Navegação – Mapa do site

Territorialidade de espaço público em uma cidade ribeirinha na Amazônia Setentrional Brasileira – Afuá, Pará

Territorialité de l'espace public dans une ville riveraine dans le nord de l'Amazonie brésilienne - Afuá, Pará
Territoriality of public space in a riverside city in the Brazilian Amazon - Afua, Pará
José Marcelo Martins Medeiros, Jacy Côrrea Neto e Mariana Martins Medeiros

Resumos

A Amazônia Brasileira possui distintas manisfestações espaciais nas cidades. Nesse contexto, a compreensão dos fênomenos urbanos permite o reconhecimento das apropriações contemporâneas e possibilita a tentativa de apreensão do cotidiano. Esta pesquisa investiga o espaço público da cidade ribeirinha de Afuá (Arquipélago do Marajó, Estado do Pará, Brasil) que estrutura-se sob o regime de palafitas e não permite o tráfego de veículos motorizados. Busca-se a compreensão da apropriação da orla desta cidade pela população local através da noção de territorialidade. A pesquisa realizada possui caráter quantitativo e qualitativo mediante a aplicação de questionários, referências bibliográficas e levantamento de campo (técnicas de mapeamento do uso do solo, registros fotográficos e coleta de dados). As teorias de território, sobretudo, as de Raffestin (1993, 2003) permitiram a elaboração de análises estruturadas em dois aspectos: urbanos e socioterritoriais, que poderão servir de subsídios para elaboração de uma proposta de intervenção urbana a fim de promover o desenvolvimento local.

Topo da página

Texto integral

1A urbanização brasileira, caracteriza-se pelo processo acelerado e tardio da transformação dos espaços urbanos (SANTOS, 1993). De modo peculiar, na Amazônia os grandes projetos aliados à intervenção do Estado nas formulações de políticas estatais de incentivo à produção e ocupação foram responsáveis pelo crescimento urbano. Estudos acerca do processo de urbanização brasileiro desmistificam a noção de que a Amazônia é composta apenas por florestas intocadas. Esta região rica em biodiversidade, também é palco de tramas urbanas, tal qual é evidenciado pelas cidades e redes urbanas que a compõem (BECKER, 2005).

2O crescimento demográfico e urbano das cidades da Amazônia brasileira, segundo Porto (2007) a nível regional cresceu de 37,4% para 69,9% entre os anos de 1960 a 2000. O crescimento rápido desencadeou uma urbanização precária na maioria dos casos, fator que implica diretamente na qualidade dos espaços que compõem os centros urbanos. Dessa forma, a infraestrutura inadequada e a precariedade física destes espaços, dificultam a qualidade de vida da população, tanto nas atividades relacionadas ao trabalho como ao lazer e recreação.

3A carência dessas infraestruturas urbanas, principalmente às relativas aos espaços públicos tornou-se ponto de partida para esta pesquisa que analisou o espaço público da orla da cidade ribeirinha de Afuá, localizada no Arquipélago do Marajó, Estado do Pará, na Amazônia Brasileira. Localmente denominada de “Veneza Marajoara”, em função de ser contornada por três rios e diversos igarapés, Afuá possui um peculiar modo de apropriação do território, em que o modo de vida ribeirinho prevalece, além do que é uma cidade que não permite o uso de veículos motorizados, em razão de ser estruturada em palafitas.

4Nesse sentido, esta investigação do espaço público da referida cidade baseia-se em aspectos físicos e socioterritoriais, pois estes permitem a apreensão do cotidiano e das apropriações do espaço. Buscou-se dessa forma, entender a orla como principal espaço público da cidade, onde as territorialidades são manisfestadas em diferentes territórios, construídos a partir das relações entre cultura, identidade e cotidiano.

Abordagens conceituais: território e espaço público

5O território é o resultado de uma ação conduzida por um ator sintagmático (ator que realiza um programa) em qualquer nível, que ao se apropriar de um espaço o "territorializa" (RAFFESTIN, 1993, p. 143). Esta concepção de território segundo Raffestin, se forma mediante uma produção a partir do espaço, portanto, o território é produto da apropriação realizada por seus atores, a este processo denomina-se de territorialização. Ao mesmo tempo que é o território é meio, ele simultaneamente interage e modifica seus agentes e atores.

