Navigation – Plan du site
Dossiê migração européia para o Brasil, século XIX e início do século XX

A emigração da Madeira para São Paulo no final do século XIX: estudo socioeconômico e estatístico

L’émigration de l’archipel de Madère vers São Paulo à la fin du XIXe siècle : Étude socio-économique et statistique
The emigration of the Madeira archipelago to São Paulo at the end of the 19th century: Socio-economic and statistical study
Nelly de Freitas
Traduction de Luciele Soares et revisão de Patrícia Reuillard (Ufrgs)
Cet article est une traduction de :
L’émigration de l’archipel de Madère vers São Paulo à la fin du XIXe siècle : Étude socio-économique et statistique

Texte intégral

1Este texto é o resumo de uma tese de doutorado em história defendida em abril de 2013. Essa tese se debruça sobre o perfil dos emigrantes do arquipélago português da Madeira e sobre seu movimento migratório para São Paulo no final do século XX.

2A emigração portuguesa para o Brasil não é um tema novo de estudo. No entanto, a originalidade desse trabalho está na abordagem completa que alia história, geografia e demografia e situa-se em um duplo contexto: o do arquipélago de partida, assim como o da região de chegada. Deste modo, o objetivo desse trabalho não é abordar a questão do ponto de vista de uma única zona geográfica, sua perspectiva é outra. Propomos analisar, graças, especialmente, à utilização de cinco fontes de arquivos diferentes, portuguesas e brasileiras, o fluxo migratório desde o momento de embarque em Funchal, até a chegada na Hospedaria dos Imigrantes de São Paulo, onde os imigrantes eram recebidos. Qual era a composição desses grupos de imigrantes? De qual região do arquipélago eles provinham? Eles correspondiam as expectativas brasileiras? Qual era a parcela da imigração clandestina? O que acontecia com esses imigrantes insulares do outro lado do Atlântico? Buscamos, em suma, dar-lhes um lugar na construção da sociedade brasileira e na história da emigração portuguesa.

Definir e estudar e emigração portuguesa no Brasil

3O fenômeno da emigração é uma constante na história de Portugal desde a descoberta e ocupação do Arquipélago da Madeira no século XV (Serrão, 1989). No início moderada, em torno de 2000 partidas por ano (Godinho, 1978), a emigração portuguesa se desenvolveu ao mesmo tempo que se estendeu para os Açores, a partir de 1439 e para o Cabo Verde a partir de 1462, em seguida para o Brasil a partir de 1549.

4A partir do século XVII, é, contudo, o destino brasileiro que domina. Mercadores, comerciantes, funcionários públicos ou então senhores de engenhos, os portugueses formavam, nessa época, o essencial da nova classe urbana (Mauro, 1994, p.26-27).

5No século XVIII, “a corrida” para as minas de ouro e de diamantes do Brasil atraiu de 8000 a 10000 portugueses (Godinho, 1978, p.9) alimentando “o mito da fortuna” que esperava cada emigrante (Pereira, 2002, p. 45-46).

6Já no século XIX, apesar dos períodos conturbados pelas invasões napoleônicas, entre 1807 e 1810, a guerra civil no país entre 1832 e 1834, tudo isso pontuado pelas dificuldades financeiras e econômicas, o fluxo migratório não se reduziu: 1,5% da pulação portuguesa deixou o país (Godinho, 1978, p. 10). A emigração portuguesa “fenômeno plurissecular” (Guichard, 1990, p. 68) aumentou vigorosamente desde a independência do Brasil, em 1822. A conjunção da abolição da escravatura e o crescimento da cultura do café nas províncias do Rio de Janeiro e, em seguida nas de São Paulo, forçou, de fato, o governo brasileiro a favorecer a chegada de novos emigrantes. O deslocamento se inseria no fluxo mais global, que da Europa, se dirigia abundantemente para o continente americano onde as ofertas de trabalho profusas nutriam as esperanças de uma vida melhor para milhões de indivíduos. Estima-se, assim, cerca de 55 milhões o número de pessoas a deixar a Europa entre 1821 e 1924 (Thistlethwaite, 1991, p.20) e cerca de dois milhões o número de portugueses a atravessar o Atlântico entre1850 e 1930 (Pires, Machado, Peixoto e Vaz, 2010, p. 22)

7Verdadeiro caso de exceção até então, os portugueses que desembarcaram no Brasil entre a metade do século XIX e o início do século XX, eram, deste modo, sete vezes mais numerosos que aqueles que vieram durante o período colonial (Boschilia, 2008). Os emigrantes originários da Madeira e dos Açores representavam uma parte significativa, sobretudo considerarmos o baixo peso populacional dos dois arquipélagos dentro do território português.

