Navigation – Plan du site

O deslocamento espacial de imigrantes haitianos: da desterritorialização à reterritorialização

Le déplacement spatial des immigrants haïtiens: de la déterritorialisation à la reterritorialisation
The spatial displacement of Haitian immigrants: from deterritorialization to reterritorialization
Ednaldo Tartaglia Santos et Odete Burgeile

Résumés

Cette recherche est née de l'intérêt pour l'étude de la présence d'immigrants haïtiens à Porto Velho, Rondônia, sud de l'Amazonie brésilienne. Notre question de recherche était: comment fonctionne le processus de migration d'un groupe d'immigrants haïtiens à Porto Velho, Rondônia, compte tenu de son déplacement spatial inséré dans un monde postmoderne? Pour répondre à cette question, nous avons fait une recherche ethnographique qualitative et nous l’avons associée, surtout, aux perspectives sur le territoire (GUATTARI; ROLNIK, 1996; HAESBAERT, 2012), à propos de la déterritorialisation, la reterritorialisation et déreterritorialisation (DELEUZE; GUATTARI, 1996, 1997; GUATTARI; ROLNIK, 1996; HAESBAERT, 2012). Les données recueillies ont fourni une étude historique et socio-culturelle des immigrants haïtiens impliqués dans les dynamiques de la déterritorialisation et de la reterritorialisation, motivés par la recherche de travail et de meilleures conditions de vie.

Haut de page

Texte intégral

Haitianos no AcreAfficher l’image
Crédits : http://fotospublicas.com/

1A palavra migrar está inter-relacionada com a palavra território e principalmente com o sujeito que pratica essa ação em determinados espaços. O objetivo desse estudo não foi o de trabalhar o espaço ou o território físico, mas sim verificar o processo de des-reterritorialização vivido pelos sujeitos na passagem de um território ao outro. Nesse sentido, esse trabalho transita pelos campos teóricos do Multiculturalismo e da Geografia Cultural.

2Assim, por meio de leituras, de sondagens e de conversas com os próprios imigrantes haitianos, surgiram inquietações sobre como funciona o processo de saída e de entrada em um território. Diante disso, fizemos a seguinte pergunta de pesquisa: como é o processo migratório de um grupo de imigrantes haitianos em Porto Velho, capital do Estado de Rondônia – Brasil, considerando seu deslocamento espacial inserido em um mundo pós-moderno? 

3Para responder nossa pergunta, fizemos uma pesquisa etnográfica e qualitativa, com a utilização de questionários escritos e entrevistas gravadas. Analisamos o modo como os sujeitos representam imaginariamente o deslocamento espacial. Nesse contexto, estamos entendendo território por um viés do multiculturalismo em que o território e as territorialidades vão além de espaços físicos, transcendendo ao nível sociocultural.

4O questionário consistiu em trinta e cinco perguntas as quais, por consulta prévia aos imigrantes, elaboramos opções de respostas, entretanto, deixamos um espaço em aberto, caso os informantes optassem em acrescentar uma resposta diferente das listadas no questionário. O questionário foi dividido em três partes: a primeira contemplou o estudo do perfil dos sujeitos; na segunda parte, procuramos verificar o processo de desterritorialização na visão do sujeito; e o terceiro momento contemplou o processo de reterritorialização.

5Para a aplicação do questionário e das entrevistas, elegemos dois bairros de Porto Velho, Bairro São Cristóvão e Liberdade, devido à grande concentração de imigrantes haitianos. Dentro desse universo, utilizamos o critério de espontaneidade e utilizamos as entrevistas de vinte informantes igualmente divididos entre homens e mulheres. Além disso, selecionamos os imigrantes que estavam no Brasil em um período superior a oito meses, pois considerávamos que esse público teria uma interação comunicativa em língua portuguesa suficiente para evidenciar os fenômenos propostos

Aspectos teóricos e conceituais dos movimentos de (des)reterritorialização

6Nesta seção, abordamos os termos desterritorialização e reterritorialização. Para isso, fizemos uma breve explanação a respeito do sujeito pós-moderno (HALL, 2006) e sobre quatro vertentes de território (HAESBAERT, 2012) para adentrarmos nos quatro teoremas da desterritorialização (DELEUZE; GATTARI, 1996) e, assim, melhor compreender as dinâmicas espaciais dos imigrantes haitianos.

7A concepção de sujeito adotada em nossa pesquisa foi a de sujeito pós-moderno apontada por Hall (2006). Segundo o autor, esse sujeito não tem uma identidade fixa, ela varia de acordo com as formas pelas quais somos representados ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam. O sujeito assume identidades de acordo com a ocasião e o momento. Ele sofre influência do sistema sociocultural que está inserido (HALL, 2006, p. 10-12). No caso da migração haitiana, temos o sujeito pós-moderno que, devido a variados fatores que abordaremos adiante, vive as dinâmicas espaciais da modernidade, afetando sua territorialidade física e simbólico-cultural.

8A respeito das concepções de território, Haesbaert (2012, p. 40) agrupa quatro vertentes básicas: a política, a cultural, a econômica e a natural. A primeira vertente, a política, está vinculada às relações de espaço-poder e é a mais propagada. Nela, o território é visto como um espaço demarcado e controlado por um determinado poder que, na maioria das vezes, se remete ao poder político do Estado. A segunda vertente, a cultural ou simbólico-cultural, prioriza a dimensão simbólica na qual o território é visto “como um meio de apropriação e de valorização simbólica de um grupo em relação ao seu espaço vivido”. A terceira vertente, a econômica, pouco difundida, destaca a dimensão territorial das relações econômicas. Assim, o território é visto como uma fonte de recurso ligada às classes sociais e na relação capital-trabalho. A quarta e última vertente é a natural ou a naturalista que prioriza a relação entre sociedade e natureza, principalmente, “no que se refere ao comportamento ‘natural’ dos homens em relação ao seu ambiente físico” (HAESBAERT, 2012, p.40).

9Nesse contexto, Haesbaert (2012, p. 35) lembra que a desterritorialização pode estar ligada às instabilidades das fronteiras, principalmente das estatais. Assim sendo, temos um território político. Por outro lado, o processo de desterritorialização pode estar ligado a uma fusão cultural, proporcionando o surgimento de identidades “indefinidas”, se assim podemos dizer, e, neste caso, temos um território simbólico que serve de referência para a construção de identidades. Desse modo, percebemos que a concepção de território vai além de uma demarcação espacial, alcançando níveis simbólicos.