6Por sua vez Haesbaert (1995 e 1997), Haesbaert e Limonad (1999) apud Haesbaert (2010) sintetizam três vertentes principais de abordagem de território: a política, a cultural e a econômica. A primeira vertente compreende o território baseado nas relações entre espaço e poder, no qual este é tido como um espaço delimitado e controlado por algum tipo de poder. Já a perspectiva cultural, enfatiza a dimensão simbólica e subjetiva, resulta da apropriação e valorização simbólica de um determinado grupo em seu espaço vivido. Enquanto que a terceira abordagem reflete espacialização das relações econômicas no território como fonte de recursos e capital.

7Em se tratando do processo de territorialização, Saquet (2010) caracteriza-o pela complexidade, em função de componentes sistêmicos, das tramas sociais e pela dinâmica de apropriação e reprodução de relações sociais. Nesse sentido, afirma que cada sociedade produz seu território, bem como, territorialidades de modo consoante com normas, regras e crenças de suas atividades cotidianas. Este autor entende a territorialidade como característica da territorialização, exercício pelo qual se compreende e se pratica tal processo.

8Para Robert Sack a territorialidade humana é definida como “a tentativa de um indivíduo ou grupo de afetar, influenciar ou controlar pessoas, fenômenos e relações, através da delimitação e da afirmação do controle sobre uma área geográfica (SACK, 1986, p. 21-22) (tradução livre)”, neste caso, a área ao qual se refere-se é constituída pelo território.

9Como proposta de identificação dos territórios constituídos através de processos culturais, identitários e do cotidiano, Raffestin (2003) destaca quatro abordagens de territórios, as quais são: o território do cotidiano, o território das trocas, o território de referência e o território sagrado. O território do cotidiano consiste, propriamente, no território atual, relacionado com a satisfação das necessidades e que reflete a realidade de aspectos como tensão, conflito e distensão que são evidenciados pelas territorialidades de todos os dias. No território das trocas as articulações entre diferentes escalas espaciais e economia são perceptíveis através da fluidez de mercadorias e pessoas em constante movimento.

10Já no território de referência as relações entre a materialidade e imaterialidade, memória individual e coletiva constituem-se as principais características dessa abordagem baseada na vivência no território e de sua expressão através da leitura espacial. Enquanto que no território sagrado se evidenciam aspectos relacionados com religião e à política, nas sacralidades e rituais que promovem a construção da identidade de um território (RAFFESTIN, 2003).

11A complexidade da cidade como um sistema que agrega transformações dinâmicas e intencionalidades muitas vezes contraditórias, traz à tona, um espaço que é palco de diferentes pontos de vista e distintas classes socioeconômicas. Desta maneira, este espaço de lutas de classes è publicamente visualizado e materializado como o espaço público. Por definição, este espaço é na perspectiva de Borja e Muxi (2003), a própria cidade, em função da história da cidade ser a mesma de seu espaço público.

12Conforme Borja e Muxi (2003) é principalmente no espaço público que as relações de poder e cidadania por parte dos habitantes da cidade se materializam. Nessa conjuntura, o espaço público é o principal espaço abordado pelo Urbanismo, a medida que este revela a cultura urbana, congregado em três esferas espaço público: o físico, o simbólico e o político.

13Gomes (2012) destaca a existência de dois tipos de compreensão de espaço público, um vinculado à área física (ruas, praças, etc.), tema principalmente do planejamento urbano e outro relativo à uma esfera abstrata e imaterial conformada na vida política e na democracia, o qual é temática da ciência política. Segundo este autor, essas duas perspectivas de espaço público devem dialogar entre si, dado que o espaço público físico é a espacialização da política, moldada em interesses coletivos.

14Com ênfase no papel do espaço público através de sua configuração física, Panerai (2006) destaca a finalidade deste em promover a distribuição e a circulação de pessoas e serviços. O espaço público para este autor diz respeito “a totalidade das vias: rua e vielas, bulevares e avenidas, largo e praças, passeios e esplanadas, cais e pontes, mas também rios e canais, margens e praias” (PANERAI, 2006, p. 79-80).

