Navegação – Mapa do site
Dossiê Araguaia

Visões sobre o rio Araguaia : imprensa goiana e imaginário no século XIX

Vues du rio Araguaia : presse du Goiás et imagination au XIXe siècle
Visions on the river Araguaia: Goiás's press and imaginary in the nineteenth century
Eliete Barbosa de Brito Silva e Leandro Mendes Rocha

Resumos

A água tem configuração essencial na vida das pessoas. O seu simbolismo vincula-se ao sagrado, ao mítico. Os rios são condutores desse fluido. Por extensão, tornam-se espaço de relevância para os sujeitos. Estes, em seu imaginário concebem os rios como elementos primordiais para a geração e manutenção das formas de vida. São eles os agentes de fertilização dos campos. São fontes de alimento, são vias de circulação. São potencialidade. São também construtores de cidades. Estas foram brotando de acordo com os usos do rio. Assim foi com Aruanã, cidade Goiana às margens do rio Araguaia. O referido rio era via de ligação entre as províncias de Goiás e do Grão-Pará. Rota para a interiorização do país. Este trabalho apresenta uma leitura do rio Araguaia pelas páginas do periódico da imprensa goiana no século XIX. Através de uma leitura investigativa, analisamos as publicações do jornal “A Matutina Meyapontense (1830-1834)”. O Brasil do século XIX foi percorrido por diversas expedições científicas. Estas adentraram o interior do país e nos ofereceram uma leitura bastante enriquecedora dos lugares percorridos. Dentre eles, o espaço do rio Araguaia. Nosso objetivo foi deslindar as construções física e social do rio Araguaia pela imprensa, influenciada pela visão dos viajantes e pelos interesses políticos, no referido século. Entender como as visões do rio Araguaia por esses órgãos enunciados repercutiram e povoaram o imaginário e os relatos posteriores.

Topo da página

Entradas no índice

Index de mots-clés :

Rio Araguaia, presse du Goiás, imaginaire

Index by keywords :

Rio Araguaia, Goiás's press, imaginary

Índice geográfico :

Rio Araguaia.

Índice de palavras-chaves :

Rio Araguaia. Imprensa Goiana. Imaginário.
Topo da página

Texto integral

AraguaiaVisualizar a imagem
Créditos : Hervé Théry 2016

1O advento da História Cultural diversificou os elementos de pesquisa. Essa ampliação do universo das fontes resultou no uso da imprensa na busca pela apreensão do imaginário social. Nesse sentido, a imprensa desponta enquanto testemunha de uma época e também como sujeito da mesma. Não se faz neutra. Expõe, a partir de sua escrita, os posicionamentos acerca do cotidiano. Interferindo, assim, na elaboração do pensamento e no modo de agir da sociedade.

2No Brasil, a imprensa oficial nasce sob a égide da monarquia. Martins e Luca (2008:08) apontam para uma simultaneidade entre o surgimento da imprensa e o nascimento do Brasil enquanto nação. De acordo com as autoras, a história da imprensa, neste contexto, encontra-se vinculada ao surgimento da cidadania, do espaço público compartilhado e da democracia brasileiras. Implica dizer, por essa lógica, que o estudo da imprensa no Brasil configura-se na análise da própria história do país.

3A chegada da família real em plagas brasileiras vai transformar, definitivamente, o destino da então colônia. No que tange a nosso estudo, interessa-nos diretamente a criação de uma imprensa nacional. Até a instalação da corte no Brasil, as tipografias e gráficas encontravam-se proibidas de existir. Entretanto, a partir do ato real de 31 de maio, D. João VI estabelece a “Impressão Régia” na qual seriam produzidos todos os documentos demandados pelas repartições do “Serviço Real” (Sant’Anna, 2010:56).

  • 1 Registramos a existência dos periódicos A Gazeta do Rio de Janeiro (1808); o Idade d’Ouro do Brasil (...)
  • 2 Doravante nomeado Matutina Meiapontense. O referido jornal tinha na cidade de Meia Ponte, hoje Pire (...)

4O decreto régio, além de oficializar a existência de uma imprensa na antiga colônia, dispunha sobre a normatização para o seu funcionamento. Vários mensários tiveram circulação no território brasileiro1. Dentre estes destacamos o jornal “Província de Goiás Matutina Meiapontense” 2 que circulou na província de Goiás entre os anos de 1830-1834. O referido periódico foi o primeiro redigido e publicado em Goiás (Costa, 2013). O idealizador e responsável pela publicação foi o Comendador Joaquim Alves de Oliveira.

5A princípio, o jornal editava semanalmente dois exemplares. Posteriormente as publicações foram feitas três vezes por semana. Seu conteúdo era destinado às elites letradas da província de Goiás. Embora não fosse um jornal oficial, ou seja, editado pela “Impressão Régia”, podem ser encontradas em suas páginas atos e decisões governamentais. Notícias políticas, do desenvolvimento da província de Goiás, bem como, questões acerca do cotidiano na referida província.

6O periódico se propunha a ser uma publicação democrática. Assim sendo, os seus leitores e/ou pesquisadores não encontrarão em suas páginas embates e ideias contrárias à ordem monárquica vigente. Sua linha editorial propunha-se a trazer informações políticas e econômicas da época, apresentar aspectos do cotidiano em Goiás. Pelo exposto, as quinhentas edições do periódico constituem fonte de relevância para a composição da história de Goiás no século XIX.

7Até a década de 1970, o uso de jornais, revistas, panfletos, enquanto fontes históricas eram rechaçados ou vistos com desconfiança pela academia. Tal fato se deve a uma visão positivista do uso das fontes no fazer historiográfico que ainda vigia (Alves e Guarniere, 2007:39). Evidencia-se uma “elitização” das fontes. A partir dessa lógica seletiva, a imprensa, por sua aproximação com o fato narrado, não apresentava, segundo os opositores ao seu uso, objetividade necessária a uma análise científica do mesmo. Os textos de jornais e/ou revistas encontravam-se perpassados pela subjetividade de quem os escrevia.

  • 3 Sobre o uso de jornais enquanto fonte conferir: LUCA, Tânia Regina de. A história dos, nos e por me (...)

8Somente a partir da segunda metade do século XX, é que, paulatinamente, a imprensa se afirma enquanto fonte e objeto de pesquisa. O meio acadêmico vivenciava, a partir do surgimento da História Cultural, uma transformação e ampliação do universo das fontes e objetos históricos, conforme exposto alhures. No que tange ao uso da imprensa escrita enquanto fonte, Luca (2010)3 elenca alguns passos considerados importantes e que devem ser observados.

9Afirma a autora que o pesquisador deve observar os aspectos físicos da impressão, sua materialidade; verificar o contexto social no qual o periódico foi escrito, ou seja, historicizar a fonte; apreender os critérios que tornaram possível a publicação de determinada matéria. Para tal deve ser observado o destaque dado à matéria na composição física do periódico; identificar o grupo responsável pela linha editorial; inquirir acerca das ligações cotidianas com diferentes poderes e interesses financeiros.

10Por todo o exposto, infere-se que, o trabalho com periódicos não se restringe à escolha de dada matéria, mas a uma análise global e globalizante do contexto no qual foi produzido e das posições enunciadas, ou percebidas, por seu corpo editorial. A metodologia de análise proposta por Luca (idem) pautou a nossa prática quando da leitura do periódico “Matutina Meiapontense”. Assim, na busca por apreender as representações construídas sobre o rio Araguaia no decorrer das quinhentas edições do jornal, buscamos observar o ambiente do qual oriunda; a sociedade para a qual se escreveu, em suma, procuramos historicizar o periódico. Para que, dessa forma, possamos entender o contexto escrito e, consequentemente, os enunciados referentes a nosso objeto de interesse.

11Salientamos que a nossa incursão nas páginas do “Matutina Meiapontense” objetivou deslindar as construções física e social do rio Araguaia pela imprensa do século XIX. A partir daí, entender como as representações acerca do referido rio, enunciadas nas páginas do periódico, repercutiram e povoaram o imaginário e os relatos posteriores.

O século XIX em Goiás: representações nos relatos de viagem

12O Brasil do século XIX foi visitado por diversas expedições científicas que tinham por objetivo estudar a estrutura da biosfera nacional. Tais estudos, só foram possibilitados em função da política reformista lusitana. Portugal, na esteira dos ilustrados, almejava projetar o Brasil como espaço de riquezas e possibilidades naturais. Tal se justifica em face da necessidade de visibilizar aquele que doravante seria a sede do governo português. Assim, a descrição das riquezas naturais da colônia adquiria um viés político.

  • 1

13Se considerarmos que até sua recente elevação de colônia a reino unido, por força do pacto colonial, encontravam-se proibidas incursões na América Portuguesa; tal mudança de orientação pode ser entendida como prenúncio das transformações ocorridas a partir da chegada da família real. Alguns autores, dentre eles Buarque de Holanda4, afirmam que tal abertura tinha por objetivo estabelecer um “redescobrimento do Brasil”. Dito em outras palavras, o que se almejava era estabelecer narrativas que descortinassem aos europeus o novo centro de comando da monarquia portuguesa.