10A partir das explanações sobre territórios apontadas acima, adentramos ao termo desterritorialização, creditado aos filósofos franceses Gilles Deleuze e Félix Guattari (1996). Esses filósofos discutiram a respeito de quatro teoremas de desterritorialização. O primeiro teorema consiste em dizer que “Jamais nos desterritorializamos sozinhos, mas no mínimo com dois termos [...]. E cada um dos dois se reterritorializa sobre o outro” e ainda afirmam que a reterritorialização “implica necessariamente um conjunto de artifícios pelos quais um elemento, ele mesmo desterritorializado, serve de territorialidade nova ao outro, que também perdeu a sua”. Nesse caso, temos um sistema de desterritorialização horizontal e um complementa o outro (DELEUZE; GUATTARI, 1996, p. 40-41).

11O segundo teorema consiste em dizer que o movimento de desterritorialização mais rápido não é forçosamente o mais intenso ou o mais desterritorializador. O movimento “mais rápido conecta sua intensidade com a intensidade do mais lento, a qual enquanto intensidade, não o sucede, mas trabalha simultaneamente sobre outro estrato ou sobre um outro plano” (DELEUZE; GUATTARI, 1996, p. 41).

12Temos, no terceiro teorema, o sistema de reterritorialização vertical que acontece de baixo para cima. O movimento “menos desterritorializado se reterritorializa sobre o mais desterritorializado”. A desterritorialização relativa, também chamada de “transcodificação”, se “reterritorializa sobre a desterritorialização absoluta em determinado aspecto (sobrecodificação)” (DELEUZE; GUATTARI, 1996, p. 41, grifo do autor).

13No quarto teorema, Deleuze e Guattari (1996, p. 42) salientam que a “máquina abstrata não se efetua então apenas nos rostos que produz, mas, em diversos graus, nas partes do corpo, nas roupas, nos objetos que ela rostifica segundo uma ordem das razões”. Nesse contexto, compreendendo as metáforas dos filósofos, a desterritorialização é como uma transcodificação, pois esse movimento não acontece somente na perda do território, mas em partes, em níveis que também se reconfiguram em uma nova roupagem, isto é, na construção de um novo território, de uma nova identidade, ou seja, na reterritorialização.

14Haesbaert (2012, p. 16), debruçando nos estudos a respeito dos teoremas de desterritorialização de Deleuze e Guattari (1996), aborda a desterritorialização como um mito, pois, segundo ele, o ser humano não pode viver sem território, a sociedade não pode existir sem territorialidade e, ainda, acrescenta que todo o movimento de destruição de território é, de algum modo, a reconstrução de novas bases.

15Esse entendimento pode ser observado no primeiro teorema de desterritorialização de Deleuze e Guattari (1996, p. 40-41) em que apontam os dois movimentos (desterritorialização e reterritorialização) como via de mão dupla e, também a nosso ver, não se limitam às abordagens sobre o movimento de desterritorialização, mas sim a uma série de forças que envolvem os movimentos vinculados à mobilidade espacial e à construção de novos territórios, significados e identidades. Com isso, devemos pensar que a desterritorialização e a reterritorialização são processos concomitantes, pois os territórios, nos deslocamentos espaciais da sociedade, sempre comportam dentro de si uma força desterritorializante e reterritorializante, isto é, a des-reterritorialização.

16Alguns estudiosos associam o caráter do processo desterritorializador da sociedade contemporânea devido a sua condição “pós-moderna” (HALL, 2006; HAESBAERT, 2012; CANCLINI, 2013). As sociedades modernas são, por essências, sociedades de mudanças constantes, ágeis e permanentes (HALL, 2006, p. 15). O mundo moderno exige essa agilidade que reflete nas relações sociais e, também, entre sociedade e espaço. O rompimento das territorializações tradicionais, marcada pelas comunidades sociais, abre espaço, ou melhor, perde espaço para o movimento da modernidade que estabelece sua própria reterritorialização que, nesse caso, acompanha a velocidade e a fusão, o multi, o híbrido do mundo moderno (CANCLINI, 2013).

17Assim sendo, exploramos até aqui algumas acepções sobre os movimentos de desterritorialização e de reterritorialização. Percebemos, por meio das discussões apresentadas, que esses deslocamentos espaciais acontecem simultaneamente, sugerindo o termo que os aglutinam, a des-reterritorialização, que, por sua vez, é uma forma de compreender os teoremas da desterritorialização de Deleuze e Guattari (1996), pois integra o movimento de saída ao de entrada. Portanto, com base nessas considerações, entendemos, nesta pesquisa, que o movimento de des-reterritorialização é quando os sujeitos passam pela experiência das dinâmicas dos movimentos espaciais, isto é, pela a saída e a entrada em territórios. E que esses territórios não são simplesmente físicos, mas também simbólico-culturais.

Do Haiti ao Brasil

18Nesse estudo, trabalhamos o Haiti como o território de saída e o Brasil como território de entrada dos imigrantes haitianos. Assim, é importante conhecer esses territórios para compreender os movimentos espaciais de desterritorialização e reterritorialização vividos por esses imigrantes.

19Antes de adentrarmos nessa discussão, citamos algumas pesquisas que investiram na temática a respeito da migração na Amazônia brasileira. Oliveira (2006) reuniu experiências de pelo menos duas décadas de estudos que envolveram o percurso desde os processos históricos como as migrações ocorridas no passado recente estimuladas pela intensificação do extrativismo da borracha, até os deslocamentos contemporâneos das populações indígenas para as cidades da região, como exemplo as capitais amazônicas de Manaus (Amazonas), Belém (Pará), Porto Velho (Rondônia) e Rio Branco (Acre).

20A respeito da imigração haitiana, Oliveira (2006) também deu atenção para esse deslocamento espacial nos estados brasileiros do Acre, Rondônia e Amazonas, observando a postura do Estado, o papel da sociedade e das instituições dedicadas a prestar assistência aos imigrantes haitianos em situação mais vulnerável.

21Pereira (2016), pesquisando sobre os imigrantes haitianos em Porto Velho, procurou compreender aspectos da experiência religiosa evangélica de haitianos no contexto migratório a partir da análise de “lugaridades”, construídas em entrevistas com haitianos e brasileiros que vivenciaram os deslocamentos espaciais. Em sua pesquisa, a autora procurou desvelar a geograficidade em alteridade dos mundos dos haitianos evangélicos.

22Outra pesquisadora que trabalhou com os haitianos em Porto Velho, foi Martins (2013) que descreveu a interferências da língua falada pelos haitianos (francês e crioulo) no português, registrando alguns aspectos históricos e culturais desse grupo.

23Ainda a respeito de pesquisas na capital de Rondônia, Santos e Burgeile (2015) pesquisaram as estratégias linguísticas desenvolvidas por um grupo de haitianos para a aquisição da língua portuguesa em ambientes informais. Com os dados coletados na pesquisa, os autores tentaram expor as dificuldades socioculturais no âmbito da língua que os imigrantes haitianos tiveram e que estão submetidos ao adentrarem em terras brasileiras, nesse caso, em Porto Velho.

24Retomando a discussão dessa seção, comentamos a respeito do território de saída e de entrada, bem como procuramos mostrar alguns dos motivos que possivelmente colaborou para a migração haitiana.

