Navigation – Plan du site
Dossiê Rio Grande do Norte

Singularidades e diversidades do artesanato norte-rio-grandense

Singularités et diversités de l'artisanat Nord-Rio-Grandense
Singularities and diversities of the North-Rio-Grandense handicraft
Alessandro Dozena

Résumés

La compréhension de la construction soutenue par des stratégies de développement local révèle que les pratiques sociales créatives sont la condition d'une vie meilleure, et un contrepoint au mouvement hégémonique de restructuration capitaliste. Tel est le cas des activités artisanales, qui favorisent l'agrégation de valeur à l'entreprise avec un lien étroit entre les traditions, les coutumes locales, connaissances et actions; qui finissent par être incorporés dans les artisanats effectués. Dans l'État du Rio Grande do Norte la restructuration de la production est venue accompagnée de changements dans les modes de vie dans les petites et moyennes villes, et de nouveaux arrangements spatiaux qui ont émergé des économies créatives et des organisations communautaires locales. De tels arrangements rassemblent les acteurs politiques, économiques et sociaux ciblés sur les activités économiques ayant des liens de coopération, bien que souvent précaires. Pour la préparation de cet article, nous avons procédé à lecture et contextualisation avec la littérature en rapport du sujet, l'identification des activités artisanales dans l'État de Rio Grande do Norte, ainsi que des entrevues avec treize brodeuses.

Haut de page

Entrées d’index

Index by keywords :

craft, creativity, economy, development, culture.

Index géographique :

Rio Grande do Norte

Índice de palavras-chaves :

artesanato, criatividade, economia, desenvolvimento, cultura.
Haut de page

Texte intégral

Colagem do PicnikAfficher l’image
Crédits : https://papjerimum.blogspot.com.br
  • 1 O artigo também está relacionado com o projeto de estágio pós-doutoral BEX 0663/15-8 financiado pel (...)

1Entre os elementos trabalhados no Dossiê e os que consideramos como sendo nossas contribuições à questão central proposta - a de compreender a influência das políticas públicas sobre as transformações do território no estado do Rio Grande do Norte, expomos aqui algumas reflexões desenvolvidas1. Ao longo do desenvolvimento do projeto, nossa questão central evidenciou as economias criativas e a potencialidade destas para o desenvolvimento local, também ancorado na reestruturação produtiva, na medida em que esta última amplifica de modos diversos as transformações territoriais de caráter econômico, político e social; e também envolve as novas dinâmicas campo-cidade.

2A questão que inicialmente sugerimos foi: Qual é a relação existente entre a reestruturação produtiva e o papel dos segmentos contra-hegemônicos no Rio Grande do Norte, sobretudo os demarcados pela criatividade? A resposta a esse questionamento adveio da aproximação teleológica entre os fatos econômicos e os culturais. Como os fatos culturais favorecem os fatos econômicos, perseguimos a associação entre o desenvolvimento econômico e o desenvolvimento cultural.

3Assim sendo, realizamos a reflexão sobre as economias criativas e sugerimos a coexistência entre o tradicional e o moderno no âmbito da reestruturação produtiva local, instigado pelas possibilidades de inserção da criatividade nos processos produtivos.

4Vale destacar que nos últimos anos houve uma importante conquista na esfera política brasileira: o reconhecimento obtido pelos Segmentos Criativos, a partir da criação da Secretaria de Economia Criativa pelo Ministério da Cultura em 2011.

5Ao longo do desenvolvimento dessas reflexões, ficou claro para nós que o desenvolvimento dos Segmentos Criativos no Rio Grande do Norte tem proporcionado alterações sociais na economia e na organização territorial de algumas cidades potiguares, e que a dimensão cultural tem sido capaz de promover o desenvolvimento local, sempre tendo como premissa a consideração de que a dimensão econômica e as expressões culturais afluem no momento atual.

6Neste sentido, ao buscar compreender os Segmentos Criativos objetivamos ao mesmo tempo articulá-los com o processo de reestruturação produtiva e a dimensão espacial envolvida. Acompanhando a definição proposta por Sposito (2012), entendemos por reestruturação produtiva as mudanças ocorridas nas empresas, que igualmente modificaram o seu papel em diferentes escalas e formas de produção, o que reverberou em transformações espaciais nas cidades e nas redes de cidades; auxiliadas pela aceleração da circulação do capital e evolução das novas tecnologias.

