Navegação – Mapa do site
Resenhas

Modernização Territorial e Redes Técnicas

Modernisation territoriale et réseaux techniques
Territorial modernization and technical networks
Dallys Dantas
Referência(s):

Denis Castilho, Modernização Territorial e Redes Técnicas em Goiás. Goiânia: Editora UFG, 2016. 228 p.

Texto integral

1Modernização Territorial e Redes Técnicas em Goiás é o mais recente livro do geógrafo e professor da Universidade Federal de Goiás, Denis Castilho. Neste estudo, o autor defende que a modernização é um processo territorial articulado dialeticamente por elementos político-ideológicos e elementos técnico-produtivos. Seguindo a estrutura narrativa, discute o conceito de modernização, analisa a formação e espacialização de três redes técnicas (ferroviária, rodoviária e energia elétrica), e elabora uma síntese de todo esse processo, destacando o seu sentido territorial em Goiás. Estes elementos correspondem, portanto, ao conteúdo do livro, que está estruturado em cinco capítulos.

2No primeiro, intitulado Modernização, Modernizações, Castilho analisa o conceito e os sentidos da modernização. Inserido em um período histórico conhecido como Modernidade, como bem observa o autor, esse processo (modernização), embora bastante discutido, é frequentemente mal assimilado. Tal fato se justifica senão como efeito da ideologia reproduzida por grupos políticos e econômicos que se beneficiam de sua “naturalização”. Por quê? Uma boa resposta é encontrada na seguinte afirmação: “a modernização é, antes de tudo, um processo de expansão do capitalismo pelos lugares”.

3Além de discutir o conceito e os sentidos desse processo, refutando a sua naturalização tanto no âmbito dos discursos quanto no contexto de sua materialização, Castilho assevera que a modernização “varia no tempo e no espaço”. Isso significa, de acordo com o autor, que não há uma única modernização, mas sim modernizações. Ou seja, a modernização na Europa não é a mesma que na América Latina ou em outro continente. E mesmo que se considere um mesmo país, a sua espacialização se efetiva de maneira diferente em escalas menores. Do ponto de vista teórico-metodológico, tal fato não só faz lembrar como também reforça a importância de se considerar uma fecunda proposição para a geografia: a diferenciação espacial. Proposição esta cujas raízes remonta ao geógrafo alemão Alfred Hettner, sendo ainda endossada por um de seus principais “seguidores”, o estadunidense Richard Hartshorne.

4Outro ponto explorado por Castilho diz respeito à relação entre Estado e redes técnicas. A elucidação desse processo é fundamental para compreender como ele se imbrica com o advento da modernização em Goiás. Em contraposição a alguns discursos recorrentes na atualidade, oriundos inclusive do meio acadêmico, o autor enfatiza que a técnica é precedida pela política; não o contrário. Ou seja, as redes técnicas, a exemplo de ferrovias e rodovias, são elementos territoriais estratégicos, cuja implantação e reprodução se realizada a partir de interesses de grupos sociais que agem politicamente. Isso significa que o Estado não é o único agente político nesse processo, muito embora sua relevância seja significativa em função de suas características constitutivas. Há também o envolvimento de outros agentes, tais como as pessoas jurídicas interessadas na gestão de uma rede por meio de concessão. Exemplo disso é o crescente processo de concessões das rodovias federais brasileiras.

5Destarte, para compreender como a modernização enquanto processo territorial se realiza em Goiás, Castilho analisa a formação (gênese e evolução), a espacialização, a ação política e o sentido territorial referente a três redes técnicas.

6A primeira é a ferroviária. A análise dessa rede revela como a sua implantação, efetivada em Goiás em 1911, se concretizou segundo uma lógica exógena – interesse do capital em se expandir pelo território brasileiro –, mas também amparada por fatores endógenos – articulações políticas de grupos locais interessados na efetivação desse projeto. Ou seja, a presença dos trilhos em solo goiano representava um importante meio de articulação regional no território brasileiro, uma vez que propiciava o escoamento da produção econômica regional, especialmente em direção ao sudeste do país.

7O autor também esclarece como os trilhos guardam estreita relação com a urbanização de Goiás, particularmente nas regiões circunscritas às áreas de sua influência. Nessas áreas, alguns povoados se formaram ou foram dinamizados em função da implantação da rede, uma vez que demandava não só operários para sua construção, mas também trabalhadores rurais que alimentavam os vagões com a produção agropecuária da região. O autor ainda ressalta que, a partir do relativo crescimento populacional desencadeado por toda a dinâmica econômica em torno dos trilhos, alguns povoados foram elevados à categoria de vila (principal núcleo urbano de um distrito) e, posteriormente, cidade (principal núcleo urbano de um município). São exemplos, dentre outras, as atuais cidades de Goiandira, Pires do Rio, Urutaí e Vianópolis.

8Essa importância estratégica da rede ferroviária para a economia e a urbanização em Goiás, prevaleceu hegemônica até o primeiro quartel do século XX, quando a partir de então os trilhos começaram a perder espaço para outra rede (técnica) de transporte: a rodoviária.