14Sob o aspecto macro, as expedições científicas pelo Brasil coadunam com o processo de expansão industrial europeia. Havia, portanto, no antigo continente, um aumento na demanda por matéria prima. A exploração científica do território brasileiro tornou-se, por essa lógica, apropriada aos interesses do capital. Em âmbito doméstico, Portugal necessitava legitimar a fundação de seu império ultramarino. Assim sendo, as incursões pelo Brasil visavam propagar, com a chancela dos cientistas naturalistas, a posição geográfica privilegiada e a natureza exótica da então ex-colônia. Urgia dar status à nova sede da coroa. Para as necessidades emergentes do capitalismo industrial, tais características configurar-se-iam em espaço profícuo de ofertas para o abastecimento da crescente demanda. Elevava-se assim o interesse pelo nascente reino.

15No que tange ao Brasil profundo, ou especificamente à capitania de Goiás, os viajantes depararam-se com um quadro característico do esgotamento da exploração aurífera. Fato que influenciou sobremaneira os relatos acerca da referida capitania. Em sua maioria, tais relatos apresentaram de forma negativa o sujeito goiano. Este tem sua forma de existir associada ao ócio, à lasciva e à preguiça. Aspectos repudiados pela lógica de acumulação capitalista emergente na Europa.

  • 5 O avanço dos estudos historiográficos que têm como objeto a construção da história de Goiás aponta (...)

16Constata-se que o padrão europeu de civilização empregado pelos viajantes na análise das terras visitadas não encontrou elementos de identificação no modo de vida do goiano. Elaborou-se assim representações que associavam a província, e consequentemente seus moradores, ao atraso e à decadência5. Acostumados a uma experiência citadina de vida, onde imperava o movimento das Luzes, os cientistas viajantes não possuíam arcabouço comparativo para elaborar o cenário que se descortinou em suas viagens. O ineditismo marcava as incursões pelo território goiano.

  • 6 O conceito de tradução cultural que nos guia é aquele elaborado segundo a perspectiva de interpreta (...)

17As representações elaboradas encontravam-se ancoradas nas concepções de mundo que os viajantes traziam consigo. Portanto, configuram-se traduções6 do espaço goiano. A enunciação de tais representações, a partir dos relatos de viagem, nos permite apreender as formas a partir das quais esses cientistas elaboraram o discurso negativo acerca da província de Goiás.

18Souza (2012), em seus estudos acerca da presença dos viajantes em Goiás e a elaboração de seus relatos de viagem, dividiu em dois grupos aqueles que pela província adentraram. O primeiro grupo seria formado por cientistas que vieram para Goiás pela região sudeste do país. Traziam consigo impressões da Mata Atlântica que, em contraposição com o Cerrado, se apresentava exuberante aos olhos de nossos visitantes. O segundo grupo encontrou um cenário no qual as fazendas de plantação e criação de gado apresentavam-se em franca expansão, marcando a economia goiana de então. Interessa-nos, para o contexto deste estudo, as impressões registradas pelo primeiro grupo.

19Segundo a autora, esse grupo teria efetuado sua visita em um cenário marcado pela opulência aurífera de outrora e o surgimento da pecuária como elemento de destaque na economia goiana. A esse tempo, a sociedade goiana obedecia a uma economia de subsistência; pautada no tempo lento do calendário agrícola. Em verdade, a agropecuária sempre esteve presente na formação do território goiano. Configurava-se atividade auxiliar à mineração (Corrêa, 2001). Entretanto, as proibições da coroa portuguesa no sentido de priorizar a extração aurífera em detrimento de quaisquer outras atividades econômicas, vão relegar a região a um aparente ocaso quando do término desta atividade.

  • 7 Cf. CHAUL, 2010. Idem.

20A atividade mineradora, portanto, foi a um só tempo a redentora e a algoz da província de Goiás. O esgotamento do ouro forçou a província a um desterro das atividades capitalistas europeias. Isso porque, não mais podendo financiar, a partir da exploração aurífera, o emergente mercado capitalista europeu, Goiás deixa de ser, pela racionalidade que então imperava, útil aos interesses econômicos. Ganha destaque no imaginário, a partir das narrativas elaboradas, a ideia de “isolamento”7 à qual estaria relegada a província de Goiás.

21Essa concepção, por um lado, fez surgir as representações negativas sobre o goiano. Em contrapartida, a natureza destas paragens era, na maioria das vezes, retratada a partir de uma ótica de majestosidade e exuberância. Percebe-se que os viajantes, frustrados em sua análise social do território goiano, encontram na observação e descrição da natureza o fim último de suas expedições. Assim é que, por não conseguir estabelecer com a sociedade goiana do século XIX uma relação de alteridade, os cientistas viajantes vão privilegiar em suas narrativas os aspectos da natureza em Goiás.

22Os naturalistas acreditavam que seus relatos, coletas e observações da natureza prestavam-se a um fim nobre. Qual seja, o avanço da Ciência e o progresso da civilização. Por essa concepção, a exploração racional da natureza levaria a ganhos econômicos bem como à melhoria social. A natureza era pensada, pelo romantismo, como uma unidade. O homem, como parte dessa unidade. O mundo deveria ser pensado por uma lógica de organicidade. Para tal todas as áreas do conhecimento deveriam contribuir. Assim é que os tônus das representações elaboradas no século XIX acerca da natureza goiana será a racionalidade e o romantismo.

23Influenciados pelo rigor do método cartesiano, os cientistas que percorreram o interior de Goiás viam a natureza como um objeto de estudo a ser desbravado pela ciência. Paradoxalmente, motivados pelo pensamento romântico, criam que aqueles que se encontravam em contato com a exuberância da natureza em Goiás eram seres privilegiados, escolhidos por Deus para assinalar a majestade de sua obra. O registro das observações acerca da natureza tendo por base uma linguagem poética da mesma vai permear as narrativas do século XIX.

  • 8 Cf. HUMBOLDT, Alexander Von. Quadros da Natureza. (s.i)

24Com a inserção da poética nos relatos de viagem, estes adquirem, para além do caráter cientifico, uma mística espiritual. Assegura-se que os aspectos científico e estético da natureza, considerados em seu conjunto, permitiram o entendimento do cenário goiano do século XIX de forma totalizante. Humboldt (1850)8 é considerado o precussor na adoção de uma escrita que associe a poesia e a ciência. Por essa perspectiva a natureza torna-se fonte de estudos (ciência) e de beleza e prazer (poética).

  • 9 Johann Moritz Rugendas foi um pintor alemão que viajou pelo Brasil durante o período de 1822 a 1825 (...)

25Os aspectos da natureza em Goiás eram totalmente novos para os viajantes europeus. As espécies encontradas ou eram desconhecidas ou apenas visualizadas a partir de registros presentes nos livros de botânica ou zoologia. As narrativas elaboradas pelos naturalistas são ricas em detalhes descritivos e imagéticos. Muitas dessas representações pictóricas são consideradas verdadeiras obras de arte. Testemunhas mesmo de uma época. Como exemplo, citemos as ilustrações de Rugendas9. Salientamos que a percepção que se tem da sociedade goiana e/ou da natureza no século XIX e mesmo a enunciação desta percepção, encontra-se permeada por elementos próprios do tempo de enunciação. Assim sendo, é lícito afirmar que tais enunciados e percepções são um construto cultural e, por extensão, histórico.

26Desse modo, as descrições dos viajantes sobre a natureza são oriundas de seu universo simbólico. Vinculam-se às representações culturais de sua época. Foram urdidas a partir do pensamento e das práticas do grupo social e dos valores que permeiam o lugar de fala do naturalista viajante. Assim também é o universo vocabular empregado na análise e descrição da natureza. A paisagem é descrita como detentora de uma grandiosa natureza que bravamente resiste às investidas do colonizador.

27A literatura de viagem se estabeleceu como referência para o conhecimento e compreensão do Brasil profundo a partir do século XIX. Observa-se que alguns desses naturalistas foram mais amenos que outros em sua narrativa. Souza (idem) justifica tal fato reportando-se ao momento de realização das expedições. Algumas foram empreendidas no auge do período chuvoso, o que resultou em uma narrativa desabonadora dos locais visitados. Outras se deram no rigor do verão, que em ambiente de Cerrado é árduo e inclemente.

  • 10 Cf. SAINT-HILAIRE, August de. Viagem às nascentes do Rio São Francisco e pela província de Goiás. S (...)

28Portanto, as narrativas se dão em intrínseca relação com a percepção do viajante. Nessa perspectiva, a ausência de ligações viárias é duramente criticada. Segundo relatos, esta seria, na Primeira República, um dos elementos determinantes do atraso no qual a província encontrava-se relegada. Segundo estes, a incursão pelo interior da província nessas condições torna-se penosa e desgastante. Em face à inexistência de vias estruturadas para o trânsito de pessoas e escoamento de grãos e gado, a navegação pelos rios surge como solução natural para o problema10.