7O estado do Rio Grande do Norte tem recebido ações empresariais provenientes de ordens externas à dinâmica estadual, o que desencadeia contatos em diferentes escalas. A chegada de grandes capitais tem incentivado diferentes usos do território, a partir de verticalidades e intencionalidades que muitas vezes acirram desigualdades e a exclusão social, como é o caso das ações direcionadas à fruticultura irrigada no Vale do Rio Açu, à extração de petróleo e gás natural na Chapada do Apodi, às atividades turísticas e à extração do sal marinho no litoral norte potiguar.

8As economias criativas emergem com um relevante papel enquanto alternativas econômicas viáveis diante das novas lógicas presentes na divisão territorial do trabalho e no contexto do mercado de bens e consumo. No decorrer do seu processo histórico, o conteúdo histórico-cultural do território potiguar contribuiu para reforçar esse papel. Ao estudarem a produção urbana em Mossoró (RN), Elias e Pequeno (2010) relatam que existe:

um choque permanente entre os elementos dos diferentes pares dialéticos para a análise e a produção do espaço, tais como as relações estabelecidas entre o público e o privado; entre as novas relações de produção e de trabalho e as pré-existentes (...); a cultura de subsistência do semiárido e a cultura das multinacionais; a solidariedade orgânica, localmente tecida há séculos e a solidariedade organizacional difundida com a chegada dos grandes capitais (Elias; Pequeno, 2010, p. 260-261).

9No contexto das solidariedades orgânicas, tecidas há séculos, a dimensão cultural adquire significativa importância e as definições de cultura e desenvolvimento se aproximam, nos moldes propostos por Crozat (2010):

  • 2 Le développement culturel tente d’articuler un ensemble de représentations autour des thèmes de l’a (...)

O desenvolvimento cultural tenta articular um conjunto de representações em torno dos temas da atratividade dos territórios, da criatividade das sociedades e do elo social. Associado à diversidade, ele inspira o ideal de uma recomposição das políticas culturais baseadas na participação e multiplicidade dos atores. Aplicado ao território, ele motiva e justifica as análises de impacto econômico da cultura, sendo este último considerado como fator de desenvolvimento local, apesar das incertezas sobre a realidade do fenômeno. A ligação entre a cultura e a criatividade abre novas perspectivas, com as atividades culturais se constituindo em uma espécie de fonte de capital criativo para o conjunto das atividades econômicas (Crozat, 2010, p. 6, tradução nossa2).

10O desenvolvimento cultural acompanha a reestruturação produtiva, uma vez que demanda profissionais criativos que adicionem valor ao trabalho através da troca de informações, resultando, assim, em novas ideias. Segundo Leite (2011), enquanto o consumo era a força motriz na economia fordista-keynesiana, atualmente as forças motrizes são as ideias, pois permitem avanços tecnológicos e inovadores. Para esse autor “a mente humana deixa de ser apenas um elemento de decisão dentro do sistema produtivo e passa a ser força direta da produção” (Leite, 2011, p.67). Richard Rogers complementa essa ideia ao afirmar que “enquanto a riqueza industrial dependia de materiais sólidos como ferro e carvão, a massa cinzenta é a riqueza sustentável da qual a sociedade pós-industrial vai depender” (Rogers, 2008, p.147).

  • 3 a reflection of the increasing convergence that is occurring in modern society between economic or (...)

11Concernente a apropriação dos elementos culturais por grandes empresas, Scott e Power afirmam que a indústria cultural pode ser entendida como “um reflexo da convergência crescente que está ocorrendo na sociedade moderna entre a ordem econômica de um lado e a expressão dos sistemas culturais de outro” (Power e Scott, 2004, p.3, tradução nossa)3.

12Nessa sociedade moderna emergem novas conexões entre economia e cultura, e a criatividade se apresenta acompanhada da flexibilidade laboral, da informação, da ampliação da individuação nas relações humanas, da velocidade e da vastidão dos fluxos. Essa noção de desenvolvimento sustentado pelos produtos culturais está expressa no trecho subsequente:

  • 4 cultural-products industries are growing rapidly; they tend (though not always) to be environmenta (...)

indústrias de produtos culturais estão crescendo rapidamente, elas tendem (embora nem sempre) a ser favoráveis ao meio-ambiente; e elas frequentemente (embora também nem sempre) empregam talentos, com salários elevados e que são trabalhadores criativos. As indústrias de produtos culturais também geram externalidades positivas na medida em que contribuem com a qualidade de vida nos lugares, onde elas congregam e melhoram a sua imagem e prestígio (Power e Scott, 2004, p.8, tradução nossa)4.

