Navegação – Mapa do site
Dossiê Araguaia

Fazer Territó-rios na Amazônia

Histoires de Fluvitoires en Amazonie
Territorivers'stories in Amazonia
Martine Droulers

Resumos

O territo-rio significa uma construção territorial resultante da evolução e inter-relações moldadas por sucessivas épocas históricas e econômicas que colocaram os sistemas fluviais no centro das organizações territoriais cada vez mais malhado e inter-relações moldadas por sucessivas épocas históricas e econômicas que colocaram os sistemas fluviais no centro das organizações territoriais cada vez mais malhado. A bacia amazônica fornece exemplos emblemáticos de "territo-rios" oriundos do controle progressivo dos rios desde as fases de exploração, de ocupação e, finalmente, de integração regional em uma Amazônia em completa transformação.

Topo da página

Entradas no índice

Index de mots-clés :

géohistoire, territoire, fleuve

Index by keywords :

geohistory, territory, river

Índice de palavras-chaves :

geo-história, território, rio
Topo da página

Texto integral

1Ao estudar o tema da formação territorial da Amazônia, nos defrontamos com o paradoxo de tratar a estruturação dos territó-rios no contexto da maior bacia hidrográfica do mundo onde todo fenômeno de territorialização é antes de tudo fluvial e onde a oposição entre a palavra da raiz “terra” e da terminação “rio” é particularmente acentuada. Esse jogo de construção de palavras permite aprofundar um raciocínio geográfico a respeito do conceito de território que é básico na geografia. De fato, existe uma tensão entre os processos que se referem ao termo « terra » implicando apropriação/isolamento/conflito e a palavra “rio” mais fluida significando circulação/união entre os habitantes, mesmo se ele funciona também como linha divisoria. Tentaremos ilustrar como a palavra “territó-rio” com sua dupla significação de espaço delimitado por relações de poder e espaço de consolidação da sociedade seria vantajosamente substituída na Amazônia pela expressão de “fluvitórios”.

2Os rios sempre foram de primeira importância para o processo de ocupação da Amazônia, eles foram vistos como aberturas, caminhos, « estradas liquidas » como dizia Caio Prado Jr e também fronteiras. Destacaremos três principais processos na criação dos territórios na Amazônia: exploração, ocupação e organização que serão estudados ao longo do tempo, pois estes processos se estruturaram tanto no tempo quanto nos espaços. As explorações fluviais se estenderam do século 16 até nossos dias com grandes progressos na cartografia e no reconhecimento dos lugares; a ocupação ribeirinha e a fundação de cidades foi também progressiva, acompanhando os ciclos econômicos; enfim, a organização de verdadeiros sistemas territoriais sempre mais integrados se fez aos poucos na medida em que a sociedade amazônica se estruturava. A cada época, a complexidade dos processos ganha mais força e profundidade. De fato, a cada momento histórico, os três processos operam de maneira concomitante, cada vez com mais amplitude e precisão; é para ilustrar melhor essa dinâmica que montamos uma tabela dita “cronotemática” que acentua a dimensão espaço-temporal mostrando como se passa progressivamente da descoberta dos rios a verdadeiros « fluvitórios » estruturando o espaço amazônico.

Tabela cronotemática do fazer territó-rio na Amazônia

Tabela cronotemática do fazer territó-rio na Amazônia

Uma geohistória dos rios

3A geohistória desvenda o tempo embutido no espaço, afim de explicitar a combinação dos processos que participam da formação territorial, passando pelo reconhecimento das áreas, meios e terrenos, o controle e delimitação dos espaços ocupados, a história das instalações humanas fazendo sociedade.

4O homem se adaptou à geografia fluvial complexa da Amazônia ocupando as beiradas, primeiramente do lado da foz. Como se trata do maior sistema fluvial do mundo com seus múltiplos desenhos: furos, igarapés, paranas, lagos, meandros ... a ocupação das terras baixas foi lenta, porém precoce porque o meio aquático é menos hostil do que a hileia, os traços de verdadeiros trabalhos agrícolas anteriores a 1500 foram observados nas savanas litorais das Guianas (Rostain, 1991).

