Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa

A produção do pensamento geográfico no Brasil nos livros enviados para Exposição Universal de Chicago, EUA

La production de la pensée géographique au Brésil dans les livres de l’exposition universelle de Chicago, aux États-Unis 
The Brazilian geographic thinking in the books sent to the Chicago World’s Fair, USA
Raimundo Jucier Sousa de Assis

Résumés

Cet article traite de la pensée géographique au Brésil à l’époque de l'Exposition universelle de Chicago qui a eu lieu en 1893. Ils sont analysés des livres qui décrivent les territoires de São Paulo, Pará, Bahia et Ceará dans l’exposition. A partir de ces sources documentaires, on discute la pensée géographique dans les œuvres, en analysant les idées des auteurs, aussi bien que leurs capacités à élargir le débat sur l'histoire de la pensée géographique au Brésil. Simultanément, l’article discute aussi les nouvelles représentations sur l'image du Brésil à l'étranger.

Haut de page

Texte intégral

The Project Gutenberg EBook of Official Views Of The World's Columbian ExpositionAfficher l’image
Crédits : C. D. Arnold

Tem-se então a imagem que faria a superposição de vários quebra-cabeças.

Yves Lacoste, em Os Objetos Geográficos, 1988.

  • 1 “Por pensamento geográfico entende-se um conjunto de discursos a respeito do espaço que substantiva (...)
  • 2 “Por pensamento geográfico entende-se um conjunto de discursos a respeito do espaço que substantiva (...)

1Muito já se tem contado e ainda se tem para contar sobre a produção do pensamento geográfico1 no Brasil do século XIX envolvendo Instituições oficiais, como é o caso do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (o IHGB) e suas seções locais, do Colégio Pedro II, dos Liceus, dos Museus, das Escolas Politécnicas e das Sociedades Geográficas, principalmente, via o significativo exemplo da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro (a SGRJ)2

2Essa busca pelos pensamentos geográficos elaborados no oitocentos tem possibilitado pensar outra via de interpretação sobre a origem da ciência geográfica no Brasil (em boa dose alicerçada na literatura daqueles que escreviam no interior do Estado territorial da Alemanha) que não se refere, como muito narrado, à fundação pelos franceses da Universidade de São Paulo (1934) e da Universidade do Brasil (1935) e, muito menos, à criação da Associação dos Geógrafos Brasileiros (a AGB, de 1934), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (o IBGE, de 1937) e do Conselho Nacional de Geógrafos (a CNG, de 1937), como visto, todos instituídos na terceira década do século XX, no período getulista (Sousa Neto, 2001).

  • 3 Como bem lembra Gomes (2007), a geografia moderna tem como principal tarefa apresentar uma “imagem (...)

3Mesmo sem centros universitários, formadores de geógrafos oficiais, os estudos sobre a ciência geográfica no Brasil do século XIX (instituições, personagens e filiações científicas) tem apresentado um período rico e particular de uma produção do pensamento geográfico que teve como dupla finalidade servir tanto para a dialética interna (uso do discurso geográfico como instrumento da elite senhorial para representar o território e servir para as distintas atuações materiais do Estado), bem como, para a dialética externa (uso do pensamento geográfico para a divulgação do território do Brasil e de seus quadrantes para outros Estados nacionais - uma geografia responsável pela criação das imagens de coerência dos recortes da superfície terrestre nos trópicos para o mundo)3.

4Diante do exposto, esse artigo tem o objetivo de compreender como os livros escritos sobre São Paulo, Pará, Ceará e Bahia para a exposição universal de Chicago (entre os anos de 1891 e 1893) abrigam essa dupla função (interna e externa) e podem ser compreendidos como títulos que promovem a história do pensamento geográfico no Brasil. Além disso, o encontro com os personagens escritores e suas filiações com as instituições produtoras de pensamento geográfico no oitocentos, as publicações e os rastreamento de conceitos, como de região cultural e de discursos centralizados mais no horizonte espacial do que nas relações sociais em si, tem sido, em conjunto, as variáveis chaves para abrirmos a tese que aponta para os preparativos das exposições universais como um dos momentos que propiciaram a elaboração do pensamento geográfico no Brasil.

As exposições universais e a produção científica

5Pensando com Eric Hobsbawm (2009), podemos dizer que as exposições universais, iniciadas em meados do século XIX, tornaram-se as festas para o encontro entre os centros e as periferias do capitalismo. Tratavam-se, na verdade, das festas do “progresso”, do “trabalho” e da elaboração de projetos imperiais e de projetos periféricos pautados no discurso da “civilização” filiado à filosofia, empirista e pragmática, o que significava, cada vez mais, a construção de uma história universal, dialeticamente, ligada a uma operacionalização geográfica que tinha como centro os países industrializados (Hobsbawm, 2009).

6De acordo Lilia Moritz Schwarcz (1998), as exposições universais se planejaram como o momento de cada Estado Nação representar “a face mais civilizada” de seus territórios, sendo, “concebidas no contexto do imperialismo, as mostras buscavam destacar a união, diante de um mundo dividido e de exposições também cindidas” (Schwarcz, 1998, p. 393). Como “grandes celebrações internacionais do progresso” (Hobsbawm, 2009, p. 59), ou mesmo, “na mais condensada representação material do projeto capitalista” (Barbuy, 1996, p. 211), as exposições universais usaram o critério de apresentar o material visível - produtos, máquinas, pessoas, etc - (Barbuy, 1999) e, contudo, o de criar visibilidade representacional para aquilo que não dava para ser visto materialmente de uma só vez (como o território nacional e seus territórios internos).

  • 4 Chamando essas representações territoriais elaboradas pelo Estado de “geografias civilizatórias”, P (...)

7No que concerne à produção da ciência e, particularmente, de pensamentos geográficos, Perla Zusman (Zusman, 2008) e Carla Lois (Zusman & Lois, 2007) argumentam que as “feiras do progresso” se tornaram, assim, em espaços institucionais que, além do consumo e do entretenimento, eram lugares nos quais divulgariam a imagem sobre o que eram cada território dos Estados nacionais. Assim, os países preparavam seus produtos naturais-industriais, livros, textos, mapas, desenhos, representações sobre as paisagens, fotografias, instrumentos científicos e seus discursos sobre os recursos, a população, etc. Alguns exporiam máquinas e, outros, nádegas negras, ou mesmo, fios de algodão. Os objetivos estiveram em criar “verdades” empíricas sobre os seus graus de “civilização” ou, pelo menos, para contar sobre a expectativa que existia para se pensar em um projeto civilizatório4.