8Durante os trabalhos de pesquisa, foi fazendo um balanço não apenas sobre os dados coletados sobre os imigrantes da Madeira no Brasil, mas também sobre os Portugueses em geral, que muitas lacunas apareceram. Pouco destacado, esse imigrante é na maior parte do tempo visto como um português dentre os outros, permanecendo um ser quase “invisível”, de acordo com a historiadora Andréa Telo da Corte (Telo da Corte, 2002, p.18). Com muita frequência a historiografia oculta não só as histórias das famílias, mas também as particularidades regionais portuguesas e seus efeitos sobre a sociedade brasileira. Por essa razão decidimos dedicar esse trabalho a emigração do Arquipélago da Madeira.

Contexto da emigração do arquipélago da Madeira para o Brasil

9Saído das profundezas do Atlântico, situado em posição privilegiada nas rotas marítimas da África ocidental e austral, do Oriente e da América Central e da América do Sul, cerca de 900 quilômetros de Lisboa e à menos de 800 quilômetros das costas africanas (como mostra o mapa abaixo), o Arquipélago da Madeira foi o primeiro espaço atlântico ocupado pelos portugueses.

Mapa 1: O Arquipélago da Madeira no Oceano Atlântico

Mapa 1: O Arquipélago da Madeira no Oceano Atlântico

Fonte: Guichard, 1990, p. 19.

10Composto por nove ilhas (somente duas são habitadas: a da Madeira, a mais importante e que dá nome ao arquipélago e Porto Santo, 50 quilômetros a nordeste), a inserção desse território na organização do Estado português merece alguns esclarecimentos antes que o estudo possa ser aprofundado.

11De fato, esse trabalho se refere ao Arquipélago da Madeira, que pertencia ao distrito de Funchal. Até a lei de 25 de abril de 1835, Portugal estava dividido em províncias, e estas subdivididas em Comarcas (Serrão, 1985). Essa lei suprimiu as províncias e comarcas para criar um sistema de distritos (distritos, equivalente à uma região administrativa), cada um tendo a sua frente um governador civil nomeado pelo governo. Existiam dezessete distritos no continente, três para o arquipélago de Açores e um para Madeira, o distrito de Funchal (esse sistema foi suprimido pela constituição de 1976, que conferiu aos arquipélagos o status de região autônoma).

12Em cada distrito havia conselhos dotados do poder municipal) compostos de freguesias (a menor coletividade local e unidade administrativa, dirigida por uma assembleia eleita). Até 1914, o distrito de Funchal compreendia dez conselhos, nessa data o conselho de Ribeira Brava foi criado com paróquias vindas dos conselhos vizinhos de Ponta do Sol e Câmara de Lobos, como podemos observar no mapa 2 abaixo.

Mapa 2: Conselhos e sedes de conselhos do distrito de Funchal antes de 1914

Mapa 2: Conselhos e sedes de conselhos do distrito de Funchal antes de 1914

Fonte: Anuário Estatístico da Região Autônoma da Madeira - (Instituto Nacional de Estatística, Delegação do Funchal).

13Logo reconhecida pela riqueza e fertilidade de seus solos, a ilha da Madeira, ao contrário de seu vizinho Porto Santo, atraiu indivíduos de origens variadas: portugueses, estrangeiros e mesmo escravos (Albuquerque e Vieira, 1987, p.56) de modo que de 2310 habitantes nos anos 1450, a população passou para 15220 residentes perto de 1507, 30188 em 1598, 65490 perto de 1768 (Silva, 1995, p 669) e 111687 em 1864 (Oliveira, 1999, p.26). No entanto, apesar de vigoroso, o crescimento da população foi rapidamente atingido pelas restrições de uma ilha de origem vulcânica e muito escarpada. O início do fluxo de mobilidade para os novos territórios descobertos por Portugal, especialmente o Brasil, marcou, assim, uma mudança em sua demografia.