5O grande contraste geográfico da bacia amazônica ocorre entre as terras baixas denominadas “ várzeas” e as terras firmes dos interflúvios. As várzeas,“ fímbrias de terras alagadiças” foram o “berço” da ocupação amazônica apesar das grandes dificuldades devidas à complexidade do sistema fluvial formado de rios de várzea. O estudo da ilha do Careiro, frente à Manaus, serviu de matriz para compreender esse modo de vida em constante adaptação nas margens do grande rio (O’Reilly Sternberg, 1956)

6Os rios de várzeas fluem através espessas formações sedimentárias que eles depositaram, alteando as bordas. Os processos erosivos nas beiradas são espetaculares e assustadores, como as « terras caídas » que se destacam das margens, arrebatam boas terras, ameaçam as moradas, solapam barrancos... O fenômeno de meandramento, com deslocamento dos paranas, restingas de curvatura, deposição de sedimentos, dificulta a navegação e as comunicações. As primeiras fundações urbanas foram afetadas por esses fenômenos de variabilidade do nível das águas.

Cachoeiras do rio Madeira

Cachoeiras do rio Madeira

7Entretanto a sociedade foi se territorializando pelos rios com atividades marcantes de pesca, lavoura, pecuária “marombas” e extrativismo ao longo dos rios de planície. O homem harmonizou suas atividades praticando de maneira inovadora sistemas combinando atividades agropecuárias e florestais (Bahri, 1992). Porém, a maioria da região amazônica era quase vazia. As explorações dos rios encontravam obstáculos; o contato entre os dois escudos graníticos das Guianas e do Planalto central com a planície sedimentar, cria uma aceleração de declividade que rendia a navegação perigosa ao passar os saltos, as cachoeiras ou as cataratas, famosas no Rio Madeira. Em oposição, as terras firmes cobertas de florestas fechadas acima das águas mais altas ou no planalto granítico, demoraram mais a ser exploradas, conhecidas e ocupadas.

8A complexidade da geografia amazônica, tanto das várzeas quanto do maciço florestal, explica a lentidão da penetração e da ocupação humana e as peculiaridades de uma territorialização onde os rios são essenciais, até matriciais.

9O desvendado geohistórico dos territórios amazônicos pelos rios foi revelado pelos avanços na representação cartográfica. No início eram conhecidas só as entradas dos rios.

10Na Amazônia, os atores do povoamento se diversificaram, desde os militares, religiosos e administradores do tempo da colônia até os inventários dos cientistas e naturalistas e os planos de ocupação do final do século 20. A partir do século 17, a exploração do rio-mar (matriz) e do vale amazônico se realizou pela navegação com alguns personagens-chaves, primeiramente na área da Amazônia oriental (Pará-Maranhão, França Equinocial), depois no oeste, à procura de delimitação das fronteiras com o reconhecimento de rios divisores marcantes, Guaporé, Mamoré... (Oliveira, 2015)

11Em meados do século 17, o padre Antônio Vieira, Visitador-Geral das Missões dos Estados do Pará e Maranhão, explorou o rio Tocantins, estabeleceu núcleos missionários, criou a entidade “região amazônica”. Muitos jesuítas trabalharam a identificar a biodiversidade amazônica e iniciaram as primeiras atividades extrativistas garantindo uma exportação regular de cravo (Dicypellium caryophyllatum), cacau, baunilha, canela, resinas aromáticas e plantas medicinais. A divisão do território entre as ordens religiosas foi regulada por meio de cartas régias (1687-1714), vários grupos de religiosos começaram a tarefa desbravadora de povoamento e evangelização, espalhando missões, capelas e paróquias por milhares de quilômetros pelo vale amazônico.

12Esses espaços foram objetos da cobiça, particularmente dos franceses que tiveram planos para implantar a “França Equinocial” (1605-1615) e finalmente palco da colonização pelos portugueses e, por isso, berço da História do Pará. 

Mapa Geographico del Río Marañón ó Amazonas”, Fritz – 1691

  • 1 Fritz deixou um diário de viagem de três anos de descida do rio Amazonas acompanhado de um document (...)

