos habitantes locais – fato essencial para a apreensão dos espaços mais significativos na vida de bairro dos inquiridos. Rememora-se que a utilização de métodos qualitativos, neste caso, de entrevistas semiestruturadas e observação participante, não visa ser representativa (VALLENTINE, 1997), mas sim ser uma importante ferramenta na compreensão da forma como as pessoas vivenciam e dão sentido à suas vidas (LONGHURST, 2003).

5A estrutura relativa ao trabalho começa pela localização da freguesia, nomeando os momentos cardeais que contribuíram para a sua afirmação enquanto sítio de relevância histórica e simbólica. Num segundo momento, expõem-se a metodologia e os instrumentos de investigação utilizados ao longo do expediente. Por fim, apresenta-se uma descrição detalhada da população entrevistada, a análise descritiva dos resultados obtidos e uma discussão aprofundada sobre a questão da apropriação do patrimônio.

A Freguesia de Santa Maria de Belém

6O desenvolvimento deste trabalho realiza-se mediante um caso de estudo - a freguesia de Santa Maria de Belém, localizada na zona ocidental da cidade de Lisboa-Portugal, dotada de um importante conjunto arquitetônico, intitulado pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, em 1983.

  • 2 Esses dados são relativos ao período que a pesquisa foi realizada. Atualmente a freguesia sofreu um (...)

7 A freguesia de Santa Maria de Belém, que nasce a partir do sítio do Restelo, possui uma área de 2102 km², e de acordo com o último recenseamento realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2011, tinha à data 8.546 residentes e 1.999 edifícios2.

8Com base no estudo realizado por Aquilino Machado (2006), foi possível estabelecer quatro momentos relevantes no processo de produção de Belém: 1) A gênese do local e o período quinhentista, 2) O pós-terremoto de 1755, 3) A Exposição do Mundo Português, e, 4) A intitulação do patrimônio mundial e o processo de patrimonialização. A classificação de quatro momentos cardeais foi realizada no sentido de apreender de modo mais satisfatório o itinerário percorrido pelo lugar.

Belém – A gênese e o período quinhentista

9Por ser um local tipicamente ribeirinho – próximo ao Rio Tejo – fez com que fossem desenvolvidas atividades portuárias na área, no decorrer do século XIV, na qual surge, primeiramente, a aldeia do Restelo. Portanto, o rio e o mar em dada altura eram o cariz principal que impulsionava, e ainda hoje continua a impulsionar, o crescimento urbano. Inerente à área designadamente portuária, muitos por ali chegavam e partiam, o que direcionou a expansão urbana para a área ocidental de Lisboa, que presenciava o encontro do rio com o mar. Deste modo, de acordo a historiadora Renata Araújo (1990, p. 23), o rio tornou-se a representação genuína de apropriação da cidade. Devido a este fator o Infante D. Henrique mandou edificar uma Igreja com o intuito de oferecer um local para as práticas religiosas e espirituais das pessoas que ali se estabeleciam, fixas ou flutuantes. A Igreja doada à Ordem de Cristo, homenagem a Santa Maria de Belém, veio a se transformar hoje no atual Mosteiro dos Jerônimos.

10Já no fim do século XV, D. João II planejava erguer um forte, com o objetivo principal de defesa do porto que se erguera às margens do Rio Tejo, próximo da então aldeia do Restelo. No entanto, com o decorrer das primeiras décadas do século XVI, no lugar deste forte que não chegou a ser edificado, D. Manuel ordena a construção da Torre de São Vicente (Torre de Belém), em 1515. Foi neste panorama que foi formado o conjunto monumental Mosteiro dos Jerônimos/Torre de Belém. Assim, no fim do século XVI, o Mosteiro dos Jerônimos se tornou o principal catalisador da progressão urbana em Belém, ao ponto de atrair uma notória população de cariz artístico e operário para o local (LOBO DE CARVALHO, 2006, p. 204).

11Contudo, passado algumas décadas, a área passa a pertencer à freguesia de Nossa Senhora da Ajuda, fundada entre os anos 1551 e 1591. Devido à falta de registros, não se sabe a data exata de fundação desta freguesia. Posteriormente, dois séculos depois, foi criada a freguesia de São Pedro de Alcântara, em 1770, o que acarretou a separação desta região da freguesia da Ajuda. E foi nesta altura que o bairro de Belém foi instituído oficialmente pelos poderes judiciários e administrativos. O bairro de Belém era composto por toda a freguesia de Nossa Senhora da Ajuda, por uma pequena parte do território que pertencia a Alcântara e Santa Isabel. No entanto, foi definitivamente em 28 de dezembro de 1833, que foi ordenada e fundada a freguesia de Santa Maria de Belém. O seu território foi desvinculado da freguesia de Ajuda e sua sede era localizada no Mosteiro dos Jerônimos.

O pós-terremoto de novembro de 1755

12O acontecimento cujo pronunciado acima diz respeito é o terremoto que atingiu a cidade de Lisboa no dia 1º de novembro de 1755. A área que abrange Belém e Ajuda foram as que sofreram o menor impacto, o que, por sua vez, atraiu um grande fluxo de pessoas que foram se alojar naquela zona. Segundo Carlos Consiglieri (1996), a freguesia da Ajuda, à qual Belém pertencia na altura, contava com 600 fogos antes do terremoto, sendo que, em 1780, este número alcança os 1.900 fogos. Além de uma grande população, a Corte Portuguesa e o Rei D. José também se instalaram nas edificações construídas na região. Este fato fez com que Belém e Ajuda se transformassem no centro burocrático e do funcionalismo português.