25O Haiti carrega o título de país mais pobre das Américas. A maioria da população vive na condição pobreza e, de acordo com dados apresentados em 2014 pela Organização das Nações Unidas - ONU, o Haiti apresenta um dos mais baixos índices de desenvolvimento humano do mundo – IDH, com o índice de 0,471, ocupando a 168ª posição 1. O país representa historicamente a primeira república negra do mundo. Sua população é composta, em sua grande maioria, por negros, mais de 95% da população (LOUIDOR, 2013, p. 14).

26Os haitianos tiveram uma conturbada trajetória histórica. No período colonial das Américas, o Haiti foi dominado, primeiramente, pela Espanha, posteriormente caiu sobre o domínio francês e estadunidense.

27Por muito tempo, a independência do Haiti não foi reconhecida. Na maioria das colônias europeias na América, o processo de independência se dava por meio de uma elite, contando com uma participação popular pouco significativa. Já no Haiti, o processo de independência foi liderado pela grande maioria da população negra, que era escravizada (CÉSAIRE, 2012, p. 24).

28Após a independência em 1804, como forma de represália à Revolução Haitiana, os escravocratas americanos e europeus firmaram um bloqueio naval contra o país revolucionário, isolando-o comercialmente por cerca de 60 anos, massacrando sua produção, bem como sua economia. Posteriormente, o Haiti sofreu com o golpe de Estado e caiu em uma ditadura militar baseada na imposição forçada e os grandes escândalos em desvios de recursos do país que acentuou seu declínio (JOINT, 1999, p. 21).

29Com essas explanações, percebemos as dificuldades que o Haiti teve em se tornar, de fato, um país independente. Isso levou alguns haitianos a buscarem novas oportunidades em outros territórios.

30A respeito do território de entrada, o Brasil é considerado um país emergente e, de acordo com dados apresentados em 2014 pela Organização das Nações Unidas - ONU, ele apresentou Índice de Desenvolvimento Humano – IDH de 0,744, desse modo, ocupanda a 79ª posição. Sua população é de aproximadamente 200,36 milhões de habitantes. A população em situação de pobreza multidimensional é de 3,06 (%) 2.

31O Estado de Rondônia é território de entrada e de permanência dos nossos informantes. Ele faz parte dos 26 Estados da República Federativa do Brasil, sua população, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE 3, em 2015, é de 1.768.204 milhão de habitantes.

32Porto Velho, de acordo com estimativas do IBGE, tem uma população de aproximadamente de 502.204 mil habitantes em 2015 4. Ela surgiu com a construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM), em meio aos dois ciclos da borracha, que desencadeou em migrações para a região de Porto Velho e Guajará-Mirim. A capital do estado foi projetada para atender os trabalhadores da ferrovia (SILVA, 1984; TEIXEIRA; FONSECA, 2001, p. 142-144).

33Recentemente, no início do século XXI, a capital de Rondônia passou por um novo ciclo de imigração e econômico proporcionados pelas construções das usinas hidroelétricas de Santo Antônio e de Jirau, no Rio Madeira. Com isso, Porto Velho recebeu investimentos federais e dos consócios responsáveis pelas construções das usinas como compensação pelas duas grandes obras na capital. Assim, a cidade tornou-se um canteiro de obras, fomentando a construção civil, além das inúmeras oportunidades de empregos no setor de serviço. Todo esse cenário proporcionou um deslocamento populacional instantâneo para Porto Velho, pessoas de diversas áreas do país imigraram para trabalharem nas obras das usinas do Madeira. Concomitante a esse movimento espacial de brasileiros, aconteceu à imigração haitiana.

34Assim, voltemos para as possíveis causas que podem estar associadas à inclusão do Brasil na rota da imigração haitiana. Uma dessas hipóteses consiste em afirmar que os Estados Unidos aumentaram suas restrições para a imigração, principalmente após o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001 (SILVA, 2013, p. 04). Com isso, os haitianos tiveram que se redimensionar e procurar novos territórios com oportunidades de trabalho.

35A falta de alimento no Haiti foi outro fator que desencadeou o processo migratório e estaria associada à política de exportação e importação, pois os haitianos importam a maior parte da comida que consomem (FERNANDES, 2010, p. 01).

  • 5 INTERNATIONAL RECOVERY PLATAFORM. Números oficiais apresentados pelo Post Disaster Needs Assessment (...)

36A região do Haiti é propícia a tempestades e a furacões, como Fay, Gustav, Anna e IIke que atingiram a região antes do terremoto de 2010 (ALLEGRI, 2013, p. 09). O terremoto que atingiu o país em 2010 também fomentou o deslocamento espacial. Neste último episódio, cerca de 15% da população do Haiti, o equivalente a 1,5 milhões, foram afetadas diretamente pelo sismo. De acordo com um levantamento nacional realizado meses após o terremoto, mais de 300 mil pessoas morreram, 1,3 milhões de haitianos estavam vivendo em abrigos temporários e mais de 600 mil pessoas deixaram as áreas atingidas e foram para outras regiões do país 5. O pós-terremoto deixou a Haiti em situação ainda mais crítica, colaborando para a migração de milhares de haitianos.

37Um ponto que tem atraído a imigração dos haitianos para o Brasil foi a realização de grandes eventos acompanhados de suas obras, como as construções de usinas hidroelétricas (em Rondônia), a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 (COGO, 2014, p. 25).

38A assistência humanitária, a participação e a presença do Brasil no Haiti como líder da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti - Minustash, também, podem ser vistas como fatores que proporcionaram a migração para o Brasil.

  • 6 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Resolução Normativa nº 97, 102 e 106. Disponível em: <http://port (...)

39Com isso, voltemos para um entendimento histórico. A imigração haitiana, no Brasil, se intensificou no início de 2010, logo após o terremoto que destruiu parte do Haiti. Os Estados do Amazonas e do Acre foram portas de entrada para essa imigração. Com a imigração da primeira leva de haitianos para o Brasil, buscaram-se alguns questionamentos sobre como assegurar direitos mínimos aos imigrantes. O Brasil não poderia recusar a entrada desses imigrantes, pois, afinal, desde 2004, tinha assumido o controle da Minustah e não permitir a entrada desses imigrantes poderia resultar em desgastes políticos de âmbito internacional. Com isso, o Brasil autorizou a entrada de imigrantes por meio do visto humanitário àqueles que estavam na fronteira e a caminho, intensificando o deslocamento espacial para o país6.

  • 7 Por se tratar de um artigo científico, não nos estendemos nessa seção. No entanto, é possível encon (...)

40Com os dados apontados neste item, podemos compreender melhor a respeito dos motivos que levaram os haitianos a procurarem o Brasil como linha de fuga. E, também, as possíveis causas que levaram imigrantes a permanecer no Estado de Rondônia, especialmente, em Porto Velho7.

