Navegação – Mapa do site
Dossiê Araguaia

Rincão do Inferno: patrimônio geoambiental e cultural situado às margens do rio Camaquã

Rincão do Inferno: patrimoine géo-environnemental et culturel sur la rivière Camaquã
Rincão do Inferno: geoenvironmental and cultural heritage on the banks of the Camaquã river
Clarisse Ismério, Lize Helena Cappellari, Ângela JagminCarretta e Elisabeth Drumm

Resumos

O Rincão do Inferno é uma formação rochosa, de beleza paisagística inigualável, localizada entre os municípios de Lavras do Sul e Bagé, às margens do Rio Camaquã. Esse local, outrora hostil, serviu de refúgio para afrodescendentes que fugiam do sistema escravocrata imposto pelos fazendeiros da região. Assim o Rincão do Inferno passou a fazer parte do quilombo das Palmas, que também é composto pelo Rincão dos Alves, Rincão da Pedreira e Campo do Ourique. Atualmente a comunidade quilombola local é formada por 40 famílias que são as guardiãs da identidade, história e da tradição. O presente estudo se propõe a refletir sobre o Rincão do Inferno na perspectiva de seu patrimônio ambiental e cultural.

Topo da página

Entradas no índice

Índice geográfico :

Rio Camaquã

Índice de palavras-chaves :

patrimônio ambiental, cultura, Rio Camaquã
Topo da página

Texto integral

Visualizar a imagem
Créditos : Lisandro Moura

1O Rincão do Inferno decorre de uma formação rochosa, de beleza paisagística inigualável, localizada entre os municípios de Lavras do Sul e Bagé, 30º 51'56.84''S e 53º 42'36.29''W, às margens do Rio Camaquã - RS.

2Esse local, outrora hostil para se viver, recebeu este nome assombroso “Rincão do Inferno” e serviu de refúgio para afrodescendentes que fugiam do sistema escravocrata imposto pelos fazendeiros da região. Assim o Rincão do Inferno passou a fazer parte do quilombo das Palmas, que também é composto pelo Rincão dos Alves, Rincão da Pedreira e Campo do Ourique. Atualmente a comunidade quilombola local é formada por 40 famílias que são as guardiãs da identidade, da história e da tradição de um povo.

3Trata-se de um recorte do projeto Educação Patrimonial/Ambiental na/para a Região da Campanha: Rincão do Inferno, muito além de uma paisagem, que está em andamento, cujo o objetivo é analisar os aspectos geomorfológicos, biológicos, culturais e históricos que compõe a região do Rincão do Inferno, com vistas a atuar na promoção do desenvolvimento do potencial turístico e da preservação ambiental, bem como na valorização do patrimônio cultural desta comunidade da região da Campanha. Portanto esse breve artigo se propõe a refletir sobre o Rincão do Inferno na perspectiva de seu patrimônio geoambiental e cultural.

4E para tanto o dividimos em três partes, sendo a primeiracomposta por uma apresentação do Rincão do Inferno; a segunda aborda a fundamentação conceitual e teórica; e

O Rincão do Inferno

5A região onde está inserida a área de estudo corresponde à borda norte do Escudo Sul-Riograndense com características típicas desta região fisiográfica, representadas pelo relevo ondulado, vegetação mista e presença marcante de afloramentos rochosos em forma de complexos e cerros isolados com aspectos ruiniformes. As altitudes variam entre 200m e 400m (FEPAM: 2010). Esta região corresponde a uma das regiões de maior importância biológica do Rio Grande do Sul, com flora e vegetação peculiares e também exclusivas se comparadas a diversidade nacional (LAROCCA: 2004).

Imagem 1: Rincão do inferno

Imagem 1: Rincão do inferno

(http://www.alternet.com.br/​portal/​wp-content/​uploads/​imagem17.jpg)

6A região está submetida a um regime climático subtropical e úmido, muito vulnerável ao avanço das massas polares, principalmente no inverno, quando é assolada por ventos gélidos (minuano), oriundos do quadrante sul (NIMER, 1989).

7A localidade de Rincão do Inferno está localizada no Distrito de Palmas, do município de Bagé, da Região da Campanha, e segundo Vaz (2010) o termo “Palmas” origina-se da existência no local de espécies de palmeiras, tais como o coqueiro e o buriti. Esta região teve a principal ocupação da terra, através da distribuição das sesmarias, sendo o seu principal sesmeiro, Antônio Simões Pires.