13Os anos que decorreram após o início da década de 1830 foram caracterizados por melhorias urbanas e pela progressão industrial no recente aglomerado. Segundo informações da junta de freguesia, constam a existência de vinte e cinco fábricas que se estendiam pelo eixo Alcântara-Belém. É importante ressaltar que estas transformações estavam inseridas no contexto revolucionário industrial, no qual o país se encontrava, sendo que Belém era representante significativa dos acontecimentos que condiziam ao cenário e alcance das projeções evidenciadas pela industrialização.

14Perante o auge da industrialização e a grande oferta de empregos, um dos principais reflexos identificados foi a instalação de uma forte classe operária e uma notória espacialidade proletarizada. Os anos que se seguem entre 1880 e 1930, são marcados por desenvolvimentos significativos da estrutura urbana. Estes desenvolvimentos se projetaram em melhores infraestruturas, instalações e planejamento territorial. Em 1901, é inaugurado o serviço de elétricos no trecho de Cais de Sodré até Algés, pela Companhia Carris de Ferro. E nesta altura também foi construído o aterro que se estendia no trecho de Alcântara até à Torre de Belém.

15Enquanto na primeira década do século XX havia grande agitação perante as mudanças que continuavam a se suceder, com a instituição da República, em Outubro de 1910, o cenário foi, aos poucos, mudando de cena. A inquietação e o fervor da população foram-se amenizando devido à estagnação de acontecimentos e transformações urbanas locais. O cenário urbano perde um pouco da dinamização e do movimento, advindos com a chegada da Família Real. Foi nesta época que o Palácio de Belém deu lugar à Presidência da República, e o Palácio da Ajuda passou a ser utilizado para as recepções diplomáticas.

16Portanto, como demonstra Nobre (2010), nas primeiras décadas do século XX, o lugar alterou-se, reinventou-se e estagnou, representando o que o autor chama de desenvolvimento natural do bairro. No entanto, o autor afirma que esse desenvolvimento natural cessou no momento em que algumas ações foram tomadas para transformar a área que iria receber a Exposição do Mundo Português em junho de 1940, a qual possibilitou que a perspectiva de progresso fosse novamente plausível.

A Exposição do Mundo Português – 1940

17De acordo com Santana e Sucena (1994), foi no dealbar dos anos quarenta do século passado, que profundas transformações urbanísticas moldaram Belém para a recepção da Exposição do Mundo Português. Entre as alterações verificadas encontra-se a demolição do casario no principal núcleo de Belém, onde hoje se encontra a praça do Império, sendo este o espaço central de recepção e realização do evento, a construção de 204 habitações destinadas a classes econômicas menos favorecidas, e o desbloqueio da área em torno da Torre de São Vicente (Torre de Belém), como intuito de transformar o local num espaço de lazer. O evento foi realizado para as comemorações do Duplo Centenário da Independência de Portugal (1140) e da Restauração do país (1640), que tinha o intuito de glorificar a imagem portuguesa perante a evocação histórica da época das grandes navegações.

18Para obter uma perspectiva mais clara sobre o contexto da Exposição, Machado (2006, p. 70) fala que: “A Exposição do Mundo Português revestiu-se de uma simbólica muito importante para a consolidação política, externa e interna, do Estado Novo”. Segundo este autor, o evento aconteceu “(...) no período de maior estabilidade e prestígio do regime do Estado Novo”. Segundo Machado (2006), a motivação do governo em realizar a Exposição do Mundo Português se baseava em cinco razões principais: reforçar a coerência do regime e consolidar a cultura e os costumes tradicionais portugueses, impulsionar as tradições cristãs e ruralistas por meio de uma perspectiva forçada de paz social fomentada pelo Estado Novo, promover a internacionalização do país, corroborar as colonizações, e, sobretudo, defender e sustentar o regime Salazarista.

19De acordo com Santana e Sucena (1994), o evento decorreu do dia 23 de junho a 2 de dezembro de 1940, numa área de aproximadamente 450 mil metros quadrados, com o intuito de exaltar o ego da nação e apresentar a essência da civilização portuguesa. A área escolhida foi a freguesia de Santa Maria de Belém, que além de ser valorizada pelo seu importante conjunto monumental, representava um núcleo político, histórico e religioso.

20No entanto, segundo a afirmação de Nobre (2010), o que era revestido de “boas” intenções acabou por se tornar contraditório. Ora, vimos que Belém era uma área de cariz urbano já no fim do século XVIII, quando após o terremoto que atingiu Lisboa, esta área que foi menos atingida atraiu notória população fixa, a corte portuguesa, atividades militares e comerciais. Assim, o núcleo que abrigava a Praça do Império e o seu conjunto representava a concentração urbana, populacional, operária e habitacional belenense. Os pavilhões foram desmontados, ao princípio por uma tempestade que invadiu Lisboa no ano 1941, que inviabilizou a permanência destes. O que restou do conjunto foi o Padrão das Descobertas. De 1941 até 1945, a Comissão Administrativa do Plano de Obras da Praça do Império (CAPOPI) foi a entidade responsável pelos cuidados da área onde foram realizadas as exposições.

21A Exposição do Mundo Português foi de longe o acontecimento mais marcante para o país e para a área de Belém na época de vigência do Estado Novo. As transformações e seus reflexos reordenaram toda a estrutura espacial do núcleo central da freguesia, o que, consequentemente, teve suas projeções na totalidade urbana do local. Apesar da descaracterização da paisagem local, as manifestações geradas e desenvolvidas para a realização da Exposição do Mundo Português acabaram por projetar a influência que Belém adquiriu enquanto centro de grande relevância histórica e cultural.