13O processo de exploração foi fixado pelos trabalhos cartográficos. Assim o “Mapa Geographico del Río Marañón ó Amazonas” (1691), de autoria do padre jesuíta Samuel Fritz1, será a primeira representação gráfica do vale do Amazonas. Esse religioso passou mais de 40 anos percorrando o rio à partir do lado peruano, catequizando os Omáguas, Yurimáguas, Aisuaris e Ibanomas. Um outro documento importante sobre o grande rio, 50 anos mais tarde, foi aquele do francès La Condamine, enviado à América do Sul com outros membros da Academia das Ciências para resolver um dos maiores debates científicos do século 18: a forma do globo terrestre. Ele desceu o Amazonas de Quito até Caiena e contribuiu com seus relatos a fixar uma imagem da Amazônia no imaginário europeu (Safier, 2008).

14A percepção geográfica dos rios da América portuguesa mudou do 17 ao século 19. No inicio a representação do mundo novo era muito simbólica com ilhas, lagos e braços inventados, exagerados. Aos poucos, os lugares foram identificados com topônimos dos Índios e dos portugueses. Dos aldeamentos e missões religiosas surgiram povoados com fortaleza, entreposto comercial, capela... Assim os primeiros povoados foram Gurupá na foz do Tocantins; Santarém, na foz do Tapajós; Borba, no Rio Madeira; Manaus, Moura e Barcelos, no Rio Negro. Varias fortalezas, obras de engenheiros militares, erguidas nas altas ribanceiras foram demolidas pelas águas e tiveram que ser reedificadas, como a de Santarém que foi reconstruída mais solida de pedra e cal em 1762 (Derenji, 2001).

15A dinâmica das vilas pombalinas na Amazônia revelava a progressiva integração política da região, mas também as dificuldades de manter as fundações devido a um desconhecimento dos mecanismos de chuvas e cheias dos rios. Barcelos que recebeu o melhor projeto arquitetônico foi superado por Manaus, pequena povoação criada como Lugar da Barra em 1668 à margem do Rio Negro, próximo da confluência com o Solimões, com um forte quadrangular em pedra e barro e uma capela erguida com o nome de Nossa Senhora da Conceição, futura padroeira da cidade (planta de Schwebel, século 18). Embora, Barcelos (antiga Mariuá) foi designado em 1755 para ser sede da capitania de São José do Rio Negro, depois de ter sido o local de encontro dos delegados de Espanha e Portugal nas negociações e ajustes de fronteiras após o tratado de Madrid. A cidade foi arruada, prédios públicos foram edificados para receber Mendonça Furtado com uma tropa de 1000 pessoas. Porém a melhor situação de Lugar da Barra junto ao rio Amazonas fortaleceu a sua importância, entre 1791 e 1833, teve alternância dos governos entre as duas cidades antes de Manaus se afirmar como vila e capital.

16De fato, a partir do século 18 apareceu uma estratégia de ocupação permanente seguida por uma representação cartográfica mais completa mesmo que ainda deformada nas longitudes; os rios passaram a ser reivindicados como marcas do domínio político, notadamente para fixar as fronteiras ocidentais da América portuguesa. A formação do Mato Grosso ilustra esse episódio dentro do qual as monções, as expedições fluviais de São Paulo até Belém (Buarque de Holanda, 1954) confirmaram a possibilidade do contorno fluvial da ilha Brasil. Uma rede de vilas, cidades e fortalezas foi elaborada no século 18: no terraço do rio Guaporé, Vila Bela de Mato Grosso foi fundada em 1777 e no rio Madeira, o aldeamento jesuíta dos índios Trocano foi elevado a vila, com o nome de Borba-a-Nova em 1756, para dar o exemplo e para salvaguardar o controle do caminho fluvial do Madeira-Mamoré. A construção cartográfica do Mato Grosso revela uma nova consciência do território apoiada na produção cartográfica do governo de Luís de Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres, que tinha como objetivo de mostrar o território do “vasto continente do Brasil” com os trajetos dos rios, que permitiram efetuar um corte do território lendo-o a partir das suas veias internas (Araujo, 2015)

17Isso significava mais território apropriado pela Coroa portuguesa, fato que foi oficializado pelo diplomata Alexandre de Gusmão baseado no Mapa das Cortes e no Tratado de Madri (1750), que legitima a posse de 2.400 km do Rio Amazonas, salvaguardando o acesso exclusivo ao Oceano Atlântico, a rota mais fácil de alcançar a Europa.

