Navigation – Plan du site
Resenhas

Território e circulação

Territoire et circulation
Territory and circulation
Carolina Todesco
Référence(s) :

Mónica Arroyo e Rita de Cássia Ariza da Cruz (Orgs), Território e Circulação: a dinâmica contraditória da globalização, FAPESP/PPGH/CAPES/Annablume, 2015

Texte intégral

1O livro organizado por Mónica Arroyo e Rita de Cássia Ariza da Cruz, publicado pela Annablume, em 2015, com apoio FAPESP/PPGH/CAPES/, é fruto do seminário internacional “Território e Circulação na Dinâmica Contraditória da Globalização”, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, de 7 a 9 de novembro de 2012, no Departamento de Geografia da FFLCH/USP.

2Na ocasião participaram como conferencistas pesquisadores de diversos países como Espanha, Portugal, Suíça, Moçambique, México, Chile e Argentina, e de instituições brasileiras, como Universidade de São Paulo, Universidade Estadual de Campinas, Universidade Estadual Paulista, Universidade Federal do Paraná, Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal da Bahia e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

3Apesar do lapso temporal entre a realização do Seminário e a publicação do livro, em tempos de migração em massa, crises cíclicas do capitalismo e acirramento das políticas ultraliberais e conservadoras no contexto mundial, o livro “Território e Circulação: a dinâmica contraditória da globalização” é uma leitura atual. Suas 356 páginas estão divididas em três partes, cada uma composta por cinco artigos que refletem a diversidade teórica-metodológica e de estudos de casos nacionais e internacionais apresentados durante os três dias do evento.

4A primeira parte do livro, “Redes, Transporte e Logística na Estruturação dos Territórios”, é composta por estudos realizados por Jorge Blanco, da Universidade de Buenos Aires, Mónica Arroyo, da Universidade de São Paulo, Márcio Rogério Silveira, da Universidade Federal de Santa Catarina, Carlos Martner Peyrelongue, do Instituto Mexicano de Transporte, e Frédéric Monié, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

5No artigo intitulado “Territorio, Circulación y Redes: Articulaciones y Tensiones, Jorge Blanco discorre, de forma sucinta, sobre o conceito de território para posteriormente discutir o conceito de redes de circulação e aproximá-los numa perspectiva relacional, destacando suas articulações e tensões ou como o autor denomina “jogos de opostos”.

6Compreendendo as articulações e tensões promovidas pelas redes no território como indissociáveis, pois ao mesmo tempo que promovem uma ordem, estabelecem uma desordem, Blanco expõe cinco casos de tensão exemplares da relação rede-território na Argentina, problematizando o imperativo da fluidez (para quê e para quem?). Por fim, o autor aponta os desafios para o desenvolvimento de uma política orientada à circulação, no âmbito do ordenamento territorial.

7O papel da circulação na estruturação e valorização do território e na produtividade espacial (reveladora da existência de uma hierarquia de lugares na divisão internacional do trabalho) é o tema central do artigo de Mónica Arroyo, “Redes e Circulação no Uso e Controle do Território”.

8Arroyo adota um caminho teórico-metodológico para realizar uma leitura da constituição do território em sua relação com o mercado internacional fundado nos conceitos de fluidez territorial e porosidade territorial, evidenciando a função da norma, da técnica e da política (dos Estados e das empresas) nas condições de circulação de mercadorias, que estruturam e valorizam diferencialmente os territórios.

9Na mesma linha, Márcio Rogério Silveira, em seu artigo “Circulação, Transportes, Logística e a Dinâmica Capitalista: Alguns Apontamentos sobre as Recentes Reestruturações no Brasil”, defende a tese de que o sistema de logística e o sistema de transportes são atividades produtivas, capazes de gerar valor e mais-valia, condutoras da estruturação do espaço geoeconômico. Numa análise do caso brasileiro, o autor faz uma crítica incisiva ao processo de desmantelamento de ambos os setores nos governos Collor e FHC, com a adoção de políticas neoliberais e com o baixo investimento e suporte às empresas nacionais para se inserirem no mercado competitivo global.

10Silveira ainda apresenta os avanços técnicos e normativos do setor conquistados após a mudança de governo, em 2003, mas ressalta que mesmo com a recente reestruturação, os setores de transporte e de logística no Brasil ainda não se recuperaram dos prejuízos causados pelas equivocadas políticas dos anos de 1990, o que impacta na atual capacidade do Estado em preservar o país e as regiões das assimetrias geradas pela globalização e no “custo Brasil”.