8Cabia aos produtores de conhecimentos para as exposições, nas palavras de Plum, “a tarefa de abranger a existência do homem em sua totalidade e de expor, em grandes estudos empíricos, o sentido da história da humanidade”. O autor ainda usa outras expressões para tratar dessa tarefa de produzir conhecimentos que abarcassem tudo do mundo, como uma “investigação empírica burocratizada”, uma “infinidade de feitos empíricos”, “concepções macroscópicas” e uma “visão de conjunto tão ampla quanto possível” do domínio da natureza como algo presumível pela “razão humana”, ou seja, pelos critérios da ciência empiricista-positivista e das técnicas de pesquisas que estavam dispostas para o ato de explorar e descobrir (Plum, 1979, p. 6).

9A exposição universal de Chicago, que aconteceu em 1893, ficando conhecida como World’s Columbian Exposition, foi a décima primeira edição desse tipo de evento, após os acontecimentos das exposições em Londres (1851 e 1862), Paris (1855, 1867, 1878 e 1889), Viena (1873), Filadélfia (1876), Amsterdam (1883) e Antuérpia (1885) (Schwarcz, 1998, p. 391), como visto, todas realizadas nos países do Norte. Iniciada em 1º de Maio de 1893, se estendendo até 30 de outubro do mesmo ano, o espetáculo da geopolítica do capitalismo em Chicago, realizado no pomposo Jackson Park (Figura 01), contou com a participação de quarenta e seis países, sendo a exposição visitada por 27,5 milhões de pessoas, recebendo apenas no dia 9 de Outubro de 1893 - dia que se rememorava o grande incêndio de Chicago em 1871 - a visita de 716.881 pessoas (Chicago, 2012).

10Seu caráter geopolítico era claro: o tema da festa de 1893 focou em comemorar os 400 anos da chegada de Cristovão Colombo na América (Davis & Palmer, 1893), apresentar como a “evolução” do mundo, após os quatrocentos anos da primeira grande expansão geográfica eurocentrista, havia possibilitado a constituição de um planeta em que o centro superior geográfico (civilizado) era o Norte, em que as ideias de civilizar eram compostas e partiam daqueles Estados, sendo o mundo moderno, ou melhor, o “novo mundo”, um grande experimento das suas vontades, bem apresentado pelo seu poder produtivo e financeiro.

  • 5 Sobre a história de Francisco Vicente Vianna e a criação do arquivo público da Bahia, cf. Matos, Ma (...)

11O imenso Jackson Park, sítio construído para a exposição universal em Chicago, cumpria, por um lado, o poder de propagar a organização de capitais financeiros para pagar, logo de início, 65 profissionais de arquitetura e engenharia para a materialização do gigante projeto de aterramentos e edificações; por outro, a propaganda das construções projetadas já era usada como parte da força comercial de Chicago e da união das unidades federativas no interior dos Estados Unidos que apoiavam a realização da cerimônia do no imenso Jackson Park, isso sem falar de todo o discurso sobre o gênio inventivo e científico que estava fixado nas próprias construções – “It is not easy to overestimate the stupendous character of this portion of the greatest enterprise of modern times5.

Figura 01 – Planta do sítio da exposição universal de Chicago

Figura 01 – Planta do sítio da exposição universal de Chicago

Fonte: Library of Congress. Souvenir map of the World's Columbian Exposition at Jackson Park and Midway Plaisance, Chicago, Ill, U.S.A., 1893.

12Foi no interior do Jackson Park que os EUA, como mais uma potência industrial, respondia ao poder de reunião e da produção intelectual da dita “história da civilização, que faz o inventário das formas de vida e das criações da humanidade ponto a ponto” (Benjamin, 2007, p. 53), fazendo também da exposição universal de Chicago um centro de empilhamento dos documentos produzidos pelos diversos expositores de distintos países capazes de detalhar as riquezas das nações e comparar as formas de fazer a vida nos diversos territórios.

13Para Bravo, assim, o aspecto central do destaque dessas produções intelectuais nas exposições universais esteve em atrelar a questão da produção de ícones de nacionalidade, sobre as colônias e as periferias do capitalismo, ligados à expansão das práticas de expansão do mercado mundial. A preparação de materiais para as viagens, produzidos por sociedades geográficas e instituições nacionais, como livros, mapas, descrições diversas sobre as paisagens, compêndios estatísticos, catálogos e descrições territoriais em relatórios de comissões sobre temas específicos (listas de produtos da natureza, do artesanato, da manufatura, da indústria moderna, descrições sobre cada peça exposta, preços e leis de terra, extensão das linhas de ferrovias, dados evolutivos sobre a balança comercial do Estado, dados do crescimento da população) tinham o objetivo de expressar as ditas “ficções dos Estados” sobre os graus de “civilização” da sociedade exposta, e, para contar, a partir da autoridade da ciência, sobre a potência racional que existia no interior dos Estados para atrair capital (investimentos do exterior) e trabalho (imigrantes) – os dois elementos que, somados à terra, formavam a tríade da própria economia política clássica (Bravo, 2000).

14Cabe agora compreendermos que discursos foram enviados do Brasil para a exposição universal de Chicago e, dessa forma, como esses discursos centralizados em fragmentos do território nacional, elaborados por personagens também com acúmulos de conhecimentos sobre o território, ou mesmo, no papel de agentes da modernização material da geografia desses Estados, faz da exposição universal de Chicago um duplo encontro: por um lado, os livros e seus escritores revelam os novos conhecimentos sobre a imagem construída do território do Brasil para o exterior e, por outro, esses mesmos materiais de conforma no conjunto investigativo capaz de revelar e ampliar tos títulos que nos ajudam a contar a história do pensamento geográfico no Brasil

Os escritores das Geografias no interior do Brasil

15Os livros enviados sobre fragmentos do território do Brasil para a exposição universal de Chicago (Figura 02) eram obras das formas de se fazer ciência no Brasil inspirados nos tratados de economia da Europa, claramente, ricos em conhecimentos geográficos sobre o horizonte espacial do território brasileiro. Essas obras, de cunhos bastantes empíricos, eram típicas também do fazer geográfico do século XIX, como afirma Paul Claval, pelo caráter descritivo que buscava operar a favor da exploração dos territórios na medida que apresentavam uma “observação sobre o papel do espaço na vida econômica”, ou melhor, que descreviam a economia espacial no interior dos Estados (Claval, 2005, p. 11). Localizar a produção agrícola, descrever a diferenciação econômica entre os países e as especificidades produtivas de cada território no interior do Brasil, na era das ferrovias e dos rápidos navios circulando nos portos, das disputas pelas matérias-primas e por novos mercados, estava relacionado com uma sociedade e uma produção científica que se construía ligada a produção e as trocas de riquezas.