Os movimentos espaciais na perspectiva dos sujeitos

41Aqui, apresentamos os dados coletados em nossa pesquisa de campo. A primeira parte expõe o estudo do perfil dos imigrantes haitianos. Na segunda parte, procuramos verificar o processo de desterritorialização na visão do sujeito. Já o terceiro momento contempla o processo de reterritorialização.

42Assim, entrevistamos imigrantes com idade entre 24 e 53 anos, sendo sua maioria, ativa para o mercado de trabalho, pois, sua grande concentração, está distribuída em pessoas de 25 a 39 anos. A respeito do estado civil dos haitianos, 45% dos informantes salientaram que são casados, 30% salientaram que moram juntos e 25% dos informantes disseram que são solteiros. O nível de instrução variou, pois encontramos de haitianos não escolarizados até imigrantes com ensino superior incompleto. Os imigrantes entrevistados residem em Porto Velho em um período de oito meses a quatro anos. A respeito da religião dos imigrantes, 10% dos informantes se autodefiniram como católicos e 90 % como protestantes.

43Investigamos também sobre as línguas faladas pela comunidade haitiana e encontramos a predominância, segundo os informantes, de quatro idiomas: crioulo, francês, espanhol e inglês. Assim, 90% dos imigrantes disseram que compreendem e falam o francês e 100% dos informantes também disseram que compreendem e falam o crioulo.

44Com efeito, vimos que 90% dos haitianos disseram que falam e compreendem o francês, todavia, de acordo com Rodrigues (2008, p. 66-67), o francês é a língua de prestígio social falada por cerca de 5% da população haitiana. Geralmente o francês é falado pela elite haitiana e por pessoas que tiveram acesso ao ensino superior. Sendo assim, tentamos compreender esse posicionamento dos haitianos pelo fato de o francês ser a língua de prestígio no Haiti e os informantes, isentando-se do sentimento de inferioridade, fora de seu país, afirmaram ter domínio de desse idioma. Calvet (2002, p. 79), falando sobre variação e atitudes linguísticas, salienta que é por considerar o próprio modo de falar com pouco prestígio que a pessoa tenta imitar, de modo exagerado, as formas que ele acha prestigiosas. Podemos vincular essa afirmação às declarações dos imigrantes, pois eles veem o idioma francês como língua de prestígio, língua de poder no Haiti, desse modo, dizem dominá-la.

45Fizemos algumas perguntas que contemplaram o processo de desterritorialização, assim, podemos identificar algumas forças que levaram os haitianos a imigrarem de seu país para o Brasil (DELEUZE; GUATTARI, 1996; HAESBAERT, 2012; CANCLINI, 2013). Perguntamos aos haitianos o que vieram fazer no Brasil e dentre as várias respostas que tivemos, elaboramos resumidamente a Tabela 01.

Tabela 01: Motivos dos haitianos terem imigrado para o Brasi

Sexo

 

Masculino

Feminino

Total

Freq.

%

Freq.

%

Freq.

%

O que veio fazer no Brasil?

Trabalhar

9

90%

8

80%

17

85%

Ajudar a família

0

0%

1

10%

1

5%

Passeio e resolveu ficar

1

10%

0

0%

1

5%

Acompanhar o cônjuge

0

0%

1

10%

1

5%

Total

10

100%

10

100%

20

100%

Fonte: Santos e Burgeile, 2017.

46Entre as diferentes respostas, a palavra trabalho ou trabalhar esteve presente em dezessete discursos. Assim sendo, na Tabela 01, tivemos: 90% dos homens e 80% das mulheres entrevistados salientaram que o principal motivo de estarem no Brasil era para conseguir trabalho. Nesse contexto, percebemos que o território brasileiro é visto pela maioria dos entrevistados como um elemento econômico ou, como disse Haesbaert (2012, p. 40) sobre a dimensão econômica, o território é visto “como fonte de recursos e/ou incorporado no embate entre classes sociais e na relação capital-trabalho”. Assim, trabalhar e ajudar a família alude ao ganho de capital para se subsidiar e, também, auxiliar a família que ficou no Haiti.

47Verificarmos os motivos que levaram os imigrantes a saírem de seu país. Os dados coletados revelam que: 40% dos entrevistados apontaram o terremoto como principal motivo e, desse modo, de acordo Haesbaert (2012) temos a influência natural ou da dimensão natural; 30% disseram que foi o desemprego, neste ponto, temos a dimensão econômica (HAESBAERT, 2012); 20% dos haitianos afirmaram que foi por causa do terremoto e, também, pelo desemprego, com esses dados temos a junção da dimensão natural e da econômica; 5% dos informantes apontaram o desemprego e para acompanhar o cônjuge, aqui também temos influência econômica e também das redes sociais (REQUENA SANTOS; MUÑOZ, 2002); 5% dos imigrantes disseram que a economia de seu país estava ruim e saiu em busca de uma vida melhor, novamente o predomínio da dimensão econômica. Desse modo, podemos apontar o terremoto de 2010 e o desemprego como os principais motivos que levaram os haitianos a saírem de seu país, contribuindo para o processo de desterritorialização desse grupo.

  • 8 un conjunto finito de actores o grupos de actores y las relaciones definidas entre ellos” (REQUENA (...)

48Investigamos se os imigrantes tiveram alguma ajuda financeira para imigrarem para o Brasil. De acordo com os dados coletados tivemos: 70% dos homens e 60% das mulheres disseram que tiveram ajuda financeira para imigrarem para o Brasil; todavia, 30% dos homens e 40% das mulheres disseram que não. Requena Santos (1998, p. 653, tradução nossa) aponta que a rede social “é um conglomerado finito de indivíduos ou grupos de indivíduos e das relações estabelecidas entre ambos” 8. Desse modo, há uma relação financeira entre os imigrantes para auxiliar no processo migratório, relação essa que transcende o seio familiar, visto que os informantes apontaram, como colaboradores: os pais, irmãos, primos, tias, cônjuge, e, até mesmo, amigos. Assim, a comunidade social em redes colaborou para a dinâmica de desterritorialização dos imigrantes haitianos (DELEUZE; GUATTARI, 1996; REQUENA SANTOS, 1998; CANCLINI, 2013).

49Pesquisando sobre o processo de saída, perguntamos aos haitianos por onde passaram até chegar ao Brasil. O nosso principal objetivo, com essa pergunta, era identificar o território onde esses imigrantes estavam antes de se deslocarem para o Brasil. Encontramos informações ímpares que estão expressas na Tabela 02.

Tabela 02: País que os haitianos residiam antes de imigrarem para o Brasil

Sexo

 

Masculino

Feminino

Total

Freq.

%

Freq.

%

Freq.

%

Onde estava antes de imigrar para o Brasil?