11Por sua vez, Carlos Martner Peyrelongue, em seu artigo “Articulación Logística, Modal y Territorial de los Puertos Mexicanos en la Globalización”, avalia as possibilidades de ascensão dos portos mexicanos (Manzanillo, Lázaro Cárdenas, Veracruz e Altamira) na hierarquia da rede global de transporte, elegendo como critérios de análise: a localização dos portos frente aos principais eixos do transporte marítimo internacional; o fluxo de contêineres; o âmbito territorial de captação de carga (hinterlândia); e o desenvolvimento de corredores multimodais.

12Peyrelongue destaca que no cenário atual uma das principais formas do porto transformar-se em hub regional (concentração e distribuição de fluxos continental ou sub-continental) ou em hub global (concentração e distribuição de fluxos para diversos continentes) é ampliando sua zona de influência territorial mediante a integração de transporte multimodal. Desta forma, o autor acredita que a tendência no México é de consolidação dos portos de Veracruz e Altamira (localizados no Golfo do México) como hubs nacionais, e dos portos Manzanillo e Lázaro Cárdenas (localizados na costa do Pacífico) ascender à hubs regionais, a depender das políticas nacionais do setor público e privado e do contexto internacional referente à circulação de mercadorias.

13Já Frédéric Monié, em “As Cidades Portuárias Diante do Imperativo de Fluidez. Território, Circulação e Reestruturação das Hinterlândias dos Portos”, inicia seu artigo questionando a capacidade da geografia portuária clássica em dar conta da atual reorganização mundial do espaço marítimo portuário diante da “crise do sistema porto-cidade”.

14Monié expõe a evolução histórica das arquiteturas espaciais da atividade marítima e portuária e evidencia o processo de difusão da conteinerização na reorganização do espaço marítimo portuário mundial a partir da segunda metade do século XX. Em seguida, discute o rompimento da lógica de transporte de porto a porto e a adoção do modelo de porta a porta, com a terminalização, interiorização e regionalização da atividade portuária, que redefine a relação do porto com sua hinterlândia.

15Para Monié, as recentes mudanças a serviço das exigências de fluidez territorial impostas pelas multinacionais da logística global transformaram o porto em simples nó de trânsito, onde raras cidades portuárias atualmente conseguem promover políticas de fixação local/regional de valor agregado aos fluxos.

16A segunda parte do livro, “Fluxos Econômicos na Divisão Territorial e Internacional do Trabalho”, traz estudos de Adriana M. Bernardes da Silva, da Universidade Estadual de Campinas, Fábio Contel, da Universidade de São Paulo, Christian Berndt, da Universidade de Zurique, João Sarmento, da Universidade do Minho, e Rita de Cássia Ariza da Cruz, da Universidade de São Paulo.

17O artigo de Adriana M. Bernardes da Silva, “A Superposição da Dinâmica Globalizadora no Território Brasileiro: Os Círculos de Informação”, desperta o leitor para o papel que a informação, transformada em mercadoria, assume na nova divisão social e territorial do trabalho. Silva analisa os círculos globais de informações e discute como as grandes empresas de consultoria transnacionais, produtoras e difusoras de informação, foram agentes imperativos no processo de internacionalização da economia e do território brasileiro, na década de 1990, assessorando o Estado, por exemplo, nas políticas de privatização.

18Nesse sentido, a autora ressalta a importância de desvelar a natureza informacional e ideológica das estratégias de poder no período da globalização, lócus de atuação das empresas produtoras de informação, que possibilitam a gestão e o uso corporativo do território a partir dos interesses dos agentes hegemônicos.

19Na sequência, Fábio Contel, em seu artigo “Internacionalização e Privatização Bancária na América Latina e o Regionalismo Bancário no Brasil”, expõe como a privatização na América Latina pôs fim ao regionalismo bancário e concretizou a internacionalização bancária no continente, nos anos 1990, diminuindo o controle dos países nos rumos financeiros nacionais. Ao adentrar no caso brasileiro, Contel faz uma periodização do processo de privatização dos bancos públicos por meio do seu contexto normativo e discute o avanço da alienação territorial no país, ora mais vulnerável às ordens provenientes das grandes firmas financeiras globais decorrente com o término do regionalismo bancário.