A intitulação como patrimônio mundial e o processo de patrimonialização – da década de 1980 até os dias de hoje.

22Como observado, a ausência de um plano para a área de Belém após o evento da Exposição do Mundo Português, fez com que o local ficasse esquecido e abandonado por parte da autarquia. No entanto, os responsáveis pelo patrimônio local e nacional, a população e os governantes, reconheciam a importância que o conjunto arquitetônico de Belém representava. É neste contexto que, no início da década de 1980, emerge a dinamização da área e, em 1983, os monumentos do Mosteiro dos Jerônimos e a Torre de Belém são inseridos na lista de patrimônio mundial da UNESCO3. A área protegida fica localizada na freguesia de Santa Maria de Belém, concelho de Lisboa, e possui uma extensão de 103 ha, como é possível verificar na Figura 1.

23O título de Patrimônio Cultural da Humanidade ordenado pela UNESCO reafirmou a importância de Belém como marco histórico local, nacional e mundial, fato que fez reemergir a vida e a dinamização da área. Consequentemente, Belém se impõe como local representativo do “patrimônio em que a iconografia turística de Lisboa se apoia” (NOBRE, 2010, p. 59). Após a inserção na lista de patrimônio mundial, constata-se que ocorreu na área a inauguração do Museu da eletricidade em 1990, do Centro Cultural de Belém em 1992, do Museu da Presidência da República em 2004, além do novo Museu Nacional dos Coches, ainda em construção, verificando-se assim a instalação de vários equipamentos culturais e de lazer, que acabam por modificar as dinâmicas da freguesia e do próprio concelho enquanto totalidade urbana.

Figura 1. Área protegida do Mosteiro dos Jerônimos e da Torre de Belém

Figura 1. Área protegida do Mosteiro dos Jerônimos e da Torre de Belém

Fonte: http://whc.unesco.org/​download.cfm?id_document=102477.

24A acepção da grande importância da intitulação da área de Belém como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO fez com que o órgão responsável pela gestão do conjunto patrimonial inserido em Belém tomasse algumas iniciativas para sua proteção. Este órgão era o então Instituto Português do Patrimônio Cultural (IPPC), que com o intuito de proteger e integrar a extensa área de edifícios classificados instituíra uma zona especial de intervenção que abrangia esta área. Por conseguinte, de acordo com Lobo de Carvalho (2009), no fim da década de 1980, foi desenvolvido o Plano de Salvaguarda e Valorização de Ajuda-Belém para proteger o recinto delimitado. Paralelamente, no decorrer da elaboração das ações ordenadas pela legislação do plano, foi deliberada a construção do Centro Cultural de Belém (CCB).

25O CCB foi um dos principais marcos efetuados em Belém na década de 1990. Este espaço foi direcionado para atividades culturais, de entretenimento e de lazer, o qual dinamizou a estrutura e o estilo do local com sua arquitetura contemporânea. De acordo com Machado (2006), a construção causou certa resistência por parte da população, governantes e alguns arquitetos, devido ao seu tamanho, ao alto custo, e, sobretudo, à sua funcionalidade. O conjunto foi projetado por Vittorio Gregotti e Manuel Salgado, o qual passou a fazer parte da área monumental da Praça do Império e teve sua abertura ao publico em 1993.

  • 4 UOP 20 e UOP 21 – Plano de Urbanização da Zona Ocidental.
  • 5 Plano de Pormenor do Pedrouços e Plano de Pormenor da Área Envolvente do Palácio Nacional da Ajuda.

26Contudo, além do Plano de Salvaguarda e Valorização, outros planos também privilegiaram Belém a partir do fim da década de 1980. Este engajamento adveio após as eleições autárquicas no ano de 1989, que almejavam elaborar novos projetos de ordenamento e gestão urbanística para a cidade de Lisboa. Neste contexto, são elaborados três níveis de planos de intervenção e desenvolvimento: o Plano Estratégico de Lisboa (1992), o Plano Director Municipal (PDM – 1993, 1994), e, por fim, os Planos de Urbanização4 e os Planos de Pormenor5.

27Lobo de Carvalho (2006) destaca quatro momentos culturais e políticos de imensa importância para Belém a partir da década de 1980, que deu suporte e impulsionou a valorização da área. A nível cultural, o primeiro marco diz respeito à comemoração da XVII Exposição Europeia de Arte, Ciência e Cultura em Lisboa. Já no plano político, o autor destaca a adesão de Portugal à Comunidade Econômica Europeia (CEE), que teve lugar no Mosteiro dos Jerônimos em junho de 1985, a qual apresenta grande relevância para o desenvolvimento econômico do país. Outro momento expressivo foi a primeira presidência portuguesa do Conselho das Comunidades Europeias em 1986. Foi graças à infraestrutura implantada para a recepção do evento que a construção do CCB foi impulsionada, a qual viria a tornar-se num dos principais núcleos do sítio. O terceiro momento consiste na cerimônia de assinatura do Tratado Reformador da União Europeia (Tratado de Lisboa), que aconteceu na década passada (2007), entre os 27 estados membros da EU, liderado pelo então Primeiro Ministro José Sócrates.

28Neste contexto, corrobora-se que a classificação da zona de Belém pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade contribuiu para a revalorização e reconhecimento desta área enquanto lugar de grande importância cultural e histórica. Deste modo, a freguesia de Santa Maria de Belém desenvolveu-se e hoje é um bairro residencial, histórico e turístico.