Saiu do Haiti

7

70%

4

40%

11

55%

Saiu da Rep. Dominicana

3

30%

6

60%

9

45%

Total

10

100%

10

100%

20

100%

Fonte: Santos e Burgeile, 2017.

50Em uma análise geral (Tabela 02), 55% dos imigrantes entrevistados saíram do Haiti, enquanto outros 45% afirmaram terem saído da República Dominicana. Percebemos que alguns haitianos se encontravam na República Dominicana e já estavam desterritorializados, em relação ao Haiti, e novamente passaram por um processo de desterritorialização imigrando para o Brasil. No entanto, Haesbaert (2012, p. 35) lembra que a desterritorialização pode estar ligada à instabilidade das fronteiras, principalmente das fronteiras estatais, desse modo, temos, nesse caso, influências políticas no processo de desterritorialização, pois a liberação dos vistos humanitários, pelo governo brasileiro, proporcionou não somente uma migração do Haiti para o Brasil, mas também um deslocamento de haitianos que estavam na República Dominicana. Esses dados revelam que os imigrantes haitianos vivem em constantes processos de migração, evidenciando, de acordo com Hall (2006), que as sociedades modernas são sociedades de mudanças constantes, ágeis e permanentes.

51Ainda com as informações obtidas com a questão anterior, construímos o Mapa 01 com as rotas traçadas pelos imigrantes haitianosque até chegarem ao Brasil.

Mapa 01: Rotas dos imigrantes haitianos para o Brasil

Mapa 01: Rotas dos imigrantes haitianos para o Brasil
  • 9 Esse mapa foi construído a partir das informações dos imigrantes haitianos e adaptado por meio do G (...)

Fonte: Santos e Burgeile, 20179.

52No Mapa 01, temos a rota por onde os imigrantes haitianos disseram que passaram. A maioria dos informantes disse que saiu do Haiti, passou pela República Dominicana. Alguns seguiram pela América Central, no Panamá e passaram pelos países do leste da América do Sul até chegarem ao Peru e à Bolívia e se direcionaram para o Brasil, entrando, principalmente, pelos Estados do Acre e do Amazonas.

53As próximas linhas desse trabalho consistem em analisar o processo de reterritorialização levando em consideração, de acordo com Deleuze e Guattari (1996), Haesbaert (2012) e Canclini (2013), a chegada, a mistura de culturas, a apropriação material e simbólico-culturais, e a reconstrução de um imaginário. Desse modo, exploramos os motivos que levaram os imigrantes a permanecerem em Porto Velho. Com os dados coletadas construímos a Tabela 03:

Tabela 03: Motivos dos haitianos terem permanecido em Porto Velho

 

Sexo

 

Masculino

Feminino

Total

Freq.

%

Freq.

%

Freq.

%

Por que escolheu ficar em Porto Velho?

Trabalho aqui

7

70%

3

30%

10

50%

Acompanho o cônjuge

0

0%

3

30%

3

15%

Tenho família aqui

0

0%

2

20%

2

10%

Gostei daqui

3

30%

2

20%

5

25%

Total

10

100%

10

100%

20

100%

Fonte: Santos e Burgeile, 2017.

54O principal fator relatado foi o trabalho, pois 50% dos informantes disseram que escolheram Porto Velho devido ao fato de terem conseguido trabalho, nesse caso, temos a força da dimensão econômica influenciando a permanência dos imigrantes na região (HAESBAERT, 2012).

55Analisamos se os imigrantes pretendem voltar para o Haiti e 10% dos informantes disseram que não sabem ou ainda não decidiram, entretanto, 25% disseram que pretendem voltar para sua terra natal, pois, a família ficou no Haiti, principalmente, cônjuges e filhos. Assim, 65% dos informantes querem ficar no Brasil, demonstrando que esses imigrantes conseguiram alcançar (ou parte de) seus objetivos com a imigração, ou seja, trabalho e melhores condições de vida. Valendo-se do viés da reterritorialização, em que Deleuze e Guattari (1996) afirmam que a “máquina abstrata não se efetua [...] apenas no rosto que produz, mas, em graus diversos, nas partes do corpo”, isto é, a reterritorialização levará em consideração vários aspectos, como as forças econômicas, políticas, naturais e culturais que auxiliarão os sujeitos imigrantes a permanecerem (ou não) e a construírem novos territórios (sejam simbólicos ou não) (HAESBAERT, 2012).

56Pensando na complexidade que é o processo de mudança e, também, o processo de reconstrução, investigamos quais foram as principais dificuldades encontradas no Brasil. As informações coletadas resultaram na organização da Tabela 04, que chama atenção pela expressividade dos números. Nela, verificamos que 80% dos homens e 70% das mulheres disseram que o principal problema encontrado no Brasil foi a língua portuguesa, isso corresponde, em uma análise geral, a 75% das afirmações dos entrevistados. Percebemos a complexidade que é a inserção social devido ao não conhecimento do idioma da comunidade local.

Tabela 04: Dificuldades dos haitianos encontradas no Brasil

 

 

 

 

 

 

Sexo

 

Masculino

Feminino

Total

Freq.

%

Freq.

%

Freq.

%

Qual foi a principal dificuldade encontrada no Brasil?

A língua portuguesa

8

80%

7

70%

15

75%

Desemprego

1

10%

1

10%

2

10%

A líng. port. e o desemprego

0

0%

1

10%

1

5%

A língua não foi problema

1

10%

0

0%

1

5%

Não tive problema

0

0%

1

10%

1

5%

Total

10

100%

10

100%

20

100%

Fonte: Santos e Burgeile, 2017.

57A necessidade de interação social e de aquisição da língua portuguesa, ambos inseridos no movimento de reterritorialização, levaram os imigrantes haitianos a buscar várias estratégias para se comunicarem com os brasileiros. Perguntamos aos imigrantes se, quando chegaram a Porto Velho, procuraram ambientes onde havia grande concentração de brasileiros para aprender a língua local ou aperfeiçoá-la. Sendo assim, os dados coletados apontam que 40% dos informantes disseram sim e 60% disseram não. Considerando a língua como interação social, elencamos os argumentos dos informantes que procuraram ambientes sociais e informais para aprender a língua portuguesa, são eles: procuraram escolas que ofereciam gratuitamente o ensino de língua portuguesa; sentiram necessidades de aprender a língua com os brasileiros; aprenderam com os brasileiros no trabalho; aprenderam em igrejas. Com isso, temos mais uma vez o auxílio das redes no processo reterritorialização e, nesse caso, para a aquisição de língua portuguesa (REQUENA SANTOS, 1998).

58Em relação aos haitianos que não procuraram lugares para aprenderem a língua portuguesa, alguns deram os seguintes argumentos: procuraram dicionários de português-espanhol e aprenderam no trabalho com os brasileiros. De acordo com Krashen (1981, p. 50), o contato com ambientes informais, a interação verbal, o convívio social e natural proporcionam aos seres de linguagens o desenvolvimento das competências linguísticas necessárias para promover a aquisição da linguagem.