13Vale mencionar que no final da década de 1990, no Reino Unido, foram iniciados os debates sobre o papel fundamental da cultura e o seu potencial na geração de empregos e renda, com especial importância dada às empresas essencialmente criativas e as que com elas se relacionam, configurando cadeias criativas. Os pesquisadores Howkins (2007) e Florida (2011) foram os pioneiros no trato com o tema das indústrias criativas.

14Na perspectiva da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento – UNCTAD (2010), a cadeia produtiva da Indústria Criativa se estrutura em ciclos de produção, criação e distribuição de bens e serviços, utilizando-se da criatividade e do capital intelectual como insumos primários em três áreas:

15a) Núcleo Criativo: é o centro de toda a cadeia produtiva da Indústria Criativa, formado por atividades econômicas que têm as ideias como insumo principal para a geração de valor;

16b) Atividades Relacionadas: são aquelas que provêm diretamente bens e serviços ao núcleo, representadas em grande parte por indústrias e empresas de serviços fornecedoras de materiais e elementos fundamentais para o funcionamento do núcleo;

17c) Apoio: são os ofertantes de bens e serviços de forma indireta ao núcleo (Firjan, 2012, p. 9).

18Acompanhando essa perspectiva, a Secretaria da Economia Criativa (SEC) pertencente ao Ministério da Cultura, em seu Plano para a Economia Criativa no Brasil, adotou a designação de Segmentos Criativos para se referir aos empreendimentos que atuam na área da Economia Criativa, definindo-os como “todos aqueles cujas atividades produtivas têm como processo principal um ato criativo gerador de valor simbólico, elemento central da formação do preço, e que resulta em produção de riqueza cultural e econômica” (Brasil, 2011, p. 22).

19O Plano Nacional de Economia Criativa dividiu os Segmentos Criativos em quatro categorias:

201. Criações funcionais - design (interior, gráfico, moda, jóias e brinquedos), serviços criativos (arquitetura, publicidade, P&D Criativos, lazer e entretenimento) e novas mídias (software, jogos eletrônicos e conteúdos criativos digitais);

212. Patrimônio - sítios culturais (arqueológicos, museus, biblioteca, galerias) e manifestações tradicionais (arte popular, artesanato, festivais e celebrações);

223. Mídias - publicações e mídias impressas (livros, jornais, revistas) e audiovisual (cinema, televisão e rádio);

234. Artes - artes visuais (pintura, escultura e fotografia) e artes performáticas (teatro, música, dança e circo).

24 Na sequência abordaremos o Artesanato, pertencente ao Segmento Criativo Patrimônio. Pela amplitude temática e importância dos bordados, apuraremos mais detalhadamente o caso do Seridó norte-rio-grandense.

Um Panorama do Artesanato no Rio Grande do Norte: O Destaque dos Bordados Seridoenses

25O conceito de cultura, múltiplo em sentidos, tem um papel vital na promoção do desenvolvimento territorial, a partir por exemplo, de uma renovação urbana que por vezes se dá concomitantemente às ordens múltiplas provenientes dos vetores da economia tornada global.

26A afirmação identitária diante de um mundo globalizado, concretizada por estratégias que envolvem parcerias público-privadas que buscam tornar exequíveis os empreendimentos significativos localmente, colaboram para que as grandes empresas tenham a possibilidade de expandir as suas atividades nos segmentos da economia criativa.

27Acreditamos que essa discussão tem recebido maior atenção no estado do Rio Grande do Norte, devido ao crescente reconhecimento e admissão da importância das manifestações culturais e suas representações diante de uma economia globalizada, que busca tirar proveito dos recursos que fomentam a identidade territorial, a exemplo das iniciativas das incubadoras de empresas RN Criativo e Incubadora da Cultura e Artes.

28Especialmente no caso de Natal, é evidente a presença de capitais internacionais que se aproveitam e se proveem das práticas culturais locais, como é o caso das propostas relacionadas ao turismo cultural (Autor, 2014). Igualmente, a realização de alguns jogos da Copa do Mundo de 2014 em Natal revelou o interesse pelos produtos artesanais locais, e ampliou os volumes dos negócios que envolvem a economia da cultura; com a multiplicação de novos investimentos econômicos.

29A reestruturação produtiva abarca transformações na dimensão socioespacial, sejam as de ordem técnica, as que envolvem o trabalho, a gestão empresarial, os padrões tecnológicos, a subjetividade dos trabalhadores e a dinâmica espacial. Assim, a reestruturação produtiva consolida-se como um processo dinâmico e dialético em que coexistem “novos” e “velhos” elementos.

