Navigation – Plan du site
Dossiê Araguaia

Rios: território das águas às margens das cidades: o caso dos rios de Uruaçu-GO

Rivières: le territoire de l'eau sur les rives des villes: le cas des rivières d'Uruaçu-GO
Rivers: territory of waters on the banks of cities: the case of Uruaçu's-GO rivers
Gercinair Silvério Gandara

Résumés

Dans cet article, j'essaie de montrer que les individus produisent leur histoire, construisent leur notions de nature et y impriment leur marque. J'ai choisi les rivières Maranhão, Passa Três et Ribeirão Machambombo à Uruaçu-GO comme symbole représentatif des rivières brésiliennes, qui constituent un ingrédient de base de la vie urbaine, mais deviennent aussi la scène des problèmes environnementaux. En conséquence, dans les villes qui ont émergé sur les rives des rivières la situation s'inverse et on voit des rivières sur les marges des villes. L'histoire socio-environnementale offre une possibilité d'analyse et de réflexions sur les impressions saisies dans ce processus. Cependant, d'autres catégories, préoccupations conceptuelles et méthodologiques sont nécessaires également pour recueillir des contributions plus cohérentes et fondamentales à cette analyse.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

histoire, rivières, villes, territoire, espace vécu.

Index by keywords :

history, rivers, cities, territory, lived space

Index géographique :

Uruaçu-GO

Índice de palavras-chaves :

história, rios, cidades, território, espaço vivido.
Haut de page

Texte intégral

UruaçuAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2016
  • 1 Os resultados aqui apresentados são frutos do trabalho de pesquisa em desenvolvimento, coordenado p (...)
  • 2 IBGE: Agência de Uruaçu. Aspectos históricos e geográficos elaborado por Francisco Garcês – Agente (...)

1O município e cidade de Uruaçu se localizam no antigo Médio Norte, hoje Norte de Goiás1. A posição do município de Uruaçu em relação ao Estado de Goiás é norte e em relação ao Brasil é centro-oeste. Pertence a Microrregião do Alto Tocantins e está localizado na região Centro-Oeste do Brasil. Sua área territorial é, hoje, de 2.149,7 Km². Tem como vias de acesso a BR-153, BR-080 e GO-237. Dentro das coordenadas geográficas, a localização da sede municipal é de Latitude (S) 14° 31’ 30” e Longitude (W) 49° 04’ 59”. Sua altitude é de 450 metros acima do nível do mar. As partes mais elevadas do município não ultrapassam a 800 metros. A superfície do território municipal era de 22.307 quilômetros quadrados antes dos desmembramentos territoriais. Possui duas estações bem definidas: a estação da seca, que vai de abril a começos de setembro, e a estação chuvosa ou das águas, “inverno goiano” que se estende de setembro a março2. Seu clima é considerado Tropical Úmido, com temperatura máxima de 38ºC, mínima de 18ºC e média de 28ºC, conforme caracterização do município apresentado no Plano Diretor de Uruaçu de 2000Dista do Distrito Federal, Brasília por 244 Km e da Capital do Estado de Goiás por 269 Km.

2A vegetação dominante da região é o cerrado (72%) e as matas (20%) que se apresentam de forma diversificada em consequência das condições do solo e topografia. Ao longo dos córregos e rios, a formação vegetal compacta assinala a presença da floresta tropical, com suas mata-galerias, onde o jatobá, o cedro, a peroba e o tamboril se desenvolveram ao lado dos bacuris, das guarirobas e de outras palmeiras. Nas cabeceiras impera o buriti e nas várzeas dominado pelas palmáceas, destaca-se o babaçu pela quantidade e imponência. O município é um dos mais tradicionais no cultivo do caju. Possui uma produção em alta escala de caju sendo que esta produção em sua maior parte (80%) é oriunda de uma produção nativa e esparsa. Mas, percebe-se o incentivo por parte da administração da cidade na instalação de pequenas indústrias de transformação do fruto (castanha) e do falso fruto (pedúnculo) consolidando uma cadeia produtiva direcionada.

3A região é bastante acidentada, sendo numerosos os morros e as serras. A área do município é banhada por dois importantes rios, o Maranhão e o Tocantins e, ainda, é cortada por uma infinidade de cursos d’água, córregos e ribeirões. Hoje a cidade de Uruaçu vem se alinhando entre as cidades turísticas de Goiás. Ela é a única cidade que tem o seu perímetro urbano banhado pelo Lago formado pelo Reservatório da Usina da Serra da Mesa, com 1.728 Km² de área inundada. Este lago proporcionou um produto turístico, com sua praia artificial, aos turismos de lazer. Conquanto, em consequência deste lago perdemos dois dos nossos importantes rios que foram inundados pelas aguas do Lago.

4Vale dizer que nasci nesta cidade. Sou natural desta terra de rios e riachos. Aí passei toda minha infância, adolescência e parte da juventude. Conheci bem a região com seus rios, riachos e poços. A cidade com seu magnifico território das águas está localizada no espaço onde havia os sertões de Goiás, sertão de meus pais e avós, dos orgulhosos sertanejos e dos que nomeiam suas principais ruas. Local de cruzamentos de culturas, de gentes vindas dos mais diversos sertões. O quadro citadino guarda os rios Maranhão, Passa Três e o ribeirão Machambombo, os mais importantes do território das águas da região que foram, também, fundamentais para seu surgimento. Vale, ainda, dizer que a linguagem do espaço citadino, o modo como se representam as suas transformações são os sinais, as marcas que os indivíduos deixaram no seu espaço/tempo contando uma história não verbal que se nutre de imagens, máscaras, fetiches, saudades e lembranças que designam uma expectativa do indivíduo que dinamizou o espaço vivido. Entendo, portanto, que para historicizarmos o território das águas uruaçuenses, o próprio conceito de espaço enquanto transformado ou em transformação pela ação dos grupos humanos se impõe como objeto de estudo. Impõe-se num esforço interdisciplinar de diálogo entre os vários ramos das ciências humanas que se ocupam do espaço socioambiental no sentido de produzir não uma explicação, mas uma interpretação. Outras categorias, preocupações conceituais e metodológicas, também, se apresentam necessárias para reunir aportes mais consistentes e fundamentais para esta análise.

Território das águas: refúgios e distâncias que chega num arrancar da memória

O teatro da história faz o espectador sentir paixões que, sendo vividas intelectualmente, sofrem uma espécie de purificação... Não se trata, evidentemente, de uma lição de “sabedoria”, já que escrever a história é uma atividade de conhecimento e não uma arte de viver; é uma particularidade curiosa da profissão de historiador.

(Paul Veyne, 1995)

5Ao pensar o território das águas uruaçuense evoco uma referência que brota de mim imagens, memórias e história. É como arrancar da memória o tempo e o espaço vivido sob o impulso de um sentimento histórico profundo. Sei que a memória redefine uma identidade, além de fazer de cada um de nós o historiador de si mesmo. É um absoluto! Dá a lembrança um imenso poder. Obriga cada um de nós a se relembrar e a reencontrar pertencimento, principio e segredo da identidade. Foi com o abalo dos saberes constituídos que a memória particular se multiplicou e reclamou por história. A materialização da memória democratizou-se. Deram ordens de se lembrar. Creio, portanto, que todos e cada um de nós fomos autorizados a consignar lembranças, escrever memórias e registrar testemunhos. Lembrar de tal forma que todo clarão da memória se reconstrua no fogo da história. Antes, porém, se apoia no que há de mais concreto no espaço, no mais preciso traço, no mais visível da imagem. Aqui sou eu que me lembro. Para mim todo território das águas uruaçuenses é vida que se enraíza no concreto, no espaço, no gesto, na imagem, no objeto. É vestígio e trilha. É refúgio e distância dentro da história. É um arrancar da memória. Me encontro numa encruzilhada do tempo, o qual Pierre Nora (1993) chamou de o “tempo dos lugares” e definiu como esse momento preciso onde desaparece um imenso capital que nós vivíamos na intimidade de uma memória, para, então, viver sob o olhar de uma história reconstituída. Destarte, num esforço da lembrança, a nossa relação com o território das águas uruaçuenses se revelará como um passado reconduzido, ressuscitado e atualizado enquanto presente. Nossas lembranças cingirá as brechas entre um antes e um depois e as unirá com a costura da produção histórica. Esse arrancar da memória, parafraseando Pierre Nora (1993), sob o impulso conquistador e erradicador da história tem como que um efeito de revelação.