59Apropriar do território (simbólico-cultural) do outro é uma forma de reterritorializar. Haesbaert (2012, p. 78) disse que o “território, de qualquer forma, define-se antes de tudo com referência às relações sociais (ou culturais, em sentido amplo) e ao contexto histórico em que está inserido”. Desse modo, inquirimos se os informantes já adotaram algum costume portovelhense e 35% dos informantes disseram que já adotaram algum costume da comunidade local; 65% disseram que não. Percebemos que, na percepção dos informantes, houve uma aceitação, ou melhor, uma apropriação do território local por alguns imigrantes.

60Transcrevemos os discursos, respectivamente, de um informante do sexo masculino e outro do sexo feminino em relação a costumes adotados. Enumeramos as transcrições (Ex.: T01, T02, T03...) para melhor discutir e fazer as remissões necessárias nesse trabalho.

(T01) – Sim porque tem muita coisa para fazer... tucumã, porque eu gostar de comer, nunca comer no Haiti... e outras comidas como a farinha! (Informante 14);

(T02) – Manje sim... trabalho no restaurante... gostou de carne com bife... carne assada! (Informante 20).

61As falas em T01 e T02 mostram uma aceitação da gastronomia local, assim sendo, isso pode resultar em uma apropriação de costumes locais. Os haitianos apontaram as comidas, como o tucumã, a farinha (de mandioca) brasileira, que é diferente da farinha haitiana e a carne assada (T01 e T02). Outros afirmaram, ainda, que já se apropriaram das músicas e do futebol brasileiro. Lembramos também que o fato de se comunicarem em língua portuguesa mostra a efetiva ação da dinâmica de reterritorialização através da construção de territorialidades simbólicas (DELEUZE; GUATTARI, 1996; HAESBAERT, 2012), pois a língua carrega uma bagagem sociocultural de um povo.

62Para verificar as relações das redes, perguntamos para os imigrantes quem os ajudaram quando chegaram a Porto Velho. A partir dos dados coletados tecemos a Tabela 05 em que obtivemos: 40% dos informantes disseram que não tiveram ajuda e 60% dos informantes disseram sim, e salientaram: tiveram ajuda de outros haitianos, de brasileiros, da família, de casa de apoio e do Governo de Porto Velho.

Tabela 05: Assistência em Porto Velho

Sexo

Masculino

Feminino

Total

Freq.

%

Freq.

%

Freq.

%

Quem te ajudou quando chegou a PVH?

Ninguém

6

60%

2

20%

8

40%

Haitianos

1

10%

2

20%

3

15%

Brasileiros

1

10%

0

0%

1

5%

Família

0

0%

6

60%

6

30%

Casa de apoio

1

10%

0

0%

1

5%

Gov. de PVH

1

10%

0

0%

1

5%

Total

10

100%

10

100%

20

100%

Fonte: Santos e Burgeile, 2017.

63Ainda com o foco nas redes, perguntamos se os informantes ajudaram algum membro da família ou amigos haitianos em suas residências na cidade de Porto Velho. Com essa questão, tivemos os seguintes dados: 80% dos homens e 70% das mulheres disseram que ajudaram outros haitianos em Porto Velho.

64Transcrevemos diálogos de alguns haitianos que prestaram algum tipo de auxílio a outros imigrantes:

(T03) – Ajudou muitos! Amigos, primos! Ajudou muito, porque tem bastante que chegar lá... na rodoviária, eu sempre pegar e dar comida, lugar para dormir! Perguntamos se o informante conhecia essas pessoas ao qual ajudou e o informante respondeu: – Não, só pra ajudar! (Informante 03).

(T04) – Trouxe muitos! Eu trouxe irmão, ajudou minha prima, ajudou amigos também! Perguntamos se o informante trouxe alguém que não conhecia e o informante respondeu: – Fiz isso bastante que eu não sabe quanto fez! Umas cento e poucas! Mais ou menos! Porque só no quarto eu colocar dez pessoas! Pega um que vem tomar banho se não quiser, nós comprar as coisas pra nós beber [...], comer e ficar aguardando! [...] Ajudei mais de cem pessoas! (Informante 13).

  • 10 Aqui, temos o Informante de número 22. É importante esclarecer que entrevistamos 25 imigrantes hait (...)

(T05) – Muitos! Amigos! Muitos, vários! Umas cem! (Informante 2210).

65Requena Santos e Muñoz (2002, p. 75) salientaram que entre os sujeitos não existem apenas o vínculo que os unem, mas a força desse vínculo. A força das redes está associada ao vínculo entre dois ou mais sujeitos. Assim, com os dados e os relatos transcritos acima (T03, T04 e T05), percebemos que a rede vai além de uma limitação de amizade ou familiar, pois temos as relações de parentesco e grupos étnicos, as relações sentimentais, as relações instrumentais e as relações de comunicação (KNOKE; KUKLINSKI, 1982, p. 16).

  • 11 La puissance du lien territorial revele que l’espace est investi de valeurs non seulement matériell (...)

66Investigamos também sobre as maneiras que os haitianos fazem para reviver o Haiti em território brasileiro. Percebemos que as lembranças de costumes, de tradições e de elementos do dia a dia, como as comidas típicas, alvorecem o sentimento de identidade dos haitianos diante da ausência da família, de amigos e do seu país de origem. Assim sendo, 100% dos haitianos procuram algum mecanismo para lembrar suas origens, suas famílias, suas identidades através de músicas, comidas típicas haitianas e datas comemorativas. Bonnemaison e Cambrézy (1996, p. 10) afirmam que a força do laço territorial revela que “o espaço está investido não apenas valores materiais, mas também éticos, espirituais, simbólicos e emocionais”11. Sendo assim, as lembranças dos imigrantes haitianos são formas de reativarem sua identidade cultural em meio ao processo de hibridação com o simbólico local.

67Haesbaert (2012, p.40) falando sobre território e suas relações, destacou a vertente econômica, onde o território é visto como uma fonte de recurso ligado às classes sociais e à relação trabalho, consequentemente, também ligadas à relação capital. Com isso, verificamos se os imigrantes estão trabalhando em Porto Velho, visto que esse era um dos objetivos dos haitianos com a migração para o Brasil. Tivemos os seguintes resultados: 70% dos homens e 30% das mulheres disseram que estão trabalhando em Porto Velho, com isso, percebemos que os homens têm facilidades em conseguir trabalho na capital de Rondônia; 30% dos homens e 70% das mulheres disseram que não estão trabalhando, esses dados apontam que o desemprego atinge com mais intensidade o público feminino.