15Por sua vez, Caldeirón (2009) afirma que o espaço público constitui-se como a coluna vertebral da cidade, em razão de permitir sua organização e unidade. Adiciona que os mesmos são caracterizados pelo convívio por excelência e por promoverem a melhoria de qualidade de vida dos habitantes da cidade. Ademais, enfatiza que através da “criação destes lugares de encontro e socialização, as pessoas de distintas culturas e condições sócio-econômicas podem apropriar-se da cidade” (CALDEIRÓN, 2009, p. 24).

16Na definição de Alvares, Vainer e Queiroga (2009) o espaço público não compreende somente os espaços de propriedade pública, relacionados aos bens de uso coletivo, como as ruas, praças, parques ou edifícios públicos, como também a qualquer lugar que indique a apropriação pública, tais como em ações realizadas no âmbito da esfera pública. A contribuição destes autores tange também na afirmação que, embora ocorra a propagação da ideologia de que o meios de informação e telecomunicação provocariam um encurtamento das distância entre a sociedade, e a transformaria em um “aldeia global, o espaço público para eles ainda “constitui-se em totalidade concreta no qual se processa a sociedade; tratam-se,mesmo, de processos sócio-espaciais; não há história, nem técnica, fora do espaço (ALVARES, VAINER e QUEIROGA, 2009, p. 131)”.

17Arendt (2002) por sua vez, explica que o fato de um espaço tornar-se público não significa que este se torne político. Para esta autora este sem a presença da política não pode ser encarado como um espaço verdadeiramente público. Destaca que é somente no “espaço público-político” que o convívio entre cidadãos pode ser assegurado e transmitido para futuras gerações através da cidade como um lugar democrático.

18Alguns teóricos como Serpa (2007) guiam a discussão do espaço público aliada à crise da cidade, em função de que no “espaço público da cidade contemporânea, o “capital escolar” e os modos de consumo são os elementos determinantes das identidades sociais” (SERPA, 2007, p. 13). Este autor também discursa sobre a constituição das sociedades contemporâneas, por sua complexidade e pelo notável aumento do abismo entre íntimo e privado, ou seja, entre a vida privada e vida pública.

19Igualmente, Delgado (1999) afirma que o espaço público possui a tendência de constituir-se como um cenário em relação à estruturação social, no sentido de que sua organização e vivência estarem relacionadas “em torno ao anonimato e a desatenção mútua ou a partir de relações efêmeras baseadas na aparência, na percepção imediata e relações altamente codificadas e em grande medida fundadas no simulacro e na dissimulação” (DELGADO, 1999. p. 13).

20Diante dessas proposições, Lefebvre (2001) já na década de 1960 traz à tona discussões acerca do Direito à Cidade, relativo ao direito à vida urbana, à cidades renovadas e transformadas mediante a vivência nas mesmas por seus habitantes. Para este autor, isto deve ser conquistado mediante à atividade participante do cidadão por meio da apropriação.

Reconhecimento do território em estudo: a cidade de Afuá

21O município de Afuá está localizado sob as coordenadas geográficas 00º 09’ 04” de Latitude Sul e 50º 23’ 15” de Longitude Oeste, ao norte do Marajó, no estado do Pará, limitando–se a  76 km a Norte-Leste de Macapá, no estado do Amapá, a maior cidade nos arredores (ver figura 01).

Figura 1. Localização da cidade de Afuá.

Figura 1. Localização da cidade de Afuá.

Fonte: base cartográfica da Secretaria Municipal de Infraestrutura de Afuá e Google Maps, 2015.

22A cidade de Afuá se diferencia do modelo de ocupação colonial tradicional (figura 2), foi fundada no ano de 1845 e transformada em vila em 1889. A apropriação deste território se deu em solo de várzea e sua estruturação principalmente em palafitas, o que possibilitou a criação de um sistema de vias suspensas que ora conectam-se por meio de vias de madeira ora pelas vias de alvenaria presentes no trecho mais antigo (DIAS e SILVA, 2011).

23Os autores Lomba e Nobre-Jr (2013) enfatizam a hidrografia como elemento inerente tanto nas relações econômicas como sociais da cidade de Afuá, de maneira especial na relação urbano-rural materializados pelos mercados ou feiras. Além disso, Carvalho (2013) mostra que a cidade também expõe suas características através do portos, este que ligam a cidade à outras pelo acesso com rio, assim como pelo meio de transporte empregado, a bicicleta.