8A região de Palmas está citada como Área Prioritária para Conservação, Uso Sustentável e Repartição dos Benefícios da Biodiversidade Brasileira, como área de importância e prioridade extremamente alta para o Bioma Pampa (MMA: 2007). A FEPAM (2007) cita o Rincão do Inferno como área importante dentro do território do Alto Camaquã para compor o plano do Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC).

9O Rincão do Inferno está localizado na fronteira entre os municípios de Lavras do Sul e Bagé, às margens do Rio Camaquã, distando aproximadamente de 70 km da região central do município de Bagé. É formado por uma extensa área de afloramentos rochosos e paredões abruptos ao longo do Rio Camaquã, com uma vegetação composta por um mosaico campo-floresta (DEGRANDI: 2011).

Mapa 1: Localização do Rincão do Inferno.

Mapa 1: Localização do Rincão do Inferno.

Fonte: https://www.google.com.br/​

10O Rincão do Inferno é formado por afloramentos rochosos do período Pré-cambriano, que se estendem por mais de dois quilômetros e possui elevação aproximada de 241 metros. Este conjunto originou-se através de diferentes fenômenos geológicos, como movimentações tectônicas e processos geomorfológicos que originaram o topo com formato aplainado e paredões verticais, oferecendo um cenário para a prática de diversas modalidades de turismo de aventura, como montanhismo, trekking e canoagem (TEIXEIRA: 1992 e PEIXOTO: 2015).

O Rincão do Inferno é na verdade uma extensa área de afloramentos e paredões abruptos que se estendem em torno do Rio Camaquã, cercados por uma vegetação composta por um mosaico campo-floresta, habitada por uma pequena população de remanescentes quilombolas. O deslocamento de enormes blocos de pedra sujeitos a um processo de desagregação de milhões de anos e que construíram fendas, furnas, abrigos das mais estranhas formas e a ação pluvial e eólica foi descarnando o rochedo compacto, esculpindo diferentes figuras e formas (TEIXEIRA: 1992).

11O geossítio é formado por rochas sedimentares da formação Serra dos Lanceiros, pertencentes ao Grupo Santa Bárbara, que foram soerguidas e depois erodidas ao longo do tempo geológico, formando uma impressionante paisagem, que por ser um extenso afloramento rochoso sem vegetação ou solo, assim denominado Rincão do Inferno (PEIXOTO: 2015).

12A história da constituição da população quilombola da região é resultado do “deslocamento entre estâncias aconteceu desde o período pós-abolição e das guerras de fronteira”, sendo descendentes de escravos campeiros, “negrosescravizados das estâncias de pecuária da região, que vieram a ser enquadrados posteriormente como peões, alambradores, domadores, esquiladores, posteiros, tropeiros e, mais frequentemente, como changueiros”(KOSBY: 2016, p. 7, 8 e 9). Outros eram desertores, fugitivos de guerra ou ainda seriam descendentes de grupos que teriam migrado para o Uruguai e posteriormente retornado “a região de Palmas, por motivos de trabalho, engajamento militar, fuga da guerra ou pela pacificação (UFRGS; INCRA: 2007 apud KOSBY: 2016, p. 9)

13Atualmente a quilombola de Palmas é constituída aproximadamente por “30 a 40 famílias, todas ligadas por vínculos comuns de ancestralidade - uma ancestralidade assentada na relação com a terra, na ocupação territorial da região em questão -, além de laços de parentesco, compadrio e matrimonialidade” (KOSBY: 2016, p. 9). Essas famílias são representadas pela Associação Quilombola de Palmas que requereu a demarcação da área em 2005 à Fundação Cultural Palmares.

14Os vestígios do passado são mantidos pela comunidade e podem ser observados na manipulação das ervas medicinais, no manejo da criação de cabras e na construção das casas, cujo material utilizado é torrão, taquara e satã fé.

Imagem 2: Casas das famílias quilombolas.

Imagem 2: Casas das famílias quilombolas.

Fonte: http://quilombolasriograndedosul.blogspot.com.br/​2012_11_01_archive.html

Educação Patrimonial Geoambiental uma proposta

15Geodiversidade é um termo recente, o qual passou a ser utilizado na década de 90 e representa os aspectos inanimados do Planeta Terra, tanto os relacionados ao passado geológico (minerais, rochas e fósseis), como também os processos naturais (NASCIMENTO et al, 2015). De acordo com Eberhard (1997) geodiversidade é definida como “a diversidade natural entre aspectos geológicos, do relevo e dos solos”.