68A respeito do território material, perguntamos para os imigrantes se conhecem algum haitiano que tenha adquirido algum bem material que pudesse influenciar na permanência do imigrante em Porto Velho. Com as respostas obtidas, construímos o Gráfico 01.

Gráfico 01: Espaço material dos imigrantes em Porto Velho (PVH)

Gráfico 01: Espaço material dos imigrantes em Porto Velho (PVH)

Fonte: Santos e Burgeile, 2017.

69Fazendo uma análise do Gráfico 01, que contempla o processo de reterritorialização, temos: 46% dos informantes disseram que não tinham conhecimento do assunto, porém 27% afirmaram que conhecem haitianos que compraram casas próprias em Porto Velho e outros 27% salientaram que conhecem haitianos que compraram terrenos.

70Além das afirmações a respeito de casas e terrenos adquiridos por haitianos, encontramos dois pequenos comércios de proprietários haitianos no Bairro São Cristóvão. É interessante relatar que Porto Velho possui uma Igreja Adventista construída pelos haitianos. Desse modo, percebemos que esses imigrantes estão se apropriando do território material e isso contribui para sua fixação, para sua reterritorialização. Assim, Guattari e Rolnik (1996, p. 323) salientam que o território é sinônimo de apropriação; é o conjunto de projetos e representações simbólicas e matérias que vai resultar em uma série de condutas, de investimentos espaciais, socioculturais, estéticos, cognitivos. Desse modo, a apropriação do território físico pelos haitianos é forma de visualizar a reterritorialização em Porto Velho.

71Como a religião também é um caractere de identificação e elemento cultural de um povo, assim como a língua faz parte do acervo cultural de uma sociedade, verificamos também a religião dos haitianos e perguntamos se frequentam alguma igreja de imigrantes haitianos em Porto Velho (ver Tabela 06).

 Tabela 06: Espaços religiosos frequentados pelos haitianos em Porto Velho

Sexo

Masculino

Feminino

Total

Freq.

%

Freq.

%

Freq.

%

Frequenta alguma igreja de imigrantes haitianos em PVH?

Não

4

40%

2

20%

6

30%

Sim, Igreja Ass. de Deus

1

10%

1

10%

2

10%

Sim. Igreja Metodista

2

20%

4

40%

6

30%

Sim. Igreja Adventista

2

20%

1

10%

3

15%

Sim. Igreja Batista.

0

0%

1

10%

1

5%

Sim. Igr. Univer. do R. de Deus

0

0%

1

10%

1

5%

Sim. Não lembra

1

10%

0

0%

1

5%

Total

10

100%

10

100%

20

100%

Fonte: Santos e Burgeile, 2017.

72A Tabela 06 traz as seguintes informações: 30% dos informantes disseram que não procuraram espaços religiosos em Porto Velho; 5% disseram sim, mas não lembram o nome da igreja, no entanto, 65% afirmaram que seguem alguma igreja protestante. Tivemos ainda as seguintes informações: dois imigrantes do sexo masculino disseram não frequentar igrejas de imigrantes, se justificaram dizendo que frequentam igrejas de brasileiros; um afirmou frequentar a Igreja Assembleia de Deus dos brasileiros e outro informante disse frequenta a Igreja Católica dos brasileiros.

73A maioria da população haitiana também tem o vodu como essência religiosa (TEIXEIRA, 2013, p. 140), entretanto, nenhum dos vinte informantes salientou ser adepto a esse segmento religioso. Aqui, é importante fazer alguns esclarecimentos, o vodu foi perseguido e marginalizado em boa parte da história haitiana, e existe uma resistência, por parte dos haitianos, em se declararem adeptos a essa religião. Assim, percebemos que em Porto Velho há certo silenciamento em se declarar praticante do vodu. Não sabemos como esse segmento religioso vem sendo ou se é propagado na capital de Rondônia, mas sabemos que faz parte da identidade dos haitianos. Assim, como nossa pesquisa não teve o objetivo de estudar a fundo os seguimentos religiosos dos haitianos, essa temática fica como assunto para novos trabalhos.

74Deleuze e Guattari (2010, p. 132) afirmam que a “desterritorialização e reterritorialização se cruzam no duplo devir”. Assim, esses dois movimentos ou a des-reterritorialização transformam os sujeitos. Por fim, vimos informações sobre o perfil dos sujeitos entrevistados, suas limitações no território de saída e alguns motivos que levaram ao movimento de desterritorialização. Em contrapartida, estudamos as ações desenvolvidas pelos imigrantes no novo território, a fusão de alguns seus costumes em meio à cultura local, a construção de novas identidades, a influência das redes nesses processos que contribuem para o movimento de reterritorialização.

Considerações finais

75Por meio deste trabalho, vimos que a noção de território vai muito além da simples demarcação espacial ou geográfica. O processo migratório abordado nesse trabalho não está simplesmente ligado ao deslocamento espacial: emigração e imigração. A noção de território faz emergir uma série de fatores, tais como linguísticos, identitários, históricos, culturais, sociais, como as redes e suas relações, dentre outros.

76A desterritorialização haitiana é movida por influências políticas, econômicas e naturais, todavia, com a saída do Haiti, os emigrantes levam consigo suas territorialidades, sua memória nacional, seus costumes, suas identificações, ou seja, sua carga simbólico-cultural. Assim sendo, esses elementos conduziram os imigrantes haitianos à dinâmica de desterritorialização, ou seja, a buscar uma linha de fuga, alternativas para subsidiar suas necessidades e de suas famílias. Observamos que o deslocamento espacial não é algo atual no Haiti, mas um processo que sempre aconteceu, entretanto, o terremoto de 2010 agravou ainda mais o quadro econômico do país, contribuindo para essa dinâmica espacial.

77O processo de entrada e reconstrução em um novo e desconhecido território vem acompanhado de dificuldades como a moradia, a alimentação e o desemprego. Vimos nessa pesquisa que os haitianos vêm para o Brasil, principalmente, para trabalhar, buscar uma vida melhor e também ajudar a família que ficou no Haiti. Entretanto, no novo território, se deparam com uma comunidade de costumes, língua e leis diferentes das suas. Os imigrantes relataram que as principais dificuldades encontradas no Brasil foram aprender a língua portuguesa e conseguir trabalho.

78As redes sociais também foram importantes para o processo de reterritorialização, pois muitos haitianos disseram que receberam ajuda de outros haitianos em Porto Velho, além de também terem acolhido outros conterrâneos como parentes, amigos e, até mesmo, desconhecidos.

79Por fim, essa pesquisa, a nosso ver, conseguiu responder ao nosso objetivo geral. Abordamos o processo migratório dos haitianos para o sul da Amazônia brasileira em uma perspectiva multicultural, bem como da Geografia Cultural que levam em consideração os deslocamentos espaciais do mundo pós-moderno, observando as territorialidades de saída e de entrada. Assim, as dinâmicas de desterritorialização e de reterritorialização haitiana não constituem meramente em uma passagem de um território ao outro, em um transplante da identidade original, mas sim, em uma fusão entre o referencial simbólico do antigo território com o novo, proporcionando uma (re)organização, uma (re)construção, uma hibridização das territorialidades de saída com as de entrada. Portanto, podemos dizer que a imigração haitiana compõe o quadro histórico, social e cultural da migração rondoniense e, especialmente, da imigração de Porto Velho.