29Relevada, sobretudo, pela sua importância histórica e turística, Belém possui um amplo e excelente espaço de atrações culturais: o Mosteiro dos Jerônimos, Museu Nacional de Arqueologia, Museu da Marinha, Planetário Gulbenkian, Centro Cultural de Belém, Padrão dos Descobrimentos, Museu de Arte Popular, Museu da Presidência da República, Sede da Presidência da República, Museu Nacional dos Coches, Jardim Museu Agrícola Tropical, Museu da Eletricidade/Central Tejo, Torre de Belém, Forte do Bom Sucesso e o Museu Nacional da Etnologia. Além destes, a zona é privilegiada também por atrativos localizados em zonas envolventes: o Jardim Botânico da Ajuda, Palácio Nacional da Ajuda, Igreja da Memória e Ermida de São Jerônimo.

30Com o intuito de concluir os objetivos do trabalho, primeiramente foi realizada a apresentação da população inquirida. Num segundo momento, são expostos os instrumentos de observação utilizados na compreensão das formas de apropriação criadas pela população local, por meio da estratificação dos entrevistados.

A População Entrevistada

31O estudo empírico aplicado ao presente trabalho foi realizado na Freguesia de Santa Maria de Belém durante os meses de abril a julho de 2013. Para o cumprimento prático do trabalho, foram executadas 30 entrevistas com residentes locais. O método utilizado para recrutar os entrevistados foi o “snowball”, técnica que possibilita que um participante possa indicar outro, sucessivamente. Com o intuito de compor um grupo de entrevistados de forma integrada, foram inquiridos 15 mulheres (50%) e 15 homens (50%), com idade igual ou superior a 21 anos, com o objetivo principal de abranger uma faixa etária ampla, mas mantendo o foco naqueles que possuam uma opinião formada sobre os assuntos tratados. A partir deste ordenamento etário, verificou-se que a idade efetiva das pessoas entrevistadas foi entre 21 e 83 anos (Tabela 1).

Tabela 1 – Idade dos Entrevistados

Tabela 1 – Idade dos Entrevistados

Fonte: Elaborado pelo autor.

32A respeito da dimensão familiar dos inquiridos foi constatado que as situações mais frequentes correspondem as pessoas que vivem em casal ou em casais com filhos (4 pessoas). Este fato se justifica pela maioria dos entrevistados se encontrarem numa faixa etária ativa. Do total de inquiridos, verificou-se que apenas 6 são de reformados/pensionistas e um estudante, o que enfatiza que a população entrevistada se encontra situação laboral vigente e de constituição familiar (Gráfico 1).

Gráfico 1. Dimensão familiar dos entrevistados.

Gráfico 1. Dimensão familiar dos entrevistados.

Fonte: Elaborado pelo autor.

33No processo de seleção dos entrevistados, considerou-se necessário averiguar a situação profissional principal destes indivíduos. Como critério de seleção dos inquiridos, a opção pela inclusão desta variável teve como propósito recrutar indivíduos com diferentes condições sociais, e contemplar a diversidade de situações no sentido de não introduzir um viés na análise dos processos de apropriação. Nesse sentido, é possível perceber a ampla diversidade de atividades profissionais atuais dos inquiridos (Tabela 2).

Tabela 2– Situação Profissional Atual dos Entrevistados

Tabela 2– Situação Profissional Atual dos Entrevistados

Fonte: Elaborado pelo autor.

34Outra variável relevante para a composição da amostra consiste no grau de instrução dos entrevistados e dos seus pais, considerada uma variável que pode auxiliar na compreensão da situação social de origem. Deste modo, decidiu-se selecionar um grupo de inquiridos com níveis de instrução diversificados com o intuito de abarcar distintas situações sociais. Assim, 30% dos inquiridos possuem o ensino secundário (12º ano), e 26,7% o ensino superior (licenciatura ou bacharelato). No entanto, foi averiguado uma frequência notória dos entrevistados com grau de instrução do 1º ciclo do ensino básico (4º ano – antiga 4ª classe), correspondente a 26,7%. Entre os que possuem o conjunto dos ciclos do ensino básico completo (9º ano) encontra-se uma minoria de 6,7%. Do mesmo modo, acontece com os entrevistados que possuem pós-graduação, com a mesma importância reduzida de 6,7%. Por fim, o grau de instrução com menor referência entre os entrevistados, foram aqueles que possuem o curso técnico, correspondente a 3,3% das pessoas inquiridas (Gráfico 2).

Gráfico 2. Grau de instrução dos entrevistados.

Gráfico 2. Grau de instrução dos entrevistados.

Fonte: Elaborado pelo autor.

35A população entrevistada engloba níveis de escolaridades e contextos familiares bastante diferenciados, com grupos representativos dos vários estratos sociais da freguesia (Gráfico 3 e 4). Neste domínio, estão presentes em proporções semelhantes entrevistados que provém de famílias altamente escolarizadas (com ensino superior: pai 36,7% e mãe 26,7%) e entrevistados das classes mais populares, que possuem pais apenas com a escolaridade mínima (com o 4º ano: pai 33,3% e mãe 36,7%). O que pode ser dito sobre estes dados é que refletem a própria situação social da freguesia, na qual coexistem áreas de habitação mais popular (a leste e a nordeste, na transição para Ajuda) e bairros de classe média alta, de moradias e condomínios privados (no Restelo).

Gráfico 3. Grau de instrução dos Pais dos entrevistados.

Gráfico 3. Grau de instrução dos Pais dos entrevistados.

Fonte: Elaborado pelo autor.

Gráfico 4. Grau de instrução das Mães dos entrevistados.

Gráfico 4. Grau de instrução das Mães dos entrevistados.