14Desde os primórdios de sua colonização, o Brasil exerceu uma forte atração sobre as populações insulares portuguesas. O desenvolvimento da cultura da cana de açúcar (Alencastro, 2000) resultou na chegada dos primeiros madeirenses no século XVI. Aventureiros e vítimas de perseguições religiosas vieram em seguida. No século XVIII, esses movimentos migratórios se intensificaram com o apoio da coroa portuguesa que preocupada em defender um território desejado por franceses, holandeses e espanhóis, encorajou a instalação de casais originários dos Açores e da Madeira no Sul e no Norte do Brasil.

15No século XIX, acostumada a viajar e habituada ao contato com estrangeiros vindos por turismo ou negócio, a população da Madeira não hesitava em emigrar apesar das críticas sobre o que chamavam de “escravatura branca” (Serrão, 1976, p. 96). Ao contrário dos continentais que privilegiavam o Brasil e dos açorianos, mais voltados para os Estados Unidos (Pires, Machado, Peixoto e Vaz, 2010), os madeirenses se espalharam pelo mundo¸ instalando-se tanto em Demerara na Guiana, como nos Estados Unidos, no Havaí ou na América do Sul. A emigração para o Brasil continuou com força no século XIX, tanto nos períodos de crise como nos de estabilidade (Vieira, 1990), principalmente para o estado de São Paulo onde o processo de abolição da escravatura e a expansão das plantações de café aumentavam a busca por mão de obra. Convém relembrar brevemente que o processo de abolição da escravatura no Brasil acelerou-se a partir de 1850 com a lei Eusébio de Queiroz proibindo o comércio de escravos. Após este primeiro passo decisivo, em 1871, a lei do ventre livre libertou as crianças nascidas de mães escravas, a de 1885 libertou os escravos com mais de 65 anos chegando, finalmente, em 1888, a abolição total da escravatura através da lei Aurea. Simultaneamente, o café, principal produto de exportação, se estendia de maneira fulgurante no território de São Paulo, que se tornou a principal região produtora no mundo, ultrapassando o Rio de Janeiro já em 1883.

16Após diversas tentativas pouco frutíferas e com o propósito de estimular a vinda de trabalhadores agrícolas em suas terras, o governo de São Paulo estabeleceu progressivamente uma política de imigração ativa baseada nos subsídios concedidos a companhias ou a agentes que se propunham em introduzir imigrantes em seu território. Essa política teve ascensão nos anos 1880, especialmente após a criação da Sociedade Promotora de Imigração, em 1886, opondo-se assim a vontade de alguns fazendeiros, que desejavam prolongar a utilização dos escravos, nos quais haviam tanto investido. Como o controle político da província sofria influência direta dos fazendeiros, os cofres públicos foram utilizados para desenvolver um sistema de atração e estabelecer o que o historiador brasileiro Paulo Cesar Gonçalves chama de “trafico de imigrantes”, que teria reunido ao mesmo tempo os interesses dos proprietários e o dos homens e empresas intermediários, encarregados de recrutar e transportar essa mão de obra imigrante (Gonçalves, 2008, p.191).

17O subsídio do transporte de emigrantes, garantido pelo tesouro público aos agentes ou as companhias, representava então, um dos instrumentos fundamentais para alimentar o fluxo migratório. Nesse regime, a administração pública subsidiou inteiramente o transporte para pessoas acima de 12 anos, a metade para aquelas entre 7 e 12 anos, e um quarto para as crianças entre 3e 6 anos. Somente os indivíduos solteiros, os que pretendiam se instalar em outras zonas do Brasil fora do Estado de São Paulo, e aqueles que no passado, haviam podido contar com esta ajuda financeira para se instalar no Brasil e que por alguma razão tinham retornado ao seu país de origem, não poderiam receber essa ajuda pública (Holloways, 1980, p. 45-48).