Haut de page

Bibliographie

ALLEGRI, Ermano. In. Haiti por si: a reconquista da independência roubada / Adriana Santiago (org.). Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Resolução Normativa nº 97, 102 e 106. Disponíveis em: <http://portal.mte.gov.br>. Acesso em 20 de setembro de 2014.

______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php>. Acesso em 03 de junho de 2016

BONNEMAISON, Joël; CAMBRÉZY, Luc. Le lien territorial: entre fontières et Indentités. In: Géographies et Cultures (Le Territoire). n. 20. Paris: L’Harmattan, 1996.

CALVET, Louis-Jean. Sociolingüística: uma introdução crítica / Louis-Jean Calvet. Tradução Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2002.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas: Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

COGO, Denise. Haitianos no Brasil: comunicação e interação em redes migratórias transnacionais. In. Chasqui – Revista Latinoamericana de Comunicación. n. 125. Março, 2014.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 03. São Paulo: Editora 34, 1996.

______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 05. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

FERNANDES, Jéssica S. Operação Haiti: ação humanitária ou interesse político para o Brasil? PUC Minas, Conjuntura internacional, 2010

GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade / Stuart Hall; tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

INTERNATIONAL RECOVERY PLATAFORM. Post Disaster Needs Assessment – PDNA. Disponível em: <http://www.recoveryplatform.org/assets/publication/Action_Plan_12April_haiti.pdf>. Acesso em 19 de setembro de 2014.

JOINT, Gasner. Libération du Vaudou dans la dynamique d´inculturation en Haiti. Roma: Pontifícia Universidade Gregoriana, 1999.

KNOKE, David. ; KUKLINSKI; James H. Network analysis. Beverly Hills, Calif.: Sage, 1982.

KRASHEN, Stephen D. Second language acquisition and second language learning. Oxford: Pergamon, 1981.

LOUIDOR, Wooldy Edson. Uma história paradoxal. In. Haiti por si: a reconquista da independência roubada / Adriana Santiago (org.). Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS. Indicadores de Desenvolvimento Humano. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/countries/profiles>. Acesso em 14 de setembro de 2014.

REQUENA SANTOS, Félix. “Redes (sociales), análisis de”. In Diccionario de Sociologia. S. Giner; E. Lamo de Espinosa & C. Torres (Coords.). Madrid: Alianza, 1998.

______; MUÑOZ, Antônio Manuel Ávila. Redes sociales y sociolinguística. In. Estudios de Sociolingüística. Vigo: Servicio de Publicacións da Universidade de Vigo, 2002.

RODRIGUES, Luiz Carlos Balga. Francês, crioulo e vodu: a relação entre língua e religião no Haiti. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

SILVA, Amizael Gomes da. No rastro dos pioneiros: um pouco da história rondoniense. Porto Velho: SEDUC, 1984.

SILVA, Sidney Antonio da. Brazil, a New Eldorado for Immigrants?:The case of Haitians and the Brazilian Immigration Policy. In. URBANITIES. v.3. n. 2. November, 2013.

TEIXEIRA, Benedito. Vodu: cultura e religião, resistência e solidariedade. In. Haiti por si: a reconquista da independência roubada / Adriana Santiago (org.). Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013.

TEIXEIRA, Marco Antônio Domingues; FONSECA, Dante Ribeiro da. História regional: Rondônia. Porto Velho: Rondoniana, 2001.

Haut de page

Notes

1 PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS. Disponível em: < http://hdr.undp.org/en/countries/profiles/HTI>. Acesso em 14 de setembro de 2014.

2 PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/countries/profiles/BRA>. Acesso em 14 de setembro de 2014.

3 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br>. Acesso em 03 de junho de 2016.

4 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br>. Acesso em 03 de junho de 2016.

5 INTERNATIONAL RECOVERY PLATAFORM. Números oficiais apresentados pelo Post Disaster Needs Assessment – PDNA. Disponível em: <http://www.recoveryplatform.org/assets/publication/Action_Plan_12April_haiti.pdf>. Acesso em 19 de setembro de 2014.

6 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Resolução Normativa nº 97, 102 e 106. Disponível em: <http://portal.mte.gov.br>. Acesso em 20 de setembro de 2014.

7 Por se tratar de um artigo científico, não nos estendemos nessa seção. No entanto, é possível encontrar mais detalhes a respeito do território de saída e de entrada no Capítulo II de nossa dissertação de mestrado Imigrantes haitianos: da dinâmica de saída à dinâmica de entrada (SANTOS, 2014, p. 44-77).

8 un conjunto finito de actores o grupos de actores y las relaciones definidas entre ellos” (REQUENA SANTOS, 1998, p. 653).

9 Esse mapa foi construído a partir das informações dos imigrantes haitianos e adaptado por meio do Google Maps e do IBGE. Disponível, respectivamente, em: < https://www.google.com.br/maps/@-4.8891558,-66.4287335,4z > e < http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?lang=&coduf=11&search=rondonia > Acesso em: 03 de fevereiro de 2017.

10 Aqui, temos o Informante de número 22. É importante esclarecer que entrevistamos 25 imigrantes haitianos para a construção do corpus de pesquisa de nossa dissertação, no entanto, como expresso na introdução desse trabalho, utilizamos as entrevistas de 20 haitianos que atendiam aos nossos critérios de seleção (ver Introdução).

11 La puissance du lien territorial revele que l’espace est investi de valeurs non seulement matérielles mais aussi éthiques, spirituelles, symboliques et affectives (BONNEMAISON; CAMBRÉZY, 1996, p. 10).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 01: Rotas dos imigrantes haitianos para o Brasil
Crédits Fonte: Santos e Burgeile, 20179.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12176/img-1.png
Fichier image/png, 305k
Titre Gráfico 01: Espaço material dos imigrantes em Porto Velho (PVH)
Crédits Fonte: Santos e Burgeile, 2017.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12176/img-2.png
Fichier image/png, 27k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ednaldo Tartaglia Santos et Odete Burgeile, « O deslocamento espacial de imigrantes haitianos: da desterritorialização à reterritorialização », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 29 septembre 2017, consulté le 19 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/12176 ; DOI : 10.4000/confins.12176

Haut de page

Auteurs

Ednaldo Tartaglia Santos

Universidade Federal do Amapá - UNIFAP, Campus Santana, dinaldots@hotmail.com

Odete Burgeile

Universidade Federal de Rondônia – UNIR, odetebur@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org