Fonte: Elaborado pelo autor.

36Estratificação das Entrevistas: uma via de exploração

37Para uma melhor compreensão das informações recolhidas nas entrevistas semiestruturadas, os inquiridos foram agrupados segundo três critérios do perfil dos residentes inquiridos: faixa etária, gênero e habilitações literárias. Tal classificação permitirá realizar uma leitura de síntese sobre questões abordadas nas entrevistas, centrais para a compreensão das formas de apropriação criadas pelos habitantes locais face à patrimonialização, e ainda, para verificar se este fenômeno impossibilita a conciliação entre diferentes usos sociais em áreas afetadas pelo mesmo. Como o intuito de verificar a existência de padrões e singularidades, as seguintes questões foram escolhidas: 1) Como o patrimônio de Belém se manifesta em sua vida cotidiana, 2) Com o que mais se identifica na freguesia, 3) Em sua opinião, existe algum problema ou algo que faça falta na freguesia. Como elucidado previamente, o guião de entrevistas foi dividido em cinco partes, constando aqui a análise de um conjunto de respostas que incidem diretamente sobre a questão de partida, por estes motivos foram escolhidas as perguntas ordenadas acima.

Faixa etária

  • 6 De acordo com Pais (1998, p. 26-27), o efeito de idade exprime uma influência (de idade), definida (...)

38Para a delimitação da faixa etária, foram classificados dois agrupamentos, um que engloba indivíduos com idade até os 60 anos, e outro, com indivíduos com 61 anos ou mais. Neste primeiro critério, ao analisar as formas como o patrimônio se manifesta na vida cotidiana dos entrevistados, é notório que o interesse e a participação que o patrimônio possui são mais elevados na vida da população em idade ativa (até 60 anos). Já com relação aos indivíduos com idade superior a 60 anos, observa-se que o patrimônio faz parte da vida dos mesmos de modo mais distante, no qual a maioria conhece e se identifica com o conjunto monumental, mas não os frequenta regularmente (Tabela 3). Constatou-se que esta é um elemento relevante na utilização do patrimônio, pois quanto maior a faixa etária em que se insere o entrevistado, maior a tendência de relacionar o patrimônio com as lembranças da juventude e de momentos nostálgicos. Na realidade, o poder de discriminação da idade em relação à patrimonialização, como em muitos outros fenômenos, deve-se, sobretudo, ao fato desta variável condensar no seu interior três tipos de efeitos: os da idade em si mesma, os de período e os de geração6. Embora estes dois últimos efeitos concedam à idade “[...] uma função explicativa que na realidade ela não tem ou que, em alguns casos, ultrapassa a sua real capacidade de explicar o que se pretende” (PAIS, 1998, p. 26), a verdade é que, por outro lado, apenas artificialmente seria possível isolar dos efeitos da idade os efeitos de período e de geração.

Tabela 3. Como o patrimônio se manifesta na vida dos entrevistados de acordo com a faixa etária.

Tabela 3. Como o patrimônio se manifesta na vida dos entrevistados de acordo com a faixa etária.

Fonte: Elaborado pelo autor.

39No que respeita os elementos com que os inquiridos se identificam em Belém, fica evidente que os indivíduos com idade até 60 anos, possuem um maior envolvimento com o Mosteiro dos Jerônimos e os outros monumentos situados na área. Por outro lado, os indivíduos com 61 anos ou mais, mantêm maior ligação com o bairro e com os locais mais próximos de suas residências, que normalmente estão vinculados às relações de vizinhança e pelo fato de passarem a maior parte de seus dias nestes nichos.

40Ao serem questionados sobre a existência de problemas ou algo que faça falta na freguesia, foi recorrente no primeiro grupo (até 60 anos) a menção da falta de comércios em geral e a escassez e má qualidade dos transportes públicos, fato que normalmente está associado às atividades de trabalho e lazer. Num outro plano, é identificado um equilíbrio nas respostas do segundo grupo (mais de 60 anos), que dão mais ênfase a elementos relativos às infraestruturas: as condições precárias das ruas, a segurança e o serviço de higiene e limpeza urbana.

Gênero

41Como mencionado na caracterização das entrevistas, o grupo de entrevistados foi composto por 15 mulheres e 15 homens. Assim, neste critério, o patrimônio se mostra mais presente na vida das mulheres, à medida que estas admitem frequentar mais assiduamente os monumentos (53,3%) (Gráfico 5). No que concerne aos indivíduos do sexo masculino, há uma depreciação nos frequentadores regulares do patrimônio de Belém (40%). Questiona-se se este indicador poderia estar relacionado com o maior nível de escolaridade que algumas pessoas do sexo feminino apresentam em relação aos do sexo masculino, já que a maioria das mulheres encontra-se com o secundário completo (46,7%) enquanto a maioria dos homens possui somente o 4º ano (33,3%).

42A questão sobre os elementos com os quais os habitantes mais se identificam em Belém revelou que as respostas dos homens são mais pontuais, sendo que maioria nomeou o Mosteiro dos Jerônimos e a Freguesia de Santa Maria de Belém. Paralelamente, o grupo do gênero feminino concedeu respostas mais homogêneas, mostrando que se identificam com a zona ribeirinha, os monumentos, o Mosteiro dos Jerônimos, entre outros. O elemento que se destaca neste caso, é com relação aos jardins e espaços verdes que se mostraram atrair mais a identificação das mulheres, enquanto nenhum homem mencionou esta categoria.

Gráfico 5. Elementos Identitários de acordo com o gênero.

Gráfico 5. Elementos Identitários de acordo com o gênero.