29Os rios assumem, nos relatos históricos, grande importância, são elementos centrais nas narrativas dos viajantes. Assim como Saint-Hilaire (1937), Castelnau (1949) acreditava que a ausência de vias de navegação, principalmente nos rios Tocantins e Araguaia, este último objeto de nossos estudos, correspondia a um dos motivos que retardavam o progresso da província de Goiás. Por seu aspecto físico, esses rios são apontados como viáveis para o estabelecimento de uma navegação comercial. Nesse sentido, alguns esforços foram envidados. Através das páginas do jornal “A Matutina Meyapontense” nos dispomos a apreender as representações originadas a partir das ações que buscavam estabelecer uma navegação perene no rio Araguaia.

Rio Araguaia: a urdidura das representações nas páginas do jornal Matutina Meiapontense

30O rio Araguaia, assim como outros rios importantes e navegáveis, era visto como via de comunicação. Verdadeiras estradas naturais que poderiam ser dinamizadas através da intervenção do Estado, garantindo assim a “civilização e o progresso”. Até meados do século XIX o rio Tocantins era praticamente a única via utilizada pelos comerciantes, tropeiros e viajantes como rota em direção ao Pará.

O jornal jornal Matutina Meiapontense

O jornal jornal Matutina Meiapontense

matutina.jpg : http://www.pirenopolis.tur.br/​portal/​public/​images/​matutina.jpg

  • 11 Embora o periódico não se configurasse uma publicação oficial, trazia em suas páginas uma coluna de (...)

31Surge, aos olhos das autoridades provinciais, a necessidade de uma maior intervenção do Estado no sentido de viabilizar a utilização do rio Araguaia como um caminho. Para tal, tornava-se imperioso o povoamento de suas margens. O assunto é tema das edições de nº 22 (18/05/1830), 23 (21/05/1830), 24 (25/05/1830) e 67 (02/09/1830) do jornal Matutina Meiapontense. Em sua seção “Artigos de Ofício” 11, registra-se uma solicitação enviada ao imperador para que a Ilha do Bananal se torne um “lugar de refúgio e asilo para todos os habitantes do império brasileiro perseguidos por motivos civis ou criminosos”. A título de convencimento foram enunciadas as vantagens do estabelecimento de uma povoação às margens do rio Araguaia.

32Em princípio, a ideia de criação de presídios em uma ilha tida por remota e muito extensa, é vista com preocupação e encontra opositores dentre os membros do Conselho da Província. Alegavam estes que a presença de sujeitos que tinham uma índole má poderia representar perigo àqueles que se deslocavam pelas águas do rio Araguaia. Outro fator apontado como negativo foi que, por suas fraquezas de caráter, os indivíduos para lá enviados poderiam corromper os indígenas que habitavam a região. Interessante observar por esse enunciado a visão que permeava o imaginário do século XIX do indígena enquanto ser puro, desprovido de maldades.

33De acordo com um membro do conselho, a criação de asilos e presídios na ilha colocaria os índios em contato com os degenerados e poderia resultar na perversão destes. O que era algo a ser considerado uma vez que a ilha se encontrava habitada, em suas palavras, por muitos mil indígenas. Outra questão se coloca a partir da temática. Por esse quantitativo populacional, uma possível aliança entre os indígenas e os degredados poderia resultar em ameaça à ordem instituída. Poderiam ocorrer levantes contra o poder provincial.

  • 12 Para maior esclarecimento sobre a forma de funcionamento do sistema de premiação cf. o jornal A Pro (...)

34Porém, a pretensão de “povoar” a ilha é uma recorrência. Todos reconhecem ser este um artifício necessário para viabilizar a navegação pelo rio Araguaia. Isso porque, a existência de povoamentos às margens do referido rio, possibilitariam a implantação de entrepostos comerciais ou mesmo de base para o refazimento dos viajantes no longo percurso. Como estratégia de povoamento, é sugerida a adoção do sistema de “premiação” para aqueles que para lá se deslocassem espontaneamente. O referido sistema consistia na isenção de impostos e taxas regenciais, dentre outras vantagens12.

  • 13 Assim nomeadas por haverem perdido suas posses ou por terem atraído a ira do poder imperial sobre s (...)

35Mediante o impasse e a reconhecida necessidade de povoamento da região para a implantação de uma navegação no rio Araguaia, surgiu uma alternativa. O povoamento se daria de forma gradativa. Em um primeiro momento seria enviada uma guarnição que prepararia terreno para o posterior envio de sentenciados. Concomitante a esse envio “pessoas de bem” seriam incentivadas a viabilizar o povoamento. Essas seriam recrutadas entre as “famílias desgraçadas” 13. Como forma de incentivo, tais famílias teriam suas despesas de mudança bancadas pelo governo.

36As uniões interétnicas foram consideradas como estratégia viável no contexto do povoamento das margens do rio Araguaia. Por essa lógica, para a propagação da espécie os degredados deveriam, segundo relatos expressos na edição de nº 24 do jornal, “unir-se às Sabinas e na ausência destas encontrariam muitas índias para esse fim”. Assim, são criados presídios e aldeamentos que teriam um papel importante no sentido de viabilizar a abertura e utilização dessa rota de navegação, estabelecendo ainda, condições para a colonização dos sertões interiores pelas frentes de expansão ligadas à agricultura e pecuária. Os presídios e colônias militares assegurariam a mão-de-obra para a navegação e o abastecimento dos viajantes. Também, afastariam os índios hostis.

37Porém, a implantação da navegação pelo rio Araguaia demandava outros obstáculos para além do povoamento. O rio é visto como “uma via de navegação de primeira ordem”. Sua localização é “ponto estratégico para a ligação de norte a sul do país”. Estrada singular que, na percepção dos sujeitos da época, é subutilizada pelo governo. Entretanto, o estabelecimento de uma rota de navegação demanda investimentos que o governo, aparentemente, não se encontra estimulado a envidar. Os documentos oficiais, notadamente os Relatórios de Presidentes de Província assim descrevem as dificuldades em tornar o rio Araguaia útil para o progresso e civilização dos sertões interiores.

Sem força pública necessária para criarem-se núcleos de povoações, e missões de catequese em pontos mais importantes das margens deste rio, sem o dispêndio de somas que embora pareçam avultadas, mas que ficarão sempre aquém da grandeza do fim a que se destinam, sem meios amplos, e não reduzidos a mesquinhas proporções, sem um empenho enfim, constante e ardente, que jamais se entibie diante das contrariedades, o Araguaya, como disse no meu relatório do ano passado, continuará a figurar na carta do Brasil como um rio do Império, mas não será tão cedo da Província de Goiás (RELATÓRIO, 1855, p. 61-65).

38Urge evidenciar os atrativos do rio numa tentativa de conseguir a disponibilização de verbas públicas garantidoras da materialização do projeto de criação de uma navegação comercial pelas águas do rio e também de sua integração ao universo dos grandes rios brasileiros economicamente viáveis. O potencial hídrico, a variedade da ictiofauna, bem como, da flora e fauna encontradas no âmbito de existência do rio Araguaia são fatores de recorrência nas publicações do Matutina Meiapontense.

39Não raras vezes encontramos relatos de solicitações que exortam o governo a investir no projeto de navegação. Tornava-se premente encontrar uma forma de barateamento dos custos de importação de gêneros. Uma vez estabelecida a navegação, as condições de transporte seriam otimizadas e consequentemente o valor final do produto se tornaria mais acessível aos compradores.

40Imbuído dos ideais de progresso e civilização, durante a administração do General Couto de Magalhães, o governo da província cria diversos presídios na região do vale do rio Araguaia: São José do Araguaia, 1861; Jurupensen, 1864, Leopoldina, 1850 e Santa Maria, 1861. Referindo-se ao presídio de Leopoldina, fica clara a representação de que, uma vez que o mesmo se desenvolvesse, tornar-se-ia uma grande cidade, vista como exemplo de civilização.

  • 14 MAGALHÃES. J. C. Viagem ao Araguaia. Obras imortais de nossa literatura. Editora Três; São Paulo: 1 (...)

O presídio de Santa Leopoldina (...) é uma povoação nascente e que promete próspero futuro, se, como é de esperar, olharmos para a navegação. Foi fundado a primeira vez, no mês de março de 1850 (...). Daí para cá, o presídio tem prosperado (...) está assentado sobre terrenos onde nunca hão de chegar as águas. A povoação é limitada: na frente, pelo rio Araguaia; ao norte e ao sul, por igarapés; ao poente, pelo espigão raso, de terreno firme, que deve ter mais de uma légua, oferecendo por esse lado todas as proporções para uma grande cidade (MAGALHÃES; 1974: 95-6)14.