30No Brasil, esse processo se intensificou na década de 1990 com a incorporação de tecnologias organizacionais e gerenciais, ocasionando alterações nas relações entre as empresas, no emprego, na qualificação dos trabalhadores, na gestão e na organização da força de trabalho; bem como reverberando no território por meio de novos processos urbano-regionais, como ocorrido no estado de São Paulo (Sposito, 2007).

31A compreensão da construção de estratégias de desenvolvimento local respaldadas pela criatividade revela que as práticas sociais são a condição para uma vida mais digna, e um contraponto ao movimento reestruturador. Este é o caso das atividades artesanais, agregadoras de valor aos negócios a partir de ações com forte vínculo entre as tradições, os costumes locais, os saberes e os fazeres; que acabam sendo incorporados nos produtos artesanais confeccionados.

32No estado do Rio Grande do Norte esse movimento reestruturador veio acompanhado de transformações nos modos de vida em municípios de pequeno e médio porte, e de novos arranjos espaciais que surgiram a partir de economias criativas e organizações comunitárias de base local, que envolvem todas as suas Microrregiões Homogêneas (Mapa 1). Tais arranjos congregam agentes políticos, econômicos e sociais direcionados às atividades econômicas com vínculos cooperativos, ainda que comumente precários.

33Na atualidade, o artesanato tem sido retomado por associações que atuam com muito dinamismo em alguns municípios, criando espaços significativos para o aumento da renda e o crescimento no número de empregos, valorizando-se a cultura local e promovendo-se a inclusão produtiva.

Mapa 1: Microrregiões Homogênias do Rio Grande do Norte

Mapa 1: Microrregiões Homogênias do Rio Grande do Norte

Fonte:OpenBrasil.org Disponível em <http://riograndedonorte.openbrasil.org/​2013/​08/​as-microrregioes-homogeneas-do-rio.html> Acesso realizado em: 20/03/2017.

34A regionalização norte-rio-grandense elaborada em 1970 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), buscou reunir municípios conforme suas similaridades nas dimensões econômica, política, cultural e natural. No que se refere às singularidades da produção artesanal encontradas nessas regiões, elas estão pautadas em matérias primas abundantes, bem como em práticas cotidianas estruturadas há séculos. Merecem destaque os produtos artesanais provenientes do couro, da palha de carnaúba, da fibra de sisal, do barro, do junco, da fibra de algodão e da fibra do coco (Mapa 2); originando bolsas, esteiras, porta-joias, tapetes de agave, rendas de bilro e utensílios de barro.

Mapa 2: Tipos de artesanato por município no estado do Rio Grande do Norte

Mapa 2: Tipos de artesanato por município no estado do Rio Grande do Norte

Fonte: Elaboração própria, 2017.

  • 5 Vale mencionar que a partir da pesquisa de campo e documental realizada, não conseguimos definir cl (...)

35A visualização do Mapa 25 nos permite constatar a significativa presença da produção dos Bordados no Seridó, das Cerâmicas no Leste e Agreste Potiguar, e das Cestarias e Fibras no Centro e Oeste Potiguar. O destaque dos Bordados no Seridó relaciona-se sobretudo a dois de seus municípios: Caicó ("Terra do Bordado") e Timbaúba dos Batistas (“A Capital do Bordado Potiguar”). Isso explica a nossa escolha em enfocar essa região nas próximas linhas.

  • 6 Os municípios que constituem o Seridó são: Acari, Caicó, Carnaúba dos Dantas, Cruzeta, Currais Novo (...)

36Segundo Morais (2005), o Seridó6 apresenta uma resistência que forja uma identidade permeada por valores fundamentados na positividade, no saber-fazer regional em que “reside a identificação e o reconhecimento do diferencial qualitativo em relação aos produtos seridoenses, ratificando a influência dos elementos culturais no processo de desenvolvimento” (Morais, 2005, p. 342).

37O município de Timbaúba dos Batistas está localizado a 310 quilômetros de Natal, contando com 2.398 habitantes em 2013 (IBGE). Nesse mesmo ano, coordenamos uma atividade de extensão, executada pelos bolsistas do Programa de Educação Tutorial (PET Geografia/UFRN), quando nos empenhamos em articular as dimensões educacional, cultural e ambiental como premissas básicas para a promoção do desenvolvimento local; e tivemos a permanência por uma semana em Timbaúba dos Batistas.

38Vale destacar a construção em 2006 da Casa das Bordadeiras, administrada pela Associação das Bordadeiras de Timbaúba dos Batistas, com o apoio da Prefeitura Municipal local. Tal iniciativa contribuiu para a divulgação do bordado, a profissionalização das bordadeiras e a atração de turistas (lembrando que o setor de artesanato é profundamente dependente do turismo).