16A geodiversidade revela por meio de suas formas, texturas, tamanhos, orientações e concentrações a história da Terra. Esses registros do passado são importantes para a compreensão da configuração do mundo atual e para que de alguma forma possamos prever e planejar acontecimentos do futuro (MOCHIUITTE et al: 2011).

A biodiversidade está assentada sobre a geodiversidade e, por conseguinte, é dependente direta desta, pois as rochas, quando intemperizadas, juntamente com o relevo e o clima, contribuem para a formação dos solos, disponibilizando, assim, nutrientes e micronutrientes, os quais são absorvidos pelas plantas, sustentando e desenvolvendo a vida no planeta Terra. Em síntese, pode-se considerar que o conceito de geodiversidade abrange a porção abiótica do geossistema (o qual é constituído pelo tripé que envolve a análise integrada de fatores abióticos, bióticos e antrópicos) (SILVA et al, 2008: p. 12).

17Atribuir valor aos aspectos da geodiversidade tem sido a sistemática utilizada internacionalmente para fornecer parâmetros que visam a geoconservação. Conforme estudos de Gray (2004), foram descritos seis valores da geodiversidade:

  1. Intrínseco: valor de caráter subjetivo, pois apesar de ser atribuído pelo homem, corresponde ao valor que as coisas tem simplesmente por aquilo que são e não por aquilo que elas podem fornecer ao homem;

  2. Cultural: concebido quando existe uma ligação entre o homem e o seu desenvolvimento local;

  3. Estético: valor atribuído à contemplação de uma determinada paisagem; refere-se ao apelo visual fornecido pelo ambiente físico;

  4. Econômico: é o mais objetivo e fácil de avaliar, refere-se à exploração e consumo da geodiversidade;

  5. Funcional: diz respeito à valorização da geodiversidade em seu local de origem, ou seja, aos serviços prestados pelo geopatrimônio, tanto às outras espécies (estruturação de habitat) quanto ao próprio homem (base para estruturas);

  6. Científico e educativo: estudos para a reconstrução da história da vida na Terra a partir dos testemunhos apresentados por rochas e fósseis, enquanto o valor educativo corresponde a disseminação das geociências para um público antes sem acesso a esse conhecimento, tanto no âmbito escolar quanto no geral. (ZIEMANN et al, 2015)

18Garcia destaca ainda a importância do registro da memória ambiental construída pelas estratégias e práticas: “As principais ferramentas de geoconservação são a legislação de proteção (as unidades de conservação – UCs), a educação para o geopatrimônio e o geoturismo”(GARCIA: 2014, p.52).

19Dessa forma as intervenções resultam de várias atividades relacionadas à proteção do patrimônio geológico, tais como ações de levantamentos básicos e ou práticas de gestão (NASCIMENTO; MANSUR; MOREIRA: 2015).

Ageoconservação está diretamente associada à promoção da sustentabilidade, pois considera seus três eixos fundamentais:

- Ambiental: a geoconservação minimiza impactos negativos sobre o ambiente;

- Social e Cultural: a geoconservação não afeta de forma negativa a estrutura social oucultural da comunidade onde é realizada; e

- Econômico: a atividade pode contribuir para o desenvolvimento econômico dacomunidade principalmente por meio do geoturismo (Idem, p.66).

20Duas questões são extremamente importantes para se repensar o modelo de conservação em nível mundial. Inicialmente é necessário abandonar o mito de que a conservação é incompatível com qualquer forma de uso humano do território, em segundo lugar reconhecer o quão importantes são as “estruturas físicas (geologia, geomorfologia, hidrologia) na sustentação ecológica dos recursos bióticos, a que se associam, de modo restritivo, as políticas de conservação da Natureza”(FIGUEIRÓ, VIEIRA E CUNHA:2013, p. 49).

21Estudos realizados em diversas regiões e biomas comprovam que “as melhores estratégias de conservação das paisagens incorporam a presença humana com seu conhecimento tradicional, adquirido ao longo de milênios de processos coevolutivos, ao invés de afastá-la”. (FIGUEIRÓ, VIEIRA; CUNHA, 2013: p.49).