Figura 02 – Capa dos livros enviados para a exposição universal de Chicago

Figura 02 – Capa dos livros enviados para a exposição universal de Chicago

Fonte: Biblioteca do Senado e Setor Obras Raras. Disponível em http://www2.senado.leg.br/​bdsf/​handle/​id/​242796.

16Um dos membros principais que viajaram do Brasil para a exposição universal de Chicago foi Adolpho Augusto Pinto (1893), o principal membro da Comissão de São Paulo, se destacando por escrever o livro The State of São Paulo: The Land of Coffee (O Estado de São Paulo: a terra do café) para mais um espetáculo resultado da geopolítica do capitalismo, agora nos Estados Unidos. No final do século XIX, A. Pinto era um dos profissionais liberais mais envolvidos com o desenvolvimento das forças produtivas e com as relações sociais de produção na geografia material nessa unidade federativa, merecendo destaque o trabalho anterior que havia realizado na Comissão de Estatísticas de São Paulo, que tinha o objetivo de levantar os movimentos relativos à população, à economia e aos serviços públicos no Estado. Nessa Comissão, A. Pinto conseguira montar, como ele mesmo fala, “peça por peça” do Estado, o material necessário para tratar e compreender o território de São Paulo, sendo entregue, em 1887, o livro intitulado A província de São Paulo como resultado da Comissão de Estatísticas, obra que, de alguma forma, o fazia ter um conhecimento sistemático e empírico sobre o território São Paulo (Pinto, 1969, p. 29-30).

17Um outro autor que escreveu para a exposição de Chicago foi Thomaz Pompeu de Souza Brazil (1893), com obra intitulada o Estado do Ceará na Exposição de Chicago. Thomaz Pompeu, na transição para o século XX no Ceará, foi um dos responsáveis por “disseminar as ideias do positivismo na província cearense e em torno delas aglutinar uma elite de intelectuais liberais”, como Capistrano de Abreu (Albuquerque Bomfim & Sousa Neto, 2009, p. 3). Como um homem da ciência e da política “visivelmente comprometido com a dimensão prática do conhecimento”, realizou “estudos de cunho geográfico e estatístico [comprovando] o seu empenho na produção de um saber voltado para a dinâmica do tempo presente” (Oliveira, 2005, p. 85; p. 87).

18Em termos científicos, poderíamos dizer assim, Thomaz Pompeu tem todas as características que o qualificavam como um conhecedor da geografia do Estado do Ceará no seu período. Pois, formado em Bacharel em ciências sociais e jurídicas, era professor de geografia e de história no Liceu do Ceará e da Escola Normal, presidente do Instituto Histórico, Geográfico e Antropológico do Ceará (de 1889 a 1929) e, ainda, havia publicado vários textos rotulados com as temáticas tratadas pelos campos científicos, como População, Seca e de Geografia Geral.

  • 6 Na íntegra o livro tem os seguintes autores e título: MOURA, Ignacio Batista de; SANTA ROSA, Henriq (...)

19Diferente dos livros sobre os territórios de São Paulo e do Ceará, o Estado do Pará formou um escrito, em 1892, com seis escritores, sendo três autores e três capítulos aqui destacados6: primeiro, Henrique A. de Santa Rosa, era leitor da geografia clássica oitocentista, sobretudo de A. Humboldt, F. Ratzel, Elisée Reclus, etc. Lendo os alemães e franceses, juntamente com Moura, aprenderam rapidamente que a natureza e a economia eram importantes para um local e, assim, que o Estado era um “agente político fundamental na definição do espaço, do território e dos recursos naturais de uma nação” (Moraes, 2011, p. 1), deixando claro no livro sua marca na descrição física e dos recursos naturais do território do Pará. O segundo membro, o engenheiro Ignacio Batista de Moura, conhecedor em detalhes de temas da geografia: “acidentes geográficos, a fauna, a flora e, principalmente, o homem nos seus costumes” (Silva Queiroz, 2012, p. 17), foi a ele dado a responsabilidade de escrever sobre a história do território do Pará, sua população e sobre a indústria. E, por fim, o engenheiro Manoel Odorico Nina Ribeiro, havia sido engenheiro da Câmara em Belém, sendo reconhecido por ter feito um levantamento e projeto dessa cidade por ordem da Vereação do Quatriênio de 1883-1886, projeto que seria a base do texto que ele enviou para a exposição universal de Chicago, segundo José Nassar Fleury e Aline Alves Ferreira (Fleury; Ferreira, 2011). No livro para Chicago em espefícifo se destacou por tratar das vias de comunicação e do transporte. Naqueles dias de ascensão das exportações da borracha e da ligação do território do Pará por meio das navegações internacionais. Manoel Odorico Nina Ribeiro ainda colaborava com planejamentos, fazendo mapas sobre a cidade, envolvidos com os melhoramentos e com o planejamento urbano em épocas de discursos higienistas e salubristas, de projeção para implantação de linhas de bondes e obras sanitárias subterrâneas.

  • 7 Sobre a história de Francisco Vicente Vianna e a criação do arquivo público da Bahia, cf. Matos, Ma (...)

20O último autor que queríamos apresentar trata-se de Francisco Vicente Vianna (1893), que escreveu o livro sobre o território da Bahia intitulado Memória sobre o Estado da Bahia, sendo mais um escritor envolvido com os conhecimentos territoriais, nesse caso, da Bahia. Como um jornalista e um político, entre o fim da monarquia e o início da república ficara marcado pela defesa da criação e da organização de um Arquivo Público, no qual se tornou Diretor, conseguindo na obra enviada para os Estados Unidos conservar e sistematizar os principais documentos oficiais sobre a geografia da Bahia7.