24A cidade de Afuá é uma cidade totalmente ciclável. A arquitetura desempenha um papel muito importante na distinção do território afuaense, que se caracteriza pela predominância de casas de madeiras em palafitas.

Figura 2. Vista aérea da cidade de Afuá.

Figura 2. Vista aérea da cidade de Afuá.

Fonte: www.skyscrapercity.com/, 2014.

25Carvalho (2013) ainda destaca a composição da habitação em Afuá no que diz respeito ao uso de cores marcantes nas fachadas, aos ornamentos, da mesma forma, afirma que as habitações geralmente são formadas por dois ou três quartos, uma sala e cozinha, sendo que esta última, um exemplo da cultura ribeirinha na cidade, pela presença do "jirau", uma estrutura que se assemelha à uma bancada de pia,utilizada para o preparo de alimentos.

26No ano de 2000 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística registrou, 29.505 mil habitantes no município, sendo que 23% dessa população é urbana, o que constitui cerca de 6.787 mil habitantes. No censo realizado em 2010, houve um aumento para 35.042 mil habitantes no município, com uma população urbana registrada em 9.478 habitantes.

27Análises físicas

28A cidade de Afuá está situada em um relevo de várzea, caracterizado segundo a conformação das feições de relevo relacionadas ao Arquipélago do Marajó, o qual apresenta duas regiões predominantes, a região dos campos, constituída pelo Planalto Rebaixado da Amazônia sendo a mais elevada e a região dos furos, que constitui a Planície Amazônica, a mais baixa (OTCA; GEF; PNUMA, 2012).

29As cotas altimétricas de Afuá são baixas alcançam no máximo quatro metros. Em função dessa característica, fenômenos de enchentes denominados de “lançantes” pela população local, ocorrem períodos específicos em que as cotas dos rios aumentam e inundam toda cidade (figura 03).

Figura 3. Típica lançante em Afuá.

Figura 3. Típica lançante em Afuá.

Fonte: http://www.parachaves.blogspot.com.br/​, 2014.

30O trecho mais antigo da cidade constitui-se pela orla, a evolução da ocupação urbana (conforme apresentado na figura 4) que se estende de noroeste a leste na cidade de Afuá entre o período de 1890 a 1940. Por conseguinte, no intervalo dos anos de 1941 a 1980 esta foi dirigida do sentido norte ao centro do sítio urbano, além do que avança na direção leste com a construção de um aeródromo (também conhecido como aeroporto municipal).

Figura 4. Mapa de evolução e expansão urbana.

Figura 4. Mapa de evolução e expansão urbana.

Fonte: mapa dos autores, 2015.

31Já nos anos de 1981 a 2006, a cidade passa a sediar uma nova área denominada de “Capim-marinho” ou “Capinlândia” com o vetor de expansão de nordeste a leste até os dias atuais.A evolução da ocupação na cidade em um sítio alagadiço e de várzea permitiu a formação de dois bairros principais: o Central e o Capim-marinho ou Capinlândia.

Morfologia urbana

32Em se tratando da forma da cidade, Kohlsdorf (1996) propõe estudos baseados em categorias analíticas morfológicas, fundamentadas em projeções ortogonais do espaço, tais como planta baixa, malha urbana, macroparcelas e microparcelas, entre outros, tais quais revelam a morfologia da cidade e ajudam a identificar a forma da mesma, um dos produtos das relações sociais no espaço. Essas projeções geométricas no plano horizontal revelam a condição do parcelamento do solo na cidade. Com base nesses estudos, foram elaborados mapas que mostram a relação das quadras e lotes, bem como sua configuração geral através de um sistema de macro e microparcelas.

Figura 5. Mapa de macroparcelas e microparcelas.

Figura 5. Mapa de macroparcelas e microparcelas.

Fonte: mapa dos autores, 2015.

33No que diz respeito à análise do sistema de macroparcelas (quadras), o tecido urbano mostra-se irregular (figura 5) em função dos polígonos irregulares que constituem as quadras tanto no bairro Central como no Capim-marinho, com exceção de algumas que começam a tomar formas retangulares neste último. Já no sistema de microparcelas, os lotes exibem mais irregularidades quanto à forma em relação às quadras. No bairro Central, as microparcelas são maiores variando de uma média de 10 metros de testada a 50 metros de comprimento, aproximadamente.