39A relevância da produção artesanal reflete as relações que estas comunidades apresentam entre si e que se manifestam pelo comércio das mercadorias, que por sua vez se apresentam como soluções para suprir as necessidades de subsistência familiar. Essas práticas acionam saberes fazeres locais capazes de gerar renda e promover a valorização da cultura popular local, melhorando a autoestima das pessoas que se dedicam ao artesanato em seu cotidiano.

40A falta de incentivo e de interesse pelos mais jovens sempre foi uma das principais ameaças ao artesanato no estado. No entanto, percebemos que após a década de 1990 essa realidade tem sido minimizada pela aproximação entre história, tradição e a conformação de novas atividades econômicas, o que tem desencadeado a retomada das características culturais que fomentam a identidade das populações locais, elevando a sua importância, e por consequência, evitando o desaparecimento de tais práticas.

41Essa é uma nova realidade destacada por Apolinário (2008) ao se referir à região do Seridó:

A despeito de todas as intempéries e percalços, atualmente esta região é a principal bacia leiteira do Rio Grande do Norte, possui atividades agroindustriais (cajucultura), industriais (bonelaria, tecelagem de rede, madeira), serviços (turismo, especialmente o religioso e o gastronômico) e comércio. Dentre as novas atividades se sobressai o artesanato da região, sobretudo o bordado, reconhecido por sua riqueza de detalhes, perfeição e qualidade (Apolinário, 2008, p.185).

42Igualmente em outros municípios do estado percebemos a expressiva participação do Segmento Criativo Artesanato, que envolve os bordados, atuando como uma produção tradicional que abrange uma expressiva quantidade de mulheres, em atividades que geralmente não são formalizadas. Muitas dessas produtoras se organizam em cooperativas e associações e recebem o suporte institucional do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), da Cooperativa de Produção Artesanal do Seridó (COASE), da Associação das Bordadeiras do Seridó (ABS) e do Comitê Regional das Associações e Cooperativas de Artesanato do Seridó (CRACAS).

43É interessante notar que o bordado potiguar atingiu um prestígio nacional, tendo sido envolvido por um mercado consistente dentro e fora do estado. O bordado se desenvolve em municípios em que o emprego formal é exíguo e as atividades informais acabam atuando como atividades complementares à renda familiar. Segundo algumas bordadeiras entrevistadas no município de Timbaúba dos Batistas, a renda gerada acaba sendo o mais importante recurso para o sustento familiar, não somente um complemento:

A minha residência é onde eu realizo o meu trabalho e consigo ficar à vontade. Eu vendo toda a minha produção às empresárias do bordado, que tem clientes dentro e fora do país. Vendo também para atravessadores que comercializam os produtos em Caicó e Natal (Iracema, entrevista concedida ao Autor em julho de 2013).

44Durante a nossa pesquisa de campo, foram entrevistadas 13 bordadeiras, escolhidas conforme as indicações dos próprios moradores. Durante a realização das entrevistas e pesquisas de campo, não logramos êxito na obtenção de dados e informações específicas sobre a representatividade da produção artesanal na renda familiar em Timbaúba dos Batistas. Tampouco junto a Prefeitura, conseguimos obter o percentual que o bordado repercurte na dinâmica do turismo local.

45Nota-se que o local de residência dessas bordadeiras é ao mesmo tempo o local de moradia, elaboração e venda das mercadorias produzidas. Segundo os dados levantados pela equipe coordenada por Apolinário (2009), o bordado seridoense fomenta uma renda anual em torno de R$ 600.000,00, o que totaliza uma soma média de R$ 50.000,00 ao mês, sendo a renda média mensal das trabalhadoras envolvidas nessa atividade de aproximadamente três salários mínimos.

46De acordo com o Comitê Regional das Associações e Cooperativas Artesanais do Seridó (CRACAS), a região do Seridó reunia aproximadamente 15 mil bordadeiras em 2009, considerando-se as áreas rurais e urbanas. Para o mesmo ano e região, a atividade foi responsável pela geração de 3.773 postos de trabalho (Apolinário, 2009).

47Nesse cenário, torna-se fundamental o suporte promovido pelo SEBRAE/RN, que a partir do Projeto SEBRAE de Artesanato, capacita e dá o apoio ao associativismo, à criação de novos produtos e à capacitação da mão-de-obra, tendo inclusive concebido a Oficina de Design e a Incubadora de Bordados do Seridó como iniciativas para o incentivo de novos produtos, técnicas e conhecimentos na área dos bordados e costura (além de permitir o acompanhamento das tendências atuais do mercado).