21Em texto que se encontra na abertura do livro, Joaquim Manuel Rodrigues Lima, governador daquele estado no período, faz a encomenda do livro para F. Vianna, claramente, recomendando a escrita da memória de um território como a descrição política e geográfica da Bahia para Chicago:

  • 8 Documento exposto como apresentação do livro Vianna, Francisco Vicente. Memória sobre o estado da B (...)

[Deve] figurar na exposição de Chicago uma noticia minuciosa sobre o Estado da Bahia, que deverá constar principalmente da descripção política e geographica do mesmo Estado, suas riquesas naturaes, amenidade de seu clima, estatística, etc, tenho resolvido encarregar-vos desse importante trabalho.8

22Cabe dizer, ao final, que esses escritores eram os nomes que expressavam a própria condição de produzir um certo tipo de pensamento geográfico sobre esses territórios para os Estados Unidos. Mesmo que não tenham vínculos diretos como cursos de geografia, já que não tínhamos cursos superiores no país formadores de geógrafos, esses eram os nomes que produziram geografia no Brasil, cabendo aqui mais uma vez lembrar a compreensão de Antonio Carlos Robert Moraes que a importância de se construir a história do campo do pensamento geográfico no Brasil está na importância desse campo abarcar

Os discursos escritos do saber culto acerca do espaço e da superfície da terra, (...) interessando o temário coberto pelas questões analisadas pela geografia, enfim, as representações sistemáticas e normatizadas da consciência do espaço terrestre. (...) Portanto, o estudo da história do pensamento geográfico [ultrapassa] em muito os discursos do campo disciplinar, tendo como meta explícita analisar os temas geográficos presentes em outros tipos de representações discursivas (...) tal visão [anima] o entendimento de que – no Brasil – as mais eficazes ideologias geográficas não se apresentaram sobre a rotulação explícita de geografia, e circunscrever as análises dos textos gerados no âmbito disciplinar [redunda] em perder os mais importantes discursos norteadores da produção do espaço brasileiro e da própria produção das representações hegemônicas deste espaço” (Moraes, 2005, p. 13-14)

Natureza, Região Cultural e Controle Territorial

23Os livros enviados para a exposição universal de Chicago abrigam, centralmente, três dimensões comuns que queremos destacar aqui como produtoras de um pensamento geográfico: a primeira trata e se utiliza daquilo que poderíamos denominar de natureza natural (ou física), especificando as qualidades naturais e o território; a segunda expressa a construção de uma ocupação econômica (espacialização produtiva) do território, sendo demarcada regiões por produtos; e, por último, os escritos abarcam uma dimensão política, voltada para a governança do território, calcada bastante no controle dos recursos para expansão, da população e nas vias de comunicação (estradas e ferrovias). É a partir dessas três dimensões que analisamos os livros enviados para a exposição universal de Chicago e, assim, o passo a passo para a compreensão da reprodução da história do pensamento geográfico no Brasil em obras elaboradas por autores que tinha o conhecimento da geografia dos Estados que faziam parte, no entanto, não eram geógrafos oficiais e nem trabalhavam em cursos superiores com a disciplina de geografia.

24A primeira dimensão dos livros enviados para a exposição de Chicago, produz, claramente, um pensamento geográfico e um tema clássico da geografia tradicional: a natureza natural (a geografia física). Preocupado em montar as bases geométricas dos territórios, ou seja, em delimitar o corpo territorial do Ceará, do Pará, da Bahia e de São Paulo, os autores vão lançar informações da natureza, bases geomorfológicas e hidrográficas casando com longitudes e latitudes, para demarcar a particularidade dos territórios internamente e, dessa forma, seus limites. Essa dimensão política e natural, aponta para entender como as unidades dos territórios eram formadas a partir das linhas políticas casadas com a diversidade da natureza física, assumindo nesse aspecto uma feição de integração para a legitimação e controle de um território.

25É nessa perspectiva que Souza Brazil (1893, p. 1-6) vai desenhando o território do Ceará como um “triângulo agudo”, formado pela enumeração, descrição e localização da heterogeneidade natural (mapeando litoral, serras, sertão, bacias hidrográficas e vegetações distintas para cada relevo) aparecendo como uma particularidade mais material que social entre outros estados vizinhos, como Rio Grande do Norte, Piauí, Paraíba e Pernambuco, compondo com essa natureza dada (dos relevos ou da forma aparêntica do território do Ceará) tanto os focos de “avanço” como os problemas do atraso (clima quente, os solos rasos, a vegetação e as secas) no Ceará (Assis, 2010).

  • 9 Fonseca, Jorge Nassar Fleury da. Artes do progresso: uma história da visualidade da Exposição de Ch (...)

26E, é nessa mesma travessia, que o Estado do Pará com Henrique Santa Rosa (1892, p. 12), se particulariza no interior do Estado do Grão-Pará (hoje região Norte), fazendo divisas com as guianas francesa, inglesa e holandesa (Norte), com Maranhão e Goiás (Leste), Mato Grosso e Amazonas (Sul), principalmente, na medida que delimita o território internamente a partir dos assuntos que envolvem “o ambiente físico como sua localização, limites, superfície, clima, temperatura, salubridade, questão de fronteiras, topografia, o conjunto hidrográfico envolvendo canais, lagos, baías, ilhas e os vastos rios que cortam a região” (Fonseca, 2009, s/n) demarcando com particularidade esse Estado, usando da cartografia em mãos como instrumento9.

Figura 03 – Limites e natureza do território do Pará

Figura 03 – Limites e natureza do território do Pará

Fonte: Mapa do Estado do Pará e sua Bacia Hidrográfica. Disponível em DezenoveVinte «http://www.dezenovevinte.net»

27E não fugindo ao padrão da montagem das bases materiais do território a partir da natureza, F. Vicente (1893, p. 4) tratara logo em montar o Estado da Bahia a partir do quebra-cabeça que compõe a relação entre relevos ligados ao sistema hidrográfico e a vegetação. Apresentava assim, a partir da influência de Orville A. Derby, que é possível ler a unidade federativa da Bahia a partir três grandes “cadeia rochosas”, que divide entre: central, oriental e ocidental. Essas cadeias eram derivadas, segundo o próprio autor, de dois grandes Planaltos Brasileiros, um que cortava a costa de São Roque até o Sul do Brasil e outro Central, que abrangia Minas Gerais, Goiás e estados as suas margens. Assim, decompõem uma classificação em três cadeias de relevos que, inseparavelmente, se relacionava diretamente com os rios que esculpindo planícies e sertões, paisagens essas que particularizavam o Estado da Bahia em fronteira com esses outros Estados.