34Essa configuração se altera em alguns pontos no bairro Capim-marinho em que os lotes sofrem redução em suas dimensões e, em alguns casos tornam-se regulares. Mostram que as macroparcelas começam a ser planejadas e por conseguinte, há uma divisão mais formal e ordenada das microparcelas.

Conectividade viária

35O mapa de conectividade mostra o grau de integração das áreas da cidade através da malha viária, além de mostrar a hierarquia entre as ruas em relação a seus diferentes usos. Esta técnica se embasa na teoria da lógica social do espaço ou sintaxe espacial, que segundo Ribeiro e Medeiros (2012) “tem por foco o estudo das relações entre espaço e sociedade (RIBEIRO; MEDEIROS, 2012, p.126)”, tendo como principais variáveis de estudo a conectividade e integração da malha viária com os diversos espaços da cidade.

36A conectividade corresponde às conexões estabelecidas por um determinado eixo viário a qualquer outro sistema da cidade e é representada por um mapa axial formado pelos eixos viários do tecido urbano, que de acordo com o grau integração permite a visualização de uma gradação de cores que variam de cores quentes a cores frias, respectivamente, das mais a menos conectadas.

Figura 6. Mapa de axialidade.

Figura 6. Mapa de axialidade.

Fonte: mapa dos autores, 2015.

37Dessa forma, este mapa mostra que os eixos viários compreendidos na faixa imediata da orla são mais integrados com os demais eixos, seguido de um eixo mais central da cidade (denominado localmente de “rua do meio” e que sedia um número considerável de pequenos comércios e serviços [ver mapa de uso e ocupação do solo) e que liga as extremidades da orla com o tecido urbano central. Nesse sentido, percebe-se que a orla é a área mais conectada com o restante da cidade.

38Com relação à infraestrutura viária, nota-se duas tipologias de arruamento, ora as vias são apoiadas e revestidas em madeira, ora em são construídas em concreto armado. Ambas tipologias possuem em média aproximadamente três metros de largura e cerca de um metro e cinquenta centímetros acima do solo em função da área alagadiça e das cheias das marés. As vias em concreto armado alocam-se na parte mais antiga da cidade e contornam um considerável trecho da orla situada entre o Rio Afuá e Rio Marajózinho enquanto que as em madeira compõem a maioria das vias na cidade. A figura 7 exibe as referidas tipologias.

Figura 7. Vias em concreto armado e estivas de madeira.

Figura 7. Vias em concreto armado e estivas de madeira.

Acervo: foto dos autores, julho de 2015.

Uso do Solo

39Rocha e Forest (1998) enfatizam que a principal característica do uso do solo é o mapeamento das relações socioeconômicas ocorridas no território, dentre as quais manifestam as relações de apropriação do espaço. Nessa acepção, elaborou-se o mapa de uso e ocupação do solo no entorno imediato da orla de Afuá, que se deu mediante a coleta de informações in loco pelo autor. Tais informações, são tangenciais às atividades e usos presentes nas microparcelas (lotes) e áreas predefinidas (no caso de praças, portos, etc.) no trecho que varia aproximadamente de 100 a 300 metros (distância aproximada das quadras no sentido leste/oeste, o que constitui o entorno imediato).

Figura 8. Mapa de uso do solo do entorno imediato da orla.

Figura 8. Mapa de uso do solo do entorno imediato da orla.

Fonte: mapa dos autores, 2015.

40Quanto as feições das atividades presentes na orla, estas se exprimem pela variedade de usos incorporados na área. No trecho norte, os usos são predominantemente residenciais, contudo, com uma ampla presença de pequenos portos, dentre os quais são responsáveis pela ligação entre a cidade e as pequenas ilhas lindeiras do município de Afuá.

41No segmento oeste, a variação de usos é mais expressiva, encontram-se desde madeireiras, residências, pontos comerciais, áreas de uso misto, institucionais, cobertura vegetal no interior das macroparcelas (lotes), até usos educacionais e recreativos, com destaque aos espaços públicos (que são mais frequentes nesta área) e dos portos (privados e municipal). Isto ocorre porque a “frente da cidade” é uma área histórica, umas das primeiras áreas a serem ocupadas, que incorpora uma dinâmica mais ligada com a capital do Estado do Amapá, Macapá, em razão das grandes embarcações que atracam nos portos privados.