41O presídio de Santa Leopoldina foi criado para ser um local de porto de embarque e entreposto comercial no rio Araguaia. Possuía estrutura urbanística avançada para a época. Por tais características, atraiu nos tempos áureos, inúmeras pessoas para a sua localidade. Ainda nos remetendo ao relatório de Couto de Magalhães, percebemos que as atividades agropecuárias encontraram no presídio condições para franco desenvolvimento. A ideia de que as atividades produtivas, a agricultura e a pecuária, são sinônimos de civilização e progresso pode ser percebida nos relatos oficiais.

  • 15 MAGALHÃES. J. C..idem, p. 96.

As hortas das casas particulares estão ainda muito em começo; contudo, a vegetação que delas brota é luxuriante e de um colorido tão verde, como as penas de papagaio; o algodoeiro, sobretudo, toma nesta terra proporções gigantescas, de modo a fazer-se desconhecido por quem não estiver prevenido da fertilidade do solo; a natureza parece indicar, com a vida robusta que concede a essas plantas e com a duração excepcional que aqui lhes dá, que o goiano deve fazer dela seu principal ramo de comércio. (MAGALHÃES; 1974: 96)15

  • 16 C.f. CARVALHO, Francisquinha Laranjeira. Nas águas do Araguaia : a navegação e a hibridez cultural. (...)

A criação do gado tem prosperado, só essas possuem 420 cabeças de gadum vacum, o que é devido ao exemplo dado pelo comandante. A cultura tem prosperado, a ele se dão as famílias ali existentes, do que terão bastante lucro. (Trecho do Relatório da Presidência do Dr. Couto de Magalhães de 1º. de junho de 1863)16.

42Nesse mesmo presídio de Leopoldina foi fundado o Colégio Izabel. Este educandário tinha como objetivo ensinar a língua portuguesa aos indígenas visando facilitar a tarefa de inseri-los no contexto da civilização. Para além do enunciado, o cito colégio possibilitaria ainda o intercâmbio entre culturas diferentes viabilizando um maior controle sobre os índios. Os tornaria aptos a desenvolver as atividades demandadas pelo comércio a partir da navegação nas águas do rio Araguaia. Dito de outra forma torná-los-ia manipuláveis para atenderem à demanda das atividades capitalistas.

  • 17 MAGALHÃES, J. C. O Selvagem: 1837 - 1898. Coleção Especial. Ed. Itatiaia; São Paulo, Editora da Uni (...)

A criação de um corpo de intérpretes destinado a ensinar aos selvagens a nossa língua, que eles aprendem com grande facilidade, quando se lha ensina na sua, fica evidente que será meio eficaz para realizarmos a conquista pacífica de duas terças partes do solo do Império, de um milhão de braços hoje perdidos, de indústrias que em poucos anos podem decuplicar; de assegurarmos nossas comunicações pelo interior e evitarmos no futuro graves dificuldades. E onde estão os elementos para criar-se esse corpo de intérprete? Estão no Exército, na Armada e estão espalhados pela superfície do Império, que por si representa um 15º da superfície do globo. Reuni-los em um corpo, dar-lhes organização, ensinar-lhes a ler e a escrever e os ofícios indispensáveis de carpinteiro e ferreiro é tão fácil que nada nos desculpará de não empreendê-lo agora, quando para isso temos todos os elementos. Esse corpo, desde que tivesse a organização e a disciplina militar, seria um auxiliar prestimoso para nossas colônias militares, para nossas populações das fronteiras, para as expedições que quiséssemos mandar ao interior, e para proteger as nossas comunicações interiores, com as duas grandes bacias do Rio Prata e do Amazonas que estão à mercê do selvagem e nos seriam preciosas, desde que nos fosse trancado o caminho do oceano, ou a foz do Rio da Prata ou do Amazonas (MAGALHÃES; 1975: 27)17

43Às medidas até aqui enunciadas, que visavam o fortalecimento do presídio de Leopoldina no sentido de torná-lo o centro principal de escoamento de mercadorias, somaram-se outras ações: foi criada uma estrada ligando a capital ao rio Araguaia; intensificou-se o incentivo à migração de pessoas para se instalarem na região; foram criadas povoações que poderiam fornecer tripulações para os barcos demandando o Pará. Como exemplo de tais povoações destaca-se São José do Araguaia com população composta de Xavante e Karajá.

  • 18 Ver ROCHA, Leandro. O Estado e os Índios: Goiás, 1850-1889. Goiânia: Ed. Espaço Acadêmico/Ed. PUC G (...)

44Introduzida a navegação a vapor no Araguaia, o governo toma medidas para dinamizar a catequese de forma a que os indígenas deixassem de ser um obstáculo ao progresso18. Nos relatórios oficiais, constantemente eram feitas referências à necessidade de promover a civilização dos índios do Araguaia. A mesma seria alcançada com a catequese a cargo de missionários dos aldeamentos oficiais. Dessa maneira, os índios seriam transformados em instrumentos de “riqueza e progresso”.

45Normalmente se completava esse raciocínio com o argumento de que, com a iminente abolição da escravidão e a impossibilidade de trazer colonos europeus para o vale do Araguaia, a catequese seria o melhor meio de transformar os indígenas em mão de obra que eventualmente substituísse a mão de obra de origem africana. A preocupação com a catequização dos indígenas com o intuito de organizar um contingente de reserva para os serviços braçais foi assunto para discussão nas edições de nº 275 (31/12/1831) e 340 (09/06/1832) do Matutina Meiapontense. Tratou-se ali da criação de novos presídios às margens do rio Araguaia e do Tocantins com o fito de “catequizar os selvagens”. A navegação pelo Araguaia, segundo artigo,

46O potencial econômico do rio Araguaia, bem como de seu entorno, é assunto recorrente na coluna Artigos de Ofício do Matutina Meiapontense. A edição de nº 120 (04/01/1831) salienta as belezas do local. A proporção territorial, terreno fértil, terras para plantações, pastagens e aguadas. Menciona o “sal da terra” que, apurado, servirá para temperar o peixe. Este abundante nas águas do rio Araguaia. Ao final do século XIX, o pensamento dominante das autoridades provinciais era de que a navegação do Araguaia assim como do Tocantins seria o vetor da civilização e do progresso.

  • 19 Mensagem enviada ao Congresso na abertura da segunda sessão da quinta legislatura pelo presidente d (...)

Quando conseguirmos resolver o problema da navegação fluvial desses dous rios, veremos que o nosso Estado occupará o logar que de direito lhe compete no seio da federação Brasileira, erguendo-se do marasmo em que vive, devido à sua posição geographica. Os dous rios serão em futuro próximo os instrumentos da nossa grandeza e da nossa prosperidade (Trecho do Relatório da presidência do Estado de Goiás – Miguel da Rocha Lima, 1906)19.

  • 20 MÄDER, Maria Elisa. Civilização, barbárie e as representações espaciais da nação nas Américas no sé (...)

47Essas visões, como bem observou Mäder (2008)20 são típicas das elites intelectuais do século XIX que atribuíam grande importância à natureza e aos rios na constituição do território da jovem nação. As ideias de civilização e barbárie aparecerão em vários momentos, seja para expressão de representações de pares binários dicotômicos tipo pampa/cidade na Argentina e sertão/litoral no Brasil, seja para análise da natureza do lugar.

48Os rios interiores são apresentados como uma espécie de deserto onde faltariam os elementos civilizados como governo, povoações, leis, educação, enfim, os ideais de ordem, civilização e progresso. Os habitantes indígenas e/ou ribeirinhos negros e mestiços eram considerados por tais representações como naturalmente vazios, vazios é claro de civilização e progresso. Abrir o Araguaia à navegação seria o meio de se atingir tais ideais. Lograr-se-ia transforma-los ou elimina-los, inserindo-os no caudal de civilização e progresso.

49Nesse sentido, a parte civilizada era composta pelas cidades litorâneas, pela corte europeizante do Rio de Janeiro, os centros do progresso e da civilização. Esse sertão interior do rio Araguaia era visto como um espaço ainda não submetido a atividades econômicas dinamizadoras. Seus habitantes indígenas não estavam ainda inseridos no mundo do trabalho. Presos à ociosidade e aos vícios, as violências, aos ódios e paixões e ferocidade da barbárie não se adaptavam à celeridade exigida pelo capital.

50Estabelece-se assim um imaginário que opõe civilização e barbárie, vistos como mundos antagônicos, palco de uma luta obstinada de onde se esperava que a primeira vencesse através do progresso, retirando a população do vale do rio Araguaia de sua secular letargia, violência e atraso. Em Couto de Magalhães (1974:94-95) o Araguaia é apresentado como um rio marcado por imensas solidões nos bravios sertões. Uma artéria colossal, como Terra da Promissão do povo goiano. Vislumbra um futuro brilhante para o referido rio, em breve dominado pela vida civilizada.

