Navigation – Plan du site

A inserção dos moradores de favelas do Rio de Janeiro na cidade: o caso das práticas de consumo e lazer

L’insertion des habitants des favelas de Rio de Janeiro dans la ville : le cas des pratiques de consommation et de loisirs
The inclusion of the inhabitants of favelas into the city in Rio de Janeiro: the case of consumption and leisure practices
Michael Chetry
Traduction de Paula Volkart Dutra et revisão de Patrícia Reuillard (Ufrgs)
Cet article est une traduction de :
L’insertion des habitants des favelas de Rio de Janeiro dans la ville : le cas des pratiques de consommation et de loisirs

Résumés

Cet article présente des résultats d’une recherche sur les pratiques spatiales des habitants des favelas à Rio de Janeiro menée dans le cadre d’un doctorat. Il en ressort que loin de l’image d’immobilisme qui leur est accolée, les habitants des favelas témoignent d’une bonne expérience de l’espace urbain dans son ensemble et ont la volonté d’accéder aux différentes ressources mises à disposition par la ville, qui est hélas limitée par leur faible mobilité. Mais globalement, les habitants des favelas sont de plus en plus insérés dans l’espace urbain et vivre dans la favela n’implique en rien d’avoir un mode de vie différent de celui des autres urbains. Au contraire, celui-ci intègre les normes et valeurs de la société dominante et ses lieux centraux et symboliques.

Haut de page

Texte intégral

1As favelas ocupam um lugar de grande destaque no espaço social e físico das grandes cidades brasileiras, principalmente no Rio de Janeiro. Atualmente, são apresentadas, assim como os condomínios fechados e protegidos, como os símbolos da fragmentação das grandes metrópoles (Souza, 2000; Caldeira, 2000). Em sua dimensão sócio-espacial, a fragmentação urbana remete ao surgimento de territórios espacialmente delimitados, que reúnem populações em princípio voltadas para si mesmas e sem referência à sociedade urbana (Bouchanine, 2001). Isso contribui para a manutenção de uma visão dualista da cidade, segundo a qual as favelas são consideradas espaços isolados e alheios a esta desde seu aparecimento no cenário urbano.

2Inúmeros trabalhos refutaram essa visão reducionista das favelas, contestando os estereótipos associados a seus habitantes e evocando a diversidade desses espaços e de sua população ou, ainda, a existência de semelhanças com outros bairros populares (Valladares, 2006). Contudo, a relação entre as favelas, seus habitantes e a cidade que os engloba, no que se refere à integração na vida urbana e à inscrição no espaço urbano, permanece mal compreendida. Nesse contexto, a análise das práticas espaciais dos habitantes das favelas pode contribuir para uma melhor compreensão da articulação favelas/cidade.

3Um importante aspecto do comportamento dos citadinos remete, com efeito, ao uso que fazem da cidade e como a experienciam em seus deslocamentos no espaço urbano e nos lugares que frequentam (Lambony, 1996). Trata-se, sobretudo, de identificar os territórios dessas práticas, cuja distribuição no espaço urbano traria elementos relativos a um encravamento dessas populações. Em outras palavras, teriam os habitantes das favelas espaços de vida restritos, evidenciando práticas voltadas aos seus locais de residência? Ou, inversamente, aproveitariam as diversas e variadas possibilidades que podem proporcionar as grandes cidades, desenvolvendo mobilidade em maior escala? Dentre as diferentes dimensões da mobilidade, abordaremos neste artigo as práticas de consumo e de lazer.

O campo e o método

4A pesquisa que este artigo explana se apoiou em um trabalho de campo, efetuado entre março e setembro de 2007, cujo objetivo era descrever e analisar as práticas de mobilidade dos habitantes de duas favelas do Rio de Janeiro: Coroado e Nova Holanda. Entrevistas semidiretivas foram realizadas com 33 moradores dessas favelas, em sua maioria a domicílio, a fim de coletar informações sobre sua trajetória residencial, deslocamentos, rede social e percepção dos diferentes lugares frequentados. A partir dessas entrevistas, foram elaborados mapas que sintetizam as práticas de consumo e de lazer dos habitantes entrevistados. Esse procedimento foi complementado por observações, participação na vida local e, em certos casos, acompanhamento dos sujeitos em seus deslocamentos. Na população entrevistada, buscou-se o princípio da diversidade principalmente em termos de características sociais, de tempo de residência na favela e de localização da atividade.