  • 3 Poços são trechos de córregos mais profundos no percurso.
  • 4 Uma usina hidrelétrica foi construída no rio Passa Três e distribuía a “força”, a luz da cidade na (...)

6Em verdade, o território das águas uruaçuense faz parte da minha própria história e cerca boa parte das minhas lembranças. Posso imaginar quase toda cartografia hídrica da cidade Uruaçu-GO, pois conheci e vivi seus rios, ribeirões, córregos e poços3. Era o poço da usininha4, poço da Tigela e da Bacia no fundo da chácara do Severino Paraíba. O poço da chácara dos padres... Era o córrego Machambombo onde se buscava alvas areias para arear o alumínio, catar girino, tomar banho... Rio Passa Três dos folguedos na prainha e na ponte velha... rio Maranhão dos piqueniques na cachoeira do Machadinho, mas também das travessias nas balsas e em canoas ... Em verdade, o que vejo não são aqueles rios, mas sim a memória deles, pois estabeleci com eles relações históricas. É impossível vê-los hoje. Eles já não existem como dantes. Se encontram numa paisagem despoetizada. Mas, a representação cartográfica da memória deste território das águas é tão forte que me possibilita avistá-los e até mesmo desenhá-los com os “pincéis” da lembrança. Nosso território das águas perdeu o dom de evocar o tempo da natureza que reinam sobre os da história. Chegamos assim, como bem disse Fernand Braudel, “...a uma decomposição da história em planos sobrepostos, ou, se se quiser, à distinção, no tempo da história, de um tempo geográfico, de um tempo social e de um tempo individual. (BRAUDEL, 1983, p.26).

7Nesta análise elegi os rios Maranhão, Passa Três e o Ribeirão Machambombo em Uruaçu-GO como um símbolo representativo dos rios brasileiros que se constitui ingrediente básico para a vida citadina acontecer, mas que, também, se tornam palcos dos problemas ambientais. Sei que a história dos rios como espaços sociais e ambientais exige conhecer, recuperar e preservar as suas geograficidades. Destarte, nesta abordagem conto com os próprios rios, as lembranças e as imagens do espaço-tempo vivido, instrumentos, por excelência do fazer histórico sobre rios. Por outro lado, mostro que os indivíduos produzem a sua história, construindo suas noções de natureza e imprimindo nela a sua marca, assim como, numa atividade dialética, dinâmica e reflexiva elaboram ideias e práticas sobre esta produção. A História Socioambiental se nos apresenta como uma possibilidade de análise e de reflexões sobre as impressões inscritas neste processo. Ela exprime os poderes dos diversos projetos socioambientais que a constituem em eixos de estudo.

8Drummond (1991, p.09) ao traçar as características metodológicas e analíticas da história ambiental, afirmou que "quase todas as análises focalizam uma região com alguma homogeneidade ou identidade natural: um território árido, o vale de um rio... [...] que via de regra prospera melhor em cenários fisicamente circunscritos". E Marcos Lobato Martins (2007) explicou que em História Ambiental “... a crônica das relações entre os homens e a natureza é lida na própria paisagem, nas águas e nas barrancas dos rios, nas cicatrizes que cortam a superfície da terra, nas trilhas e clareiras que interrompem o verde da floresta”. (MARTINS: 2007, p.23). Já Donald Worster (1991) afirmou que a História Ambiental “trata do papel e do lugar da natureza na vida humana". Ele definiu como história a questão ambiental e traçou as suas características metodológicas e analíticas. “Como história é o estudo de como os seres humanos e as sociedades humanas relacionam com o mundo natural através do tempo. Como um método é o uso da análise ecológica como meio de compreensão da história humana”. (WORSTER: 1991, p.200-201). Destarte, a História Ambiental é aquela história na qual a natureza é uma presença e um agente na história humana, ou parafraseando Marcos Lobato Martins (2007), ela busca colocar a natureza na história e estuda o papel da natureza na vida humana. Para Enrique Leff (2005, p. 15) a história ambiental deve "transcender os paradigmas transdisciplinares que colonizaram o campo das relações sociedade-natureza”. Como se pode ver e longe de um “determinismo ambiental” (Worster, 1991) é uma história que inclui a natureza como objeto, mas também como resultante de processos engendrados pelo humano e pela evolução natural da área, ou seja, a paisagem. Para os novos geógrafos culturais, as paisagens não são apenas construídas, são também percebidas por meio da representação de versões ideais, na pintura e na poesia, como também no discurso científico e nos escritos acadêmicos.

  • 5 No final dos anos sessenta surgiu uma corrente francesa que deu destaque ao espaço vivido. Gallais (...)

9Para mim uma das categorias fundamental para entender os rios como espaço social é o entendimento do conceito de espaço, que segundo Henri Lefebvre (1974 p. 48), “cada sociedade produz um espaço, o seu. E esse espaço deve ser pensado a partir do seu conteúdo material e social, ou seja, como materialização do processo histórico”. Colocamos como premissa, de início, a condição de que o espaço parece ter como fundamento as coisas. Para Sack (1986:19). “circunscrever coisas num espaço ou no mapa permite identificar lugares, áreas ou regiões no sentido comum...”. O espaço pode ser instrumento e eixo da discussão histórica desde que considerado como dimensão sociocultural que pode ser qualificado, moldado, organizado pela disposição dos seus elementos e pela moldagem da sua materialidade. Para Frémont (1980, p.139), “o espaço geográfico se exprime em relações entre grupos sociais pelos quais se define uma sociedade, sendo, portanto, um produto social”. Quanto ao espaço geográfico entendido como espaço social vivido em estreita correlação com a prática social Henri Lefébvre (1991, p.48), argumenta que “o espaço social contém uma diversidade de objetos, tanto naturais como sociais, incluindo redes e vias que facilitam a troca de materiais, coisas e informações”. Nota-se, portanto, que para Lefébvre estes “objetos” são também relações. É importante entender que na prática espacial, as representações do espaço e os espaços de representação são diferentes caminhos da produção do espaço com as qualidades e atributos de uma determinada sociedade em determinado período histórico. É um jogo dialético. Independentemente dos critérios que definiram o conceito de espaço vivido5 sabemos que eles são o principal suporte dos processos socioeconômicos e culturais em cada período histórico. São os próprios fundamentos da atividade humana. Enfim, espaço geográfico se exprime em relações entre grupos sociais pelos quais se define uma sociedade, sendo, portanto, um produto social, segundo Isnard (1982).

10A transformação da categoria espaço em território trata-se de um fenômeno de representação por meio do qual os grupos humanos constroem sua relação com a materialidade num ponto em que a natureza e a cultura se fundem. Contudo lembro que a noção de território se trata de uma representação coletiva, uma ordenação primeva do espaço. Ela é, sem dúvida, formada através do dado imediato da materialidade, mas esse é apenas um componente, já que todas as demais representações sobre o território são abstratas. Esta noção de espaço de representação nos aproxima de Goffman (1985) quando discute a região e o comportamento regional no que tange às representações sociais. Sob este ponto de vista a representação está balizada em uma multiplicidade temporal-espacial que nos remete às relações de poder correlato à noção de apropriação e à definição de papéis sociais hierarquizados. Assim uma das formas concretas de apropriação temporal-espacial mediada pelo poder é o território. Para Rogério Haesbaert (1998), o território é um espaço dominado ou apropriado com um sentido político, mas também apropriado simbolicamente, onde as relações sociais produzem ou fortalecem uma identidade utilizando-se do espaço como referência. Felix Guatari (1985, p.110) entende que “o território pode ser relativo tanto a um espaço vivido, quanto a um sistema percebido no seio do qual um sujeito se sente em casa.”. Werther Holzer (1997, p. 83 -84) enfatiza que “caminhando, estamos no mundo, encontramo-nos num lugar específico e, ao caminhar nesse espaço, tornamo-lo um lugar, uma moradia ou um território, uma habitação com um nome”. Neste sentido, "a concepção de território tem como base o 'lugar', este sim um conceito essencial para a formulação de um 'mundo' pessoal ou intersubjetivo”.