De todos os grandes rios que tenho visto, nenhum oferece, nem de longe a majestade do Araguaia (...). Há na grandeza destas águas uma calma tão serena, como aquela que se observa no oceano visto ao longe. (...) O menor obstáculo, o mais insignificante outeiro não encrespa a superfície da terra: tudo é vasto, majestoso e melancólico como o infinito. (...). Tudo conserva ainda esse aspecto selvagem que oferecem as solidões virgens de nossa pátria. (...). Tudo concorre para que as impressões seja, aqui profundas. O espírito vagueia por essas solidões, a imaginação figura esses milhares de léguas sem uma só habitação de homem civilizado. (...) O presídio de Santa Leopoldina está localizado na margem direita do Araguaia, junto à barra do rio vermelho. É uma povoação nascente e que promete próspero futuro, se, como é de esperar, olharmos para a navegação [no rio Araguaia].

  • 21 No século XIX, a melancolia era o termo genérico dado às posições subjetivas em torno da dor da exi (...)

51Ao mesmo tempo, essa imensidão provocava uma certa angustia, uma melancolia.21 A leitura romântica da melancolia vem nos apresentar aspectos positivos desse estado melancólico. É essa melancolia enriquecedora da alma, que contempla um futuro distante em que a civilização trará a redenção às imensidões desses sertões bravios e indomados, que move o olhar de Couto de Magalhães sobre o rio Araguaia

  • 22 Cf. MAGALHÃES. J. C. Viagem ao Araguaia. Obras imortais de nossa literatura. Editora Três; São Paul (...)
  • 23 A Matutina Meiapontense, nº 120, 04/01/1831 e nº 275, 31/12/1831. Seção Artigos de Ofício.

52Do ponto de vista do comércio, da economia, Couto de Magalhães ressalta esses espaços interiores como um teatro vasto e fecundo para a agricultura22. Também o Jornal Matutina Meiapontense23, ressalta as qualidades físicas, a proporção territorial, terreno fértil, terras para plantações, pastagens e aguadas. Nas edições de nº 120 e 275, o jornal traz em sua coluna Artigos de Ofício os textos que seguem:

(...) a Fazenda tem excelentes proporções para huma Povoação; bons terrenos de plantações, pastagens, e Aguadas; e Sal da terra, que, apurado, serve para salga de peixe, de que he muito abundante o Araguaia: he hu ponto importante à Navegação daquele Rio.

(...) Lembro a importantíssima navegação para o Pará pelo Rio Araguaya, que offerece hum vantajozo commercio entre as duas Provincias, com a atendível circumstancia de se fazer o Porto para as sahidas, e entradas em muita proximidade desta Capital, podendo-se empregar com muito interesse neste trabalho os Indios já domésticos, e outros, que se forem civilizando; por isso que o hábito de víver a margem dos Rios caudalosos os torna próprios para o Serviço da Marinha.

53A intenção de deslocar pessoas para o povoamento do vale do Araguaia é evidente. Para tal desiderato urgia apresentar aspectos positivos dessa empreitada. O rio é visto pela população da época como um vasto deserto. Magalhães, não contradizia tal concepção. Entretanto, apresentava uma leitura diferenciada desse cenário. Para ele, o Araguaia formava uma vastidão desértica à espera da mão diligente do homem para trazê-lo à civilização. Essa ação antrópica, acreditava ele (ibdem:132), provocaria uma mudança nessa paisagem. Transformando-a, a tornaria útil para a civilização.

Como não fora belo, dizia eu comigo, ver sobre estas margens tão plainas erguerem-se, espalhando-se nas águas, belas fazendas, igrejas, edifícios de toda sorte? Como não serão ricas e felizes essas povoações ao longo do rio, com seus milhares de peixes, os lagos com suas ilhas e canais, as florestas abastecidas de matas colossais e virgens, as campinas dilatando-se sem fim por horizontes tão vastos e desertos como o oceano?

54Embora as narrativas de Couto de Magalhães fossem profícuas em sua descrição dos encantos e potenciais do rio Araguaia, há claramente um processo de invizibilização da população ribeirinha, formada principalmente pelos indígenas Karajá, os tradicionais habitantes daquele rio. Couto de Magalhães (1974:62), no afã da defesa de sua tese refuta a concepção vigente e tece argumentos na busca do convencimento e da adesão em favor de sua causa:

(...) sendo a questão da população inteiramente ligada à da indústria, havia toda a conveniência em deslocar dos terrenos auríferos e, portanto, estéreis, da maior parte do norte, a população que habita o vale ocidental da cordilheira que divide as águas dos dois grandes rios, para colocá-los às margens do Araguaia, onde a fertilidade do terreno oferece um teatro vasto e fecundo para toda a sorte de indústria agrícola. (...) A navegação do Tocantins chegou ao ponto a que pode chegar; o vapor e a vela são e serão impossíveis por muitos anos; o aumento de vasos depende do aumento de importação e exportação, que, por sua vez, depende da questão de aumento da população, e, em consequência, qualquer incremento que o governo lhe quisesse dar seria infrutífero, por falta de objeto. Sempre que se fala na navegação do Araguaya apresentam-se logo dois argumentos, que aos olhos de muitos parecem irrespondíveis: as cachoeiras do Tocantins e o deserto das margens do Araguaya. Entretanto, estes argumentos de nada valem. Não se trata de saber se a navegação é ou não dificultosa; trata-se, sim, de sua conveniência. Quando é que um meio comercial qualquer convém? Todos sabem que é quando deixa lucro. Desde que se demonstre que o transporte via do Araguaia é muito mais barato do que outro qualquer meio, está demonstrado que o Araguaia é o melhor dos meios de transporte.

55Magalhães, em seu exercício de convencimento e também por seu próprio encantamento, reforça a paisagem incomum que se descortina aos olhos do viajante. Uma visão idílica do rio e de seu entorno é urdida e emerge de seus relatos. Se o rio Araguaia pouco ou quase nenhum destaque recebeu por parte do governo ou mesmo da população do século XIX, o mesmo não se pode afirmar acerca de Couto de Magalhães. Em seus relatos ele, de forma poética, segue descrevendo as maravilhas do lugar (idem:66).

Nada mais pitoresco do que ver as margens dos lagos formados pelo rio. Imagine o leitor essas planícies imensas de centenares de léguas não interrompidas por uma só montanha, nem mesmo pelo mais pequeno outeiro; figura uma bacia d´agua de 5 a 5 léguas de circunferência, calma, azulada e profunda, e espelhando em si um céo em que raras vezes aparece uma nuvem, figure este círculo orlado de juncos altos e de capim; imagine de envolta com isto as manadas de gados confundidas por vezes com as de cervos, veados, antas, porcos, capivaras, de envolta com bandos de jaburus, avestruzes, patos, marrecas de muitas qualidade, colhereiros, com plumagem cor de rosa, mergulhões e toda sorte de aves aquáticas, e terá uma idéia dessas terras.

56Urgia tornar a região do Araguaia atrativa. O governo precisava acreditar na viabilidade econômica da navegação no rio. O imaginário de que o progresso um dia chegaria àqueles lugares ermos, que ao ocupar essas regiões com cidades, o homem civilizado arrancaria essa região da posse das feras e das “tribos selvagens”. Porém, ainda que acreditasse fervorosamente em suas admoestações acerca da viabilidade de povoamento e de estabelecimento de uma rota de navegação pelo rio Araguaia, por vezes, Couto de Magalhães sucumbia à elucubrações e incertezas. Tal pode ser percebido na passagem abaixo (ibdem:76).

Quando chegará, meu Deus, disse eu a mim mesmo, quando chegará o dia em que se verão espelhar florescentes cidades nas margens destes rios! Quando é que ser verá o homem arranca da posse das feras e das tribos selvagens dos índios tanta riqueza que aí jaz sepultada!

57Couto de Magalhães percebia já um quê de indiferença por parte do governo no que tangia à sua campanha pelo estabelecimento de uma companhia de navegação no rio Araguaia. Não havia, por parte do governante ou mesmo da população, interesse manifesto em deixar a vida na cidade e aventurar-se na empreitada de povoamento do vale do Araguaia. O contraste entre a vida citadina do litoral em relação aos sertões interiores pode ser percebido nessa passagem do relato de Couto de Magalhães (ibdem:84, 93-94).

A alma reconcentrada, eu perguntei a mim mesmo se a felicidade não devia existir ali, no meio daquelas cenas grandiosas da Natureza, daquela paz imponente, tão diversa do ruído inquieto e buliçoso das grandes cidades. (...) contemplei o leito imenso do Araguaia, com suas aguas turvas, a foz do rio Vermelho, cuja onda é verde e límpida, aqueles páramos desertos e achatados, que compõem uma e outra margem do rio, nos quais a vista não encontra um só obstáculo; quando contemplei tudo isso ao clarão cintilante deste sol da América; quando me lembrei de que a poucas braças de mim erravam talvez tribos selvagens e bravias feras, fui transportado a um horizonte tão vasto, que como a perspectiva das grandes cousas que oferece o rio. Esta artéria de civilização não levou ainda a vida ao corpo onde ela corre. Quanta felicidade não poderia haver por estas paragens, onde o solo é tão fértil, onde o rio oferece ao pescador numerosos pescados, onde o bosque encerra tanta caça, onde a vida é alimentada por um clima saudável e o espírito animado por tantas impressões grandiosas!