28Cabe dizer que o livro sobre O Estado de São Paulo também quando aberto logo se depara com a exposição da natureza, a fertilidade do solo, a regularidade das chuvas e a quantidade de água acumulada como fatores naturais que, derivados de um “clima maravilho”, propiciavam ao território de São Paulo uma extensa potência para o desenvolvimento econômico. Mesmo que o livro de São Paulo não descreva com a mesma precisão os tipos de relevo, dos rios e da vegetação, como fizeram os autores do Ceará, do Pará e da Bahia - na tentativa da transportação em miniatura da natureza materialmente “tal qual é” para a representação num papel, A. Pinto propagandeia o território de São Paulo como portador de “ilimitados” elementos biofísicos o que possibilitam a exploração dessa natureza pelo trabalho humano (Pinto, 1893, p.3-7).

  • 10 “A informação funcional é aquela que interessa a todas as técnicas de valorização, em qualquer níve (...)

29Essa primeira dimensão dos livros enviados para exposição universal de Chicago criava a demarcação da natureza e, concomitantemente, a mobilização dos recursos que estavam sob o domínio de um Estado. Essa produção de conhecimentos que se aproxima do que Raffestin (1993) chamou de “informação funcional”, pressuposta de um domínio mínimo de um território – cumpria a função de produzir o máximo de conhecimento possível sobre as qualidades e potencialidades de exploração da natureza. O livro descritivo como um inventário, associado ao tempo presente daquelas enumerações e mapeamentos verbais, demarcava os recursos que qualificavam funcionalmente os territórios num dado contexto, podendo um produto não ser explorado no dia seguinte, mas propagado como objeto arquivado de um território, que poderia ser fornecido e explorado nos anos posteriores, sendo sua demarcação precisa a importância dada ao estoque de ideias10.

30No entanto, já ficava claro que estava se pensando a natureza e seu uso no interior de um território como a propriedade de um Estado, como espaço de sua jurisdição, é a própria expressão do exercício de um poder político “superior” na modernidade (Moraes, 2005). Essa forma de pensar a natureza como formadora da unidade e como propriedade de um Estado, vincula-se a uma questão maior, parte de uma força desigual exercida no plano do conhecimento pelo projeto de expansão geográfica da sociedade de mercado. Dessa forma, se exerce no interior dos territórios o controle sobre os usos dos recursos e sobre a vida social, não sendo raro apresentar uma natureza “limpa” primeiramente de usos sociais. Na verdade, como expressa ainda Harvey, esse tipo de conhecimento já se referia a uma expressão (nesse caso adiantada) da “lei capitalista da acumulação sempre empurrando a sociedade para os limites de suas relações potenciais e para os limites de sua base de recursos naturais” (Harvey, 1981, p. 17).

31No entanto, a segunda dimensão espacial dos livros, que intitulamos de “econômico”, já passa a fazer um movimento explicativo dos territórios a partir da inseparabilidade entre a produção econômica com a localização geográfica sobre as qualidades naturais daquele território exposto anteriormente. Essa relação entre produção de alimentos e de matérias-primas (de algodão, café, cana de açúcar, cacau, borracha) e sua localização geográfica vai destacar o que os autores chamam explicitamente de região cultural – vinculando o conceito de cultura à atividade de cultivo, ou mesmo, fazendo tal vinculação sem conceituar diretamente, porém, aderindo as mesmas formas de delimitar as ocupações do território a partir da agricultura e das zonas produtivas para exportação, sendo assim delineado o uso da natureza dos territórios.

32Sobre a relação entre produção agrícola e a sua região cultural no interior dos estados, por exemplo, é possível nos livros delimitar as regiões culturais, como do algodão, no vale do rio Jaguaribe, na serra do Pereiro, nas encostas do Araripe e da Serre Grande, nas serras do Machado, Uruburetama, Baturité, Acarape, Aratanha, Maranguape, nas ribeiras do Acaraú e do rio Mundaú (Souza Brazil, 1893, p. 81) e no centro do território, intitulado genericamente de sertão (Vianna, 1893, p. 185); do café, nas serras de Baturité, de Maranguape, da Aratanha, da Meruoca, da Serra Grande, do Araripe, nos municípios de Crato e Jardim (Souza Brazil, 1893, p. 87), prevalece ainda nos municípios de Nazaré, Amargosa, Areia, S. Félix, Maragogipe, Conceição do Almeida, etc (Vianna, 1893, p. 284), tendo destaque o Oeste Paulista e o Vale do Paraíba (São Paulo), sendo esse produto propagandeado como um estimulador da inteligência dos homens de letras e que ativava ainda as forças para os que combatiam com os braços (Pinto, 1893, p. 7); do Cacau, as margens do rio amazonas (Cunha, 1892, 89) e em múltiplas regiões úmidas do Estado, litoral e margens de rios (Vianna, 1893, p. 284-285)); da cana de açúcar, na Meruoca, na Serra Grande, no vale do Rio Jaguaribe, Crato, Barbalha, Baturité e Acarape (Souza Brazil, 1893, p. 90); da seringueiras, destaque para a unidade federativa do Pará, que aproveitaram dos terrenos cobertos por florestas para extrair das seringas a borracha, representavam para o Estado nada menos que “2/3 do valor total da produção, contribuindo para as rendas estaduais e municipais com quase 25% do seu valor, sem ruina nem empobrecimento do produtor” (Cunha, 1892, p. 87).

33O mais interessante é que essa segunda dimensão geográfica das obras enviadas para a exposição universal de Chicago, mesmo que trate da produção dos Estados, “descola” cada território da “prisão natureza”, passando a anunciá-los como particularidades lógicas em movimento interno ao Brasil e ao contexto geopolítico, possível de ser comparadas a outras realidades a partir dos dados de: exportação e importação; picos da produção e oscilações, arrecadações e déficits, entre a qualidade da sua matéria-prima com a de outros estados do Brasil e com o início de uma instalação de alguns empreendimentos fabris, possível de pensar o grau de civilização e do progresso a partir de uma comparação geopolítica da produção com os Estados industrializados e outros periféricos.