11Particularmente entendo o território como uma categoria vital apreendido em cenários contíguos e alternos, adjacentes e separados, dependendo às vezes do tipo de interações estabelecidas com as relações de produção, os repertórios culturais, sociais e os mundos de vida. É, portanto, um dos aspectos paradoxais da identidade sociocultural, uma vez que supõe a continuidade e a ruptura de significados, que acontecem no âmago da interação cultura/natureza no processo de produção/reprodução. A natureza parafraseando Santos (1996) é o continente e o conteúdo do humano, incluindo os objetos, as ações, as crenças, os desejos, a realidade esmagadora e as perspectivas. Assim pensando, a natureza não é uma ideia, mas muitas ideias, significados, pensamentos, sentimentos empilhados uns sobre os outros. Os historiadores socioambientais reconhecem que não há compreensão sobre a natureza que não seja humana. Penso que as interpretações, análises, representações, enfim, o conceito mediador que se possa escolher para dialogar com a natureza é criado pelo sujeito histórico, possuindo desta forma a sua inserção sociocultural no tempo e espaço. Penso, portanto, que uma história da natureza é a própria história humana. De fato, a natureza é mesmo o “continente e o conteúdo do humano”.

Rios: territórios das águas que marcam/remarcam as cidades

12O território das águas são pontos de partida que marca e remarca o tempo das/nas cidades. Asseguram a fenda de prosperidade e a organização do espaço citadino. Nessa medida se apresentam como espaços de dupla consideração, ou seja, a razão da adaptação humana ao meio físico para dar respostas às necessidades materiais e outra simbólica que dá vida às representações. Contudo, mirar os rios citadinos ao longo de seu correr nos oportuniza vê-los serpenteando sobre o seu próprio destino nos modos de vida de todos os dias. Uns amados, outros odiados. Uns cantados na poesia, em versos e prosas, outros narrados pela melancolia ou por seus encantos na literatura. Uns historicizados, outros confinados, sepultados, esquecidos. Parto, portanto, do pressuposto do historiador Lucien Febvre quando disse “os rios também têm história”. (FEBVRE: 2000, p.09).

13Falar do território das águas e/ou do ambiente citadino é tratar de uma situação dialética igualmente complexa e inseparável. O ambiente deve ser considerado na sua existência local e nas suas dimensões no/do espaço e tempo. Por vezes este espaço geográfico constitui a oportunidade de existência da própria cidade e pode influenciar o desenvolvimento, os contornos, as condições de vida e as atividades urbanas. Sobre esta estrutura as sociedades imprimem suas marcas que constituem as bases do desenvolvimento citadino. São as marcas das transformações cravadas no espaço que constituem as bases da cidade. Sodré (2002, p.22) entende que “o que dá identidade a um grupo são as marcas que ele imprime na terra, nas árvores, nos rios”.

14Os rios são o traço mais expressivo de uma paisagem citadina. São produto e produtores históricos. São indicadores da situação espacial, concebido com base nas relações entre natureza e pessoas. Assim sendo, parto do pressuposto de que a categoria rio tem pertinência histórica como categoria de análise socioambiental. Mas, não obstante, as ondas de transformação que os rios experimentam no tempo e no espaço citadino têm particularidades que podem ser constatadas por meio das atividades econômicas, das formas de ocupação do espaço, do contato, da paisagem, dos atores, das relações de trabalho, do cotidiano no espaço vivido e das representações sociais. Sei que o espaço de representação é um espaço vivo com ligações culturais, lócus da ação e das situações vivenciadas. Contudo, mesmo que tempo e espaço gerem determinadas formas de representação é na dualidade sujeito e objeto que reside o denominador comum que pode conceber toda forma de representação. Entendo, portanto, a representação como uma forma de conhecimento. É certo, pois que os rios significam muito mais do que acidentes geográficos traçados nos mapas. São suporte físico. São paisagem. A ideia de paisagem representa a forma física. Representa uma realidade cultural e a forma como essa realidade é apreendida. Representa uma maneira de ver. Particularmente entendo a paisagem como uma representação da realidade e dos elementos que a compõe. O que a representa é decorrência da interação entre a natureza e a sociedade e da interpretação, individual ou coletiva, dos processos de estruturação do território.

15O ambiente citadino trata-se de um espaço produzido resultante do meio físico e da ação humana. É a projeção de uma sociedade num quadro físico, ou seja, a relação com os “bens naturais” como expressavam os economicistas do século XIX. Estes “bens naturais” são o solo, o subsolo, o ar, a água, a vegetação, ou seja, o espaço geográfico que oferece o sítio imediato da origem e a situação mais geral que a cidade usufrui, tal como uma encosta, um vale, um entroncamento e, por vezes, produtos necessários a sua existência. Trata-se, portanto, do resultado da ação humana num determinado espaço. Reafirmo, contudo, que cada sociedade tem uma gramática de espaços e temporalidades para existir enquanto um todo articulado permitindo sensibilidade e forma de organização.

16No Brasil, a maioria dos surgimentos citadinos teve o rio como o elemento definidor na história de suas constituições que o tiveram como ponto de partida seguido, consequentemente, do comércio, muitas vezes, aí viabilizado. De um modo geral, elas nascem ou são fundadas segundo a representação adequada a uma dominação política, econômica, religiosa ou militar, mas os rios sempre lhes asseguraram a fenda de prosperidade e a organização do espaço-cidade. Em verdade, na sua vastidão os rios aparecem como elemento constituinte de sua forma e tem papel efetivo na dinâmica da cidade. Do ponto de vista físico, participam intimamente da forma geral das cidades e tem papel efetivo na sua dinâmica. São considerados o elemento facilitador do comércio gerador e estimulador de crescimento econômico. Eles fornecem a água para alimentação, para indústria, para possibilidade de navegação, deslocamento fácil no vale, solos férteis, pela existência de recursos naturais que possam ser extraídos e transportados, relevo plano do vale..., lugares que reúnam as riquezas necessárias. Aparecem, também, com a função ligada aos meios de comunicação, à possibilidade de contato e de circulação, como via de transportes e estrada líquida. Proporcionam o acesso, a concentração, a condensação, o ir e vir, enfim, o crescimento demográfico. Numa palavra, eles são os introdutores do sistema de vida definidos no/do ambiente citadino.

17Nas margens dos rios brasileiros se estabeleceram núcleos, constituíram-se engenhos, fizeram penetrações horizontais e verticais do território. Eles foram colaboradores fundamentais às bandeiras, às missões, às entradas, às tarefas de domesticação dos índios, às descobertas de ouro e pedras preciosas, à agroindústria do açúcar, à fixação de núcleos, ao desenvolvimento da pecuária, à ampliação da lavoura de gêneros alimentícios, povoamento e cidades. Caio Prado Júnior (2000) faz uma síntese do sistema de comunicações no dobrar do século XVIII e conclui dizendo que “é, aliás, a facilidade do transporte por água uma das causas principais que fixaram aí o povoamento”. (PRADO Jr.: 2000, p.248). Seria difícil imaginar uma afirmação mais concisa dos preceitos econômicos e técnicos básicos para a organização espacial e fundação das cidades no Brasil. Sabe-se, contudo, que a disponibilidade das águas vitais se constitui num dos principais fatores para os estabelecimentos humanos. A água, de que tantas vezes se teme o excesso, também é procurada, não só como meio de transporte, mas como manancial de vida. A água doce dos rios e ribeirões é substância indispensável para a existência humana. Elas se prestam ao desenvolvimento de inúmeros processos em que se ancora a sociedade, desde as atividades domésticas corriqueiras, os cuidados higiênicos à eliminação de dejetos orgânicos.

