Navigation – Plan du site

Editorial do número 31

Editorial of issue 31
Éditorial du numéro 31
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 31

Texte intégral

  • 1 Bilbo foi desenvolvido pelo programa de pesquisa e desenvolvimento OpenEdition Lab, ele começou em (...)
  • 2 Informações extraídas de de « Bilbo, un outil d’annotation automatique des références », La Maison (...)

1Nossa revista dispõe agora regularmente de uma das inovações mais promissoras desenvolvidas pela OpenEdition - o software1 Bilbo (Bibliographical Robot), capaz de detectar, identificar e analisar as referências presentes nos documentos. Através de métodos de mineração de texto e aprendizagem automática, Bilbo identifica os nomes e sobrenomes dos autores, títulos, editoras, ano e local de publicação de cada citação2.

2Isso permite que ele extraia informações, para poder consultar o motor de busca CrossRef, agência oficial de registro dos Digital Object Identifier (DOI, “Identificador de Objeto Digital”), cujo banco de dados contém milhões de referências científicas. Bilbo pode então recuperar o DOI quando existe, e adicioná-lo às referências na bibliografia do documento, na forma de um link clicável que então permite o acesso direto ao recurso citado.

3No início da bibliografia, uma menção específica indica que recursos foram adicionados por Bilbo e um símbolo permite, ao clicar nele, acessar todas as referências identificadas pelo DOI que contém o documento (e de escolher entre os três formatos de citação propostas: APA, MLA ou Chicago).

4Ao clicar no símbolo ao lado da referência, pode-se acessar à citação identificada pelo seu DOI, e também de escolher entre três formatos de citação disponíveis.

5O DOI é o coração de um mecanismo de identificação de recursos digitais, tais como revistas, livros, artigos científicos, relatórios, vídeos, etc. Às vezes ele é comparado com o ISSN e ISBN para a web, mas é também uma alternativa para a instabilidade da URL, associando a localização do documento e metadados relacionados a ele. Com esta identificação permanente é sempre possível encontrar a localização de um documento digital que proporcionou um DOI.

6Para permitir o progresso de Bilbo na detecção inequívoca dos DOI, convidamos os autores a inserí-los em suas referências, quando são conhecidos.

7Recordamos que, desde 2009, os OpenEdition adquire gratuitamente para os autores DOI para os números e itens das revistas do portal revues.org, bem como os livros e documentos dos editores membros de OpenEdition Books.

8O trabalho de consulta de banco de dados CrossRef é bastante longo e a procura das referências bibliográficas DOI por Bilbo ocorre durante a noite (fusos horários europeus). Considerando a distribuição geográfica da maioria das revistas e editoras, a entrega é geralmente feita o dia seguinte, ao primeiro carregamento de um documento.

9Bilbo agora é capaz de reconhecer e extrair referências em bibliografias. Atualmente, a equipe de OpenEdition Lab trabalha na próxima etapa, Bilbo 2, que irá identificar referências nas notas de rodapé, enquanto prepara o corpus que permitirá mais tarde a Bilbo aprender a reconhecer as referências implícitas no corpo dos documentos.

O número 31

10Este número 31 da Confins abre com três artigos sobre a Amazônia, “Informalidade no ambiente construído e segregação socioespacial no Platô das Guianas: o caso de Santana no Amapá e de Caiena na Guiana Francesa”, de Jodival Mauricio da Costa, Luana Rocha de Souza e Jacy Soares Corrêa Neto, “Territorialidade de espaço público em uma cidade ribeirinha na Amazônia Setentrional Brasileira – Afuá, Pará”, de José Marcelo Martins Medeiros, Jacy Côrrea Neto e Mariana Martins Medeiros e “O Amapá e a Guiana francesa sob a ótica do corredor transfronteiriço”, de José Alberto Tostes e José Francisco de Carvalho Ferreira.

11Os três artigos seguintes lidam com questões gerais, migração, integração fronteiriça e pagamento por serviços ambientais, que valem para todo o Brasil e além, mesmo que sejam abordados a partir de exemplos locais, “Aspectos gerais da dinâmica imigratória no Brasil no século XXI”, de Roberto Rodolfo Georg Uebel e Aldomar Arnaldo Rückert, “Integração ou separação? Uma reflexão sobre a governança territorial no Prata a partir da construção da ponte da integração São Borja-Brasil/ Santo Tomé-Argentina”, de Muriel Pinto, Ronaldo Bernardino Colvero e Alex Sander Barcellos Retamoso e “Pagamento por serviços ambientais em área de mananciais: estudo de caso do Ribeirão Balainho, São Paulo”, de Claudete Bezerra dos Santos Canada, Carlos Alberto Mariotoni e Paulo Sergio Franco Barbosa.