Analise do fluxo migratório dos Madeirenses para São Paulo entre 1886 e 1898

18Neste contexto, estudar os fluxos dos homens e mulheres que atravessaram o Atlântico entre Funchal e Santos no fim do século XIX mostrou-se quase como uma evidência, como uma lacuna para preencher, visto que ainda hoje em dia é ignorada a proporção de imigrante madeirenses dirigidos para o Estado de São Paulo que recebeu 60% do fluxo migratório com destino ao Brasil (Bassanezi et alii, 2008, p. 14) nos dez anos seguintes à abolição da escravatura. Nossa reflexão sobre a metodologia e o corpus de fontes nos fez questionar se era necessário observar a saída desses indivíduos da Madeira e sua chegada ao Brasil. Devido a necessidade de cruzar as fontes e a dificuldade para acompanhar os imigrantes madeirenses por toda sua trajetória (trabalhos de micro-história ainda precisam ser feitos), nós conectamos documentos recolhido em Portugal e no Brasil para tratar simultaneamente a problemática da partida e da chegada dos imigrantes.

19Contudo, escolhemos desenvolver nossa pesquisa a partir da Madeira, considerando que a decisão de partir constituiria a problemática central, o que não impediu de considerar que a emigração, ação de sair de seu país ou sua terra para se refugiar ou trabalhar temporária ou definitivamente em um país estrangeiro (Rocha-Trindade, 1995), não deixa de ser, de acordo com o sociólogo Abdelmalek Sayad, a oura face da moeda da imigração e um fenômeno não pode ser estudado sem o outro. (Ayad, 1998)

20Nesse contexto, levamos em consideração igualmente as observações de Maria Ionnis Baganha, que não acreditava ser possível estudar e quantificar os fluxos migratórios sem considerar as fontes do país de partida e do país de chegada (Baganha, 1991), tal como as reflexões de Ana Silvia Volpi Scott sobre a dificuldade de estudar a emigração portuguesa frequentemente “diluída” na população brasileira, exigindo o uso de fontes e metodologias inovadoras a fim de “recuperar a trajetória desses indivíduos” (Volpi Scott, 2000 p.128).

21Deste modo, só um cruzamento mais fecundo de fontes e a preparação de uma base de dados bem alimentada permitiu descobrir com mais precisão se os emigrantes que embarcaram no porto de Funchal tinham desembarcado no Brasil, se eles tinham passaporte, de qual zona do arquipélago vinham, se partiram sós ou acompanhados, em suma, acompanhar da saída ao momento de chegada, cada um dos indivíduos que haviam embarcado. Para isso, cinco fontes recolhidas serviram de base: os registros de passaportes do governo português, as listas de madeirenses que embarcaram no porto de Funchal com destino à São Paulo (exemplo na imagem 1), as listas de passageiros que desembarcaram no porto de Santos (imagem 2), as listas de bordo e as listas de emigrante com estada na Hospedaria dos Imigrantes de São Paulo (imagem 3).

Imagem 1 – Exemplo de uma lista de passageiros embarcados em Funchal

Imagem 1 – Exemplo de uma lista de passageiros embarcados em Funchal

Fonte: Arquivo Regional da Madeira. Administração do Concelho do Funchal. Listas dos passageiros saídos. Livros n. ° 124 a 132.

22Imagem 2 – Extrato de uma lista de passageiros desembarcados no porto de Santos

Fonte: Arquivo Nacional do Brasil. Relação de vapores (entradas) no Porto de Santos.

Microfilm AN 282/2011.

Imagem 3 – Estrato de um livro de registro da Hospedaria dos Imigrantes

Imagem 3 – Estrato de um livro de registro da Hospedaria dos Imigrantes

Source : Acervo do Memorial do Imigrante. Livro de matrícula n.° 3, p. 44.

23Passada a parte trabalhosa de cruzamento de informações e de registro de dados, conseguimos, a partir da análise de uma amostra de 13.923 emigrantes madeirenses, elaborar uma reunião nominativa refinada, ou seja, uma reunião de informações de fontes diferentes como se quiséssemos reconstruir a biografia de cada pessoa e responder a diversas interrogações feitas na introdução. Em busca de precisões tão distintas como o nome e o sobrenome dos passageiros, sexo, idade, origem, estado civil, relação de parentesco, profissão, registro de passaporte, data de partida e de desembarque, a base nos permite determinar mais detalhadamente o tipo de indivíduos presentes no momento do embarque e assim, saber mais sobre a origem desse contingente insular, sua composição e conhecer melhor uma face frequentemente escondida dos movimentos migratórios: a clandestinidade. Deste modo, além de querer conhecer seu perfil, a questão do controle de fluxo apareceu. De acordo com nossas conclusões, as autoridades de São Paulo aparecem majoritariamente como responsáveis pela origem e composição desses movimentos.