18No decurso do tempo muitas cidades brasileiras floriram e ultrapassaram largamente o quadro urbano preciso. À medida que se fez sentir o crescimento demográfico juntamente com o progresso técnico elas ultrapassaram suas divisas. Nessa expansão os rios citadinos tornaram-se uma das principais preocupações ou o próprio fundamento do mecanismo urbano que necessita de uma análise estrutural e sistêmica. Notoriamente a ocupação humana é tributária dos “bens naturais”, mas a densidade concentrada, a multiplicidade de atividades, as técnicas e o poder dos capitais nos lugares urbanizados tornam o uso e a concorrência destes espaços mais acerbados para o seu domínio. Trata-se de uma apropriação plural e histórica conduzida por motivações culturais, econômicas, políticas e sociais em que muitas vezes se aproxima o máximo da caixa do rio para seu melhor aproveitamento. Conquanto os rios que desenharam fronteiras físicas e mentais prestaram-se aos diversos momentos de expansão e desenvolvimento nacional

19De fato, na prática de estruturação das cidades o modo de expansão urbana utilizou-se do território das águas. Os rios cederam espaço para as reformas urbanas que os canalizou para servir ao sistema de esgoto. Paredes verticais de concreto demarcaram-nos. Alguns foram escondidos embaixo da terra. Mudaram o rio a seu modo. Sepultaram os rios citadinos! Entendo como o resultado das próprias dinâmicas históricas em que os rios que foram razão do surgimento e da existência das cidades tornaram-se obstáculos à sua expansão. Restou, então, afundar seus leitos. Cortar-lhes as curvas. Colocá-los em canos. Confiná-los. Arruda (2008, p.9) enfatiza que “em muitas regiões, altamente urbanizadas, os córregos, riachos e rios desapareceram de nossas vistas, transformaram-se em canais, foram tampados, escondidos, transpostos por pontes, canalizados...” Nas várzeas, os ditos “espaços vazios”, construíram avenidas e marginais. Sabe-se que as várzeas são espaços úmidos e alagadiços logo impróprios para construção. Sabe-se, também, que a natureza dos rios não muda. Destarte, quando a chuva cai naturalmente a água corre para as várzeas tomando o espaço que lhe for necessário estejam elas preservadas ou ocupadas. Eis as razões das “brutais” enchentes.

20Há, ainda, aqueles rios citadinos que sequer receberam tratamentos, mas se tornaram canais de “esgotos a céu aberto”. Como se vê, por um lado, a relação das cidades com os rios mudou abruptamente em consequência dos sistemas hidráulicos de abastecimento e sanitário. Por outro, também mudou em consequência da precariedade do saneamento básico, pois tiveram suas condições agravadas pela poluição ambiental e pela ocupação irregular das suas margens. Isso reflete dada a carência de esgotos e a imprevidência de muitas famílias, empresas e gestores municipais que lançam nos rios toda sorte de poluentes químicos e lixos domésticos e urbanos. A poluição sistemática dos rios e mananciais pela ação social compromete a vida citadina, e traz malefícios a sociedade, uma vez que perpassam de águas claras, límpidas e/ou barrentas para escuras e fétidas. Em verdade, tudo isso resulta num grave conflito que se aponta como causa da degradação, a desordenada presença humana. Com a crescente demografia e a poluição consequentemente gerada os rios citadinos se tornam a tal ponto degradados que as suas imagens/paisagens refletem a devastação em contraposição ao florescimento da vida. Destarte, os rios que se constituíam no ingrediente básico para a vida citadina acontecer dá margem a um riquíssimo elenco de problemas que nos desafiam centrar ações pautadas na adoção dos princípios de sustentabilidade ambiental que os dinamize, conscientize e os preserve para dar respostas às necessidades materiais e vida às representações. Eis um quadro de pontos e contrapontos.

21Além do prejuízo e sofrimento ambiental há, ainda, um grave distanciamento dos rios que enfraquece a influência que eles exercem nas relações e hábitos do cotidiano urbano. A atitude pouco elegante dos citadinos em suas ações e dos governantes para com os rios que, muitas vezes passou despercebido, apesar de sua exposição constante resultou/resulta em consequências desastrosas. Ocorre que as pessoas não registram, de imediato, a mudança que a paisagem hídrica sofre. Elas não veem/percebem os seus rios. Outros sequer sabem que eles existem. No conjunto há uma pluralidade de tempos descompassados cujas modalidades de combinação geram mudanças a cada instante. Aqueles mesmos rios de águas abundantes, claras e doces, as estradas que caminham, o rio do sustento e meio de vida, dádiva primordial concedida às coletividades humanas tornam-se degradados, fétidos e de águas inapropriadas. Suas presenças na cidade se faz notar restringindo-se aos sintomas perturbadores como o mau cheiro, obstáculo à circulação e/ou ameaça de inundações O uso do espaço indevidamente somado ao menosprezo e/ou ignorância das condições oferecidas pela natureza levou as cidades a certas catástrofes ligadas a fenômenos naturais. Eis, porém, um resultado que evidenciamos ser lógico nesse contexto considerado de “catástrofes ambientais”. Em verdade, os rios de águas doces perderam seu encanto. Eles foram/são desrespeitados, abandonados, esquecidos. Em consequência, as cidades viram-lhe as costas. De cidades à margem dos rios invertem para rios à margem das cidades.

22Em Uruaçu, os rios deram margem ao florescimento citadino, à configuração de crenças, práticas e representações em suas transformações históricas. Mas o território das aguas uruaçuenses em quase nada diferem do quadro dos rios brasileiros, pois como noutras cidades brasileiras vem passando por transformações históricas conduzida por motivações culturais, econômicas, políticas e socioambientais. Esta cidade também se tornou palco dos problemas ambientais. Por tudo isso, resta-me converter naquela que fará o relato cruel da miséria e da lama que sobreviveu daquelas suas águas límpidas e frescas.

Do coração da história... um mergulho nas águas uruaçuenses

  • 6 Escritura Pública do registro de Imóveis da Comarca de Jaraguá, nº 1680, fls. 214, Livro 3-B, 02.08 (...)
  • 7 Sobre a compra do latifúndio e dos dois primeiros fazendeiros ver Gandara, Gercinair Silvério. Cadi (...)
  • 8 Cf. Escritura Pública do Registro de Imóveis da Comarca de Jaraguá, sob nº 1680, fls.214 do Livro 3 (...)

23A cidade de Uruaçu nasceu às margens do ribeirão Machambombo. Em seu surgimento e crescimento os rios Maranhão, Passa Três e o ribeirão Machambombo foram fundamentais. O terreno que perfaz o município de Uruaçu era uma vastidão de cerrado, um “sertão intransponível” localizado no Estado de Goiás-Brasil. Foi no começo do ano de 1910, que Gaspar Fernandes de Carvalho adquiriu por compra uma fazenda denominada Passa Três, ou Machambombo ou Santana, conforme discriminada no seu registro Imobiliário6 localizada à margem direita do Rio Maranhão, entre os ribeirões Taquaral e Passa Três, e pela Estrada Real. E mais uma parte de um imóvel adjacente denominado “Curralinho”. Ao todo o “latifúndio”7 perfazia quatorze mil alqueires.8 Como o lugar mais apropriado dentro da extensa área para fixarem residência, a família Fernandes de Carvalho escolheu o local às margens do ribeirão de águas claras, local que já existia a sede da fazenda dos Mendes. A razão dessa escolha justificou-se devido sua proximidade ao ribeirão Machambombo, justamente quase no pontal com o rio Passa Três, e logo defronte à Estrada Real.

24Não poderia deixar de mencionar outro fator importante e estratégico da localização e surgimento da cidade Uruaçu. Esta terra como já disse, se localizava as margens do rio Maranhão, local de passagem obrigatória dos niquelandenses que saiam de São José do Tocantins atravessavam o rio Maranhão em canoas, mais tarde em balsas e utilizando-se da estrada cavaleira, que cortava as terras do latifúndio, alcançavam os centros “nervosos” da época, Pilar de Goiás, a capital Vila Boa, Pirenópolis, Corumbá e Antas, hoje Anápolis. É importante frisar que os Distritos desta região se comunicavam por meio dos caminhos das boiadas. Foi somente em 1910 que construíram a estrada cavaleira que partia de Niquelândia até Pilar de Goiás, passando por Machambombo. Como já mencionei, na fazenda passava a Estrada Real que ligava de Sul a Norte todo o estado de Goiás. Essa estrada nos séculos anteriores atendia aos interesses da Coroa para o escoamento de ouro e arrecadação de dízimos territoriais, mas também foi utilizada no século XIX e nas primeiras décadas do século XX por tropeiros e comerciantes que vinham do Sul em demanda ao sertão de Amaro Leite ou Descoberto, outros para o norte de Goiás e do País transportando mercadorias das fábricas de São Paulo para o Norte do Estado. Os Fernandes melhoraram a Estrada Real para que pudesse trafegar veículos automotores, pois já se tinham notícias dos Fords no sul do estado. “Com esse trabalho, a pequenina Santana, já enobrecida com a condição de Distrito, ficou ligada a antiga Meia Ponte e daí às Antas, assim como à antiga capital (Vila Boa), por via rodoviária”. (ÁVILA, 1993, p.41)

  • 9 Ver Gandara, Gercinair Silvério. Cadinho do Brasil: Uruaçu... Cida beira, Cidade fronteira nos cami (...)