18A segunda parte do século 19 se caracteriza pela exploração dos seringais o que significa a consolidação da sociedade amazônica com o ciclo da borracha, que sublinha mais uma vez a importância dos rios. “O rio, sempre o rio, unido ao homem, em associação quase mística”... sem deixar de ser “a fonte perene do progresso” segundo a obra clássica de Leandro Tocantins (1952) que sublinha a importância econômica dos rios percorridos pelos comerciantes. “A figura do aviador, que se tornou armador de navios, com o pleno advento da navegação a vapor, exerceu, ao lado do dono do seringal, papel relevante na nova sociedade. Se o patrão foi o aristocrata da beira do barranco [coronel de barranco], o aviador foi o banqueiro da cidade” (Tocantins, 1952)

  • 2 A exemplo do rio Roosevelt assim nomeado porque explorado pelo presidente americano Theodore Roosev (...)

19A exploração prossegue, os naturalistas percorrem os rios até as nascentes, realizando os inventários da fauna e flora, descobrindo novos rios e os nomeando2. Henri-Anatole Coudreau iniciou a exploração dos grandes afluentes Tapajós, Xingu, Tocantins, Araguaia.... No período 1889 - 1909 os tratados de fronteiras ajustarem os limites do Brasil sobretudo na Amazônia. Assim, o contestado franco-brasileiro na Guiana se resolveu pela identificação dos rios fronteiriços (Araguari, Oiapoque). Com a falta de conhecimentos locais, os franceses perderam um pedaço consequente do escudo das Guianas.

20A cartografia progrediu com a instalação do telégrafo, Rondon tenente foi designado para a “Comissão de Linhas Telegráficas de Cuiabá ao Araguaia”, sob o comando do Major Gomes Carneiro e a “nação foi unida por um fio”, muitas vezes interrompido. Mesmo assim, a Amazon Telegraph Company, sofria problemas para manter uma comunicação regular entre Belém e Manaus.

21Grandes obras para contornar as cataratas como no caso da construção da ferrovia Madeira-Mamoré foram epopeias, acompanhadas de novas implantações urbanas como Porto Velho, verdadeira Company town do início de século 20, a beira do Madeira (Droulers&Vidal, 2004).

22Foi somente na segunda parte do século 20 que os processos de ocupação se intensificaram quando vários projetos de grande porte afetaram os maiores rios e os modos de vida dos ribeirinhos; o Brasil moderno, agro-industrial penetra na Amazônia criando novas dinâmicas territoriais, mais particularmente à partir dos sistemas fluviais.

23O século 20 se caracteriza por uma maior capilaridade na ocupação do território amazônico até então pouco povoado, a força da água é aproveitada, a malha urbana consolidada, a tecnologia entra na floresta (Becker, 1998). A população da Amazônia passa de 2 a 20 milhões de habitantes com modelos urbanos diferenciados : em Rondônia um subsistema de urbanização dirigida composto por cidades adensadas entre Vilhena e Porto Velho, de núcleos distantes 60 km entre si, baseados na economia madeireira e leiteira; no Pará, com adensamento de cidades ao oeste da Belém-Brasília (Browder e Godfrey,1997). Ultrapassa-se os rios para conquistar os interflúvios e conectar regiões e bacias hidrográficas. As redes de transporte integram os eixos fluviais e rodoviários em sistemas multimodais, que permitem uma maior organização dos territórios com atividades voltadas ao mercado.

24Além das ambições econômicas, existem também preocupações geopolíticas. A partir de 1970, se opera a integração da bacia Amazônica pelas estradas segundo os planos do governo militar de aplicar a geopolítica da Panamazônia à partir de melhores ligações e convênios com os outros países da bacia amazônica. Iniciado pelo Tratado de Cooperação Amazônica, TCA, de 1978, esse foi consolidado pela Organização do Tratado de Cooperação Amazônica OTCA com sede em Brasília, e finalmente amplificado com os projetos da IIRSA Iniciativa de Integração Regional Sul Americana, 2000, que serviam de base para grandes investimentos infraestruturais. Com o equipamento de novos eixos fluviais nacionais e internacionais interligados com redes rodoviárias, a Amazônia não está mais no fim do caminho, ao contrário, ela assegura seu lugar no centro do continente. Ao passo que, sua estrutura territorial está sendo consolidada pelo surgimento de novos espaços funcionais nos quais os rios renovam seus papeis.