22E, para que ocorram estas práticas de conservação/consolidação da memória ambiental, projetos precisam ser implementados, resultantes da educação ambiental.

Partindo do princípio conhecer para preservar, nos deparamos com as realidades locais, aspectos históricos, geográficos, fito fisionomias, e fauna predominante na região, são estas informações que possibilitam entender o sentido de preservar buscando uma reflexão voltada a política para o meio ambiente exercendo a cidadania ecológica. Inserir estudo ecológico desde os primórdios da educação infantil pode fazer diferença para gerações futuras, a capacidade de ir a busca e um desenvolvimento sustentável para que seja feito um processo dinâmico voltado para satisfazer a necessidades dos seres humanos, pois conhecimento é transmitido de gerações auxiliando para a compreensão de discutir temas como recursos naturais e impactos ambientais. O surgimento da questão ambiental tem mobilizado os governos e sociedade civil, e nisso entra a necessidade de soluções para resolver a problemática dessa questão em todo nível de ensino, dessa forma a educação ambiental vem sendo cada vez mais valorizada como uma ação educativa que deve estar de forma transversal e interdisciplinar articulando o conjunto de saberes, formação de atitudes e sensibilidades ambientais (BONNEY; VINÌCIUS; PEREIRA:2009, p. 3).

23Este é o papel que a Universidade precisa desempenhar através da atualização de seus currículos e do desenvolvimento de seus projetos de pesquisa e extensão.

24A preservação da cultura de uma região, bem como de todo o seu patrimônio deve ser uma meta de toda comunidade. Para que isso ocorra, no entanto, é necessário que haja uma conscientização dos grupos sociais para que vejam a memória ambiental como um bem mais precioso.

25Um projeto de conscientização da sociedade deve ser realizado através da educação, ou ainda, da educação patrimonial:

Trata-se de um processo permanente e sistemático de trabalho educacional centrado no Patrimônio Cultural como fonte primária de conhecimento e enriquecimento individual e coletivo. A partir da experiência e do contato direto com as evidências e manifestações da cultura, em todos os seus múltiplos aspectos, sentidos e significados, o trabalho da educação patrimonial busca levar as crianças e adultos a um processo ativo de conhecimento, apropriação e valorização de sua herança cultural, capacitando para melhor usufruto destes bens, e propiciando a geração e a produção de novos conhecimentos, num processo contínuo de criação cultural (Horta: 1999, p. 6).

26A autora se refere à educação patrimonial como um instrumento de alfabetização cultural, na medida em que possibilita o verdadeiro conhecimento e a apropriação dos valores e significados. Só é preservado aquilo que se conhece, portanto, é necessário reconstituir o patrimônio ambiental, educar a sociedade para que esta possa preservar e valorizar sua história, pois quem preserva sua história não perde sua identidade.

27As fontes históricas/ambientais e todas as riquezas que uma cidade possui, deverão ser reconhecidas pela sua população haja vista que somente as pessoas que fazem parte desse grupo é que poderão preservá-las (ISMÉRIO: 2013). Todavia só o farão se tiverem noção da importância e reconhecerem o valor do seu patrimônio.

28Torna-se extremamente necessário um trabalho de educação patrimonial geoambiental permanente, contínuo e que possa, através de suas ações, atingir toda a população, em todas as idades. Para que se efetive um trabalho sério que produza resultados positivos, faz-se necessário o acompanhamento e o compromisso dos órgãos públicos e particulares que estiverem envolvidos com cultura, turismo, educação e meio ambiente. O grande desafio é investir em projetos que visem a conhecer a riqueza representada pela diversidade cultural que compõe a memória ambiental.

29O trabalho pedagógico desenvolvido através da educação patrimonial/ambiental busca reordenar os fragmentos de memória do passado, reconstruir as identidades e a cultura local e contribuir para o incremento da cidadania. “Trabalho de ativação da memória social, recuperando conexões e tramas perdidas (...) promovendo a apropriação pelas comunidades de sua herança cultural, resgatando ou reforçando a autoestima e a capacidade de identificação dos valores culturais”(Horta: 2000, p. 35).

30A educação patrimonial ambiental configura-se como um importante instrumento para a formação de cidadãos conscientes, participativos e empoderados, possibilitando assim a construção de um novo capital social e de uma mudança significativa na mentalidade regional, pois o conhecimento da identidade, da cultura local e da geodiversidade propicia o reconhecimento dos ativos endógenos (recursos locais) possíveis de serem desenvolvidos.