42Já no trecho sul, os usos predominantes são constituídos pelo uso misto 1 (comércio/residência), pelos serviços ofertados pelas feiras municipais de produtos alimentícios, companhia de eletricidade e cemitério, assim como alguns estabelecimentos comerciais que são pontuais e os trapiches relacionados a estes. Enquanto que a leste a cidade é circundada pela cobertura vegetal fechada.

Análises socioterritoriais

43As territorialidades são produtos e representações do território advindas das apropriações do espaço representadas segundo Raffestin (2003) como formas de identificação dos territórios. Nessa conjuntura, o autor propõe interpretações do território baseadas em instâncias em que a cultura e o cotidiano são indispensáveis para tal abordagem. Com base nessas propostas, as análises do(s) território(s) neste aspecto tratarão de quatro interpretações acerca da relação sociedade-território, na tentativa de revelação dessas práticas e exercícios, tais quais destacam-se o território do cotidiano, o território das trocas, o território de referência e o território sagrado.

44A metodologia para definição do território do cotidiano consistiu na apreensão do modo de vida dos habitantes de Afuá e de suas práticas socioterritoriais na orla da cidade, além da observação em campo, foram aplicados questionários e entrevistas com a população. Foram aplicados vinte questionários com uma amostra da população de faixa etária entre 11 a 65 anos de idade, no sentido de obter informações de diferentes pontos de vista sobre o cotidiano das práticas sociais na cidade. Os questionários compreenderam questões pessoais, o reconhecimento da área (tempo e local de permanência) e por fim, questões relativas à importância da área para os usuários e possíveis mudanças. Sobre o tempo e local de permância, perguntou-se sobre quais dos quatro trechos seria o de maior permanência.

45O resultado das análises do território do cotidiano foram retrados por um mapa (figura 9). Os dados indicaram que o trecho 1 mostrou ser o mais frequentado, local onde se encontram praças e áreas de recreação. O trecho 3, também possui importância na permanência dos usuários, lá estão situados os portos, feiras e comércios. Os trechos 4 e 2 foram indicados como de menor permanência possuindo maior uso residencial que os demais trechos.

Figura 9. Mapeamento dos trechos de maior e menor permanência.

Figura 9. Mapeamento dos trechos de maior e menor permanência.

Fonte: mapa dos autores, 2015.

46No território das trocas a relação entre a formalidade e informalidade se evidencia na economia urbana da orla de Afuá (figura 10). O movimento de pessoas é ocasionado principalmente pela existência do mercado de carne, o qual possibilita a aproximação da economia informal através de pequenos vendedores de hortaliças, frutas e de artigos como roupas e utensílios domésticos. Essa relação igualmente ocorre nos mercados de pescado e açaí, nota-se a presença de feirantes e ambulantes aos arredores destes. Além disso, essa relação também ocorre com os portos, nota-se uma hieraquia entre portos municipais, privados e trapiches não oficiais.

Figura 10. Relações formais e informais dos mercados e feiras no território das trocas.

Figura 10. Relações formais e informais dos mercados e feiras no território das trocas.

Fonte: fotos dos autores, 2015.

47Em relação ao território de referência, através de questionários e mapas foram localizados pontos nodais, marcos visuais e visão serial de território (Lynch, 1997), estes importantes efeitos visuais estavam em sua maioria na orla da cidade: Igreja Matriz, Trapiche, Mercado Municipal e Camera Municipal, “Quiosque da quadra” e “Jambeirão” (pequena praça). Além disso, crianças representaram através de desenhos a construção de seus territórios de referência, relativos à uma apreensão afetiva acerca destes. As crianças cartografaram seus territórios vividos e as referências que possuem no espaço público da orla da cidade de Afuá, nos quais puderam ser identificados representações da orla, quadras e praças.

48Em acepção ao território sagrado (figura 11), a simbologia das festividades e lendas constituem-se as manifestações das sacralidades que se dão principalmente pelas festividades e lendas recorrentes ao longo da orla da cidade. Através de questionários, os moradores das cidades elencaram uma diversidade de lendas relacionadas e das festividades religiosas e festivais relacionadas com o rio. As lendas mais conhecidas são a do Boto (Inia geoffrensis) e da Cobra-grande que se refere à existência de uma enorme cobra que habita abaixo da igreja matriz, ambas muito presentes na Amazônia Brasileira. A festividade religiosa mais conhecida é a de Nossa Senhora da Conceição e o Festival do Camarão como festa popular.