Fonte: Elaborado pelo autor.

43Por fim, a respeito da existência de algum problema ou algo que faça falta na freguesia constata-se os homens deram maior atenção para os problemas relacionados com a falta de segurança (20%), enquanto as mulheres enfatizaram a falta de comércios em geral (20%). As respostas aqui podem ter sido enviesadas pelas estruturas familiares e pelo papel desempenhado por homens e mulheres no quadro de tarefas domésticas.

Habilitações literárias

44A estratificação segundo as habilitações literárias são as que oferecem os resultados mais proeminentes no que concerne a compreensão das diferentes formas de apropriação criadas pelos habitantes locais face à patrimonialização. Para este diagnóstico, os entrevistados foram divididos em dois grupos, “Grupo 1 – Entrevistados com curso superior” que abrangem um total de 11 habitantes que possuem o ensino técnico, ensino superior e pós-graduação. O segundo, “Grupo 2 – Entrevistados com ensino básico ou secundário” compreende um total de 19 indivíduos com o ensino básico e secundário (Gráficos 6 e 7).

Gráfico 6. Entrevistados com curso superior

Gráfico 6. Entrevistados com curso superior

Fonte: Elaborado pelo autor.

Gráfico 7. Entrevistados com ensino básico ou secundário

Gráfico 7. Entrevistados com ensino básico ou secundário

Fonte: Elaborado pelo autor.

45Perante a análise, foi averiguado que quanto maior o nível de escolaridade do inquirido, maior o grau de envolvimento com o patrimônio de Belém. O efeito contrário também é destacado, ao notar que, embora os indivíduos com menor nível de escolaridade tenham conhecimento dos monumentos, os mesmos não possuem presença constante no cotidiano destes habitantes.

46Analogamente, o fato constatado no parágrafo acima – que quanto maior o nível de escolaridade, maior o envolvimento com o patrimônio – também é evidenciado no que respeita os elementos de maior identificação. Sendo assim, os indivíduos que possuem até o primeiro ciclo do ensino básico assumem se identificar em maior nível com o seu bairro e a própria freguesia de Santa Maria de Belém. A zona ribeirinha, por sua vez, é referenciada somente pelos indivíduos que possuem ensino básico e secundário (Grupo 2). Já a “Rua das Lojas” ganha relevância à medida que aumenta o nível de escolaridade dos entrevistados (Grupo 1). De forma semelhante, é a partir do curso superior que a “Zona Monumental de Belém”, em sua totalidade, surge como referência de identificação pelos indivíduos, fato que corrobora a manifestação do patrimônio no cotidiano dos inquiridos com maior grau de instrução. Revela-se neste quadro uma informação importante que até então não havia sido verificada sobre a influência que o grau de instrução possui na identificação e apropriação dos locais.

47Em última instância, procurou-se relacionar o nível de escolaridade com a questão da existência de algum problema ou de algo que faça falta na freguesia. Nesse sentido, ficou constatado que a higiene e limpeza urbana são necessidades importantes mencionadas pelos indivíduos que possuem o primeiro ciclo do ensino básico. Os mesmos julgam haver alguns problemas com certos indivíduos ou grupos, normalmente relacionados a conflitos com vizinhos e com determinados grupos étnicos e religiosos. Questiona-se se esta constatação estaria diretamente relacionada com o menor grau de instrução de alguns entrevistados. Já os inquiridos com ensino básico e secundário declaram sentirem falta de estabelecimentos comerciais mais diversificados. Numa outra camada, surgem questões que relevam a insuficiência de espaços de lazer e entretenimento, e transportes públicos por parte de pessoas com maior grau de instrução.

48Esta via de exploração permitiu revelar algumas características que não haviam sido contextualizadas na primeira parte das análises. Efetivamente, foi possível detectar que com relação à faixa etária dos entrevistados há alguma discrepância nas respostas, sendo que os inquiridos com idade mais avançada possuem uma percepção mais negativa modelada pelos sentimentos nostálgicos. Com respeito ao gênero, foi encontrada uma dissonância na utilização do patrimônio, frequentado mais pelas mulheres, e com relação às carências e aos problemas existentes na freguesia. Neste contexto, os homens nomearam os empecilhos acerca das questões de segurança, enquanto as mulheres referenciaram questões sobre a falta de diversidade e oferta comercial. Tal fato pode estar relacionado com as estruturas sociais e com as tarefas domésticas desempenhadas na hierarquia familiar.

49Por fim, as revelações constadas no que respeita às habilitações literárias foram as mais frutíferas. Neste quadro, foi possível apreender que o nível de escolaridade possui relação direta com o envolvimento e apropriação do patrimônio por parte dos indivíduos entrevistados. Os habitantes que possuem menor grau de instrução tiveram a tendência em se identificar com o bairro onde residem e com a própria freguesia de Santa Maria de Belém. Foram observados também que os serviços de higiene e limpeza urbana e a presença de certos indivíduos ou grupos étnicos e religiosos são evidenciados como os maiores problemas que afetam a freguesia. Indaga-se se estes elementos estão associados às barreiras condicionadas pelo nível educacional deste grupo. Por outro lado, é nos indivíduos que apresentam maior grau de instrução que a identificação está majoritariamente associada à “Rua das Lojas” e à “Zona Monumental de Belém”. Os problemas referenciados por este grupo abrangem a falta de espaços de lazer e entretenimento.