Metodologia Educação Patrimonial Geoambiental e Cultural

31O mundo pós-moderno é marcado pela interconexão cotidiana das relações cibernéticas, no qual os projetos de geodiversidade também podem estar em consonância com as de inovação tecnológicas tornam-se cada vez mais necessários para construção do letramento científico. Entende-se que a educação tecnológica é uma importante estratégia para a democratização do conhecimento:

O conhecimento tecnológico é o conhecimento de como fazer, saber fazer e improvisar soluções, e não apenas um conhecimento generalizado embasado cientificamente. Para a tecnologia é preciso conhecer aquilo que é necessário para solucionar problemas práticos (saber fazer para quê), e assim, desenvolver artefatos que serão usados, mas sem deixar de lado todo o aspecto sociocultural em que o problema está inserido (LAYTON: 1988 apud. Veraszto et. al.: 2008, p. 78).

32A proposta de atuaçãona região do Rincão do Inferno dá-se por considerá-lo um patrimônio ambiental da região da Campanha, no Rio Grande do Sul, que diante de sua complexidade:

(...) se articula à noção de paisagem, uma vez que ela incorpora as relações do homem com o meio, e ainda sugere que os “modos” ou “gêneros” do viver humano produzem “paisagens culturais”. As singularidades relacionais entre as culturas e o meio ambiente definem, conforme os fundamentos da geografia cultural, os traços da própria paisagem e a distinguem de outros espaços, determinando o seu genius loci, ou seja, a “alma do lugar”. (...) Sob esse enfoque o conceito de patrimônio ambiental adquire dimensões sociais, cujo significado aponta a materialização dos sentidos atribuídos no decorrer do processo histórico e lhe imprime uma perspectiva dinâmica, uma conotação que fomenta a consciência do uso comum do meio e, principalmente, a responsabilidade coletiva pelo espaço (PELEGRINI, 2006, p. 119).

33Trata-se, portanto, do patrimônio geoambiental e cultural regional construído pelas características naturais e pelas ações, manifestações e símbolos resultantes da comunidade local. É também composto pela herança material e imaterial, que permanece refletida concretamente ou lembrada através do imaginário popular sendo transmitido através das gerações (ISMÉRIO: 2013, p. 113).

34Cientes dessa perspectiva, propõe-se desenvolver uma pesquisa metódica cujos dados levantados permitirão produzir jogos educativos e roteiros turísticos, moldados segundo a metodologia da educação patrimonial ambiental.

35Assim, ao propor o desenvolvimento de jogos educativos computadorizados, para a educação básica e para o ensino médio, busca-se auxiliar de forma inovadora o ensino interdisciplinar da história, da geografia e das ciências biológicas da região. Satahl enfatiza que:

Um jogo educativo por computador é uma atividade de aprendizagem inovadora, na qual, as características do ensino apoiado em computador e as estratégias de jogo são integradas para alcançar um objetivo educacional específico. (...) Os jogos educacionais computadorizados são softwares que apresentam conteúdo e atividades práticas com objetivos educacionais baseados no lazer e diversão. Nesses jogos a abordagem pedagógica adotada utiliza a exploração livre e o lúdico e como consequência estimula o aprendiz. Os jogos digitais auxiliam na construção da autoconfiança e podem incrementar a motivação no contexto da aprendizagem. A atividade de jogar é uma alternativa de realização pessoal que possibilita a expressão de sentimentos, de emoção e propicia a aprendizagem de comportamentos adequados e adaptativos. (Stah: 2002 apud Falkembach:sd, p. 3)

36Ao trabalhar com jogos educativos buscamos dar conta das expectativas de uma geração que está conectada no universo ciber e não está alienada, muito pelo contrário, “o jovem já vive em um mundo radicalmente novo, cujas categorias de inteligibilidade ele ajuda a construir” (PERALVA: 2007, p.25).

