Navigation – Plan du site
Dossiê Araguaia

Cidades, rios e patrimônio

Villes, rivières et patrimoine
Cities, rivers and heritage
Laurent Vidal et Gercinair Silvério Gandara

Texte intégral

Enredo da PortelaAfficher l’image
Crédits : Portela

1Do Brasil à Nova Zelândia, os rios foram honrados neste início do ano de 2017. De um lado a escola de samba Portela venceu o carnaval carioca com um enredo sobre os rios na história da humanidade. A sinopse, divulgada no site oficial da escola, pode ser lida como uma síntese dos saberes populares e dos conhecimentos sábios:

O rio inspira os homens. De suas águas, pescam o sonho e o conhecimento, colhem a história e o encantamento. O rio azul e branco nasce da fonte de onde se originam a vida e as culturas humanas. Prima matéria, a água doce está associada aos mitos de criação do universo das antigas civilizações, é a manifestação do sagrado nas religiões e a maior riqueza para as sociedades modernas. (…) O rio é velho e por ele correm muitas histórias, porque sempre esteve ali a guardar os segredos das águas que deram origem ao mundo. O rio é novo porque está sempre em movimento e nunca passa duas vezes pelo mesmo lugar. O rio não pode voltar. Ele segue em busca do seu destino. Nasce como um fio d’água, calmo e sereno, e continua para receber muitas contribuições em seu curso. Enquanto cresce, irriga e fecunda as margens de onde se colhe o alimento do corpo e da alma. Avança sobre a terra e não se deixa vencer pelas pedras que encontra no caminho. Passa inspirando canções e poemas, linhas e formas sinuosas. Em sua exuberância, desfila entre matas, plantações, casas humildes e mercados, do interior até chegar às grandes metrópoles e receber as imensas construções fincadas em suas margens. O homem e o rio estão ligados pelo corpo e pelo espírito. Os artistas, músicos e cantadores, arquitetos e escritores incorporam a alma do rio e refletem suas imagens. Aqueles que se entregam à devoção e murmuram suas preces, pedidos e promessas fazem procissões e oferendas, agradecidos pelos desejos atendidos. O homem tira a vida do rio. A vida é como um rio que corre em direção ao seu destino1.”

2Do outro lado, o parlamento da Nova Zelândia reconheceu o rio Whanganui, considerado como sagrado pelos Maoris, como uma entidade viva: “I am the river and the river is me”. Dotado de uma personalidade jurídica, “terá sua própria identidade jurídica, com todos os direitos e deveres aferentes” declarou o ministro da justiça, Chris Finlayson. Os interesses deste ser vivo único, “partindo das montanhas até o mar, com seus afluentes e o conjunto de seus elementos físicos e metafísicos”, segundo a nova legislação, serão defendidos nos processos judiciários por um advogado representando a tribo, e um outro o governo. “Essa abordagem, reconheceu o ministro, é única2”.

  • 3 A revista Labor & Engenho (UNICAMP) publica a outra parte dos textos.

3Esses dois exemplos poderiam servir de referência ou justificativa para esse dossiê, cujos artigos foram apresentados durante o quinto seminário Itinerante Franco-Brasileiro: “cidades e rios na história”3. Ilustrado a partir do caso do rio Araguaia, foi realizado em maio de 2016. Nesta oportunidade visitou-se por via terrestre oito cidades goianas (Cidade de Goiás, São José do Bandeirantes, Luís Alves, Porangatu, Niquelândia, Traíras, Uruaçu e Corumbá). Já em itinerância fluvial foi navegado o trecho do rio Araguaia entre as cidades de São José dos Bandeirantes e Luís Alves.

Figura O percurso do seminário Itinerante Franco-Brasileiro

Figura  O percurso do seminário Itinerante Franco-Brasileiro

4A motivação da escolha do rio Araguaia se deu por tratar de um importante rio que nos proporcionou entender o papel histórico dos rios e das vias de comunicação naturais na estruturação de rede urbana regional goiana. Buscamos entender também como vivem as populações do vale do Araguaia e do seu afluente, o Tocantins, suas relações históricas, ambientais, sociais e culturais com os rios e as localidades.

  • 4 Júnia Furtado, “Metamorfoses da colonização: o rio Tocantins e a expansão para o oeste em mapas e r (...)