5As favelas escolhidas para a investigação diferenciam-se, antes de tudo, por sua distância da região central (Mapa 1). O critério de localização da favela no espaço urbano foi considerado objetivamente, dada sua influência hipotética sobre o nível de acessibilidade à cidade e sobre os vínculos mantidos pelos habitantes com ela. A escolha se centrou, primeiramente, em um modelo de favela situado na região central do espaço urbano, tido como espaço de concentração de atividades, de serviços e de comércio da cidade; em um segundo momento, em um outro tipo de favela, situada em um local mais afastado. Essas favelas distinguem-se também por outras características decorrentes de sua situação geográfica (perfil social do bairro circundante, topografia, tamanho, antiguidade e, consequentemente, grau de consolidação), mas também da intensidade relativa de violência, predominante em uma delas, em razão da presença de narcotraficantes, e inexistente na outra.

Mapa 1: Localização das favelas estudadas no Rio de Janeiro

Mapa 1: Localização das favelas estudadas no Rio de Janeiro

Fonte: Michaël Chetry, 2010

6Coroado é uma pequena favela de cerca de mil habitantes, isolada no topo de um morro em Laranjeiras, bairro residencial de classe média-alta situado no limite da Zona Central e da Zona Sul da cidade. Constituída de um emaranhado de casas, ela corresponde à imagem típica das favelas do Rio de Janeiro. Coroado é bem recente para uma favela situada no centro do espaço urbano, tendo em vista que seu processo de povoamento foi significativo a partir dos anos 1970-1980. Apesar disso, apresenta um bom nível de consolidação tanto do ponto de vista da habitação quanto da infraestrutura. Em contrapartida, ela não dispõe de nenhum serviço público, mas isso não constitui um inconveniente para a população graças à sua relativa proximidade. Seus habitantes, a exemplo da maior parte das favelas do Rio de Janeiro, são migrantes nordestinos que, em sua maioria, principalmente os adultos, têm uma experiência anterior de vida urbana, mas não nasceram na cidade.

7Nova Holanda, por sua vez, é uma favela horizontal da Zona Norte do Rio de Janeiro, zona majoritariamente composta por classes baixa e média. Ela conta com um pouco mais de 11 mil habitantes e integra o maior conjunto de favelas do Rio de Janeiro, o Complexo da Maré, que reúne 17 favelas e cerca de 150 mil habitantes. Este goza de grande visibilidade graças à sua localização na margem da Linha Vermelha, que dá acesso ao aeroporto. Nova Holanda é uma favela antiga, surgida nos anos 1960 e relativamente bem consolidada, com a presença de inúmeros serviços públicos (posto de saúde, escola) e comerciais. Mesmo sendo bem distante do centro, sua localização próxima a uma via expressa, a Avenida Brasil, servida por vários ônibus, assegura-lhe uma boa comunicação com o centro. Esta também é facilitada por uma rede de transporte alternativo (vans, moto-táxis), dentro da favela e em direção aos bairros vizinhos, para a baldeação para o sistema de transporte público. Dada a antiguidade da favela, a maioria dos habitantes, mesmo os descendentes de migrantes, são naturais do Rio de Janeiro, tendo até mesmo nascido na favela.

Práticas comerciais concentradas em torno do local de residência

8As práticas comerciais ocupam um lugar preponderante na vida cotidiana dos habitantes. Dentre elas, a provisão de alimentos representa o gasto mais importante no orçamento das famílias e motiva a maior parte dos deslocamentos, em particular das mulheres, que são as responsáveis por isso geralmente. As práticas de consumo são bastante homogêneas, visto que a maioria dos moradores procura o melhor preço, incluindo o custo do transporte.

  • 1 O Censo Maré foi um recenseamento realizado em 2000 no Complexo da Maré por uma ONG local, o Centro (...)
  • 2 A competitividade dos preços pode ser explicada em parte pela forte concorrência resultante da ofer (...)

9Em Nova Holanda, considerando a densidade e a diversidade do comércio local, a maioria dos habitantes compra seus alimentos dentro da própria comunidade. Segundo o Censo Maré1, mais de 90% dos moradores compram na favela frutas e legumes, principalmente nas mercearias e na feira que ocorre todos os sábados. Ainda, quanto aos alimentos básicos (arroz, feijão, açúcar, farinha, carne), a população se abastece nos supermercados da comunidade, que oferecem preços razoáveis e até mesmo inferiores aos hipermercados dos arredores2, assim como serviços similares, como entrega a domicílio.