37E com o objetivo de propiciar o empoderamento da comunidade da região também serão desenvolvidas oficinas de educação patrimonial ambiental. Dessa forma, propõe-se o desenvolvimento de oficinas em educação patrimonial ambiental para formar mediadores patrimoniais. Os mediadores são bastante comuns nos museus uma vez que os “mediadores ocupam papel central, dado que são eles que concretizam a comunicação da instituição com o público e propiciam o diálogo com os visitantes acerca das questões presentes no museu, dando-lhes novos significados” (MARANDINO: 2008, p. 28). E, conforme a mesma autora salienta, os mediadores são a “(...) figura chave nos processos de educação e de comunicação com o público” (2008, p. 5).

38A formação de mediadores é capaz de contribuir para a transformação da comunidade da região em promotores e guardiões do patrimônio geoambiental e cultural, uma vez que desta forma tornam-se atores conscientes e participativos.

Considerações finais

39O projeto encontra-se em fase de implantação, de organização da equipe de trabalho, de entrevistas para a seleção de acadêmicos, numa ação prospectiva de construir o perfil dos acadêmicos que atuarão na proposta, visando a importância das ações futuras, considerando que os resultados visam o desenvolvimento endógeno, uma vez que buscam preservar os valores, tradições e a mentalidade da região. As reflexões que antecedem o desenvolvimento das ações indicam a garantia de promover a descolonização como abertura de superação, imbuídos da proposta de agir contra a diversidade e a pluralidade. Tais informações permitem um conhecimento mais significativo da região e o aprimoramento do capital humano e social.

40No novo paradigma do desenvolvimento regional o ser humano, sua tradição e composição identitária tornou-se o vetor do processo de sustentabilidade da região, assim a peça-chave para a formação desse agente transformador do conhecimento é a preservação do Patrimônio Geoambiental e Cultural.

Topo da página

Bibliografia

BONNEY; T. VINÍCIUS, E., PEREIRA, Z.Educação ambiental em Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) no Sítio Monte Santo, Palmas Tocantis, 2009. Disponível em http://www.catolica-to.edu.br/portal/portal/downloads/docs_gestaoambiental/projetos2009-1/2-periodo/Educacao_ambiental_em_reserva_particular_do_patrimonio_natural_no_sitio_monte_santo.pdf Acesso em 31 maio 2016.

BRILHA, J. Patrimônio Geológico e Geoconservação: a Conservação da Natureza na sua Vertente Geológica. 1. ed. Braga: Palimage Editores, 2005, 190p.

CPRM. Mapa geodiversidade do Brasil. Escala 1:2.500.000. Legenda expandida. Brasília: CPRM/Serviço Geológico do Brasil, 2006. 68 p. CD-ROM.

DEGRANDI, S. M. Ecoturismo e Interpretação da Paisagem no Alto Camaquã/RS: uma alternativa para o (des)envolvimento local. Dissertação de Mestrado. Santa Maria: Programa de Pós-graduação em Geografia e Geociências (PPGGeo), Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, 2011.

Falkembach, Gisele. O LÚDICO E OS JOGOS EDUCACIONAIS. Disponível em:

http://penta3.ufrgs.br/midiasedu/modulo13/etapa1/leituras/arquivos/Leitura_1.pdf Acesso em: 26 dez 2014.

GARCIA, T.S. 2014. Da geodiversidade ao geoturismo: valorização e divulgação do geopatrimônio de Caçapava do Sul, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado) – universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Naturais e Exatas, Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências. 178p.

GRAY, M. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. 1. ed. Londres: John Wiley e Sons Ltd., 2004, 434p.

Horta, Maria de Lourdes Parreiras. Fundamentos da educação patrimonial. Ciências e Letras: Porto Alegre, n.27, p. 25-35, 2000.

Horta, Maria de Lourdes, Grumbert, Evelina &Monteiro, Adriane. 1999.Guia Básico da Educação Patrimonial. Brasília: IPHAN, 1999.

ISMÉRIO, Clarisse. Projeto Cultural Sarau Noturno: desenvolvendo a educação patrimonial através da arte cemiterial. Revista Vox Musei, v. 1, p. 113-127, 2013.

KOSBY, Marília Floôr. Entre “araganas” e iguarias: as cabritas na região do quilombo de Palmas, em Bagé/RS. 30ª Reunião Brasileira de Antropologia 2016. Políticas da Antropologia: ética , Diversidade e Conflitos. Disponível em: http://www.30rba.abant.org.br/arquivo/downloadpublic?q=YToyOntzOjY6InBhcmFtcyI7czozNToiYToxOntzOjEwOiJJRF9BUlFVSVZPIjtzOjQ6IjM0MjIiO30iO3M6MToiaCI7czozMjoiOTdmZmRiMjM0YzNhMjdkZWJmM2YyYTBiMjJjMTQyZWYiO30%3DAcesso: Acesso em 25 set 2016.