24De fato, se analisarmos os contratos assinados entre as companhias de navegação e os agentes de emigração, o governo paulista estabeleceu bem a imagem das pessoas que ele desejava fazer vir para trabalhar nas plantações de café. Segundo os documentos analisados (cinco contratos datados de 1888, 1892, 1894, 1896 e 1897) - em virtude dos quais cerca de 80% dos madeirenses foram transportados- o imigrante ideal deveria ser agricultor, ter preferencialmente entre 12 e 50 anos, estar viajando com uma família tão extensa quanto possível, de forma a garantir não somente um trabalho “sério” e “disciplinado” (Holloways, 1980, p. 87), mas igualmente uma instalação definitiva.

25Nossas conclusões nos permitem também confirmar que a emigração madeirense no fim do século XIX foi sinônimo de emigração para o Brasil. Como ilustra bem o gráfico 1 abaixo, os emigrantes madeirenses que partiram para São Paulo entre 1886 e 1899 analisados na base de dados elaborada para esse trabalho, representavam assim, 48,59% das partidas oficiais da Madeira, cujo número se elevou no período à 27.108 emigrantes.

Gráfico 1 – Proporção de emigrantes madeirenses por cada mil habitantes

Gráfico 1 – Proporção de emigrantes madeirenses por cada mil habitantes

Extrato das estatísticas oficiais comparado ao dos emigrantes madeirenses para São Paulo para cada mil habitantes (extrato da base de dados desse trabalho) entre 1886 e 1899

26Em valor absoluto, o fluxo provinha sobretudo dos conselhos do Sul, como Ponta do Sol, mas em termos relativos, o peso da emigração foi sentido principalmente nas populações dos conselhos do Norte, como Santana, porto Moniz e São Vicente. Esses resultados são representados no mapa 3 abaixo:

Mapa 3: Representação do número de emigrantes madeirenses entre 1886 e 1899 por mil habitantes em números absolutos.

Image 2000010F00006B2200006361FCB6FF49.wmf

Fonte: Valores extraídos da base de dados do autor. Base cartográfica: Anuário Estatístico da Região Autônoma da Madeira - (Instituto Nacional de Estatística, Delegação do Funchal) retrabalhadas com Adobe Illustrator et philcarto [Acessível no site http://philcarto.free.fr/​]. As abreviações dos concelhos: PDS, PM, SC et PS, correspondem respectivamente à Ponta do Sol, Porto Moniz, Santa Cruz e Porto Santo.

27Podemos, assim, afirmar que, como desejava São Paulo e ao contrário dos estereótipos sobre a emigração portuguesa (o emigrante português era descrito como sendo um homem, sozinho e solteiro que partia para o Brasil para trabalhar no comércio), o fluxo contava com poucos indivíduos sozinhos, somente 5,25% do total. De fato, encontramos, sobretudo, indivíduos constituídos em família, simples ou ampliada, caracterizadas na prática por um número significativo de mulheres, 46,14% do total. Ao mesmo tempo, a proporção de criança entre 0 e 9 anos revelou-se significativa, totalizando 30% do conjunto de emigrantes (Gráfico 2). Se nos detivermos na faixa etária 0-14 anos, definida por Louis Henry como sendo a das crianças (Henry, 1988, p. 21) a proporção passa então a cerca de 40%.

Gráfico 2 – Distribuição dos emigrantes madeirenses por grupo de idade e sexo, 1886-1899

Gráfico 2 – Distribuição dos emigrantes madeirenses por grupo de idade e sexo, 1886-1899

28Em consequência dessa emigração familiar, mais fácil de controlar, encontramos uma baixa incidência de clandestinos – 1% dos madeirenses analisados foram identificados com certeza nessa situação. Todavia, essa modesta porcentagem não exclui a existência de partidas ilegais mais significativas no período considerado. Na realidade, a sobre-representação excessiva dos indivíduos do sexo masculino em idade inferior e superior à faixa etária sujeita à interdição militar, 14 – 21 anos, pode perfeitamente dissimular os clandestinos aumentando ou diminuindo a idade para obter um passaporte.