5Num artigo recente, a historiadora Júnia Furtado evoca um mapa manuscrito do rio Tocantins, encontrado em Belém por Charles Marie de La Condamine (possivelmente em 1742), que serviu ao cartógrafo Jean Baptiste Bourguignon D’Anville para representar o rio Tocantins em seu mapa Amérique méridionale, de 1748. Esta Carte manuscrite de la navigation de la rivière des Tocantins (c. 1735-1742), longo mapa, de 3 m e 33 cm de comprimento por 65 cm de largura,abarca praticamente todo o curso do rio e seus tributários, do arraial da Meia Ponte, em Goiás, bem próximo de sua nascente, até a vila de Cametá, já na foz no rio Amazonas4”. Durante a itinerância deste Seminário, pudemos assim visitar alguns dos pontos designados neste mapa (notadamente Vila Boa de Goiás e Traíras).

Figura Carte manuscrite de la navigation de la rivière des Tocantins

Figura  Carte manuscrite de la navigation de la rivière des Tocantins

© BNF. DCP. Detalhe da “Carte manuscrite de la navigation de la rivière des Tocantins”. GE DD 2.987 (9.554). Manuscrita em tinta e aquarela, colorida, entre 1735 e 1742, 65 × 333 cm [http://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​btv1b530532569]

  • 5 O apoio institucional da UEG Administração Central, Campus Uruaçu, Porangatu, Niquelândia, IF-Goiás (...)

6Viajando entre as bacias do rio Araguaia e do rio Tocantins (como se pode ver no Mappa dos sertões que se comprehendem de mar a mar entre as capitanias de S. Paulo, Goyazes, Cuyabá, Mato-Grosso e Pará – [17--]), este seminário objetivou refletir sobre a multiplicidade das formas de surgimento das cidades e do urbano e conhecer as relações humanas com o meio-ambiente, tanto no tempo quanto no espaço. Procurou entender a configuração das identidades nestas cidades marcadas pelas forças de atração do rio e do interior. Percebeu in loco o contexto histórico da região e suas implicações com os ambientes “naturais”, a relação homem e natureza, as questões socioeconômicas e seus impactos sobre o ambiente, a partir das concepções teóricas e metodológicas da história social e ambiental e a interface com os diversos campos científicos. Articulou estudos das cidades, dos rios e do patrimônio cultural e ambiental. Essencialmente pluridisciplinar o evento incluiu diversas áreas do saber por meio de vários grupos de pesquisa de instituições de ensino e pesquisa do Brasil, da França (inclusive Guiana Francesa), de Portugal e dos Estados Unidos5.

Figura O percurso do seminário e o Mappa dos sertões

Figura  O percurso do seminário e o Mappa dos sertões…

© Mappa dos sertões que se comprehendem de mar a mar entre as capitanias de S. Paulo, Goyazes, Cuyabá, Mato-Grosso e Pará, BNRJ [17--], http://objdigital.bn.br/​objdigital2/​acervo_digital/​div_cartografia/​mss1033414/​mss1033414.jpg

  • 6 Vale a pena assinalar a recente publicação da obra coletiva coordenada por Martin Knoll, Uwe Lubken (...)

7Este dossiê está composto por textos que dialogam sobre a história das relações entre cidades e rios6, a partir de pelo menos três perspectivas:

8Os dois primeiros artigos interrogam assim o papel dos rios e de suas representações cartográficas na estruturação das cidades e de suas regiões.

  • 7 Professor e pesquisador da Universidade de Lisboa.

9- Carlos Guardado da Silva7, em Lixboa sobre lo mar (rio Tejo): a organização e a estruturação do espaço urbano (das origens ao séc XIV)” faz uma análise histórica da cidade de Lisboa desde a matriz fundacional orientalizante, que remonta ao séc. VII antes do Christo, sua organização e a estruturação do espaço urbano até o século XIV e do rio Tejo como a grande “estrada”, que cruzava a Península de Ocidente para o interior da Ibéria, via de comunicação de homens, mercadorias e ideias de e para as cidades, algumas das quais ajudou a construir, assim como o seu imaginário.

  • 8 Professora e Pesquisadora da Universidade Federal de Viçosa

10- Isabel Chrysostomo8 em “Os rios e pântanos nas primeiras representações cartográficas da vila Campos dos Goitacazes: imaginação geográfica e disputas de poder (final do século XVIII até meados do XIX)” discute o nascimento de um poder regional intrínseco à dinâmica dos rios, pântanos e mares, a partir das representações e dos projetos políticos e econômicos dos homens de poder situados na então emancipada vila de Campos dos Goitacazes.

11Os dois artigos seguintes se inscrevem numa perspectiva geohistórica e interrogam a formação territorial das duas principais bacias fluviais das Américas.