48No Brasil, as ações do SEBRAE se iniciaram na década de 1980, quando aconteceram as primeiras experiências em programas setoriais e ações comunitárias. Em 1999, o segmento artesanal passou a ser focalizado pelo órgão, em parceria com outras agências de fomento, considerando-se as empresas em seus territórios e os empresários em seus ambientes:

A evolução da estratégia de atuação do SEBRAE apontava na direção de duas abordagens: uma setorial (focada no fortalecimento das cadeias produtivas) e outra local (centrada no fortalecimento do capital social e humano como pré-condição para o empreendedorismo), ambas baseadas na ideia de protagonismo dos atores envolvidos, das parcerias, do planejamento participativo, da gestão compartilhada e da convergência entre demandas locais e ofertas diversas (Leal, 2011, p. 45).

49Apolinário (2009) observa que na Oficina de Design promovida pelo SEBRAE são criadas peças que combinam as tendências modernas da moda às matérias-primas mais rústicas do Seridó como, por exemplo, as casas e os fios de algodão cru e pedrarias encontradas na região, o que igualmente fortalece outras atividades secundárias.

50Neste sentido, a atividade dos bordados fomenta internamente outras produções, contribuindo para a geração de renda e ampliação de novos postos de trabalho. Entre os bordados, destacam-se os de vestuário, enxoval de bebê e produtos de cama, mesa e banho, sendo que 10% da produção de vestuário e de cama, mesa e banho tem como destino o mercado internacional; fato que atesta a qualidade do artesanato potiguar diante das exigências do mercado exterior.

51No Seridó potiguar, destacadamente nos municípios de Timbaúba dos Batistas e Caicó, o bordado se sobressai entre as ocupações artesanais. A qualidade artística do bordado dos referidos municípios, somada à possibilidade de manutenção de uma oferta capaz de atender às exigências do mercado, já lhe rendeu proeminência nessa produção artesanal. Essa região vem há tempos demonstrando um destaque na diversificação produtiva com processos de tipo artesanal, a exemplo da fabricação de redes, de bonés, da produção de bordados manuais e/ou mecanizados, da indústria de lacticínios e da produção de carne de sol.

52Ainda existem muitos problemas que impedem a expansão das atividades relacionadas ao artesanato e bordados no Rio Grande do Norte. Conforme Apolinário (2009), entre eles, merecem destaque a articulação e troca de informações entre produtores e outros setores, além da consolidação de convênios, treinamentos empresariais e técnicos. Igualmente, as artesãs se queixam da inexistência de um local apropriado para a exposição de seus produtos nas cidades, a exemplo de algumas capitais nordestinas que apresentam mercados de artesanato funcionando durante todo o ano. Outro problema encontrado no segmento é a carência de mão- de-obra qualificada.

53Apesar da existência de todos esses problemas, é fato que os bordados da região do Seridó apresentam uma boa aceitação no mercado (regional, estadual, nacional e internacional). Neste sentido, as feiras são relevantes para a venda dos produtos artesanais, a exemplo da Feira Internacional de Artesanato (FIART), que acontece anualmente em Natal, da Feira de Artesanatos dos Municípios do Seridó (FAMUSE), e da iniciativa de criação do Espaço Brasil Original pelo SEBRAE (ação implementada nas 12 cidades-sede da Copa FIFA de 2014, destinada a promover o artesanato local).

54Essas organizações de atividades cooperativas artesanais são em grande medida uma reação ao processo de reestruturação produtiva em marcha no estado do Rio Grande do Norte, fomentando e estruturando arranjos territoriais pautados em propostas criativas.

Considerações Finais

55No Rio Grande do Norte, cada vez mais toma-se consciência do peso da economia da cultura no estado, da significativa geração de empregos, da recuperação da imagem das cidades do interior, e do retorno econômico proporcionado pelos Segmentos Criativos, que emergem como alternativas ao setor público e privado.

56Em uma realidade balizada por um caráter ainda precário de inserção nas novas dinâmicas do mundo globalizado, com uma industrialização ainda incipiente, com atividades predominantemente agroexportadoras (destaque para o Vale do Açu), os Seguimentos Criativos surgem como vetores de desenvolvimento territorial.

57Em Natal, um exemplo marcante desse desenvolvimento territorial é o bar Buraco da Catita, situado na região central da cidade, que foi requalificado e desencadeou a valorização de uma área urbana originalmente degradada (Costa; Autor, 2012), comprovando-se que os Segmentos Criativos promovem consequências sobre o território, a economia e a dinâmica social.