34Na descrição dos autores sobre as regiões culturais nos territórios dos estados no interior do Brasil ganhava destaque a espacialização desses produtos. Um elemento ainda é repetido e defendido de maneira insistente: os pontos de exploração dessas culturas ainda não haviam atingido o grau de desenvolvimento que o solo permitia e o espaço virgem inexplorado. Ambos anunciavam a falta de técnicas, de créditos e de investimentos como o grande motivo para a pouca “prosperidade” das regiões culturais e para os seus atrasos. Da mesma maneira, apontavam a necessidade de construção de ferrovias como uma forma de ligar o interior ao litoral, controlar a produção e mobilizar a força de trabalho. A exibição das potencialidades na produção do espaço agrário do Brasil nos livros era prova viva dos conhecimentos que esses representantes tinham sobre as regiões produtivas no interior de cada Estado e, assim, da qualidade de produzir um pensamento geográfico para os Estados Unidos como uma cópia empírica da realidade.

35A última dimensão geográfica dos livros que escolhemos fazer menção trata do que intitulamos como “parte política” ou aquela que versa sobre o controle do território. Muitos temas que comprovam a existência do Estado como proprietário do território são aqui abordados, a saber: a função do poder legislativo, executivo e judiciário, o sistema eleitoral de senadores e deputados, a distribuição geográfica das instituições de decisão jurídico-político; a distribuição dos municípios; a geografia dos estabelecimentos de instrução pública, das associações literárias e de higiene; o controle sobre as companhias responsáveis pela telegrafia, pelos correios, pelas ferrovias, pelos bondes urbanos e pela construção de portos, bem como, dos novos planos; as finanças do estado; a divisão do poder judiciário, o crescimento da população, entre outros temas, tudo estava em partes separadas nos materiais escritos, ou mesmo, mesclados nos outros debates sobre a natureza e as regiões culturais.

36Essa última parte reforça a ideia que inicia com o debate da natureza e da região cultural: os livros expressavam o espaço político de um Estado e de suas instituições no território. Em outras palavras, a matéria natural e as regiões culturais já estabelecidas eram transformadas num trunfo geopolítico do Estado, passando a definir a propaganda sobre uma dominação dos negócios referentes aos recursos, a produção e a população. Como afirma Rafesttin, essa medida de falar a partir do Estado indica que “a produção dos recursos supõe, pois, uma dominação mínima de uma porção do quadro espaço-temporal” da matéria natural (Raffestin, 1993, 227).

37Expressava-se, assim, um conhecimento sobre o território em que a grande massa da sociedade estava sendo separada da propriedade da natureza (dos instrumentos de trabalho e das condições objetivas dos meios de subsistência) pela instalação da propriedade privada sobre a terra, do controle do território por parte da forma política estatal e das diversas utilidades dadas aos produtos da natureza, sendo o conjunto desses recursos naturais, da produção para exportação e do crescimento da população a base do território como um objeto de mercado destinado para a produção de riqueza.

Palavras finais

38Os livros enviados para a exposição universal de Chicago conseguem, via nosso caráter interpretativo, assumir um duplo aspecto no que se refere à sua admissão como um título que faz parte da produção do pensamento geográfico no Brasil de oitocentos, ao mesmo tempo, que diz sobre a construção da imagem externa que esse país construía para o exterior:

  1. o primeiro deles pode ser identificado como uma obra que suscita uma consciência do espaço, grande motivo para ser considerada como uma obra do pensamento geográfico brasileiro (Moraes, 2002). A partir do discurso que imbrica entre natureza, economia e política no tempo presente de um território, buscava, através da fundamentação no empiricismo-positivismo, elaborar uma imagem da geografia material (natureza e regiões produtivas) de fragmentos do território do Brasil para o estrangeiro. Criavam, assim, uma representação territorial que tem mais foco em uma materialidade do que mesmo nas relações sociais que se estabelecem no interior de cada Estado. Nessa esteira, os livros, praticamente, não realizam uma antropologia ou uma sociologia de uma cultura particular nos territórios (de índios, negros, sertanejos, mestiços, pescadores, proprietários, afinal, as relações sociais contraditórias internas). Apresentam a população apenas como um dado abstrato do território, “um homem estatístico”, enquanto forças que estão localizadas em algum ponto e que devem construir os planos decididos pelas articulações estatais provindas das decisões político-econômicas dos representantes do Estado. Enfim, constitui uma representação dos Estados sobre seus territórios que tem sua centralidade mais na geografia do que nas relações sociais, ou seja, constrói uma identidade desses Estados pelo espaço (Moraes, 1991).

  2. o segundo, complementar ao primeiro, interpretamos que o pensamento geográfico produzido pelos autores tem as intenções de tramar um discurso sobre um território que está aberto para a expansão do uso de suas qualidades naturais e da produção natural-agrícola para os centros do capitalismo, sobretudo para os EUA no final do século XIX (Assis, 2016), apresentando um “pedido de inserção” desse território com recurso na grande expansão daquele período identificada por Eric Hobsbawm (2009) como a Era dos Impérios. Eram indicadas as qualidades funcionais dos produtos da natureza e das regiões produtivas, além de especializar a produção de um pensamento geográfico imediato, a potência dos escritos estava também na produção de conhecimento sobre um conjunto de recursos que ainda não haviam sido descobertos, demarcados e explorados. Isso fica bastante claro na repetição de algumas expressões nos documentos, como “ainda não foi explorado”, “nunca foi explorado”, “poderia ser melhor explorado” e “terra e mata virgem”, quando se apresentavam as narrativas sobre esses produtos no território do Brasil. Essa interpretação identifica a relação presentista-pragmática que assume a produção dessa consciência do espaço e da identidade pelo espaço como conteúdos interessados em expandir a produção nesses territórios, como um instrumento para pensar a favor do “progresso” por cada Estado (ASSIS, 2016).

39Foi tomando a descrição, a enumeração e a classificação dos fatos referentes ao espaço geográfico, como momentos de sua apreensão, que os autores conseguiram elaborar uma afirmação do estado-território de São Paulo, do Ceará, do Pará e da Bahia como uma particularidade do Brasil que seria apresentado na Exposição Universal de Chicago, de 1893. Foi sobrepondo “conjuntos espaciais”, para lembrar Yves Lacoste (1988), como o relevo, a vegetação, o clima, etc, que os escritores expuseram um pensamento geográfico que tem dupla finalidade: a primeira de criar a imagem de um território particular para, em seguida, descrever as ações e preparar mais ocupações, justificando o domínio intelectual com o domínio estratégico-político de um recorte espacial no interior do Brasil.