10Por outro lado, em Coroado, favela menor e com menos comércios, os poucos estabelecimentos locais, em virtude dos preços elevados, servem sobretudo para casos de urgência de produtos de primeira necessidade. Somente os habitantes mais vulneráveis, como os idosos com problemas de locomoção ou os mais pobres, com pouco dinheiro, recorrem regularmente a esses comércios pela proximidade ou possibilidade de comprar a crédito. Mas, em geral, os moradores se abastecem mais fora da favela, principalmente nos supermercados ou feiras próximas. Na prática, eles se beneficiam de uma oferta comercial diversificada devido à posição central da favela no espaço urbano. Em sua grande maioria, fazem compras no Sendas, o principal supermercado do Largo do Machado. Considerado o mais barato dos arredores, é bem servido pela linha de ônibus que passa ao pé da favela, enquanto os supermercados de Laranjeiras, apesar de mais próximos geograficamente, são de difícil acesso. Os habitantes costumam ir igualmente à feira do bairro vizinho de Rio Comprido para comprar produtos frescos.

11Ainda que a tendência dominante seja o abastecimento no local mais próximo e mais em conta, as práticas podem variar segundo a preferência do morador, o orçamento ou os serviços oferecidos pelas lojas. Desse modo, os habitantes de Nova Holanda que têm um pouco mais de recursos preferem os hipermercados situados nos bairros vizinhos, acessíveis a pé ou de van, destinados a uma clientela mais privilegiada e que oferecem uma maior variedade de produtos, aos supermercados das favelas. Nos hipermercados, encontram os produtos de marca cujas propagandas aparecem regularmente na televisão. É o caso de Shirley, que cresceu em um bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro antes de se casar e se mudar para Nova Holanda:

12“Vou fazer minhas compras no supermercado Guanabara, perto da Praça das Nações, no bairro Bonsucesso… uma vez por mês. Vou lá porque tem os produtos que costumo usar. Nos supermercados daqui, não tem produto de marca, os produtos não são de qualidade.”

13Se marca é sinônimo de qualidade, comprar esses produtos é também um sinal de prestígio social, que indica a participação no consumo de massa. Em Coroado, alguns habitantes também frequentam os hipermercados devido à possibilidade de parcelamento no cartão da loja e de entrega a domicílio – o que, com certeza, é uma vantagem considerando o difícil acesso à favela. Mas todos os moradores recorrem ocasionalmente a esses estabelecimentos para compras bem específicas ou promoções.

14De modo mais raro, o abastecimento de alimentos ultrapassa os bairros vizinhos. Aqueles que dispõem de um meio de transporte particular veem sua gama de opções aumentar. Eles podem, portanto, ir aos hipermercados de outros bairros e associar suas compras a outras atividades.

15Compras menos frequentes, como roupas, por exemplo, são feitas só muito raramente nas lojas das favelas. Quando estas existem, são em sua maioria destinadas a mulheres, e “as roupas são caras e nem são de marca”, como explica Ana, moradora de Nova Holanda. De fato, Ana recorre a essas lojas apenas em caso de imprevisto, quando gosta de um item ou necessita dele de última hora. Seus clientes regulares são mais uma vez os habitantes mais vulneráveis, estimulados pela possibilidade de comprar a crédito ou economizar no transporte.

16A compra de roupas é feita principalmente no centro, lugar acessível aos moradores por transporte público e onde se encontra o Saara, centro comercial popular que concentra lojas de roupas e calçados, mas também vende tecidos, roupa de cama, mesa e banho e todo tipo de pequenos artigos para a casa. Conta-se igualmente com a presença de grandes lojas de departamento (C&A e Riachuelo, por exemplo), que atraem grande parte dos habitantes das favelas, tanto por sua popularidade e qualidade quanto pela possibilidade de parcelar no cartão da loja. Aliás, pagar as contas é o único motivo que os leva frequentemente a essas lojas e, mesmo, ao centro.  Essas lojas de departamento compreenderam perfeitamente o lucro que poderiam obter das populações mais pobres ao lhes fornecer crédito a juros altos e não hesitam em procurar novos clientes diretamente nas favelas.