58A dimensão dos Segmentos Criativos e das novas relações com a indústria, o turismo, a agropecuária e o mercado imobiliário, ainda necessita de estudos empíricos e analíticos mais aprofundados. Mesmo assim, tornou-se para nós patente a identificação de outras maneiras de produção material e simbólica no contexto norte-rio-grandense atual.

59Conforme demonstrado, os processos de reestruturação capitalista no Rio Grande do Norte vieram acompanhados da flexibilização da produção, do trabalho e da intensificação das ações governamentais de amparo aos Segmentos Criativos por intermédio de órgãos como o SEBRAE. Também ficou evidente que os investimentos em recursos humanos, em pesquisa e em desenvolvimento, além de imprescindíveis aos Segmentos Criativos, valorizam a história e a cultura dos lugares.

60Iniciativas como as de Caicó e Timbaúba dos Batistas ocorrem em outros municípios e regiões do estado, mobilizam ativos locais, são uma alternativa econômica e contribuem para a valorização de saberes e fazeres pertencentes à cultura norte-rio-grandense.

61Mediante uma dinâmica específica são revelados patrimônios pautados na capacidade inventiva local. Os Seguimentos Criativos estabelecem condições (visíveis em diferentes atividades executadas nos municípios potiguares) de proporcionar a melhoria das condições de vida da população que a eles se vinculam. Vale mencionar que a realidade urbana do Rio Grande do Norte é marcada pelo predomínio de pequenas cidades, configurando uma rede urbana frágil, principalmente no que se refere aos seus aspectos econômicos (Autor; Gomes, 2012). Neste sentido, acreditamos que o apoio aos Seguimentos Criativos pode servir de suporte para o desenvolvimento do estado.

62No caso do artesanato e do bordado, tratam-se de atividades que se organizam a partir da mão-de-obra familiar, em pequenos negócios com uma estrutura organizacional pouco sofisticada e uma relação comercial geralmente estabelecida diretamente com os compradores.

63Estamos convencidos da relevância da conscientização dos artesãos e produtores locais, no sentido da competitividade de seus produtos, muito demarcados pelos aspectos culturais característicos da região, o que também revela o enorme potencial relacionado ao turismo. Algumas formas de produção e venda expressam a luta pela subsistência e renda familiar, estruturadas em usos territoriais alternativos, em que se conformam outros modos de trabalho e saberes.

64As iniciativas locais contra-hegemônicas e a sua relação com o contexto da reestruturação produtiva se constitui em uma temática incitante e ainda recente no âmbito da produção científica contemporânea; e que por esse motivo merece ser aprofundada em outros trabalhos e projetos.

65Acreditamos que é interessante em pesquisas vindouras o desvendar da rede de agentes que fazem parte da produção e comercialização do bordado no Rio Grande do Norte, destrinçando as empresas que compram o bordado, quem são os artesãos, os atravessadores e as comunidades envolvidas, para onde a produção é comercializada, entre outras questões.

Haut de page

Bibliographie

Apolinário, Valdênia (Coord). Análise do Balanço de Pagamentos do estado e a importância dos APLs no Fluxo de Comércio - Rio Grande do Norte, 2009.

Apolinário, Valdênia; Da Silva, Maria Lussieu. Saber local e interações no APL de Bordados de Caicó, RN: Arte-negócio no semiárido nordestino. In: Cassiolato, J.E. Arranjos produtivos locais: uma alternativa para o desenvolvimento – Criatividade e cultura. Rio de Janeiro: E-papers, 2008, 380p.

Brasil. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011-2014. 1ª ed. Brasília, Ministério da Cultura. p. 19-70, 2011.

Crozat, Dominique (Coord). Développement culturel et territoires. L’Harmattan, Paris, 2010.

Costa, Pablo Raniere M.; Autor. Espaços do choro em Natal - RN: um olhar geográfico. Revista Para Onde!?, Volume 6, Número 2, jul./dez. 2012.

Autor; Gomes, Rita C. Reinventando cenários: A construção de novas ideias para o desenvolvimento local no estado do Rio Grande do Norte – RN. Scripta Nova (Barcelona), v. XVI, p. 418-429, 2012.

Autor. Turismo e os Setores Criativos no estado do Rio Grande do Norte - Brasil. In: XIV Colóquio Ibérico de Geografia, 2014, Guimarães. Anais do XIV Colóquio Ibérico de Geografia, 2014.