29Por fim, graças aos dados sócio-profissionais recolhidos e apesar do cuidado necessário ao seu tratamento devido ao perfil exigido para os candidatos à emigração para São Paulo, podemos revelar que 80% dos madeirenses foram declarados agricultores. Esses dados vieram não somente confirmar as conclusões do historiador Thomas Holloway (Holloway, 1980, p. 47-49), mas também, caso consideremos que ¾ da população vivia e trabalhava na agricultura na Madeira, nos permite deduzir que os indivíduos cuja profissão não era conhecida, provavelmente trabalhavam na terra. Além disso, após sua chegada e passagem quase sistemática pela hospedaria dos imigrantes, 80% dos emigrantes madeirenses se dirigiram para o interior do Estado, para as plantações de café, como ilustra o mapa 4 abaixo (principalmente para Araraquara e Ribeirão Preto), entrando assim perfeitamente no molde desenvolvido pelas autoridades brasileiras.

Mapa 4: Destino dos emigrantes madeirenses na província/Estado de São Paulo, 1886-1899 (%)

Image 20000ABF0000A8D200006B1C9F8E857D.wmf

Fonte: Valores extraídos da base de dados do autor. Base cartográfica: Divisão territorial do Estado de São Paulo em 1904 (Bassanezi, Volpi Scott, Bacellar, Truzzi, 2008, p. 131) retrabalhadas com Adobe Illustrator et philcarto [Acessível no site http://philcarto.free.fr/​].

Conclusão

30A simples constatação que as mobilidades sempre tiveram um ponto de partida e um de chegada nos levou a considerar os dois lados da problemática a fim de ter uma visão geral e dados importantes. Assim, o cruzamento das informações contidas em cinco fontes diferentes, portuguesas e brasileiras, permitiu quantificar o fluxo migratório da Ilha da Madeira para São Paulo e analisar de forma detalhada o perfil do emigrante madeirense.

31Mesmo que para o Brasil, a vinda desses insulares não tenha constituído uma contribuição decisiva como constituiu o conjunto de portugueses, italianos, espanhóis e mesmo de alemães, ainda assim foi possível descrever sua chegada, sem determinismo excessivo, como uma necessidade para a ilha de partida e como uma boa resposta socioeconômica para o pais anfitrião.

32Em resumo, entre 1886 e 1899, o emigrante madeirense que desembarcou em São Paulo era um trabalhador não qualificado que se dirigia, após sua chegada e sua passagem quase sistemática pela hospedaria dos imigrantes, para as plantações de café paulistas. A fim de se beneficiar dos preciosos subsídios brasileiros, o madeirense embarcou com mulher, filhos e outros membros da família, contradizendo assim a imagem tradicional do imigrante português frequentemente descrito como um homem sozinho, solteiro e que atravessa o mar para se dedicar ao comércio no Brasil.

33Após essa primeira análise, seria interessante mostrar o que aconteceu com esses emigrantes madeirenses e suas famílias nessas terras paulistas. Por isso, é necessária uma análise nominativa para obter um acompanhamento satisfatório dessas pessoas que são tanto aqueles que partem, como aqueles que chegam e que podem, mais ou menos, passar através das malhas da rede institucional.

Fontes:

34Arquivo Regional da Madeira. Administração do Concelho do Funchal. Listas dos passageiros saidos. Livros n. ° 124 à 132.

35Arquivo Regional da Madeira. Fundo do Governo Civil. Registo de Passaportes.

36Arquivo Nacional do Brasil. Divisão de Documentos Escritos. Setor de Documentos Administrativos e Legislativos. Serviço de Polícia Marítima, Aérea e Fronteiras - SP (Santos): relação de vapores (entradas) no Porto de Santos, 1891-1902.

37Acervo do Memorial do Imigrante de São Paulo. Listas Gerais de Desembarque de Passageiros no porto de Santos. Rolos 1 à 11. 

38Acervo do Memorial do Imigrante de São Paulo. Registros de matrícula. Livre 4 a 64, Livre 98 et livre 56-A.

Haut de page

Bibliographie

Arquivo Regional da Madeira. Administração do Concelho do Funchal. Listas dos passageiros saidos. Livros n. ° 124 à 132

Arquivo Regional da Madeira. Fundo do Governo Civil. Registo de Passaportes.