20No artigo “Ensamblando los Des/Bordes del Mercado: Violência y Desarrollo Económico en Ciudad Juaréz, México”, Christian Berndt analisa o caso de uma cidade mexicana localizada na fronteira com EUA, considerada a mais violenta do mundo e um dos principais parques de empresas maquiladoras, para discutir modelo de desenvolvimento econômico, representação e contradição socioespacial.

21Após uma abordagem sobre a geração das indústrias maquiladoras (orientadas à exportação) e os planos binacionais de desenvolvimento econômico, o autor, por meio do discurso da elite econômica e política de Juarez, analisa as representações da “cidade do futuro” e da “cidade assassina”, e mergulha no processo histórico de formação do “violento” bairro de Lomas del Poleo para denunciar os conflitos territoriais e as injustiças sociais que se agravam em nome da produção da cidade moderna.

22Em seguida, no artigo “Rotas e Fronteiras no Desenvolvimento Turístico”, João Sarmento compreende as rotas turísticas como produto do consumo cultural associado ao desenvolvimento dos transportes, e apresenta quatro modelos espaciais de rotas turísticas como ponto de partida para a discussão de casos concretos e uma contribuição para o estudo das dinâmicas e configurações espaciais dos fluxos turísticos.

23Tendo como premissa de que o turismo caracteriza-se pelo atravessamento de fronteiras (reais, físicas e imaginárias), como também pela imposição e promoção de barreiras, Sarmento utiliza-se da observação das práticas de turismo em resorts no Quênia e no Sri Lanka para expor as contradições socioespaciais promovidas pela atividade turística.

24Por sua vez, Rita de Cássia Ariza da Cruz, em “Cruzeiros Marítimos: Oligopolização, Centralização de Capital e Uso Corporativo do Território Brasileiro”, aponta para a existência de uma circulação social e espacialmente seletiva no Brasil referente ao transporte aquaviário de passageiros, revelada pelos investimentos públicos e privados na modernização de terminais de passageiros em atendimento às demandas das grandes operadoras globais de cruzeiros (mercado atualmente dominado por quatro empresas transnacionais).

25Cruz salienta que o uso do território pelos cruzeiros marítimos é marcado pela sazonalidade e que a cada momento (temporada) em que as empresas redefinem suas rotas, avaliando as condições que lhes são mais vantajosas, promovem instabilidade nos territórios, próprio de um turismo “globalizado e desterritorializado”.

26Na terceira parte do livro, intitulada “Mobilidade da População na Reorganização dos Territórios e no Cotidiano das Metrópoles”, constam os trabalhos de Inês Raimundo e José Raimundo, respectivamente da Universidade Eduardo Mondlane e Universidade Pedagógica (Moçambique), Gislene Santos, da Universidade Federal do Paraná, Carme Miralles-Guash, da Universidade Autônoma de Barcelona, Andrea Gutiérrez, da Universidade de Buenos Aires, e Sandra Lencioni, da Universidade de São Paulo.

27Inês Raimundo e José Raimundo realizam um estudo histórico das migrações na África Austral e seus rebatimentos no povoamento, na circulação e no reconhecimento das fronteiras nacionais. Os autores, no artigo intitulado “A Migração Moçambicana na África Austral: Povoamento e Formação de Famílias Transnacionais”, também destacam a influência das relações familiares sobre o destino dos fluxos migratórios deflagrados pelos mais diversos motivos (pobreza, guerra, instabilidade política, desemprego, desastres naturais) e de como essas relações se tornaram, ao longo do tempo, uma estratégia de sobrevivência, principalmente, para os membros de famílias transnacionais.

28Além disso, Inês Raimundo e José Raimundo ao aprofundarem seus estudos nos fluxos migratórios entre Moçambique e Malawi reafirmam o fato dos povos da África Sub-sahariana não aceitarem/reconhecerem as fronteiras político-administrativas dos Estados nacionais, pois transitam por territórios em que se identificam com o povo, com a cultura e com a língua, resultado do processo histórico de povoamento da região.

29A migração é também foco dos trabalhos de Gislene Santos. Seu artigo “Território e Mobilidade Populacional – Migrantes Latinos no Paraná” traz não apenas dados sobre a origem e o destino dos fluxos migratórios internacionais no estado do Paraná mas, sobretudo, evidencia a condição dos imigrantes como portadores de uma historicidade espacial e a forma como se utilizam de seu capital cultural e de redes sociais informais para se inserirem nos espaços públicos da cidade. Para sua análise, a autora foca o caso dos imigrantes latinos na cidade de Curitiba e em seu conhecimento ateórico (experiências e visões de mundo) e aponta para a inexistência de políticas públicas que visem de forma efetiva integrá-los ao espaço urbano.