17Por fim, certos moradores fazem suas compras nos shoppings centers, que apresentam várias vantagens práticas: concentração e diversidade de lojas, horários de funcionamento estendidos e, também, possibilidade de conjugar compras e lazer em um mesmo espaço. É raro que os habitantes se desloquem unicamente para fazer compras. Os shoppings centers não são mais lugares de consumo exclusivos dos ricos, na medida em que seu intenso desenvolvimento ao longo das últimas décadas também se deu graças a uma segmentação da clientela. Atualmente, existem shoppings destinados às classes populares, que se distinguem dos outros pela localização, pelo padrão das lojas e pelos preços mais acessíveis.  Mas mesmo essa categoria é destinada a uma população que dispõe de recursos consideráveis, visto que seus preços continuam superiores aos comércios tradicionais do centro da cidade. Assim, os moradores de Nova Holanda frequentam principalmente o Norte Shopping, situado no bairro do Méier, na Zona Norte, diretamente servido por uma linha de van desde a favela. Mais eventualmente, eles vão a shoppings menores, que certamente oferecem menos opções, mas que são mais calmos. Na Zona Sul, por sua vez, os shoppings centers são numerosos e de alto padrão, em razão do perfil abastado da população. Os habitantes de Coroado que têm condições vão aos mais próximos da favela: o Botafogo Praia Shopping e o Shopping Rio Sul, ambos localizados em Botafogo.

18Para alguns serviços, como bancos e correios, geralmente ausentes na favela, os moradores se deslocam até o centro de serviços e comércio mais próximo: Bonsucesso para Nova Holanda, Largo do Machado para Coroado. Eles raramente vão ao banco – no máximo uma vez por mês –, visto que a maior parte das operações pode ser feita nos caixas eletrônicos ou por telefone e que, em Nova Holanda, apenas um terço da população possui conta bancária. É também nessas regiões que alguns moradores fazem suas compras mais específicas, como móveis e eletrodomésticos. Em Nova Holanda, esse tipo de lojas também existe, mas elas se localizam geralmente nas zonas centrais mais distanciadas.

19Considerando que os deslocamentos por necessidade representam apenas uma parte da vivência urbana e frequentemente se limitam a um único trajeto de ida e volta ao local de residência, esta abordagem será complementada pelas práticas dos habitantes em termos de lazer e distrações.  

As práticas de lazer: do âmbito local ao âmbito da cidade

20Assim como os deslocamentos por necessidade, o lazer, ainda que restrito, indica a relação dos habitantes com a cidade. Contudo, nem todo lazer é obrigatoriamente um motivo de deslocamento. Pelo contrário, a maioria se dá no espaço da favela e, mais precisamente, do domicílio. As práticas de lazer dependem, em primeiro lugar, do tempo livre e do orçamento disponíveis para uma parcela da população das favelas, principalmente os mais pobres – a quem faltam tempo e dinheiro, visto que precisam ampliar as fontes de renda ou o tempo de trabalho para sobreviver.

21A casa é o lugar em que mais ficam nas horas vagas, na companhia da família e, mais frequentemente, assistindo à televisão, atividade preferida e mais praticada pelos habitantes de Nova Holanda (Censo Maré). Em outras ocasiões, nos finais de semana, eles recebem a família ou os amigos, organizam festas e churrascos na laje. Os jovens também costumam ficar em casa ou na de amigos, usando computador, vendo filmes, ouvindo músicas ou apenas conversando. Em geral, observam-se diferenças nos espaços de vida dos habitantes conforme o gênero e a geração: as mulheres e os mais velhos estão mais inclinados a ficar em casa do que os homens e os jovens. A maioria das mulheres entrevistadas confessa ser caseira e preferir não sair para cuidar de “suas coisas”. Elas se sentem mais à vontade e em segurança em casa e, na medida do possível, preferem muito mais receber a visitar.

22No entanto, a falta de espaço e a promiscuidade das casas fazem da rua um lugar de brincadeiras para as crianças e de convivência para os adultos. As crianças jogam bola ou bola de gude, as mães conversam na porta de casa, enquanto os adolescentes se reúnem, meninas e meninos separadamente, nas pracinhas ou nas esquinas. Essas atividades dão vida à rua e alimentam o forte conhecimento interpessoal que reina nesses espaços. Porém, em algumas favelas, a ocupação do espaço público pode encontrar obstáculos. Em Nova Holanda, a presença do narcotráfico é um fator que força o retorno da vida cotidiana ao âmbito doméstico. A fim de evitar que os filhos corram risco de vida, envolvam-se com atividades ilícitas ou simplesmente vejam armas e drogas, os “bons” pais os deixam sair apenas muito raramente, em especial quando são pequenos e influenciáveis. Coroado escapa desses problemas ao ser aparentemente livre de violência. Consequentemente, os moradores apreciam deixar as crianças brincando na frente de casa, em segurança.   