LAROCCA, J. 2004. Aspectos bióticos In Planejamento e gestão ambiental na Bacia do Camaquã. Área de Especial Interesse Ambiental – Guaritas – Minas do Camaquã. Relatório Técnico. São Leopoldo. V. 3:65-92.

LOBO, Janaína; BERTUSSI, Mayra. O Legal e o Local: relações de poder, conflitos e a titulação da terra na comunidade quilombola de Palmas/Bagé RS. Caderno de Debates Nova Cartografia Social – Territórios quilombolas e Conflitos, 2010.

MARANDINO, Martha (org). Educação em museus: mediação em foco. São Paulo: Geenf / FEUSP, 2008. Disponível em http://parquecientec.usp.br/wp-content/uploads/2014/03/MediacaoemFoco.pdf Acesso em 31 mai 2016.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira: Atualização - Portaria MMA n°9, de 23 de janeiro de 2007. / Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas. – Brasília: MMA, 2007.

NASCIMENTO, M. A. L.; MANSUR, K. L.; Moreira, J.C. Bases Conceituais para Entender Geodiversidade, Patrimônio Geológico, Geoconservação e Geoturismo. Revista Equador , v. 4, p. 48-68, 2015.

PEIXOTO, C.A.B. 2015. Caracterização Ambiental de Geossítio da Proposta: projeto Geoparque Garitas Minas do Camaquã/ RS. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Programa de Pós-Graduação em Geografia. 135p.

PELEGRINI, Sandra C. A. Cultura e natureza: os desafios das práticas preservacionistas. In. Revista Brasileira de História, vol. 26, nº 51. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbh/v26n51/07.pdf Acesso em 31 mai 2016.

PERALVA, A.T. O jovem como modelo cultural. In: FÁVERO, O.S et all. Juventude e contemporaneidade. Brasília: UNESCO, MEC, ANPEd, 2007.

SILVA, C. R. da; RAMOS, M. A. B.; PEDREIRA, A. J.; DANTAS, M. E. Começo de tudo. In: SILVA, C. R. da (Ed.). Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado, para entender o presente e prever o futuro. Rio de Janeiro: CPRM, 2008. 264 p. il. p. 11-20.

TEIXEIRA, E. Lavras do Sul: na Batéia do Tempo. V. 1. Lavras do Sul: s.n, 1992.

Veraszto et. al., Tecnologia: Buscando uma definição para o conceito . PRISMA.COM nº7 2008 Disponível em http://revistas.ua.pt/index.php/prismacom/article/viewFile/681/pdf Acesso 01 nov 2014.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Imagem 1: Rincão do inferno
Créditos (http://www.alternet.com.br/​portal/​wp-content/​uploads/​imagem17.jpg)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12086/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 104k
Título Mapa 1: Localização do Rincão do Inferno.
Créditos Fonte: https://www.google.com.br/​
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12086/img-2.png
Ficheiro image/png, 668k
Título Imagem 2: Casas das famílias quilombolas.
Créditos Fonte: http://quilombolasriograndedosul.blogspot.com.br/​2012_11_01_archive.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12086/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 477k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Clarisse Ismério, Lize Helena Cappellari, Ângela JagminCarretta e Elisabeth Drumm, « Rincão do Inferno: patrimônio geoambiental e cultural situado às margens do rio Camaquã », Confins [Online], 31 | 2017, posto online no dia 17 Junho 2017, consultado o 18 Novembro 2017. URL : http://confins.revues.org/12086 ; DOI : 10.4000/confins.12086

Topo da página

Autores

Clarisse Ismério

Professora e pesquisadora da URCAMP/Bagé/RS. clarisseismerio@urcamp.edu.br

Lize Helena Cappellari

Professora e pesquisadora da URCAMP/Bagé/RS. lizecappellari@urcamp.edu.br

Ângela JagminCarretta

Professora e pesquisadora da URCAMP/Bagé/RS. angelacarretta@gmail.com

Elisabeth Drumm

Mestre em Processos e Manifestações Culturais, URCAMP, elilsabethdrumm@urcamp.edu.br

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org