Navigation – Plan du site
Resenhas

A geografia é uma velha dama que por metamorfoses sucessivas não cessa de rejuvenescer

La géographie est une vieille dame qui, par des métamorphoses successives, ne cesse jamais de rajeunir
Geography is an old lady who, through successive metamorphoses, never ceases to rejuvenate
Rita de Cássia Ariza da Cruz
Référence(s) :

Paul Claval, Géo-épistémologie, Paris, Armand Colin, 2017

Texte intégral

1A primeira obra do geógrafo Paul Claval que evidencia seu interesse por uma discussão epistemológica sobre a Geografia remonta ao ano de 1964, com o livro intitulado “Essai sur l’évolution de la Géographie Humaine”, publicado quando o autor tinha ainda apenas 32 anos.

2Quase quatro décadas mais tarde, no início do século XXI, Claval publicou duas obras assumidamente voltadas a um debate epistemológico sobre a Geografia, ambas intituladas Épistemologie de la Géographie, sendo a primeira em 2001 (Paris: Nathan, 266 p.) e a segunda em 2007 (Paris: Armand Colin, 304 p.). Ao longo desse período, ou seja, desde os anos 1960, dedicou-se a pesquisar e escrever sobre diversos temas como geopolítica, geografia regional, geografia urbana e, especialmente, geografia cultural, sendo considerado um dos principais teóricos nesse sub-campo da investigação geográfica.

3Tendo como uma de suas características um incrível vigor intelectual, no alto de seus 85 anos, Claval traz a público “Géo-épistemologie”, mais uma obra sua que se volta a pensar a Geografia no que tange a seus postulados, aos paradigmas metodológicos aos quais vinculou-se e à sua história evolutiva, enfim.

4E o que este livro tem de novo em relação aos livros anteriores do autor que abordam a mesma temática? O próprio título do livro é sugestivo de uma mudança operada pelo autor no tratamento da questão.

5Como afirma Claval, “a dialética entre o trabalho do geógrafo e o que o justifica está no centro desta obra”, que coloca, em um mesmo plano, geografia e epistemologia; reside aqui, portanto, a novidade a que nos referimos no parágrafo anterior.

6Ainda na Introdução, Claval fala das três formas de reflexão sobre o trabalho científico - a filosofia do conhecimento e das ciências , a epistemologia e a sociologia das ciências.

7Conforme o autor, a primeira remonta à Antiguidade, enquanto a segunda, a epistemologia, “aparece bastante tarde”, ou seja, já no século XIX e, mais tarde ainda, somente pelos idos dos anos 1940, surgiria a sociologia da ciência, que, segundo Claval, não se confunde com a sociologia do conhecimento, mais antiga e que não se interessa diretamente pela atividade científica.

8Essas ponderações preliminares são importantes para se compreender a organização do pensamento de Claval ao longo dos oito capítulos em que se estrutura esta obra, caminho pelo qual o autor busca construir pontes entre a epistemologia, enquanto teoria do conhecimento, e a geografia, enquanto campo disciplinar, durante o processo histórico de sua constituição.

9O primeiro capítulo trata das origens da geografia (Épistémologie et géographie: des origines à la géographie classique) e aqui já se evidencia o percurso analítico do autor no sentido de contextualizar epistemologicamente as origens da geografia moderna, ao discutir, por exemplo, os fundamentos epistemológicos da chamada geografia clássica, o que envolve a abordagem de questões relativas ao método positivista e seus desdobramentos sobre a produção do conhecimento geográfico.

10O recurso ao contexto histórico é igualmente uma estratégia utilizada por Claval no decorrer de todo o livro, o que, naturalmente, evidencia a posição do autor em relação ao reconhecimento da existência de uma intricada trama entre realidade, conhecimento, filosofia e epistemologia.

Paul Claval

Paul Claval

© Claude Truong-Ngoc / Wikimedia Commons

11Assim, a importância assumida pela perpspective regionale na geografia clássica, liga-se, segundo o autor, às profundas transformações pelas quais passa o mundo nesse período, decorrentes da primeira Revolução Industrial e da crescente urbanização a ela associada.

12O segundo capítulo (Nouveau contexte épistémologique et Nouvelle Géographie) confirma o propósito do autor de aproximar epistemologia e geografia; o primeiro sub-item do capítulo aborda o “novo contexto epistemológico” em que emerge a Nova Geografia, fundada, metodologicamente, no neo-positivismo lógico. Aqui, o contexto é, basicamente, a primeira metade do século XX, marcada por importantes progressos científicos e tecnológicos, além de duas grandes guerras mundiais.