23As opções de lazer nas favelas, tanto em Coroado como em Nova Holanda, no entanto, são poucas e não variam muito. Para os adolescentes e homens, o esporte – em primeiro lugar, o futebol – representa o principal lazer. Se, por um lado, é de longe o esporte mais popular no Brasil, independentemente da classe, é geralmente o único que se joga nas favelas dada a oferta limitada de infraestrutura. Toda favela possui campinhos mais ou menos improvisados, e o futebol, no final das contas, necessita apenas de uma bola. As lan houses também constituem um lugar cada vez mais frequentado por uma parcela dos jovens, possibilitando-lhes se divertir na Internet ou jogar videogames a baixo custo.

24A atividade mais difundida na favela concerne, sem dúvida, à prática religiosa. Assim como em todo o país, a religião ocupa um espaço privilegiado no cotidiano dos moradores. No complexo da Maré, por exemplo, onde se situa Nova Holanda, mais de 40% dos habitantes têm uma prática religiosa (Ceasm, 2000). Lugares de culto estão presentes em quase todas as favelas, independentemente do seu tamanho. O Complexo da Maré conta com cerca de 150, quase sempre igrejas evangélicas, cujas diferentes correntes adentram em ritmo acelerado as favelas e os meios populares. Em Coroado, é o pároco da Cristo Redentor, localizada no bairro vizinho de Laranjeiras, que vem celebrar a missa um domingo por mês, ao ar livre, devido à falta de local disponível. Em contrapartida, a Igreja Evangélica, presente há apenas alguns anos na favela, é bem mais ativa. Ela oferece atividades paralelas ao culto (reuniões de oração, canto, leitura, por exemplo) a seus crentes muitas vezes por semana e organiza até mesmo suas festas de aniversário. Assim, em comparação aos católicos, que se contentam em participar com relativa assiduidade da missa dominical, os evangélicos têm uma prática religiosa mais intensa. O envolvimento evangélico também se mostra mais exigente e implica a adoção de um estilo de vida bem rígido: os fiéis não participam da maior parte das atividades da favela nem das festas populares – que, apesar de serem geralmente ligadas à religião católica, são essenciais na vida social local  –, preferindo organizar manifestações à parte. A longo prazo, o conjunto desses fatores contribui para transformar os evangélicos, ao menos os mais fervorosos, em um grupo fechado que vive isolado da vida pública.

25As demais atividades se resumem essencialmente a frequentar bares e são, desse modo, reservadas aos adultos. Nas favelas pequenas, como em Coroado, dada a limitada vida noturna, os moradores vão às redondezas à procura de movimento. Nas favelas em que a vida local é um pouco mais desenvolvida, como em Nova Holanda, os habitantes encontram distração ali mesmo. Os jovens inclusive gostam muito da favela pelo seu caráter festivo: nos finais de semana, há muita animação, música em todo lugar, até mesmo nas casas. É comum ir aos bares para encontrar amigos, beber cerveja, conversar, bem como cantar e dançar quando há karaokês ou shows. Eventos ao ar livre são regularmente organizados na praça da favela; dentre os principais, estão os bailes funk, que atraem os jovens aos sábados para dançar a noite toda, e os shows de pagode, que ocorrem aos domingos no final da tarde, em um ambiente mais familiar. Os moradores vão igualmente à comunidade vizinha de Parque União, que tem muitos bares e restaurantes que oferecem pratos típicos nordestinos e promovem shows de forró aos domingos. Ainda, as associações locais organizam programações abertas ao público, como bingos ou celebrações do Dia das Mães e de São João. Estas constituem encontros importantes para a população, mas ocasionais.

26A maior parte dos moradores fica geralmente dentro da favela ou nas proximidades, visto que é mais econômico, mais prático e mais seguro, principalmente à noite, quando a locomoção é complicada e perigosa. Contudo, seja pela falta de opções, seja pela vontade de mudar de ares, os habitantes, sobretudo os jovens, procuram também se divertir fora da favela quando dispõem de um pouco de dinheiro. Os moradores de Nova Holanda vão mais frequentemente para as zonas vizinhas, em casas de shows e boates mais próximas. O mesmo não acontece quando se trata das casas noturnas de bairros chiques da Zona Sul, que são inacessíveis inclusive para os jovens de Coroado. A única distração acessível é quando grandes artistas brasileiros se apresentam gratuitamente na praia de Copacabana. Aliás, esses shows atraem os habitantes de toda a cidade e, principalmente, de Nova Holanda. O centro histórico, incluindo o bairro da Lapa, é também um local de lazer privilegiado pelo seu ambiente popular e plural, pela diversidade das atividades (shows, bares, casas noturnas) e pelos preços acessíveis. As ruas bem agitadas desses bairros transmitem um sentimento de segurança. As famílias, por sua vez, preferem saídas mais calmas, como ir a restaurantes, geralmente nos bairros próximos. Nesse caso, os rodízios de pizza são particularmente apreciados, assim como o Mc Donald’s, quando se quer agradar às crianças.