58Por vezes, nosso viajante deixa-se levar pelo inusitado cenário descortinado pelo rio, deixando em segundo plano a coleta de elementos para convencer os futuros investidores da razoabilidade de sua proposta. Quanto mais adentra o vale do rio Araguaia, mais se sente capturado por este rio. Calma e grandeza de um oceano, são adjetivos empregados por Magalhães (ibdem:94) ao definir o rio Araguaia.

Há na grandeza destas águas uma calma tão serena, como aquela que se observa no oceano visto de longe. O Araguaia corre ordinariamente entre praias de areia fina além das quais crescem zonas de mato, que o acompanham de uma e outra margem, as quais, para quem está dentro do rio, semelham orlas de junco, tão grande é a distância. Aqui, o deserto é de uma majestade tão imponente, que assombra e abate o espirito. Para qualquer parte que lancemos os olhos, exergam-se planícies sem fim, que se vão tornando cada vez mais azuladas, até que de todo se confundem com o céu.

59Prosseguindo nossa incursão pelas edições do jornal Matutina Meiapontense, vai se descortinando para nós uma visão do rio Araguaia pautada no utilitarismo e reforçada pelo exotismo. O rio é pauta para as discussões na câmara devido aos interesses econômicos que respaldam o projeto de fundação de uma companhia de navegação ligando a Província de Goiás à do Pará. Como elemento de reforço do discurso econômico, os aspectos físicos do rio são ressaltados à exaustão. Por ser o maior incentivador da implantação da referida empresa, as impressões de Couto de Magalhães sobre o rio Araguaia são recorrentemente citadas nos documentos oficiais. Este personagem, de grande relevância para o estudo do rio Araguaia, descreve em seus relatos a grandiosidade daquele rio (ibdem:99):

Não posso esquecer-me da agradável impressão que me deixou esta primeira noite do Araguaia. O céu tinha estado nublado até essas horas; de quando em quando o vento mugia nas praias e as nuvens largavam gotas raras, mas grossas, de uma chuva gelada; na hora, porém, em que eu me deitava, as nuvens rarefizeram-se e foram pouco a pouco se dissipando, até que o céu se tornou límpido e puro como um espelho infinito de safiras; então, no Oriente, que se avistava muito ao longe, porque naquelas planícies não há morros, nem outeiros, nem serras, a lua desenhou-se calma e revestida desse encanto melancólico que tem sempre esse astro da noite em nossas solidões, despertando no coração vagas saudades e incertas esperanças de um futuro ideal, que nunca realizaremos na terra, e que é, talvez, uma aspiração de nossa alma para a imortalidade. Fora-me impossível descrever o que então senti à vista daquelas paisagens tão grandes, contempladas de uma das mais belas praias do rio, ao clarão dessa noite, nas horas silenciosas e quietas em que estávamos: era uma espécie de êxtase o estado de minha alma, e eu, contemplando todas essas grandezas, entre a penumbra e o sono e da vigília, enxergava, não só o que estava presente, como ainda tudo o que tinha sentido nesse dia, completamente cheio de impressões profundas e inteiramente novas para mim.

60A natureza do rio Araguaia representada nos registros de Couto de Magalhães enuncia um sentido permeado pela poética. O viajante deixa entrever em muitos momentos de sua narrativa elementos do encantamento que o absorve ao adentrar o espaço do Araguaia. Essa narrativa contrasta com aquela enunciada pelo jornal Matutina Meiapontense. Este, em seu editorial, apresenta sempre uma descrição mais racional, na qual imperam os interesses econômicos. A poética, quando empregada, assume a coadjuvância no processo de argumentação.

61Na pauta do referido jornal a temática pertinente ao rio Araguaia recaía sempre em questões de ordem. Os textos ora citavam a leitura final da proposta de criação de um porto de navegação no rio Araguaia (Artigos de Ofício, nº 78, 28/09/1830), a tramitação na casa para a escolha de um porto conveniente à navegação no rio Araguaia (Artigos de Ofício, nº 80, 02/10/1830) ou ainda a abundância de pescado nas águas do referido rio (Artigos de Ofício, nº 120, 04/01/1831). Ante os diferentes modos de perceber o rio Araguaia, é sempre a racionalidade dos textos do jornal Matutina Meiapontense, em detrimento da poética de Couto de Magalhães, que se sobressai e influencia na construção das representações acerca do ambiente do rio Araguaia.

62Por se tratar de um investimento de monta, o governo imperial desejava certeza de retorno para seu investimento. Couto de Magalhães chama a si a tarefa de apresentar o rio Araguaia e seu potencial para o transporte à corte brasileira. Assim é que, empreendeu viagem de reconhecimento pelas águas do referido rio. A expedição, em determinados momentos, necessita superar a precariedade de condições que envolvem a empreitada. A começar pelo barco no qual se fazia a viagem de reconhecimento até as dificuldades encontradas na luta pela sobrevivência em ambiente desconhecido e hostil, vários foram os desafios enfrentados. De acordo com Magalhães (ibdem:101), o barco onde navegavam era nos moldes das embarcações que singravam à época as águas do Araguaia.

O leitor provavelmente não faz ideia do que seja um bote de carreira do Araguaia. Ei-lo em poucas palavras: Suponha uma embarcação de 50 a 60 palmos de comprimento sobre 15 de largura e 3 de fundo, coberta por duas galerias terminadas em arco, da altura de um homem (...) O nosso é da forma seguinte: a popa é coberta por uma galeria arqueada da altura de 7 palmos, assoalhada e terminada por uma porta. O porão ofereceria cômodo para cargas, se dele tivéssemos necessidade; o fundo é terminado por uma arcada, forrada também de taboas, nas quais existe praticada uma pequena janela. Este cômodo é excelente. Vamos nele à fidalguia, agradavelmente assentados, eu escrevendo estas memorias, e meus companheiros, ora conversando, ora saindo ao tombadilho, para ver as diversas curiosidades oferecidas pela Natureza (...) cumpre confessar que nossa embarcação mais oferece o aspecto de um vaso de piratas selvagens, do que de cidadãos que viajam em prol da civilização e da indústria.

63Pelas palavras de Couto de Magalhães, é possível inferir que este atribuía a si o papel de desbravador. Sua expedição se colocava em prol de verificar as condições e locais pertinentes para o povoamento do vale do rio Araguaia. A partir desse processo de povoamento, estabelecer-se-iam na localidade indústrias que se beneficiariam e por sua vez justificariam a criação de uma empresa de navegação que encurtasse as distâncias entre as províncias do Brasil profundo. Urgia modificar o imaginário dos habitantes da região, os ribeirinhos, os viajantes e os boiadeiros. Para eles, diferentemente da visão de um forasteiro como Couto de Magalhães, as margens eram locais inacessíveis, cheios de perigos, aterrorizantes. Havia um pavor quanto à possível presença de indígenas bravios, animais ferozes, enfim perigo de toda sorte. Segundo relato do viajante (ibdem:118-119):

É incrível que, tendo-se feito já várias viagens pelo Araguaia, nada se conheça de suas margens. Atribuí este fato à falta de curiosidade dos viajantes. Agora, porém, tenho tido ocasião de ver que não é essa a principal causa. Há um medo, um pavor indescritível entre os remadores e gente de tripulação, que receiam aproximar-se das margens do rio, de modo que só se alongam pelas praias, as quais, sendo descobertas e muito vastas, não inspiram tanto terror como as matas ou cerrados. Além disso, há nas praias lenha; nelas ou, quando muito, em sua vizinhança, reúne-se a caça; no rio, o peixe abunda, de modo que nenhum estimulo os impele a vencer esse perigo, em grande parte imaginário, de explorar os lagos, os campos e os matos que existem de um e outro lado. Tive muitas vezes de irritar-me contra tanto medo, porque sentia que, conquanto se não devesse andar sem cuidado, contudo a maior parte dos perigos, ou eram fantásticos, ou narrados com muita exageração. Se eu me metia pelos matos, eram reflexões de toda parte: que havia índios, onças, cobras dormideiras e não sei que mais, observações que eu a princípio ouvia, dando-lhes o devido peso, mas que por diante me incomodavam, a ponto de responder com dureza e proibir que m´as fizessem. Foi pior; em verdade, se calavam quando eu me ausentava; mas, se minhas excursões se estendiam por muitas horas, ou se iam até noite, era um alarma geral: começavam a dar tiros, a acender fogos, a despachar gente para me procurar, tudo isso com grande detrimento da ordem e regularidade que devia existir no serviço.

64Os relatos de Couto de Magalhães aliados aos relatórios impressos nas páginas do Jornal

65Matutina Meiapontense configuram-se elementos fundamentais para a construção do imaginário sobre o rio Araguaia no século XIX. A partir das páginas do jornal, descortinam-se narrativas que nos possibilitam reconstruir o cenário socioeconômico do país e da província de Goiás nos idos de 1800. As pessoas de então, pelo que se depreende do texto acima, encontravam-se fortemente influenciadas pelos relatos do sobrenatural. O discurso era reforçado pela retórica presente nos meios de comunicação.