9Eis aí o terceiro capítulo do livro, intitulado caminhos antigos e rede rodoviária. Nesse momento o livro destaca as primeiras investidas de bandeirantes e outros viajantes na abertura de caminhos no interior do Brasil. Muitos desses antigos caminhos são hoje importantes vias de circulação, a exemplo das rodovias federais BR-040 e BR-070. Ao discutir a evolução dos transportes no Brasil, o autor também apresenta o contexto de desenvolvimento e expansão das rodovias no país e elenca alguns dos fatores que contribuíram para esse processo. Dentre eles, destacam-se a deterioração das ferrovias; a demanda por vias mais flexíveis para a circulação de mercadorias com vistas ao abastecimento interno do país; e as politicas governamentais orientadas por interesses de multinacionais, a exemplo das automobilísticas, que vislumbraram na expansão da malha rodoviária uma boa oportunidade de expandir seus capitais.

10Para Castilho, em Goiás, as décadas de 1960 e 1970 marcaram, respectivamente, o processo de formação e expansão (abertura de novas estradas e novos trechos das já existentes) e de melhoramento (pavimentação) da malha rodoviária no estado, especialmente a federal. É nesse contexto, portanto, que se promove a ampliação de uma das principais rodovias federais em território goiano, a BR-153, cujo trecho a partir de Anápolis em direção ao Norte do país é conhecido como “Belém-Brasília”.

11Por meio da linguagem cartográfica, recurso bem explorado no livro, o autor mostra que esse processo de formação e expansão da malha rodoviária caracterizou-se por sua concentração na porção meridional do território goiano. Além da BR-153, que se constitui no principal eixo de circulação no sentido sul-norte, há também as rodovias radiais (que partem de Brasília) em várias direções do país. Dentre essas, destaca-se a BR-060, que, perpassando importantes cidades como Anápolis e Goiânia, interliga a capital federal aos municípios de Rio Verde e Jataí. Por isto constitui-se enquanto principal eixo demográfico e econômico do Centro-Oeste no sentido leste-oeste.

12Em resumo, Castilho observa que, em termos de produção econômica, enquanto o eixo norte-sul (a BR-153) cumpre função estratégica para o escoamento da produção mineral do estado em direção ao Sudeste do país, o eixo leste-oeste (a BR-060), por sua vez, funciona como importante via de drenagem da produção agropecuária goiana. Conforme assinalado pelo autor, esses três setores produtivos – agricultura, pecuária e mineração – representam, respectivamente, as principais atividades econômicas de Goiás, destacando-se os complexos de soja, carnes e minérios. Tal fato aponta, portanto, para a relação estratégica entre rede de transporte e produção econômica.

13A terceira rede técnica analisada consta no quarto capítulo: redes de energia elétrica. Componentes basilares para o processo de modernização, conforme defendido pelo autor, tais redes são fundamentais para a produção econômica em várias escalas, uma vez que delas dependem toda a cadeia produtiva. Por esse motivo, a evolução da rede elétrica em Goiás deve ser compreendida considerando-se o setor no contexto nacional.

14Segundo Castilho, apesar de ações que datam do final do século XIX, a exemplo de autorização do governo imperial para a utilização de eletricidade na iluminação pública, o desenvolvimento do setor elétrico no país começou a ganhar corpo no início do século XX. Destaca-se nesse contexto a crescente demanda interna por iluminação pública e a ampliação da produção agrícola, além da abertura ao capital estrangeiro. Ainda de acordo com o autor, foi nesse contexto que se instalou no país uma das principais empresas multinacionais do setor, a canadense Light S. A., cuja área de atuação iniciou-se no estado do Rio de Janeiro.

15Em Goiás, segundo Castilho, a gênese da rede de energia elétrica se caracterizou por seu aspecto local, privado e pontual. Nas primeiras décadas do século XX, pequenas usinas hidrelétricas foram criadas por iniciativa para atender a demandas coletivas, como iluminação pública e de poucas residências. São exemplos os empreendimentos em Rio Verde (1915) e na Cidade de Goiás (1918). A evolução da eletrificação em território goiano, contudo, foi impulsionada pela urbanização, com destaque pela demanda surgida a partir da criação de Goiânia na década de 1930. Diante disso, o Estado passou a ter papel fundamental na gestão da produção e distribuição de energia elétrica em solo goiano. É nesse contexto que, em 1955, o governo estadual regulamenta a criação da Celg (Centrais Elétricas de Goiás S. A.), a principal companhia do setor elétrico no estado.

16Castilho observa que, no que diz respeito às dinâmicas inerentes à rede de energia elétrica em Goiás, ao Estado cabe o papel de distribuição, enquanto que a produção é comandada por empresas privadas, inclusive de capital estrangeiro. Segundo o autor, a Celg gera apenas 0,19% dos 92% de energia de origem hidráulica que compõem a matriz energética do estado. O autor ainda destaca que essa predominância da matriz hidráulica em Goiás pode ser explicada pelos seus atributos naturais e sua localização estratégica para o funcionamento do Sistema Interligado Nacional (SIN) ao interligar as regiões Centro-Oeste, Norte, Nordeste e Sudeste do país.