12Um artigo os completa embora pareça, à primeira vista, longe das preocupações de uma revista Franco-Brasileira, “Ilhas Comores, Visa Balladur e a carnificina a caminho de Mayotte: uma análise interdisciplinar da complexa questão da migração nas Comores”, de Tiziano Peccia e Rachele Meda. Na realidade este não é o caso, não só porque Mayotte é um território francês, mas porque a questão dos refugiados e da migração induzida pelos gradientes de desenvolvimento entre territórios afeta o mundo inteiro.

13Foi uma das mais fortes motivações para um episódio na história recente do Brasil, que é o tema do primeiro dossiê deste número, coordenado por Olivier Companion, e que ele apresenta em sua introdução, “Uma terra prometida? Olhar sobre a migração europeia para o Brasil no século XIX e no início do século XX”.

14O dossiê é composto por três artigos, "A emigração da Madeira para São Paulo no final do século XIX: estudo socioeconômico e estatístico", de Nelly de Freitas, "Os Portugueses no Império do Brasil (1822-1889) : as trajetórias específicas dos homens de letras no seio da colônia portuguesa do Rio de Janeiro", de Sébastien Rozeaux e "Retratos do Sul do Brasil: a imigração polonesa e italiana no Paraná entre o final do século XIX e início do século XX" de Márcio de Oliveira, e uma conclusão de Géraldine Vaughan, “Pensar a história da migração no Brasil em uma perspectiva global”.

15Um segundo dossiê, formado por uma seleção de artigos do quinto Seminário Itinerante Franco-Brasileiro "Cidades e rios da história", realizado em 2016 ao longo do Rio Araguaia, conforme explicado pelos coordenadores do seminário e do dossiê Laurent Vidal e Gercinair Silvério Gandara em sua introdução "Cidades, rios e patrimônio".

16Os artigos têm uma forte componente histórica, como “En Lixboa sobre lo mar (rio Tejo). A organização e a estruturação do espaço urbano das origens ao século XIV”, de Carlos Guardado da Silva, “Os rios e pântanos nas primeiras representações cartográficas da vila Campos dos Goitacazes: imaginação geográfica e disputas de poder (final do século XVIII até começos do XIX)” de Maria Isabel de Jesus Chrysostomo, “Nova Orleans e o rio Mississippi: um ponto de vista geo-temporal braudeliano”, de Kent Mathewson, “Fazer Territó-rios na Amazônia” de Martine Droulers e “Paisagem Cultural da Cidade Templária de Tomar. O Rio Nabão como identidade urbana” de Margarida Valla.

17Outros são reflexões mais atuais, como "Rios: território das águas às margens das cidades: o caso dos rios de Uruaçu-GO", Gercinair Silvério Gandara”, “Visões sobre o rio Araguaia: imprensa goiana e imaginário no século XIX”, de Eliete Barbosa de Brito Silva e Leandro Mendes Rocha e “Rincão do Inferno: patrimônio geoambiental e cultural situado às margens do rio Camaquã” de Clarisse Ismério, Lize Helena Cappellari, Ângela Jagmin Carretta e Elisabeth Drumm.

18A rubrica "projeto de pesquisa", nesta edição, inclui a apresentação da tese recentemente defendida por Raimundo Jucier Sousa de Assis, “A produção do pensamento geográfico no Brasil nos livros enviados para Exposição Universal de Chicago, EUA” e a das resenhas, três análises: “Por uma teoria urbana crítica entre a justiça e o direito à cidade”, de César Simoni Santos, “O mundo em nossas xícaras. Três séculos de café da manhã”, de René Somain e “O paradigma do drone armado voador” de Licio Caetano do Rego Monteiro.

19Boa leitura a todos.

Haut de page

Notes

1 Bilbo foi desenvolvido pelo programa de pesquisa e desenvolvimento OpenEdition Lab, ele começou em 2011 com as equipes OpenEdition e do Laboratório de informática de Avignon (LIA) e o Laboratório de Ciência e Sistemas de Informação (LSIS, Aix Universidade Marseille - CNRS), graças à obtenção de um Google Grant para Humanidades digitais que permitiu em financiamento inicial

2 Informações extraídas de de « Bilbo, un outil d’annotation automatique des références », La Maison des revues, http://maisondesrevues.org/680

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 31 », Confins [En ligne], 31 | 2017, mis en ligne le 20 juin 2017, consulté le 24 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/12155

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org