66Ao observarmos o comportamento das pessoas que compunham a expedição de Couto de Magalhães somos levados a inferir que este apenas refletia o pensamento social de então. O Araguaia, bem como todos os fatos e pessoas a ele ligadas, configurava-se em grande mistério. Quando pensamos essas representações como forma legítima de apreensão do universo social de um dado povo ou lugar estamos, implicitamente, buscando perceber os impactos de tais representações nas concepções elaboradas acerca desse povo ou lugar.

Considerações Finais

67Os cursos d’água, exercem desde tempos imemoriais papel de relevância nas sociedades. Tal assertiva pode ser confirmada nas narrativas, quer bíblicas quer mitológicas ou cosmogônicas, com as quais nos deparamos. Passado e presente se entrelaçam. O rio é hoje, como ontem, elemento definidor de identidade para os povos de seu entorno. É também objeto de diferentes representações sobre o seu papel na vida cotidiana das diferentes populações que com o mesmo interagem. A água adquire, para além do aspecto vital, a representação da pureza, da mobilidade, da renovação. Apresenta possibilidades para o desenvolvimento econômico. O rio Araguaia, mote deste texto, já no século XIX, desempenhava grande fascínio sobre todos quantos com ele estabelecessem contato.

68A análise das elaborações subjetivas e simbólicas que resultam nas representações sociais sobre o rio Araguaia a partir das matérias publicadas no jornal Matutina Meiapontense permitiu-nos entrever aspectos significativos da organização social de então. Observamos que o tema foi abordado ao longo das quinhentas edições do jornal, 1830-1834, de forma racional, utilitarista e exótica. Todas as menções ao rio Araguaia encontradas no referido jornal foram publicadas na coluna “Artigos de Ofício”. Esta era uma espécie de resumo das principais discussões ocorridas na câmara da cidade de Meiaponte, hoje Pirenópolis.

69Observamos que o rio se torna assunto presente nas atas publicadas na coluna a partir dos esforços em estabelecer um entreposto comercial às margens do Araguaia. Era a intenção criar uma rota de navegação que promovesse o encurtamento da distância entre as capitanias de Goiás e do Pará. Por esta via circulariam mercadorias para o abastecimento do mercado de ambas as províncias dos produtos que as mesmas careciam e importavam a altos custos do litoral brasileiro. Para garantir a segurança dos que aí circulassem cogitou-se a implantação de um presídio: o Santa Leopoldina. Dentre os mais aguerridos na defesa dessa campanha, podemos citar o estadista Couto de Magalhães.

  • 24 Contabilizamos vinte publicações nas quais o rio Araguaia ou a criação de portos de navegação em su (...)

70As discussões sobre a pertinência ou não do estabelecimento do presídio tomam forma em pelo menos cinquenta por cento das publicações que remetem à temática24. Fica evidente, pelos textos lidos, que a campanha por povoar as margens do rio Araguaia encontra-se perpassada por interesses econômicos. A transcrição da reunião constante na edição de nº 340 do Matutina Meiapontense no ano de 1832, por exemplo, afirma que serão criados presídios, tantos quantos forem necessários nas margens do rio Araguaia para catequizar os “selvagens, proteger a navegação e defender os habitantes da província”. Tal fato reforça as representações elaboradas acerca da relevância do rio Araguaia para as atividades comerciais no devir.

71No vale do Araguaia Índios e não-índios desenvolveram um imaginário em que esse mesmo rio é marcado por medo, perigos de toda sorte, habitações de cobras gigantes, encantados e outros seres sobrenaturais.

72Para além da racionalidade econômica que permeia as narrativas sobre o rio Araguaia, encontramos imaginários dispares, quer dos ribeirinhos ali estabelecidos, quer dar autoridades provinciais, quer dos indígenas da região. Os relatos refletem esse imaginário diversificado. Relatos dos forasteiros vindos do litoral civilizado, imbuídos de conhecimentos científicos para quem as matas e margens são uma natureza a ser domada, desbravada, conhecida, domesticada, civilizada; dos ribeirinhos, cujo desconhecimento do entorno do rio era o ingrediente central para a elaboração de narrativas permeadas pelo sobrenatural; dos indígenas Karajá (Iny) para os quais o referido rio tem um papel central pois compunha a cosmologia de um povo nascido de uma aldeia no fundo do rio (a comunidade dos Berahatxi Mahadu), de onde emergiram. Esses indígenas, após experimentarem a vida nas praias do rio Araguaia, encontraram a morte e as doenças. Ao tentarem voltar para o fundo do rio a passagem estava fechada por uma grande cobra. Para perpetuarem sua cultura e seu meio ambiente, realizam rituais e oferentes ao “povo do fundo das águas” e ao “povo do céu”.

73Nas páginas do Matutina, objeto central desse artigo, e em outros documentos do século XIX, o Araguaia carrega em suas águas a simbologia de projeções acerca de sua potencialidade. Materializa os vaticínios para um futuro próspero. Seria ele via de comunicação, estrada fluída, vetor de civilização e progresso. Destarte representações tão positivas, este era também, segundo Couto de Magalhães, um rio marcado por imensas solidões, que propiciavam um mergulho no eu profundo do ser. Da viagem por aquele rio emergiria um sujeito transformado, em plena harmonia com as forças da natureza. Era o lugar dos sonhos de um futuro não muito distante em que aquelas paragens seriam povoadas por núcleos urbanos e ocupadas por fazendas e outras atividades econômicas que trariam a civilização e o progresso para os sertões interiores.

Topo da página

Bibliografia

AFIUNE, Pepita de Souza.; OLIVEIRA, Eliézer Cardoso de. Do maravilhoso ao desencantamento: olhares sobre a natureza no cerrado nos séculos XVIII e XIX. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS Vol. 7 Nº 14. Dezembro de 2015.

ANDRADE, Karylleila dos Santos.; BASTIANI, Carla. Viajantes naturalistas do século XIX na região da Província de Goiás: levantamento de toponômios indígenas. ANTARES, vol.4, nº8, jul./dez. 2012.

BORGES, Luiz Carlos. Ciência, natureza e território em Viagem ao Araguaia: expedições científicas e exploração do Império do Brasil no século XIX. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, julho 2011.

BURKE, Peter.; HSIA, R. Po-chia (orgs), tradução de Roger Maioli dos Santos. A tradução cultural nos primórdios da Europa Moderna. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

CARVALHO, Francisquinha Laranjeira. Nas águas do Araguaia: a navegação e a hibridez cultural. Goiânia, 2008. 179 f.: il.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura.; STEIL, Carlos Alberto. Percepção e ambiente: aportes para uma epistemologia ecológica. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. V. especial, março, 2013. pp. 59-79.

CASTELNAU, Francis. Expedições às regiões centrais da América do Sul v. 1 (1949). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1949.

CHAUL, Nasr Nagib Fayad. Caminhos de Goiás: da construção de Goiânia aos limites da modernidade. 3. ed. Goiânia: Ed. da UCG/Ed. da UFG, 2010. 288p.:il.

CORBIN, Alain. O território do vazio: a praia e o imaginário Ocidental. Tradução: Paulo Neves. Companhia das Letras. São Paulo, 1989.

DALFRE, Liz Andrea. Natureza e Identidade no pensamento sul-americano do século XIX: o caso de Domingo Faustino Sarmiento e sua viagem a Montevidéu. Revista Vértices, v. 15, n.2, pp. 7-23. Maio/agosto, 2013. Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro.

FRANÇA. Ana Marcela, A natureza romântica nas pinturas de paisagens dos viajantes do século XIX: sentidos e sentimentos. Anais do II Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações. Santa Catarina, 2012.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. História geral da civilização brasileira. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, v. II, 2005.

HUMBOLDT, Alexander Von. Quadros da Natureza. (s.i)

LUCA, Tânia Regina de. A história dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes Históricas. 2º Ed. São Paulo: Contexto, 2010, p. 111-153.

MÄDER, Maria Elisa. Civilização, barbárie e as representações espaciais da nação nas Américas no século XIX. In: História Unisinos 12(3): 262-270.

MAGALHÃES, José Vieira Couto de. O Selvagem: 1837 - 1898. Coleção Especial. Ed. Itatiaia; São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo: 1975.

_____________. Viagem ao Araguaia. Obras imortais de nossa literatura. Editora Três; São Paulo: 1974.

MARTINS, Ana Luiza.; LUCA, Tania Regina de. (Orgs.). A história da imprensa no Brasil. 2. ed. 2ª reimpressão. Editora Contexto. São Paulo, 2013. 314p.

OLIVEIRA, Maria de Fátima.; ROCHA, Leandro Mendes. A Matutina Meyapontense e a Questão Indígena em Goiás no século XIX. Revista Outros Tempos, vol. 11, n.18, pp.83-97, 2014.