Elias, Denise, Pequeno, Renato. Mossoró: o novo espaço da produção globalizada e aprofundamento das desigualdades socioespaciais. In: Sposito, Maria Encarnação B., Elias, Denise, Soares, Beatriz R. Agentes econômicos e reestruturação urbana e regional (Passo Fundo e Mossoró). São Paulo: Expressão Popular, p. 101-283, 2010.

Firjan. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://www.firjan.com.br/economiacriativa/pages/default.aspx> Acesso realizado em: 20/03/2017.

Florida, Richard. A Ascensão da Classe Criativa – e seu papel na transformação do trabalho, do lazer, da comunidade do cotidiano. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.

Howkins, John. The Creative Economy – How People Make Money from Ideas. Londres: Penguin Books, 2007.

Leal, Marijara de Lourdes. Produção artesanal: Análise do método de intervenção de design no artesanato potiguar sob o ponto de vista dos atores envolvidos no processo. Mestrado em Engenharia de Produção, UFRN, 2011.

Leite, Carlos; Marques, Juliana. Cidades sustentáveis, Cidades inteligentes. Porto Alegre: Bookman, 2011.

Morais, Ione Rodrigues Diniz. Seridó norte-rio-grandense: uma geografia da resistência. Caicó-RN, Ed. do autor, 2005.

Rogers, Richard. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: GG, 180p,2008.

Power, Dominic; Scott, Allen J. Cultural industries and the production of culture. London: Routledge, 384p, 2004.

Sposito, Eliseu Savério. Reestruturação produtiva e urbana no Estado de São Paulo. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1 de agosto de 2007, vol. XI, número 245 (69).

Sposito, Maria Encarnação B.; Sposito, Eliseu S. Reestruturação econômica, reestruturação urbana e cidades médias. In: Seminário Internacional RII (Red Iberoamericana de Globalização e Território), XII, 2012. Belo Horizonte: CEDEPLAR/UFMG, 2012.

Haut de page

Notes

1 O artigo também está relacionado com o projeto de estágio pós-doutoral BEX 0663/15-8 financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (CAPES).

2 Le développement culturel tente d’articuler un ensemble de représentations autour des thèmes de l’attractivité des territoires, de la créativité des sociétés et du lien social. Associé à la diversité, il inspire l’idéal d’une recomposition des politiques culturelles fondées sur la participation et la multiplicité des acteurs. Appliqué au territoire, il motive et justifie les analyses d’impact économique de la culture, cette dernière étant considérée comme facteur de développement local, malgré les incertitudes sur la réalité du phénomène. Le lien entre culture et créativité ouvrirait de nouvelles perspectives, les activités culturelles constituant en quelque sorte une source de capital créatif pour l’ensemble des activités économiques.

3 a reflection of the increasing convergence that is occurring in modern society between economic order on the one hand and systems of cultural expression on the other.

4 cultural-products industries are growing rapidly; they tend (though not always) to be environmentally-friendly; and they frequently (though again not always) employ high-skill, high-wage, creative workers. Cultural-products industries also generate positive externalities in so far as they contribute to the quality of life in the places where they congregate and enhance the image and prestige of the local area”.

5 Vale mencionar que a partir da pesquisa de campo e documental realizada, não conseguimos definir claramente o tipo de artesanato nos municípios como "baixa relevância". Sendo assim, isto nos impede de afirmarmos seguramente a inexistência de práticas artesanais nesses municípios.

6 Os municípios que constituem o Seridó são: Acari, Caicó, Carnaúba dos Dantas, Cruzeta, Currais Novos, Equador, Ipueira, Jardim de Piranhas, Jardim do Seridó, Ouro Branco, Parelhas, Santana do Seridó, São Fernando, São João do Sabugi, São José do Seridó, Serra Negra do Norte e Timbaúba dos Batistas.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1: Microrregiões Homogênias do Rio Grande do Norte
Crédits Fonte:OpenBrasil.org Disponível em <http://riograndedonorte.openbrasil.org/​2013/​08/​as-microrregioes-homogeneas-do-rio.html> Acesso realizado em: 20/03/2017.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12342/img-1.png
Fichier image/png, 142k
Titre Mapa 2: Tipos de artesanato por município no estado do Rio Grande do Norte
Crédits Fonte: Elaboração própria, 2017.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12342/img-2.png
Fichier image/png, 403k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Alessandro Dozena, « Singularidades e diversidades do artesanato norte-rio-grandense », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 23 septembre 2017, consulté le 19 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/12342 ; DOI : 10.4000/confins.12342

Haut de page

Auteur

Alessandro Dozena

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sandozena@ufrnet.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org