13Claval aborda o sucesso do funcionalismo, a contribuição da Escola de Frankfurt, a ideia de ruptura epistemológica e a estrutura das revoluções científicas e de como a Nova Geografia se contextualiza em relação aos debates epistemológicos dos anos 1950 e 1960 na sua busca por dar conta de um mundo em que a modernização se universaliza.

14Ao contrário do que possa parecer, Claval “escapa” da armadilha da construção de uma “linha do tempo” da epistemologia e da geografia, recorrendo, a cada capítulo, às digressões históricas que se fazem necessárias.

15Ao abordar os anos 1970, Claval afirma ser o mesmo uma verdadeira “era de contestação”. É neste contexto histórico, tratado no capítulo 3, que ocorre, segundo o autor, “uma abertura epistemológica mais marcada”. Aqui Claval remete à relatividade dos saberes científicos, ao estruturalismo e à teoria da estruturação para, em seguida, remeter-se às epistemologias da desconstrução (que ele retoma no capítulo 5) e às novas ambições da sociologia das ciências (temática retomada no capítulo 7), que, segundo ele, “ascende a um novo estatuto”, não se contentando mais em fazer “o inventário das condições que tornam possível a pesquisa” e buscando, outrossim, mostrar “como a verdade (...) é construída” (p. 53).

16Segundo Claval, “a explosão de curiosidades” que caracterizam os anos 1970 “abrem novos caminhos aos geógrafos”, mas a despeito de a disciplina enriquecer-se com isso, ela “perde sua coerência”. É neste momento, sobretudo a partir do final dessa década e do início da seguinte, que, no que diz respeito ao contexto epistemológico, produz-se uma “reavaliação de dois dos grandes modelos aos quais as ciências do homem mais se referem: o marxismo e o estruturalismo” (p. 55). E é disso que trata o capítulo 4 (Géographie, pensée marxienne et théorie de la structuration).

17Interessante remarcar o fato de que o autor volta a tratar do estruturalismo, mas agora ele fala na passagem deste para “teorias da estruturação”, no plural, ressaltando, entre estas, a influência dos diferentes contextos epistemológicos sobre, por exemplo, as contribuições teóricas do sociólogo britânico Anthony Giddens, de um lado, e do sociólogo francês Pierre Bourdieu, de outro. A relação entre os métodos quantitativos e a geografia, a teoria dos sistemas, a semiologia, a percepção do espaço e do território e a mesologia são alguns dos sub-temas tratados pelo autor neste capítulo, que inclui, ainda, algumas palavras sobre a geografia social e a geografia cultural, esta última começando a se renovar na França nesse período.

18Como dissemos anteriormente, Claval volta ao tema da desconstrução no capítulo 5 (Les épistémoligies de la déconstruction: poststructuralisme et gégraphie critique). Segundo o autor, a partir de meados dos anos 1980 há uma aceleração nas transformações das concepções epistemológicas da geografia, o que decorre do “impacto da fenomenologia assim como de novas formas de pensar o marxismo e de compreender as estruturas” (p. 71).

19Claval inicia este capítulo abordando a gênese das epistemologias da desconstrução, que remonta ao século XIX, passando por sua popularização, a partir do final dos anos 1970 e analisando sua relação com o pós-estruturalismo, com a geografia crítica e com a pós-modernidade. Ainda neste capítulo, o autor aborda o pós-colonialismo e a passagem do que ele chama de “epistemologias da curiosidade” para “epistemologias do desejo”.

20Segundo Claval, “para a epistemologia clássica, a curiosidade constituía o motor do pensamento científico” (p. 80). Mas as mudanças operadas a partir dos anos 1980 abriram caminho para novas epistemologias, como é o caso das epistemologias feministas e dos estudos “queer”.

21A partir daí está sedimentado o terreno para uma nova era epistemológica, “a era das viradas”, que resulta em uma “virada disciplinar” que abarca uma “virada linguística da história e a virada espacial da sociologia” (p. 85).

22É neste contexto, conforme Claval, que os geógrafos tomam consciência da “virada cultural” que atravessa a disciplina depois dos anos 1970 e é disso que trata o capítulo 6 (L’ére des tournants et l’approche culturelle).

23O autor reconhece que as consequências dessa “mutação epistemológica” são capitais e que, por isso mesmo, opera-se uma mudança nos conteúdos da geografia. Conforme Claval “pela aproximação cultural, a geografia não existe mais somente na cabeça dos geógrafos” (p. 94). Além disso, assinala o autor, essa aproximação é diferentemente conhecida segundo o que se passa no quadro de uma ontologia em três níveis: aquela que abre ao pesquisador perspectivas críticas estimulantes ou aquela que se divide em outros dois níveis, qual seja, o caso em que o pesquisador acredita dispor de um saber superior, que lhe permite julgar tudo, e o caso em que o mesmo está mais atento para escutar aqueles que ele estuda (p. 97).