40Em suma, o pensamento geográfico que os autores fazem sobre esses territórios no interior do Brasil, para a exposição universal de Chicago, claramente tem nos servido de pistas para apresentar como a produção do pensamento geográfico no Brasil pode ser ampliada levando em conta esses materiais escritos para as exposições universais como documentos para se narrar a história da ciência geográfica nos trópicos.

Haut de page

Bibliographie

Assis, Raimundo Jucier Sousa de. (2016). A iminência da subordinação aos Estados Unidos: a afirmação do Brasil como periferia do capitalismo na exposição universal de Chicago. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-08052017-121250/

Barbauy, Heloisa. A Exposição Universal de 1889 em Paris: visão e representação na sociedade industrial. Edições Loyola, São Paulo, 1999.

Barbauy, Heloisa. O Brasil vai a Paris em 1889: um lugar na Exposição Universal. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. V.4, p. 211 – 261 jan/dez, 1996.

Benjamin, Walter. Passagens. Tradução de Irene Aron. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

Bravo, Álvaro Fernández. « Latinoamericanismo y representación: iconografías de la nacionalidad en las exposiciones universales (París, 1889 y 1900) ». In: La ciencia en la Argentina entre siglos: textos, contextos e instituiciones. Marcelo Monserrat (Org.), Buenos Aires: Cuadernos Argentinos Manantial, p. 171-185, 2000.

Bomfim, Paulo R. A; Sousa Neto, M. F. « Contextos, Personagens e Idéias: Thomas Pompeu de Souza Brasil e Elysio de Carvalho ». In: XII Encontro de Geógrafos da América Latina. Montevideo, 2009.

Chicago. « The World’s Columbian Exposition 1893». Sociedade Histórica de Chicago. Disponível em http://www.chicagohs.org/history/expo.html. Acessado em Janeiro de 2012.

Claval, Paul. « Geografia econômica e economia ». Revista GeoTextos. Vol. 1, nº 1, 2005.

Davis, George R; Palmer, Potter. The World’s Columbian Exposition, Chicago, 1983. International Publishing Co, Chicago, 1893.

Fleury, José Nassar; Ferreira, Aline Alves. «Ver-o-Peso da cidade: O mercado, a carne e a cidade no final do século XIX ». Revista Estudos Amazônicos. Vol. VI, nº 1, p. 100-116, 2011.

Fonseca, Jorge Nassar Fleury da. «Artes do progresso: uma história da visualidade da Exposição de Chicago de 1893». 19&20, Rio de Janeiro, v. IV, n. 1, s/n, jan. 2009.

Gomes, Paulo Cesar da Costa. Geografia e modernidade. 4ed. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 2007.

Harvey, D. « População, recursos e ideologia da ciência ». Seleção de Textos 7. São Paulo: Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1981.

Hobsbawm, Eric. A Era dos Impérios (1875 - 1914). 13ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

Lacoste, Yves. Os Objetos Geográficos. Seleção de Textos da AGB, São Paulo, n. 18, p. 1-15, maio de 1988.

Machado, Lia Osório. « Origens do Pensamento Geográfico no Brasil: meio tropical, espaços vazios e a idéia de ordem (1870-1930) ». In: Castro, Iná Elias de; Gomes, Paulo César da Costa Gomes; Corrêa, Roberto Lobato (Orgs.) Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand, 1995, p. 309-353.

Moraes, Antonio Carlos Robert. Território e História no Brasil. 2ªed. São Paulo: Annablume, 2005.

Moraes, Antonio Carlos Robert. Ideologias Geográficas. 4ª ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

Moraes, Antonio Carlos Robert. « Notas sobre identidade nacional e institucionalização da geografia no Brasil ». Estudos Históricos, v. IV, n. 8, 1991.

Moraes, Tarcísio Cardoso. « Geografia do poder: círculos intelectuais, natureza e historiografia na república paraense – século XX ». Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH – São Paulo, p. 1 (1-16), julho 2011.

Moura, Ignacio Batista de; Santa Rosa, Henrique A. de; Tavares, Nina Ribeiro, Manoel Odorico; Torrezão, Alberto. O Estado do Pará: apontamentos para a exposição universal de Chicago. Traduzido por José Coelho da Gama Abreu. Belém: Typographia do Diário Oficial, 1892.

Nunes, Sergio. « De Ciência Auxiliar à Saber Autônomo: dois momentos da geografia brasileira no século XIX ». Boletim Goiano de Geografia. V. 24, n.1-2,jan/dez, 2004.

Oliveira, Almir Leal de. O Ceará na Exposição de Chicago (1893): ciência e técnica. Documentos: revista do arquivo público do Ceará (APEC), Fortaleza, n. 01, , p. 81-94,

2005.

Raffestin, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

Pinto, Adolpho Augusto. Minha vida: memórias de um engenheiro paulista. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1969.

Pinto, Adolpho Augusto. The State of São Paulo, Brazil, Chicago. John Anderson Publishing Company, 1893.

Plum, Werner, Exposições mundiais no século XIX: espetáculos da transformação sócio-cultural. Tradução de Wanderlei de Paula Barreto e Ana Maria Zanutto de Paula Barreto. Bonn: Friedrich-Ebert-Stiffung, 1979.

Schwarcz, Lilia Moritz. As Barbas do Imperador: Dom Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Silva Queiroz, José Francisco da. Por uma história da recepção da obra de Max Martins. Belém: Programa de Pós-Graduação em Letas; Universidade Federal do Pará, 2012, p. 27.

Souza Brasil, Thomaz Pompeu de. Estado do Ceará na Exposição de Chicago. Fortaleza: Tipografia da República, 1893.

Sousa Neto, Manoel Fernandes de. Geografia nos Trópicos: histórias do náufrago de uma jangada de pedras? Terra Livre. São Paulo, n. 17, 119-138p, 2001.

Vianna, Francisco Vicente. Memória sobre o Estado da Bahia. Bahia: Typographia e Encadernação do Diário da Bahia, 101, Praça Castro Alves, 1893.

Zusman, Perla. « Geografias Civilizatórias: la participación argentina em dos exposiciones universales estadounidenses (1876 – 1893) ». ANAIS I Colóquio Brasileiro de História do Pensamento Geográfico. Uberlandia: UFU, 2008.