Arquivo Nacional do Brasil. Divisão de Documentos Escritos. Setor de Documento

Administrativos e Legislativos. Serviço de Polícia Marítima, Aérea e Fronteiras - SP (Santos): relação de vapores (entradas) no Porto de Santos, 1891-1902

Acervo do Memorial do Imigrante de São Paulo. Listas Gerais de Desembarque de Passageiros no porto de Santos. Rolos 1 à 11.

Acervo do Memorial do Imigrante de São Paulo. Registros de matrícula. Livre 4 à 64, Livre 98 et livre 56-

Albuquerque L. de, Vieira A. O Arquipélago da Madeira no século XV. Funchal: Região Autónoma da Madeira, 68 p., 1987

Alencastro L. F. de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 544 p., 2000

Baganha, M. I. «Uma imagem desfocada : a emigração portuguesa e as fontes sobre a emigração». Análise Social, vol. XXVI (112-113), p. 723-739, 1991

Bassanezi M. S. C. B, Volpi Scott A. S., Bacellar C. de A. P., Truzzi O. M. S. Atlas da imigração internacional em São Paulo, 1850-1950. São Paulo: Editora UNESP, 144 p., 2008

Bennassar B., Marin R. Histoire du Brésil, 1500-2000. Paris : Fayard, 629 p., 2000

Boschilia, R. « A sociedade Portuguesa em Curitiba: um projeto identitário (1878-1900)». In: Matos M. I. S., Sousa F. de, Hecker A. Deslocamentos e história: os portugueses. Bauru/ São Paulo: EDUSC, pp. 339-355, 2008

Câmara B. A economia da Madeira, 1850-1914. Lisbonne: ICS, Instituto de Ciência Sociais da Universidade de Lisboa, 355 p., 2002.

Freitas, Nelly de, Des vignes aux caféiers : Étude socio-économique et statistique sur l’émigration de l’archipel de Madère vers São Paulo à la fin du xixe siècle. Thèse de Doctorat en Histoire soutenue en avril 2013

Gonçalves, Paulo Cesar. Mercadores de Braços, riqueza e acumulação na Organização da Emigração Européia para o novo mundo. Thèse de doctorat présentée en 2008 à l’Université de l’Etat de São Paulo (USP)

Guichard F. Géographie du Portugal. Paris : Masson, Collection Géographie, 224 p., 1990

Halpern Pereira M. A política portuguesa de emigração (1850-1930). Bauru/São Paulo: EDUSC ; Portugal: Institut Camões, 387 p., 2002

Henry Louis. Técnicas de análise em demografia histórica. Traduction et notes de J. M. Nazareth. Lisbonne: Gradiva, 321 p., 198

Holloway T. H. Immigrants on the land: coffee and society in São Paulo, 1886-1934. North Carolina: The University of North Carolina press Chaptel Hill, 218 p., 1980

Magalhães Godinho, V. « L’émigration portugaise (XV-XXe siècle), une constante structurale et les réponses aux changements ». Revista de História económica e social, Lisbonne, Sá da Costa Ed., pp. 5-32, Jan-Juin 1978

Mauro F. Histoire du Brésil. Paris: Chandeigne, 153 p., 1994

Oliveira, I. «A Ilha da Madeira. Transição Demografica e Emigração». Revista População e Sociedade, n° 5, Porto: CEPESE, p. 25-59, 1999

Pena Pires R. (Coord.), Machado F. L., Peixoto J., Vaz M. J. Portugal: Atlas das migrações internacionais. Lisbonne: Tinta-de-china edições, 120 p., 2010

Piazza W. Epopeia Açórico-Madeirense (1746-1756). Funchal: CEHA, 393 p., 1999

Prado Júnior C. História económica do Brasil. 10e édition. São Paulo : Edition Brasiliense, 340 p., 1967

Rocha-Trindade M. B. Sociologia das migrações, Lisbonne, Universidade Aberta, 410 p., 1995

Santos M. L. F. dos. Os madeirenses na colonização do Brazil. Funchal: Secretaria Regional do Turismo e Cultura, 203 p., 2008.