17O quinto capítulo, denominado a síntese de um processo, talvez possa ser considerado o mais denso. Em linhas gerais, Castilho defende que, enquanto produtos das relações politicas (portanto de poder) entre diferentes grupos sociais, as redes técnicas são suportes estratégicos para a modernização territorial. No caso das redes de transportes, funcionam como fatores elementares não apenas da dinâmica produtiva, mas também das relações de consumo, uma vez que tais processos são balizados pelo elemento circulação. No que diz respeito à rede de energia elétrica, não menos importante é sua formação (produção e espacialização), haja vista que, nos dias atuais, este insumo é fundamental tanto para a produção quanto para o consumo. Contudo, o autor reconhece que, embora essas redes sejam importantes para o funcionamento do território, outras redes, a exemplo das comunicações, também participam desse processo.

18No que se refere à modernização territorial, Castilho a concebe como processo e síntese. Processo porque, embora seja evidente a sua ligação ao período histórico conhecido como Modernidade, conforme destacado no primeiro capítulo, a modernização se concretiza de maneira diferente pelos lugares. Para o autor, o termo “assimilação” seria apropriado para expressar a concretização desse processo, pois cada lugar assimila de modo peculiar os imperativos da modernidade. Além disso, segundo o autor, a modernização é caracterizada como um processo de “condução”. Isto significa que é pensada, produzida e gerida pelos grupos sociais hegemônicos.

19Ao elaborar a síntese da modernização territorial em Goiás por meio das redes técnicas, Castilho distingue três principais períodos e seus respectivos marcos temporais e espaciais. Para não simplesmente reproduzir a síntese do autor, instigando, assim, a leitura do livro, convém destacar uma de suas afirmações mais contundentes:

20A modernização territorial atual representa o avanço de lógicas modernas recentes, mas também é o quadro sintético de modernizações anteriores. Ela é uma unidade de diversidades. Se no primeiro período as redes tinham características locais, às vezes isoladas, e no segundo características esparsas, no terceiro elas foram integradas. Multiplicaram-se, portanto, as conexões, as relações entre lugares e pessoas, assim como a dependência cada vez maior dos meios tecnológicos (CASTILHO, 2016, p. 194 – grifo nosso).

21Importa ressaltar que, conforme já mencionado anteriormente, as redes, embora possam promover conexões, podem também provocar a segregação. Apesar disso, toda a conexão balizada pelas redes – sejam elas materiais (transportes, energia) ou imateriais (informação, comunicação) –, e que caracteriza a modernização territorial atual, contribui para a intensificação do consumismo, fenômeno este que, segundo o autor, é a síntese dos processos pertinentes à própria modernização.

22Por fim, no que se refere aos processos espaciais, Castilho discute as noções de diferença e desigualdade e acrescenta que dessa última resulta a formação de espaços privilegiados. Ou seja, por suas características socioambientais (população, atributos físico-naturais, etc.), os espaços são evidentemente diferentes. Contudo, à medida que tais espaços são dinamizados, sobretudo na perspectiva das relações sociais de produção, há não mais apenas a diferença espacial, mas também uma desigualdade espacial. E tal dinamicidade pode ser, dialeticamente, causa e consequência de sua configuração territorial.

23Sobre isso, por exemplo, pode-se considerar que espaços economicamente dinâmicos, por meio de seus agentes, forjam ações que os sirvam de redes de transportes mais eficientes e, desse modo, tendem a ser ainda mais dinâmicos. Por outro lado, os espaços não servidos por essas redes têm capacidade produtiva limitada, uma vez que produção e transportes estão estreitamente ligados. A consequência disso seria, portanto, a formação de espaços privilegiados em função do jogo politico que envolves as redes técnicas.

24Conforme assinalado por Tadeu Arrais no prefácio, o conteúdo deste livro ultrapassa a fronteira regional. Isso porque o autor trata com o devido rigor teórico-metodológico um tema fundamentalmente multiescalar: as redes. E mais do que isso: o papel delas na produção do território. A propósito, uma das lições deixadas pelo livro é a necessidade de desnaturalização das redes. É preciso, portanto, elucidar que não são elementos naturais do sistema territorial, mas sim objetos técnicos engendrados e controlados por grupos sociais hegemônicos. Por isso possuem caráter estratégico na produção do território.

25Em suma, Modernização Territorial e Redes Técnicas em Goiás é uma contribuição substanciosa ao entendimento da modernização enquanto processo territorial e também da relação entre redes e território. Constitui-se, portanto, em um importante estudo geográfico sobre a (re)produção do território, especialmente no caso goiano. Por isso, torna-se referência a todos aqueles interessados em compreender processos pertinentes à dinâmica territorial não apenas de Goiás, mas também de outras porções do Brasil.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Dallys Dantas, « Modernização Territorial e Redes Técnicas  », Confins [Online], 30 | 2017, posto online no dia 23 Fevereiro 2017, consultado o 23 Março 2017. URL : http://confins.revues.org/11881

Topo da página

Autor

Dallys Dantas

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Goiás, dallysdantas@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org