Figura 11. Representação do território sagrado no Festival do Camarão.

Figura 11. Representação do território sagrado no Festival do Camarão.

Fonte: www.prefeituradeafua.com.br, 2014.

Considerações finais

49A temática oriunda da territorialização do espaço público de Afuá, recebe devida relevância quando se considera que os modelos de cidades ribeirinhas – cita-se a condição/relação rio-várzea-cidade - constituem-se uma parcela importante das cidades que formam a rede urbana da Amazônia, no sentido de que a compreensão dessa realidade possibilita o conhecimento das relações socioespaciais e das territorialidades da região.

50As análises dos territórios mediante a consideração da cultura e do cotidiano permitiram o conhecimento das territorialidades presentes nos espaços públicos de Afuá. As diferentes abordagens percebidas em um mesmo território possibilitam a compreensão da complexidade das relações socioespaciais da cultura ribeirinha de uma cidade da Amazônia Setentrional Brasileira.

51A interface desses territórios constitui-se como chave para a apropriação e identificação social, tais quais devem nortear as práticas de planejamento e gestão urbanas, assim como, aos projetos urbanos voltados para a apropriação do espaço público, a fim de que os usuários, atores e/ou

52agentes sociais neles envolvidos sintam-se identificados e comprometidos com o espaço que os envolve.

53Compreender esses processos de apropriação no espaço e território urbanos como fenômenos espaciais inerentes à articulação das relações sociais, tal como na orla de Afuá, permite a leitura da cidade em diferentes escalas que, posteriormente, pode subsidiar intervenções no âmbito de planos, programas e projetos urbanos a fim de qualificar e promover o desenvolvimento sustentável de cidades.

Topo da página

Bibliografia

ALVARES, L.; VAINER, C.; QUEIROGA, E. Conflitos urbanos e espaços livres públicos: construção de uma metodologia para estudos comparativos. In: TÂNGARI, V.; ANDRADE, R.; SCHLEE, M. (Org.). Sistema de espaços livres: o cotidiano, apropriações e ausências. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

ARENDT, H. O que é política? Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 2002.

BECKER, B. Geopolítica da Amazônia. Conferência do Mês do Instituto de Estudos Avançados da USP proferida pela autora em 27 de abril de 2004. Instituto de Estudos Avançados, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BORJA, J.; MUXÍ, Z. El espacio público, ciudad y ciudadanía.Editora Electa, Barcelona, 2003.

CALDEIRÓN, J. Os espaços livres públicos e o contexto local: o caso da Praça principal de Pitalito, Huila, Colômbia. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, 2009.

CARVALHO, B. “Lecciones de la floresta: aprendiendo con el ribereño”. In: Congreso Nacional de Vivienda, Universidad Autónoma del México, 2013.

DELGADO, M. El animal público: Hacia una antropología de los espacios urbanos. Editorial Anagrama, Barcelona, 1999.

DIAS, M.; SILVA, M. Afuá: Veneza Marajoara, Pará-Brasil. In: Revista Geográfica de América Central, Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica, II Semestre 2011, pp. 1-18.

GOMES, P. C. Espaços públicos: um modo de ser do espaço, um modo de ser no espaço. In: Olhares geográficos: Modos de ver e viver o espaço. Iná Elias de Castro; Paulo Cesar da Costa Gomes e Roberto Lobato Corrêa (orgs.). Editora Bertrand, Rio de Janeiro, 2012.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 4ª edição. Editora Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2000. Afuá. 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Afuá. 2010.

KOHLSDORF, M. E. Apreensão da Forma da Cidade. UnB. Brasília, 1996.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. Tradução: Rubens Eduardo Freitas. Editora Centauro, 2001.

LOMBA, R.; NOBRE-JÚNIOR, B. “A relação rural-urbano a partir das cidades ribeirinhas: o papel do comércio popular (feiras) na cidade de Afuá (PA)”. In: Revista franco-brasilera de geografia. Número 18, 2013.