Localização dos fluvitorios apresentados

Localização dos fluvitorios apresentados

A dinâmica atual dos « fluvitórios»

25O Fluviótrio representaria uma construção territorial que resulta e depende de equipamentos e inter-relações moldadas pela nova economia que contribui para colocar os sistemas fluviais no centro de uma organização territorial ampla e de grande porte oriunda de mudanças significativas no uso e planejamento dos rios.

26A bacia amazônica oferece exemplos emblemáticos de “fluvitórios” organizados  em poucas décadas e com mudanças irreversíveis. Essas regiões construídas em função da atração da água e pela valorização das beiradas podem receber esta denominação, um termo mais específico capaz de superar e transcender o jogo de palavra de “territó-rios”, afim de enfatizar mais claramente no elemento-chave do rio

27O fluvitório foi inspirado pelo termo « marritório », o qual corresponde a um uso parecido para caracterizar a territorialidade que nasce de uma organização planejada nos espaços marítimos  (Parrain, 2012).

28Os fenômenos de territorialização se constroem quando a sociedade civil está cada vez mais densa, organizada, identificada com redes urbanas consolidadas e atividades diversificadas. No caso da Amazônia, novos espaços nascem das transformações que ocorrem em várias escalas, nos eixos dos rios, nas beiradas fluviais, nas regiões impactadas pelos novos usos das águas devido à tecnologia de equipamentos modernos, assim como a ousadia dos homens para dominar os cursos dos rios tão caudalosos quantos os amazônicos. Além da transformação dos rios da Amazônia em hidrovias, da expansão do agronegócio, variados empreendimentos são viabilizados, exploração de minérios, reflorestamento, atividades turísticas, passeios ecológicos ... com importantes movimentos de população.

29Alguns exemplos recentes vão ilustrar essas dinâmicas de criação de novos territórios dependentes do uso funcional mais integrado dos rios e criados como novas entidades espaciais, chamadas de “fluvitório” articulação de novos usos.

  1. - a constituição de um novo território entorno do lago de Tucuruí apareceu como desafio territorial após a construção da usina hidrelétrica que barrou o rio Tocantins (1978-1984) encobrindo antigos desníveis, inundando uma area de 2800 km2 provocando a submersão de 13 povoados ribeirinhos (Jatoba, 2006). A usina tem a capacidade de gerar 8370 MW para o sistema elétrico nacional. Essa obra necessitou muitos rearanjos espaciais como a translação de milhares de habitantes, de sedes de municípios (Nova Jacundá, Novo Repartimento, Nova Ipixuna, Nova Goianésia) e resultou no reordenamento espacial organizado em função da barragem e do lago criando um “fluvi-tório”. Nesse espaço se deslinéia uma regionalização “fluvitorial” que procura resolver tanto os impactos socioambientais quanto os conflitos de acesso à terra e moradia. Empresas públicas e privadas, atores da sociedade civil acertam com os novos ocupantes, pescadores, lavradores afim de reorganizar o uso do solo, resolver as questões de mobilidade, de transporte... A Eletronorte, interessada na fiscalização das atividades no lago, nas beiradas e inúmeras ilhas, intervém a titulo de compensação ambiental mantendo o Parque Ecológico de Tucuruí, a ilha de germoplasma, duas zonas de proteção da vida silvestre. A cidade de Tucuruí, com mais de 100 000 habitantes, é o marco urbano desse processo reorganizativo ocupando uma posição de destaque como núcleo político e social. A região, uma área composta de sete municipios, totalizando 40 000 km2, 360 000 habitantes e tres cidades de mais de 50 000 habitantes, ganhou uma identidade e foi integrada no Plano de desenvolvimento sustentável do Estado do Pará com a denominação “Região de Integração Lago de Tucuruí” (Governo do Pará, 2009). O planejamento procura aplicar um modelo de gestão desenvolvimentista participativo, no qual o reservatório representa um atrativo turístico com uma nova biodiversidade (pesca do tucunaré) e nova sociabilidade, festas, praias, torneio de pescas... A circulação faz parte das atividades “fluvio-territoriais” estruturantes e nesse caso o vale do Tocantins, muitas vez contemplado no planejamento, tem uma vocação hidroviária; seu curso já está controlado pelo equipamento de 4 outras hidrelétricas a montante, e desde 2011, as eclusas de Tucurui que permita a ligação fluvial entre Marabá e Vila do Conde na época de águas altas.