  • 3 Convém matizar o aspecto democrático da praia no Rio de Janeiro, visto que as diferenças entre as c (...)

27Dentre as atividades de lazer fora da favela, ir à praia ou ao parque são as mais frequentes. Elas apresentam a vantagem de ser gratuitas (exceto o preço do transporte) e realizadas na companhia da família ou de amigos. Verdadeira instituição no Rio de Janeiro, apontada como o lugar de mescla por excelência onde todas as classes sociais se encontram, ou melhor, convivem3, a praia faz parte do cotidiano e do estilo de vida cariocas. O carioca ama a praia e vai sempre que pode. As mais frequentadas são as da Zona Sul, que somam 10 km de extensão, beirando os bairros do Leme, Copabacana, Ipanema e Leblon, e são consideradas as mais bonitas da cidade. Cada praia apresenta características diferentes: Leme e Leblon são calmas e familiares, Copacabana é mais agitada dada a presença de vários hotéis. Quanto à Ipanema, ela é a preferida especialmente dos jovens pela beleza da paisagem, do ambiente e das pessoas que a frequentam, famosas por serem mais bonitas do que em outras praias – critério fundamental no Rio para a escolha de um lugar onde se vai também para ser visto. 

28Os habitantes de Nova Holanda vão à praia com relativa regularidade, aos finais de semana. A escolha do destino é feita em função da acessibilidade das praias conforme o meio de transporte. Para aqueles que dispõem de um automóvel, é mais simples e rápido ir a Ipanema graças ao túnel Rebouças, que liga a Zona Norte à Zona Sul. Para os demais, que usam transporte coletivo, existem vans que saem da favela e têm terminais em Copacabana. Os moradores de Nova Holanda vão principalmente ao Leme quando têm filhos e a Ipanema quando são jovens, mas raramente a Copacabana. Normalmente vão passar o dia e levam caixas térmicas com bebidas, por causa do calor e dos altos preços cobrados na praia. Os mais desfavorecidos, por sua vez, ficam mais perto da favela, em praias que margeiam a baía de Guanabara, localizadas ao lado do Complexo da Maré ou da Ilha do Governador. Eles vão apenas ocasionalmente às praias da Zona Sul, que, no entanto, são consideradas mais agradáveis e cuja água é mais apropriada para banho. Os moradores de Coroado, cuja maioria é migrante de primeira geração, também vão apenas muito raramente a essas praias, mesmo morando bem mais perto delas. A maior parte deles vai à praia do Flamengo, mais próxima da favela, acessível a pé e que também tem a vantagem de dispor de um grande parque onde as crianças podem brincar. Observa-se, entretanto, que os jovens da comunidade vão à praia mais regularmente e preferem ir a Ipanema, ainda que dependam de ônibus.

Mapa 3: Práticas de lazer das pessoas entrevistadas em Nova Holanda

Mapa 3: Práticas de lazer das pessoas entrevistadas em Nova Holanda

Image 100000000000025800000317FDA818A0.jpgFonte: Michaël Chetry, 2010

Mapa 4: Práticas de lazer das pessoas entrevistadas em Coroado

Mapa 4: Práticas de lazer das pessoas entrevistadas em Coroado

Fonte: Michaël Chetry, 2010

29Para algumas famílias, ir ao parque é também uma maneira de diversificar o lazer das crianças. Com exceção daqueles próximos às favelas, como o do Flamengo para Coroado, os moradores vão aos parques ocasionalmente – como os de Nova Holanda, que vão ao da Quinta da Boa Vista, na Zona Norte, que abriga o zoológico da cidade. Em Coroado, alguns habitantes, em especial os mais velhos, também caminham nos arredores da favela, relativamente calmos, arborizados e que apresentam muitas vistas da cidade. A beira-mar é igualmente um local de passeio apreciado e próximo de casa. Assim sendo, aproveitam plenamente a localização privilegiada da favela na Zona Sul da cidade em comparação a favelas mais distantes, como Nova Holanda, que se encontra em uma zona industrial, inapropriada para esse tipo de lazer.