RAMOS, Laura M. Jaime.; OLIVEIRA, Sandra de Fátima. Ambiente, Imaginário e Representação nos Territórios Turísticos do rio Araguaia-GO. Anais do V ANPPAS - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade. Florianópolis, 04 a 07 de outubro de 2010.

ROCHA, Leandro Mendes. O Estado e os Índios: Goiás, 1850-1889. Goiânia: Ed. Espaço Acadêmico/Ed. PUC Goiás, 2016, p. 60.

SAINT-HILAIRE, August de. Viagem às nascentes do Rio São Francisco e pela província de Goiás. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937.

SANT ’ANNA, Benedita de Cássia Lima. Periódicos oficiais Brasileiros e imprensa de língua portuguesa em Londres. In: Revista Ecos, nº 009-junho, 2010. pp. 53-72.

SANDES, Noé Freire.; ARRAIS, Cristiano Alencar. História e memória em Goiás no século XIX: uma consciência da mágoa e da esperança. Revista Varia História, vol. 29, nº 51, pp. 847-861, set/dez 2013. Belo Horizonte - MG.

SOUZA, Fabíula Sevilha de. Natureza, ocupação territorial e vias de comunicação de Goiás nos relatos de viagens do século XIX. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 50-59, jan | jun 2012.

TEIXEIRA, Daiany Ribeiro. O sertão de Goiás na literatura de viagem. Revista Mosaico, v. 6, n. 1, p. 95-105, jan./jul. 2013.

Topo da página

Notas

1 Registramos a existência dos periódicos A Gazeta do Rio de Janeiro (1808); o Idade d’Ouro do Brasil (1811); O Patriota (1813-1814); O Investigador Português (1814); Jornal Literário Político ((1811-1819); O Português (1814-1826); O campeão Português (1819-1821); o Matutina Meyapontense (1830-1834) [este último periódico é uma inserção nossa]. Vide Sant’Anna, Benedita de Cássia Lima. Periódicos oficiais Brasileiros e imprensa de língua portuguesa em Londres. In: Revista Ecos, nº 009-junho, 2010. pp. 53-72.

2 Doravante nomeado Matutina Meiapontense. O referido jornal tinha na cidade de Meia Ponte, hoje Pirenópolis, a sede de sua tipografia.

3 Sobre o uso de jornais enquanto fonte conferir: LUCA, Tânia Regina de. A história dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes Históricas. 2º Ed. São Paulo: Contexto, 2010, p. 111-153.

4

Cf. HOLANDA, S. B. de. História geral da civilização brasileira. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, v. II, 2005.

5 O avanço dos estudos historiográficos que têm como objeto a construção da história de Goiás aponta para uma superação desta concepção de atraso e decadência que permeou o imaginário dos viajantes do século XIX. Para um maior aprofundamento sobre a temática sugerimos a leitura do trabalho de CHAUL, Nasr Nagib Fayad. Caminhos de Goiás: da construção de Goiânia aos limites da modernidade. 3. ed. Goiânia: Ed. da UCG/Ed. da UFG, 2010. 288p.:il.

6 O conceito de tradução cultural que nos guia é aquele elaborado segundo a perspectiva de interpretação e ressignificação que o observador elabora. Considerando que este carrega de forma inevitável o espirito do seu tempo. Cf. BURKE, Peter e HSIA, R. Po-chia (orgs), tradução de Roger Maioli dos Santos. A tradução cultural nos primórdios da Europa Moderna. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

7 Cf. CHAUL, 2010. Idem.

8 Cf. HUMBOLDT, Alexander Von. Quadros da Natureza. (s.i)

9 Johann Moritz Rugendas foi um pintor alemão que viajou pelo Brasil durante o período de 1822 a 1825, pintando os povos e costumes do país.

10 Cf. SAINT-HILAIRE, August de. Viagem às nascentes do Rio São Francisco e pela província de Goiás. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937. Disponível em: http://www.brasiliana.com.br/obras/viagem-as-

-nascentes-do-rio-sao-francisco-e-pela-provincia-de-goias-1-v/pagina/1/texto Acesso em: 22/04/2016.; CASTELNAU, F. Expedições às regiões centrais da América do Sul v. 1 (1949). São Paulo: Companhia

Editora Nacional, 1949. Disponível em: http://www.brasiliana.com.br/obras/expedicao-as-regioes-

-centrais-da-america-do-sul-v1/pagina/208/texto Acesso em 22/04/2016.

11 Embora o periódico não se configurasse uma publicação oficial, trazia em suas páginas uma coluna destinada a dar publicidade aos atos do governo monárquico e provincial.

12 Para maior esclarecimento sobre a forma de funcionamento do sistema de premiação cf. o jornal A Província de Goiás Matutina Meiapontense. Edição nº 23 de 21/05/1830. Seção Artigos de Ofício.

13 Assim nomeadas por haverem perdido suas posses ou por terem atraído a ira do poder imperial sobre si.

14 MAGALHÃES. J. C. Viagem ao Araguaia. Obras imortais de nossa literatura. Editora Três; São Paulo: 1974.

15 MAGALHÃES. J. C..idem, p. 96.

16 C.f. CARVALHO, Francisquinha Laranjeira. Nas águas do Araguaia : a navegação e a hibridez cultural. Goiânia, 2008. 179 f. : il.

17 MAGALHÃES, J. C. O Selvagem: 1837 - 1898. Coleção Especial. Ed. Itatiaia; São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo: 1975. In: CARVALHO, Francisquinha Laranjeira. Idem, p. 55.

18 Ver ROCHA, Leandro. O Estado e os Índios: Goiás, 1850-1889. Goiânia: Ed. Espaço Acadêmico/Ed. PUC Goiás, 2016, p. 60. (Livro eletrônico)

19 Mensagem enviada ao Congresso na abertura da segunda sessão da quinta legislatura pelo presidente do Estado de Goiás Miguel da Rocha Lima, 1906 (Typographia Perseverança, de Pacifico Marques Aranha – 1906 – Livro de Relatório da Presidência do Arquivo do Museu das Bandeiras – Cidade de Goiás)

20 MÄDER, Maria Elisa. Civilização, barbárie e as representações espaciais da nação nas Américas no século XIX In: História Unisinos 12(3): 262-270.

21 No século XIX, a melancolia era o termo genérico dado às posições subjetivas em torno da dor da existência. Com o advento do romantismo esse termo ganha novos contornos. O desenvolvimento da psiquiatria, subdivide a melancolia em categorias e subcategorias. Por essa ótica, a melancolia relaciona-se aos desequilíbrios morais e paixões intensas que afetam os espíritos. Surge nesse período o termo “lipemania” como um substituto ao de melancolia. Lipemania se relacionaria aos transtornos do humor relacionados à paixão triste. Outro termo que surge, monomania, passou a ser utilizado para refletir a afetividade triste e exaltada. Nos séculos XVIII e XIX a melancolia se apresentava como um sintoma do tédio. Por influencia do Romantismo emerge uma noção de melancolia como uma espécie de presente faltoso, um passado que se foi e uma esperança para o futuro que ainda não chegou, uma espécie de experiência bem-vinda que enriquecia o indivíduo.

22 Cf. MAGALHÃES. J. C. Viagem ao Araguaia. Obras imortais de nossa literatura. Editora Três; São Paulo: 1974.

23 A Matutina Meiapontense, nº 120, 04/01/1831 e nº 275, 31/12/1831. Seção Artigos de Ofício.

24 Contabilizamos vinte publicações nas quais o rio Araguaia ou a criação de portos de navegação em suas águas tenham sido tema de debate na sessão da câmara.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título RUGENDAS, Johann Moritz. DEFRICHEMENTE D'UNE FORÊT.
Créditos Domínio Público, http://pinturapitoresca.blogspot.com.br/​2011/​05/​rugendas-johann-moritz-defrichemente.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12075/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 1,8M
Título O jornal jornal Matutina Meiapontense
Créditos matutina.jpg : http://www.pirenopolis.tur.br/​portal/​public/​images/​matutina.jpg
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12075/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 268k
Título Couto de Magalhaes Viagem ao Araguaia
Créditos https://www.estantevirtual.com.br/​b/​couto-de-magalhaes/​viagem-ao-araguaia/​1693655079
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12075/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 24k
Título Luiz Gonzaga Fleuri
Créditos http://cidadedepirenopolis.blogspot.com.br/​2011/​03/​dia-da-imprensa-goiana.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12075/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 139k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Eliete Barbosa de Brito Silva e Leandro Mendes Rocha, « Visões sobre o rio Araguaia : imprensa goiana e imaginário no século XIX », Confins [Online], 31 | 2017, posto online no dia 17 Junho 2017, consultado o 22 Novembro 2017. URL : http://confins.revues.org/12075 ; DOI : 10.4000/confins.12075

Topo da página

Autores

Eliete Barbosa de Brito Silva

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Goiás-UFG. Professora da Rede Municipal de Ensino de Valparaíso de Goiás-GO, elietebarbosa1@hotmail.com

Leandro Mendes Rocha

Professor Titular da Universidade Federal de Goiás, leandromrocha@uol.com.br

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org