  • 9 Professor e pesquisador Louisiana State University

12- Kent Mathewson9 “New Orleans and the Mississippi River: A Braudelian Time-Geographic Perspective” analisa a cidade de Nova Orleans e sua relação com o rio Mississippi no contexto do Mundo Atlântico Este artigo considera o local e a situação de Nova Orleans mostrando como, ao longo de 300 anos de história, a cidade e o rio foram intimamente interligados. Esta relação experimentou modos e intensidades variáveis. As variações podem ser ligadas a mudanças culturais, econômicas e ecológicas em dois hinterlands de Nova Orleans - a vasta drenagem do Mississipi e a grande Bacia Atlântica.

  • 10 Pesquisadora CNRS-CREDA

13- Martine Droulers10, num artigo sintético (“Fazer Territó-rios na Amazônia”) oferece uma leitura geohistórica sobre a formação do território amazônico. Partindo da constatação que nesta região, a territorialização é antes de tudo fluvial, ela sugere de substiuir o conceito de “territó-rio”, com sua dupla significação de espaço delimitado por relações de poder e espaço de consolidação da sociedade, pela expressão de “fluvitórios”, mais adequada à região amazônica.

14Os quatro artigos seguintes são relativos à questão da paisagem cultural e do imaginário ao qual os rios deram forma.

  • 11 Professora e pesquisadora da Universidade Lusófona de Lisboa

15- Margarida Helena de La Féria Valla11, em “Paisagem Cultural da Cidade Templária de Tomar. O Rio Nabão como Identidade Urbana”, analisa as férteis margens do Rio Nabão (Portugal) como referência na paisagem natural da região. Para além da fertilização do seu território envolvente, este rio forneceu energia hidráulica através de construção de açudes e rodas (noras), que foram construídas para diversas fábricas implantadas junto às suas margens ao longo do seu curso na época da industrialização. A paisagem cultural de cidade é hoje definida pelo significado simbólico do Convento de Cristo e pela malha urbana que se relaciona com o percurso orgânico do rio Nabão. Também a paisagem romântica composta pelo curso de água com os seus rápidos e açougues construídos, e também pela pequena ilha ou “mouchão” junto à “várzea pequena” caracteriza o Genius Loci de Tomar.

  • 12 Professor e pesquisadora da Universidade Estadual de Goiás
  • 13 Os resultados aqui apresentados são frutos do trabalho de pesquisa em desenvolvimento, coordenado p (...)

16- Gercinair Silvério Gandara12 em “Rios: território das águas às margens das cidades: (o caso dos rios de Uruaçu-GO-Brasil)”13 ao analisar os rios Maranhão, Passa Três e o Ribeirão Machambombo em Uruaçu como um símbolo representativo dos rios brasileiros, mostra que os indivíduos produzem a sua história, construindo suas noções de natureza e imprimindo nela a sua marca. É notável esses espaços humanizados que trazem as marcas das manifestações da civilização, tal como a conhecemos. Ela nos mostra, também, que as cidades surgidas à margem dos rios invertem e os conduzem a rios à margem das cidades se tornando palcos dos problemas ambientais. E assim a margem das cidades os rios desafiam centrar em ações pautadas na adoção dos princípios de sustentabilidade ambiental que dinamize, conscientize e os preserve.

  • 14 Doutoranda na Universidade Federal de Goiás
  • 15 Professor e Pesquisador da Universidade Federal de Goiás

17- Eliete Barbosa14 e Leandro Mendes Rocha15 em “Visões sobre o rio Araguaya: imprensa Goyana e imaginário nos séculos XIX e XX” deslindam as construções física e social do rio Araguaya pela imprensa, nos referidos séculos. Apresenta uma leitura do rio Araguaya pelas páginas de dois periódicos da imprensa goiana nos séculos XIX e XX: “A matutina Meyapontense (1830-1834) ” e “A Informação Goyana (1917-1935)”. Em verdade, buscam explicitar como as visões do rio Araguaya repercutiram e povoaram o imaginário e os relatos posteriores.

  • 16 Professor e pesquisadora da Universidade da Região da Campanha, Bagé

18- A historiadora Clarisse Ismério16 no texto intitulado “Rincão do Inferno: patrimônio ambiental e cultural situado às margens do Rio Camaquã” reflete assim sobre uma formação rochosa, de beleza paisagística inigualável, localizada entre os municípios de Lavras do Sul e Bagé, às margens do Rio Camaquã, e sugere uma análise na perspectiva de seu patrimônio ambiental e cultural. Esse local, outrora hostil, serviu de refúgio para afrodescendentes que fugiam do sistema escravocrata imposto pelos fazendeiros da região. Assim o Rincão do Inferno passou a fazer parte do quilombo das Palmas, que também é composto pelo Rincão dos Alves, Rincão da Pedreira e Campo do Ourique. Atualmente a comunidade quilombola local é formada por 40 famílias que são as guardiãs da identidade, história e da tradição.