30Assim como a praia e o parque, o shopping center passou a ser um lugar de passeio em si para uma parcela dos habitantes das favelas. Se alguns ali fazem suas compras, como vimos anteriormente, para a maioria o shopping é, antes de tudo, um espaço de lazer, que oferece cada vez mais atividades recreativas. Atualmente todos têm cinema e inúmeros bares e restaurantes, alguns dispondo também de teatro ou fliperama. As pessoas vão em família ou entre amigos olhar as vitrines, comer um lanche ou um sorvete. Os jovens fazem também do shopping um ponto de encontro. Os moradores de Nova Holanda frequentam principalmente o Norte Shopping pela proximidade e oferta de lazer. Os pais levam com relativa frequência seus filhos para comerem fast food, brincarem no parquinho ou, mais raramente, para assistirem a um filme. Outros vão geralmente após o trabalho fazer uma happy hour ou ir a um restaurante com os colegas. Aqueles que têm carro podem ir aos shoppings mais distantes, que oferecem atividades mais raras, como boliche. Fazer do shopping um espaço de lazer é bem mais comum entre os habitantes de Nova Holanda do que entre os de Coroado, que frequentam pouco os situados próximo à favela. Estes parecem bem menos atrativos, considerando a grande oferta de lazer nos bairros da Zona Sul em comparação com os bairros populares. Além disso, o mal-estar causado pela internalização da diferença de classe em relação à clientela habitual dos shoppings da Zona Sul, bem como a cobrança de preços mais altos parecem obstáculos à sua frequentação. No final das contas, certos moradores de Coroado preferem os shoppings populares, apesar de terem de percorrer um trajeto maior. A escolha pode também ser feita em função da rede de amigos, visto que ir ao shopping é essencialmente uma atividade social que se realiza em grupo.

31No entanto, se um número maior de habitantes vai ao shopping mais para se divertir do que para fazer compras, isso se restringe aos que têm recursos. De fato, consumir nesses lugares custa caro, o que afasta os mais pobres, que alimentam a ideia de que aquele espaço não foi feito para eles. Todavia, o shopping center representa o símbolo do consumo de massa e da cultura padronizada, dos quais todos querem participar, e tornou-se um lugar de referência da sociedade urbana que os moradores das favelas querem apresentar aos seus filhos, assim como os principais pontos turísticos da cidade. É o caso, por exemplo, de uma moradora de Nova Holanda, que conhece os shoppings centers por ter trabalhado neles e que prometeu a seus filhos levá-los para passar uma tarde assim que tiver condições.

Conclusão

32Em suma, uma grande parte das práticas espaciais dos moradores das favelas entrevistados é voltada principalmente para a favela e seu entorno, de tal modo que se pode concluir que o seu espaço de vida é concentrado em torno do local de residência. Para a maioria, as práticas do cotidiano se dão dentro da favela – mais precisamente, do domicílio – ou nos espaços centrais mais próximos. Contudo, essas práticas, principalmente quando não são fruto da necessidade, podem se traduzir em deslocamentos no âmbito do espaço urbano à procura de comércio e lazer, como é o caso de idas ao centro e a shoppings centers, bem como a espaços públicos, em especial praias e parques.

33Porém, para a maioria dos moradores, essas práticas do espaço urbano implicam a superação das dificuldades de sua mobilidade cotidiana. Podemos citar, em primeiro lugar, a questão do transporte, sua acessibilidade e seu custo, mas também o sentimento de insegurança, amplamente difundido no Rio de Janeiro, que atinge, aliás, o conjunto dos habitantes, independentemente de classe. O medo, portanto, leva os moradores a limitarem seus deslocamentos, de modo a saírem apenas muito raramente à noite e a não frequentarem  espaços desconhecidos ou pouco movimentados. Essa questão da violência é particularmente delicada em Nova Holanda, cuja movimentação é controlada por um grupo criminoso e onde conflitos podem estourar a qualquer momento, impedindo a saída ou entrada dos habitantes.

34Do mesmo modo, diferenças aparecem conforme a localização da favela no espaço urbano, o grau de consolidação, a presença de serviços e de comércio, a acessibilidade e, sobretudo, características individuais dos moradores – como sexo, idade, nível do orçamento ou de escolaridade ou tempo de residência na cidade. Assim sendo, alguns se mostram mais inclinados do que outros a um espaço de vida concentrado em torno do local de residência: os mais desfavorecidos, forçados à imobilidade; as mulheres, dadas suas responsabilidades familiares; os idosos, com dificuldade de locomoção ou com poucas motivações para sair; ou os migrantes recentes, que ainda não estão adaptados ao estilo de vida citadino, são alguns exemplos.

Haut de page

Bibliographie

ABREU Maurício de Almeida, Evolução Urbana do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, IPLANRIO, 1997.

ABREU Maurício de Almeida, « Reconstruindo uma história esquecida: origem e expansão inicial das favelas do Rio de Janeiro », Revista Espaço e Debates, n°37, 1994, p. 34-46.