50Em síntese, sobre o conjunto da análise é interessante ressaltar que todos entrevistados mencionaram gostar de viver em Belém e possuem um forte enraizamento emocional com o lugar. Os habitantes locais possuem a tendência em vincular sentimentos e impressões pessoais com aspectos e características da freguesia. Mesmo que constatada certa segregação socioespacial, a maioria dos entrevistados julga que Belém ainda possui uma vida de bairro que sofreu alterações, mas que continua a existir. A refuncionalização territorial produzida pelo fenômeno da patrimonialização se traduz em novos valores patrimoniais e novas formas de territorialidades, que resistem as barreiras encontradas no cotidiano, mantendo o elo com os lugares significativos para a construção da identidade dos residentes.

51Apesar de alguns autores considerarem que a ideologia do consumo provocada pelo fenômeno da patrimonialização impossibilita a conciliação entre os diferentes usos sociais em áreas afetadas por este fenômeno, tal fato não fica totalmente comprovado em Belém. Percebe-se que neste bairro, mesmo com todas as repercussões e empecilhos impostos pelo processo de patrimonialização, os habitantes locais continuam a reivindicar o direito à obra, à atividade participante, à vida urbana transformada e renovada (LEFEBVRE, 2001). Ao se afirmar como um apelo e uma exigência, os belenenses conseguem garantir a continuidade de apropriações que vão mantendo alguns significados, e construindo outros.

Lições e ilações sobre a apropriação do patrimônio

52Com base nestas ferramentas, ficou constatada a apropriação de vários espaços dentro da freguesia, onde os belenenses, por meio de suas práticas espaciais, continuam a utilizar e atribuir significados ao lugar. A população residente entrevistada, de modo geral, revela distintas formas de apropriação e persiste em reivindicar espaços que são parte de sua vida de bairro. Como foi demonstrado na parte empírica, a população de Belém continua a construir laços de identidade e a fortalecer os sentimentos de pertença com o local, como verificado nos casos da “Rua das Lojas” e da “Festa dos Vizinhos”.

53Ao desfrutar destes espaços em suas cotidianidades, as apropriações são em muitos casos influenciadas pelas características sociais, as fases do ciclo de vida e o sexo dos entrevistados. Em relação ao perfil social, que nesta investigação associamos às habilitações literárias, os resultados sugerem que este tem influência direta no envolvimento dos indivíduos com o patrimônio. Foi averiguado que quanto maior o grau de instrução dos indivíduos, maior o comprometimento destes com o patrimônio. Em oposto, foi verificado que quanto menor o nível de instrução menor o envolvimento com os monumentos. É interessante ressaltar que enquanto o primeiro grupo relata o envolvimento associado aos símbolos patrimoniais, o segundo revela uma conexão maior à experiência no bairro, às memórias e ao cotidiano da vizinhança. Com relação a identificação com o bairro, confirmou-se que os indivíduos com nível de escolaridade inferior designam a vida de bairro e a própria freguesia de Santa Maria de Belém. Já os habitantes com maior grau de instrução, identificam-se com a “Rua das Lojas” e com a “Zona Monumental de Belém”.

54Em síntese, observou-se que a faixa etária dos entrevistados é um elemento relevante na utilização do patrimônio, pois quanto maior a idade, maior a tendência de relacionar o patrimônio com lembranças da juventude. As memórias da mocidade e os momentos nostálgicos ajudam a discriminar esta tendência que é diretamente influenciada não somente pela idade, mas também pelo contexto que a população está inserida e pela geração a qual pertence.

55Quanto ao gênero, as entrevistas permitem constatar que as mulheres possuem maior grau de envolvimento com o patrimônio, fato que pode estar relacionado com o maior nível de instrução destas. As principais diferenças de comportamento manifestam-se ao nível de identificação, que nos homens é mais pontual e remetem a elementos como o Mosteiro dos Jerônimos e à freguesia. Por outro lado, os jardins e espaços verdes transparecem uma posição mais atrativa para as mulheres, que concederam respostas mais homogêneas. Em certo grau também se registraram diferenças nos problemas relacionados a freguesia, que para os homens estão relacionados à segurança e para as mulheres à falta de comércio, fato que pode ter sido influenciado pelo papel social e pela estrutura familiar dos entrevistados.

56Contudo, a investigação empírica permite também concluir que existem aspectos da patrimonialização e da apropriação do lugar de Belém, que tendem a ser transversais aos entrevistados, independentemente de sua condição social, idade ou sexo. Esta afirmação sobressai-se significativamente no discurso de todos os entrevistados, que demonstram grande estima e apreciação pelo fato de viver em Belém. O enraizamento afetivo e emocional com o lugar é recorrente e incisivo, assim como a associação de sentimentos e percepções individuais com características e propriedades da freguesia. Mesmo com a repercussão que a patrimonialização possui na produção de novos valores patrimoniais e novas territorialidades, Belém continua a apresentar uma vida de bairro dinâmica e uma elevada ligação de seus habitantes com os lugares significativos para a construção de suas identidades.

57O desenvolvimento da presente investigação permitiu reconhecer possíveis vias de estudo do patrimônio no campo geográfico contemporâneo. Apesar de não contemplar uma vasta gama de métodos que poderiam ter contribuído para uma melhor compreensão do tema, tais instrumentos podem vir a ser utilizados em uma investigação futura de natureza comparativa. Contudo, é importante sublinhar que a investigação seguiu uma abordagem subjetiva que visa contribuir para alguns fatos negligenciados no estudo do patrimônio.

Topo da página

Bibliografia

ARAÚJO, Renata. Lisboa - A cidade e o espetáculo na época dos descobrimentos. Livros Horizonte, 1990.