25Ocorre que, como já dissemos, o lugar em que se erigiu a cidade de Uruaçu era um grande latifúndio adquirido pelo Coronel Gaspar que afrontado por seus adversários políticos em São José do Tocantins se viu obrigado a migrar. Criou esta cidade como instrumento de ofuscação daquela e como demonstração de sua força e de seu poder.9 Abstraindo-nos do fato de que seu surgimento se apoia, como diz o bisneto Cristóvam, do “ciúme”, a cidade é produto, condição e meio da sociedade em todos seus aspectos. Isto se traduziu, tanto na escolha da localização, como na utilização e transformação da fazenda em sítio urbano. A organização do pequeno núcleo, localizado numa área cuja topografia facilitava os movimentos terrestres conferia-lhe excelentes potencialidades para se desenvolver e se afirmar tanto como centro de paragens quanto de trocas comerciais. Numa palavra, ao estabelecer-se nessas terras, que pela cosmicidade estratégica de sua localização, já gozava de “caminhos”, Gaspar Fernandes de Carvalho criaria um núcleo populacional, com suas roças e criações sendo o ponto de apoio a diversas levas migratória. Fixaram-se famílias e gerações, meio ligadas aos movimentos migratórios e frentes de expansão se criando uma sociedade peculiar na área do latifúndio. Mesclaram-se etnias, roças e criações e se estendia a rede de povoamento nas lonjuras de Goiás.

  • 10 Doação da família Fernandes de Carvalho à Igreja Católica para a formação da cidade.

26O aspecto majestoso do ribeirão Machambombo, a área de floresta do rio Passa Três, a pureza das águas, a amenidade do clima, o trato hospitaleiro do velho coronel e filhos foram as condições necessárias para a organização do pequeno núcleo que posteriormente viria a ser a alvissareira cidade de Uruaçu. A organização do espaço da então Santana se apresentou como um jogo de combinações em que a paisagem ambiental, social e política ficou marcada pelo predomínio da fazenda sobre a cidade. O “terreno” geograficamente, em sua cosmicidade apareceu-nos como o elemento essencial da estruturação do espaço. A cidade abrangeu um espaço reduzido, mas bem definido - um quilômetro raio10. Inicialmente ela associou grupos de pequena dimensão, mas de forte coerência... a mesma família, a mesma frequentação quotidiana, a mesma fé. Implicou uma grande personalização dos surgimentos espontâneos, com delimitações nítidas

27Esse espaço-cidade só poderia ser estudado com referências a matérias ainda ardentes como são os estudos dos rios. No dealbar da sua história deparei-me com um espaço vivido criado contra as forças políticas adversárias. A cidade de Uruaçu é, portanto, o cadinho de um novo sistema de valores nascido da prática laboriosa, mas criada como emulação do ser tomado pela afronta. Mas a convergência dos caminhos líquidos e terrestres se arrebatou como primeiro fator de organização espacial da cidade Uruaçu. De uma forma ou de outra, o território das águas em Uruaçu se constituiu no ingrediente básico para a vida citadina acontecer e o ornamento de suas paisagens. Ela foi tributária da possibilidade de abastecimento de água, quer por suas nascentes, rios e ribeirões, quer por seus poços. São sobre seu território das águas que quero refletir, sem perder de vista a própria cidade.

28Os rios Maranhão, Passa Três e o ribeirão Machambombo serão tomados aqui como um símbolo representativo desses tipos de síntese apreendidas no âmbito de uma sociedade. Eles nos possibilitam uma orientação com referência às posições, ou aos intervalos ocupados pelos acontecimentos. Particularmente, nosso sentido de tempo envolve alguma consciência da duração e também das contingências históricas entre passado, presente e futuro que exercem pesada presença na vida humana. John Lewis Gaddis definiu,

...o futuro como uma zona onde contingências e continuidades coexistem independentes entre si; o passado como o local onde sua relação é inextricavelmente imobilizada; e o presente como a singularidade que as reúne, fazendo com que elas se cruzem, alternadamente, e por meio desse processo a história é construída. (GADDIS: 2003, p.47)

Enfatizou, ainda, que mesmo que o tempo não seja estruturado dessa forma, para qualquer entidade aprisionada dentro dele essa distinção entre passado, presente e futuro é quase universal. Esse sentido de tempo se baseia em fatores psicológicos, mas ele depende também de influências sociais e culturais.

29Antes, porém de iniciar esta reflexão, faz necessário observar que utilizarei imagens fotográficas, pois entendo que elas são feitas para comunicar, são mensagens que se processa como imagem-documento. Elas permitirão a reconstituição histórica da paisagem ambiental que mostrará os rios em seu espaço vivido. Conquanto, a imagem fotográfica funcionará como documento, testemunho histórico que conforme Peter Burke “... constitui-se numa forma importante de evidencia histórica”. (BURKE: 2004, p.17). Outrossim, as imagens foram incluídas no elenco de fontes dignas de fazer parte da história e se tornaram passíveis de leitura por parte do historiador.

Ribeirão Machambombo: conjunção da/na cidade Uruaçu

30O ribeirão Machambombo possui uma largura inferior a dez metros. Este ribeirão se tornou o marco da cidade de Uruaçu. Ele divide a cidade ao meio. Em sua razão se confere expressões de sinalização devida a topografia tais como, “de lá” e “de cá”, “do outro lado” e do “lado de cá”, “acolá embaixo”, “de lá nos Fernandes”, entre outras. Analisando com acuidade a escritura das terras de Uruaçu detectamos que suas terras pertenciam a uma família tradicional de Goiás, a do “Capitão Joaquim Borges Vieira” que residia em Traíras, mas foi adquirida por um advogado carioca que atendia pelo nome de José Batista Custódio Negrão, migrado de Minas Gerais, por questões políticas. Essa família fixou morada num local denominado “Tapera” à margem direita do ribeirão Machambombo, dista a três quilômetros do lugar em que se iniciou a Vila Santana. Procedente, também de Minas Gerais, e descontente com uma demanda na cidade de Bagagem-MG, veio o cunhado de Negrão, o senhor Antônio Mendes da Silva acompanhado de toda família. Um pouco antes do ano de 1900, o companheiro de viagem e aparentado, comprou esta fazenda de João Batista Custódio Negrão. Este, por sua vez, em busca de um lugar mais agradável, fixou sua morada ao lado direito do córrego Machambombo, local em que foi construída, posteriormente, no ano de 1913, a primeira casa de telhas de Uruaçu para residência do coronel Gaspar. A escolha se deu justamente em local apropriado à compra e venda de gado, às margens do ribeirão de águas claras.

31O estabelecimento de regras para o futuro “traçado urbano” obedeceu à consolidação das fronteiras políticas. Ali é perceptível como se habitava na Santana de outrora. A área central, na margem direita do ribeirão, reservou-se à família fundadora formando o Largo dos Fernandes e o contorno da praça onde foi edificada a capela de Santana. Estes buscaram se instalar em terrenos amplos, arborizados bem próximo ao ribeirão quando não às suas margens. Aliás, a casa de todos da primeira geração do coronel tinha como limite dos seus quintais o Ribeirão Machambombo. O coronel Gaspar optou em residir no mesmo local dos Mendes de quem adquiriu as terras. Em exceção a essa disposição do período nos apresentaram uma única casa construída na margem esquerda do córrego Machambombo pertencente a um dos membros da família Fernandes.

32A construção da primeira ponte, de madeira, sobre o ribeirão Machambombo emprestou à Vila as feições que hoje a cidade possui. Esta foi uma das obras de envergadura na gestão de Enéas Fernandes. Dessa ponte não colhemos nenhuma impressão, pois foi demolida em 1952. Mais tarde outras pontes foram construídas. A cidade de Uruaçu daqueles tempos não possuía ruas paralelas ou transversais, com exceção do Beco da Ponte, calçado de pedras e o beco que fazia esquina com a Casa Aurora. O núcleo, protegido na fazenda, cujas “ruas” obedeciam a um sistema radiococêntrico tinha o ribeirão Machambombo como ponto zero tanto a leste quanto a oeste e, mais tarde a norte e sul com as ruas paralelas que vão surgindo tendo como marco o ribeirão. No mesmo lugar da antiga ponte de madeira construída por Enéas foi construída, posteriormente, essa ponte que se mostra na imagem. Ela divide e une a Avenida Tocantins, antiga estrada cavaleira.