OTCA; GEF; PNUMA. Projeto gestão integrada e sustentável dos recursos hídricos transfronteiriços na bacia do rio amazonas, considerando a variabilidade e mudança climática. Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

PANERAI, P. Análise urbana. Tradução: Francisco Leitão. Revisão técnica: Sylvia Ficher. Editora Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

PORTO, J. Amapá: Principais transformações econômicas e institucionais-1943 -2000. 2ª ed. Edição do Autor, Macapá, Amapá, 2007.

RAFFESTIN, C. Immagini e identità territoriali. In: DEMATTEIS, G.; FERLAINO, F. In: Il mondo e i luoghi: geografie delle identità e del cambiamento. Torino: IRES, 2003. p.3-11.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo, Editora Ática, 1993.

RIBEIRO, M.; MEDEIROS V. A regularidade dos padrões urbanos: a Sintaxe Espacial como estratégia para leitura de Olinda e Brasília. In : Revista Oculum Ensaios, n° 16, Campinas, p.124-137, Julho/Dezembro, 2012.

ROCHA, V.; FORESTI, C. O uso do solo urbano e os problemas ambientais da cidade de Iguape-SP. In: Anais IX Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Santos, Brasil, 11-18 setembro 1998, INPE, p. 907-910.

SACK, R. Human Territoriality: Its theory and history. Cambridge University Press, Cambridge, 1986.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. Editora Hucitec, São Paulo, 1993.

SAQUET, M. Abordagens e concepções de território. 2ª Edição. Editora Expressão Popular, São Paulo, 2010.

SERPA, Â. O espaço público na cidade Contemporânea. Editora contexto, São Paulo, 2007.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Localização da cidade de Afuá.
Créditos Fonte: base cartográfica da Secretaria Municipal de Infraestrutura de Afuá e Google Maps, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-1.png
Ficheiro image/png, 333k
Título Figura 2. Vista aérea da cidade de Afuá.
Créditos Fonte: www.skyscrapercity.com/, 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-2.png
Ficheiro image/png, 1,5M
Título Figura 3. Típica lançante em Afuá.
Créditos Fonte: http://www.parachaves.blogspot.com.br/​, 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-3.png
Ficheiro image/png, 1,2M
Título Figura 4. Mapa de evolução e expansão urbana.
Créditos Fonte: mapa dos autores, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-4.png
Ficheiro image/png, 558k
Título Figura 5. Mapa de macroparcelas e microparcelas.
Créditos Fonte: mapa dos autores, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-5.png
Ficheiro image/png, 267k
Título Figura 6. Mapa de axialidade.
Créditos Fonte: mapa dos autores, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-6.png
Ficheiro image/png, 125k
Título Figura 7. Vias em concreto armado e estivas de madeira.
Créditos Acervo: foto dos autores, julho de 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-7.png
Ficheiro image/png, 1,2M
Título Figura 8. Mapa de uso do solo do entorno imediato da orla.
Créditos Fonte: mapa dos autores, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-8.png
Ficheiro image/png, 250k
Título Figura 9. Mapeamento dos trechos de maior e menor permanência.
Créditos Fonte: mapa dos autores, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-9.png
Ficheiro image/png, 231k
Título Figura 10. Relações formais e informais dos mercados e feiras no território das trocas.
Créditos Fonte: fotos dos autores, 2015.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-10.png
Ficheiro image/png, 737k
Título Figura 11. Representação do território sagrado no Festival do Camarão.
Créditos Fonte: www.prefeituradeafua.com.br, 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/11935/img-11.jpg
Ficheiro image/jpeg, 141k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

José Marcelo Martins Medeiros, Jacy Côrrea Neto e Mariana Martins Medeiros, « Territorialidade de espaço público em uma cidade ribeirinha na Amazônia Setentrional Brasileira – Afuá, Pará », Confins [Online], 31 | 2017, posto online no dia 08 Junho 2017, consultado o 20 Novembro 2017. URL : http://confins.revues.org/11935 ; DOI : 10.4000/confins.11935

Topo da página

Autores

José Marcelo Martins Medeiros

Professeur à l'Universidade Federal do Amapá, medeirosjose@gmail.com

Jacy Côrrea Neto

Arquiteto do Núcleo de Estudos em Estética do Úmido, Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Amapá, neto.scorrea@gmail.com

Mariana Martins Medeiros

Engenheira Florestal, Mestre em Ciências Florestais pela UnB, professora da Universidade do Estado do Amapá, eng.marimedeiros@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org