Saraiva J. H. Evolução histórica dos municípios portugueses. Communication présentée au siège du Centre d’Etudes Politico-sociaux, le 7 novembre 1956

Sayad, Abdelmalek. A imigração ou os paradoxos da alteridade. Préface de Pierre Bourdieu, traduction de Cristina Murachco. São Paulo : EDUSP, 299 p., 1998

Serrão J. (Dir.) Testemunhos sobre a emigração portuguesa: Antalogia. Lisbonne: Colecção Horizonte, 243 p., 1976

Serrão J. A emigração portuguesa. 4e édition, Lisbonne: Livros Horizonte, 248 p., 1982

Serrão J. (Dir.) Dicionário de História de Portugal.Vol II, Porto: Livraria Figueirinhas, 1989

Silva F. A. da, Meneses C. A. Elucidário madeirense. 3 vols. Funchal : Typographie Minerva, édition du Secrétariat Régional de l’éducation et de la culture, 1978

Silva J. M. A. A Madeira e a construção do mundo atlântico (séculos XV-XVII). Vol. II, Funchal : Secrétariat Régional du tourisme et de la culture, CEHA, 1086 p., 1995.

Silva, J. M. A. «O modelo pombalino de colonização da Amazónia». Revista de História da Sociedade e da Cultura, n. ° 3, p. 155-193, 2003.Telo da Corte, A. A imigração madeirense em Niterói, 1930-1990 : um estudo de caso. Dissertation de Master présentée à l’université fédérale fluminense, 2002

Teixeira Oliveira J. de. História do Café, no Brasil e no Mundo. Rio de Janeiro: Livraria Kosmos Editora LTDA., 438 p., 1984

Thistlethwaite, F. « Migration from Europe overseas in the Nineteenth and Twentieth Centuries ». In: Vecoli R. J., Sinke S. M. A century of European migrations, 1830-1930. Chicago: University of Illinois Press, 1991. pp. 17-57

Vieira, A. « Emigration from the Portuguese Islands in the Second Half of the Nineteenth Century: The Case of Madeira”. In: Higgs, David (Org.) Portuguese Migration in Global Perspective. Toronto: Multicultural History Society of Ontario, 1990, pp. 42-58

Volpi Scott, A. S. « Verso e reverso da imigração portuguesa : o caso de São Paulo ». Revista Oceano, n° 44, Oct/Dec., pp. 126-142, 2000.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1: O Arquipélago da Madeira no Oceano Atlântico
Crédits Fonte: Guichard, 1990, p. 19.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12416/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre Mapa 2: Conselhos e sedes de conselhos do distrito de Funchal antes de 1914
Crédits Fonte: Anuário Estatístico da Região Autônoma da Madeira - (Instituto Nacional de Estatística, Delegação do Funchal).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12416/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Imagem 1 – Exemplo de uma lista de passageiros embarcados em Funchal
Crédits Fonte: Arquivo Regional da Madeira. Administração do Concelho do Funchal. Listas dos passageiros saídos. Livros n. ° 124 a 132.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12416/img-3.png
Fichier image/png, 277k
Crédits Fonte: Arquivo Nacional do Brasil. Relação de vapores (entradas) no Porto de Santos.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12416/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Titre Imagem 3 – Estrato de um livro de registro da Hospedaria dos Imigrantes
Crédits Source : Acervo do Memorial do Imigrante. Livro de matrícula n.° 3, p. 44.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12416/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Gráfico 1 – Proporção de emigrantes madeirenses por cada mil habitantes
Crédits Extrato das estatísticas oficiais comparado ao dos emigrantes madeirenses para São Paulo para cada mil habitantes (extrato da base de dados desse trabalho) entre 1886 e 1899
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12416/img-6.png
Fichier image/png, 25k
Titre Gráfico 2 – Distribuição dos emigrantes madeirenses por grupo de idade e sexo, 1886-1899
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/12416/img-8.png
Fichier image/png, 16k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Nelly de Freitas, « A emigração da Madeira para São Paulo no final do século XIX: estudo socioeconômico e estatístico », Confins [En ligne], 31 | 2017, mis en ligne le 22 octobre 2017, consulté le 18 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/12416 ; DOI : 10.4000/confins.12416

Haut de page

Auteur

Nelly de Freitas

Post-doctorante en Histoire à la Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, nellydefreitas@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org