33Hoje as margens do ribeirão Machambombo se encontram totalmente descaracterizada, com ausência de mata ciliar e com presença de imóveis na várzea. O ribeirão foi canalizado desde a Avenida Tocantins até abaixo da sua primeira paralela, a Avenida Goiás como se pode ver nas imagens que se seguem.

Córrego Machambombo. Fotos tiradas em 2016. UEG-Campus Uruaçu LHEMA -Laboratório de História e Estudos Socioambientais em Ambientes

34Suas várzeas se encontram desnudas, ocupadas e degradadas. Mas o que mais nos impressionou/impressiona foi/é a construção de uma pracinha na várzea do ribeirão Machambombo. Ela está posta logo abaixo da ponte da Avenida Tocantins entre esta e a Rua Goiás. Certamente essa praça fora feita a título de embelezamento da cidade.

Praça na várzea do Córrego Machambombo

Praça na várzea do Córrego Machambombo

Rio Passa Três! Eis, um rio dotado de grandes sensações.

35O curso do rio Passa três corria/corre em leito apertado de pedras. Suas águas forçavam estreitas passagens em meio a rochas agudas. Corria sobre um leito irregular, mal definido, com grandes quedas e desnivelamentos. Lembro-me das pedras, das águas cristalinas que se via o fundo do leito. Esse rio, para mim, foi profundo e, muitas vezes, traiçoeiro. Nem, por um instante, pensei em refazer uma grandeza que já faz parte do passado. Mas aqui vê-se, reproduz-se e guarda-se na memória. A imagem aqui é tudo. São “jogos” que matiza as lembranças nesse âmbito da memória numa identificação carnal com o espaço rio vivido. Um movimento da história nos transportando à memória do que representou para nós cada rastro, cada gesto, cada traço.

36Foi lá pelos idos da minha infância e adolescência que mantive relações cotidianas com o rio Passa Três. Meu prazer residia em caminhar por suas margens, nadar e/ou boiar em suas águas no sentido da água que corre. Nessa perspectiva, este rio é matéria e espírito, imaginação e criação, vida e sonho. Paisagem de encontros com a vida, com nós mesmos e com os outros. No meu passado este rio foi um modelo de silêncio e de paz. Era o grande mestre no/do cerrado. Suas águas me pareciam com um corpo, uma alma e uma voz, como diz Bachelard (2002). Reencontrei-me diante à sua imagem e outras impressões se fez, mas aqui coloco as imagens ante as lembranças, de tal forma, que será como lições de um elemento fundamentalmente vivo.

Rio Passa Três

Rio Passa Três

37Numa imagem assim poética a alma afirma a sua presença como diz Gaston Bachelard (1998). De fato! Essa imagem tem um porvir, tem um condutor de voo por seu caráter, em torno do qual, acumula todas as dialéticas. Lembranças que deixou marcas profundas na/da vida desperta. Contudo, a sinceridade me obriga a confessar que nas minhas lembranças este rio era enorme, cheio de pedras, largo e profundo. Era um rio lindo! Com águas alvas e frescas. Era o senhor da sua linguagem. Seus sobressaltos, seus seixos, suas durezas, roendo pedras, tudo para manter seu curso. Este rio não aceitava pontuadores. Na natureza repercutia seus ecos. Falava a “gíria” de riacho quando se deixava ouvir o seu ronco/canto no encanto de rio. Uma emoção forte parece inundar-me o espírito ao receber as impressões daquelas águas do passado que além salta. É como se a exuberância do que fora este rio aos olhos e alma da infância onde tudo ganhava dimensão. Posso aqui experimentar ressonâncias, recordações do passado, repercussões sentimentais, pois as imagens que vi já me atingiu as profundezas antes de emocionar. A beleza deste rio, o ecoar de suas vozes, o babujar de suas águas na terra das margens. Águas espraiadas “risonhas” e alvas como espelho a mirar o caminho à “alma”. Elas se estendiam por um sem fim.

38Aquelas margens de vegetação opulenta, que vestia ambas as margens, de luz vibrante e alegre parecia beijar cariciosamente a terra de cá e de lá. O rio sinuoso e as árvores que sobre ele se debruçavam levava às pessoas a sua imagem como um quebranto. As ressonâncias dispersam-se e a repercussão nos convida a um aprofundamento. Aqui me encontro a meio caminho. Não sou ledora, sou imperativo. Aquelas águas advindas das minhas lembranças inaugura uma forma, uma imagem, um tipo de destino essencial metamorfoseando incessantemente na água que corre. Mas não corre mais no mesmo rio. É na profundidade das/nas lembranças que correm e/ou escorrem. Este rio, em particular, está no mais profundo de mim mesma, sensível, enamorada, sabiamente conhecedora dos segredos daquele vale, como uma luz interior que se reivindica com excessiva facilidade. Eis o rio que guardo na memória. São ecos do passado. São lembranças fortes, mas contidas que se enraizaram em mim. São como conchas, ninho. São dádivas da inocência em sua linguagem. Trata-se da consciência ingênua de um passado que em sua simplicidade requer um saber. Particularmente, posso assegurar em mim que a saudade é, às vezes, tão forte, que são necessários, um respirar profundo para me desenganar de que não mais existe o espaço-rio da minha infância. Este rio assim dinamizado basta, eu creio, para se criar um mundo. Por tudo isso é o que aqui mais importa.

39O rio Passa Três é afluente do rio Maranhão, que por sua vez é afluente do Rio Tocantins. Ele nasce tímido em uma mina lá na Serra Dourada.

Mina nascente do rio Passa Três.

Mina nascente do rio Passa Três.

40Esta serra é o principal divisor de águas, onde estão localizadas as nascentes de vários tributários do rio Maranhão, hoje Lago Serra da Mesa. Os rios que provem destas nascentes passam pelo espaço citadino. Além disso, a Serra Dourada, divisora de águas, em vários pontos é acompanhada pela BR-153, rodovia Belém-Brasília, a qual caso seja duplicada poderá aumentar os impactos ambientais sobre a áreas das nascentes. Os demais cursos d’água da região de Uruaçu são de pequeno porte e em geral correm em leitos pedregosos formando encachoeiramentos, a exemplo do córrego Machambombo.

Rio Passa Três já formado

Rio Passa Três já formado

41O lago formado pela barragem da usina Serra da Mesa represou os rios a montante. Parte do rio Passa Três foi represado. Justamente aquela parte leste das minhas frequentações. Mas não o afetou no trecho a oeste da cidade de Uruaçu. Ali é uma região acidentada, com corredeiras e algumas pequenas cachoeiras. Neste local foi construído no ano de 1952 uma usina hidrelétrica que distribuía a “força”, ou seja, a luz da cidade.

  • 11 A escritura de constituição da sociedade foi lavrada em 10 de janeiro de 1950 e registrada na Junta (...)

42Foi o ano de 1950 que Manoel Fernandes de Carvalho (Tio Neco) planejou dotar a cidade de Uruaçu de Energia Elétrica. Surgiu, então, a organização Força e Luz de Uruaçu S/A – FELUSA11 que construiu uma usina e uma rede de transmissão numa extensão de 16 quilômetros. Era considerada grande em relação ao consumo, pois gerava 100 HP, quando apenas 50 HP eram suficientes para a demanda de então. A energia elétrica de Santana foi inaugurada em 1954. Ela incrementou o crescimento da cidade com a instalação de oficinas, pequenas indústrias, casas comerciais e residências, de forma que, apenas seis anos depois, já se exigia o quíntuplo do potencial elétrico. Em razão do aumento da demanda a organização Força e Luz cederam o abastecimento energético às Centrais Elétricas de Goiás, sendo desativada. No local há arqueologicamente um acervo constituído pela FELUSA S/A que até a presente data se encontra no mesmo local com todo o equipamento da antiga usina, conservando as mesmas características. Contudo não há nenhum critério preservacionista

43O recuo do lago Serra da Mesa somado ao assoreamento do rio Passa Três tem prejudicado a captação de água em Uruaçu que tem sido feita pela metade do que seria necessário para atender a população. Além disso o rio Passa Três recebe a carga de despejos e dejetos urbanos sem tratamento. Outra preocupação ambiental que percebemos é a intensa proliferação de algas no rio Passa Três, que deságua no Lago Serra da Mesa. Em condições naturais, a acumulação de matéria orgânica contida nas margens desses ribeirões e córregos pode acarretar numa coloração mais escura de suas águas. Eis aí o rio Passa Três serpenteando manhoso na região oeste da cidade de Uruaçu.