Haut de page

Notes

1 “Portela divulgue o sinopse do enredo para o carnaval de 2017” http://www.gresportela.org.br/Noticias/Detalhes/portela-divulga-a-sinopse-do-enredo-da-portela-para-o-carnaval-2017 (página consultada no dia 06/05/2017).

2 http://www.nzherald.co.nz/nz/news/article.cfm?c_id=1&objectid=10830586 (página consultada no dia 06/05/2017).

3 A revista Labor & Engenho (UNICAMP) publica a outra parte dos textos.

4 Júnia Furtado, “Metamorfoses da colonização: o rio Tocantins e a expansão para o oeste em mapas e relatos (século XVIII)”, Revista Tempo, vol.22, n°40, maio-agosto de 2016

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-77042016000200367&script=sci_arttext

5 O apoio institucional da UEG Administração Central, Campus Uruaçu, Porangatu, Niquelândia, IF-Goiás, Université La Rochelle, UFG, FAPEG, Prefeituras de Uruaçu, Campinorte e Amaralina e demais instituições parceiras foi incomensurável. Agradecemos especialmente ao Reitor prof. Haroldo Reimer e a toda administração superior da UEG que se desdobraram para nos atender nas necessidades que o evento demandava. Agradecimentos especiais ao Colegiado de Pedagogia e ao corpo Administrativo do Campus Uruaçu que não mediram esforços para que o evento fosse sucesso.

6 Vale a pena assinalar a recente publicação da obra coletiva coordenada por Martin Knoll, Uwe Lubken, Dieter Schott (eds), Rivers Lost, Rivers Regained: Rethinking City-River Relations, University of Pittsburgh Press, University of Pittsburgh Press, “Collection History of the Urban Environment”, 2017.

7 Professor e pesquisador da Universidade de Lisboa.

8 Professora e Pesquisadora da Universidade Federal de Viçosa

9 Professor e pesquisador Louisiana State University

10 Pesquisadora CNRS-CREDA

11 Professora e pesquisadora da Universidade Lusófona de Lisboa

12 Professor e pesquisadora da Universidade Estadual de Goiás

13 Os resultados aqui apresentados são frutos do trabalho de pesquisa em desenvolvimento, coordenado pela Profa. Dra. Gercinair Silvério Gandara na Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual de Goiás com o projeto intitulado “Estudos Socioambientais dos Rios Cidades-Beira do/no Norte Goiano: Uruaçu e cidades circunvizinhas”.

14 Doutoranda na Universidade Federal de Goiás

15 Professor e Pesquisador da Universidade Federal de Goiás

16 Professor e pesquisadora da Universidade da Região da Campanha, Bagé

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura O percurso do seminário Itinerante Franco-Brasileiro
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12046/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Titre Figura Carte manuscrite de la navigation de la rivière des Tocantins
Crédits © BNF. DCP. Detalhe da “Carte manuscrite de la navigation de la rivière des Tocantins”. GE DD 2.987 (9.554). Manuscrita em tinta e aquarela, colorida, entre 1735 e 1742, 65 × 333 cm [http://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​btv1b530532569]
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12046/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 7,0M
Titre Figura O percurso do seminário e o Mappa dos sertões
Crédits © Mappa dos sertões que se comprehendem de mar a mar entre as capitanias de S. Paulo, Goyazes, Cuyabá, Mato-Grosso e Pará, BNRJ [17--], http://objdigital.bn.br/​objdigital2/​acervo_digital/​div_cartografia/​mss1033414/​mss1033414.jpg
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12046/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 3,3M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Laurent Vidal et Gercinair Silvério Gandara, « Cidades, rios e patrimônio », Confins [En ligne], 31 | 2017, mis en ligne le 20 juin 2017, consulté le 26 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/12046

Haut de page

Auteurs

Laurent Vidal

Université de La Rochelle (France), Centre de Recherches en Histoire Internationale et Atlantique, Professor Visitante Estrangeiro (CAPES – UFRJ), lvidal@univ-lr.fr

Articles du même auteur

Gercinair Silvério Gandara

Universidade Estadual de Goiás, Campus Uruaçu-GO LHEMA, gercinair@msn.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org