  2. - o território da empresa Jari, grande projeto agroindustrial sobre 2 milhões de hectares, a margem esquerda do baixo Amazonas, unicamente accessível pelo rio Jari, foi planejado como tentativa de exploração racional da floresta amazônica nos anos 1970. Os empreendimentos agrícolas e industriais como a fábrica de papel flutuante (1978), uma usina de caulim foram alvo de muitas críticas até os anos 2000 quando foi implantado um plano de gestão florestal de grande escala com a certificação dos produtos (Le Tourneau, 2013). Cidades e portos crescerem, a região ultrapassa os 100 000 habitantes na construção em 2014 da usina hidrelétrica Santo Antônio do Jari (375 MW e um lago de 31 km2) veio completar o dispositivo. Um fluvitório-laboratorio que desenvolve uma importante proteção da biodiversidade começando pelas beiradas. Um outro fluvitório minero-industrial em formação estaria, à 1000 km à jusante no Amazonas, o Porto e rio Trombetas onde a extração da bauxita como atividade econômica nevrálgica gera diversos impactos e exigem uma gestão florestal e proteção ambiental com garantia aos quilombos) .....

  3. - O gasoduto Urucu-Coari-Manaus inaugurado em 2009 com 663 km de extensão leva o gás de Urucu (onde a Petrobras extrai petroleo) até Manaus. Essa obra testemunha a ousadia da implantação de grandes infraestruturas na bacia amazônica. A canalização leva o gas natural para as térmicas da capital do Amazonas e representa uma obra de tecnologia avançada atravessando os rios Solimões e Negro e 7 municípios que recolhem quota parte do ISS. Foi objeto de muitas pesquisas como o “Monitoramento Ecoambiental do Gasoduto no Amazonas”, projeto MEGA do INPA que estuda a limnologia, a qualidade da água: hidroquímica, fitoplâncton, zooplâncton; sedimentos; macrófitas aquáticas... e o projeto PIATAM que apoiou varios trabalhos de mestrado e doutorado. Embora, mesmo se a rentabilidade da obra de diversificação da matriz energética do Amazonas, é questionada, a construção de um gasoduto em áreas ribeirinhas amazônicas representa um novo componente dos fluvitórios em formação, uma rede com importantes impactos locais e regionais.

  4. - O caso mais recente é o fluvitório do alto rio Madeira onde o equipamento hidroelétrico esta impactando fortemente o norte do Estado de Rondônia, da capital Porto Velho até a região trans-fronteiriça Brasil-Bolivia-Peru. A partir de 2007, a construção de um Complexo hidroeléctrico no Río Madeira (CRM) de 7.300 MW de potencia instalada, destinado al Sistema Interconectado Nacional (SIN) baseado sobre duas usinas de Santo Antônio e Jirau representa mega-obras que atraem milhares de operários, usando toneladas de materiais, implicando em novos arranjos territoriais, assim como importantes modificações hidrológicas, iniciando o novo programa hidroelétrico do Brasil na Amazônia. A prefeitura de Porto Velho com um território que margea o rio Madeira sobre mais de 300 km seria o pilar dessa reorganização fluvitorial micro e macro regional (Broggio & al., 2014). Não se pode esquecer de mencionar, a constituição do “fluvitorio” Altamira-Xingu, maior obra de engenharia do Brasil e a mais polêmica que mereceria ser tratado num trabalho especifico.