BRITO HENRIQUES, E. Cultura e Território, das Políticas às Intervenções. Estudo Geográfico do Património Histórico-arquitectónico e da sua Salvaguarda. 2003. Tese (Doutoramento em Geografia Humana) - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa.

CHOAY, F. A Alegoria do Patrimônio. São Paulo: UNESP/Estação da Liberdade, 2001.

CONSIGLIERI, Carlos. Pelas freguesias de Lisboa. Lisboa Ocidental. vol. IV. Edição Câmara Municipal de Lisboa, Biblioteca da Educação, 1996.

GRAHAM, B. ASHWORTH, G.J. TUNBRIDGE, J. E. A Geography of Heritage: Power, Culture and Economy. London: Arnold, 2000.

GILES, J. e MIDDLETON, T. Studying culture: a practical introduction. Oxford: Blackwell Publishers, 1999.

LEFEBVRE, H. O Direito à Cidade. Trad. Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2001.

LOBO DE CARVALHO, J. Conservação do Património. Políticas de Sustentabilidade Económica. Tese de Doutoramento apresentado ao Instituto Superior Técnico de Lisboa, Lisboa, 2009.

LONGHURST, R. Semi-structured interviews and focus groups. In: CLIFFORD, N. VALLENTINE, G. (Eds.) – Key Methods in Geography. London: Sage, 2003, 103-15.

LOWENTHAL, D. The Heritage Crusade and the Spoils of History. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

MAGALHÃES, A. E Triunfo? A questão dos bens culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

MENDES, J.A. Estudos do Património. Museus e Educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2009.

NOBRE, P. Belém e a Exposição do Mundo Português: Cidade, Urbanidade e o Patrimônio Urbano. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Urbano) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, 2010.

PAIS, J. M. Gerações e Valores na Sociedade Portuguesa Contemporânea. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 1998.

SANTANA, F. E SUCENA, E. Dicionário da história de Lisboa. Lisboa: Carlos Quintas e Associados, 1994.

SOJA, E. Postmodern Geographies: The Reassertion of Space in Critical Social Theory. London: Verso, 1989.

VALLENTINE, G. Tell me about... using interviews as a research methodology. In: Flowerdew, R. Martin, D. (Eds.) Methods in Human Geography: a guide for students doing research project. Longman, Harlow, p. 110-126, 1996.

Topo da página

Notas

1 Aloísio Magalhães foi designer, pintor, cenógrafo, dentre muitas outras atribuições que o caracterizam. Formado em direito pela UFPE, dirigiu o IPHAN (1979-1982) e teve papel intelectual fundamental na reformulação e ampliação do patrimônio cultural, para além da pedra e cal. Incorporou ao patrimônio o bem ecológico, a tecnologia, a arte, o saber e o fazer de todas as camadas sociais. Repensou a cultura e o patrimônio de modo somatório e não supressivo.

2 Esses dados são relativos ao período que a pesquisa foi realizada. Atualmente a freguesia sofreu uma expansão, obtendo uma área de 10,43 km², 16.561 habitantes e 3.039 edifícios.

3 http://www.unesco.org/new/en/

4 UOP 20 e UOP 21 – Plano de Urbanização da Zona Ocidental.

5 Plano de Pormenor do Pedrouços e Plano de Pormenor da Área Envolvente do Palácio Nacional da Ajuda.

6 De acordo com Pais (1998, p. 26-27), o efeito de idade exprime uma influência (de idade), definida como uma posição determinada no curso de vida, sobre as atitudes, valores e comportamentos; o efeito de período exprime a influência de um dado contexto ou período sobre o conjunto de população vivendo sob efeito dessa influência, e o efeito de geração é usado para salientar traços específicos que fomentam uma relativa identidade social e cultural entre uma geração demográfica.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Área protegida do Mosteiro dos Jerônimos e da Torre de Belém
Créditos Fonte: http://whc.unesco.org/​download.cfm?id_document=102477.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 12M
Título Tabela 1 – Idade dos Entrevistados
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-2.png
Ficheiro image/png, 44k
Título Gráfico 1. Dimensão familiar dos entrevistados.
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-3.png
Ficheiro image/png, 23k
Título Tabela 2– Situação Profissional Atual dos Entrevistados
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 72k
Título Gráfico 2. Grau de instrução dos entrevistados.
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-5.png
Ficheiro image/png, 55k
Título Gráfico 3. Grau de instrução dos Pais dos entrevistados.
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-6.jpg
Ficheiro image/jpeg, 52k
Título Gráfico 4. Grau de instrução das Mães dos entrevistados.
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-7.png
Ficheiro image/png, 31k
Título Tabela 3. Como o patrimônio se manifesta na vida dos entrevistados de acordo com a faixa etária.
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-8.png
Ficheiro image/png, 9,1k
Título Gráfico 5. Elementos Identitários de acordo com o gênero.
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-9.png
Ficheiro image/png, 34k
Título Gráfico 6. Entrevistados com curso superior
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-10.png
Ficheiro image/png, 12k
Título Gráfico 7. Entrevistados com ensino básico ou secundário
Créditos Fonte: Elaborado pelo autor.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11793/img-11.png
Ficheiro image/png, 14k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Rafael H. Teixeira-da-Silva, « E Belém? A questão da apropriação do patrimônio numa freguesia de Lisboa. », Confins [Online], 30 | 2017, posto online no dia 19 Fevereiro 2017, consultado o 27 Abril 2017. URL : http://confins.revues.org/11793 ; DOI : 10.4000/confins.11793

Topo da página

Autor

Rafael H. Teixeira-da-Silva

Doutorando em Geografia na Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (Unesp), rafahts@hotmail.com.

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org