Rio Maranhão... um rio de aguas barrentas

44O alto rio Maranhão tem as águas relativamente limpas, embora as atividades agrícolas e o adensamento populacional estejam contribuindo para sua poluição. Na região da divisa do Distrito Federal com Goiás sofre também as consequências da atividade mineradora. Na região de Uruaçu, no rio Maranhão tiveram atividades garimpeiras que foram historicamente de vital importância para o crescimento do município. Na década de 1980 esta atividade foi considerada uma fonte geradora de empregos no município que propiciou significativo crescimento demográfico e comercial da cidade. Hoje, as atividades garimpeiras são praticamente inexistentes, porém, um grande percentual da população - migrante - permaneceu na cidade e município exercendo outras atividades.

45O rio Maranhão na região de Uruaçu, era um rio de curvas sensuais. Rio de águas turvas e amareladas. Era um rio cor de barro. Era, mesmo, um rio barrento cercado por margens verdejantes.

46Entre Uruaçu e o município de Niquelândia se fazia a travessia do rio Maranhão por balsas e canoas. São aquelas travessias e suas praias que, também, povoa minhas lembranças. As imagens abaixo mostram exatamente, em terras uruaçuenses, o local de travessia das balsas no rio Maranhão. As balsas tinham como força motriz o braço humano para pegar impulso e depois deslizava no cabo de aço. A força braçal somada à musculatura do peito que desempenhavam maior função, pois servia de apoio a uma extremidade do varão pesado para empurrar a embarcação.

47Mas o rio de águas barrentas e turvas dava lugar às águas claras nos encachoeirados, a exemplo da cachoeira do Machadinho que possuía trechos de belas praias. Os passeios de domingo ao rio eram maravilhosos. Os famosos e divertidos piqueniques nas praias do rio Maranhão proporcionavam momentos agradáveis e felizes com gente de todas as idades. Era mesmo um evento dos fins de semana.

48Já as enchentes do rio Maranhão eram violentas. No período das travessias das balsas ocorriam muitos acidentes com mortes de permeio. Tornava-se um rio de águas muito violentas e traiçoeiras nas cheias. Eu me lembro dessas enchentes e das travessias em que o cabo de aço se arrebentava e a balsa descia a ermo rio afora. Lembro-me com precisão quando se ia para a fazenda da família do outro lado do rio Maranhão. O rio muito cheio, mas era necessário levar os mantimentos para fazenda, tais como querosene, sal das vacas dentre outros. Quando numa dessas travessias aconteceu um desses acidentes com morte de permeio. Dessas enchentes registrou-se, já com a ponte sobre o rio, a de março de 1983. O rio arrotava valente, pela rachadura das ribanceiras desgastadas e empinava-se mais e mais, pronto a deixar o leito e fazer desordem no cerrado. De longe se ouvia o latejar da água ao produzir certos movimentos com sons intermitentes arrastando paus e barrancos.

49Na década de 1970 se construiu uma ponte sobre o rio Maranhão. Ela foi construída exatamente no local de travessia das balsas. Mais tarde, com a abertura das comportas da Hidrelétrica da Serra da Mesa fora totalmente coberta/inundada submersa pelas águas que formaram o Lago Serra da Mesa. E junto com a ponte se foram, também, as cachoeiras, as praias e o rio. As fotos mostram a inundação da ponte sobre o rio Maranhão e a sociedade em última visita à ponte.

Inundação da antiga Ponte sobre o rio Maranhão com a abertura das comportas da |Hidrelétrica Serra da Mesa para Criação do lago de Serra da Mesa

Inundação da antiga Ponte sobre o rio Maranhão com a abertura das comportas da |Hidrelétrica Serra da Mesa para Criação do lago de Serra da Mesa

50E o grande Lago se formou. As águas barrentas do rio Maranhão deram lugar às aguas claras e azuladas do lago artificial da Usina Serra da Mesa. O Lago Serra da Mesa é o quinto maior do Brasil. Está totalmente localizado no Noroeste de Goiás com 1784 km² de área inundada. Sua elevação é de 460m em relação ao nível do mar. Com 54,4 bilhões de metros cúbicos é o primeiro em volume de água. Formou-se, principalmente, pelos rios Tocantins, rio das Almas e rio Maranhão.

51Uma Nova Ponte fora construída ligando Uruaçu e o município de Niquelândia como obra de relocação na área que foi tomada pelo lago de Serra da Mesa, no trecho da rodovia GO-237, com 585 m de extensão. Pela primeira vez no Brasil, o concreto de alto desempenho foi usado na construção de uma ponte. Ela faz parte do conjunto de obras na bacia de inundação da Hidrelétrica de Serra da Mesa, em Goiás.

52O grande lago atraiu turistas. Proporcionou com sua praia artificial o turismo de lazer. Em consequência da formação do lago em terras uruaçuenses percebemos um crescimento, retomado, rumo a Leste, ou seja, rumo ao Lago Serra da Mesa. Muitos condomínios de chácaras de lazer e de residência se formara. Flutuantes e bares na orla movimentou o beira-lago. Mas veio a estiagem e as águas baixaram. Não chegou ao que era como rio, mas também deixou o aspecto majestoso do grande Lago. Das águas profundas do Lago Serra da Mesa vimos emergir a antiga ponte do rio Maranhão. Acompanhei e registrei seu emergir por meio de fotografias, as quais aqui socializamos.

53Eis então que toda a estrutura da antiga ponte emergiu reaparecendo o antigo caminho da rodovia entre Uruaçu a Niquelândia.

54Esta ponte após a sua submersão reapareceu emergida na seca de 2001 e pela segunda vez emerge neste ano de 2016. Segundo notícia veiculada no Jornal O Popular de 11.10.2016 “o volume de água chegou a 9,91%, segundo os dados do Operador Nacional do Sistema (ONS). O pior patamar dos últimos quinze anos ficando atrás justamente do mês de novembro de 2001 quanto o nível atingiu 9,12%”. Hoje o grande lago se encontra assim com as águas baixas e com as margens desnudas.

55A transformação do rio Maranhão em Lago Serra da Mesa, embora tenha se formado o quinto maior lago do Brasil, causou sérios problemas socioambientais para a região de Uruaçu. Com a formação do lago inundou uma vasta extensão do bioma cerrado, relativamente preservada. Causou fortes impactos à flora e à fauna. Há, também, questões de alterações climáticas. Acredita-se, ainda, que tenham ficado submersas reservas minerais de ouro, nióbio, estanho, chumbo, zinco e manganês. Outro problema detectado é a ocorrência de dolinamentos, pois a principal ocorrência se deu em fazendas no município de Uruaçu, onde houve formação de dolinas de até trinta metros de diâmetro. Outra grave consequência são as famílias ribeirinhas atingidas pela barragem com a perda de suas propriedades na área de inundação e, muitas delas, sem indenizações.

56Como se vê o território das águas por onde nasceu a cidade de Uruaçu teve sua paisagem profundamente alterada. Ocorre que comumente, no Brasil, as cidades que surgiram face a face aos rios viraram-lhes as costas. Uruaçu bem se insere nesse quadro, pois surgiu face a face ao ribeirão Machambombo, e, no entanto, lhe virou as costas. O rio Machambombo foi canalizado na parte central à medida de um quarteirão. Paredes verticais de concreto o demarcou. Em sua várzea ergueram uma praça. Bloquetes cobriram sua várzea que recebeu bancos de concreto. Por outro lado, parte do rio Passa três e o rio Maranhão com suas várzeas verdejantes foram engolidos pelas águas do Lago Serra da Mesa.

57Particularmente, entendo o impacto ambiental como um desequilíbrio provocado ao território das águas. Segundo Gonçalves (1992), há os meios social e ambiental. Partindo dessa premissa há nos espaços dos rios Passa Três e rio Maranhão os impactos tanto ambientais quanto sociais, uma vez que seus impactos tiveram como ponto de partida a ação antrópica, a partir da condução do empreendimento hidrelétrico. Numa palavra, afirmo que os impactos ambientais desencadeados sobre a natureza acarretam os impactos sociais. Outro problema é a mudança climática que os lagos podem causar. Afinal onde havia matas fechadas ou florestas agora há um lago, o que pode elevar a temperatura ambiente e mudar o ciclo de chuvas. Esse estado de coisas se nota claramente em Uruaçu. Além disso, o impacto ambiental provocado pela construção da barragem alterou o meio físico causando desequilíbrio no ecossistema local. Desequilíbrio este que fica evidente no período das cheias. Espécies de peixes que desapareceram, animais que fugiram para refúgios secos, árvores que viraram madeira podre debaixo das águas, mas que reaparecem na estiagem. Entendo, ainda, que outros fatores, tais como, a supressão da vegetação, as queimadas, a retirada de solo, a caça, o extrativismo, a invasão de espécies exóticas e o isolamento resultante da fragmentação da vegetação nos espaços beira-rios, também contribuíram/contribuem para a degradação ambiental resultando no desequilíbrio e, consequentemente, fortalecendo o impacto ambiental no/do território das águas.