  5. - Pode-se citar ainda alguns “fluvitórios” de escala regional como seria a ilha de Marajo, ou “fluvitórios” de escala local entorno o uso de recursos aquaticos. Por exemplo, os açaizais nativos de florestas de várzeas correspondem a uma área de extrativismo, explorados com a preocupação da regeneração natural nas ilhas e na costa estuarina do Rio Amazonas. Os frutos do açaizeiro entraram nos novos circuitos de comercialização em escala mundial o que necessita uma reorganização social e espacial da cadeia produtiva e do manejo (Brondizio, 2016). Entretanto, a fragilidade de uso dos rios esta sempre lembrada, como foi por exemplo, o rio Murucupi, no município de Barcarena, atingido pelo vazamento de lama vermelha, efluente do processo de beneficiamento de bauxita da empresa Alunorte que ocasionou graves incidências ambientais.

  • 3 Em termos de planejamento, a denominação “territórios fluviais” esta sendo utilizada na União Europ (...)

30Esses territórios em gestação, que nascem de uma reorganização socio-espacial nas zonas dominadas pelos sistemas fluviais e onde a ocupação das beiradas está sendo modificada e enquadrada nas operações de planejamento3 e zoneamento, poderiam receber a denominação de “fluvi-tórios”, termo adequado aos fenômenos de territorialização particulares às bacias amazônicas onde a agua “comanda a vida”. O fluvi-tório representaria uma construção territorial que depende, antes de tudo, das características e especificidades dos sistemas fluviais, particularmente realçadas na Amazônia. Atrás da expressão figura a preocupação da gestão dos recursos hídricos nas bacias hidrográficas vista como instrumento do desenvolvimento integral multissetorial das bacias e sub-bacias. Essas territorialidades hídricas surgem como uma nova possibilidade interpretativa e de intervenção, em que a água assume uma função integradora. Essa tentativa de nomear e definir melhor os objetos geográficos oriundos das transformações socio-espaciais no planeta de 7 bilhões de pessoas, demonstra a necessidade de multiplicar a aprofundar os estudos de geografia na busca da melhor explicação dos fenômenos de ocupação dos territo-rios.

Topo da página

Bibliografia

ANDRADE T. K., TAVARES M. G. (2012), « O projeto de integração Amazônica visto pela turistificação dos lugares », Confins [Online], n°14.

ARAUJO R. (2015), « Os Mapas do Mato Grosso », in  Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 4 .

AB'SÁBER A. N. (2010), “Zoneamento fisiográfico e ecológico da Amazônia”, in Estudos avançados, vol.24 no.68 São Paulo  2010

BAHRI S., (1992),  L’agroforesterie, une alternative pour Le développement de la plaine alluviale de l’Amazonas, l’exemple de l’île de Careiro. Thèse de doctorat, Université de Montpellier

BECKER, B. K. (1998) A Especificidade do Urbano na Amazônia: Desafios para políticas Públicas Consequentes. Estudo elaborado para a Secretaria de Coordenação dos Assuntos da Amazônia. Legal - Ministério do Meio Ambiente. Rio de Janeiro, Ministério do Meio Ambiente. 60 p.

BROGGIO, C., CATAIA, M., DROULERS, M., & PALLAMAR, J.-P. (2015). Les barrages du Rio Madeira : géopolitique d’une intégration transfrontalière Brésil-Bolivie-Pérou (The Rio Madeira dams : geopolitics of a Brazil-Bolivia-Peru transborder integration). Bulletin de l’Association des géographes français, 92(2), 226–243.

BRONDIZIO, E. S., VOGT N., MANSUR A., COSTA S., ANTHONY E., HETRICK S., 2016. A Conceptual Framework for Analyzing Deltas as Coupled Social Ecological Systems: An example from the Amazon River Delta and Estuary. Sustainability Sciences. Vol :1-19. DoI: 10.1007/s11625-016-0368-2.

BROWDER, J.O., GODFREY, B.J. (1997). Rainforest Cities: Urbanization, development, and globalization of the Brazilian Amazon. N.Y. Columbia University Press.

DE BIAGGI E., 2015, « Tradições cartográficas e fixação de fronteiras na independência brasileira », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 4 .

DERENJI J. S. (2001), “As cidades da rede de defesa interna da Amazônia. Obidos, Santarém, Manaus”, Actas do coloquio internacional universo urbanistico portugues.

DOUGLAS SATHLER R. L., MONTE-MOR J. A. M. (2009), “As redes para além dos rios: urbanização e desequilíbrios na Amazônia brasileira”, Nova economia. vol.19 no.1 Belo Horizonte.  