30O artigo intitulado “Movilidade, Transporte y Geografia. Hacia Donde y Para Que”, Carme Miralles-Guasch inicia com uma crítica aos estudos sobre deslocamentos no espaço urbano que partem de uma análise da oferta de transporte. Para Miralles-Guasch é fundamental que o sujeito da análise dos estudos de mobilidade urbana, assim como o centro da política urbana de transportes, seja a demanda, constituída pelas necessidades das pessoas em se deslocar para realizar as distintas atividades cotidianas (laborial, doméstica, lúdica, etc).

31Ao abordar temas emergentes referentes à mobilidade urbana e transporte, a autora destaca o tempo da mobilidade como parte do tempo social; as implicações sociais, econômicas e ambientais da proximidade urbana; além de fazer alguns apontamentos sobre mobilidade numa perspectiva de gênero.

32Complementa essa discussão o texto de Andrea Gutiérrez no artigo “Movilidad Cotidiana y Metrópolis: Desafíos de una Dinámica Contradictoria”, que apresenta um meticuloso estudo sobre a questão da mobilidade e proximidade urbana na Região Metropolitana de Buenos Aires (RMBA), reconhecendo a mobilidade como uma prática social no espaço que resulta de uma complexa trama de aspectos do sujeito e de sua relação com o território. Para expor as contradições da mobilidade cotidiana, a autora adota o caso da mobilidade das mulheres grávidas (ricas e pobres) no município de Pilar, qualificada como uma cidade difusa da RMBA.

33Gutiérrez demonstra que a iniciativa pública de implementar centros de saúde nos bairros de Pilar, sob o paradigma da proximidade urbana, acabaram por produzir o que a autora denomina de “proximidade incoerente”, visto que não amortizaram as condições de vulnerabilidade das mulheres grávidas pobres que precisam se deslocar mais vezes e por maior tempo para acessar serviços de saúde materna distribuídos na cidade difusa (onde se localizam os centros de saúde para a realização de consultas) e na cidade concentrada (onde se localiza o hospital para a realização dos exames e partos) da RMBA.

34A partir dessas contradições, Gutiérrez instiga a Geografia e a Sociologia a encararem as inúmeras interrogações e desafios atuais referentes à mobilidade urbana e ao problema da densidade e proximidade da cidade difusa e da cidade compacta.

35Ainda sobre mobilidade urbana, o artigo de Sandra Lencioni, “Circulando pelos Céus Numa Cidade Congestionada. O Uso de Helicóptero em São Paulo”, problematiza a flexibilidade e o redimensionamento da relação tempo-espaço promovidos pelo uso do helicóptero na cidade de São Paulo, que detém a segunda maior frota do mundo, a serviço de uma pequena parcela da sociedade. Lencioni contextualiza a intensificação das rotas e do uso do helicóptero, como transporte urbano, nos tempos da pós-modernidade que tem como elementos centrais a aceleração do tempo, a flexibilidade e a simultaneidade no fazer. A autora, ao concluir, ressalta a necessidade de inserir nos estudos sobre a produção do espaço urbano de São Paulo essa mais recente forma de circulação pela cidade.

36Como visto, o livro Território e Circulação: A Dinâmica Contraditória da Globalização presenteia o leitor com um conjunto de trabalhos nacionais e internacionais que debatem temas como migração, turismo, transporte, logística, portos, sistema financeiro, círculos de informações, empresas maquiladoras, comércio internacional, fundamentados em conceitos caros à Geografia, tais como divisão social e territorial do trabalho, circulação, mobilidade urbana, fluidez territorial, porosidade territorial, uso corporativo do território, fronteiras, fluxos e redes.

37Mónica Arroyo e Rita de Cássia Ariza da Cruz cumpriram, portanto, o importante papel de organizar o rico e amplo conteúdo das conferências realizadas no Seminário Internacional promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana da USP, em 2012, tornando esse livro fonte de consulta e de novas reflexões de geógrafos, urbanistas, economistas, cientistas políticos, entre outros.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Carolina Todesco, « Território e circulação », Confins [En ligne], 30 | 2017, mis en ligne le 23 février 2017, consulté le 30 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/11879

Haut de page

Auteur

Carolina Todesco

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Ciências Sociais e Humanas, caroltodesco@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org