Haut de page

Bibliographie

Tendo como referência o agravamento dos problemas, a crescente poluição dos rios citadinos enfatizo que o desafio socioambiental da cidade Uruaçu e, quiçá, da maioria das cidades brasileiras se centra em ações governamentais que dinamizem a consciência dos citadinos pautados pela adoção dos princípios de sustentabilidade ambiental conjugada a resultados na esfera do desenvolvimento econômico e social e, na importância de se preservar o território das águas, ou seja, os rios, as várzeas e o vale. Poderíamos aqui evocar centenas de outras solidariedades espaciais bem como outras soluções ambientais, mas deixarei apenas manifestas aquelas que dotam de certas especificidades e por feixes de relações sociais mais contrastantes, donde os valores da paisagem e do rio são/serão reconhecidos no/do espaço-cidade. Os valores permanecerão latentes na força e na presença dos rios correndo e, às vezes, transbordando sobre as suas margens ou por meio daqueles sintomas perturbadores. Afinal, os modos de representar pertencimento aumentam em complexidade no tempo por meio dos processos de integração das pessoas com seus territórios.

ARRUDA, Gilmar. A Natureza dos Rios: História, Memória e Territórios. Curitiba: Editora UFPR, 2008

ÁVILA, Cristovam Francisco. História do Município de Uruaçu. Goiânia: Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia, 1993.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

BACHELARD, Gaston. A Poética do espaço. São Paulo, Martins Fontes, 1998.

BRAUDEL, Fernand. O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico no Época de Filipe II. Vol. I e II. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

BURKE, Peter. História e teoria social. São Paulo: Unesp, 2002.

BURKE, Peter. Testemunha Ocular: História e Imagem. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2004.

DRUMOND, J. A. “A História Ambiental: temas, fontes, e linhas de pesquisa”, In: Estudos Históricos, 8, 1991. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP.), São Paulo, 1992.

FEBVRE, Lucien. O Reno: história, mitos e realidades. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Civ. Brasileira, 2000,

FRÉMON. Armand. A Região, Espaço Vivido. Coimbra: Livraria Almedina, 1980.

GADDIS, John Lewis. “Tempo e Espaço” e “A perspectiva do historiador”. In Paisagens da História. Como os historiadores mapeiam o passado. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

GANDARA, Gercinair Silvério. Rio Parnaíba, Cidades-Beira (1850-1950). Teresina, EDUFPI, 2010.

GANDARA, Gercinair Silvério. URUAÇU: Uma Cidade-Beira. Uma Cidade-Fronteira. (1910-1960). Goiânia: UFG, 2004.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis, Vozes, 1985.

GONÇALVES, Neyde Maria Santos. Impactos pluviais e desorganização do espaço urbano em Salvador/BA. 1992. 268 f. Tese (Doutorado em geografia física) – DPGEO

GUATARI, Félix. Espaço e poder: a criação de territórios na cidade. Espaço & Debates, São Paulo: ano V, n. 16, 1985.

HAESBAERT, Rogério. (org.) Globalização e Fragmentação no Mundo Contemporâneo. Niteroi: UFF, 1998.

HOLZER, Werther. Um Estudo Fenomenológico da Paisagem e do Lugar: a crônica dos viajantes no Brasil do século XVI. São Paulo, FFLCH/USP, 1998.

ISNARD, Hildebert. O espaço geográfico. Coimbra: Almedina, 1982.

LEFEBVRE, Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991

LEFEBVRE, Henri. La production de l’espace. Paris: Antrophos, 1974.

LEFF, E. Construindo a História Ambiental da América Latina. Esboços, Florianópolis, n. 1, v. 13, pp. 11-30, 2005.

MARTINS, Marcos Lobato. História e Meio ambiente. São Paulo: Annablume; Fac. Pedro Leopoldo, 2007,

PRADO JR Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1981; Pub. Folha, 2000.

SACK, Robert David, Human territoriality: Its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press. 1986

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade: a forma-social negro-brasileira. Rio de Janeiro. Imago Ed., 2002,

WORSTER, Donald. Para Fazer História Ambiental. Tradução José Augusto Drummond. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 4, n. 8, 1991.

Haut de page

Notes

1 Os resultados aqui apresentados são frutos do trabalho de pesquisa em desenvolvimento, coordenado pela Profa. Dra. Gercinair Silvério Gandara na Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual de Goiás com o projeto intitulado “Estudos Socioambientais dos Rios Cidades-Beira do/no Norte Goiano: Uruaçu e cidades circunvizinhas”.

2 IBGE: Agência de Uruaçu. Aspectos históricos e geográficos elaborado por Francisco Garcês – Agente Municipal de Estatística em Uruaçu – Julho 1956. p.04

3 Poços são trechos de córregos mais profundos no percurso.

4 Uma usina hidrelétrica foi construída no rio Passa Três e distribuía a “força”, a luz da cidade na década de 1950.

5 No final dos anos sessenta surgiu uma corrente francesa que deu destaque ao espaço vivido. Gallais e Frémont foram os primeiros a valorizar a "experiência humana dos lugares, das paisagens e dos espaços, procurando redescobrir uma ‘géographie à visage humain’". Na década de 1970, os trabalhos de Armand Frémont e Paul Claval questionaram o método utilizado nas abordagens do espaço vivido e do espaço percebido, contribuindo, assim, com a formação da Geografia Cultural Francesa, que desde 1981 conta com o laboratório Espace et Culture – Villes et Civilisations, na U. E. R. De Géographie de l’Université de Paris-Sorbonne, onde são desenvolvidas pesquisas nesta área.

6 Escritura Pública do registro de Imóveis da Comarca de Jaraguá, nº 1680, fls. 214, Livro 3-B, 02.08.1926.

7 Sobre a compra do latifúndio e dos dois primeiros fazendeiros ver Gandara, Gercinair Silvério. Cadinho do Brasil: Uruaçu... Cida beira, Cidade fronteira nos caminhos dos Sertão de Goiás (1910-1960) Goiânia: Ed. Espaço Acadêmico, 2016.

8 Cf. Escritura Pública do Registro de Imóveis da Comarca de Jaraguá, sob nº 1680, fls.214 do Livro 3B, em 02.08.1926. A transação do imóvel se concretizara no dia 21 de abril de 1910, figurando como vendedores os irmãos Mendes e Silva e como compradores os filhos do coronel Gaspar.

9 Ver Gandara, Gercinair Silvério. Cadinho do Brasil: Uruaçu... Cida beira, Cidade fronteira nos caminhos dos Sertão de Goiás (1910-1960) Goiânia: Ed. Espaço Acadêmico, 2016.

10 Doação da família Fernandes de Carvalho à Igreja Católica para a formação da cidade.

11 A escritura de constituição da sociedade foi lavrada em 10 de janeiro de 1950 e registrada na Junta Comercial do Estado em 21 de junho de 1950.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Crédits Córrego Machambombo. Fotos tiradas em 2016. UEG-Campus Uruaçu LHEMA -Laboratório de História e Estudos Socioambientais em Ambientes
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Praça na várzea do Córrego Machambombo
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Titre Rio Passa Três
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Mina nascente do rio Passa Três.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Rio Passa Três já formado
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Inundação da antiga Ponte sobre o rio Maranhão com a abertura das comportas da |Hidrelétrica Serra da Mesa para Criação do lago de Serra da Mesa
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12066/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 39k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Gercinair Silvério Gandara, « Rios: território das águas às margens das cidades: o caso dos rios de Uruaçu-GO », Confins [En ligne], 31 | 2017, mis en ligne le 18 juin 2017, consulté le 25 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/12066 ; DOI : 10.4000/confins.12066

Haut de page

Auteur

Gercinair Silvério Gandara

Docente da Universidade Estadual de Goiás, gercinair.gandara@ueg.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org