24Por fim, uma terceira ontologia: aquela que só reconhece um nível, sendo esta a via assumida pela sociologia das ciências, tema tratado pelo autor no capítulo 7 (Sociologie des sciences et théorie de l’acteur-réseau).

25De acordo com Claval, a nova sociologia crítica das ciências, divide-se, no final dos anos 1970, em dois programas: o “programa forte” (com David Bloor) e o “programa construtivista” (com Bruno Latour).

26Neste capítulo, o autor fala da sociologia das ciências como uma empreitada da desconstrução, ressaltando o papel de Bruno Latour nessa “virada” e analisando os limites da teoria do ator-rede assim como sua aplicação à geografia.

27Para tanto, Claval comenta a tese de doutorado de Yann Calbérac (2010), intitulada Terrains de géographes, géographes de terrain, que trata, em síntese da evolução da geografia francesa no que tange ao lugar que esta dedica ao “meio”. Destaca o fato de que Calbérac “construiu uma imagem da geografia como um agregado de pesquisadores – uma sociologia da geografia” e aponta para os riscos decorrentes de se historiar as idéias, mas se deixar de lado a pesquisa sobre a pesquisa e suas respectivas finalidades.

28Claval diz ter-se debruçado em detalhe sobre a teoria do ator-rede e sua influência sobre a geografia, destacando o fato de que ela produz uma atração mais forte sobre jovens pesquisadores.

29No último capítulo do livro (Questionnnements contemporains), com algumas poucas páginas, que antecedem a conclusão, Claval fala da transição de uma pluridisciplinaridade para uma metadisciplinaridade. Claval entende que as ciências humanas e sociais abrigam, todas elas, uma dimensão metadisciplinar e que estamos assistindo hoje, de fato, ao desenvolvimento de aspectos metadisciplinares dessas ciências.

30Neste sentido, afirma que “as ciências humanas não são indiferentes ao desenvolvimento das ciências cognitivas” (p. 110), que envolvem, por exemplo, a percepção, a linguagem, o raciocínio e a ação entre seus objetos. E ressalta que “as ciências cognitivas podem contribuir ao desenvolvimento do campo metadisciplinar” (p. 111).

31O autor aborda aqui a emergência da problemática ambiental e da importância das ciências sociais para a construção de um mundo sustentável e conclui o capítulo falando da “virada praxiológica” das ciências sociais.

32Segundo Claval, o desenvolvimento da praxiologia levou à formação de “doublets”, pois “às disciplinas universitárias clássicas se justapuseram os domínios aplicados, que levam em conta as dimensões estratégicas da ação humana” (p. 113). Para o autor, isto está em curso na geografia, sendo objeto de sua reflexão crítica.

33Claval conclui fazendo uma síntese pela qual diz que:

“Esta obra retrata a evolução dos princípios que guiaram e que ainda guiam a pesquisa geográfica. Delineados desde o final do século XVIII, detalhados ao final do século XIX, eles são enriquecidos a partir dos anos 1950, e então colocados em dúvida e repensados depois de 1970. Além da análise dos fundamentos epistemológicos da geografia, trata-se de um quadro sintético de sua história após dois séculos que é assim apresentado”.

Suas palavras finais, contidas na conclusão, são organizadas em duas partes. Na primeira delas, o autor aborda a dialética epistemologia-geografia, resgatando alguns dos principais pontos abordados ao longo do livro. Na segunda, ele fala da geografia como uma grande história, destacando as diversas fases pelas quais passou a disciplina ao longo do “grande movimento das sociedades e do conhecimento”.

34Parafraseando as palavras do próprio autor contidas na epígrafe desta resenha, ouso concluir dizendo que Claval é um geógrafo ancião cuja juventude da alma se traduz na sua inquietude por uma permanente busca por respostas. Não é por acaso que seu livro está repleto de perguntas; algumas respondidas por ele mesmo, mas todas jogadas ao vento para quem quiser aventurar-se a responder.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Paul Claval
Crédits © Claude Truong-Ngoc / Wikimedia Commons
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12312/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 364k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rita de Cássia Ariza da Cruz, « A geografia é uma velha dama que por metamorfoses sucessivas não cessa de rejuvenescer », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 22 septembre 2017, consulté le 19 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/12312

Haut de page

Auteur

Rita de Cássia Ariza da Cruz

Departamento de Geografia, FFLCH-USP, ritacruz@usp.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org