Zusman, Perla; Lois, Carla. « Producción de conocimiento geográfico y propaganda política em la construcción de la Argentina moderna (1860 – 1915) ». Anais do VII Congreso Argentino Chileno de Estudios Históricos e Integración Cultural. Salta, 25 al 27 de abril del 2007.

Haut de page

Notes

1 “Por pensamento geográfico entende-se um conjunto de discursos a respeito do espaço que substantivam as concepções que uma dada sociedade, num momento determinado, possui acerca de seu meio (desde o local ao planetário) e das relações com ele estabelecidas. Trata-se de um acervo histórico e socialmente produzido, uma fatia de substância da formação cultural de um povo. Nesse entendimento, os temas geográficos distribuem-se pelos variados quadrantes do universo da cultura. Eles emergem em diferentes contextos discursivos, na imprensa, na literatura, no pensamento político, na estatística, na pesquisa científica, etc. Em meio a estas múltiplas manifestações vão sedimentando-se certas visões, difundindo-se certos valores. Enfim, vai sendo gestado um senso comum a respeito do espaço. Uma mentalidade acerca de seus temas. Um horizonte espacial coletivo” (Moraes, 2002, p. 32).

2 “Por pensamento geográfico entende-se um conjunto de discursos a respeito do espaço que substantivam as concepções que uma dada sociedade, num momento determinado, possui acerca de seu meio (desde o local ao planetário) e das relações com ele estabelecidas. Trata-se de um acervo histórico e socialmente produzido, uma fatia de substância da formação cultural de um povo. Nesse entendimento, os temas geográficos distribuem-se pelos variados quadrantes do universo da cultura. Eles emergem em diferentes contextos discursivos, na imprensa, na literatura, no pensamento político, na estatística, na pesquisa científica, etc. Em meio a estas múltiplas manifestações vão sedimentando-se certas visões, difundindo-se certos valores. Enfim, vai sendo gestado um senso comum a respeito do espaço. Uma mentalidade acerca de seus temas. Um horizonte espacial coletivo” (Moraes, 2002, p. 32).

3 Como bem lembra Gomes (2007), a geografia moderna tem como principal tarefa apresentar uma “imagem renovada de mundo” (...), uma visão global e coerente do mundo (...), em que a dinâmica dos fenômenos naturais e as relações homem-natureza, ou sociedade-território, são articuladas (...). Nesse sentido, o professor de geografia se aproxima da imagem do aedo grego que, através dos seus cantos, reatualizava a ordem do mundo através das aventuras dos deuses e heróis no interior de longas cosmogonias (Gomes, 2007, p. 10-11).

4 Chamando essas representações territoriais elaboradas pelo Estado de “geografias civilizatórias”, Perla Zusman (2008) lembra: “Las elites (...) llevaron a estas exposiciones descripciones, mapas, paisajes de lugares que, desde los centros de poder, eran imaginados como exóticos pero que sometidos a los cánones racionales o estéticos eran incorporadas al universo de la civilización ocidental” (Zusman 2008, p. 13)

5 Sobre a história de Francisco Vicente Vianna e a criação do arquivo público da Bahia, cf. Matos, Maria Teresa Navarro de Britto; Rosado, Rita de Cássia Santana de Carvalho. “Memória do Arquivo Público do Estado da Bahia, 1890-1984”. Acervo. Rio de Janeiro, vol. 26, nº 2, p. 243-255, jul./dez. 2013

6 Na íntegra o livro tem os seguintes autores e título: MOURA, Ignacio Batista de; SANTA ROSA, Henrique A. de; TAVARES, Alexandre V; CUNHA, Pedro da; NINA RIBEIRO, Manoel Odorico; TORREZÃO, Alberto. O Estado do Pará: apontamentos para a exposição universal de Chicago. Belém: Typographia do Diário Oficial, 1892.

7 Sobre a história de Francisco Vicente Vianna e a criação do arquivo público da Bahia, cf. Matos, Maria Teresa Navarro de Britto; Rosado, Rita de Cássia Santana de Carvalho. “Memória do Arquivo Público do Estado da Bahia, 1890-1984”. Acervo. Rio de Janeiro, vol. 26, nº 2, p. 243-255, jul./dez. 2013

8 Documento exposto como apresentação do livro Vianna, Francisco Vicente. Memória sobre o estado da Bahia. Bahia: Typographia e Encadernação do Diário da Bahia, 101, Praça Castro Alves, 1893.

9 Fonseca, Jorge Nassar Fleury da. Artes do progresso: uma história da visualidade da Exposição de Chicago de 1893. 19&20, Rio de Janeiro, v. IV, n. 1, jan. 2009, s/n.

10 “A informação funcional é aquela que interessa a todas as técnicas de valorização, em qualquer nível (...) Se fizéssemos uma história das relações implicadas pela pesquisa dos recursos, descobriríamos que se trata de um episódio marcadamente dissimétrico da história humana. Aquilo que se chamou de luta ou de batalha pelas matérias-primas se inscreve perfeitamente na perspectiva exploracionista. Aliás, como veremos mais adiante por meio de exemplos, o mundo ainda não saiu dela.” Raffestin, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993, p. 227-235.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 01 – Planta do sítio da exposição universal de Chicago
Crédits Fonte: Library of Congress. Souvenir map of the World's Columbian Exposition at Jackson Park and Midway Plaisance, Chicago, Ill, U.S.A., 1893.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12131/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 340k
Titre Figura 02 – Capa dos livros enviados para a exposição universal de Chicago
Crédits Fonte: Biblioteca do Senado e Setor Obras Raras. Disponível em http://www2.senado.leg.br/​bdsf/​handle/​id/​242796.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12131/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Figura 03 – Limites e natureza do território do Pará
Crédits Fonte: Mapa do Estado do Pará e sua Bacia Hidrográfica. Disponível em DezenoveVinte «http://www.dezenovevinte.net»
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12131/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Raimundo Jucier Sousa de Assis, « A produção do pensamento geográfico no Brasil nos livros enviados para Exposição Universal de Chicago, EUA », Confins [En ligne], 31 | 2017, mis en ligne le 18 juin 2017, consulté le 26 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/12131 ; DOI : 10.4000/confins.12131

Haut de page

Auteur

Raimundo Jucier Sousa de Assis

Universidade Federal do Piauí, raimundojucier@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org