AGIER M., L’invention de la ville : banlieues, townships, invasions et favelas, Paris, Éditions des archives contemporaines, coll. « Une pensée d’avance », 176 p., 1999.

CHETRY M., Les habitants des favelas face au droit à la ville au Brésil : réalité de la fragmentation urbaine, défi de l’intégration, Lyon, 2010. Thèse de doctorat (Doctorat en Géographie et Aménagement), Université Jean Moulin - Lyon 3.

BABY-COLLIN V., Marginaux et citadins. Construire une urbanité métisse en Amérique Latine, Toulouse, Thèse de doctorat (Doctorat en Géographie), Université Toulouse II-Le Mirail, 2000.

CALDEIRA T. P. do R., Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo, São Paulo, Editora 34/Edusp, 399 p., 2000.

CEASM, A Maré em dados: Censo 2000, Rio de Janeiro, Ceasm, 2000.

CERTEAU M. de, L’invention du quotidien, 1. Arts de faire, Paris : Gallimard, 352 p., 1990.

DORIER-APPRILL E., GERVAIS-LAMBONY P. (Org.), Vies citadines, Paris, Belin, coll. « Mappemonde », 267p., 2007.

GERVAIS-LAMBONY P., « La citadinité ou comment un mot peut en cacher d’autres… », In Élisabeth

DORIER-APPRIL, Vocabulaire de la ville. Notions et références, Paris, Édition du temps, 2001, p.92-107.

GOMES P. C. da C., A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2002, 304 p.

LUSSAULT M., SIGNOLES P., La citadinité en questions, Fascicule de recherches, Tours, Urbama, n.29, 1996.

NAVEZ-BOUCHANINE F., « Des villes entre fragmentation spatiale et fragmentation sociale: une approche critique de la notion de fragmentation », InÉlisabeth DORIER-APPRIL, Vocabulaire de la ville. Notions et références, Paris, Édition du temps, 2001. p.109-118.

NAVEZ-BOUCHANINE F., « Fragmentation spatiale et urbanité au Maghreb », In F. NAVEZ-BOUCHANINE (org.), La fragmentation en question: des villes entre fragmentation spatiale et fragmentation sociale?, Paris, L’Harmattan, 2002, p.153-193.

SOUZA M. L. De, O desafio metropolitano. Um estudo sobre a problemática sócio-espacial nas metrópoles brasileiras, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 368 p., 2000.

VALLADARES L. do. P., « Qu’est-ce qu’une favela ? », Cahiers des Amériques Latines, Paris, n.34, p. 61-72, 2000.

VALLADARES L. do. P., La favela d’un siècle à l’autre, Paris, Éditions de la Maison des sciences de l’homme, 229 p., 2006.

VENTURA Z., Cidade Partida, São Paulo, Companhia das Letras, 277p.,1994.

Haut de page

Notes

1 O Censo Maré foi um recenseamento realizado em 2000 no Complexo da Maré por uma ONG local, o Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (Ceasm).

2 A competitividade dos preços pode ser explicada em parte pela forte concorrência resultante da oferta significativa de comércios.

3 Convém matizar o aspecto democrático da praia no Rio de Janeiro, visto que as diferenças entre as classes sociais não deixam de existir e as relações entre os grupos dizem mais respeito à discriminação e ao esquivamento do que ao contato e à troca. Sobre essa questão dos conflitos relativos ao modo como as pessoas se apropriam da praia no Rio de Janeiro, ver Gomes (2002)

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1: Localização das favelas estudadas no Rio de Janeiro
Crédits Fonte: Michaël Chetry, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12410/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Mapa 2: Práticas comerciais das pessoas entrevistadas em Nova Holanda e Coroado
Crédits Fonte: Michaël Chetry, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12410/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12410/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Mapa 3: Práticas de lazer das pessoas entrevistadas em Nova Holanda
Crédits Fonte: Michaël Chetry, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12410/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12410/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 106k
Titre Mapa 4: Práticas de lazer das pessoas entrevistadas em Coroado
Crédits Fonte: Michaël Chetry, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12410/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Michael Chetry, « A inserção dos moradores de favelas do Rio de Janeiro na cidade: o caso das práticas de consumo e lazer », Confins [En ligne], 13 | 2011, mis en ligne le 22 octobre 2017, consulté le 18 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/12410 ; DOI : 10.4000/confins.12410

Haut de page

Auteur

Michael Chetry

Pesquisador vinculado à l’UMR CNRS Environnement Ville Société (Rives).chetrym@hotmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org