DROULERS M., (2001), Brésil, une géohistoire, Paris, Presses Universitaires de France. 

DROULERS M., VIDAL L. (2005), « Porto Velho : de la Company town à la ville des fonctionnaires (1910-1970) », in : VIDAL, L. (dir.), La ville au Brésil (XVIIIe – XXe siècles). Naissances, renaissances. Paris, Les Indes Savantes, pp. 95-111.

FERREIRA D.L.N. (2014), “Território e bacia hidrográfica: reflexões teóricas para um modelo de gestão dos recursos hídricos na amazônia” in Boletim Amazônico de Geografia, Belém, n. 1, v. 01, p. 153-169.

JATOBA, S. U. S. (2006), Gestão do Território e a produção da socionatureza nas Ilhas do Lago de Tucuruí na Amazônia Brasileira. Tese apresentada ao Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília.

LEONARDI, V., (2000), Os historiadores e os rios: natureza e ruína na Amazônia brasileira. Brasília: Paralelo 15/ UnB.

LE TOURNEAU F.M. (2013), O rio Jari, géohistoire d’un fleuve amazonien. Presses Universitaires de Rennes

OLIVEIRA F. R. (2015), « História da cartografia brasileira e mapoteconomia segundo Jaime Cortesão », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 4.

PARRAIN C., 2012, « La haute mer : un espace aux frontières de la recherche géographique », EchoGéo [En ligne], 19 | ,

ROSTAIN S., 1991, Les champs surélevés amérindiens de la Guyane. Coll° La Nature et l’Homme, Centre ORSTOM de Cayenne/Institut Géographique National, Cayenne, 28.

SAFIER, N., 2008, Measuring the New World: Enlightenment science and South America. Chicago: University of Chicago Press.

SATHLER D., MONTE-MÓR R. L., CARVALHO J. A. M., 2009, “As redes para além dos rios: urbanização e desequilíbrios na Amazônia brasileira” Nova economia, vol.19, n°1, Belo Horizonte.

SILVA R. G. da C (2015) , « Amazônia globalizada: da fronteira agrícola ao território do agronegócio – o exemplo de Rondônia », Confins [En ligne], n°23.

STERNBERG, H. O’R. (1956), A água e o homem na várzea do Careiro, 2a Ed. Belém Museu Emilio Goeldi, 1998, 2 vol.

TEISSERENC, P. (2010), Ambientalização e territorialização: situando o debate no contexto da Amazônia brasileira. In: Revista Antropolítica. Niterói, N. 29, pp. 153-179.

TOCANTINS, L., 1952, O rio comanda a vida, 1ª edição 1952

TRINDADE Jr, S.C; ROCHA, G. M (Org), 2002, Cidade e Empresa na Amazônia. Gestão do Território e Desenvolvimento Local. Belém: Ed: Pakatatu.

Topo da página

Notas

1 Fritz deixou um diário de viagem de três anos de descida do rio Amazonas acompanhado de um documento cartográfico muito preciso na latitude equinoxial.

2 A exemplo do rio Roosevelt assim nomeado porque explorado pelo presidente americano Theodore Roosevelt em expedição com Candido Rondon (1913).

3 Em termos de planejamento, a denominação “territórios fluviais” esta sendo utilizada na União Europea para designar projetos europeus inter-regionais que tratam da gestão de riscos de inundação.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Tabela cronotemática do fazer territó-rio na Amazônia
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12065/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 72k
Título Cachoeiras do rio Madeira
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12065/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 24k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12065/img-3.png
Ficheiro image/png, 719k
Créditos Mapa Geographico del Río Marañón ó Amazonas”, Fritz – 1691
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12065/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 908k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12065/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 68k
Título Localização dos fluvitorios apresentados
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12065/img-6.jpg
Ficheiro image/jpeg, 84k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Martine Droulers, « Fazer Territó-rios na Amazônia », Confins [Online], 31 | 2017, posto online no dia 20 Junho 2017, consultado o 23 Setembro 2017. URL : http://confins.revues.org/12065 ; DOI : 10.4000/confins.12065

Topo da página

Autor

Martine Droulers

CNRS, Paris3, martine.droulers@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org